Garoto Djokovic
Por José Nilton Dalcim
7 de setembro de 2021 às 01:44

Duelo apertado, grandes trocas de bola, games demoradíssimos, correria para todos os lados, empenho máximo. E quem vai cansar primeiro? O mais veterano, é claro. Seria a lógica, caso esse velhinho não se chamasse Novak Djokovic. O garoto sérvio de 34 anos minou as energias do valente Jenson Brooksby, de 20, e marcou uma bela virada para ficar a apenas três vitórias do maior feito da história do tênis profissional.

Brooksby já havia mostrado toda sua qualidade técnica nos recentes torneios que disputou desde julho, mas o fato é que ele foi além do eu esperava por um set e meio. Encarou o número 1 do mundo com disposição leonina, concentrado para não cometer erros, nem ceder espaço. Mostrou inúmeras armas, cometeu um único erro não forçado e aplicou um raro 6/1 sobre Djokovic.

O desempenho se manteve muito alto no começo do segundo set, quando ele chegou a recuperar uma quebra importante após lances espetaculares e trocas sufocantes entre os dois. Cirúrgico, Djokovic prosseguiu sólido, obrigando o adversário a rebater sempre mais uma bola difícil e aí acabou o gás de Brooksby. Ficou cada vez mais à mercê do sérvio, que nessa altura já combinava saques poderosos, paralelas agudas, transições à rede. Ficou evidente que o volume de jogo era proporcional à diferença de idade. Fato curioso, Djokovic nunca perdeu para um norte-americano em 11 jogos no US Open.

O aguardado reencontro com Matteo Berrettini se confirma depois que o italiano suou para equilibrar a disputa contra o quali alemão Oscar Otte, até que o adversário sentiu o punho e não jogou mais nada no quarto set. Berrettini garante ascensão ao 7º lugar do ranking e faz quartas de Slam pela terceira vez seguida, ou seja, em três pisos distintos. Mas não parece confiante como se viu na campanha de Wimbledon, talvez por ainda não estar fisicamente inteiro. Contra a precisão da avassaladora máquina sérvia, considero muito pequena sua chance na quarta-feira.

Alexander Zverev por sua vez fez dois sets e meio impecáveis diante de Jannik Sinner, mas vacilou no finzinho e faltou pouco para o italiano esticar a partida. O piso mais veloz parece bem encaixado no estilo do alemão, a ponto de não perder sobre a superfície há 15 jogos. Esta será sua sétima presença nas quartas de um Slam e a terceira do ano.

Reencontrará a surpresa Lloyd Harris, 46º do ranking, a quem venceu duas vezes na quadra dura, incluindo a recente segunda rodada de Cincinnati. Com os mesmos 24 anos, o sul-africano já venceu três top 10 neste ano, tem agora 11-11 em partidas de Slam e merece elogios pela grande virada que conseguiu em cima de Reilly Opelka. Teve aliás o primeiro set nas mãos, porém sustentou a cabeça fria e aproveitou a perda de intensidade do grandalhão.

Mais uma ‘teen’ nas quartas
Emma Raducanu é a terceira adolescente nas quartas deste US Open, seguindo os passos de Leylah Fernandez e Carlos Alcaraz. Ela veio do quali e portanto já fez sete partidas, e sequer perdeu sets. É bem verdade que ainda não cruzou com uma cabeça de chave, mas destruiu nesta segunda-feira Shelby Rogers, que vinha da vitória heroica em cima de Ashleigh Barty.

Com apenas 15 games perdidos na chave principal, a canadense de nascimento não possui um saque excepcional, mas tenta sempre dominar rapidamente os pontos. E ainda assim consegue ser econômica nos erros.

Agora, vai enfrentar a campeã olímpica Belinda Bencic, que venceu uma partida difícil contra Iga Swiatek. em que precisou salvar quatro set-points na série inicial que fizeram enorme diferença. Apesar da vitória em dois sets, os números estatísticos foram muito semelhantes. Bencic fez semi no US Open de 2019, o que continua seu melhor resultado num Slam.

A outra vaga na semi ficará entre Karolina Pliskova e Maria Sakkari, que se encontraram duas vezes no saibro de Roma e estão empatadas. Depois de cravar 24 aces na segunda rodada e 20 na última, a vice de 2016 acertou apenas 6 contra Anastasia Pavlyuchenkova, mas foi muito bem na devolução, com 35% dos pontos. Sakkari virou contra Andreescu num jogo intenso de 3h30 em de novo a campeã de 2019 sentiui a parte física.

Stefani, Soares e Demoliner na briga
E o tênis brasileiro continua firme na luta pelos títulos de duplas do US Open. Luísa Stefani e Bruno Soares se juntaram a Marcelo Demoliner e assim temos um representante nas quartas de final em cada modalidade.

Stefani e a canadense Gabriela Dabrowski estiveram um set e uma quebra atrás, mas conseguiram grande reação em cima das ucranianas Marta Kostyuk e Dayana Yastremska. Foram especialmente sólidas nas devoluções no terceiro set. Descansam nesta terça antes de encarar as tchecas Marie Bouzkova e Lucie Hradecka.

Bruno e Jamie Murray encontraram inesperada resistência de Daniel Koepfer e Emil Ruusuvuori, com tiebreaks tensos nos dois primeiros sets, e só então foram dominantes. Jogam nesta terça contra os especialistas Marcel Granollers e Horacio Zeballos, os cabeças 2.

Demoliner e Ellen Perez também jogam nesta terça contra Giuliana Olmos e Marcelo Arevalo. Se vencerem, a semi será contra Yastremska e Max Purcell.


Comentários
  1. José Flávio

    Dalcim, ótima coluna como sempre. Só pergunto se será mesmo o maior feito do tênis profissional, já que outros também o realizaram. O maior feito não seria o Golden Slam ou algo não feito por ninguém ainda, como ganhar um Grand Slam vindo do qualifying?
    Abs

    1. José Nilton Dalcim

      Não se trata de ganhar o US Open, mas de vencer todos os quatro Slam da mesma temporada. Algo que só Rod Laver fez na era profissional, mas com a diferença de que em 1969 só havia dois tipos de piso e agora são três.

  2. Jonas

    Nossa, tem umas coisas bizarras que lemos aqui.

    Federer fez final de Grand Slam contra Djokovic aos 37 anos.

    Federer derrotou Nadal em final de Australian Open, no 5° set inclusive, aos 35 anos, esbanjando forma física.

    Nadal, aos 34 anos de idade, derrotou Djokovic em Roland Garros, em uma de suas atuações mais marcantes no Slam francês.

    O que será que Federer e Nadal ‘usaram’? Acredito que nada, já que o Big 3 é fora de série. Obviamente são atletas muito bem preparados. Longevidade é uma virtude.

  3. Augusto

    O Djokovic é o Corinthians do Carille, o Federer é o Flamengo do Jesus, os dois foram campeões, mas no futuro vão falar do quanto era bonito ver aquele Flamengo atacando o jogo todo, do Corinthians vão falar “ah, o Corinthians né? passava o jogo todo se defendendo, bateu o recorde de pontos no primeiro turno mas ganhava as partidas de 1×0 no contra-ataque, era entediante ver aquele time”.

    1. Nei Costa

      Toda vez que pra exaltar Federer precisa desmerecer Djokovic, tenho plena certeza de quem é o maior. E o tempo não apaga os fatos.

  4. Periferia

    A Hiena

    Uma Hiena caiu de uma goiabeira…
    Ficou muitos dias de cama…seriamente enferma…
    Como não podia caçar…a fome apertou.
    A Hiena imaginou um plano…
    Tinha um grande rebanho de gado ali perto…
    Pediu para o primo Guepardo espalhar que estava a beira da morte…e precisava da visita do gado…precisava de apoio deles nesse momento difícil.
    O Guepardo partiu…deu o recado…a notícia se espalhou rapidamente entre o gado.
    No outro dia um a um foi visitar a Hiena…
    Um Boi velho…muito respeitado entre o gado…antes de penetrar na toca da Hiena…notou que no chão…na poeira…só havia rastros de entrantes…não tinha nenhum rastros de saintes…desconfiou…
    – Humm !!…Parece que nesta toca quem entra não sai…acho melhor em vez de visitar nossa querida Hiena doente é rezar por ela…

    E foi o único gado que se salvou

  5. Thiago Silva

    A única coisa que o González tinha era uma direita potente, mas isso até o Jack Sock tem e ainda ganhou um Masters 1000, se ele jogasse em 2005 era provável que fizesse final de slam também.

    1. Paulo Almeida

      Rapaz, você colocou o Ribeiro no bolso com tanta facilidade na pasta anterior que eu nem continuei respondendo.

      González está abaixo até do Sock em títulos mesmo, kkkk.

      1. Sérgio Ribeiro

        Mais uma vez se mete pra mandar groselhas . ONZE ATPs pra Fernando “ mano de Piedra “ Gonzales e 4 ATPs para Jack Sock . N 5 para Fernando e N 8 para Jack . Você acha mesmo que alguém ainda acredita nas suas groselhas diárias ? Basta checar suas Postagens e poucas vezes se aproveita algo , caríssimo fanático Piloto kkkkkkkkkkkkkkkkkkk. Abs!

        1. Thiago Silva

          Eu não comparei o currículo dos dois nesse post, é evidente que o González tem um currículo melhor que o Sock, só comparei um fundamento, currículo eu comparei com aquele monte de outros tenistas médios que tinham mais títulos que o González. Citei o Sock apenas como um exemplo de que ter uma direita espetacular não é grande coisa, apesar de o Sock ter um título mais importante que todos os do González.
          Mas vocês não acham Masters 1000 grande coisa né, colocam Atp 250 acima de Masters 1000 se for o Federer o campeão.

          1. Sérgio Ribeiro

            Lestes o comentário mesmo TODO ? . Eu citei as DUAS FINAIS de MASTERS 1000 que Fernando deu azar de pegar Federer e Nadal . Idem para o AOPEN com Federer e o OURO Olímpico com Nadal . Onde está escrito que ATP 250 vale mais, guri ??? . O número maior de ATPs 250 de Federer e’ devido ao tempo que os preparatórios para WIMBLEDON demoraram para chegar a ATP 500. Sabes muito bem quem são os fujões da Grama rápida dos preparatórios. Chiar porque o Craque Suíço é o maior vencedor nesta superfície é que passou a ser comum neste fórum rsrsrs. Abs!

        2. Paulo Almeida

          Não me meti: só voltei à discussão que eu mesmo tinha começado e abandonado por um tempo.

          Beleza, o currículo do González é superior ao do Sock no geral (apesar do M1000 deste), mas inferior ao daqueles outros citados pelo Thiago, que nem eram os principais rivais do Djokovic, muito menos em final de Slam. A era fraca, corroborada pelo Sampras, vai sempre te perseguir, Ribeiro.

          Abs!

          1. Paulo Almeida

            Andy Roddick era o maior rival do Federer nas duras até o feto Djoko aparecer em Montréal/USO 2007 e na grama até o feto Nadal fazer final de Wimbledon em 2006, mas ainda sem jogo para derrubá-lo por lá, tanto que levou pneu na final.

            Sem choro!

          2. Sérgio Ribeiro

            Os rivais de Sampras passaram a ser os de Federer. Que moral tem o Norte-americano pra corroborar alguma coisa ??? . Hewitt e Safin tavam dando nele a vontade . Agassi ( mais Velho N 1 em 2003 ) , dispensa comentários. Me intriga que um cara que diz que acompanhava Tênis desde aquela época, somente venha tirar onda a pouquíssimo tempo neste conceituado Blog . Somente aprendeu a data da padronização ( 20 anos depois ) agora em 2021 com Saretta . Acho que o tempo que acompanhas de verdade é mínimo . Daí que pra elogiar Novak precisas sempre desconstruir a brilhante carreira de Roger Federer. Abs!

    2. Sérgio Ribeiro

      Mal informado como sempre . FINAL de SLAM e DUAS FINAIS OLÍMPICAS. Seu azar nos MASTERS 1000 de MADRI e ROMA foi pegar Federer e Nadal nas FINAIS. E nas Olimpíadas perdeu nas DURAS o OURO também para o Espanhol ( 2008 ) . A verdade que o N 1 e N 2 de 2005 , dominaram o Circuito tanto no Saibro quanto nas outras superfícies, a ponto de fazerem duas FINAIS em WIMBLEDON consecutivas 2006 e 2007 . O resto é choro de desinformados rs . Abs!

      1. Paulo Almeida

        É, dominou tanto na dura que perdeu para aqueles caras que eu já citei e passou 2006 sem nenhum título de Masters 1000, que você tanto força com os de 2005.

        1. Sérgio Ribeiro

          Quem disse que ele “ dominou “ ??? . Ambos dominaram o Circuito pois Rafa fechava o Saibro e Federer as demais superfícies . Muitos daqueles N 1 que chegaram a atrapalhar Sampras apanhavam sem do’ dos dois desde 2005 . Sem choro ! Abs!

      2. Sérgio Ribeiro

        Correção : A ponto de Federer e o inexperiente “ feto “ fazerem TRÊS FINAIS de WIMBLEDON em sequência : 2006 , 2007 , 2008 . E’ óbvio que graças a “ entressafra “ dos manés kkkkkkkkkk. Abs!

  6. Maurício Luís *

    Diante das fake news deste 7 de setembro, lembrei de uma cena da série “Família Dinossauro”. Houve um eclipse total do Sol e os dinossauros apavorados diziam que o mundo ia acabar. A família do Dino da Silva Sauro toda escondida debaixo da mesa.
    Fim do eclipse e o Baby Sauro pergunta pro Dino:
    – O mundo acabou?
    – Não…
    – Mas você prometeu!
    https://pbs.twimg.com/profile_images/1124661283/0_400x400.jpg

  7. Luiz Fernando

    Jogo espetacular, tanto quanto o do Alcaraz vs grego. Que fenômeno essa menina, que parece mais uma criança do q uma atleta, que força mental, que personalidade. Sinceramente quando vi a disparidade fisica passei a torcer pela Leylah, mas no final também acharia absolutamente justa e merecida se a vencedora fosse a Elina, que também foi esplendida. Parabéns a ambas, esse USO está revelando futuros campeões tanto no masculino quanto no feminino…

  8. Paulo Almeida

    As previsões do Pessanha começaram a falhar, já que o Meddy perdeu um set pra zebra holandesa, rs.

    É muito bom para o mundo do tênis ver o Djoko com essa forma exuberante aos 34 anos e um suplício para os desculpistas esfarrapados de idade, que cravaram que ele estaria acabado aos 30. E tudo graças ao biótipo privilegiado e aos cuidados com a saúde, nada além.

    Ainda não jogou nem 60% do que pode e está na hora de parar de errar tantos forehands e backhands fáceis. Creio que subirá o nível na hora certa.

  9. Luiz Fernando

    Meu Deus nunca tinha visto o porte físico da Leylah e me assustei quando liguei na partida, parecia algo como uma mulher jogando contra uma menininha. Mas foi só o jogo rolar pra ver a potência incrível dos golpes da menina, além da habilidade e força mental. 1×0 Leylah…

  10. Israel

    O que mais gostei foi que o Djoko precisou ganhar o jogo. Nada de graça, do início ao fim. Com certeza isso irá lhe dar ritmo de jogo para a sequência do torneio. Avante Goat!

  11. rafael

    Impressionante o.que tentam diminuir a façanha do sérvio. A cada dia ele se mostra um jogador fenomenal. Gostem ou não do estilo dele, não tem como negar que ele é um baita tenista e que será o melhor da história. Alguém tem dúvida de que ele subirá o nivel para as finais?!!
    Avante Nole!!!

  12. Luiz Fernando

    Medvedev parecia estar c o jg sob controle, mas no momento diria q o holandês está absolutamente a vontade na quadra, o set 4 complemente aberto…

  13. José Eduardo Pessanha

    Salsicha passando o carro. Kkk. Vai chegar na final com umas 7 horas a menos em quadra que seu oponente.
    Abs

  14. Luiz Fernando

    O russo tem uma batida e uma habilidade que se assemelham a sensibilidade de um elefante em uma loja de louças. Mas q são eficientes…

  15. Alison Cordeiro

    Brilhante análise como sempre, mestre Dalcim.

    Djoko viu um garoto fazendo um jogo espetacular, avassalador, do nível necessário para bater o número 1. Mas a dificuldade do GS é justamente manter esse nível alto por 5 sets. No game de 20 minutos, valeu a garra do americano, mas me pareceu suicidio sustentar tanto tempo essa disputa. Sabíamos que aquilo não custaria nada ao sérvio enquanto o garoto iria pagar o esforço depois.

    Foi o que aconteceu. Djoko perdeu o set mas depois sobrou no jogo. Mas Brooksby deve se orgulhar de ter encarado o melhor do mundo num nível tão alto.

    Mas ainda sinto que falta a Djoko se divertir mais. Sei que ele está focado, mas temo que perca o controle se o jogo apresentar um nível mais alto que esse. E o russo e o alemão podem encarar essa disputa aparentemente. Alguma chance de eles caírem antes, mestre?

    1. José Nilton Dalcim

      Acho bem difícil, Alison, mas veja que cada dia é um dia. Não imaginava que o Medvedev fosse perder set e passar aperto diante do holandês. Mas para o bem do torneio, que está ótimo, seria mesmo ideal que Djoko pegasse Zverev e fizesse final contra o Medvedev. Acho que todos os três vão dar a vida pela vitória em cada uma das eventuais partidas. Abraço!

  16. Vitor Hugo

    Novak escapou de jogar nas secundárias e no calor. Somente pelas ausências de Roger e Rafa, o sérvio teve o privilégio de jogar nas rodadas noturnas mais vezes, a quadra está mais lenta e favorece seu jogo defensivo.

    Rafa e Roger dominariam a programação noturna, pois tem mais fãs, mais ibope, mais retorno.

    O sérvio seria colocado em seu devido lugar, já que não tem a importância dos dois e poucos admiradores.

    Pior para Medvedev e Zverev, que jogam com o sol na cabeça. Mas pelo menos estão matando seus jogos mais rápidos que Novak, mesmo enfrentando adversários mais fortes.

    1. Paulo Almeida

      Errado, Renato/Johnny: em 2019 colocaram o Federer pra jogar três de dia até as oitavas e o GOAT três à noite, pois já era a principal atração do torneio. Pena que estava lesionado e não avançou pra colocar o sparrão em mais uma sessão diurna nas quartas, mas o Dimitrov tratou de cometer o crime, de qualquer forma.

      O maior legado do tênis já tem a preferência há um bom tempo.

  17. Ronildo

    Sakkari tem uma condição atlética formidável. Deve ser uma das mulheres com menos percentagem de gordura no corpo em todo o planeta.

  18. Helena

    Olá, Dacim!

    Uma dúvida sobre os uniformes. Você sabe me dizer se os jogadores podem escolher os kits dentre as opções disponíveis ou se os patrocinadores simplesmente enviam um modelo para cada jogador e pronto?

    1. José Nilton Dalcim

      Os grandes tenistas têm direito a palpitar nos modelos, eventualmente cores. Os outros têm de obedecer o modelo que é enviado. Veja que se tornou padrão a marca exigir que todos os patrocinados usem o mesmo modelo, exceto é claro os tops.

      1. Helena

        Minha dúvida é, por exemplo, vi três modelos diferentes da Nike: um usado pelo Shapo (branco com azul-marinho), outro pelo Tiafoe e Jack Sock (vermelho e preto), e outro por Alcaraz, Sinner e Rublev (os dois últimos finalmente receberam algo que não parece um pijama). A mesma coisa com as moças, Kerber e Sakkari ucom m mesmo modelo, Svitolina, Andreescu e Raducanu com outro, embora todas essas cinco sejam da Nike. Por isso fiiquei na dúvida se eles poderiam escolher entre essas opções criadas pela Nike ou se já recebem um kit determinado e pronto.

        No lado da Adidas eu vejo que o Zverev e Aliassime sempre recebem o mesmo conjunto.

        O Big3 eu reparei que sempre têm um kit exclusivo para eles, mas não me lembro de mais alguém diferenciado. Nas moças me lembro de Osaka e Serena. Aliás, os uniformes do Djoko para esse torneio estão belíssimos.

  19. Daniel C

    Mais uma vitória do sérvio conquistada no físico, como muitas na carreira. Nenhuma novidade, mas eu sempre vou preferir que os tenistas ganhem na técnica.

    Resultado surpreende do garoto, pois era jogo pra ele levar 3 a 0 pela falta de experiência nesse estágio de um GS, jogando contra um multi-campeao. E ele não tinha nada a provar. Quem tem algo a provar é Zverev e Medvedev. Esses sim estão devendo muito em GS, sobretudo contra o Djokovic, e espero que finalmente derrotem o sérvio. A mamata dele já dura muito tempo.

    Sobre o físico do sérvio, não vou levantar suspeitas e prefiro acreditar que é mérito da preparação dele. Claro que o dinheiro ajuda ele a ter os melhores profissionais, mas eu acredito que alguém que se cuida e se prepara bem fisicamente pode sim estar voando e com um baita preparo aos 35 anos. O Federer é outro que estava muito bem fisicamente nessa época. Se um cara mais velho aguenta correr mais que um mais novo, é mérito da preparação dele e o mais jovem deveria rever seus treinamentos e dedicação aos treinos físicos. O que eu acho mal explicado é o uso de câmara hiperbárica, isso sim. Se o equipamento confere vantagens, não deveria ser permitido, e não entendo o motivo de vai se falar nisso.

    1. José Yoh

      Daniel, creio que não há como comprovar se o jogador faz uso ou não de câmara hiperbárica, por isso não há como proibir.
      Ademais, se é permitido, os outros poderiam utilizar também. O problema é a grana para alguns.

      Sobre utilizar dopping ou não, a discussão é vazia hoje em dia. Estou certo que existem drogas e suplementos permitidos que a maioria dos tenistas utilizam e mudam principalmente a forma como o corpo se recupera e anestesia as dores. E se você proíbe alguma, logo aparece outra melhor.

      Abraços

  20. Luiz Fabriciano

    Mestre Dalcim, seu primeiro parágrafo corrobora com o que penso e me dedico à estudar. O condicionamento físico atual do jogador para quem mais torço, que está apenas à 8 meses de se aposentar, por invalidez, segundo o nobre J. Pessanha, é uma combinação de vários fatores, pouco usuais, por outros profissionais, pois, preparadores de alto nível, todos têm.
    O que quero dizer que, uma vida fora da quadra, reta, com família estruturada, esposa, filhos, pais e irmãos, adepta à meditação, espiritualidade, excelente alimentação, entre outras, reflete no que presenciamos atualmente.
    Por que não era assim no começo?
    Porque se adquire isso com maturidade.

    E um dado importante para o sumido Rodrigo S. Cruz: o derrubador de ibope ontem derrubou um estádio com 30 mil pessoas, inteirinho.

    Obs. Ontem Novak “Rocky Balboa” Djokovic esteve novamente no ringue, ops, na quadra. Quando viu o ímpeto do garotão – ótimo por sinal – disse: venha, me bata até cansar. Depois te executo.
    Grande abraço.

  21. Wilson Rocha

    Dalcim, um jogador sem saque (primeiro serviço a 110 milhas e segundo abaixo de 90), sem golpes potentes da base e sem físico (aguentou apenas um set e meio), Djokpvic perdeu set e várias trocas de bolas longas (se livrou de muitas situações delicadas com o saque). Enfrentar Zverev e Medvedev em sequencia (o mais provável que aconteça), ambos com grande saque, golpes fimes da base e físico excelente, Djokovic precisará melhorar muito ou então rezar p um dos dois perder antes.

  22. Jorge Francisco Simão

    Dalcim, Djoko na minha opinião esta cometendo alguns erros que no seu melhor não cometeria e isso deixa o adversário confiante e com mais energia, exigindo um esforço maior; é logico; deixa a partida mais disputada o que é ótimo para o público.

    1. Paulo Sérgio

      O tênis profissional é como os outros esportes, pois exige que os atletas tenham bom condicionamento físico. Só em tênis amador para se valorizar a beleza plástica dos golpes em detrimento da competividade.

    2. Luiz Fabriciano

      Coloque a melhor raquete do mundo nas mãos de Usain Bolt e veja o que acontece…
      E não esqueça de dizer à ele que as linhas parelelas de fora da quadra não valem para o jogo de simples.

      1. José Yoh

        Olá Fabriciano, a questão é que entre os tenistas com nível técnico parecido, o que conta é o físico mesmo.

        Repare que há vários anos, o número um é sempre o que está bem fisicamente. Raramente aconteceu do Big 3 inteiro estar bem, sempre um deles esteve lesionado, quando não dois. Em dada ocasião, Murray era o que estava melhor.

        E isso não quer dizer que o sérvio não tenha técnica. Apenas que a técnica faz menos diferença que o físico hoje em dia, principalmente nas maratonas dos slams. Isso, ao contrário de ser depreciativo, é um grande mérito de Novak.

        Abraços

        1. Paulo Almeida

          Yoh, do USO 2010 até RG 2012 todos estavam inteiraços, mas então veio a lesão grave do Nadal rompendo o tendão patelar em Wimbledon daquele ano. Depois tivemos um breve momento no primeiro semestre de 2014 e também de Wimbledon 2018 até o Finals de 2019.

        2. Luiz Fabriciano

          Tenistas com nível técnico parecido é completamente diferente de afirmar que um tenista com 20 GS é vencedor só por conta do físico.
          Esquecem que esse tenista sofreu bastante nesse quesito no início da carreira, ainda assim, teve seu primeiro GS, Finals e Masters 1000 antes do ápice físico.
          Minha resposta foi à uma pessoa que elabora conjecturas diárias apenas para tentar dizer que o #1 do mundo é um tenista medíocre.
          E sim, o físico é um dos três atributos imprescindíveis ao tenista e sim também, mérito dele por possuir. Aja vista o Alcaraz ontem.
          Abraço.

    3. Luiz Afonso

      Que eu saiba, quanto melhor a técnica menos esforço se faz para executar o golpe. Partindo deste princípio, somado ao fato de que seus adversários cansam muito mais rapidamente do que o Djokovic, será mesmo que essa sua afirmação está correta? Teria Djokovic simplesmente o melhor preparo físico ou ele também é superior tecnicamente do que seus atuais adversários? Eu fico com ambas as opções.

      1. Luiz Fabriciano

        É isso.
        Engraçado que quem levantou essa questão, vive dizendo que Roger Federer é isso e aquilo, que joga sem fazer força e tal, mas na hora que o santo aperta, apela para idade avançada e que o outro ganhou no físico, ou seja, quando ganha é porque é mais técnico e quando perde é porque o outro é mais forte.

    4. Ricardo - DF

      É o que sempre me incomodou com Nadal e Djoko: são jogadores com “superpoderes”!
      Como disse nada menos que Andy Murray, depois de um Aberto de Roma: “Tem uns caras que não cansam!”
      Nadal tinha sido o campeão, mas foi Becker, então com Djoko, que vestiu a carapuça e saiu criticando o Murray.
      Enfim, tem que ganhar do físico deles tb.

  23. Geailton

    Não faz assim Dalcim. Dste jeito você acaba com mais uma falácia sobre nao ganhar torneios por causa da idade que alguns aqui fazem

  24. Paulo F.

    Outra coisa, Ribeiro:
    Citei o Rafa e o Nole como os dois GOATs, pois são os dois que ainda estão disputando essa condição.
    Jamais descartarei que Rafa não conseguirá seu vigésimo-primeiro GS na edição de 2022 de RG.

    1. Sérgio Ribeiro

      Jura ? rsrs. És tu com teu imenso conhecimento quem determina os candidatos ? . Ainda estou no aguardo de teus comentários sobre os jogos do Torneio. A sensação que tu não fechas a matraca desse mesmo assunto é pelo fato de não assistires nada rsrs. Abs!

  25. Fabríciogoiano

    Olá Dalcim e colegas do blog!!

    Que exemplo de dedicação e coragem deste jovem americano. Apesar de eu acreditar que o jogo dele casou com o do número 1, nada ofuscou a sua atitude. Um jogador exemplar do início ( quando já entrou sem baixar a cabeça) ao fim ( quando mesmo cansado foi fiel ao seu estilo de jogo e continuou indo para as bolas vencedoras). Não sei se você notou mestre, mas o americano tanto no primeiro set quanto na metade do segundo simplesmente não errava o primeiro saque. Muito consistente! Me impressionou bastante! Fisicamente me lembrou aquele jogador inglês; Kyle Edmund.
    É….mais uma vez o sérvio deu uma amostra de sua experiência, técnica e inteligência ao notar que querer ganhar os pontos na pancadaria e na pressa não seria o caminho adequado para ele. Esse sérvio é muito inteligente e experiente. Teve todos os méritos para vencer esse grande desafio. Mestre…deixo aqui uma pergunta: Foi essa a partida que fez o Nole virar a chave no torneio??? Estava achando-o meio sem empolgação e com grandes chances de não vencer….mas depois desse jogo….sei não…
    Deixo aqui o meu agradecimento pelo excelente post, mestre!!! E principalmente pela sua dedicação e generosidade para publicá-lo de maneira tão rápida!!!
    Um grande abraço!

    1. José Nilton Dalcim

      Olha, Fernando, acho que sua trajetória até aqui foi mais difícil do que eu esperava, deixando alguns sets pelo caminho. Mas sem dúvida este foi um teste especial, ao pegar um garoto que acaba de surgir nos grandes torneios, cheio de recursos e é claro com apoio do público local. Então concordo com você que foi a vitória mais importante para a fase final do torneio, que tende a ficar realmente tensa na semifinal e possivelmente final.

  26. Periferia

    Claramente Djokovic tem 2 jogos para conquistar o recorde de Slam(s)…
    Uma semifinal contra Zverev e uma final contra Medevdev (um feito enorme)…mesmo assim o sérvio é favorito contra eles…
    O restante do circuito não tem condições de enfrentar o sérvio em um jogo onde teoricamente teria que vencer 3 sets.
    Algumas imagens de ontem mostram o jovem americano procurando “ar” depois de algumas trocas de bolas (pensei que o garoto iria infartar)…
    A diferença física e mental é muito grande.
    Tecnicamente até conseguem jogar (por alguns games)…mas acabam sucumbindo.
    Apenas em um jogo até agora Djokovic não perdeu set(s)…
    Mostra que não está em seus melhores dias tecnicamente…
    O sérvio sabe que precisa elevar o nível em no máximo 2 jogos para conquistar o título (e não precisa ser no jogo inteiro…basta elevar o nível em momentos importantes da partida)…o restante do o circuito cabe olhar…admirar…e treinar…principalmente os novos…
    Pode-se perder por levar uma paralela…uma esquerda cruzada…uma deixadinhas milimétrica….mas não se pode perder por faltar “gás”…
    Por enquanto…a molecada não está aguentando a “correria” do tiozinho sérvio…surpreendentemente.

    1. Thiago Silva

      O estilo dele nem era ir pra bolas vencedoras, ele foi depois que não aguentava mais correr, aí teve que arriscar mais. No primeiro set só ficou passando bola no meio igual já fizeram Dimitrov e Simon contra o Djokovic.

    2. José Yoh

      Olá Periferia, vejo alguns motivos para o sérvio conseguir ter mais fôlego que o jovem de 20 anos. A maioria deles relacionado ao fato dele ser o número um:

      – Mais recursos médicos para recuperar o corpo a cada partida.
      – Partidas em horários mais amenos que os adversários;
      – Partidas contra adversários menos exigentes já que é cabeça de chave 1. Entra menos cansado;
      – Tendo partidas mais exigentes, o adversário sempre entra mais cansado também;
      – Menos tensão durante o jogo, por ser mais experiente.

      E isso também favoreceu Nadal, Federer e tantos outros que chegaram ao topo. Então quem está no topo tende a ficar.
      Cordiais abraços

  27. Cláudio Bernardo

    ” Em tantos anos de carreira que Nole já tem, esta foi apenas a quinta vez que o sérvio de agora 34 anos perdeu um primeiro set por 6-0 ou 6-1 num Grand Slam. E todos os outros tenistas que o fizeram passaram, pelo menos, pelo top 10. ”

    Marat Safin – Australian Open 2005 — 6-0

    Fernando Verdasco – US Open 2005 — 6-1

    Stan Wawrinka – Australian Open 2013 — 6-1

    Rafael Nadal – Roland Garros 2020 — 6-0

    Jenson Brooksby – US Open 2021 — 6-1

    Fonte da informação: https://bolamarela.com.br/aplicar-6-1-ou-6-0-no-primeiro-set-de-um-grand-slam-a-djokovic-brooksby-e-apenas-o-quinto/

    1. José Yoh

      No primeiro set de um slam é algo bastante específico. O correto seria levantar em todos os sets de todos os jogos para poder achar algo espetacular. De qualquer forma, tomar um 6/0 ou 6/1 muitas vezes é uma estratégia para poupar energia para o próximo set se for nítido que o set já está perdido.

      Abraços

  28. Rafael

    A cabeça de Djokovic é sensacional. Obviamente ele pode ser surpreendido, o garoto com espinhas na cara entrou como um maluco cheio de energia e bom jogo. Djoko vai, senta, fecha os olhos e refaz seu plano. Levanta, volta e começa a destruir o físico, a confiança, o mental, movimentar o rapaz. Com uma calma impressionante, como se soubesse o que iria acontecer. Uma hora ou outra levará uma invertida, mas é o tenista mais inteligente taticamente que eu já vi jogar. Ele vê o jogo estrategicamente e tem um arsenal que lhe permite implementar o que julga necessário para vencer.

    Quanto ao Brooksby, precisa aprender a dosar as energias. Enquanto durou, no entanto, foi eletrizante. É interessante ver esses duelos de idade contra experiência. Achei de bom tamanho a torcida, fez barulho tanto para um lado como para o outro, e, como foi dito, com torcida é outra coisa.

      1. Rafael

        Ah, Luiz, tenho acompanhado muitos jogos pelos streamings do tenisbrasil; ontem até ia dar uma chance pro sportv, mas quando vi que não era o Eusébio narrando saí fora, apesar do Venâncio comentando.

        No fim das contas, prefiro eu mesmo fazer minhas “análises”, rs.

        Grande abraço.

        1. Rafael

          E não gosto do Meligeni comentando, acho que ele fala demais. O pessoal do streaming é mais comedido, como prefiro.

          1. Luiz Fabriciano

            Também não gosto, mas nesse dia era a única opção, pois, diferente de você, meu inglês não permite assistir em streaming o tempo todo, kkk.
            Mas essa análise dele foi muito pertinente.

  29. Paulo F.

    Vou ter que aproveitar o gancho do nobre Luiz Fernando na pasta passada.
    Sérgio Ribeiro:
    Tu que vives acusando Rafael e Novak de fugirem dos “fundamentais” torneios preparatórios para Wimbledon de Queen’s e Halle.
    Como Rafa ganha então duas edições de Wimbledon e uma delas justamente em cima do suposto “Rei da Grama” se sempre fugiu desses “importantíssimos” torneios preparatórios?
    Novak então? O outro “fujão” de Quern’s e Halle, que não perdeu NENHUMA final de Wimbledon também contra o “Rei da Grama” em Wimbledon.
    E Roger? Poucas vezes deixou de participar dos prepatórios torneios de saibro, mas sempre levou bomba em Roma e Monte Carlo, além de ter apenas UM mísero Roland Garros e terceirizado, com o “GOAT” NUNCA derrotando o Imperador do Saibro em seus domínios.

      1. Paulo F.

        Sim, Fabriciano, é óbvio que não têm respostas.
        É para ver o malabarismo argumentativo de quem “tanto entende” do esporte.
        Rsrsrsrs Abs!

    1. Thiago Silva

      Ganhar 3 vezes do Federer em Wimbledon e duas vezes do Nadal em Roland Garros não conta pra ser GOAT, ganhar do poderoso González e do Baghdatis na final do Australian Open é muito mais difícil.

      1. Sérgio Ribeiro

        O que é que tem uma coisa a ver com a outra , guri ??? . A asneira que Nadal era “ verde “ até 2008 pra justificar suas derrotas nas duras partiu de ti ( bota groselhas nisso ) . E a Turma da Kombi lendo teus comentários ( sempre defendendo o Sérvio) , acha que tu abraças as causas deles rs . Lá no face TênisBrasil sacaneias o Sérvio o tempo todo . E não é só “ Cotonete “ e outras … És um traíras de carteirinha e fanático pelo Touro kkkkkkkkkkkkkkkkk . Abs!

        1. Jonas

          Thiago Silva é torcedor do Nadal, Ribeiro.

          O que ele disse é verdade. Aliás, Nadal foi um dos jogadores que mais evoluiu e teve que penar para ‘sair’ do saibro, onde sempre foi fora de série.

          Você força o Nadal como pronto nas hards em 2005 para valorizar o Federer, que nessa época já tinha pesadelos com o espanhol.

          1. Sérgio Ribeiro

            Ao contrário , caríssimo Jonaser . Tua turminha quer sumir com os MASTERS 1000 ganhos precocemente pelo Espanhol em 2005 , e as FINAIS consecutivas de WIMBLEDON em 2006 e 2007 , pra desmerecer os oponentes que ele tinha na Época . Tudo pra manter a asneira da “ entressafra “ . Quem tem esses feitos na conta estava pronto pra se impor em qualquer superfície. Muda a lorota pois esta não vai colar nem daqui a 100 anos kkkkkkkkkk. Abs!

    2. Sérgio Ribeiro

      Não sei como ainda tenho saco de repetir novamente. Novak chegou a TRÊS FINAIS somando Halle e Queen’s. Perdeu TODAS e optou em se preparar numa quadra com a grama mais lenta tipo do All England Club. Nadal venceu Queen’s uma vez pra cima do Sérvio, mas preferiu fazer o mesmo. Quem diz que os Torneios não tem importância não sabe nada do Esporte. O segundo melhor na Grama Sagrada ( Pete Sampras) jamais pulou os preparatórios. Importante deve ser os 2 ATP250 de Belgrado que o Sérvio fez como preparatórios para RG . Na boa , tu és fraquinho mesmo de raciocínio. Federer além de 5 FINAIS em RG possui mais MASTERS 1000 no Saibro que GUGA . E pra criança isto é levar bomba .., Vá procurar tua tchurma , Paulinho rsrs. Abs!

      1. Paulo F.

        Novak fez melhor, ganhou 5 vezes os preparatórios de Roma e 2 vezes o preparatório de Monte Carlo.
        E, em algumas vezes, derrotando o Imperador do Saibro.
        Coisa que Roger nunca fez.
        Rsrsrsrs Abs!

        1. Sérgio Ribeiro

          Errado : Federer ganhou dois MASTERS 1000 pra cima do Touro com direito a Pneu em Hamburgo. Postas as mesmas asneiras milhares de vezes . Se liga , mane’ rs . Abs!

  30. Ronan Couto

    Bom dia.
    Não sou exatamente fã do DJOKO, mas obviamente reconheço sua extrema qualificação. De qq forma, vou torcer muito para ele vencer esse US OPEN e na entrevista pós jogo mandar a torcida de lá (mais do nunca, majoritariamente formada por norte-americanos abastados e portanto ” woke libs”, como dizem por lá) tomar no c*. 😀
    Adoro essa mina aí, a Luzia. Não sou daqueles que torcem por alguém, pelo menos no tênis, só por ser ele ou ela ser brasileiro(a). No caso dela, torço muito, um pouco por causa disso, claro, mas também porque ela parece ser incrivelmente gente-boa. Simpatizo também bastante com o Demoliner, espero que tenha uma carreira vencedora também.
    Abs,

  31. Paulo F.

    Bom dia, Dalcim!
    Que o jogo de ontem tenha dado o ritmo de competição que faltava ao Djokovic.
    Estava muito no automático.

  32. Robson

    Novak Djokovic continua demorando a entrar nos jogos nessa atual edição do US Open,ontem não foi diferente.
    Porém o garoto norte americano jogou a vida durante a primeira hora e meia de jogo, inclusive cometeu apenas 1 erro não forçado no 1° set, incrível a solidez.
    Aliás a primeira hora e meia de jogo que Musetti,Rune e o garoto norte americano ontem,fizeram contra Novak Djokovic esse ano,vou falar viu,algo es-pe-tá-cu-lar,se eles conseguirem um condicionamento físico nível top, terão um futuro brilhante pela frente.
    Vale ressaltar que Novak Djokovic com 18,19,20 anos tb não tinha um físico top,ele perdeu vários jogos naquela época pq o físico o deixava na mão, inclusive teve que abandonar algumas partidas,mas correu atrás pra ajustar esse problema,conseguiu e desde 2011 pelo menos, até hj,tem de longe o melhor físico do circuito,pra não falar melhor físico de toda história desse esporte.
    Simboraaaa Novak,faltam TRÊSSSSSSSSSSSS….

  33. Ronildo

    Mais uma vez Djokovic foi salvo de uma derrota ao enfrentar um tenista tecnicamente superior, embora fisicamente mais frágil. Assim como Nishikori, o adversário de ontem vinha de 5 sets maçantes. Uma pena que o adversário das quartas não está bem, talvez não esteja recuperado da contusão da final de Wimbledom contra o mesmo Djokovic. Será um torneio de 2 jogos para Novak devido a estas inúmeras “coincidências” que acompanham sua carreira. Agora é torcer para que Zverev não tenha contusão antes ou durante a partida contra Djokovic visto haver grande possibilidade disto acontecer devido às sinistras desgraças que tem acometido os adversários de Djokovic nestes últimos 5 anos.
    Se estes mecanismos invisíveis que favorecem Djokovic forem de origem espiritual, mesmo estando em grande perigo, darei minha contribuição na forma de jejum e oração nesta sexta-feira. Mas temo que as armas de Djokovic sejam tecnológicas e os tenistas estejam com um super-micro-chip implantados em seus corpos através da nanotecnologia. Se este for o caso, apenas Os Vingadores estariam aptos para desbaratar este infame e cruel ardil.

    1. Luiz Fabriciano

      Depois de ler uma análise dessas, me reforça a certeza que analista mesmo é o Mestre Dalcim.
      Tenista tecnicamente superior com um saque pífio daqueles?
      E outra, Berretini, mesmo que estivesse contundido em Wimbledon, foi acusar só na final, depois de derrubar 6 adversários, sem dó nem piedade? Ok, beleza, vamos admitir que sim.
      O sérvio foi a cereja do bolo.
      Ai, vem o US Open, meses depois.
      Já temos a causa para uma possível derrota pronta.
      Digamos que o italiano esteja, como se diz no interior, de vera lesionado. Ganhou 6 jogos em Londres e perdeu para o sérvio, então o sérvio é melhor e deveria ganhar mesmo.
      Se ainda estiver lesionado aqui, já ganhou 4 jogos, mesmo lesionado e se perder amanhã, será porque o sérvio continua melhor, porque é o único que teve a capacidade de derrotar um tenista lesionado, certo?
      Abraço.

    2. Romão gomes

      Tem uns “gênios” aqui no site que dizem que há vários jogadores que só perdem para o Djokovic (35 anos) por que o sérvio é melhor fisicamente, mas que são muito melhores que ele tecnicamente.

      Talvez os gênios que dizem isso devessem se tornar técnicos, tirar a raquetes das mãos dos seus pupilos e colocá-los muito mais tempo em academias do que em quadras de tênis, para provarem suas teorias.

      Amo o tênis, e sei que sou privilegiado por vir tantos gênios, além do sérvio, em quadra: Navratilova; Evert; Seles; Hings; Henin; Graff; Lendl; Federer; Nadal …
      Infelizmente, para alguns, desmerecer a quem tem talento é tão comum como respirar.

  34. Paulo H.

    Dalcim, a partida entre Djokovic e Brooksby foi extraordinária por diversos motivos: revelou um jovem tenista com muitos recursos, que bate forte de qualquer lugar da quadra, mostrou que até alguém experiente como o sérvio consegue ser surpreendido, como aconteceu no primeiro set, mas o principal foi trazer de volta o Novak que trocava 30 ou 40 bolas contra Nadal e Murray. Aparentemente apressado no início do jogo, a partir do segundo set aceitou “sofrer” um pouco e insistir nas trocas de bola até aparecer a oportunidade para uma paralela ou diagonal indefensáveis. Com isso, confirma a fama de “destruidor” de pernas e pulmões dos adversários. Em 5 sets, é quase imbatível, mesmo aos 34 anos de idade e o novo duelo com Zverev está cada vez mais próximo.
    A Raducanu tem um jogo agradável de assistir, agressivo, batendo reto nas bolas e a previsão de partidas bisonhas depois de grandes feitos, aconteceu do lado da Shelby Rogers. A número um Barty deve ter lamentado muito não ter fechado no 5/2 do terceiro set.
    Hoje temos dois jovens de volta às quadras: Alcaraz e Fernandez. Acredito que a trajetória de ambos deve se encerrar hoje. alguma previsão de sua parte?

    1. José Nilton Dalcim

      Acho a tarefa muito difícil para os dois, mas especialmente ao Alcaraz porque ele me parece no limite físico. A seu favor está aquela dúvida sobre a capacidade de Aliassime se manter focado, mas eu acho que o Toni está fazendo um bom trabalho com a cabeça dele. A Leylah pega uma tenista que muda muito o ritmo de jogo e isso obriga a adversária a tomar atitude. Svitolina tem seus ‘apagões’ e a canadense pode se aproveitar disso para ganhar ao menos um set.

  35. Yan Almeida

    Djocovid nunca perdeu de um americano em slam, Dalcim? Acho que isso se restringe ao US open, pq o sérvio já apanhou do Querrey e do Roddick…

  36. Vitor Hugo

    Muito estranho um jogador com 34 anos correndo muito mais que os rivais 10 ou mais anos mais jovens….
    Só prova que, ou os rivais são melhores tecnicamente que o sérvio, ou no mínimo estão no mesmo nível.
    A diferença é o enigmático físico ‘privilegiado ‘ em favor do sérvio.

    1. Rodrigo Figueiredo

      Enigmático? Agora dispender tempo na academia, se alimentar corretamente e ter um estilo de vida saudável é “enigmático”? O físico do Djokovic é uma combinação da genética com o cuidado que ele empreende consigo mesmo. Insinuar qualquer outro motivo só mostra o destempero daqueles que insistem em torcer o nariz para o sérvio.

  37. Marcos Ribeiro

    Ótimo jogo este Djoko X Brooksby.

    O tênis de fato exige proporções semelhantes de 3 qualidades fundamentais : técnica, físico e cabeça+emoção. Mas, ao mesmo tempo, acho que cada uma destas 3 qualidades costuma prevalecer um pouco mais nesta mesma seqüência e que a seguinte vai se tornando a mais decisiva quando há um equilíbrio na(s) anterior(es). Ou seja :
    > se há uma grande diferença técnica, quem tem mais vence
    > se o nível técnico é parecido, quem tem mais físico vence
    > se o técnico e o físico são parecidos, quem tem mais cabeça e controle emocional vence.
    Claro que Isto na média, com exceções.

    Nas olimpíadas, o físico derrubou o Djokovic, que fez a besteira de disputar duplas mistas e simples durante um verão infernal, e o seu gás acabou durante o jogo com o Zérev. Agora é outra história, mas para vencer o Medev na final é bom não gastar muita energia contra o Berretini e o próprio Zérev. E os 2 jogos contra estes 2 EVs tendem a ser equilibrados e também muito bons.

Comentários fechados.