A magistral democracia do tênis
Por José Nilton Dalcim
4 de novembro de 2021 às 23:50

Força parece ser tudo quando se está com a raquete na mão. Saques a 200 km/h, golpes pesados, jogo agressivo formam quase sempre a receita do sucesso. Porém, vira e mexe o circuito nos surpreende com um estilo completamente fora dos padrões e, nem por isso, pouco eficiente. Está aí Daniil Medvedev para não me deixar mentir.

Hugo Gaston não é uma novidade e muita gente ainda deve se lembrar do seu desempenho inesperado em Roland Garros do ano passado, quando deixou Stan Wawrinka e Dominic Thiem completamente malucos. O francês de 1,73m joga no absoluto talento. Com exceção a um backhand mais reto quando necessário, ele não consegue fazer a bola andar tanto, mas sabe tirar proveito do fato de ser canhoto.

Mais do que isso, tem uma mão privilegiada e abusa dos drop-shots, o que aliás nem é recomendável. A curtinha deveria ser uma opção tática de surpresa, mas Gaston esconde tão bem suas (más) intenções que deixa o adversário com pouca capacidade de antecipação. E mesmo que chegue na bola, a execução beira tanto a perfeição que ficam poucas saídas.

Aos 21 anos, Hugo enfim entrará para o top 100 com as quartas em Bercy, e será um salto já para o top 70. Nadal, é claro, foi seu ídolo de infância e a maior qualidade, em suas próprias palavras, é estar sempre feliz, dentro ou fora da quadra. Dá para sentir isso muitas vezes.

É pouco provável que Gaston vire uma grande estrela do circuito com o estilo e as limitações do seu jogo atual, que depende de um piso mais lento e exige um preparo físico excepcional, mas se torna uma clara e saborosa demonstração de que existe espaço para todos neste democrático universo do tênis.

Sexta-feira interessante em Paris
As quartas de final no Masters de Paris ainda contam com os três grandes favoritos, mas a semana foi repleta de novidades. Novak Djokovic reencontrará nesta sexta-feira Taylor Fritz, aquele que teve uma chance incrível de superar o número 1 no Australian Open meses atrás e está jogando um tênis redondinho há algumas semanas, talvez o melhor de sua jovem carreira. A campanha em Bercy é marcante, com virada contra Lorenzo Sonego, vitória dura frente a Andrey Rublev e muita aplicação diante de Cameron Norrie. Quem passar, deve pegar Hubert Hurkacz, que é favoritíssimo contra James Duckworth e. se confirmar, fica com a oitava e última vaga para o Finals.

Do outro lado, fica difícil não apostar no duelo entre Medvedev e Alexander Zverev na semi. O russo e atual campeão esteve longe de empolgar nos dois jogos já feitos e vai ser divertidíssimo acompanhar como irá reagir às curtinhas de Gaston. Não perco por nada. Quem não viu, vale recordar que Gaston perdia de 0/5 o segundo set para Carlos Alcaraz e venceu sete gams seguidos.

Sascha passou aperto contra Grigor Dimitrov – o búlgaro renasceu? -, vem embalado de Viena e reencontra Casper Ruud num piso muito diferente de Cincinnati de dois meses atrás. E o norueguês garantiu seu lugar em Turim, sinal que pode jogar muito solto contra o alemão.

Quem estará no Finals também é Bruno Soares, que ganhou os dois jogos que precisava e viu os dois concorrentes diretos eliminados. Será a sétima presença do mineiro desde 2013, a quarta ao lado de Jamie Murray. Até agora, Bruno não conseguiu chegar numa decisão, embora tenha feito quatro semis, a primeira delas impedida por meros dois pontos frente aos irmãos Bryan.


Comentários
  1. Oswaldo E. Aranha

    Um grande jogo a final do torneio de Paris, com grandes jogadas e agraciado com a agradável figura da juíza francesa.
    A assombração Djokovic tirará o sono de seus detratores, que, acredito, irão viajar em um fusca, pois numa kombi haveria desperdício de espeço.

  2. Paulo Almeida

    Rapaz, que jogaço ABSURDO entre os dois melhores da atualidade. Que pena que a final do USO não foi assim!

    Confesso que fiquei mais empolgado e aliviado com a definição do year-end ontem, mas o fim de semana não poderia se melhor com uma pequena revanche em cima do Meddy e mais um Big Title na conta do MONSTRO! E agora são nove Masters 1000 de vantagem para o freguês. Imaginem se não tivesse pulado cinco no ano, rs.

  3. Rodrigo Figueiredo

    A força do maior de todos se mostrou mais uma vez. Mostrou em quadra que o levaram a estar agora isolado no lugar mais alto do Olimpo do tênis. Sua capacidade de defender, de sair da defesa para o ataque e de se adaptar. Que Djokovic tenha incorporado as subidas à rede no seu já riquíssimo arsenal só mostra o quanto ele ainda está faminto por mais glória, para desespero de muitos. Vir longa ao rei.

  4. EDVAL CARDOSO

    Quero ver os antas,ops, ants, chamando o craque sérvio de bagre agora.
    Apareçam por favor.
    Se bem que com a aula de saque voleio, drops e slices que ele deu hj, dificilmente vão aparecer.
    Viva o maior e melhor tenista de todos os tempos.
    Noooooleeeeeee, Nooooooooleeeeeeeeee.

  5. Paulo Sérgio

    Recorde isolado de Masters 1000, números de semanas totais como number one e de number year one.

    O GOAT voltou!!!

  6. Jonas

    Monstro.

    2 MESES sem jogar e tem uma atuação dessa contra a pedreira Medvedev.

    7 TEMPORADAS terminando como MELHOR TENISTA DO PLANETA.

    Recordista isolado de masters 1000. Chora Ribeiro…

    1. Sérgio Ribeiro

      Só apareceu na boa , né mesmo jonaser . Leia os comentários mais abaixo antes de postares as costumeiras asneiras . Chorar porque cumpadre ??? rsrs . Abs!

  7. Lázaro

    Sobre o jogo do Wild contra o Tabillo corroboro os comentários sobre as atitudes desprezíveis do Wild, beira o ridículo. O João não serve para ser técnico dele, para melhorar ele tinha que fazer contrato com técnico que tenha autoridade e seja exigente, que não aceita as frescuras e imposições dele (mas isso só acontece se tiver um contrato de dois anos com multa milionária…rs). Para ter noção da falta de estratégia do sujeito: parece que ele esquecia que estava jogando com um canhoto!

  8. Luiz Fernando

    Embora com alguma discrepância com a realidade e a matemática, neste espaço já descobrimos (kkk) que 237 é maior q 345, então devemos estar preparados para a próxima insanidade, ou melhor, p a próxima lição: 5 é maior do q 7 kkk. Por isso q eu não canso de repetir: quando estou de mau humor acesso os comentários que o Dalcim gentilmente permite q façamos…

    1. Sérgio Ribeiro

      Parece que o ” jenio ” professor de Português não sabe que entre estes números absolutos , existe a diferença dos CONSECUTIVOS. O número de SEMANAS CONSECUTIVAS é outro Recorde da ATP . Sabes nada caríssimo diversão garantida kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk. Abs!

      1. Luiz Fernando

        É uma pena q os consecutivos seja de um número bem inferior, não é, q peninha, chora na cama q é quente kkkk. Abs, acho q vc está carente e necessitando de conforto kkkkkkkkkk…

  9. Rafael Azevedo

    Djokovic mostrou mais uma vez porque ele é o número 1.
    O cara passa 2 meses parado, e consegue chegar a final de um M1000, jogando bem abaixo do que pode. A capacidade que ele tem de vencer os pontos importantes é impressionante.
    Mas, depois da exibição de Medvedev na outra semi, ele deve estar com uma baita pulga atrás da orelha.

  10. Paulo Almeida

    Bom, o Craque terá uma tarefa duríssima amanhã e pode eventualmente ser derrotado pelo Medvedev de novo, mas tirou mais um peso enorme das costas. Sem a vitória de hoje teria que ganhar obrigatoriamente pelo menos dois jogos no Finals sem depender dos resultados do russo, o que poderia ser árdua tarefa com Zverev, Berrettini e Hurkacz em seu grupo.

    A sétima temporada poderia sim escorrer pelos dedos até por míseros 40 pontos, mas felizmente as “forças ocultas” do tênis não permitiram tamanha tragédia.

    1. Sérgio Ribeiro

      Perfeito comentário . Novak soube usar toda a sua experiência pra evitar ter que decidir no ATP FINALS . Tinha mané que dizia que tudo já estava decidido faz três semanas . E é óbvio que somente podia ser o passador de recibos mor . O ” jenial ” diversão garantida kkkkkkk. Abs!

  11. Ronildo

    Já passou se Federer, com o talento que tem, fosse obcecado por títulos e recordes desde o início da carreira? Na verdade nunca foi.

    1. Alessandro Siqueira

      O “se” nunca jogou e nunca jogará. Na Fábula, o Coelho ganharia facilmente da Tartaruga, afinal tem muito mais aptidão para a corrida, mas preferiu dormir em berço esplêndido. Na vida é assim também. Inspiração importa muito, mas é pouco sem transpiração.

    2. Paulo Almeida

      Realidade: só não se aposentou ainda porque ainda sonha em terminar com mais Slams do que os rivais, mas o fato é que só conseguiu quatro Slams nos últimos 12 anos.

      A dor de cotovelo está forte, hein, Ronildo?

      Você deve ter feito até boneco de vudu para impedir esse year-end do cracaço sérvio, hahahahahaha!

      1. Sérgio Ribeiro

        Aí não P. A. Assim tu se igualas ao professor de Português . Aquele que virou casaca rs. Foram SEIS SLAM nos últimos 12 anos . Daí o ” Odeio Roger Federer ” postado pelo mané em 2017 . Mas esses posso garantir foram absolutos e não CONSECUTIVOS kkkkkkk. Abs!

        1. Paulo Almeida

          Ribeiro,

          Eu peguei a diferença (janeiro de 2022) – (janeiro de 2010), ou, em outras palavras, quatro Slams depois do Australian Open 2010. Eu já me antecipei, mas se quiser ser rigoroso, ainda são 5 (e não 6) Slams desde novembro de 2009.

    3. Sandro

      Acho que Roger FREGUÊSer tinha obsessão por ser o pato freguês de Nadal e Djokovic, só isso…
      É uma bela obsessão, não acha?

      1. Sérgio Ribeiro

        Exato , mane’ . Daí ter vencido mais SEIS SLAM de seus VINTE . O mesmo número que Edberg conseguiu em toda a carreira . Se mudassem as regras como tu queres , venceria mais alguns até de muletas rsrs . Abs!

    4. Luiz Fernando

      Claro, ele sempre jogou pra se divertir, por prazer, vencer ou perder era uma consequência. Aquele choro após a derrota no AO 2009 foi pela entrada de um cisco no olho kkkk. Aqui é diversão garantida kkkk…

      1. Sérgio Ribeiro

        És um “jenio” mesmo . Não houve cisco algum . Chorou como todo homem chora . Este ano vistes o N 1 chorar antes do jogo acabar . Se é que vistes a partida caríssimo diversão garantida kkkkkkkkk. Abs!

        1. Luiz Fabriciano

          Ooh Sérgio, por que sempre distorces o assunto?
          O Ronildo disse que Federer não estava nem aí para bater records e ganhar títulos e o Paulo então perguntou porque ele chorou na Austrália e tu vens com esse papo de Djokovic chorou no US Open.
          O sérvio queria o GS do ano e nunca negou para ninguém e nunca houve um torcedor dele nem aqui nem na China que negasse isso.
          By the way, que tal o 6º Paris Bercy?

          1. Sérgio Ribeiro

            Quem distorce sempre és tu . Estás no blog tempo suficiente pra saber que esse mane’ fala do choro de 2009 repetidamente. Tô pouco me lixando pro que disse o Ronildo em 2021 . Pra variar tu se metes pra defender o baba ovo sempre que podes rsrs . Abs!

      1. Sérgio Ribeiro

        Já eras nascido , meu caro ? . Até Paolo quando esteve na Brasil disse que sua maior atuação foi naquela partida . Sua Seleção era praticamente a mesma que perdeu para o Brasil na Copa anterior . Com um golaço incrível de Nelinho. Abs!

          1. Sérgio Ribeiro

            Quem levantou a taça tinha também um timaço. Coisa que um garoto de cabeça fraca jamais vai entender . Ainda mais sendo torcedor modinha rsrs. Abs!

      1. Sérgio Ribeiro

        Sampras com certeza entende muito mais de Tênis que o mane’ . Daí ter acreditado que Roddick defenderia seu recorde de SLAM em WIMBLEDON 2009 . Foi ver a partida in loco . E deu ruim como em 2001. O Craque venceu do mesmo jeito kkkkkkkkkkkkkkk. Abs!

    1. Paulo F.

      Falcão, que não conquistou praticamente nada no futebol (à exceção do tri brasileiro pelo Internacional) e que foi preterido até por um tal de Chicão numa Copa, vai servir como abalizador para o tênis?
      Hahahahahaha

      1. Sérgio Ribeiro

        Quanta bobagem juntada ao mesmo tempo . Falcão foi um dos maiores meio campistas da história . Ao contrário do que dissestes da outra vez , jogou uma barbaridade na Copa de 82 . Futebol é um Esporte Coletivo . Ao contrário do Tênis não se vence sozinho . Abs!

  12. Paulo F.

    Certo que o Sérgio Ribeiro vai dizer que valerão mais os 4 números 1 CONSECUTIVOS de Roger Federer entre 2004-2007 do que os 07 números 1 TOTAIS de Novak Djokovic.
    Rsrsrsrssr! Abs

    1. Sérgio Ribeiro

      Na boa , P. F. Estás louco pra superar o Nobre e ” jenial ” professor de Português diversão garantida nas groselhas aqui no Blog kkkkkkkkkk. Abs!

  13. Gildokson

    Med mostra que está degraus acima de Zverev nesses tênis jogado no momento, Finals e AO dificilmente terão novidades fugindo de Djokovic e Medvedev a não ser que Nadal volte daquele jeito.

  14. Rodrigo S. Cruz

    É serio que o Nadal deseja até a extinção do segundo serviço?

    Hahahaha

    Mas é um fanfarrão de marca maior né?

    Na verdade ele quer sempre qualquer mudança que vise vantagem pro tênis enfadonho dele.

    Um outro exemplo disso foi o “xololô” eterno pro ATP Finals ser disputado no saibro.

    Esperto!

    1. Sandro

      Vale ressaltar que o Roger FREGUÊSer é o freguezaço preferido do tal tênis enfadonho…
      Ave Nadal!!! Vida longa ao belo tênis de Nadal, seja enfadonho ou não…

  15. Sérgio Ribeiro

    Mais que maduro na Turma MEDVEDEV fez muito bem em pular o ATP 500 de Viena semana passada . Ao contrário Sasha que não estava brigando pelo N 1 sai de um piso bem rápido pra essa ridícula lentidão de Paris ( tem gente que acha graça) . Estava mortinho e levou aula do Russo. Já Novak ( também pulou ) fez por merecer o N1 da Temporada com sobras ao vencer 3 SLAM . Chegou a dizer que não tinha certeza que jogaria mais na Temporada depois de perder para os dois rivais o Ouro Olímpico e USOPEN. Com seu físico Espetacular ( o melhor da história) , conseguiu se virar diante de um oponente duríssimo ( excelente o jovem HURCAKS ) e evitou encrenca no FINALS . Sinceramente acredito que Sérvio ainda tem um bom tempo de sucesso no Circuito. Abs!

    1. Sérgio Ribeiro

      Ps. O Português é ruim como diz o “ jenial “ diversão garantida mas as informações estão corretas rsrsrs. Abs!

        1. Sérgio Ribeiro

          Brilhante comentario sobre a performance dos Tenistas . Típico do ” farmacêutico” que virou professor de Português. Tênis que é bom sabes nada kkkkkkkkkk. Abs!

  16. Maurício Luís *

    E agora, parece que posso ver $$$$$$$$$$$ brilhando nos olhos dos organizadores deste Master 1000. Os 2 primeiros do ranking reeditando a final do US Open.
    O sérvio achou que tinha se livrado dos outros companheiros de Big 3, mas agora tem que encarar a Next Gen cada vez mais forte. Fora que pra conseguir o seu Slam 21, terá que se vacinar. Porque deixar pra Roland Garros do ano que vem, com Nadal recuperado, será uma TEMERIDADE.
    O tempo passa pra todo mundo.

    1. CarloWagem

      Nao duvido da capacidade de recuperao do Nadal, mas fatores como idade aliada a falta de ritmo devem pesar negativamente.

      Além disso, vejo o Servio voando e se nao tropeçar em algum advesario num dia inspirado, é favoritísimo a final no seu lado da chave, enquanto do outro, vai depender mais russo.

      Numa eventual ginal de RG 2022 entre Nadal e Djoko, hj seriam 70/30 a favor do Djoko

      1. Maurício Luís *

        Será que o Nadal vai mesmo chegar sem ritmo a Roland Garros? Porque tem Madri, Monte Carlo & Cia antes pra adquirir ritmo. Sei não…

  17. Paulo Sérgio

    Prezado Dalcim,

    Se for possível, dá para fazer um post discutindo cada uma das sete temporadas em que Djokovic terminou como “Number One”? Esse é um recorde histórico e importantíssimo. Fica a sugestão e agradeço pela atenção!

  18. Rafael Azevedo

    Quando eu vejo o (NORUEGUÊS) Ruud classificado para o Final, eu só lembro do título do Wild no ATP de Santiago do ano passado…😢

  19. Paulo Almeida

    É HEPTAAAAAAAAAAAA, É HEPTAAAAAAAAAAA, É HEPTA YEAR-END!!!!!

    DJOKOGOAT REI ABSOLUTO DO TÊNIS CONFIRMA SEU PRINCIPAL OBJETIVO E AGORA VAI ATRÁS DO TÍTULO TAMBÉM!!!!

    QUE JOGAÇO!!!!

    1. Paulo Almeida

      Federetes, sintam-se vingadas pelo pneu que tomaram em Wimbledon do excelente polonês, mais um dessa safra extraordinária de jogadores!

    2. Maurício Luís *

      Mais ou menos, né, nobre Paulo Almeida… Medalha de ouro e fechar o Grand Slam passaram a não ser mais principais? Lembra-me a fábula da raposa e as uvas.
      A raposa viu a parreira carregada. Pulou, pulou, pulou. Não alcançou.
      ” – Não faz mal. Estavam verdes, mesmo…”

      1. Paulo Almeida

        Seu principal objetivo nessa reta final de temporada, segundo ele mesmo.

        Mais GOAT do que nunca, com dois dos três principais recordes do tênis nas mãos por muitos e muitos anos, dois year-end de vantagem para os arquirrivais e quase um ano a mais como número 1 do mundo em relação ao suíço.

        Acha pouco?

        1. Maurício Luís *

          Não acho pouco, claro que não. Até o admiro por ter a capacidade de por uma pedra nos assuntos Grand Slam e Olimpíadas e fazer por merecer o número 1. Torço pro Murray, que nem em sonho vai chegar perto dos recordes do Big 3. Mas isto não me impede de reconhecer o valor dos demais.

          1. Paulo Almeida

            Então, houve só um pequeno mal-entendido, nobre Maurício.

            Ele não conseguiu o Golden Slam, maior objetivo desde a conquista de Wimbledon, porém não deixou o ano terminar pior ainda e faturou o year-end e mais um Masters 1000. E ainda tentará o Finals.

            Abs!

        1. Maurício Luís *

          Não tenho recalque algum do sérvio, eu até o admiro. Não sou fã dele nem do Nadal nem do Federer… torço pro Murray, que está a quilômetros de distância dos 20 Slams. Apenas pontuei que terminar como número 1 foi o que era possível pra ele neste fim de temporada. Então ele fez o que é certo, mesmo. Teve o mérito de deixar as frustrações pra trás e foi atrás do que lhe estava ao alcance.

        2. Paulo Almeida

          O Maurício torce pro Murray e só odeia o Nadal, Sandro.

          Na verdade, não fui claro suficiente no meu post empolgado.

  20. Rodrigo Figueiredo

    Alguns empolgados achavam que Nole não faria mais nada esse ano. Pode até ser que não ganhe amanhã e nem o Finals, mas mostrou que está recuperado do US Open e ano que vem estará na primeira fileira de favoritos para o AO. Além do recorde absoluto de anos terminando como n1. Dói muito para quem torce contra?

    1. Helena

      Essa campanha dele em Paris mostra como o Big 3 é muito diferenciado. Quase 2 meses sem disputar uma competição oficial, sem jogar o seu melhor tênis (saque precisa melhor pra ontem, e senti falta das curtinhas, embora nesse último caso talvez ele esteja usando menos por conta da lentidão do piso), e deu um jeito de chegar na final.

      Espero que ele e Medvedev façam uma boa final amanhã, de preferência com o Nole saindo como campeão. Se não for o caso, tudo bem. Cada vez mais vejo o russo como o nome ideal para ser o primeiro número 1 pós Big3/4.

  21. Luiz Fernando

    Hurkacz está tendo uma excelente performance no set3. Muitos jogadores após um pneu, em especial após um pneu dado pelo Big3, se perdem completamente. Ele não, jogou firme, com muitos lances de efeito, ótima movimentação p um jogador do porte dele, enfim está aí um cara p incomodar muito os principais jogadores. Tiebreak começando no momento…

  22. CarloWagem

    Acredito que para proporcionar a chance de aparecerem tenistas mais baixinhos no ranking, poderia ser criado um ranking paralelo, para tenistas com menos de 1,70 (ou 6 feet para arredondar).

    Nessa nova modalidade de “short tenis”, uma nova entidade poderia ser criada e chamar-se “Short ATP:”, os tenistas poderiam ter acesso a quadras reduzidas, redes mais baixas, bolas e raquetes mais leves. Diego “Shortsman” poderia ser líder do ranking, e finalmente ganhar seu primeiro Slam se migrasse para esta nova categoria.

    Outra possibilidade seria esta galera migrar para o tênis de mesa, e nos deixar em paz, pois o tênis é o que é e está muito bem como está. Caso um jogador “cresça demais”, como um Isner, Karlovic e Opelka, a propria natureza cuida destes caras, impondo restriçoes em sua mobilidade. Caso um tenista cresça “de menos”, e tenha uma mobilidade muito além do normal, a natureza se impõe e ele rêm resteiçoes para com o saque.

    Em resumo: parem de procurar “pelo em ovo”, seus “Zé Ruela”

  23. Sandro

    Talvez, se o tênis acabasse com o segundo serviço, o let, e a vantagem após o DEUCE, talentos mais baixos e com menos força como Hugo Gaston de 1,73m, mas que joga um tênis rico em variação golpes, pudessem nos brimdar com excelentes partidas.
    O segundo serviço, o LET e a vantagem depois do DEUCE, está fazendo o tênis uma terra de gigantes q levam vantagem no saque e na força física, ao pontode termos mais saques do que qualquer outro golpe em determinadas partidas de gigantes sacadores.
    Jogadores como HUGO GASTON e Diego SGWARTZMAN que não têm no saque o seu ponto forte, nos trazem um tênis cheio de variação e alternativas.
    Concordo com o Nadal que se não houver mudança nas regras, o tenis se tornará cada vez saques e mais saques forçados, o que nos impede de vermos outros golpes e jogadas interssantes durante aspartidas.

    1. José Nilton Dalcim

      Nadal que me desculpe, mas acabamos de ver um US Open sensacional, com jogos espetaculares, emocionantes, equilibrados… num piso bem rápido. Tirar o primeiro saque do tênis é simplesmente modificar o esporte. Espero não estar vivo para ver isso.

        1. Helena

          Gosto muito do Rafa, mas normalmente essas alterações que ele pede costumam ser em causa própria mesmo… hehhee

    2. Luiz Fernando

      O jogo sempre foi assim, e Rafa venceu GS desta forma. Será q pensava assim no auge da carreira? O q ele precisa é aprimorar suas devoluções, q estão ruins já há algum tempo…

  24. DANILO AFONSO

    Dalcim, a diferença do ranking da temporada entre o sérvio e o russo é de 1900 pontos. Pergunto:

    Se o Djokovic chegar na final de Paris contra o russo e perder, e posteriormente este for campeão invicto do Finals e Novak perder todos os jogos da fase de grupo, o que implicaria empate de pontuação no ranking, qual seria o critério de desempate para definir o campeão da tempotadada ?? Quem tem mais Slam na temporada?? Qual a ordem dos critérios de desempate ??

    1. José Nilton Dalcim

      Preciso estudar o regulamento do ranking da temporada, mas me parece que é a quantidade de torneios disputados, no caso a menor quantidade. No ranking tradicional, é a somatória de pontos de Slam e Masters. Acho que qualquer um dos casos beneficia Nole.

      1. Luiz Fabriciano

        Nesse caso, conforme apontado por Danilo, se Djokovic for à final amanhã, já basta para fechar o ano como #1.

  25. Sérgio Ribeiro

    Ps . Como ATP optou pelo Ranking da Temporada pra definir o N 1 , Medvedev leva tudo pro FINALS se repetir o Título em Paris . Já Rafa Nadal afirmou que estará no AOPEN 2022 e vacinado . Fonte : Eurosport. Abs!

  26. Ronildo

    Apesar de Djokovic ter sido beneficiado com o melhor sorteio possível, ser premiado com um jogo a menos e enfrentar adversário nas quartas que passou por rodadas muito exigentes, se chegar na final, enfrentará os piores adversários possíveis para ele. Medvedev tem a chance de enfim empatar em 5 a 5 os confrontos entre eles e Zverev nunca perdeu uma final para Djokovic. Evidentemente, conforme histórico de configurações que se delineiam à favor de Djokovic, a semi entre Medvedev e Zverev terá um placar de 7/6, 6/7 e 7/6, com 4 horas de duração, salvo alguma exceção extraordinária.

  27. Paulo Almeida

    Zverev ganhou bem agora há pouco, enquanto Medvedev contou com pipocadas monstruosas do Gaston e o GOAT Djoko mais uma vez não convenceu. Se ele vencer o Hurkacz amanhã (que também sofreu contra o fraco “Valor de Pato”), fará 600 pontos e poderá ser no máximo igualado pelo russo número 2 do mundo.

  28. Luiz Fernando

    Dalcim, Zverev acaba de salvar 3 breaks e vai liderando o set 2 por 31. Incrível como ele está focado e com o serviço agressivo. Numa suposta final contra o Djoko seria absurdo dizer q ele entraria com algum favoritismo? Sinceramente nunca me imaginei te perguntando isso…

    1. José Nilton Dalcim

      Hahahaha… Olha, não consigo tirar favoritismo do Big 3, exceto numa circunstância muito específica. Se Djoko estiver sem problemas físicos, ele será favorito, mas não resta menor dúvida que Zverev pode dar muito trabalho. Jamais jogou tão bem e com a cabeça tão no lugar. Muito bom para o tênis.

  29. Luiz Fernando

    Djoko venceu o craque divisor de águas de certo segmento kkk. Como eles sempre se caracterizaram por postagens ponderadas e desprovidas de fanatismo, o sérvio é mais favorito do q nunca…

    1. Luiz Fabriciano

      Djokovic venceu hoje (em dois sets – coisa impossível segundo alguns) aquele, que segundo alguns, teria ganhado dele se não desse, segundo alguns, milonga na Austrália.

    2. Sérgio Ribeiro

      O “ jenial “ comentarista afirmou que o Sérvio já era o N 1 da Temporada no outro Post kkkkkkkkkkkkkkkkk . Só passas recibo mesmo. Dos que estão maduros na Turma , um estará na final , mane’ . O próprio Sérvio que tinha afirmado que os MASTERS somente serviriam pra treinamento , resolveu mudar de ideia na conferência. “ Vim a Paris com intuito de preservar o Posto , se não , ainda tenho o ATP FINALS “ . O cara já está escolado e tu provas que és fraquinho mesmo kkkkkkkkkkkk. Abs!

      1. Luiz Fernando

        Nossa eu fico tão preocupado quando vc comenta algo q eu posto kkkk. Sua abalizada opinião é muito importante p mim kkkk…

  30. Alexandre G.

    Dalcim, o que aconteceu com o Alcaraz que explique o desastre do segundo set, que estava praticamente ganho?

    1. José Nilton Dalcim

      Claro que a torcida influenciou, mas isso depois que ele próprio permitiu que Gaston reagisse. À medida que o francês se aproximou, aí houve um peso enorme do público. Do 5/3 em diante, a pressão foi mesmo enorme e ele se perdeu.

  31. Ronildo

    Como eu imaginei no início da temporada, Dimitrov realmente deu uma melhorada, afinal tem 30 anos e estão acabando as possibilidades. Já ganhou Finals e Master 1000, o que não é pouco. Quem sabe consiga um 2022 melhor.

  32. André Borges

    Houve uma época em que o Melo era finalista ou campeão não importando com que parceiro ele jogasse. Atualmente a dupla dele perde para convidados não importando com que parceiro ele jogue. Está duro pra ele.

    1. CarloWagem

      Melo está com.38. Uma bela carreira, mas pode estar chegando na curva.

      Nos cabe apenas torcer por mais 4 anos dignos, e para um transiçao tranquila.

      Torçemos para que essa transiçao venha a ocorrer sem deixar o mundo do ténis, pois tem muito a oferecer de sua experiencia aos mais jovens.

      Poderia, por exemplo, treinar o Sasha, pois teria projeçao, treinando um candidato a numero 1, apesar da ardua tarefa de lidar com moleques!

      Ou se envolver em tarefas menos ingratas, se assim for de sua vontade.

    1. José Nilton Dalcim

      O torneio só estava com uma lista de fortes top 20 por causa da possibilidade de definir vagas para o Finals. Como tudo se resolveu em Paris, houve a debandada. Outros acharam melhor encerrar a temporada. O fato é que um 250 entre Paris e Finals não poderia mesmo ter um quadro muito forte. Zverev, se realmente for, só pode ser por um cachê milionário.

  33. Marcelo Costa

    Creio que a ATP, tendo notado que o tênis está extremamente dinâmico, rápido, “reto” e padrão demais, opta por deixar as quadras mais lentas, afim de, fazer o imprevisível voltar ao jogo, favorecendo aqueles que detêm outro tipo de talento, com uma ferramenta a mais no jogo e assim vencendo os ditos melhor adaptados a esse novo estilo de se jogar.
    Deixo claro que a lentidão não me incomoda nem um pouco, pois, favorece as trocas e suas variações, vemos subidas a rede, slices, top spin ou seja, o tênis em suas maravilhosas nuances que nas quadras mais rápidas acabam se perdendo na agilidade das batidas, somadas a força e ao jogo quase unilateral. Viva a incerteza, viva esse esporte que todos podem ser competitivos, independente até da altura.
    Ótimo post, obrigado

    1. Sandro

      Acho que soluções melhores do que deixar quadras lentas para o que tenis seja mais democrático e para que vejamos mais outros golpes que não seja saque, seriam:
      1. Extinção do segumdo serviço
      2. Extinção do LET
      3. Extinção da vantagem após o DEUCE.
      Assim o tênis daria chance a jogadores mais talentosos, porém, de menos força física, terem mais chances contra gigantes sacadores.

  34. Samuel

    A Luisa Stefani em entrevista ao Mário Sérgio Cruz, do site Tenisbrasil, enfatizou que pretende dar segmento a sua carreira nas simples e que uma de suas inspirações é a tenista Barbara Kreijcikova, da Tchequia. Nas duplas, merecidamente, já atingiu o top 10, portanto está relativamente próxima de sua fonte de inspiração. Tendo em vista que o circuito está muito aberto será que nas simples, se tudo correr bem, ela teria potencial para repetir o feito, chegando pelo menos ao top 20 ou ao top 30?

    Samuel

    1. José Nilton Dalcim

      Vai ser difícil ela se concentrar em simples, porque os calendários de uma top 10 ou top 20 para uma tenista classificada fora dos 500 é absurdamente incompatível. Claro que ela pode pedir convites nos qualis desses torneios grandes – o que não é tão fácil assim – e arriscar entrar em algumas chaves, o que ajudaria a ao menos saltar mais rapidamente nas simples. Fora isso, fica realmente muito difícil.

  35. Carlowagen

    Caso Medvedev nao repita titulo ou final, Djoko terá mais uma chance de ouro de o menos manter frente no ranking de semanas r bater as inalcançveis 370 semanas no Topo.

    Caso consiga, vamos ver o que isto custaria a ele, bem como um eventual título no AUSOpen.. lhe abriria as portas do céu do tênis.

    Neste cado, poderíamos até mesmo propor a canonização do Sérvio!

    Srria conhecido como São Djoko! “O Santo dos recordes impossíveis”…. ou o “Santo AntivaXXX”.

    1. Enoque

      O Djoko já está garantido na liderança do ranking de entrada, desde a desistência do Med. no ATP de Vienna.
      A apresentação do ranking esta semana está bastante confusa mesmo.
      O Djoko aparece com 10.340 pontos porque já foi descontado os 1.000 de Paris, pela data que ele ganhou este torneio. Basta olhar no Breakdown, que não aparece este 1.000 pontos de Paris e à direita vc percebe que ele só defende 400 pontos até o final do ano, ficando com 9.940 mais o que ele conseguir em Paris e no Finals.
      Já no ranking do Med, que tem 9.540, ainda aparece os 1.000 pontos de Paris (de 2020), então ele defende 2.500, até o final do ano, e não tem como acrescentar nada, mesmo que vença Paris e tudo no Finals, permanecendo com os mesmos 9.540, na melhor das hipóteses.
      Se fizerem campanhas semelhantes até o final do ano a diferença seria de incríveis 2.900 pontos.

      1. CarloWagen

        Obg. Aliás, incrível mesmo! Os números dele são gigantescos, apsar da torcida ser chata. Eu uso outro site (nao oficial e ao vivo) para fazer as contas.

        Na vdd, já estou fazendo as contas até a temporada do saibro. Embora ser bem precisa, teríamos que esperar pelo AUOpen.

  36. Helena

    É possível vaiar uma torcida?

    Um horror essa torcida de PB, sinceramente. Não entendo essas torcidas de tênis. Se um árbitro se equivoca, comete um erro e é contestado pelo jogador, tome vaia para o tenista. Agora, comemorar os erros de um garoto de 18 anos pode e está tudo bem. Pior que não é como se fosse um atleta que tivesse tido má atitude, tentativa de trapaça ou manobra antiética e que, por consequência, sofreu a reprimenda dos presentes. Foi só pelo fato de ser contra um local. Sinceramente, não vejo qual a lógica de sentir que só porque comprou um ingresso pode agir mal, enquanto cobra perfeição dos demais. Aliás, parabéns ao Alcaraz, mesmo com o comportamente pior que de Copa Davis da torcida, não teve um gesto feio, mesmo em um momento que claramente o afetou mentalmente.

    Falando apenas sobre Carlitos, acho que foi importante lidar com essa situação e melhor que aconteça agora enquanto é tão jovem. Até então ele só vinha recebendo o apoio por onde passava, provavelmente por ser o jogador mais especial (junto ao Sinner) que apareceu numa quadra de tênis nos últimos anos. Acredito que ao longo da carreira terá quase sempre a torcida ao seu lado, mas é importante aprender a lidar com essas situações adversas o quanto antes. Tenho certeza que vai aprender.

    Dito isso, aguardo ansiosa pelo jogo entre Daniil e Gaston/torcida.

    Por fim, que cavelheiro foi o Dimitrov, pedindo que a torcida parasse de aplaudir os erros de primeiro saque do Zverev.

  37. André Puchol

    Maior desrespeito da ESPN ontem não ter passado o último jogo de quartas de final, fora o fato que eles não mostram os números de cada final de set, sempre chamam o comercial, será que eles não se tocaram que o público de tênis gosta de ver os números do jogo, Dalcim, você que conhece alguns jornalistas que trabalham lá, não teria como dar um toque neles quanto há essa questão?

    1. José Nilton Dalcim

      Claro, posso levar seu protesto. Eu também acho absurdo não mostrar as estatísticas e saltar para o comercial, algo que a Band também faz. Por isso, a WTA resolveu colocar o quadro entre o primeiro e segundo games do set seguintes, provavelmente porque o mesmo acontece na TV norte-americana.

        1. José Nilton Dalcim

          Acho tão importante a estatística que geralmente eu vejo a transmissão internacional, que não dá esse corte para ‘comercial, por favor’.

  38. Rafael

    Esse francês realmente é muito habilidoso, mas o Alcaraz sentiu demais. Praticamente desabou em quadra. E eu não vejo o Medvedev sofrendo tanto, mesmo ele jogando abaixo. Já o Zverev vem jogando demais! O Djoko vai lutar muito, mas vencerá. E parabéns ao Bruno por mais um finals!

  39. Maurício Luís *

    Na contramão da tendência atual, começam a despontar alguns jogadores com baixa estatura. Além do já consagrado argentino Diego, agora me aparecem esse Hugo Gaston, Sebastian Baez e com menos destaque, Yoshiito Nishioka. Entre as mulheres, tinha a Dominika Cibulkova – agora aposentada- e a Taylor Townsend, que nem é baixinha, mas é pesada pros padrões. A própria Serena Williams também considero nada convencional.
    Acho importante, porque motiva atletas fora do padrão a seguirem adiante.
    O tripé dedicação, força de vontade e talento forma a receita pra ser considerado fora-de-série.
    Alguns exs:
    – Nick Kyrgios – falta-lhe dedicação;
    – Bellucci – falta-lhe cabeça;
    – Tiago Monteiro- muito esforçado, mas fica devendo em técnica;
    – Nadal – falta-lhe cabelo…🤔😎

  40. Eric Babenco

    Dalcim, você acha que um tenista sonha em terminar no top 10? Porque Norrie tá a só 40 pontos no ranking da temporada para Nadal, e tem Estolcomo semana que vem. Será que ele joga só para terminar o ano no top 10, caso a ATP use a lógica e considere apenas o ranking da temporada daqui pra frente?

    1. José Nilton Dalcim

      Vamos por partes, Eric. A ATP só anunciou que irá considerar o ranking da temporada como o ranking que finaliza o ano em 2021. Muito provavelmente voltará ao normal em 2022, ainda que alguns pontos antigos ainda permaneçam valendo em 2022. Depois, o Norrie pode ser top 10 no ranking da temporada – no tradicional, vai ficar em 12º mesmo – então depende do que ele, equipe e patrocinadores consideram importante. Na teoria, um contrato publicitário dá bônus por ranking e então chegar ao top 10 vale dinheiro. Mas como temos essa dualidade no ranking, é preciso ver (ou negociar) com os patrocinadores. Eu particularmente acho que ele vai tentar.

      1. lEvI sIlvA

        Casper Ruud não é do mesmo país daquela famosa banda da década de 80, o A-ha? Se for, acho que é Noruega…

          1. José Nilton Dalcim

            Rapaz, eu sempre me lembro de outro Casper… House, do Herzog. E não vamos esquecer que tivemos o nosso Casper… Líbero, que criou tanta coisa importante na comunicação brasileira.

      2. ARENILDO MONTEIRO

        Olá

        Dalcim

        Eu errei feio e peço desculpas. Não sei o que ocorreu, mas percebo que fiz confusão e misturei (na minha cabeça), as duas famílias da Escandinávia.

        Mais uma vez peço desculpas por meu erro.

        Abraços

        Arenildo Monteiro

        1. José Nilton Dalcim

          Puxa, desculpe você por ter te chamado de Antônio! E não há qualquer problema em cometermos falhas, eu já troquei nacionalidade de muitos tenistas porque é muita informação na cabeça. Abração!

Comentários fechados.