Que os adversários sofram
Por José Nilton Dalcim
19 de janeiro de 2022 às 11:32

Enquanto Alexander Zverev e Rafael Nadal economizam forças e ganham confiança, alguns de seus principais concorrentes na parte superior da chave se esfacelam em jogos duríssimos. No dia mais quente até agora em Melbourne, com temperatura na casa dos 29 graus, Denis Shapovalov, Cristian Garin e Pablo Carreño encararam maratonas, Matteo Berrettini e Aslam Karatsev não convenceram e Hubert Hurkacz foi inesperadamente atropelado. Certamente, Sascha e Rafa não têm nada a reclamar de tanto sofrimento.

Nadal encontrou resistência de Yannick Hanfmann, que mostrou em alguns momentos nível bem mais alto do que seu ranking e currículo, e isso exigiu pernas e concentração do cabeça 6. Na entrevista oficial, Rafa contou que prefere jogar de dia em Melbourne por conta das bolas que foram alteradas em 2021, que ‘pegam menos efeito à noite’, em suas palavras. Isso favorece quem joga mais reto, que é exatamente o caso de Karen Khachanov, seu próximo rival. No histórico de sete jogos, cinco deles no piso duro, Rafa só perdeu um set e ganhou todos os sete tiebreaks.

Com apenas oito pontos perdidos com o poderoso primeiro saque, Zverev mostrou-se tranquilo diante do natural apoio da torcida a John Millman e procurou novamente ser brincalhão na entrevista em quadra. Deve ter outro jogo pouco exigente contra Radu Albot e provavelmente vai torcer para Shapovalov barrar Reilly Opelka. O canhoto canadense esteve perto de cair diante do coreano Soonwoo Kwon mesmo tendo anotado a incrível diferença de 81 a 29 nos winners. Opelka ainda não perdeu set e curiosamente jamais enfrentou Zverev.

O italiano Matteo Berrettini, terceira maior força da parte inferior da chave, não esconde sua insatisfação com o nível apresentado nos dois jogos feitos, mas de novo o saque apareceu nas horas importantes. Com isso, confirma-se o aguardado reencontro com o garoto Carlos Alcaraz, que voou em quadra de novo e só tem 14 games perdidos. O espanhol venceu o único duelo, dois meses atrás no piso fechado de Viena. Quem passar, pega Carreño ou Sebastian Korda, os dois sobreviventes de cansativos duelos de cinco sets. O holandês Tallon Griekspoor joga direitinho e Carreño suou 4h10.

Destaque por fim a Gael Monfils e outra atuação muito séria contra Alexander Bublik, que só tirou dele cinco games. O veterano francês, que é adorado pelo público australiano, fica favorito diante de Cristian Garin e seus 10 sets feitos. Se passar, terá duelo contra Lorenzo Sonego ou Miomir Kecmanovic. Nada ruim.

Rodada sem sustos no feminino
Como se esperava, a segunda partida dos grandes nomes no lado superior da chave feminina foram muito tranquilas. Ashleigh Barty, Barbora Krejcikova, Maria Sakkari, Paula Badosa e Naomi Osaka não tiveram qualquer trabalho. Só mesmo Elina Svitolina continua instável. Belinda Bencic caiu, mas vinha de covid.

Barty continua sacando muito bem, deve ter um teste um pouco mais exigente contra Camila Giorgi e aí encarar Osaka, que é favorita natural diante de Amanda Anisimova, que ainda busca retomar sua melhor forma. Esse também é o setor onde está Sakkari. A grega subiu de nível após estreia um tanto apagada, precisa tomar cuidado com Veronika Kudermetova e em seguida deve cruzar com Jessica Pegula, mais uma que ainda não me passou segurança.

O outro quadrante marca dois ótimos jogos para a terceira rodada. ao menos no papel. Krejcikova e Jelena Ostapenko fazem encontro de campeãs de Roland Garros em que a tcheca é muito mais adaptável ao piso duro. Azarenka por sua vez me parece favorita contra a irregular Svitolina e ainda leva 4 a 0 nos confrontos diretos. Também nome forte deste setor, Paula Badosa marcou novo ‘pneu’ e terá agora testes reais contra a solidez de Marta Kostyuk e, espera-se, a experiência de Madison Keys.

Levante cedo
Há ótimos motivos para você madrugar nesta quinta-feira. A rodada noturna local abre com Daniil Medvedev contra Nick Kyrgios, às 5h de Brasília, e logo em seguida Bia Haddad desafia Simona Halep. E você ainda pode dar uns pitacos em Andy Murray diante do quali Taro Daniel, ver Jannik Sinner frente Steve Johnson e olhar um ótimo duelo de novatos entre Felix Aliassime e Alejandro Davidovich.

Bia já encarou Halep na grama de Wimbledon de 2017, onde perdeu por 7/5 e 6/3, e sabe que a romena acaba de ganhar o WTA de Melbourne. A tarefa de enfim chegar na terceira rodada de um Slam é bem dura, mas a canhota brasileira gosta de jogos grandes, como fez contra Karolina Pliskova em outubro. “Sei que posso”, afirma.

Kyrgios ganhou os dois jogos profissionais e um outro juvenil que já fez diante de Medvedev e vai usar toda sua imensa popularidade local e carisma para tirar força da torcida. O russo deixou claro: não gosta de enfrentar Kyrgios, nem pelo estilo, nem pela fanfarrice. Promete ser muito divertido.


Comentários
  1. Caio Cesar

    Bom dia, Dalcim.
    Na sua opinião, quais foram os maiores talentos desperdiçados no tênis? Kyrgios seria o maior deles?
    Me desculpa se você já respondeu a esta pergunta, mas não lembro de tê-la visto no blog.
    Abraço!

    1. José Nilton Dalcim

      Acho que desperdício por falta de determinação e coragem para enfrentar a dureza da carreira ele é de longe o maior, Caio.

  2. Sandro

    Achei que seria difícil, mas não imaginava que seria um “vexame”… Bia Haddad foi chutada pra fora do Australian Open com um doloroso pneu aplicado pela Halep…

  3. Rafael

    Aliás, por coerência, se dá o azar da companhia de Djokovic realmente desenvolver um remédio para impedir a ação do virus do Covid, muita gente aqui vai se recusar a tomar, não é mesmo? Não se pode consumir nada que venha de alguém tão escroto e sem caráter, certo?

    Espero que Djokovic processe mesmo a Austrália pelo prêmio que foi privado de tentar conseguir (embora vá perder e alegar lucros cessantes, pq nada diz que ele ganharia) e por danos morais e tratos que considerou inadequados, como li. Porque se fizer isso, ganhando ou perdendo, mostrará (pelo menos para mim) que não teme nada – e, portanto, não deve – porque será obrigado a mostrar todo tipo de documentação. Aí saberemos se houve falsificação disso ou daquilo, suborno a esse ou aquele, concealment, etc. E, se processar e ganhar, que doe para os aborígenes.

    É o único torneio que me importa daqui para a frente no campo esportivo, determinar se perdi esses últimos 17 anos simpatizando com alguém erroneamente ou o contrário.

    1. Rubens Leme

      Rafael, porque fica se justificando para quem vai torcer, ainda mais para pessoas que provavelmente jamais encontrará na sua vida? Se quer continuar a torcer pro sérvio, continue, ninguém tem nada a ver com isso.

      1. Rafael

        Rubens

        Não tenho que me justificar para quem vou torcer, porque esse “quem” não existe.

        Aliás, como gosto de causas impossíveis, vou torcer para que o ódio deixe de existir no mundo.

    2. Heitor

      É o que eu tb digo dos que apoiam o boicote aos produtos israelenses. Por coerência, nao poderianmusar nada que vem de lá ou dos judeus, desde processadores de computador, pendrive, irrigação pro gotejamento ate waze, face, inovações na medicina, nanoretina, lente de contato biônica, energia solar, Implante de telescópio para a degeneração macular, A First Care Emergency Bandage (também conhecida como “bandagem israelense”), foi criada por um médico militar israelense e é utilizada para estancar o sangue de ferimentos hemorrágicos., A Cheetah Medical inventou o monitor cardíaco não invasivo NICOM para prevenir a sepse, uma infecção que causa uma em quatro mortes no hospital e é uma das dez maiores causas de morte nos EUA., O colar cervical ajustável e descartável Lubo Airway Collar, da Inovytec, é destinado a casos severos de trauma a coluna. É o primeiro colar não invasivo a permitir a passagem de ar ao imitar uma manobra de abertura da mandíbula enquanto protege a coluna cervical no caminho para o hospital., etc etc etc…

      1. Rafael

        Perfeito.

        Reducionismo – para quem vou torcer – é uma visão limitada dos problemas que afligem o mundo. Todos contribuem de formas importantes, mas o esporte mundial é, há séculos, criticar o próximo, julgar, decidir e executar – o famoso judge, jury and executioner.

        É isso que não entendo, e muitas vezes penso que nasci na época errada. O mundo está tão consumido pela necessidade de rotular, reduzir, classificar, julgar… Não entendo nada, mas penso que nunca chegaremos a lugar nenhum enquanto espécie com essa desunião, desagregação. Xenofobia, racismo, intolerância, ódio… Alguém realmente acha – com todo respeito a quem trabalha com e vive disso, que tênis é algo mais do que uma distração, uma forma de ter assunto, algo sobre o que deveria ser AGRADÁVEL conversar?

        Só eu estou cansado de tudo isso?

  4. Rubens Leme

    Sei que parece ridículo afirmar que a carreira do Murray foi muito aquém do esperado, afinal estamos falando de um ex-número 1, dono de 3 Slams, bicampeão olímpico e quase 50 títulos, mas a derrota de hoje mostra como ele deveria insistir sim em um estilo mais ousado, até para preservar o físico.

    Infelizmente, na entrevista que deu dias atrás, disse que apesar de ser muito cobrado por isso, se recusa a mudar, porque acredita que os erros aumentariam muto. No início, aumentaria sim, mmas pouparia o físico e teria tempo e recursos técnicos para trabalhar essa parte e até sonhar com um top 30, top 20 nesta fase final.

    Enfim, que ao menos nos brinde com algumas ótimas exibições até o final e que consiga deixar o top 100, que é muito pouco para ele.

  5. Ronildo

    Observando o nível absurdo de tênis que alguns tem apresentado como o Alcaraz e o Taylor Fritz, começo a acreditar que Djokovic estava com sérias dúvidas sobre sua capacidade de defender o título. Tudo resultado da surra que levou na final do US Open.

  6. Luiz Fernando

    Dalcim o q vc acha q ocorre c a Garbine? Ela é uma p… jogadora, sua bola anda muito mas a inconsistência é absurda. Seu mental deve oscilar demais, sabe-se lá por qual razão. Além disso, seu jg tem muito pouca variação, ela praticamente não usa o slice. Será q ainda tem esperança de q engrene uma fase prolongada de grandes resultados? Eu sinceramente acho bem improvável…

    1. José Nilton Dalcim

      Esperei para ver as declarações dela e a espanhola disse que teve uma preparação muito prejudicada porque todo o time pegou covid. Então achei razoável. O jogo dela é suficiente para grandes conquistas, mas realmente acho que mentalmente ela se abate muito rápido em jogos duros.

  7. Helena

    Olá, Dalcim!

    Você leu a entrevista do Zverev sobre a (ausência de) testagem dos jogadores no Australian Open? Se for verdade, seria mais uma bola fora dos organizadores.

      1. Valmir da Silva Batista

        DALCIM, caso isto tenha de fato ocorrido, foi pela filhadaputice de se concentrarem em livrar a cara de Djokovic, para que ele participasse do discriminatório open, ao invés de se preocuparem com torneio em sua inteireza, ou seja, os amadores a comandarem o mesmo, estavam preparados apenas para administrarem o Djokovic Open e não o Australian Open…

  8. Paulo Sérgio

    Dalcim, (1) o que você tem achado de Nadal até aqui, considerando o torneio de Melbourne e os dois jogos do AO? (2) Se tivesse que apertar um botão, apertaria dizendo que ele vai até que fase?

    1. José Nilton Dalcim

      Olha, ainda não houve um teste real, mas eu acho que ele dificilmente passa pelo Zverev nas condições de hoje.

  9. Paulo Almeida

    Que derrota bizarra do Hurkacz, hein?

    O triturador do sparrão em Wimbledon vai continuar devendo em Slams no hard, já que tinha caído cedo no USO também.

  10. Carlo V. Wagen

    “L. Horna era um tenista muito querido em Nossa Senhora do Socorro, no Sergipe, além de o ser em sua terra natal, o Peru. Um pouco por ter ganho as últimas 9 edições do torneio de Master e mais um pouco por suas opiniões controversas. Mas todos esperavam que viesse novamente agora em 2030* e ganhasse novamente completando 10 anos de reinado. Enfim, popular. No entanto, dentre as suas infinitas polêmicas, ele era um anti-vax convicto, de carteirinha. Explico a polêmica: estávamos num momento muito delicado em toda a América Latina: o zica virus havia tomado conta, e após mais de anos de tragédas pessoais e lock-downs que pareciam infinitos, finalmente encontrou-se uma solução que parecia definitiva: a vacina. Imediatamente, mas na impossibilidade de torná-la obrigatória, dentre as medidas paliativas proibiram anti-vax de entrar na grande maioria dos países (no mundo todo). Afinal de contas, a pandemia havia se instalado (5 milhões de mortos e inúmeros com necessidades especiais decorrentes das consequêncisa da doença).
    Mas o Sr. L. Horna não era uma excessão: havia um movimento crescente em todos os países que também não queriam tomar a vacina contra zika, pelas mais diversas razões. Na Nicarágua em particular, o assunto tomou outras proporções. E na falta de ídolos locais ou pessoas que pudessem melhor representá-los, o Sr. L. Horna tornou-se muito popular por lá tamém (além de o ser em seu país de origem). Falava-se dele como estivessem se referindo a um Deus.

    Pois bem: o dia do torneio se aproximava, e a expectativa era imensa, pois o Sr. Horna estava inscrito no torneio, e esperava que quebrasse mais esta barreira de ter ganho 10 edições deste torneio.

    Mas qual não foi a surpresa de todos, quando o Sr. horna chegou ao Aeroporto: foi imediatamente barrado pela “prestimosa” Senhora que o barrou no guichê, quando ele não exibiu o comprovante da vacina, mas sim um atestado médico, emitido por um médico de Arequipa, o isentando de tal necessidade, mas a fiscal, que conhecia muito bem o seu trabalho, cuidadosamente explicou o que ocorria e o encaminhou juntamente com um agente da polícia federal, para um local onde aguardaria, visto a recusa dele em voltar para o país de origem.

    E foi então que uma situação extremante corriqueira transformou-se num embróglio. Anti-Vax do mundo inteiro, sob os olhares incrédulos daqueles que confiam na vacina e viram com os próprios olhos as vantagens que a vacina representou, começaram uma manifestação sem precedentes.

    e a situação foi destaque no mundo inteiro, e de repente L. Horna, que só era conhecido por meia dúzia que acompanham ou vivem de tênis, tomou conta das manchetes do mundo, e teve sua novela acompanhada por milhões, on-line, ávidos pelo desfecho.

    Mas num páis em particular (na Nicarágua), as discussões foram além, pois lá consideravam o Sr. Horna um verdadeiro herói anti-vax. Foi curioso assistir num famoso blog local (o do Sr. Dalçanõ) as mais diversas opiniões sobre o tema Seguem algumas abaixo:
    – Solo un hombre tratando de entrar al campo para trabajar! No es terrorista, no es narcotraficante
    – Este gobierno brasileño es un tirano. racista
    – Si es deportado, ya no usaremos ningún producto brasileño.
    – El Tiene hijos, ¿cómo pueden sus hijos llamarlo héroe?
    – Obligarte a vacunarte viola los derechos individuales

    Enquanto os a favor da vacina também formulavam as mais variadas teorias e poderíamos aqui discutir por horas cada um dos argumentos utilizados.

    Enfim. O fim trágico da história todos conhecem: o governo brasileiro deportou o cidadão e ainda o proibiu de frequentar terras tupininquins por 3 anos. E o torneio se realizou sem problemas. Infelizmente o Sr. Horna desta vez não foi o campeão. Mas sim Delpo, que aliás foi muito simpático e conquistou o público de Nossa Senhora do Socorro, já mais velho,mas ainda assim extremanente simpático e acima de tudo, vacinado, segundo ele num cuidado e respeito pela população local, um dos locais bastante afetados pela Zika.

    Quanto ao Sr. Horna, voltou para o seu país. Chegando, foi levado em carro aberto até o palácio do governo e recebido como herói (?!!?!?!). Mas e na Nicarágua? Bom… lá a discussão continua até hoje. Os anti-vax (pequena maioria no país) vem diminuindo, principalmente após um sétima onda do país levar muitos dos não vacinados ou seus entes queridos.

    E oportunamente, assim que a situação acalmou-se, o Sr. L. Horna foi lá e se vacinou, discretamente e fora do alcançe da mídia, ao constatar que ou se vacinana ou não jogava mais, engoliu os seus princípios com uma pitada de sal e um um copo dágua para acompanhar… e se vacinou, enquanto na Nicaragua, boa parte da popolução ainda discutia a atuação déspota, racista, misógena e tirana do governo brasileiro e até hoje,2032, boa parte da população nicaraguense boicota produtos brasileiros como arroz, milho e café, em decorrencia do fato.. Mas claro, são uma minoria de não mais que 5% da população local, mas claro, toda a revolta deles se voltou ao Sr. Horna, assim que a nova situação vacinal dele foi descoberta, pois afinal de contas, ele foi defendido com unhas e dentes por simpatizantes. Traidor foi o melhor e mais branda alcunha que recebeu, enquanto a outra parte comemorava a vitória (?!??!!!?).

    E assim a vida continuou! Aliás, dizem que o tal blog do Dalçanõ ainda faz muito sucesso por lá! Já o Sr. L. Horna, passou de uma pessoa muito querida e polêmica a párea.

    Outos, indignados

    E oportunamente

  11. DANILO AFONSO

    Não lembro a última vez vi, se é que já aconteceu, NADAL cometendo mais duplas faltas (5) do que ace (1) em um jogo. O espanhol nunca esteve entre os melhores sacadores, mas apenas um ace em três sets é pouquíssimo. Foi um ace em oitenta e cinco saques postos em quadra, destes quarenta e seis com o 1º serviço.

    No que se refere a dupla falta, Nadal nunca teve números preocupantes, mas se analisarmos os últimos 5 anos, veremos que as estatísticas vem piorando quase que continuamente a cada temporada e em 2021 ele anotou seu pior desempenho na carreira. Vejamos os números:

    2017 – 2,21%
    2018 – 2,59%
    2019 – 2,62%
    2020 – 2,61%
    2021 – 3,38%
    2022 – 3,70%

    Seu melhor desempenho foi em 2012, quando terminou a temporada com apenas 1,7% de duplas faltas. Sua média na carreira é de 2,2%.

  12. Luiz Fernando

    https://tenisbrasil.uol.com.br/noticias/92951/Nadal-explica-que-lesao-no-pe-nao-tem-solucao/. Rafa deve ter feito um curso intensivo com aquele rapaz humilde aqui do blog, que se notabilizou pelos textos confusos q ninguém entende direito. Incrível como Nadal fala, fala e não diz nada, ao ler o q ele expôs não se sabe se está ou não limitado, qual é o grau de limitação etc. Julgo q deve estar bem, pois além dos jogos do 50tinha da semana retrasada me pareceu bem a vontade na quadra, embora claramente sem ritmo. Agora nas entrelinhas parece q há um certo “acerto” entre ele e os organizadores, pois disse q prefere evitar jogar a noite e até agora só jogou a tarde, algo q, se verídico, caracteriza um privilégio q não é legal…

    1. Sérgio Ribeiro

      Tu és fraquinho mesmo , cara . Tudo e’ confuso pra ti há mais de década. Rafa Nadal explicou claramente seu problema no pé e que não sabe quanto tempo terá de carreira . E somente continua se continuar competitivo. E o ATPzinho lhe deu ritmo e confiança. Abandonou há muito os preparatórios para Wimbledon mas também não ganha . Simples assim . Na boa , compre ao menos um Tablete e jogue fora este celular . Além de um Óculos e’ claro . O professor de Português tem razão ao criticar o meu . Mas estás longe de dominar a matéria. Abs!

      1. Sérgio Ribeiro

        Ps . Incrível que ainda não aprendestes que na medida que o Torneio avança os Tops passam todos para o horário nobre . Sabes nada , L. F. rs . Abs!

  13. Alexandre

    Dalcim,
    Se caso o Zverev e o Medvedev realmente pegarem um ótimo ritmo de jogo, você concorda em afirmar que já teremos uma final anunciada entre os dois? Pois eles estando em ótima fase, o único capaz de derrotá-los atualmente no AO seria apenas Djokovic.
    Parabéns pelo post. Abraço!

    1. José Nilton Dalcim

      Acho que os dois são os candidatos naturais à final, Alexandre, mas o Australian Open é um torneio que cobra caro um dia mal jogado, em que se desgaste além do necessário.

  14. O LÓGICO

    A VERDADE SOBRE O ROBOZINHO DAS TREVAS, E A VERGONHA DO JORNALISMO ESPORTIVO!!!!

    Assisti ao jogo do primogênito ontem. Não dá mais, não tem como esconder! São muitos buracos, eu diria crateras lunares! Não adianta jogar lá atrás pra se aproveitar da sombra tentando ocultar o que é ululante! Nem tampouco jogar no sol pode ofuscar os olhares do público atento, cegando-o quanto à verdade que está a prumo para aqueles que aceitam a realidade trágica do UNIDIMENDSIONAL. Nem as velhas táticas já denunciadas por mim fazem efeito. O Dalcim, nosso GURU do tênis, está fugindo de suas responsabilidades como jornalista isento; não confio mais nele! Talvez por estar ainda abalado pelos episódios recentes envolvendo o grande herói da história do tênis, não tenha a coragem que o jornalismo exige nessas horas para divulgar, logo na esteira desses acontecimentos, o fato mais chocante do tênis atual. Mas isso não vale como desculpa! Aristóteles e Kant teriam ódio de você, GURU! Luta pela verdade na questão da vacinação, mas acoberta a maior tentativa de fraude no mundo do tênis. Considero esse acobertamento jornalístico muito mais chocante do que as abduções de Enoque, Ezequiel e Elias feitas pelos Alienígenas do Passado. Desculpo os Papas, mas não desculpo seu silêncio GURU! O fato merece um post exclusivo! Acredito que até o L Falling in Love e o M C das farmácias podem jogar a toalha e reconhecer o fato de público. Pode aparecer Sérgio Gonçalves, GAME OVER para o robozinho satânico: ele está CARECA!!!!!!kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Para GOAT, #ELENÃO para o robozinho assassino do tênis arte kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    1. José Nilton Dalcim

      Quem mandou ele não ter tratado a cabeleira com o mesmo médico do Bruno Soares? Deveria ter pedido a receita!

    2. Luiz Fernando

      De fato ele está bem careca, e olha q já fez implante, imagina sem então kkk. Mas pelo menos está em quadra, sem grande condição de título mas está tentando se recuperar. Mas acho q não levaria pneu do Hurkacz em RG, igual um outro tenista levou recentemente em W, lembra? Ah, ia esquecendo, esse mesmo tenista perdeu p o grande especialista Andujar no saibro. Especialista, sei kkk!!! Só se for especialista em perder kkk. Talvez participar de um challenger com o Bello e com o Monteiro pudesse ajudar na recuperação da confiança…

      1. Sérgio Ribeiro

        Outro brilhante comentário do “ Magistral “ comentarista . Embora muito confuso ( o que tem Federer a ver com as calças, digo , careca ? ) mas bem de acordo com seus conhecimentos.E’ óbvio que sabias que Pablo Andujar possui NOVE FINAIS de ATP com 4 conquistas e TODAS no Saibro… Abs!

    3. Maurício+Luís+*

      Mas Lógico, ele não tá careca não. Eu contei, ainda tem 14 fios! Por enquanto, porque até o fim do ano tá com 5, igual ao Cebolinha. Ano que vem tá + careca do que pneu de Kombi 69 que cata reciclável.

  15. Gilvan

    Dalcim, e essa história de que o Djocovid é dono de 80% de uma empresa fabricante de remédios, que está testando remédios contra a covid? O servio se enrola mais e mais a cada dia. Impossível não levantar a lebre de um conflito de intere$$e$ que tenha motivado ele a não se vacinar.

    1. Sérgio Ribeiro

      Então, caro Gilvan . Fazendo justiça com o Sérvio, o cara fechou o negócio em junho de 2020 . E não é pouca coisa pois tem sede em vários Países . O objetivo é um remédio ( não vacina ) contra o COVID . Daí que em parte explica Novak não correr pra a imunização rsrs. Abs!

      1. Gilvan

        Então, Sérgio, para mim o fato de ele ter bancado esses estudos desde 2020 torna a coisa ainda mais grave. Se ele comprasse agora, poderia ainda argumentar que ele quer encontrar uma solução diferente da vacina para combater a covid etc. Agora, se ele comprou em 2020, ele passa a ter um conflito de interesses em relação à vacinação. Agora faz mais sentido que ele tenha feito tanta propaganda contra a vacinação nos últimos anos. Ele quer ganhar dinheiro com isso.

    2. Rafael+Azevedo

      Acho que não, Gilvan. Pelo que eu saiba, o posicionamento do sérvio quanto a preferir não se vacinar vem de bem antes de sua associação à esse novo tratamento.
      É mais provável que o seu pensamento “anti-vacina” tenha motivado a associação, e não o contrário.

  16. Periferia

    Hoje vi os 2 primeiros sets do jogo do Monfils…muito agradável…ele bate algumas bolas com uma facilidade incrível….e está correndo como um garoto.

    1. Periferia

      Também vi o começo do jogo do Nadal…o adversário do espanhol batia forte na bola…pensei que numa delas…explodiria a tela da tv.

  17. Fernando Brack

    Chet, vc erra de novo ao dizer que o tribunal que julgou Djoko é uma corte superior e, por isso, teria atuado politicamente. Aquele tribunal tem o nível da nossa 2a instância, tipo o TRF-4 de Porto Alegre, que julgou Lula. Não é, portanto, uma corte superior.

  18. Andre+Borges

    Para Bia ter alguma chance ela vai precisar jogar tênis. Se se limitar a dar balão e passar bola como fez com a Pliskova vai precisar contar com uma jornada trágica da Halep para conseguir vencer, exatamente como foi com a Pliskova.

  19. Vitor Hugo

    Só discordo que Nadal tenha economizado energia, pois ficou quase três horas em quadra contra um tenista nível Challenger, e debaixo do sol quente, enquanto Zverev e Alcaraz enfrentaram rivais mais fortes e venceram em menos de 2 horas.

      1. Sérgio Ribeiro

        Brilhante . Um Tenista de 40 que vinha de quase 1 ano parado ( junho 2020 / março 2021) , levou um Pneu do Top 9 … Há sim não estava com problemas no joelho. Aliás não jogou desde então. Sei … Abs!

  20. Gilvan

    Jogo muito firme do Zverev. Não deixou qualquer porta aberta pro Milman e finalmente consegue fazer uma campanha de GS sem sobressaltos, a chave para quem busca o título.

  21. Sérgio Ribeiro

    Ps . Como o tal ATPzinho segundo o “ sabichão “ deu confiança ao Espanhol . Está correndo por fora e não deve ser descartado…Abs!

    1. Luiz Fernando

      Não é atpzinho, com letra minúscula claro, vc errou de novo, mas 50tinha. Vc deveria saber disso melhor, Federer é quem mais venceu 50tinha dentre o pessoal do Big 3!!! Sei kkk!!!

      1. Sérgio Ribeiro

        Tens noção de quanto era o cachê do Craque nesses Torneios ? . E quantos anos demorou pros preparatórios na Grama serem promovidos a ATP 500 ???. E’ óbvio que sabes não e’ mesmo caríssimo “ diversão garantida “ ? kkkkkkkkkkkkkkk. Abs!

  22. Samuel

    Dalcim,

    Supreendente o nível do debate dos pró vs antivax. Não preciso asssistir programas humorísticos.
    Mudando de assunto, quem tem mais potencial:
    Bia Haddad ou Camila Osório;
    Bia Haddad ou Nádia Podoroska;
    Camila Osório ou Nádia Podoroska.

    Samuel, o Samuca

    1. José Nilton Dalcim

      Olha, Bia joga melhor nos diferentes pisos do que a Osório e do que a Podoroska. Entre as estrangeiras, acho que a Podoroska tem mais.

  23. Sérgio Ribeiro

    E Rafa Nadal afirma com muita propriedade a enorme diferença entre jogar de dia e a noite . Lamentável em todos sentidos pois interfere demais nos resultados. CARLOS ALCARAZ conseguiu uma transformação em seu biotipo em apenas dois meses , que salta aos olhos . Daí que não entendo a insistência de certos comentários depreciativos a jogadores ainda em formação. Dito isso, não queria estar na pele de Berrettini . Me arrisco a cravar o Espanhol e também MEDVEDEV pra cima de Kyrgios mesmo cedendo Sets. E continua um colírio ver BARTY em ação independente da Oponente. A N 1 e sua incrível variação com direito a Slices profundos na paralela é admirável. Da vontade de assisti-la por horas ao contrário de alguns marmanjos e seus inúmeros ENFS rsrs. Abs!

    1. Ronildo

      Pois então. Por isso embora eu tenha apreciado o grand slan da Raducanu, achei que ela teve uma sorte danada que a Barty foi eliminada pela Rogers.

  24. Rodolfo Costa Sousa

    Olá Dalcim!
    Sobre o tópico que Nadal fala sobre o osso quebrado no pé.
    Está escrito escafóide( como ostorpedista ) posso afirmar que está equivocado a tradução.
    Escafóide é o osso principal do punho (são 8).
    Ele deve ter relatado osso sesamóide.
    Que por definição são ossos acessórios que temos no corpo( no pé de forma geral temos 2 na cabeça do 1º metatarso) perto do hálux ( dedão do pé) importante para o impulso para marcha .
    Geralmente também temos sesamóideo no polegar tambem .
    O maior e mais importante se encontra no joelho , que é a patela ( ou Rótula para alguns).
    Obrigado, e desculpe parecer chato rsrsrs.

  25. Samuel

    Veremos se Djokovic vai se sujeitar a ter inoculada substância feita às pressas pela “caridosa” indústria farmacêutica – vacina que não garante nada, mas que estaria “reduzindo o número de mortes por covid”, segundo “dados objetivos” apresentados por jornalistas esquerdalhas (os mesmos “honestos” que vivem cometendo difamações e fake news, além de fazerem militância pró-drogas e pró-“vítimas da sociedade”).

    É curioso como a massa assustada deixa-se conduzir por jornaleiros especializados em fofoca. Apesar que, quando impera o medo, quem grita com mais histeria vira o líder curandeiro…

    1. Gilvan

      Calma, Samuel. Agora o Djocovid tem um laboratório para chamar de seu e ganhar um dinheirinho com o lobby da “big pharma”.
      Será que ele irá usar o medicamento feito “às pressas” pelo laboratório que ele comprou? Aí não é experimental, né. Tudo em casa.

      1. Rafael

        Engraçado, Gilvan.

        Agora?

        Ele fechou a compra, entre ele e a mulher, de 80% do local em 2020!!!!!! E em 2022, só pq vc leu a notícia (aí sim) agora vc dá uma dessas?

        Também é engraçado falar em conflito de interesses. Quando um tenista compra uma parte de um fabricante de tênis que produz um modelo exclusivo e personalizado para ele, baseado no pé do tenista, para ele usar quando estiver em quadra, ele está apenas fazendo negócios, certo?

        Quando outro investe em uma cura para a Covid, tem conflito de interesses. Realmente, a moral está nos olhos de quem vê.

        Agora, se formos falar em conflito de interesses, Federer e Bill Gates são amigos pe$$oais. O segundo investe PESADO para VENDER vacinas. E joga um “torneio beneficente” ao lado de Federer (o ingênuo) que atrai milhões na África porque a mãe de Federer é de lá (e SÓ POR I$$O), não é mesmo?

        Quantas vidas foram e serão perdidas para as mudanças climáticas? Aliás, diz-se que a vida no PLANETA pode ficar insustentável. Por que Federer associa sua imagem à bancos (de todas as instituições para escolher, mas enfim, money talks and bullshit walks) que produzem quantidades imensuráveis de combustível fóssil? Ah, ele não tem nada com isso, certo? Bom, eu achava que ele tinha 4 filhos e gostaria de deixar um mundo melhor para eles….Ah, aquele garota, a Greta, é só uma menininha chata com Asperger, certo?

        https://www.dw.com/en/switzerland-court-clears-climate-activists-over-credit-suisse-tennis-stunt/a-51992056

        Sei.

        Nada disso é pra defender o indefensável. Mas o quanto a indignação de vcs é seletiva é impressionante.

        1. Gilvan

          Rafael, se ele tivesse comprado o laboratório em 2022 eu acharia menos grave do que ele tendo comprado em 2020. Se ele comprou em 2020 quer dizer que ele quer FATURAR fazendo propaganda contra a vacinação. Se ele tivesse comprado agora, faria mais sentido que ele queria encontrar uma solução fora da vacinação para ele poder disputar os torneios que ele está sendo impedido de disputar (agora em 2022). Antes fosse essa a motivação do sérvio; a motivação é dinheiro, grana, bufunfa.
          Aliás, lamentável que o Djocovid não tenha feito essa negociação às claras. Impossível não indicar um possível conflito de intere$$e$ nesse momento.

    2. Fernando Brack

      Dalcim, chegou a hora de vc começar a barrar textos mentirosos e desinformativos como esses que o Samuel teima em postar. Isso não é opinião, é desinformação em estado puro.

  26. Rafael

    Vou confessar que tenho acompanhado pouco o AusOpen devido à confusão envolvendo o Djoko. Contudo, vi um pouco do Zverev hoje e, apesar do grande número de erros não forçados, ele se mostrou tranquilo em quadra. Ele sabia muito bem como jogar e vencer o Millman. Vejo o alemão pegando ritmo e confiança. Já o Nadal pegou 2 caras sem currículo e seguiu em frente. Agora pega o instável Karatsev, mas que, na minha opinião, será um jogo de 5 sets. No mais, é aguardar Kyrgios x Medvedev. Mestre, você acha que o Kyrgios pode aprontar?

    1. José Nilton Dalcim

      O rapaz é um gênio com a raquete, mas só acredito numa vitória se for em três sets, o que é muito difícil diante da solidez do Medvedev.

  27. Cassio Carvalho

    Bom dia, Dalcim! Excelente a cobertura do TenisBrasil, como sempre! Pergunto, a quadra está muito lenta ou a media de 3 horas por jogo tem mais a ver com o calor? Reparei que o Monfils foi o unico que ficou 1h30 em quadra. Zverev o segundo com 1h59. Tá ou não tá lenta a coisa, hehe? E, sendo assim, quais dos top10 saem com mais chances nessas condições?
    Muito obrigado e grande abrazo!

    1. José Nilton Dalcim

      Acho que as quadras dos estádio está uns 20% mais lenta do que no ano passado, já as externas parecem quase iguais, talvez uns 10% a menos. Como os favoritos sempre jogarão nos grandes palcos, acho que isso dificulta para quem vive muito em função do saque. Nadal pode tirar proveito, mas Medvedev e Zverev conseguirão se adaptar.

      1. Arthur

        É curioso como a velocidade das quadras tem variado tanto ao longo dos anos no AO, né, Dalcim?
        Não custa lembrar que em 2017, quando houve aquela final épica entre o Federer e o Nadal, a quadra do AO era a mais rápida do circuito, mais rápida até do que Shanghai.
        Agora, tá parecendo mais lenta do que a do O2 Arena em Londres.
        Vai entender…

  28. Eduardo Moura Lima

    Dalcim,

    apesar de achar muito difícil o Nadal passar pelo Zverev numa eventual quartas de final, vejo um processo ENORME do tênis que vem jogando no AO para o que jogou em Melbourne (torneio).
    O FH não está curto. Em Melbourne parecia estar majoritariamente na linha de saque, e agora parece estar quicando a maioria das vezes entre a linha de saque e a linha de fundo, tendo assim ganho uma profundidade relevante.
    O saque parece bem afiado. Não no nível do USOpen 2013, lógico, mas firme, rápido e bem colocado.
    E o BH deu uma melhorada também. Em Melbourne estava nível 2005 …
    E por último, a velocidade de pernas me parece de volta também. Obviamente ponderada para os 35 anos.

    O que achou ?

    Duas perguntas:
    1. Porque acha que o Zverev prefere encarar o Opelka?
    2. Sobre o Nadal: acha que prefere encarar nas quartas o Opelka (sacador, que ele detesta) ou o Shapovalov? (Excluindo obviamente a pior e mias lógica alternativa, que seria o Zverev)

    Abraço

    1. José Nilton Dalcim

      Não, eu sugeri no texto que ele prefere o Shapovalov, já que o estilo do Opelka é sempre perigoso por conta da pressão que causa no seu próprio saque. Por isso mesmo, acho que Nadal também prefere o Shapo. que vai ficar mais tempo no fundo de quadra.

Comentários fechados.