Os personagens do saibro europeu
Por José Nilton Dalcim
7 de abril de 2022 às 14:48

Como de hábito, a lentidão de Monte Carlo abre o calendário europeu de saibro no próximo domingo e traz como grande atração o retorno de Novak Djokovic, que enfim fará seu segundo torneio da temporada. Ele tem dois títulos lá, o mais recente em 2015, e portanto espera-se um teste interessante para seu ritmo de jogo. O atual campeão é Stefanos Tsitsipas, mas nem ele ou Alexander Zverev estão em grande momento.

Carlos Alcaraz e Casper Ruud surgem como reais ameaças. O espanhol virou assunto obrigatório – especialistas não fizeram outra coisa nos últimos dias do que especular qual seu limite -, mas terá duas dificuldades. A primeira é justamente lidar com as expectativas, a outra será jogar num piso que exige mais paciência e tira um tanto do seu poder ofensivo. Já o norueguês estará no habitat natural, ainda que goste de um saibro um pouco mais veloz. Andrey Rublev, Felix Aliassime e Jannik Sinner aparecem quase como coadjuvantes no Principado.

Claro que todos gostaríamos de ver logo Djokovic e Rafael Nadal numa mesma chave, o que não acontece desde o histórico Roland Garros do ano passado, mas ao que tudo indica isso ficará para o saibro veloz de Madri, que todos sabemos nunca é uma referência para Roland Garros. O torneio da Caixa Mágica, que trocou de mãos e agora pertence à IMG, promete ser fortíssimo, já que anunciou na terça-feira a inscrição de todos os top 40 – agora à exceção do operado Matteo Berrettini -, além de Stan Wawrinka e Borna Coric, que entraram com ranking protegido.

Antes disso, Nadal deve reaparecer em Barcelona, depois de se recuperar da fratura por estresse na costela. Se for assim, terá companhia de alguns nomes que pesam no saibro, como Tsitsipas, Ruud, Alcaraz, Diego Schwartzman e Pablo Carreño. Ao mesmo tempo, Djoko estará em casa como favorito ao 250 de Belgrado, junto a Rublev, Gael Monfils, Cristian Garin e Fabio Fognini. Dominic Thiem está inscrito, mas virou dúvida depois de contrair covid e pular Monte Carlo, voltando para casa.

A grande notícia para o tênis masculino é que enfim surgem novos nomes com verdadeiro talento sobre o saibro, o que pode trazer maior imprevisibilidade para todos esses deliciosos torneios, tão diferentes entre si. Até Roma chegar, sempre o verdadeiro aquecimento para Paris, ainda poderemos ver o quanto Miomir Kecmanovic, Francisco Cerúndolo, Hugo Gastón ou Sebastian Baez poderão contribuir para o espetáculo.

Algo me diz que estamos diante de uma das mais concorridas temporadas de saibro dos últimos tempos.

Feminino se antecipa
O saibro começou para as mulheres bem mais cedo, já que nesta semana acontece o tradicional 500 de Charleston, onde Aryna Sabalenka, Paula Badosa, Karolina Pliskova e Ons Jabeur arriscaram ir atrás do título mesmo com pouco tempo para a transição da quadra dura de Indian Wells e Miami.

Dentro de duas semanas, Iga Swiatek, Maria Sakkari, Barbora Krejcikova se juntam no saibro de Stuttgart e aí a coisa realmente fica boa. A polonesa volta a sua superfície predileta e, no máximo de sua confiança, será favorita ao quarto título seguido. Já a atual campeã de Roland Garros tenta voltar às quadras depois da lesão no cotovelo que a fez também perder a vice-liderança do ranking.

Ausências importantes nessa largada do saibro, Garbiñe Muguruza e Simona Halep devem enfim aparecer em Madri depois de não jogarem Miami por conta de problemas musculares. A espanhola está em baixa neste começo de temporada, sem resultados convincentes e com pouca confiança. Halep ao contrário reencontrou o prazer de jogar e ainda anunciou que passa a ser treinada por Patrick Mouratoglou.

Swiatek, Krejcikova, Badosa e Halep seriam minhas apostas para a fase do saibro. Nessa exata ordem.

E mais

  • Bia Haddad, que está nesta semana atrás top 50 em Bogotá, terá de disputar quali em Madri. O ranking de duplas deve lhe dar vaga direta.
  • Thiago Monteiro foi muito mal nos challengers portugueses e não conseguirá lugar em Roland Garros, tendo de se aventurar no quali. Deve ter companhia de Felipe Meligeni, Laura Pigossi e Carol Meligeni, com alguma chance para Matheus Pucinelli e Thiago Wild.
  • Jo-Wilfried Tsonga vai dar adeus ao circuito em Roland Garros. Um tenista excepcional, mas com físico comprometido há muito tempo. Diz ter enfim cansado de brigar contra o corpo.
  • Vika Azarenka e Elina Svitolina decidiram se retirar por um tempo do circuito e não se sabe quando voltarão. Talvez pulem todo o saibro. Serena Williams deve no máximo se despedir de Paris.
  • Naomi Osaka diz que desta vez vai treinar mesmo no saibro e pode aparecer em Madri.
  • Não ficaria surpreso se Daniil Medvedev só disputasse o Slam francês. Ele nunca gostou do saibro e pode preferir um tratamento cauteloso para a hérnia.

Comentários
  1. Sérgio Ribeiro

    Quem não se lembra de Fognini chamando a Nova geração de ” farsa ” ??? rs .O pra muitos talentoso Tenista trintão , somente passa VERGONHA . Com TODOS sem exceção sendo que com Tsitsipas está 0 x 4 . Com a queda do N 1 alguém dúvida que o terceiro MASTER 1000 de 2022 ficará novamente com um da chamada geração ” farsa ” ??? . Lembrando que Djokovic dançou em Dubai pra Vesely ( grande Zebra) e agora pra Fokina ( grande Zebra ) . Já estão dizendo que ALCARAZ não terá oponentes devido a uma nova ” entressafra ” . Sei … Abs!

  2. Carlo Von Vagem

    Dalcim,

    Tive curiosidade esta semana de ler o Blog do Chiquinho.

    Sei que as vezes fazemos brincadeiras pesadas aqui, mas lá me parece que atacam a ele pessoalmente.

    Ele gentilmente responde a todos, mas achei as ofenças direcionadas a ele bem carregadas (até para nós aqui que estamos acostumados ao bullying de outros torcedores, que por sinal, a maioria leva na boa).

    E há uma diferença: aqui as brincadeiras sao na maioria das vezes.. direcionada a figura do torcedor… e não a pessoa (embora aqui tb nao haja nenhum santo).

    Achei o bullying bem desproporcional.

    Poderíamos até enviar uma força tarefa de pacificaçao deste blog para aquele: … poderia incluir o Ronildo, Rafael, Periferia, Luiz Fernando e Mauricio, Marcelo e outros.l, numa força tarefa de pacificaçao.

  3. Luiz Fernando

    E o Djoko, perdeu desse tenista medíocre de cara, que impacto q os acontecimentos do AO e a falta de ritmo estão causando. Nunca imaginei essa derrota. Essa temporada de saibro está com pinta de imprevisível, pois Rafa e ele não estarão como se esperava…

  4. Johnny

    Djokovax a vergonha mundial. Um mês em Belgrado. Levou uma surra de cinta do Fokina. Literalmente um número 1 indigno. Federer é GOAT pra sempre, sem dúvida alguma.

  5. Carlo Von Vagem

    E a zebra foi visitar o Principado hoje.. rs

    Sorte do Alcaraz, que escapou de tomar uma surra do Craque Sérvio! Que sorte! : z D

    E quanto ao público em getal e a preferência por barba ou nao, saibam que há público cativo para barba (assim como há para todas as modalidades de rosto, também!

  6. Paulo F.

    Nole já na estreia pagando um preço bem caro pela falta de ritmo decorrente de suas não-participações devido às suas paranoides convicções.
    Bem feito para ele.

    1. Sérgio Ribeiro

      Vamos combinar que o Sérvio voltou e perdeu nas quartas do ATP500 de Dubai 2022 . Portanto e’ a segunda consecutiva , e entrou em Monte Carlo com apenas 10 pontos a frente de MEDVEDEV. Já pros não bem informados Fokina não é um Hurkacz, mas fez Quartas na última edição de Monte Carlo 2020. Este 6 x 1 nesta lentidão não é tão ruim . Vamos ver com ALCARAZ rs . Abs!

  7. Luiz Fernando

    Conforme esperado, no Bola Amarela saiu a provável confirmação da ausência de Rafa em Barça, deverá voltar em Madri…

    E Djoko vai penando contra Fokina, pagando o preço da longa ausência das quadras, perdeu o set1 e está com break contra no seu primeiro game de serviço no 2…

  8. sandra

    Dalcim, porque você acha tão difícil Stan,o suíço , voltar ? Será só idade? O Coric e mais novo e também não consegue! E já vimos Federer, Nadal e Djokovic voltarem bem , apesar da idade, e também não sei se eles ganham mais alguma coisa , Talvez Nadal.

    1. José Nilton Dalcim

      A parada do Stan foi longa e cheia de problemas. Ele precisa muito de ritmo e o físico nunca foi seu forte. Realmente imagino que irá demorar para ele recuperar seu melhor jogo, se conseguir.

        1. José Nilton Dalcim

          É muito mais novo e mais leve, embora não tenha os mesmos recursos técnicos. Deve se achar logo.

      1. Luis

        Alguém viu o comentário do Bublik? Quando foram parabenizar ele por ganhar do Wawrinka, perguntaram como ele fez para vencer e ele disse que foi porque o Wawrinka estava fora de forma kkkkkkkkkk só faltou falar que o suíço estava gordo
        Enquanto isso.. o Djoko esta sofrendo para ganhar o seu primeiro jogo depois da pausa, 0 – 2 no terceiro set.. nunca duvido do sérvio mas esta meio apertada essa

  9. Luiz+Fernando

    Dalcim, por enquanto nenhuma notícia clara a respeito de Rafa de fato retornar em Barça. Vc acha q para quem não está treinando, ao menos não há nenhuma notícia a respeito disso, poderia voltar em tão curto espaço de tempo até o início deste evento? Acho difícil, mas o detalhe é q com ele a lógica nunca prevalece…

    1. José Nilton Dalcim

      Realmente, tudo indica que ele não estará pronto para Barcelona. Uma pena. Se ele realmente recomeçar em Madri, vai ser difícil porque é um lugar que não dá ritmo.

  10. Maurício Luís *

    Estre jogo do Opelka x Isner me lembra o seriado ” Terra de Gigantes” da década de 70. Interessante que o saibro não é a praia de nenhum dos dois.

    1. Sérgio Ribeiro

      Mais impressionante que ambos somente conseguem vencer Torneios no USA . E Isner já havia levado neste Saibro em 2019 . Abs!

  11. Samuel, o Samuca

    Dalcim,

    Muita gente com críticas maldosas ao se referirem à final disputada hoje, na Colômbia, pela Laura Pigossi.
    Bem ou mal, ela chegou à final, portanto, está de parabéns.
    Para manter ou melhorar o ranking adquirido, certamente terá que melhorar o nível de seu jogo. Com certeza está trabalhanfo para isso.
    Sobre a final de hoje, não digo que foi melhor ou pior que outras finais. Foi apenas diferente.
    Uma observação a respeito da Camila Osório, principal cabeça de chave do torneio: parece que ela competiu machucada, pois venceu dois jogos com muita dificuldade, enfrentando adversárias de nível técnico muito inferior ao dela.
    Gosto muito da Camila, más não gostei da sua atitude perante a Laurinha Pigossi. Não tinha a menor condição de jogar decentemente e levou o jogo até o final. Teria que desistir, pois a certa altura não tinha condições de sacar corretamente.
    Talvez não acreditasse minimamente no potencial da Laura.

    Samuel, o Samuca

    1. Samuel

      Nós, torcedores brasileiros de tênis, muitas vezes ficamos ansiosos, quase desesperados, para que nosso patriotismo/nacionalismo seja correspondido com bons resultados e com ótimas performances de nossos atletas nacionais. Claro que há, também, certos excessos e até eventuais grosserias por parte de alguns torcedores. Faz parte do esporte.

  12. Periferia

    A Culpa

    Para um determinado russo…o mundo é dividido entre os ordinários e os extraordinários.
    Para ele…existem os “vermes”…pessoas que não merecem viver.
    A morte é uma necessidade…um instrumento de limpeza…de purificação.
    Seguindo o que foi dito por seu conterrâneo Ivan (..se Deus não existe…tudo é permitido…) ele ocupa o lugar de Deus (sem a mesma divindade).
    Acreditando ser o dever do homem (replicar a violência)…o mal se instala…sendo banalizado (Hanna concordaria).
    Julga…planeja e mata (até inocentes).
    Depois da violência…algo nele muda…
    Contrito e corroído por sua consciência…ele busca o castigo pelo crime cometido.
    A independência moral não existe mais…
    Sobrou apenas a culpa…e os corpos.

    (Poderia ser Putin…mas é apenas Raskólnikov)

  13. Ronildo

    Eu espero haver muitas vinganças contra Djokovic por ano passado ele ter matado o tênis arte do jovem Musseti.

    Vou inovar este ano no saibro: à partir de agora torcerei contra Djokovic independentemente do adversário.

      1. Ronildo

        Na primeira final entre Djokovic e Nadal e em RG eu estava torcendo para Djokovic. Também na primeira final entre eles em Wimbledon e AO.

    1. Thiago+Silva

      Kkkkkk faz uns cinco anos que você tá pedindo “renovação no circuito”, menos quando era o Federer na grama, aí a “renovação” podia esperar mais um pouco.

    2. DANILO AFONSO

      …”agora torcerei contra Djokovic independentemente do adversário.”

      Ronildo, conta uma novidade…kkk
      Já sabemos que você torce contra o sérvio há anos qualquer que seja o rival.

  14. Luiz Fernando

    E mais uma vitoria dominante da Ferrari e, sendo absolutamente justo, do Leclerc, que após dois anos apagado, sendo inclusive superado pelo fraco Sainz, voltou a se destacar quando de sua contratação pela Ferrari. O melhor de tudo é q o carro foi muito bem em 3 tipos distintos de circuito, demonstrando q é bem nascido. Uma resposta para os queriam a saída de BInotto a qualquer custo, ele q vem desde a época do Schumi na equipe, finalmente construindo um carro capaz de lutar pelo titulo, e o melhor motor…

    1. Sérgio Ribeiro

      Impressionante que lendo as groselhas postadas por ti mais abaixo ao lado do Piloto da Kombi, cheguei a pensar num empate técnico entre os dois rs . Mas o passador mor de recibos é INSUPERÁVEL. Carlos Sainz fraco ? . O cara chega na Ferrari e marca pontos em TODAS as corridas e supera Leclerc por apenas 5 pontos e 1/2 . Ao substituir Alonzo na McLaren larga em último no GP Brasil 2019 , e na primeira Temporada sai de último no GP Brasil e chega em Terceiro com aquela carroça. Como não sabes nada ridicularizou os dois Pilotos ao final da última Temporada, CORRIJA que é melhor , guri. E não é apenas mais motor , o carro da Ferrari neste momento se encontra insuperável na AERODINÂMICA. Em qualquer assunto demonstra total falta de conhecimento. Na boa, siga os conselhos da mamãe, vai … Não continues tão preguiçoso kkkkkkk. Abs!

      1. Luiz Fernando

        Sainz é muito bom, quantas vitorias ele tem? Quantas podes ele tem? Pq a antiga equipe não o segurou? O seu problema é q vc se julga conhecedor de tudo e no fundo não sabe nada de nada. Creio q vc deve ter sérios problemas de afetividade, pois vive tentando menosprezar os demais, só as suas opinões é q são corretas, as dos outros sempre erradas. Vc consegue a proeza de postar na sequencia das suas próprias postagens p se corrigir, deve imaginar q alguém lê essas besteiras q vc posta. Não desanime, a fé remove montanhas kkkk…

        1. Sérgio Ribeiro

          Lestes com atenção, aloprado comentarista ? . A Ferrari o contratou pela excelente performance naquela carroça da McLaren. Na primeira Temporada pontuou em TODAS as corridas e bateu o N 1 Charles Leclerc . Tu conheces uma figura que ridiculariza vários Tenistas até chamar Roger Federer de tudo que não se deve ( a não ser um ba***a) . Seitas , Xiitas , Clínicas , Terceiretes , fazem parte do seu ridículo vocabulário. E chamas de arrogantes quem de bota pra explicar as suas criancices e péssimo conhecimento dos Esportes em geral . Quando achou que não dava mais pro Touro , virastes um baba ovo mor . Estamos num fórum de debates , cresça e apareça . És de longe o diversão garantida deste Blog kkkkkkkkkkkk. Abs!

  15. DANILO AFONSO

    Fuçando aleatoriamente os sites estatísticas sobre tênis, observei que o tenista ISNER está muito perto de alcançar o recorde absoluto de ACES.

    Faltam apenas 159 aces para que atinja a marca. Levando em conta que nos últimos anos o americano tem média de 20 aces por jogo, possivelmente será o recordista nos próximos 8 a 10 jogos.

    Vejamos os melhores tenistas com mais ACES na história:

    KARLOVIC – 13.762
    ISNER – 13.604
    FEDERER – 11.452
    LOPEZ – 10.169
    IVANISEVIC – 10.131
    RODDICK – 9067
    QUERREY – 8828
    RAONIC – 8157
    LJUBICIC – 8117

    1. DANILO AFONSO

      Atualizando a estatística acima após o ISNER atingir a final do ATP 250 de HOUSTON, onde assinalou mais 71 ACES, faltam apenas 88 ACES para o americano alcançar o recorde.

    2. Gildokson

      Ler essa estatística me machuca mais ainda por constatar que o gênio suíço saca tão bem ou melhor que esses gigantes que vivem disso, mas no momento em que ia cravar de vez sua superioridade na história do tênis o saque não entrou.

      1. Daniel+C

        Pois é Gildokson, o Federer foi uma verdadeira “mãe” para seus rivais (e alguns outros como Delpo e Cilic) durante toda a carreira, o que acabou inflacionando os números dos rivais e diminuindo o potencial de suas próprias façanhas.

        Esses 2 MPs em Wimbledon eu duvido que Nadal ou Djokovic desperdiçariam se a situação fosse invertida. Mas enfim, eu me acostumei com tanta bobagem do maestro, mas essa daí sempre será difícil de engolir kkkkkk. E não digo só pelo saque que entrou, mas também pelo excesso de conservadorismo e arroz com feijão que jogou nesses pontos. Nunca vou entender pq o suíço nunca tentou chamar os rivais pra rede em momentos assim, por exemplo.

        Abs

      2. Paulo Almeida

        Não iria cravar sua superioridade de vez na história do tênis. A disputa continuaria aberta, como está até hoje.

    3. Barocos

      Grande Danilo!

      Vou lhe fazer um pedido especial: não fique muito tempo sem postar os números que servem de base para avalizar a grandeza de expoentes to tênis. As bizarrices publicadas por um ou por outro neste canto da Internet, são expostas como despeito quando as estatísticas de cada carreira são mostradas.

      Federer foi/é gigante em quadra, assim como também o são Nadal e Djokovic. Fora das arenas das batalhas esportivas, confesso que me decepcionei com o sérvio por motivos que expus previamente.

      Talvez seja mesmo tolice aspirar que a grandeza como atleta encontre reflexo na personalidade do indivíduo, já que a disparidade entre um e outro apresenta farto número de casos que vou me eximir de citar, visto que são amplamente conhecidos e em nada acrescentam.

      Muita saúde e paz para ti e sua família.

      1. DANILO AFONSO

        Barocos, surgindo alguma estatística no “radar” irei postar aqui.

        Saúde e paz para você e seus familiares.
        Abs !!

  16. Maurício Luís *

    Nesse WTA de Bogotá, com todos os holofotes voltados pra Bia Maia, e não é que a Laura Pigossi foi quem acabou finalista? Pontos valiosos pra ela, que vão garantir o quali de Roland Garros. E a Bia Maia continua com seus altos e baixos.

  17. Marcelo+Costa

    Dalcim, teremos na temporada de saibro o “hawk eye ” ou ainda o juiz irá descer pra ver a marca? Já é hora de implantar não acha?

    1. José Nilton Dalcim

      Não sei te confirmar isso, talvez alguns torneios adotem, mas isso não é obrigatório no saibro, Marcelo.

  18. Luiz Fernando

    Torcer contra algum time ou algum atleta é algo comum a qualquer esporte, mas APENAS torcer contra, sem ter como torcer a favor, isso é mais do q triste, é deprimente, por isso creio q a famigerada clínica psiquiátrica daquela singela cidade catarinense está com fila de espera kkk… por sinal longa kkk…

    1. Sérgio Ribeiro

      E o guri volta com Clínica novamente ? . Esquecestes da tarja preta de 2013 quando categoricamente disse que o Suíço jamais venceria acima de um Quietinho ? . Se lesses os comentários, perceberias que tem vários que adotaram ALCARAZ para torcer . Mas o “ humilde “ comentarista não lê nada desde 2010 , por necessidade de ser insubstituível nas groselhas kkkkkkkk. Abs!

      1. Luiz Fernando

        Volto pq caras infantis como vc ficam bravinhos quando eu posto, e provocar vcs sempre é legal kkk. Entendeu pq eu posto isso kkkk?

        1. Sérgio Ribeiro

          Postas porque és preguiçoso e não lês os comentários. Postas porque de humilde não tens nada . Pelo contrário, és um recalcado que consegue mandar “ Eu odeio Roger Federer “ . Tudo porque o genial Suíço virou pra cima do Touro no AOPEN 2017 . E se transformou no mais Velho N 1 da Era Profissional depois de levar o AOPEN 2018 , aos 36 e 1/2 . Cada vez que mandares groselhas, terá sempre uma resposta dentro do seu nível kkkkkkkkkkkk. Abs!

  19. Luiz Fernando

    Djoko e Alcaraz tem uma grande vantagem adicional sobre os demais, uma q ninguém comenta, o magistral Norrie está no lado deles da chave, assim…

      1. Luiz Fernando

        Não sou genial não, geniais são as federetes q me ensinaram essa realidade, tenho q ser justo e dar o mérito a quem de fato o tem kkkkkkkkkkkkk…

    1. Sérgio Ribeiro

      Parabéns . Como de hábito mas um brilhantismo comentário , nobre L.F. Confesso que não tinha me atentado kkkk . Abs!

  20. DANILO AFONSO

    Faltam 14 semanas para Djokovic superar o recorde de 377 semanas da alemã Steffi Graf.

    Perdão nobres !! Foi mais forte do que eu…

    1. Sérgio Ribeiro

      Exato , Danilo . E’ que Novak chegou e saiu tantas vezes do Topo ( até pra Andy Murray) , que coube a Serena igualar as 186 Semanas CONSECUTIVAS da Senhora Agassi segundo o livro de Recordes da ATP . Quanto as 237 Semanas CONSECUTIVAS do Craque Suíço , aí sabemos que o buraco é mais embaixo… rs . Abs!

      1. Rafael+Azevedo

        Como conseguir 237 semanas seguidas defrontando Federer, Nadal e Andy Murray, em suas versões prime, durante quase toda a carreira?

        Ele poderia bater esse recorde, se, ao invés desses, dividisse o circuito com Roddick, Baghdatis e Cia…

        Kkkkk. Perdão, não resisti.

        Mas, é que não dá para fazer a comparação desses recordes de semanas consecutivos, uma vez que esses tenistas enfrentaram gerações diferentes. Inclusive, esse recorde foi interrompido pelo próprio Nadal, e, tirando, os períodos de lesão dos tenistas top (Nadal em 2009 e Djokovic/Murray em 2017/2018), Federer não conseguiu mais voltar ao número 1.
        Tudo bem, concordo que o fator idade pode ter pesado, mas não é justo comparar esse recorde de semanas consecutivas com o feito do Djokovic. Eu não tenho dúvidas de que as 350 e pouco semanas do Djokovic (e contando) foi um feito mais difícil.

        1. Sérgio Ribeiro

          Até ti , Rafael ? . Quem era o N 2 em 2005 ??? . E quem é o recordista da História com 124 Semanas CONSECUTIVAS como N 2 do Mundo ???? . Rafael Nadal tem mais Semanas CONSECUTIVAS como N 2 do que o Sérvio como N 1 kkkkkkk . Abs!

          1. Sérgio Ribeiro

            E outra , caro Rafael. Ele assumiu o Posto em 2004 , batendo SEIS Ex – N 1 ( Agassi , Moya , Ferrero, Roddick, Hewitt, Safin ) , todos com Vitórias sobre Sampras . Tudo com a companhia do Touro Miura a partir de 2005 . Sem pesquisares ( ou rememorares ) , acabas se igualando a membros da Turma da Kombi e L.Fs da vida rs . ABS !

          2. Rafael+Azevedo

            Eu não sou adepto da teoria da “Entressafra”, mas você concorda que seria muito mais difícil para o Federer conseguir esse recorde de semanas consecutivas no período de 2008 a 2016, mesmo que ele estivesse em seu auge (21 a 29 anos)?
            Enfrentar Nadal, Djokovic e Murray no auge desses, não dá para se manter no topo consecutivamente.
            Não que houve uma entressafra no período de domínio do Federer, mas não havia um Nadal prime, ou um Djokovic prime ou um Murray prime.
            Sim, o Nadal já era brilhante em 2005, mas não era o Nadal de 2008 a 2014, que foi o Nadal que Djokovic enfrentou.

          3. Paulo Almeida

            Djokovic conquistou a maioria das suas semanas como número 1 tendo rivais à altura, perdendo posto em 2012 pro Federer, em 2013 pro Nadal, em 2016 pro Murray e em 2019 para o Nadal novamente. O suíço, por outro lado, nunca foi ameaçado pelo espanhol, pois fora do saibro este só conseguiu 3 Masters no hard e 2 finais de Wimbledon, tendo feito campanhas fracas no AO e no USO até 2007. Era muito pouco para almejar o número 1 antes de 2008.

            Já é uma obviedade o recorde total de semanas ser mais importante do que o consecutivo e com essa contextualização fica hipermega óbvio, claro e evidente que o feito do sérvio é muito mais notável.

            Sem choro, Ribeiro!

          4. Sérgio Ribeiro

            Correção : Nadal possui 160 Semanas CONSECUTIVAS como N 2 atrás de Federer que era o N 1 . E Novak possui 122 Semanas CONSECUTIVAS como N 1 do Mundo rsrs. Abs!

        2. DANILO AFONSO

          Rafael, você foi preciso no comentário.

          Qualquer especialista que conhece a fundo a carreira do BIG 3, não seria louco de dizer que Federer teria atingido as 237 semanas seguidas, entre 2004 e 2008, se Nadal e Djokovic tivessem maduros em todos os pisos naquele período.

          Se as versões do Nadal de 2010 a 2014 e Djokovic de 2011 a 2015 jogassem nos tempos áureos do suíço, não acredito que algum torcedor em sã consciência teria a audácia de cravar que qualquer um deles iria passar mais de 120 semanas seguidas na liderança do ranking. Creio que a disputa seria tão apertada que qualquer oscilação faria um deles perder a liderança. Seria comum vermos um perde e ganha da liderança.

          Porém, acredito que o Djokovic iria dominar o ranking por mais tempo que os outros dois. Primeiro porque é o mais versátil que o suíço no saibro, somando pontos preciosos nesta superfície que fariam a diferença na disputa acirrada pelo ranking, e segundo porque o desgastante estilo de jogo do espanhol iria prejudicá-lo no segundo semestre na piso duro, igualmente vimos muitas vezes na década passada.

          Saudações Tenísticas !!!

          1. Sérgio Ribeiro

            Na boa , Danilo , não passe vergonha. Rafa Nadal e’ apenas UM ano mais Velho que Novak e Murray. Tu mudastes de Rafael Nadal para Novak pois cansastes de ver o Espanhol 160 semanas CONSECUTIVAS como N 2 . E em 2007 o Big 3 se formou e Novak venceu seu primeiro SLAM em 2008 . Deves ter se arrependido da troca pois o mesmo somente foi atingir o N 1 em 2011 ou seja , SETE anos após 2004 e SEIS anos após Rafa Nadal atingir o N 2 ( 2005 ) . Que o Sérvio melhorou em todos os fundamentos, ninguém discute . A tentativa de diminuir o Tempo em que o melhor de Todos dominou o Ranking e ‘ que não cola . Essa obsessão sobre o “ goat “ beira ao ridículo. O Legado do Sérvio é muito inferior ao do Suíço e quiçá do Espanhol. O Sérvio procurou o seu destino e será lembrado possivelmente por ser o mais eficiente do Big 3 . Jamais o tal “ goat “ que saberemos ainda este ano com a confirmação de hoje do retorno de Roger Federer ao seu tour final . Abs !

          2. Alessandro Siqueira

            Já tinha lido sobre as 160 semanas consecutivas de Connors. Também já li sobre as 157 de Lendl e as 102 de Sampras. Sobre Nadal, se minhas fontes estiverem corretas, só encontrei 56 semanas. Então, Danilo, me ajuda no levantamento. Você sempre traz números esclarecedores.

        3. Carlo Von Wagen

          Aliás, se o cara nao tivesse enlouquecido (basta analisar as crenças absurdas), já teria batido outros recordes.

          Mas infelizmente, Djocovid segue vcilando. Fazer o quê!!!

          1. Sérgio Ribeiro

            Falo disso desde sempre . A não ser que o Paulinho seja Fake , não estás neste fórum há muito tempo. Embora com as palhaçadas do ” goat ” paraguaio , desapareceram uma penca de Paulos e Paolos a dar com o pau rsrs . Abs!

        1. Sérgio Ribeiro

          Porque tu queres ? . E quem és tu ? . São dois recordes que estão no livro da ATP . No Golfe o de Semanas CONSECUTIVAS é que pra muitos Tiger Woods é o ” goat ” . No Tênis Roger Federer nem precisa deste tipo de comparação. Aguarde o final desta temporada criança rsrs. Abs!

  21. Carlo V.W.

    Bobagem do dia:
    “Qurm afirma ter acompanhado tênis pela rede Globo, com certeza nunca acompanhou tênis na vida”.

    : – D

    : – D

  22. Helena

    Encontrei alguns dados no site Puntodebreak e no usuário do Twitter Oleg S. contendo os pontos que os principais jogadores terão pra defender na temporada do Saibro, então juntei eles nessa lista:

    Djokovic 3530
    Tsitsipas 3355
    Nadal 2860
    Zverev 2160
    Rublev 1140
    Casper Ruud 930
    Medvedev 790
    Alcaraz 391

    Minhas impressões:

    Nadal e Djoko têm bastante a defender, mas com a regularidade que ambos têm, é difícil imaginar que vão somar menos do que 2.000 ou 2.500 pontos. Desafio fica maior para o lado complicado da Grécia. O lado positivo para ele é que chega com menos expectativas após eliminações precoces nos masters americanos, o que é um grande respiro pra quem tem alergia à pressão.

    Ruud e Alcaraz têm tudo para darem um salto no ranking, chegam em alta e defendem bem menos pontos que os adversários.

    Medvedev tem boa oportunidade de virar número 1 mesmo sem jogar, mas acho que não vai acontecer. Aposto em Djoko e Rafa saindo como 1 e 2, embora ainda esteja curiosa para ver o desempenho de Nole após tanto tempo parado.

    Obs: Se alguém tiver mais dados que queira acrescentar, sintam-se livres.

    1. DANILO AFONSO

      Ótima postagem Helena !!
      Postagem informativa, com boa análise e sem ofender jogador ou demais participante do blog.

      Saudações Tenísticas !!

    2. Rafael+Azevedo

      Só queria acrescentar que Nadal provavelmente não joga MC e Barcelona, então, além de perder em torno de 600 e poucos pontos, só poderá somar em Madri e RG (e tem que defender 1000 pontos de Roma). Por isso, não sei se ele consegue o top 2 no saibro europeu (se não fosse a lesão na costela, eu apostaria nele)
      Porém, depois disso, ele só vai somar. Então, até o fim do ano, é um forte candidato ao número 1 (se não tiver outra lesão grave).

  23. Luiz Fernando

    Rafa vai pagar o preço da teima, não jogará MC onde tem 11 títulos, seria o grande favorito, talvez não jogue em Barça onde seria o grande favorito, e uma eventual falta de ritmo talvez o prejudique nos demais torneios, mas ele é muito jovem, não se contunde, tem muitos anos de carreira pela frente, talvez aprenda…

  24. Periferia

    Resultados dos grandes torneios no saibro em 2021…

    Master Mil Monte Carlo.
    (Tsisipas)

    Master Mil Madri
    (Zverev)

    Master Mil Roma
    (Nadal)

    Roland Garros
    (Djokovic)

    O saibro virou “pizza”…cada um está pegando uma fatia…os resultados continuam avisando que o tênis mudou…

  25. Gildokson

    Muito estranha essa situação do Thiem, toda hora aparece alguma coisa pra esse cara não jogar. É muito azar ou um bloqueio psicológico, isso sim.

    1. Thiago+Silva

      Eu sinceramente não acredito num retorno do Thiem no nível que ele tava em 2020, aquela lesão no punho foi bem grave e ele só joga com aquela mão, acho que deve sentir dor toda vez que joga.

  26. Rafael

    Mestre,

    Você é muito otimista quanto às renovações. Pra mim o saibro será dominado pelos mesmos nomes. Só o Alcaraz de novidade.

  27. Hemerson

    Vamos trabalhar no saibro.
    Tem os que gostam e os que detestam.
    Nadal, Djokovik, Tsisipas, Thiemm, espanhois, Casper Ruud e podemos citar argentimos, leste europeu e chilenos em baixa aparentemente, serão as provaveis atrações, deixando de lado artistas do mis en scene rotineiros como Kirgyios e Monfils. Gosto da lentidão , das marcas na quadra, e o burburinho que vai aumentando na direção de Nadal X Djokovik. Muita água vai rolar e agora temos uma cria do saibro para oxigenar as apostas e ele parece não fugir da pressão de que é o futuro. Ele começa estudando e de repente vc está numa teia de aranha…sem saída…vide Tsitsipas em Miami. Se for para Nadal perder uma final de RG que seja para Alcaraz.

  28. Eduardo Moura Lima

    Dalcim,

    Vc disse que o Nadal deve voltar em Barcelona, mas tudo que li até agora diz que ele deve voltar em Madrid apenas.

    Teve alguma atualização sobre isso ? Não achei …

    Obrigado
    Abraço

    1. José Nilton Dalcim

      Ele permanece na lista de Barcelona e isso indica que ainda acredita que poderá jogar lá.

  29. Willian Rodrigues

    Na pasta anterior, Periferia fez referência a um ótimo filme estrelado por Audrey Tautou (O fabuloso Destino de Amélie Poulain).
    Realmente, um ótimo filme, leve, aparentemente despretensioso, mas nos leva a grandes reflexões sobre os pequenos prazeres da vida.
    Sou admirador do trabalho dessa atriz, e recomendaria ainda outro filme de que ela participou. Trata-se de uma produção mais “hollywoodiana”, que foge um pouquinho do padrão de cinema francês, mas também é um excelente filme, com um roteiro bacana: Instituto de Beleza Vênus.
    Bem sei que esse tipo de elogio incomoda alguns participantes do blog… Mas, percebo nessa atriz o mesmo padrão de beleza que me atrai em outra fantástica diva francesa (Juliete Binoche). Desta última, vale demais a pena assistir “A Insustentável Leveza do Ser”, onde ela contracena com Daniel-Day-Lewis (hors-concours) e “A Liberdade É Azul”, de Krzysztof Kieslowski.
    Aliás, a trilogia desse diretor polonês relacionada às cores da bandeira francesa, que inclui esse último filme, já foi mencionada por alguém aqui no blog (não me lembro agora).
    Abs

    1. Catlowagem

      Tratam-do mesmos autor aqui no Blog (e nao dois). Eles em vetdade “ogavam duplas” aqui.no bog, fazendo repentes sobre filmes, onde cada uma de suas personigicaçoes comentava sobre um filme e a outra personalidade rrspondia em seguida, com outro na mesma linha.

      E assim eles passaram o dia… ano após ano.

      Nada contra, cada um posta o que quer, desde que o editor assim o permita.

      1. Willian Rodrigues

        Prezado, eu adoraria estar no mesmo nível de conhecimento geral, ou ter a mesma capacidade de análise que alguns participantes do blog.
        Periferia e Rubens Leme, por exemplo, são cinéfilos numa acepção mais apropriada dessa palavra; consomem e realmente estudam o tema.
        Eu sou apenas um apreciador… De fato, já assisti a um número até razoável de filmes ao longo dessa vida e curto cinema europeu, além de outros fora do circuito hollywoodiano.
        De qualquer modo, fiquei lisonjeado. Rrrss…

        1. Carlo V. Wagen

          Já pensou em fazer dupla com o Periferia? O duplista cinéfilo dele decretou 2022 como sabático, e o “Peri” precisa de outro duplista para os textos dele deslancharem.
          Além disso, vc não escreve sobre enlatados americanos, o que é um bom começo, já que jogadores que só servem para encher livros de recordes e filmes ruins sao iguais a bebida alcoólica de baixa qualidade: só nos deixam tontos … e depois dão a sensaçao que perdemos tempo assistindo ao jogador errado

  30. Paulo Sérgio

    Dalcim, pode ser que esteja mal informado mas não tenho lido mais nada sobre Nadal. Aparentemente, está sumido das notícias, redes sociais etc. Está realmente muito debilitado com a contusão e por isso não quer aparecer ou está treinando o que pode mas com discrição, por estratégia? O que você acha?

  31. Maria Izabel

    Grandes nomes e talvez algumas surpresas no saibro.
    Tomara Alcaraz tenha tranquilidade.É o foco das atenções de todas as mídias,me parece ter uma boa cabeça.
    Falar que Nadal é feio ,ou é mau gosto ,ou inveja mesmo. E antes que venham me encher a paciência, adianto que sou federista,e gosto de apreciar homens bonitos… coisas de mulher.
    E que venha o saibro!!

  32. Rafael+Azevedo

    Bela análise dos personagens desta temporada de saibro.

    Também, acho que esta deve ser uma das temporadas do saibro europeu mais acirrada dos últimos tempos. Até porque nós últimos tempos não tinha competitividade por causa da extratoferica superioridade do Nadal. Mas, esse ano, o cara inicia a temporada baleado. E todos sabemos que ele demora a engrenar um pouco

    Estou curioso com o Djokovic. Ainda acredito que ele é o favorito (na ausência do Nadal). Mas, o Alcaraz é quem me faz duvidar disso

  33. Luiz Fabriciano

    Dalcim, com todo respeito, as linhas que dedicastes a Thiago Monteiro, nesse post, conta exatamente a realidade dele.
    O que acontece são lampejos de bons momentos, mas a regularidade do ano é essa. O contrário de outros jogadores, que têm lampejos de má fases ao ano.
    Reescrevo isso por conta do debate em torno de jogadores brasileiros durante o final de semana da Davis no Rio.
    A Bia teve uma grande vitória em Miami, deixou escapar outra, que parecia nas mãos. Veio a um torneio bem menor e não engrenou.
    Alguém disse aqui que o Kyrgios foi convidado para jogar em Belgrado, procede?
    Grande abraço.

  34. Sérgio Ribeiro

    E vai começar a Gira mais imprevisível da estória rs . Aquela em que um único jogador consegue vencer o SLAM apenas TREZE vezes . Tem gosto pra tudo , inclusive a mais que irritante lentidão de Monte Carlo . Da’ até pra tirar um cochilo durante os jogos . O Post foi feliz ao colocar alguma dificuldade pra jogadores agressivos como ALCARAZ. De todo modo como o N 1 tem procurado támbem encurtar os pontos , será complicado até pro próprio. Dito isso , acompanho a postagem em relação a Casper Ruud ou CR7 rs . E ‘ o meu favorito a Zebra do Torneio rsrs. Abs!

  35. Carlo V.W.

    Muiyo bem colocado: em teoria o equilíbrio é bem grande este ano.

    E rambém aguardar pelo sorteio, pois ele trará o “fator Kirgios”, que pode eventualmente “sentir vontade” de eliminar alguém antes de deixar o torneio “sem vontade” lá pelas oitavas ou quartas.

    O equilíbrio é tao grande que náo dá (na minha opiniao), para cravar os favoritos até os sorteios no masculino.

  36. Paulo Almeida

    E para a alegria do mundo do tênis e desespero de uma minoria, o cracaço sérvio voltará a jogar com regularidade nos próximos meses.

    1. Sérgio Ribeiro

      Até que enfim , caro Piloto . Confessastes ao Willian que não acompanhava o Circuito antes de 2008 , ou seja , todo o teu papo furado de BAGRES e Reis Magos , saiu tudo da imaginação fértil rs . Não sabias nada quando ouviu Saretta sobre padronização. Daí que no melhor do verdadeiro e único Craque Suíço , eras apenas um “ feto “ no esporte Tênis . És uma figura , e talvez ALCARAZ seja o primeiro que acompanharas de verdade kkkkkkkkk. Abs!

      1. Paulo Almeida

        E para a surpresa de ninguém, segue deturpando tudo/com dificuldade de interpretação. A única coisa que eu “confessei” foi que comecei a TORCER pelo Djokovic depois do Willian; não especifiquei ano e nem se antes acompanhava o circuito de forma neutra ou apenas tendo simpatia pelo sérvio.

        A bagralhada do horripilante período 2003-2007 é REAL e qualquer um pode conferir pelo YouTube. O American Clown Roddick tem um vídeo na Tennis TV muito engraçado inclusive, que até já postei aqui, kkkk.

        É, Ribeiro, a sua sorte é que tenho paciência e até me divirto com suas gracinhas, enquanto o Alessandro Siqueira já chega de voadora, rsrs.

        Abs!

        1. José+Yoh

          Paulo, quando você diz para ir ver no Youtube, chama os tenistas de um período de cinco anos de “bagralhada” ou desdém de um cara que foi número um e ganhava consistentemente do nosso atual número um, só posso pensar que você realmente não acompanhava o circuito na época.

          Abs

          1. Paulo Almeida

            José Yoh,

            Depois de tanto tempo de Blog, você sabe que “bagralhada” não se refere a todos os tenistas daquele período, mas a um grupo já bem determinado.

            Bom, não considero consistente uma amostra de 6 partidas (2 em 2006 e 4 em 2007), sendo que nas quatro primeiras o feto Djoko nem ranking elevado tinha. Quando atingiu o posto de número 3 do mundo após Wimbledon 2007, venceu Federer no Masters de Montréal no quinto confronto entre ambos e até fez final do USO, mas ainda não estava maduro o suficiente para vencer um Major. Ali a entressafra no hard court estava começando a ser ameaçada, o que de fato ocorreu no AO 2008.

            Você pode pensar o que quiser, meu caro. Aliás, a liberdade de pensamento é um dos principais trunfos dos gigantes iluministas, para o desespero do tal de Samuel.

            Abs!

          2. José+Yoh

            Eu referia-me a Roddick, Paulo. Ele ganhou 5 partidas das oito que disputou contra Djoko até 2010 – quando o sérvio já estava bem maduro. Então se ele é um bagre (e palhaço), o que seria o sérvio? E vamos convir que as palhaçadas do sérvio na época não deixavam nada a dever.

            Com relação à Federer vs Nole nesse período é melhor deixar para lá. Afinal antes de 2011 o tênis não existia. Só tinha bagre.
            Abs

        2. Sérgio Ribeiro

          Não conheço esse Senhor que citastes , apelativo Piloto rs . Quanto a desconhecer SEIS Ex – N 1 da Época, e chamar o mais jovem N 1 da Era Profissional de passador de bola ( Rafa se inspirou no próprio) , é um total desrespeito ao Esporte em que pra ti não faz diferença não é mesmo ??? rs . Abs!

          1. Paulo Almeida

            Se o próprio Pessanha batizou o Hewitt como pai do maratênis, quem sou eu para discordar? Rs.

            Nadal, Djoko e Murray foram evoluções do australiano, que não dispunha de golpes contundentes.

            Alguns desses ex-número 1 só conseguiram tal posto porque o circuito estava fraco com a decadência do Sampras.

            Abs!

      2. Daniel+C

        Mas nem precisava de confissão, caro Sérgio. Dá pra notar pela forma como algumas pessoas se expressam (e o que dizem sobre tênis e o Federer), que começaram a acompanhar o esporte quando o Djokovic começou a estourar. (E a ironia é que tiveram a atenção chamada pro esporte graças à popularização que o Federer causou). Minha hipótese é que muitos são jovens e “vieram de outros esportes” como futebol, o que explica também as provocações, o tom jocoso das opiniões e o foco total nos resultados, onde “o fim justiça os meios”. Não é muito diferente da turma que zomba da torcida adversária quando o time ganhou graças a um pênalti roubando. Não interessa se o Djokovic tem péssimos comportamentos. Como ele vence muito, pode tudo e as críticas são coisas de “haters”. É por isso que não dou quase nenhuma relevância ao que essa turma diz.

        Aliás, parece que toda aquela “indignação” em relação ao comportamento do Djokovic na Austrália foi pra inglês ver. Nada como alguns meses para voltarem os comentários de endeusamento do sérvio. “Contra tudo e contra todos”…Eu já esperava…rs

        Abs

        1. Luiz Fabriciano

          Vou falar só por mim.
          Torço por Novak Djokovic desde a primeira vez que bati o olho nele.
          Nessa época já existia Roger Federer e toda sua exuberância tenística, mas, em mim, nada causou.
          Aliás, já existia Guga, antes de Roger Federer e eu já passei maus bocados torcendo por ele.
          Acompanhei, dentro do possível, pela Rede Globo, um pouco da carreira de Bjorn Borg.
          Não escolhi nenhum para torcer. Os três é que me escolheram.
          Sobre Djokovic e a Austrália, o tênis e o referido país, perderam com esse episódio.
          Grande abraço.

          1. Vítor+Barsotti

            A Austrália perdeu?

            Cara, o país foi um grande exemplo no combate à covid. Esse imbróglio todo envolvendo Djokovic com certeza causou um frisson desnecessário mas vejo que o país, ao menos sua posição quanto à pandemia, saiu fortalecido.

            O tênis podemos dizer que perdeu, sim. Seria bom ver Nadal sendo campeão ali sobre o sérvio, ou esse levantando seu 10o Aopen. Seria sensacional para o esporte.

            Mas, contudo, entretanto, nenhum tenista está acima da saúde e da soberania de um país. Nem qualquer esporte que seja.

            O episódio todo foi péssimo para Djokovic, ainda que ele não tenha sido o único culpado pela situação. Forçou a barra e ameaçou fazer isso de novo nos masters americanos. E se vai poder jogar agora na Europa não é mérito algum dele, mas sim de todos que se vacinaram e cumpriram sacrifícios que permitiram o arrefecimento da pandemia.

            Enfim, o tempo passou, outros assuntos vieram (guerra na Europa), nos esquecemos um pouco do sérvio e suas lambanças (alô suposta falsificação em exame de covid, ou aparição em eventos contaminado… mas tudo vai ser deixado pra lá, o dinheiro falará mais alto) mas nada mudou quanto ao egoísta número 1. Um craque dentro de quadra, um idiota fora.

            E para alguns o problema é o Federer que é muito suíço, muito certinho, que quebrava raquetes lá em 2000…

            É brincadeira…

          2. Sérgio Ribeiro

            Conta a do Índio , meu caro . Depois de negado o autógrafo ( ou seria Selfie ? rsrs) pelo Craque Suíço , passou pra turminha do “ tudo menos Roger Federer “ , embora não tenha chegado ao extremo de “ Eu odeio Roger Federer “ deste teu recalcadissimo , xará, lembras ? rs .

        2. Rafael

          Pois é, Daniel…

          Estou meio melancólico quanto ao Djokovic. Após todos os acontecimentos da Austrália, ele dá uma entrevista dizendo que nenhum título importa mais do que sua convicção de não ingerir a vacina ou algo assim.

          Aí pensei: quantas vezes, de manhã, à tarde, à noite, me peguei perdendo horas da minha vida assistindo seus jogos? Quantas vezes estava trabalhando e deixava uma aba aberta para acompanhar o placar, pelo menos? Quanto tempo dediquei a esse moço?

          O que quero dizer é o seguinte: Ao estabelecer suas prioridades, ele coloca JOGAR em segundo plano. Enquanto e onde houver restrições, ele não joga, e priva o fã (eu) de vê-lo. Se a importância que ele dá para isso é essa, pq perder meu tempo com alguém assim? Parece que o Djokovic morreu um pouco pra mim.

          Ainda houve o texto do José Cláudio sobre uma eventual vitória de Djokovic em Wimbledon, na cerimônia, agradecendo ao público: “Sem vcs eu não estaria aqui….” Isso foi um tapa na cara, um choque de realidade.

          Nada do que Djokovic faz apaga o que ele FEZ, em termos de conquistas. Mas ao colocar quem torce pra ele em segundo plano, ah, faça-me o favor… Ele não deve ter consciência de quantas pessoas atingiu e a quantas decepcionou… Se ele joga apenas para si, boa sorte para ele.

          Não vou torcer contra ele, nem a favor. Não vou mais perder meu tempo com Djokovic, não vou ficar pesquisando onde e quando ele será autorizado a jogar, tenho outras prioridades na vida. Não sou adorador de ninguém, mas a carreira desse moço me empolgava. Até ver esse lado dele.

          Bola pra frente.

          1. Rafael+Azevedo

            Eu não sou torcedor do Djokovic, Rafael, mas minha visão é totalmente oposta da sua.

            Se você não gostou da declaração do Djokovic por achar que a convicção dele o torna um “genocida/facista” que faz mal para o mundo, eu entenderia a perda do interesse pelo cara.

            Mas, você querer que ele abra mão de sua convicção pessoal para priorizar o desejo dos fãs de velo jogar tênis, e, por isso, está decepcionado com ele…?

            Eu considero uma atitude muito mais louvável ele não mudar quem é para agradar fãs. Isso é se vender! Teoricamente, o fãs são fãs por se identificarem com a personalidade. Se ele deve largar sua personalidade para você se manter fã dele…isso não faz sentido pra mim.

            Ressalto que falo tudo isso pela comparação que você fez. Ou seja, “jogar para agradar fãs” x “não jogar por causa das convicções”. Não estou entrando no mérito da “imagem anti-vacina”, etc. e tal…

          2. Daniel+C

            Caro Rafa,

            Eu não coloco quem torce para o Djokovic em segundo plano. Você é alguém que eu sempre faço questão de ler os comentários. É uma pessoa ponderada, que respeita a todos. Por mais que eu possa discordar de algumas opiniões suas, respeito e leio tudo o que escreve.

            Quem eu não dou a mínima e geralmente pulo os comentários, são certas figuras por aqui que falam abobrinha atrás de abobrinha, tentando provocar aqueles que não gostam do sérvio, como eu. Como se o mundo inteiro tivesse que idolatrar o cara, só porque é um baita vencedor. Coisa de adolescente, sinceramente.

            O problema é que alguns torcedores do Federer como o Vitor Hugo dão corda (e provocam também). Aí vira o “troca de gentilezas” sem fim. Eu cansei dessas ladainhas faz tempo. Conheço bem o perfil dessa turminha, o que eles gostam mesmo é de atenção, para escreverem os textos lacradoras deles, achando que “humilharam” os torcedores do rival. Coisa de quinta série

            Abs

        3. Paulo Almeida

          Rapaz, você é dos que menos tem moral pra falar de comportamento jocoso, tendo já inclusive largado o personagem “bonzinho” há poucos dias. Voltou ao de sempre, inclusive com a mesma e enorme dificuldade de reconhecer o talento descomunal do sérvio. Exemplo: o lob do Alcaraz tem um quê de Murray, mas igualmente um quê de Djokovic. Porém, como aqueles dois seguidos e maravilhosos pra cima do Federer na final do USO 2015 te machucam até hoje, fez questão de “esquecer” esse atributo do Craque e só mencionar o do escocês na pasta passada.

          Nesse seu comentário de hoje, apenas pegou o bonde (errado, por sinal) do Sérgio Ribeiro e fez suposições com o que não sabe. Eu não vim do futebol e mal falo dessa modalidade por aqui. Aliás, evito fóruns sobre o assunto, porque o nível é extremamente baixo em geral. E outra: o tênis já era muito popular com Sampras e Agassi no mundo e no Brasil o responsável por esse processo foi o Guga e não o suíço. Aliás, esse papo de que antes deste ninguém ligava pra tênis é que é coisa pra inglês ver, rs.

          Quanto às presepadas recentes do sérvio, eu não esqueço e continuo bem decepcionado, mas não dá pra simplesmente parar de torcer por ele, pelo menos por enquanto. Você continuou torcendo pro Federer mesmo com todos seus péssimos comportamentos nos anos 2000, não é mesmo?

          Até mais.

          1. Rafael

            Rafael Azevedo:

            Genocida/fascista eu não diria, mas egoísta, sim. Se a maior parte da humanidade tivesse as convicções de Djokovic, ele teria de encerrar a carreira. E o discurso de bater todos os recordes do tênis que ele vendeu e eu comprei, iria pro vinagre. Ele tem o direito de acreditar no que quiser, mas sendo uma pessoa pública, líder de um esporte que atrai multidões, ele, assim, como seus pares do big 3 (e qualquer outro que desponte e se estabeleça), devem gerenciar de forma extremamente cuidadosa a imagem. Tudo que fazem ou falam está sujeito a interpretações. Na medida em que, após o desgaste fenomenal dos episódios da Austrália, ele se recolhe e vai agora, sem contusão ou qualquer outro tipo de problema, disputar o segundo (!!!) torneio da temporada, sei que haverá gente esperando ansiosamente por seu “retorno”, etc. Mas não eu. Enquanto Djokovic pôde dar um tempo na sua vida esportiva, a minha vida continuou, e o que era inicialmente uma frustração (no caso das vacinas) – porém sujeita a ser esquecida com o tempo, talvez, se tornou um desapontamento. Novamente, não o estou julgando, só que o que ele faz, ou quando faz, ou por que faz, já não me desperta mais interesse. As peculiaridades de Djokovic cansaram Agassi, lá atrás, cansaram Vajda, ao longo dos anos (e esses recebiam para lidar com elas) e, há algum tempo, cansaram a mim.

          2. Rafael+Azevedo

            Ao Rafael:

            Entendo tudo isso que você colocou, mas veja que o fato de ele colocar o tênis, e os fãs, após a sua forma peculiar de cuidar da saúde (que não é de agora) não significa que ele perdeu a ambição por títulos ou o amor ao próprio tênis e aos fãs. Apenas, ele teve que (foi forçado a) escolher entre 2 prioridades das sua vida. Ele fez a escolha, mas continua ambicioso com o tênis, tanto que esperou até o último momento para jogar os masters americanos (sem falar na luta judicial na Austrália).

            Não considero essa decisão como egoísta (claro que é, mas não no sentido negativo que estamos discutindo aqui). Nesse tipo de situação não dá pra ficar ouvindo a opinião do povo, porque é a mente e o corpo dele que está em jogo. O povo está pouco se lixando para as convicções dele, ou se ele se sentiria inseguro ou culpado se tomasse a vacina. O povo quer ver o espetáculo. Quer ver o seu ídolo, só para satisfazer sua idolatria. Não é uma questão de egoísmo, mas de entender que tem situações que o cara tem que priorizar a si mesmo.

            Claro que todos temos um pouco de egoísmo, e é natural que o sérvio tenha tomado algumas ações egoístas ao longo da carreira, como a realização do torneio na pandemia. Mas, na situação atual eu vejo coerência com a imagem que ele sempre vendeu de si mesmo, que é a imagem “idolatrada” por seus fãs (pelo menos, era…)

        4. Willian Rodrigues

          De minha parte, reitero minha indignação com relação a diversas posturas do Djokovic, incluindo algumas reações com a equipe. Vacinação e AO 2022 então, nem se fala.
          Porém, admiro o atleta e sua competitividade.
          O que ele conquistou como tenista em um “mundo” contemporâneo a Federer e Nadal foi um absurdo! E ainda há “pano-pra-manga”…
          Conforme afirmei num post recente, o sérvio abaliza o circuito. É uma prova-de-fogo para qualquer um dos iniciados.
          Algo sintomático, é o fato de alguns praticamente elevarem Kyrgios ao status de postulante a GOAT por ter um H2H favorável contra o sérvio!
          Saudações

      3. Luiz Fernando

        Como se acompanhar há mais ou menos tempo significasse grande coisa. Vc q diz q acompanha há muito tempo e posta um monte de besteira e vive corrigindo o q vc mesmo posta kkkk. Abs.

        1. Luiz Fabriciano

          Tem gente que nasce em uma ilha no meio do oceano e a conhece menos que uma pessoa que jamais pisou os pés nela.

        2. Paulo Almeida

          Kkkkkkkkkk, excelente.

          Ele vai continuar falando besteira e se corrigindo até quando tiver 200 anos de circuito.

          1. Sérgio Ribeiro

            Difícil saber quem baba mais ovo um do outro, não é mesmo , desinformadissimo, Piloto . Foi só o aloprado em questão , desdenhar dos jovens Pilotos da Ferrari ( este não conhece nada de esporte algum rs ) , que os moleques estão deixando MAD MAX de cabelo em pé kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk. Abs!

        3. Sérgio Ribeiro

          E o aloprado continua sem entender o comentário e muito menos a correção kkk . Prost chamou a Ferrari de “ Caminhão “ e Jean Alesi não sentiu pressão alguma pois as WILLIANS já dominavam em 91 . Mesmo assim Senna foi Campeão com Mansel vice . É lógico que pra ti é melhor continuares mentindo , e desmentindo não é mesmo ??? kkkkkkkk. Abs!

  37. SANDRO

    Ah AGORA SIM!!! Chegor a minha época preferida no tênis: “A LONGA TEMPORADA DO SAIBRO” , graças a Deus!!! Tirem as crianças da sala, que agora o tênis vira assunto de, LITERALMENTE, gente grande!!!
    Agora, no saibro, é que se separa o JOIO DO TRIGO no tênis. O saibro é desafiador, é instigante, o saibro é MÁGICO!!!
    E o meu torneio preferido no saibro é o tradicional, sofisticado e belíssimo MASTERS MIL DE ROMA, ornado com seus luxuosos mármores de Carrara…
    E tudo leva, enfim, ao Grand Slam, à magia Roland Garros!!!
    Seja BEM VINDO, oh saibro!!!

Comentários fechados.