Por um triz
Por José Nilton Dalcim
25 de maio de 2022 às 19:57

Faltou muito pouco, na verdade um único ponto, para que Roland Garros perdesse num dia só e ainda na segunda rodada dois dos considerados nomes fortes da chave masculina. Tanto Alexander Zverev como Carlos Alcaraz tiveram de contar até com a sorte para escapar do match-point que encararam em duríssimas batalhas de cinco sets. O quanto isso comprometerá o físico ou ajudará na confiança, teremos de esperar para ver.

Era imaginável que Sascha encontrasse resistência diante do baixinho Sebastian Baez, apesar da parca experiência do argentino em Grand Slam, já que o recente duelo entre eles em Roma fora parelho. Porém o cabeça 3 se incomodou também com as rajadas de vento e acabou amplamente dominado. Baez pecou a meu ver por não ter insistido no plano tático inicial de alongar os golpes no forehand do adversário e mesclar com curtas. Assim que Zverev achou um padrão, soltou os golpes da base, calibrou o saque e aí o jogo foi ao quinto set.

Só então Baez retomou a estratégia, abriu 4/2 e aí jogou mal. Teria sua chance de vitória no 30-40 do 5/4, mas Zverev estava no saque, cravou ace e isso mudou sua postura. Não resta dúvida que o fato de ter vencido 7 de 8 jogos anteriores no quinto set em Roland Garros ajudou. A marca geral do alemão aliás é expressiva, com 17 de 27 na carreira. Agora, já são três reações após estar dois sets abaixo. Muito pouco provável que tenha o mesmo suadouro diante de Brandon Nakashima na sexta-feira.

O sufoco de Alcaraz, no entanto, me surpreendeu. O canhoto Albert Ramos é muito experiente, ganhou de gente como Federer, Murray e Thiem, mas a forma com que Alcaraz atuou no primeiro set e somava oportunidades no segundo abriam uma considerável lacuna técnica. No entanto o pupilo de Juan Carlos Ferrero fazia escolhas ruins e, mesmo tendo 4-2 no tiebreak, viu tudo se transformar. Ramos ganhou esse set e ficou perigoso. Usou seu ótimo forehand de canhoto para forçar o lado esquerdo do adversário, sempre mais frágil, e o jogo virou uma maratona de lances e emoções para delírio da torcida.

Alcaraz sempre assumiu os riscos – terminou o jogo com 74 winners e 74 erros – e a maior lentidão de Paris, como era esperado, gerava problemas para seu estilo. Ramos sacou então com 5/4, chegou ao match-point, errou o primeiro saque por míseros centímetros e mandou um backhand bobo no meio da rede logo na segunda bola. A correria somente continuou. Alcaraz ainda fechou o quarto set na quarta tentativa e viu o adversário abrir 3/0 no quinto set. Lutou muito, virou para 4/3 num lance espetacular, perdeu o saque e voltou a quebrar em outra sucessão de defesas enlouquecedoras. Disparou três gloriosos aces para completar a duríssima tarefa, confessando-se exausto.

Ao contrário de Zverev, o garoto espanhol não pode relaxar na terceira rodada, já que reencontra Sebastian Korda, que jogou muito e o barrou de forma muito inesperada no lento saibro de Monte Carlo semanas atrás.

Os favoritos trabalham mais – Novak Djokovic e Rafael Nadal não correram o menor risco, mas tiveram ao menos um set exigente em suas vitórias de segunda rodada. Nole levou com a maior seriedade a tarefa diante do canhoto Alex Molcan, que se sabia ter poucos recursos para incomodar, mas foi levado ao tiebreak no terceiro set por um adversário mais decidido. Nadal também encarou um canhoto e a torcida, marcando a 300ª vitória em Slam. Corentin Moutet só mostrou força de vontade, apesar de um terceiro set animado. Há mínimas chances para Aljaz Bedene frente a Djoko na sexta-feira, mas Botic van de Zandschulp joga direitinho e vai exigir concentração de Rafa.

Altos e baixos – Felix Aliassime aproveitou-se da fragilidade do argentino Ugo Carabelli, disparou 41 winners e ainda ganhou 28 de 34 pontos na rede. Tem agora Filip Krajinovic rumo ao esperado cruzamento com Nadal nas oitavas. Carabelli, que venceu a duras penas Aslan Karatsev na estreia, contou ter desmaiado no quarto de hotel frente ao estresse e que foi socorrido pelo treinador. Destaque ainda para John Isner. Fez 51 winners, entre eles 23 aces, está pela oitava vez na terceira rodada de Paris e pega a surpresa Bernabe Zapata, que tirou Taylor Fritz de virada.

Peque também vira – A façanha de Diego Schwartzman acabou meio esquecida frente ao dia agitado dos favoritos. Ele também perdia por dois sets de Jaume Munar antes de engatar triplo 6/2 e anotar a quinta vitória em cinco sets em Roland Garros em sete tentativas. Vai pegar Grigor Dimitrov, que está voando e venceu seus seis sets até agora com muita autoridade. Promete.

Bia não sai feliz – Apesar de não ter sofrido derrota feia, Bia Haddad ficou insatisfeita com sua atuação diante do fogo cruzado de Kaia Kanepi. A situação poderia ser outra caso a canhota brasileira aproveitasse os quatro break-points que deixou escapar no começo da partida em dois games distintos. Isso fez enorme diferença, até porque a estoniana é ainda mais perigosa quando se torna confiante e joga solta. Na entrevista, Bia voltou a falar que precisa jogar mais feliz e curtir o momento. Acho que é exatamente isso que está faltando. A auto cobrança talvez esteja alta demais.

Sem top 10… – Maria Sakkari se torna a quinta top 10 eliminada de Roland Garros, e todas na parte inferior da chave. Que loucura. Isso obviamente abre caminho para gente que está querendo reagir, como Belinda Bencic, Vika Azarenka, Leilah Fernandez. Angie Kerber e Sloane Stephens, mas também para sedentas por sucesso como Coco Gauff, Amanda Anisimova e Jil Teichmann. Há dois confrontos que me chamam mais atenção: Bencic-Fernandez, cuja vencedora pode cruzar com Anisimova, e Azarenka-Teichman, com chance de encarar Gauff nas quartas. Apesar das zebras, continua interessante.

… E sem Emma – E houve uma comoção talvez um tanto exagerada pela queda de Emma Raducanu ainda na segunda rodada. Ela até venceu o set inicial, mas depois parou no estilo de risco de Aliaksandra Sasnovich. O fato é que a britânica jogou muito pouco no saibro em sua curtíssima carreira e assim as críticas desta vez me parecem deslocadas. Está faltando confiança, isso no entanto fica cristalino. E pressão é o que não vai faltar nos seus torneios na grama caseira.


Comentários
  1. Sandra

    Dalcim , que roupa e aquela da ostapenko? Qual é a marca esportiva que patrocina ela ? Tá bem gordinha ! Será que está grávida ? rsss

      1. Luiz Fabriciano

        Falando nisso, deve ser o mesmo do adversário do Tsitsipas ontem.
        A marca da roupa dele é ZK, será só coincidência?
        Jamais vi essa marca com outro tenista.

  2. Luiz Fabriciano

    Mestre Dalcim, não já está na hora da Iga ser estudada? Rsss.

    Agora, na contra-mão desse fato, se a Raducanu tivesse perdido na primeira rodada do US Open, após sair do quali, como seria um fato normal, talvez hoje ninguém aqui soubesse sequer o seu nome.

  3. Luis

    Que jogaço do Alcaraz! Soh vi os últimos dois sets mas teve de tudo: Foi emocionante, disputadíssimo ponto a ponto e com golpes espetaculares. Coitado do Vinolas, jogou muuito. Eu se fosse o técnico dele deixava o cara 5 horas por dia na rede por um ano depois desse jogo.
    Fiquei impressionado com a cabeça boa do Carlitos, sem paralelo para a sua idade hoje. Dalcim, o que você acha que ele poderia evoluir ainda? Slice?
    Top top top

    1. José Nilton Dalcim

      Ah, há espaço para melhorar tudo. Acho que o saque principalmente e o backhand também precisará de mais consistência.

  4. Rodrigo S. Cruz

    Esse Ramos ” Vitrolas” de vez em quando apronta das dele, viu…

    Incrível ele quase ter eliminado a sensação Alcaraz.

    O que só mostra que esse último é um ganhador nato, e até nas situações mais adversas ele acha um caminho…

  5. Luiz Fernando

    Olha, aqui no blog existem rusgas, algo inevitável pelas diferentes torcidas, mas comparado ao q vejo nos comentários das matérias vivemos num oásis de tranquilidade. Tomara q algumas pessoas sigam frequentando apenas aquele espaço…
    PS: claro q a moderação dos comentários também contribui p isso!

    1. Ronildo

      Mas do que é feita esta raquete? Ela sequer levantou o braço para jogar com mais força e depois de tocar no chão a raquete ricocheteou mais que uma bolinha de tênis!

  6. Thierry

    Vejo Holger Rune com 23/24 como um top 5 no circuito, da pra ver que ele tem mto teto pra melhorias no seu jogo, porém é mto maduro nas tomadas de decisão. O que você acha desse jogador Dalcim???

    1. José Nilton Dalcim

      Gosto muito dele. Acho que já deu uma amadurecida em termos emocionais e está com golpes consistentes. E joga bem também na quadra dura.

  7. Marcelo Costa

    Enquanto todos falam da parte da chave onde estão os favoritos, do outro lado tem um russo que pode e deve surpreender, não ficaria surpreso se ele chegar na semi, mesmo não gostando do piso.

  8. SANDRO

    Raducanu, Andreescu, Osaka e Thiem estão sofrendo da “MALDIÇÃO DO US OPEN”, coincidência ou não, parece que pode ter algum mau agouro…

    1. lEvI sIlvA

      Pior que, no caso da Osaka é mais sério, Sandro. Duplamente amaldiçoada, por conta dos 2 US Open que arrematou (2018 e 2020)…!😱😱😱

  9. Sérgio Ribeiro

    Carlitos atribui ao curto tempo de adaptação ao Saibro, sua derrota para Korda em MC . Mas garante que vai rever toda a partida pra consertar os erros . Que faça mesmo caso contrário dança. Korda foi muito esperto naquele vendaval e botou primeiro a cara na rede. Estão brincando com este Holandês porque a maioria não o viu jogar . Rafa Nadal , como de hábito, já vai entrar em quadra sabendo o que fazer não podendo vacilar. Já Novak deve dar outro passeio no parque . Ficam postando bobagens precoces sobre Raducanu, e cravavam Sakkari como finalista . Este sujeito somente posta asneiras diárias sobre qualquer assunto. Dito isto , não foi por falta de aviso a tal adrenalina pura em RG 2022 . Somente não vale Iga cair rsrs. Abs!

    1. Heitor

      Teus comentários são tão mais interesses qdo fazem análises como essas que não sei porquê vc insiste em ser o dono do jardim de infância

  10. Heitor

    Nadal on if he enjoys being pushed a bit in the first week of a Slam. “I enjoy more winning 6-1”. Kkkkk

    1. Sérgio Ribeiro

      Engraçado que lá no fake , digo , faceTenisBrasil, tem um cara que passou a postar tudo em inglês . E tome de kkkkkkkk. Abs!

      1. Heitor

        Em vez de comentar sobre o que o Nadal disse vc vem falar do meu inglês que só foi reprodução do o que o próprio Nadal falou em entrevista.

      2. Maria Izabel

        Esse termo que o Sr. inventou Facetenis, foi perfeito!Tem muito baixo nível. Dalcin tem paciência e educação Suíça. Eu deletaria muitosParabéns!

  11. Marcelo Calmon

    O que mais gostei até agora foi a atmosfera no jogo do Simon (não vi o jogo do Tsonga), que tinha tudo pra perder e voltou no 5° set e derrubou um cabeça de chave. E o jogo terminou quase 1 h da manhã. Ele que nunca mostrou grandes emoções em seus jogos estava deslumbrado com a torcida. Acho que o Busta reclamou algo depois do cumprimento na rede. Deve ter reclamado da torcida.
    Alcaraz merecia ter perdido, fez muito mais jogadas pífias do que grandes jogadas. E não entendi ele dizer na entrevista que se divertiu nos últimos sets, dando sorrisos para sua equipe. Só se as câmeras não captaram isso.
    Nem vejo direito os jogos do Djoko e Nadal. Jogos monótonos.
    Gostei muito do Rafael Matos em sua estreia. Venceram com tranquilidade. Vamos torcer amanhã.
    Bruno/Murray também passearam.
    Quanto à Bia, acho que falta mais variação no jogo dela. Não lembro de subidas pra rede nem de deixadinhas.
    Abs

    1. Sérgio Ribeiro

      Bem , assisti o jogo inteiro e também a entrevista . Acho que o moleque sorriu ao ver Ferrero desesperado com cara de poucos amigos , apontando o dedo o tempo todo pra cabeça. Somente faltou gritar tipo pai do Grego , caro Marcelo rsrs. Abs!

        1. Luiz Fabriciano

          Dalcim, pegando o gancho, essa coisa de “coaching” é bem para inglês ver.
          Não permitem contato treinador/jogador durante o jogo, mas permitem se posicionar quase que dentro da quadra. Ainda mais se falarem línguas pouco comuns, como grego, chinês etc.
          Qual o sentido do box do tenista, em um estádio grande, se posicionar beirando as linhas da quadra, já que é proibido seus contatos?
          Bastava coloca-los longe desse contato visual. Aí sim, o tenista teria que realmente se virar sozinho.
          No mais, que continuem fazendo vistas grossas.

          1. José Nilton Dalcim

            Os camarotes sempre ficam à beira da quadra, daí o motivo. Mas concordo com você, seria a forma mais simples de impedir ou dificultar muito isso.

  12. Miguel BsB

    Com todo o hype, na minha opinião merecido, ao Alcaraz, tenho frisado que em Grand Slam, em 5 sets, o buraco é bem mais embaixo…e realmente um piso mais lento como o de RG não favorece muito seu jogo.
    Mas, um grande jogador tem que vencer mesmo não jogando o seu melhor, e foi o que o espanholito fez hj.

  13. Jocelino Jr

    Mestre boa noite

    Djokovic e Nadal nas quartas, seu palpite rs?

    Abracos!

    PS: supondo Nadal sem dor no pé

        1. José Nilton Dalcim

          Porque Nadal está fazendo um tremendo esforço para jogar e isso é admirável. Além do mais, provavelmente é sua última chance de ganhar Roland Garros. Djoko terá pelo menos mais uma oportunidade.

  14. maurício

    Boa noite, Dalcim, as vezes fico sem tempo para vê os jogos de Roland Garros, aí nada melhor que lê suas análises para fica por dentro de tudo, parabéns. Me permita uma pergunta, apesar da juventude do Alcaraz, o que proporciona uma rápida recuperação, vc não acha que se ele continuar nesta toada de jogos de 5 sets e mais de 4 horas, isso não pode prejudicar o rendimento dele numa semi-final ou mesmo numa final? uma abraço e fique em paz

    1. José Nilton Dalcim

      Ah, sim, Maurício. Um jogo ou outro longo não será suficiente, mas certamente uma sucessão de jogos complicados abaterá qualquer um, mesmo o jovem Alcaraz. Porque não é só uma questão física, mas mental e emocional. O desgaste de concentração e estresse é gigantesco, conviver com isso é muito difícil se ocorrer antes da fase realmente decisiva de um Slam.

  15. Gabriel

    Dalcim, assistindo os ultimos jogos de Nadal, observei que ele ta usando muito mais o backhand (muitas vezes errante), enquanto antigamente, na mesma bola, ele fugia pra bater o forehand cruzado, golpe que ate virou marca registrada do espanhol. A que você atribuiria isso? pode ta faltando perna?

    1. José Nilton Dalcim

      Ele trabalhou muito e o backhand evoluiu demais, hoje é um golpe também ofensivo. Acho que isso já foi pensado justamente para evitar tanto a fuga para o forehand, embora o forehand dele seja tão espetacular que sempre será sua escolha principal na hora de um ponto decisivo.

  16. Rossini Santiago

    Ia apontar exatamente isto Dalcim, que Alcaraz mostra “menos” brilho quando a quadra é muito lenta. Teve aquela dificuldade em MC, penou contra De Minaur em Barcelona, mas sobrou em Madrid. O Vinolas é um saibrista nato, sabe tudo do jogo ali na terra batida e faz muito pro arsenal limitado (comparados aos tops).
    Contudo, Alcaraz só joga agora na sexta, vai descansar, e Ferrero sabe direitinho pelo quê o garoto sofreu hoje, acredito que virá muito preparado contra Korda.
    Chegando na terceira rodada, já pode começar os palpites: Djoko passeia, e jogará com El Peque em seguida. Felix se frustrará novamente contra Nadal. O Botic Van vai perder o rumo de casa com a aula que vai levar. Ainda sobre Felix, sinto falta de tutano, de gana no canadense, apesar de estar em forma impecável. Concordo que Sacha vencerá, mas como ele vacila e não coloca a faca entre os dentes pra jogar. Não boto fé no Isner em RG, assim como do Roddick. Só lembro do Roddick perdendo pro Mutis lá há uns 15 anos. Acredito que o Zapata levará no quinto set. Norrie passa pelo Kacha e Korda e Alcaraz, será em 4 sets, com bom risco do espanhol passear em três sets.
    Esqueci o resto da segunda rodada, mas amanhã o Djere termina com Medvedev e ficarei de olho torcendo pelo Kecmanovic porque o garoto tem tudo pra ser mais do que é. Impossível não vê-lo novamente com aquela qualidade demonstrada contra Alcaraz em Miami. Jogo dos melhores do ano, junto com a semi de Djoko e Alcaraz e aula que o Nadal deu no Medvedev no AO.

  17. Chico

    Mestre, duas coisas me chamaram a atenção nos últimos dias. Primeiro, a aposentadoria do Tsonga marcou o fim da carreira do Little Four. Ferrer, Berdych, Jo e Del Potro, todos já penduraram a raquete (a última vaga é polêmica, muita gente cita Monfils ou Gasquet no lugar do argentino, mas essa é a formação que me lembro lá de 2012). Quatro jogadores que possivelmente teriam o currículo mais recheado não fosse o Big 4.
    A outra coisa foi que me dei conta que Carlitos Alcaraz já tem o mesmo número de Masters 1000 que o Tsonga e mais que Ferrer, Berdych e Delpo!! Incrível a trajetória que esse moleque vem construindo, e só tem 19 anos!

    1. José Nilton Dalcim

      Com certeza, embora você mesmo lembrou que esses com poucos Masters são justamente os que viveram o auge do Big 4. Então foi difícil mesmo!

  18. Ronildo

    Petra Kvitova, do seleto grupo das que tem Grand Slan, caiu bastante de produção. Mas ela tem boas chances de fazer grandes campanhas na grama.

  19. Daniel+C

    Esse Baez acho que ainda vai incomodar muita gente no saibro. Que tenista mais carne de pescoço kkkkk. De qualquer forma, não vejo como Zverev possa vencer Nadal ou Djokovic na semi (isso se passar pelo Alcaraz), se ele quase perde do Baez. Além disso, o jogo dele é meio unidimensional. Mas enfim, nunca se sabe né? Ele já venceu torneios no saibro, tem um bom físico, envergadura e saque. Ou seja, tem os recursos, mas quando mais se espera dele, ele apita, mentalmente falando.

    Sobre o Nadal, to achando ele melhor que em Madrid / Roma, mas a cada ano que passa, acho que ele está mais vencível. Hoje acho que ele encurtou muitas bolas contra o francês. Mas ainda assim, acho que é o favorito pra vencer o torneio, a não ser que o Alcaraz prove o contrário rs

    Falando no fenômeno Alcaraz, acho que esse esforço de hoje foi totalmente desnecessário e pode fazer a diferença lá na frente. Espero que ele dê uma resposta já no próximo jogo com uma vitória contundente por 3 sets a 0 contra o Korda. A verdade é que ele fez o que o Federer cansou de fazer durante toda a carreira: trazer um adversário entregue de volta pro jogo, se enrolar e perder a confiança com isso no meio do caminho. Geralmente quando o suíço fazia isso, ganhava no sufoco e muitas vezes perdia. Como não lembrar por exemplo da final do US Open 2009, em que o Delpo estava totalmente dominado, o suíço sacando pro segundo set, foi inventar umas bolas, foi quebrado de volta, perdeu o set e o jogo pegou fogo kkkkkkk. O suíço com esses vacilos, entre outros, jogou pela janela vários GS, que hoje fazem falta “nos números” (kkkk) e temos que aturar a insuportável torcida do sérvio antivax por conta disso rs

    1. Paulo Almeida

      Muito bem, você acabou de descrever um “mental dwarf”, aquele que treme em pontos vermelhos. 😆😆😆

      Também aturamos a insuportável torcida freguesete com seus 20 > 12 e 310 > 223 por algum tempo, mas felizmente as forças ocultas do tênis premiaram um jogador superior que o dominou completamente com melhores números.

      1. Carlowagen

        Federer desceu do cèu, Meu querido. Djokovic pode ter os mumeros que cpnseguir, que apenas conseguirà liderar as estatìsticas dos mortais.

        Federer nao entra nesta sua conta por tratar-se de uma divindade.

        Portanto, não hà comparaçâo possivel.

        1. Rodrigo S. Cruz

          O Federer pertence a uma categoria a parte.

          Porque conseguiu números grandiosos, mas jogando de uma forma lindíssima.

          Até quando perde, o cara dá espetáculo.

          Não tem comparação com o Djokovic que é adepto do “winning ugly”.

          Um tênis extremamente eficiente, mas de pouco brilho…

        1. Paulo Sérgio

          Melhores números:

          Masters 1000 = 38 a 28
          Semanas como número 1 = 372 a 310
          Anos terminados como número 1 = 7 a 5
          H2H = 27 a 23
          Finais disputadas entre ambos = 13 a 6
          Big Titles = 63 a 54
          Vou parar por aqui!!!

          Quer negar a realidade agora?

        2. Paulo Almeida

          DjokoGOAT domina o freguês desde 2011. Vamos aos números novamente para esse pessoal que tem memória curta:

          – Semanas como número 1: 372 > 310;
          – Temporadas finalizadas como número 1: 7 > 5;
          – Masters 1000: 38 > 28;
          – Big Titles: 63 > 54;
          – Career Slam: Double > Single;
          – Golden Masters: Double > None;
          – Head to head: 27>23, com 11×6 em GS, 13×6 em finais e 13×11 em semifinais.

          El Sparrón apanha muito dos números, fora que não enche nem uma mão com Majors em cima do Big 2 em suas versões prime. Sem choro!

          1. Fabiano

            Tá certo, quer dizer que antes de 2011 não conta então. Ahhh entendi. O tênis começou em 2011, bah pensei que antes já existia, mas tudo bem. Kkkkk

          2. Paulo Almeida

            Existe e todos os confrontos e números foram considerados. Não se faça de sonso. Djoko é superior e fim de papo.

        3. Luiz Fabriciano

          Respondendo:
          Qual jogador superior?
          Novak Djokovic
          Dominou quem?
          Roger Federer
          Quais melhores números?
          Novak Djokovic

  20. EDVAL CARDOSO

    Boa noite Dalcin
    O que o Alcaraz pode pensar desse jogo,
    Copo meio vazio, por ter ficado tanto tempo em quadra já na segunda rodada, contra um adversário que está longe de seus melhores dias, ou copo meio cheio pelo seu poder de reação , ou as duas coisas né?
    Porquê não.

    1. José Nilton Dalcim

      Acho que foi um grande sinal de alerta para ele. Se não jogar pelo menos 70%, pode perder de qualquer grande saibrista. Nessa idade, não vejo problema físico ainda para ele, terá tempo de sobra de recuperação.

  21. Rafael Azevedo

    Como se defende o Alcaraz! Chega a ser insano!
    Igualzinho ao Nadal jovem.
    Vai de uma extremidade à outra da quadra numa velocidade impressionante, devolve quase todos os smash, e consegue o ponto com um contra ataque impossível.
    Que jogaço contra o Vinolas! Ambos jogaram uma barbaridade. Pra mim, a melhor partida do torneio até aqui. Aquele ponto da quebra no 4×4 do quinto set será um daqueles que vai aparecer eternamente nos vídeos de coleção dos melhores pontos de Alcaraz/tênis/Roland Garros

  22. Julio Marinho

    Dalcim,
    Fico torcendo para El Peque contra Dimitrov, porque o búlgaro costuma ser um trator na primeira semana, para fazer um jogo pífio contra um verdadeiro top. E será Djokovic, ou seja, missão praticamente impossível. É demasiado frustrante para mim ver um jogador talentoso, de muitos recursos técnicos, além de excelente preparo, não ter condição mental de usar seu talento e determinação nos jogos mais exigentes. Nesse caso, o valente argentino entrega mais. Diga-se que não vejo chance para qualquer um deles contra Djokovic, que parece estar brincando em quadra. Joga tão fácil, faz ace como se mascasse chiqulete. E você imaginar, Dalcim, como o saque dele era feio lá no início da carreira, né?
    Abraço

    1. José Nilton Dalcim

      Verdade, Júlio, mas ele contratou o Becker e depois o Ivanisevic, dois grandes especialistas no assunto. Fez o correto!

  23. JAN DIAS

    Se aos 20 anos o MUSETTI arreia no 3° set, o que ele vai fazer quando estiver c/ 30 anos?

    Difícil ter uma carreira no tênis moderno desse jeito…

    1. SANDRO

      Kkkkkk Ronildo vc me mata de rir!!!
      Muito boas essas suas previsões… É pra quebrar qualquer banca de apostas!!!
      Ainda bem que vc pôs um “TENISTA MASCULINO” na semi contra o TRIPAS, pois se pusesse um “TENISTA FEMININO” já imaginaria uma semifinal entre o TSITSIPAS e o PABLO VITTAR… kkkkkkk
      Agora vc pegou pesadíssimo com Dimitrov de Campeão, não é mesmo???
      Se vc apostou nisso na banca e se realmente se concretizar, Ronildo, vc ultrapassará a fortuna de Elon Musk, podes crer!!!

    1. SANDRO

      Não acredito em atropelo… Se realmente acontecer o tão aguardado encontro do BIG 2, espero que seja uma BATALHA ÉPICA, assim como foi o histórico confronto entre NADAL E DJOKOVIC na edição passada, cheio de emoção do início ao fim!!!

      1. Paulo Almeida

        Sim, é óbvio que não haverá atropelo nenhum por parte do Craque, mas do outro lado a gente nunca sabe…

  24. Paulo F.

    Carlos Alcaraz vai massacrar Rafael Nadal na semifinal por triplo 6-1.
    Sua campanha em Roland Garros demonstra nitidamente isso.

      1. Rodrigo S. Cruz

        Bruno,

        ele está parecendo uma vitrola quebrada por repetir sempre a mesma coisa todos os dias.

        E eu não sei o que ele acha que pretende provar com isso.

        Pois uma hora o Alcaraz terá que perder mesmo, assim como todo mundo.

        Aí no dia que o garoto perder ele vai vir aqui se gabar dessa cantilena non-sense… rs

        Você quer valer quanto?

      1. Paulo F.

        A imprensa nos garante que Carlos Alcaraz é o ser mais poderoso que já empunhou uma raquete de Tênis e que é uma máquina imparável e indestrutível.

  25. sandra

    Dalcim , o pouco que vi , achei Nadal meio caidinho, quero dizer , sem vibrar muito, levou até um quebra, será que o pé já está incomodando novamente ?

    1. José Nilton Dalcim

      Eu ao contrário o achei super descontraído, sorrindo antes do jogo, algo bem pouco comum. Não vi problemas e torço para que siga saudável.

    2. SANDRO

      Levar quebra é normal… O mais importante foi vencer sem perder sets e se desgastar menos para as próximas batalhas…

Comentários fechados.