Djoko a três sets de Laver
Por José Nilton Dalcim
11 de setembro de 2021 às 00:39

Sob o olhar de Rod Laver e num jogo disputado ponto a ponto, Novak Djokovic conseguiu de novo. Virou seu quarto jogo seguido após perder o primeiro set, vingou-se de Alexander Zverev em grande estilo e agora está a uma única vitória de marcar o maior feito do tênis profissional: a conquista do quarto Grand Slam consecutivo na mesma temporada.

Apenas Daniil Medvedev pode impedir a história. Mas enquanto o russo chega a sua terceira final ainda em busca do primeiro troféu, Djokovic iguala mais um recorde de Roger Federer e estará na 31ª. Se chegar ao tetra do US Open, terá também 21 troféus de Slam e desempatará a disputa contra Federer e Rafael Nadal.

A decisão entre os dois líderes do ranking é o fecho perfeito de um torneio espetacular. O quinto set entre Nole e Zverev foi o 34º desta edição, a segunda maior marca da história, e nada menos que outros 15 duraram mais de quatro horas, algo que não acontecia há 30 anos.

E foram cinco sets tensos e intensos. Zverev encarou o número 1 de igual para igual, aguentando pontos longos. Fez um grande primeiro set, viu Djoko melhorar muito com o saque no seguinte e com as devoluções no terceiro. Obteve uma quebra precoce no quarto e segurou a cabeça diante de todas as tentativas de Nole.

Por fim sucumbiu à superioridade do adversário, como se o sérvio houvesse guardado sua melhor energia para a reta final. Claro que o alemão cometeu erros absurdos no quinto set, mas é preciso considerar a pressão de ter de colocar bolas na linha depois de três horas de tamanha correria. Os números estatísticos foram bem semelhantes, mas um deles merece citação especial: Djokovic foi 43 vezes à rede e ganhou 35 lances, o que dá 81% de aproveitamento.

Sascha continua sem ganhar de um top 10 em Slam, mas está certamente jogando o melhor tênis de sua vida. Nole o fez pela 61ª vez num Slam e pela 225º no total – agora novo recorde – e deu um show na entrevista em quadra, ao defender Stefanos Tsitsipas, frisar a forte amizade com Zverev e dizer que na sua cabeça o foco é “apenas” o tetra em Nova York. Enfatizando: “Tratarei este jogo como se fosse o último de minha carreira”.

Medvedev vai tentar de novo
Mesmo reconhecendo não ter jogado seu melhor tênis, Medvedev fez o bastante para superar a instabilidade emocional de Felix Auger-Aliassime. O canadense vendeu caro o primeiro set e aí sacou com 5/3 para empatar a partida, perdendo dois set-points. O jogo acabou nesse momento. Ele se perdeu completamente e o russo foi absoluto. Enquanto Felix via a volta do fantasma das duplas faltas – cometeu 10 -, o número 2 anotava 12 aces.

Medvedev se torna apenas o segundo tenista fora do Big 4 a fazer duas finais de Slam na mesma temporada desde 2004, repetindo Dominic Thiem. No total, é sua terceira tentativa de ganhar o título tão esperado. Em toda a Era Aberta, jamais um tenista perdeu três finais sem conquistar em algum momento seu Slam. Então o russo pode ao menos ter muita esperança, caso Djoko repita os 3 a 0 da final do Australian Open de fevereiro.

Fato curioso, Medvedev chega à final com 11h51 em quadra, menos do que Leylah Fernandez (12h19) e quase o mesmo de Emma Raducanu (11h34). E olha que ele ainda perdeu um set.

Soares: digno vice
Faltou um set para o tricampeonato de Bruno Soares no US Open. Ele e Jamie Murray buscavam repetir a conquista de cinco anos atrás e foram bem superiores ao local Rajeev Ram e ao britânico Joe Salisbury na série inicial. Só que aí os adversários subiram de nível, tanto na devolução como no saque, enquanto a dupla do brasileiro passou a cometer pequenos erros que se mostrariam fatais.

Embora Ram tivesse sido perfeito nos serviços nos dois sets seguintes, Salisbury estava no seu dia. Fez jogadas incríveis, mostrou-se eficiente na rede e nos contragolpes. Não por acaso está na final de mistas também. Ele e Ram mereceram o segundo troféu de Slam e se firmam como vice-líderes da temporada.

Bruno sabe que sua campanha foi além do esperado depois da parada forçada pela cirurgia do apêndice, por isso merece todos os elogios. Ele e Murray sobem para o oitavo lugar na Corrida e estão com grande chance de chegar ao Finals de Turim.

A incrível falta de sorte de Stefani
Lesões fazem parte do esporte e o tênis, um esporte que mexe com dezenas de músculos e articulações ao mesmo tempo e em diferentes dimensões, está sempre fadado a prejudicar alguém. A cena de Luísa Stefani pisando em falso ao tentar trocar de direção, o que a levou a torção de tornozelo e ao rompimento do ligamento do joelho, foi terrível e preocupante.

Ela e Gabriela Dabrowski haviam acabado de se safar de set-points e iniciavam um tiebreak que prometia ser equilibrado. Aguentavam com firmes voleios as bolas pesadas de Coco Gauff e Caty McNally, que não têm a mesma intimidade com o jogo de rede. Uma pena em todos os sentidos, porque a partida estava divertida. A contusão da brasileira calou o estádio e deixou as adversárias perplexas.

Infelizmente, a expectativa é de retorno em apenas seis meses, o que a impedirá de lutar por vaga no WTA Finals, que estava tão perto.

E mais
– Com a derrota de Aliassime, Casper Ruud garantiu seu inédito lugar no top 10 na lista de segunda-feira. Outros recordes pessoais para Felix (11º), Sinner (14º), Garin (17º), Opelka (19º) e Alcaraz (38º).
– Há exatos cinco anos, Medvedev ganhava seu único título de challenger no piso duro de St. Remy.
– Leylah Fernandez e Emma Raducanu decidem o US Open no dia do 20º aniversário da queda das Torres Gêmeas, mas nenhum delas havia sequer nascido naquele triste dia.
– A vencedora da final marcada para as 17 horas se juntará à série de inesperadas campeãs de Slam que vem desde 2017 e inclui Jelena Ostapenko, Sloane Stephens, Naomi Osaka, Bianca Andreescu, Sofia Kenin, Iga Swiatek e Barbora Krejcikova.
– As duas nunca se enfrentaram, mas a canhota Fernandez tem um título de WTA, mais Slam disputados e melhor ranking, o que lhe confere certo favoritismo. O prêmio é o mesmo dos homens: US$ 2,5 milhões.


Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. sander

    Dalcin, quando Nole diz que seus adversários estão “sem gás” ou “cansados” e que ele se aproveita disso, não os está incentivando a treinar mais o preparo físico, dando munição para eles? Ou, nesse nível de tenis, Nole nem se importa com isso ?
    Obrigado.
    ótima cobertura, a propósito…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, não acho, Sander. É mais do que sabido para todos que o preparo físico hoje é essencial. Quem não trabalha sério nisso, terá pouca chance seja contra Djokovic ou qualquer outro top 10.

      Responder
  2. Rafael

    Deu um show na entrevista em quadra ao defender Stefanos Tsitsipas???
    Afinal, deu um show do quê? Seria um show de insensatez ao defender uma atitude claramente antidesportiva apesar de legal?
    É, Djokovic definitivamente não está só em sua visão torta de mundo. Mas que bom que nesse mundo ainda podemos contar como gente como Federer e Nadal – esses sim com bom senso e caráter.

    Responder
  3. Alison Cordeiro

    Grande jogo. Zverev segue evoluindo e me parece muito próximo de chegar ao seu Slam. Vencer Djoko em condições normais de temperatura e pressão é uma tarefa hercúlea para qualquer tenista. A quantidade de recursos do sérvio é incrível e sua capacidade de buscar soluções o tornam um adversário indigesto.

    Será uma grande final e espero que Nole triunfe. Mas imagino que vai ser outra batalha dura como foi na semi.

    Ansioso por esse jogão.

    Responder
  4. Maurício Luís *

    Boa noite, Dalcim. A Luisa Stefani vai ter direito a ranking protegido quando voltar?
    … E que coisa a Raducanu! Faltam adjetivos pra essa campanha dela! Da onde saiu essa E.T?! O único caso parecido que eu me lembro foi o Mark Edmonson no Aberto da Austrália, mas me parece que ele já entrou direto como convidado…

    Responder
  5. Teka Moraes

    Pelas pedreiras que encontrou pelo caminho, penso que Leylah merecia o título, mas o tênis vive de contradições, por isso, não devemos analisar ou se contentar apenas com “UMA” partida de final de “UM” GS, mas o que se sucederá a partir delas, ao longo dos tempos. Que não fiquem empacadas como outras tantas por aí. Tomara que briguem – e bem! – para alcançarem o topo e superarem as lendas. Tenis é isso: meta.

    Responder
  6. Marcilio Aguiar

    Como foi bom ver duas jovens mal saídas do juvenil jogarem uma final de Slam com coragem e alto nível técnico. Espero que tenham vindo para ficar.
    Ambas foram ótimas também nas entrevistas, pincipalmente a garota canadense.

    Responder
  7. Thierry

    A um tempo atrás questionei aqui se seria esse o maior US Open de todos os tempos, e olha… Me digam aí, se Diokovic fechar o Grand Slam domingo, será esse o maior US Open?

    Primeiro Slam da Raducanu (Vai ganhar mais vários)
    Única vez que uma Quali venceu um Slam (Que chegou a final também)

    Pode ter ainda:
    Grand Slam após mais de 50 anos
    21° Slam do Diokovic, superando Nadal e Federer

    E mesmo que Djokovic perca, será uma vitória pra história do Medvedev…

    Eu pelo menos nunca vi um Slam tão badalado quanto esse, mais que Australian Open de 2005 que Hewitt estava mto bem e perdeu a final, Roland Garros 2015 que era a grande chance do Djokovic fazer o Grand Slam vencendo o Nadal que estava em péssima forma (Tanto que venceu os outros Slams depois) e até o super aguardado Wimbledon 2008 quando o Federer tinha a chance de vencer pela 6a vez seguida… A mídia e torcedores já tinham como certeza, mas aquele torneio ficou marcado pela vitória épica do Nadal… Diokovic que se cuide com o Oba-Oba

    Pra mim, já é o maior Slam do século 21!

    Responder
  8. Ronildo

    Nunca vi nada parecido a esta campanha da Raducanu no US Open. Agora só precisa administrar a carreira com a mesma inteligência que joga tênis. Tem tudo para, ao final da carreira, figurar entre as maiores de todos os tempos.

    Responder
    1. Marcelo F

      Torci pra Raducanu, gostei muito dela ter vencido. Mas a Fernandez mereceria também, caso tivesse vencido. Realmente nunca vi nada parecido (furar o quali e ser campeã de GS), mas vamos devagar, não? Como pode alguém afirmar que “tem tudo” para ser uma das maiores de todos os tempos? Baseado em quê? É a chamada ansiedade e vontade de dizer, daqui a uns anos, que “já previa, quando vi pela primeira vez, que seria tudo isso”. Bem menos… Parabéns à Raducanu. Terá minha torcida daqui pra frente.

      Responder
    1. Weslei

      Já achei aqui:

      1__SWE__Borg______8__7____1974____Roland Garros
      1__GER__Becker_____8__7____1985____Wimbledon
      1__BRA__Kuerten____8__7____1997____Roland Garros
      4__AUS__Newcombe__7__6____1975____Australian Open
      5__ROU__Nastase_____7__7____1972____US Open
      5__USA__Connors____7__7____1974____Wimbledon
      5__SWE__Edberg_____7____7____1988____Wimbledon
      5__USA__Chang______7____7____1989____Roland Garros
      5__SWE__Edberg____7____7____1992____US Open
      5__USA__Agassi_____7____7____1999____Roland Garros
      5__CRO__Ivanisevic_7____7____2001____Wimbledon
      5__SWE__Johansson_7____7____2002____Australian Open
      5__ARG__Gaudio____7____7____2004____Roland Garros
      5__SUI__Federer ___7____7____2017____Australian Open

      O djoko está com 6 sets perdidos até o momento, até nisso ele vai bater o recorde será?

      Responder
  9. Winner 1984

    Na final de amanhã, desejo um jogaço tal qual ocorreu nessa semifinal, em 5 sets se possível.
    Sou federista assumido, mas não ficarei descontente caso o sérvio conquiste mais um Slam, mesmo que apareçam aquelas mensagens mais ofensivas à torcida suíça. Acho que não importa. Na verdade, esse sujeito fez por onde. Muita dedicação física, cuidado específico na alimentação, uso de novas tecnologias de recuperação, troca de raquete, desenvolvimento e aprimoramento técnico. Talvez o grande mérito do sérvio foi ter a humildade de procurar todas as “ferramentas” que lhe estavam disponíveis para um gap em seu jogo, o que me parece não ter sido o mesmo caminho de outros tenistas de elite. Alguns nobres colegas já comentaram esse contexto aqui e compartilho do mesmo pensamento. Enfim, antes do fator tenista existe o lado atleta composto por uma conjuntura de detalhes que fazem toda a diferença, sendo o sérvio o principal expoente disso. Ainda que se questione uma ou outra postura sua entendo que o que vale no final das contas é o tênis, o seu resultado. E as conquistas do sérvio revelam o status da sua grandeza.
    Abraço a todos!

    Responder
  10. Paulo F.

    Agora os Grand Slams viraram torneios “sem sal”.
    O que acham de uma pérola dessas, amantes do tênis?
    Haja ginástica argumentativa para depreciar o sérvio hein?

    Responder
  11. Vitor Hugo

    Tanto Amarelev quanto Berretinni disseram a mesma coisa: ” Perdi para o melhor da história “..
    É muito mais fácil exaltar o adversário até um limite longe da realidade do q admitir a própria limitação e incompetência. É a justificativa para o fracasso, pois, até meu papagaio sabe que, Federer é o melhor da história e Novak é o melhor tenista de Marte…

    A desculpa já está na ponta da língua, mesmo sendo uma mentira.

    Responder
    1. Alessandro Siqueira

      Sua coerência parece uma biruta de aeroporto do interior em dia de furacão, cada hora para um lado. Disse incontáveis vezes nos últimos dias que Zverev iria espancar, que ele teria o melhor back etc e tal. Agora teve de mudar a argumentação. E sobre seu papagaio gritar Federer, natural, afinal ele convive com você e irá repetir o que você disser, a despeito de qualquer dado da realidade.

      Responder
    2. Claudio Bernardo

      Kkkkkkk

      Esse Vitor Hugo deve ter pesadelos com o Djoko.

      Só pode. Kkkkkk

      Mas eu compreendo, numa boa.

      Deve ser foda mesmo torcer contra Nole.

      Fique bem nobre colega.

      Idemo.

      Responder
  12. Marcilio Aguiar

    Belo Jogo. O Zverev consegui uma façanha ao tirar dois sets do Djoko e tem tudo para ser um campeão de slam na próxima temporada. Acho o sérvio vai ter um jogo bem mais fácil contra o russo, na final.

    Responder
  13. Israel

    “Ele está quebrando cada recorde que existe. Se você olhar para as estatísticas, se olhar para o puro jogo de tênis, ele é o melhor de todos os tempos. Ninguém está lá com ele, porque ele tem o maior número de semanas no mundo número 1, a maioria dos títulos do Masters 1000, provavelmente será o maior número de Grand Slam. E ele tem a chance de vencer todos os quatro no mesmo ano. Como você compete com isso?”
    Alexander Zverev, que caiu em cinco sets, 4/6, 6/2, 6/4, 4/6 e 6/2, para Djokovic.

    Responder
  14. Helena

    Que jogo! E que tensão para nós, torcedores do sérvio. Domingo vem a partida mais nervosa de todas, e espero que termine com um resultado histórico! Foi legal demais ver o Rod Laver nas arquibancadas,  muita generosidade dele ter vindo, e mais um ponto de pressão para o Nole, hehehe.

    Também achei de muita classe o discurso dele sobre os rapazes, embora sempre tenham aparecido aqueles que arrumaram razões para criticar. Depois que o grego foi super deselegante o criticando pela (curta) ida ao banheiro na final de RG, e de alguns meses após ter saído pela porta dos fundos do US Open como grande vilão do torneio justamente por idas (longas) ao banheiro, Djoko tinha a faca e o queijo na mão para dar uma espetada de volta, mas preferiu agir com classe. Chapeau!

    Aliás, nesse torneio eu esperava a torcida do US Open ainda mais contra o Djoko, mas eles me surpreenderam. Tenho a leve impressão de que talvez tenham gastado todo o ódio que tinham “hateando” o grego. Não estou dizendo que a maioria da torcida esteve ao lado de Nole (talvez contra o Sascha), mas achei que o número de simpatizantes cresceu entre uma partida e outra. De qualquer forma, ao menos souberam valorizar as boas jogadas ao longo do torneio. Sinceramente, eu esperava algo parecido com a final de 2015, mas não aconteceu. De qualquer forma, não só nos jogos do Nole, mas nas outras partidas, ainda acho grosseiro a comemoração de erros ou duplas faltas.

    Ao ver esses últimos jogos do US Open me fez perceber quão bons já são Zverev e Medvedev.  O primeiro conseguiu se manter em ralis longos, mostrou coragem para atacar e segurou a cabeça em momentos de grande tensão. Antigamente ele não teria aguentado metade disso e provavelmente teria ido para casa cedo. Outro ponto é que um Sascha que vai ao ataque é outro tipo de jogador, e ele parece ter tomado consciência disso. Me parece que a chave girou e de que agora é questão de tempo até ganhar o seu primeiro GS.

    Já o russo me dá a impressão de ter criado uma aura de fazer os adversários o temerem antes mesmo do jogo, algo que eu não enxergava na nextgen, que por melhores que sejam, não pareciam alcançar esse nível de hierarquia. Por tudo que foi visto nessa temporada, os dois parecerem ter descolado dos demais jovens e assumido o posto de melhores jogadores da sua geração.

    Notícias boas de Indian Wells: Wawrinka, Coric e Raonic na lista. Espero que realmente possam comparecer.

    Sobre as moças, minha aposta vai pra Raducanu, mas estarei feliz com qualquer uma que vença. Estou curiosa porque agora nenhuma das duas vai ser azarona, embora por tudo que foi visto, não vejo nenhuma delas com cara de que vai pecar pelo nervosismo.

    Dalcim, espero que você seja ou tenha sido professor em algum lugar. Tem sido cansativo ler tantas matérias que só visam polêmica gratuita, então é sempre uma alegria ver matérias carregadas de bom senso. Nós, fãs do tênis, só temos a agradecer.

    Responder
  15. Israel

    “Ele joga o melhor tênis quando precisa, o que muitos jogadores não fazem. É por isso que ele é o nº 1 do mundo.”
    Alexander Zverev sobre Novak Djokovic

    Responder
  16. DANILO AFONSO

    Dalcim, tu sabe me informar quais são as restrições para público acessar o US OPEN ? É necessário comprovar estar vacinado ou apresentação de teste negativo ?? O uso de máscara é obrigatório ??

    Para quem não sabe, no USA os números de casos e mortes atualmente estão altos. A média móvel de mortes nos últimos 7 dias está em 1642. E os números vem em uma crescente antes mesmo do início do US OPEN. No dia 09/09 tivemos 3231 mortes e ontem 2418. Mesmo diante desses números crescentes, o evento está perfeitamente aberto ao público.

    Aqui estão os números: https://www.google.com/search?q=mortes+covid+usa&oq=mortes+covid+usa&aqs=chrome..69i57j35i39j0l4.3224j0j8&sourceid=chrome&ie=UTF-8

    O Djokovic quando promoveu o evento em 2020, os números oficiais na Sérvia eram proporcionalmente baixíssimo quando comparado com o restante do continente Europeu. O número de mortes no intervalo entre 13 de maio/2020 (um mês antes do início do torneio) a 13 de junho/2020 (data do início do torneio) não teve nenhum dia que registrou mais de 3 mortes por dia e em alguns dias não fora registrado nenhuma vítima da doença. Diante desses números favoráveis, as autoridades locais liberaram o evento sem restrições.

    As estatística em 2020 na Sérvia são facilmente conferidas neste link https://www.google.com/search?q=covid+s%C3%A9rvia&oq=covid+s%C3%A9rvia&aqs=chrome..69i57j35i39l2j0l3.2951j0j8&sourceid=chrome&ie=UTF-8

    Não estou aqui para apoiar a realização do Adria Tour, mas só acho que houve um exagero absurdo na época, com a imprensa e alguns torcedores crucificando o sérvio. Não vejo ninguém daqui detonando os organizadores e autoridades que liberaram o público para acompanhar os eventos esportivos neste ano. O Japão foi exemplo de responsabilidade e seriedade com seus administrados (população) durante às olimpíadas.

    Responder
    1. José Yoh

      Danilo, creio que o que gerou polêmica mesmo foi o resultado do Adria Tour, realizado bem no meio da pandemia, com um caráter um bocado negacionista.

      Tenistas foram diagnosticados com Covid, e devem ter transmitido a outras pessoas na Sérvia.

      Teve até uma festa no final. Depois Djokovic solta declarações anti-vacina. Fica difícil defender a realização do torneio, lembro que vários colegas Nolistas aqui do blog foram contra.

      Não vejo certo ou errado no fato de Nole ser contra a vacina, mas por favor não influencie em quem pode ser salvo. Se todos se recusarem a tomar, certamente o resultado será catastrófico. Palavras de quem teve um tio morto e vê consequências econômicas e políticas da pandemia por todo lado.

      Com relação ao USO, se há um comprovante de vacinação creio que isso minimiza riscos de morte, mesmo que tenha contaminações.

      Grande abraço

      Responder
  17. Paulo Almeida

    Medvedev, Zverev e Berrettini (3 dos 4 melhores da atualidade tirando Djoko e Nadal) também já admitiram quem é o GOAT indiscutível. A lista só cresce.

    Responder
  18. Renato Veneziano Toniol

    Sou federista e nunca vi um tenista com o talento e a facilidade de jogar tênis do suíço, o que enche os olhos de quem realmente gosta de tênis.
    Agora, desmerecer os feitos de Djokovic como muitos colegas torcedores do suíço tentam fazer, beira o ridículo do fanatismo.
    O sérvio está a beira de bater o recorde de títulos de Slam, além de conquistar todos no mesmo ano, e mesmo que perca no domingo, já pode ser classificado como o maior tenista da história, e isso não diminui em nada a grandeza de Federer, apenas veio um tenista obstinado e bateu seus recordes por mérito próprio.
    Só nos resta aplaudir e parabenizar o sérvio, e ver a história ser novamente escrita.

    Responder
    1. Paulo Almeida

      Já eu nunca vi alguém com o talento e a facilidade do Djokovic pra jogar tênis. Basta você ver o ponto da primeira quebra do quinto set, com aquela curtinha maravilhosa atraindo o alemão pra rede e depois a passada. E são mais vários pontos absurdos que reiteram minha afirmativa.

      Responder
    2. Luiz Afonso

      Concordo Renato. Pena que aqui no blog não tem como dar apenas uma “curtida” no comentário.
      Estivessem ambos em seus auges, Federer e Djokovic, eu não teria dúvida em assistir prioritariamente a um bom jogo do Federer a um bom jogo do Nole. Porém, isso não me impede de reconhecer que, no todo, Djokovic é um tenista mais completo.
      E hoje, sem nenhuma dúvida, considerando o atual momento dos dois, eu não deixaria de assistir a um bom jogo do Djokovic, para assistir a um bom jogo do Federer.

      Responder
  19. Kiril

    Dalcim, parabéns pelas análises, sempre precisas. Uma correçãozinha: Fernandez gastou 12:45 em quadra, nas simples.
    Quanto a final masculina, eu daria 70-30 pro Djocovic, não consigo imaginar o Medvedev anotando tres sets, acho que a única coisa que pode derrotar Nole agora é apenas um imprevisto, um problema físico, algo assim. Ou então o russo jogar a melhor partida da vida dele, o que mesmo assim pode não ser suficiente.

    Responder
  20. Gildokson

    Só para reflexão.
    Descobrir um dado ontem que me deixou embasbacado. O Zverev nunca ganhou de um top 10 em Grand Slam.
    Quanto tempo será que Roddick e cia demoraram para conseguir isso???? kkkkkkkkkkkkkk

    Mudando de assunto…
    Parabéns aos nolistas, a história cada vez maior e melhor!

    Responder
  21. Wadih

    Dalcim, uma pergunta sobre a Bia, e outra sobre o Pucinelli. Vc acha que a Bia apos tantas interrupcoes por lesao, etc, tem jogo e condicoes fisicas pra almejar um top 20, top 10 ainda na carreira? E sobre o Matheus Pucinelli, vi ele jogando a copa Guga com 10-11 anos e ele foi um destaque, mas hoje com 20 anos ainda na faixa de 200-300 do ranking enquanto a gente ve outros ate mais novos dentro do top 50, vc acha que ele tem potencial de pelo menos ser um novo Bellucci ou Meligeni que chegaram a quase superar o top 20 ou ja deveria ter explodido pra alcar voos mais altos? Sei que vc nao tem bola de cristal mas torco demais por eles e queria ve-los muito acima de onde estao hoje, por isso queria ouvir qual sua expectativas sobre essa nossa nova geracao por favor.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Eu gostaria de ser mais otimista, mas top 20 acho muito difícil. A Bia caiu de uma forma geral em relação ao que jogava quando quase entrou mo top 50. O Matheus ainda tem tempo e acho que top 100 não é inviável. Vimos neste US Open como o nível técnico e físico está elevado. Abs!

      Responder
      1. Wadih

        Obrigado Dalcim. Poxa vida, eu torco muito para nossos atletas e tento manter o otimismo mas incrivel como aqui as promessas nao se materializam. Talvez essa pergunta seja ate mais dificil de respostas, mas vc acha que esses mesmos Matheus e Bia, se tivessem nascido na Argentina por exemplo, pra nao irmos longe e por ser um pais que tem ha muitos anos uma situacao economica complicada, teriam sorte diferente? Pergunto isso pq vejo inumeros tenistas argentinos se destacando ha anos, nao eh coisa pontual de uma geracao, mas aqui nada. Seria apenas uma questao de metodo de trabalho e treinamento tecnico e fisico que eles sao melhores mesmo que nos? Ou quem sabe ate mesmo estrutura familiar muito paternalista nossa que tenta passar demais a mao na cabeca e proteger as crias? As vezes nao sei se eh so isso mesmo, o que seria facil copiar ou mesmo mandar os atletas pra la ou a questao eh mesmo talento e determinacao a mais dos hermanos… Seguimos na torcida…

        Responder
  22. GPL

    Essa vitória não merecia uma manchete pelo menos na página principal de esportes? Ou talvez até na página principal da UOL? Tenho certeza de que se fosse Federer ou Nadal teria uma manchete com letras garrafais.

    Responder
  23. Ronildo

    Pois é… Que coisa né? Tá certo… É assim mesmo… Djokovic venceu!
    Na verdade tinha mais confiança em Zverev para vencer Djokovic do que em Medvedev.

    Por uma questão de distribuíção de renda, igualdade social, justiça esportiva, insenção e imparcialidade, vou torcer por Medvedev na final.

    Responder
  24. Rafael Azevedo

    Muito triste e frustrante a lesão da Stefani. Não só por ser uma brasileira que tinha toda a minha torcida, mas também porque a partida estava em alto nível.

    Responder
  25. Paulo H

    Dalcim, somos testemunhas da história do tênis enquanto ela está sendo escrita, por este fenômeno chamado Novak Djokovic. embora tenha apresentado algumas oscilações durante a partida, no set final elevou novamente o nível do seu tênis e ficou inatingível para o Zverev (e para qualquer outro mortal que estivesse em seu lugar). O Zverev por sua vez, me agradou bastante e quando não tiver o sérvio pela frente, certamente será um dos dominadores do circuito. Conseguiu uma tranquilidade e regularidade no serviço e na troca de bolas, que garantirão sua permanência no Top 3 durante muito tempo, se permanecer assim. Espero que o sérvio consiga fechar o Grand Slam, para eu poder contar para os meus netos: Meninos, eu vi!
    Sobre a final feminina de hoje, considero a Raducanu favorita, pelo jogo mais agressivo e quase sem falhas, mas será um ótimo duelo contra a bailarina Fernandez. Concordo com uma frase escrita por você em um dos blogs: É o melhor US Open dos últimos anos!

    Responder
  26. Ricardo

    É um jogo perigoso para Djokovic. O mental do 21º e do Calendar Grand Slam deve pesar uma tonelada. Só mesmo ele poderia lidar com isso. Medvedev vem como franco-atirador. Ainda assim, acho que o sérvio tem mais chances, mas não são favas contadas.

    Responder
  27. Marcelo G Monteiro

    Amanhã se escrevá um novo capítulo da história, não do tênis, mas do esporte mundial. Eu , como fã desde BorgX MacEnroe em Wimbledon-1980, só tenho a agradecer por ver a história sendo escrita não por um, mas por três dos maiores, e o capítulo citado, talvez seja o mais incrível já escrito.
    Não importa se Djokovic irá vencer( eu acho que vai vencer por 3×0). ele já está na história do tenis. Como GOAT ? Para mim, sim. Os numeros atestam isso. Apesar de eu achar Federer o mais tecnico e com jogo mais vistoso. Só que escalar o Everest como fez o sérvio, tendo o suiço e Nadal “na cola” já fez dele um dos maiores.
    Vamos aproveitar porque temos a chance de presenciar a maior geração do tenis em todos os tempos a nosso alcance. Ja já, acaba.

    Responder
  28. Luiz Fabriciano

    “Em toda a Era Aberta, jamais um tenista perdeu três finais sem conquistar em algum momento seu Slam. Então o russo pode ao menos ter muita esperança, caso Djoko repita os 3 a 0 da final do Australian Open de fevereiro.”

    Mestre, não compreendi a frase acima.
    Como o russo terá esperança se Djoko repetir os 3×0 de fevereiro?

    Sobre o show da entrevista, curti bastante também e ela mostra o quanto o sérvio é articulado e inteligente. E acima de tudo, honesto com suas convicções.
    Agora, naquele segundo break-point do segundo set, quando trocaram 53 bolas, eu quase entrei pela TV adentro, kkk.
    E me recuperando, também aplaudi de pé o alemão, como fez todo o estádio em Flushing Meadows.
    Grande abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Quis dizer que Medvedev pode acreditar num título no futuro, porque agora ele ja´tem três finais de Slam e nenhum profissional que conseguiu isso deixou de ganhar um Slam em algum momento.

      Responder
  29. Rafael Azevedo

    Djokovic é sobrehumano. Impressionante.
    Como disse o Berretine, não importa o quão bom o adversário jogue, ele sempre consegue joga um pouquinho melhor.
    É, sem dúvidas, o jogador mais completo da história.

    Responder
  30. Alessandro Siqueira

    “O que Nole faz por este desporto é brutal. Ninguém pensou que se ia voltar a repetir o que Rod Laver fez há muitos anos. No domingo terá uma grande oportunidade para fazer história. Penso que Novak vai querer bater todos os recordes que há no ténis. Se olhares para as estatísticas e estilo de jogo, não há ninguém como ele, é o melhor de todos os tempos. É o tenista com mais semanas como número um, ganhou os Masters 1000 todos mais do que uma vez e provavelmente vai acabar como jogador com mais Grand Slams. Como é que competes com isso?”, questionou.

    Responder
  31. Rafael

    Ronildo: Djokovic não chegará à final desse US Open.
    Domingo: Djokovic x Medvedev jogam a final do US Open.

    Pessanha: O Maratênis acaba HOJE.
    Domingo: Djokovic tenta se descolar de Nadal e Federer em No. de Slams, buscando seu 21o.

    Fico pensando como deve ser difícil torcer contra Djokovic kkkkkk. Mas uma hora vocês acertam.

    O Zverev não tremeu ontem, jogou o fino, manteve a consistência por um bom tempo, nível de 1o. saque altíssimo, Djoko continua meio errático, pode jogar uns 20% melhor do que isso, melhorou o saque demais, MacEnroe (John, não Patrick) falou que ele está sacando melhor do que Federer já sacou na vida), mas não deu pra Zverev. Fico me perguntando por que e como.

    Pra mim a vida continuaria a mesma se Zverev tivesse ganho, de forma que tento entender COMO Djokovic é capaz de ganhar, dessa forma, aos 34 anos de idade, de tenistas altamente gabaritados. Como não entendo nada, só posso crer que ele é muito diferenciado.

    E suas falas ao final do jogo? Esse não tem papas na língua, podia ter levado uma vaia histórica ao defender Tsitsipas, o mesmo que já o criticou, mas quando o líder fala, o povo só escuta e aplaude.

    Valeu a pena ter ficado acordado. Saúde a todos. É melhor tomar vacina do que não tomar, então cuidem-se.

    Responder
    1. Helena

      Como falei mais acima, momento de muita classe do Djoko em sua menção ao grego, já que:
      1. Poderia aproveitar o seu ótimo momento e a baixa do adversário para retribuir a espetada após a final de RG;
      2. A torcida do US Open ficou completamente contra o grego, então provavelmente o aplaudiriam caso ele criticasse o rapaz.

      Ainda assim, preferiu ser gentil. E apesar disso, para a surpresa de ninguém, conseguiu receber críticas pelo gesto.

      Responder
  32. Robson

    Bom, primeiro é importante falar sobre Zverev,o cara já venceu o número 1 do mundo 3 vezes,inclusive em final do Finals,vinha de 16 jogos de invencibilidade, inclusive um destes,a vitória em cima do número 1 do mundo nas olimpíadas,tá jogando um tênis de alto nível e na minha opinião,será o próximo número 1 do mundo.Zverev vendeu caro a derrota ontem.
    Já Novak Djokovic continua sem jogar aquele tênis nível Novak Djokovic,mas tb pudera,estamos no final da temporada,Novak já tá com seus 34 anos de idade,fez muitas partidas esse ano,chegou na final dos 4 Slams,deve tá com certeza no limite do limite físico e mental.
    A ida de Novak Djokovic as olimpíadas foi um fracasso em termos do objetivo dele,mas ao mesmo tempo valeu demais,pq fracassou por lá,mas devido a isso ficou 1 mês sem competir,descansando integralmente.
    Se não vai as olimpíadas,muito provavelmente teria jogado Toronto e Cincy,o que lhe tiraria as energias pra buscar o 4° US Open e 21° Slam.
    Pra domingo espero outro jogo duro, diferente do que foi aquela final do AO,onde ali era o 1° torneio de Novak no ano e claro,ele estava voando física,técnica e mentalmente.
    Simboraaaa Novak,falta UUUMMMMAAAAAAA…..

    Responder
  33. Israel

    Djokovic, parabéns por essa grande vitória. Se o título vier será parrudo de verdade. Sequência: Berretine/Sverev/Medvedev é muito forte. Acredito que no mesmo nível que ele encarou em Roland Garros. Avante GOAT!

    Responder
  34. Daniel

    Gostaria de saber a rápida conversa entre o Zeverev e o Djokovic na rede.
    Pareceu algo interessante, digno de quem lutou, porém assimilou e reconheceu a superioridade do adversário.
    Estou com medo dessa final. Tomara que o Medvedev não faça o pepelão que fez no AO e tenhamos um jogo digno dos dois líderes do ranking.
    Não gosto muito do Djokovic, mas não tem como não admirá-lo como tenista.
    Mais ou menos o que sentia quando era criança e via o Alain Prost, rs.

    Responder
    1. Debora Motta

      O Nole declarou para a imprensa Sérvia que basicamente o Alemão o desejou boa sorte no domingo e disse que se ele não vencesse domingo iria bater nele rsrsrs
      Nole é do bem, abraça árvores! Adora crianças e animais! Desarme seu coração para o herói balcão haha abraços!

      Responder
  35. Luiz Fernando

    Dalcim vc viu q Rafa falou hj pela primeira vez após anunciar q não jogaria mais este ano. Fez um tratamento em Barcelona, q não especificou qual, mas me pareceu q talvez tenha feito cirurgia, pois parece q tem q ficar um tempo sem atividade. Vc ouviu algo mais?

    Responder
  36. Gume

    Bom dia mestre.

    Candidato a jogo do ano. Impressionante como o sérvio tem recursos. O alemão não fica atrás, candidato forte a sucessor do big3.

    Abraços a todos

    Responder
  37. Marcelo Costa

    53 trocas de bola, com variação, intensidade, ângulo, força e velocidade, eu nunca imaginei ver algo assim, cinquenta e três vezes que a bola passa a rede, caindo dentro da quadra adversária.

    Responder
  38. rafael

    Que jogaço! O Zverev valoriziu demais a vitória do Sérvio. Eu, sinceramente, não vejo o Medvedev no mesmo nivel e acho que o sérvio triunfará em busca do 21st!
    Que tristeza pela contusão da Luisa. Uma cena horrível, que todos ficaram congelados na hora. Que ela volte em 2022 no mesmo nível!
    Mestre, além do tênis fantástico do Djoko, a entrevista foi mesmo sensacional. Parece-me que o sérvio está além de todo! Avante Nole!!

    Responder
  39. Ricardo Vogel

    Bom dia dalcin, vc acha q a maneira como o medvedev joga, la do Fundão da quadra é a tática melhor pra vencer o Djokovic no domingo? Pra mim ele deveria dar no mínimo um passo a frente ou vai sofrer muito com as bolas com angulaçoes do sérvio, especialmente de backhand.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Com certeza, ele deveria jogar mais perto da base, mas não sei se ele conseguirá mudar isso de um dia para outro. Mas ele faz isso basicamente no serviço adversário, então é possível que ele aposte na sua capacidade de manter seu serviço.

      Responder
  40. Marcos Praz

    Bom dia.
    Vi finais de sets de Djoko e Zverev (não tenho mais paciência para ver o jogo inteiro, até sento lá pra ver, mas sem perceber já me pegou lendo ou vendo algum vídeo no celular) e ambos parecem ter jogado muito bem. O Zverev acabou pagando por um terrível início de 5o set. Pena pois ele estava muito bem. Acho que domingo será uma final com o mesmo roteiro dessa semi, 5 sets, mas inevitavelmente com o vencedor sendo o Djoko. Como os gringos falam “está tudo na raquete dele”.
    Sábado a essa hora, normalmente não estou em casa, mas vou ver se dou um jeito de ver pelo menos um pouco da final feminina. As duas meninas parecem mesmo ser muito boas.
    Falando disso, em final no sábado, sabe se algum lacrador ou lacradora (o que não falta -infelizmente- no tênis) já não começou a espernear para colocar a final feminina no domingo??? Para deixar de parecer ser “preliminar” da final masculina??? Aposto que sim. A propósito, não sei se notaram, creio que sim,
    a ATP ou ITF, não sei, forneceu números de sets e horas jogadas ontem durante um break no jogo do Djoko. Sacanagem dos caras com as mulheres, pô! 😀 Aquilo é mais um belíssimo argumento para quem -como eu- acha um absurdo o tal do “equal pay” no tênis. “Ah, mas por que você se “dói” por quanto elas ganham?”, diria o bobo randômico da internet. Princípios, caro amigo obtuso. Em qq área, qq gênero: Trabalha, joga, atua, menos??? Dá menos (e é menos, muito menos) retorno/audiência??? Não há “equal work”??? Recebe menos. Simples assim.
    Abs,

    Responder
  41. Daniel C

    Mais uma performance decepcionante de um dos integrantes das novas gerações. Considerando a rodagem que o Zverev já tem no circuito, decepcionou e muito após vencer o primeiro set, especialmente o último set. Atitude vergonhosa, só foi jogar com coragem depois que estava 5 a 0 pro sérvio. Até, é claro, mais um momento de pressão, aí voltou a atrofiar. A verdade é que além do Big 3, não surgiu ninguém além de Murray e Wawrinka que tenha um bom arsenal de ataque. O Zverev por enquanto, para um cara com a envergadura dele, não tem tanta potência e deveria subir mais pra rede, mas não deve ter confiança para isso. O melhor que surgiu tecnicamente, na minha opinião, foi o Thiem, mas entrou em parafuso após 2020, pra incrível sorte do sérvio.

    Enfim, só resta ao Medvedev salvar o tênis da pior aberração de todas, mas eu não boto nem um centavo nele, e em ninguém dessa entressafra que dura desde o surgimento do próprio Big3. Espero estar enganado, mas meu luto já começou rs.

    Obs: Atualmente é mais fácil para um cara como o Djokovic vencer um GS que um M1000, o que pra mim torna esse feito meio sem sal. Nos GS, os jovens tremem, não sustentam o nível por mais do que 3 sets, e geralmente o sérvio só tem tido uns 2, 3 jogos contra adversários melhores nesse tipo de torneio. A chave até as quartas tem sido pior que chave de ATP 500.

    Responder
    1. Paulo Sérgio

      Daniel C,

      A ginástica mental que você faz para negar o óbvio, de que Djokovic é o GOAT, é incrível. Acredito que você e Vitor Hugo já podem ser considerados os dois G.O.A.Ts da literatura brasileira rs porque já ultrapassaram largamente a imaginação e a criatividade de autores como Machado de Assis, Lima Barreto, entre outros. Até parece o pessoal da terra plana.
      Meus pêsames!!!

      Responder
    2. Paulo Almeida

      Já lhe disse que aberração é o Federer ter o mesmo número de Slams do GOAT Djokovic, o mais técnico, talentoso, habilidoso e completo que o tênis já viu. Agradeça a entressafra e as lesões do Nadal em 2009 e do sérvio em 2017/2018 por ter mais de 10 Slams.

      Responder
    3. Claudio Bernardo

      Esse Daniel C. é outro que deve ter pesadelo com Novak kkkkk

      Certeza que acorda gritando o nome de Nole. Kkkkk

      Tu é uma piada querendo em todo post diminuir o grande tenista que é Djoko.

      Fique bem e meus pêsames pelo seu enorme sofrimento.

      Kkkkkk

      Adje!

      Responder
    4. Luiz Afonso

      É mais fácil para o Nole vencer um GS do que um Master 1000.
      Isso se dá pelo simples fato de que, para a nova geração, por enquanto, é menos difícil jogar dois sets em alta intensidade e com elevado índice de aproveitamento, do que três, quatro, cinco.
      No momento em que o vigor físico e diferencial da juventude vai se esvaindo, ao longo da partida, a execução dos golpes vai se complicando, por mais talentoso que seja o tenista. Aí o mental, a tática, a experiência, a técnica, de um jogador como Nole, começa a prevalecer, não só por ter um excelente condicionamento físico, mas também por saber dosar seu desgaste e por saber desgastar o adversário. Em partidas de três sets o resultado é mais imprevisível, ao contrário de partidas de cinco sets.
      Saudades do tempo em que a final dos Master 1000 eram jogadas em 5 sets, assim como a final olímpica (não entendi porque a do Japão foi em apenas 3 sets). A final olímpica no Brasil foi em 5 sets.

      Responder
  42. Edgard Upinho

    O que ainda atrapalha a nova geração é ter que manter o nível alto durante praticamente todo o tempo, tanto no aspecto físico quanto emocional (mental), e é ai que a “old gen” mostra sua maior força sobre a nova geração: a consistência. Djokovic é um monstro, um jogador, assim como Federer e Nadal, irrepetível , e não acho que o russo conseguirá o feito de barrar o Slam do sérvio. Um pequeno descuido no quinto set e já estava 4-0 para Djokovic. Vida longa ao Sérvio e que ele conquiste o ouro olímpico em 2024.

    Responder
  43. Luiz Fernando

    Ontem Zverev jogou muito, mas muito mesmo, e mesmo assim não venceu o sérvio. Sinceramente não creio q o russo, q na minha visão é inferior ao alemão consiga…

    Responder
  44. José Flávio

    Dalcim, qual estratégia você acha que o Medvedev tem que usar para tentar ganhar? Aproveito para deixar aqui os parabéns pela excelente cobertura desse USOpen incrível. Abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que é uma tarefa difícil e que depende muito de Djokovic jogar um pouco abaixo. Mas basicamente precisa de grande índice de primeiro saque, muita consistência na base e arriscar mais paralelas. Deveria tomar cuidado com a distância grande da base, mas não vejo como ele conseguirá resolver isso.

      Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, eu acho que se você considerar todas as habilidades necessárias e o repertório de golpes que atingiu hoje, ele é praticamente perfeito.

      Responder
      1. Claudio Bernardo

        Eita Dalcim, assim você mata do coração os haters do sérvio, em especial o tal do Vitor Hugo e do Daniel C.

        Leio este comentário do Dalcim, leio as entrevistas de grandes tenistas da atualidade e do passado reconhecendo o grande tenista sérvio e depois me deparo com comentários desses haters acima sem fundamentos…..enfim, só me resta dar risadas kkkkkk

        Idemo! Haters, fiquem bem. O sofrimento ainda vai aumentar. Kkkkkk

        Responder
  45. Roberto G schwarz

    Dalcim bom dia. Acredito que Nole já passou, ontem, pelo jogo mais difícil no caminho para mais essa marca surreal de GrandSalms.Cito dois motivos:
    1 – o saque de Zverev é superior ao russo
    2 -. O russo é chato, mas nao aguenta essa pancadaria do fundo de quadra de ontem

    O que o russo pode apresentar a mais que Sasha apresentou ontem?? Até na consisitência, Zverev foi quase perfeito na minha opiniao.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Concordo em tudo. Talvez ele possa ter um percentual de primeiro saque superior e talvez forçar mais paralelas de backhand do que Zverev fez.

      Responder
  46. Liddianderson

    A informação de jamais um tenista, na era aberta, ter jogado três finais de slam sem ter ganhado uma está equivocada, pois o Dominic Thiem perdeu para Nadal em RG pelo menos duas finais, perdeu para Djoko no AO e só ganhou no US open.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Uai, mas o Thiem não perdeu três antes de ganhar o primeiro? É isso o que diz a informação: ninguém que chegou a três finais deixou de ganhar um Slam em algum momento.

      Responder
  47. DANILO AFONSO

    Na penúltima pasta afirmei que Zverev teria maior probabilidade de vencer a semifinal se colocasse em quadra mais de 70% do 1º serviço, isso com base nas estatísticas dos 9 jogos anteriores.

    Na semifinal de ontem o alemão perdeu novamente ao encaixar o 1º serviço apenas 63% das vezes. Ao fatiar o aproveitamento do 1º serviço do Zverev por set, o desfecho seguiu o prognóstico, senão vejamos:

    1º set – 72% de aproveitamento – Zverev vencedor
    2º set – 55% de aproveitamento – Djokovic vencedor
    3º set – 54% de aproveitamento – Djokovic vencedor
    4º set – 71% de aproveitamento – Zverev vencedor
    3º set – 59% de aproveitamento – Djokovic vencedor

    Responder
  48. Guilherme Fernandes

    Olá, Dalcim!

    Ótimo texto, como sempre!
    O que você acha da atual “caixa de ferramentas” do sérvio? Acho que não dá pra negar que hoje ele é um jogador completo, principalmente porque além de ter a caixa de ferramentas, tem inteligência para usá-las. Melhorou demais!
    Lembro-me de que na versão avassaladora de 2011 ele não ia muito à rede, e suas curtas eram sempre de BH e 95% na paralela. Hoje além de acertar muito mais as curtas, consegue fazê-las de qualquer lugar da quadra, tanto de BH quanto de FH e hoje varia as curtas na cruzada também.
    Os voleios melhoraram muito em 2015 com o Becker, mas Djoko não tinha essa “mão” que tem hoje pra dar esses voleios de bate pronto, incrível!
    O que você acha que está melhor? Saque, voleio ou as curtas?
    Abraço e parabéns pelo blog!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Faz algum tempo, Guilherme, que destacou essa qualidade do jogo do Djokovic, que ficou muito completo, lhe tanto diferentes opções táticas. Saque-voleio, curtas de forehand, slice… É um arsenal completíssimo.

      Responder
  49. Mano

    Jogo duríssimo vai ser domingo. Me lembro o Nadal no AO 2019, totalmente dominado pelo sérvio e na final de GS seguinte entre os dois, domínio absurdo do espanhol, então com certeza todo aquele jogo já foi esquecido por parte do russo.
    Engraçado que se Nole perder a final domingo, terá os mesmo 20-11 de Federer em finais de GS, mas particularmente eu fico com a sensação de o suíço ser muito mais batível em final de GS que o sérvio, talvez pelo fato de o sérvio ter um Grand Slam “seu”, e lá pode aparecer que for que ele corta a cabeça e ainda como o coração.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Pensando apenas em força, certamente Zverev machuca mais. Porém o fator essencial é o percentual de acerto. Ontem, por exemplo, Zverev não foi tão bem.

      Responder
  50. Jorge Diehl

    Mestre Dalcim!!! Como sempre excelente posto…minha pergunta é a seguinte… independente do esporte Djoko caminha pra se tor o Atleta dos atletas de todos os esportes??? Pois é impressionante o que ele elevou seu esporte e os feitos vão cada vez mais confirmado isso! Independente de achar o Federer o mais ” bonito” de ver jogar ou Nadal em RG ” imbatível” no meio desses surgiu uma cara e esse cara é sem palavras! Abraço

    Responder
  51. Chetnik

    Enquanto o Federer humilhava para o mundo um garoto jovem surgindo, buscando seu espaço, do alto do seu status de número 1, falando um monte de grosseria nojenta e desrespeitosa, esse mesmo garoto de outrora, Djoko, de quem o Tsitsitetas já falou um monte de m., utilizou o palanque num momento de glória pessoal única e exclusiva sua, e de mais ninguém, para defender o Grego para que todos ouvissem. Não se juntou à turba linchadora. Grego esse que nos próximos anos será um dos jovens que vão passar a superá-lo nos GS. Ou seja, nada de tentar fazer joguinho mental para desestabilizar um rival que, fatalmente, ira superá-lo.

    Não é só como jogador. A diferença como SER HUMANO é gigantesca. OS HUMILHADOS SERÃO EXALTADOS.!

    Responder
    1. Flavio

      Chetnik desconheço essa atitude do Federer que vc menciona, mas se aconteceu foi um erro do maestro e lembre-se ninguém é perto e o Djokovic já cometeu vários erros também como acertar bola em juiz e outras coisas , mas ei nso o condemo porque rkes lhe dsi com pressao e não é fácil e acrecito que o Djokovic é um cara do bem e respeito, independente do que acontece e na final ele já está na história assim como Federer e Nadal, mas uma coisa tem que ser dita pois o pai do Djokovic é um mala.

      Responder
  52. Pedro

    Primeiro jogo em toda a carteira do djoko, em que o vi sem a devolução destruidora. Talvez muito por conta do nervosismo e por méritos do zé verev. Ele teria tido menos sofrimento, se tivesse devolvido, como o de costume.

    Responder
  53. Chetnik

    “Zverev vai vencer 3×0 fácil” kkkk.

    Vão falar o que, todos os $#&*! que falaram um monte de m. depois das Olimpíadas?

    “Pressão é um privilégio”. GS é OUTRA COISA. O Zverev pode enfiar a medalha dele onde o sol não brilha.

    Mais um jogo para o maior suicídio coletivo da história da humanidade…

    Responder
  54. WILLIAM ALMEIDA

    Eu Vejo essa final sem favorito! o Djokovic certos momentos do jogo demonstrou cansaço e até poupou o físico para aguentar o jogo. Vai enfrentar o Russo que costuma ser um jogador que oscila menos que o Zvrev e tem físico para jogar 500 horas e vai chegar inteiro para Final.

    De qualquer maneira o Sérvio elevou o patamar físico e técnico do tênis. Como federista reconheço o quão grande é o Sérvio.

    Responder
  55. Luiz Afonso

    Parabéns pela análise do jogaço entre Djokovic e Zverev. Brilhante. Em relação à falta de sorte da Luísa, acho que todos ficaram muito tristes. Logo no melhor momento da carreira dela…

    Responder
  56. Caio Cesar

    Boa noite, Dalcim.
    Parabéns pela excelente cobertura, como sempre.
    Acho que só a pressão pode derrubar o Djoko nesta final.
    Sou Federista e estou dividido em relação à qual jogador irei torcer.
    Por um lado acho que ele merece muito esse feito, por outro penso na discussão de Goat kkkkk
    Agora a minha torcida pende para o sérvio, mas na hora vamos ver quem o coração vai escolher!
    Abraço

    Responder
  57. Paulo

    Apesar de não ter ganhado na mesma temporada, é bom lembrar que Djokovic já realizou a façanha de ganhar os quatro torneios de grand slam consecutivamente, coisa que nenhum dos gigantes fez, depois da conquista de Laver.

    Responder
  58. Araujo

    Dalcim, ouvindo a entrevista depois da partida eu fiquei com medo de Djokovic se aposentar domingo. Será que tem essa chance? Quantos % você daria pra ele se aposentar se ganhar domingo?

    Responder
    1. Paulo Almeida

      Araujo,

      Acho que foi mais força de expressão, mas, se pensarmos bem, é melhor se aposentar no topo do que se arrastando em quadra em busca de um título/recorde que não virá mais. Não é o caso do Djoko, claro, que ainda pode figurar entre os primeiros do ranking e ganhar Big Titles por mais um bom tempo. Resta saber se isso é o que ele quer.

      Abs.

      Responder
    2. Miguel BsB

      Ele não vai aposentar porque Nadal ainda tá em atividade, mesmo com as lesões.
      Não se sabe como o espanhol vai voltar, mas Roland Garros sempre será o território dele, ameaçando o Recorde de Slams do sérvio…

      Responder
      1. Thiago Silva

        Se o Djokovic se aposentasse, o que obviamente ele não seria louco de fazer agora, o Nadal teria bem mais chances nos outros slams também, só ver Wimbledon 2018 e Australian Open 2019 que teriam ido pra ele se não fosse o Djokovic.

        Responder
    3. Daniel

      Rapaz… seria inesperado.
      Mas certamente se criaria o maior mito do tênis de todos os tempos.
      Obs. Desculpe “entrar” na pergunta pro Dalcin, rs.

      Responder
    4. Ricardo

      Também fiquei com a impressão de que ele já pensou nisso. Se aposentar no mais alto degrau seria fantástico. Me lembrou de Sampras (sim, sou velho kkk) que se aposentou em casa, sendo campeão, contra o seu grande rival, Agassi – embora Pistol Pete lidasse com muitas lesões, coisa que não aflige tanto o sérvio hoje em dia.

      Responder
  59. Paulo Almeida

    Que partidaça!!! Uma das melhores da história sem a menor dúvida!!!

    E o REI DO TÊNIS jogou demais, subiu o nível, mostrando todo o seu arsenal ABSURDO!!!

    AJDE!!!!

    Responder
  60. R.P.

    Com o devido respeito, mas Laver não venceu slam em três superfícies diferentes e muito menos teve que bater um jogador do nível do Nadal em RG. Se atingir o feito, a façanha do DjokoGOAT não terá parâmetros.

    Responder
      1. R.P.

        Tampouco os adversários do Laver, que nem nos piores devaneios cogitavam que haveria um ser humano (será que é humano mesmo?) que venceria 13 vezes um mesmo slam.

        Será Laver o novo esteio das viúvas?

        Responder
  61. Julio Cesar Borges

    Djokovic modou o jogo, levou o tênis a um patamar jamais visto! Na minha humilde opinião o maior atleta que eu vi foi o MICHAEL JORDAN, mais o sérvio caminha para ultrapassar o americano!

    Responder
      1. André Aguiar

        Djokovic disputou 24 sets e 214 games, totalizando 17h25 em quadra. Tem 34 anos.
        Medvedev disputou 19 sets e 171 games, totalizando 11h51 em quadra. Tem 25 anos.
        Baseado nesses números, considero que o russo tem 60% de chances de ganhar o troféu do US Open 2021.
        Obs.: em 2018, na final do masters 1000 de Paris, Karen Khachanov venceu com facilidade um exausto Djokovic, que vinha de uma desgastante semifinal em 3 sets contra Roger Federer.
        Em 2020, na final de Roland Garros, Rafael Nadal venceu com facilidade um exausto Djokovic, que vinha de uma desgastante semifinal em 5 sets contra Stefanos Tsitsipas.
        O sérvio tem excelente preparo físico, mas não é um super-homem.

        Responder
        1. Thiago Silva

          Em Roland Garros o Djokovic jogou 500 horas antes da semi contra o Nadal que só tinha perdido um set e mesmo assim tava sobrando fisicamente no fim do jogo, ainda fez mais uma maratona contra o Tripas que tava pedindo água no terceiro set.

          Responder
      2. Flavio

        Mestre Dalcin eu espero que o Medvedev faça um jogo honesto diferente daquela pipocada que ele deu na final do AO ao perder 3×0 fácil, ou seja espero que caso não consiga ganhar dificulte o máximo que nem o Zverev fez, porque o mundo vai está vendo amanhã porque essw dia pode entrar para a história do tênis,e o Medvedev é o único que pode impedir a façanha magnífica do Djokovic que é ganhar 4 slam no mesmo ano e o Djokovic sabe que essa é a última chance de alguém conseguir isso porque creio eu se ele não conseguir amanhã ninguém mais vai conseguir, e eu não aposto contra o Djokovic. Agora mudando de assunto Mestre,então você tem alguma notícia da recuperação do maestro(Federer)? OBRIGADO.

        Responder