Arquivo da tag: Caroline Wozniacki

Diferentes 3 a 0
Por José Nilton Dalcim
22 de janeiro de 2020 às 14:35

Maiores candidatos à vaga na final na parte inferior da chave do Australian Open, Novak Djokovic e Roger Federer não perderam sets na segunda rodada mas, apesar de o sérvio ter teoricamente o adversário de gabarito inferior, obteve um 3 a 0 mais trabalhoso e menos brilhante do que o do suíço.

Djokovic encarou as bolas retas de Tatsuma Ito, mas não escondeu sua frustração com a ventania, que o deixou irritado ao longo do segundo set. Como ele bem destacou depois, encontrou um caminho com subidas mais frequentes à rede. Foi novamente bem no saque, com 16 aces e nenhum break-point.

Enfrenta outro japonês na sequência, o canhoto e chato Yoshihito Nishioka, que não tem muita força mas mescla bem os golpes e adora um super-spin. Deixou Nadal maluco na ATP Cup, mas foi engolido por Nole na Copa Davis do ano passado. Será mais um teste físico e de paciência para o heptacampeão.

O adversário de Federer tinha mais currículo, mas era previsível que sentisse o grande esforço dos cinco sets da véspera. E o suíço, muito esperto, fez o grandão correr o tempo todo, pegou tudo na subida e só deu pequeno vacilo com a perda de um serviço, que não atrapalhou nada. Curioso notar que Roger quebrou o adversário logo no começo de todos os seis sets que jogou até aqui no torneio.

Com direito a lances de qualidade e elasticidade, Federer não escondeu sua satisfação ao dar entrevista a John McEnroe. E sabe que terá de entrar atento contra John Millman, que sempre lhe dá trabalho com seus ótimos contragolpes. Foi assim que surpreendeu o suíço no US Open de 2018 e o levou a um tiebreak até mesmo na veloz grama de Halle no ano passado.

Chave vai abrindo
O grande jogo do dia certamente foi a vitória de cinco sets e três tiebreaks do garoto Tommy Paul em cima do cabeça 18 Grigor Dimitrov. Campeão juvenil de Roland Garros, o norte-americano agora de 22 anos tem potencial mas conviveu com lesões nesta curta carreira, com paradas de 5 meses em 2018 (cotovelo) e de 3 em 2019 (joelho), e assim passou a maior parte do tempo nos challengers.

Consistente, é também cheio de habilidades e mostrou isso diante do também versátil Dimitrov, num jogo de lances bem divertidos. Paul fará duelo de não cabeças contra Marton Fucsovics e quem vencer pode cruzar com Federer nas oitavas.

O fato é que a caminhada do suíço rumo à semifinal se abre cada vez mais. Não dá para dizer que foi uma surpresa a queda de Matteo Berrettini diante do jogo sólido de Tennys Sandgren – que há dois anos chegou nas quartas ao tirar Wawrinka e Thiem -, um candidato real a repetir o feito. Encara agora Sam Querrey e depois terá Guido Pella ou o esgotado Fabio Fognini.

Show de Wozniacki
Numa rodada de vitórias fáceis de Ashleigh Barty, Naomi Osaka e Serena Williams, o briho ficou para Caroline Wozniacki. Dominada pelos nervos e a força de Dayana Yasmtremska, ganhou seis games seguidos para virar 1/5 no primeiro set e reagiu também no 1/3 da série seguinte. Espírito de luta e visão tática sempre foram suas marcas registradas, que certamente vai deixar saudade quando a dinamarquesa se retirar após este Australian Open.

Osaka vai encarar a juventude de Coco Gauff pelo segundo Slam seguido, relembrando aquela emocionante cena do US Open, em que a norte-americana não jogou nada e foi consolada em quadra. Talvez ainda não esteja novamente pronta para barrar a atual campeã de Melbourne, mas Gauff pode explorar as instabilidades que Osaka mostrou nas duas primeiras rodadas.

Serena quase se complicou sozinha com erros sucessivos no segundo set e curiosamente pode cruzar com a amissíssima Carol na rodada seguinte. Barty também ainda não se soltou e encara uma animada Elena Rybakina agora.

Destaques do dia 3
– Tsitsipas nem precisou entrar em quadra, já que Kohlschreiber sentiu lesão muscular e abandonou. Não sei se é tão bom assim ficar uma rodada sem jogar logo no começo do torneio. Pior: pega o corta-físico Raonic agora.
– Os novatos Sinner e Davidovich não ganharam set na segunda rodada, o que era esperado. O italiano parou em Fucsovics e o espanhol, em Schwartzman.
– Embalado pela ATP Cup e sem alarde, Lajovic ainda não perdeu set em Melbourne. Reecontra El Peque, para quem perdeu no AusOpen de dois anos atrás num apertadíssimo quinto set.
– Dois velhos finalistas de Slam avançaram: Raonic esmagou Garin e Cilic passou por Paire no supertiebreak. Podem se cruzar, mas canadense terá de vencer Tsitsipas e o croata passar por Bautista.
– Fognini acumula 10 sets e dois supertiebreaks logo de cara. E o esforço desta quarta-feira poderia ser evitado, já que abriu 2 a 0 sobre Thompson e poderia ter simplificado. Perdeu 2 dos 3 duelos já feitos contra Pella.
– Halep confessou que o punho direito está doendo, mas que isso não deve atrapalhar contra Dart na rodada desta quinta-feira.

Façanhas e recordes
Sem jamais ter perdido em Melbourne antes da terceira rodada em 21 participações, Federer atingiu a 99ª vitória. Pode assim se tornar o único homem da história com uma centena de triunfos em dois Slam diferentes (tem 101 em Wimbledon).

Djoko e Federer largam com façanhas
Por José Nilton Dalcim
20 de janeiro de 2020 às 13:38

Um ainda não perdeu em 2020, o outro não havia jogado até agora. Dois dos três maiores campeões que o Australian Open já teve, Novak Djokovic mostrou grande arsenal ainda que tenha cedido um set na estreia, enquanto Roger Federer superou a ‘ferrugem’ com seu tênis costumeiramente vistoso e elegante. Aproveitaram para anotar mais façanhas em suas incríveis carreiras.

Djokovic marcou a 900ª vitória como profissional – e são 82% de sucesso, já que soma apenas 187 derrotas – com pequenos vacilos, que não podem ser considerados um problema para uma primeira rodada. A meu ver, o sérvio de hoje é muito parecido com Federer em seu auge, ou seja, o andamento do jogo depende muito mais dele próprio do que do adversário.

E foi exatamente assim contra Jan-Lennard Stuff. Sem sacar seu melhor, o alemão só conseguiu tirar seu primeiro set nos confrontos diretos quando Djoko baixou a intensidade e fez dois games muito ruins de serviço. Mas a devolução mortal, os voleios apurados e o excepcional contragolpe estavam lá nas horas necessárias e a tarefa foi concluída sem maiores sustos. Agora, vem um adversário teoricamente ainda mais fácil: Tatsuma Ito ou Prajnesh Gunneswaran.

Federer entrou pela 21ª vez consecutiva no Australian Open, desempatando o recorde que dividia com Lleyton Hewitt, e simplificou muito seu trabalho contra Steve Johnson ao quebrar sempre no início dos sets. O suíço explicou na entrevista oficial que as condições parecem mesmo rápidas, mas que as bolas Dunlop, que passaram a ser usadas em 2019, são velozes quando novas e depois mudam. A segunda rodada pode ser bem mais exigente se der Filip Krajinovic diante de Quentin Halys.

Altos e baixos da Next Gen
Stefanos Tsitsipas e Matteo Berrettini fizeram o esperado e superaram seus frágeis adversários sem grandes sustos, usando bem a velocidade do novo piso. O grego só permitiu cinco games, e agora terá um teste mais digno diante do experiente Philipp Kohlschreiber. O italiano ainda não mostrou progresso esperado no seu backhand.

Denis Shapovalov e Borna Coric se despediram cedo. O canhoto canadense teve mesmo o azar de pegar o bom Marton Fucsovics logo de cara e admitiu ter entrado muito nervoso em quadra. Perdeu inúmeras chances, sempre apressado, e mandou duas raquetes para longe. E ainda reclamou da advertência. O húngaro pode ter Dimitrov na terceira e Federer nas oitavas.

Coric não surpreendeu. Não está bem de cabeça e parece perdido taticamente. Foi engolido pelo experiente Sam Querrey, que está no quadrante de Berrettini e Pella. Não dá para reclamar.

Superchave feminina
Serena Williams afirmou que o título em Auckland tirou peso das costas e mostrou isso em estreia muito firme diante da jovem Anastasia Potapova. Também elogiável a exibição da atual vice Petra Kvitova, que só perdeu um game e economiza energia.

A defensora do título Naomi Osaka e a estrela da casa Ashleigh Barty precisaram dominar os nervos. A japonesa deu sinal de que iria dominar facilmente, mas errou mais do que deveria (28 no total) e em momentos importantes. Barty emudeceu o público ao perder um sofrível primeiro set. Depois, se achou, variou o tempo todo e atropelou.

Vale lembrar que essas quatro estão no lado de cima da chave.

Destaques do dia 1
– Número 1 está em disputa apenas no masculino e tem uma única chance de mudar de mãos: Djoko ser campeão e Nadal cair até as quartas. No feminino, o título em Adelaide garantiu Barty no topo.
– Sinner está a dois games de sua primeira vitória em Slam e Opelka, a um set de tirar Fognini com 17 aces cravados e só um break-point permitido.
– Wozniacki iniciou bem a despedida da carreira, que acontecerá em Melbourne. Mas pode ter Dayana Yastremska como próxima adversária.
– Gauff repetiu Wimbledon e eliminou Venus, na maior batalha de gerações dos Slam atuais. A valente juvenil pode pegar Osaka na terceira rodada.
– Devido ao mau tempo de segunda-feira, os 64 jogos normais desta terça-feira serão acrescidos de outros 19 masculinos, oito deles que estavam em andamento, e mais 13 femininos.

Feitos e recordes
– O Big 3 ganhou todos os últimos 12 Slam, desde a conquista do US Open de 2016 por Stan Wawrinka. A maior sequência foi de 18, entre Paris-2005 e Wimbledon-2009. Na atual série, Nadal ganhou 5, Djoko faturou 4 e Federer, 3.
– Serena tem a maior distância entre o primeiro e o último Slam conquistados da Era Aberta: 17 anos. Federer e Nadal vêm atrás, com 14.
– Feliciano López atinge o 72º Slam disputado consecutivo, 5 a mais que Verdasco.

Federer deixa dúvidas
Por José Nilton Dalcim
16 de janeiro de 2019 às 14:26

Muito menos pelo placar exigente com dois tiebreaks, muito mais por não ter achado o ritmo ideal diante de um adversário de parco currículo, Roger Federer venceu sua segunda partida no Australian Open mas deixou dúvidas. O backhand descalibrado o forçou a usar slices com maior frequência, sobraram ‘madeiradas’ de forehand e a devolução não foi incisiva diante do jogo agressivo do britânico Daniel Evans. Com isso, o suíço precisou salvar set-point e virar o tiebreak do primeiro set, perdeu um game de serviço quando dominava no segundo e só ficou mais à vontade na última série.

Na entrevista, Federer destacou dois pontos: a bola Dunlop, que não está agradando a maioria dos jogadores, e a diferença de velocidade do piso. O suíço diz que quem joga à noite sente as coisas bem diferentes: é mais difícil dar efeito na bola e a quadra fica mais lenta. Ele estreou na rodada noturna, mas encarou Evans no final de tarde, o que pode explicar seu maior desconforto com um adversário agressivo. É bem provável que volte a jogar de tarde contra Fritz, um emérito sacador.

Rafa Nadal, pelo jeito, gostou dessa maior lentidão. Em seu primeiro jogo noturno na Rod Laver, deu um show diante de Matthews Ebden, exibindo um amplo arsenal. O australiano deu um susto no começo, mas a partir da primeira quebra ficou dominado. Nenhuma dificuldade de movimentação para o espanhol, que buscou bolas bem difíceis e disparou seus contragolpes espetaculares.

Vem agora um duelo de geração diante da esperança local Alex de Minaur, e por isso deve ser o jogo noturno da sexta-feira. O pupilo de Lleyton Hewitt tem chances? Pequenas. Precisará se manter perto das linhas para pegar na subida e encurtar o tempo do espanhol, arriscar paralelas de backhand para ter a cruzada aberta, o ponto mais vulnerável de Rafa. Tem de evitar ao máximo que o cabeça 2 use o forehand. Parece simples, mas não é fácil manter um padrão desses por quatro ou cinco sets.

Rumo a um duelo direto, Marin Cilic e Roberto Bautista sofreram além do que se esperava. O croata ficou pregado demais no fundo de quadra contra o bom Mackenzie McDonald e o espanhol fez outra partida em cinco sets, desta vez diante do local John Millman, desgaste que pode custar caro diante de Karen Khachanov. O adversário de Cilic será o velho e bom Fernando Verdasco.

Bia fez o que deu
Pode parecer pouco tirar cinco games da vice-líder do ranking, mas Bia Haddad fez o que tinha de fazer diante da solidez de Angelique Kerber: arriscou saque, bateu pesado o tempo inteiro, encurtou o tempo com subidas espertas à rede, forçou devoluções. Claro que isso também lhe custou um caminhão de erros não forçados – 39, sendo 29 no primeiro set – e a certeza de que precisa continuar trabalhando duro no seu backhand.

Com o nível que tem apresentado, Bia deve voltar rapidamente ao top 100, que é seu lugar. Está cada vez mais à vontade nas quadras duras e voltou a ter confiança no saque. Abusou dos efeitos abertos contra Kerber, uma arma importante para ver o outro lado aberto e finalizar sem ter que forçar tanto. Quem sabe, Bia consiga encerrar o jejum brasileiro contra top 10, que está próximo de atingir 30 anos nesta temporada. A última foi Dadá Vieira, em julho de 1989.

A segunda rodada de Carol Wozniacki, Sloane Stephens, Petra Kvitova e Maria Sharapova foram muito tranquilas. Fica a expectativa para o duelo direto de Wozniacki e Sharapova. Pelo que vi até agora, sou mais a dinamarquesa.

Surpresas americanas
Figura pouco destacada entre os novatos, sempre achei Frances Tiafoe com o melhor potencial entre os norte-americanos da Next Gen, já que tem um tremendo físico e golpes de base compactos. Faltava a ele um saque mais contundente e um voleio seguro, e foram exatamente esses dois componentes que o ajudaram na virada em cima de Kevin Anderson, um dos fortes postulantes à final deste Australian Open. Colocou 70% do primeiro saque, ganhou 80% desses pontos, e venceu 21 de 27 pontos na rede. Encara agora o sempre perigoso Andreas Seppi.

Entre as meninas, Amanda Anisimova, apenas 17 anos e mais jovem entre as top 100 de hoje, arrasou a cabeça 23 Lesia Tsurenko com seu estilo agressivo. Agora, fará delicioso duelo diante da bielorrussa Aryna Sabalenka, que é apenas três anos mais velha mas já 11ª do ranking.

A nova geração também avançou nesta quarta-feira com De Minaur, Khachanov, Fritz, Stefanos Tsitsitpas e a convidada Kimberly Birrell.

Destaques do dia
As vitórias de Tomas Berdych e Grigor Dimitrov valeram pela ótima qualidade técnica dos duelos. Aos 33 anos e voltando de longa parada por contusão nas costas, o tcheco se reinventou, e com sucesso. Agora, não perde qualquer oportunidade de ir à rede e tem feito voleios de grande categoria. Chances reais de passar por Diego Schwartzman. Na rodada noturna, Dimitrov e Pablo Cuevas fizeram quatro sets muito bem disputados, tirando tudo de seus backhands de uma mão. O búlgaro, agora sob supervisão de Andre Agassi, se candidata a cruzar com Nadal lá nas quartas.