Arquivo da tag: ITF

Imposição à vacina pode dividir de vez o circuito
Por José Nilton Dalcim
20 de outubro de 2021 às 20:31

O Governo australiano decidiu: ninguém irá entrar no país sem comprovar que tomou as duas doses recomendadas da vacina. E os tenistas que querem disputar o Australian Open não serão exceção. Nem mesmo o número 1 e eneacampeão Novak Djokovic.

A determinação, exposta nesta quarta-feira pelo ministro local da Imigração, Alex Hawke, coloca sobre a mesa a discussão sobre a liberdade individual de não se vacinar mas ao mesmo a responsabilidade de cada um em não transmitir o vírus.

A Austrália tem sido um dos países mais rígidos no controle da epidemia, o que muito provavelmente explique os baixos números de infecção e mortes, e a vacinação de sua população anda em bom ritmo. Não faz muito tempo, Melbourne foi fechada devido a um único caso detectado.

O pico de mortes ocorreu em agosto do ano passado, com 41, mas entre novembro e julho beirou o zero. A curva voltou a subir e hoje a média de mortes está em 15, a mais alta em 14 meses. No total da pandemia, houve o registro até agora de 130 mil casos, com 1.448 mortos. Até ontem, 57,5% da população estava totalmente vacinada.

Então é justificável que as medidas restritivas para a entrada de pessoas no país continuem severas. Por muitos meses, sequer residentes australianos que estavam fora das fronteiras recebiam autorização para voltar, fato que já gerou desconforto ao governo durante o Australian Open de fevereiro, onde tenistas, treinadores e juízes ganharam o direito de entrar após cumprir isolamento mínimo de 14 dias, algo que era negado aos próprios cidadãos no estrangeiro.

Desta vez, as autoridades garantem que irão tratar todos de forma igualitária, ou seja, ninguém entrará por portos ou aeroportos sem a vacinação completa concluída. E apesar de ATP, WTA e ITF terem buscado uma alternativa – sugeriram forçar quarentena e testes para os não-vacinados -, o governo não recuou até agora.

Embora não exista um levantamento oficial, estima-se que 35 a 40% dos atuais top 100 não tenham se vacinado ainda. Esse número pode diminuir na janela entre as duas temporadas, quando muitos jogadores voltarão enfim para casa e terão tempo para isso. Porém é sabido que muitos resistem à ideia de se vacinar e já o disseram publicamente.

Claro que o pivô é Djokovic. O número 1 do mundo e favorito ao 10º título, quando poderá também quebrar o recorde de troféus de Grand Slam, se recusou nesta semana a dizer se já se vacinou, alegando à imprensa sérvia que isso era algo de cunho pessoal.

Há largo debate entre os especialistas se as pessoas que já contraíram o coronavírus, e portanto desenvolveram anticorpos, teriam ou não o mesmo grau de imunização dos vacinados. É exatamente o caso de Djokovic.

O sérvio também é o cabeça da PTPA, a associação paralela de jogadores que obviamente se contrapõe à ATP. Se Djokovic for impedido de competir pelas leis australianas, qual seria a chance de um boicote dos simpatizantes da PTPA ao Australian Open?

Acredito que seja grande. Mais do que isso. Seria oportunidade concreta de a nova entidade ganhar força e respeito, muito semelhante ao que aconteceu à própria ATP no boicote a Wimbledon de 1973.

E não tenho a menor dúvida de que isso coloca ATP e ITF contra a parede, ainda que a decisão do governo australiano esteja acima da esfera esportiva.

Dia de festa
Há exatos 23 anos, logo pelas 8h da manhã, entrava no ar a primeira versão de TenisBrasil, então ainda chamado de ‘revista eletrônica’. Por alguns poucos meses, o site foi tocado com atualizações semanais, sempre às segundas-feiras, onde se fazia resumo dos torneios encerrados no domingo, dava-se os novos rankings e calendário, além de focar nos jogadores de maior destaque.

Não era um trabalho fácil, já que se vivia a era pré-Google, e buscas de dados levavam horas numa conexão discada. Diante do crescimento vertiginoso de audiência, em março de 1999 TenisBrasil já se tornou diário e, em julho, passou a ser parceiro do portal UOL, como acontece até hoje. Obrigado a todos os incontáveis colaboradores do projeto.

Torneios de base despencam no Brasil
Por José Nilton Dalcim
4 de outubro de 2017 às 23:19

Considerados o degrau mais importante na transição entre a carreira juvenil e o universo profissional, os torneios ‘futures’ praticamente desapareceram do calendário brasileiro nas três últimas temporadas.
O auge da crise para os meninos veio justamente em 2017, quando apenas três campeonatos dessa categoria serão realizados e todos agora em novembro. Isso quer dizer que não houve um único future masculino no país desde julho do ano passado. Os três previstos acontecerão em Santos, São Paulo e São Carlos, todos com a premiação mínima exigida que é agora de US$ 15 mil.

Este é o pior calendário de torneios de base para os homens desde que Gustavo Kuerten virou número 1 do mundo. Apenas cinco foram promovidos em 2002, mas a partir de 2006 veio um crescimento vertiginoso, principalmente porque a Confederação decidiu investir pesado, ajudando os promotores com arbitragem e bolas. Assim, houve 38 em 2009, 33 na temporada seguinte, o recorde de 37 em 2011.

Daí em diante, a queda foi gradativa. Em 2014, com a retirada dos subsídios da CBT, o calendário de futures masculinos caiu para 13, depois 9 em 2015 e 4 no ano passado, com o agravamento da crise econômica. A consequência imediata é que os pre-profissionais brasileiros tiveram de ir para o Exterior em busca de experiência e pontos, o que certamente limitou a aventura da maciça maioria.

O resultado é visível no ranking de simples da ATP. Na lista desta semana, estão classificados 61 brasileiros, mas apenas 11 deles entre os top 500. Seis anos antes, quando tivemos o maior calendário de futures, eram 89 pontuados e 25 deles entre os 500 primeiros.

Embora numericamente menos abastado, o tênis feminino ao menos tem mantido um padrão. Neste ano, foram nove torneios de base promovidos, dois deles de US$ 25 mil, um pouco inferior aos 11 do ano passado, sendo seis deles de US$ 25 mil. Novamente, o ano de 2011 foi o mais rico, com 20 ITFs promovidos, apenas um a mais do que em 2010. Fica muito claro perceber também a diferença: nesta semana, são 17 meninas brasileiras no ranking de simples contra 30 de seis anos atrás.

Não por acaso, Thiago Monteiro e Bia Haddad Maia subiram os degraus a partir dos futures e ambos começaram aos 14 anos. O cearense foi ganhar o primeiro título justamente num dos últimos torneios de 2011 e disputou nove futures aqui para saltar 300 posições no ano seguinte. Bia também faturou seu primeiro ITF em Goiânia há seis anos.

Qual a solução? A curto prazo, parece difícil. Torneios futures sofrem para conseguir pagar as despesas, que necessariamente já começam perto dos R$ 50 mil. Mesmo dando o mínimo de estrutura regulamentar, a conta beira os R$ 70 mil. E como o Brasil permanece em crise econômica, não está fácil arrumar patrocinadores. Vamos lembrar que são eventos pequenos, com raros tenistas conhecidos e portanto muito pouca mídia. Acredito que a principal solução seja a criatividade, buscar fórmulas atrativas de envolvimento do investidor, o que pode incluir clínicas, torneios amadores ou ações sociais paralelas.

Para complicar ainda mais, existe a regra internacional da ITF que exige a disputa de ao menos dois torneios próximos em semanas consecutivas para autorizar uma data. Claro que a CBT poderia voltar a dar algum apoio como fazia antes, principalmente com relação à arbitragem, já que bola não é o fim do mundo. Um bom caminho é negociar melhor valores com as equipes de arbitragem. Afinal, se o calendário crescer, todo mundo sai ganhando.

Como sempre insisto, é só com união das várias partes que o tênis começará a sair do buraco. Outra vez.

Futures no Brasil (masculino)
2017 – 4 previstos e 1 cancelado
2016 – 7 previstos e 3 cancelados
2015 – 9
2014 – 16 (3 cancelados)
2013 – 21 (3)
2012 – 36 (8)
2011 – 44 (7)
2010 – 38 (5)
2009 – 39 (1)
2008 – 35
2007 – 25
2006 – 22
2005 – 11
2004 – 14
2003 – 6
2002 – 5
2001 – 10
2000 – 2

ITFs no Brasil (feminino)
2017 – 10 (1 cancelado)
2016 – 11
2015 –  8 (1)
2014 –  8
2013 – 16 (1)
2012 – 14 (1)
2011 – 25 (5)
2010 – 21 (2)
2009 –  8
2008 – 10
2007 – 16
2006 –  3
2005 –  5
2004 –  5
2003 –  3
2002 –  3
2001 –  6
2000 –  2

Brasil fecha ano com 4 futures
Por José Nilton Dalcim
19 de outubro de 2016 às 19:49

Com o cancelamento dos torneios de US$ 10 mil previstos para outubro em Brasília, Santa Maria e Porto Alegre, o calendário de futures do tênis masculino brasileiro fechará com irrisórios quatro torneios realizados em 2016, todos aliás numa sequência entre junho e julho.

Num momento tão delicado para a renovação, isso beira à tragédia. A redução vem sendo abismal. O último ano de fartura foi 2012, em que colocamos 31 no calendário e 27 foram realizados. Daí em diante, só queda. Em 2013, tivemos 21 previstos e três cancelados; na temporada seguinte, 16 previstos e apenas 13 realizados; no ano passado, já foram parcos nove futures. Estamos no fundo do poço.

Uma rápida pesquisa no calendário masculino da ITF mostra que Hong Kong, Tailândia, Qatar, Indonésia, Grécia e Geórgia fizeram mais. Mais doloroso é ver países sem grande tradição dar enorme atenção à base. Egito e Tunísia promoveram 36 cada um, Turquia chegou ao absurdo de 51, mais do que os 39 dos EUA e da Espanha. Nas Américas, até Chile e Colômbia nos superaram por muito. A Argentina cravou 13.

Pelo menos, o calendário de ITFs femininos foi bem mais profícuo, com seis torneios de US$ 25 mil e cinco de US$ 10 mil. Ou seja, cresceu em relação aos sete de 2015 e aos oito de 2014. Ideal mesmo era voltar três anos atrás, quando houve 11 de US$ 10 mil, o degrau mais baixo e importante, e cinco de US$ 25 mil.

Por quê? Claro que temos de entender que comercialmente esses torneios pequenos são difíceis para se atrair patrocinadores e já começam num custo alto para um clube, academia ou federação bancar (R$ 50 mil, se conseguir economizar ao máximo). Sempre achei que cabem bem melhor em cidades menores, onde se possa criar um evento legal. Fica então por conta das empresas promotoras, e a estas infelizmente falta muitas vezes criatividade para vender suas cotas e fazer algo além de um torneio de tênis.

Com calendário juvenil reduzido, futures minguando, a renovação do tênis brasileiro terá de esperar mais um milagre.

Grande exemplo
Pedro Dumont Guimarães (o de barba à direita na foto abaixo) foi mais um juvenil que fez boa carreira até os 18 anos mas, com img_1402a dificuldade de achar patrocinador na entrada para o profissional, optou por ir para a universidade West Florida. Nas horas vagas, jogava futures. Até que no final de 2014, disputando um torneio lá mesmo em Pensacola, sentiu um caroço na altura do abdômen. Preocupado, voltou para Brasília.

O pai e treinador Santos Dumont contatou um médico, foi retirado o caroço e felizmente deu benignidade. Pedro voltou aos EUA em agosto, porém no final de 2015 o problema reapareceu. De volta a Brasília, teve de se submeteu então a uma cirurgia muito maior e mais delicada, identificando-se um câncer chamado Sacoma Sinovial. Retirado, submeteu-se por três meses a sessões de radio e quimioterapia. Finalmente, em maio, foi liberado. A universidade o aceitou de volta em julho e Pedro recomeçou a treinar.

Claro que havia engordado devido ao tratamento e foi outra batalha para entrar em forma, contando com a ajuda de Bruno Savi, curiosamente outro aluno de Santos Dumont. ‘Ele não perdeu o foco e a motivação, e me deu essa alegria. Ganhou o Regional em setembro e em seguida o Nacional de duplas da divisão 2. Essa é a história de superação, de quem ama o tênis, ama a vida. Como técnico já ficaria muito feliz com o resultado, mas como pai e técnico a felicidade é imensa’.

Parabéns aos dois!

Perda dolorosa
O jornalista Marcelo di Lallo, com quem tive o prazer de conviver nos tempos de Gazeta, sofreu um infarto fulminante na manhã desta quarta-feira e nos deixou. Segundo mídias sociais, ele teria feito esteira depois de jogar tênis na academia Paulistana, em São Paulo, atingindo o que se costuma chamar de sobre-esforço, o que é decididamente perigoso. Pêsames à família.