Força espanhola
Por José Nilton Dalcim
17 de janeiro de 2022 às 12:54

Rafael Nadal, Carlos Alcaraz, Pablo Carreño e Paula Badosa. Não foram apenas quatro vitórias, mas agradáveis exibições do sempre poderoso exército espanhol na abertura do Australian Open de 2022. A quadra, que parece um pouco mais lenta do que se mostrou no ano passado, pode ser uma aliada fundamental.

É bem verdade que Marcos Giron não mostrou competência para exigir realmente o máximo de Nadal. O campeão de 2009 sacou bem com 84% de pontos vencidos com o primeiro serviço, colocou o adversário para correr e não pensou muito para buscar finalizar os pontos, jogando aliás bem mais perto da linha de base. Totalizou 34 winners e 26 erros, mostra que a ideia parece mesmo forçar. Não deve ter dificuldade diante de Yannick Hanfmann e espera o ‘freguês’ Karen Khachanov.

Quem passou apertado foi o russo Aslan Karatsev, surpreendente semifinalista do ano passado, que não produziu muito com o saque, sentiu a lentidão maior da rodada noturna e foi um verdadeiro kamikaze, com 87 winners – quase 50% de seus pontos na partida – mas também 107 erros, 60% de tudo que Jaume Munar fez nos cinco sets e 4h52 de batalha. É bem possível que um duelo direto com o perigosíssimo Hubert Hurkacz defina quem vai pegar Nadal nas oitavas.

Ainda nesse forte setor da chave, Alexander Zverev jogou para o gasto e nem ele gostou muito da estreia diante do compatriota Daniel Altmaier, que o levou a dois tiebreaks. O aspecto positivo foram as 55 subidas e 39 pontos junto à rede. De qualquer forma, a caminhada é muito favorável: agora vem John Millman, depois Radu Albot ou Aleksandar Vukic e só então Denis Shapovalov ou Reilly Opelka. Dá tempo de sobra para achar seu melhor tênis.

O outro quadrante
Matteo Berrettini diz ter sofrido com dores no estômago e por muito pouco não viu sua tarefa se alongar ainda mais, já que o bom Brandon Nakashima desperdiçou um set-point que lhe daria placar vantajoso de 2 a 1. Outra vez, o destaque do italiano foi o saque, que apareceu nas horas mais importantes: de seus 42 winners, 21 foram aces.

Carlos Alcaraz foi muito bem no primeiro jogo da temporada, não economizou subidas à rede e parece um adversário muito perigoso para o italiano num evento duelo de terceira rodada. E quem sobreviver pode pegar Pablo Carreño, que jogou o básico para avançar em três sets. A surpresa no setor veio com a vitória facílima de Sebastian Korda sobre o canhoto Cameron Norrie, lembrando que o garoto norte-americano passou duas semanas de quarentena por ter contraído covid logo após a chegada a Melbourne.

Quem pode se aproveitar muito bem do buraco aberto pela ausência de Novak Djokovic no topo da chave é o veterano mas sempre prazeroso Gael Monfils. Jogou sério na estreia, tem que tomar cuidado com Alexander Bublik e, se passar, terá Cristian Garin ou Pedro Martinez. É um excelente cenário. No seu quadrante, Lorenzo Sonego aparece como adversário mais gabaritado para duelar com o francês nas oitavas. Monfils não passa da 4ª rodada em Melbourne desde as quartas em 2016, sua única campanha de destaque no Australian Open em 16 participações.

Feminino: Osaka empolga
Ashleigh Barty e Naomi Osaka não encaram oponentes de gabarito, mas deram o recado em seus jogos iniciais do Australian Open: estão muito afiadas. E isso só aumenta a expectativa por eventual duelo direto entre elas ainda nas oitavas de final. Belinda Bencic ainda é o único nome que pode impedir isso, mas a campeã olímpica admitiu que ainda não está plenamente recuperada da infecção por coronavírus.

Osaka me deixou mais empolgado, porque mostrou atitude em quadra e parecia muito alegre após a partida, com direito a brincadeiras na entrevista. Só faltou mesmo calibrar melhor o primeiro saque. Bicampeã do torneio, a japonesa tem vencido um Slam em cada uma das últimas quatro temporadas, todos na quadra dura.

Boa sugestão é ficar de olho em Paula Badosa. Cheia de recursos, soltou-se ao longo da partida e é seríssima candidata a ir até as quartas. Esta foi apenas sua terceira vitória nos Slam sobre quadra dura, mas a evolução é evidente. No seu quadrante, estão nomes de peso, como Barbora Krejcikova, Elina Svitolina e Vika Azarenka.

Pequena decepção com a estreia muito irregular de Maria Sakkari. Não chegou a perder set da veterana e mãe Tatjana Maria, porém pareceu estar com muitas dúvidas táticas. E já caíram duas cabeças: Sofia Kenin corre até o risco de sair do top 100 após perder de Madison Keys e a garota Coco Gauff foi dominada pelas defesas de Qiang Wang.

Djokovic na parede
O líder do ranking desembarcou com recepção calorosa dos fãs em Belgrado. Ele avisou que não vai dar entrevistas, ao menos não tão cedo. Ainda recebeu mais uma notícia pouco animadora: Roland Garros também vai exigir comprovante de vacinação completa, seguindo norma federal baixada nesta segunda-feira. A informação foi dada pela mesma ministra dos esportes Roxana Maracineanu, que há poucos dias alardeou que Djoko estava assegurado no Slam do saibro.


Comentários
  1. Nathan

    A verdade é que os australianos, fanceses, americanos e ingleses preferem que outros ganham os Grand Slams. E vão pressionar as autoridades para barrarem Djokovic que não conseguirá jogar os torneios. Os campeonatos ficam falsos. Não representam os melhores do mundo. Mas devem conseguir o intento de transformar o Nadal no melhor da história sem que o Djokovic consiga jogar. Infelizmente é vontade do povo onde o Grand Slam é sediado barrar quem quiser.

    1. Fernando Brack

      Curioso vc acreditar nesse imenso esforço de tanta gente em tantos países pra barrar Djoko e favorecer Nadal, esquecendo-se que basta a seu ídolo tomar a super ultra simples decisão de se vacinar. É notável como idólatras são capazes de acreditar nas mais absurdas estultices.

  2. Heitor

    A coisa vai Federer pro Djokovic se ele não quiser Nadal com a vacina. Até para jogar aqui em Sampras, vai tomar uma Sharapova em Guarulhos. Não passa nem na Sabatini da imprensa.

    Não adianta dizer que já consultou o Medvedev ou achar que está Zverev. Nem tomar remédio que só Mattar piolho e Lendl.

    Se ele continuar Agassi vai se Ferrer. Vai acabar de Boris Becker pra casa. Não como um Björn sujeito, mas como um Wilander. E ainda periga levar uns Connors da mulher, Noah mesmo?

    Como dizem os influencers, se vocês gostaram Kuerten aí, monkeyhood.

    Ps. Na foto, a mulher e os cães do craque, vacinados e vermifugados.

  3. Teka+Moraes

    Bom dia!
    Ótimos os comentários de hoje sobre sir cotonete. Se Elvis nem morreu, imagine um pauzinho de algodão! Ha ha ha… Vida longa pra esse esse blog.

  4. Rubens Leme

    Se o Novax Bolsonarovic Djokovid perder o patrocínio da Lacoste será algo bem lógico, afinal, como se transformará em jacaré sem tomar a vacina?

  5. Ronildo

    Só falta o Nadal ser campeão do AO e de RG. Daí o cara que perde todas para Djokovic fora do saibro nos últimos 5 ou 6 anos será considerado o maior jogador de todos os tempos.

    Seria uma bela lição para aqueles que acreditam que os números dizem tudo.

  6. Fernando Brack

    Tô aqui vendo como a ausência do Djoko tirou público e patrocinadores do AO. O torneio vai quebrar com certeza. Deve ser seu último ano de vida.

  7. EDVAL CARDOSO

    Sei não essa segunda rodada do Medvedev, o N. kyrgios costuma jogar sério esses jogos grandes, não me surpreenderia se pintasse uma “zebra” aí.
    Mesmo não estando muito empolgado com esse AO, não perco esse jogo por nada, a não ser que a ESPN não transmita e puxe esse jogo pra grade do star+.

    1. Willian+Rodrigues

      Assisti aos highlights do Kyrgios na 1ª rodada e ele não me parece ter energia suficiente para surpreender Medvedev, no momento. Bolas pouco profundas e lento na movimentação lateral.
      Claro, deve-se usar o filtro da relativa displicência com que ele joga contra jogadores menos expressivos…
      Mas, dessa vez, passa o russo, ainda que o jogo seja difícil.

  8. Paulo Almeida

    O Chetnik se envolveu em várias tretas nos últimos dias (as quais não aprovo), porém, gostando ou não, estando ele certo ou não, foi quem demonstrou maior domínio do “juridiquês”. Se alguém quiser batê-lo nesse âmbito, vai precisar de uma bagagem muito boa, rs.

    Cara, petralhas e bolsoloides fanáticos são praticamente farinha do mesmo saco; a única diferença é que um tem sinal positivo e o outro negativo. Passam pano pra tudo e não adianta discutir.

    Abs.

    1. Fernando Brack

      Mostrou ótimo domínio do juridiquês, mas perdeu todas as suas apostas. Não adianta muito ter sólidos conhecimentos de uma disciplina técnica quando a idolatria fala mais alto. Vc mesmo mostrou muito mais equilíbrio e sensatez que ele.

      1. Chetnik

        Que aposta eu perdi? Vou refrescar a sua memória:

        “Por sua vez, o fundamento dele – presença do Djokovic no país acirra o sentimento anti-vacina – é risível e, fosse justiça feita, nunca seria aceito. Mas a gente sabe que tem muito mais coisa envolvida. Ademais, tribunais colegiados costumam ser mais políticos que juízes singulares e há uma pressão enorme. Por fim, em casos como tais, existe uma possibilidade mais do que real que os magistrados não queiram se comprometer anulando uma decisão ministerial. Lavando as mãos e se eximindo.”

        Deixei bem clara a grande possibilidade da corte fazer exatamente o que fez. Lavar as mãos e não querer se comprometer anulando a decisão ministerial. Exatamente o que fizeram, tanto que só analisaram as formalidades da aplicação da lei e não o mérito da decisão do ministro.

        1. Fernando Brack

          Chet, vc errou quando disse que a decisão foi política. Não foi. Vc achar que foi não quer dizer que tenha sido. É só a sua opinião de torcedor fanático.

          1. Chetnik

            Essa é a minha opinião. Isso não é uma aposta “errada”. Você tá confundindo as coisas. Essas cortes superiores são todas políticas. Vivendo onde vive, não deveria ser surpresa.

      2. Paulo Almeida

        Ué, mas ele não disse que aconteceu tudo como tinha previsto na última pasta? Acho que tentou arrumar argumentos válidos na esfera jurídica, mas que, assim como os dos advogados do Djoko, não foram suficientes para convencer a corte australiana. Eu não disse que concordo, mas certamente teria sido engolido também se o peitasse, rs.

        A propósito, Brack, você cometeu um engano em uma discussão recente com o Alessandro. A maioria do STF considerou o Moro parcial (e foi mesmo, agindo em conluio com o MP) em votação, mas quem anulou as condenações do Lula foi o Fachin em decisão monocrática; e veja que ele era a favor da Lava-Jato, prisão em segunda instância e tudo mais. Penso que “virou a casaca” porque deve ter percebido que nada pode ser pior do que o governo atual e liberou o caminho para o Lula voltar, mas não tenho como provar, óbvio.

        Abs.

        1. Fernando Brack

          PA, a decisão do Fachin teve o propósito não declarado abertamente de preservar a Lava Jato e seus processos, porque sua decisão de considerar a 13a Vara de Curitiba incompetente para julgar Lula não anulava os processos, que seriam transferidos para Brasília, apenas as sentenças de Moro. Além disso, preservaria o próprio Moro, pois a ideia do Fachin era travar o julgamento da suspeição do ex-juiz. Não adiantou nada, pois Gilmar Mendes, com seu ódio extremo à Lava Jato e seus integrantes, levou adiante o julgamento e até fez com que ministros favoráveis à operação, como Cármen Lúcia, votassem contra Moro. Daí pra frente, o desmonte de tudo que houve em Curitiba era só questão de tempo.

        2. Fernando Brack

          Sobre o nosso amigo, ele até indicou que aconteceria o que acabou acontecendo, mas sempre dizendo que não seria o correto, isto é, também indicava que podia ser diferente, com os juízes no fim decidindo como ele pensava. E seguiu afirmando que a decisão foi política. Pra mim, política pode ter sido a decisão do Alex Hawke, mas, com ela em vigor, a dos juízes foi técnica, pois o ministro é uma autoridade com prerrogativas bem definidas.

    2. Chetnik

      Almeidão, você e o Paulo F. são fakes meus. Não contam rs.

      PS: Tô com você que o GOAT c. no pau. Um completo idiota. Mas nós, como torcedores que acompanhamos toda a sua carreira, não podemos virar as costas nesse momento ruim e ceder à horda ensandecida e odiosa. Afinal, ele não matou um bebê em rede nacional. E nós sabemos o real motivo desse ódio, não é mesmo? E não, não é preocupação com a situação sanitária da Austrália.

      1. Paulo Almeida

        Kkkkkk, pode crer, somos a mesma pessoa evidentemente.

        Sim, como eu disse lááá no começo, o mais importante para certas figuras era ver o cara fora. Preocupação com australianos pegando Covid? Faz-me rir.

  9. Roberto

    Estamos realmente vivendo uma realidade estranha.
    Djokovic sendo proibido de jogar, por não ter sido vacinado. Não está sendo proibido de jogar por estar doente.
    E o que torna mais estranha a realidade é que tenistas como Shapovalov que testa positivo pode ficar na Austrália podendo transmitir doença – nenhum isolamento é perfeito – , e Djokovic que testa negativo e portanto não tem chance de transmitir para ninguém é ameaça a saúde pública.

    As vacinas são importantes e devem ser utilizadas. O efeito delas na pandemia foi enorme. Mas estas exigências governamentais estão beirando o absurdo.

    Ah, antes de chamarem alguém de “negacionista”, lembrem que a ciência verdadeira é negacionista. O método científico só tem a capacidade de rejeitar a hipótese nula (com uma probabilidade estatística), nunca de afirmar a hipótese alternativa.

  10. Helena

    Incrível o amadurecimento de Carlitos, difícil conter a empolgação. Espero que ele e Sinner façam um grande torneio.

    Acho que outro que tem chances de fazer um ótimo AO e está voando abaixo do radar é o Bautista-Agut. Se mantiver o nível demonstrado na ATP Cup, pode terminar virando um adversário ingrato do Medvedev.

  11. Miguel BsB

    Dalcim, falei que o Kokkinakis não tinha físico pra jogar melhor de 5 contra o Nadal…
    A semana passada exigiu demais do pobre físico do Australiano, não conseguiu nem passar da 1 rodada.

  12. Luiz Fernando

    E claro não poderia deixar de esquecer do Korda, fortíssimo candidato ao título, afinal venceu o magistral Norrie, e aprendi com alguns especialistas aqui do blog q quem vence esse rapaz sempre se credencia kkkk. Aqui é diversão garantida kkkk…

    1. Vitor Hugo

      E o estupendo Lyod Harris, que vc chamou de grande jogador?! Caiu também! Só que o Norrie, que é comum, tem um masters 1000.

      1. Gildokson

        Só desse cara ter ganho aquele Master 1000 ja era pra esse cidadão ter ficado acanhado de repetir pela milionésima vez essa péssima piada… mas o cara é teimoso kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  13. José Eustáquio Masculino Cruz

    Se não me falhe a memória todas as vezes que Rafa deu uma parada por contusão.ele voltou e foi número 1 2013 tenho certeza.mas ele jogando bem sendo competitivo está bom demais ver um cara desses com a garra e ir jogando faz bem ao Tênis!

  14. Vítor+Barsotti

    Salve, Dalcim. Hoje cedo estava empolgado pro jogo Munar x Karatsev mas quando liguei na espn vi que estava passando o jogo do Zverev. Este acabou, entrou o jogo da Badosa e por fim, quando imaginei que fossem colocar o final de Munar x Karatsev, que estava no quinto set, encerraram a transmissão.

    Procurei também aqui no tenisbrasil pra ver se teria link pra essa partida, mas nada.

    Enfim, alguma sugestão pra acompanhar mais jogos nesse AO? Grato desde já!

    1. José Nilton Dalcim

      Oficialmente, só comprando o Star+, o canal de streaming da Disney, que tem os direitos para o Brasil sobre todos os jogos do Australian Open.

  15. Maurício Luís *

    Ainda que haja a alternativa de tenistas não vacinados cumprirem quarentena pra poderem jogar, e considerando 14 dias de isolamento… Vejamos: se o Djoko jogar só 10 torneios no ano – o que é muito pouco- são 14 dias x 10 = 140 dias por ano de isolamento.
    Acho inviável. Acredito que ele está num beco sem saída.

  16. Miguel BsB

    Dalcim, vou seguir sua sugestão e ficar de olho na Paula Barbosa…
    Vem jogando muito bem e ainda é uma gata rs
    Assiti o segundo set contra a australiana, e foi um atropelo com direito a pneu.

  17. Sandro

    Em relação ao torneio, tenho minhas dúvidas se Monfils consegue passar por Bublik… Já a seção 2 está pegando fogo com várias alternativas entre Sebastian Korda, Carreño Busta, Alcaraz, Lajovic e Barrettini… Nas seção 3 espero que aconteça uma batalha espetacular entre Zverev e Shapovalov… E na seção 4, se houver realmente um confronto entre Hubert Hurkacz e Nadal, acho que seria o fim da linha para Nadal nesta edição do Australian Open, a não ser que aconteça uma zebra e Hurkacz ou Nadal caiam antes desse confronto… Enfim, são apenas achismos…

  18. Carlos+Bicalho

    Em tempo, corrigindo meu comentário: não é que ele desistiu, ele, por não ter se vacinado, abriu possibilidade séria de não disputar o Slam, o que acabou acontecendo tendo em vista a decisão das autoridades australianas.

  19. Carlos+Bicalho

    Djokovic ficou numa posição péssima:
    – se ele sustentar essa decisão de não se vacinar, ele perde mais um Grand Slam e com isso traz prejuízo à sua carreira, ainda mais se considerarmos que o objetivo dele é ganhar slams em detrimento de outros torneios menores;

    – se ele não sustentar a decisão (ou seja, vacinando-se), também será bola fora, uma vez que ele desistiu de jogar na Austrália, onde é quase imbatível e com mais de noventa por cento de favoritismo, para jogar na França, onde não é favorito – assim a desistência da Austrália soaria ridícula e com grande prejuízo para ele, uma vez que ele resolveu tomar a vacina (coisa que poderia ter feito para disputar o AO).

  20. Evaldo Medeiros

    Dalcim, boa tarde. Ainda sobre o Djokovic, eu estava pensando que essa saga de Nole custou caro demais pra ele, não acha? Custou a posibilidade de levar o 21o. slam e se isolar de vez na história, sem falar do gordo prêmio de milhões de dólares que acrescentaria ao seu já imenso patrimônio. E agora pode ver o Nadal ganhar o torneio e pular na frente. Ele arriscou demais na sorte, achando que o convite dos organizadores lhe garantiria a participação no torneio. Seria muito mais fácil fazer um pequeno sacrifício da quarentena de 14 dias. Você acha que ele aprendeu a lição para o restante da temporada? Se quiser ter vida tranquila daqui pra frentr vai ter que perder 14 dias nas quarentenas obrigatórias de grande parte dos torneios, não é?

    1. José Nilton Dalcim

      Ah, custou bem caro, tanto no plano da carreira – seria o favorito natural ao título e com grande chance de chegar ao 21º Slam – como na questão de imagem. Fora o desgaste psicológico que sofreu, com detenções, pressão, expectativa, volta para casa. Vai precisar de um período para recolocar a casa em ordem.

    2. Sandro

      Eu já tenho uma outra avaliação, o que Djokovic fez na Austrália em 2022 foi muito maior do que um torneio tênis, muito maior do que qualquer uma conquista que ele já teve! Djokovic entrou pra HISTÓRIA DA HUMANIDADE, como um atleta que resolveu lutar até o fim por suas convicções, credos, crenças filosóficas, por suas LIBERDADES de expressão e de escolha a que tipo de Medicina e tratamento a ser submetido!
      Lutar por suas LIBERDADES e por seus VALORES está muito acima de qualquer título ou premiações em dinheiro!
      Eu consigo entendê-lo e compreendê-lo porque respeito meus valores e princípios, coisas que o DINHEIRO NÃO COMPRA!!!
      Djokovic foi escoltado por milhares de australianos até sua derradeira despedida da Austrália, não porque admiram o seu tênis, mas porque admiram o HOMEM DE FÉ E CORAGEM que Djokovic é!!!
      Nadal pode muito bem ser o Campeão do Australian Open e de Roland Garros e ficar com 22 Grand Slams e ser o GOAT do tênis!
      Mas pouco me importa se NADAL se tornar o GOAT do tênis, porque Djokovic me provou ao longo de sua carreira e principalmente agora na Austrália em 2022, que ele é muito maior que o tênis, o futebol, o basquete, a Fórmula 1, ou qualquer outro esporte! Djokovic transcendeu o tênis, transcendeu o esporte, porque lutou por suas LIBERDADES numa Austrália HIPÓCRITA, INTOLERANTE, RACISTA, DISCRIMINATÓRIA, SEGREGACIONISTA, coisa muito mais importante do que batalhas dentro de quadra, ele travou uma batalha pela VIDA LIVRE DE MORDAÇAS!!!
      Nessa Austrália que manda a própria população para CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO, que arrancam pessoas à força de suas casas para serem humilhadas em CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO!!! Uma Austrália que usou da INDÚSTRIA DA MULTA, com multas pesadíssimas de mais de 5000 dólares australianos para intimidar quem ousar se opor às autoridades tirânicas australianas!!! Uma Austrália que está impedindo pais de verem seus recém-nascidos com a desculpa patéticas e absurda de que é para não contaminá-los por Corona Vírus!!! Uma Austrália que tira crianças à força da guarda dos pais para inoculá-las à força SEM A PRESENÇA DOS PAIS!!!
      Esses australianos acuados e amordaçados pelos atos abusivos, totalitários, tirânicos do Governo Absolutista australiano, viram na coragem, sofrimento, resiliência e determinação de Djokovic uma ponta de esperança para lutarem por suas LIBERDADES PERDIDAS!!!
      Pouco me importa hoje o que Djokovic fará mais no tênis, pra mim pouco me importa quais torneios Djokovic disputará ou que títulos ganhará, porque Djokovic fez algo muito maior que o tenis ou o próprio esporte!!!
      Djokovic, pra mim, não é o GOAT do tênis, Djokovic é um HERÓI DA HUMANIDADE!!! E isso, pra mim, é muito maior que todos os títulos que ele conquistou e todos os recortes que ele bateu!!!

      1. Fernando Brack

        Já eu tenho uma outra avaliação: Djoko entra para a história como o protagonista de uma das maiores idiotices que um esportista de ponta jâ cometeu. Em uma palavra: ‘jenial’!

      2. Maurício+Luís+*

        Achei que ninguém superava o antivaxx “emérito” Carlos em matéria de viagem na maionese, mas Vossa Senhoria conseguiu a “proeza”. Congratulações.

      3. Arthur

        Minha nossa.
        Queria fumar a mesma coisa que essa galera fuma.
        Não é possível um negócio desses. #AceleraMeteoro

      4. Alexandre G.

        Djokovic é muito mais valorizado peitando os controladores de rebanho do que vencendo um GS, onde era o favorito.
        E ele não fez isso por dinheiro, mas por preservação de sua saúde, evitando de correr riscos desnecessários.

    3. Fernando Brack

      Ele não foi convidado para o torneio. É o N°1 do ranking e estava inscrito. O que os organizadores fizeram foi arriscar uma brecha inválida para trazê-lo para a Austrália e quebraram a cara. No processo, quebraram as pernas e a moral do sérvio.

  21. Barocos

    Estou na torcida por Nadal, que além de ser um grande tenista, também é uma pessoa muito sensata.

    Toda a infindável discussão sobre o tal GOAT ficaria bem mais “divertida” neste canto da Internet. De quebra, a conquista iria por sódio metálico na água do Djokovic e as expectativas por Roland Garros seriam explosivas!

    Go Nadal, go!

    Saúde e paz.

  22. Sandro

    Antes de criticar Djokovic e outros cidadãos como ele, porém, menos famosos, as pessoas não tentam entender como o ele foi criado, educado, na sua cultura, nas suas tradições…
    Enfim, muitos já agem com preconceito e discriminação, sem analisar os pontos de vista destas pessoas. Dizem que são contra a Misoginia, o Racismo, o Machismo, a Homofobia, a Transfobia, a Intolerância Religiosa, porém, são hipócritas e agem de forma muito mais preconceituosa e racista do que tudo isso que eles dizem(???) ser contra.
    Djokovic nunca foi uma ameaça à Saúde Pública nem da Austrália e nem de lugar nenhum, ao contrário, Djokovic é um exemplo de saúde e vitalidade, e se as pessoas seguissem seu estilo de vida e seus bons hábitos de saúde, teríamos muito menos doentes na face da Terra e pessoas muito mais saudáveis, vigprosas, corajosas, resilientes e vencedoras!
    Djokovic não fuma (cigarro, maconha etc), não bebe Coca-Cola, é vegetariano, não toma TARJAS PRETAS, não se entope de remédios alopáticos, não é sedentário, pratica atividades físicas regularmente, evita consumir produtos industrializados cheios de substâncias cancerígenas como corantes, conservantes, acidulantes, aromatizantes etc…, está sempre em contato com a natureza, não fica horas e horas no VÍDEO-GAME, não fica horas e horas maratonando séries no NETFLIX, não é vassalo de mídias compradas, tem muita fé em vez de medo, dorme bem, bebe bastante água, consome frutas e verduras que são fontes naturais de vitamina em vez de se entupir de Redoxon, etc…
    Na verdade Djokovic é um ótimo exemplo de Saúde Pública, pois se todos os governos incentivassem (e não obrigassem) os bons hábitos que Djokovic pratica, os hospitais estariam bem mais vazios!!!
    Djokovic não teve uma educação fragmentada, mas sim uma educação integral que vê o ser humano como um todo: corpo, emoção, intelecto e espírito. Até por isso, Djokovic tem a paixão de evoluir e aprender sempre, tanto no tênis quanto na vida. Djokovic segue o ditado aristotélico de que “O todo é maior que a soma das partes”, por isso ele preza por sua saúde global que não trata um corpo localmente, mas globalmente. O corpo humano, vírus, bactérias etc, inclusive as da flora intestinal funcionam juntos como um todo integrado, ao serem reunidos para constituir uma unidade funcional maior, os componentes individuais de um sistema desenvolvem qualidades não previsíveis a partir de seus componentes isolados. Djokovic enfatiza o cuidado com o próprio corpo, bons hábitos alimentares, de repouso, de exercícios físicos, mentais e espirituais.
    A “Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares” (PNPIC), criada para englobar as Medicinas Tradicionais, Complementares e Alternativas (MT/MCA) da Organização Mundial da Saúde (OMS), foi oficializada no Brasil em 2006, após aprovação pelo Conselho Nacional de Saúde. O objetivo da PNPIC foi implementar tratamentos alternativos à Medicina Alopática no Sistema Único de Saúde (SUS).
    Medicinas Tradicionais são o conjunto de práticas em saúde desenvolvidas desde muito antes da existência da Medicina Alopática e que ainda hoje são muito praticadas por diversas culturas em todo o mundo, mas que a Indústria Farmacêutica faz questão de combater, já que fazem com que as pessoas reduzam o consumo de remédios alopáticos artificiais de laboratório.
    “Medicinas tradicionais” é um termo amplamente utilizado para referir-se aos diversos sistemas de Medicina Tradicional, como por exemplo a medicina ayurvédica indiana, a medicina Unani-Árabe e as diversas formas de medicinas indígenas e populares. Abrange terapias com medicação à base de ervas, minerais, e terapias sem medicação, como a acupuntura, as terapias manuais e as terapias espirituais.
    As curas da Medicina Tradicional incluem uma série de terapias baseadas na exposição aos elementos naturais como a radiação solar, ar puro, calor ou frio. Incluem também conselhos de nutrição, como seguir uma dieta vegetariana ou integral, jejum ou abstenção de bebidas alcoólicas, gorduras trans ou açúcar. Os métodos de Medicina Física incluem terapia manual dos ossos ou tecidos moles, medicina desportiva, exercício físico e hidroterapia. O aconselhamento psicológico incluem meditação, técnicas de relaxamento e outros métodos para gerir o stresse.
    O Sistema Único de Saúde do Brasil já aprova 29 tratamentos fora da Medicina ALopática, que contemplam a Medicina Tradicional e Integrativa, dentre os quais, os mais famosos são: Acupuntura, Medicina Ayurveda, Cromoterapia, Fitoterapia, Florais de Bach, Geoterapia, Hipnoterapia, Homeopatia, Meditação, Musicoterapia, Osteopatia, Quiropraxia e Yoga.
    O medo, o pânico, o stress, a depressão provocados pela mídia comprada e por governos ditatoriais que implantaram políticas como as do “isolamento social”, do ‘fique em casa”, do “lockdown”, da “indústria da multa”, da “repressão social”, do “passaporte vacinal”, levaram uma boa parte das pessoas a desenvolverem sintomas porque o estresse e a ansiedade fazem aumentar a atividade nervosa do cérebro, além de elevar os níveis de hormônios no sangue, como adrenalina e cortisol, o que aumenta a intensidade e duração dos sintomas.
    Exemplos de sintomas provocados pelo medo, pânico, ansiedade, perseguição etc são:
    Estômago: dor ou sensação de queimação no estômago, náusea, piora de gastrites ou úlceras gástricas;
    Intestino: diarreia ou prisão de ventre;
    Garganta: sensação de nó na garganta, irritações mais fáceis constantes na garganta e amígdalas;
    Pulmões: sensação de falta de ar ou sufocamento, podendo simular doenças pulmonares ou cardíacas;
    Músculos e articulações: tensão, contraturas, dor muscular ou dor nas costas;
    Coração e circulação: sensação de dor no peito, que pode até ser confundida com infarto, além de palpitações, surgimento ou piora da pressão alta;
    Rins e bexiga: sensação de dor ou dificuldade para urinar, que pode imitar doenças urológicas;
    Pele: coceira, ardência ou formigamentos;
    Região íntima: piora da impotência, diminuição do desejo sexual, dificuldade para engravidar ou alterações do ciclo menstrual;
    Sistema nervoso: insônia, irritabilidade, crises de dor de cabeça, enxaqueca, alterações da visão, do equilíbrio, da sensibilidade (dormências, formigamentos) e da motricidade, podendo simular doenças neurológicas.
    Portanto, o Governo da Austrália e de muitos outras países que adotam o medo, o pânico, a repressão, a ditadura, o totalitarismo, a tirania e outros abusos e absurdos como POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE(ou seria de doença???) atentam muito mais contra a SAÚDE PÚBLICA do que as bons hábitos do estilo de vida saudável do Djokovic!!!
    Desde quando atentar contra a liberdade das pessoas como Governo Tirânico da Austrália faz, prendê-las, enviá-las para campos de concentração, obrigarem a se vacinar goela abaixo, separar mães de recém nascidos, separar pais e filhos para se vacinarem obrigatoriamente longe dos pais, manter pessoas em campos de concentração em isolamento total, são práticas saudáveis??? A Austrália, na verdade, não está preocupada com a saúde de ninguém!!! A Austrália está, sim, implantando um projeto tirânico de controle social, no qual os cidadãos não têm mais controle sobre suas decisões porque o governo é que DITA tiranicamente o que eles devem ou podem fazer!!!
    Muitos cidadãos australianos insatisfeitos, porém calados pelas mordaças da tirania, veem Djokovic como alguém que pode ajudá-los a recuperar suas LIBERDADES roubadas pelo Governo Tirânico Australiano ao expor esses abusos australianos mundo a fora!!!

    1. Heitor

      Ui, que vida mais chata.

      O djoko deveria sim maratonar Netflix porque é muito bom.

      Pelo que vc escreveu ele vai viver para sempre. Leia o artigo de hoje do sempre brilhante Coutinho na Folha sobre viver para sempre.

    2. Maurício+Luís+*

      Sandro, o “tirânico” governo da Austrália foi eleito democraticamente. A França também está exigindo o passaporte da vacina. Também é governo tirânico? E os Estados Unidos? Todo mundo é tirânico agora?
      As suas explanações sobre vida saudável são perfeitamente válidas… porém nenhuma delas livrou o sérvio de contrair covid em dezembro. Ou será que foi uma fake covid?
      Na sua longa explanação, que parece um livro, você não comentou que os óbitos no Brasil e no mundo caíram significativamente depois de iniciada a vacinação. As mortes evitadas não são importantes pra você?
      POR FIM, uma humilde sugestão: copie e cole esse seu texto e mande pro governo da Austrália. Porque você teve um trabalhão pra escrever, mas eles nem sabem que nós existimos. Muitos nem sabem onde fica o Brasil.

      1. Hermes Lourenço

        Queria ver esse povo que acha que uma lei sanitária é “tirania” dando uma volta de carro na Índia pra ver como é um trânsito “livre”.
        Confundem liberdade com anarquia, é impossível uma sociedade funcionar direito com regras frouxas, a Austrália chegou no patamar que está hoje porque é organizada.

    3. Sandra

      Eu nem entro mais nas discussões, mas concordo com você , precisavam de um bode expiatório e acharam, ele não chegou na Austrália sem autorização, ele tinha , continuo a torcer por ele

      1. Fernando Brack

        A autorização que ele obteve para entrar no país era inválida e o metido a esperto certamente sabia disso. Achou que sua identidade seria suficiente pra resolver a parada e se lascou. Austrália não é 3° mundo.

    4. Fernando Brack

      Todo esse imenso blábláblá de exaltação ao sérvio e eu tenho só uma coisa a dizer, aliás a repetir, porque já foi dita à exaustão aqui: ele tem que seguir a lei dos países para onde viaja.

    5. Carlos Reis

      Texto excelente, mesmo assim, os fãs de VAC não se dobram. Esse VENENO vai prejudicar muito a saúde das pessoas.

    6. Gildokson

      Ainda mega textos sobre esse assunto??
      Cara nunca pensei que ia dizer isso, mas por favor volte a repetir aquela piada onde vc escrevia 300 vezes FREGUESER e perdeu todas finais de WB e RG pra Djokovic e Nadal. Você ta sofrendo demais cara…
      kkkkkkkkkkķkkkkkkkkkkkkkkkkkķkk

    7. Liz

      E a carteirada heim!!! Mais Netflix e coca cola!!! Ele é tudo isso que vc falou! Mas faltou uma coisa muito importante nisso tudo! Honestidade.

  23. Rubens Leme

    Aliás, podia se adaptar o tema de Escrava Isaura para o goat da deportação. Imagine o Dorival Caymmi cantando.

    Lerê, lerê, lerê, lerê, lerê
    Lerê, lerê, lerê, lerê, lerê
    Lerê, lerê, lerê, lerê, lerê
    Lerê, lerê, lerê, lerê, lerê

    Vida de deportado é difícil, é difícil como o quê
    Vida de deportado é difícil, é difícil como o quê
    Eu quero voltar para Belgrado, para os braços de papai
    Eu quero voltar para Belgrado, onde vão me amar!

    Eu quero morrer de açoite se tu, Alex Hawke, me deixar

    Novax Bolsonarovic Djocovid, o goat das deportações! E piada eterna.

  24. Rubens Leme

    E esquecemos de mais um recorde de Bolsonarovic, Dalcim: o “goat das deportações”. O hómi realmente está reescrevendo a história.

  25. EDVAL CARDOSO

    Boa tarde Dalcin,
    Qual peso da saída do Djokovic em relação a audiência desse AO tanto nas quadras quanto nas televisões do mundo inteiro, vc acha que pode cair, ou não deve ter grande relevância?
    No meu caso, como fã do Djoko, confesso que não estou com a mesma empolgação dos outros anos.

    1. José Nilton Dalcim

      Acho que teremos de esperar para ver, Edval. Não acho que terá um impacto tão grande, porque apesar de ter muitos fãs o Australian Open tem muitos jogadores dos dois sexos de excelente nível. Claro que pesa sempre a ausência de nomes do Big 3, neste caso Djokovic e Federer.

      1. Liz

        Acho que não pesa não independente das preferências de jogadores. Quem é amante do esporte continua ali. Porque atletas vão e vem e vc não deixa de assistir por conta da aposentadoria deles!

    2. Sandra

      Para ser sincera, também não estou assistindo, só quero assistir se for para ver a armada espanhola cair!!!rsss

    1. José Nilton Dalcim

      Olha, Débora, acho que ele vai considerar isso sim, muito provavelmente ouvindo vários especialistas. Ele é um cara inteligente, bem instruído, e acredito que um diálogo franco com verdadeiras autoridades no assunto possa convencê-lo. Claro que ele ainda tem a prerrogativa de cumprir as quarentenas exigidas em cada país que visitar, mas isso será um desgaste tremendo.

Comentários fechados.