Arquivo da tag: Coco Gauff

Djoko e Federer largam com façanhas
Por José Nilton Dalcim
20 de janeiro de 2020 às 13:38

Um ainda não perdeu em 2020, o outro não havia jogado até agora. Dois dos três maiores campeões que o Australian Open já teve, Novak Djokovic mostrou grande arsenal ainda que tenha cedido um set na estreia, enquanto Roger Federer superou a ‘ferrugem’ com seu tênis costumeiramente vistoso e elegante. Aproveitaram para anotar mais façanhas em suas incríveis carreiras.

Djokovic marcou a 900ª vitória como profissional – e são 82% de sucesso, já que soma apenas 187 derrotas – com pequenos vacilos, que não podem ser considerados um problema para uma primeira rodada. A meu ver, o sérvio de hoje é muito parecido com Federer em seu auge, ou seja, o andamento do jogo depende muito mais dele próprio do que do adversário.

E foi exatamente assim contra Jan-Lennard Stuff. Sem sacar seu melhor, o alemão só conseguiu tirar seu primeiro set nos confrontos diretos quando Djoko baixou a intensidade e fez dois games muito ruins de serviço. Mas a devolução mortal, os voleios apurados e o excepcional contragolpe estavam lá nas horas necessárias e a tarefa foi concluída sem maiores sustos. Agora, vem um adversário teoricamente ainda mais fácil: Tatsuma Ito ou Prajnesh Gunneswaran.

Federer entrou pela 21ª vez consecutiva no Australian Open, desempatando o recorde que dividia com Lleyton Hewitt, e simplificou muito seu trabalho contra Steve Johnson ao quebrar sempre no início dos sets. O suíço explicou na entrevista oficial que as condições parecem mesmo rápidas, mas que as bolas Dunlop, que passaram a ser usadas em 2019, são velozes quando novas e depois mudam. A segunda rodada pode ser bem mais exigente se der Filip Krajinovic diante de Quentin Halys.

Altos e baixos da Next Gen
Stefanos Tsitsipas e Matteo Berrettini fizeram o esperado e superaram seus frágeis adversários sem grandes sustos, usando bem a velocidade do novo piso. O grego só permitiu cinco games, e agora terá um teste mais digno diante do experiente Philipp Kohlschreiber. O italiano ainda não mostrou progresso esperado no seu backhand.

Denis Shapovalov e Borna Coric se despediram cedo. O canhoto canadense teve mesmo o azar de pegar o bom Marton Fucsovics logo de cara e admitiu ter entrado muito nervoso em quadra. Perdeu inúmeras chances, sempre apressado, e mandou duas raquetes para longe. E ainda reclamou da advertência. O húngaro pode ter Dimitrov na terceira e Federer nas oitavas.

Coric não surpreendeu. Não está bem de cabeça e parece perdido taticamente. Foi engolido pelo experiente Sam Querrey, que está no quadrante de Berrettini e Pella. Não dá para reclamar.

Superchave feminina
Serena Williams afirmou que o título em Auckland tirou peso das costas e mostrou isso em estreia muito firme diante da jovem Anastasia Potapova. Também elogiável a exibição da atual vice Petra Kvitova, que só perdeu um game e economiza energia.

A defensora do título Naomi Osaka e a estrela da casa Ashleigh Barty precisaram dominar os nervos. A japonesa deu sinal de que iria dominar facilmente, mas errou mais do que deveria (28 no total) e em momentos importantes. Barty emudeceu o público ao perder um sofrível primeiro set. Depois, se achou, variou o tempo todo e atropelou.

Vale lembrar que essas quatro estão no lado de cima da chave.

Destaques do dia 1
– Número 1 está em disputa apenas no masculino e tem uma única chance de mudar de mãos: Djoko ser campeão e Nadal cair até as quartas. No feminino, o título em Adelaide garantiu Barty no topo.
– Sinner está a dois games de sua primeira vitória em Slam e Opelka, a um set de tirar Fognini com 17 aces cravados e só um break-point permitido.
– Wozniacki iniciou bem a despedida da carreira, que acontecerá em Melbourne. Mas pode ter Dayana Yastremska como próxima adversária.
– Gauff repetiu Wimbledon e eliminou Venus, na maior batalha de gerações dos Slam atuais. A valente juvenil pode pegar Osaka na terceira rodada.
– Devido ao mau tempo de segunda-feira, os 64 jogos normais desta terça-feira serão acrescidos de outros 19 masculinos, oito deles que estavam em andamento, e mais 13 femininos.

Feitos e recordes
– O Big 3 ganhou todos os últimos 12 Slam, desde a conquista do US Open de 2016 por Stan Wawrinka. A maior sequência foi de 18, entre Paris-2005 e Wimbledon-2009. Na atual série, Nadal ganhou 5, Djoko faturou 4 e Federer, 3.
– Serena tem a maior distância entre o primeiro e o último Slam conquistados da Era Aberta: 17 anos. Federer e Nadal vêm atrás, com 14.
– Feliciano López atinge o 72º Slam disputado consecutivo, 5 a mais que Verdasco.

Projeto criança
Por José Nilton Dalcim
30 de setembro de 2019 às 20:36

Estudos indicam que apenas 4,3% das crianças entre 6 a 12 anos jogam tênis com regularidade – número praticamente estagnado na última década – e que acabam abandonando a raquete antes de completar 11 anos, com menos de dois anos de prática. E por que não há tantos garotos nas quadras? A ideia geral é que o tênis permanece um esporte de elite e ter aulas ou bater bola ainda está limitado a quem pode pagar.

Não, não estou falando do Brasil, mas dos Estados Unidos.

Esses dados fazem parte de uma série de pesquisas que mapearam as dificuldades de crescimento do tênis por lá, tomando por base o longo período em que os norte-americanos estão sem um campeão de Grand Slam – o último foi Andy Roddick em 2003 – e na dificuldade de as meninas repetirem o sucesso das irmãs Williams. A única exceção foi Sloane Stephens, que venceu o US Open de 2017.

Os analistas concluem o óbvio: há uma crise de falta de atividade física na população. E isso só piora para o tênis. O custo anual de uma família para manter um pequeno na quadra é de US$ 1.200 – irrisórios R$ 4.800 reais se comparados à realidade brasileira -, o que no entanto é três vezes mais do que o basquete, por exemplo. Observou-se que muitas crianças sequer estão expostas ao tênis por lá, porque não têm proximidade com uma quadra, com uma raquete ou ao menos com pessoas jogando.

Boa parte desses estudos foram bancados pela Associação das Indústrias de Esporte e Fitness. Que inveja. O Brasil não tem um único censo do tamanho do tênis, trabalhando há décadas com dados empíricos e, muitas vezes, superestimados. Não sabemos quantos jogadores, professores, quadras ou meros admiradores o nosso tênis tem. E talvez isso explique a dificuldade cada vez maior de se vender o produto.

Estrangeirismo
O tênis norte-americano sofre também de uma invasão de jogadores de fora, que cada vez procuram mais academias e universidades locais como oportunidade de progredir e fazer intercâmbio. Em 2013, nada menos do que a metade dos participantes do NCAA – o circuito universitário tão importante no país – eram estrangeiros.

Aliás, essa realidade está clara no próprio circuito profissional, onde meninas como Maria Sharapova e Naomi Osaka ganharam Grand Slam ou rapazes como Kei Nishikori e Kevin Anderson atingiram o top 10. Todos eles foram basicamente criados dentro do sistema norte-americano, e muitos desde muito pequenos.

Coco Gauff surgiu como luz no fim do túnel. Aos 15 anos, entrou em Wimbledon deste ano e chegou nas oitavas de final. Foi ao US Open e também passou duas rodadas. Já tem 32 vitórias de primeiro nível no circuito e está perto de chegar ao top 100.

Novo enfoque
Há pouco tempo, perguntaram a Andre Agassi por que o tênis masculino norte-americano parou no tempo e ele enfatizou que a saída era colocar raquetes em mãos de mais crianças. “Temos 300 milhões de habitantes e não criamos um sistema que ofereça oportunidades para surgir um talento, que possa ganhar um Slam de novo”.

A USTA enfim deu ouvidos e lançou o programa chamado ‘Net Generation Aces’. O mais interessante é que a procura não está focada em golpes ou resultados, mas em identificar os juvenis entre 13 e 17 anos que tenham “poder de influenciar suas comunidades”, tendo como pilares “respeito, responsabilidade, esforço, trabalho em equipe e ética”. Isso é absolutamente espetacular.

Os primeiros escolhidos, por exemplo, se destacam pela inovação. Um deles colocou para funcionar um sistema online de cadastramento de jogadores e de torneios regionais que multiplicou rapidamente os competidores, enquanto outro investe num trabalho de reciclagem que já chegou a 35 mil bolas, todas usadas em programas mais carentes.

Não menos interessante é que o Net Generation Aces não está estritamente focado no tênis em si, mas em formar uma nova geração que seja estimulada à prática de esportes, qualquer que seja. Outro estudo, publicado pela Health Affairs, mostra que crianças fisicamente ativas economizarão bilhões de dólares em custos médicos ou na perda de produtividade ao longo de sua vida adulta.

Microfone indiscreto
Não bastassem a falta de educação de Nick Kyrgios, os casos de doping e as punições por aposta, o tênis profissional se vê pela terceira vez envolto com polêmicas envolvendo a arbitragem. Desta vez, e talvez mais grave, foi a captura de diálogos um tanto libidinosos do renomado árbitro italiano Gianluca Moscarella com uma pegadora de bola e, no mesmo jogo, dando uma chamada no português Pedro Sousa por estar demorando demais para ganhar uma partida que o oficial considerava “fácil”.

Nos áudios captados – todos os jogos de nível challenger são agora transmitidos pela ATP -, Moscarella diz que a boleira é “espetacular” e “sexy”, pergunta se sente “quente” (impossível não imaginar uma segunda intenção na frase) e depois se flagra um longo diálogo em que ele diz a Sousa para “se manter focado”, “vamos lá, era para ser 6/1 e 6/1, você já perdeu 45 break-points”. Ao menos neste caso, a ATP suspendeu imediatamente o italiano das funções até que a investigação termine.

Moscarella é árbitro de nível semelhante ao de Mohamed Lahyani, suspenso por descer da cadeira para “motivar” Kyrgios no US Open do ano passado, e de Damián Steiner, que teve contrato rompido com a ATP por ter dado entrevistas não autorizadas, um caso aliás ainda mal explicado.

Quem quiser conferir os áudios, clique aqui

Força e jeito
Por José Nilton Dalcim
1 de setembro de 2019 às 00:58

Gael Monfils e Andrey Rublev fizeram valer o ingresso da rodada noturna do US Open. O experiente francês, que já fez semi em Nova York, realizou certamente o melhor jogo do torneio até aqui – e um dos mais empolgantes da temporada -, utilizando seu vasto arsenal de golpes e absurdo atleticismo, enquanto o russo marcou a exibição mais animadora entre os representantes da nova geração ao barrar Nick Kyrgios com artilharia pesada.

Aconteceu de tudo entre Monfils e Shapovalov, especialmente porque o canhoto canadense conseguiu dosar a contento a força de seus golpes, o que o tornou muito competitivo. Poderia ter feito 2 sets a 0 quando sacou com 5/4 e esse talvez tenha sido seu erro fatal. Monfils é um tenista espetacular, tanto pela habilidade como pelo empenho, e isso mexe com o público. Parecia ter liquidado a fatura quando abriu 4/1 com duas quebras no quarto set, mas que nada. Shapovalov lutou heroicamente, levou ao tiebreak, salvou match-point e brindou a todos com mais uma série. O francês por fim prevaleceu com quase todos os games disputados no limite. Espetáculo.

Rublev, que já havia deixado pelo caminho Stefanos Tsitsipas em estreia inspirada, foi impecável na determinação de esmurrar a bola o tempo todo, sem dar a menor atenção para o falatório do australiano. Mesmo batendo tão pesado, cometeu apenas 14 erros não forçados. Destaque ainda aos 80% de pontos feitos com o serviço e a frieza com que jogou os dois tiebreaks, especialmente o segundo em que viu Kyrgios abrir 4-0 e saque. O russo desta noite lembrou muito aquele que não deixou Roger Federer respirar em Cincinnati.

O mais interessante é que Monfils e Rublev têm grande chance de se cruzar nas quartas de final. O francês leva favoritismo natural contra Pablo Andujar, que alcança seu melhor resultado de Grand Slam aos 33 anos, ajudado por uma chave muito propícia. Rublev encara o italiano Matteo Berrettini, que tem um tênis variado e ofensivo, mas deixa o emocional interferir muitas vezes.

O sábado teve ainda a confortável vitória de Rafael Nadal sobre o sul-coreano Hyeon Chung, numa partida em que o espanhol foi muito sólido no saque e nas trocas de bola, aproveitando os espaços abertos para contragolpes magistrais. Reencontrará o croata Marin Cilic, estilo completamente oposto ao de Chung. Sacador que prefere a base, mas perdeu 6 dos 8 duelos contra o espanhol. Cilic não chegou bem ao US Open e teve certa dose de sorte ao ver John Isner jogar fora um tiebreak que parecia na mão e lhe daria 2 sets a 1.

O show de Osaka
Embora tenha feito algumas jogadas espetaculares, estava evidente o clima de tensão em cima de Naomi Osaka no duelo diante da menina Coco Gauff, maciçamente apoiada pela torcida. O jogo teve um festival de break-points e quebras, mas deu a lógica e a número 1 perdeu apenas três games.

Osaka imediatamente se sensibilizou ao perceber que Coco caía em lágrimas e teve atitudes magníficas. Trocou palavras carinhosas e pediu para que a adversária participasse da entrevista em quadra, reforçando elogios e o discurso de incentivo. A japonesa quase não segurou a própria emoção ao se referir sobre o papel importante da família de Gauff.

Não vamos esquecer que Naomi é por si também uma tenista muito jovem, de 21 anos, e que sempre se revelou tímida. Aliás, fará outro duelo entre jogadoras de tenra idade, desta vez diante da suíça Belinda Bencic, que já foi prodígio e figurou no top 10. De estilo distinto, Bencic não presa pela potência mas pela aplicação tática e golpes muito bem escolhidos. Promete.

E mais
– Surpresa no US Open: Alexander Zverev não precisou de cinco sets para tirar Aljaz Bedene, mas três dos quatro sets foram ao tiebreak. Até gostei do empenho do alemão, que se jogou na quadra e não baixou a cabeça. A firmeza da base e a raça de Diego Schwartzman são o próximo grande desafio.
– Kiki Bertens foi a quarta top 10 a cair no lado de cima da chave. A culpa foi da experiente Julia Goerges, 30 anos e que já fez semi em Wimbledon. Sua adversária será a croata Donna Vekic.
– Nova geração feminina duela por quartas: Taylor Townsend, depois de tirar Simona Halep, embalou e terá pela frente a canadense Bianca Andreescu. Outra vez Townsend optou pelo jogo de rede: 47 pontos em 75 subidas. Andreescu também nunca havia chegado nas oitavas de um Slam, tirou Caroline Wozniacki e não para de subir de prestígio e de ranking.
– História curiosa marca a americana Kristie Ahn. Por convite, ela voltou a disputar o US Open 11 anos depois da estreia e fez jus: tirou Sveta Kuznetsova e Jelena Ostapenko. Aos 27 anos e 141ª classificada, contou ter ido para universidade e quase esquecido o tênis. Enfrentará Elise Mertens, 25ª do mundo.
– E Carla Suárez levou mesmo multa pesada pelos meros oito games de estreia: US$ 40 mil, cerca de 80% da premiação a que teve direito. Ela já avisou que vai recorrer.

Para a história
Este é o 13º Grand Slam consecutivo em que Nadal atinge pelo menos as oitavas de final. Na rodada anterior, ele não precisou entrar em quadra para enfrentar Thanasi Kokkinakis. Foi a primeira vez em toda sua carreira que se favoreceu de um w.o. em Slam.