Templo sagrado aos pés do divino Nole
Por José Nilton Dalcim
10 de julho de 2022 às 21:25

Exatamente um ano depois de empatar as contas do Grand Slam com os outros Big 3 e acenar para o domínio no campo de maior prestígio do tênis, Novak Djokovic enfim reiniciou a contagem de troféus. Justificou o favoritismo que era tão óbvio desde o sorteio das chaves e dobrou até mesmo o poderoso saque de Nick Kyrgios, um inesperado mas competente finalista que exigiu do sérvio suas mais preciosas habilidades. O templo da grama se rende outra vez ao majestoso Nole, que completa sete títulos nas últimas 11 vezes que pisou em Wimbledon.

Nole admitiu ter tirado um peso dos ombros por voltar à glória depois de tudo o que aconteceu na Austrália, o que evidentemente prejudicou todo seu primeiro semestre. Mas na verdade o calvário já havia começado bem antes, na amarga derrota na final do US Open, que lhe daria o maior feito da Era Profissional e terminou em lágrimas. Ele amenizou com uma ou outra boa campanha, como Paris e Roma, porém era muito significativo retornar às conquistas de real peso para seu invejoso currículo. Em Wimbledon, onde se sente em casa, o alívio chegou.

A vitória deste domingo foi construída com paciência. O saque falhou uma única vez no primeiro set e isso foi o suficiente para dar vantagem ao oponente. Djokovic jamais se desesperou. Pouco a pouco achou o ritmo da devolução e o disparo dos retornos bem no centro da quadra, em cima do sacador que é sabidamente preguiçoso para mexer as pernas, passou a oferecer buracos. Pequenas oportunidades, com certeza, porque Kyrgios achou espetaculares primeiros serviços para escapar de muitas situações, como era de se esperar.

O sérvio fez o adversário jogar, isso era parte essencial do plano tático. Não teve pressa em atacar o forehand. Ao contrário, construiu os pontos para pegar o australiano em movimento, seja para a direita ou para a frente. Eu esperava um Kyrgios bem mais ofensivo, porém ele pareceu respeitar o poder do contragolpe sérvio e foi apenas 34 vezes à rede. Optou diversas vezes por um forehand cheio de topspin, o que facilitou a vida de Djokovic.

De qualquer forma, a final não ficou devendo nada em termos técnicos. A definição foi mesmo muito mais mental. Enquanto um acreditou sempre, segurou a frustração, cobriu magnificamente a quadra e focou nas pequenas oportunidades, o outro achou soluções mais simples para os erros cometidos: desculpas. Como a ira centrada nos amigos do seu box para justificar o terrível 40-0 que escapou e custou o essencial terceiro set.

Houve muita coisa positiva também depois do jogo. Djokovic e Kyrgios parecem mesmo ter resolvido a questão pessoal que os separava e o próprio sérvio decidiu incentivar o australiano a continuar na luta por uma superação, mostrando bom humor e finesse. Kyrgios estava cabisbaixo e chegou a dizer que não sabia se iria voltar a Wimbledon, porém mais tarde, de cabeça fria, se convenceu de sua capacidade e de que precisa continuar a luta para ser alguém melhor.

Agora novamente a um Slam de Nadal e acima de Federer, Djokovic não conhece seu destino. Revelou que não vai mesmo se vacinar e assim espera uma isenção ou uma mudança de protocolo para ir aos EUA e Canadá. Caso contrário, pode esticar as férias e talvez só reaparecer na divertida Laver Cup e competir mesmo no Masters de Paris e no Finals de Turim.

Quem gosta de tênis, quer ver sempre os melhores em quadra e será uma pena se a saudável e ainda imprevisível batalha pelo recorde de títulos de Slam não chegue plenamente a Nova York.

Rybakina, a russa que driblou Wimbledon
Quando a maciça maioria apostava que havia chegado a vez de Ons Jabeur faturar seu Grand Slam, eis que Elena Rybakina mostrou que força e precisão ainda são as maiores armas sobre uma quadra de grama. A cazaque de 23 anos, tal qual Djokovic, absorveu muito bem a perda do primeiro set no sábado, insistiu no plano tático e dominou a número 2 do mundo com uma atuação de gala. Sua campanha incluiu vitórias sobre Bianca Andreescu e Simona Halep.

Não deixa de ser uma tremenda ironia que uma russa de nascimento, que joga sob bandeira cazaque por conveniência, tenha erguido o troféu numa edição em que o governo britânico exigiu que Wimbledon barrasse russos e bielorrussos por conta da invasão criminosa da Ucrânia. Não fosse o fato de a WTA ter retirado a pontuação do ranking no Slam da grama, Rybakina seria nesta segunda-feira uma top 10.

Aliás, Elena foi muito feliz quando afirmou que sua conquista poderá servir de bom exemplo ao circuito, já que ela se virou como pôde até o fim da carreira juvenil, sem ter uma equipe de trabalho efetiva e com muitas limitações financeiras. Estrutura foi exatamente o motivo para ter aceitado o convite para jogar pelo Cazaquistão.

Aos 27 anos e jogando o melhor tênis de sua carreira, Jabeur se resignou. Não se arrepende de como jogou e contou que todo seu planejamento desde janeiro visava o título de Wimbledon. “Talvez não esteja pronta para isso”, afirmou, com humildade. Mas acredita piamente que ainda vai ganhar seu Grand Slam. Seria merecido pelo tênis prazeroso que joga.


Comentários
  1. Ronildo

    Apreciador de tênis ou o fã de tênis é muito diferente de torcedor de futebol. A pessoa escolhe o time do coração geralmente quando é criança, muitas vezes influenciado por familiares ou amigos; quando não se tem conhecimento técnico sobre os times; mesmo porque os times de futebol geralmente são uma gangorra, alternando períodos bons com períodos ruins, dependendo do plantel. Enfim, a escolha de um time de futebol para se torcer não tem nada de racional.
    Já o tênis não possui torcedores, salvo o apego que se tem por tenistas do mesmo país. Porém quando um tenista se destaca acima dos demais em vários critérios, geralmente o público adora vê-lo jogar. E deste modo, o fato de Federer ser o mais popular entre todos os tenistas se deve justamente ao fato dele ser considerado pela grande maioria dos fãs de tênis como o melhor tenista que eles já viram jogar. Essa opção é uma escolha racional, feita por pessoas que conhecem o assunto. Sim, o público apreciador de tênis sabe diferenciar os tenistas. Muitos levantam a questão dos números, já que Nadal e Djokovic possuem alguns números superiores aos de Federer em alguns quesitos. Porém o público também sabe interpretar estes números, eles sabem em que ou quais condições tais números foram alcançados. Sabemos que o título de campeão mundial de Fórmula 1 não faz de Damon Hill um piloto melhor do que Rubens Barrichello ou Felipe Massa, citando apenas um exemplo para exemplificar que condições são cruciais para se alavancar números no esporte. Sem querer ser redundante, sabemos que Roger Federer tinha tênis para chegar aos 30 slans ou até mais, dependendo de condições mais favoráveis. Porém diversos fatores contribuíram para que houvesse uma correnteza contrária às suas braçadas! Um fator muito negativo que pode ter contribuído para uma desconcentração maior dele em pontos importantes em algumas finais contra Nadal e Djokovic foi a separação de seus pais quando os 3 constantemente disputavam estas finais. Sabemos que Federer é um homem muito achegado à família, sensível, emotivo; porém evidentemente é impossível discernir o quanto ele foi afetado por esta separação, como afetou sua concentração, seu ânimo, seu desejo de vencer durante este período. De qualquer maneira o importante é analisar as questões de maneira racional, pois somos apreciadores de tênis.

    1. Luiz Fabriciano

      Caraca Ronildo, deixe de apelo meu amigo (te considero um, rsss).
      Tenista se escolhe pelo coração também sim.
      No futebol existe ou já existiu torcedor do Íbis, considerado o pior time do mundo, sabia?
      É possível separar sim o melhor tenista daquele que se acha melhor de se ver jogando.
      Outra coisa, dentre as que evitaram que Roger Federer chegasse a 30 GS estão Nadal e Djokovic – as duas mais importantes.
      Ademais, quantas vezes os pais deles se separaram? Porque não foi uma vez só que ele perdeu, especialmente em finais.
      Os pais de Nadal também se separaram.
      Fortíssimo abraço e saudações Djokovicianas.

    2. Valmir da Silva Batista

      RONILDO, mas você não ama a Anna Kournikova? Quanto mim, estou apaixonado pela Aryna Sabalenka e pelo Rafael Nadal…

  2. Luiz Fernando

    As terceiretes estão pior do q eu imaginava: postaram abaixo q números são “subjetivos” kkk. Quando interessava cita-los eles eram bem objetivos kkk…

    1. José Yoh

      É o contrário também vale, LF. Quando Federer estava em alta, haviam mil critérios para ele não ser o GOAT. Números pouco importavam.
      De repente os números são tudo!
      Estou certo que você se lembra disso.
      Abs

      1. Luiz Fabriciano

        Não Yoh, quando Federer era o mais alto, a discussão girava em torno dele, Laver e Sampras, pela quantidade de GS.
        Quando ele passou Sampras, em GS e semanas na liderança, só se falava em números.

    2. Valmir da Silva Batista

      LUIZ FERNANDO, será que números têm a ver com questões do coração? Sei lá, algo egresso da alma…

  3. Sandra

    Dalcim, Djokovic também não pode entrar na China ? Está correto isso? Eu vi em algum lugar que ele poderia jogar lá ! Achei estranho pois lá e tolerância zero !,,

  4. Oswaldo Euclydes Aranha

    Vendo alguns comentários saudosistas e repetitivos lembrei-me de uma música do Caetano Veloso e a adaptando cantaria: Sonhar é preciso!

  5. Lola

    Novak Djokovic: “Sou um tenista profissional. Eu não entro em política… Sou sempre um defensor da liberdade de escolher o que é melhor para você. Eu respeito…e espero ser respeitado…jogo onde me permitem…senão, não será o fim do mundo”

    1. Sérgio Ribeiro

      Marat Safin bate Pete Sampras por 3 x 0 no USOPEN 2000 e disputa o N 1 no FINALS com GUGA. Este somente levaria se batesse Sampras e Agassi em sequência. E não deu outra , o Manezinho conseguiu a façanha e somente perdeu o N 1 devido a Hewitt levar o USOPEN 2001 batendo Sampras por 7 x 5 , 6 x 1 , 6 x 1 e vencido também o ATP FINALS em 5 Sets contra Ferrero. E segurou o posto até 2003 . Se não fosses tão preguiçoso conhecerias a história e jamais falaria em “ entressafra “ . Pete ainda leva o USOPEN 2002 e Agassi o AOPEN 2003 . . E’ mais fácil repetir esta asneira o resto da vida rsrsrsrsrsrsrse Abs!

      1. Paulo F.

        Não sei se o Sr. Se lembra, mas sempre destaquei Hewiit e Safin.
        Meus expoentes da Entressafra são os Reis Magos Scud, Mão de Pedra e Bagredathis.

      2. Valmir da Silva Batista

        SÉRGIO RIBEIRO, eu tenho predileção por alguns tenistas e algumas tenistas, mas acho de uma grande estupidez o sujeito avaliar seus queridinhos sem considerar o que é irrefutável, ou seja, o que a história diz. Neste aspecto, seu comentário é uma aula gratuita aos alienados de plantão, que polarizam este espaço com seus achismos de caráter fake…

    2. José Yoh

      Quando há milhões competindo pelo mesmo esporte, entressafra não existe caro Paulo F. A competição extrema irá gerar os melhores de uma geração, dentro das condições existentes.

      Aguardo seus argumentos (sem kkkkkk por favor). Começo a gerar dúvidas se consegue responder algo sem essa evasiva risada.
      Abs

  6. Paulo Almeida

    Aquele slice baixinho e venenoso que o GOAT Djoko jogou no 40-30 antes do tiebreak matando o Kyrgios foi outro pontaço e sob forte pressão.

    Bolas profundas, devolução, superioridade nas trocas, saque, voleio, slice, drop shots, melhor backhand da história, grande direita, entre outros. Parece que o Ronildo se esqueceu de muitas outras armas do arsenal do Craque.

  7. JAN DIAS

    Mudando um pouco de assunto, o PSG tá oferecendo o NEYMAR de empréstimo pra outro time, porque não quer contar + com ele. 💶
    O clube francês se prontificou inclusive a pagar o salário do brasileiro, aonde ele estiver.. É muito desprestígio, pagarem pra você ficar longe… Mas, pra um ex-jogador em atividade que foge do time pra pular Carnaval 🤡 até que tá bom…
    Segundo alguns comentários na net, NEYMAR já manifestou o desejo de vir jogar em algum clube brasileiro após a Copa do Mundo do Qatar, e sua preferência é pelo Flamengo…
    Pobre rubro-negro…

    1. Valmir da Silva Batista

      JAN DIAS, já que nos encontramos num espaço sobre futebol, creio que o enganador Thiago Wild deve substituir Neymar no PSG, posto que Ney deve passar algumas tardes dando raquetadas com seus parças em solo brasileiro, dentre suas atividades pré baladas, ao cair da noite…

  8. JAN DIAS

    WAWRINKA 🇨🇭 anunciou desistência do torneio de Gstaad na Suíça pra se concentrar em sua recuperação p/ o US OPEN.
    Ele diz que está trabalhando muito p/ voltar a jogar no mesmo ritmo que tinha antes da lesão. Aos 37 anos, e com um físico menos privilegiado, o suíço terá um caminho duro pela frente… mas torço muito pra que ele consiga…

    1. Marcelo-Jacacity

      6 – 1 – 16 — jan 2010
      9 – 1 – 16 — dez 2010
      22 – 21 – 20 — jul 2022
      ? – ? – ? — jan 2026

  9. Hendrix

    Caro Dalcin,
    A batalha por Slams chegar plenamente a NY depende apenas do seu jogador predileto se vacinar, o que é um requisito para entrar nos US. Eu já tomei 3, e digo que não doeu nem teve efeito colateral algum, assim como em meus familiares e amigos.
    Nenhum cidadão está acima da lei, logo não fale em nome de amantes do tênis ou do esporte em geral. Nosso amor pelo esporte nunca estará acima do respeito pela vida ou pela soberania de um país.

    1. José Nilton Dalcim

      Não sei onde você leu algo diferente disso, mas não me surpreende que, com sua visão sempre envolta na névoa do fanatismo, tenha mal compreendido.

  10. Fernando Brack

    Federer com zero pontos no ranking? Agora que ele não volta mais mesmo. Voltaria pra fazer o quê?

    1. Sérgio Ribeiro

      Não entendi , caro Brack . Ele pode jogar os Torneios que escolher no seu retorno. Terá convite pra todos e solto nas chaves poderá rapidamente saber se está competitivo. Basicamente é o que mais está precisando pra poder tomar a decisão definitiva segundo suas próprias palavras . Abs!

      1. Gildokson

        Perfeito Sérgio, duvido muito que aquele esforço treinando seja só pra fazer uma despedida em Basel e na Laver. Motivos para já ter anunciado a aposentadoria não faltam, se não fez é pq ainda quer jogar sério.

    2. João ando

      Ele não precisa de pontos .pode ser convidado para qualquer torneio e as arquibancadas ficam lotadas para ver o melhor de todos os tempos

    3. Maurício Luís *

      Você bem sabe que ele não depende de ranking pra entrar em torneio algum. Mas é claro que vai ter que mostrar serviço. Fora que vai ficar sempre “flutuando” nas chaves, sujeito a pegar um Top 5 logo na primeira rodada.
      A cobrança será grande: fãs, patrocinadores, e até dele cobrando de si próprio. A Serena já está passando por isso.

    4. Fernando Brack

      Bem, se vcs acham que Federer volta a jogar apenas por jogar, então vcs podem estar certos.
      Meu feeling é que ele não voltaria só pra isso. Pra mim é óbvio que ele não estará competitivo.

    5. Valmir da Silva Batista

      FERNANDO BRACK, o que tem a ver Federer ter zero ponto no ranking com o seu retorno ou não retorno às quadras? Você coloca a questão como se ele estivesse só adiando ao máximo seu retorno, ao relacionar com o fator estatística, quando, a bem da verdade, Roger apenas não quer fazê-lo de forma precipitada, pois, além de já ter idade elevada, teve uma séria lesão e fez cirurgia complicada, portanto, é natural que demore em retornar. “Voltaria para quê”? Ora, voltaria( e voltará ) para jogar tênis, porque ama fazê-lo, o resto seria consequência. Ou você acha que a essa altura do longo tratamento, após mais de um ano inativo, ele está pensando no fator ranking e nas contendas numéricas entre si próprio, Nadal e Djokovic? Ele obviamente sabe que não reúne mais condições para isto, mas sim “apenas” para jogar( ! ) tênis…

  11. SANDRO

    O ano de 2022 entrou para a HISTÓRIA DE WIMBLEDON como edição que mais público levou ao All England Club desde que o torneio começou a ser disputado!!!
    Um sucesso total pra jogar por terra a teoria dos ASA NEGRAS VIÚVAS DE Roger FREGUÊSer!!!
    Houve 515.164 espectadores ao longo do torneio em 2022, batendo um recorde absoluto do Grand Slam londrino, ao superar os 511.043 que encheram o All England Club em 2009!!!

    1. José Nilton Dalcim

      Não, Sandro, a verdade é um pouco diferente e a notícia de TenisBrasil hoje deixa isso bem claro. O recorde foi batido porque foi incluído um dia todo a mais (estamos falando em até 37 mil ingressos possíveis) e mesmo assim o recorde caiu por apertados 3 mil.

      1. SANDRO

        Eu escrevi alguma mentira? Como assim “não”?
        A própria direção do All England Club anunciou que a edição de 2022 bateu o recorde de público de Wimbledon com 515.164 espectadores, superando o público anterior que era de 511.043 espectadores, que até então era a maior dos 145 anos de história da competição.
        515.164 – 511.043 = 4121 espectadores a mais que o recorde anterior.
        Mesmo que fosse apenas “UMA” pessoa a mais, o recorde já seria batido, porém foram “4.121” pessoas a mais que bateram o record de público em Wimbledon segundo a própria direção do All England Club divulgou o recorde aos quatros cantos do mundo como um grande feito!
        Existem recordes no mundo que são quebrados por um centésimo de segundo e são grandes feitos…
        Um recorde quebrado por mais de “quatro mil pessoas” que é considerado um grande feito pelo própria direção do All England Club, também é considerado um grande feito por mim, ainda mais que as viúvas do Roger FREGUÊSer estavam agourando o torneio, dizendo que seria um fracasso, que seria um torneio só de exibição, que seria um torneio esvaziado, que sequer teria público. que as arquibancadas estariam vazias etc…
        Isso acaba sendo um tapa na cara em quem torcia para um fracasso de Wimbledon…

        1. José Nilton Dalcim

          O recorde só foi quebrado porque Wimbledon aumentou um dia… O natural era ser quebrado por mais de 30 mil e não por 3 mil. Isso não quer dizer que Wimbledon não tenha sido um sucesso. Aliás, os ingressos são 90% vendidos um ano antes e sem ninguém saber quem vai jogar no dia que comprou ingresso.

    2. Gildokson

      Tu força tanto, mas tanto que que deixa passar um “pequeno” detalhe tão importante como esse que o Dalcim citou só pra tentar tirar um sarro a mais que simplesmente não existe kkkkkk

        1. Gildokson

          Sim Dalcim, me referir ao SANDRO que procura motivos pra tirar uma onda com a torcida federista, na maioria das vezes com razão, mas em várias outras forçando a barra com coisas que digamos, não são bem assim..

    3. Carlos Reis

      O Federer NUNCA saberá da sua existência, SANDRO, você não torce pelo Djokovic? Por quê só fala do craque suiço??? Até falando sobre o público que foi assistir Wimbledon, sinceramente, parece ser uma doença mental.

      1. Maurício Luís *

        Até que enfim vou concordar com você. Fora que ele perde tempo escrevendo manifestos quilométricos contra este ou aquele governo. Deveria escrever direto pra esses sites governamentais, porque aqui nunca vão ficar sabendo.

    1. José Nilton Dalcim

      Eu vi muito poucos tenistas tão talentosos como o Kyrgios, Sidnei. Nem há comparação com o Philippoussis.

  12. Luiz Fabriciano

    O tênis atual tem um nome: Novak “Rocky Balboa” Djokovic.
    O cara que apanha até descobrir o ponto certo para nocautear o adversário.
    – Sinner, Norrie e Kyrgios em sequência.

  13. George Beco

    Dalcim, algo que eu costumo notar nesses tenistas mais jovens contra Nole e Nadal é a passividade nos momentos importantes. Por exemplo, aquele 0-40 3×2 de Medvedev no terceiro set do AO, ele a todo momento ficou esperando Nadal errar, já Wawrinka da pra refletir a atitude dele contra Nadal e Djokovic em RG e no AO, onde ele ganhou os dois jogos com winner.
    Tsitsipas colocou 2×0 e pronto, acho que poderia perder um set e depois ganhar o outro. Se Nole não tivesse tão tenso naquela final do US Open, garanto que ele teria ganho de Medvedev.
    Um que talvez não fosse muito passivo numa final de GS contra um desses dois é Shapovalov, o problema é que este é um kamikaze, quer atacar de toda forma, mesmo sem ângulo algum

    1. R.P.

      Em relação à final do USOpen 2021, Djoko veio de uma sequência muito mais desgastante de jogos, sobretudo na semi contra um bom Zverev. Medvedev tinha muito menos tempo de quadra. Além do nervosismo, acredito que a questão física pesou contra o Sérvio. Algo semelhante ocorreu com o próprio Medvedev na final do AO deste ano; tinha mais bola, mas o físico deu sinal de desgaste já no segundo set, passando a cometer uma carreta de erros.

      1. José Yoh

        Sim por isso insisto tanto que o físico prevalece. Ganha quem está melhor fisicamente, se o nível técnico nao for muito distante.
        Abs

          1. José Yoh

            Nesse caso só se o físico estiver muito mal mesmo. Um Federer de 39 anos e pós operado ainda ganhava de vários tenistas do top 100. Fora o Nadal de pé quebrado… ou Murray com o quadril biônico.
            Abs

          2. Luiz Fabriciano

            Mas aí você corroborou.
            Os exemplos citados foram de físicos avariados, dando pau pela técnica (acima).

          3. José Yoh

            Mas é isso que eu disse, “Ganha quem está melhor fisicamente, se o nível técnico nao for muito distante.”
            Se for um Nadal vs Rudd, o Nadal baleado pode ganhar.
            Abs

  14. Marcos

    Bom dia Dalcim. Eu não gosto de entrar nessas de tenista x passou y a cada torneio
    Mas tendo em vista a carreira num modo geral, e levando em conta que o Federer deve “parar onde tá”
    Da pra dizer que Djokovic já o superou?

      1. Sérgio Ribeiro

        Percebi que te venceram pelo cansaço na questão numérica . Mas vou aguardar mais alguns anos , em relação ao “ goat “ . Até porque o Blogueiro há muito cravou Martina Navratilova à frente de Serena e Martina Hings à frente de Vênus. Acredito eu pelo que representaram para o Esporte. Abs!

          1. José Yoh

            Números são tão subjetivos quanto qualquer outro fator.
            Há pouco tempo você mesmo relativizava os números do suíço dizendo que o H2H era inferior ao do Nadal e ele só apanhava, etc. Outros diziam que os slams dele não eram “parrudos”. Fora a teoria absurda da entressafra. Diziam com todas as palavras que ele era um “GOAT” fake.

            Para que serviam os números tão disparatados então?

            Os números do Laver foram obtidos de forma diferente dos números do Djoko. Do Sampras também. O tempo muda tudo, mesmo que a diferença seja de alguns anos.
            Abs

        1. Paulo Sérgio

          Snif snif. Êta chororô. A disputa do goat deve levar em consideração dados objetivos e não subjetivos. Por exemplo, Michael Jordan é o goat porque tem 6 mvp’s de playoffs e 5 de temporada regular. Por sua vez, tem média de pontos em toda a carreira de 30 pontos e mais de 30 somente nos playoffs. Além disso, jogou contra lendas da NBA: Magic, Barkley, Stockton, etc. Nenhum outro jogador tem esses recordes. É assim na ciência, é assim nos esportes. Choraaaaaaa!!!!

        2. GUSTAVO PEREIRA DA COSTA ALBUQUERQUE

          Dalcim, você é muito tranquilo!

          Como pode uma pessoa ter a petulância de tentar – pois só tentou mesmo -, ironizar um cara atencioso e legal como o Dalcim?

          Pessoa sem noção!

          Pois esse “blogueirinho” é leitura diária e prazerosa de muitos aqui.

          Sem noção!

  15. Marcelo Costa

    Dalcim!!! Um detalhe no jogo do Sérvio que merece destaque, quando ele bloqueia a bola em um saque forte, essa devolução sai flutuando, e ele consegue se manter no ponto logo na segunda bola pós devolução, isso lhe traz uma confiança, e uma dúvida ao sacador que sabe que só sacar bem não basta, pois, mesmo sacando ele não terá a chance de matar o ponto pós devolução, pois, o Sérvio consegue se manter no ponto, e ali começa a ter o comando das ações, isso é incrível.

  16. GUSTAVO PEREIRA DA COSTA ALBUQUERQUE

    Parem de falar besteira e vão ouvir o podcast, está fantástico.

    Dois craques do tênis: Dalcim e Chiquinho!

    E o melhor: sem envolver lacração e política.

    1. Valmir da Silva Batista

      MAURÍCIO LUÍS, gosto muito de certo senso intelectual em meio a espaços que, a priori, não têm nada a ver com o peixe. Ariana Suassuna, com sua literatura tão peculiar, sua influente dramaturgia, sua cultura artístico-regionalista sem deixar de ser globalizada e sua criação de cabras, era e é um gênio…

      1. Maurício Luís *

        Eu gosto também do senso de humor dele. ” Quando eu vejo que estou me levando excessivamente a sério, o palhaço que eu tenho dentro de mim dá uma cambalhota”. ” A humanidade se divide em dois grupos: os que concordam comigo e os equivocados”. (Ariano Suassuna)

        1. Valmir da Silva Batista

          MAURÍCIO LUÍS, já que ambos apreciamos Suassuna e que você se dá um refresco, ao se permitir clown de ocasião, a partir da visão de Ariano, poderíamos ser o João Grilo e o Chicó, quando alguns comentários deste espaço vierem acompanhados de enfado…

        2. Barocos

          Maurício,

          Um antigo mestre costumava dizer de maneira meio sardônica em classe: “Eu posso não estar sempre certo, mas nunca estou errado!”. Eu acho esta frase sensacional. Não sei se ele era o autor.

          Saúde e paz.

  17. Carlo V. W.

    E segue a rinha de torcedores de GOATs.

    Agora recheada de fatos históricos. Tem desde bomba no Rio Centro, até Glasnost e Perestroika….rs

    Façam suas apostas….

    1. Valmir da Silva Batista

      CARLO V. W., não tenho culpa se você é alienado, do tipo dos que acham que tema “X” não pode ser híbrido de tema “Y” ou vice-versa, e prefere discorrer de forma rasteira sobre o que é postado…

  18. Valmir da Silva Batista

    JOSÉ NILTON DALCIM, li um comentário de um colega nosso, JONAS, aqui mesmo neste espaço hoje pela manhã, cujo teor me proporcionou a brilhante ideia de alimentar ainda mais essa esparrela de big-3, bem como a bobagem do goat, no entanto, ideia esta que desenvolvi com muito mais imaginação, por não ser provida de lugares comuns, como as da maioria dos meus pares aqui. DALCIM, a questão é a seguinte: quem venceu mais torneios de nível Challenger e ATP 250? Nadal, Federer ou Djokovic?

    1. José Nilton Dalcim

      Não faço ideia do que isso tenha a ver com a discussão do Goat, mas Djokovic tem 10 ATPs 250 e 3 challengers; Nadal, 10 e 2; e Federer, 25 e 1.

      1. Paulo F.

        Parabéns por mais um podcast com o Chiquinho!
        A qualidade de sempre.
        Por quê algumas postagens minhas nesse tópico foram censuradas, como a que perguntei sobre a ausência de alguns famosos por aqui?
        Não fui chulo ou agressivo.

        1. José Nilton Dalcim

          Obrigado, Paulo. Apenas evitando o excesso de provocações que só irão gerar réplicas e tréplicas sem muita utilidade. Abs

      2. Valmir da Silva Batista

        Muito obrigado, dalcim. Quanto ao que veio a reboque das estatísticas que solicitei, realmente não me interessa, pois trata-se de temática que não considero relevante. Sobre este fator, reitero que não gosto do djokovic, bem como do seu jogo, além de considerar federer o tenista mais brilhante que já vi e de ser torcedor do rafael nadal. As inserções sobre o big-3 são mera encheção de linguiça, o mesmo valendo para a conversinha fiada a respeito do goat, pois é até ignorância admitir que um dos três é melhor que os outros, ao invés de os alienados de plantão deixarem claro que o tenista “x” é o que preferem, simples assim. Entre os da santíssima trindade, djokovic é bom pra caramba e não é melhor que federer e nadal; federer é bom pra caramba e não é melhor que djokovic e nadal; nadal é bom pra caramba e não é melhor que djokovic e federer, em se tratando desse fla-flu tolo que se estabeleceu entre os providos de parcialidade. No mais, dalcim, por gentileza, deixe meu comentário onde o coloquei, pois não citei o nome de ninguém de forma pejorativa. Grato mais uma vez …

        1. Valmir da Silva Batista

          JOSÉ NILTON DALCIM, o lado chato de você ter colocado meu comentário com letras minúsculas é que os nomes próprios acabaram ficando também com letras minúsculas. Estou fazendo este desagravo, para não passar por alguém que escreve sem conhecimento das regras ortográficas, por parte de muitos que gostam de encher saco neste espaço, aliás, a maioria sequer saber fazer uso da vírgula, que é coisa básica, e vem disparar sua verborragia sobre mim, em razão de minhas opiniões serem imparciais e discernidas. No mais, estou muito grato por, desta feita, a censura ter sido branda. Valeu!

          1. José Nilton Dalcim

            Você quis fazer picuinha ao colocar tudo em letra maiúscula e eu só mostrei a você que gastei meros 22 segundos para mudar seu texto. E que o prejudicado, ao final de tudo, é quem escreve fora dos padrões do bom convívio.

          2. Maurício Luís *

            Existe uma convenção na internet de que quem escreve tudo em maiúscula é como se estivesse gritando. Não consta na gramática tradicional, a qual não tem o mesmo dinamismo da língua falada… mas garanto que não fui eu quem inventou esta convenção, que realmente existe.

    2. Luiz Fernando

      Aí Ronildo o número de cinquentinhas vencidos seria um ótimo critério p vc lançar mão nos debates, com esse e com a “popularidade”, que por sinal já está em cheque, quem sabe vc não obtém mais sucesso kkkkkk????

      1. Ronildo

        Existem vários recordes de Federer que Djokovic não alcançou ainda Luiz Fernando, mas não é o caso apenas da popularidade, visto que Federer é tido como o melhor tenista entre os fãs de tênis, embora atualmente não tenha as melhores marcas. Mas aí há várias questões que influenciaram uma maior ou menor conquista de títulos entre Federer, Nadal e Djokovic. Independentemente destas questões, como já disse, Federer ainda é reconhecido como o melhor de todos pela grande massa.

        1. Luiz Fernando

          De fato, pela grande massa torce pra ele kkk. A propósito, no Twitter Rafa tem 3 milhões dexseguidores a mais do q Federer. O critério “popularidade” indo pelo ralo também…

        2. Paulo Sérgio

          Me responda duas coisas:

          Como alguém pode ser melhor perdendo mais?
          Quer dizer que opinião de fã é mais importante do que os resultados em quadra?

          Abs!!!

  19. Luiz Afonso

    O maior de todos os tempos chama-se Björn Borg!
    Aposentou-se aos 26 anos com 11 títulos de GS (6 RG e 5 Wimbledon) e com 4 finais no USO. E isso tendo disputado uma única vez o Aberto da Austrália. E com uma raquete de madeira!!
    A forma como ele mudava seu estilo de jogo de RG para Wimbledon era algo simplesmente assombroso! Uma versatilidade que não se vê em nenhum dos outros monstros do tênis, como Sampras, Federer, Djokovic e Nadal.

  20. Ronildo

    Temos que dar a mão à palmatória: Djokovic tem qualidades insuperáveis frente a outros tenistas. De todos os tenistas que eu já vi jogar, Djokovic é o Melhor de Todos os Tempos em uma modalidade pouco explorada: a arte da sedução esporteafetiva. Havia um tempo durante sua carreira que Djokovic não se importava com esta modalidade até ser tenisticamente dominado por Stan Wravrinka em RG2014. Depois disso, inspirado nos resultados que Nadal conseguiu contra Federer ao longo da carreira, encostou em Stan e se declarou seu grande amigo, lançado vários encantamentos, tendo como resultado a vitória na final do próximo slan que disputaram. Depois disto a próxima vítima de Djokovic foi Medvedev. Quando Djokovic percebeu que simplesmente apenas através do tênis jamais teria chances contra o russo numa final, perdendo final para o mesmo até mesmo quando este estava contundido, lançou seu veneno hipnótico de tal maneira, declarando-se novamente grande amigo, entre várias outras lisonjas, que Medvedev ficou completamente confuso em plena final de AO. Porém depois que Medvedev recuperou sua cognição normal levou o sérvio ao choro e ranger de dentes, tal amarga foi sua vingança pessoal na final do USOpen2021. Porém o estratégico sérvio sabia que sua arte o levaria a ganhar mais slans e mais recentemente Kirgios Cabeça de Vento foi levado a crer que o simples fato de estar numa final de Wimbledom contra seu “amigo” Djokovic já era o ápice de sua glória! Diferentemente de Medvedev, não acredito que Kirgios algum dia recuperará o controle de sua cognição, porque desde o início de sua carreira ele procura algo para basear seus sentimentos e emoções, e agora ele tem o Djocomedusa que o controla.

    1. Barocos

      Ronildo,

      Devo confessar que jamais “pulo” qualquer comentário seu!

      Acho que a explicação para tal apresenta grande similaridade com a que você formulou para o sérvio, guardadas as devidas especificidades. Você explora a sedução empatohumorística, que é o exercício de maximizar a empatia que todo ser humano vítima de seguidos infortúnios, no seu caso, suas previsões, desperta em pessoas de boa índole, conjugada com ponderações cômicas, para conquistar grande simpatia em seus pares.

      Você aplica esta apurada técnica também com o sexo oposto? Qual o grau de sucesso alcançado? 😉

      Saúde, paz e boas risadas!

    2. Luiz Fernando

      Meu caro vc precisa dormir pra não se confundir, em RG 2014 Wawrinka passou longe da final. Melhor continuar com suas previsões, mais chance de acertar…

      1. Luiz Fabriciano

        Pois é. Fizeram final de RG em 2015. Se reencontraram em final novamente nos EUA em 2016 e ao contrário da estória acima, nunca mais outra vez.
        Podia ao menos na parte que é verdadeira, colocar na ordem certa.

      1. Ronildo

        Não, ali a antipatia falou mais alto. O sucesso de Djokovic contra Federer foram os 6 anos de diferença de idade entre eles e a enorme pressão que Federer tinha sobre si por ser o Grande Astro.

        1. Luiz Fabriciano

          A antipatia persiste.
          Mas 6 anos de idade não deveria fazer diferença, tamanha a maestria do suíço na arte de jogar tênis, não?
          O italiano Sinner é 15 anos mais novo, sem tamanha maestria e perde do mesmo jeito.

    3. Ronildo

      Na verdade me expressei errado (algumas vezes), mas vou corrigir uma: Kirgios não estava se sentido numa final de Wimbledom CONTRA Djokovic, ele estava eufórico POR ESTAR NUMA FINAL COM DJOKOVIC.

  21. Roberto Porto

    Dalcim, bom dia! Assistir o vídeo da recepção do Nole na Sérvia, aqui no Portal. Sensacional!!!
    Com relação ao físico e técnica, ele está 99%; falta a liberação para jogar USopen; è possível o presidente da Sérvia interferir (hehehe visto o que ele representa )
    E as chances de levar o título é enorme, pois os Russos vem sem r´timo ???
    Abs

    1. José Nilton Dalcim

      Até o US Open, os russos podem estar completamente em ritmo, Roberto. Rublev por exemplo já joga nesta semana. A dúvida maior é mesmo Zverev.

    1. Pedro BM

      Não seja mais um que cai em “clickbait”. Você leu a reportagem? Sabe ler em inglês? Enfim, não há uma citação ou menção a alguma fala do Nadal. É apenas a opinião do Lloyd Wright, um ex-tênista. Não sei como ainda soltam um título desses!!! Credo!
      Segundo, basta acompanhar um pouquinho de tênis pra saber que o Nadal não falaria nada desse tipo, seja pro Federer, pro Djoko ou pra si próprio.

  22. Carlowagem

    Nestes dois ùltumos anos de pandemia, quantos sera que morreram (ou tiveram familiares mortos), apenas por serem fâs incondicionais do Sèrvio e se negarem a vacinar-se?

    “O goat do egoìsmo…” “A minha vida vale teus recordes”

    1. SANDRO

      Ninguém morreu por causa do DJOKOVIC…
      Mas muitos morreram e ainda morrem por causa da tirania absolutista russa que MATA DE VERDADE e não é só discurso!
      Puniram Belarus por deixado tropas russas passarem por seu território para o massacre da Ucrânia, além de permitirem bombardeios de mísseis russos a partir de seu território!!!
      Acham isso pouco?
      Ponha-se no lugar dos ucranianos!
      Se vcs de um dia para o outro tivessem que abandonar suas casas e seus empregos pra defender as suas próprias vidas contra invasores sanguinários e verem suas mulheres e seus filhos fugindo para um país estrangeiro sem saberem onde vão dormir, o que vão comer, onde vão morar e se algum dia se reencontrarão de novo, vocês acham pouco o que os ucranianos estão passando?
      E quem está massacrando os ucranianos são os RUSSOS e não os ingleses e americanos…
      Perguntem a qualquer ALEMÃO ORIENTAL o que eles sofreram nas mãos dos russos!!!
      Os RUSSOS isolaram a Alemanha Oriental do mundo com campos minados, arames farpados, muros( o mais famoso foi o de Berlim), guaritas com soldados fortemente armados para EXECUTAR impiedosamente quem tentasse FUGIR DOS TENTÁCULOS RUSSOS!!!
      Isso aconteceu em outros paises que a RÚSSIA manteve vampirizados como POLÔNIA, TCHECOSLOVÁQUIA, ROMÊNIA, BULGÁRIA, HUNGRIA, LETÔNIA, ESTÔNIA, LITUÂNIA, GEÓRGIA, ARMÊNIA, entre outros!!!
      A RÚSSIA, desde a época dos Czares sanguinários, sempre tratou os povos do leste europeu como seus VASSALOS e cometeu atrocidades em todos esses países.
      Putin, o PSICOPATA DITADOR RUSSO, começou sua carreira como AGENTE DA KGB na ALEMANHA ORIENTAL onde presenciou e cometeu várias atrocidades,e agora quer REVIVER AS CRUELDADES RUSSAS DE OUTRORA na UCRÂNIA!!!
      Apoio a decisão britânica!!! Enquanto esse massacre na Ucrânia não tiver fim, os russos não deveriam participar de eventos esportivos internacionais, porque de ESPORTIVIDADE a Rússia não tem NADA!!!

      1. Valmir da Silva Batista

        SANDRO, não posso afirmar quem morreu por causa de quem ou o inverso, em se tratando da covid-19, mas como você sabe que “ninguém morreu por causa do Djokovic”, quanto a isto? A propósito, no que se refere ao assunto tênis/covid-19, me vem à memória o famigerado torneio promovido pelo talzinho sérvio em Belgrado, quando a pandemia estava no auge e participantes do infeliz evento contraíram a doença, inclusive ele. Portanto, reitero minha pergunta: como você sabe que “ninguém morreu por causa do Djokovic”?

    2. Paulo Almeida

      Está engraçado demais o desespero do Sr. SR, que secou DjokoGOAT horrores no domingo, segundo ele mesmo. Vamos lá:

      21 > 20
      373 > 310
      7 > 5
      38 > 28
      27 > 23
      Double Career Slam > Single Career Slam
      Double Golden Masters > None Golden Masters

      Terceirão absoluto com apenas 0,00000001% de chances de reverter esse quadro.

      Rsrsrsrsrs, abs!!!

    3. Luiz Fabriciano

      Aqui onde vivo, nenhum morto ou parente conhecia Djokovic.
      Afinal de contas, ele não é nem o segundo dos que mais tem fãs e seguidores pelo mundo afora.

    4. Rafael Azevedo

      Pronto, agora Djoko é um genocida (já que “mataram” o o significado dessa palavra, mesmo)…

  23. Rafael

    Dalcim, gostaria de fazer alguns comentários e saber sua opinião, se concorda ou discorda, o que apenas acha:

    – Observo que o tênis feminino atualmente está em bem nivelado as jogadoras em si. Vejo que há muitos exemplos a comprovar, como (talvez) a ascensão da Bia em derrotar campeãs de Slam nos 2 torneios que venceu, da mesma forma que observamos as últimas campeãs de Slam nos 4 ou 5 anos, foram jogadores que não eram candidatas a ganhar ou até estar na final. Isso traz muitas interpretações: de que o tênis feminino pode está nivelado por baixo, se olharmos o estilo de jogar é muito próximo ou não, por exemplo.

    Eu vejo que no contexto atual do tênis feminino, existe a margem para que uma tenista consiga criar um reinado como nº 1 do ranking. Se a Barty não se aposentasse, dificilmente perderia a liderança, exceto uma hecatombe. Olho pra Swiatek e vejo que ela tem a chance de criar um reinado. Vejo também que , pensando no estilo uniforme de jogar de boa parte do circuito feminino, uma jogadora que tenha armas para neutralizar a pancadaria e conseguir ser efetiva no seu jogo (com pancadaria ou não), tem uma boa possibilidade de estar muito bem ranqueada e, quiçá, ganhar Slam. Barty, Jabeur, talvez a Kreijcikova, são exemplos.

    E aí Dalcim? o que acha?
    Abraço!

    1. José Nilton Dalcim

      Não concordo que o tênis feminino esteja nivelado por baixo, Rafael. Acho que as jogadoras nunca estiveram tão bem fisicamente e batendo tão forte na bola. Vejo sim uma diferença pequena entre elas e algumas buscando fórmulas mais criativas, como Jabeur, Andreescu ou Fernandez. Quanto a longos reinados, acho até salutar que não ocorram. Isso dá mais competitividade e imprevisibilidade aos torneios.

  24. Emerson Nogueira

    Bom, o que é Terra Arrasada?
    Basicamente foi o que a União Soviética usou pra derrotar a Alemanha, ou seja, destrói tudo o que puder, pra quando eles chegarem não ter nada. E no fim funcionou, pq a Alemanha perdeu a guerra.
    O que se vê hoje, uma terra arrasada, ao menos nos GS. Nadal pós 30 com 8 títulos e Djokovic com 9, e quando se vê, percebe que eles pegaram um caminho totalmente livre para isso, primeiro pq Murray semi-aposentou, depois pq Wawrinka tinha gasolina até os 32 anos, depois acabou-se, e aí os Slam’s ficaram livres para eles.
    Mas o que se vê durante o resto do circuito? Se vê disputas, mas quando chega em 5 sets, aí eles se destacam, um com 36 e outro com 35, mas Finals mesmo, Nole ganhou o último com 28 anos, e Nadal nunca ganhou, o que mostra que em 3 sets existe disputa.
    Mas aí a pergunta que pra mim ainda persiste:

    Claramente eles não são os melhores, apenas nos GS o caldo engrossa, e aí eles sobressaem. Tanto não são os melhores q o n1 e o n2 estão pra outros dois jogadores, e é natural que não sejam os melhores, pois não aguentam a temporada, e se concentram onde a terra está arrasada. Diante disso, ainda é correto usar o critério de Grand Slam pra eleger o GOAT?

    Só pra deixar claro, se forem me acusar de Federista, eu acho que Federer nem top 3 da história do tênis é mais, no mínimo Laver, Nadal e Nole tão na frente dele. Apenas a questão está em ter dois jogadores difíceis de serem batidos em 5 sets, porém no resto da temporada são “só mais um”

    1. SANDRO

      Que LOUCURA!!!
      Que FALÁCIA!!!
      Explique os 38 MASTERS MIL do DJOKOVIC!!!
      Explique os 36 MASTERS MIL de NADAL!!!
      O BIG 2, NADAL E DJOKOVIC, são as CEREJAS DO BOLO do tênis!!!
      E FINALS é apenas uma gincana de final de ano, torneio em que mesmo perdendo 2 partidas o cara pode ainda se classificar em segundo na chave e ainda ser CAMPEÃO!!!
      Mas como vc explica DJOKOVIC e NADAL serem os MAIORES CAMPEÕES de MASTERS MIL de todos os tempos???

    2. Carlo V. W.

      Legal tua tese. Fico imaginando o Wawrinka no posto, a pè, comprando um galâo para voltar atè o carro.

    3. DANILO AFONSO

      Emerson, você está querendo subestimar a inteligência de quem acompanha o circuito. Djokovic simplesmente não é n. 1 porque não pôde defender 6 mil pontos (AO, Indian Wells, Miami e WB). Nadal se não fosse as limitações físicas já estaria disputando 1º e 2º lugar do ranking no 1º semestre. Lembrando que o espanhol tem grande probabilidade de liderar o ranking no 2º semestre, quando então defenderá apenas míseros pontos das oitavas de final do ATP 500 de Washington.

      Independente da restrição de calendário do Djokovic e limitações físicas do Nadal, sabemos que ambos estão focados nos Slams, deixando os demais torneios para segundo plano. Antigamente eles já chegavam fisicamente e tecnicamente afiados no 1º torneio preparatório. Já nos últimos anos com o intuito de não apresentarem desgaste nos Slams, buscam adiar o início da preparação física e técnica para estarem na ponta dos cascos no próprio Slam ou no último torneio preparatório (quando participam). Djokovic, por exemplo, nos dois últimos anos na gira de saibro chegou descalibrado e fisicamente aquém do seu potencial, tanto é que colecionou derrotas inesperadas em Belgrado (Karatsev e Rublev) e Monte Carlos (Evans e Forkina), subindo degrau a degrau o nível nos torneios seguintes ( Madrid e Roma).

      Se o principal objetivo deles ainda fosse os Masters 1000, pode ter certeza que estariam dominando os torneios deste porte. É obvio que não veríamos Djokovic enfileirando vários Masters 1000 na quadra dura como antigamente e nem Nadal tem físico para ganhar novamente todos (ou quase todos) torneios preparatórios de RG, mas acredito que no geral somariam bem mais títulos ou finais que seus adversários nos torneios melhor de 3 sets, até porque não há concorrentes versáteis ao longo do ano nas três superfícies.

      1. Barocos

        Grande Danilo!

        Como de costume, uma análise muito lúcida de quem entende de tênis e de estatística!

        Saúde e paz (e dedos cruzados por um resultado que seja o menos pior para nosso sofrido Brasil)

    4. R.P.

      Só GS pra eleger o GOAT tbm acho reducionismo. Some-se semanas na liderança, big titles, finalizar o ano como o melhor da temporada, título de Finals e Masters; persistindo o empate, vamos para o confronto direto.

      Fazendo as contas aqui, tenho que concordar com você: claramente eles não são os melhores da história. O Bellucci que é.

    5. Israel

      Que besteira você escreveu.
      O número 1 não está com Nole porque não disputou praticamente nada este ano.
      Recordista de semanas muito a frente do segundo colocado. O terceiro nem se fala. Tire essa viseira do rosto e reverencie o talento do cara.

    6. Evandro

      Emerson, considero o critério ainda correto, porque (isso vc mesmo diz) os dois se concentram no que de fato interessa, nos jogos de melhor de cinco sets, ou seja, os Slam. Imagine se fosse o contrário: os 4 slam fossem os únicos torneios de melhor de 3 sets. Os dois se concentraram nisso e também seriam os melhores. É isso. Os demais que foquem no que interessa realmente.

    7. Valmir da Silva Batista

      EMERSON NOGUEIRA, digamos que Nadal e Djokovic não sejam mesmo os melhores, por conta de estarem, ultimamente, adquirindo conquistas em terra arrasada, como você diz. Por outro lado, seriam os melhores pra valer Daniil Medvedev e Alexander Zverev, por serem, respectivamente, números um e dois do ranking atual? Devo salientar que, a respeito deste critério, não sou eu quem está se valendo a título de comparação de jogador para jogador, mas sim você, numa determinada sequência do seu comentário, ou seja, será que o espanhol e o sérvio têm se valido mesmo apenas do cenário de terra arrasada, para continuarem dando as cartas no tênis, ainda que não liderem o ranking? E mais: será que o russo e o alemão têm tanto talento e competência assim, e por estes fatores é que ambos são os primeiros da lista da ATP? Quanto aos grandes adversários de Nadal, Djokovic e também Federer( por que não? ), faltou você citar, entre Murray e Wawrinka, o talentoso Del Potro, que, a exemplo dos dois primeiros, também foi acometido de lesões que comprometeram sua trajetória no tênis e o impediram de fazer frente ao big-3 de forma mais longeva. Em linhas gerais, Emerson, entendi bem sua analogia, apenas não concordo, apesar de respeitar…

    8. Rafael Azevedo

      1 – Esses dois que você citou são os recordistas de M1000 (com folga), que são disputados em 3 sets (mas, tudo bem, eles não dominam os M1000, atualmente).
      2 – Eles ainda são os melhores tenistas do circuito, e não apenas dos Slams. Não são os números 1 e 2 do ranking porque um não jogou o segundo semestre do ano passado e o outro “não jogou” o primeiro semestre desse ano.
      3 – Não só eles, mas todos os tenistas top 50 priorizam os GS. Ou seja, essas são, sim, os torneios que todos chegam na sua melhor versão possível.
      4 – Pergunta para o Kyrgios a importância de um Slam.

  25. Allan

    Boa noite,
    Ah amigos
    não posso deixar de participar,
    realmente os números são fundamentais,
    olhem os números de faturamento, premiações e
    enfim números de contratos de publicidade milionários e verão quem eh o GOAT
    kkkk
    Federer imbatível, numerólogos kkkk

  26. Maurício Luís *

    Boa noite, Dalcim. Uma pergunta: quando o Federer voltar com ranking protegido, será cabeça-de-chave ou ficará “flutuando” na chave?

    P.S. 1) Enfim consegui… empatei em pontos com o Federer!
    2) Não me cabe saber qual é a sua renda, mas de uma coisa tenho certeza: pelos tipos que escrevem aqui (eu incluído), ô did-din sacrificado, viu?

    1. José Nilton Dalcim

      Não, Maurício, o ranking protegido só vale para inscrição, não pode ser usado para cabeça de chave. Portanto, ele estará solto em todas as chaves e por muito tempo. E obrigado por lembrar que eu também pertenço agora à mesma categoria do Roger: os que não tem ponto na ATP.

  27. JAN DIAS

    FEDERER 🇨🇭 maior e melhor tenista da História!!! 👑
    Sempre será o n° 1, talento grandioso e incomparável. E que venceu A TODOS, inclusive a AGASSI e SAMPRAS, coisa que NADAL e DJOKOVIC jamais terão no currículo…
    Beijinhos! 😊😘

    1. lEvI sIlvA

      Jan, essa aí, só quem conseguiu no mesmo torneio foi o “manezinho da ilha”… Nosso Guga, foi o único tenista a vencer Sampras e Agassi no mesmo torneio e sagrar-se campeão na Masters Cup 2000 de Lisboa! 😉😉😉

        1. lEvI sIlvA

          Grande MC…!!! Foi mesmo, né? uma chuva de verão. Mas olha só, ele tem algo que o seu amado Nadal não tem e nunca terá no currículo, um Finals e apesar de ser tão somente, um especialista no saibro nosso Guga…
          Grande abraço e cuide-se por aí, MC…!

          1. Luiz Fabriciano

            Podemos dizer um Finals “parrudaço”.
            Bateu Sampras e Agassi, ganhou o Finals e levantou o troféu de #1, coroando o ano nesse status.
            (só não foi melhor porque na primeira rodada, perdeu do Agassi, por contusão)

    2. SANDRO

      Olha só o DESESPERO batendo à porta das viúvas do Roger FREGUÊSer!!! Enquanto DJOKOVIC E NADAL estão ganhando GRAND SLAMS e MASTERS MIL, o Roger FREGUÊSer não consegue sequer ganhar um ATP 250…
      Haja DESESPERO pra essas viúvas…

    3. Valmir da Silva Batista

      JAN DIAS, apesar de eu torcer para o Nadal, gosto muito do Federer e de sua trajetória como um dos melhores tenistas de todos os tempos, senão o melhor. Por outro lado, fico muito puto, quando um comentário é lançado de forma irresponsavelmente sem complemento, fica parecendo a mais grosseira das fake news, já que sugere paixão alienada, por ser desprovida de pesquisa. Ora, meu caro, se Nadal e Djokovic não obtiveram a honraria de vencerem Sampras e Agassi, ao contrário de Roger, foi em razão deste ter quase cinco anos a mais que o espanhol e quase seis a mais que o sérvio, ou seja, o suíço venceu os dois brilhantes americanos porque houve tempo hábil para que ele o fizesse, já que Pete e Andre ainda estavam na ativa, quando Federer despontou no cenário do tênis, enquanto Rafa e Djokovic apenas ostentavam a condição de juvenil…

  28. Guilherme

    Mestre Dalcim,

    Considerando apenas os 3 primeiros Grand Slams da temporada (AO, RG e WB), o BIG 3 ganhou 100% desses torneios durante 7 anos consecutivos, entre 2006 e 2012.

    Tão ou mais impressionante ainda que o BIG 3 voltaria a ganhar 100% desses torneios durante simplesmente os 6 últimos anos consecutivos, entre 2017 e 2022.

    É ou não é SURREAL?

    Abraços, meu amigo!

      1. Luiz Fabriciano

        Eu apostei, rsss.
        Quer dizer, disse e repito, desde 2015, que somente com aposentadoria definitiva do Big4 (na época), outros assumiriam o papel de protagonistas.

      1. SANDRO

        O do Roger FREGUÊSer já terminou há tempos…
        De Wimbledon, o FREGUÊSer foi enxotado com um belo de um pneu de HURKACZ…

  29. Maria Izabel

    Desculpa meu lapso Dalcim,você foi esplêndido em todos seus posts ,obrigada.Aprendo muito com você e admiro sua educação e paciência para lidar com tantos seguidores.Parabens!!!

    1. José Nilton Dalcim

      Obrigado pelo incentivo, Maria Izabel! Seguimos firmes e fortes nesta temporada que ainda promete muitas emoções e façanhas.

  30. Maria Izabel

    Já era mais que previsto o Djockovic campeão. É um grandíssimo tenista.Uma pena é não querer se vacinar, temos que respeitar, embora discorde.
    Gostei do Kyrgios parar com a falta de empatia com o Djocko, e começar uma era de boa convivência.
    Foi uma partida boa,embora não tenha sido uma partida épica. Interessa é que venceu e convenceu.

  31. Ronildo

    Djokovic foi campeão.

    Regularidade. Bolas profundas. Físico impecável. Superioridade nas trocas de bolas. Kirgios seduzido pelas palavras lisongeiras de Djokovic: “O importante é estar com você numa final de Wimbledom!”. 21 slans. Regularidade, bolas profundas, físico impecável. Chetnik voltou. Parabéns Djokovic. Regularidade, bolas profundas, devolução, superioridade nas trocas de bola, físico impecável. Djokovic está entre os melhores de todos os tempos.

  32. Thiago+Silva

    Agora o Djokovic sepultou de vez a história do GOAT. Não dá pra considerar o Federer GOAT só por um título a mais no Finals ou pelas 237 semanas de estressafra. O recorde de slams, semanas absolutas e 7 temporadas terminadas na liderança tem um peso muito maior. Imagina se ele vence mais 2 Wimbledon? O que acho bem possível, vai ser até crueldade tomar até esse recorde do ex-GOAT
    Federer.

    1. Sérgio Ribeiro

      Repetes estas mesmas groselhas sem parar no faceTenisBrasil. Já passou da hora de comprares um óculos . Pra muitos o Tênis é antes e depois de Roger Federer. Vou te dar um exemplo que não são poucos números que decidem : Veja os de Serena ( inclusive em SLAM ) , a legião que considera Martina a ” goat ” é imensa . E olha que ela não é a recordista de semanas CONSECUTIVAS no Topo com Rafa Nadal com 160 também CONSECUTIVAS na sua cola. A decisão jamais ficará na mão de fanáticos. A conferir. Abs!

      1. Thiago+Silva

        Se deixar a decisão na mão de “fanáticos” vai acabar ficando com o Federer porque a torcida é maior.
        Mas os números não são “fanáticos”, são o que melhor representa a realidade. Com o tempo o fanatismo vai passar e o que vai ficar marcado são os números.

        1. José Yoh

          O número de torcedores é um bom critério para decidir esse tipo de coisa, que sempre foi decidido com votação.

          Se tem tantos fãs, algum motivo tem.
          Abs

          1. Thiago+Silva

            Popularidade nem sempre representa coisa boa, só ver os tipos que lideram as pesquisas políticas ou os gêneros musicais mais populares hoje.

    2. Jonas

      Djoko ganha mais 1 ou 2 AO (se puder jogar), 1 Roland Garros e 2 Wb. USO prefiro não cravar nada, esse sujeito tem alguma zica inacreditável com esse torneio.

      1. Paulo Almeida

        Você está bem otimista, rs.

        Roland Garros ele só ganha se não enfrentar o Nadal, já que só ganha 1 a cada 5 confrontos por lá.

        1. Jonas

          Paulo, realmente estou bem otimista, mas sem exageros acho que o Djokovic vai concentrar seus esforços em alguns torneios específicos.

          Em Wimbledon creio q o sérvio buscará empatar/superar Federer, o que acho bem possível.

          Ainda vejo o sérvio vencendo Roland Garros e o ATP Finals pelo menos uma vez…

          Agora, vamos torcer para Djoko jogar o Australian Open de novo. A meu ver é onde ele joga seu melhor tênis, praticamente imbatível em sua melhor forma.

          Hoje li uma notícia sobre o foco do sérvio ser 30 títulos de Majors, o que acho bem improvável. Mas quem sabe uns 24, 25? Seria fantástico.

  33. Sérgio Ribeiro

    Enquanto isso , Fábio Fognini ( atual Top 64 ) o mesmo que disse que a Nova Geração é uma farsa , caiu hoje no qualy do poderoso ATP 250 de Estocolmo no Saibro. E ao mesmo Tempo Nick Kyrgios aparece como Top 45 e diz que vai tirar férias … Os únicos penetras no Top 10 são os Titios Nadal ( Top 3 ) e Novak ( Top 7 ) . Os outros são 5 da Nova Geração ( Medvedev, Zverev , Tsitsipas, Ruud , Rublev) e três autênticos Next Gen ( ALCARAZ ( 6 ) , Aliassime (9) , SINNER ( 10 ) ) . JANNIK SINNER aos 20 , foi de longe como o previsto, o maior oponente de Novak em Wimbledon 2022 . E ainda não conhece derrota pra Nick Kyrgios. Abs!

    1. Sérgio Ribeiro

      Ps . Roger Federer e Serena Willians saem incrivelmente do Ranking ATP e WTA no mesmo dia 11/ 07/ 2022. Faziam parte desde o FINAL década de 90 ou 25 anos consecutivos. Abs!

  34. rafael

    Mestre, o sérvio passa a ser o 1 tenista a ter ao menos 7 títulos em 2GS (7 WB e 9 Aus). É isso mesmo??

    1. José Nilton Dalcim

      Informação correta. Assim como Federer segue único com ao menos 5 em três Slam diferentes.

    2. Luiz Henrique

      São 3 extraterrestes
      Um deles conseguiu o absurdo de ganhar 14 vezes um único slam, a quantidade que Sampras ganhou em todos
      O outro ganha 7 ou mais em 2 GS, o que tb é absurdo
      O outro ganha 5 ou mais em 3 GS, é um feito incrível tb
      Insano que tenham sido contemporâneos. Estou curioso pra ver se veremos algo do tipo nos próximos 50 anos no tênis

    3. José Yoh

      Os recordes batidos com grande distância, números cada vez mais inflacionados, penso que nada disso é uma coincidência ou um desvio da história causados por 3 ETs.

      É a evolução do esporte – e não digo só do tênis – uma era onde o dinheiro manda muito e os recursos são concentrados em poucos ídolos que investem boa parte disso na longevidade de suas carreiras para gerar mais e mais recordes.

      Obviamente eles estão em um patamar técnico muito acima dos outros, isso é indiscutível.

      Apenas acho que sempre houveram atletas acima da média em qualquer época, mas agora a ciência e os recursos dos atletas permitem que eles joguem por mais tempo em alto rendimento. E ajuda muito a estratégia de concentrar esforços nos slams.
      Abs

      1. Luiz Fabriciano

        Yoh, discordo onde o ponto a que chegou o Big3, que foi o ponto de partida da pauta em questão, seja a concentração do dinheiro em poucos ídolos.
        Veja o caso da Bia Maia. Sempre teve potencial e apenas agora saltou no ranking.
        Se se mantiver nessa pegada, holofotes acontecerão, estará no meio das chaves dos grandes eventos, consequentemente, mais dinheiro chegará.
        O que não pode é acontecer novamente como Wimbledon, de perder na primeira rodada depois de uma enorme alavancada no ranking.
        Felizmente para ela não valeu pontos.
        Você acha que Bellucci, se lhe tivessem dispensado todos os recursos financeiros, teria ido além do que foi?
        Acho que não.
        Saudações Djokovicianas.

        1. José Yoh

          Um atleta que nunca ganhou nada, já temos as evidências de que é muito difícil ganhar e se manter no topo atualmente. Aparecem problemas físicos e psicológicos de todo tipo. Dois ou dez milhões de dólares ajuda mas não é suficiente.

          O que eu falo é sobre o Big 3 que atingiu o patamar de centenas de milhões de dólares na conta (bilhão talvez?).

          Uma soma dessas permite contratar profissionais melhores, médicos melhores, laboratórios melhores (até mesmo comprar laboratórios). O corpo consegue recuperar mesmo mais velho, aprende e treina técnicas mais avançadas, utiliza equipamentos melhores e personalizados. Fora que não tem a preocupação de participar de torneios menores para poder pagar as contas. E é isso que acaba fisica e mentalmente com o restante.

          Só creio nisso porque nunca houve atletas com mais de 30 anos ganhando slams como eles ganham, muito menos com o pé quebrado. Então acredito que faz algum sentido. Se você encontrar alguma outra explicação para essa anomalia histórica, terei prazer em escutar.
          Abs

          1. Luiz Fabriciano

            Acho que vamos continuar falando a mesma coisa, mas a fatura de bilhão, só chega depois que eles passam a ser as super estrelas.

          2. José Yoh

            E só porque eles sao super estrelas é que eles conseguem continuar jogando, já que um bilhao faz diferença. Um Alcaraz teria de ganhar uns 10 slams para começar a ter chance de ter acesso ao que eles tem.

            O de cima sobe e o de baixo desce, rs; As chances de quem ainda nao chegou lá ficam reduzidas.
            Abs

  35. MATEUS CALADO

    DALCIN BOM DIA PARABENS PELO TRBALHO , OQ UE VC ACHA QUE FALTA PARA OS JOGADORES PARA GANHAR DO BIG 3 , MAIS TATICA , CONFIANÇA, ACREDITAR NA VITORIA OU NADA ESSES 3 QUE SÃO MUITO ACIMA DA MEDIA .
    E VEJO PARA OS OUTROS TER CHANCE DE GANHAR OS GRANDES TORNEIOS SO QUANDO ESSES SE APOSENTAREM DAI VAI FICAR COMO O FEMININO TODOS VÃO TER CHANCE DE GANHAR

    1. José Nilton Dalcim

      Obrigado, Mateus. Acho que falta um pouco de tudo, mas o essencial é ter uma atitude mais positiva e acreditar. Não vejo uma distância técnica tão grande em alguns casos, em outros não há a dosagem física adequada. Claro que estamos falando em jogadores excepcionais e isso torna a tarefa sempre mais difícil.

      1. Valmir da Silva Batista

        JOSÉ NILTON DALCIM, outro dia você me encheu o saco porque grafei um comentário inteiro com letras maiúsculas, falando até em proibição por parte da casa. Por outro lado, nosso colega MATEUS CALADO, acima, se valeu do mesmo formato que eu, ou seja, você só não o lembrou que neste espaço não são permitidos comentários com letras maiúsculas, pelo fato dele ter lhe atribuído adjetivos tão derramados? Eu já acreditava numa perseguição sistemática à minha pessoa, nas dependências deste espaço, mas agora isto ficou ainda mais escancarado, em razão do uso de dois pesos e duas medidas, no que se refere a um único eixo da roda, a menos que eu não esteja enxergando direito o tamanho da letra utilizada no bom comentário do colega Mateus…

    2. SANDRO

      Do Roger FREGUÊSer a galerinha está ganhando fácil, visto que o FREGUÊser foi chutado de Wimbledon por Hurkacz com um belo pneu…

  36. SANDRO

    Agora DJOKOVIC está a UM GRAND SLAM na cola do NADAL… Essa disputa entre NADAL e DJOKOVIC pelo GOAT está fervendo!!! Há ainda muitas águas pra rolar nesse moinho do BIG 2…
    DJOKOVIC foi covardemente tratado como UM CRIMINOSO DE ALTA PERICULOSIDADE na AUSTRÁLIA, e até KYRGIOS o defendeu corajosamente desse absurdo ditatorial absolutista australiano!
    Este título de Wimbledon foi uma redenção a tudo que o Djokovic tem passado injustamente desde o ABSURDO que aconteceu na Austrália contra ele!
    Esta final de Wimbledon foi MAGNÍFICA e EMBLEMÁTICA e mostra como uma final pode ser definida nos MÍNIMOS DETALHES, nos ajustes finos…
    Parabéns a AMBOS os tenistas DJOKOVIC e KYRGIOS pelo JOGAÇO que eles me proporcionaram neste DOMINGÃO!!!
    Com certeza, esta foi a MELHOR FINAL DE WIMBLEDON que eu já vi, parabéns aos dois jogadores pelo ESPETÁCULO!!!

    1. Fernando Brack

      O absurdo que aconteceu na Austrália foi a burla criminosa que Djokovic tentou aplicar na lei e nas autoridades australianas. Deveria ter sido despachado de volta ao desembarcar lá, mas ganhou uma colher de chá da justiça local. Todos já entenderam isso faz tempo. Só vc segue repetindo sua baboseira negacionista e contaminada pelo fanatismo.

      E por seus comentários sobre a final, percebe-se que vc não sabe nada de tênis.

      1. Paulo Almeida

        Não foi a melhor final, mas foi um grande jogo sim, que poderia ter ido para o outro lado. Você também errou ao falar que foi ruim.

        A pior final dos últimos tempos foi Federer X Cilic; até o Anderson deu um calor no Djoko no terceiro set de 2018.

  37. Jeferson Soares

    Sou fã incondicional do Djokovic,sempre torço e torcerei por ele independente das questões extra quadra,feliz demais por mais uma conquista,ainda acho que Djoko termina como o maior vencedor de títulos de Grand Slam(se as questões extra quadra não atrapalhar principalmente).O big 3 é histórico temos que apreciar,e não ficar desmerecendo um a ou outro,como disse torço para o Djokovic mas uma pena Federer não tem quebrado e dificilmente vai quebrar o números de títulos gerais que é do Connors,estava na torcida por ele Federer nesta estatística.(Desde de que não fosse uma final contra o Djoko rs)
    Dalcim parabéns por essa cobertura impecável e os comentários sempre precisos,não comento quase mas sempre leio suas analises!Só uma curiosidade Dalcim,porque não colocou mais o link pra vermos os jogos igual nos anos anteriores,te proibiram?

    1. José Nilton Dalcim

      Não encontramos mais sites confiáveis, Jeferson. Todos com muitos links que poderiam ser maliciosos, então preferimos não usar mais. Abs!

    2. Aurélio Passos

      Rapaz…. ser “fã incondicional” de qualquer ser humano, ainda mais um que você não conheça pessoalmente, é um negócio esquisito viu… Nada recomendável… Enfim…

      1. Jeferson

        Rapaz aprenda a interpretar,fã incondicional no sentido esportivo,o atleta Djokovic,não o ser humano,como meu mesmo disse,não me importa a vida dele fora de quadra,por exemplo a polêmica da vacina,acho que deveria se vacinar mas concordo com julgamento que fizeram e fazem com ele,é um direito dele se vacinar ou não, sou fã incondicional do atleta não da pessoa.

        1. José Yoh

          Algumas coisas não dá para separar o atleta da pessoa, Jeferson. Por exemplo se for provado que um atleta usa doping, eu acho um bom motivo para não torcer para ele. Se ele mata alguém, idem.

          Piquet por exemplo, que eu admirava mais que Senna, caiu totalmente no meu conceito depois de algumas atitudes.

          Então acho que ser fã incondicional é algo bem perigoso. Vc pode estar declarando amor eterno à um criminoso. Não boto a mão no fogo por ninguém.
          Abs

  38. Marcelo-Jacaciry

    Saudações a todos/as do blog do renomado Dalcim!
    Semana passada foi perfeita com a vitória do Timão e a que inicia com o título do Djoko!
    Como o Dalcim disse, aguardemos o final de carreira pra cravar algo, por ora, só contemplemos.
    E sobre o USOpen-22 os favoritos serão Medvedev, Zverev e Nadal, sem ordem de favoritismo, pra mim. Quanto ao Djoko resigne-se, fez uma escolha e não poderá entrar nos EUA. Bola pra frente, quanto à Austrália, talvez haja uma possibilidade maior de poder jogar em janeiro.

  39. Sandra

    Dalcim, o Kyrgios n hora de receber o prêmio estava com o tal boné vermelho, ele vai ser multado ? E pirraça dele ou pirraça do patrocinador ? Que provavelmente deve pagar a multa casa haja

    1. SANDRO

      Ou quem sabe pra “errada” torcida das viúvas do Roger FREGUÊSer que a cada dia fica mais lá pra trás do BIG 2, Nadal e Djokovic…

    2. Fernando Brack

      Jesus! Como vcs devem ser infelizes. Seus favoritos ganham os torneios, mas vcs não conseguem esquecer e deixar de enxovalhar um tenista que nem em atividade está mais. Ô vida triste essa que vcs levam.

      1. Luiz Fernando

        Como eu disse Brack, postaram muitas baixarias na época das vacas da entressafra, agora a conta chegou, hora de pagar…

    3. Fabiano

      Kkkkk. Faz me rir. É claro quando o mestre não tá os súditos fazem a festa. Assim fica fácil.
      Responda com sinceridade. Será que eles ganhariam tudo isso com FEDERER na disputa? Pode ser que sim, mas pode ser que não. Então faça a festa mesmo contra esses pangarés.

      1. Paulo Sérgio

        Realidade:

        Federer contra Djoko: 1 final ganhou e perdeu 4 finais de slams e 3 dessas derrotas foram em Wimbledon.
        Federer contra Nadal: ganhou 3 finais e perdeu 6 finais de slams.

        Contra fatos…

        1. Sérgio Ribeiro

          Federer tirou Novak na Semi de Wimbledon 2012 por 3 x 1 , e além de levar o Caneco, interrompeu a sequência do Sérvio como N 1 . Onde está sua memória , caríssimo, LF 2 ? . Não sem antes acabar com uma invencibilidade de 42 partidas na Semi de RG 2011 . Lembras , “ confuso “ , LF 2 kkkkk. Abs!

  40. Carlos Reis

    Grande título do Djokovic! Um “negacionista” foi campeão, que coisa!? O melhor competidor deste esporte não confia cegamente na Medicina Moderna, o tempo é senhor da verdade e ele vai revelar que Djoko tinha razão o tempo todo. Prevejo muitos títulos ainda, já que garotada é fraca demais. Os únicos que jogaram pau a pau com o Djoko em Wimbledon nos últimos anos foram Nadal(2018) e Federer(2019), o craque suiço merecia inclusive ter vencido o torneio. O recorde era do Federer(20), passou a ser do Nadal(22), mas ao final das carreiras deve ficar como o Djokovic, quem sabe até o recorde geral, chegando a 25 GS ou mais.

    1. Maurício Luís *

      ” … o tempo é o senhor da verdade…” – Concordo. O tempo esfregou na cara dos negacionistas que as vacinas funcionam e não matam.

      1. Maurício Luís *

        Aliás… dos seus companheiros que sobreviveram. Porque muitos e muitos teimosos recusaram a vacina e não tiveram a mesma sorte da vossa prezada pessoa. Na minha cidade foram vários casos. Por isso tento me opor às suas tentativas de espalhar desinformação.

        1. GEAILTON

          E eu me oponho à sua. Pois não há consenso sobre o tema. O fato é que pessoss vacinadas e não vacinadas morreram, que a taxa mortalidade x casos nao era grande e que houve muitas reações “inexplicáveis”. Eu mesmo só peguei covid e fiquei mal após tomar a vacina…Negar isso é ter cérebro de melão

        1. Maurício Luís *

          Gerailton, pra diminuir radicalmente a mortalidade, as vacinas resolvem sim. Se não acredita em mim, consulte a fonte oficial que melhor lhe aprouver. E não me convenceu com seu exemplo isolado. O que conta é o que acontece no todo. E meu cérebro não é de melão, não. Peço um mínimo de respeito quando discordar dos outros

    2. Fernando Brack

      Segue a teimosia de alguns, que não se cansam de pregar contra as bem sucedidas vacinas. Ainda bem que são poucos os que dão trela pra essa estúpida e enganosa pregação.

  41. Gustavo

    Daniil Medvedev, número 1 do mundo, e Alexander Zverev, número 2, somados venceram um total de zero títulos em 2022.

    A nova geração são os filhos de Novak e Federer. Fomos enganados quando nos falaram que esses aí seriam a Next Gen.

    Kkkkkk

    1. Jonas

      O ranking tá assim porque o Djoko não pôde jogar na Austrália e em uma porrada de lugar.

      Fora que houve desconto de pontos etc etc…

      1. SANDRO

        Na verdade, quem liga pra ranking quando se acaba de conquistar um GRAND SLAM??? Pouco importa o ranking quando se está com a TAÇA DE WIMBLEDON nas mãos e a GRANA 💵, bufunfa, dindin 💰da premiação na conta!!!

        1. Jonas

          No caso do Djoko importa menos ainda. Já é o recordista de semanas, agora só quer vencer Slams e masters 1000.

          1. Sérgio Ribeiro

            Decestes da Kombi depois do negacionismo, mas voltastes com a corda toda não é mesmo caríssimo Jonaser ???? kkkkk. Abs!

          2. Jonas

            Na verdade eu critiquei bastante a decisão do sérvio, vc deve ter esquecido.

            Quanto ao ranking, Djokovic só terminou como número 1 ano passado devido a seu desempenho fora de série nos Grand Slams. Ele pulou vários torneios pós US Open e tá bem claro, pelo menos pra mim, ainda mais na situação atual, que o sérvio não focar em topo do ranking. Seu foco são os grandes títulos.

            A ATP até atualizou a lista, você viu?

        2. Maurício Luís *

          Se o seu ídolo teimoso antivacina não conseguir somar pontos pra se manter no Top 20, ficará fora do Finals. Aí sim quero ver você falar ” Quem liga pra ranking?”

          1. SANDRO

            Finals??? Um torneio comemorativo de final, tipo uma confraternização, um amigo oculto… Um torneio no qual um tenista pode perder 2 partidas e ainda se classificar em segundo lugar na chave e ainda ser campeão do torneio? Fala sério!!! O que é um Finals de confraternização de final de ano para quem tem 21 GRAND SLAMS e 38 MASTERS MIL na carreira??? O que é um Finals para quem é o atual Campeão de WIMBLEDON, do MASTERS MIL de ROMA e do MASTERS MIL de PARIS???

          2. José Nilton Dalcim

            Finals uma confraternização que vale 50% mais do que qualquer Masters? Para ganhar um Finals, é preciso ganhar de pelo menos três top 10, que sabe 4 ou normalmente 5. Um tenista pode ganhar um Slam sem enfrentar um top 20. Não vamos forçar a barra, Sandro.

      2. Rafael Azevedo

        E porque Nadal não jogou metade do ano passado. Caso contrário, com certeza, ele e Djoko estariam no top 2.

      3. Fernando Brack

        É errado dizer que Djoko não pode jogar na Austrália. A verdade nua e crua é que ele tomou uma decisão pessoal que o impediu de jogar lá. Ou seja, ele deliberadamente não quis jogar o AO.

    2. Sérgio Ribeiro

      Jura que és excelência mesmo ??? . Se sim está na hora de trocar a velha calça jeans 👖 kkkkkkk. Abs!

  42. Hemerson

    Wimbledon acabou. Ganhou o favorito inicial no masculino e no feminino ganhou uma pouco votada se tivesse sido feita uma enquete.
    Tivemos grandes jogos e esta grandeza está mais nos olhos do que na matemática dos eventos.
    Djokovic coroou sua precisão, dominio da tecnica , momento e algumas vezes contou com a sorte. Mas ninguem foi melhor do que ele m, portanto, mais do que merecido. Kyrgios foi uma bela surpresa um pouco arranhada pelo tie break muito ruim.
    Belo torneio do Sinner secundado pelo Taylor.
    Que venha o giro norte americano. Sorry…meus parabéns pelas matérias preciosas, paciencia e conhecimento!

    1. Luiz Fabriciano

      Realmente a sorte deu um pequeno sorriso ao sérvio, na execução de seu primeiro break-point, no segundo set, quando ao tocar a fita da rede, a bola caiu do outro lado. Não sabemos se ela voltasse, o australiano também não voltaria.

      1. SANDRO

        Realmente não vi nada de Wimbledon esvaziado, isso foi um grande blablabla… O que vi foram quadras lotadas, plateia empolgada e vibrante, isso sim!!! Slams são slams, como vc disse!!!

    2. SANDRO

      No tênis feminino, como sempre imprevisível, deu um resultado de quebrar as bancas de apostas… A grande maioria das pessoas apostavam que ONS JABEUR ganharia da Rybakina…

  43. Alexandre

    Dalcim,
    Por mais talentoso que seja o Kyrgios, ainda sim acho que ele é extremamente dependente do seu saque. Parece que tudo gira em torno desse fator. Depois que vi essa final, acho que dificilmente ele terá potencial para vencer um GS, a não ser que faça uma grande evolução no seu jogo.
    Abraços!!!

  44. Marcelo Costa

    Os pés do Sérvio, dos últimos tempos, foram os que melhor se moveram pela escorregadia grama de WB, como é prazeroso ver ele se movendo com extrema leveza conhecendo cada pedaço da quadra, ele colocou sobre seus pés todo o templo do tênis, todos os reais fãs do tênis e a imprensa especializda, a nós cabe apreciar o balé que ele nos proporciona. Aproveitemos para nos colocar aos pés daquele que flutua sobre a grama de forma magistral.
    Eu gostaria muito de ver uma africana vencendo na Europa, mas uma licença poética uma russa que escapou de proibição, venceu e convenceu, o que ainda é uma feliz ironia. A nota triste foram ambos pais das meninas, não poderem estar lá, devido a vistos, em tempos de russos em negativo destaque, o cosmonauta Gagarin que foi o primeiro a ver a terra do espaço, ele viu o azul da terra, sua forma esférica, pasme isso é importante, viu nuvens, oceanos, montanhas, mas não viu uma fronteira, uma divisa, um muro, um guarda que exigia passaporte, só o azul da esperança.

    1. Paulo F.

      Se ele fosse o bagre técnico como as terceiretes tanto alegam, jamais Djokovic conseguiria fazer o tanto que faz na grama.

      1. Carlo V. W.

        Mais um da Ala adolescente do Blog, falando sobre “terceiretes”, e qaue masca o seu “chicretes”!

  45. André Aguiar

    Especulando sobre o canto do cisne do Big 3.
    Federer ganhou o seu último GS com a idade de 36a5m. É certo supor que aquele AO 2018 foi de fato o seu canto do cisne.
    Nadal está agora com 36a2m e o
    Djoko com 35a2m.
    Se tomarmos como parâmetro a idade com que o suíço ganhou o seu último GS, o espanhol terá a sua derradeira chance no próximo USO, enquanto o sérvio teoricamente ainda teria chance no USO 22 e nos 4 Slams de 2023, após os quais, completará 36a3m. Desses 5 torneios, provavelmente ele só não poderá jogar o próximo USO, por conta da vacina. Suponho que será anistiado pelo governo da Austrália e jogará no próximo AO.
    Mas acredito que Nadal e Djoko, se livres de lesões, ainda possam ganhar 1 ou 2 GS após completarem 36a5m, já que, ao contrário do Federer, eles não têm a concorrência de dois adversários do Big 3 cinco ou seis anos mais jovens.
    Concorda com essa análise, Dalcim? E parabéns à equipe do site por mais uma ótima cobertura de Wimbledon.

    1. José Nilton Dalcim

      É muito difícil fazer essa avaliação, André, porque a medicina esportiva evoluiu absurdamente na última década. Imagine se Sampras, por exemplo, tivesse a sua disposição os recursos de hoje. Ele teria jogado mais cinco temporadas pelo menos. Então acho que é arriscado prever que Djokovic e até mesmo Nadal (que sofre com contusões com maior frequência) terão o mesmo prazo de eficiência do Federer, que já foi bem além da média ao continuar competitivo até os 38 anos pelo menos. Abração e obrigado!

  46. Paulo F.

    Daniel C. BT, lembrando uma dica tua, brindei com a dona da Bodega a vitória do Djokovic tomando um ótimo Susana Balbo Signature Malbec.

    1. Paulo Almeida

      Kkkkkkkkkkkkkkkkk

      Daniel BT ficou sem o vinho e sem o tal do beach tennis com a “galera”. Ou você acha que ele não ficou grudado na TV e deu vários socos na mesa com a conquista de DjokoGOAT?

      Nso sou muito de vinho, então comemorei tomando uma cerveja bock artesanal antes de almoçar um delicioso linguado com alcaparras.

      Abraço de campeão, confrade.

  47. Luiz Fabriciano

    Três GS no ano – tudo nas mãos do Big2.
    Where’s the NextGen?
    Me ajude SR a encontrar, please.

    1. Sérgio Ribeiro

      Como eu sei que pra ti , tudo e’ muito “ confuso “ , o N 1 e N 2 da ATP , não estavam em Wimbledon. Já USOPEN 2021 , AOPEN 2022 e RG 2002 , a Nova geração esteve presente na FINAL . Portanto somente perdem ( e vencem ) FINAL pro Big 3 ainda jogando muito. Ao contrário de Nick Kyrgios que já aos 27 , nada mostra pra incomodar quem quer que seja . Já sei que o comentário e’ muito arrogante para LF e LF 2 rsrs. Abs!

      1. Sérgio Ribeiro

        * Roland Garros 2022 na Final com Casper Rudd já que Novak caiu também para membro do Big 3 . Abs!

      2. Luiz Fabriciano

        Sabe tudo, SQN.
        O #1 e #2 estavam ausentes, por motivos diferentes de Wimbledon. Jamais chegaram lá perto de uma semi-final.
        O último NextGen numa final foi a recente de RG com Ruud, que se aventurou nessa fase pela primeira vez, mas nem o mais fã dele apostou alguns centavos nessa possibilidade. O decorrer do jogo e o resultado, vimos todos como foi.
        Jura que Medvedev é NextGen? Já que ele realmente participou das finais da Austrália e EUA ano passado.
        Estou falando de protagonismo.
        Enquanto uma chave contar com o Big2(3) a nova geração será uma geração que esperará a aposentadoria desses.

        1. Sérgio Ribeiro

          Cara como tu és chato. Devolves o Nick pro papai vai … Pela enésima vez a explicação está mais abaixo. Leia sem a tua costumeira preguiça. És mesmo muito confuso e arrogante a lá LF 1 kkkkkkk. Abs!

          1. Luiz Fabriciano

            Se há alguém aqui sem moral alguma para chamar outro de chato é você, além de não respeitar a opinião de ninguém, sempre querendo ser o dono da verdade.
            Agora inventou essa de nick… minha assinatura aqui é a mesma desde 1998.
            E para variar, quando os argumentos acabam, apela para o destrato. E eu é que sou o arrogante.
            Saudades do confrade Rafael.

          2. Luiz Fernando

            Meu caro, aqui vc monopoliza essas “virtudes” kkk. Vc chamando alguém de arrogas-te kkkk. Aqui é diversão garantida kkk!!!

          3. Sérgio Ribeiro

            Sem moral é um sujeito que diz que não gosta( ou odeia ) Suíço devido ao tal autógrafo negado . E foi com este Nick ou esquecestes também , caríssimo L. F 2 . Abs!

        2. Luiz Fabriciano

          Essa resposta é para o SR mais uma vez, na última sequência dessa conversa.
          Tu só pode estar sem seu remédio. É a única explicação.
          Nunca disse que odeio Federer;
          Nunca disse que já tive negado autógrafo dele. Aliás, nunca tive vontade de um.
          Nunca usei nick.
          Recomendo um auto exame de consciência.

          1. Luiz Fabriciano

            Yoh, Fritz foi o único a vencer um Big.
            Norrie disputou um Miami esvaziado.
            E estamos falando de predominância, não de eventualidades ainda.
            Até o momento do ano, tivemos 5 M1000:
            O grego defendeu seu título de M Carlo, Fritz desbancou Nadal na final de I Wells, Alcaraz levou 2 – Miami e Madrid, batendo em sequência Nadal, Djokovic e Zverev – uau! – e Djokovic faturou novamente Roma, dando pneu no grego, que vinha babando.
            Não sabemos como será o restante do ano, mas já poderemos antecipar que a parte americana deverá ver novo domínio dos novatos, já que Djokovic está praticamente decidido que não irá, bem como não se sabe o que fará ainda Nadal. Talvez Murray reapareça nas fases finais, já que está recuperando ranking e técnica novamente. Restará a parte asiática e Paris.
            Se esse cenário se consolidar para o ano seguinte, aí sim, começaremos a ver a transição.
            Tem pessoas que acham que eu nego a presença dessa turma. Eu apenas afirmo que ela não tomou conta ainda. Estamos na terceira geração pós Big4.
            No podcast do Dalcim ele fala claramente: de 2003 até domingo passado, só o Big4 venceu Wimbledon. É mole ou queres mais? rsss.
            Saudações.

          2. José Yoh

            Fabriciano, não é sobre a predominância de um ou outro jogador. É sobre resistência física durante o calendário.

            Se Nole e Nadal participassem de todos os M1000, não conseguiriam ganhar os slams pq não teriam físico para isso. E vice-versa: a nextgen também não ganha slams porque chegam sem condições para isso já que jogam até torneios 250 – precisam pagar as contas.
            Abs

        3. José Yoh

          Fabriciano e Sérgio, vou ficar em cima do muro.

          Se observarmos os M1000 e finals, veremos que já faz um tempo que eles são dominados pelos mais novos (até os magistrais Norrie, Hurcakz e Fritz já venceram). Só que isso tem um preço, já que eles não aguentam os 5 sets dos slams por causa do esforço nestes e outros torneios que eles são obrigados a participar.

          Se observarmos os slams, foram dominados pelos cachorrões, e um fator importante é que eles chegam fisicamente bem já que quase não jogam outros torneios.

          Tirem suas conclusões. A minha é um empate e acho que a nextgen poderia ter mais chances se tivesse mais recursos para recuperação física.
          Abs

    2. Marcelo Costa

      Tsonga, berdich, ferrer, gasquet, monfils, dimitrov, isner, raonic. Esse péssimo hábito de olhar o presente em detrimento do passado é desonesto.
      Todos esses venceram quais big títulos? Vão usar a desculpa da idade? Por favor, esses três são imensamente maiores que todos desde 2004, quando o suíço surgiu com tudo, e até o último deles parar, eles irão vencer como sempre fizeram, culpar essa geração é puramente incoerente.

      1. Luiz Fabriciano

        Marcelo, acho que não entendeste.
        Não culpo geração nenhuma, apenas lancei a isca e o peixe grande veio em cima na hora, para dizer que a nova geração ainda é promessa. O Big3 ainda é favorito em qualquer evento em que estiver presente.
        Vai deixar de ser? Vai, mas ainda é…

        1. Sérgio Ribeiro

          Errado : A nova Geração deixou de ser promessa há muito. Somente não esteve presente na FINAL desde WIMBLEDON 2019 , em RG 2020 quando Novak se intrometeu pra perder a Terceira ( em 3 ) e tomar Pneu de Nadal . No USOPEN 2021 o próprio foi varrido por MEDVEDEV. Acho que o “confuso” comentarista esqueceu quem era o oponente de Thiem na final do USOPEN 2020. Se somarmos todos os MASTERS 1000 e ATP FINALS ganhos desde 2015 por esta Nova geração, verás que acompanhas outro Esporte… Abs!

          1. Luiz Fabriciano

            Ok, o Sr. venceu.
            A nova geração assumiu.
            Só eu e o resto do mundo estamos vendo outro esporte.
            Nos desculpe, vamos sintonizar melhor nossas TV’s.

          2. Sérgio Ribeiro

            Tu e o resto do Mundo ??? . Acho que entendi pois seu “ mundo “ se resume a Turminha da Kombi. Que tal perguntares , como é de hábito, ao Amado Mestre, se ele concorda com estas sandices rsrs. Abs!

  48. Luiz Fabriciano

    E eu que achava que a secação em cima do Djokovic aqui era grande.
    Qual nada, é fichinha perto da que o Marcelo Mello fez ontem durante o jogo todo.
    Que ridículo aquilo.
    Vai ver a bolada durante as olimpíadas ainda dói.

    1. Robson

      Comecei o jogo assistindo no SporTV pq gosto demais do Eusébio e do Narck,mas na primeira intervenção desse duplista mineiro,mudei na hora pra ESPN.

      1. Sérgio Ribeiro

        Jura ??? . Mas por precaução o “ nobre “ Robson estava assistindo no Sítio ??? kkkkk. Abs!

    2. GEAILTON

      Tem uma torcida que é maior que a do Federer, do Nadal e do Djokovic, é a torcida contea o servio. Esta quase sempre termina chorando

  49. AKC

    Era difícil torcer para o Kyrgios, mas o 1o set deu esperanças. Jogou muito bem e prenunciou um ótimo jogo. Porém, no 2o set passou a só empurrar a bola para ver que acontecia, e o que aconteceu foi o óbvio: set para o sérvio. No 3o set, Kyrgios já deu sinais de descontrole emocional e após o game do 40×0 perdido, perdeu de vez a cabeça e o jogo. Um abismo entre o foco do sérvio e a birra do adolescente.

  50. Paulo F.

    Djokovic freguês da Nextgen….
    Kokkinakis derrotado.
    Sinner derrotado.
    Kyrgios derrotado.
    Djokovic campeão de Wimbledon de novo.

    1. Luiz Fabriciano

      Apesar do australiano não ser mais NextGen, é o único que ainda goza do hxh positivo.
      Talvez seja em função do hiato de 5 anos.

      1. Sérgio Ribeiro

        E ‘ pra isso que serve o h2h em Todos os Torneios, se prestasses a devida atenção, é sempre quebrado. John Isner tirar um 0 x 8 contra Sir Andy Murray ( dono da casa ) , é mais um exemplo digamos “ confuso “ rs . Abs!

        1. Luiz Fabriciano

          Quanta conversa inútil.
          Quando Djokovic superará o h2h negativo contra Andy Roddick então?
          Se o Big3 se aposentasse hoje, o sérvio teria o h2h positivo contra seus dois maiores rivais para sempre.
          Gostaria de saber onde essa sua frase se aplicaria depois disso.

          1. Sérgio Ribeiro

            Conversa inútil da onde ??? . Isner entrou em WIMBLEDON 2022 com 0 x 8 contra Murray. Numa grande partida venceu o dono da casa . O h2h no Circuito Profissional é derrubado todo torneio. Ganha aquele que está melhor no momento. Coisa que não sabes pois se prende ao que lê destes fanáticos . Federer sem perder pra Nadal desde 2015 fora do Saibro é o maior exemplo “ confuso “ comentarista kkkkkk. Abs!

          2. Luiz Fabriciano

            Ficou mais inútil ainda agora, depois de falar a mesma coisa novamente e não ter argumento para a questão levantada.
            O sabe-tudo deveria saber que h2h é critério para desempate no confronto direto.

    2. Robson

      Exatamente, Novak Djokovic campeão de Wimbledon de novo,pela quarta vez seguida.
      Onde nessas 4 finais estiveram; Federer,Anderson(que eliminou Federer na semi),Berrettini e Kyrgios.
      Novak ainda eliminou Nadal em uma dessas edições(2018) em um JOGAÇO.
      Isso tudo sem jogar torneios na grama pré Wimbledon.
      Simplesmente, Novak Djokovic!

      1. Sérgio Ribeiro

        Outra bobagem sem precedentes. Depois de não vencer nenhuma das três Finais que atingiu nos preparatórios, Novak optou em fugir das rápidas, e copiar Björn Borg que foi Pentacampeão em sequência ( Recorde que divide com Federer ) desde a década de 80 indo direto de RG para Wimbledon. Pode ser que o amigo ainda não tivesse o Sítio e sua turminha na época kkkkkk. Abs!

  51. Jonas

    Não achei a final morna e sim tensa, mais que a do ano passado. Kyrgios deve ter atualmente o melhor saque do circuito – Djoko já tinha afirmado isso – além do marginal ser MUITO mais jogador que o Berrettini. Fez 30 aces, e em momentos de pressão o cara discutia com box, torcida e metia um ace em seguida como se fosse nada. Sempre falei aqui, não gosto do Kyrgios, mas é um cara talentoso ao extremo.

    Agora, foi curioso assistir a análises prévias da final afirmando que Kyrgios poderia entrar na cabeça do Djoko por ter 2 x 0 no H2H, não ter perdido set e blá blá blá. Se esse pessoal fosse mais racional, iria perceber que o Djoko não foi o Djoko que conhecemos em 2017 e primeira metade de 2018, isso é óbvio. Chegou a perder pra Istomin, Taro Daniel e mais um monte de bagres no caminho. Encerrou a temporada 2017 mais cedo e começou 2018 daquele jeito…perdendo pra Chung no AO. Não acho Kyrgios um bagre, mas em condições normais, duvido que o sérvio seria dominado dessa forma. Enfim, creio que a final de ontem mostrou a real distância entre os dois e o próprio Kyrgios admitiu. Além disso, é Grand Slam, outro esporte, alguns aqui não entendem isso…

    1. Paulo F.

      Kyrgios tem um serviço absurdo realmente.
      Ele ganhou o primeiro set, mas achei que foi no quarto set que sacou melhor, menos no tie-break e acabou sendo decisivo.
      Possui uma técnica primorosa, mas lhe falta muita consistência e regularidade e com isso, é um desperdiçador de bolas tremendo, pifa e rifa demais.
      No primeiro set, nem parecia o Kyrgios que conhecemos, estava concentrado, focado e não ganhou esse set por acaso.
      Mas a partir do segundo… aquele Kyrgios falastrão e que acaba sempre chacoalhando a cabeça ao fim dos pontos, sendo aquele Kyrgios que não ganha nada.

      1. Luiz Fabriciano

        Incrível como o Kyrgios fechava o game, com um grande ponto e sai abanando a cabeça negativamente.

        1. Jonas

          E aquele 40-0 q ele perdeu no terceiro set sacando?

          Djokovic pelo contrário, brigou por cada ponto. Ficou só esperando o momento certo, além de não ter deixado o Kyrgios transformar a final em um circo, como fez o Mimipas.

      2. Sérgio Ribeiro

        Um dia teríamos que concordar em algo. Kyrgios caiu na Semi de Halle pra Hurkacz utilizando o mesmo método. Começa a falar sozinho e a não jogar nada , os ENFS aparecem aos montes pra alegria do oponente. Afirmou que pularia novamente TODA a Temporada de Saibro pelo seu amor a grama . Continua sem vencer um único torneio nesta superfície , e já aos 27 . Enquanto isso a grande maioria da Nova Geração que está no Top10 já levou o seu . Abs!

    2. Valmir da Silva Batista

      JONAS, vivo sempre batendo na mesma tecla e levando porrada da audiência não rodriguiana, ou seja, a maioria aqui o que mais sabe fazer é se pautar na parcialidade, para avaliar( ? ) o desempenho dos tenistas, mas ter discernimento que é bom, nada…

    3. Sérgio Ribeiro

      Sem essa de não era o mesmo Djokovic. Se h2h servisse pra alguma coisa Nadal não estaria desde 2013 com Novak e 2015 com Federer , sem vencê-los uma só vez fora do Saibro. Vence sempre quem está melhor . Exceto no Clube da Esquina dos fanáticos. Abs!

      1. Jonas

        Não era. Estava muito abaixo.

        Aconteceu algo assim com Nadal em 2015. Mas além disso o sérvio tinha uma lesão no cotovelo.

    4. Gildokson

      Pow Jonas, o Kyrgios não é mais jogador que o Berretini nem aqui nem na China, não se deixe levar pela habilidade do cara, falta um monte de coisas importantes ali, coisas essas que o mediano italiano tem a mais.
      Kyrgios muito dificilmente alcançaria a final de Wimbledon se não fosse o abdômen do Nadal.

      1. Jonas

        Pô, eu acho o Australiano mais tenista sim. Inclusive aquele título do sérvio ano passado foi bem tranquilo. Venceu o torneio jogando até um pouco abaixo, na minha opinião. Considero o título do ano passado um de seus menos parrudos rs…

        O problema do Kyrgios é esse mental de criança dele. Se ele fosse um atleta dedicado como o Djokovic é, seria top 5 com toda certeza.

        Você tira aquela bomba de Forehand do Berrettini e não sobra quase nada…depende muito desse golpe. O Kyrgios saca muito, voleia demais, tem ótimo slice e uma baita direita.

  52. Barocos

    Dalcim,

    Parabéns a você e à sua equipe pela cobertura, imparcialidade e qualidade das análises.

    A lamentar, a teimosia e ignorância do sérvio na questão das vacinas, mas preocupante mesmo é o clima que se estabeleceu no país, inclusive com incitação à violência. Que saudade da década de 80, quando o mundo parecia que iria entrar em uma era mais cordial!

    Saúde e paz.

    1. Valmir da Silva Batista

      BAROCOS, “saudade da década de 80” como sendo exemplo para que o mundo venha a ser mais cordial? Cê só pode estar de brincadeira, né? Em razão desse estudo de pretenso visionário, minha impressão é que você jamais pegou num livro de história na vida, ou sequer acompanhou as sequências da mesma via outros canais informativos, tão mais acessíveis hoje em dia. Por conta desse blá blá blá de paz e amor por você atribuído aos anos oitenta, mas que a bem da verdade não passa de love story para desavisados, eis alguns paradigmas oitentistas pra geral: guerra Afeganistão/ex União Soviética( 1979 – 1989 ); guerra Irã/Iraque( 1980 – 1988 ); guerra das Malvinas( abril a junho de 1982 ), sem falar nos desmandos políticos no Brasil, que acabaram numa sangria ditatorial que perdurou até 1985; à moda da casa, também tivemos o atentado a bomba no Riocentro, em 1981, patrocinado pelo Exército Brasileiro e pela Polícia Militar carioca, bem como o brutal assassinato do seringueiro, sindicalista e ativista político Chico Mendes, em 1988. E aí, seu BARROCO, continua achando que os anos oitenta foram exemplo de cordialidade para um futuro melhor? Quão maravilhosos foram, não?

      1. Barocos

        Sr. Valmir,

        Para a sua ciência, eu vivi estes anos, já que nasci nos agora longínquos anos 60.

        A década de 80 foi marcada, principalmente, pela melhora nas relações entres os EUA e a antiga URSS, muito em função da Glasnost and Perestroika, introduzida pelo lider russo Mikhail Gorbachev, acho que em 1985/86. Foi um período em que diversos acordos de controle de armas nucleares foram assinados e que culminou com os redução do arsenal nuclear das duas potências, já no início da década de 90. Existia uma esperança que o alinhamento do mundo entre as duas super-potências pudesse, finalmente, desaparecer. Em 1989, a grata surpresa da queda do Muro de Berlim, uma vergonhosa divisão fortificada que existia desde o final da 2ª Grande Guerra.

        Também marcou o término dos sombrios anos de regime militar no Brasil, da instauração de um governo civil e da promulgação da nova carta magna brasileira, a Constituição de 1988.

        Parecia que os regimes militares e ditaduras, de qualquer vertente que fossem, estavam com os dias contados nesto nosso lindo planetinha azul. Infelizmente, não foi o que aconteceu, ao menos não como eu imaginava então.

        Nem vou comendar sobre as músicas do período.

        Finalmente, permita-me repetir uma parte do texto que postei: “Que saudade da década de 80, quando o mundo parecia que iria entrar em uma era mais cordial!”. Eu não disse que eram anos cordiais, eu assinalei que parecia que iríamos entrar em uma nova era, mais cordial, no mundo.

        Saúde e paz.

        1. Manfredo

          Estamos em blog sobre tênis, mas vou me permitir usar uma analogia vinda do futebol:

          O craque dá um passe redondo e recebe uma bola quadrada, mas tem capacidade/qualidade para matar no peito, baixar para o gramado com elegância e seguir o jogo.

          Parabéns pela capacidade demonstrada em suas palavras e ideias, não se deixando abalar pela agressão gratuita.

          Uma pessoa pode não coadunar com as ideias de outro, mas a contraposição deve ser no mínimo educada…

        2. Valmir da Silva Batista

          BAROCOS, você tem tantos poucos bons exemplos quanto eu tenho uma infinidade de exemplos negativos, no que concerne aos famigerados anos oitenta. Creio que a sua amostra mais emblemático é o tal controle de armas, é tão respeitado e se configurou uma farsa tão exemplar, que as guerras ainda hoje são meios de diálogo alternativo, haja vista a contenda Rússia/Ucrânia recentemente e a guerra civil na Síria, que já dura quase uma década; comprometendo o tal acordo anti-armamentista, há também o fato de vários estados dos EUA não exigirem licença para portar armas, sendo que até menores de idade podem adquirir. Afora a queda do muro de Berlim, em 1989, e o advento da Perestroika, em meados da década de oitenta, seus exemplos de paz e amor para um futuro mais a contento, deram com os burros n’água, ou seja, mais de trinta anos se passaram e ainda continuamos mais anos oitenta do que nunca, não no seu livro de história, mas no meu…

        3. José Yoh

          … e infelizmente continuamos sem nenhuma esperança da cordialidade tão desejada.

          Veja só os exemplos aqui mesmo neste blog. Estão aqui muitos cidadãos bem estudados e mesmo assim parece um muro de pichações no centro da cidade.
          Abs

          1. Barocos

            Yoh,

            Verdade, mas temos que continuar tentando, mesmo que nossas contribuições sejam pequenas. Como consolo, existem as grandes contribuições de indivíduos excepcionais que, vez por outra, alcançam visibilidade e, se não conseguem mudar o mundo, ao menos trazem publicidade para os enormes problemas que temos, despertam a consciência sobre os mesmos em muitas pessoas e com isto abrem uma fresta, uma esperança de que um dia as coisas realmente mudem.

            Saúde e paz.

          2. Luiz Fabriciano

            Muro de pichações no centro da cidade é bondade.
            Parece que cada opinião contrária é motivo para ataque pessoal e distratos.

  53. Marcelo+Morais

    Dalcim, parabéns pelo empenho em trazer sempre ótimos textos…. sou leitor quase diário do blog e fiquei com uma dúvida? Tava lendo que o passaporte de vacinação é obrigatório para qualquer pessoa que deseja visitar os EUA, por isso Djoko provavelmente não poderá jogar lá, entretanto o presidente do Brasil visitou o país em junho… será que não é obrigatório para chefe de estado??? É curiosidade mesmo, não tem cunho político a dúvida.

    1. José Nilton Dalcim

      Efetivamente, alguns cargos devem ter isenção, Marcelo, mas realmente não conheço toda a legislação americana sobre o caso.

        1. lEvI sIlvA

          Caro Fabriciano, não sei se soube, mas a primeira dama brasileira causou estranheza ao se vacinar por lá, durante a visita aos EUA…
          Afinal, foi noticiado, ela tinha a disposição a vacina no estado de origem, por conta de sua faixa etária.
          Enfim, mais uma das muitas coisas inexplicáveis, desse país…!!!

          1. Luiz Fabriciano

            Realmente não sabia.
            Não costumo acompanhar a rotina dos nossos ilustríssimos Chefes de Estado.
            Valeu!

        2. Valmir da Silva Batista

          LUIZ FABRICIANO, o Jair é um idiota, um escroto que se acha presidente, e não é que ele não esteja vacinado, ele apenas o fez escondido, para não demonstrar incoerência política a seus adversários. Ou você acha que, ao cumprir sua agenda diplomática pelo mundo, ele está protegido pela eficácia da Cloroquina?

    2. Andre Borges

      Só você acredita que esse verme não se vacinou. Você acha que a carteira de vacinação dele tem 100 anos de sigilo, porque?

  54. Paulo Almeida

    O cracaço sérvio jogou demais. Sempre pressionado pelo saque absurdo do adversário, foi se mantendo no terceiro e no quarto sets até uma quebra eventual ou tiebreak, fora o 0-40 que salvou pra fechar o segundo. Que forca mental de Djokogênio! No final, venceu quem tem mais talento e recursos e que manda e desmanda na grama sagrada. Rei do piso e do Major inglês.

    Agora é torcer para os EUA liberarem a sua entrada no país, pois o USO precisa dele. O governo australiano já liberou a entrada de não-vacinados no país e os americanos precisam fazer o mesmo, já que a Covid virou uma questão endêmica há uns bons meses.

  55. Claudio+Bernardo

    Show Nole!!!! Mais um big big title. Ah muleke, tá fazendo uma galera aqui ficar louca. Kkkkk

    Bora falar sobre Goat. Abaixo a frieza dos números, sem emoção e com toda sua qualidade informativa, baseada numa métrica quantitativa para se definir o Goat. Vários aqui já devem conhecer este site abaixo.

    Goat list
    1 Novak Djokovic 987
    2 Roger Federer  930
    3 Rafael Nadal  885

    Fonte: https://www.ultimatetennisstatistics.com/goatList

    Para mim a briga está entre Novak e Rafa, ambos continuarão aumentando suas façanhas. Infelizmente, Roger não.

    Pois é, falemos sobre o BIG2.

    Adje!

  56. Heitor

    Parabéns para vc é toda a equipe pela cobertura e pelas análises.
    Acompanhar tênis aqui é indispensável.

    Parabéns ao Djoko e sua equipe – menos para as roupas da Jelena kkkk.

    Parabéns aos torcedores do Djoko!!

  57. Tadeu

    Dalcim, sobre uma possível isenção para o USOpen e o cenário futuro para o Australian Open (ainda que exista uma suspensão prévia de três anos)… O que de fato acha que vai ocorrer?

    1. José Nilton Dalcim

      Acho pouco provável que ele consiga jogar o US Open e tenho mais esperança que os protocolos caiam na Austrália e aí ele seja ‘perdoado’ desses três anos. Os australianos gostam muito do Djoko.

  58. Chetnik

    Será que o Frauderer vai twittar dando boas vindas ao Djoko no “Clube dos 21”? Ops!

    Dia de glória. Minha profecia de anos atrás se realizou hoje. Ambos os CO-GOATs passaram o Aposentado arrogante – Em GS. No todo já tinham passado faz tempo -, que virou um distante 3a e se aposentou levando um pneu na quadra central de WB. Justo. Mas eu já cansei de humilhar os zumbis. É bater em cachorro morto e a vida já bate demais nesses coitados.

    Entretanto, o ponto alto do fim de semana foi uma Russa ter vencido WB e humilhado o lixo hipócrita inglês. Uma das melhores histórias esportivas.

    É isso. O Djokogoat não deve jogar o USO – pela sua própria estupidez – tornando o torneio sem graça e deslegitimado. Com sorte joga o AUSO/23. Ano que vem eu volto para assombrar vocês mais um pouco. Como eu sempre disse, vocês nunca mais terão paz. Os CO-GOATs acabaram com a razão de vida de vocês.

    PS: Cadê o cara que atualiza semanalmente os “números realmente importantes do tênis”? Não sobrou nada para o Iman né? Que peninha. Uma década de arrogância, sempre repetindo as mesmas coisas. Não sobrou muita coisa para esses caras. Ano que vem o GOAT de WB toma mais um recorde dele na relva. Não vai sobrar nada.

    1. José Yoh

      Parabéns Chetnik, chegou o seu dia. Curta com uma boa picanha como fazia um companheiro do blog.

      Só lembre-se antes de passar e transmitir qualquer raiva que muitos aqui para o qual vc escreve nem aparecem mais, então fica a dúvida se vale a pena toda essa úlcera. E acredito que não era arrogância, era apenas uma forma de idolatrar sem querer ofender ninguém.

      Tá bom, às vezes cheirava a arrogância sim rs.

      Saúde e principalmente paz meu caro.
      Abs

    2. Ney

      Não sei porque as pessoas simplesmente não comentam sobre os tenistas e o tênis em si. Qual a necessidade de espezinhar os demais leitores?

  59. Denis

    Ótimo texto como sempre, Dalcim. Parabéns por mais uma excelente cobertura do torneio por parte de toda a equipe.
    Uma dúvida sobre o calendário do Djoko, nas condições de restrições atuais, ele poderia jogar algum dos torneios da fase asiática do circuito? Japão ou China estão permitindo a entrada sem estar vacinado?

    1. José Nilton Dalcim

      EU realmente não sei como anda a situação nesses países, Denis, mas o próprio Djokovic afirmou hoje que não pretende sair da Europa caso não consiga jogar na América do Norte.

  60. DANILO AFONSO

    Ronildo, finalmente você acertou uma previsão. O mais engraçado que essa era a única previsão que você não queria acertar…kkkk

  61. Gustavo M.

    Não vi a final inteira, mas o que eu vi achei morna. Atmosfera, atitude dos jogadores, pontos disputados, tudo. Não consegui sequer me envolver com o jogo. Decepção. Só não deve ter sido pior que a de RG, a qual não assisti, mas o placar e o vice sugerem que o jogo foi insuportável. Uma pena, pq o australiano prometia mais…

    1. Fernando Brack

      Jogo fraco mesmo. Kyrgios foi menos adversário que Philippousis. A julgar pela baliza dos djokovetes do blog, esse título não valeu nada. Aliás, em pontuação, não valeu nada mesmo.

        1. Gustavo M.

          Na conta dele né. Relevância nenhuma pra mais ninguém. Título de Grand Slam em termos. Sem todos os atletas do mundo, não dá pra chamar de “era aberta” né. Tem asterisco, sorry

  62. Rafael Azevedo

    Grande, Djokovic!
    Parabéns aos seus torcedores aqui do Blog.
    Espero poder rever um duelo contra o NADAL no USOpen.

  63. Alison+Cordeiro

    Parabéns novamente pela cobertura precisa e pelas análises afiadas, Dalcim. Acompanhar um Grand Slam aqui é sempre uma grande alegria.

    Sua descrição do jogo é perfeita. Durante os jogos desse torneio Djoko esteve sempre atuando como um grande enxadrista, lendo os movimentos dos adversários e atacando as fraquezas deles sem nenhuma piedade. Mostrou paciência, foi construindo ao longo das partidas o cenário perfeito para ressaltar suas virtudes. Creio que nessas condições apenas Nadal tem ferramentas em seu arsenal para combater o sérvio. Ainda assim, em Winbledon creio que teria tantas chances quanto o próprio Djoko diante do espanhol em Roland Garros. Poucas, mas se tratando deles, às vezes é o suficiente.

    Federer fica definitvamente para trás nessa disputa. O genial suiço tem grande responsabilidade na elevação do nível dos rivais, pois era o cara a ser batido, o dono dos recordes. Segue detendo vários ainda, mas o mais relevante deles fica para trás agora.

    Deve ser frustrante estar do outro lado da rede tentando achar uma forma de derrotar Nole, assim como torcer contra ele. O cara é de outro planeta.

      1. Sérgio Ribeiro

        Errado : O recorde de Semanas CONSECUTIVAS no Topo do Ranking com Nadal sendo o N 2 em 160 , é o mais difícil e pertence ao Craque Suíço . Novak aparece apenas em quarto lugar com 124 . Sem choro ! . Abs!

        1. Jonas

          Só não é mais importante, kkkk.

          Sérgio, Novak tem 4 títulos consecutivos em Wb, além do suíço ser TRIVICE pra ele na relva.

          Pergunta: com esses números incríveis já posso considerar o sérvio maior q o suíço na grama, não acha? Rs…

        2. Paulo F.

          As semanas TOTAIS são mais importantes e relevantes.
          Não adianta aplicar.
          Não adianta forçar.
          Não adianta inverter a realidade.

  64. maurício

    Boa noite, Dalcim, hoje em dia o que mais se percebe são análises de especialistas enviesadas mais pelas crenças pessoais e pela torcida de quem está analisando do que pela objetividade e imparcialidade, isso é em todas as áreas (esporte, política, economia). Também, não é uma crítica, mas apenas uma constatação do que estamos vivendo hoje em dia, onde as pessoas têm suas certezas e verdades e não admitem nenhuma empatia com o outro, está difícil. Por tudo isso, lê suas análises são recompensadoras, Dalcim, te acompanho a algum tempo e percebo como você não se deixa contaminar pelo ódio e pela segregação de ideias que prevalecem nos dias atuais, parabéns, de verdade. Vi a final de Wimbledon, achei que o sérvio conseguiu controlar as emoções de uma forma que ele não tinha feito no USOPEN de 2021, e isso é o que impressiona no Djoko, ele sempre consegui de uma derrota tira algum que ele vai usar para não cometer o mesmo erro, acho que isso explica em parte o grande sucesso dele. Dalcim, vc acha que nesta briga de GOAT a coisa tá ficando cada vez mais difícil para o Feder? e vc acha que há possibilidade reais do sérvio passa o suíço no número de trofeus em Wimbledon? confesso que ficaria muito triste se isso acontecer, um abraço e fica em paz.

    1. José Nilton Dalcim

      Obrigado pelas palavras, Maurício. Acho que na briga pelos títulos de Grand Slam, as chances do Federer estão muito reduzidas. Teremos sorte se ele ainda voltar a jogar num bom nível competitivo. Quanto a Wimbledon, ainda faltam dois títulos para Djoko superar o suíço e obviamente a idade vai pesar em algum momento. É possível que apareça algum tenista com os mesmos predicados do Djoko? Sim. Vejo Alcaraz um forte candidato.

  65. rafael

    Mestre, que belo resumo do jogo. Até porque foi uma super final. Os dois jogaram muito, mas, como sempre, o Big 3 parece ter uma marcha a mais. O Djoko se manteve focado o tempo inteiro e cometeu somente 17 erros não forçaods jogo frente a 46 winners!! Torço para que ele jogue o USOpen, pois essa obrigatoriedade vacinal é ridícula.
    Se o sérvio jogar, será favorito mestre?

    1. José Nilton Dalcim

      Acho que seria o favorito natural, mas na quadra dura o equilíbrio é muito maior. E isso o que tornará o US Open espetacular, caso o sérvio possa jogar.

  66. Filipe Mota

    Dalcim, quem é o GOAT? Com essa vitória depois de ter ficado detido na Austrália, além de ser o rei de Melbourne, é também o rei de Wimbledon. Mesmo Federer tendo um titulo a mais, Djoko derrotou o suíço em três finais em Winbledom. Uma pena não ter sido a final contra o Nadal. Acho que aí teríamos a exata noção da força mental do sérvio desde a derrota para o russo na final do Aberto americano. Mas foi um bom jogo. Bem melhor que a final de Roland Garros.

    1. José Nilton Dalcim

      Como eu digo repetidamente, Filipe, não dá para mudar de Goat a cada grande torneio. Aguardemos as carreiras terminarem.

    2. José Yoh

      Eis a pergunta do milhão.

      Só depende de quem está respondendo, é claro. Se eu quiser que seja Laver, será Laver e ninguém vai poder mudar minha opinião por mais argumentos (e números) que tenha. Cada um já tem as respostas na ponta da língua.
      Abs

  67. Cláudio

    Vida longa ao Federer, Nadal e Djoko. Uma ótima final com bons ingredientes de tensão e jogadas mágicas. O título é mais do que merecido ao lobo. Cada vez que algum torcedor profere palavras ruins a estes três, eu paro de ler. Gênios do esporte. Parabéns pela cobertura, Dalcim. Abraço

  68. Fernando Brack

    Que baita vencedor seria Nick Kyrgios se ele matraqueasse menos em quadra. Como alguém pode focar no jogo tagarelando com todo mundo sem parar?

      1. José Yoh

        Tênis é um jogo jogado com as pernas…

        Falta ao Kyrgios dois itens importantíssimos no tênis moderno: capacidade de defesa e consistência. Isso ficando só no aspecto físico. Creio que ele só tem chance em quadras rápidas mesmo. O que é uma raridade.
        Abs

        1. Luiz Fabriciano

          Seu complemento de comentário Yoh representa o conhecimento de quem realmente entende desse esporte: capacidade de defesa e consistência.
          Infelizmente, uns fanáticos chamam isso de “maratênis”.
          Quando vimos a final do US Open de 2011 entre o Big2, vimos o quão esses dois caras preenchem todos os cantos da quadra com suas incríveis capacidades defensivas, afinal de contas, do que adianta ser agressivo sem saber se defender?
          Até parece que um, ao ver o buraco aberto, jogaria a bola na mão do outro, simplesmente para manter o “maratênis” em alusão.
          Saudações Djokovicianas.

          1. José Yoh

            Pois é Fabriciano, por uma mera questao de gosto pessoal, muitos deixam de apreciar uma bela defesa. Em quase todos esportes já faz tempo que a defesa é mais importante do que o ataque (o quanto lamentei a copa de 82 e como comemorei 94).

            Já consistencia sempre foi o principal motivo de vitórias no esporte, independente da época.

            Em tempo, parabéns ao sérvio e a todos os nolistas do blog por mais esta conquista.
            Abs

          2. Gildokson

            Eles foram chamados de “maratenistas” muitas vezes por impor a capacidade defensiva muito acima da agressividade, diversas vezes venceram quem sempre foi mais agressivo que eles exatamente por causa disso. Mérito deles? Claro. Mas quem os chamava assim não estava mentindo. É lógico que com a oportunidade de um buraco do outro lado, se pudessem aproveitavam, mas muitos pontos importantes foram ganhos com erros provenientes do cansaço mental de quem ataca, ataca e sempre vê mais uma bola voltando.
            Abs!

  69. Jmsa

    Dalcim ,como disse Pete Sampras uma vez ,o segredo de Wimbledon não é o saque e sim a devolução,você concorda com isso ?excelente POST como sempre .

    1. Barocos

      Paulo,

      E segue o calvário de % de acertos do Ronildo, o mais confiável oráculo do blog!

      Ronildo, se você estiver lendo isto, não esqueça do meu pedido sobre a mega-sena! 😉

      Saúde e paz.

      1. Luiz Fabriciano

        E aí Ronildo, Djokovic venceu ontem com a imensa maioria da torcida ao seu lado.
        Não deveria ter perdido?

    1. Alessandro Siqueira

      Pai é quem cria e país é o que acolhe. Ela optou pelo Cazaquistão em razão da estrutura que lhe foi oferecida e considero que está tudo bem. Nossas escolhas nos definem muito mais que o local de nascimento.

      1. Luiz Fabriciano

        Perfeito!
        Imagine um filho adotado, por uma família que é exatamente o avesso de sua origem biológica. Qual deveria ser seu tratamento pela sociedade?

Comentários fechados.