Iga faz muito bem ao tênis
Por José Nilton Dalcim
4 de junho de 2022 às 18:37

É bem mais duro do que se imagina ser a grande favorita dentro de um torneio de tênis, e se for um Grand Slam isso dobra de tamanho. Iga Swiatek, no entanto, deu mínimos tropeções e confirmou o bicampeonato em Roland Garros da mesma maneira sóbria e competente com que assumiu o número 1 do ranking e embalou sua carreira.

Iga é um daqueles campeões que faz muito bem ao tênis. Não apenas tem excepcional qualidade técnica, mas também esbanja simpatia e se engaja em temas que estão além do esporte.

Desde a invasão russa, apoia a Ucrânia e levou o tema com sutileza e propriedade à cerimônia de premiação – que absurdamente escalou Mats Wilander e não uma grande tenista para entregar os troféus. Iga lamentou que a guerra ainda prossiga e prometeu só retirar a fita com as cores da Ucrânia quando a paz voltar. No ano passado, doou seu prêmio em Indian Wells à luta pela saúde mental dos atletas.

Dentro de quadra, substitui à altura Ashleigh Barty. Herdou a liderança quando a australiana inesperadamente se aposentou e tem honrado a posição com um tênis vistoso, agressivo e de muito empenho físico, o que obrigará de imediato suas concorrentes a subir de patamar. Isso é ótimo. Foram movimentos de tal porte com Martina Navratilova, Steffi Graf ou Serena Williams, para ficar em poucos exemplos, que mudaram para muito melhor o circuito feminino.

Swiatek estará nesta segunda-feira com o dobro dos pontos de sua mais direta adversária e tentará agora o desafio da grama. Com empenho, a polonesa adaptou pouco a pouco seu estilo para as quadras duras e obteve imenso sucesso nos últimos meses, com três títulos de peso. A grama no entanto exige novas aptidões e será interessante ver como ela fará a migração.

Gauff por sua vez deu mais um passo na jovem carreira e chegou a sua primeira final de Slam no piso menos conveniente a ela. Seu amadurecimento talvez seja mais lento do que se esperava – e que os norte-americanos tanto sonhavam -, mas me parece inevitável que Coco erguerá seu Slam, e não vai demorar muito. Quando acontecer, tende a se tornar uma real candidata ao topo do ranking.

Tal qual Iga, por quem mostra grande admiração, Gauff também não se furta em abordar temas como racismo, violência e política. Festejou ter completado o segundo grau de seus estudos em pleno Roland Garros e surpreendeu ao assinalar que o tênis não é a coisa mais importante do mundo.

Como se vê, a nova geração das meninas dá um banho de comprometimento com a carreira sem tirar os pés no chão.

Nadal tem tudo para mais um Slam
A menos que algum desconforto físico surja de forma muito imperiosa, Rafael Nadal entrará às 10 horas deste domingo na Philippe Chatrier com o mesmo favoritismo absoluto de Swiatek. Não se trata de desmerecer o norueguês Casper Ruud, apenas de constatar a distância técnica e de currículo abismal que os separa.

Rafa nem jogou seu melhor tênis nesta campanha, apesar da grande vitória sobre Novak Djokovic nas quartas. Ele ainda pode mais, porém é certo que o problema agravado do pé esquerdo e a tensão do momento o fizeram oscilar, ainda que não tenha jamais corrido real risco de derrota até agora.

Contra Ruud, um ótimo saibrista que depende demais do forehand, nem precisará de um saque espetacular. Provavelmente se preocupe em entrar nos pontos, trabalhar com paciência até abrir o buraco no lado esquerdo do adversário e aí iniciar o ataque. O espanhol é um excepcional estrategista e sua aplicação tática causa inveja.

Caberá ao norueguês apostar no seu físico mais inteiro e 13 anos mais jovem. Por isso seria essencial não deixar Rafa abrir grande distância no placar. Ruud possui um forehand que pode usar com sucesso, desde que consiga fugir para bater paralelas para tirar o espanhol do centro da quadra e aí definir no ângulo cruzado esquerdo, o ponto mais vulnerável do super campeão no saibro.

Novamente, a previsão de chuva na tarde de Paris deverá obrigar o fechamento do teto. Nadal reclamou da forte umidade que tornou a bola muito lenta contra Alexander Zverev, mas ainda assim eu daria 75% de chance de vermos o rei do saibro somar o 14º troféu em Roland Garros e o 22º de Slam.


Comentários
  1. Eduardo Augusto

    Que ridículo colocar uma foto de uma tenista e embaixo colocar NADAL CONQUISTA SEU 22º TÍTULO. Brasileiro(a) adora fazer piada com tudo mas só consegue externar seu mau-caratismo querendo dizer que um dois maiores gênios do esporte de tênis masculino é mulher. Deve ter sido algum ou alguma homoafetivo(a) querendo impor sua sexualidade a força nos outros.

  2. Luiz Fernando

    Conquistas de GS:
    1- Nadal 22
    2- Djoko e Federer 20
    3- Nadal em RG e Sampras 14

    Como os caras tão sofrendo kkkkkkkkkkkkkk!!!

  3. Luiz Fernando

    Como eu digo sempre, Rafa é um monstro faminto por vitórias, se ele não se sentisse competitivo ele pararia, mas o cara acaba de vencer um GS histórico, no qual apenas em RG ele iguala o número de conquistas do grande Sampras. E vence no local q segundo o Dalcim mais testa os jogadores, ou seja, só isso já mostra a estupidez e insensatez de quem posta isso. Rafa e Real Madri, que dupla!!! Vamos!!!

  4. Mauricio Bram

    WTA e sua sina de finais pífias de GSs. E saber que a GAUF vai ganhar a mesma premiação em $$$ que o RUUD, que vai enfrentar (e perder, claro) “só” o maior do saibro e um dos maiores de todos os tempos…

  5. Paulo Sérgio

    Dalcim, se Nadal desistir, você não vê Wimbledon de novo esvaziado? Djokovic é o favorito. Federer está semi-aposentado. Nadal, embora não seja favorito, está sempre chegando na segunda semana, belisca uma semi e às vezes até alguma final. Embalado como está e já em modo despedida, Nadal poderia querer aprontar por lá. Sem ele, Djokovic vai nadar de braçada sozinho, como em 2021, que teve um dos Wimbledon mais sem graça da história. Qual sua opinião sobre Wimbledon em 2022?

    1. José Nilton Dalcim

      Acho que é um pouco cedo para avaliarmos o quadro para Wimbledon, mas é certo que Djokovic entrará como favorito, e isso aconteceria com ou sem Nadal e Zverev. Há pouca gente neste momento que parece capacitada para desafiá-lo. Estilos de Tsitsipas e Alcaraz e a boa fase de Cilic seriam alternativas. Mas precisamos ver o que acontece nesses preparatórios. De repente, Berrettini volta muito firme.

  6. Efraim Oliveira

    Creio que o Fernando Barack, mesmo à contra gosto dele, no fundo torcerá pra Nadal ganhar o 14⁰ Roland Garros.

    Quando a Gauff tiver mais tenacidade muscular e uma melhor leitura do jogo aí o tênis feminino terá um grande clássico: o Igauff. Se isso se confirmar acho que esse clássico será o maior do tênis em geral, haja visto que no masculino não há previsão de um grande clássico à curto prazo. Temos aí o Alcaraz despontando, mas quem seria seu grande rival?

  7. Marcelo

    Muito bom Dalcim !!!
    Grande análise .
    Iga deverá dominar por muitos anos ainda.
    Sem desmerecer o Norueguês, mas ele contou com a sorte na chave, vc não acha Dalcim ?. Porém não deixa de ser perigoso .
    Abraço.

    1. José Nilton Dalcim

      A parte inferior da chave era bem mais equilibrada, Marcelo, embora certamente Tsitsipas fosse o nome mais esperado.

    2. José Nilton Dalcim

      A parte inferior da chave era bem mais equilibrada, Marcelo, embora certamente Tsitsipas fosse o nome mais esperado.

  8. Carlovic V. W.

    Aparte a uma contusao do Nadal, nao consigo sequer visualizar outro resultado que nao 3×0 para o Nadal hoje.

    Dalcim, seria Nadal o maior estrategista que o tênis masculino jà viu dentro dss quadras?

    Outros nomes se equiparam?

  9. Emerson

    Boa noite, Dalcim!
    Uma pena a Ashleigh Barty não estar mais no circuito pra ver uma disputa digna de grandes campeãs com a Iga.
    A Barty é uma jogadora inteligentíssima. Sabe muito bem buscar a variação que machuca a adversária. Não tem música de uma nota só com ela!
    A Iga está uns 2 degraus acima das outras, assim com a Barty estava.
    É muito estranho ver alguém perder a motivação no auge de uma carreira, mas ela tem todo direto (e dinheiro suficiente) pra buscar outras carreiras que a mantenham motivada.
    Numa situação (infelizmente) hipotética, você acha que a Barty estaria nesse nível da Iga para fazer frente?

    Abraços e parabéns pelos textos excelentes!

  10. Heitor

    A expressão de 🇵🇱IGA SWIATEK ao ver que 🇵🇱Robert Lewandowski estava presente na final de Roland Garros diz muito sobre quem é Iga.

  11. Juscelino Júnior

    Dalcim, mais uma estatística fantástica do Nadal e que mostra a consistência do fenômeno espanhol: Nadal se tornou o primeiro tenista com mais de dez temporadas diferentes disputando finais de Slam.
    Disputou 2 finais em 2006, 2007, 2008, 2012, 2013, 2014 e 2022.
    Disputou 3 finais em 2010, 2011, 2017 e 2019.

  12. Arthur

    Nadal só perde essa se tiver um ataque epiléptico no meio do jogo.
    Se for antes do jogo, ele ainda consegue se recuperar a tempo e ganha mesmo que esteja com o pé quebrado.

  13. Heitor

    Geral pedindo pra Iga responder o Carlitos dessa vez. É a 6a vez que o garoto tenta no ano e nunca recebeu sequer um mero oi de volta.

    Ela só vai responder depois que ele ganhar um Grand Slam. kkkkKkk

  14. SANDRO

    Dalcim e amigos do blog, essa final feminina foi mais fácil do que um jogo de PRIMEIRA RODADA, por méritos totais da FENOMENAL IGA!!! Realmente foi uma pena ONS JABEUR ter sido eliminada no susto logo de cara, pois, pra mim, a final ideal seria IGA SWIATEK X ONS JABEUR!!!

  15. José Alves

    Parabéns pelo texto Dalcim! Análises impecáveis!! Leio sempre o seu blog e estou aguardando a epopéia que escreverá amanhã para descrever a vitória do touro! Abraço!

  16. SANDRO

    IGA é discípula confessa de NADAL… Imaginem só a felicidade da “JOVEM FENÔMENO” se ela e seu MESTRE NADAL forem campeões juntos em ROLAND GARROS 2022… IGA já fez a parte dela, só falta NADAL completar “A FESTA”!!!

  17. Israel

    Revendo os comentários da matéria não tem como não lembrar de uma certa lenda do tênis, também do famigerado leste europeu. Pois é, se fosse uma Badosa, ou Osaka estava todo mundo babando o ovo da fulana. Mas não, é só mais uma jogadora de tenis do leste europeu. Ganhou? Ah, tá bom… Peraí, ela ganhou 35 partidas invicta! Ah, mas o tenis feminino é muito fraco… Quando Alcaraz ganhou um único master mil em cima de uma Nadal lesionado e de um Djokovic retornando de longa inatividade (por ser do leste europeu e não ter direito a escolha), foi uma babação sem fim. Mas peraí gente! A Iga infileirou 4 master mil em sequência, mais um Slan… Pois é, né? Tenis feminino não tem a menor graça… Olha que estamos no Brasil, terrra de gente arrasada que não tem um jogador (ou jogadora) que tenha a menor chance de competir no nível dessa menina! Mas é fácil chutar o balde. O bom é o suiço aposentado, o espanhol… qualquer um menos esse pessoal do leste europeu.

    1. SANDRO

      Concordo contigo em relação a um certo preconceito contra o Djokovic por ser Sérvio e que pode se repetir contra a Iga por ser polonesa…
      Aliás, na Austrália…
      A tcheca Renata Voracova, traumatizada, declarou que perdeu sua vontade de jogar tênis desde o desembarque em Praga no dia 10 de Janeiro de 2022: “Não estou pensando em tênis. Ainda estou acordando do choque, ainda não processei. Estou exausta. Não esperava isso no sonho mais sombrio, foi demais”, desabafou Voracova, que admitiu chorar durante o interrogatório depois de ter sido detida.
      “Estava preocupada. Não me senti segura até voltar para casa, nada me parecia certo. Era como se eu estivesse assistindo a um filme, com um longo interrogatório com instruções como ‘tire a roupa’, ‘vista-se’. Eu nem quero pensar nisso, muito menos viver isso de novo”.
      Voracova afirmou que exigirá uma compensação financeira por danos morais e danos financeiros depois de ser detida em Melbourne sob os mesmos motivos de visto que o do Djokovic na semana passada: “Só a passagem aérea custou 60.000 coroas checas (15.500 reais) e meu técnico viajou comigo. Depois há todo esse tempo, hotéis, treinos para o Grand Slam, o potencial prêmio em dinheiro…”, afirmou Voracova, em entrevista ao jornal Denik, que se não for indenizada, entrará na justiça para buscar compensação pelos vários danos sofridos!!!
      Voracova e Djokovic foram tratados pelo governo absolutista australiano como inimigos do estado, contrabandistas, traficantes etc… E não como tenistas profissionais que foram à Austrália para exercer seu ganha-pão que é o Tênis!!! Voracova e Djokovic foram tratados por racistas étnicos como cidadãos de segunda classe da forma mais baixa possível!!! As decisões na Austrália contra,Djokovic e Voracova foram tomadas por criminosos políticos que não respeitam as liberdades de expressão, de crença filosófica, de escolha a qual tipo de Medicina e tratamento a ser submetido!!!
      Djokovic sempre foi caridoso com a Austrália e ajudou com várias doações, além disso, há mais de uma década é o maior garoto propaganda do Austrália Open com seus nove títulos conquistados. Djokovic, nesses anos todos, só pois a Austrália em evidência no cenário mundial e foi tratado como um pária desconhecido???

    2. Carlovic V. W.

      ????
      O ùnico do Leste europeu que boa parte aqui nao gosta, possui esse “anti carisma” devido as açôes extra quadra, ja que quanfo entra em quadra Djokovic è sensacional.

      Tambem aparte a alguns que defendem a criminalizacao de origem com a justificativa da gueera, nunca li mais nada aqui no blog que pudesse indicar umadiscriminaçao de ninguem aqui por se de origem A ou B.

      Felizmente!

      Entao, nao compreendo como tiraste tal conclusao

      Nos corrija se estiver errado, por favor.

    1. SANDRO

      Todas as finais que o FREGUÊSer fez contra o Djokovic lá ele perdeu… É realmente triste não ter um freguês nato em Wimbledon…

      1. Carlov V. W.

        Um psycho-killer como o Manìaco do Parque talvez tenha dado fim a menos de uma dezena de vidas (as quais lamentanos muito). Quantas pessoas morreram no mundo em consequência da fè cega num ìdolo que não vacinou. Talvez 100? Ou se aproxima de mil?

        Agora imagine q o tal que eu citei (o primeiro) fosse um excelente professor: podeeia atè ser o melho professor do mundo, que nao adianta. Mao vamos gostar do Paycho-killer que matou 10.

        Entao porque gostariamos do outro psyxho-killer que indiretamente matou 100 (ou mil)??? Mesmo que o cara fsse o melhor tenista do mundo, nao daria para torcer para ele.

        Maa se alguem nao enxerga isso, talvez alem de torcer para um lunatico, tb contrate o maniaco para ser professor.

        Alias, se alguem considera fechar os olhos para o segundo um comportamento normal, tb ache o comportamento do primeiro normal.

        Que medo!!!

      2. JAN DIAS

        O h2h entre eles é de 4 vitórias a mais pro sérvio em 20 anos de tênis. Aonde isso é freguesia ???

  18. JAN DIAS

    IGA conseguiu unir o alto nível técnico com a regularidade, algo raro no tênis feminino.
    Ela tem que aproveitar mesmo, e as outras vão ter que correr atrás..
    Gostaria muito de ver uma partida entre ela e a OSAKA…

      1. JAN DIAS

        Eu chutaria um 6-2, 6-2, mas na verdade eu queria vê-las jogar no piso duro (esqueci de escrever no post) …

  19. JAN DIAS

    É incrível como tudo favorece o NADAL em RG, como bem disse um colega aqui do blog, deve ter “uma cabeça de touro 🐮 enterrada nesse saibro”…kk

    1. SANDRO

      Será que vc quer justificar a freguesia do Roger FREGUÊSer para NADAL através deste misticismo supersticioso???

  20. Groff

    Minha crença num eventual título do Ruud é tão verdadeira quanto as alegações de fraude nas urnas proferidas desde sempre pelo inominável que ocupa a cadeira no Planalto atualmente, mas achei muito interessante a entrevista serena (opa!) do nórdico ao final do confronto da semi. Pode vir a ser um jogão.

  21. Gustavo

    Estimado Dalcim. Kafelnikov já avisou ha 6 dias, se alguém pode parar Nadal é o Ruud. Se o Ruud colocar na cabeça dele que ele é capaz de trocar 100 balões com seguidos com oNadal, o bicho vai pegar.

    1. José Nilton Dalcim

      Acho que o Kafelnikov havia tomado muitas vodkas antes de tal profecia. Em condições normais, duvido muito.

  22. Luiz Fernando

    Essa possibilidade de teto assim ou assado se assemelha a do jg noturno contra o Djoko q favoreceria o servio, Rafa tem q entrar em quadra e jogar, se for melhor ganha o numero 14, se for inferior parabéns ao Ruud…

  23. Periferia

    Parabéns a Iga…uma jovem que se coloca politicamente independente do momento…não basta ser um campeão… é necessário algo mais…ela tem.

    Parabéns a Gauff que pela primeira vez chegou numa final de Slam…com muito a melhorar…e com um futuro imenso pela frente.

    Não faltou carisma na final de hoje…as duas comprovam que o esporte não é uma ilha…longe dos problemas sócias…

    Sigamos

  24. Lott Alves de Brito

    Contamos com o Nadal 75% fisico e ai será certo a vitória, em 3sets se passar de 3 horas tende a Gasper Ruud, a ganhar o jogo

  25. Jonas

    Iga é um monstrinho, representante à altura do tênis feminino. Vai ganhar muito ainda, merece.

    Dalcim, concordo contigo, não achei que Nadal foi espetacular nem nas QF contra Djokovic (que fez um jogo fraco). Mas o espanhol merece o 22º Slam. Nem torço por ele, mas seria de doer os olhos ver o fraco Ruud levantar a taça.

    Tem mais, acho que o espanhol deve se aposentar amanhã. Melhor assim, parar por cima. Vai encerrar a carreira tendo vencido em sequência AO e RG. Melhor impossível.

    Nadal parando com 22 Dalcim, ainda vejo Djoko vencendo ao menos uns 2 ou 3 Slams, o que acha?

      1. Jonas

        Esse aí só volta quando o Federer perder de novo ou se aposentar, kkk. Sumiu mesmo.

        Eu ainda acompanho algumas postagens e discussões. Dou boas risadas, kkkk.

        Rapaz, e olha o Nadal hein, quem diria, o homem vai chegar a 22 Grand Slams. A briga pelo GOAT tá interessante, embora o Djoko tenha dado aquela força quando decidiu não se vacinar, jogou um AO no lixo. Mas é isso, melhor ver o Nadal levantar a taça amanhã do que o limitado Ruud, que só leva essa se o Nadal entrar manco em quadra.

    1. SANDRO

      Fraco RUUD??? Ninguém chega à grande final de Roland Garros sendo fraco… Ruud teve uma trajetória árdua até a final e ultrapassou cada obstáculo com méritos!
      Pra mim, seria interessante ver NADAL levantar a DÉCIMA QUARTA taça em Roland Garros, mas para isso não preciso desmerecer o Ruud…

      1. Jonas

        Não acho que tem nível pra vencer um torneio de Grand Slam. Chegou a essa final jogando menos que Djoko e Zverev, por uma questão de chaveamento.

        Ele pode vencer caso o Nadal entre muito abaixo fisicamente, o que é possível pelo tanto que o espanhol ficou em quadra.

Comentários fechados.