Os outros notáveis da história do ranking
Por José Nilton Dalcim
26 de outubro de 2021 às 23:48

Como era previsível, Novak Djokovic nem precisou entrar mais em quadra para garantir o número 1 até o final de 2021, justiça construída por um desempenho quase impecável nos Grand Slam e agora inabalável qualquer que sejam os resultados de Viena, Paris e Finals de Turim.

Isso me motivou a lembrar outros tenistas notáveis que fizeram história desde que o ranking foi criado, em agosto de 1973. Claro que ser o primeiro supera qualquer feito, porque a maioria as fórmulas estipuladas pela ATP visou premiar a regularidade ao longo de 12 meses. Mas muitos nomes de currículo e jogo notáveis ficaram ali perto, e merecem respeito por isso.

O século 21 do tênis masculino tem sido especial por motivos óbvios. Desde maio de 2002, quando Tommy Haas atingiu seu ápice e chegou ao segundo lugar da lista, apenas seis jogadores atingiram a liderança em algum momento: Lleyton Hewitt (então pela segunda vez, já que havia chegado ao topo em 2001), Juan Carlos Ferrero (2003), Andy Roddick (2003), Roger Federer (2004), Rafael Nadal (2008), Novak Djokovic (2011) e Andy Murray (2016).

Antes disso, o tênis profissional já havia tido Ilie Nastase (1973), John Newcombe (1974), Jimmy Connors (1974), Bjorn Borg (1977). John McEnroe (1980), Ivan Lendl (1983), Mats Wilander (1988), Stefan Edberg (1990), Boris Becker (1991), Jim Courier (1992), Pete Sampras (1993), Andre Agassi (1995), Thomas Muster (1996), Marcelo Ríos (1998), Carlos Moyá (1999), Yevgeny Kafelnikov (1999), Patrick Rafter (1999), Marat Safin (2000), Gustavo Kuerten (2000) e Lleyton Hewitt (2001) como ponteiros. O ano em parênteses se refere ao primeiro momento em que o tenista atingiu o topo.

Ou seja, no espaço 29 temporadas desde o início do ranking, apareceram 20 novos líderes. Já nos 20 calendários seguintes, somente sete.

Listas nobres

A relação dos que tiveram como ápice o número 2 é bem pequena, já que Daniil Medvedev tornou-se o 12º. Vamos a ela e perceba que é um bloco de elite, quase todos campeões de Grand Slam. Está assinalado o primeiro momento em que ocorreu:
Manuel Orantes – Agosto de 1973
Ken Rosewall – Abril de 1975
Guillermo Vilas – Abril de 1975
Arthur Ashe – Maio de 1976
Michael Stich – Novembro de 1993
Goran Ivanisevic – Julho de 1994
Michael Chang – Setembro de 1996
Petr Korda – Fevereiro de 1998
Alex Corretja – Fevereiro de 1999
Magnus Norman – Junho de 2000
Tommy Haas – Maio de 2002
Daniil Medvedev – Março de 2021

Já Stefanos Tsitsipas entrou no grupo dos 20 que tiveram o terceiro lugar como o mais alto posto da carreira, e novamente se destacam vários campeões de Slam. Vejamos:
Stan Smith – Agosto de 1973
Tom Okker – Março de 1974
Rod Laver – Agosto de 1974
Brian Gottfried – Junho de 1977
Vitas Gerulaitis – Fevereiro de 1978
Yannick Noah – Julho de 1986
Sergi Bruguera – Agosto de 1994
Guillermo Coria – Maio de 2004
David Nalbandian – Maio de 2006
Ivan Ljubicic – Maio de 2006
Nikolay Davydenko – Novembro de 2006
David Ferrer – Julho de 2013
Stan Wawrinka – Janeiro de 2014
Milos Raonic – Novembro de 2016
Alexander Zverev – Novembro de 2017
Grigor Dimitrov – Novembro de 2017
Marin Cilic – Janeiro de 2018
Juan Martin del Potro – Agosto de 2018
Dominic Thiem – Março de 2020
Stefanos Tsitsipas – Agosto de 2021

Com esses dados, verifica-se outro fato sintomático: desde o momento em que Federer chega ao número 1, em fevereiro de 2004, apenas 14 jogadores que não pertencem ao chamado ‘Big 4’ apareceram em algum momento no top 3 do ranking.

Por fim, deixo um debate: dos que não chegaram ao número 1, quem merecia mais? Minha lista teria Vilas, Ashe, Laver, Wawrinka e Del Potro.


Comentários
  1. CarloWagem

    E temos Luisa Stefani como TOP 10 em duplas. Que feito assombroso desta menina! Será que já podemos classificá-la como a segunda maior tenista brasileira de todos os tempos (atrás apenas de Maria Esther Bueno???)

    E que belo momento o Brasil tem vivido com os/as duplistas nos últimos anos (claro que para os Haters… e para os TErraplanistas Sérvios, um TOP 10 não vale nada). 🙂

  2. Luiz Fernando

    Dois comentários breves: 1) Boas notícias sobre Rafa, q vem treinando cada vez mais, mas diz não saber quando volta. Ele continua dissimulado, pois diz q pretende jogar em AD e fazer um outro torneio antes do AO, só falta agora dizer q o número de GS não significa nada; 2) ver Murray jogar, mesmo com as duplas faltas, é sempre agradável…

  3. Wagner

    Boa tarde Dalcim você acha que a Luísa deve continuar com a canadense para ir mais longe ainda no ranking? Parabéns para a Luísa num país que da pouco valor ao tênis

    1. José Nilton Dalcim

      Sim, acredito que esse seja o melhor caminho no momento para a Luísa. As duas se complementam na dupla e se dão muito bem fora das quadras. Claro que, se a Gabi conseguir embalar com outra parceira no início de 2022, fique um pouco mais complicado a retomada da parceria.

  4. Luiz Fernando

    Fognini tem talento mas carece de físico; enquanto isso o MF tem físico mas carece de talento. Hj venceu o físico. Pouca chance de incomodar o sérvio na estreia, o q também aconteceria se vencesse o italiano…

  5. CarloWagem

    Gostei principalmente dos comentários dos terraplanistas e antivax sérvios, quando dizem que “a terra deveria parar de girar”, ou que ela “passasse a girar ao contrário”, para que “o orgulho sérvio” pudesse jogar o AusOpen.

    Acho que o termp “Terraplanista Sérvio” cairia muito bem a meia dúzia de torcedorez do DjokoGoat (com respeito aos demais).

    Alias, penso.sempre numa cabra jogandp tênis, quando vejo um torcedor se referindo ao Djoko como GOAT.

    1. Luiz Fernando

      Como esses fakes são lamentáveis, e pensam q os outros e golem suas neuras kkk. Aqui é diversão garantida kkk…

    2. Carlos Reis

      hahahaha Uma das melhores qualidades fora da quadra de N.Djokovic é ser ANTI VAXX. Torçam para que os muitos especialistas que falam MAL das va$$inas p/ Cvd19 estejam errados, torçam MUITO!

      1. Maurício Luís *

        Os “especialistas” que falam mal das vacinas :::::::
        a) acreditam que a Terra é plana;
        b) acham que a pandemia é uma fraude;
        c) no começo da pandemia, afirmavam que o vírus não existe;
        d) afirmam que se entupir de cloroquina e tomar ozônio sei lá aonde cura covid-19.
        De forma que… acho que não vou precisar torcer muito, não.

          1. Maurício Luís *

            Sinto-me honrado em receber uma critica sua. Fosse um elogio, ai sim eu ficaria muito preocupado. E como tem papagaio por ai, hein? “Esclarecidos” como você, que pena… não enchem uma Kombi.
            E cuidado pra não morder a língua. Porque o seu ídolo antivaxx talvez resolva se vacinar pra chegar ao Slam 21. O tempo dirá.

    3. Paulo Almeida

      Mais um novato que apareceu sangrando horrores com o GOAT indiscutível Djokovic. Calma que seu lugar na seita já está assegurado!

  6. Ronildo

    Essa história do Djokovic treinar com Medvedev e Medvedev sair todo feliz chamando ele de amigo, eu já vi antes. É a mesma estratégia que o Nadal fazia com o Federer quando este estava no auge kkkkk. É para esfriar a vontade do rival de vencer o “amigo”. Foi uma coisa que atrapalhou muito a carreira do Wravrinka, o sentimento de amizade e respeito que ele tinha por Federer. Libertou-se somente mais no final da carreira.
    O problema de Djokovic é que não é apenas Medvedev que tem tênis para vencê-lo atualmente. Há no circuito pelo menos uns 20 tenistas capazes de o vencerem.

      1. Ronildo

        Não se descobriram ainda. Veja como eles se transformam quando isso acontece como no caso do Tiafoe. Nada que o professor Xavier não possa dar um jeito.

    1. Luiz Fabriciano

      Agora se alojou um casal de pulgas atrás de minha orelha.
      Quer dizer que Wawrinka, por amizade, só venceu Federer uma ou duas vezes na carreira?
      Achei que Federer fosse o melhor tenista da história do tênis.

      1. Ronildo

        Sim, Federer foi o melhor da história, mas Stan poderia endurecer mais e perder todas que perdeu nos detalhes. Veja como no final ele deu mais trabalho para o Federer.

    2. Sandro

      Deve ser por essa sua teoria absurda que o DJOKOVIC é o atual número 1 do mundo, não é mesmo???
      Na verdade, Mãe Dinah, TODOS que entram na quadra contra contra o DJOKOVIC, na teoria, têm condições de vencê-lo, mas acontece que, ao final da partida, na grande maioria das vezes o “NUMBER ONE” sai vencedor…
      Concluindo, vencer o DJOKOVIC qualquer um pode, porém, é muito difícil conseguir vencê-lo!!!

    3. Paulo Almeida

      Rapaz, o Djokovic é amigo de Del Potro, Wawrinka, Murray, Thiem, Zverev, Dimitrov, Krajinovic, Troicki etc etc e agora parece que do Medvedev também, pois é o cara mais legal, carismático e bom-caráter do circuito; todo mundo gosta dele. É claro que isso nunca entrou em quadra na hora do jogo, uma vez que todos são profissionais e querem vencer.

      Aceite que dói menos.

  7. Rafael Azevedo

    O Tiafoe foi a grande estrela desse ATP de Viena. Elevou o nível do torneio e proporcionou partidas divertidíssimas ao público. Uma jogador que eu sempre gosto de assistir. Espero que se mantenha nesse nível por mais tempo

    1. CarloWagem

      Sim, muito. Todos tenistas (excelentes por sinal), todos sao ou foram top 3. Talvez um outro tenham se saído melhor. No caso específico do Djoko, também voltará ao ostracismo após o fim da carrwira, devido ao Parco Ingles e Espanhol assim como o Guga).

      É fato que após o fim.de carreira, a comunicaçao é fator essencial para o tenista continuar na mídia, fora de seu local natal e ter uma projeçao maior.

      Claro que na Sérvia, elw pode ser George Weah e virar até presidente da República se quiser. Mas fora terá.dificuldades.

      Falar em dificuldadea. Alguém acha que um dia Thiago Wild ainda sai desre.buraco em que se encontra? Caso ele nao tenha uma contusao seria… treinar.seria uma boa maneira de tocar a vida adiante.

      Pq se.optar por prostrar, corre o risco.de.virar um.Tomic.

      Tenista de grande potencial. Se deixar a vida atual de lado, (e estiver bem fisicamente), é ainda jovem e teria tênis para beliscar um.TOP20.

      Mas.precisa ir embora do país.. e focar nos treinos. Brasil está precisando de ídolos a altura.

  8. Sandro

    Medvedev rendido a Djokovic: “Posso dizer que o Nole é meu amigo”…
    “Foi um treino muito a sério. Desde que fui para o top 10 nunca tinha treinado com ele. Foi incrível. Jogamos durante duas horas e foi genial. Depois, conversamos por uns 15 ou 20 minutos. Adoro conversar com ele. Posso dizer que o Nole é meu amigo. É muito bonito que o número um e número dois possam treinar juntos”.

  9. Sérgio Ribeiro

    Chegamos ao final da Temporada contrariando TODOS os céticos em relação a Nova Geração . Com dois jogadores maduros na Turma ao mesmo Tempo . MEDVEDEV finamente venceu o AOPEN 2021 e já possui um FINALS e Quatro MASTERS 1000 . O mesmo Vale pro Zé Verev dos “ sabidos “ . Hoje se tem a noção exata do que vale um OURO OlIMPICO . O Ex N 1 juvenil, vencedor de Future aos 15 e de Challenger aos 16 , pra cima de TRÊS Top 100 , atinge hoje sua DÉCIMA OITAVA conquista, com direito também a um FINALS e CINCO MASTERS 1000 . Possui incríveis 303 Vitórias com apenas 24 anos. Como Rafa Nadal não bate o Sérvio fora do Saibro desde 2013 , estes prometem problemas para o N 1 nesta reta final . Lembrando que ambos já bateram Novak em Sets diretos no ATP FINALS. Os garotos chegam com 50 e 51 Vitórias respectivamente na Temporada. Realmente acredito que Novak Djokovic atinja o SLAM 21 em 2022 . Mas caindo na FINAL de WIMBLEDON perante o Craque Suíço em seu Tour de despedida rsrs. Abs!

    1. Sérgio Ribeiro

      Ps. O carinho dos Austríacos com Tiafoe , e os aplausos para um Alemão em seu pronunciamento ao Final foi de arrepiar . E os dois sentados no banco juntos esperando a premiação, são emoções que somente o Esporte pode nos proporcionar!!! . Abs!

    2. Luiz Fabriciano

      Sérgio Ribeiro, os “céticos” de plantão foram criados pelas NextGen que desde 2015 não tiravam o Big3(4) do trono.
      Uma hora ela assumirá, isso é fatal, mas não foi ainda em 2021, pois em GS está 3×1 pros veteranos.
      Essa galera Zeverev, Medvedev, Thiem, Tiafoe, já está mais para ActualGen que para NextGen, que nesse momento tem Sinner, Alcaraz, Mussetti etc.

      1. Sérgio Ribeiro

        Na boa , comentário sem noção alguma. Desde 2019 somente RG 2020 não teve alguém da Nova Geração presente numa FINAL de SLAM . Idem para TODOS os FINALS , MASTERS 1000 , Olimpíadas e ATPs . Realmente fico me perguntando qual Esporte vocês acompanham. Os caras simplesmente esmagaram a geração anterior a deles. O excepcional BIG 3 , está pela bola 7. A conferir. Abs!

        1. Luiz Fabriciano

          Na boa, sem noção de jeito nenhum.
          Desde que tu acompanha tênis, sempre viu novas gerações assumirem, no tempo esperado delas. A geração do Big3(4) é a exceção da história.
          Por isso, nasceram os céticos após essa era.
          Mas relaxe, eles ficarão logo logo no álbum de figurinhas para sempre.

  10. Oswaldo E. Aranha

    Que bom ver um bom jogo, Tiafoe e Sverev, valeu;
    Sobre tênis, ou melhor, blog, gostaria de dizer que há pessoas perturbadas e tentam desprestigiar Djokovic. Não conseguem deixar de falar sobre ele, mesmo quando o tema não tem nada a ver.

  11. Santos

    Djokovic vai se consolidando como o maior de todos os tempos. Os recordes vão sendo quebrados por mérito, mesmo ele não sendo o super-homem. Outros fatores como simpatia ou número de fãs serão secundários com o passar dos anos. Números e marcas são irretocáveis.

  12. Ronildo

    Finalmente chegaremos em 2022. Este ano marcará infalivelmente a grande diferença tenística entre Federer, Nadal e Djokovic, os 3 que tem 20 slans cada. Federer liderou o ranking da ATP aos 36 anos e foi campeão de slan aos 37. Venceu partida decisiva contra o número 1 do ranking aos 38 anos. Também chegou em semi-finais de slan aos 38 anos. Enquanto isso Nadal apresenta vertiginoso declínio aos 35 e o mesmo acontecerá com Djokovic à partir do AO 2022. Quem viver verá.
    Infelizmente teremos que conviver com alguns recordes biônicos, pandêmicos, entressafrentos e conjunturais de Djokovic que enganam quem não sabe decifrar o que se esconde por trás de meros números somatórios. Mas como diria o grande filósofo: “Assim caminha a humanidade”.

    1. Paulo Almeida

      Não ganhou Slam com 37 (último foi com 36) e nem partida decisiva do número 1 com 38 (Djoko era o número 2 do mundo naquela partida do Finals).

      O resto é melhor “desler”.

      1. Sérgio Ribeiro

        Novak se não é ELIMINADO pelo Craque em Sets diretos chegaria a Semi no FINALS 2019 . Ali o N 1 caiu no colo de Nadal pois o Espanhol foi também eliminado pelos garotos . Como não era partida decisiva ? .O Título dava o N 1 ao Sérvio que tremeu no primeiro encontro pós Wimbledon 2019 , caro Piloto . Como Roger Federer é de 08/08/1981 tinha 38 anos completos . Sem choro ! rsrs. Abs!

        1. Sérgio Ribeiro

          O AUSTRÁLIA OPEN 2018 foi vencido por quem , caro Piloto ? . Jura que o Craque Suíço tinha 36 ??? . Faça a conta e não chore rsrs. Abs!

          1. DANILO AFONSO

            Nobre Sérgio, te recomendo verificar com calma as datas quando for viajar no tempo com o DeLorean. Federer em janeiro de 2018 tinha 36 anos e 5 meses. Ele completou 37 anos somente em agosto de 2018.

          2. Paulo Almeida

            Se ele completou 36 em agosto de 2017, era meio complicado fazer outro aniversário em janeiro de 2018, quando venceu aquele AO com chave de Challenger (Wimby 2017 também).

            É, Ribeiro, conta não é muito seu forte, rs!

        2. Ronildo

          Porquê você acha que ele acredita que Djokovic é o melhor tenista de todos os tempos Sérgio? Tá aí um dos motivos! Não consegue decifrar números!

          1. Gustavo

            Além de endossar o que o Ribeiro errou (sem checar se o que ele escreveu é verdade), vc tb não sabe fazer conta.

          2. Sérgio Ribeiro

            Tranquilo Ronildo . Federer é o mais velho N 1 da Era Profissional aos 36 e 1/2 . Um mês depois de levar o AOPEN 2018 . Provavelmente não veremos isso de novo . Digo nós e o tal Juiz mais abaixo que é outro baba ovo de primeira linha . kkk Abs!

        3. Paulo Almeida

          Como eu disse, o suíço ganhou uma partida decisiva do número DOiS do mundo e não do número UM, que já era o Nadal e continuou sendo. Mesmo que o Craque tivesse passado, ainda precisaria vencer a semi contra o Tsitsipas (que varreu o freguês e foi campeão) para conseguir o year-end. Ficou claro agora?

          Bom, no final das contas o recorde de semanas e o de temporadas chegou. Ninguém vai se lembrar muito daquela partida no futuro, exceto as viúvas.

          Abs!

          1. Luiz Fabriciano

            A tentativa de desmerecimento é tão grande que alugam até um De Lorean para completar tal viagem, rsssssssssssss.

          2. Sérgio Ribeiro

            Sem essa , P.A. . O jogo valia muito pois não era somente o N 1 . Era igualar os SEIS ATP FINALS do Suíço. Isso passou na cabeça de todo mundo e para o “ goat “ pesou uma Tonelada . A história se repete agora neste final de temporada. A conferir. Abs!

          3. Ronildo

            Tá certo, foi uma derrapada essa dos 37 anos. Embora o objetivo principal é o quando Federer foi altamente produtivo no circuito mesmo nesta idade de 36 anos e meio. Algo jamais visto antes. Sem contar a final de Wimbledom, e semis de RG e AO, que vieram depois.

  13. Paulo F.

    Bom dia, Dalcim!
    Novak retorna para tentar o Double Paris (Roland Garros e o M1000 de Paris).
    Caso consiga, será o primeiro a conseguir esse feito?

    1. José Nilton Dalcim

      Olha, nem sei se isso tem lá tanta relevância assim, mas não, ninguém ganhou Roland Garros e Bercy na mesma temporada.

      1. Paulo F.

        Sim, sei que não tem tanta importância assim.
        Mas é estatística tenistica ao estilo de ganhar Indian Wells e Miami no mesmo ano, por exemplo.

      2. Valmir da Silva Batista

        Paulo F. e Dalcim, ninguém ainda se reportou a respeito, mas creio que o principal pensamento de Djokovic é vencer o Master 1000 de Paris, a fim de chegar a 37 taças, para desempatar a contagem com Nadal, que assim como ele venceu 36 torneios deste porte, o que faz de ambos os recordistas em Master 1000…

        1. José Nilton Dalcim

          Sem dúvida, Valmir. Mas para mim a meta principal dele é garantir o número 1 de final de temporada. Se fizer final, independente do Medvedev, liquida a conta.

    2. Gildokson

      Que forçada kkkkkkkk
      Djokovic nem precisa disso kkkkkkkk
      Depois disso ele vai ser o primeiro ganhar 3 títulos no ano jogando de blusa azul e calção branco kkkkkkkkkkkkkk

      1. Ronildo

        Incrível estes caras com estes valores! Depois tiram sarro de quem ganha um ATP 250, sendo que Djokovic disputou 2 e perdeu1 neste ano!

        Desde quando é fácil ganhar um título na ATP?

        Federer tem 103 títulos e Djokovic 80. Mesmo que Djokovic jogasse só atp 250 até o final dacarreira, dificilmente chegaria aos 90 títulos de nível atp.

        Por estas e outras ficam se agarrando nestas questões irrisórias.

  14. Ronildo

    A partida contra Medvedev em Indian Wells foi uma ducha de água fria nas pretensões de Medvedev com respeito ao ranking. Pelo menos serviu para ele adotar uma estratégia mais conservadora e evitar uma contusão até o AO. Lá será o grande palco onde o circuito da ATP mudará definitivamente, sepultando para sempre o domínio de Djokovic. Este definitivamente é o evento mais esperado pelos fãns de tênis nos últimos 4 anos, desde a contusão de Murray, que foi a porta que se abriu para o início desta Era das Trevas.

  15. José Eustáquio Masculino Cruz

    Dalcim e a todos Bom dia.O que se deve a melhora de Tiafoe,treinamento,sangue nos olhos .Até então ele teria aparecido como uma grande promessa jogando bem e depois abaixou o nivel ao invéz de subir.Hoje vejo ele recebendo muito bem,sacando bem e jogo de pernas o que aconteceu será.um clik e melhorou?

    1. José Nilton Dalcim

      Acho que a contratação de Wayne Ferreira foi certeira. Experiente, boa gente e fez o Tiafoe ter muita confiança no jogo de rede.

      1. Helena

        Essa mudança na rede foi impressionante. Me lembro que na Copa Hopman ele não acertava uma, hoje ele sobe muito bem e esse stop volley é pra lá de estiloso.

  16. CarloWagem

    “Fulano foi terrível”, “Sicrano foi podre”, “Beltrano foi entresafra”!

    Outro non-sense: “Perderia até para o Raonic!” Raonic é um excelente jogador. Dos melhpres que já entrou numa quadra de ténis. Lembro da primeira final de Master 1000 dele, onde perdeunparano Roddick. Que final! Aliás… claro que para essa mesma meia dúzia, provavelmente Roddick também nao foo ninguém!

    Ô geraçaozinha difícil essa. Nada menos que o melhor de todos os tempos (queé o Federer, claro), detendo todos os recordes, os agradaria.

    Que doença será que os acomete???

    1. Paulo F.

      Petr Korda foi um terrivel jogador de tênis, horroroso, podre.
      Um dos piores vencedores de Slams, junto a Johansson, Gaudio, Ostapenko e etc.
      Minha opinião.
      Algum problema?

      1. CarloWagem

        Se tem pessoas que acreditam até que vacina causa aids, por mim tá tudo bem. Cada louco acredita no que quer. E viva as diferenças! Assim deveria ser o mundo!

    2. Luiz Fabriciano

      Qual foi o Masters 1000 que Andy Roddick fez final com Raonic?
      Lembro-me bem da primeira final de Raonic em Memphis.
      Sim, contra o Roddick, mas longe de ser um M1000.

  17. Maurício Luís *

    Acredito que um dos fatores que impediram que o Guillermo Vilas alcançasse o número 1 foi o fato dele não pontuar em Wimbledon. Li – não me lembro onde – que ele após perder na primeira rodada de Wimbledon, vaticinou: ” Grama é para as vacas! ” E nunca mais voltou.

    1. Maurício Luís *

      … E um recado pros tradicionais videntes aqui deste conceituado blog. O único que tá com moral aqui pra acertar previsões é o Hemerson, que ganhou a biografia do Federer.
      Os demais… acertam tanto quanto soldado tentando acertar o centro do alvo de costas, à meia-noite, a 2 km de distância e de olhos vendados.

    2. Sérgio Ribeiro

      Permita – me discordar , Maurício. Ele venceu duas vezes o AOPEN na Grama Sagrada e fez duas Quartas em Wimbledon. Até hoje a ATP não sabe como roubou tanto Guillermo Vilas em 1977 beneficiando Connors. O Hermano barbarizou com 145 Vitórias na Temporada num total de 16 ATP ( ambos recordes) . Abs!

    1. Ronildo

      Isso, seria até interessante ver uma partida dele contra Medvedev novamente. Pra ver se Djokovic já está restabelecido.

    2. Sérgio Ribeiro

      Exato caríssimo Piloto da ” Turbinada ” . Somente assim não cairá cedo como nas únicas duas vezes que enfrentou o bagre Fernando ” Mano de Piedra ” Gonçalves ( SIC rs ) em MASTERS 1000 na carreira. A primeira em CINCY 2005 quando apanhou nas Quartas . O Título ficou com o Craque Suíço pra cima do excelente Chileno. A história se repetiu em MADRI 2006 . Apanhou novamente nas Quartas e o Título de novo com o Craque Suíço . Que dureza !!! kkkkkkkkkkkkk. Abs!

      1. Sérgio Ribeiro

        Ps. Na única vez que o ” goat ” bateu Fernando Gonzalez precisou ir ao Quinto Set de RG 2006 rsrs. Abs!

        1. Sérgio Ribeiro

          Ia me esquecendo . O ” goat ” novamente atingiu as Quartas mas como todo freguês caiu em Sets diretos para seu Contemporâneo e verdadeiro ” Rei do Saibro ” . Não sem antes dar outro ” migué ” e abandonar no terceiro Set … kkk .Abs!

  18. Marcelo Costa

    Acabei de assistir Tiafoe e sinner, um jogo maravilhoso, dois caras jogando muito, cheio de alternativas, viradas jogadas espetaculares, aos detratores do tênis moderno, por favor façam um exame de consciência, revisem seus conceitos prévios e mudem, mudem.
    E como foi bom ver Carlos e Frances no palco como protagonistas, muda o mundo gente, muda o mundo.

  19. Luiz Fernando

    Incrível como o tenis é um esporte imprevisível e sujeito a oscilações dos jogadores. Sinner venceu o set1, dominava Tiafoe, tudo caminhava para uma vitória tranquila no segundo set. O americano perdia por 03 e sacou 15-40, com o italiano mandando na partida. Resultado: vitória do americano no set. Vamos p o set3…

  20. Alexandre

    Desses chegaram a número 2 o mais fraco eu acho que seja o Petr Korda, mesmo sendo campeão do AO. Corretja seria forte candidato assim como o Haas.

  21. Luiz Fernando

    As semis de Viena começando: vejo o mais experiente Zverev favorito contra Alcaraz, embora veja no promissor espanhol potencial de vencer; já o menos experiente Sinner deve superar o Tiafoe em 2 sets. Vamos ver secretes “chutes” acertam o gol…

  22. Thiago menezes

    Falando apenas em talento, destaco de forma bem isolada El Chino, Rios.
    Jogador com uma técnica e facilidade de bater na bola no mínimo, assustadora, um cara que falava muito nos bastidores e dentro da quadra correspondia muito as expectativas, (Diferentemente de certos Krygios da vida) tendo como prova disso o título de alguns Masters 1000, destacando um partida emblemática contra o bom moço Agassi, que simplesmente não viu a cor da bola, em Miami, além do número 1 mundo, mesmo que por poucas semanas é um vice campeonato muito dolorido de Slam na Austrália, quando perdeu para o dopado Korda.
    Como brasileiro, sou Team guga sempre, mas Rios é o cara em que sempre me fez abrilhantar os olhos ao ver um partida de tênis. O sujeito mais talentoso que este esporte já viu.
    Faço menções honrosas a Arazi, Haas, Nalbandian e Safin, que foram craques no tênis que praticavam.

  23. Luiz Fernando

    Sinner ainda é muito jovem e talvez por isso ainda oscila muito em suas apresentações. Mas quem assistiu a partida de agora a pouco observou q o cara tem tudo p se tornar um vencedor com V maiúsculo no futuro…

  24. Sérgio Ribeiro

    Ao perder em Sets diretos para Carlos , Murray mandou : “ provavelmente será N 1 do Mundo “ . Lembrando que Andy jogou toda a carreira ao lado do Big 3 . A postura de Carlos Alcaraz em quadra aos 18 , lembra outro Espanhol no longínquo 2004 quando surpreendeu o Craque Suíço, no MASTERS 1000 de Miami . Na época Roger Federer já N 1 . Imagino o que deve passar na cabeça de Medvedev, Zverev e CIA . “ Nem nos livramos dos Titios ( Novak renovou com os patrocinadores por 5 anos ) , e já surge um pentelho 7 , 6 anos mais jovem . Já vimos esse filme “ rsrs. Abs!

  25. Luiz Fernando

    Vi q o Alcaraz venceu o italiano em Viena, o que demonstra suas qualidades inegáveis. Aparenta ser um cara q se da bem em múltiplos pisos, e contra adversários fortes de diferentes perfis. Grande carreira pela frente!!!

  26. Valmir da Silva Batista

    A respeito das duas últimas postagens com teor de estatísticas, volto a observar a sua falta de imparcialidade, Dalcim, ou seja, em ambas contemplou apenas os nomes e números da ATP. Sendo o fator estatística algo tão específico e importante, em razão da abrangência, ao menos neste aspecto, o tênis feminino deveria e merece ser contemplado com maior interesse…

    1. José Nilton Dalcim

      Em primeiro lugar, você precisa pedir para a WTA disponibilizar estatísticas oficiais, isso já ajudaria muito. O que TenisBrasil conseguiu levantar foi com muito esforço e em fontes alternativas. Em segundo lugar, não vi qualquer comentário seu no post sobre a Badosa. Curioso isso.

      1. Valmir da Silva Batista

        Obviamente, sem dados disponíveis não é mesmo possível fazer uma explanação sobre os meandros estatísticos da WTA, ao menos não a partir do que foi proposto em suas duas últimas postagens, Dalcim. Só que quando há publicações sobre as estatísticas do tênis, sobretudo quando o título tem sentido genérico, como é o caso de uma de suas últimas postagens, o ideal é que você avise o leitor que determinada instituição não disponibilizou histórico, para que o conteúdo fosse postado de forma irrestrita, caso contrário, fica-se imaginando que há mesmo dois pesos e duas medidas, quando se trata de avaliar ambos os gêneros enquanto tenistas. No mais, muito obrigado pelo esclarecimento…

    2. Maurício Luís *

      Valmir, eu também gosto + de ver das meninas. Porém você está vendo as coisas só pelo lado negativo.
      Conta-se que um aluno tinha fama na classe de ser muito pessimista… mas ele não admitia isso. Então a professora resolveu fazer um teste pra tentar fazê-lo enxergar-se. Pegou uma folha de sulfite e escreveu em baixo do papel, em preto, a palavra AZAR.
      – Meu caro, o que você vê aqui?
      – Eu tô vendo a palavra AZAR !
      – … Mas e a folha branca, você não está vendo?

      1. Valmir da Silva Batista

        Mau rício Luís, eu e as postagens quais me refiro tratamos de um tema bastante específico, que são as estatísticas a respeito do tênis, e, assim sendo, você é que não está sabendo interpretar a questão a contento, pelo contrário, sua analogia é um tanto desastrosa, sobretudo pelo aspecto pseudo humanista ao utilizar um sentido figurado ridículo, que apenas desdiz o que apenas quus dizer e acabou apenas não dizendo, ou seja, trata-se de um grande desserviço o seu argumento. Não tem essa de “ah eu gosto de ver as meninas”, como se fosse um prêmio de consolação, as meninas em questão e os meninos, MAU, são pessoas( ! ) que jogam tênis de boa ou má qualidade, e isto tem que ser observado, igualitariamente, pelas estatísticas sobre este esporte, ok? Felizmente, o Dalcim já esclareceu a respeito do assunto, em resposta a meu desagravo. Quanto a você, espero que da próxima vez que se reportar à minha pessoa, o faça com um pouco mais de discernimento, senão, cale o seu teclado…

        1. Maurício Luís *

          Meu caro Valmir, ainda que o que eu escrevi não tenha “discernimento”, não vejo motivo pra uma resposta tão atravessada. Até pensei em contestar algumas coisas… mas como você deu ORDEM pra eu calar o meu teclado, vou obedecê-la.
          Tenha uma boa noite.

    3. Thiago Silva

      Valmir, você não dá um centavo pro Dalcim escrever qualquer coisa aqui, quem disse que você tem direito de reclamar ou de exigir alguma coisa? Se você acha que o tênis feminino precisa ter mais destaque crie você mesmo um blog e fale sobre o que quiser lá ou então escreva um post sobre as estatísticas do tênis feminino e publique aqui mesmo nos comentários, com certeza outras pessoas que tem interesse no assunto vão ler. Agora não venha querer tratar o Dalcim como se fosse um funcionário seu, tenha mais educação.

      1. Maurício Luís *

        Pois é… se você prestar atenção nas últimas palavras dessa resposta dele a mim, você vai ver que educação não é o forte dele. Fazer o que?

        1. Valmir da Silva Batista

          Mau rício Luís, você continua se lamuriando acerca da minha suposta falta de educação, enquanto rio a valer da sua falta de discernimento tenístico?

        1. Valmir da Silva Batista

          Mau rício Luís, não completar a oração não só indica falta de argumento para discorrer com propriedade sobre o tema em questão, que são as estatísticas da WTA preteridas pelas da ATP, quando deveriam ser tratadas de forma igualitária, como também é falta de discernimento, eu repito. Já você, Gustavo de tal, morra abraçado à referida mediocridade anti-tenística demonstrada pelo Sr. Mau, e já que emprestou anuência a este, bom proveito ao prato cheio. Reitero, pra finalizar, que o Dalcim já se reportou esclarecendo a razão de não tratar a respeito de certas estatísticas do tênis feminino…

          1. Maurício Luís *

            Não completei de propósito. Se o senhor é tão discernido, pra bom entendedor meia palavra basta. No mais, evitarei maiores polêmicas porque recebi educadíssimas ORDENS de calar o meu teclado.

      2. Valmir da Silva Batista

        Thiago Silva, me reporto ao Dalcim a respeito de maior atenção ao tênis feminino, e especificamente quanto a suas estatísticas, porque é atribuição dele passar informações sobre o tema, foi para isto mesmo que ele montou o blog, me parece óbvio, não? Você está cobrando que eu mesmo o faça, no que concerne aos meandros da WTA, mas sinto em dizer, meu papel é o de admirador e entusiasta do jogo de tênis, sem as limitações de gênero que lhe é peculiar. Mas, voltando ao Dalcim, ele já tratou comigo a respeito do que questionei em meu primeiro comentário, e isto é o que importa, o resto é blá blá blá de quem gosta de puxar saco do titular do blog…

        1. Thiago Silva

          Não parece óbvio não, um blog é uma página pessoal onde o jornalista posta o que ele tiver interesse de postar, não tem nenhum patrocínio aqui no blog e se alguém quiser pedir alguma coisa tem que ter o mínimo de educação, não sair querendo mandar no conteúdo do blog. Ainda levou uma juntada porque nem escreveu nada no post da Badosa, pra quem se diz tão admirador de tênis feminino parece que a intenção é só ser mal educado mesmo.

          1. Valmir da Silva Batista

            Thiago Silva, um blog pode até ser um veículo pessoal, mas o do Dalcim faz parte do contexto da revista Tênis Brasil, no caso, de foro público. E você, como a maioria dos grandes puxa-sacos, ao invés de se ater ao fator tênis, apenas defende a personalidade famosa que é o próprio Dalcim, o qual, obviamente, não pode dar conta desse tipo de tietagem vulgar que se pretende admiração. Gostar das considerações dele sobre tênis, eu também gosto, mas não preciso ficar lambendo, entende? Foi isto que você fez nesse seu comentário piegas. Quer bater em mim, em razão do teor dos meus comentários, o faça com propriedade…

        2. Valmir da Silva Batista

          Mau ricinho, considerações ruins a respeito de tênis não necessitam que eu exercite meu lado de bom entendedor, o que, a bem da verdade, sou. No mais, não me apetece desfilar, com meu brilho, a uma plateia tão em desnível ao próprio…

          1. Maurício Luís *

            Realmente. Seu nível é tão alto… Parabéns pelo alto nível e desculpe ter lhe dirigido a palavra. Permita-me ao menos lhe desejar uma boa noite.

          2. Valmir da Silva Batista

            Meu bom e demasiado humano Mau rício Luís, não tenho a menor pretensão de atribuir a mim sentimentos como modéstia, não sou dado a atitudes hipócritas, gosto, isto sim, de demonstrar quão bom eu sou a respeito de determinados temas. Não vou ficar posando de Poliana de última hora, só para ganhar a audiência da plateia com suas pieguices, aliás, bem reportou Nelson Rodrigues: toda unanimidade é burra, ou seja, ele tem minha anuência…

    1. Thiago Silva

      Nossa, que legal, imagina se ele tivesse ganhado Monte Carlo, Roma e Madrid em cima do Nadal e fosse campeão em Roland Garros passando pelo Nadal?

  27. Sandro

    Outros tenistas que acho que pelo menos em algum momento da cerreira mereciam ter chegado ao numero 1 são David Nalbandian, Miloslav Mecir, David Ferrer e Alex Corretja…
    Para o futuro, acho que Dominic Thiem, além de alguns dessa Squadra Azzurra italiana, Tsitsipas, têm potencial para ser número 1. E quem sabe Medvedev e Zverev também cheguem ao número 1…
    O fato é que como um colega do qual não me lembro o nome frisou, terminar uma temporada como número é similar a ganhar um título por PONTOS CORRIDOS.
    E nesse quesito, Djokovic é recordista incontestável de conquistas por PONTOS CORRIDOS!!!

  28. What-a-tennys

    Creio com a chegada do BIG 4, o posto teve 4 postulantes reconhecidamente donos da posição. Não creio Ferrer, Wawrinka ou Nalbandian pudessem fazer frente a eles a ponto de sequer merecerem o número 2 (quanto mais o numero 1).

    Só não sofreram mais, por conta das várias contusões do BIG 4, que deixou os postos de terceiro e quarto lugares momentaneamente vagos.

    Poderia dia destes analisar de forma hipotética e postar sobre “o que ocorreria” se não houvesse surgido o BIG 4. Quais tenistas poderiam ter vencido SLAMs ou atingido o número 1 e por quanto tempo.

    O assunto daria um boa “RINHA DE HATERS” nos comentários, já que esse “outro tipo” de maluco é bem comum nos comentários. Tenho certeza levantariam asmais absurdas teorias de sempre.

    BOLZONARO-2022!!! LULA STINKS!!! É NÓIS, MALUCO!!!

  29. Luiz Fabriciano

    Tem um link novo em Tenisbrasil, com as maiores estatísticas do tênis.
    No item Vitórias na era profissional, em GS, total de vitórias aparece Roger Federer em primeiro com 369, Novak Djokovic em segundo com 223 ( ! ) e Rafael Nadal em terceiro com 291. Jimmy Connors e Andre Agassi aparecem em quarto e quinto respectivamente, com mais vitórias que Djokovic, além de Nadal.
    Não entendi nada. Ou o quadro está com números errados ou Djokovic está metido onde não deveria.
    As estatísticas (considerando-as como corretas) mostram um dado muito interessante:
    No Australia Open, Federer tem 20 vitórias a mais que Djokovic, mas três troféus a menos.

  30. Maurício Luís *

    Dalcim, boa tarde. Esse lance curioso em que o circence do Monfils arremata o ponto com a mão… foi ponto de quem? Só ele mesmo…

    1. José Nilton Dalcim

      Não se pode golpear a bola sem raquete. A regra diz que, ao tocar na bola, a raquete precisa estar em contato com a mão do tenista. Não vale por exemplo jogar a raquete e atingir a bola. Portanto, obviamente a brincadeira de Monfils não foi válida.

      1. Marcelo Costa

        Aproveitando, se a bola bater em alguma parte do corpo, e passar a rede vale???? E uma sugestão de post na férias do circuito, regras controversas, pouco conhecidas e curiosas. Obrigado.

        1. Luiz Fabriciano

          Marcelo, só para completar a resposta abaixo, se o sacador acertar o devolvedor em qualquer parte do corpo, em qualquer canto da quadra, o ponto é do sacador.
          Essa regra é “osso”.

  31. DANILO AFONSO

    No dia 28/10 o governo italiano manteve a decisão de não autorizar a entrada de brasileiros no país mesmo estando vacinado, o que impedirá que brazucas turistas possam assistir o ATP FINALS. Eu e minha esposa que compramos ingressos da retal final do evento com muita antecedência (dez/2020), até pensamos em entrar no país via trem, mas o medo de ser punido pecuniariamente ou sofre algo pior não vale o risco.

    A única coisa boa é que podemos revender os ingressos por quase quatro vezes o valor que pagamos, pois os sites intermediadores (ex. Viagogo) estão vendendo caríssimos os tickets e no site da ATP NITTO só tem disponível assentos prêmios (muito caro).

    1. Sandro

      Encare a situação pelo lado positivo… Você ganhará uma grana que nhenhum Fundo de Investimento atual está pagando!!!
      Assista ao torneio no conforto da sua casa e aproveite a grana q vc ganhou!

  32. What-a-tennys

    PAra ser sincero, não vejo ninguém que não houvesse atingido o número 1, que não o merecesse (mas apenas acompanho desde 1980, e não posso dizer sobre antes).

    Aos que não chegaram lá (depois de 1980), resta dizer que faltou a consistência necessária (seja motivacional, física ou por contusão mesmo), para fazê-lo, enquanto outros conseguiram, pois o ranking de 12 meses é extremamente seletivo e mede a consistência do atleta em obter resultados expressivos continuamente (e não mede o momento, que é parcialmente medido pelo ranking da corrida).

    O que vejo, na verdade´, é o fato de alguns terem alcançado o número 1, mas não tiveram consistência suficiente para ficar no topo (Ferrero, Rios), e outros que são subvalorizados pelo que fizeram: acho o feito do Hewitt, de se mantér por 80 semanas no topo como algo notável, e mostra bem o que ele foi, apesar dos haters do blog criticarem ele ao máximo por não terem visto seu início meteórico na carreira.

    Guga é outro: conseguiu se colocar entre os 15 maiores líderes do ranking de todos os tempos (entre os 10 maiores até sua época), e poderia talvez ter feito mais, não fosse a contusão. Um feito e tanto!!! Mais surpreendente mesmo foi o fato da imprensa global ser sempre surpreendida pelos seus feitos: jamais se imaginava que ganharia RG em 97 (e ganhou) . Jamais se imaginava que pudesse repetir o feito por 3 vezes (e repetiu). Jamais se imaginava que pudesse ganhar o Finals.. nem atingir o número 1 (mesmo após os feitos anteriores e conseguiu). Foi uma espécie de “Bellucci ao contrário”, que quando se acha que poderia perder… achava uma maneira de ganhar. Meu maior ídolo no tênis masculino.

    Portanto, não tenho nenhum nome a acrescentar (após 80) que acho deveria ter chegado lá, embora seja fã de carteirinha do Wawrinka e do Delpo.

  33. Daniel

    Nalbandian com uns quilos a menos e Haas com um pouco mais de cabeça.
    Esses dois foram incríveis, dá gosto vê-los jogar.

  34. Arthur

    Difícil a pergunta, Dalcim.
    Se for só pela questão de preferência, não teria dúvidas em cravar o Wawrinka, com sua magistral esquerda de uma mão.
    Agora, se o quesito for carisma, meu voto vai com certeza pro Del Potro, o cara mais gente boa que eu já vi numa quadra de tênis.
    Como não vi jogar os outros, prefiro nem opinar (embora sempre haja aquela controvérsia interminável sobre se o Villas foi ou não número 1(.

    Um abraço.

  35. Paulo Almeida

    Não vejo a hora de DjokoGOAT, o melhor que já existiu, levantar o troféu do HEPTA, disparado o mais bonito do circuito. Falta pouco tempo para a cerimônia.

    Diferentemente do Ronildo, nem estou saboreando a queda de posições do Fregueser no ranking, maior beneficiário do congelamento de pontos. Só vou comemorar quando sair do top 100, o que já teria ocorrido sem pandemia.

  36. Rubens Leme

    Dalcim, vc falou em raquete de alumínio e me lembro da minha Metalplas, que imitava a Head Pro. Tive uma azul igual a essa, embora não mignon.

    Teve a sua também? – https://produto.mercadolivre.com.br/MLB-1356170441-antiga-raquete-metalplas-mignon-aluminio-_JM

    Aliás, recomendo reler esse seu post de raquetes clássicas. É saudosismo puro – https://tenisbrasil.uol.com.br/blogs/blogdotenis/index.php/2019/02/14/as-12-raquetes-mais-famosas-do-tenis/

    1. José Nilton Dalcim

      Minha primeira raquete, comprada no Mappin da Praça Ramos, foi uma Metalplas, mas não essa de alumínio claro, mas aquela escura como a do Ivan Kley.

      1. Rafael

        Um dia, já no colegial (técnico, o da Escola Técnica Federal de SP, próximo à antiga estação de metrô Ponte Pequena, atual Armênia) estávamos eu e mais três amigos de classe. Tendo decidido cabular a aula daquele dia, reunimo-nos para decidir sobre quais aventuras teríamos: “Vamos no Playcenter”, disse um. “Não, vamos ao cinema!”, disse outro. Eu também tinha minha opinião, até que perguntamos pro “Maguila” (o rapaz, então com 15 anos, lembrava muito, de físico e fisionomia, o querido e folclórico boxeador Adilson). Ele, que havia se mudado para São Paulo para estudar na ETFSP, onde havia a fama de que “todo mundo que fizesse o colegial lá já saía empregado”, vindo do Nordeste, um rapaz simples de tudo, um cara bacana demais, disse: “Gente, vamos ao Mappin, eu nunca fui e ouvi dizer que passear por lá é maravilhoso.” Entreolhamo-nos os outros três, naquela época era comum bagunçar com algum colega, “Mappin? mas que merd* de ideia é essa, Maguila?” – todos pensamos e nenhum falou, ninguém teve coragem, vendo aquela expressão ansiosa no rosto do Maguila.

        Fomos todos no Mappin, onde eu e os outros dois já tínhamos ído dezenas de vezes, mas era a primeira vez do Maguila.

        E foi uma manhã bem feliz.

        1. Marcelo Costa

          Na primeira vez que fui ao mappim, fomos comer um lanche no Mac da rua direita que ficava ali perto. Você confessa tua idade, e lê leva junto rsrses.

      2. Rubens Leme

        Minha mãe me comprava aqueles uniformes da Adidas de uma cor só. TInha um conjunto azul calcinha (hoje chamado de azul bebê) e outro que era marrom ou bege. Usei aquilo só nas primeiras semanas, porque todo mundo ria de mim com aquelas vestimentas. Chegou a usar esses uniformes da época, também?

    2. Marcelo Costa

      Meu irmão havia comprado uma de madeira da topper, que empenou, pois, não tinha grana e sabedoria pra não deixar no sol, bons tempos??? Nada, não ter grana era triste, mas tínhamos sangue no olho pra jogar com ela empenada mesmo

  37. Groff

    Excelente menção àqueles que chegaram tão perto e ficaram no “quase”, Dalcim (como se ser 3 do mundo não fosse um prêmio por si só; eu, particularmente, acho sensacional). Da sua lista, eu diria o seguinte:

    – Vilas
    – Ashe
    – Laver

    Considero todos como se fossem autênticos números um, ainda que historicamente não recebam o título por questões de parâmetro e época (terem negado o n. 1 ao Vilas foi um crime contra o esporte), ou no mínimo equivalem a qualquer outro número um do masculino (e até ultrapassando outros em importância, como, por exemplo, Ríos). Parafraseando aquela famosa frase, se o tênis não os considera número um, azar do tênis. Eles são muito maiores do que esses dados numéricos circunstanciais.

    – Wawrinka

    Tinha tênis para ser número um e é dos meus favoritos de ver jogando desde sempre. Mas acho que poderia ter trabalhado mais alguns aspectos (a maioria ligada, infelizmente, ao tênis dito “moderno”, notadamente consistência e certos detalhes defensivos) de seu jogo para efetivamente ter chegado lá. Nesse quesito, o Murray chegou, por exemplo, então o Stan também poderia ter ido mais longe do que foi. É uma ótima indicação. Só não acho que foi “injusto”, porque tinha condições para chegar ao número 1 ou, no mínimo, ao número 2 e não o fez. Mas também estaria na minha lista.

    – Del Potro

    Segundo o Tio Toni, o cara mais azarado do circuito. Uma das maiores direitas da história, saque bombástico, esquerda competente, boa movimentação para seu tamanho e coração infinito. Um guerreiro na parte mental e um tenista de primeiríssima linha. Para mim, talvez o grande injustiçado pelo próprio corpo. Não fosse pelas lesões, teria ganho fácil vários outros Slam. É quem acho o maior merecedor da lista toda, considerando tudo o que expliquei acima.

    Dito tudo isso, totalmente de acordo, Dalcim. Não consigo pensar em nenhum outro postulante (talvez o Ivanisevic, mas tenho dúvidas).

    P.S. 1: Raonic e Dimitrov terem chegado ao top 3 é de doer. Depois aparecem uns gaiatos para dizer que o Federer foi beneficiado por uma “entressafra”. São uns cômicos, mesmo.

    P.S. 2: Aproveitando o ensejo do último P.S., que tristeza tem sido o top geral, notadamente até o 20 do mundo, de uns anos para cá. Excluindo o Big3, é um deserto quase. E pensar que antes havia Wawrinka, Tsonga, Söderling, Ferrer, Berdych, Robredo nesse círculo. Gente com condições claras de bater de frente com os maiores. Ter hoje que aturar os Carreno Busta, Norrie e Berretini da vida é bem frustrante.

    1. Marcelo F

      Groff…muito bom seu comentário. Que prazer em ler opiniões bem argumentadas e embasadas. Concordo com quase tudo o que disse. Parabéns. Comente mais.

      1. Groff

        Puxa, muito obrigado, Marcelo! Que bom que você gostou. Mas depois que terminei o comentário percebi alguns erros rsrsrs. É difícil escrever do celular. Grande abraço!

        1. lEvI sIlvA

          Pior que é verdade, Groff…!!!
          Mas há uma opção, ainda que meio complicada.
          Pode fazer um rascunho via whats parágrafo por parágrafo. Daí, você marca tudo, copia e cola aqui no espaço de comentários. Ao menos, consegue revisar antes de publicar, ok?
          Eu particularmente, prefiro o PC/note, mas um tablet usando o modo “PC” de exibição de tela também funciona bem…

          Realmente, muito bons seus comentários!

  38. Sandro

    Creio que Fernando González, conhecido por ter um dos forehands mais difíceis da ATP, segundo declaração do próprio Federer, poderia em algum momento da carreira chegar ao número 1. Isso se sua carreira fosse mais bem administrada e seus melhores momentos não coincidissem com os melhores momentos do BIG³. Mesmo assim González obteve importantes vitórias contra Nadal, Federer e Djokovic.
    Em espanhol, ele é apelidado de El Bombardero de La Reina e Mano de Piedra.

    1. Sérgio Ribeiro

      Pois é , mas Fernando “ Mano de Piedra” Gonzalez , e’ considerado um dos “ bagres “ da tal entressafra de alguns membros da Kombi rsrsrs . Abs !

      1. Luiz Fernando

        Vc sabe muito de tenis, o Sampras é q sabe pouco kkkkk. Como vc é humilde, chama a atenção kkkkkk!!! Abs.

        1. Sérgio Ribeiro

          Humilde é o rapaz que pega Sampras como muleta pra cair junto na babaquice de “ entressafra” , mane’ . Os oponentes que estavam batendo no Norte-americano que se aposentou precocemente ( 31 ) , foram os que ficaram para Federer desde 2001 ( quando o Suíço aos 19 destronou Pete em Wimbledon) . Os 6 Ex- N 1 da época ( Moya , Agassi , Ferrero, Safin , Hewitt, Roddick) são chamados por ti de BAGRES . E na sua incongruência esquece que Rafa Nadal já era N 2 em 2005 . E o desmemoriado Sampras não atentou nem pra batalha de WIMBLEDON 2009 , quando o Suíço bateu Roddick com 50 Aces e 16 x 14 no Quinto. Quem estava sentado assistindo o jogo que marcou a supremacia de Roger Federer em SLAM ? . Tu e ele kkkkkkkkkkk. Abs!

        1. Sérgio Ribeiro

          O Piloto quando se intromete e’ sempre pra falar m**da rs . Quais desses citados fez Final de SLAM depois de mandar Rafa Nadal pra casa em Sets diretos ? . Idem para Ouro , Prata e Bronze OLÍMPICOS ?? . Quais possuem ONZE ATP ??? . Já te disse parceiro não enganas ninguém rs . Se puder avise ao “ bagre “ dos comentários que o “ goat “ Paraguaio jogou os 4 SLAM e tentou o Ouro Olímpico. Quem o fez chorar em dois ( Medvedev e Sasha ) são da Nova Geração. O mane’ não sabe que o Sérvio ainda não é o N 1 de 2021 segundo a ATP rsrs. Abs !

          1. Paulo Almeida

            O GOAT paraguaio é aquele que ficou pra trás em todas as estatísticas relevantes e que chorou horrores nas mais de 50 vezes em que foi surrado pelos arquirrivais. É muito sofrimento nos últimos 14 anos pelo menos.

            O bagre dos comentários é você mesmo, rs! Cadê o M1000 do Gonçalves?

            Abs!

          2. Sérgio Ribeiro

            Quem pode mais chora menos caro Piloto. Quem é Gonçalves ??? . Trocou de Co-piloto , mane’ ??? kkkkkkkkkkkk. Abs!

    2. Groff

      Sou muito fã do Feña, Sandro. Além dos predicados que você mencionou, ele também era muito bom sacador. Mas, você bem disse, teve muita irregularidade, sem falar que praticamente não jogava com o revés. Além disso, teria que ter ganho um Slam, pelo menos, pra ser considerado postulante. Abs

      1. Rafael

        Irregularidades como as do Del Potro, que não treinava o suficiente mas exigia muito do físico? Há que se olhar as decisões que as pessoas tomaram em relação às suas carreiras pra definir a grandeza delas. Gosto muito do Del Potro, mas sua negligência com os treinamentos potencializou bastante as contusões que sempre teve.

  39. Vitor Hugo

    Com certeza Novak é o número 1 com jogo mais feio e sonolento da história do esporte… tem tantas semanas e Stan nenhuma… Coisa injusta, não?
    E enchendo o r… de câmara hiperbárica . .

    1. Paulo Sérgio

      Negacionista dos títulos e estatísticas do goat sérvio. Vc falar em jogo sonolento é a mesma coisa que falar que as vacinas tornam os vacinados mais propensos a contrair o HIV kkkkk.

  40. Marcelo Costa

    Dalcim, o vídeo era raquete de madeira, vs raquete de alumínio? Falando sério, um impar da transição das raquetes, foi a primeira coisa que reparei.

    1. José Nilton Dalcim

      Na verdade, madeira e metal coexistiram, Marcelo. O alumínio foi considerado uma evolução, mas não substituiu a madeira. Poucos jogadores se aventuraram a usar, porque não era nada fácil.

        1. José Nilton Dalcim

          Vibrava tanto que a última tentativa da Wilson foi criar a T-5000 com uma borracha para minimizar o problema na extremidade do cabo (eu joguei com esse modelo, aliás).

  41. Sérgio Ribeiro

    Sem padronização, com a presença inclusive do Carpete , tivemos 20 N 1 do Mundo até 2001. Vamos combinar que o Big 3 nada tem a reclamar da ridícula invenção da ATP para “ atrair “ mais público com suas sonolentas maratonas. Agora se pensa em agilizar o jogo mexendo em sua essência… Daí que o grande Rod Laver é o expoente de quem merecia mais o N 1 . Jogava da base e na rede com incrível desenvoltura . O mesmo vale para o garoto pós 73 , Björn Borg , outro da base que botou a cara na rede no All England Club sempre que necessário. Somente Ilie Nastase pra colocá-lo reclamando também do juiz rs . Tenho certeza que se botássemos Equipamentos versão 2021 na mão desses caras , dariam calor no Big 3 . Não tem como contestar a relação do Dalcim dos que em algum momento mereciam o N 1 . Abs!

    1. Groff

      Sérgio, com todo o respeito, discordo quando você fala do Big3 como favorecido. Aliás, frontalmente (posso concordar quando se fala no Novak e, principalmente, no Nadal, como grandes beneficiados). O Federer é, de longe, o maior prejudicado pela padronização e, principalmente, pela nova lentidão de Wimby. E tenho gente de estofo para corroborar minha assertiva: o Pete Bodo, que dispensa comentários, falou claramente que Federer deveria “processar a ATP por perdas de oportunidade” (em tradução livre) num artigo em que apreciava as mágicas que Federer fazia em uma quadra realmente rápida (no caso, no torneio de Dubai em 2012). Se não me engano, acho que ele fez final com o Murray, e o último falou coisas na mesma linha: de que se houvesse um número maior de quadras rápidas no circuito o suíço, embora já com 31 anos, dificilmente teria adversário. Dê uma olhada no artigo logo abaixo:

      https://www.tennis.com/news/articles/risk-and-reward

      Esse é um dos elementos que mais me faz admirar o suíço: “O piso está rápido? Vou lá e aproveito. Está lento? Bom, fazer o quê, a ATP decidiu assim. Não vou ficar choramingando. Vou só jogar e tentar fazer o melhor que der.”

      Aliás, Dalcim, já te perguntei em outras ocasiões o que você achava sobre essa história da lentidão. Lembro de você ter dito, acertadamente, que os tenistas tinham que se adaptar. Mas você já fez uma análise de quem foi mais beneficiado e, de outro lado, prejudicado com a lentidão e padronização dos pisos e aumento de peso nas bolas? Na minha lista de prejudicados eu coloco gente como Tsonga, Nalbandian e Roddick, entre outros. Favorecidos foram, por exemplo, Ferrer, Simon e, claro, Nadal e Djoko. Abraço.

      1. Sérgio Ribeiro

        Sem problemas em discordar , caro Groff. Até porque é pra isso que existe um fórum de debates rs . Mas o Craque Suíço com sua genialidade se adaptou rapidamente à lentidão. Daí o próprio chegar a afirmar que se achava “ invencível “ em 2006 . Logo não posso deixar que os outros dois membros do Big 3 paguem a conta sozinhos . Afinal levaram juntos 60 SLAM … rs . ABS !

        1. Groff

          Muito bom, Sérgio, meu caro. Se eu fosse da teoria da conspiração, diria pra você que as quadras lentas vieram para impedir o suíço de ganhar ainda mais rsrsrs. O próprio Bodo brinca com isso no artigo que postei ali. Um abraço!

  42. Daniel C

    Eu sempre fui muito fã do Nalbandian. Jogava um tênis incrível, com muita facilidade e técnica, uma pena que nunca focou muito no treinamento físico rsrs.

    Esse é um que conseguia jogar de igual pra igual com o Federer indo pro jogo franco, sem adotar o Maratenis. Certamente teria sido muito mais interessante pro tênis ter alguém como o argentino como principal rival do Federer.

    1. Marcelo F

      Daniel C, concordo com você. Nalbandian foi um grande jogador. Eu tinha uma opinião há uns dez anos atrás e continuo com ela. Que se ele tivesse metade da força mental de Nadal e Djokovic, teria sido número 1 fácil. Mesmo sendo contemporâneo do Federer. Mas jogadores muito talentosos geralmente não tem esse comprometimento todo. A exceção foi o próprio suíço.

      1. Groff

        Comentei aí em cima que, na minha visão, o Nalba é um dos prejudicados pela lentidão progressiva do jogo. Era um jogador espetacular e talvez tenha tido a melhor esquerda de duas mãos que já vi. Mas seu jogo parecia talhado para o tempo em que corria a bolinha, não o jogador. Esse tênis dito “moderno”, de moer o oponente do fundo da quadra, foi bem cruel com ele, que não tinha no físico seu maior predicado.

  43. Chetnik

    O homem quebra recorde até sem jogar. GOAT disparado e inconteste. Tem um que fica cada vez mais longe do cume…

      1. Luiz Fernando

        Está perto, vc mesmo diz q essa nextgen é espetacular, o cara nem joga e se mantém a frente desses bagres que jogam um evento atrás do outro kkkkkkkkkkkkk!!! Abs…

          1. Sérgio Ribeiro

            O cara nem joga e’ “ jenial “ , minha cara ? . O Sérvio suou sangue nesta temporada e vai jogar Paris e ATP FINALS por necessidade. Procure se informar Manu . Abs!

        1. Sérgio Ribeiro

          A Next Gen é espetacular e vai provar . Já tu és o bagre dos comentários e baba ovo mor kkkkkkkkkkkk. Abs!

  44. Renan Basbosa

    Dalcim, a ATP já oficializou esse ranking que vai aproveitar os pontos de 2019? Porque pelos pontos da temporada ainda da pra Medvedev chegar.

    1. José Nilton Dalcim

      Não, Renan, ainda não vi qualquer afirmação categórica de que a ATP vá adotar o ranking tradicional ou o ranking da temporada para definir o número 1 ao final de 2021. Talvez eles estejam esperando (e torcendo) para não ter de encarar o dilema… rsrs…

      1. Isaac

        Olá, Dalcim! Primeiramente, parabéns pelo seu blog! Sempre leio os seus textos. Cada um deles é muito bem escrito e tem um excelente conteúdo!

        Bem, ao que parece, a ATP já se pronunciou sobre essa questão. Vou deixar aqui um texto retirado do site da ATP, na seção “Rankings FAQ”:

        “While the 2021 Year-End FedEx ATP Rankings will continue to potentially include some results from 2019 and 2020 in a player’s rankings breakdown under the “best of” rankings system due to COVID-19, the 2021 Year-End No. 1 will be based off 2021 results alone (i.e., the FedEx ATP Race To Turin) and will continue until the end of the Nitto ATP Finals. This will ensure that the No. 1 accolade accurately reflects the world’s best performer of the 2021 calendar season.”

        Não sei se haverá alguma mudança, mas, até agora, essa é a informação que está lá no site.

        Um grande abraço!

        1. José Nilton Dalcim

          Excelente informação, Isaac. Então está decidido e Medvedev matematicamente ainda está na luta pelo número 1 de 2021. Obrigado!

  45. Mario

    Eu era fã de André Agassi, sinceramente não sei se merecia chegar a número 1, mas tinha uma devolução terrível, uma grande técnica e era uma figuraça.

  46. Paulo H.

    Rod Laver nunca foi o número 1, mesmo tendo completado o Grand Slam duas vezes? Como isso é possível? Ele não jogava os outros torneios ou existia outro tipo de contagem?

    1. José Nilton Dalcim

      O ranking surgiu em agosto de 1973, Paulo. Em 1969, ele foi indicado como número 1 ao final do ano pela Federação Internacional, mas não existia um sistema matemático.

  47. Ronaldo Fernandes

    Bom dia, concordo com sua lista e acrescento dois que estavam em ótima forma em algum momento e sempre encontravam pedras enormes no caminho, Mecir adorava o Lendl e Ljubicic sempre às voltas com o Federer.

  48. André Eduardo

    Sem dúvida que o dono do mais incrível backhand da história mereceria ter chegado lá. Wawrinka, quando no modo Stanimal, era imbatível.

  49. Ronildo

    Se David Ferrer jogasse em qualquer tempo que não a era do Big 4, seria número 1 por algum período.

    Mas de todos os que não atingiram o topo, o Del Potro é o que tinha mais chances de ser número 1, não fossem as lesões.

    Infelizmente o ranking foi criado quando o Rod Laver não estava mais no auge.

  50. Marcilio Aguiar

    Dalcim, eu concordo com a lista dos que poderiam ter sido numero 1. Villas e Laver podem, na prática ser assim considerados. Não existia ranking em 1968, mas quem contesta a supremacia do australiano? Sobre o argentino Villas, temos o belíssimo e emocionante documentário com fartos argumentos para comprovar que ele foi o numero 1. Se não me engano, o próprio Borg reconhece que Villas foi o melhor na temporada abordada no filme.

    Eu gostaria também de ter viso o Nalbadian, Dimitrov e Ivanisevic como numero um, porque aprecio muito do tênis praticados por eles, entretanto reconheço que não tiveram a competência para chegar lá.

  51. Luiz Fabriciano

    Seu primeiro parágrafo mostra claramente o porque do sérvio terminar mais um ano na ponta.
    Merecedor sem desculpas, pois fez o serviço deixando sobras para gozar mais adiante.
    Há quem diz que o sistema não é justo, pois, possibilita alguém que não joga há meses e ainda não precisa mais jogar o resto do ano, ser o campeão da temporada.
    Mas, o aluno que atinge os pontos máximos até a metade do ano, já não passa?

  52. Luiz Fabriciano

    …”desde o momento em que Federer chega ao número 1, em fevereiro de 2004, apenas 14 jogadores que não pertencem ao chamado ‘Big 4’ apareceram em algum momento no top 3 do ranking.”
    E desde essa data, até hoje, nenhum outro fora do Big4 assumiu o top1.

  53. Marcelo Seri

    Um interessante questionamento do canal de Telegram “Telegrammi di Tennis”, da Itália! O caso em questão é a pontuação do britânico Norrie.
    (Prefiro deixar no idioma original, e cada um coloque no tradutor de sua preferência)

    Segue o texto:

    📈Il mistero del ranking di Norrie 📉

    Quest’anno, per via del fatto che la lotta per entrare alle finals include un sacco di giocatori di cui uno italiano, c’è una particolare attenzione dedicata al ranking. Devo confessarvi però che non sto capendo il punteggio di Norrie.

    Le faq del sito dell’ATP sembrerebbero sufficientemente chiare: il ranking è composto dai punteggi di 19 tornei, tra cui i 4 slam, 8 ATP mille obbligatori (mandatory) e i 7 migliori punteggi negli altri tornei
    (più i punti che fai nelle finals).

    Eppure, se applico questa struttura, e quindi considero 19 punteggi inclusi i 10 punti che ha fatto a Cincinnati, a Toronto e agli US Open, ottengo 2795, mentre ora l’ATP lo indica a 2875, che si ottiene scartando i punti di cui sopra e inserendo al loro posto tre risultati migliori che ha ottenuto in altri tre tornei.

    Dove starà la verità?

    1. José Nilton Dalcim

      A rigor não há mistério, Marcelo. No ranking tradicional, Norrie ainda contabiliza dois torneios de 2019, que obviamente não podem ser considerados no ranking da temporada 2021 e aí ele perde 55 pontos, uma diferença em todo caso pequena.

      1. Marcelo Seri

        Aah entendi, Dalcim! Muito obrigado pelo esclarecimento! Se você não se importar, vou postar a resposta no canal de Telegram, citando o sr. e o Tenisbrasil.

  54. Fábio

    Talvez Ashe e Laver tivessem chegado em caso do ranking ter sido criado antes do ponto mais alto de suas carreiras

  55. Rubens Leme

    Ilie Nastase era tão reclamão que até o Borg entrou no clima e fez o mesmo. Ele e Connors eram terríveis nesta coisa de catimba. E que quarteto! Borg, Nastase, Laver e Ashe.

    Dalcim, é curioso o Laver nunca ter sido número 1 após o surgimento da ATP, porque um dos critérios para se definir o melhor de todos sempre passou por Slams e semanas como número 1. É óbvio que ele já era veterano quando ela surgiu e seu auge já havia passado, mas é até uma mancha para a própria ATP, não?

    Enfim, curiosidades que nada mudam o legado e a importância deste gigante australiano de 1,72 m.

      1. Rubens Leme

        Sim, e curioso como em duplas, o Borg sacava e já corria para a rede. Pena que o vídeo só tem 5 minutos, é muito divertido de se ver, ainda mais neste har-tru. Imagino que Laver e Ashe tenham vencido a partida.

  56. Luiz Fernando

    Mais uma evidencia que no momento o cara é o GOAT, ninguém conseguiu terminar mais anos como número um do q ele. E pra isso, como citado pelo Dalcim, jogou bem menos eventos do q os demais, demonstrando sua superioridade. Negar isso é a mais pura amostra de infantilidade, rancor e desespero…

    1. Sérgio Ribeiro

      Ele somente se igualou a Federer e venceu pela terceira vez TRÊS SLAM na mesma Temporada . Isso na maioria das vezes já é suficiente para alcançar o N 1. Rafa Nadal somente conseguiu este feito uma vez . Daí pra atingir o mesmo feito precisou jogar mais torneios . Essa palavra rancor , sempre sai da boca da pessoa errada . Percebestes ? rsrs. Abs!

      1. Luiz Fernando

        Será q vc sabe o q é rancor? Tenho minhas dúvidas face a sua cultura imensurável kkkk. Negar q o Lógico, Marquinhos e fakes e outros muitos não tem rancor em relação a Rafa e Djoko é estar desconectado da realidade! Hummm, mas vc sempre está kkkkkkk!!! Abs.

        1. Sérgio Ribeiro

          Desconectado é um certo indivíduo que aposentou Federer em 2013 . E ainda postou depois de quebrar a cara “ Odeio Roger Federer “ em 2017 . Sabes quem é mane ‘ ??? kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk . Abs!

  57. Davi Poiani

    Informações históricas interessantes Dalcim! Fiquei surpreso ao ver Rod Laver ter como ápice da carreira somente o número 3, mesmo com os 4 Grand Slam de 1969… Depois compreendi a razão, pois o ranking só foi criado depois em 1973.

    Para o debate proposto, deixo uma ressalva:
    A existência do Big 3 jogou a barra de nossa métrica tão para o alto que veio a distorcer a nossa percepção dos méritos dos demais…. Ficamos acostumados a ver estes gigantes ganharem 20 Grand Slams, dezenas de Masters 1000 e outros títulos, ficarem várias semanas no topo do ranking, seja como número 1 ou no top 3, 5… E isto meio que faz as pessoas perderem a noção do quão difícil já é chegar numa semifinal de Slam, chegar no top 10, top 20, nem que seja por algumas poucas semanas.

    Na minha lista eu colocaria: Wawrinka, Del Potro (estes dois devem ser um consenso geral pelo conjunto da obra) e o David Ferrer, que se não fosse o Big 4, talvez tivesse ido muito mais longe em vários torneios Masters 1000 naqueles idos de 2011 a 2013, quando esteve no auge de sua carreira. Era frequente ele ser barrado por algum destes quatro. Inclusive, poderia ter beliscado ao menos um Grand Slam em Roland Garros na final de 2013… se não fosse pela existência do Nadal.

  58. DANILO AFONSO

    Entre as opções que o Dalcim relacionou no final do texto, LAVER sem dúvida é o que mais merecia ter figurado em algum momento como n. 1, até porque se já existe o ranking alguns anos antes de 1973, isto é, no auge do australiano, ele teria sido n. 1 por muitas semanas.

    DALCIM, como era realizado o chaveamento dos torneios antes da implantação do ranking ?? Qual era o critério adotado ??

    1. José Nilton Dalcim

      Era um tanto empírico mesmo. Sabia-se quem eram os mais destacados e tomava-se o cuidado de não colocar jogadores de um mesmo país muito próximos.

  59. Thiago

    Os 3 primeiros não vi jogar. Mais Dele Potro se não fossem as lesões poderia ser N1 em algum momento. Stan teve seu auge. Mais sempre foi um pouco inconstante em jogos com tenistas de ranking inferior. Crescia muito em GS. N3 foi um grande ranking pra ele.

Comentários fechados.