Para que serve o talento
Por José Nilton Dalcim
30 de março de 2022 às 20:47

Carlos Alcaraz e Nick Kyrgios são dois tenistas de excepcional talento, disso ninguém provavelmente duvida. O resultado final de cada um na primeira parte das quartas de final do Masters 1000 de Miami, no entanto, evidencia a gigantesca diferença.

Enquanto um não soube administrar frustrações, perdeu-se em comportamento inadequado e saiu derrotado da quadra, o outro virou uma partida em que estava por baixo, empenhou-se ferozmente atrás de bolas impossíveis e achou soluções. O eliminado tem 26 anos e 10 temporadas de estrada, o vencedor é um adolescente de 18 anos que disputa apenas seu 21º torneio de primeiro nível. Não por acaso, Kyrgios luta para voltar ao top 100 e Alcaraz já pode comemorar o 15º posto do ranking.

Pena que Nick ainda tenha recebido apoio ruidoso da torcida e olhos tapados da ATP, porque esse é exatamente o caminho que o leva a nunca se corrigir. Claro que ele é uma atração, eu próprio tento ver todos seus jogos. Possui tênis vistoso e criativo, que sai do lugar comum do circuito, e a descontração tem um lado muito positivo desde que não caia para o abuso, algo que Gael Monfils e Alexander Bublik, por exemplo, o fazem muito bem.

Kyrgios não tem essa capacidade emocional. Cai rapidamente na vulgaridade dos atos descontrolados e se torna piegas na busca de piedade, como se fosse sempre a vítima de tudo e de todos. Já que andou dando conselhos à amiga Naomi Osaka, poderia muito bem acompanhá-la nas sessões de psicanálise. O tênis agradeceria.

O quadro fica ainda mais triste quando comparado a Alcaraz. O antagonismo de comportamento e desempenho são chocantes. O espanhol deu um show de maturidade, determinação e acima de tudo de competência técnica e tática. Não jogava mal, mas estava sendo pressionado por um Stefano Tsitsipas muito firme e agressivo.

Deu é verdade um tanto de sorte, ao acertar lobs milimétricos em situações de grande aperto, porém lá na frente essa correria defensiva desenfreada rendeu. O grego, me parece, passou a mirar cada vez mais a linha já incomodado com a necessidade de bater sempre uma bola a mais para vencer os pontos. Ao mesmo tempo, perdeu confiança e alguns milésimos de segundo de preparação no backhand, que ficou inseguro e impreciso. Diferente do US Open de meses atrás, quando ganhou no quinto set, desta vez Alcaraz foi claramente superior em todos os campos, incluindo o físico e acima de tudo o emocional. Monstro.

Não posso esperar outra coisa do que vê-lo na semifinal diante de Daniil Medvedev. Se o russo passar pelo atual campeão Hubert Hurkacz, o que não é pouca coisa, será de novo número 1 e imagino o gosto especial que isso vai gerar para o espanhol. No entanto, o próprio Alcaraz precisa conter a euforia porque enfrentará nesta quinta-feira um compacto Miomir Kecmanovic, outro que não se entrega em quadra e possui diferentes recursos.

No tênis, jogar como favorito sempre se torna um pouco mais difícil e será uma interessante oportunidade para avaliarmos a reação do espanhol em diferente tipo de pressão.

Iga confirma, masculino com semi inesperada
A quarta-feira começou estranha e um tanto desestimulante, com abandonos logo no quinto tanto tanto de Jannik Sinner como de Paula Badosa. O italiano, que vinha de notável exibição diante de Kyrgios, onde mostrou aquela frieza e eficiência que o havia feito salvar oito match-points nas rodadas anteriores, não superou uma bolha no pé e deu vaga na semi para o argentino Francisco Cerundolo. Ele deu sorte, é fato, mas vinha de duas atuações memoráveis diante de Gael Monfils e Frances Tiafoe.

O atual 103º baseia seu jogo na regularidade e assim fará uma semi inesperada porém curiosa diante do norueguês Casper Ruud, outro tenista sem golpes espetaculares mas muito sólido. Foi assim que ele tirou o futuro número 3 Alexander Zverev. O alemão jogou abaixo do seu potencial quase o tempo todo, mas não é realmente surpreendente que sinta dificuldade no piso noturno tão lento de Miami.

Badosa por sua vez voltou a se sentir mal, como havia acontecido na véspera, e não ficou muito em quadra diante de Jessica Pegula. A dura missão da norte-americana agora é segurar a embaladíssima Iga Swiatek, que voltou a ter atuação segura tanto no saque como na base e não deu chance à canhota Petra Kvitova. A polonesa tenta assim a quarta final seguida em nível 1000, justificando plenamente sua ascensão ao número 1.


Comentários
  1. Sérgio Ribeiro

    E realmente não era impossível ALCARAZ na FINAL . E tirando o Campeão de 2021 , também da Nova Geração. E pra calar o bobão do Kyrgios, Casper Ruud que segundo o Australiano somente sabe jogar no Saibro ( Que fase !! rs ) , terá a honra de ser seu oponente. Fecha assim com chave de Ouro aos 23 e TOP 7 , os MASTERS Norte-americanos ( Taylor Fritz levou o outro) nas mãos dos garotos. Neste os trintões caíram fora antes das Oitavas . Como diz o Expert L.F . “ VERGONHA “ rsrs. O que fica claro e’ que se o moleque não virar um bicho papão rs , teremos pós Big 3 , um rodízio de ganhadores como sempre ocorreu neste Esporte maravilhoso. Até mesmo na era Sampras e Agassi , tínhamos vários vencedores de BigTitles. A conferir. Abs!

      1. Sérgio Ribeiro

        Queridinhos , Jura ??? . Apontei Carlitos ALCARAZ e pedi pra apontares o nariz para o moleque em maio do ano passado rs , lembras ??? . Disse que sem o Craque Suíço , ele já era meu favorito. Se conhecesses um pouquinho do Esporte não postarias aquelas asneiras lá embaixo devidamente respondidas . A FINAL deste lentíssimo MASTERS 1000 de MAIMI em 2021 já foi SINNER x Hurkacz, surpresa pra muitos e sem “ queridinhos “ algum . O ÚNICO jogador da Nova Geração que não escolhe piso e’ exatamente o fenômeno Espanhol junto obviamente com Novak e Rafa . MEDVEDEV e os citados por ti , de longe são favoritos nestas condições. Daí a choradeira de Kyrgios da vida . Sei que pra ti é de difícil compreensão, como insistes em dizer , resultados e’ que definem tudo kkkkkkkkkkkk.

  2. Luiz Fernando

    Sinceramente achei q Alcaraz venceria com mais tranquilidade, mas o polonês sacou muito. O q chama a atenção no menino é q ele parece um veterano nos momentos decisivos. E ainda é um cara de caráter, aquela bola q ele aceitou voltar foi de chamar a atenção de qualquer um. Vejo-o como favorito contra o Ruud domingo, e, independentemente do resultado, sem duvida será um candidato a brilhar, e muito, no saibro…

  3. sandra

    Dalcim, eu não sei sua opinião , mas o Alcatraz , com certeza e um fenômeno , mas você não acha que ele passa uma falsa humildade? Para ser sincera eu não sei se e só ele, ou os tenistas de maneira em geral?

    1. SANDRO

      A palavra certa eh COMEDIDO e CENTRADO. Alcaraz não eh humilde e nem precisa ser, mas Alcaraz tem o dom de ser respeitoso, comedido e muito concentrado no que tem que fazer. Não acho Alcaraz nem um pouco falso, acho que ele eh o que eh e não precisa ser espalhafatoso como o Kyrgios para demonstrar personalidade… Personalidade também se mostra com educação e respeito aos adversários!!!

    1. Alessandro Siqueira

      Como dizia um certo comercial da COFAP, potência não é nada sem controle. E talento, sem a devida disciplina e aplicação tática, não resolve a questão sozinho. Deve ser por isso que “o mais talentoso” tem números inferiores ao sérvio e ao espanhol. Mais ou menos como o Coelho, que tinha certeza de que ganharia da Tartaruga A maior aptidão se fez acompanhar de uma certa soberba, então o resultado foi no sentido oposto do senso comum.

      1. Sérgio Ribeiro

        Será que isso pega ? rs . Novak já ultrapassou 20 SLAM , 237 Semanas CONSECUTIVAS no Topo do Ranking e 103 ATPs , habilidosissimo comentarista ???? kkkkk. Abs!

        1. Paulo Sérgio

          Fatos:

          Não tem recorde de slams;
          Não tem recorde de masters 1000;
          Não tem recorde de títulos conquistados;
          Não tem recordes de semanas totais como número 1;
          Não tem recorde de anos terminados como número 1;
          Não tem recorde de Big Titles;
          Não ganhou 4 slams consecutivos;
          Não tem recorde de ouro olímpico;
          H2H negativo contra o pai Nadal e Djoko;
          Não ganhou todos os slams duas vezes, pelo menos;
          Não ganhou todos os masters 1000;
          Não tem recorde de pontuação em 1 ano;
          Só sobrou o recorde do Finals e o título de “Miss Simpatia”;
          Sorry!

          1. Sérgio Ribeiro

            E o teu mestre Piloto da “ Turbinada “ ainda diz que não és fedelho , pode ser que não , mas a quantidade de recordes que ainda estão com o Craque Suíço e principalmente o seu grande LEGADO , e’ que irão definir o tal “ goat “ . O teu “ paraguaio “ está fora da parada. Novak está longe de ser unanimidade e provavelmente atrás do Espanhol. Em breve saberemos rsrs.

          2. Sérgio Ribeiro

            Ps . Nem citei o recorde de ATP FINALS que o Big 3 não vence desde 2015 . Obrigado rs . Abs!

          3. Alessandro Siqueira

            Paulo Sérgio, uma pena que não tenha como assinar seu comentário. Uma ENXURRADA DE FATOS INCONTESTÁVEIS.

        2. Alessandro Siqueira

          Dados da realidade são dados da realidade e sua tentativa de se fazer superior, colocando risadas para fazer de conta que não liga, soa ridícula. Mas continue assim, “negando as aparências, disfarçando as evidências”. Nessa toada Kyrgios terá um rival à altura. Na disputa pela menor idade metal o páreo está duro.

          ps: gostaria de saber como comentários que primam pelo desrespeito e só se fiam no “ad hominem” são autorizados pela administração do blog.

        3. Sérgio Ribeiro

          Primam pelo desespero porque , camarada ?. O que postastes somente pode ser levado com humor . Agora vem dar uma de decidir o que pode ou não neste fórum de debates ? . Se liga !!! . Abs!

          1. Alessandro Siqueira

            Nem você acredita nas próprias narrativas. Durante muito tempo a regra foi clara: 20 > 17 > 12. Do momento que o 12 virou 20 e o 17 se tornou 21 a coisa mudou. As 310 semanas eram a última referência a palavra sobre dominância. Agora que o sérvio colocou MAIS DE UM ANO DE DIANTEIRA resolveu se fiar às 237. Por quê? Porque não é capaz de ser coerente com as próprias falas. No mais, não sou seu CAMARADA e a partir de agora será solenemente ignorado. Se pretende realmente criar celeuma, seguirá sozinho, mais amargo e choroso que um certo suíço depois da final do Aberto da Austrália em 2009. #pas

          2. Sérgio Ribeiro

            Os recordes mais difíceis deste esporte são o número de SLAM ( Rafa Nadal) , o N de Semanas CONSECUTIVAS no Topo ( Federer) , o de anos CONSECUTIVOS como N 1 do Mundo ( Sampras) , e o de SEMANAS não consecutivas ( Novak ) . Quanto a debates com alguém com pouco conhecimento da matéria e além de tudo fanático e metido a intelectualoide, também dispenso . Abs!

    2. Paulo Almeida

      O mais talentoso em algumas jogadas de efeito, mas a esquerda por exemplo só conseguiu ser nota 7 no final da carreira graças ao Ljubicic. Já a devolução só sabendo bloquear continua nota 5. 🤣🤣🤣🤣

      1. Sérgio Ribeiro

        Se isso não fosse mais uma das suas enormes groselhas, jamais estaria com 20 SLAM . Confundes Back Simples com “ esquerda atrofiada “ devido ao fato de jamais empunhastes uma Raquete , caríssimo Piloto rsrs. Abs!

        1. Paulo Almeida

          Empunhei minha primeira raquete com 7 anos quando fiz aula de tênis em um clube perto de casa, mas não levei a sério.

          Não confundo nada: as esquerdas de Wawrinka, Thiem e Shapovalov (a ofensiva deste) não são atrofiadas e as de Roddick e Berrettini com duas mãos são.

          Abs!

  4. Heitor

    O Alcaraz se defende absurdamente bem. Na prática, ele contra ataca todas as bolas em que é atacado, tamanha a velocidade e a técnica que tem pra se posicionar.

    Quando é atacado, ele já sabe o q vai fazer c/ a 🎾 se chegar nela. Ñ simplesmente devolve e espera o q vai acontecer.

        1. Sérgio Ribeiro

          Sabes que não isso não é verdade , L.Fa. O Suíço está mais na parada do que imaginas . Tu já fostes contaminado há muito rsrs. Abs!

  5. Heitor

    Dalcim, tem algum limite de número de patrocinadores na camiseta do tenista? E têm regras sobre onde as logos e nomes podem ficar?
    Imagino que sim porque se não veríamos os tenistas usando camisetas como os jogadores de futebol no Brasil…
    Obrigado.

    1. José Nilton Dalcim

      Sim, Heitor, há limite para tudo. Quantidade, tamanho, posição. Existem regras específicas.

  6. Marcilio Aguiar

    É temerário fazer previsões com base em uma amostragem tão pequena, mas essas performances do espanholito nos masters 1000 apontam para alguém com totais condições de dominar o circuito por muito tempo. É impressionante que ele faz bem todos os fundamentos e certamente tem muito a evoluir.

    Onde pode chegar? Enfim, parece que surge um candidato a se destacar na multidão, como outrora fizeram os integrantes do BIG 3.

    O sérvio Kecmanovic também esta se revelando um belíssimo jogador. A turma dos 24 anos que se cuide porque esses novíssimos vão tomar as rédeas em pouquíssimo tempo.

  7. Carlo Von Wagen

    Ruud pulou dois torneios jà neste ano por contusão. Mesmo assim já è top10 no ano (apesar da torcida contra no blog). E jà vai chegar a 7o. Do ano.

    Qto ao Alcaraz, sem palavras!

  8. Ronildo

    Alcaraz é um fenômeno. Mas tomara que ele arranje uma maneira (ou diversas), de ganhar os jogos mais rápido. Nesta idade Federer não ganhava tanto. Aliás nesta idade Federer era uma promessa. Porém quando despontou como o tenista mais habilidoso, técnico e vencedor de todos os tempos depois dos 22, ganhava os jogos facilmente, com alguma batalha de vez em quando. Alcaraz, se continuar dependendo do físico desta maneira, vai se aposentar cedo assim como Nadal.

    Em que ano nós estamos mesmo?

    1. Luiz Fernando

      Que pena q o Nadal aposentou, talvez tivesse chance de ser o maior vencedor de GS de todos os tempos, mas a idade é inexorável…

    2. Sérgio Ribeiro

      Se aposentar cedo como Nadal , caro Ronildo ? rsrs. O Craque Suíço demorou a ganhar cedo mas vamos combinar que aos 19 , sua vitória em WIMBLEDON 2001 , valeu por muitas . Além de tirar a chance de Pete Sampras tentar o Octa , acabou ele mesmo se tornando OCTACAMPEÃO no All England Club !!! . Abs!

  9. EDVAL CARDOSO

    É, e a Polônia está com tudo mesmo.
    Classificada pra copa, com chances bem reais de levar Miami tanto no masculino quanto no feminino e ainda pode ter dobradinha do Hurkacz, já que ele está na final de duplas junto com John isner.

  10. Luis

    Dalcim, quem é esse servio que jogou contra o Alcaraz? Já era bom assim ou começou a despontar agora? Espetáculo como joga. Jogão ontem dos dois

  11. Marcelo+Costa

    Toda glória ao menino espanhol e o que ele tem feito, mas esse sérvio joga demais também, uma direita quase assasina muita confiança, que momento do tênis, enfim a transição parece estar caminhando.
    E o tênis feminino, a Iga está deixando quase sem graça o circuito de tanta superioridade, não sei se Osaka será capaz de impedir mais um triunfo da futura número 1.

  12. Jordy

    Não há mesmo equivalência entre o tênis feminino e o masculino. É possível supor acertadamente que as atuais 10 melhores seriam capazes de vencer, sim, um jogador atual, porém, desde que qualificado abaixo dos 500; ou que elas ganhariam de um dos 10 primeiros, com a condição de ser um atleta do início dos anos 1980.

    Os melhores jogos de Serena, Dementieva, Henin, Clijsters, Azarenka, Venus ou Barty não fariam cócegas à partida de ontem entre Kecmanovic e Alcaraz pelas quartas de Miami. (Apesar que o jovem espanhol necessita tornar-se um jogador mais regular quando joga agressivamente, reduzindo a imensidão de erros não forçados.)

    Não à toa que as arquibancadas da WTA são tão vazias, nas simples, até as semifinais – e eventualmente inclusive nessa fase; e, nas duplas, são sempre vazias (na ausência das irmãs Williams e das voleadoras de origem tcheca, como Navratilova, Mandlikova, Novotna e Sukova, a quantidade de “balões” é desanimadora). Por isso, (a beleza de) Sharapova faz muita falta para o fomento da audiência do circuito feminino.

    Assim, não faz sentido que, mesmo sendo bem menos atrativos os jogos da WTA para o público, inclusive o feminino (poucas mulheres estão nas arquibancadas), a premiação é equivalente hoje em dia à da ATP.

  13. Luiz Fernando

    Tanto Iga quanto Alcaraz tem uma característica marcante, essencial: garra, vontade de vencer, o famoso sangue nos olhos, gente q aceita a derrota apenas quando ele de fato ocorre, nunca por antecipação, nunca no meio da partida. Isso assemelha ambos ao seu ídolo mor, Rafa Nadal, expoente desse tipo de atleta na história do esporte mundial. Isso distingue esportistas como eles de outro tipo de grande atleta, aqueles com sangue de barata, que se entregam e se conformam com a derrota no momento da adversidade…

  14. O doutrinador

    Kyrgios é um grande talento desperdiçado em uma pessoa com uma mentalidade infantiloide, sim.

    Só que é mil vezes mais jogador que Alcaraz, que é só mais um porradeiro sem nenhuma variação e típico jogador da escola espanhola de filhotes do Dr. Fuentes.

    1. Miguel BsB

      O espanhol faz grandes lobs, voleia, curtinha milimétricas, e só sabe espancar a bola? Hahahahaha
      Tá precisando estudar mais doutrina…

    2. Paulo Almeida

      Sem variação? É sério que você não viu nenhum lob, drop, voleio e saque-voleio do cara? O slice ainda é ruim, mas deve melhorar.

      Porradeiro ele é também, mas não como um Rublev da vida, que só sabe fazer isso.

      1. Vitor Hugo

        De slice ruim vc entende, né? Hahahahah Vc acha que o dele é pior que o de Novak, que é um dos piores do circuito?

        1. Paulo Almeida

          Nos últimos 3/4 anos, o slice do cracaço sérvio variou entre 8,5 e 9, estando tranquilamente entre os melhores do circuito.

          Vou dar uma nota 7 para o Alcaraz de hoje.

    3. Luiz Fernando

      E vc é o doutrinador do… sofrimento kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk. Aqui é diversão garantida kkkkkkkkkkkkkkkkkkk…

  15. Rafael+Azevedo

    Estão faltando suspiros para os jogos do Alcaraz. Que jogadoraço!

    Mas, justiça seja feita. Esse sérvio Kecmanovic também está jogando uma barbaridade nessa temporada. E o Sérgio Ribeiro já tinha alertado.

  16. Maurício Luís *

    A maturidade do Kyrgios é inversamente proporcional ao talento. 10 anos de idade mental, com muito favor. Até que parecia que tinha tomado jeito nos jogos iniciais. Mas aí baixou o espírito do Sandoval Quaresma: ” – Tava indo tããao beeem… ”
    Fora do Top 100, passou agora a depender de convites. ORA PITONDAS, se você é CONVIDADO, tem obrigação de saber se comportar. Não pode entrar, se escarrapachar no sofá e por o sapato sujo de lama em cima da mesa espelhada. Então, se eu fosse os organizadores dos próximos torneios, não o convidaria.
    Já o Alcaraz, o que falta no australiano, sobra nele. Sangue frio, equilíbrio, técnica, talento, lida bem com a pressão… Nem parece que tem 18 anos.
    Que diferença! O baloeiro pouca telha que se cuide. Aliás, os Top 10 que se cuidem e ponham todos as barbas de molho.

    1. José+Yoh

      Kyrgios, logo o veremos em algum reality na Netflix – que é o lugar onde ele deveria estar. É apenas uma forma de entretenimento, o que é uma grande pena.

      Aparentemente seus problemas vem de uma variação entre o excesso e a falta de autoestima que ele não consegue controlar. E nós (inclusive este comentário) contribuímos ferozmente com nossas críticas para essa espiral rumo ao esgoto.

      Assim funciona o estrelato.
      Abs

      1. Maurício Luís *

        Especificamente nossas criticas, acho que não contribuem pra prejudicá-lo não. Porque ele talvez nem saiba direito onde fica o Brasil…

        1. José+Yoh

          Eu quis dizer nossas críticas (do ser humano, não do blog). Somos essa coisa que você vê na Internet todo dia. Coisa que o próprio Kyrgios é também.

          E tudo funciona em uma rede Maurício. Deve ter umas 4 pessoas em sequência no máximo para uma ideia nossa influenciar alguém do outro lado do mundo.
          Abraços

      2. Felipe Julindk

        O próprio kyrgios ja informou várias vezes no Twitter que a Netflix o acompanha há algum tempo para lançar uma série.

  17. Willian Rodrigues

    A grande surpresa dessa fase do circuito não é Alcaraz se estabelecendo em meio aos grandes… E sim esse sérvio, por quem até pouco tempo, ninguém dava muita coisa por ele. Evoluiu demais o Kecmanovic! Muito bom para o circuito que tenha surgido mais um grande talento.
    E a lista de jovens excepcionais segue crescendo…
    Que bom assistirmos a uma partida emocionante sem a presença de um dos 3 maiorais.
    Parece-me que, infelizmente, Zverev, Medvedev, e Tsitsipas perderam a oportunidade de dominar o circuito por um período de tempo mais prolongado.
    Se Aliassime, Brooksby, Sinner e alguns outros subirem mais alguns degraus, já era nobres colegas.

    1. Vitor Hugo

      Mas quando foi que Medvedev, Zverev e Tsipas dominaram o circuito?! Apenas o russo foi 1 do mundo e ganhou slam.

      1. Willian Rodrigues

        Prezado Vitor Hugo, o que quis dizer é que eles tiveram suas chances antes do surgimento desses novíssimos talentos, como Alcaraz e companhia, MAS, não aproveitaram. Não souberam se impor perante o Big 3…
        Agora, mesmo atingindo um nível elevado de tênis, será muito difícil para Medvedev, Zverev e Tsitsipas dominarem por um período longo de tempo após a queda natural de rendimento de Nadal e Djokovic. Creio que haverá uma infeliz coincidência para eles; assim que Nadal e Djoko se fragilizarem, a galerinha mais nova já terá tomado conta do circuito. Algo assim…
        Abs

        1. Luiz Fabriciano

          Nobre William, eu não diria que tiveram oportunidades e não aproveitaram.
          Até parece, falando assim, que os caras realmente não quiseram.
          Talvez tenhamos em Carlos Alcaraz alguém extremamente mais tenista que o trio Medzvetsipas.

  18. Ruy+Machado

    Que jogo espetacular entre Alcaraz e Kecmanovic! Como o Meligeni falou na transmissão, é até um pecado alguém perder! Quem diria que, na ausência do Big 3, teríamos nas SF de Miami Alcaraz, Hurkacz, Ruud e Cerundolo…

  19. Fernando Brack

    Valmir, concordo muito com sua opinião sobre as seguidas escalações do Bernardes em jogos do Kyrgios. Bernardes está sendo colocado como parachoque das grosserias do bad boy. Isso é nada menos do que covardia da ATP, que se recusa a punir o moleque como deveria.

  20. Paulo F.

    Kecmanovic e Alcaraz fazendo um jogaço.
    A se lamentar apenas a secação para o sérvio e a torcida pom-pom dos já notórios “profissionais” detestáveis Fernando Nardini & Fernando Meligeni.

  21. Fernando Brack

    Me incomoda demais ver juízes mundo afora, de todos os tipos e para todos os fins, serem lenientes com a prática de delitos. Seja por medo ou rabo preso, deixam de aplicar as devidas punições. O que conseguem com isso é a perpetuação dos delitos. Não por outra razão, um sujeito como Kyrgios se orgulha de ser um bad boy em quadra, tanto quanto nossos políticos e governantes se gabam de sua repugnante impunidade.

    1. Paulo

      as autoridades do judiciario brasileiro sao veneradas ó, é juiz, ó é promotor, ó é procurador….etc) e todos dizem amem a elas (claro, elas que vao julgar nossos processos) mas deveriamos venerar o carater e nao o cargo delas. E qto ao carater, podemos contar nos dedos os que de fato merecem uma veneração. Enquanto toda a estrutura do judiciário e da populacao colocar essas autoridades no pedestal, a coisa continuará desse jeito, Fernando.

      ontem mesmo levei carteirada na academia. Tinha um rapaz e seu personal na frente de um aparelho, sem treinar, só conversando. Eu perguntei se eles ja tinham terminado e se eu poderia usar o aparelho. O rapaz virou para mim e disse: vc tá reclamando com o procurador do Estado?

      1. José+Yoh

        Tem uma frase muito boa do Luis Fernando (o Veríssimo) que eu sempre guardo para esse tipo de situação:

        “Merd.. de rainha é igual a minha!”

        Abs

  22. Paulo Sérgio

    Admiro demais a garra, a seriedade e a humildade de Alcaraz. Não há como vê-lo jogar e não se lembrar de Nadal. Em certos momentos, até no jeito de andar e em alguns rituais em quadra são parecidos.

    Mas ainda falta o teste do tempo. Precisa chegar no Top 10 e ficar lá por longos períodos, sobretudo no Top 5. Aparentemente, ele não é mais uma promessa, já é uma realidade. Contudo, para ser comparável ao mítico Big 3 ainda precisa muita coisa.

  23. Daniel+C

    Eu não tenho muito mais o que acrescentar após excelente texto do Dalcim. Além disso, se o talento não é desenvolvido, o jogador se torna apenas “habilidoso” (e em alguns fundamentos, não em todos). O Federer cansou de dizer que treinou muito para desenvolver todo o potencial dele, especialmente a movimentação das pernas. E o Nadal, evoluiu em todos os fundamentos ao longo da carreira, mesmo após conquistar vários GS. E acho que esse será o caminho do Alcaraz. O talento imenso que ele mostra será lapidado e ele tem tudo pra ser uma lenda. Já o Kyrgios passará a vida frustrado e se colocando como vítima, vendo outros tenistas com menos talento alcançando resultados muito maiores. Cada um colhe o que planta. Se planta treino e dedicação, colhe resultados. Basta ver onde chegaram Nadal e Djokovic mesmo tendo menos técnica e talento que o suíço (e olha que o suíço treinou muito e se dedicou…)

    1. Paulo Almeida

      Menos talento em alguns fundamentos e mais em outros. Djokovic teve desde os primórdios uma facilidade enorme pra devolver, lobar, fazer defesas impossíveis com sua movimentação sobrenatural, mudar de direção, angular e afundar a bolinha, enquanto em outros aspectos precisou trabalhar mais, mas eles vieram também, assim como pro Nadal.

      1. Paulo Almeida

        E ainda me esqueci da passada, aquela mesma do 40-30 em Wimbledon. É gênio em tanta coisa que é difícil lembrar de tudo.

  24. Luiz Fernando

    Mais uma participação vergonhosa dos principais expoentes da eterna nextgen: Medvedev, Zverev, grego, Shapovalov e Rublev, nem nas semis chegaram, e sem ninguém do Big3 em quadra. VERGONHA…

    1. Jordy

      Sinceramente: para mim, a “geração seguinte” eram os jogadores 5/10 anos mais jovens do que os três grandes, que chegaram ao grupo dos dez primeiros e que faziam alguns jogos de igual para igual com os maiores, dando a todos a esperança de aumento de competitividade no circuito, como Nishikori, Thiem, Raonic, Dimitrov e, em certa medida, Goffin.

      Essa turma que você citou parece já ser de uma outra faixa etária, porém ainda assim mostra bastante inferioridade com relação aos três melhores.

    2. Valmir da Silva Batista

      LUIZ FERNANDO, para mim, eles ainda jogam como se fossem promessas, tamanha a falta de regularidade, e isto quando não acham de dar chiliques de bad boys. Não falo de Kyrgios, porque nunca se interessou mesmo em fazer carreira, e sim apenas em jogar bola, mas botadores de banca como o Alexander Zverev e Stefanos e o Tsitsipas, por exemplo, têm sido espécies de Sofía Kenin e Jelena Ostapenko de calções. Na idade desses dois patetas e de seus pares de faixa etária e até mesmo um pouco antes, entidades como Sampras, Agassi, Seles, Hings e Nadal, dentre outros, já assombravam o mundo jogando bola pra caramba. A impressão que me dá é que a geração anterior a essa na qual estamos descendo a ripa, Luiz, é que substituirá o tal big-3( acho essa deferência horrorosa! ), ou seja, tenistas como os italianos Jannik Sinner e Lorenzo Musetti, o canadense Felix Auger-Aliassime e o espanhol Carlos Alcaraz, para ficar apenas em quatro amostras, é que têm jogado bola como gente grande de cerca de um ano para cá, enquanto os supostos substitutos de Federer, Djokovic e Nadal, têm vivido apenas de nome. Grande coisa, né?

      1. Luiz Fernando

        Concordo, a irregularidade desses caras é notória e inquestionável, e aparentemente essa geração q vem depois deles, simbolizada pelo Alcaraz, tende a deixa-los para trás antes q assumam o lugar de Rafa e Djoko…

        1. Valmir da Silva Batista

          LUIZ FERNANDO, às vezes eles me dão até a impressão que seu auge já foi alcançado, ou seja, parece que não têm mais como evoluírem. Alguns dirão que o foda para ele é a longevidade de Federer, Djokovic e Nadal, mas não se justifica, já que, atualmente, eles não conseguem ser consistentes sequer contra a geração anterior à sua, e ao menos superioridade irrefutável contra esta eles tinham que ter…

      2. Heitor

        Gostei. E gostei da definição para kyrgios: ser bom de bola e não interessado em fazer carreira. É isso.

    3. Sérgio Ribeiro

      Medvedev = 26 anos , Hurcakz = 25 , Zverev = 24 , Taylor Fritz = 24 , Rublev = 24, Tisitsipas = 23 , Casper Ruud = 23 , Shapovalov = 22 , kecmanovic = 22 , ALCARAZ = 18 ( fenômeno) . Qualquer destes que faça uma FINAL ( como vem acontecendo desde 2019 ) , quem está fazendo VERGONHA na ausência do Big 3 , são os Trintões começando por DImitrov = 30 . Tua frustração é que contavas com MEDVEDEV tomando novamente o N 1 de Novak Djokovic rs . Fica frio que Zé Verev neste mesmo torneio retomou o N 3 do Touro Miura ao atingir as Quartas . Lembrando ao desmemoriado comentarista que STANIMAL = ZERO MASTERS 1000 , ZERO FINALS e levou seu primeiro SLAM aos 29 . Del Potro = 1 MASTERS 1000 , ZERO FINALS . A FINAL do MASTERS 1000 de MIAMI 2022 será entre dois dos citados rsrs. Abs!

  25. Paulo Almeida

    E o maior reinado da história do tênis continua. Na próxima semana, o Craque terá exatamente 7 anos na liderança do ranking e na outra 3 anos a mais do que o Nadal. Sem sua defasagem mental (by Sábio Gavião), estaria caminhando tranquilamente para as 380 semanas.

    Hurkacz é o atual campeão de Miami e merecia/continuará merecendo todo o respeito na defesa do título.

    No aguardo do grande jogo entre os jovens talentosos a partir das 20 horas.

    1. Paulo Almeida

      E talvez tenha sido a melhor partida em 3 sets do ano, que poderia ter ido para o lado do sérvio também.

      Claro que é um exagero enorme comparar Kecmanovic X Alcaraz com Djokovic X Nadal, disparada a maior rivalidade da história, mas novos espetáculos como esse estarão garantidos no futuro.

    2. Gustavo

      Tb to no aguardo desse jogo, sobretudo porque ontem acabei perdendo o melhor jogo do ano ate aqui.
      Sextou kkkkk

      1. Sérgio Ribeiro

        E’ apenas o N 2 do Mundo . Onde o “ expert “ estava na FINAL do USOPEN 2021 ??? . E do AOPEN 2022 ??? rsrs. Abs!

  26. Oswaldo+E.+Aranha

    O Sinner conquistou-me ao derrotar o pretencioso Carreño Busta, ou como dizem alguns companheiro do blog Carreño Bosta. Recordando, ele havia dito em um torneio nos Estados Unidos: melhor que eu só o Nadal, só que não consultou antecipadamente o Sinner.

  27. Luiz Henrique

    Boa tarde, Dalcin!

    Posso estar sendo precipitado até pelo fato da amostragem ainda ser pequena , mas começo a ver um padrão nos jogos entre Tsitsipas e Alcaraz parecido com nadal e federer, o jogo não encaixe para o Grego assim como não encaixava para o Suiço . E por ironia do destino a diferença de idade entre ambos também é de 05 anos. O que acha?

    1. José Nilton Dalcim

      Ainda é realmente cedo para falar em padrão, mas é certo que o backhand do grego sofre. Existe no entanto uma diferença importante. O ataque do Nadal se faz com muito topspin (e de canhoto), o que faz a bola subir muito e sair da linha da cintura, o que é cruel para quem bate com uma mão. Já o do Alcaraz tem menos giro e mais velocidade, o que provoca um atraso no ponto de contato.

      1. Luis

        Dalcim, existe alguma vantagem em jogar o backhand com uma mão? Me lembro que o Taonga as vezes batia com uma mão

        1. José Nilton Dalcim

          Acho que atualmente a única (pequena) vantagem é o alcance maior num bola muito distante do corpo. Nem mesmo a vantagem mais antiga, da troca mais suava de empunhadura, existe mais porque quase todo mundo joga com uma empunhadura mais radical no backhand.

  28. Sandra

    Dalcim , por favor me responda uma coisa , Djokovic está fazendo tudo para ser o número 2 , mas Medevedev não está deixando , estou errada ? kkk até preferiria que Djokovic fosse número 2 , normalmente são chaves menos difíceis

  29. Miguel BsB

    Vocês tão gastando vela com defunto ruim…
    Kyrgios nunca será. O que sobra em talento falta em caráter, inteligência emocional, disciplina, profissionalismo…(esses atributos são tão ou mais importantes do que talento puro no tênis profissional). Tanto é que temos 100 tenistas à frente dele no ranking, e muito poucos com talento igual ou superior ao dele.
    Falemos de Alcaraz, esse sim soma talento com diversos outros atributos que fazem um craque e campeão…

  30. Luiz Guilherme Correia

    Dalcim, você concorda que o Alcaraz, com 18 anos, é mais completo do que eram Federer, Nadal e Djokovic com a mesma idade?

    Você se lembra de ver algum tenista tão novo, que domina tão bem todos os fundamentos? Ele fez cada voleio, lob, deixadas, pancadas de forehand. Estou impressionado com a variedade e qualidade dos seus golpes.

    1. José Nilton Dalcim

      Sim, concordo com você. Não vi muito Federer e Djokovic jogarem com 18 anos, mas é possível supor que eles não tivessem o mesmo apuro físico e maturidade que demonstram o Alcaraz hoje. Já o Nadal pudemos acompanhar desde os 17 e tecnicamente não há dúvida que Alcaraz é mais completo. Podemos falar de outros fenômenos, como Becker, Wilander e Chang, todos já com Slam ali na casa dos 17, e novamente acredito que o Alcaraz no geral é mais completo que todos eles nesses momentos.

      1. Luiz Guilherme Correia

        Realmente, é um fenômeno. O “azar” dele é que Djokovic e Nadal ainda estão aí e vence-los em Grand Slam é tarefa muito difícil.

      2. José+Yoh

        Penso que a forma de treinamento físico e mental e a tecnologia das raquetes, cordas, etc impede uma comparação justa. Posso estar enganado mas parece-me mais fácil ser um jogador mais completo hoje em dia.

        Para ilustrar, fui aprender a tocar violão depois de velho. Há milhares de aulas na Internet, com cifras de qualquer música que eu quiser no meu celular. Afinadores eletrônicos super baratos. Era algo impensável há uns 15 anos atrás.
        Abs

    2. Luiz+Fabriciano

      No meu ponto de vista, o Alcaraz tem ainda um diferencial em relação aos outros citados:
      Juan Carlos Ferrero.
      Que participou do período de transição de uma era para outra no tênis. E se o Alcaraz é do tipo que ouve o mestre e segue a risca, a chance de sucesso é potencializada.

  31. sandra

    Dalcim, qual o horário nobre dos jogos , de tarde ou de noite ? Caso você responda de noite , porque então o Medevedev está jogando de tarde ? Até onde sei as chances dele ser número 1 e bastante grande , então deveria jogar à noite. Esses dois torneios Miami I Indian wells tem o mesmo tempo de duração que um grand slam ?

    1. José Nilton Dalcim

      Jogo nobre é sempre o horário de maior público e maior audiência de TV. Portanto, o da noite sempre será mais nobre. Não sei o motivo de o Medvedev jogar cedo, mas não duvadaria que ele enha pedido isso, porque você deve saber que de dia a quadra é mais veloz do que de noite. Torneios duram 10 dias e são em melhor de 3 sets, portanto muito diferentes de um Slam no masculino.

  32. Marcelo+Costa

    Será que resiliência, maturidade, responsabilidade não pode ser tratado como talento? Parece que só ter habilidade, coisa que o australiano tem de sobra, é diferente de se ter talento. Habilidade pode ser algo que você nasça talento, é algo mais trabalhado, mais elaborado, diante de várias circunstâncias.
    Akcaraz é talentoso, Nick é só habilidoso.

    1. José Nilton Dalcim

      Talento é aquilo que alguém faz com extrema naturalidade o que outros precisam de horas de treinamento para fazer. Simples assim.

    2. Rafael+Azevedo

      Eu entendo que a habilidade é a capacidade de executar uma técnica.

      Como Dalcim falou, um atleta pode adquirir habilidade com treinamento pesado ou por puro talento, nos dois extremos.

    3. José+Yoh

      Marcelo, no nível desse pessoal, talento ou habilidade é algo básico. Todos tem muito ou não estariam onde estão. Federer, Djokovic, com todo a habilidade nata que tinham só foram conseguir chegar no nível máximo lá pelos 22 anos de idade.

      Tem grandes talentos em todos os esportes que não conseguem sair do nível amador, porque o esporte profissional depende de outros fatores muito mais importantes. Como por exemplo muito, mas muito treino e consequentemente precocidade e dinheiro. Ou uma maturidade, comprometimento, disciplina e resiliência dificílima de encontrar nos jovens.
      Abs

  33. Luis

    Maravilhosa essa comparação entre os dois tenistas Dalcim, parabéns! No Brasil acredito que as pessoas, na média, valorizam de mais o talento e muito pouco ou quase nada o esforço e dedicação. Para mim essa é aprincipal lição do tenis, tentar de novo, melhorar continuamente, se incentivar, respeitar o adversário seja ele quem for, nunca desistir. Se o tenista consegue isso, qcho que já ganhou independente do resultado da partida.

  34. Vitor Hugo

    Fritz é isso mesmo, um tenista com boas armas mas limitado. Mas venceu um masters jogando com uma perna só.

  35. Periferia

    Dez características de um talento no mundo empresarial (e na vida).

    01-Compartilham metas e valores.

    02-São movidos por desafios.

    03-Não se satisfazem em fazer só o que foi pedido…buscam a excelência.

    04-Nunca perdem o foco.

    05-Acreditam que sempre há uma maneira melhor de realizar um trabalho.

    06-Procuram ampliar seus conhecimentos e desenvolver duas habilidades.

    07-Assumem suas deficiências e buscam formas de eliminá-las.

    08-São assertivos…suas opiniões são sempre colocadas sem agressividade.

    09-Demonstram equilíbrio no relacionamento interpessoal.

    10-Cultivam bons hábitos pessoais…dentro ou fora da empresa.

    (Kirgios não se enquadra em nenhuma…Alcaraz em todas)

    1. Willian Rodrigues

      Mais uma vez, cirúrgico. Embora eu admire o talento inato do Kyrgios, concordo plenamente.
      Penso que Jannik Sinner, Aliassime, Shapovalov, Brooksby, Rune, e alguns outros jovens talentosos devem se empenhar, se desdobrar, exatamente como fez um tal Djokovic a partir de 2007/2008, OU teremos um jogador ainda mais dominante no circuito do que foi qualquer um do Big 3!!
      Se o panorama não mudar muito, há o risco de Alcaraz reinar sozinho…
      Não se trata de exagero. De fato, o garoto está aliando todos os atributos, inclusive um excelente staff para orientação.

      1. Periferia

        Olá Willian

        Interessante quando vc escreve ” um jogador ainda mais dominante no circuito do que foi qualquer um do Big 3!!”
        Um jogador que desponte no circuito com 18 ou 19 anos…com potencial de um fora de série…caso não tenha adversários no mesmo nível…poderá quebrar todos os números do esporte…algo impensável para quem acompanhou o Big3.
        Os recordes que temos hoje…de certa forma estão divididos entre 3 tenistas num período aproximado de 15 anos (+ou-).
        Um tenista…fora de série…com pouca idade…sem adversários…num período de 15 anos poderá ter 60 Slam(s)…..mais de 100 master mil….mais tempo liderando o ranking….mais vitórias…etc (caso ele se aposente com 34 anos…senão os números crescem).
        Não sei se estarei por aqui (acho que sim…o povo da periferia dura)…acredito que todos os recordes atuais cairão com certa facilidade…basta um único fora de série .
        Não digo que será Alcaraz…mas pode ser…

        Abs

        1. José+Yoh

          Periferia, vejo uma única dificuldade para qualquer grande jogador que apareça em um nível superior aos outros.
          É a exigência física do tênis atual. Vejo o Alcaraz jogando e não consigo ver um futuro sem lesões. Mesmo com todo o avanço da tecnologia e da medicina.

          O fato é que as quadras e as técnicas de defesa tornaram quase toda bola possível de ser devolvida, e o jogo dele é muito baseado nisso.
          Só que isso cobra um preço a longo prazo.
          Abs

        2. Willian Rodrigues

          “Não sei se estarei por aqui (acho que sim…o povo da periferia dura)”
          Essa frase foi espirituosa! Rrrss…
          Estaremos sim, doutor (todos são “doutores” em alguma coisa). E mais leves, mais felizes…
          Daqui a 20 anos, todas as discussões sobre o GOAT, baloeiros, unidimensionais, pancadeiros, “o meu é maior que o seu” e também quaisquer vieses discriminatórios estarão extintas neste blog! Não é possível… KKKKKKK
          Abraços

    2. Carlo Von Wagen

      Ô uai… como vc tem tanta certeza que um tem? (Quanto ao outro, este sim é visível e notório que não tem)

    3. José+Yoh

      Acho que o grande talento necessário para ser um campeão é ter uma cabeça boa para resistir às pressões do circuito e disciplina máxima para sempre procurar melhorar… basicamente resiliência.
      Abs

  36. André Borges

    Po Dalcim aí você deu uma forçada na amizade. Comparou um cara muito acima da média mentalmente com um muito abaixo. Alcaraz fatalmente será #1 em algum momento porque é muito forte e maduro. Kirgyos conseguiu seus resultados no tênis baseado no puro e absoluto talento, pois tem a maturidade emocional de uma criança de 8 anos

    1. Rafael+Azevedo

      É por isso que no título do post ele falou sobre Talento.
      Kyrgios e Alcaraz são comparáveis neste quesito, mas mentalmente, de fato, não há comparação.

  37. Paulo H

    Imaginando que a Bia poderia estar no lugar da Jessica Pegula, caso tivesse confirmado o segundo set em que vencia Kalinina por 3×0. A partir daí, se tivesse vencido a Pegula (e tem jogo pra isso), estaria na semi enfrentando a Iga. Sonho de uma noite de verão (já no outono por aqui).

    1. Carlos Reis

      Ela sacou em 2/0 e foi quebrada, e a adversária virou para 4/2. Depois ambas confirmaram seus serviços, terminando o 2.set em 6/4.

  38. lEvI sIlvA

    Fechar um jogo como esse num drop shot, como Alcaraz fez contra Tsitsipas, não é pra quem encolhe o braço, não é mesmo!!!😱😱😱

  39. Rossini Santiago

    O Nick precisa muito de um terapeuta, você está muito certo nisso. Osaka poderia falar mesmo com ele. Há crianças de 10 anos que sabem lidar melhor com frustrações do que ele. O tempo passa e ele piora. Perde do Nadal, showzinho. Perde do Sinner, showzinho. Joga no saibro, showzinho.
    Desconheço o passado familiar do garoto, mas é certo que o primeiro “não” ele nunca ouviu e a referência de conduta ele parece nunca ter tido, dado o discurso sempre contrário às regras, arbitro, ATP, governos, etc. À menor falta, logo era abrigado por alguém próximo que lhe permitia fazer o que queria. Some-se isso ao talento fácil seguido do “você é espetacular, Nick”, “você joga muito, ninguém será páreo” e a receita tá pronta. Basta lembrar de como se referiu ao jogo do Casper Ruud umas semanas atrás. Uma autoridade, o Bernardes, o confronta, xilique. Resolveu falar positivamente sobre Novak quando este também não defendeu a obrigatoriedade de vacina, e foi barrado pelas regras, justamente porque “autoridades não podem dizer o que eu posso fazer”. Mas até uns meses antes, procurava humilhar o sérvio por este nunca tê-lo vencido, no outro pólo de sua imaturidade.
    Já devem ter dito a ele dos psicólogos e de psiquiatria e quase certeza deve ter se referido depreciativamente ao trabalho deles. Tomara que consigam convencê-lo a se tratar e jogar a maravilha que joga. Mas se não tiverem sucesso, que tome multa, condicional, suspensão e o deixem esperneando e falando besteira. Fora das quadras,, ninguém vai ouvi-lo por muito tempo.

    1. André Borges

      Esse tipo de personalidade, guardadas as devidas proporções me lembra um pouco o Neymar. Alguém que desde de muito molequinho foi cercado de gente dizendo que ele era incrível, gênio, talentosíssimo, muito acima da média e o protegendo de qualquer crítica como se protegesse sua galinha dos ovos de ouro e assim que o dinheiro começou a entrar no jogo as coisas se agravaram mais pois pais, familiares e amigos começaram a ser sustentados por ele o que dificulta muito impor algum tipo de autoridade e limites. Acrescenta-se a isso o fato de que na idade adulta ele começou a remunerar pessoas (parças) pra ficarem ao redor dele bajulando, rindo das piadas, elogiando e deixando ele ganhar no video-game. É praticamente impossível amadurecer num ambiente desse, me passa a sensação que Kirgyos cresceu exatamente num contexto assim.

      1. José+Yoh

        Acho isso meio cruel. Só é possível ser um campeão se você for maduro mentalmente, mas é necessário crescer (treinam desde muito pequenos) em um ambiente desses onde é impossível amadurecer.
        Abs

  40. Arthur

    Pois é, Dalcim.
    É realmente uma pena ver o Kyrgios jogar fora todo o talento que tem.
    Assim como você, hoje ele é um dos poucos tenistas que me fazem ligar a TV para assistir a uma partida. Sai do lugar comum, é descontraído e tem um talento absurdo, que parece não se conter em si.
    É uma lástima que a falta de cabeça não o deixe alçar voos mais altos, porque, se dependesse exclusivamente do seu tênis, o australiano iria muito mais longe do que está hoje.

    Um abraço.

    1. Paulo

      Nao é só a cabeça que o impede. o Kyrgios mesmo ja disse que gosta de ficar na Australia, nao curte ficar viajando muito, longe de familia e amigos. E a gente sabe o quanto um atleta tem de sacrificar para chegar la. Uns simplesmente nao querem deixar de fazer coisas para virar top 10 por ex. E tá tudo bem tb., ccada um sabe de si.

  41. Thiago+Silva

    Eu acho que o Kyrgios não tem mais conserto, 26 anos e ainda não tomou vergonha na cara, o Alcaraz deve ter sido educado pra ser um cara decente, o Kyrgios deve ter sido criado largado, com a mãe passando a mão na cabeça. Criar os filhos de qualquer jeito, sem disciplina, com liberdade pra falar e fazer o quer dá nisso, estragou o filho.

    1. Paulo

      A maioria dos pais cujos filhos hj tem entre 15 e 30 anos fez e faz isso que vc escreveu e estamos vendo esses horrores.
      Tipo ontem. Tenho um estagiário de 20 anos. Eu pedi para ele fazer uma inicial. Fez. Mostrei onde precisava ser corrigido. Não só não gostou de ser corrigido como pediu demissão. Kkkkk pqp né.

        1. Luiz+Fabriciano

          E quando há uma foto de Djokovic rodeado de boleirinhos, e há várias, todos rindo, como será que foram tratados?

    2. José+Yoh

      Thiago, todos já fomos um dia assim meio como o Kyrgios, e hoje somos todos pais como você descreveu.

      Isso tudo é uma tendência mundial creio eu causada em muito pela diminuição do número de filhos.
      Abs

      1. Luiz Fabriciano

        Se eu fui como o Kyrgios alguma vez, foi em encarnações passadas, porque, na atual, nenhum dia.
        Abraços, rsss.

  42. AKC

    O problema é que hoje em dia as pessoas são medidas por número de likes e seguidores, e isso o Kyrgios tem de monte. Ele adora fazer declarações do tipo “quem te acompanha?”, “quem sabe que vc existe?” etc.

  43. Maurício Luís *

    Puxa, essa comparação entre o Kyrgio e o Alcaraz foi interessante e primorosa. Coisa de jornalista profissional mesmo. O Kyrgios precisa de um transplante de cérebro urgente. E o Alcaraz não precisa de mais nada.

  44. Rodrigo S.Cruz

    kkkkk

    Eu gostaria só que o Kyrgios desfilasse o incrível talento dele jogando de boca fechada e fim.

    Mas em vez disso fica procurando sarna para se coçar.

    Sei lá…

    Acho que ele sente que precisa do CAOS para seguir motivado em alguns jogos.

    Mas é uma figuraça! rs rs

    1. Fernando Brack

      ‘Precisa do caos pra se sentir motivado’. Isso me lembra um presidente de uma certa república bananeira.

  45. Sandro

    O tênis precisa de menos tenistas MIMADOS como Kyrgios e Osaka e mais tenistas talentosos e obstinados como Akcaraz e Iga.
    Kyrgios e Osaka são egocêntricos e acham que o mundo gira em torno de seus DRAMALHÕES MEXICANOS, são pedantes e cansativos!!! MenAs , muito menAs…

  46. Sérgio Ribeiro

    Ps . Hurcakz e o Sérvio estão botando a bolinha pra andar com vontade neste piso lento. Como bem dito no Post , podem estragar a festa sim senhor rs . Abs!

  47. Sérgio Ribeiro

    O que dizer de um jogador que possui um Arsenal completo , que tem um Staff espetacular, e tem o Touro Miura como espelho ? . Nick Kyrgios OITO anos mais velho , possui uma habilidade descomunal e paremos por aí. Um mental que levou Lleyton Hewitt ao desespero . Vendo o moleque aqui aos 16 , no Rio Open, seu treinamento já chamava atenção pela intensidade. Me atrevo a dizer que ainda vai melhorar muito , já estão copiando o garoto até na maneira de comemorar com o punho fechado olhando sempre para seu Staff . Quando disse na primeira rodada que não seria impossível sua presença na FINAL de MIAMI 2022 , já imaginava um possível encontro na Semi com MEDVEDEV. Devido a lentidão Carlitos tem tudo pra enrolar o Russo e levar seu primeiro MASTERS 1000 ainda mais jovem que o Touro. Caso não aconteça, devido à categoria e experiência do N 2 , fica pra próxima sem sustos. Abs!

  48. Marcos+Ribeiro

    Ontem Bernardes pegou pesado com o Kyrgios, como todos árbitros já deveriam estar fazendo a bastante tempo, dadas as reincidências.

    1. José Nilton Dalcim

      Não sei se alguém reparou, mas a ATP escalou Bernardes para quase todos os jogos do Kyrgios desde Indian Wells, até mesmo nas duplas. Acho que só falhou um ou dois jogos. Ou seja, escalaram propositamente alguém de pulso.

      1. Valmir da Silva Batista

        DALCIM, seja como for, isso de basear a escalação de um árbitro, tendo como critério a presença em quadra de determinado jogador, não está certo, pois moralmente, fica parecendo um jogo de cartas marcadas, ou seja, algo imoral, de perseguição quando deve haver isenção. Um comportamento como este não configura punição, mas sim ação realizada por debaixo dos panos, e não estou aqui defendendo Kyrgios. Nos jogos desde Indian Wells por você citados, onde ele esteve presente, se a ATP escalou apenas Bernardes em razão de supostamente haver necessidade de um arbítrio de pulso, ao mesmo tempo ela, ATP, acabou dando dois golpes no próprio pé, por conta do jogo de cartas marcadas que acima citei e pelo fato de sugerir que não há, em suas fileiras, outros juízes de pulso forte que não Bernardes, e seria ele então o queridinho. Claro que entendi que o seu comentário se vale de suposições, porém, em se tratando da ATP, não seriam nada improváveis tais imoralidades…

        1. Fernando Brack

          Concordo bastante com isso. Bernardes está sendo escalado pra ser parachoque das grosserias do Kyrgios. Isso é nada menos do que covardia da ATP.

      2. Luiz+Fabriciano

        Desde quando o Bernardes é tão de pulso assim?
        Aquela coisa com o Nadal não demonstrou o contrário?

        E que jogo o Alcaraz fez ontem (novamente) hein?

        1. José Nilton Dalcim

          Desde sempre, Luiz. É um dos mais conceituados, justamente por não ceder espaço aos jogadores grandes ou que se acham assim.

  49. Rafael

    O Kyrgios é um meninão mimado e que sempre terceiriza a culpa. Infelizmente, a ATP não age como deveria. Ele é uma vergonha para o esporte. Como disse o Bernardes: “pare de falar e jogue”! Aí sim ele seria mais bem quisto por todos!
    Mestre, alguns questionam as ações do Bernardes. Você acha que o brasileiro agiu rigorosamente ou teve motivo para tudo?

    1. José Nilton Dalcim

      Acho que o Bernardes agiu corretamente, não vi exageros. Ele até foi paciente demais. O falatório do Nick lá no fundo atrapalha o adversário.

  50. Gilvan

    O novo amigão do Djocovid segue à risca a fórmula do seu tutor: pinta e borda em quadra, quebra raquetes, desrespeita árbitros, técnicos, adversários e o público, toma as devidas punições e depois se coloca como vítima de um complô. No entanto, Kyrgios não tem o preparo físico e emocional do sérvio (características essenciais no circuito atual, de bolas pesadas e quadras lentas), por isso se torna apenas uma caricatura mal acabada do seu guru. Em outros tempos seu jogo poderia ser o suficiente para alcançar grandes conquistas, mas nós não vivemos em outros tempos.
    Falando de tênis, é impressionante no Alcaraz como ele consegue trabalhar o jogo inteiro com bolas muito profundas. Mesmo quando está na defensiva ele não deixa o adversário entrar na quadra. Está sempre botando bolas profundas (e pesadas), mesmo quando totalmente desequilibrado no momento da batida. Estamos diante de um fenômeno.
    Contudo, é bom lembrar que quando o Zverev surgiu também achávamos que dali sairia o novo jogador que dominaria o circuito profissional e não foi nada disso que ocorreu (a despeito dos feitos já alcançados por Sascha). Não devemos contar o ovo que ainda está na galinha.

    1. Sérgio Ribeiro

      Então, Gilvan . Sasha ficou longe de ser unanimidade , parceiro . Chegou ao Top 3 em 2017 , e a alcunha de Zé Verev , era utilizada a torto e a direito e só veio a diminuir com o Ouro Olímpico. Mesmo assim sua irregularidade e temperamento passam longe de Carlitos . Mas concordo que este ainda vai oscilar , mas sua postura já leva muitos fãs loucos para vê-ló em ação. Neste jogo contra TSITSIPAS, parecia Copa Davis . Isto é ótimo para os amantes deste Esporte maravilhoso. Abs!

    2. Carlo Von Wagen

      Desculpe, mas qual característica emocional do Sèrvio?

      Ele vem abrindo mao participaçao no circuito torneio apos torneio por conta uma crença pra là de questionàvel. E isso nos faz considerà-lo no mesmo patamar mental do Kyrgios.

      Acho que toda a polêmica em que se meteu serve apenas para acobertar alga condiçao mental mais séria.

  51. sandra

    Dalcim,você não acha que para o físico faz diferença a idade? Com 18 anos o espanhol na correria não ganha de qualquer um ? Nadal mesmo viu essa diferença, acabou fraturando a costela , a própria polonesa já está ganhando da kitova , samoanos de diferença!

      1. José Nilton Dalcim

        Acho que apenas se for uma diferença muito grande e entre jogadores que não tem a mesma condição física. No mais, não acho que influencia tanto, como um de 20 e outro de 28, por exemplo.

Comentários fechados.