Arquivo da tag: Grand Slam

Os números da renovação
Por José Nilton Dalcim
22 de outubro de 2020 às 21:58

É bem verdade que a nova geração ainda não conseguiu brilhar nos grandes torneios do calendário masculino como se esperava, bem ao contrário do que acontece entre as meninas, mas os números do ranking internacional dos dois sexos deixa claro que a renovação segue firme. E, vejam que curioso, o top 10 masculino é hoje mais jovem do que o feminino.

Antes de tudo, é preciso ressaltar que a evolução no preparo físico e especialmente o de recuperação muscular mudou aquilo que costumávamos chamar de “veteranos”. Há dez anos, virar ‘trintão’ era indício da reta final da carreira. Hoje, esse limite avançou pelo menos até os 32 e ainda se vê muito tenista em alto nível de competitividade aos 35.

É fato que o congelamento da defesa dos pontos em 2020 traz algumas distorções no ranking atual. No entanto, como a regra vale para todos, vale examinarmos os números.

E aí vemos que, dos atuais top 50, o feminino tem mais nomes com até 25 anos (21) do que o masculino (19), mas a diferença é tênue. Porém existem 11 nomes acima dos 32 anos na ATP contra meros 4 na WTA, sendo que há 3 homens e 2 mulheres com 35 anos ou mais. O grosso está na faixa média, entre 26 e 31 anos, o que podemos considerar hoje a fase de estabilidade dos tenistas: são 20 entre os homens (40%) e 25 entre as mulheres (50%).

Vamos a uma rápida análise das faixas de ranking:

Top 10
Metade dos homens têm menos de 25 anos, enquanto na WTA são quatro. Há um nome acima dos 35 em cada lista:
Masculino
– 5 abaixo dos 25 (Tsitsipas, Medvedev, Zverev, Rublev e Berrettini)
– 3 acima dos 32 (Djokovic, Nadal e Federer)
– 2 entre os 26-31
– 1 acima dos 35 (Federer)
Feminino
– 4 abaixo dos 25 (Barty, Osaka, Kenin e Andreescu)
– 1 acima dos 32 (Serena)
– 5 entre as 26-31
– 1 acima dos 35 (Serena)

Top 20
Se somarmos o top 10 com o top 20, aí vemos que a WTA está mais renovada, com 9 abaixo dos 25 anos contra 7 do masculino. Também não há no momento top 20 com mais de 32 anos no feminino
Masculino
– 2 abaixo dos 25 (Shapovalov e Khachanov)
– 4 acima dos 32 (Monfils, Bautista, Fognini e Wawrinka)
– 4 entre os 26-31
– 1 acima dos 35 (Wawrinka)
Feminino
– 5 abaixo dos 25 (Bencic, Sabalenka, Swiatek, Rybakyna e Vondrousova)
– Ninguém acima dos 32
– 5 entre as 26-31
– Ninguém acima dos 35 anos

Top 30
Entre os 21 e 30 primeiros do ranking, vê-se novamente uma forte renovação nos dois sexos, com 60% de cada lista. O feminino só tem um nome acima dos 32.
Masculino
– 6 abaixo dos 25 (Garin, Aliassime, Coric, Ruud, Di Minaur e Fritz)
– 1 acima dos 32 (Isner)
– 3 entre os 26-31
– 1 acima dos 35 (Isner)
Feminino
– 6 abaixo dos 25 (Mertens, Konta, Muchova, Yastrenska e Anisimova)
– 1 acima dos 32 (Kerber)
– 3 entre as 26-31
– Ninguém acima dos 35

Top 40
É uma faixa em que prevalecem os tenistas de idade mediana, entre 26 e 31 anos, com algum espaço para os veteranos.
Masculino
– 4 abaixo dos 25 (Hurkacz, Opelka, Humbert e Kecmanovic)
– 1 acima dos 32 (Cilic)
– 5 entre os 26-31
– Ninguém acima dos 35
Feminino
– 1 abaixo dos 25 (Vekic)
– 2 acima dos 32 (Kuznetnova e Strycova)
– 7 entre as 26-31
– 1 acima dos 35 (Kuznetnova)

Top 50
Metade dos jogadores entre 41 e 50 do ranking têm entre 26 e 31 anos.
Masculino
– 2 abaixo dos 25 (Sinner e Bublik)
– 3 acima dos 32 (Mannarino, Ramos e Querrey)
– 5 entre os 26-31
– Nenhum acima dos 35
Feminino
– 5 abaixo dos 25 (Ferro, Ostapenko, Kudermetova, Gauff e Podoroska)
– Nenhuma acima dos 32
– 5 dos 26-31
– Nenhuma acima dos 35

Resumo do atual top 50
A renovação na WTA é muito mais acentuada, ao vermos que apenas 8% têm acima dos 32 anos, quase três vezes menos do que na ATP. Ainda assim, são 40 tenistas entre os top 50 do tênis com menos de 25. Os novos tempos sempre chegam.
Masculino
– 19 abaixo dos 25 no top 50
– 11 acima dos 32
– 20 entre 26 e 31a
– 3 acima dos 35 anos
Feminino
– 21 abaixo dos 25 no top 50
– 4 acima dos 32
– 25 entre 26 e 31 anos
– 2 acima dos 35 anos

O quesito qualidade
O feminino dá um banho no masculino quando se fala no sucesso da nova geração nos Grand Slam. Enquanto a WTA viu nos últimos cinco anos Garbiñe Muguruza, Jelena Ostapenko, Sloane Stephens, Naomi Osaka, Ashleigh Barty, Bianca Andreescu, Sofia Kenin e Iga Swiatek levarem diferentes troféus, os então novatos da ATP chegaram tão somente a quatro finais (Milos Raonic, Dominic Thiem, Daniil Medvedev e Alexander Zverev).

O desempate
Por José Nilton Dalcim
14 de outubro de 2020 às 21:20

Rafael Nadal acaba de empatar com Roger Federer na quantidade de troféus de Grand Slam, que são sem qualquer sombra de dúvida os títulos que mais pesam no currículo de qualquer jogador. Ambos deixaram Novak Djokovic agora três conquistas atrás.

Como desempatar essa disputa? Não sou daqueles que acham que números explicam ou resolvem tudo, mas vamos dar uma olhada nas principais estatísticas dos Grand Slam para tentar resolver a questão.

Grandes campanhas
Federer domina tudo: 31 finais contra 28 de Nadal e 27 de Djokovic, 46 semifinais frente a 38 de Nole e 34 de Rafa e ainda 57 quartas, 10 a mais que o sérvio e 15 à frente do espanhol. É uma soberania inquestionável.

Quando no entanto vemos o percentual de aproveitamento, a ordem muda. Em termos de vitórias, Nadal tem 87,9%, acima dos 86,8% de Djokovic e dos 86% de Federer. Isso também acontece no percentual de finais de Slam vencidas, onde Rafa agora tem 71,4% (20 em 28), muito à frente dos 64,5% de Federer (20 em 31) e dos 63% de Djoko (17 em 27).

Vale ainda destacar nesse campo a série de quatro títulos seguidos que apenas Nole possui (os outros dois tiveram três). Federer é absoluto em finais seguidas (10), semis (23) e quartas (36), marcas que não têm a menor chance de ser alcançadas pelos concorrentes diretos.

Os territórios
Se Nadal é absoluto em Roland Garros com seus 13 títulos em 13 finais, Federer domina Wimbledon com oito troféus em 12 decisões e Djokovic reina com oito finais de sucesso em Melbourne. No entanto, o suíço é o segundo em títulos na Austrália (6) e o recordista no US Open (5, ao lado de Connors e Sampras), enquanto Nole tem uma final a mais no US Open (8 contra 7).

Dos quatro Slam, Federer é recordista de vitórias na Austrália (102) e Wimbledon (101) e está em segundo no US Open (89). Bem pouco provável que Nadal e Djokovic o ameacem. E mesmo no saibro de Paris, o suíço ainda é terceiro (70), pouco atrás de Djokovic (74) mas muito distante de Nadal (100).

Se olharmos o aproveitamento de vitórias nos Slam, fica outra vez claro o domínio de cada um no seu terrítório. Na Austrália, Djokovic tem 90,4% contra 87,2% de Federer e 82,3% de Nadal. Em Roland Garros, o espanhol tem incríveis 98% contra 83,1% de Djoko e 80.5% de Roger. Em Wimbledon e US Open, Federer lidera: 88,6% contra 87,8% de Djokovic na grama londrina e 86,4% frente a 86,2% (Nadal está perto, com 85,3%).

Na soma dos dois Slam de quadra dura que existem desde 1988, Djokovic está acima de Federer (88,2% contra 86,8%).

Período dominante
Por fim, vale observar que Federer é o único tenista profissional com três Slam vencidos numa temporada por três anos (dois seguidos), algo que Djokovic conseguiu duas vezes e Nadal, uma. O suíço também disputou todas as finais de Slam de um calendário por três vezes (dois consecutivos), cabendo uma a Djoko.

No entanto, seus perseguidores têm duas façanhas não menos únicas e expressivas. O sérvio foi dono dos quatro troféus simultaneamente entre 2015 e 2016. Antes dele, Nadal foi o primeiro e único a vencer seguidamente nas três diferentes superfícies, em 2010.

Observe-se ainda que Nadal conseguiu completar o quadro de títulos em todos os Slam aos 24 anos, três antes dos 27 de Federer e muito à frente dos 29 de Djokovic.

Não sei se tudo isso aí será o bastante para determinar um desempate. Certo mesmo é que esses três são os maiores tenistas de todos os tempos. E contando.

Feito inédito no tênis profissional
Fiquei devendo uma informação importante. Depois de verificar todos os torneios em que algum homem venceu um Slam sem perder sets – e foram bem poucos -, o fato de Roland Garros ter tido dois campeões totalmente invictos, Nadal e Iga Swiatek, foi mesmo inédito. Entre os homens, isso aconteceu sete vezes em Paris (quatro com Nadal, duas com Borg e uma com Nastase); duas em Wimbledon (Borg e Federer) e duas na Austrália (Federer e Rosewall).

Premiados do Desafio
Em apuração apertada, Cláudio Sérgio venceu o Desafio das Semifinais de Roland Garros e assim irá receber o livro “Jogando Junto”, de Fernando Meligeni, cortesia da Editora Évora. Já o Desafio da Final foi tão equilibrado que acabei obtendo da Editora Évora a autorização para premiar dois vencedores: Carlos Alberto Regis e Mariana Tereza, que erraram o total de games por apenas um e o tempo de jogo por mínimos minutos! Os dois terão direito à excepcional biografia de Novak Djokovic escrita por Blaza Popovic e grande sucesso de vendas.

Nadal coloca a história a seus pés
Por José Nilton Dalcim
11 de outubro de 2020 às 19:31

Ao longo de 15 anos e 13 tentativas, ainda não houve alguém capaz de derrotar Rafael Nadal numa decisão de Roland Garros. Aliás, sequer de tirar dele dois sets. O fenômeno espanhol ampliou sua soberania sobre o saibro parisiense ao marcar um dos maiores feitos da história não só do tênis mas do esporte. De quebra, atropelou nada menos que o número 1 do mundo inconteste e terminou pela quarta vez uma campanha completamente invicta.

É quase inimaginável que surja outra vez um tenista com reinado tão extenso em qualquer torneio, quem dirá num Slam masculino, onde se precisa ganhar pelo menos 21 sets para erguer o troféu. São 102 jogos e 100 vitórias. O mais perto disso foi obtido por Margaret Court e suas 11 conquistas em casa. Entre os homens, Novak Djokovic e Roger Federer estão com ‘apenas’ 8.

Tão expressivo quanto é se equiparar a Federer e se tornar o segundo homem de todos os tempos com 20 troféus de Grand Slam em simples. Melhor ainda é saber que nenhum dos dois pensa na aposentadoria. Ao contrário, mantêm a disposição de lutar pelo recorde, ameaçados é claro por Djoko, o mais jovem dos Big 3, com toda sua versatilidade nos pisos.

Apesar da preparação mais econômica com que já chegou a Roland Garros, com um único torneio disputado e tendo perdido logo na terceira partida de Roma, eu alertei que nunca se deveria duvidar de seu favoritismo no Grand Slam francês, porque Nadal se transforma quando pisa na Philippe Chatrier. Uma boa série de vitórias iria recuperar sua confiança, lhe dar melhor ritmo e ele já havia mostrado evolução diante de Jannik Sinner e Diego Schwartzman.

Seu domínio na final deste domingo foi indiscutível, assustador. Mesmo não tendo jogado tão mal, Djokovic demorou 55 minutos para ganhar seu primeiro game. Nadal mostrava-se mais sólido, conseguia excepcionais contragolpes com o backhand cruzado, aplicava paralelas de forehand de forma precisa e chegava com sobra nas curtinhas, ainda que nem sempre tenha ganhado os pontos.

Do seu lado, Djokovic era incapaz até mesmo de aproveitar algumas bolas mais curtas. Na determinação de atacar e não sair de perto da linha de base, acumulou 30 erros em dois sets, enquanto via o espanhol arriscar 27 bolas, fazer 21 winners e falhar apenas seis vezes. A diferença de execução era abismal.

O placar poderia ter sido ainda mais cruel, já que Rafa sacou com 3/2 no terceiro set e só aí mostrou ansiedade, com pressa de finalizar. O sérvio vibrou muito com sua primeira e única quebra, virou para 4/3 e finalmente manteve um padrão decente de ataque, dando-se ao luxo de saque-voleio.

O entusiasmo durou pouco. Com 5/5, cometeu mais dois erros pouco habituais, aquela famosa frieza nos pontos decisivos se esvaiu e perdeu o saque com dupla falta. Restou ver Nadal aproveitar com maestria a primeira chance de chegar ao título. Ao cravar um ace, caiu de joelhos sobre o tapete de sua sala de estar com um largo e gostoso sorriso.

Djokovic reconheceu duas coisas importantes.  A primeira, e óbvia, que Nadal foi muito melhor na tática e na técnica. A outra é que se enganou ao pensar que as condições diferenciadas do torneio – frio, bola pesada e uso do teto – o favoreceriam: “Rafa mostrou que todos estavam errados”. Nadal, por sua vez, reforçou que as circunstâncias não eram ideais para ele, porém “joguei um incrível nível de tênis”. E reforçou: o recorde de troféus de Slam sempre foi um sonho.

O próximo Roland Garros está a apenas sete meses de distância. Será que de novo alguém vai duvidar dele?

O tênis feminino fica mais rico com Swiatek
Primeiro, foi Bianca Andreescu e seu tênis criativo. Depois, Ashleigh Barty saiu da mesmice e enriqueceu o circuito com sua habilidade. Agora, surge no saibro de Roland Garros a versátil Iga Swiatek, sorridente polonesa de apenas 19 anos, dona de um estilo que mistura força e graça.

Com apenas 28 games perdidos, caminhada que incluiu atropelos em cima de Simona Halep e Sofia Kenin, a menina que ouviu ‘Welcome To The Jungle’ no caminho para a quadra, roubou rapidamente a atenção.

Ela revela que boa parte do sucesso está no trabalho psicológico que faz – resistência mental é o mais importante no tênis, diz – e que não tem contrato de raquete desde juvenil. Tudo isso vai mudar certamente agora e Iga garante que saberá manter o foco. ‘Jogo melhor sob pressão’.

E mais
– Nadal repetiu Djokovic e conquistou um Slam por três décadas diferentes, algo que também aconteceu com Serena e Navratilova.
– O espanhol também é agora o recordista de títulos de Slam acima dos 30 anos. São seis, um a mais que Djokovic. Aos 34 anos e 140 dias, Nadal é o mais velho campeão de Roland Garros desde 1972.
– Apenas Nadal e Federer ganharam ao menos uma centena de jogos num mesmo Slam (o suíço tem marca de 102 na Austrália e 101 em Wimbledon). No feminino, Evert, Serena e Navratilova já obtiveram a façanha. O recorde é de Martina, com 120 em Wimbledon.
– Nadal é agora o único profissional ganhar um Slam por quatro vezes sem perder set, todos em Roland Garros. Ele estava empatado com Borg (um Wimbledon e dois Paris).
– De seus 13 títulos em Roland Garros, sete foram em finais sobre os outros Big 3 (4-0 em Federer e 3-0 em Djoko).
– Além dos 100-2 em Paris, Nadal tem 124-2 em jogos de cinco sets sobre o saibro na carreira.
– Ele tem agora 86 títulos na carreira, oito atrás de Lendl.
– Nadal poderá escolher onde quer marcar a vitória número 1.000. Ele jogou hoje a partida de número 1.200 da carreira, das quais venceu 999 (e 445 delas no saibro).