Arquivo da tag: Angelique Kerber

Djoko com pé e meio em outro grande recorde
Por José Nilton Dalcim
14 de outubro de 2021 às 01:16

Ainda que exista a famosa ‘possibilidade matemática’, que mesmo assim é muito apertada, Novak Djokovic já nem precisa mais entrar em quadra no restante do calendário para anotar mais um recorde de peso na carreira: a sétima temporada encerrada como número 1, façanha que dividia com Pete Sampras.

Daniil Medvedev já tinha uma caminhada bem difícil na tentativa de superar o sérvio e a maluca derrota desta quarta-feira em Indian Wells enterrou suas chances. Se ele só jogar Paris e Finals, como está previsto, a possibilidade é zero. Se pedir convite para Viena, mesmo o título ainda deixaria Djoko com necessidade de meros 100 pontos. E no caso de insana tentativa de jogar e vencer Moscou também, na próxima semana, Nole se garantiria com 305 pontos. Duvido que o russo se arrisque a tanto.

Como eu já havia dito antes, não me parece haver o menor sentido um tenista ganhar três Grand Slam e ser vice em outro e ficar em segundo lugar do ranking. Embora numericamente possível, seria uma aberração.

É bem verdade que isso tem considerável chance de acontecer no ‘ranking da temporada’, já que ali a distância do russo é de 1900, algo que ele poderá alcançar com os 2.500 em disputa entre Paris e Turim. Seria um imbróglio para a ATP resolver: o que vale, o ranking de 52 semanas ‘costurado’ ou o ranking do ano para definir quem é o melhor de 2021?

Na quadra, Medvedev foi uma decepção. Ninguém pode ignorar as qualidades de Grigor Dimitrov quando o búlgaro joga o seu melhor, porém o russo dominava por 6/4, 4/1 e saque antes de perder a consistência e ver o primeiro serviço sumir. Aí o búlgaro ganhou confiança e jogou um belo terceiro set. Seu adversário será o competente polonês Hubert Hurkacz, que tirou enfim Roger Federer do top 10 e é um candidato sério a seu segundo Masters.

Stefanos Tsitsipas, por sua vez, garantiu lugar nas quartas com uma virada um tanto na marra diante do valente Alex de Minayr. Mas a preocupação com o grego é menos técnica e sim comportamental. De novo, virou objeto de polêmica. Fabio Fognini foi à loucura com supostas intromissões do pai-treinador, o que não é novidade. Apesar do tênis elegante e eficiente, Tsitsipas precisa acabar com essa má fama enquanto dá tempo. Como bem colocou Fernando Meligeni na transmissão do jogo de terça, nada pior pode acontecer a um tenista do que ficar isolado no circuito, e o grego caminha velozmente para isso. A atuação contra De Minaur passou limpa, mas o australiano mal o olhou no cumprimento. Stef será favorito natural contra Nikoloz Basilashvili.

Nas outras quartas, um duelo entre dois tenistas que estão adorando o piso lento: Diego Schwartzman e Cameron Norrie. Vale lembrar que Peque quase perdeu na estreia para o quali Maxime Cressy. A surpresa no entanto é Taylor Fritz, responsável pela queda de Matteo Berrettini e Jannik Sinner sem perder set. O teste de fogo agora é Alexander Zverev. O alemão fez contra Andy Murray o duelo de melhor nível técnico do torneio até agora e derrotou enfim o único Big 4 que faltava no seu belo currículo..E contra Gael Monfils deu show e mostrou outra vez que consegue fazer a bola andar muito mesmo em Indian Wells

Decisões no feminino
A chave feminina confirma a imprevisibilidade de quase toda a temporada: nenhuma das 13 primeiras do ranking chegou sequer nas quartas de final. E isso inclui quedas de Garbiñe Muguruza e Maria Sakkari na estreia, de Karolina Pliskova e Petra Kvitova na terceira rodada, de Iga Swiatek e Elina Svitolina nas oitavas. Simona Halep só venceu um jogo.

As sensações do US Open não vingaram. A campeã Emma Raducanu sentiu mesmo a pressão e terá que recolocar a cabeça em ordem se ainda competir em 2021. Leylah Fernandez não se achou na quadra áspera, que maximizou sua dificuldade em colocar peso na bola, mas foi muito competitiva.

Fica a sensação que as veteranas irão vingar. Vika Azarenka já está na semi, sua primeira no torneio em cinco anos. Muito mais do que os dois títulos, em 2012 e 2016, está jogando um tênis de grande qualidade até aqui, com destaque para a atuação impecável diante de Kvitova. O saque trabalha muito bem, os golpes de base estão profundos e consistentes, a movimentação flui. É uma de suas melhores semanas da temporada.

A outra que joga com a experiência é Angelique Kerber. A alemã começou com dificuldade de adaptação, depois vem jogando cada vez mais solta e agora encara um belo desafio diante de Paula Badosa, 10 anos mais jovem e que certamente gosta da lentidão. Quem vencer nesta quinta-feira vai encarar Anett Kontaveit, que fez uma partida impecável contra Bia Haddad Maia e coleciona grandes vitórias em 2021, ou a habilidosa Ons Jabeur.

Sangue novo nas quartas
Por José Nilton Dalcim
6 de setembro de 2021 às 02:14

Dois cabeças de chave, um deles top 5, e duas grandes novidades marcam as quartas de final da parte inferior da chave masculina do US Open, com uma interessante realidade: a média de idade entre estes postulantes à decisão é de apenas 22,2 anos. O feminino não fica muito atrás, 23 de média, sendo 26 a maior e 18 a menor.

O grande favorito deste grupo masculino é obviamente Daniil Medvedev, que continua jogando um tênis de primeiríssima qualidade e mais uma vez economizou energia ao despachar o agressivo Daniel Evans em sets diretos e com autoridade absoluta. O britânico foi quem mais tirou games do cabeça 2 neste US Open: apenas 10.

Seu adversário será o quali holandês Botic van de Zandschulp, que tem os mesmos 25 anos porém nunca figurou sequer no top 100, tendo agora 6 vitórias em 9 jogos de Slam, curiosamente 2 delas de virada após perder os dois primeiros sets. Fez um longo e entediante duelo contra Diego Schwartzman, recheado de trocas e de erros. Deveria ter vencido em sets diretos, mas a garra do argentino conseguiu esticar a batalha antes de ser totalmente dominado no quinto set.

A outra vaga para a semi estará entre dois dignos representantes da nova geração e do tênis moderno: Felix Aliassime e Carlos Alcaraz. O canadense é muito mais rodado, faz quartas pelo segundo Slam seguido e tem o diferencial importante de sacar com maior qualidade. O espanhol no entanto mostra personalidade de campeão, com aquele espírito de jamais se entregar e, mais valioso ainda, buscar diferentes soluções.

Aliassime fez uma belíssima exibição diante de Frances Tiafoe e da torcida. Perdeu o set inicial, mas manteve um padrão agressivo, com excelente produtividade no saque (24 aces), ótimas transições à rede e nenhum desespero para finalizar os pontos. Alcaraz jogou bem menos do que fez contra Stefanos Tsitsipas e sofreu complicada instabilidade com o serviço (11 quebras em 18 break-points). Pareceu bem exausto. A sorte é que o quali alemão Peter Gojowczyk sentiu demais a longa jornada e mal andou no quinto set, totalizando incríveis 84 erros não-forçados.

Aos 18 anos recém completados, Alcaraz é agora o mais jovem profissional nas quartas do US Open e o de menor idade desde o gaúcho Thomaz Koch, sensação do torneio em 1963, ainda sobre a grama. O duelo contra Aliassime serão as quartas mais jovens de um Slam desde Nadal-Djokovic de 2006 e do US Open desde Cash-Wilander de 1984.

Leylah se mete entre as grandes
A adolescente Leylah Fernandez aprontou mais uma, derrubou a campeã e ex-número 1 Angelique Kerber de virada e é a única não cabeça entre as quadrifinalistas na parte inferior da chave feminina. Outra vez, a canadense mostrou incrível cabeça, tanto na aplicação tática como na frieza para jogar pontos muito delicados. Enfrentar o poder defensivo e de contragolpe de Kerber não é tarefa fácil, daí o valor dobrado da nova façanha.

Sua adversária não será menos complicada: Elina Svitolina, que sabe alternar o ritmo da partida com maestria e está com tanta confiança que passou sem sustos por Simona Halep. A ucraniana fez semi na última ida a Flushing Meadows, em 2019.

Aryna Sabalenka segue no seu sonho de enfim decidir um Slam. Chegou perto em Wimbledon. Neste domingo, passou por Elise Mertens sem grande esforço e sem sacar tão bem, porém mostrou-se outra vez mais comedida e conseguiu equilibrar winners e erros (22 a 21), algo que será importante diante de Barbora Krejcikova.

A tcheca, campeã de Roland Garros meses atrás, curiosamente joga a chave de simples do US Open pela primeira vez. Venceu um jogo um tanto maluco contra Garbiñe Muguruza, em que chegou a ter 6/3 e 4/0, sendo obrigada depois a salvar set-point. Sentiu então algum incômodo que a levou ao atendimento no vestiário e então dominou o tiebreak. A espanhola, em dia muito diferente daquele que passou por Victoria Azarenka, não gostou nada da parada. De qualquer forma, o US Open segue o único dos Slam em que Muguruza não fez quartas até hoje..

O show de Luísa
A apertadíssima vitória nas oitavas de final comprovou que Luísa Stefani é hoje uma das jogadoras mais eficientes junto à rede do circuito feminino. A paulistana deu um show de voleios, com ótima movimentação, reflexos e improvisos, que foram muito importantes diante de adversárias que pegaram bem pesado na bola: Petra Martic e Shelby Rogers.

Nem de longe se pode esquecer que a canadense Gabriela Dabrowski também foi muito bem, com passagens importantes pelo serviço e segurando firme as trocas de bola. Também é uma voleadora esperta. As duas não vão ter muito tempo para comemorar e já voltam à quadra às 14h desta segunda-feira para encarar as ucranianas Marta Kostyuk e Dayana Yastremska, que também se focam muito mais em simples do que em duplas no circuito.

Outro importante resultado para o tênis brasileiro veio com Marcelo Demoliner. O gaúcho se juntou à australiana Ellen Perez e está nas quartas de duplas mistas. Com chances.

US Open muito especial
– Este foi o segundo US Open consecutivo em que houve quatro representantes da nova geração nas oitavas masculinas (Alcaraz, Sinner, Aliassime e Brooksby).
– Houve três adolescentes nas oitavas (Alcaraz, Fernandez e Raducanu), algo que não acontecia no torneio desde 1998 (Safin, Venus, Hingis e Kournikova)
– 33 jogos já foram ao quinto set, marca superada apenas pelos 35 em 1983 e os 34 em 2004.
– Já aconteceram 10 viradas de 0-2, igualando os recordes de 1974 e 2012.
– 7 jogos foram ao tiebreak de quinto set, recorde dividido com 1980 e 1983.
– Nove cabeças chegaram às oitavas, menor número num Slam desde os nove em Wimbledon-2013 e no US Open desde os oito de 2005.
– Onze homens têm no máximo 25 anos entre os classificados para as oitavas, maior número desde os 11 de Roland Garros-2010 e os 11 do US Open-2006.

Djoko amplia façanhas, Zverev assusta
Por José Nilton Dalcim
3 de setembro de 2021 às 00:51

A excepcional qualidade da devolução, que obrigou o adversário a jogar praticamente todos os pontos depois do seu serviço, foi mais do que suficiente para Novak Djokovic avançar sem desgaste à terceira rodada do US Open.

Por isso, nem mesmo a perda de um serviço no segundo set e a disputa de alguns games mais apertados fez qualquer diferença. O sérvio se mostrou outra vez muito concentrado e irá rever no sábado o ‘freguês’ Kei Nishikori, que precisou sobreviver a maratona 4 horas de cinco sets contra Mackenzie McDonald. A cena do japonês se arrastando pela quadra após suadas trocas contra Nole é bem conhecida.

Com o segundo dos sete passos que precisa para o grande feito, Djokovic também se isola ainda mais dos concorrentes. Agora, é o único a somar ao menos 77 vitórias em cada Slam, que se somam às 79 em Wimbledon, 81 em Paris e 82 em Melbourne.

Nishikori de qualquer forma aumenta sua marca de 27 vitórias em 34 partidas que foram ao quinto set, a maior entre os jogadores em atividade.

É inegável que Alexander Zverev também viveu uma quinta-feira inspiradíssima e atropelou de forma impiedosa o canhoto Albert Ramos, com estatísticas notáveis: 81% de primeiro saque em quadra, com sucesso em 40 de 43 desses pontos, nenhum break-point cedido e 27 a 10 nos winners. Atuação assustadora.

Para ir às oitavas, terá de passar por um surpreendente Jack Sock, o ex-top 10 que hoje é 184º após muitas contusões e perda total de confiança. É a primeira vez que ganha dois jogos seguidos de Slam desde o Australian Open de 2017, período rm que virou grande duplista com quatro troféus de Slam. A vitória sobre Alexander Bublik em cinco sets foi empolgante. E olha que o cazaque disparou 40 aces contra 9.

Pliskova escapa
Mais uma grande noite para o tênis feminino na Arthur Ashe. Karolina Pliskova e Amanda Anisimova fizeram um duelo milimétrico, com golpes espetaculares de lado a lado, nervos no topo, coragem e precisão em momentos de extrema pressão.

Pliskova disparou 24 aces, Anisimova fez 44 winners no total e a decisão no tiebreak viu match-points para os dois lados. A vice-campeã de Wimbledon deste ano e do US Open de 2016 avança para encarar Ajla Tomljanovic certa de que há ainda muitos desafios pela frente nesta dura chave.

Ashleigh Barty desta vez não me agradou. A jovem Clara Tauson é de nível claramente inferior, mas a número 1 não se soltou. Agora reencontra pela quinta vez neste ano a local Shelby Rogers, tendo vencido todas.

Já a campeã olímpica Belinda Bencic fez jogo tranquilo, mas agora começam suas provações: Jessica Pegula e depois Iga Swiatek ou Anett Kontaveit. A polonesa levou um bom susto diante de Fiona Ferro.

Bianca Andreescu sofreu bem menos nesta segunda rodada e é super favorita diante de Greet Minnen, mas depois terá Petra Kvitova ou Maria Sakkari. Ou seja, tudo pode acontecer.

E mais
– Karatsev salvou dois match-points contra Thompson e enfrenta a sensação local Brooksby, que virou contra Fritz, foi duas vezes ao vestiário e gastou um total de 20 minutos por lá. E fez um lance incrível. Quem vencer, deve ser o adversário de Djokovic nas oitavas.
– Aos 37 anos, Seppi perdeu feio o primeiro set e depois se agigantou contra Hurkacz. Boa chance de dar duelo italiano nas oitavas contra Berrettini. O cabeça 6 não pôde vacilar contra Moutet.
– Monfils contra Sinner deve ser melhor duelo da parte de cima da chave nesta terceira rodada. O francês deu show e ganhou até a torcida, mesmo enfrentando Johnson. O italiano quase se enrolou contra o promissor Svajda, americano de 18 anos e 716º do ranking mas de personalidade e bons golpes.
– Setor mais enrolado terá Opelka-Basilashvili e Shapovalov-Harris.
– Dia muito positivo para os duplistas brasileiros, com vitórias de Stefani, Soares, Demoliner e Monteiro. Só mesmo Melo caiu, e duas vezes, incluindo as mistas com a Luísa. E o dia foi de zebras, com quedas de Mektic/Pavic e Krejcikova/Siniakova.
– Estrela em Wimbledon onde fez oitavas, Raducanu ‘furou’ o quali em Nova York e já ganhou duas na chave.
– Kerber venceu jogo atrasado da parte inferior da chave e marcou duelo de campeãs diante de Stephens para esta sexta-feira.