Arquivo da tag: Aslan Karatsev

Força espanhola
Por José Nilton Dalcim
17 de janeiro de 2022 às 12:54

Rafael Nadal, Carlos Alcaraz, Pablo Carreño e Paula Badosa. Não foram apenas quatro vitórias, mas agradáveis exibições do sempre poderoso exército espanhol na abertura do Australian Open de 2022. A quadra, que parece um pouco mais lenta do que se mostrou no ano passado, pode ser uma aliada fundamental.

É bem verdade que Marcos Giron não mostrou competência para exigir realmente o máximo de Nadal. O campeão de 2009 sacou bem com 84% de pontos vencidos com o primeiro serviço, colocou o adversário para correr e não pensou muito para buscar finalizar os pontos, jogando aliás bem mais perto da linha de base. Totalizou 34 winners e 26 erros, mostra que a ideia parece mesmo forçar. Não deve ter dificuldade diante de Yannick Hanfmann e espera o ‘freguês’ Karen Khachanov.

Quem passou apertado foi o russo Aslan Karatsev, surpreendente semifinalista do ano passado, que não produziu muito com o saque, sentiu a lentidão maior da rodada noturna e foi um verdadeiro kamikaze, com 87 winners – quase 50% de seus pontos na partida – mas também 107 erros, 60% de tudo que Jaume Munar fez nos cinco sets e 4h52 de batalha. É bem possível que um duelo direto com o perigosíssimo Hubert Hurkacz defina quem vai pegar Nadal nas oitavas.

Ainda nesse forte setor da chave, Alexander Zverev jogou para o gasto e nem ele gostou muito da estreia diante do compatriota Daniel Altmaier, que o levou a dois tiebreaks. O aspecto positivo foram as 55 subidas e 39 pontos junto à rede. De qualquer forma, a caminhada é muito favorável: agora vem John Millman, depois Radu Albot ou Aleksandar Vukic e só então Denis Shapovalov ou Reilly Opelka. Dá tempo de sobra para achar seu melhor tênis.

O outro quadrante
Matteo Berrettini diz ter sofrido com dores no estômago e por muito pouco não viu sua tarefa se alongar ainda mais, já que o bom Brandon Nakashima desperdiçou um set-point que lhe daria placar vantajoso de 2 a 1. Outra vez, o destaque do italiano foi o saque, que apareceu nas horas mais importantes: de seus 42 winners, 21 foram aces.

Carlos Alcaraz foi muito bem no primeiro jogo da temporada, não economizou subidas à rede e parece um adversário muito perigoso para o italiano num evento duelo de terceira rodada. E quem sobreviver pode pegar Pablo Carreño, que jogou o básico para avançar em três sets. A surpresa no setor veio com a vitória facílima de Sebastian Korda sobre o canhoto Cameron Norrie, lembrando que o garoto norte-americano passou duas semanas de quarentena por ter contraído covid logo após a chegada a Melbourne.

Quem pode se aproveitar muito bem do buraco aberto pela ausência de Novak Djokovic no topo da chave é o veterano mas sempre prazeroso Gael Monfils. Jogou sério na estreia, tem que tomar cuidado com Alexander Bublik e, se passar, terá Cristian Garin ou Pedro Martinez. É um excelente cenário. No seu quadrante, Lorenzo Sonego aparece como adversário mais gabaritado para duelar com o francês nas oitavas. Monfils não passa da 4ª rodada em Melbourne desde as quartas em 2016, sua única campanha de destaque no Australian Open em 16 participações.

Feminino: Osaka empolga
Ashleigh Barty e Naomi Osaka não encaram oponentes de gabarito, mas deram o recado em seus jogos iniciais do Australian Open: estão muito afiadas. E isso só aumenta a expectativa por eventual duelo direto entre elas ainda nas oitavas de final. Belinda Bencic ainda é o único nome que pode impedir isso, mas a campeã olímpica admitiu que ainda não está plenamente recuperada da infecção por coronavírus.

Osaka me deixou mais empolgado, porque mostrou atitude em quadra e parecia muito alegre após a partida, com direito a brincadeiras na entrevista. Só faltou mesmo calibrar melhor o primeiro saque. Bicampeã do torneio, a japonesa tem vencido um Slam em cada uma das últimas quatro temporadas, todos na quadra dura.

Boa sugestão é ficar de olho em Paula Badosa. Cheia de recursos, soltou-se ao longo da partida e é seríssima candidata a ir até as quartas. Esta foi apenas sua terceira vitória nos Slam sobre quadra dura, mas a evolução é evidente. No seu quadrante, estão nomes de peso, como Barbora Krejcikova, Elina Svitolina e Vika Azarenka.

Pequena decepção com a estreia muito irregular de Maria Sakkari. Não chegou a perder set da veterana e mãe Tatjana Maria, porém pareceu estar com muitas dúvidas táticas. E já caíram duas cabeças: Sofia Kenin corre até o risco de sair do top 100 após perder de Madison Keys e a garota Coco Gauff foi dominada pelas defesas de Qiang Wang.

Djokovic na parede
O líder do ranking desembarcou com recepção calorosa dos fãs em Belgrado. Ele avisou que não vai dar entrevistas, ao menos não tão cedo. Ainda recebeu mais uma notícia pouco animadora: Roland Garros também vai exigir comprovante de vacinação completa, seguindo norma federal baixada nesta segunda-feira. A informação foi dada pela mesma ministra dos esportes Roxana Maracineanu, que há poucos dias alardeou que Djoko estava assegurado no Slam do saibro.

Na reta final de 2021, destaques e decepções
Por José Nilton Dalcim
29 de setembro de 2021 às 16:07

Prestes a iniciarmos a reta final da temporada 2021, que promete ainda dar oportunidade a todo mundo, é boa hora para se avaliar quem foi até agora surpresa, os que entraram no rol das novidades e é claro as decepções que tivemos até aqui no circuito masculino.

Como o ranking ainda não é o parâmetro mais confiável, levei em conta na minha lista também a expectativa que se tinha sobre alguns jogadores e, inevitalvemente, a questão das contusões, que não podem ser colocadas na balança de uma avaliação técnica.

Vamos então aos meus eleitos, certo de que haverá boas contestações.

As surpresas
Aslan Karatsev – É bem verdade que perdeu fôlego, mas sua arrancada foi totalmente inesperada.
Carlos Alcaraz – Qualidades inegáveis no saibro, passou a mostrar ascensão também na quadra dura.
Sebastian Korda – Um jogador que tem mostrado variados recursos e é bem assessorado.
Lorenzo Musetti – Perdeu-se um pouco após o saibro, mas é cheio de talento e de ousadia.
Jenson Brooksky – Grata surpresa das quadras duras, com um tênis forte e criativo.
Brandon Nakashima – Já se mostrou competitivo contra nomes de peso e tem mental destacado.
Holger Rune – Jogou ‘future’, challenger, ATP e Slam num salto de 350 posições.

As novidades
Casper Ruud – Com um tênis todo certinho, usou saibro de trampolim para o top 10.
Hubert Hurkacz – Representante perfeito do tênis moderno: alto, forte e muita perna.
Jannik Sinner – Viveu alguns altos e baixos, mas continua a evoluir com maturidade.
Cameron Norrie – Canhoto sem tanta potência, é dedicado no plano tático. Está mais versátil.
Lloyd Harris – Típico de quadra dura, teve algumas grandes vitórias na temporada.
Alexander Bublik – Baixou quase 20 posições. Habilidoso, ganhou um estilo próprio.
Illya Ivashka – Joga bem em todos os pisos e deu um salto após endurecer contra Federer na grama.

As decepções
Dominic Thiem – Talvez devesse ficar de fora devido às contusões, porém sua falta de confiança foi mais relevante.
Cristian Garin – Não está mal de ranking. A decepção é porque não progrediu tecnicamente em quase nada.
Roberto Bautista – Depois da final em Doha, raramente ganhou três jogos na mesma semana.
Alex de Minaur – Tal qual Garin, seu jogo não avançou além da correria e da boa vontade.
Fabio Fognini – Começou bem, mas até agora ganhou só metade dos jogos de ATP que fez.
Nick Kyrgios – Decepção total, com raros momentos lúcidos. Está perto de deixar o top 100.
Fernando Verdasco – Termina sem vitórias em Slam, tendo jogado quali nos EUA. Aos 37, é 145º.

P.S. 1: Com um texto sensível e bem formato, Victor Hugo Cremasco conta num belo artigo o que o faz admirar tanto Roger Federer. Vale a leitura.

P.S. 2: Para encerrar a polêmica criada quanto à presença de diferentes ‘Paulos’ aqui no Blog, posso assegurar após devida checagem que o Rubens Leme não foi autor nem criador desses comentários.

Nadal é única aposta certa nas oitavas de Madri
Por José Nilton Dalcim
5 de maio de 2021 às 19:09

O saibro de Madri é definitivamente fora do padrão.

Se de um lado permite a John Isner disparar média de 30 aces por jogo, de outro se vê Daniil Medvedev e Alejandro Davidovich permitirem 24 break-points. Num duelo entre dois saibristas espanhóis autênticos, Rafael Nadal e Carlos Alcaraz só disputaram 11 pontos com mais de nove trocas de bola.

Pode acontecer qualquer coisa, e assim favoritismo se torna uma palavra ainda mais temerosa do que o normal. Ao olhar o interessantíssimo quadro de oitavas de final masculinas, onde existe praticamente um tenista da nova geração por partida, Nadal parece ser a única aposta certa.

O pentacampeão, embalado pelo título de Barcelona, não fez mais do que um treino de adaptação diante de Alcaraz. A promessa, no dia de seu 18º aniversário, jogou de forma afobada e imprecisa, tendo ainda o azar de sentir um desconforto muscular lá no terceiro game. Viveu alguns belos momentos e até roubou um game de serviço, mas no geral foi um passeio de Nadal.

Seu adversário é Alexei Popyrin, apenas dois anos mais velho que Alcaraz e que chegou a Madri com três vitórias no saibro no currículo antes de ganhar duas vezes no quali e mais duas na chave principal. E não foi pouca coisa: tirou o experiente Jan-Lennard Struff e o ascendente Jannik Sinner, mesmo com índice apenas razoável de primeiro saque e quatro quebras de serviço permitidas. Porém, já soma 22 aces. Ou seja, gosta de viver perigosamente. E terá de adotar tal tática para equilibrar contra Nadal.

O restante da rodada é uma bela loteria. Claro que Dominic Thiem é superior a Alex de Minaur no saibro, no entanto ainda é cedo para saber se o austríaco recuperou ritmo e confiança. Medvedev foi do céu ao inferno contra Davidovich, com direito a declaração de ódio ao saibro no fim do primeiro set e uma de amor depois de completar a virada, e assim há incertezas de como reagirá ao tênis muito mais sólido de Cristian Garin.

Isner bombardeou Miomir Kecmanovic com 28 aces e fez mais 32 na duríssima vitória sobre Roberto Bautista, jogando três tiebreaks em cinco sets disputados. Andrey Rublev está num momento muito mais positivo. Contra si, o fato de ter sofrido para segurar a cabeça diante de Tommy Paul e isso não é bom sinal quando se imagina que vai enfrentar um adversário que exige conviver com a frustração o tempo todo.

Imperdível ver como Alexander Zverev vai cuidar das bolas baixas de Daniel Evans, um duelo que não acontece há quatro anos. O britânico sempre pinta como ‘zebra’ no saibro e já fez dois jogos bem duros em Madri: quase 3 horas para tirar Jeremy Chardy e outras 2h35 frente John Millman. Também temos de considerar Matteo Berrettini muito favorito sobre Federico Delbonis. O argentino, lembremos, adora um saibro mais veloz e foi brilhante contra Pablo Carreño e Albert Ramos.

Tenista que mais rodou o saibro até agora, Stefanos Tsitsipas atropelou na estreia e só permitiu 54 minutos a Benoit Paire, excelente para economizar energia. Encara Casper Ruud, um saibrista nato a quem falta ainda consistência. Mas estou mesmo curioso para rever Aslan Karatsev depois da virada espetacular que protagonizou diante de Diego Schwartzman. O russo só perdeu seis pontos quando acertou o primeiro serviço nos dois sets finais. Não dá no entanto para menosprezar o poder de fogo e a ousadia de Alexander Bublik, dono de saque poderoso e de jogadas insólitas.

Haverá tênis para todos os gostos nesta quinta-feira em Madri e você tem muitas opções para torcer. Eu particularmente gostaria demais de ver Thiem x Rublev, Tsitsipas x Karatsev, Nadal x Evans e Medvedev x Berrettini nas quartas.