Arquivo da tag: Daniil Medvedev

Por que Djokovic é favorito a dominar Slam
Por José Nilton Dalcim
24 de fevereiro de 2021 às 19:49

Ao enriquecer sua invejável galeria de troféus logo na abertura da temporada 2021, que promete enfim ter um calendário completo, Novak Djokovic se torna o favorito para se tornar o maior colecionador de títulos de Grand Slam da história, superando assim os líderes Roger Federer e Rafael Nadal. Nunca esteve tão perto. Há uma década, quando começou a temporada 2011, o placar dos Slam estava 16-9-1. Hoje, como todo mundo sabe, é de 20-20-18.

Há dois motivos mais do que suficientes para se acreditar que Djokovic chegará lá. O mais importante deles é a versatilidade, como provam suas 12 conquistas na quadra sintética e as cinco sobre a grama. Além disso, ainda permanece como um dos dois únicos que podem hoje superar Nadal em Roland Garros. O sérvio é quem mais colecionou títulos importantes na terra depois do espanhol, a quem aliás derrotou em Monte Carlo Roma e até Paris. É o atual bicampeão de Wimbledon, onde levou quatro dos seis últimos troféus, três deles diante de Federer. Faturou 6 dos 10 Slam mais recentes e ganhou 10 de suas últimas 12 finais desse naipe. Vale observar que até 2015 ele estava 8 em 16.

O segundo fator é certamente a idade. Djokovic é um ano mais jovem que Nadal e tem quase seis de vantagem sobre o suíço. E a isso é essencial se incluir o estilo de jogo. O sérvio se adapta com maior facilidade aos diferentes pisos e economiza muito mais energia ao bater a bola na subida, perto da linha, sem falar que agora tem mostrado um saque muito definidor. Não por acaso, fez a final de Slam mais rápida de sua carreira contra Daniil Medvedev, tem excepcional eficiência depois que ganha os dois primeiros sets (220-1, esta derrota em 2010) e é o que melhor se sai num quinto set (30 em 39 diante dos 30 em 47 de Federer).

Nunca podemos esquecer que todos os três já atravessaram problemas físicos preocupantes em tempos recentes, e isso talvez seja o fator imponderável que pode atrapalhar a contabilidade. Porque, ao olharmos os adversários mais jovens que ocupam o top 10 do momento, ainda é difícil apontar algum com real capacidade de derrubar dois dos três fenômenos para levar um Slam. Andy Murray definiu com propriedade: “Vencer um deles nas quartas ou na semi é uma coisa. Outra é sacar ou devolver numa final diante de alguém que já ganhou 17, 19 ou 20 Slam. É simplesmente intimidante. A nova geração ainda não está pronta para isso. Se Novak não tivesse atirado bola na juíza, teria vencido o US Open também”.

Um novo Slam está previsto para daqui a três meses e, nesse período, é preciso ver como Nole irá se recuperar do estiramento e Nadal, da lombar. E observarmos Federer após uma parada incrivelmente longa. Novamente, vemos uma vantagem para Djokovic. Depende muito menos de Paris ou de Wimbledon do que seus concorrentes e ainda terá uma boa cartada a jogar no US Open ou aguardar outro Australian Open, onde reina soberano.

Bom ibope na Austrália
As finais masculina e feminina do Australian Open tiveram as maiores audiências das noites de sábado e domingo no país, segundo os institutos de pesquisa, ainda que tenham tido pequeno declínio em relação a 2020. O jogo entre Djoko-Medvedev foi visto por 1,17 milhão de pessoas nas cinco maiores cidades do país (35% dos aparelhos ligados). Já o duelo Osaka-Brady atingiu 851 mil espectadores (36%). O torneio foi visto no total por 11 milhões de australianos através da rede Nine.

Cresce tênis nos EUA
Tênis recreativo saltou 22% em termos de novos praticantes nos Estados Unidos no ano passado, em meio à pandemia. Segundo dados da USTA, a procura por um esporte seguro como o tênis fez o total de tenistas recreativos norte-americanos subir para 21,6 milhões, dos quais 6,8 mi eram novos jogadores ou pessoas que havia abandonado a raquete e agora voltado.

E vem aí o Top Coach
O Tennis Channel iniciou uma votação popular para indicar os dois melhores técnicos de tênis do país. Qualquer um poderá ser indicado na lista preliminar, por seus alunos ou por si próprio, e aí os 50 melhores serão selecionados para uma primeira votação popular, que irá tirar 5 nomes de cada sexo. Aí uma nova rodada de votos populares indicará os vencedores, que além da honra levarão também US$ 500.

Wimbledon aguarda
Após mais um período de confinamento da população, os britânicos esperam ter superado a crise do coronavírus e planejam liberar gradualmente o público nas competições esportivas a partir de 17 de maio. O futebol poderá receber até 10 mil pessoas ou 25% da capacidade dos estádios e o mesmo por enquanto se aplicará a Wimbledon, que começará dia 28 de junho. Se for assim, das 37 mil pessoas diárias no Club apenas pouco mais de 9 mil serão autorizadas. A Central, de 15 mil lugares, terá no máximo 3.750. A prática do tênis ao ar livre deverá estar liberada na Inglaterra no dia 29 de março.

Desafio Australian Open
Armando Castel venceu o Desafio para a final masculina do Australian Open e terá direito à biografia de Novak Djokovic da Editora Évora. Ele acertou dois dos três sets que Djokovic venceu (7/5 e 6/2) e ainda errou o terceiro por um (6/2). O segundo lugar foi de Clayton Oliveira Costa, que acertou o total de 9 games perdidos e ainda cravou em cheio o terceiro set. Ele receberá da Évora outro sucesso de Djoko, “Sirva para vencer“.

Djokovic e Osaka: rumo ao Olimpo
Por José Nilton Dalcim
21 de fevereiro de 2021 às 16:19

O Australian Open sobreviveu aos piores temores, chegou ao fim sem sustos e deu de presente ao tênis a perspectiva de que Novak Djokovic e Naomi Osaka estão no rumo certo para concretizarem seus sonhos particulares. O sérvio há muito tempo já figura na elite do tênis, está no mínimo entre os três mais bem sucedidos de todos os tempos e caminha para uma sucessão de recordes que tende a acabar com a discussão sobre quem é o maior. Osaka rouba de vez os holofotes do circuito feminino, com qualidade em quadra e postura fora dela. Fixa uma imagem de liderança, algo difícil de se fazer aos 23 anos.

Novak é uma mistura de solidez e agressividade, representante mais que perfeito do tênis moderno. Às devoluções desconcertantes e ao trabalho de pernas primoroso, que lhe permitem jogar sempre perto da linha do começo ao fim de qualquer ponto, agregou ao longo dos anos um voleio muito respeitável, slices para mudar o ritmo e deixadinhas que confundem o oponente. Agora, aprimorou o primeiro saque. Com isso fica ainda mais ofensivo e economiza energia. Esse arsenal já seria demais, porém Djokovic ainda exibe capacidade emocional muito acima da média. Destrói raquetes, briga com o box, não disfarça a frustração. Seu raro dom é transformar tudo isso em combustível.

A quatro meses dos 34 anos, joga o melhor tênis do circuito em quase todos os aspectos, faz um calendário habilmente enxuto e dá sinal de que prolongará a carreira por várias temporadas. É bem verdade que contusões têm sido um fantasma permanente. E talvez sejam a mais alta barreira que o separa de se tornar o maior colecionador de troféus de Grand Slam. Nunca esteve tão perto dos recordistas e, à exceção do saibro de Roland Garros, tem de estar no topo da lista de favoritos para Wimbledon e US Open. Ainda mais agora que possui saque quase tão devastador como sua devolução.

Essa versatilidade é o que falta ainda a Osaka. Seus quatro títulos de Slam vieram na quadra dura, seu habitat natural. O desafio então é evoluir nos outros dois pisos. Não há um motivo aparente para que não brilhe na mesma proporção em Wimbledon, onde saque e força valem muito, mas o saibro exigirá adaptações. A habilidade em obter ângulos, o que não é tão comum entre as mulheres, deve facilitar isso. Me parece uma questão de determinação.

O circuito e os bastidores do tênis feminino já enxergam Naomi como a sucessora de Serena Williams no domínio dos grandes títulos e na representatividade das mulheres no esporte. A timidez dos primeiros tempos tem sido superada sem pressa. Seu engajamento nos movimentos sociais norte-americanos ou na repreensão ao dirigente olímpico japonês mostram isso. A diferença talvez entre Osaka, Serena e Djokovic seja a amplitude da ambição. Ela diz se contentar com ‘sete ou oito Slam’, o que seria um lugar mediano na história, e sonha com uma vida mais normal, pouco compatível com o tamanho de sua popularidade e faturamento crescentes.

Medvedev decepciona
Difícil entender o que aconteceu com Medvedev. Temos de considerar o russo um tenista experiente e com grande espírito de entrega. Mas ele simplesmente desabou após perder o saque e o primeiro set. Nem mesmo com a ajuda que Nole lhe deu, ao jogar sem intensidade no game inicial do set seguinte e permitir quebra, serviu para alguma coisa. O russo, que tanto aposta na sua firmeza da base, só fez bobagens e teve outros poucos momentos de um tênis ao menos aceitável daí em diante. Irritado e frustrado, entregou-se na parte mental, sem capacidade de achar uma solução tática que não fosse bater na bola de qualquer jeito. Surpreendente.

Djokovic por seu lado foi muito inteligente. Ao perceber que o russo estava cada vez mais perdido, tratou de alimentar seus erros. Ficou firme nas trocas de bola, colocou o adversário de um lado por outro e só foi para as bolas decisivas quando já tinha Medvedev nas cordas. Ganhou sem fazer grande esforço. Parecia certo de que Nole tinha ainda muito mais a dar, caso fosse necessário. Não foi. Alexander Zverev, quem diria, apertou muito mais do que Medvedev.

Dentro do seu estilo tão peculiar, Medvedev ainda só pode sonhar com Slam na quadra dura. Ele até se vira no saibro, mas tem um bloqueio em Roland Garros e está muito atrás dos concorrentes. A grama é um universo estranho, com bolas que quicam mais baixo, exigem um slice ao menos razoável e um jogo de rede decente, coisas que ele ainda precisa trabalhar muito. Ainda assim, não ficarei espantado se ele roubar a vice-liderança de Nadal nas próximas semanas. Se o ranking da ATP voltar ao sistema normal de defesa de pontos, sua chance fica ainda maior.

Medvedev garante final correta para o Australian Open
Por José Nilton Dalcim
19 de fevereiro de 2021 às 10:28

Apesar da espetacular atuação de Stefanos Tsitsipas nas quartas de final contra Rafael Nadal, não me parecia haver maior justiça neste Australian Open do que uma final entre Novak Djokovic e Daniil Medvedev. Se o sérvio é o ‘rei de Melbourne’, o russo tem sido o melhor tenista do circuito nos últimos quatro meses. São dois grandes especialistas na quadra dura mais veloz e têm histórico de confrontos apertado. Grande chance de vermos às 5h30 de domingo uma batalha de tirar o fôlego.

Medvedev disputará nada menos que sua quarta final consecutiva, o que significa 20 vitórias em sequência. E estamos falando de torneios do quilate do Masters de Paris, Finals de Londres e ATP Cup. Nessa arrancada, ganhou de todos os 11 adversários de nível top 10 que cruzou, entre eles o próprio Djokovic. Neste momento, é o maior adversário que Nole poderia temer na tentativa do 9º troféu em Melbourne.

Tsitsipas escapou de um verdadeiro atropelamento na semifinal desta sexta-feira, e nem se pode colocar na conta um possível cansaço físico após a maratona diante de Nadal. Talvez, claro, tenha falhado mais a parte mental.

Diante de um Medvedev extremamente agressivo e sólido da base, Stef demorou demais para tentar um plano alternativo. Só ali na metade do terceiro set, quando já estava 2 sets e uma quebra atrás, entendeu que era mais negócio ir à rede e encurtar os pontos ao invés de ver seu backhand massacrado pelos golpes retos e profundos do russo, que lhe tiravam totalmente o tempo e o tornavam errático e defensivo.

Foi sem dúvida o melhor momento do duelo. Medvedev fez seu único game ruim no serviço – pareceu irritado com uma demora do adversário em se arrumar para a devolução -, a torcida se inflamou e Tsitsipas passou a comandar mais os pontos. Esteve perto de ganhar esse set, o que provavelmente mudaria muita coisa na partida, quando chegou a ter break-point para um 5/3. Mas o Urso arriscou tudo no saque e recuperou a confiança. Fez passadas magníficas para chegar à quebra definitiva e à vitória super merecida.

Quando se acreditava que a tática mais adequada de Tsitsipas seria a agressividade, os números mostram que Medvedev fez 17-3 em aces e 46-19 nos winners. E ainda errou menos (21-30). O grego ganhou 77% dos pontos em que subiu à rede (24 de 31), mas quase 60% deles concentrados no terceiro set (14 de 18).

Djokovic obviamente permanece o mais cotado para o título, diria na casa de 60%, ainda que tenha perdido 3 dos 4 mais recentes duelos. Só houve um confronto em melhor de cinco sets, lá mesmo na Austrália de dois anos atrás, e mesmo sem ainda ser um nome tão respeitado no circuito o russo ainda tirou um set.

De forma esperta, Daniil diz que não tem muito a perder em sua segunda final de Grand Slam – óbvio que não é tão verdade assim – e que haverá mais pressão sobre o sérvio, que defende a invencibilidade de oito finais anteriores do torneio. Se o russo obtiver tamanha façanha, de quebra também vai derrubar Nadal e tornar-se o primeiro nome fora do Big 4 a atingir o número 2 do ranking desde 25 de julho de 2005.

Uma coisa é certa: veremos a história ser reescrita no domingo.

Não deu para Soares
Dupla vence junto e perde junto, mas é inegável que Jamie Murray esteve um ou dois degraus abaixo dos demais jogadores na semifinal em que os campeões de 2016 perderam em dois sets apertados para os atuais detentores do título do Australian Open. Bruno Soares foi barrado na tentativa de sua terceira final seguida de Grand Slam pelo dueto Rajeev Ram e Joe Salisbury, que se mostrou mais compacto e oportuno.

O que faltou a Murray foi devolver com mais qualidade em momentos importantes da partida, especialmente na parte final do jogo, quando Salisbury não estava tão confiante. O escocês ainda teve dois serviços quebrados no primeiro set, o que prejudicou o bom início da parceria, que chegou a abrir 3/0, e vacilou feio ao não reagir rapidamente numa bola que ia para fora no tiebreak, permitindo que ela tocasse de raspão na sua raquete. De qualquer forma, Soares e Murray é uma dupla forte e experiente e podemos esperar títulos grandes em 2021.

Dos quatro finalistas, três buscam o segundo título de Slam – Ivan Dodig venceu aquele em Roland Garros de 2015 com Marcelo Melo – e outro, Filip Polasek, faz sua primeira final desse quilate.

Osaka: favoritismo delicado
Não há mais jogos na nossa madrugada. A partir de agora, as rodadas decisivas em Melbourne começarão sempre às 19h30 locais, às 5h30 de Brasília. Neste sábado, Naomi Osaka entra com relativo favoritismo para erguer seu quatro troféu de Slam e o segundo no Australian Open diante da norte-americana Jennifer Brady, que faz sua primeira decisão desse nível.

Se a japonesa confirmar, já se igualará a nomes de peso do tênis feminino moderno, como Kim Clijsters, Arantxa Sanchez e Hana Mandlikova, algo admirável se considerarmos seus 23 anos recém completados. Brady tem apenas dois anos a mais e é uma tenista divertida de se assistir, já que assume riscos, demonstra emoções e é dotada de grande espírito de luta.

Tal qual Medvedev, Osaka também venceu seus últimos 20 jogos e possui ainda 3-1 nos duelos diretos com Brady, mas é fundamental lembrar que a norte-americana deu enorme trabalho na recente semifinal do US Open, que terminou com o duro placar de 7/6, 3/6 e 6/3. A WTA aliás considerou esse como o melhor jogo de 2020 e a própria Osaka diz que foi uma das duas mais exigentes vitórias de sua carreira.

“Não vou mais para a quadra esperando que minha adversária jogue mal. Agora, eu acredito sempre que posso vencer, que tudo depende muito mais de mim”, afirma Brady. É a forma mais que perfeita de se encarar o circuito e este desafio na final.