Arquivo da tag: Fabio Fognini

Nadal joga pela liderança
Por José Nilton Dalcim
9 de agosto de 2019 às 23:59

Apesar da atuação um tanto irregular desta sexta-feira, Rafael Nadal pode atingir a primeira meta da semana em Montréal: se avançar à decisão de domingo, irá recuperar a liderança do ranking da temporada.

O espanhol atingiria 6.825 pontos e deixaria para trás Novak Djokovic, que tem 6.735. Caso confirme o título, soma mais 400 pontos e se distancia. Com uma chave bem propícia em Cincinnati na semana que vem, o espanhol tem todo o direito de sonhar.

Mas não gostei do Rafa desta noite contra o ‘baleado’ Fabio Fognini. Jogou um primeiro set muito abaixo do seu padrão, reagiu bem mas já era evidente a movimentação ruim do italiano, que pediu atendimento para a problemática perna direita e nada adiantou. Claro que o vento forte é atenuante.

Nadal terá de esperar para saber quem enfrentará na noite deste sábado, já que Roberto Bautista e Gael Monfils jogaram apenas dois pontos antes de a chuva cair forte. Se for uma partida equilibrada como se espera, Rafa agradecerá muito.

A outra vaga na final será russa e valerá o oitavo lugar do próximo ranking. Daniil Medvedev e Karen Khachanon, ambos de 23 anos, vivem momentos diferentes. Enquanto Medvedev faz uma temporada sólida e surpreendente, com grande desempenho até no saibro, Khachanov tinha sobre si grande expectativa mas fez cinco meses decepcionantes e só começou a reagir em Roland Garros. Faz sua primeira semi de 2019.

Os dois tiveram jogos muito fáceis nesta sexta-feira. com destaque para a surra de 56 minutos que Medvedev deu em Dominic Thiem. Já Khachanov dominou amplamente o ainda perdido Alexander Zverev. Dono de estilos semelhantes mas postura distinta em quadra, imagino Medvedev com ligeiro favoritismo para chegar a sua primeira final de Masters.

Serena ‘carimba’ o 1 de Osaka
Antes mesmo de entrar em quadra para reencontrar a ídolo Serena Williams, Naomi Osaka já sabia que será novamente a líder do ranking na segunda-feira, já que Karolina Pliskova pouco antes havia se tornado a nova vítima de Bianca Andreescu. Mas quem se mostrou motivada foi Serena. O forte vento e uma evidente tensão não permitiram um grande jogo, uma pena. Serena ainda viu Simona Halep abandonar e assim tem uma enorme chance de enfim voltar aos títulos. Não ergue um troféu desde o AusOpen de 2017.

Murray vai se testar
Grande notícia: Cincinnati vai ter o Big 4. O escocês Andy Murray confirmou presença e me parece ter escolhido o torneio certo: piso veloz, jogo rápido. Não será fácil, porque pegou Richard Gasquet – o francês jogou muito motivado em Montréal – e se passar terá Dominic Thiem, porém também não é o pior dos mundos. Acompanhei o desempenho de Murray nas duplas e o que vi me deixa otimista: ele está jogando firme, solto, ótima movimentação e golpes afiados.

Djoko x Federer de novo?
Há muitas dificuldades para Novak Djokovic reencontrar Roger Federer na semi de Cincinnati. O sérvio tem ótimos sacadores no caminho – Querrey ou Herbert, Isner e Khachanov -. enquanto o suíço deve pegar jovens como Berrettini, Tsitsipas ou Medvedev. Seria muito interessante se repetissem a final de 2018 e a de Wimbledon de semanas atrás. Já imaginaram o clima? Nadal tirou a sorte grande e não tem qualquer grande barreira no caminho, podendo encarar Bautista ou Cilic na semi.

Nishikori preocupa
Nem começou a fase da quadra dura e Kei Nishikori já está com problemas físicos. Após derrota para Gasquet, ele abandonou as duplas e confessou: “O cotovelo está doendo demais. Já tentei de tudo para tratá-lo, mas continua incomodando”. Nishikori está na chave de Nadal em Cincinnati.

Khachanov reclama
O russo não ficou nada satisfeito com o comportamento da torcida canadense durante o duelo contra Felix Aliassime. “Fique maluco com o público. Tudo bem torcerem para o cara da casa, quisera eu ter isso na Rússia. Mas gritar durante os pontos é um desrespeito. Ao menos, me deu uma energia a mais”.

Nadal mostra força
Por José Nilton Dalcim
4 de julho de 2019 às 19:42

Num autêntico teste técnico e emocional, o espanhol Rafael Nadal mostrou força na grande vitória desta quinta-feira sobre o desafeto Nick Kyrgios, que o coloca na terceira rodada de Wimbledon. A exceção de alguns altos e baixos que permitiram duas quebras ao australiano no segundo set, o número 2 do mundo teve uma atuação notável na Quadra Central, onde se destacaram a firmeza do saque, o oportunismo nos tiebreaks e uma gigantesca vontade de vencer.

Era fácil perceber que Rafa estava com sangue nos olhos, e aí tem um pouco de tudo. A importância do torneio, o desafio de jogar na grama, o sonho por mais um Grand Slam mas, acredito, o australiano atravessado na garganta. Tanto pela amarga derrota de Acapulco como pelas declarações e condutas recentes de Kyrgios. E piorou quando recebeu uma pancada em cima do corpo. Dali em diante, Nadal festejou com vigor redobrado. O cumprimento final foi extremamente seco.

No aspecto técnico e tático, Nadal também se portou muito bem. O jogo não lhe deu muitas oportunidades, e assim foi preciso aproveitar ao máximo as que apareceram, como a quebra prematura que lhe garantiu o primeiro set e, especialmente, sua atuação sólida, impecável nos dois tiebreaks. Ganhar de um super-sacador no tiebreak exige uma enorme dose de confiança, concentração e desempenho.

Kyrgios deu seu show particular, como o segundo saque a 230 km/h e o que fez por baixo, tudo no mesmo game, além da irritante postura de reclamar com o árbitro de cadeira. Porém de forma geral até que se comportou bem e, para sorte do público, atuou com seriedade e empenho, fez ótimas jogadas tanto no fundo como na rede, o que sobrevalorizou a vitória do espanhol. Pela diferença de temperamento e estilos, os duelos entre os dois têm se pautado por qualidade e emoção.

Embora a grama seja um piso traiçoeiro, é razoável imaginar que Nadal deu um passo considerável rumo à semifinal. Há de se respeitar a experiência e categoria de Jo-Wilfried Tsonga, adversário de sábado, mas nesta altura das duas carreiras seria uma pequena surpresa se o francês elevasse tanto o nível. João Sousa, que atropelou um irreconhecível Marin CIlic, ou o habilidoso Daniel Evans viriam a seguir e por fim o currículo de Sam Querrey na grama se destaca sobre Fabio Fognini. O italiano já jogou 10 sets e nunca chegou sequer nas oitavas no Club.

Protocolo e adeus
Roger Federer por seu lado continua em marcha reduzida, jogando o suficiente para avançar. Não acredito muito na teoria de que o suíço esteja se poupando. Foi levado a um tiebreak pelo limitado Jay Clarke, porém é difícil imaginar dificuldades reais contra Lucas Pouille no sábado. Precisará de mais cautela caso dê Matteo Berretini nas oitavas e aí aguardaria Kei Nishikori, ligeiro favorito de um setor onde sobrevivem Jan-Lennard Struff e Mikail Kukushkin, autor de uma das surpresas do dia em cima de John Isner.

A rodada ainda marcou o emocionante adeus de Marcos Baghdatis, que escolheu Wimbledon para o adeus da carreira. É bem verdade que foram parcos os momentos marcantes do cipriota nos Slam desde a grande temporada de 2006, quando foi vice na Austrália e semi em Londres. Desde então, só atingiu as oitavas mais três vezes. A personalidade do ex-top 10 no entanto é o que faltará muita falta ao tênis, aquele espírito guerreiro, entre explosivo e divertido, que o tornou tão cativante e popular.

Sem Bia, sem Kerber
Uma pena Bia Haddad Maia não ter embalado. Me surpreendi com o bom tênis de base jogado pela britânica Harriet Dart, que explorou bem as paralelas e raramente permitiu que a brasileira mandasse nos pontos. Bia até foi melhor quando se arriscou na rede, mas no terceiro set pareceu estar sem movimentação ideal, talvez por conta das dores musculares que a grama provoca, e acabou presa fácil. Além do merecido prêmio de US$ 100 mil, deve aparecer no 95º posto do ranking ao final de Wimbledon.

E as ‘zebras’ não param. Derrotada no quali, Lauren Davis entrou de última hora e tirou a atual campeã Angelique Kerber, de virada, e com dois sets muito fáceis. Curioso é que Kerber havia jogado bem em Eastbourne na semana passada. Fez uma estreia sofrível em Wimbledon e hoje foi ainda pior. Aliás, faltou pouco para cair também Kiki Bertens, que viu Taylor Townsend sacar para o jogo e depois chegar a um match-point.

Nesse duríssimo setor da chave, a número Ash Barty passeou de novo e Petra Kvitova confirmou, mantendo assim as duas na luta pelo número 1. Serena Williams teve um começo fraco, com meros três winners no primeiro set, mas pegou ritmo e aí dominou a adolescente Kaja Juven, vinda do quali. Precisará jogar muito mais diante de Julia Goerges.

Vai começar o desafio para o Nole Slam
Por José Nilton Dalcim
3 de junho de 2019 às 18:58

Quatro rodadas de domínio absoluto, um tênis solto e eficiente que permitiram apenas 31 games a seus adversários. Agora, vem a fase de verdadeiros desafios para Novak Djokovic cravar seu segundo título em Roland Garros e, consequentemente, a nova versão do ‘Nole Slam’. A luta pela história começa por Alexander Zverev, deve passar por Dominic Thiem e, quem sabe, se encerrar contra Rafa Nadal.

Não se deve menosprezar Sascha, um jogador que já derrotou o sérvio em dois jogos de grande tensão. A primeira foi logo no primeiro confronto, na decisão de Roma-17. Demoraram 18 meses para os reencontros e aí o alemão perdeu feio em Xangai e na fase classificatória do ATP Finals. Porém, dias depois, se vingou com uma vitória categórica e outro título em cima de Djoko. Claro que enfrentar o líder do ranking em melhor de cinco sets é muito diferente, e os dois sabem disso.

A vitória desta segunda-feira sobre Fabio Fognini teve méritos, e não foram tão técnicos mas muito mais emocionais. Zverev, que pecou tanto pela cabeça fraca ao longo desta temporada, não se abalou com o primeiro set perdido e foi corajoso sob enorme pressão no final do quarto set. Manteve a frieza mesmo com 12 duplas faltas cometidas, e apesar dessa estatística alarmante ainda terminou o jogo com 70% de aproveitamento do primeiro saque. É dessa postura positiva e arrojada que ele precisa para ao menos ser competitivo na quarta-feira que se prevê chuvosa.

O retorno a Paris, onde ganhou seu Masters há seis meses, parece ter feito bem a Karen Khachanov. Aos 23 anos, marca sua primeira presença em quartas de Slam com uma vitória de respeito em cima de Juan Martin del Potro. O argentino pareceu é verdade um pouco lento, mas a opção tática de abrir muito a quadra com bolas anguladas foi bem explorada pelo russo o tempo todo.

Quem deve ter gostado muito disso foi Dominic Thiem, que jamais ganhou de Delpo em quatro duelos e tem um retrospecto negativo bem menos relevante contra Khachanov, tendo perdido justamente na campanha mágica do russo em Bercy do ano passado. Thiem fez seu jogo mais fácil do torneio até agora diante de um apático Gael Monfils, que muitas vezes ‘queimou’ golpes precocemente. O austríaco economizou energia e jogou a confiança lá em cima, o francês encerrou de forma melancólica a esperança local de ao menos ver um duelo na semi contra Nole.

Halep encara outra prodígio
Simona Halep não teve piedade da garota polonesa Iga Swiatek: 45 minutos e só um game perdido. Aliás, no sábado, só gastou 10 minutos a mais para avançar. Será também o destino de Amanda Anisimova, de 17 anos? Bem, a filha de russos bate pesado na bola e não tem medo de cara feia. Tem um título de WTA e vitórias em cima de Petra Kvitova e Aryna Sabalenka na curtíssima carreira. Tomara que dê bom jogo.

A consistente Madison Keys e a ascedente Ash Barty fazem a outra partida de quartas. Mesmo sem resultados espetaculares, Keys tem sido muito constante nos Slam, tendo atingido a segunda semana em 13 de seus últimos 17 torneios. Já fez três semis, incluindo a do ano passado em Paris, quando aliás tirou a própria Barty no caminho. A australiana nunca havia passado da segunda rodada no saibro francês, mas é inegável que tem o repertório perfeito para ir bem na terra.

Quartas de final, parte 1
– Federer tem 22-3 no placar geral, mas as 3 derrotas para Stan foram no saibro, incluindo as quartas de Paris de 2015, justamente o último jogo de Roger no torneio até 2019. Roger jogou 7h10 no torneio até aqui, Wawrinka lutou por 12h27.
– O máximo que Nishikori conseguiu no saibro contra Nadal foi tirar um set em quatro jogos. O placar geral é de 10-2. Será o quarto duelo em Slam e em todos Rafa fez 3 sets a 0. Espanhol gastou 4h15 a menos em quadra do que seu adversário nestas quatro primeiras rodadas.
– Stephens e Konta se cruzam pela terceira vez na temporada, e a vice de Paris perdeu as duas, incluindo recentes oitavas de Roma. Konta tenta repetir semi britânica de Jo Durie em Paris-1983.
– Martic lidera na quantidade de vitórias no saibro na temporada (15-1) e Vondrousova é a tenista que mais ganhou jogos no circuito feminino desde o AusOpen, além de tem o melhor índice de devolução de saque na temporada.

Novidades no ranking
– Khachanov será o novo integrante do top 10 e há grande chance de Fognini finalmente chegar lá também. O italiano só será barrado se Wawrinka for campeão de Paris.
– Caso se cruzem na semi, Nadal e Federer também estarão colocando em disputa o número 2 do ranking.
– Zverev, Nishikori e Thiem duelam pelo quarto lugar, com vantagem do alemão no momento. Tsitsipas sonha com o inédito quinto posto.
– Barty já tem a sexta colocação garantida.

Boas notícias
– Bruno Soares está na semifinal de mistas ao lado da americana Nicole Melichar, com quem também fez semi em Melbourne.
– Andy Murray confirmou seu retorno ás quadras para as duplas de Queen’s, ao lado do amigo Feliciano López. Ele afirma que não sentiu mais dores no quadril e que fará um teste.