Arquivo da tag: Fernando Meligeni

Tops do tênis brasileiro: surpresa e memórias
Por José Nilton Dalcim
24 de maio de 2020 às 20:22

Para finalizar a série de artigos sobre os melhores do tênis da Era Profissional, é primordial um capítulo para o tênis brasileiro. A análise dos dados oficiais da ATP e WTA é bem valiosa e serve não apenas para enaltecer Gustavo Kuerten e Maria Esther Bueno, mas também para relembrar alguns jogadores que tiveram carreiras expressivas.

Os dados listados abaixo referem-se exclusivamente a ‘grandes torneios’, ou seja, Grand Slam, Masters 1000 e ATPs ou WTAs. Obviamente Guga lidera praticamente tudo no masculino. Talvez por isso seja interessante – e em certos casos surpreendente – olharmos quem vem atrás do imbatível catarinense.

Vamos aos tópicos que considero mais relevantes no tênis masculino:

VITÓRIAS GERAIS NA CARREIRA
Gustavo Kuerten – 358v-195d (64,7%)
Fernando Meligeni – 202v-217d (48,2%)
Thomaz Bellucci – 200v-216d (48,1%)
Luiz Mattar – 191v-178d (51,8%)
Thomaz Koch – 181v-151d (54,5%)
Observe-se que neste item a ATP considera os jogos de Grand Slam também da era amadora. Com isso, Koch tem a segunda melhor marca de eficiência.

VITÓRIAS EM GRAND SLAM
Gustavo Kuerten – 65v-30d (68,4%)
Thomaz Koch – 41v-33d (55,4%)
Fernando Meligeni – 25v-33d (43,1%)
Thomaz Bellucci – 23v-35d (39,7%)
Edison Mandarino – 21v-33d (38,9%)
São válidos os Slam amadores. Apenas Guga e Koch têm saldo positivo. O terceiro posto percentual é de Marcos Hocevar (43,5%. com 10v-13d)

VITÓRIAS EM MASTERS 1000
Gustavo Kuerten – 109v-52d (63,7%)
Thomaz Bellucci – 33v-53d (38,4%)
Fernando Meligeni – 12v-21d (36,4%)
Flávio Saretta – 8v-8d (50%)
Luiz Mattar – 8v-18d (30,8%)
É uma série de torneios mais recente, com dados computados desde 1990. Apenas mais quatro brasileiros têm vitórias nesse nível: Mello, Oncins, Motta e Sá.

VITÓRIAS POR PISO
Guga lidera tudo, não? Não! Vejamos:

Sintético
Gustavo Kuerten – 147v-89d (62,3%)
Luiz Mattar – 85v-71d (54,5%)
Thomaz Bellucci – 66v-102d (39,3%)

Saibro
Gustavo Kuerten – 181v-78d (69,9%)
Fernando Meligeni – 161v-131d (51,1%)
Thomaz Bellucci – 128v-101d (55,9%)

Grama
Thomaz Koch – 29v-28d (50,9%)
Marcos Hocevar – 12v-11d (52,2%)
Edison Mandarino – 12v-22d (35,3%)

Koch tem 52,5% de sucesso no sintético e 51% no saibro. Guga tem apenas 7 vitórias na grama, menos que Sá (10), Kirmayr (9) e Motta (8).

SOB PRESSÃO
Alguns itens dão uma ideia importante sobre como os tenistas reagem em momentos de pressão.

Tiebreak
Gustavo Kuerten – 132v-131d (52,2%)
Thomaz Bellucci – 103v-100d (51%)
Fernando Meligeni – 59v-65d (47,6%)

Viradas (após perder 1º set)
Gustavo Kuerten – 68v-155d (30,5%)
Fernando Meligeni – 46v-171d (21,2%)
Thomaz Bellucci – 45v-164d (21,5%)

Vitória no set decisivo (3º ou 5º)
Gustavo Kuerten – 106v-68d (60,9%)
Thomaz Bellucci – 76v-86d (46,9%)
Luiz Mattar – 67v-54d (55.4%)

Rogerinho tem 56,7% em tiebreaks (17 em 30), Mattar chegou a 22,2% em viradas (42-147) e Hocevar atingiu 54,5% em set decisivo (39-30).

FAÇANHAS
Claro que Guga sempre está a anos-luz dos demais, mas vale destacar a façanha dos demais.

Vitórias sobre top 10
Apenas 12 brasileiros conseguiram: Guga (38), Meligeni (9), Bellucci (6), Koch, Kirmayr e Mattar (3); Hocevar (2); Monteiro, Mandarino, Oncins, Saretta e Motta (1).

Títulos de ATP
Nove brasileiros ganharam até hoje em nível ATP ou superior: Guga (20), Mattar (7), Bellucci e Koch (4); Meligeni (3), Oncins (2); Kirmayr, Mello e Wild (1). Outros cinco chegaram a finais: Hocevar (2), Roese, Goes, Jábali e Motta (1).

Vitórias após ganhar o 1º set
Quatro jogadores têm mais de 80% nesse campo: Guga com 87,8%, seguido por Hocevar (84,5%); Mattar (82,8%) e Koch (80,6%).

TÊNIS FEMININO
Ainda mais distante que Guga em relação aos demais brasileiros é a performance de Maria Esther Bueno. Então, além de vermos os números imbatíveis de Estherzinha, vale recordar quem vem atrás.

VITÒRIAS EM GRAND SLAM
Maria Esther Bueno – 162
Patrícia Medrado e Cláudia Monteiro – 14
Niege Dias – 5
Bia Haddad – 4
Teliana Pereira – 3
Andrea Vieira – 2
Gisele Miró e Luciana Corsato – 1

Maria Esther ganhou mais nos EUA (57) do que em Wimbledon (55) e venceu 42 na França. Medrado vem atrás em Roland Garros (10) e Cláudia é a única com vitórias em todos os Slam além de Estherzinha.

VITÓRIAS GERAIS
Patrícia Medrado – 106v-164d
Maria Esther Bueno – 66v-20d
Teliana Pereira – 49v-54d
Cláudia Monteiro – 41v-82d
Bia Haddad Maia – 40v-45d

Apenas três brasileiras ganharam WTA e incrivelmente Estherzinha, que jogou muito pouco depois de 1968, lidera com 3, enquanto Niege e Teliana têm 2.

Nightmare in Rio
Por José Nilton Dalcim
21 de fevereiro de 2018 às 21:31

A chave é bem verdade estava duríssima: apenas adversários muito mais bem classificados e especialistas no piso de saibro. Derrotas portanto eram previsíveis. Duro foi a forma com que ocorreram. Thomaz Bellucci tinha folgada vantagem, Thiago Monteiro chegou ao match-point e Rogério Silva tomou o controle da partida antes de todos deixarem escapar o bom momento e a oportunidade de ouro de brilhar no Rio Open.

É fato inegável que tem sido uma incômoda constante vermos nossos principais tenistas do ranking masculino deixarem escapar vitórias bem encaminhadas. Mas ao mesmo tempo é um exagero colocar isso como uma norma. Levantamento estatístico no site da ATP mostra que Bellucci tem uma carreira consistente, enquanto Monteiro ainda começa a se aventurar entre os grandes e Rogerinho demorou uma década para atingir a elite.

Bellucci tem um percentual digno nos jogos em que saiu vencendo o primeiro set: 75%, ou seja 155 vitórias e 52 derrotas incluindo a terrível virada que levou de Fognini. Rogerinho por seu lado está na casa dos 61%, com 17 em 28. Monteiro tem número bem menos expressivo nesse quesito, mas ainda assim o salto é positivo. Dos 30 jogos que já fez nesse nível em que venceu o primeiro set, confirmou 16, um índice um pouco acima dos 53%.

Mas vamos ver o lado oposto. Quantas viradas eles obtiveram nesse quilate de competição? Bellucci chega perto de 22%, com 45 sucessos. Monteiro já fez oito em 30 partidas em que perdeu o primeiro set, ou seja, quase 27%. Apenas Rogerinho tem retrospecto fraco, beirando os 15% (8 em 53).

Por fim, vale ainda dar uma olhada no aproveitamento desses principais brasileiros em jogos que foram ao terceiro (ou quinto) sets. Bellucci está com pouco menos de 47%, com 76 vencidos e 85 perdidos, enquanto Rogerinho venceu 10 em 23 (43,4) e Monteiro faturou 12 em 28 (42,8%).

Em termos comparativos, vejamos o que fizeram os outros grandes tenistas brasileiros da Era Profissional. Guga venceu 88% dos jogos que cravou o primeiro set, Fernando Meligeni ficou ligeiramente acima de Bellucci (77%) e Luiz Mattar atingiu 83%, embora jogasse muitos torneios no Brasil.

No campo das viradas, Guga superou a marca de 30%, Meligeni fechou com 21% e Mattar, 22%, portanto números muito semelhantes a Bellucci. Por fim, Kuerten teve notáveis 62% em sets decisivos, Mattar atingiu 55% e Meligeni, quase 50%.

Claro que essas estatísticas também servem para explicar por que a atual geração de brasileiros não está mais bem classificada. Se você pegar a maioria dos grandes nomes do circuito atual, é raro encontrar alguém que tenha menos de 80% de vitórias depois de ganhar o primeiro set e isso é muito mais importante do que eventualmente obter uma virada, o que na média está abaixo dos 25%, mesmo para os tops.

Da mesma forma, ganhar o set decisivo é obviamente um argumento importante e os que estão lá em cima do ranking vencem pelo menos 60% deles. A questão pode ter muito de físico, claro, devido ao desgaste, mas o componente emocional, da confiança, é o que tem pegado a nossa moçada.

Guga foi a maior ‘zebra’ de Grand Slam
Por José Nilton Dalcim
29 de setembro de 2017 às 11:40

Numa roda de amigos no fim de semana de muito tênis, discutiu-se calorosamente quem teria sido a maior ‘zebra’ da história dos Grand Slam. Houve opinião das mais diversas, alguns lembrando os tempos que o Australian Open produzia resultados totalmente inesperados, outros argumentando sobre o estilo pouco apropriado de outros.

Resolvi então dar um parecer sobre o assunto aqui no Blog e listei os 10 resultados que mais me parecem fora de padrão desde 1990. Aliás, lembrei de uma curiosa relação que me foi enviada por um internauta vários anos atrás, em que ele colocava uma longa série de surpresas que marcaram os Slam.

Antes da lista em si, pesquisei as chaves de alguns torneios ‘estranhos’ e me deparei com dois realmente especiais: Wimbledon de 1996, quando Jason Stoltemberg atingiu a semi, MaliVai Washington chegou à final e o título ficou com Richard Krajicek, que havia eliminado Pete Sampras, e Roland Garros de 2004, vencido por Gastón Gaudio em cima de Guillermo Coria e David Nalbandian e que ainda teve Tim Henman como semifinalista.

Quanto aos feitos individuais, não tenho dúvida que a conquista de Guga Kuerten em Roland Garros de 1997 foi a maior ‘zebra’ de todas. O catarinense de 20 anos só tinha no currículo dois títulos de nível challenger, era apenas 66º do ranking e fez uma campanha espetacular, derrubando todos os campeões imediatamente anteriores do torneio (Bruguera, Muster e Kafelnikov).

Em segundo lugar, eu colocaria o vice do cipriota Marcos Baghdatis no Australian Open de 2006, jogador que só havia feito uma final de ATP e era 52º do ranking, eliminando três top 10 (Roddick, Ljubicic e Nalbandian) entre oitavas e semi. Na final, ainda ganhou o primeiro set do todo poderoso Federer.

A seguir, voto no vice do holandês Martin Verkerk em Roland Garros de 2003. Então 46º do mundo, havia conquistado até ali um ATP sobre carpete. Mesmo com seus golpes bem retos, tirou Moya e Cañas. Vinha jogando qualis no saibro europeu e quase perdeu para Flavio Saretta na semana anterior a Paris.

A quarta maior surpresa para mim foi o vice de Jo-Wilfried Tsonga no Australian Open de 2008. Então com 22 anos, jamais havia disputado qualquer final de nível ATP. Solto na chave como 38º do ranking, tirou três cabeças de peso (Murray, Gasquet e especialmente o 2 Nadal) e ainda saiu na frente de Djokovic na final.

Por fim, fico com Mariano Puerta como finalista de Roland Garros de 2005 no quinto lugar. Claro, o canhoto argentino era um especialista de saibro, então 37º do ranking e com um título e seis vices na terra batida. Tirou Ljubicic, Coria e Davydenko antes de levar virada de Nadal na decisão.

Minha lista das 10 maiores ‘zebras’ dos Slam modernos ainda incluiria cinco vice-campeões: Malivai Washington em Wimbledon de 1996 por ser um piso totalmente estranho a ele; Andrei Medvedev em Roland Garros de 1999, que era 100 do ranking naquele momento mas tinha bom currículo, tendo batido Sampras e Guga; e ainda Arnaud Clement no Australian Open de 2001; Rainer Schuettler no Australian Open de 2003; e Robin Soderling em Roland Garros de 2009.

Menções mais do que honrosas caberiam ainda a Jason Stoltenberg (semi de Wimbledon-96), Fernando Meligeni (semi de Paris-99), Wally Masur (semi do US Open-93), Nicolas Lapentti (semi da Austrália-99), Vladimir Voltchkov (semi de Wimbledon-2000) e Filip Dewulf (Paris-97).

E vocês, o que acham?