O tamanho da façanha de Bia
Por José Nilton Dalcim
11 de outubro de 2021 às 23:08

Beatriz Haddad Maia não marcou apenas a maior vitória de sua carreira nas difíceis condições da tarde em Indian Wells, ao derrubar em sets diretos a número 3 do mundo e atual vice de Wimbledon, Karolina Pliskova. A canhota paulista de 25 anos, que enfim voltará ao top 100 na próxima lista, obteve também o resultado mais expressivo do tênis feminino nacional em toda a Era Aberta e se juntou aos outros únicos quatro brasileiros que já venceram um top 3.

Eliminada na última rodada do quali por um amargo ‘pneu’, Bia entrou de última hora graças a desistências e não contou nas duas partidas que fez com o melhor tênis que já praticou, porém foi muito aplicada na parte tática e acima de tudo manteve a cabeça fria o tempo todo. Nem mesmo vibrou com exagero ao final da imensa façanha, como quem espera fazer ainda muito mais. Tomara.

Enquanto a super experiente Pliskova se remoía com o vento terrível, Bia tratava de focar no lance seguinte e de fazer a adversária jogar sempre uma bola a mais. Defendeu-se aliás com muita vontade. Todo o circuito sabe que Pliskova é uma das tenistas de ponta mais instáveis, que poucas vezes acha soluções alternativas quando o saque-forehand não está calibrado. Basta lembrar a ‘bicicleta’ que levou na recente final de Roma.

Bia foi fiel ao plano tático de alongar pontos e tentar tirar a adversária do centro da quadra, onde a tcheca se planta perto da linha de base e busca ditar o ritmo. O segundo serviço da brasileira anda frágil, mas felizmente Pliskova se apressou muitas vezes, ainda que tenha obtido 14 break-points e quebrado cinco vezes. Mas ela própria não fez muito com o serviço, a ponto de só confirmar um game de saque em seis no segundo set.

O desafio agora é a número 20 Anett Kontaveit, outra que gosta de bater firme na bola. Tirou a atual campeã Bianca Andreescu e ganhou de nomes como Petra Kvitova, Belinda Bencic e Maria Sakkari nesta fase de quadras duras. Se vencer, Bia será a primeira brasileira nas quartas de um torneio equivalente a um WTA 1000, já que Niege Dias e Andrea Vieira fizeram oitavas: a gaúcha em Montréal de 1987 e Dadá em Roma de 1990.

As vitórias brasileiros sobre top 5
São poucos os tenistas nacionais que já bateram um top 5. Guga Kuerten é claro se destaca, com 23 triunfos, sendo 11 deles entre os três mais bem classificados e dois sobre líderes do ranking. Fernando Meligeni ganhou de três dos top 3 a sua época, um grande feito. Além de Guga, apenas Carlos Kirmayr e Flávio Saretta derrubaram um número 1 do ranking. Entre as meninas, Niege foi a primeira a bater uma das cinco mais bem colocadas.

Confira a lista de todas as vitórias brasileiras sobre algum top 5 desde o surgimento do ranking profissional masculino (1973) e feminino (1975). Na primeira coluna, figura a classificação do adversário no momento do jogo.

Gustavo Kuerten (23 vitórias)
5 – Tim Henman, na 2ª rodada do Masters do Canada, em 2004
1 – Roger Federer, na 3ª rodada de Roland Garros, em 2004
4 – Roger Federer, na 2ª rodada de Indian Wells, em 2003
4 – Marat Safin, nas quartas de Lyon, em 2002
2 – Marat Safin, na 2ª rodada do US Open, em 2002
4 – Juan Carlos Ferrero, na semi de Roland Garros, em 2001
3 – Pete Sampras, na semi da Masters Cup, em 2000
4 – Magnus Norman, fase inicial da Masters Cup, em 2000
5 – Yevgeny Kafelnikov, na fase inicial da Masters Cup, em 2000
3 – Magnus Norman, na final de Roland Garros, em 2000
4 – Yevgeny Kafelnikov,  nas quartas de Roland Garros, em 2000
4 – Magnus Norman, nas quartas de Hamburgo, em 2000
1 – Andre Agassi, na semi de Miami, em 2000
4 – Patrick Rafter,  na final de Roma, em 1999
1 – Yevgeny Kafenlnikov, nas oitavas de Roma, em 1999
2 – Carlos Moyá, na 1ª rodada da Copa Davis, em 1999
2 – Yevgeny Kafelnikov, na 2ª rodada de Indian Wells, em 1999
5 – Carlos Moyá, na final de Mallorca, em 1998
2 – Marcelo Ríos, na 1ª rodada de Long Island, em 1998
4 – Carlos Moyá, na semi de Stuttgart, em 1998
2 – Michael Chang, na semi do Masters do Canadá, em 1997
3 – Yevgeny Kafelnikov, nas quartas de Roland Garros, em 1997
5 – Thomas Muster, na 3ª rodada de Roland Garros, em 1997

Fernando Meligeni (3)
3 – Patrick Rafter, na 3ª rodada de Roland Garros, em 1999
2 – Pete Sampras, na 2ª rodada de Roma, em 1999
2 – Michael Chang, na 1ª rodada de Atlanta, em 1997

Thomaz Koch (2)
5 – Bjorn Borg, nas quartas da Basileia, em 1975
5 – Tom Okker, nas quartas de Tehran, em 1974

Thomaz Bellucci (2)
4 – Andy Murray, nas oitavas de Madri, em 2011
5 – Kei Nihsikori, na 2ª rodada do Rio, em 2017

Beatriz Haddad Maia (2)
4 – Sloane Stephens, nas oitavas de Acapulco, em 2019
3 – Karolina Pliskova, na 3ª rodada de Indian Wells, em 2021

Marcos Hocevar (1)
4 – Vitas Gerulaitis, nas quartas de Quito, em 1980

Carlos Kirmayr (1)
1 – John McEnroe, na 1ª rodada de Forest Hills, em 1981

Niege Dias (1)
5 – Claudia Kohde, na 1ª rodada da Fed Cup, em 1986

Andrea Vieira (1)
5 – Helena Sukova, na 2ª rodada de Hamburgo, em 1989

Luiz Mattar (1)
5 – Andrés Gomez, na 1ª rodada do US Open, em 1990

Flávio Saretta (1)
1 – Gustavo Kuerten, na 1ª rodada do Sauípe, em 2001


Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Todor Lamberti

    Outro dia li alguém que comentou a barbaridade que a Bia era “mental de geléia”. Uma menina agora TOP 100 novamente, com um grande tênis, e aproveitando as possibilidades que a vida lhe traz (como entrar como lucky loser e baer uma tenista do naipe que venceu.

    No outro, chamaram Tiafoe e Rublev de “loosers”. O primeiro um TOP 50 consolidado, e o outro, um TOP 10 com um tênis sensacional. Ainda tive que ouvir que o Djokovic “amarelou” (?!?!?!?!) na final do USOpen.

    Onde vamos parar com comentários tão sem noção? Estamos entre o trágico e o cômico, e nas mãos de pessoas que têm “calos nos dedos” de tanto teclar bobeira aqui!

    Responder
  2. Ronildo

    Parabéns ao Dimitrov pela vitória sobre o Medvedev. É um excelente jogador que muitas vezes recebe críticas injustas.

    É bem verdade que Dimitrov jogou o número 1 do final da temporada sobre o colo de Djokovic.

    Mas é isso aí, Djokovic é o BURACO NEGRO do circuito: tudo o que acontece contribui para aumentar seus números. Nem vou citar todos os infortúnios, desgraças, fenômenos multifacetados e polidimensionais, sobrestados ou solitéricos… terremotos ultra-extrasensoriais e grandes sinais pleonásticos. Tudo que aconteceu convergiu para Djokovic bater recordes.

    Somente as cinco jóias do infinito poderiam barrar Djokovic. Mas quem iria manuseá-las?

    Contudo, voltemos para a arte: Dimitrov venceu Medvedev.

    Responder
  3. Paulo Almeida

    DjokoGOAT é muito sortudo de fato e esse número 1 parece que não quer abandoná-lo por agora, mesmo que ele faça de tudo para perdê-lo.

    Dalcim, não era pro Medvedev ter perdido os 1000 pontos de Xangai 2019, já que o sérvio perdeu os 500 de Tóquio?

    Responder
  4. Luiz Fernando

    Sempre gostei muito da Vika, q só não teve uma carreira mais vitoriosa pelos muitos problemas q enfrentou. Hj jogou muito e está na semi. Que ué vença o terceiro IW…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que o Diego tem mais rodagem na quadra dura, Luiz, mas a lentidão realmente deveria ajudar mais o Ruud. Vi algumas escolhas erradas e isso me parece indicar cansaço mental, porque o rapaz adotou um calendário pesado, não achas?

      Responder
  5. DANILO AFONSO

    Muito interessante saber que a tenista polonesa Iga Swiatek chorou após a derrota do DJOKOVIC na final do US OPEN, apesar dela ser fã do Nadal.

    “Eu torci para que Novak conseguisse fechar o Grand Slam neste ano porque achava que merecia e era aquele que poderia alcançar este feito. Chorei quando ele perdeu a final do US Open. Só que desde pequena eu sempre fui fã de Rafa”.

    https://tenisbrasil.uol.com.br/noticias/90404/Fa-de-Nadal-Swaitek-chorou-com-derrota-de-Djokovic/

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Não foi somente SWIATEK que chorou , meu caro de Rondonópolis rs . Tivemos também Novak Djokovic e Turma da Kombi e simpatizantes . Ou seja , verdadeira multidão rs . Abs!

      Responder
  6. Ronildo

    Pra mim chega a se insana esta teimosia do Murray em se destruir numa quadra de tênis no circuito profissional. É como se ele estivesse jogando um fortuna no lixo, sua saúde, um estado físico sem dor.

    Responder
    1. Marcelo Costa

      Mesmo se eu ou você, tivéssemos acesso a ficha médica do escocês, em nada serviria pois, não saberíamos o que ps jogos causam a seu físico, então eu creio que ele, seu staff, sua família saibam o que estão fazendo. Ou você prefere ser consultado sobre? Ative seu senso de humor

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Exato , meu caro. Andy mesmo muito chateado com a derrota , afirmou ao Eurosport que há muito não se sentia tão bem fisicamente. Abs!

        Responder
  7. Luiz Fernando

    Se Paul vencer o magistral Norrie agora a tarde estará apto a tentar o título do torneio. De onde tirei isso? Isso foi postado aqui pelas federetes em W2021, antes do suíço enfrentar o cara. Imagino q se valeu (talvez o Hurkacz nao tenha concordado c isso) p um deve valer p o outro kkk. Aqui é diversão garantida kkk…

    Responder
  8. Luiz Fernando

    Esse Fognini é um fanfarrão e sem noção, quer dizer q perdeu por instruções do pai do grego? Perdeu pq o adversário jogou melhor…

    Responder
  9. Rafael

    Tenho que trabalhar e já poluí demais o blog hoje nesta manhá, mas vou deixar uma última:

    Pena que o Dalcim, que é multimilionário mas não abre a carteira nem sob tortura kkkkk não vai patrocinar um grande encontro nacional dos postantes do blog e essa reunião, que seria muito mais interessante que a enfadonha Laver Cup (onde a Europa sempre ganha) nunca irá acontecer, porque acredito que:

    – seria muito divertida;
    – conheceríamos as “faces” por trás dos posts e nos surpreenderíamos, fazendo amizades que, por aqui, parecem bem improváveis;
    – poderíamos contar vários “causos” uns aos outros. Eu contaria, por exemplo, de quando parei a UTI inteira (médicos e enfermeiras) ao discutir com o médico-chefe de plantão, em uma das minhas 5 estadias por lá. TODOS se juntaram para assistir a confusão.

    Aproveito para expressar meu desejo que todos estejam bem de saúde, personificado na figura de Rubens “Braveheart” Leme. Acho, apenas por achar, que o Leme tem que gerenciar diariamente seu emocional frente a uma grande dificuldade com algum ente querido, e que esse pode ter sido um dos fatores que contribuiu para o susto que tomou. Não à toa, como William Wallace, ao invés do novo astro de filmes “B” Bruce Willis, Leme é o legítimo Die Hard.

    Fui!

    Responder
      1. Rubens Leme

        Dalcim, o jeito seria falar com o Bezos e, ao invés de mandar o Shatner pro espaço, mandaria alguns daqui no lugar e quando chegar lá no alto, abrir a porta e empurrar os participantes do blog sem para-quedas. rs

        Como tenho medo de altura e de avião, cedo minha vez com alegria.

        Obrigado pelas palavras, Rafael. Embora tenha sim alguém que eu ame muito doente, tenho estudado muito – passei no vestibular de música da federal depois de velho, coisa que não consegui quando jovem – e sofrido com o estudo de regência e composição. Não tenho ideia de como conseguirei passar.

        Esses dias tenho ouvido muita música e fiquei particularmente tocado com a Sinfonia Número 7, composta por Dmitri Shostakovich, uma homanagem à cidade de Leningrado, que resistiu ao famoso ataque nazista (Cerco a Leningrado), que durou 872 dias (de 8 de setembro de 1941 até 27 de janeiro de 1944) e matou cerca de 500 mil pessoas.

        A Sinfonia é colossal como eram colossais os compositores russos da virada do Século XIX para o XX, como ele, Stravinsky, Prokofiev, Rachmaninoff, Mussorgsky e outros.

        Aconselho a ouvir em um momento de silêncio total na sua casa, com fone de ouvido e luz apagada. O impacto será enorme.

        E obrigado pela sua preocupação. Espero também que esteja são e salvo.

        https://www.youtube.com/watch?v=GB3zR_X25UU

        Responder
  10. Rafael

    Explico aqui a “previsão” que fiz na outra pasta sobre Nadal voltar e ainda ganhar slam (1 ou 2).

    Sou filho de espanhóis, como já disse aqui antes. Tenho dupla-nacionalidade (a brasileira e a espanhola). Todos os meus tios e tias são espanhóis. Todo o círculo social de minha família é Espanhol. Conheço um bocado sobre a cultura da Espanha (para o lado bom e o ruim). Tive a chance, no Brasil, de conhecer Nadal, seu tio, seu agente, sua entourage e trocar algumas palavras com eles no hotel. Tudo graças à adoração de uma de minhas irmãs por Nadal.

    Nadal é um extra-classe, um fora de série, um jogador espetacular. Nadal tem essas qualidades e é espanhol. Espanhois são guerreiros e dão o sangue em nome do que acreditam. Há lendas e mais lendas sobre figuras históricas espanholas. Espanhóis não PARAM de lutar. Às vezes, nem mortos (El Cid).

    Daí minha crença que, estando de 70 a 80% em condições, o guerreiro ainda ganha slam.

    Responder
  11. Sérgio Ribeiro

    E realmente Bia continuaria como grande Zebra e não deu outra . Mas a vitória histórica deve impulsiona-la em torneios menores . E pra quem resolveu conferir Murray x Zverev , não deve ter se arrependido. Cravamos que o Britânico estava mais agressivo e Zverev não deixou barato. Jogaço com direito a um final espetacular. O Alemão não escolhe piso pra disparar Winners assim como MEDVEDEV. Ambos já passaram de 40 Vitórias na Temporada ( o Russo 50 ) , e dificilmente um deles não leva Indy 2021 , a meu ver. Abs!

    Responder
  12. Alexandre

    Salve Dalcin,

    Acabei de ver o jogo da Bia e a despeito do placar dilatado a favor da Kontaveit, continuo achando que a Bia tem muitas qualidades. O seu artigo ontem, após a vitoria dela sobre a PLiskova foi muito legal, especialmente porque menciona que a Bia ja jogou melhor. Eu ate vi a opção de saque aberto no backhand do adversaria, arma natural de todo canhoto e tambem que ela ate foi algumas vezes a rede e com algum sucesso.
    Agora, parece que falta sim aquele “edge” de confiança e segurança de que voce pode fazer mais, que sem querer fazer nenhuma comparação, a Luisa Stefani tem.
    Fico com a ideia de que ela poderia se beneficiar muito se fosse treinar fora do Brasil em definitivo, como a própria Luisa fez.
    Posso pedir a sua opinião a respeito de que poderia ser feito para a Bia melhorar o seu tênis e como voce avalia o futuro da carreira dela?

    Um grande abraço,

    Alexandre

    Muuit obrigado e um grande abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que a Bia tem condições de voltar a ficar perto do top 50, desde é claro que melhore em alguns aspectos essenciais e o segundo saque me parece no momento o mais importante deles. Desde seu retorno, ela já subiu na consistência dos golpes de base e o backhand voltou a ficar mais agressivo. Falta obviamente movimentação, mas ela sempre foi pesada e teve essa dificuldade. Lembro que a Bia sempre falou que seu espelho é a Petra Kvitova e, embora obviamente eu não acredite que a Bia chegue no mesmo nível da tcheca, o padrão técnico-tático pode ser esse mesmo. Ainda com 25 anos, dá para a brasileira continuar a evolução dos golpes e principalmente da confiança. Abs!

      Responder
      1. José Eustáquio Masculino Cruz

        Bom dia,caro Dalcim,o que na minha opinião falta a Bia é consistência ela 25 anos tem aspectos que não vai conseguir pq não é a dela ,agora consistência melhoroumas no nivel dela na minha opinião Ganhou da boneca de Olinda empurrando bola e sacando melhor ontem foi um desastre.Mas vamos ficar na torcida top 70 está de bom tamanho para ela.

        Responder
      2. Pieter

        Ela também já declarou que tem como sonho , um dia, ganhar um Grand Slam. Ontem contra a Kontaveit pudemos ver, in loco, como está ( muito) distante a realização desse sonho. Mas o importante é seguir lutando e não desistir.

        Responder
  13. Luiz Fernando

    Bia levou pneu no set1. Sinceramente não achei q jogou tão mal quanto o placar sugere, mas a adversária acertou tudo, em especial o FH na paralela. Difícil uma mudança radical de cenário no set2…

    Responder
  14. Luiz Fernando

    Leylah joga muito, tem ótimos golpes, excelente preparo e jg de pernas, mas falta potência nos seus golpes. Não tenho dúvida que estamos diante de uma futura campeã, mas a curto prazo as adversárias de bom nível e mais encorpadas terão alguma vantagem sobre ela…

    Responder
    1. Maurício Luís *

      Olha, Todor, até sei, mas acho melhor não citá-lo porque pra mim não é questão de noção. Trata-se do famoso IMEDIATISMO, bem comum em torcedor de qualquer esporte. Tipo assim:: ganhou, é gênio. Perdeu em seguida, o gênio vira lixo da noite pro dia.

      Responder
  15. Luiz Fernando

    Que notícia maravilhosa o retorno do Rafa as quadras, tomara q o tratamento realizado propicie a ele um encerramento digno de carreira, proporcional a sua grandeza no esporte. Claro q alguns aqui prefeririam q operasse e não andasse mais, mas creio q a maioria absoluta vai se regozijar com a notícia. Vamosssss!!!

    Responder
  16. Luiz Fernando

    Conforme postado ontem ou anteontem pelo Rubens, Tiafoe é outro jogador parado no tempo, sem evolução. Claro q Hurcacz é um jogador diferenciado, mas o americano perde para diferenciados e não diferenciados. Se um dia jogar c Rublev num Slam ou M1000 será interessante, um jg perdedores natos nos grandes eventos…
    PS: se já jogaram deve ter sido um marco na história do esporte!!!

    Responder
  17. Luiz Fernando

    Fritz e o italiano estão se revezando nos erros, incrível a instabilidade de ambos. O americano vencia por 51, sacou e o placar do set foi a 54. Quando o italiano sacou p empatar foi quebrado de zero…

    Responder
  18. rafael

    Bela vitória da Bia! Que lhe traga motivação para seguir numa crescente! Ela merece!
    Mestre, vendo os números acima podemos ter uma noção do tanto que o Guga foi gigante, não?!

    Responder
  19. F.R.

    A mensagem é:
    Não quer tomar vacina, não viaja, não joga basquete, tênis, não vai para a Olimpíada, não sai de casa, e não enche o saco.

    Tenham todos um bom dia!

    Responder
      1. Maurício Luís *

        Não vejo nisso autoritarismo algum. É questão de segurança e sobrevivência. Que obrigação tem o dono do estabelecimento de permitir que não vacinados, possíveis portadores do vírus, fiquem “zanzando” pra lá e pra cá lá dentro, podendo infectar inclusive seus funcionários? E o não vacinado que contaminou os outros, vai pagar o salário do funcionário afastado e as despesas com internação e medicamentos? Ou vai tirar o corpo fora alegando ” não fui eu…”?🤔👀

        Responder
  20. Valmir da Silva Batista

    Claro que Bia está de parabéns por ter vencido a terceira colocada do ranking Karolina Pliskova, mas o festival de quebras uma no serviço da outra, mostra o quê de aspecto irreal na vitória de Haddad. Creio que seu grande teste pra valer, será contra a atual vigésima do ranking, Anett Kontaveit, em que esta é amplamente favorita. Mas torço para que Bia supere este favoritismo…

    Responder
  21. Sandro

    Parabéns à “Beatriz Haddad Maia”!!!
    O forte vento estava atrapalhando o jogo das 2, mas Bia teve o mérito de se adaptar mais rápida às conduções adversas e de ser resiliente frente ao desafio de jogar contra Pliskova e contra o vento também!

    Responder
  22. Roberval Lofeu Junior

    Este IW pode ser para a Bia, o que foi Madrid 2011 para o Bellucci. Vamos Bia!! Tem jogo e se manter a cabeça firme e a tática, chance de ir longe. O que acha Dalcim?

    Responder
  23. AKC

    Parabéns a Bia, sempre achei que ela tinha jogo para muito mais, quem sabe ela se firma em um bom ranking e consegue outros resultados como esse. Ontem temi pelo segundo saque dela no fim do jogo, mas por sorte a Pliskova não teve cabeça para aproveitar. Tomara que a Bia avance mais!

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Comentário típico de quem pouco conhece do Esporte. Rublev pode nunca vencer na lentidão de I. Wells , já que seu jogo é baseado na pancadaria. Mas o comentarista live score não aprende nunca . O Russo já fez grandes partidas em MASTER 1000 batendo Nadal em Mônaco e Federer em Cincy. É óbvio que quando vencer o primeiro, o diversão garantida vai se fingir de morto outra vez kkkkkkk. Abs!

      Responder
      1. Luiz Fernando

        Vc ainda não postou nada q preste, está atrás de mim kkk, q consegui essa proeza antes. Quando vc discorda mim eu me tranquilizo, devo estar certo…

        Responder
        1. Paulo F.

          Exato, nobre Luiz Fernando!
          Na pasta passada, ele concordou com a suspensão da transmissão da ESPN apenas para discordar da minha opinião, alegando que tênis não dá audiência aos domingos mesmo.
          Aliás, continuo achando um absurdo o que fez essa porcaria de transmissora esportiva fez.
          Um abraço ao confrade, que Rafa x Nole continuem com mais uns episódios da maior e melhor rivalidade da história do tênis!

          Responder
          1. Sérgio Ribeiro

            Errado : P. F. Não concordei coisíssima nenhuma . Leia outra vez o que escrevi que está muito claro. Sou assinante da ESPN e SporTV desde a inauguração de ambas . E me irrito muito mais quando agora mandam ir para a Plataforma no meio do jogo . Na boa , tu e seus compadres são apreenderam nem a ler e o nosso amigo de Rondonópolis diz que eu e’ que pego no pé. Agora , Domingos Venâncio que teve uma partida em que estava trabalhando cortada para a Série B do Brasileirão, disse que nada se pode fazer devido a baixa audiência do Tênis no BRASIL e vontade dos anunciantes. Abs!

          2. F.R.

            Sérgio, mas fazendo o que fizeram (cortar a transmissão ou não passar determinado jogo bom) obriga a irmos para o streaming, e usem irrita muito. Então vc é o Paulo f. concordam.

      2. DANILO AFONSO

        SÉRGIO, essa sua implicância com o Luiz já beirou o ridículo. É corriqueira e muita vezes deselegante e ofensivo. Não sei como o Dalcim deixa passar. E isso ocorre há anos. Se tal comportamente saísse de um adolescente já seria vergonhoso, partindo de um senhor com mais de meia dúzias décadas de idade é muito mais absurdo.
        Eu e outros participantes já fomos “vítimas” das suas intervenções hostis e desnecessárias, mas com o colega Luiz é repetitivo e chato demais ( pra caralho). Acredito que outros também se incomodam. É óbvio que eu e outros aqui as vezes aleatoriamente fazemos comentários nas postagens de outros participantes, mas você extrapola demasiadamente o bom senso. Vamos respeitar a opinião alheia. Você não comenta, você tenta a todo custo rechaçar e ridicularizar o comentário dos demais, e pior que não raras vezes interpretando equivocadamente ( distorcendo) a postagem alheia.

        Outro dia já te falei que acho interessante quando você comenta isoladamente sobre o tema da pasta, isto é, sem comentar toda hora o comentário de outro participante. Entretanto, de cada 15 postagens que você manda, cerca de 14 são para “atacar” os demais membros.
        Além do Rafael, acredito que outros julgam que você entende de tênis por acompanhar o circuito há anos. Busque explorar isso nobre. Talvez por atacar tanto os participantes, alguns não conseguem enxergar esse teu potencial.

        Saudações Tenísticas!!!

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Na boa , parceiro. Eu nunca me meti nos seus ” brilhantes ” comentários naquela turma de aloprados do face TênisBrasil. Portanto fique na sua que não existe nada a não ser opiniões contrárias há muitos anos . Como o cara baba ovo de vocês da Kombi , ficam numa posição muito longe de isenção. E de uma vez por todas , estamos num fórum de debates. E não será tu que vais ensinar ao Dalcim o que deve ou não passar na moderação. Agora destes um tempo nas chatas estatísticas , se voltares é óbvio que não passarás em branco rs . Abs!

          Responder
          1. DANILO AFONSO

            Sérgio, claro que você também comenta meus comentários no portal TênisBrasil. Já fez isso umas 4 vezes, o que está dentro da normalidade. Afinal de contas lá também é um “fórum”. O que é anormal e meio doentio é o sua conduta aqui neste blog. Ou você sinceramente acha que os participantes aqui acham seu comportamento é correto e agradável ??

            Infelizmente, como a vontade de comentar que é mais forte que você, provavelmente continuará destilando veneno gratuitamente neste seleto blog.

            Até mais nobre !!!

        2. Sérgio Ribeiro

          Chamar aquilo que ocorre com aqueles Fakes do face de “ debate “ somente denuncia a sua reputação. E sem essa de veneno, caríssimo de Rondonópolis. Aquela sua defesa do voto Impresso e’ digna de entrar pros anais do Blog onde de fato mostrastes a tua cara e de seus “ seguidores “ . Até “ Meu Nobre “ rs . Abs!

          Responder
  24. PIETER

    Maravilhosa, consagradora, inesquecível essa vitória da Bia em Indian Wells, derrotando nada menos que a atual vice-campeã de Wimbledon e a número 3 do mundo!
    Confesso que, antes do jogo, pensei ser praticamente impossível que a brasileira pudesse vencer, ainda mais levando-se em conta o placar do jogo anterior entre elas, inapeláveis 6/1 e 6/1.
    Cheguei a temer por uma derrota constrangedora, algo com uma dramática bicicleta. Mas aí tivemos um vento implacável na quadra, com suas perturbadoras rajadas, e um piso irritantemente lento que foram decisivos, penso eu, para propiciar o maior feito na carreira de Bia.
    Não obstante as suas ainda evidentes limitações vistas em quadra, principalmente um segundo serviço frágil, movimentação deficiente e um jogo de rede que deixa a desejar, não faltou aplicação tática, um controle emocional absurdo e muita consistência para aguentar a pancadaria da tcheca.
    Parabéns Bia, você nos deixou muito orgulhosos! E chamou-me muita atenção a total ausência de histeria e excesso de empolgação na comemoração, tão comum entre tenistas latinos, notadamente entre os brasileiros.
    Como se não tivesse sido nenhum feito para ela e o resultado nem a tivesse surpreendido assim. Afinal só fez o seu trabalho e, como já registrou o brilhante Dalcim no post, conquistas maiores talvez ainda estejam por vir. Ave, Beatriz!

    Responder
  25. André Borges

    Putz, mas que jogo horroroso hein? Durante todo o tempo que assisti a única coisa que a Bia fez foi empurrar a bola pro outro lado e esperar a Pliskova errar e ela não decepcionou, errou tudo que conseguiu. Trocentas duplas faltas da Pliskova, oito milhões de quebras de saque e que eu tenha visto a Bia fez 1 winner. Tudo bem que a Bia não tem nada com isso, usou a tática adequada e saiu com a vitória, mas escorreu sangue dos meus olhos.

    Responder
  26. Rodrigo S. Cruz

    Que vitória expressiva da Bia sobre a Pliskova.

    Eu sempre acreditei no tênis dessa brasileira. Ela joga muito!

    Torço pra que continue evoluindo física e mentalmente…

    Responder
  27. Rafael Azevedo

    Que felicidade em ler esse post. Hoje, eu torci demais. Vibrei, gritei.
    Parabéns a Bia. Ele merecia uma vitória desse naipe, nesse ano. O tanto que ela se esforçou…disputou mil torneios de todos os tipos, pisos e lugares do mundo, para voltar ao lugar que o seu nível de tênis merece.
    Alguém aqui comparou o seu mental ao do Monteiro, pela derrota na última fase do quali. Se fosse o Monteiro, hoje, teria perdido o rumo naquela quebra sofrida no 3×1 do segundo set, e tomado a virada.

    Responder
  28. Sérgio Ribeiro

    Pra quem veio de doping faz tão pouco tempo , uma vitória de lavar a alma . Acho que Bia não comemorou tanto em razão das condições terríveis da partida . Pliskova mesmo com a lentidão de I.Wells , não cederia tantos serviços sem aquele vento pra lá de exagerado. A Brasileira sabe que continua uma Zebra imensa para o próximo confronto. Mas depois de tudo que passou pode comemorar a grande façanha a vontade. E a direção da emissora mandar cortar no meio do jogo , é de um absurdo sem tamanho. Ainda mais sabendo da possibilidade de um feito histórico. Abs!

    Responder
    1. Rafael

      Caro Danilo,

      Entendo seu ponto de vista, mas achei um exagero sua postagem contra o Sérgio Ribeiro. Eis aqui, acima do meu, um comentário dele onde ele não se refere a ninguém, apenas comenta o que viu. E eu, pessoalmente, vejo o Sérgio muito mais como um brincalhão sem qualquer intenção real de agredir (só para constar, em uma de nossas primeiras trocas de posts, também discutimos). Aí – acho – que entendi o Sérgio, e daí pra frente só admirei o quanto ele sabe de tênis. Desde o começo, foi o mais incansável defensor da Next Gen enquanto imediatistas como eu apelidavam Zverev de Danoninho (sim, fui eu, apesar de vários terem assumido a autoria em uma determinada pasta, fui eu o primeiro a dizer que ele comia danoninho que vale por um bifinho escondido atrás da cortina para não ter que dividir com ninguém). Enquanto eu e outros zoávamos e duvidávamos, o ponderado Sérgio sempre disse que era melhor esperar e dar tempo a eles. Quanto ao contexto histórico, seu conhecimento é inegável e evidente, e para mim nada tem a ver com a idade que ele tem (que não sei qual é).

      Quando o Sérgio pega no pé do Luiz, vejo como provocação de dois colegas no trabalho, quando no dia anterior o time de um deles perdeu, ou seja, totalmente normal. E o Luiz sai com umas muito boas tbém (Aquele rapaz que prima pela humildade kkkkk, essa não aguento, rio toda vez).

      Ou seja, no meu modo de ver, segue o barco, os “debates” entre os dois são muito divertidos.

      Grande abraço Nolista a todos! PS: Bia voltou à normalidade. Anormal foi ela ganhar da Pliskova.

      Responder
  29. Fabio Riella Fernandes

    Dalcim, foi mais uma questão técnica ou climática esse resultado da Bia? Pois sem jogar um grande tênis bateu a Pliskova, que muitas vezes parece que falta o algo mais a ela, que embora já tenha sido número 1 nunca vendeu Slam.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Foi circunstancial, a meu ver, Fábio. O fato evidente foi que a Bia se adaptou mais rapidamente ao vento e a Pliskova jamais se sentiu á vontade.

      Responder
  30. JONY MARCIO SANTOS

    Dalcim, vc também acredita, como eu, que a Bia tem chances muito boas nos WTA 125 que teremos na Argentina e Uruguai no final do ano? Acho que as condições serão muito favoráveis. E eu tenho um questionamento aqui do site: vc sabe por que a gente não tá podendo mais fazer comentários abaixo das matérias? Existe perspectiva de que esse recurso possa voltar?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Claro, Bia gosta muito de jogar no saibro, apesar de ela já ter feito um calendário muito extenso em 2021. Sim, o pessoal está tentando resolver o problema. Abs!

      Responder
      1. PIETER

        Em minha modesta opinião, arrisco dizer que Bia deveria se poupar mais e disputar apenas esses dois WTA 125 e encerrar a sua temporada, que foi simplesmente brilhante.
        Descansar, cuidar do físico e da saúde, curtir a família e os amigos para, logo em seguida, iniciar a pré-temporada já visando os torneios australianos e o AusOpen em que já deve entrar direto sem precisar de qualifying. 2022 promete para ela. 🙏🏻🙏🏻🙏🏻

        Responder
  31. Daniel Barth Vizzotto

    Oi Mestre, boa noite.
    A ESPN está transmitindo Indian Wells?
    Tenho 4 canais (ESPN Extra, Brasil, HD e 2) mas não encontro Tenis. Estou equivocado?
    Desculpe perguntar aqui mas não tenho conseguido comentar/dialogar nos textos do site.
    Agradeço se puder auxíliar.
    Daniel

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, mostraram até aqui todas as rodadas, desde a quarta-feira. Claro que muitas vezes eles cortam o tênis e trocam por outro programa, mas a rigor o canal principal (71) é o que mais mostra. Hoje cometeram o desatino de tirar o jogo da Bia e entra com NFL, algo incompreensível para quem 4 canais.

      Responder
  32. Eduardo

    Bela vitoria.
    Infelizmente, e espero estar errado nisso, não vejo muitas probabilidades de uma sequência de vitórias. Segundo saque muito lento. O efeito kick até entra, mas o adversário tem umas três horas para ou entrar na quadra e pegar na subida ou recuar um pouco e devolver profundo onde quiser. A pliskova q estava estatica e ficou batendo da altura do ombro todo segundo saque, o que pode ser bom, mas sempre aumenta a margem de erro. Alem disso a movimentação eh muito deficitária.
    Por outro lado gostei da recepção. Cortou bastante entrando bastante no saque.
    Torcer.

    Responder
  33. Luiz Fernando

    Os primeiros games da partida foram um festival de erros crassos, com alguma influência do vento, a bem da verdade. Posteriormente a Bia subiu muito de nível, jogando com inteligência e regularidade. Grande vitória, parabéns a ela. Agora erro crasso mesmo foi da emissora, q interrompeu a transmissão p passar p um canal pago, simplesmente bisonho e lamentável…

    Responder