Arquivo da tag: Fabio Fognini

Cheiro de medalha
Por José Nilton Dalcim
28 de julho de 2021 às 13:37

O primeiro pódio do tênis brasileiro nos Jogos Olímpicos está nas mãos de duas meninas que resolveram sacrificar muita coisa pelo sonho de fazer carreira profissional. Luísa Stefani, de 23 anos, e Laura Pigossi, de 26, continuam caminhada espinhosa e inesperada em Tóquio e já garantiram ao menos o direito de lutar diretamente por medalha, algo que até hoje apenas Fernando Meligeni conseguiu, em Atlanta-96.

A família de Stefani largou tudo no Brasil e foi para os EUA quando ela tinha 15 anos. arriscando alto pelas chances da menina talentosa. Em Saddlebrook, Luísa precisou adaptar seu estilo às quadras duras, melhorou o jogo de rede e deu os primeiros passos profissionais ainda juvenil. De repente, os resultados nas duplas começaram a vir, trancou a universidade e chega hoje a 23ª do mundo, vivenciando transformações velozes de metas e expectativa.

Laura também foi uma juvenil promissora e por muito tempo tentou arrancar a carreira nos pequenos torneios futures que aconteciam pelo país. Ganhou quatro ITFs entre 2012 e 2016. Decidiu-se então por uma mudança radical. Há cinco anos, mudou toda a equipe de trabalho e foi treinar em Barcelona, onde passou a morar sozinha. Ajustou a parte técnica e tática e precisou de paciência para coletar frutos. Sempre foi duplista de mão cheia, somando hoje 38 títulos, o maior deles de US$ 60 mil. Em fevereiro do ano passado, chegou a ser 125 do ranking e ficou perto de enfim entrar num Grand Slam.

A vitória sobre as norte-americanas Bethanie Mattek-Sands e Jessica Pegula foi outra vez difícil. Perderam um primeiro set muito instável no saque, se soltaram ao obter o 3/1 no segundo set e seguraram a cabeça quando as americanas roubaram mais um serviço e apertaram. O match-tiebreak foi muito nervoso. Mattek-Sands pediu atendimento pouco antes e as brasileiras aproveitaram para fazer 3-0 e jamais estiveram atrás do placar. Coube de novo à devolução agressiva de Pigossi iniciar o ponto final.

As duas terão agora duas chances de chegar à medalha. Se vencer as suíças Belinda Bencic e Viktorija Golubic, ficam candidatas ao ouro e a uma façanha sem precedentes. Vale lembrar que Bencic abre a quinta-feira com duro jogo de simples contra Elena Rybakina. Em caso de derrota, ainda terá luta nada desprezível pelo bronze diante de quem perder entre Krejcikova/Siniakova e Kudermetova/Vesnina. São todas mais experientes no circuito que as brasileiras, mas o nome desta campanha é mesmo ‘desafio’. #Ouremos!

Pouco depois, Stefani voltou à quadra para a dupla mista ao lado de Marcelo Melo e não tiveram boa atuação. O mineiro principalmente errou muito em momentos decisivos, perdendo saque com duas duplas faltas no primeiro set. Novak Djokovic foi aplicadíssimo nas devoluções e ajudou muito Nina Stojanovic, que não cedeu um único break-point. Ao final, Melo reclamou de atitudes do sérvio, como dar smash em cima tanto dele como de Luísa, além de exagerar nos gritos de comemoração. Nole se recusou a comentar as críticas.

E mais
– Djokovic atropelou Davidovich para atingir a 12ª vitória olímpica e a 21ª consecutiva desde a final de Roma, em três pisos distintos. É super favorito contra Nishikori, que só ganhou 2 de 18 confrontos, o último lá em 2014.
– Medvedev passou mal, pediu atendimentos mas conseguiu vencer Fognini em três sets. Depois ficou muito bravo quando questionado sobre o problema de doping russo. E vai ter outro jogo muito duro contra Carreño, contra quem tem 3 a 1.
– Tsitsipas perdeu chances e Humbert confirmou ser um perigo a qualquer dos grandes, atropelando por 6/2 no terceiro. O duelo contra Khachanov é inédito.
– Zverev teve dois sets duros contra Basilashvili com 85% de primeiro saque em quadra. Enfrenta a surpresa Chardy com a vantagem de 4 a 1 no histórico.
– Bencic parou Pavlyuchenkova com altos e baixos e cruza com Rybakyna pela primeira vez. A cazaque atropelou Muguruza no segundo set.
– Svitolina enfim fez um jogo menos exigente, mas Vondrousova jogou apenas nove games antes de Badosa abandonar por problemas do calor e sair de cadeiras com roda. Isso enfim fez os organizadores alterarem o início da rodada para 15h locais (3h de Brasília).
– A Croácia já garantiu medalha nas duplas masculinas, já que Mektic/Pavic pega Krajicek/Sandgren e Cilic/Dodig – que tiraram Murray/Salisbury no match-tiebreak – enfrenta Daniell/Venus.
– Quartas de mistas, além de Djoko, reúne Barty, Tsitsipas e Swiatek. Dois cabeças caíram: Mladenovic/Mahut para Vesnina/Karatsev e Mattek-Sands/Ram para Siegemund/Krawietz.

Murray vai por cima
Por José Nilton Dalcim
30 de junho de 2021 às 20:25

Andy Murray não poderia terminar sua heroica batalha de outra forma: dono do melhor lob que já vi no circuito, realizou dois seguidos em cima do grandalhão Oscar Otte, um jogador que surpreendeu pela disposição ofensiva apesar de suas evidentes limitações, e assim o escocês manteve sua sina de jamais perder antes da terceira rodada desde a estreia em 2005.

Murray, claro, está ainda longe do que pode realmente fazer numa quadra de grama, mas ele sabe achar atalhos e tira toda a energia possível da enlouquecedora torcida. São evidentes seus altos e baixos, a falta de pernas ou de confiança para meter mais a cara na rede, e aí o excessivo padrão defensivo acaba aflorando. De qualquer forma, há uma chance bem considerável de passar por Denis Shapovalov, canhoto com histórico pobre no piso, desde que consiga se recuperar fisicamente.

No começo do dia, Novak Djokovic deu mais um show. Foi tão superior que até parecia que Kevin Anderson não era um especialista na grama, com vice em Wimbledon. O sérvio tem exibido nestes dois jogos as qualidades mais especiais de quem se aventura na superfície: um saque devastador e devoluções milimétricas. Se mantiver o padrão, será praticamente impossível ganhar dele. Enfrenta agora Denis Kudla, que é um batalhador de bolas retas, e deve depois reencontrar Gael Monfils. O ‘freguês’ francês só beliscou oitavas em Wimbledon uma vez.

No outro quadrante, Andrey Rublev me causou espanto pelo tamanho do domínio sobre Lloyd Harris e é favorito natural contra Fabio Fognini e depois diante de quem passar entre Diego Schwartzman e Marton Fucsovics.

Já o setor de Murray tem ainda outra esperança local, Daniel Evans, que passou bem na estreia por Feli López e hoje ganhou com autoridade de Dusan Lajovic. Mas não será fácil cruzar com Sebastian Korda. Não ficaria surpreso aliás se acontecesse um duelo todo norte-americano, já que Frances Tiafoe fez outra ótima exibição diante de Vasek Pospisil e pode muito bem prevalecer em cima do pouco confiável Karen Khachanov.

Kyrgios lidera queda de cabeças
Nada menos que 27 jogos desta quarta-feira ainda foram válidos pela primeira rodada e entre eles alguns resultados relevantes. O destaque é claro foi Nick Kyrgios. Após cinco meses sem competir e apenas dois torneios disputados desde março do ano passado, fez um jogo de alto nível e tirou o embalado canhoto Ugo Humbert num emocionante quinto set, por 9/7. É um excepcional jogador sobre grama, com capacidade de alternar velocidades e efeitos, além do saque fulminante e enorme habilidade na rede. Tem chance real de passar por Gianluca Mager e dar trabalho a Felix Aliassime, que fez um jogo redondo e não deu qualquer chance a Thiago Monteiro.

Também caíram Pablo Carreño, Casper Ruud e John Isner entre os cabeças de chave. Semifinalista de 2017 e quartas em 2019, Sam Querrey nem de longe pode ser chamado de surpresa e venceu bem os três sets contra Carreño,. É perigoso. Com ‘apenas’ 1,70m e um tênis totalmente de contragolpe, o canhoto Yoshihito Nishioka fez 3 aces contra os 36 do gigante Isner, de 2,08m, e só ganhou 18% dos pontos como devolvedor, porém o japonês aproveitou dois de quatro break-points e ainda levou um tiebreak.

Notável a vitória em sets diretos de Kei Nishikori, ótima recuperação da esperança local Cameron Norrie e nova frustração para Jo-Wilfrid Tsonga, que também parece muito perto do adeus.E Matteo Berrettini está muito a fim de jogo. Todos os vencedores, mesmo os que fizeram cinco sets, têm de voltar à quadra nesta quinta-feira.

Campeãs de Slam dão adeus
Duas jovens e uma veterana vencedoras de Grand Slam já deram adeus ao torneio, mas foram surpresas pequenas em se tratando de grama.

Sofia Kenin caiu cedo pelo quarto Slam consecutivo diante da também americana Madison Brengle, repetindo a segunda rodada de Melbourne. Venus Williams também se foi, mas Ons Jabeur atravessa bom momento e varia muito bem seus golpes. Por fim Bianca Andreescu nem passou da estreia, com 34 erros e um placar arrasador imposto por Alizé Cornet.

Aryna Sabalenka, Iga Swiatek, Karolina Pliskova e Garbiñe Muguruza já estão na terceira rodada. A cabeça 2 precisou de virada e de paciência com a torcida, a polonesa foi muito firme e Muguruza já ganhou em Wimbledon e pode achar o caminho de sua recuperação.

Aliás, a grama também é ótimo lugar para Pliskova recuperar sua temporada instável, mas estou gostando mesmo é de Sloane Stephens. Ela não saca muito, nem bate tão forte, mas é uma jogadora taticamente muito aplicada e está num setor bem interessante da chave.

O feminino também teve 23 jogos ainda de primeira rodada, que marcaram estreia difícil de Elina Svitolina, quedas de Belinda Bencic e Anett Kontaveit e vitórias de Vika Azarenka e Anastasia Pavlyuchenkova.

Sustos e preocupação
Depois das contusões sérias de Serena Williams e Adrian Mannarino, que não conseguiram seguir em seus jogos na Central, o piso escorregadio causou várias outros sustos nesta quarta-feira. Djokovic, tal qual acontecera na estreia, foi ao chão algumas vezes e não se mostrou nada feliz. Isner e Kyrgios também sofreram quedas feias, que felizmente não causaram danos maiores, e o próprio Murray perdeu o equilíbrio e imediatamente colocou a mão na problemática virilha, um sinal de alerta temeroso.

Questionado sobre o problema, o All England Club colocou a culpa no excesso de umidade da atmosfera no período em que o piso foi cultivado. “Tivemos a maior umidade em uma década e assim o teto das quadras precisou ser fechado, o que isso influenciou no assentamento”, afirmou,  jurando que a preparação das quadras foi exatamente igual a todos os outros anos. “Conforme os jogos acontecerem, a quadra ficará firme”. Será?

Dolorosas frustrações
Por José Nilton Dalcim
29 de junho de 2021 às 19:17

Foi uma terça-feira triste em Wimbledon. Começou pela atuação tão abaixo da crítica de Roger Federer, prosseguiu com a lamentável contusão do seu adversário Adrian Mannarino que fazia uma grande exibição e foi concluída com as lágrimas da supercampeã Serena Williams, ao complicar a contusão na coxa direita ainda no quarto game com consequente abandono.

O suíço até ganhou o primeiro set, mas só foi mostrar o tênis que se espera dele sobre a grama lá nos games disputados no quarto set. Apertado pelo placar,  enfim mostrou-se efetivamente agressivo, com devoluções arriscadas e melhor exploração do jogo de rede. No resto do tempo, não fez mais do que trocar slices e manter a bola em jogo, o que obviamente agradou Mannarino. O francês não tem grande potência e assim gosta de um jogo cadenciado. Decepcionante.

É verdade que Federer já tinha quebra na frente no quarto set no momento em que Mannarino se desequilibrou e torceu o joelho direito, o que o forçaria a abandonar logo depois já que mal se movia. Uma pena. Não fosse essa incrível falta de sorte, nada garantia que o francês não levasse a vitória num eventual quinto set. O próprio Roger reconheceu que o adversário era o melhor em quadra e só aumentou as dúvidas sobre sua real situação técnica, física e principalmente emocional.

Parece que superar a primeira semana será mesmo sua maior meta, como ele afirmou no sábado. Agora, terá pela frente Richard Gasquet, contra quem tem 12 a 2 e dez anos de ‘fila’, mas se existe um lugar em que Gasquet pode ser perigoso é na grama. E no grau de confiança que Federer está…

A saída de Serena não foi menos chocante. A heptacampeã também apostava suas fichas em Wimbledon para enfim retornar aos troféus de Grand Slam – perdeu as finais de 2018 e 2019 como favorita – mas deve ter se contundido nos treinos. Apesar da coxa enfaixada, tinha 3/1 quando escorregou e torceu o tornozelo da mesma perna. Foi mancando para o atendimento, já com cara de choro, e logo depois teve mesmo de desistir, aí já sem conter as lágrimas. Ao que tudo indica, vai para sua derradeira tentativa do 24º Slam no US Open já que o físico definitivamente não a sustenta mais

E mais
– Outra grande atuação de Medvedev na grama, vingando-se da derrota para Struff de Halle dias atrás. Devem vir agora dois jogos mais fáceis e chegar nas quartas não parece mais tão complicado. Saque forçado, ótima movimentação e bolas retas têm sido seu cardápio, enriquecido com alguns ótimos voleios.
– Zverev, que só tem uma presença em oitavas no torneio, fez o que se esperava diante de um quali. Evans foi muito bem contra López e Shapovalov sofreu com o sempre ardiloso Kohlschreiber, num dos melhores jogos do dia.
– Arsenal repleto, gostei demais da atuação de Korda contra De Minaur, que vinha de título no sábado. Aliás, terceira surpresa americana, repetindo Tiafoe e Stephens.
– Cada vez que vejo Kyrgios jogar bate aquela raiva: por que esse rapaz não leva o tênis a sério? Fora do circuito há quatro meses, fez lances geniais, abusou da improvisação que a grama exige e levou Humbert ao quinto set, suspenso no 3/3. O canhoto francês está super afiado e o jogo até aqui foi muito bom.
– Outro momento emocionante foi a atuação de garra de Carla Suárez diante de Barty. A australiana exibiu todo seu rico tênis, mas a espanhola levou o segundo set e saiu aplaudida por toda a Central, incluindo a número 1.
– A campeã de Roland Garros mostrou-se muito à vontade na grama. Duplista de mão cheia, Krejcikova tem bom teste contra Petkovic. Nada mau se cruzar com Barty lá nas oitavas.
– Kerber manteve embalo, Pliskova e Gauff venceram dois sets duros. E Venus, aos 41, voltou a vencer em Wimbledon após três anos. Essa, sim, é exemplo magnífico de amor à profissão.

Chove, chuva
– Treze jogos masculinos ainda de primeira rodada foram completamente adiados para quarta-feira, o que obrigará seus vencedores a volta à quadra no dia seguinte para a segunda partida. Nesse grupo estão Monteiro-Aliassime, Dimitrov-Verdasco, Querrey-Carreño, além de Taylor Fritz, Lorenzo Sonego e Alexander Bublik.
– Outros cinco jogos não terminaram, com destaque para Cilic e Norrie que ainda vão abrir o segundo set. Monfils começou na segunda-feira e seguirá pelo terceiro dia.
– O pior é que Monfils e Garin são da parte superior da chave, que já entrará na segunda rodada nesta quarta. Ou seja, quem vencer joga quinta e quem sabe na sexta também.
– O feminino adiou 14 partidas inteiras, lista que tem Andreescu-Cornet e nomes como Bencic e Azarenka, e tem uma suspensa no terceiro set. As ganhadoras também terão de voltar na quinta, mas no feminino o desgaste é bem menor e todos os jogos não completados pertencem ao lado superior.
– Ao menos, a previsão diz que só voltará a chover em Londres sábado e domingo, em forma de pancadas.

A frase
“Foi um final de jogo terrível, que não gosto nem de ver. Eu me senti muito mal, principalmente com tudo que passei com o joelho”.
Roger Federer