Arquivo da tag: Benoit Paire

‘Fake’ Djokovic
Por José Nilton Dalcim
12 de abril de 2022 às 18:00

Apesar de ter dois títulos no Principado, é bem verdade que o saibro lento de Monte Carlo nunca foi o melhor dos mundos para Novak Djokovic. Ainda assim, o retorno do número 1 do mundo ao circuito foi uma tremenda decepção. Errou demais, teve postura defensiva, safou-se de um placar vexatório e por fim desabou fisicamente no terceiro set, algo inimaginável em outros tempos. Foi definitivamente uma versão ‘fake’ do homem que dominou o tênis em 2021.

Não chega a ser surpresa que Djokovic tenha dificuldade em achar ritmo e jogar com confiança diante do calendário irrisório que fez até agora, limitado a três jogos em Dubai. Também existe a pressão, tanto pelo ranking que ocupa como para mostrar que sua decisão de não tomar a vacina e automaticamente se ver afastado dos grandes torneios do primeiro trimestre não o afetariam. O preço continua alto.

Alejandro Fokina sabia que era a chance de sua vida e mergulhou na partida de corpo e alma. Ousou mais, correu muito, se jogou nas bolas e poderia ter saído com uma vitória acachapante, quando sacou com vantagem de 6/3 e 4/2. O vento atrapalhava demais e foi um ingrediente a exigir foco o tempo todo, daí outro ponto de destaque na atuação do espanhol, que no ano passado fez quartas em Mônaco tendo vencido Matteo Berrettini.

Nole raramente se sentiu à vontade, mesmo vencendo a duras pernas o segundo set. Saiu de quadra com 51 erros, 25 deles de forehand, e viu o espanhol arriscar mais (37 a 27 nos winners). Chegou também a hora dos recordes negativos: foi o jogo de três sets em que Djoko mais perdeu serviços na carreira (nove vezes) e vive seu pior desempenho em ATP nos quatro primeiros meses de uma temporada desde 2005.

Djokovic reconheceu a falta de pernas no terceiro set, mas tentou se manter positivo, ao lembrar que tem sido normal nos últimos anos um começo fraco no saibro europeu. Para sua sorte, vai jogar em Belgrado na próxima semana e terá enfim a chance de emendar vitórias, reerguer um troféu e sentir alívio. Haverá então uma semana de descanso para a sequência Madri-Roma. Portanto, existe tempo de sobra para reagir. Só precisa melhorar. Em tudo.

E mais

  • Apesar da derrota, Djoko aumentará a vantagem para Medvedev no ranking de 10 para 100 pontos. A próxima chance do russo será em Madri, onde o sérvio defende 500 pontos ainda do torneio de 2019.
  • Nadal está definitivamente fora de Barcelona, adiando expectativa de retorno para Madri, que acontece dentro de duas semanas.
  • Tsitsipas começou muito bem a defesa do título e atropelou Fognini, o campeão de 2019. O italiano fez 6 winners e cometeu 34 erros numa atuação lastimável. Sairá do top 50 pela primeira vez desde 2012.
  • Outro que está num momento terrível é Benoit Paire. Ele sofreu a nona derrota consecutiva em estreias.
  • Dimitrov ao contrário superou a dificuldade do saibro lento e virou o jogo contra Lajovic depois de estar um set e uma quebra abaixo.
  • Apesar das duas derrotas no seu retorno, Wawrinka diz que não está chateado e que espera um progresso lento,
  • Alcaraz estreia às 6h desta quarta-feira contra Korda e fará sua primeira aparição em Monte Carlo. Nesse período do ano passado, ele era 133 do ranking e se dividia entre challengers e convites nos ATPs.
  • Apesar de sua extraordinária semana em Bogotá, em que saiu do quali e chegou na final de seu primeiro WTA 250, Laura Pigossi não conseguiu vaga direta para Roland Garros. O vice lhe garantiu um ótimo 126º posto e isso ao menos lhe dará chance de entrar de cabeça de chave no quali para Paris. De todos os brasileiros, apenas Bia Haddad entrou direto no Slam francês.
  • O Brasil de Pigossi, Bia, Carol, Cé e Rebeca inicia hoje a disputa do zonal americano da BJK Cup. A estreia deve ser fácil contra a Guatemala, depois vem a desfalcada Colômbia e a definição da vaga promete acontecer diante da Argentina. Os jogos são no piso duro de Salinas, no Equador.
A força mental de Medvedev
Por José Nilton Dalcim
20 de janeiro de 2022 às 13:03

Só havia uma chance para Nick Kyrgios complicar a vida do cabeça 2 do Australian Open: o russo entrar na ‘pilha’ de seus devaneios e na guerrinha da torcida, perder a cabeça e a consistência necessárias. Ainda que tenha cedido um set e jogado outros dois bem apertados, Danill Medvedev confirmou o favoritismo e saiu muito forte rumo à terceira rodada.

Na maior parte do tempo, Medvedev sacou com grande qualidade, explorando o maior defeito do australiano, que sempre foi a devolução. Quando precisou do segundo serviço e não foi contundente o bastante, Kyrgios agrediu com a incrível habilidade que possui. O russo também se aventurou bem mais à rede, aproveitando certa lentidão do adversário. Este jogo foi um grande exemplo de como Kyrgios desperdiça sua carreira por falta de entusiasmo, já que exigiu atenção máxima de Medvedev o tempo inteiro, com variações táticas e técnicas de enorme qualidade diante do jogador talvez em melhor momento em todo o circuito.

No entanto, o que chama de novo a atenção é a fortaleza mental que Medvedev construiu em tão pouco tempo. Encarou a torcida barulhenta, os ruídos provocativos entre o saque, os delírios de Kyrgios e sua própria frustração. E na hora da entrevista, diante de vaias, ainda deu bronca e exigiu que o público respeitasse pelo menos o entrevistador, o bicampeão Jim Courier. Esse Urso não é pouca coisa.

Outros pontos altos da rodada masculina foram os jogos muito equilibrados e de enorme empenho em que Felix Aliassiame superou Alejandro Fokina e Benoit Paire barrou Grigor Dimitrov. Na soma, oito sets e seis tiebreaks. O francês aliás é mais um que melhorou o forehand e hoje nem foge mais do golpe como antes. Stefanos Tsitsipas demorou para bater o baixinho Sebastian Baez, mas garante que o cotovelo direito parou de doer desde domingo.

Bem mais tranquilas foram as vitórias de Andrey Rublev, Jannik Sinner e Roberto Bautista. Frustrações enormes vieram com as quedas em sets diretos de Diego Schwartzman e Andy Murray. O argentino parou no 175º do ranking, o local Christopher O’Connell que não tem nada de muito especial mas é brigador. Murray não sacou bem, errou demais e encarou um animado Taro Daniel, que não deu bola para a torcida em peso para o escocês.

Ficam marcados encontros promissores na luta pelas oitavas: Rublev x Marin Cilic, Aliassime x Daniel Evans, Paire x Stefanos Tsitsipas e Bautista x Taylor Fritz. De todos eles, acho que Rublev é o único favorito mais destacado.

Zebras e duplas faltas no feminino
Mais quatro cabeças de chave se despediram na sempre imprevisível chave feminina, dando oportunidade para muitos nomes pouco badalados. Garbiñe Muguruza e Anett Kontaveit foram as top 10 eliminadas, Elena Rybakina abandonou e Emma Raducanu não superou bolhas na essencial mão direita.

Agressiva, Alizé Cornet fez uma belíssima partida diante de uma Muguruza muito instável e sem confiança, enquanto a garota dinamarquesa Clara Tauson deu um espetáculo de força, precisão e frieza com sua capacidade de trocar direções diante de Kontaveit.

E Aryna Sabalenka achou um cheio de sobreviver ao show de horrores que seu saque proporcionou até a metade do jogo contra Xinyu Wang. Foram seis duplas faltas no game inicial, nove em dois serviços de abertura e 12 ao final do primeiro set. Parecia que a cabeça 2 não iria se achar, mas aos poucos ela controlou a situação, despachou seus pesadíssimos golpes de base, fez então até aces de segundo saque e avançou.

Enquanto isso, Iga Swiatek fez outra partida muito tranquila e vai crescendo. Anastasia Pavlyuchenkova, como era esperado, marcou a despedida emocionada e a justa homenagem a Samantha Stosur, que ainda seguirá nas duplas ao menos nesta temporada.

Não deu para Bia
Era importante para Bia Haddad Maia que a ex-número 1 Simona Halep não estivesse num bom dia ou sentisse algum tipo de pressão por voltar à Rod Laver. Nada disso aconteceu e, de forma cristalina, a romena foi superior do primeiro ao último game. Mexeu muito bem a bola, sacou com qualidade acima da esperada e vibrou o tempo todo.

A canhota brasileira, que mais uma vez ficou sem uma terceira rodada de Slam, demorou para achar um ritmo que equilibrasse o duelo de base. Aí passou a bater mais forte e mais reto, obtendo alguns pontos excelentes, além de realizar transições corretas à rede. Mas quando deixou Halep tomar conta precoce dos lances, esteve sempre correndo atrás da bola. De qualquer forma, não há motivo para desânimos. Esse é o nível em que precisará jogar daqui em diante para ter chances nos eventos de nível WTA.

Ela, Bruno Soares, Marcelo Melo e Thiago Monteiro estão na segunda rodada da chave de duplas. Se vencerem a segunda rodada, os mineiros fazem duelo direto nas oitavas.

Até o último suor
Por José Nilton Dalcim
2 de junho de 2019 às 19:15

Foram 389 pontos ao longo de 5h09 de um jogo disputado game a game, mínimas vantagens e sempre uma chance de reviravolta. Melhor e mais relevante: Stan Wawrinka e Stefanos Tsitsipas buscaram o tempo todo tomar a iniciativa e encurtar o tempo do adversário, nem que fosse preciso mirar a linha ou se arriscar num voleio voador. Um duelo daqueles que não se esquece tão cedo, talvez o mais empolgante da temporada até aqui.

Wawrinka precisou dar 284 saques e encarou incríveis 27 break-points, dos quais salvou 21. Talvez o mais importante deles tenha sido ali no finalzinho da partida, 5/5 no quinto set e Tsitsipas grudado na rede, em que o suíço conseguiu o ponto numa segunda tentativa de passada batendo o forehand na paralela num autêntico bate-pronto.

Tsitsipas deu o máximo que podia, jogando-se diversas vezes ao chão para bloquear bolas inalcançáveis. Foi nada menos que 74 vezes à rede sem temer o bombardeio do adversário, somou 61 winners e curiosamente terminou a partida com um ponto somado a mais. Completamente compreensível, o garoto de 20 anos confessou pouco depois ter chorado muito no vestiário. Sinal de grandeza. É essa vontade de vencer que tanto se admira.

Stan fez outra magnífica exibição em Paris, e não apenas por seus golpes de base de cair o queixo ou o sangue frio com que encarou tantas pressões. Também aplaudiu os lances notáveis do grego, incentivou participação da torcida, mandou beijo a uma espectadora e consolou Stef na hora amarga da derrota.

Deixa claro que, aos 33 anos, está definitivamente recuperado na parte física. Talvez seja demais pedir que apareça inteiro para enfrentar o amigo e rival Roger Federer dentro de 48 horas. Não bastasse o histórico de 22 derrotas em 25 tentativas, ainda encontrará o compatriota mais famoso descansado e confiante. Vale no entanto lembrar que a última vitória de Stan sobre Roger foi exatamente nas quartas de Paris de quatro anos atrás na trajetória de seu título inesperado.

Mais um passeio
Federer e Rafael Nadala justificaram amplamente o favoritismo diante dos argentinos. A tarefa do suíço foi ainda mais tranquila porque Leonardo Mayer conseguiu fazer pouco com o serviço. Esperto, Roger pressionou sempre as devoluções, usou o slice à maestria e explorou a rede para concluir games rapidíssimos no mais deslumbrante saque-voleio. Alguém avisou Federer que a temporada de grama só começa dentro de oito dias?

Nadal e Juan Ignacio Londero encararam rajadas de ventos terríveis na Philippe Chatrier e a adaptação não foi fácil. O argentino começou nervoso mas depois se soltou, encarou as trocas sem medo, foi abusado e premiado com uma quebra de saque. O espanhol novamente me deixou ótima impressão: 39 winners, forehand afiadíssimo, backhand batido na primeira oportunidade, um ritmo pesado, envolvente, sufocante. Londero, a certa altura, virou para o box e revelou: não tinha mais fôlego.

Há grande chance de Rafa reencontrar Kei Nishikori, que até já podia ter ido dormir classificado, mas falhou no tiebreak e terá de voltar à quadra para tentar mais um set diante de Benoit Paire.

Stephens supera teste
Aumentou a chance de uma segunda final seguida entre Simona Halep e Sloane Stephens em Roland Garros. A norte-americana também garantiu lugar nas quartas de final ao recuperar um começo ruim e ver Garbiñe Muguruza abrir 3/1. A espanhola no entanto só ganharia mais quatro games na partida.

A tarefa de Stephens continua exigente. Encara agora Johanna Konta, que a venceu dias atrás em Roma mas que nunca foi tão longe em Paris. É outro jogo em que a norte-americana terá de encarar uma adversária que prefere sempre o ataque.

Petra Martic venceu num jogo muito instável diante de Kaia Kanepi, que perdeu inúmeras chances na partida. Pela primeira vez nas quartas, a croata de 28 anos encara a jovem tcheca Marketa Vondrousova. A canhota de 19 anos arrasou Anastasija Sevastova e é mais uma novata que se candidata a surpresa em Paris.

A segunda-feira
– Djokovic pode se tornar o único homem a atingir 10 quartas consecutivas no torneio se passar por Struff. Um dia quente como neste domingo aumenta as chances do alemão. Previsão no entanto é de 25 graus.
– Monfils tenta se igualar a Noah e Leconte como franceses com mais quartas em Paris (5). Nunca venceu Thiem em 4 duelos, 2 no saibro.
– A única presença em quartas de Slam veio em Roland Garros tanto Zverev como para Fognini. Italiano nunca esteve tão perto do sonhado top 10.
– Delpo lidera duelo contra Khachanov por 3 a 0 e tenta 14ª presença em quartas de Slam, aproximando-se assim das 19 do recordista argentino Vilas.
– Esta é apenas a terceira vez na Era Profissional que os 10 principais cabeças atingiram as oitavas de um mesmo Slam, repetindo Paris-68 e Austrália-70.
– Nova geração domina rodada feminina que completa as oitavas de final. Halep é favorita diante de Swiatek (18 anos) e aguarda Anisimova (17) ou Bolsova (21).
– O outro quadrante também tem novidades: Kenin (20), que tirou Serena, e Siniakova (23), algoz de Osaka. Favoritismo da experiência de Barty e Keys.