Arquivo da tag: David Goffin

Djoko e Nadal têm início animador
Por José Nilton Dalcim
14 de abril de 2021 às 17:04

Diante de dificuldades bem distintas, Novak Djokovic e Rafael Nadal tiveram início animador no saibro europeu. O sérvio passou dias treinando em Monte Carlo, quase um quintal de casa, e fez uma bela estreia diante de Jannik Sinner. O ultracampeão espanhol mostrou-se à vontade na volta a seu habitat natural e aproveitou cada minuto para se experimentar frente ao irregular Federico Delbonis.

Djokovic teve um teste real já de cara. Sinner faz a bola andar muito, mesmo no saibro lento, mas justamente essa característica de Monte Carlo foi o que mais o atrapalhou. Diante de um jogador de excepcional qualidade na defesa e no contra-ataque, o italiano se perdeu na necessidade de obter bolas milimétricas o tempo todo. Mais uma vez, ficou claro que ainda lhe falta um plano B.

O sérvio deu uma aula ao garoto sobre versatilidade e apuro tático. Entrou em quadra aparentemente já com o plano traçado de evitar que o adversário batesse na bola em posição equilibrada e utilizou as curtas para aproveitar a postura recuada de Sinner. E é essencial observar que as duas propostas não são nada simples de se executar diante de alguém que golpeia tão bem e forte dos dois lados.

É bem verdade que Nole perdeu dois games de serviço no primeiro set, algo que não assusta diante da lentidão do piso e das devoluções ousadas do italiano. Mas nada tirou seu foco e o líder do ranking seguiu até o fim com execução admirável da opção escolhida, subindo de nível no segundo set.

Pena que o reencontro com Hubert Hurkacz não vá acontecer, já que o polonês não se sentiu bem e jogou sem forças diante de Daniel Evans. O britânico de 1,75m até tem um estilo adaptável ao saibro, mas acaba de ganhar seu sexto jogo no piso em toda a carreira, algo que não fazia desde Barcelona de 2017. Assim, Djoko é candidato natural a duelar contra Sascha Zverev ou David Goffin nas quartas. O alemão teve bem menos trabalho do que eu imaginava diante de Lorenzo Sonego. Dos quatro sets que o belga ganhou, dois foram ‘pneus’.

Rafa teve a estreia muito tranquila que era esperada, já que o também canhoto Delbonis está alguns degraus abaixo. O espanhol aproveitou bem a partida para soltar os golpes e fez um primeiro set bem a seu estilo sobre o saibro, com meros quatro erros não forçados. Depois até perdeu um serviço em game longo no melhor momento do argentino, o que ao menos serviu para o espanhol esticar a presença em quadra, rodagem bem vinda neste retorno à atividade.

Nas condições normais de Monte Carlo, Grigor Dimitrov teria poucas chances frente a Nadal. Fato curioso, este será o quarto duelo entre eles no torneio e só lá em 2013 o búlgaro deu trabalho. Em 2018 e 2019, tirou meros cinco games por jogo. O placar geral do confronto é arrasador: 13 a 1, com única vitória de Dimitrov no veloz Pequim de 2016. Me parece lógico acreditar que Rafa cruzará com Andrey Rublev ou Roberto Bautista em seguida.

As três primeiras rodadas do torneio tiveram outros destaques, o principal deles o abandono forçado de Daniil Medvedev por ter contraído covid. Isso já coloca em risco sua presença em Madri e abre grande oportunidade para Nadal recuperar rapidamente o segundo lugar do ranking.

Já Pablo Carreño emendou mais duas vitórias a seu título de domingo em Marbella, a de hoje diante de Karen Khachanov, e terá pela frente um embalado Casper Ruud, que não deu chance a Diego Schwartzman. No caminho dos dois, está o atual campeão Fabio Fognini, que economizou energia em duas atuações firmes e é favorito contra Filip Krajinovic.

Imperdível será o duelo entre Stefanos Tsitsipas e Cristian Garin, um dos setores mais duros da chave. Basta ver que o grego estreou contra Aslan Karatsev e precisou jogar firme, enquanto o chileno virou o jogo de dois dias contra Felix Aliassime. Há uma ótima chance de o vencedor chegar até a semi e desafiar Djokovic.

Bem vindo, Rafa
Por José Nilton Dalcim
16 de setembro de 2020 às 19:45

Depois de quase sete meses sem disputar qualquer jogo, nem mesmo amistoso, Rafael Nadal retornou ao circuito no tradicional saibro de Roma e a impressão que deu foi a melhor possível dentro das circunstâncias, como se quase nada tivesse acontecido.

O último dia em que Nadal entrou em quadra foi na conquista do ATP 500 de Acapulco, no dia 1º de março. Ficou totalmente parado ao longo do período de isolamento social na Espanha e só retornou aos treinos quando foram relaxadas as normas. Decidiu não competir nos torneios combinados de Flushing Meadows, apostando todas suas fichas no saibro.

Freguês de carteirinha, Pablo Carreño, aquele que ficou a um set da final do US Open cinco dias atrás, mal serviu para um treino. É bem verdade que fez uma opção pelo risco e cometeu erros bisonhos, mas Rafa não tem nada a se queixar. Mostrou ótima mobilidade, fugindo até mesmo do backhand lá na linha de dupla, e fez o que melhor que sabe no saibro, aquela excepcional mistura de topspin defensivo todo enroscado com golpes muito agressivos. Totalizou 20 winners e 11 erros, ganhou 31 dos 39 pontos com o saque e olha que a média de primeiro serviço deixou a desejar, na casa dos 49%.

Quando pisa no saibro, Nadal vira um semideus. Seu percentual de aproveitamento é absurdo: 437 vitórias e apenas 39 derrotas, ou seja, eficiência de 91,8%. A chave de Roma promete lhe dar diferentes desafios, como o slice de Dusan Lajovic ou o saque poderoso de Milos Raonic na próxima rodada, o jogo peso pesado de Andrey Rublev ou a correria de Diego Schwartzman nas quartas. Com o novo vexame de Stefanos Tsitsipas, concorrem à semi Fabio Fognini, Denis Shapovalov e Grigor Dimitrov.

Djoko sem sequelas
A quarta-feira também viu a estreia de Novak Djokovic e foi também muito bom perceber que o sérvio não mostrou qualquer sequela do drama vivido com a desclassificação em Nova York. O italiano Salvatore Caruso até foi competitivo no começo, fixando-se quase em cima da linha, de onde pegou na subida e trocou direções com competência. Mas bastou Nole achar o ritmo mais ofensivo da devolução para dominar com ampla superioridade.

Seu desafio de quinta-feira talvez seja o mais perigoso antes da presumível reedição da final de 2019 contra Nadal. O amigo e parceiro de duplas e treino Filip Krajinovic é um adversário respeitável no saibro e tem diferentes armas. Fora ele, o dono da casa Matteo Berrettini não pode ser subestimado e ficou como forte candidato à semi com a queda incrível de David Goffin diante de Marin Cilic.

Djokovic sempre se sentiu à vontade em Roma, conquistando quatro troféus, mas desde 2016 não achou mais o caminho dos títulos. Nesse ano, chegou a derrotar Nadal antes de perder a final para Andy Murray e na edição seguinte foi surpreendido pelo então garoto Alexander Zverev na decisão. Nadal foi quem o tirou na semi de 2018 e o superou na final de altos e baixos de 2019.

E mais
– O pessoal que gosta das contagens regressivas anote aí: faltam apenas nove para Nadal se tornar o quarto profissional a atingir a incrível marca de 1.000 vitórias, lista que tem Connors (1.274), Federer (1.242) e Lendl (1.068).
– O tênis italiano colocou de forma inédita oito representantes na segunda rodada. Três já avançaram: Berrettini faz duelo direto com Travaglia e Sinner tirou Tsitsipas no terceiro set, embora tenha tido 6/1, 5/3 e saque antes disso.
– O adolescente Musetti mostrou qualidades diante de um Wawrinka em seus dias de preguiça e pega o também ex-top 5 Nishikori nesta quinta. Vale assistir.
– Fognini é outra atração do dia, mas seu histórico em Roma é muito pobre: uma quartas em 12 tentativas. Para piorar, perdeu do 303º do mundo semana passada em Kitzbuhel. Seu adversário é o elétrico canhoto Humbert.
– Dimitrov fez coro às críticas inconsoláveis de Tsitsipas sobre o piso da magnífica quadra Pietrangeli. Eles acusam de estar muito irregular.
– E não se esqueçam: a final de Roma será na segunda-feira.

Desafio US Open
Kauê Guedes foi o único participante do Desafio US Open a dizer que Zverev precisaria de cinco sets para ganhar de Carreño e que Thiem venceria Medvedev em sets diretos. Assim, ele leva o prêmio e os parabéns: a Editora Évora enviará o livro cheio de dicas importantes de Fernando Meligeni, o “Jogando Junto”.

Nova geração aproveita a chance
Por José Nilton Dalcim
5 de setembro de 2020 às 02:20

O US Open sem três experientes top 10 tinha tudo para abrir espaço à nova geração sedenta por grandes resultados e até aqui a garotada não decepcionou. Dos oito classificados nesta sexta-feira à quarta rodada na parte superior da chave, metade está abaixo dos 24 anos. E no lado inferior, quatro ‘next-gen’ certamente avançarão no sábado.

O único ‘trintão’ no setor superior é justamente o amplo favorito ao título. Novak Djokovic fez outra grande exibição diante de Jan-Lennard Struff, ganhou 46% dos pontos como devolvedor, variou com deixadinhas desconcertantes e mais uma vez economizou energia para as rodadas mais importantes.

Está sobrando em quadra, com um forehand mais afiado do que nunca e isso parece dar muito pouca chance ao espanhol Pablo Carreño, que perdeu os três duelos contra o sérvio mas ao menos já tirou um set. Apesar de ser um tenista consistente em quase todos os aspectos e ter feito semi no US Open de 2017, Carreño é inferior a Djokovic em tudo.

Um possível candidato a ‘azarão’ na rodada seguinte é o canhoto Denis Shapovalov, que arrancou uma virada sofridíssima diante de Taylor Fritz. O norte-americano vinha super bem, sacou para o jogo no quarto set e ficou a dois pontos da classificação no tiebreak. Aí desabou. O canadense de 21 anos fez 60 winners e 33 erros, números bem mais confortáveis, e terá pela frente David Goffin. O belga não saiu de cima da linha, fez ótimas transições à rede e não perdeu set de Filip Krajinovic. Deixou ótima impressão. Está pelo quarto ano seguido nas oitavas, mas nunca foi além.

Já na madrugada, veio o grande jogo deste US Open até agora. Com um incrível espírito de luta e ferrenha aplicação tática, Borna Coric evitou uma derrota que parecia certa no quarto set, quando o grego Stefanos Tsitsipas abriu 5/1. O croata salvou então seis match-points, escapou de quebra atrás no quinto set e foi impecável no tiebreak decisivo. Que comportamento exemplar, em contraste com a conduta juvenil do grego, a esbravejar outra vez com o pai-treinador.

Coric, que sofreu com tantas lesões mesmo ainda aos 23 anos, repete as oitavas de 2018 e pode enfim marcar sua maior campanha num Slam diante de Jordan Thompson, australiano que tem padrão de jogo semelhante, mas sem currículo sobre pisos mais velozes.

Alexander Zverev por fim virou em cima do canhoto Adrian Mannarino e jogou um tênis cada vez mais sólido conforme os sets andaram, com destaque para os 14 aces e 28 subidas à rede. Sascha está pelo segundo ano seguido nas oitavas do US Open. No entanto não pode vacilar diante do poder de fogo do espanhol Alejandro Davidovich, outro de 21 anos, que não pensa duas vezes para espancar a bola.

No lado inferior da chave, jogarão neste sábado para entrar nas oitavas Medvedev-Wolf, Berrettini-Ruud, De Minaur-Khachanov e Aliassime-Moutet. Fiquem de olho nesse francês canhoto abusado. Moutet joga com força e com jeito. Superou Daniel Evans de virada e levou dois tiebreaks.

Bom teste para Osaka
A adolescente Marta Kostyuk exigiu muito da cabeça 4 Naomi Osaka, que segue em busca do segundo título no US Open. Ousada e agressiva, a ucraniana recebeu um elogio e tanto da adversária: “Tenho medo do que ela pode fazer num futuro breve”. Osaka enfrentará no domingo Anett Kontaveit, que se vira bem nas quadras mais rápidas porém perdeu todos os quatro duelos contra Naomi, incluindo o de sete dias atrás.

Petra Kvitova está no caminho da número 9 do mundo e aí a coisa pode ficar mais interessante. A tcheca ainda não se soltou totalmente, cometeu cinco duplas faltas e total de 28 erros em dois sets, mas gosta dos jogos grandes. Enfrentará antes a local Shelby Rogers. O US Open é o único Slam em que Petra jamais fez semi em 12 tentativas.

O outro quadrante está bem aberto e obviamente o sensato é apostar na experiência de Angelique Kerber, campeã de 2016, que venceu todos os seis sets até agora. A canhota alemã não jogava desde o Australian Open. Já a alegria de Carolina Garcia durou bem pouco e, depois de tirar a cabeça 1 Karolina Pliskova, foi dominada pela boa Jennifer Brady. A vencedora desse duelo enfrentará Petra Martic ou Yulia Putintseva.

Polêmica
O jogo entre Zverev e Mannarino ficou envolvido em polêmica e indefinição. Como Adrian é uma das 11 pessoas a ter contato próximo com Benoit Paire, ele foi autorizado pelas autoridades sanitárias do município a jogar as primeiras rodadas, mas ontem entrou em ação uma ordem do governo do estado que impedia o francês de atuar, exigindo o confinamento. Houve longa negociação para que o jogo acontecesse e Zverev gentilmente aceitou atrasar a partida.