Arquivo da tag: Jamie Murray

Djokovic dos 100 aces
Por José Nilton Dalcim
18 de fevereiro de 2021 às 12:17

Não houve dor, nem falta de treino que segurassem Novak Djokovic. O recorde perfeito em semifinais no Australian Open se manteve diante da surpresa russa Aslan Karatsev e, um dia depois de garantir sua segunda mais espetacular façanha na carreira, Nole está pronto para o nono título em Melbourne e o 18º troféu de Grand Slam.

O rei dos tiebreaks em 2020 virou agora o rei dos aces. Como tem feito em toda a campanha deste ano no torneio e pouco antes na ATP Cup, Djokovic se esmerou no saque para encurtar pontos, abrir vantagens mas especialmente escapar de dificuldades. Como foi o caso dos dois essenciais break-points que encarou no 5/4 do segundo set em que Karatsev sequer tocou na bola.

Treinado por um dos mais hábeis sacadores do tênis moderno, Djokovic atingiu nesta sexta rodada do Australian Open a notável soma de 100 aces, o que dá média de quase 17 por jogo, exatamente a quantidade que desferiu contra Karatsev. Na segunda rodada contra Frances Tiafoe, bateu seu recorde pessoal para uma partida, com 26.

E isso considera apenas o ace em si, aquele em que o oponente mal reage, e não outros tantos serviços cruciais em que Djokovic induziu a devolução a erros. Infelizmente, a estatística ainda não contabiliza os aces de segundo serviço, outro aspecto em que o sérvio – e vários outros – tem se mostrado corajoso e eficiente.

O que será dos adversários se o melhor devolvedor da história se tornar também um dos maiores sacadores?

A partida desta quinta-feira contra Karatsev foi o que se esperava: muito esforço do russo e placar dilatado. Poderia ter sido ainda mais fácil, caso Djokovic tivesse fechado o segundo set na primeira chance, quando tinha 5/2.

Karatsev viveu alguns grandes momentos no fundo de quadra e fez alguns lances de força e precisão incríveis , mas o fator mais relevante era um alto índice de primeiro saque e ele mal chegou a 52%, vencendo ainda por cima apenas 65% deles. Então não dava mesmo para fazer novos milagres.

Com o recorde de semanas na liderança garantido e a inigualável façanha de ganhar quatro Slam seguidos em três pisos diferentes – seus dois maiores feitos, a meu ver -, Djokovic terá 72 horas de descanso para encarar Daniil Medvedev ou Stefanos Tsitsipas e encurtar para apenas dois a distância de troféus de Slam para Rafael Nadal e Roger Federer.

Posso apostar que ele prefere a inexperiência do grego de 22 anos, contra quem possui 4-2, do que o marrento russo, que o venceu em 3 dos últimos 4 confrontos ainda que o sérvio tenha 4-3 no geral.

Desafetos de longa data, Medvedev e Tsitsipas duelam às 5h30 desta sexta-feira. Tsitsipas vem da notável porém desgastante virada em cima de Nadal e pega um descansado russo que, além de já ter experimentado a tensão de fazer uma final de Slam,  leva ampla vantagem no histórico entre eles, com 5 vitórias em 6 duelos, sendo 4 a 1 nas quadras duras.

Osaka barra Serena e busca 4º Slam
Serena Williams teve suas chances na semifinal contra Naomi Osaka. Logo no começo do jogo, diante de uma adversária nervosa, abriu 2/0 e ainda poderia ter obtido quebras nos dois serviços seguintes. Mas a japonesa se mostrou uma fortaleza mental e deu seu show. Bateu na bola com desenvoltura invejável, achou ângulos perfeitos e contragolpes mortais, deixando a poderosa adversária estática e perdida na linha de base quase o tempo inteiro. Serena sentiu na pele o que mais gosta de fazer com suas adversárias: sufoco constante, sem tempo de pensar.

E olha que Osaka só acertou 36% de seu forte primeiro saque no set inicial. Esse ponto instável também deu uma quebra de sobrevida a Serena na metade do segundo set, mas que durou muito pouco. A japonesa manteve assim seu retrospecto impecável nas quatro semifinais de Grand Slam que já disputou e tem tudo para manter também a invencibilidade em finais no sábado, quando enfrentará Jennifer Brady.

Aos 25 anos e número 21 do mundo, Brady fará sua primeira final desse quilate e precisou novamente de três duros sets para vencer, agora Karolina Muchova. De estilo agressivo e acostumada a muitos erros não forçados – foram 38 nesta semi -, é arriscado dizer que ela não tem chance diante de Osaka. Mas precisará de um dia iluminado ou de uma atuação abaixo da média de Osaka para erguer a taça. Houve três duelos e Brady ganhou o primeiro deles, mas em 2014.

Soares e Murray desafiam campeões
Vale torcida brasileira no final desta noite e começo desta madrugada. Bruno Soares irá em busca de sua terceira final seguida de Grand Slam, depois do título no US Open e do vice em Roland Garros com Mate Pavic. Ele e o canhoto Jamie Murray enfrentam os atuais campeões, o norte-americano Rajeev Ram e o britânico Joe Salisbury, e deve ser uma batalha de arrepiar. Jogo começa 23h de Brasília.

Bruno e Murray buscam a segunda final da parceria no Australian Open e a terceira em eventos de Grand Slam. Eles ganharam em Melbourne e Nova York em 2016.

E mais
– Esta será a 28ª final de Slam de Djokovic, o que o deixa igualado a Nadal e a três de Federer.
– O sérvio pode se tornar também o segundo homem com mais troféus num mesmo Slam, atrás dos 13 de Rafa em Paris. Federer tem 8 em Wimbledon.
– O título também será o sexto de Djokovic depois dos 30 anos, empatando com o recordista Nadal.
– Aos 27 anos, Karatsev aparecerá no 42º posto do ranking e terá grande chance de entrar direto em todos os principais torneios do circuito até pelo menos Wimbledon.
– Serena deixou a entrevista oficial em lágrimas depois de responder se teria sido seu adeus ao Melbourne Park. Muito aplaudida pelo público na saída, ela disse amar a Austrália nas redes sociais.
– Brady saltará para o 13º lugar do ranking com a campanha até aqui e subirá mais um posto em caso de título.
– Ex-número 1, Osaka poderá recuperar a vice-liderança no lugar de Halep se vencer o Australian Open, mas ainda estará 1.350 pontos atrás de Barty.

Djokovic e Federer ensaiam a esperada final
Por José Nilton Dalcim
16 de novembro de 2018 às 21:04

O melhor tênis de Novak Djokovic reapareceu na hora exata. Numa apresentação bem perto do impecável, o número 1 do mundo manteve a invencibilidade no Finals e reafirmou o favoritismo para o título ao superar um Marin Cilic bem disposto e com nada a perder na última partida da fase classificatória do torneio.

Nole só não devolveu mesmo quando foi impossível antecipar o bombástico saque de Cilic, que escapou de um break-point no set inicial e permitiu uma única vantagem ao adversário no finalzinho do tiebreak. Sólido na base, ofensivo com suas bolas profundas e com a excepcional qualidade para criar ângulos, Djokovic também sacou muito bem e fez um segundo set primoroso.

Virá então o reencontro com Kevin Anderson na semifinal e, em que pese o sul-africano viver um grande momento na carreira, deverá influenciar muito o amargo placar de 7 a 1 em favor de Djokovic, que só perdeu em março de 2008. Dez anos depois, eles se cruzaram na final de Wimbledon e nas quartas de Xangai, e Anderson nem tirou sets.

Claro que Djokovic não irá substimá-lo. É muito provável que utilize a mesma postura tática que adotou contra Cilic, ou seja, fazer a bola voltar, investir no backhand menos confiável e só ir para o forehand quando o grandão estiver em movimento. A Anderson só cabe atacar o tempo todo, principalmente com o saque. Terá de correr riscos se quiser equilibrar, e isso inclui necessariamente transição mais constante para a rede.

Minha aposta: Djokovic em 2 sets, com um tiebreak.

Amigos, amigos, negócios à parte
Apesar dos 16 anos que os separam, Federer e Zverev já se cruzaram oficialmente cinco vezes e o suíço tem apertados 3 a 2  – houve outra na Copa Hopman, um jogaço aliás, que o alemão venceu. No problemático ano de 2016, Federer ganhou em Roma e perdeu em Halle. Em sua grande fase de 2017, suíço levou em Halle e no Finals, mas caiu em Toronto.

Zverev tem um excepcional backhand e saca muito bem, abrindo alguns buracos quando precisa defender com o forehand e se compromete principalmente nas bolas baixas e mais curtas. Provavelmente, serão as duas coisas em que Federer irá investir, ainda mais na quadra mais lenta.

Sascha nunca escondeu sua grande admiração por Roger, dentro e fora das quadras, mas sobrou algum incômodo hoje, quando ele rebateu declaração do suíço, que o criticou indiretamente pela queixa excessiva e redundante do calendário.

Pouco antes, Zverev fez seu melhor jogo da semana diante de John Isner, com destaque não apenas para sua boa devolução e oportunos contragolpes, mas principalmente por ter lidado muito bem com a pressão da vitória, única forma de garantir a inédita semifinal. Muito bom ter um representação da nova geração na fase decisiva do Finals.

Minha aposta: Federer em 3 sets, com até dois tiebreaks.

Bruno tenta final inédita
Únicos invictos nas duplas, o mineiro Bruno Soares e o britânico Jamie Murray terão que passar pela parceria norte-americana de Mike Bryan e Jack Sock, atuais campeões de Wimbledon e do US Open, se quiserem enfim disputar a primeira decisão na arena O2. É a quarta tentativa do mineiro.

Soares e Murray fizeram uma fase classificatória de alta qualidade e confiança. O trabalho de rede muito firme e algumas devoluções excelentes do brasileiro. Tomara mesmo que Sock jogue no nível desta sexta-feira, em que foi muito irregular e por vezes displicente.

A outra semi reúne os franceses Pierre-Hugues Herbert e Nicolas Mahut, outros campeões de Slam na temporada, contra os colombianos Robert Farah e Juan Sebastian Cabal, dupla muito bem introsada mas que continua à procura de seu primeiro grande título no circuito (até aqui, só venceram um Masters, em Roma deste ano).

Minha torcida: vitórias de Soares/Murray e de Cabal/Farah.

Jogos fracos embolam e ajudam Federer
Por José Nilton Dalcim
13 de novembro de 2018 às 21:07

Duas partidas frustrantes na terceira rodada do ATP Finals, mas que ajudaram muito Roger Federer. O suíço jogou bem melhor do que na estreia e conseguiu um placar elástico contra Dominic Thiem. Melhor ainda: viu o algoz Kei Nishikori ser esmagado por Kevin Anderson e ficar com saldo de games negativo, o que pode ajudar o cabeça 2 no caso de um tríplice empate no primeiro lugar do grupo na quinta-feira.

Vamos primeiro à situação do grupo Lleyton Hewitt:
1. Federer será primeiro do grupo se vencer Anderson e Thiem ganhar de Nishikori. Ou se ele bater Anderson por 2 a 0 e Nishikori vencer em 3 sets.
2. Federer será segundo do grupo se ganhar de Anderson em três sets e Thiem vencer por 2 a 0.
3. Federer dependerá de ‘game average’ se perder de Anderson por 2 a 0 e Thiem ganhar em sets diretos ou ainda se ele vencer Anderson e Nishikori levar em 2 sets.
4. Federer estará eliminado se perder de Anderson e Nishikori ganhar um set ou até mesmo se ganhar de Anderson em 3 sets e Nishikori superar Thiem.
5. Anderson só ficará de fora numa única possibilidade: perder de Federer por placar muito amplo e Nishikori ganhar em dois. Ainda assim, a decisão será no ‘game average’.
6. Thiem tem uma chance mínima: tem de ganhar muito fácil de 2 a 0, e torcer para Anderson fazer 2 a 0 bem elásticos.
7. A ATP já confirmou: na quinta, Nishikori e Thiem jogam às 12h e assim Federer e Anderson entrarão em quadra às 18h sabendo claramente do que precisam fazer.

Portanto, tudo ainda é possível. Claro que o sul-africano merecidamente está muito perto da semi logo em seu primeiro Finals. Fez um grande jogo frente a Thiem e esmagou Nishikori nesta terça-feira, uma partida muito estranha em que o japonês se mostrou totalmente descalibrado e por vezes desanimado. Escapou de uma humilhante ‘bicicleta’, algo raríssimo no Finals, quando Anderson já tinha vencido 11 games e ainda abriu 0-15. De longe, o sul-africano é o destaque do torneio até aqui.

O primeiro serviço de Federer permanece pouco confiável. É verdade que atingiu 67% de acerto no primeiro set, mas no segundo desabou para 47%. Thiem não soube se aproveitar disso e fez uma partida tenebrosa. Aliás, os números do jogo foram incrivelmente malucos: Federer fez apenas 9 winners (contra 11), mas Thiem cometeu o triplo de erros (34 a 11). O suíço também só foi nove vezes à rede, vencendo quatro pontos. Sempre bom lembrar que Federer só não disputou a semi de seus 15 Finals uma vez, no problemático ano de 2008. Esta aliás foi sua 70ª partida no torneio e a 56ª vitória.

Brasil na semi
Bruno Soares e o escocês Jamie Murray foram os primeiros a já se garantir na semifinal de sábado, graças a duas vitórias por 2 sets a 0 e o triunfo da parceria de Klaasen/Venus, a quem bateram na estreia.

O primeiro lugar do grupo está garantido e é uma motivação, mas não há muito o que escolher já que a outra chave é muito forte e pode ter como segundo colocados Mike Bryan/Jack Sock, Oliver Marach/Mate Pavic ou Marcelo Melo/Lukasz Kubot.

Bruno chega pela quarta vez na semi e ainda sonha com sua primeira decisão na arena O2. Nesta quarta-feira, será a vez de Melo e Kubot tentarem a reação essencial. Batidos na estreia por Bryan/Sock, enfrentam os franceses Pierre Herbert/Nicolas Mahut, mas na teoria até uma derrota ainda os mantém com chance desde que os americanos vençam no começo do dia.