Arquivo da tag: Alejandro Davidovich

Traiçoeira grama
Por José Nilton Dalcim
28 de junho de 2021 às 18:01

Por mais que um tenista treine, jogar sobre a grama nas primeiras rodadas sempre é um desafio. O piso começa impecável, mas ao mesmo tempo liso, escorregadio, o que exige adaptações constantes. Até mesmo multicampeões como Novak Djokovic e Petra Kvitova demoram para achar o equilíbrio e por vezes isso custa caro.

Os menos rodados sofrem para entender que é preciso fechar ângulos, ficando perto da linha e correndo em diagonal, assim como tentar usar as bolas mais retas e recorrer a bate-prontos. O deslocamento também precisa ser leve e a antecipação é essencial. Na soma de tudo, fica mais fácil entender como Stefanos Tsitsipas não ganhou set de Frances Tiafoe e por que vários nomes fortes sofreram logo de cara.

Djoko iniciou a defesa do título com pequeno susto, mas era evidente que o garoto canhoto Jack Draper não manteria a consistência. O sérvio achou a devolução, explorou o forehand menos eficiente do adversário e acima de tudo passou a sacar com enorme qualidade. Anotou 25 aces, com um game perfeito de 46 segundos, e acertou 78% do primeiro saque (mais de 80% dos dois sets finais e apenas quatro pontos perdidos após o set inicial). Fez aliás voleios muito exigentes após o saque e terminou com 17 pontos em 22 subidas. Reencontrará Kevin Anderson na quarta-feira, um finalista de Wimbledon que merece respeito mas que não está em ritmo, a ponto de suar muito contra o saibrista Marcelo Barríos.

Tsitsipas foi uma tremenda decepção. Jogou de forma incrivelmente passiva, dando espaço para Tiafoe atacar. À medida que ganhou confiança, o norte-americano de golpes pesados passou a fazer devoluções e contragolpes espetaculares e abocanhou com justiça toda a simpatia do público. Ficou a nítida impressão que o grego não fez a transição correta do saibro para a grama, não apenas técnica como também mental. Em seu quarto Wimbledon, o dono de jogo versátil e completo caiu na primeira rodada pela terceira vez.

Stef pode aproveitar o tempo livre e se inspirar em Andy Murray. Mesmo longe de seus melhores dias, o escocês mostrou no retorno à Central como se joga na grama. Com exceção à reta final da partida, funcionou tudo. Saque, slices, curtas, passos curtos, o essencial bate-pronto e a transição à rede. Depois de fazer 5/0 no terceiro set e ficar tão perto da vitória, vieram os nervos e Murray também mostrou o pior dos erros: esperou Nikoloz Basilashvili errar e isso raramente dá certo nesse piso tão traiçoeiro.

A rodada masculina viu também as quedas dos jovens Jannik Sinner e Alejandro Fokina, o que nem é tão inesperado em termos de grama, mas também a derrota do super-sacador Reilly Opelka para aquele Dominik Koepfer que deu sufoco em Roger Federer no saibro de Paris. O norte-americano disparou 19 aces, mas não salvou um único dos três break-points e jamais ameaçou o serviço adversário. A grama por incrível que pareça não é a praia de Opelka, que só ganhou dois jogos na carreira sobre a superfície. Andrey Rublev e Roberto Bautista perderam sets.

O precoce adeus de Kvitova
Não era de se esperar jogo fácil, mas também não era para derrota. O fato é que Petra Kvitova não se achou em quadra e foi dominada por Sloane Stephens, que ganhou seu sétimo jogo no torneio desde que atingiu as quartas em 2013. A tcheca, que perdeu na sexta-feira para Angelique Kerber na grama alemã, cometeu 20 erros não-forçados, um número gigantesco para este tipo de quadra.

Aryna Sabalenka, Sofia Kenin e Iga Swiatek bateram muito na bola e confirmaram ser boas candidatas a ir longe neste Wimbledon. Sabalenka cravou 48 winners em 17 games. Outro destaque foram os 50 minutos que Garbiñe Muguruza gastou para atropelar Fiona Ferro, 51º do mundo. A francesa ganhou apenas 5 pontos no primeiro set.

Frase do dia
“Sejam gentis com a grama”
Da juíza Eva Asderaki

Com justiça, Tsitsipas e Zverev lutam por final e 4º lugar do ranking
Por José Nilton Dalcim
8 de junho de 2021 às 19:29

Os dois jogadores da nova geração com melhor desempenho recente sobre o saibro irão decidir entre si quem fará sua primeira final em Roland Garros. Campeão em Monte Carlo, Stefanos Tsitsipas dará mais um passo de peso na sua curta carreira caso supere o vencedor de Madri, Alexander Zverev, que permanece o mais bem sucedido entre os jovens aspirantes do circuito.

Tsitsipas continua em excepcional momento, e isso vem desde a semi da Austrália, com uma ou outra semana menos brilhante. Saiu do sintético e manteve um padrão muito alto no saibro, o que lhe valeu o primeiro troféu de Masters e o coloca em condições de também fazer uma final inédita de Grand Slam. A atuação contra Daniil Medvedev teve é claro oscilações e forçou o grego a se mostrar frio em dois sets apertados.

O russo não conseguiu se impor lá da base no primeiro set e quase metade do segundo e aí mudou radicalmente de postura, o que merece rasgados elogios. Arriscou-se na rede – e fez excelentes voleios -, foi habilidoso nas curtas, dispõe-se a correr mais ao insistir nas paralelas e principalmente passou a jogar bem perto da linha, incluindo a devolução de saque. Reagiu, chegou a ter dois set-points e ainda liderou o terceiro set por 4/2. Ou seja, esforçou-se ao máximo para ser competitivo, mas o fato é que Tsitsipas fez quase tudo melhor e marcou sua terceira grande vitória, depois de tirar John Isner e Pablo Carreño.

Ao contrário do que se imaginava, Zverev acabou tendo a chave mais tranquila para chegar na semifinal, a ponto de perder apenas 12 games em seus dois últimos jogos. O esforçado espanhol Alejandro Davidovich teve todas as chances de complicar e levar ao menos o primeiro set, mas lhe faltam consistência e maturidade. A partir do momento que o alemão passou a sacar com maior efetividade – o set inicial viu tenebrosas sete quebras em dez games -, foi um massacre.

Zverev está assim na terceira semifinal de Grand Slam da carreira, e agora em três diferentes torneios, somando-se ao Australian Open e o US Open do ano passado. É a performance que se espera dele há tempos, já que o alemão se enfiou entre os grandes na metade de 2017 e nunca mais saiu do top 10, algo necessariamente elogiável. Vinha no entanto falhando na hora dos grandes torneios, onde a exigência emocional é mais intensa, aquela obrigação de manter o foco por muitas horas e achar diferentes soluções ao longo delas.

Sascha perdeu cinco dos sete duelos contra Tsitsipas, incluindo o único no saibro, e por isso o grego leva pequeno favoritismo. O alemão ganhou o primeiro, em agosto de 2018, e o mais recente, em Acapulco de meses atrás. Nem é preciso um incentivo a mais, porém vale saber que esse confronto ainda valerá o quarto lugar do ranking, rebaixando Dominic Thiem. O alemão já foi terceiro, o grego chegaria ao posto mais alto da carreira.

Feminino: até a última bola
Nenhuma das quatro meninas que foram à quadra nesta terça-feira está entre nomes badalados do circuito. E isso não tirou o brilho de dois jogos intensamente disputados, onde sobraram lances geniais e um enorme espírito de entrega. As vitórias acabaram decididas em dois sets longos e poderiam ter ido para qualquer lado.

A eslovena Tamara Zindansek é uma tremenda novidade. Aos 23 anos, chegou a Paris como a 85ª do ranking, nenhum título de WTA na carreira e apenas três vitórias em nível Grand Slam. Esteve a dois pontos de repetir a queda na estreia do torneio das edições anteriores, tanto no segundo como no terceiro sets frente a Bianca Andreescu, mas conseguiu levar com 9/7 no terceiro. Pouco depois, levou ‘pneu’ e novamente ficou perto da eliminação diante de Katerina Siniakova.

É assim uma tenista de altos e baixos, como vimos nesta terça-feira diante de Paula Badosa, em que os sets viram constantes reviravoltas no placar, a ponto de quem liderou primeiro cada um dos sets, perdeu. As duas bateram sem medo na bola, provocando diversos erros (39 a 47 para a eslovena) mas também um festival de winners (48 a 31), e muitos deles em momentos tensos. O crucial veio no longo penúltimo game, quando Badosa teve três chances de quebra e a eslovena se mostrou corajosa.

Sua adversária de quinta-feira será a russa Anastasia Pavlyuchenkova, bem mais rodada no circuito porém também em sua primeira semi desse porte. Ela tem 5 vezes mais vitórias em Paris do que Zidansek e oito vezes mais triunfos na carreira. E isso só para falar em simples. A trajetória nesta edição também tem sido muito mais relevante, já que passou por Aryna Sabalenka, Vika Azarenka e agora Elena Rybakina, todos no terceiro set.

A batalha de hoje foi notável. Rybakina começou melhor, abriu distância e a russa foi buscar, mas não impediu a queda no tiebreak. Pavlyuchenkova manteve o padrão, diminuiu os erros e a pressão deu certo. Ganhou fácil o segundo set e aí se viu uma guerra de nervos. Quatro quebras nos seis primeiros games, em que sacar parecia uma tortura. Por fim, as duas se estabilizaram e não houve uma única chance até surgir o primeiro break-point, lá no 16º game, que a russa aproveitou logo de cara. O jogo também viu grande quantidade de bolas vencedoras (46 a 44 para Rybakina), nova prova de que o tênis feminino ganhou uma nova e divertida roupagem.

Público cresce na grande quarta-feira
Com a flexibilização das medidas sanitárias na França, a segunda parte das quartas de final terá mais público, com autorização para até 5 mil na Philippe Chatrier, incluindo a sessão noturna. O jogo entre Novak Djokovic e Matteo Berrettini irá começar mais cedo, às 20h locais, porque o toque de recolher também foi esticado para as 23h.
– Mais um freguês, Schwartzman perdeu 10 dos 11 duelos frente a Nadal, sendo 5 dos 6 no saibro e os 2 em Paris, mas ao menos tirou um set em 2018.
– Nadal pode igualar seu recorde pessoal de 38 sets consecutivos e ficar perto da marca absoluta de Borg, que é de 41.
– Schwartzman também não cedeu set até agora no torneio, mas seu recorde contra top 5 no circuito é de 2-30.
– Só houve um duelo entre Djokovic e Berrettini, no Finals de 2019. O italiano ganhou apenas 3 games.
– Djoko tem agora o recorde de quinto set vencidos em Slam (31) e busca 40ª semi, atrás das 46 de Federer e acima das 34 de Nadal (que pode ir a 35).
– Único italiano a ganhar do cabeça 1 em Slam até hoje foi Panatta sobre Borg nas quartas de Paris-1976. Djoko já perdeu de um italiano, Cecchinato, nas quartas de 2018.
– Djokovic garantiu a 324ª semana como número 1 na lista da próxima segunda-feira e acrescentará pelo menos mais 4, já que nova ameaça de queda acontecerá somente após Wimbledon.
– Se não vencer Nadal, Schwartzman deixará o top 10, superado por Bautista. Davidovich sobe para 35º e está bem perto de ser cabeça em Wimbledon.
– Swiatek x Sakkari e Gauff x Krejcikova são mais duelos inéditos no circuito feminino neste Roland Garros.
– Polonesa está sem perder set há 10 jogos. Aos 19 anos, tenta ser a mais jovem bicampeã efetiva desde o tri de Seles, entre 90-92.
– Gauff é outra que ainda não perdeu set nesta edição. Aos 17, é a mais jovem americana nas quartas de Paris desde Capriati em 1993.
– Swiatek e Krejcikova também estão na semi de duplas. Pavlyuchenkova tentará sua vaga nesta quarta. Krejcikova será nova número 1 da especialidade se ganhar Paris pela segunda vez.

Nova geração decide seu finalista
Por José Nilton Dalcim
6 de junho de 2021 às 18:07

Quatro jogadores, entre os 22 e 25 anos, irão decidir quem irá pela primeira vez à final de Roland Garros na parte inferior da chave masculina. Daniil Medvedev, Stefanos Tsitsipas e Alexander Zverev são top 10 e o mais jovem, Alejandro Davidovich Fokina, acaba de chegar ao top 50 e é a boa surpresa. O russo e o grego farão duelo direto que pode ser o primeiro grande momento deste Aberto francês, enquanto o alemão sai com necessário favoritismo diante do sempre elétrico espanhol.

O histórico é amplamente favorável a Medvedev, o que cria um clima ainda mais interessante para o confronto. O russo venceu cinco vezes seguidas entre 2018 e 2019, uma delas no saibro de Monte Carlo em três sets, até que finalmente o grego quebrou o tabu nas rodadas classificatórias do Finals de 2019, que aliás o embalou para a grande conquista. Neste ano, eles voltaram a se cruzar e Medvedev dominou por 6/3, 6/2 e 7/5 na semi do Australian Open.

No entanto, o favoritismo tende a mudar de lado se pensarmos em Roland Garros. Enquanto o russo enfim faz uma campanha digna após sofrer quatro derrotas consecutivas em estreia, Tsitsipas brilhou no ano passado e atingiu a penúltima rodada, barrado somente por Novak Djokovic e lá no quinto set.

Os dois foram muito bem neste domingo, ganhando com sobras e com placares parecidos até mesmo na dificuldade maior do terceiro set. E Medvedev surpreendeu novamente, ao dominar Cristian Garin com uma variação tática inteligente, em que mesclou paralelas fulminantes com deixadinhas inesperadas, muito solto em quadra. Tsitsipas disparou golpes notáveis da base dos dois lados e sufocou Pablo Carreño nos dois primeiro sets. O espanhol reagiu e abriu vantagem depois, mas o grego soube cortar seu ânimo na hora certa.

É lógico acreditar que Zverev fique à espera dessa batalha para conhecer seu adversário da semi e muito provavelmente ele irá torcer pelo russo, contra quem tem 5 a 4 no geral, mas nunca fora do piso duro. Diante do grego, Sascha sofreu cinco derrotas seguidas, incluindo Madri, até enfim ganhar na decisão de Acapulco meses atrás.

Depois do susto da estreia, em que pareceu sonolento por dois sets, Zverev cresceu dia a dia neste Roland Garros. Após pequeno vacilo ao permitir que Kei Nishikori recuperasse quebra nos games iniciais, passou por cima tendo o saque como grande aliado e sábia postura de jogar o máximo possível pertinho da linha.

Alejandro Davidovich merece respeito, obviamente, porém ainda me parece emocionalmente imaturo para os grandes momentos. Tem feito um belo torneio, com golpes de base muito pesados e excelente preparo físico. Até ameaçou Zverev na quadra dura coberta de Colônia no ano passado depois de levar uma surra no US Open pouco antes, onde ganhou meros cinco games. Tenista de 1,83m, Alejandro treina desde os 11 anos com o mesmo técnico e diz que se inspirou em Roger Federer, mas que tenta imitar Novak Djokovic. De forma inesperada, diz que seu piso favorito é a grama, talvez porque tenha vencido o juvenil de Wimbledon em 2017.

O adeus de Federer
Conforme havia aventado na véspera, ainda na entrevista de quadra, Roger Federer considerou que o esforço de 3h38 para vencer o canhoto alemão Dominik Koepfer foi além da sua atual capacidade física e preferiu abandonar Roland Garros nas oitavas de final. Assim, o italiano Matteo Berrettini terá mais dois dias de folga e fica à espera de Novak Djokovic confirmar o favoritismo e o enfrentar na quarta-feira.

No comunicado divulgado, o suíço diz que duas cirurgias no joelho e um ano de reabilitação o forçam a ter precaução, principalmente no saibro, um piso em que o ato de escorregar sempre causou instabilidade na sua rótula e o fez saltar o torneio por três edições seguidas. Antes de chegar a Paris, ele admitiu a dúvida de ir a Roland Garros, mas acabou optando por jogar na busca de ritmo de competição e teste para suas condições técnicas e musculares.

Dessa forma, é muito provável que o jogo deste sábado, encerrado na madrugada e sem público no estádio, tenha sido o último de Federer em Roland Garros, já que cada vez mais o saibro parece um obstáculo insuperável para seu corpo e seu estilo. Ele deve seguir diretamente para a grama alemã, onde será a atração de Halle dentro de oito dias, na busca pela preparação adequada para Wimbledon, o maior objetivo da temporada em suas próprias palavras.

Esta foi a quinta vez em sua longa carreira que Federer desiste no meio de um torneio e a primeira num Slam.

Nova finalista em Paris
As quedas de Serena Williams e Victoria Azarenka já garantem que haverá uma nova finalista de Grand Slam e mantém a sina recente da chave feminina de Roland Garros de apresentar novidades. A única cabeça que restou na parte inferior da chave é a jovem Elena Rybakina, de 21 anos, que se aproveitou de uma caminhada pouco exigente até fazer uma grande exibição sobre Serena Williams neste domingo, em que competiu em força e ousadia com a veteraníssima tricampeã.

Rybakina nunca havia chegado sequer na quarta rodada de um Grand Slam, enquanto a poderosa adversária jogava a de número 64. Faz algum tempo que Serena não intimida mais as adversárias como antigamente, seja porque há muitas meninas batendo pesado na bola hoje em dia ou porque Serena sente dificuldade clara em se deslocar e se defender. Por isso, a cazaque usou de forma inteligente as paralelas e teve um saque bem efetivo para simplificar vários pontos.

Com grande chance de voltar ao top 20, ela enfrentará agora a renascida Anastasia Pavlyuchenkova. Perto dos 30 anos, a russa volta às quartas de Paris exatos dez anos depois do primeiro e único sucesso no saibro parisiense. E com nova atuação empolgante. Após tirar Aryna Sabalenka com ‘pneu’ no terceiro set, virou em cima de Vika Azarenka esbanjando confiança e inteligência tática. Como é interessante ver uma tenista aplicar deixadinhas e ousar na rede mesmo sobre o saibro.

A outra partida de quartas terá a especialista espanhola Paula Badosa contra a eslovena Tamara Zidansek, esta sim uma grande surpresa. As duas têm 23 anos e fazem maior campanha em Slam, mas nunca se cruzaram. Badosa acabou de ganhar Belgrado e foi semi de Madri. Tirou neste domingo a vice de 2019 Marketa Vondrousova com muito mais disposição de arriscar, anotando 30 winners e 30 erros. A eslovena nunca figurou sequer no top 50, tem apenas dois vices de pequenos WTAs no saibro e lutou 3h21 na estreia deste ano em Paris para tirar Bianca Andreescu.

Os últimos quadrifinalistas
– Nadal e Djokovic tentam chegar pela 15ª vez às quartas de Paris, Sinner e Musetti jamais venceram um top 5.
– Djoko busca 49ª presença em quartas de Slam e Nadal, a 44º. Federer é o recordista, com 57.
– Musetti ganhou todos os oito tiebreaks que jogou em torneios de primeira linha, seis deles em 2021. Na rodada anterior, fez seu primeiro jogo de 5 sets. Djoko é recordista de vitórias em 5 sets, com 30, ao lado de Federer.
– Nadal ganhou os cinco sets no saibro contra Sinner, mas quatro deles foram placares apertados.
– Espanhol soma 32 sets seguidos no torneio e mira de novo o recorde de Borg, que foi de 41 entre 1979-81. Nadal chegou a somar 38.
– Sinner disputa 33ª partida de saibro em nível ATP contra 505 de Nadal, que só perdeu 42 até hoje.
– Struff ganhou 11 jogos no saibro este ano, um a mais que Schwartzman, que tenta chegar pela quarta vez nas quartas de Paris e só ficar atrás de Vilas (com 9) entre os argentinos.
– Alemão conseguiu primeira vitória sobre top 10 num Slam na estreia deste ano contra Rublev
– Em duelo muito jovem, Swiatek tem na teoria um jogo fácil para ir às quartas contra Kostyuk, 81ª do ranking que tirou Muguruza na estreia. Nenhuma delas perdeu set ainda..
– Kenin e Sakkari pode ser o grande jogo feminino do dia. Americana ganhou duas vezes, em 2018, e perdeu jogo estranho em janeiro, tudo sempre em 3 sets. O vice do ano passado dá ligeiro favoritismo a Kenin.
– Krejcikova já está nas quartas de duplas e de mistas e agora tenta outra façanha contra Stephens, depois de tirar Alexandrova e Svitolina em notáveis atuações. Jogo é inédito.
– Duelo de estilos entre Gauff e Jabeur, que estão separadas por um posto no ranking (25 a 26). Tunisiana venceu americana de 17 anos pela primeira vez neste ano em Charleston após duas derrotas e tenta repetir quartas da Austrália-2020.