Arquivo da tag: Denis Shapovalov

Djoko e Federer largam com façanhas
Por José Nilton Dalcim
20 de janeiro de 2020 às 13:38

Um ainda não perdeu em 2020, o outro não havia jogado até agora. Dois dos três maiores campeões que o Australian Open já teve, Novak Djokovic mostrou grande arsenal ainda que tenha cedido um set na estreia, enquanto Roger Federer superou a ‘ferrugem’ com seu tênis costumeiramente vistoso e elegante. Aproveitaram para anotar mais façanhas em suas incríveis carreiras.

Djokovic marcou a 900ª vitória como profissional – e são 82% de sucesso, já que soma apenas 187 derrotas – com pequenos vacilos, que não podem ser considerados um problema para uma primeira rodada. A meu ver, o sérvio de hoje é muito parecido com Federer em seu auge, ou seja, o andamento do jogo depende muito mais dele próprio do que do adversário.

E foi exatamente assim contra Jan-Lennard Stuff. Sem sacar seu melhor, o alemão só conseguiu tirar seu primeiro set nos confrontos diretos quando Djoko baixou a intensidade e fez dois games muito ruins de serviço. Mas a devolução mortal, os voleios apurados e o excepcional contragolpe estavam lá nas horas necessárias e a tarefa foi concluída sem maiores sustos. Agora, vem um adversário teoricamente ainda mais fácil: Tatsuma Ito ou Prajnesh Gunneswaran.

Federer entrou pela 21ª vez consecutiva no Australian Open, desempatando o recorde que dividia com Lleyton Hewitt, e simplificou muito seu trabalho contra Steve Johnson ao quebrar sempre no início dos sets. O suíço explicou na entrevista oficial que as condições parecem mesmo rápidas, mas que as bolas Dunlop, que passaram a ser usadas em 2019, são velozes quando novas e depois mudam. A segunda rodada pode ser bem mais exigente se der Filip Krajinovic diante de Quentin Halys.

Altos e baixos da Next Gen
Stefanos Tsitsipas e Matteo Berrettini fizeram o esperado e superaram seus frágeis adversários sem grandes sustos, usando bem a velocidade do novo piso. O grego só permitiu cinco games, e agora terá um teste mais digno diante do experiente Philipp Kohlschreiber. O italiano ainda não mostrou progresso esperado no seu backhand.

Denis Shapovalov e Borna Coric se despediram cedo. O canhoto canadense teve mesmo o azar de pegar o bom Marton Fucsovics logo de cara e admitiu ter entrado muito nervoso em quadra. Perdeu inúmeras chances, sempre apressado, e mandou duas raquetes para longe. E ainda reclamou da advertência. O húngaro pode ter Dimitrov na terceira e Federer nas oitavas.

Coric não surpreendeu. Não está bem de cabeça e parece perdido taticamente. Foi engolido pelo experiente Sam Querrey, que está no quadrante de Berrettini e Pella. Não dá para reclamar.

Superchave feminina
Serena Williams afirmou que o título em Auckland tirou peso das costas e mostrou isso em estreia muito firme diante da jovem Anastasia Potapova. Também elogiável a exibição da atual vice Petra Kvitova, que só perdeu um game e economiza energia.

A defensora do título Naomi Osaka e a estrela da casa Ashleigh Barty precisaram dominar os nervos. A japonesa deu sinal de que iria dominar facilmente, mas errou mais do que deveria (28 no total) e em momentos importantes. Barty emudeceu o público ao perder um sofrível primeiro set. Depois, se achou, variou o tempo todo e atropelou.

Vale lembrar que essas quatro estão no lado de cima da chave.

Destaques do dia 1
– Número 1 está em disputa apenas no masculino e tem uma única chance de mudar de mãos: Djoko ser campeão e Nadal cair até as quartas. No feminino, o título em Adelaide garantiu Barty no topo.
– Sinner está a dois games de sua primeira vitória em Slam e Opelka, a um set de tirar Fognini com 17 aces cravados e só um break-point permitido.
– Wozniacki iniciou bem a despedida da carreira, que acontecerá em Melbourne. Mas pode ter Dayana Yastremska como próxima adversária.
– Gauff repetiu Wimbledon e eliminou Venus, na maior batalha de gerações dos Slam atuais. A valente juvenil pode pegar Osaka na terceira rodada.
– Devido ao mau tempo de segunda-feira, os 64 jogos normais desta terça-feira serão acrescidos de outros 19 masculinos, oito deles que estavam em andamento, e mais 13 femininos.

Feitos e recordes
– O Big 3 ganhou todos os últimos 12 Slam, desde a conquista do US Open de 2016 por Stan Wawrinka. A maior sequência foi de 18, entre Paris-2005 e Wimbledon-2009. Na atual série, Nadal ganhou 5, Djoko faturou 4 e Federer, 3.
– Serena tem a maior distância entre o primeiro e o último Slam conquistados da Era Aberta: 17 anos. Federer e Nadal vêm atrás, com 14.
– Feliciano López atinge o 72º Slam disputado consecutivo, 5 a mais que Verdasco.

Analisando 2019: nova geração cava espaço
Por José Nilton Dalcim
7 de dezembro de 2019 às 00:46

É bem verdade que o topo do ranking continua firme e forte nas mãos do Big 3, mas se tirarmos o mais poderoso triunvirato já visto no tênis masculino é fácil perceber que a nova geração enfim chegou para ocupar seu lugar no circuito.

Cinco dos outros top 10 estão entre os 21 e 26 anos, e somando triunfos cada vez mais relevantes. Stefanos Tsitsipas, o mais jovem deles, conquistou o quinto mais importante torneio do calendário, troféu aliás que também já está na galeria de Alexander Zverev.

Com inesperado salto de qualidade em 2019, Daniil Medvedev faturou dois Masters e chegou a um vice de Grand Slam, desempenho semelhante ao do bem mais experiente Dominic Thiem, que somou nada menos que seis vitórias sobre o Big 3 em diferentes pisos. Por fim, Matteo Berrettini foi a grande surpresa, com títulos no saibro e na grama e a incrível semi no US Open.

Não restam dúvidas sobre o potencial diferenciado de Stef. O grego é dono de um arsenal poderoso. Ao mesmo tempo que o saque faz estragos e simplifica pontos, ele evoluiu na consistência na base e transformou o backhand numa arma, pegando as bolas mais na subida sem sair de cima da linha. Voleia com desenvoltura. Ficou muito perigoso nos pisos mais velozes, e olha que foi mal na grama. O essencial, no entanto, foi dominar a cabeça. Realizou uma reta final de temporada madura, sem chiliques e com ótimo físico. A seguir assim, pode ganhar de qualquer um, em qualquer piso.

Apesar de todo mundo ainda estar boquiaberto com Medvedev, acredito que o segundo nome da ‘nova geração’ a ser observado seja Thiem. Ainda que tenha 26 anos, não vejo motivo para tirá-lo da lista do Next Gen. O austríaco reúne habilidades e tem conseguido aparar seus defeitos. Tenista de golpes muito pesados e físico privilegiado, deixou de jogar tão atrás da linha, evoluiu nas devoluções e treinou a transição para a rede. Ficou bem mais completo e isso explica o sucesso inédito na quadra sintética. Pela primeira vez, venceu mais sobre o piso duro do que no saibro. Com exceção a Wimbledon, é sensato colocá-lo entre os candidatos para os demais Slam em 2020.

Medvedev é um caso à parte, a começar pelo estilo pouco ortodoxo. Joga ofensivo a partir do saque, mas se defende muito bem para seus 1,98m. Ganhou títulos de gabarito em quadras muito velozes, como Cincinnati e Xangai, sem ter um jogo de rede sequer razoável. O segredo é talvez menos técnico e muito mais mental, e vimos essa fortaleza em jogos longos e duros ou frente à torcida irada. No entanto 2020 tende a ser um outro universo. Ele já não é mais surpresa, os adversários estudaram suas fraquezas e haverá um caminhão de pontos a defender a partir de abril. É hora portanto de sabermos o tamanho de sua fome.

Zverev e Berrettini estão em extremidades opostas. O alemão já fez muito para seus tenros 22 anos, e isso gera cobrança constante, vinda de fora e, pior ainda, de dentro. Vejo o rapaz com dois problemas graves: a lenta evolução técnica – principalmente se comparada aos demais jovens – e a exagerada instabilidade emocional. Será que uma queda maior, que o tirasse do foco, não seria uma solução a médio prazo? Já o italiano ainda me parece um bom mas limitado jogador, que explora bem a força. É fato que muitos tenistas com um golpe de base fraco, como é o caso de seu backhand, foram longe em suas carreiras, mas aos 23 anos espera-se que ele trabalhe incansavelmente nisso.

Logo abaixo, eu listaria seis nomes a se observar: os canadenses Denis Shapovalov e Felix Aliassime, os russos Karen Khachanov e Andrey Rublev, o australiano Alex de Minaur e o norte-americano Taylor Fritz. São reais candidatos ao top 10, ao menos em algum momento da temporada. O dueto canadense é espetacular e promissor, mas ainda falta estabilidade emocional, um por ser explosivo demais, o outro por ser um tanto passivo.

Khachanov deu na verdade um pequeno e compreensível passo para trás em 2019 e Rublev reagiu muito bem à fase de contusões. São jogadores de golpes muito pesados e que precisam ganhar versatilidade. Rublev me agrada especialmente. São casos bem diferentes do incansável De Minaur, um lutador a quem carece iniciativa. O tênis no entanto já fez muitos guerreiros heróis. Por fim, Taylor Fritz é esperança real do tênis americano, porque não depende exclusivamente do saque e se vira muito bem na base, o que é a síntese do jogo moderno.

Não deixemos de observar Jannik Sinner, a sensação italiana de 18 anos que navega entre a consistência e a ousadia. Neste ano, ganhou futures e challengers, fez semi de ATP e entrou no US Open. Se ganhar massa muscular, será um perigo, ainda mais com a prestigiada orientação do genial Riccardo Piatti.

E mais
– Dos 15 novos campeões que surgiram nesta temporada,  oito têm no máximo 23 anos: De Minaur (19), Opelka (21), Djere (23), Garin (22), Fritz (21), Jarry (23), Hurkacz (22) e Shapovalov (20).
– Este é o maior número de campeões inéditos numa só temporada, superando os 13 de 2018 e 2004. Importante ressaltar que em 2012 houve apenas um.
– Dos 67 títulos em jogo, apenas 13 ficaram com o Big 3, embora se incluam aí os quatro Slam e cinco Masters. Foram 40 campeões diferentes, a lista mais diversificada desde os 41 de 2001.
– Seis novos tenistas chegaram pela primeira vez ao top 10 e quatro deles são da Next Gen: Tsitsipas, Medvedev, Berrettini e Khachanov. Os outros foram Bautista e Fognini.
– Desde que Nadal chegou à vice-liderança do ranking, em julho de 2005, nenhum outro tenista ocupou o número 2 que não fosse o Big 4.

Nadal salva a Copa Davis
Por José Nilton Dalcim
24 de novembro de 2019 às 22:47

O número 1 do mundo jogou um tênis espetacular nas oito vezes que entrou em quadra, foi essencial na conquista do sexto título da Espanha e salvou a primeira edição em que a Copa Davis mudou radicalmente seu formato. Sim, porque ao levar a Espanha até a final, jogando simples e duplas, ele garantiu casa lotada o tempo inteiro nos jogos de seu país, diminuindo a sensação de vazio que se viu nas arquibancadas durante os outros confrontos da semana. O que aconteceria se dessem canadenses contra argentinos ou russos frente britânicos na decisão deste domingo?

Além do mais, Rafa tem aquilo que pode se chamar de ‘espírito de Davis’: extremamente competitivo, vibrante, envolvente. Ganhou tudo na Caixa Mágica: cinco de simples sem perder set ou ter sequer o serviço quebrado, e mais três de duplas, duas delas para marcar viradas diante de Argentina e Grã-Bretanha em jogos duríssimos e de tirar o fôlego. Atinge agora 29 vitórias individuais consecutivas desde 2004.

Sua importância para o time é indiscutível, tendo participado de cinco dos seis títulos conquistados – o único foi justamente o primeiro, em 2000 -, e entrado em quatro finais, a começar por 2004 quando ainda era juvenil. A contusão de 2008 o impediu de ir a Buenos Aires na vitória histórica sobre a Argentina. As outras conquistas vieram em 2009 e 2011, curiosamente em temporadas nas quais Nadal não estava no auge da carreira.

Ficam as dúvidas
No quesito meramente esportivo, que deveria ser o que mais importa, o novo formato da Davis não foi nada ruim. Ainda que alguns nomes mais conhecidos do circuito tenham faltado, três dos Big 4 competiram e houve jogos de nível muito bom, partidas decididas no detalhe, emoção em diversos confrontos. E muito brilho da nova geração, com destaque para Denis Shapovalov, Andrey Rublev e Kyle Edmund.

Mas é claro faltou algo essencial quando se pensa em Davis: a torcida. Andy Murray chegou a convocar ‘britânicos que estivessem em Madri’ pelas redes sociais, dando ingresso, na tentativa de engrossar as vozes na semifinal contra a Espanha. O irmão Jamie pesquisou e divulgou até os preços das passagens aereas. Situação um tanto patética para uma competição que sempre se prezou por lotar estádios nos grandes confrontos.

Existem outros problemas claros a resolver. Para garantir o mínimo de público participante, parece pouco provável que a fase final saia da Europa, já que o Velho Continente reúne a maior parte dos países envolvidos e a curta distância de fronteiras ainda permite a presença de torcedores mais diversos, como vimos em Madri. Os EUA poderiam ser uma opção, ainda que mais cara; a América do Sul traz um complicador evidente e a Austrália, nem pensar.

A se manter o atual calendário – e não há brechas no momento para uma mudança -, o piso sempre será o duro coberto, porque não teria o menor sentido forçar os tenistas a mudar repentinamente para o saibro tão no fim da temporada. Até a Caixa Mágica foi obrigada a evitar a terra. E como o aperto da programação não dá espaço para adiamentos, o teto é sine qua non.

Ou seja, a Davis perde todo seu caráter secular de imprevisibilidade e adaptação. Mas ok, é um detalhe que pode ser relegado num momento em que o tênis está bem padronizado. Claro que as chances de um país de saibro ir longe ficam prejudicadas. E daí?, devem pensar os promotores.

Será inevitável a comparação com a estreante ATP Cup de janeiro, que terá 24 países, portanto seis a mais que a fase final da Davis, e acontecerá em três locais diferentes da Austrália. Porém o sistema será parecido: seis grupos de quatro, todos contra todos, com campeão da chave indo às quartas, tudo em melhor de três sets. A diferença substancial é que valerá pontos para o ranking, servirá de aquecimento para o Australian Open e deve reunir a maior parte dos top 20 do ranking.

E mais
– Roberto Bautista perdeu o pai Joaquin na sexta-feira, mas voltou a Madri no domingo para vencer o primeiro duelo da final. Sua mãe Ester havia falecido no ano passado.
– Feliciano Lopez é o outro integrante do time atual da Espanha a ter disputado quatro finais de Davis.
– O Canadá eliminou Itália, EUA, Austrália e Rússia, repetindo um feito de 106 anos, quando atingiu a final do ‘challenge round’ então pela única vez.
– Os quatro semifinalistas deste ano – Espanha, Canadá, Rússia e Grã-Bretanha – estão garantidoso na fase final de 2020, ao lado dos convidados França e Sérvia.
– Os outros 12 participantes serão definidos no quali de 6 e 7 de março, e o Brasil deu azar: terá de ir à Austrália. Duelos interessantes: Argentina x Colômbia, Áustria x Uruguai, Japão x Equador e Suécia x Chile.
– A Sérvia sofreu dolorosa derrota nas duplas decisivas contra a Rússia nas quartas de final, tendo dois match-points. Isso também marcou o adeus definitivo do ex-top 10 Janko Tipsarevic, que atuou em simples na semana.