Arquivo da tag: ATP

Missão impossível para Nadal
Por José Nilton Dalcim
17 de junho de 2020 às 20:34

Após a confirmação de Cincinnati e US Open numa realização conjunta e consecutiva em Flushing Meadows, a ATP soltou nesta quarta-feira o esboço do calendário que pretende realizar a partir de 14 de agosto, quando se imagina ser possível enfim retomar o circuito internacional.

E a missão não poderia ser mais difícil para Rafael Nadal. Se quiser defender 5.360 de seus 9.850 pontos atuais, o canhoto espanhol terá de entrar em quadra por pelo menos seis semanas consecutivas e em dois pisos diferentes.

Olhem só a montanha a escalar: 2000 pontos no US Open, 360 em Madri, 1000 em Roma e 2000 em Roland Garros, ou seja, defender três dos quatro títulos. Claro que ele pode trocar Madri por Cincinnati, torneio que não disputou no ano passado. Isso permitiria que entrasse em melhor ritmo no Grand Slam, ainda que seja sempre um risco ao joelho. E em última hipótese, arriscar jogar Madri caso não se saia tão bem no US Open.

Além do desgaste físico e emocional que tal maratona proporciona, Nadal terá mínimas chances de se manter próximo ao número 1 Novak Djokovic. Quando o ranking foi congelado, ele estava a entusiasmantes 370 pontos.

Nessa mesma sequência insana do novo calendário, o sérvio defende 360 pontos em Cincinnati, 180 no US Open, 1000 em Madri, 600 em Roma e 720 em Roland Garros, num total de 2.860, ou seja 2.500 a menos que Rafa. Se considerarmos sua excelência sobre a quadra dura, é muito provável que some muitos pontos no US Open e aí saltar Madri parece muito lógico, até porque o saibro espanhol é muito diferente do que verá em Roma e em Paris.

Ainda não se sabe o que acontecerá após Roland Garros. Oficialmente, a ATP não descartou a fase asiática mas, com Roland Garros terminando dia 11 de outubro, teria de haver no mínimo duas semanas para uma aventura a Pequim e Xangai (Tóquio está fora). E isso apertaria a realização de Paris-Bercy e o Finals de Londres em novembro, já que a ATP não quer de forma alguma avançar sobre dezembro.

De qualquer forma, a chance de Nadal ainda somar pontos para uma eventual briga pela liderança é escassa. Ele marcou 720 pontos e poderia somar 2.740 se ganhasse Xangai, Paris e Finals, o que convenhamos não é nada fácil Nesses três torneios, Djokovic defenderia 1.380, já que ganhou Bercy.

Especula-se, claro, se Nadal e Djokovic iriam mesmo a Nova York, já que não se manifestaram confortáveis com a forma com que a pandemia abalou a metrópole. Particularmente, acho difícil eles saltarem um Slam nesta altura de suas carreiras e de suas metas, tão próximas, se igualar ou apertar o recorde de Roger Federer.

O espanhol, é claro, pode se dar ao luxo de apostar todas suas fichas no saibro europeu e saltar o US Open para economia de joelhos e sustos. Djoko, ao contrário, é menos favorito na terra e muito mais candidato em Flushing Meadows.

Uma coisa não se pode negar: um Slam sem o Big 3 jamais seria o mesmo.

P.S. 1: Como se imaginou ontem quando o US Open cancelou o qualificatório, a chave principal terá agora 120 nomes diretamente pelo ranking e, como ele não poderá se mexer até o começo de Washington, o paranaense Thiago Wild terá vaga direta e jogará seu primeiro Grand Slam. O mesmo que conquistou como juvenil em 2018. Thiago Monteiro também está garantido.

P.S. 2: O calendário anunciado pela ATP fará com que Washington comece numa sexta-feira e Cincinnati, num sábado, com final na sexta seguinte. Novos tempos.

Esticar temporada pode ser alternativa
Por José Nilton Dalcim
12 de março de 2020 às 12:47

O tênis profissional vai parar nas próximas seis semanas. Com otimismo, voltará no dia 27 de abril, deixando para trás torneios tradicionalíssimos da ATP e de enorme faturamento: Indian Wells, Miami, Monte Carlo e Barcelona. A possibilidade já era explorada desde o começo da semana, com o avanço do coronavírus pelos Estados Unidos e Europa e ações tomadas por várias outras modalidades de peso, como a NBA. Não havia alternativa para a ATP e a ITF acaba de anunciar idêntica medida. É muito provável que a WTA siga a mesma diretriz.

O que restam agora são especulações. Fala-se na possibilidade de realizar Indian Wells e Miami depois do US Open, o que provocaria o cancelamento ou redução da temporada asiática, que tem os 500 de Pequiim e Tóquio e o Masters de Xangai. Ainda assim, os dois Masters norte-americanos teriam chaves reduzidas para 64 e aconteceriam em apenas uma semana.

No entanto, há evidentes dificuldades, entre elas o fato de o Hard Rock Stadium de Miami não ter datas disponíveis para o segundo semestre, já que é sede do Dolphins. E o que fazer com os compromissos comerciais já assumidos dos ATPs asiáticos? A alternativa seria esticar a temporada 2020 até dezembro.

Fica é claro a dúvida ainda se a pandemia será estancada em tempo hábil para acontecer os Masters de Madri e Roma e principalmente Roland Garros. Há enorme divergência de opinião entre especialistas em saúde pública. A China, onde se iniciou a virose, já vê redução drástica dos casos mas a Itália, onde aconteceu a primeira explosão europeia, certamente será o parâmetro essencial. Há de se esperar ainda como os outros países da União Europeia vão reagir.

Problema do ranking
As entidades também não se pronunciaram ainda sobre como ficará o ranking dessas seis semanas, considerando que envolvem nada menos do que três Masters e um 500, ou seja, um mar de pontos em jogo.

Se houver a simples retirada dos pontos, haverá mexidas drásticas no ranking, principalmente para os tenistas que estão fora do top 10. A lógica aponta para o congelamento e desconto apenas em 2021, mas aguarda-se ainda comunicado oficial.

Torneios brasileiros
Já é certo o adiamento dos challengers de Olímpia e de Florianópolis, conforme determinou a ATP, e também não poderá acontecer o Circuito Feminino Future de Tênis, previsto para as duas próximas semanas.

Como o calendário dos challengers e ITFs tem maior flexibilidade, é possível movê-los para outras datas, mas obviamente ficará prejuízo para a Koch Tavares, já que a estrutura de Olímpia estava montada devido à realização do ITF feminino nesta semana.

Até agora, não se sabe ainda se a ITF irá permitir que o feminino de Olímpia chegue ao fim ou se determinará a suspensão da rodada de hoje, que foi o modelo seguido pelos dois challengers em andamento pela ATP no Cazaquistão e África do Sul.

O adiamento do Circuito Feminino reuniria basicamente as mesmas jogadoras de Olímpia. Ou seja, o adiamento trará prejuízo às tenistas estrangeiras que vieram para cá.

Vírus ameaça o tênis
Por José Nilton Dalcim
9 de março de 2020 às 11:39

Já havia muita gente preocupada com a realização dos torneios casados de Indian Wells, e a notícia nada agradável acabou confirmada no início da noite deste domingo no horário local, quando o serviço de saúde do condado confirmou o primeiro caso de contaminação, declarou emergência pública e determinou o cancelamento de todos os eventos que possam reunir uma grande quantidade de pessoas.

Houve, é claro, muitas críticas aos organizadores por ter anunciado essa dura medida tão em cima da hora, mas o fato é que a decisão não coube ao evento, à ATP ou à WTA, mas sim imposta pelas autoridades da Califórnia, que obviamente estão acima de todos. O anúncio do paciente contaminado pelo coronavírus foi feito às 18 horas locais, e imediatamente o governo tomou as medidas de precaução. Os promotores do Masters 1000 e do Premier só tiveram de cumprir a lei e fazer um esforço para informar jogadores, público, imprensa e patrocinadores o mais rápido possível.

O vírus se tornou uma real ameaça ao circuito do tênis e muitos acreditam que Miami seguirá o mesmo caminho, já que há três dias um grande festival de música foi cancelado. Há informes de contaminação do corona em várias cidades importantes da Flórida, incluindo Orlando. Até sábado, já eram 16 casos com a primeira morte confirmada.

E por que o tênis é especialmente afetado? Em primeiro lugar, porque reúne milhares de pessoas, que ficarão necessariamente lado a lado nas arquibancadas e lanchonetes. E entre elas, muitas serão turistas e estrangeiros, o que obviamente concorre para espalhar a enfermidade. Se já ocorre um severo controle de chegada nos aeroportos, então não existe muito sentido em se permitir eventos de magnitude tão ampla.

Por fim, o perfil mostra que boa parte do público do tênis nesses megacampeonatos internacionais tem mais de 40 anos e já se sabe que a letalidade da doença é mais expressiva a partir dessa faixa etária e cresce muito a partir dos 60 anos. Indian Wells, por exemplo, é uma região de muitos aposentados, daí a urgência das autoridades.

Pode haver exagero no cuidado com o coronavírus? Sim, sem dúvida. É um gripe forte e altamente infecciosa, porém com os mesmos 3% de fatalidade como a maciça maioria das viroses. Com os devidos cuidados, a doença é tratada e desaparece. Mas não se pode acusar as autoridades de excesso de zelo quando se trata de saúde pública. No fim de semana, todo o norte da Itália virou zona restrita até dia 3 de abril.

O fato é que o calendário do tênis está sob alerta vermelho. Se houver o cancelamento de Miami, serão quatro semanas sem atividade, o que levará ATP e WTA a um dilema: descontar ou não os pontos do ranking sobre os resultados de 2019. Eu pensaria no congelamento dos pontos até 2021. Embora o diretor Tommy Haas tenha falado em possível realização de Indian Wells em outra data ainda neste ano, sabe-se a enorme dificuldade que é encaixar qualquer coisa no atual calendário, e ainda mais com as Olimpíadas.

Com motivos, a Europa está preocupada com o vírus a partir da rápida disseminação na Itália, país aliás que tem sido um dos que mais promovem torneios de tênis nos últimos anos em todos os níveis. O corona já chegou a todo o território europeu, e poderá causar um desastre no calendário do tênis se sair do controle em lugares como Espanha e França.

Nesta segunda-feira, França e Alemanha proibiram reuniões com mais de mil pessoas, enquanto Reino Unido fala em fechar escolas, cancelar eventos públicos ou proibir ingresso de maiores de 70 anos a eles. Segundo dados da Folha de S.Paulo de hoje, há mortes registradas na Itália, França, Espanha, Reino Unido e Suíça.