Título de Zverev esquenta US Open
Por José Nilton Dalcim
22 de agosto de 2021 às 21:42

Novak Djokovic não terá concorrência dos outros Big 3 naquele que seria o primeiro duelo de desempate dos 20 Grand Slam, mas a ausência de Rafael Nadal e de Roger Federer poderá ser compensada por três animados postulantes ao primeiro troféu de peso da carreira.

Daniil Medvedev, Stefanos Tsitsipas e Alexander Zverev já tiveram sua chance de ganhar o Slam inédito. Dois foram impedidos pelo próprio sérvio e dois já estiveram a um set de faturar o próprio US Open. A questão é saber o quanto as experiências acumuladas serão suficientes para isso.

Zverev de repente deu um passo à frente de Medvedev e Tsitsipas. Primeiro pelo título olímpico em cima de Djoko, depois por uma campanha exigente em termos físicos e técnicos em Cincinnati, onde obteve uma reação notável diante do grego e em jogo de grande qualidade.

Depois atropelou Andrey Rublev numa exibição de encher os olhos e aí se faz necessário destacar pontos em que seu tênis evoluiu. Na parte técnica, ficou bem mais seguro na rede, tem devolvido com bolas profundas e o trabalho de pernas permite contra-atacar bem com o forehand. Também passou a se mexer melhor para a frente e o saque tem sido uma arma muito bem utilizada.

Todo mundo se lembra que Zverev esteve a um game de serviço para ganhar de Dominic Thiem no US Open do ano passado e ele admite que isso o incomodou por algum tempo. Não viveu um primeiro grande semestre em 2021, mas voltou a ser consistente nos Slam, com quartas na Austrália e semi em Roland Garros. Não brilhou em Wimbledon, e o ouro em Tóquio foi um tanto inesperado porém igualmente motivador.

Zverev também acaba de derrotar Tsitsipas pela terceira vez no geral e a segunda na temporada, e a vitória de sábado foi um grande esforço emocional e físico. Ele e o grego serão cabeças 3 e 4 no US Open, certamente cada um torcendo para ficar no lado inferior da chave.

Lá estará Medvedev, já com duas finais de Slam no currículo e um jogador a ser muito temido na quadra dura. Campeão em Toronto, não repetiu a mesma firmeza em Cincinnati, mas mostrou resistência ao sufocante clima dessas duas semanas. A expectativa é de temperaturas mais amenas, ao menos na primeira semana de Nova York, e isso pode ser valioso na economia de energia.

Tsitsipas talvez seja o mais frágil desse trio. A competência técnica é inegável e seu preparo físico, assombroso. Mas ainda tem altos e baixos emocionais importantes nesse nível, como ficou claro no terceiro set de ontem diante de Zverev, quando abriu 4/1 e ainda duvidou. Fez uma excepcional passagem no saibro meses atrás, com o primeiro título de Masters e a primeira final de Slam.

O tênis é acima de tudo um acúmulo de experiências, boas e ruins. Quem souber administrá-las, tem muito mais chance.

Barty em grande forma
A decepção olímpica foi muito bem absorvida e Ashleigh Barty voltou ao circuito normal da WTA com o mesmo volume de jogo que a levou ao título de Wimbledon 45 dias atrás. Não perdeu um único set na conquista de Cincinnati, com vitórias de peso em cima de Vika Azarenka, Barbora Krejcikova e Angelique Kerber.

Claro que se esperava uma final diante de uma top, quem sabe Naomi Osaka, porém a canhota Jil Teichmann aproveitou a oportunidade para se tornar a nova surpresa da temporada feminina. Fez uma sequência incrível. Depois de Osaka, superou Belinda Bencic e Karolina Pliskova, sempre com muito apuro tático.

A excepcional variação técnica de Barty, que usou seus amplos recursos, não lhe deu muita chance na final deste domingo. A número 1 sacou muito bem a semana toda, esperou sempre a hora certa de atacar, fez voleios perfeitos e usou o slice para alterar ritmo. E para completar, movimentou-se com desenvoltura ímpar, sinal de que o susto do quadril ficou para trás.

Barty entra como favorita clara para o US Open. Resta saber quem será a ‘zebra’ da vez.

Stefani: dá para acreditar
Desta vez, não veio o título, nem a virada. Luísa Stefani e Gabriela Dabrowski tiveram algumas falhas decisivas na final de Cincinnati, mas quem fez diferença mesmo foi a chinesa Shuai Zhang, num dia inspiradíssimo ao lado da experiente Samantha Stosur.

A terceira semana tão positiva só deixa bons fluídos para o US Open. A dupla da brasileira não será certamente a favorita, mas está muito bem cotada para ir longe em Flushing Meadows e, conforme aproveitar suas chances, as duas têm motivos de sobra para sonhar com o título. E nós também!


Comentários
  1. José Eustáquio Masculino Cruz

    Estive lendo sobre o tal de GOAT isto é uma palhaçada de quem não tomou rumo na vida para as pessoas eternamente brigarem(discutir)se for por números é ainda aconselhável aguardar Rafa Nadal,mas o Djokovic já está na frente em números mas ser GOAT é só isto. Nicolas Mahut acha o Rafa o GOAT e quem vai ser contra,se o Dalcim acha que é o Federer e ai que mal tem isto,e a turma da kombi acha que é o quebrador de Raquete,bebê chorão ok parem com essa palhaçada!

  2. juninho Fonseca

    Boa tarde Dalcim….
    Tem notícias do Federer?ele já operou?
    seria uma operação simples essa…tipo uma artroscopia,ou algo mais complexo??

    1. José Nilton Dalcim

      Não li mais nada a respeito, Juninho, mas minha impressão é que será uma cirurgia maior, provavelmente de correção.

  3. Luiz Fernando

    Djoko tem uma chave tranquila na primeira semana e mais complicada a partir das oitavas; Zverev tem uma chave complicada mais precocemente. Não tive curiosidade de ver o chaveamento do outro lado…

  4. Cláudio Bernardo

    GOAT das estatísticas, GOAT da popularidade, GOAT do impacto no esporte, GOAT da era aberta, GOAT da Hard, GOAT da grama, GOAT do saibro, GOAT do mimimi, GOAT da entressafra, GOAT parrudo, GOAT cringe, GOAT da beleza de jogo. GOAT…qual o próximo???

    Acho que o GOAT está deixando de ser o GOAT!

    rs

  5. Paulo F.

    Eu discordo do Almeida quanto a Hewitt e Safin.
    Na minha opinião, foram estupendos tenistas.
    Verdadeiros anjos abençoados que, junto a Guga e Federer, colaboraram para o esporte e expurgaram do tênis o aberrante, maldito, enfadonho, entediante saque-e-voleio com seus jogos de fundo sólidos e passadas magistrais.

    1. Paulo Almeida

      Em relação a terem expurgado o “aberrante, maldito, enfadonho, entediante saque-e-voleio”, eu concordo contigo, mas o Hewitt especialmente não teria a mínima chance contra os atuais rivais do Djokovic e muito menos contra o próprio (já apanhava do feto). Estaria no patamar de Agut e Busta ou abaixo.

      De qualquer forma, é bom discordarmos, enquanto vemos outros engraxates por aí.

    1. Rubens Leme

      Caos se confirme a agressão, a ATP deveria punir com a retirada de pontos que conquistou no torneio e uma multa no valor da premiação recebida e fazer um anúncio público e também punirem o pai, de viajar junto, negando-lhe credenciais para os torneios e e hoteis onde os tenistas se hospedam. Seriam pequenas, mas positivas atitudes, mostrando que a entidade está engajada na luta contra a violência doméstica.

      Zverev tem quase 2 metros de altura, mais de 90 kg, braços e mãos enormes hiperatrofiados pelos anos de tênis. Um soco ou um simples tapa dele possui uma potência tremenda. Sem falar que é outro negacionista na questão das vacinas.

      Está realmente impossível simpatizar com qualquer tenista desta safra. E como temos tenistas escrotos protegidos por seus pais, igualmente escrotos. São monstros criando monstros gigantes.

  6. Rubens Leme

    Dalcim, porque parece ser tão difícil para os brasileiros evoluírem seu jogo. Vendo o Monteiro contra o Tiafoe me lembrei do Bellucci de 10 anos atrás: saque e forehand pesados, ficam lá no fundo, backhand irregular, tem alergia de ir à rede e desperdiçam vitórias importantes uma atrás da outra.

    O Bellucci teve a sorte do seu jogo se ajustar àquela época, embora suas péssimas escolhas táticas e suas deixadinhas tenham feito muitos jogos fáceis virarem derrotas. O Monteiro até é taticamente melhor que o Thomaz, mas conforme o jogo rolava ficava patente que ele iria falhar na hora de fechar os sets.

    Aí te pergunto: é tão difícil assim fazer estes ajustes para os brasileiros? Falta o que, jogar e treinar mais em quadras duras, ter técnicos que façam os tenistas ousarem mais?

    1. José Nilton Dalcim

      Acho que é mais questão de personalidade do que de treinamento. Claro que eles treinam de tudo, devem ter planos táticos bem feitos, mas na hora h não saem do padrão. Bellucci tecnicamente é superior ao Monteiro, tanto na força do forehand como no primeiro saque, pontos que o cearense evoluiu claramente. Mas o backhand e a movimentação para a frente são problemas nunca resolvidos.

  7. Thiago Silva

    Ainda bem que o Thiem venceu aquele US Open ano passado, porque acho que vai ser o único slam da carreira dele.

  8. Periferia

    …Bel fez pensar…
    Existe um livro do Stephen King (Zona Morta)…que deu origem a um filme do David Cronenberg (A Hora da Zona Morta).
    O enredo é mais ou menos assim…
    Um professor sofre um acidente automobilístico…fica em coma por muito tempo…
    Quando desperta descobre a capacidade de prever o futuro apenas tocando a pessoa…
    Em um comício…numa praça…um político obscuro…irá se apresentar para a comunidade em busca de um cargo público…
    O politico…num ato normal para alguém que deseja se eleger…cumprimenta as pessoas…
    Uma delas é o professor (aquele que prevê)…descobre que no futuro o político chegará a presidência do país e será responsável pela morte de milhares de pessoas…
    O que o professor deve fazer ????

  9. Rubens Leme

    E um dia que começou com duas notícias ruins, acabaram com três ótimas, sendo uma delas esse empréstimo do Lucas “Harmonização Facial” Lima para o Fortaleza. O tricolor ceareense faz uma campanha tão bonita que resolveram aumentar o sarrafo. Nós agradecemos. Mas não queremos devolução, não?

    Há esperança no mundo ainda, Dalcim.

  10. Majô

    Estou desanimada com o tenis, a cada hora uma desistência. Realmente um US Open sem Federer,Nadal ,Serena e Thien é muito sem graça.

  11. Oswaldo E. Aranha

    Quando João Saldanha estava convocando a seleção de 70, recebeu críticas porque tinha incluído alguns cujo conceito de postura extra campo não era das melhores , então ele respondeu: não estou escolhendo um noivo para minha filha e sim bons jogadores de futebol. Lembrei-me deste episódio ao ver alguns pronunciamentos dos detratores e até estou pensando em tirar uma licença do blog para não ter de conviver com tanta iniquidade.

    1. Rubens Leme

      Te entendo. Quando se vê, aqui mesmo, fascistas felizes ao ver outros sofrerem (ainda mais em uma época como esta atual) e ainda pedem por mais, percebe-se que o problema é muito mais embaixo.

      Mas, fique, os bons são raros e você é um deles. Faça igual a mim e outros, ignore os demais comentários idiotas, ainda que dirigidos a você. Deixe eles berrarem. Infelizmente, para cada pessoa boa, aparecem 100 do outro lado. O falecido Umberto Eco foi cirúrgico quando disse que a internet promoveu os idiotas da aldeia a portadores da verdade.

    2. Robson

      Difícil entender esse pessoal que ficam dia e noite procurando pelo em ovo pra passarem recibos.
      Quer esse pessoal queira quer não,”ô maior” implica números e não adianta discordar de números.
      Já “ô melhor”,vai só gosto de cada um.
      Ô maior tenista da história é o atual número 1 do mundo,os números provam isso.
      Ô melhor tenista que eu vi jogar é o atual número 1 do mundo, é o meu gosto pessoal e acompanho tênis desde o início da década de 90.
      E outro fato é que não adianta ficarem exigindo demais da nova nem da novíssima geração,a distância do Big 3 pra eles eram/é gigante, absurdamente gigante.
      E nem é só nova e novíssima geração,eu duvido que qualquer outra geração da história do tênis,teria chance contra o big 3 em forma,mas duvido 100%.

  12. Rubens Leme

    Foi divertido esse cara-a-cara do Monfils com a Svitolina e ele se saiu bem e se livrou de ganhar uns rolos de macarrão na cabeça e de fazer faxina geral num sábado de manhã. Ela deu umas entregadas quando disse que ela treina cedo, mas ele dorme demais.

  13. Vitor Hugo

    Só há de lamentar a ausência do melhor e maior de todos em um dos seus reinos. Roger GOATerer é penta campeão legítimo no u.s open. Venceu 5 anos seguidos!

    1. Araujo

      Depois que a concorrencia chegou nunca mais ganhou o US Open. Federer tem 0 US OPEN nos ultimos 12 anos. Aproveitou a entressafra entre 2003 a 2008 e passou o rodo, mas depois apareceu concorrencia de verdade e começou a nao ganhar quase mais nada. Federer não é GOAT de nada, só se for de Miss Simpatia. Federer está atras de Djokovic e Nadal, ambos surraram ele e o dominaram.

    2. Paulo Almeida

      Eu lamento mesmo não poder zoar a torcida frauderete em mais um vexame certo nível Robredo e Millman.

      Sim, ele reina tanto que não vence desde 2008.

    3. Paulo F.

      O pai e mestre de Roger Federer, Rafael Nadal (que alegam ser “unidimensional”) possui apenas um US Open a menos.
      Como Roger Federer “domina” o US Open…. uau!

  14. Luiz Fernando

    Dalcim, dos 4 principais candidatos ao titulo do USO, Djoko, Medvedev, o grego e o Zverev (creio q vc concorde q são esses), quem vc vê melhor fisicamente? Por exemplo, Djoko nos últimos anos tem tido dificuldades no clima de NYC. Sem meias palavras, pelo q vi, li e ouvi, vejo o grego e o sérvio um degrau acima dos outros dois…

    1. José Nilton Dalcim

      Olha, concorrência dura. Talvez apenas o Zverev fique abaixo nesse quesito, Luiz. Medvedev também é muito forte nesse campo.

      1. Sérgio Ribeiro

        Ainda bem que mandastes o “ talvez “ , meu caro Dalcim . Sasha jamais esteve tão bem fisicamente. E bastante acostumado com 5 Sets. Abs!

        1. José Nilton Dalcim

          Sim, mas o problema dele sempre foi jogar cinco sets cedo demais nos Slam, Sérgio. Tomara que ele deixe isso para a segunda semana.

        2. Luiz Fernando

          Como vc pode afirmar q ele nunca esteve melhor? Vc tem dados objetivos acerca do condicionamento físico dele? Sua opinião neste aspecto é meramente subjetiva e baseada no “eu acho” ou “na minha opinião”, ou seja um chute…

  15. Rubens Leme

    Um olheiro veterano de beisebol, praticamente cego, que viaja por todos os EUA para caçar novos talentos e que pelo som da batida reconhece se o jogador presta ou não. Um verdadeiro morcego.

    Quem, senão Clint Eastwood poderia estrelar uma história tão fantástica, humana e cheia de reviravoltas? Assim é Curvas da Vida, filme de 2012.

    Aos 91 anos, ele promete não parar enquanto puder ficar em pé. E fica a dúvida: quem sobreviverá quando o fim do mundo chegar, as baratas ou Dirty Harry?

      1. Rubens Leme

        Falando em Chuck Norris, o imdb (site de cinema) diz que ele tem 1,78 me de altura. Só se for usando aqueles saltos altos chamado agulha, mas confesso que adoro os filmes dele, me divirto muito.

        No Mercenários 2 ele faz uma pontinha genial, onde mata todo mundo e salva Stallone e cia. Quando o Rambo pergunta se é verdade que ele foi mordido por uma cobra venenosa, ele admite que sim.
        – E depois de cinco dias sofrendo muito, ela não resistiu e morreu

        Mas o Dirty Harry é ainda mais poderoso do que ele.

    1. Periferia

      Olá Leme

      Curvas da Vida que tem a bela Amy Adams.
      Uma das melhores atrizes de sua geração.
      Fez A Chegada de Denis Villeneuve (ótima ficção científica com um viés filosófico).
      Também participou de A Trapaça de David O. Russell (para quem gosta dos exageros dos anos 70).
      Fez uma envelhecida Linney Cheney em O Vice ( cinebiografia de Dick Cheney…o vice mais poderoso da história americana).
      Era uma Vez um sonho de Ron Howard (contracena com uma ótima Glenn Close).
      Fez filmes para Spielberg….Spike Jonze…Tom Ford… Norba Ephron…Paul Thomas Anderson…Tim Burton…Mike Nichols…e não poderia faltar o William Munny.
      A moça sabe escolher com que trabalha…

    1. Rubens Leme

      A Bolha era muito boa, teve duas formações bem diferentes. Na primeira tinha o baixista Arnaldo Brandão, que nos anos 80 montou o Hanói-Hanói. e fez sucesso com “Totalmente Demais” depois regravada por Caetano. Os dois discos dos anos 70, Um Passo à Frente (1973) e É Proibido Fumar (1977) são objetos essenciais do rock brasileiro da década de 70.

      Valeu pelo link.

  16. Rubens Leme

    THE ROLLING STONES – STICKY FINGERS (1971)

    Um disco chamado “dedos grudentos”, em que a capa original mostrava uma calça Levis com um zíper que abria (abortado depois pelo custo e pela sugestividade) e que fala de heroína logo na primeira música. Se isso seria um escândalo hoje em dia, imagine quando foi lançado em 1971, 50 anos atrás. Só mesmo uma banda tão “suja e depravada” como os Rolling Stones assinariam tal heresia.

    O pior é que Sticky Fingers talvez seja o melhor disco da banda, parte do quarteto de ouro de álbuns, entre 1968 a 1972, ao lado de Let It Bleed (1969), Beggars Banquet (1968 o último álbum inteiramente gravado com Brian Jones) e que precede o duplo Exile On Main St (1972).

    Aqui, há de tudo: baladas lindas como “Wild Horses”, com um belo violão de Keith Richards, que teve aula com o falecido Graham Parsons, que acabou gravando a mesma com sua banda, The Flying Burrito Brothers, “Sister Morphine”, em que Jagger roubou na cara dura de sua então namorada Marianne Faithfull e depois precisou dar os créditos devidos ou “Can’t You Hear Me Knocking” que Eddie Van Halen roubou o solo, acelerou 100x e fez Dreams, de 5150 (incrível como nunca vi comentário sobre isso). E além destas, há baladas fantásticas: “Dead Flowers”, “Moonlight Mile” e a acelerada “Bitch”.

    Resumindo: um disco perfeito do começo até o fim.

    https://www.youtube.com/watch?v=V_lvFGhVVNU

    1. Rubens Leme

      Uma vez, o goleiro João Leite quis converter o Sergnho Chulapa e fez a seguinte proposta:

      – Me dê uma chance e vá comigo a um culto.

      Chulapa retrucou.

      – Combnado, mas com uma condição: depois você irá passar o final de semana comigo todo na Casa Verde.

      Nunca mais o golero do Galo o incomodou. Agora imagine o Nolinho no lugar do arqueiro. Em meia hora, acordaria Belgrado toda: “PAPIS, PAPIS, SOCORRO! “

        1. Gustavo

          Vc só respondeu assim porque viu antes a resposta do Paulo Almeida. Então resolveu bater palmas para o chato do Rubens

  17. Emílio Dias

    Tem coisa meio doida que acontece, uma das principais são os fãs de Federer.

    Sobre Medvedev – “Espero que nesse US Open ele não faça o que fez no AO contra Djokovic, chegar na final jogando muito e na final entregar o jogo”
    Federer no US Open 2015 – 2 vezes quebrado o torneio todo, primeiro set da final, 3x quebrado

    Sobre Tsitsipas – “Espero que nesse US Open ele não faça o que fez em RG contra Djokovic, abrir 2×0 e entregar o jogo”
    Federer no US Open 2011 – Abre 2×0 e no quanto set ainda tem 2 match points e saque e perde o jogo

    Os fãs de Federer carecem de espelho em casa, só pode, tudo o que eles criticam em relação a postura da Next Gen diante de Djokovic foi a mesma postura que Federer teve de 2011 até aqui.

    Já os fãs de Nadal:
    Sobre Medvedev – “Espero que nesse US Open ele não faça o que fez no AO contra Djokovic, chegar na final jogando muito e na final entregar o jogo”
    Nadal no US open de 2013 – Chegou jogando muito e amassou o sérvio na final

    Sobre Tsitsipas – “Espero que nesse US Open ele não faça o que fez em RG contra Djokovic, abrir 2×0 e entregar o jogo”
    Nadal em RG 2020 – Abriu 2×0 e no terceiro set ganhou e ainda com um ace.

    Os fãs do espanhol sim tem credibilidade pra criticar a postura da Next Gen diante de Djokovic, os de Federer não.
    Embora eu ache que Zverev quando perdeu pra Djokovic não foi por falta de postura, mas porque o sérvio jogou melhor, a rigor o h2h deles tá 5×3, pq aquela rodada de grupo do Finals não pode contar como relevante, uma vez que na final o alemão amassou o sérvio

    1. Jonas

      Tem esse lado mesmo.

      Cara, no fim das contas é uma torcida para que o sérvio não siga vencendo Slams.

      Um cenário bem possível é o sérvio chegar a 25 Slams, Nadal 22 e Federer se manter com 20.

      1. Sérgio Ribeiro

        Se já não bastasse os “ Nobres “ L.F. e P.F. , tu também és um baba ovo incrível, espertíssimo Jonas . Já deu o tempo de tentar lotar a Kombi. Os que torcem pelo Touro ainda tem esperança de mais SLAM pois existe R.G. Daí a sumida de tantos Fakes deste fórum rs . Agora é cada um por si. E se Novak não vencer mais uns 5 , o “ goat “ ficará para o Mundo com o Craque Suíço. Pra desespero do Piloto da “ Turbinada “ com sua meia dúzia de BlueCaps kkkkkkkkkk. Abs !

        1. Jonas

          Negativo. Essa discussão sobre GOAT já foi, a não ser que o debate seja com torcedores fanáticos do Federer. Teu caso…

    2. Gildokson

      Como faz para “desler” esse comentário? kkkkkkkkkkķ
      É sério que chegamos ao ponto de comparar Federer com Medvedev e Tsitsipas??? kkkkkkkkkkkkkkkkkķ

  18. Rubens Leme

    Tomei hoje minha segunda dose e quando passei pela triagem final, perguntei se teria mesmo uma terceira. A mulher disse que ainda nada havia sido confirmado, mas quis saber se eu tomaria caso precisasse. Disse que sim, sem dúvida, até uma quarta, se aconselharem.

    Surpresa, me diz que fui o primeiro a concordar porque já tinha gente querendo arrancar a máscara ali mesmo, “agora que tomei a segunda, já estou protegido, posso voltar à minha vida de antes”.

    Pelo jeito, teremos ainda um longo e tenebroso inverno à frente, embora aqui só exista verão o ano todo. E com um louco botando fogo no país, me lembrei do filme Aperte o Cinto que o Piloto Sumiu.

    Estamos lascados.

    1. Luiz Fernando

      Rubens tudo ainda está incerto, mas eu apostaria em uma terceira dose para idosos (>60 anos) e profissionais de saúde. Parece q ontem saiu uma informação de benefício nos com idade acima de 55 anos, quanto mais idade mais rápida é a queda da imunidade, mas tudo ainda está nebuloso…

    2. Carlos Reis

      Boa Sorte! Torça para que os médicos e cientistas que dizem que é uma CILADA ENORME, estejam errados. Principalmente se a sua injeção EXPERIMENTAL seja de mRNA.

      1. Maurício Luís *

        No começo da pandemia, os seus amigos afirmavam, com o mesmo tom de autoridade no assunto que Vossa Senhoria usa, que ” O vírus não existe”. Exatamente os MESMOS que agora falam mal da vacina. E estão diminuindo cada vez mais, infelizmente. Digo infelizmente porque não são pessoas más, são equivocadas . Acreditam naquilo que melhor lhes convém.
        Sugiro que procure no dicionário os significados das palavras “experimental” e “emergencial”. São coisas diferentes. Escrever experimental em maiúsculas não vai tornar a sua afirmação uma verdade. Boa sorte lhe desejo também.

      2. Bel Grado Fa

        A vacinação (mesmo estas vacinas nao prevenindo a contaminaçâo, mas apenas reduzindo efeitos), associadas a um alto grau de asseamento (lavar as maos, manter distanceamento e usar MASCARA), sao medidas de prevençao para um grande leque de doenças contagiosas e nao só para COVID).

        Aos que defendem seus respectivos “Malvados favoritos”, que tenham o dissernimento de separar a realidade da fantasia, reduzam o fanatismo e busque orientação séria (no caso a médica).

        Quanto a “dna’s” de vacinas: Caso alguem tenha qualquer restriçao a vacinas que produza qualquer tipo de açao além do desenvolvivemento da memória da imunidade, que ao menos considerem optar pela vacina chinesa.

        A vacina chinesa, feita a partir do virus inativado, utiliza o mesmo método que a maioria das vacinas existentes e trata-se de uma tecnologia bastante segura e conhecida (apesar daquilo que seu “Malvado Favorito” possa eztar lhe dizendo)

        * E que considerem consultar um médico para obter informações. Conforme um nosso amigo nos relatou abaixo (assino embaixo), a internet talvez nao seja boa fonte de informaçao sobre o tema no momento.

    3. Marcelo Costa

      A infeliz politização da vacina, traz algumas distorções, minha esposa irá tomar a segunda dose mais tarde que meu filho com 19 anos, ok são vacinas diferentes, com datas diferentes de aplicação mas poderia antecipar as doses conforme a idade. Na guerra política perde o povo, que como você disse não se ajuda e ainda atrapalha.

    4. Maurício Luís *

      … E ainda temos os negacionistas do anti-vacina dando palpite “chocho” pra atrapalhar.
      Interessante que aqueles que no começo diziam que ” O vírus não existe” (em tom de autoridade), são exatamente os MESMOS que agora falam mal da vacina. Uma maluquice total.
      Porém estão em número cada vez menor. Não enchem uma Kombi. Em parte porque muitos foram vítimas da pandemia, infelizmente. Digo infelizmente porque não são pessoas más. São equivocadas e ingênuas. Vivem atrás de Teorias da Conspiração, baseadas no Face que a Candinha repassou da prima da cunhada da vizinha. Tipo” É verdade esse bilhete”🤔🤔

      1. Rubens Leme

        Não politizo e nem polemizo a questão: meu pai morreu de covid, eu não quero morrer, portanto se precisar tomar 30 doses, mesmo odiando agulhas e seringas, eu tomo. E faço isolamento social e uso máscaras e gel, para que ninguém se infecte por minha causa.

        Fora disso, se A B ou C é contra ou não vai tomar, nada posso fazer, até porque convencer quem acredita em vírus comunista, do Bill Gates ou que é propagado pelo 5G me parece ter outros e maiores problemas de saúde.

        E acabarm de divulgar que começa a terceira dose a partir de setembro. Quando for minha vez, lá estarei. Assim como minha esposa, mãe, irmãs e sobrinhos, se possível.

        1. Majô

          Caro Rubens Leme,já tomei, perdi um monte de amigos alguns médicos e também tomarei quantas forem necessárias. Ou é assim ou é assim.É continuar seguindo todas normas e pedir a Deus que acabe essa pandemia.

          1. Robson

            Eu graças a Deus, não perdi nenhum parente pra esse vírus maldito,ainda que na minha família tb tenha alguns bolsolóides, pouquíssimos,mas tem.
            Eu fui contaminado no começo do ano,passei maus bocados por uns 12 dias,mas graças a Deus me recuperei,venci esse vírus maldito.
            Tomei a primeira dose da Pfizer 1 mês atrás,vou tomar a segunda dose agora em setembro e tomarei quantas doses forem possíveis e indicadas.
            Além disso,saio de casa só pro meu serviço e pra supermercado e sempre de máscara,sempre.
            Tb álcool nas mãos constantemente e sempre higienizando com álcool os locais onde tenho que tocar,carrinhos de supermercado por ex.
            Enfim,todos tem que fazer a parte com consciência.

        2. Marcelo Costa

          Então hoje onde moro irá abrir para adolescentes de 16 e 17 anos, enquanto pessoas com 50 anos não tomaram a segunda dose das vacinas trimestrais, esse é o ponto, criaram uma disputa midiatica para ver quem vacinava mais e esqueceram de vacinar faixas importantes.
          Minha mãe foi salva pela vacina, meus sinceros sentimentos pelo seu pai, somos a face cruel da mesma moeda entre vida e morte, até quando?
          E terceira dose??? Pra ontem

    5. Daniel C

      Rubens, parabéns pela vacina. Que vc e sua família fiquem bem de saúde até esse pesadelo acabar. Infelizmente ainda temos algumas pessoas sem noção no mundo inteiro, em todas as classes sociais e em todos os meios. No esporte tênis que tanto gostamos, vivemos uma fase tenebrosa onde nada menos que o no1 do ranking é antivax e recentemente descobrimos que outro top 5 também…rs. Haja paciência! Rs

      Abs

      1. Rubens Leme

        Na verdade, os negacionistas estão mais na elite, porque os pobres estão tão desesperados que nem questionam se devem ou não tomar, eles apenas querem sobreviver. Tá muito triste isso, vi uma família quebrar móvel velho perto de um terreno baldio perto de casa para poderem pegar madeira e cozinhar porque gás não compram há 2 meses.

        Como não uso mais botijão – tudo em casa é elétrico na cozinha – e tinha um antigo zerado, dei para eles. Acharam que era pegadinha. No fim, eu até chorei vendo eles chorarem. Ninguém merece sofrer assim, é degradante.

        Cansei de ver pessoas que conheço, alguns até médicos, dizendo que é uma histeria boba esse medo. Não discuto mais, só bloqueio nas redes sociais e deleto do meu convívio. É incrível verem as pessoas morrerem e acharem normal ou argumentar que morrem muito mais cardíacos e hipertensos todo dia e ninguém faz essa histeria por eles. É assustador.

  19. Marcelo Seri

    Dalcim, permita-me fugir um pouco do tema do post para tirar uma dúvida: qual a ocupação dos juízes de linha durante todo o restante do ano? Eles costumam ter profissões comuns, sem ligação com o tênis? Ou todos trabalham necessariamente nas federações locais?

    Muito obrigado!
    Abraço!

    1. José Nilton Dalcim

      Puxa, o universo é muito grande e a maioria dos juízes de linha não são profissionais no termo exato. Aqui no Brasil, a maioria é professor ou trabalha de alguma forma ligado ao esporte, mas existem muitos que sequer jogam tênis.

      1. Marcelo Seri

        Dalcim, muito obrigado pela resposta! Eu sempre tive esse dúvida, e perguntei para a pessoa certa!

        Abraço!

  20. Paulo Almeida

    Ironicamente, Charlie Watts era o único dos Stones que não abusava dos vícios, mas não é assim que a vida (ou morte) funciona e nem foi a primeira vez: Dio também era “do bem” é morreu há mais de 11 anos, enquanto o Ozzy ainda circula por aí.

    Tecnicamente o britânico nunca foi exuberante, mas com certeza uma lenda. Que descanse em paz.

    1. Luiz Fabriciano

      Interessante isso Paulo.
      No documentário Kisstory, Gene Simmons – o drácula do Kiss, relata que jamais ficou bêbado ou drogado, por isso goza de boa saúde aos 72 anos.
      Uma enorme surpresa para mim, que quando criança me tornei fãs deles, mais pela extravagância das roupas e maquiagens que pela música em si e tentava imaginar que tipo de drogas usassem para se portar daquele jeito. Acho que a droga era produzida por seu próprio organismo, kkk.

      1. Paulo Almeida

        Não acredito que o Simmons não tenha ficado bêbado pelo menos algumas vezes na vida, Luiz.

        O visual do KISS era interessante de fato, mas o som da banda nunca me atraiu muito, com raras exceções como Creatures of the Night, Detroit Rock City, Black Diamond, Parasite e I Love It Loud. Acho a banda farofa demais no geral.

        1. Luiz Fabriciano

          Entendo seu gosto e apreço, mas como não sou nenhum pouco técnico no assunto, gosto deles assim mesmo.
          Minha favorita é “Forever”, na voz do Stanley. I Love It Loud foi a que mais ouvi (acho que quase o mundo todo também).
          E sobre o Simmons, foi o que ele disse no documentário. Então…

  21. José Eduardo Pessanha

    Falei um tempinho atrás que o Maratênis não iria ganhar mais nenhum Slam e o Rodrigo disse que meu comentário era uma besteira. Não era. Isso já era pra ter acontecido antes, mas está acontecendo agora. Ou seja, Cotonete e Conan não irão passar o recorde do Rogério.
    Na minha modesta opinião, o legado, a influência e a arte correspondem a 50% do título de Maior de Todos os Tempos. Então, pelo conjunto da obra, Rogério é, DISPARADO, o maior tenista da história.
    Abs e saudações rubro negras.

    OBS: Leme, não sou muito ligado em rock, nem sou lá entendedor da coisa, mas Charlie Watts reunia a categoria de Federer e a imponência de Borg. Que ele descanse em paz.

    1. Rubens Leme

      Como em toda a banda, ele era o low profile, o sujeito que amarra as pontas soltas. Por ser mais velho que a dupla Jagger & Richards ele e o ex-baixista Bill Wyman (que era o mais velho de todos, uns 8 anos a mais que a dupla de compositores) funcionavam como os condutores invisíveis quando Jagger e principalmente Keith Richards quase morreu com a heroína

      Os Stones nunca foram uma banda de grande técnica, o charme estava no talento enorme de Mick e Keith como compositores e no carisma do cantor, ao vivo. E Charlie via a banda como seu trabalho, mais do que prazer, por isso era um profissional impecável, sempre bem vestido, barbeado, educado, prestativo, mas que preferia ficar longe dos holofotes.

      E tinha os ternos mas elegantes do rock. Em suma, um autêntico cavalheiro inglês.

    2. Paulo Almeida

      Acontece que as três ameaças ao domínio do Djokovic praticam o “maratênis”, principalmente os dois melhores Medvedev e Zverev. Você não terá sossego, Pessanha.

      Pena que para 99,9999% de quem manja de tênis o que importa são os números! 😉😉😉

      Você acabou acertando mesmo sem entender de rock, Pessanha: Watts era uma mistura de Borg/Federer enquanto Djokovic está mais para uma fusão de Peart/Bruford/Ward/Paice/Lombardo/Bostaph/Hoglan/Portnoy/Dailor (os melhores de várias gerações).

    3. R.P.

      Números e estatísticas não dão a mínima para opiniões ou qualquer outro conceito subjetivo e pueril. Seja grato pela generosidade da entressafra.

      1. Sérgio Ribeiro

        Entressafra de comentaristas e torcedores modinha , existe mesmo . E com certeza o parceiro faz parte da mesma . Onde se escondeu todos esses anos ? rsrs . Abs!

  22. Rubens Leme

    ADEUS, CHARLIE WATTS!

    E lá se foi um dos membros fundadores dos Rolling Stones e uma das figuras mais elegantes e clássicas que o rock conheceu. Enquanto Mick Jagger e Keith Richards eram notícias pelas drogas, amantes e balbúrdia, Charlie era o stone quieto, a rocha firme e eficiente, exatamente igual ao seu clássico estilo de tocar.

    Nem era tão fã assim de rock. Adorava mesmo era o jazz e chegou a ter dois discos seus lançados aqui: um de big band (The Charlie Watts Orchestra – Live at Fulham Town Hall), de 1986 e The Charlie Watts Quintet – From One Charlie, de 1991 e que o trouxe ao Brasil para algumas apresentações

    Pode não ter sido o maior, o mais barulhento ou criativo dos bateristas, mas será lembrado como um dos grandes nomes do instrumento e dono de poucas, mas ótimas hstórias como esta: In the mid-1980s, an intoxicated Jagger phoned Watts’s hotel room in the middle of the night, asking, “Where’s my drummer?” Watts reportedly got up, shaved, dressed in a suit, put on a tie and freshly shined shoes, descended the stairs, and punched Jagger in the face, saying: “Don’t ever call me your drummer again. You’re my fucking singer!”

    Deixo abaixo o link do disco que trouxe ao Brasil, o tributo a outro grande Charlie, o Bird Parker. Descanse em paz e obrigado por tantos e tantos discos maravilhosos, com ou sem os Stones!

    https://www.youtube.com/watch?v=4FW09LBRsvw.

  23. Ricardo

    No vídeo disponibilizado pelo twitter do UsOpen dá para ver como é bonita a direita do Djoko. Braço livre, leve e solto.
    E ainda dizem que ele faz força pra jogar. kkkkkk
    Dá para ver que entendem bastante de tênis.
    Inclusive, na Laver Cup de 2018, o Federer até elogiou a maneira como o sérvio bate bola.

    Outra boa notícia foi a renovação com a Lacoste.
    Foi um puta acerto de marketing do sérvio e seu staff fechar com a marca francesa, apesar de terem ofertas melhores na época (a Nike, talvez já prevendo a saída do suíço, foi a que tinha oferecido mais), e, realmente, com seus títulos, o jacaré nunca esteve tanto em voga hehe.
    Se não me engano, em uma das lojas em um shopping em São Paulo, há uma foto imensa do Djoko.
    Enfim, mais 4 anos que espero que sejam de vitórias.

    Abs

    1. Bel Grado Fa

      Não sei se conhece a “história”, mas o símbolo da Lacoste era um homem. Mas em certo momento a empresa decidiu mudar seu símbolo para um jacaré após o homem vacinar-se.

      Acredito deveriam escolher outro garoto propaganda que ao menos se vacina-se. Já deixei de comprar algo na Havan e também não compro mais Gazin. Lacoste entâo… nem pensar!

      VACINE JÁ!

  24. Gustavo Crem

    Boas.
    O baixo interesse pelo tênis com a ausência de NADAL E FEDERER me parece que vai ainda maior do que se esperávamos. A repercussão sem os dois, refletida em baixíssimo engajamento nas redes sociais e ainda mais em audiência de TV (que só cai ano a ano) nunca foi tão fraca.
    O tênis nas Olimpíadas então passou simplesmente em branco, é como se não tivesse existido, em que pese essas Olimpíadas terem sido um fracasso em todas as instâncias, como previsto, aliás.
    Aqui no BR, a saída dos Masters do Grupo Globo (felizmente, na minha opinião, qual coisa contra a Globo é bom!) é ainda mais perceptível, “coisas” que são transmitidas na ESPN é como se não existissem, as pessoas simplesmente não assistem. Duvida? Olha o nro de tuítes para as respectivas hashtags.
    A ATP vai ter que se virar, viu?!
    A WTA sempre teve baixa audiência, e agora, com a ênfase dada à lacradora “graças a Deus está flopando” Osaka, parece não contribuir muito também.
    Pena porque o tênis é um esporte espetacular.
    Abs

      1. Sérgio Ribeiro

        Errado : Existem aqui mesmo . Basta checar a audiência de Zverev x Tisitsipas , e depois a do USOPEN 2021 com Novak brigando pelo SLAM 21. A audiência foi tão ruim , segundo o parceiro, que estão passando agora na ESPN o qualy ao vivo … Abs!

  25. Maurício SP

    Dalcim, o abandono da grama pelo US Open deve ter sido o grande responsável pela atual reduzidíssima temporada de grama, não? Imagino que antes disso os principais torneios entre Wimbledon e o US Open era na grama. Essa desistência da grama foi principalmente por uma questão do custo de manutenção?

    1. José Nilton Dalcim

      Sim, principalmente isso. Os EUA desde o começo dos anos 78 já investiam maciçamente nas quadras sintéticas, de fácil manutenção e custo menor. O US Open ainda migrou para o har-tru até finalmente ficar pronto o atual complexo de Flshing Meadows.

  26. Periferia

    De Quanta Terra Precisa o Homem?

    Perto de Araçatuba…em um pequeno vilarejo…de nome Glicério…um homem diz :
    – Se tivesse bastante terra…nem o diabo temeria.
    O diabo ouviu o pedido…
    O diabo soprou no ouvido do homem…que distante dali…havia um local com muitas terras…
    As terras pertenciam a uma tribo antiga da região…
    O homem levou dinheiro…levou presentes…ele queria aquelas terras…seus olhos brilharam…
    O chefe da tribo não queria dinheiro nem presentes…disse apenas para o homem correr pelas terras do nascer ao por do sol…toda terra que o homem percorrer no período…pertenceriam a ele.
    Cego pela ambição…ele tenta percorrer o maior trecho possível.
    Ele quer sempre mais um pouco de terra…mais e mais…
    No entanto…seu esforço… movido pela ganância é muito grande…ao retornar após ter percorrido um trecho enorme…acaba por desfalecer e morrer…
    Jair é enterrado em 2 metros de terra…
    É toda terra que Jair realmente precisava.

    1. Marcelo Costa

      Essa cova que estais em palmos medidas, é a conta menor que tiveste em vida, é de bom tamanho nem largo nem fundo, é a parte que te cabe nesse latifúndio. Chico Buarque.

      1. José Yoh

        Olá Marcelo, creio que estas frases vieram de João Cabral de Melo Neto (“Morte e Vida Severina”), antes do Chico criar a canção.
        De qualquer forma, versos fortes e marcantes, que devem ter inspirado o Periferia.

        Lembro que eu falava “é a parte que lhe cabe deste latifúndio” toda vez que abria meu holerite, rs.
        Abraços

      2. Periferia

        Olá Marcelo…Olá Yoh

        João Cabral de Melo Neto…Morte e Vida Severina (bonito demais)…
        Musicado por Chico num belo álbum com o mesmo nome do livro.
        O encontro da música com a literatura…

        (Música…Morte do Lavrador)

        Abs

    2. Bel Grado Fa

      Jair e as feras (final alternativo):

      Já quase no final de sua jornada, Jair, cansado e com dores pelo peito, corria e insistia na idéia fixa de ter seu próprio latifúndio.

      Mas seu corpo fétido de suor, o imenso barulho que fazia, e sua condiçâo já debilitada atraia a atenção das feras soltas.
      O que começou como a observáção de um simples par de olhos curiosos por detrás das árvores já havia se tornado um evento, atrainfo feras de todos os tipos.
      E então ao final, após o primeiro tombo de um cambaleante Jair, as feras se aproximaram.
      Primeiro os grandes carnívoros, depois os animais necrófagos, e antes que o corpo de Jair pudesse sequer ser encontrado para ter direito a um fim digno, o restante foi devorado por formigas e ao fim pelos micróbios.
      Terminou engolido pela fisiologia do sistema, antes mesmo que pudesse terminar a jornada, e devido a vastidão do território que tentou cobrir, sequer pode ser encontrado.
      E assim Jair, que possuia sonhos grandiosos de poder infinito sobre seu latifúndio, sequer teve direito aos dois metros quadrados finais de qualquer homem.

      1. Periferia

        Olá Bel

        Fiquei triste pelas feras…elas não mereciam…o Sal de Fruta vendeu mais que a cloroquina na região…tem fera reclamando de azia e má digestão…

        Slogan do anunciante da história:

        “Má digestão…Eno é a solução”

        1. Bel Grado Fa

          Olha só, me apropriei indevidamente do teu belo conto, e interpretei achando que vocÊ estivesse falando de forma metafórica sobre o fim do Jair, mas creio possa ter me enganado.

          Pois as feras e animais necrófagos que me vieram a mente pegam ponte aérea e vêm de todas as partes para a região centro-oeste do Brazil e se talvez citasse os nomes dos animais os quais pensei, vocÊ poderia até mesmo rever tua opinião sobre a questão sobre “merecer ou não merecer” rs

          E apenas para constar: brincadeiras a parte, não desejo fisicamente mal físico a ele nem a ninguém.

  27. Rubens Leme

    THE DOORS – ALIVE SHE CRIED (1983)

    Os anos 80 redescobriram duas bandas que poucos ouviram, de verdade, nos anos 60: The Doors e Velvet Underground. Isso não impediu que gerassem um culto imenso sobre as duas e o diretor Oliver Stone até montou um encontro entre os integrantes, no filme The Doors, em pleno estúdio Factory, de Andy Warhol (primeiro patrono do Velvet).

    Como todo leitor da BIZZ da época e ansioso por conhecer todos esses nomes, tentei comprar os caros e difíceis LPs importados com minha pobre mesada. Um dos primeiros discos que tive foi o ao vivo póstumo dos Doors, Alive She Cried, onde a banda abre com uma rara e ótima versão de “Gloria”, escrita pelo outro famoso Morrison do rock, Van, seguida pela melhor versão de “Light My Fire” ao vivo que já fizera – e fecha com a magistral “Moonlight Drive”.

    Há anos não ouvia a banda, mas desde a semana passada desenterrei todos seus discos (inclusive o de poesia gravado apenas por Jim, An American Prayer) e voltei aos tempos em que a vida parecia mais simples e bela e as costas não me incomodavam.

    https://www.youtube.com/watch?reload=9&v=muBoBV9k3lg

    1. Miguel BsB

      Taí, sabia que iria esquecer coisa boa na lista de artistas que fiz…
      Esqueci os Doors e, lembrei agora Ozzy/Black Sabbath…

  28. Bel Grado Fa

    Pedindo licença ao Blog, e noo mesmo formato que foi proposto anteriormente, eu gostaria aqui de propor que cada um que queira, associando desta vez um tenista a uma música que mais o lembra.

    1. Periferia

      Federer: Yesterday…
      “Suddenly
      I’m not half the man I used to be
      There’s a shadow hanging over me
      Oh, yesterday came suddenly”

      Nadal:
      A Hard Day’s Night…
      “It’s been a hard day’s night
      And I’ve been workin’ like a dog
      It’s been a hard day’s night
      I should be sleepin’ like a log”

      Djokovic: All You Need is Love…
      “All you need is love
      All you need is love
      All you need is love, love
      Love is all you need”

    2. Rubens Leme

      Nadal – The King of Pain (Police) ou I Love Paris (Ella Fitzgerald)
      Djokovic – Ciúmes (Ultraje. De uma banda liderada por um negacionista-bolsonarista para outro).
      Roger Federer – The Old Man’s Back Again (Scott Walker)
      Bjorn Borg – The Eternal (Joy Division)
      Naomi Osaka – Lithium (Nirvana)
      Ivan Lendl – The Man Machine (Kraftwerk)
      John McEnroe – Out of Control (U2)
      Del Potro – Always Crashing in the Same Car (David Bowie)
      Monfils e Svitolina – Be My Wife (David Bowie)
      Vitas Gerulaitis – Lust for Life (Iggy Pop)
      Nick Kyrgios – So What (Miles Davis)
      Next Gen – Plastic People (Frank Zappa & The Mothers of Invention)

      1. Rubens Leme

        Talvez para Federer a ideal seja The End (a dos Beatles ou dos Doors, tanto faz)
        e para Del Potro – Help! (tb dos Beatles)
        Andy Murray – With a Hip (Echo and the Bunnymen)
        Stan Wawrinka – Machine Gun (Jimi Hendrix)

    3. Carolina

      Nadal – The Temple of the King (Rainbow)
      Djokovic – I want It All (Queen)
      Monica Puig – Only a Dream in Rio (James Taylor)

      1. Rafael

        Misturando filmes e músicas e história, já que não comentei no post da Helena

        Djokovic – I want to know what love is (e muito boa a de quem pôs I want it all do Queen); Braveheart (Coração Valente, acho), Hoffa (O Preço do Poder- Nickholson, de Vitto), Jaws – Spielberg

        Nadal – El Cid (o guerreiro espanhol que, mesmo após morto, foi colocado na armadura, amarrado ao cavalo e posto à frente das tropas para explusar os muçulmanos da região, tamanha era a intimidação que seu nome exercia sobre os adversários). Há lendas (inclusive essa história sendo uma, filmes e diversas músicas a respeito)

        Federer – Match Point – de Woody Allen, Suddenly 30 (De repente 30, mas ao contrário), Who wants (to live forever) – Queen, mas na interpretação do Seal; Forever Young (I wanna be) – Alphaville

        Kyrgios – My way (Sinatra) / Bernard Tomic – Creep (Radiohead) / Tsitsipas – Just a Fool (Christina Aguilera)/ Thiem e Zverev na final do US Open do ano passado: Dumb and Dumber, I Insist (em que você ganhe) – Von Sell / Opelka, Isner, Karlovic – Terra de Gigantes (Land of the Giants (filme) e música do Engenheiros do Havaí

        1. Rafael

          Um pouco mais:

          Federer: À Espera de um Milagre
          Nadal: España Cañi (um dos mais famosos pasodobles)
          Djokovic: Over the Top (Sylvester Stallone, caminhoneiro desacreditado, vence uma competição de braço de ferro), Against All Odds (Phil Collins)

          1. Rafael

            Borg: Under Pressure (Bowie)
            Becker: The Gambler (Kenny Rogers), O Jogador (Dostoiévski)
            Connors: Oldboy (2013)
            McEnroe: Bitch (Meredith Brooks)

    4. Helena

      Djokovic – Ain’t No Mountain High Enough
      Federer – O lago dos cisnes – Tchaikovsky
      Nadal – Cada volta é um recomeço, Zezé Di Camargo & Luciano
      Murray – Are you sure? Aretha Franklin
      Tsitsipas – Fiquei na dúvida entre Don’t speak do No Doubt, e Telephone da Lady Gaga
      Rublev – Slow and steady – Of monters and men
      Berrettini – Datemi un martello (versão italiana do “if i had a hammer”)
      Thiem – Losing a whole year, Third eye blind
      Kyrgios – Se…., Djavan
      A lista de títulos do Felix – White blank page, mumford and sons
      Del Potro – Tente outra vez, Raul Seixas
      Shapovalov e seus milhares de erros não forçados – what the hell, Avril Lavigne
      Paire – IDGA – Dua Lipa

      I Will wait, mumford and sons – Next gen esperando Big3 se aposentar para ganharem um Slam.

    5. Maurício Luís *

      Federer – Tornerô (Eu voltarei) – I Santo California
      Djoko – Esse cara sou eu – Roberto Carlos
      Nadal – Balão Mágico (essa foi ‘manjada, hein?)
      Kyrgios – Sonhos de um palhaço – gravada por Antonio Marcos

    6. Bel Grado Fa

      – Federer: Skyfall (pelo momento) e Simply the Best (pelo conjunto da obra)
      – Nadal: Through the Fire and Flames (com versão extendida)
      – Nick Kirgios: Maluco Beleza
      – Djokovic: “Robocop Gay” com performance na quadra central de Wimbledom no começo de carreira, e My Way quando finalizar (na voz de Frank Sinatra)
      – Venus Williams: Money (Pink Floyd)
      – Caroline Wozniacki: Diamonds Are a Girl’s Best Friend
      – Thomaz Bellucci: Geni e o Zepelim
      – Bob & Mike Bryan: qquer coisa ao som de Jane e Erondi

  29. Ronildo

    Agora são 3 cavaleiros à caça de um horrível dragão.

    E mais guerreiros estão chegando.

    Logo estará cercado e será abatido.

  30. Bel Grado Fa

    Após as infelizes escolhas por 3 eleições consecutivas, a escolha de governantes fracos e com foco em projetos pessoais vem começando a cobrar seu alto preço: nâo só o relacionamento entre cidadão e estado se deterioram, como também as relações dentro das instiruições dentro de cada uma das esferas também se degrada a olhos vistos.

    Mas sinto que o entraquecimento das instituições infelizmente ainda não atingiu o ápice, e no caso de uma não correção dw rota, o caminho da derrocada é certeiro.

    Caso a correção não ocorra pela via eleitoral, certamente estaremos a cada nova teroa de governo, mais expostos a uma intervençâo de aventureiros como este que tenta uma apaziguação pela via intervencionista, que se trata de um caminho alheio via democratica, ou à uma ruptura federativa que permita aos estados ter autonomia, visto que o enfraquecimento é tamanho, que o governo federal encontra-se totalmente fragilizado, se comparado aos estados.

    Obviamente que essa ruptura poderia muito bem ocorrer de forma abrupta, até mesmo para que não tenhamos que carregar o fardo remanescente desta divisão por toda a eternidade.

    Nesta ruptura, alguns eatados encontrariam rapidamente seu caminho, e outros a ruina. Mas o fato, é que a máquina pública federal se tornou um peso muito maior do que a sociedade consegue sustentar a longo prazo e seu desmanche deve ocorrer de uma forma ou outra, caso nao sejamos vítimas de algum golpe antes.

    O país encontra-se ingovernável e a situação insustentável e não conseguimos encontrar as razões que levam ae pessoas a apoiar cegamente governos como este e o anterior, que não seja o acometimento de uma grave doença mental…. coletiva.

    1. JEFFERSON

      Não conheço essa tal Botg,mas parabéns pela lista dos maiores com os quatro que conheço,agora o melhor e mais vencedor da história sabemos e o mundo sabe NOVAK DJOKOVIC,que ainda ganha mais uns 3 grand slam no mínimo,chora vitor hugo,renato ou marquinhos seja quem for kkkk

      1. Maurício Luís *

        Antes do Nadal, Borg era considerado o melhor de todos em Roland Garros. Um dos muito poucos a ganhar Roland Garros e Wimbledon no mesmo ano.

  31. Sérgio Ribeiro

    Como é possível Nick Kyrgios desistir quando a juíza já anunciava sua entrada e receber TODA a grana de primeira rodada . E o cara que o substituiu as pressas , além de perder pra Murray , ficou sem um dólar furado. Jamais vi tamanha cara de pau … Abs!

  32. Miguel BsB

    O Vitor Hugo tem razão ali embaixo. Hewitt, Safin e Roddick (chamados de entressafra), já eram campeões de Slam e n1 do mundo na idade de Tsisipas, Zverev e Medvedev. Depois chegaram Federer, antes, Nadal e Djokovic, um pouco dps, dominando amplamente e a partir de então ganharam pouca coisa.
    A discussão foi desvirtuada. É claro que eles serão multi campeões de Slam, salvo alguma tragédia física ou esgotamento precoce. Mas serão porque o circuito vai cair no colo deles, com as aposentadorias de Federer (iminente), Nadal (cada vez mais próxima), e Djokovic (o amplo domínio do sérvio deve se estender até o ano que vem, creio eu).
    Zverev, Medvedev e Tsisipas não conseguiram se impor e tomar o circuito dos veteranos, como costuma acontecer no tênis…

    1. Jonas

      Ganharam antes do Federer atingir seu ápice. Tanto que o Hewitt foi jogar contra Federer no USO 2004 e levou uma bicicleta em plena final.

      Roddick foi número 1 quando dava pra ser. Gaudio venceu Roland Garros em 2004 quando dava pra vencer. Jamais faria isso contra um Nadal minimamente pronto.

      “Zverev, Medvedev e Tsisipas não conseguiram se impor e tomar o circuito dos veteranos, como costuma acontecer no tênis…”

      Você pode ter razão na colocação acima, Miguel, mas o mesmo vale para Hewitt, Roddick e companhia, que não fizeram mais nada quando Federer amadureceu.

      É verdade que contra um Djokovic em forma esses caras ainda não venceram Slam. Mas creio que aconteceria o mesmo com Hewitt e amigos se Federer já estivesse em seu melhor entre 2000-2003.

      Não estou dizendo que um cara que foi número 1 do mundo precocemente é ruim, pelo contrário, ele só não era rival à altura do Federer.

      1. Paulo Almeida

        Exatamente, só o Safin foi ganhar um Major depois do amadurecimento do Federer e também não arrumou mais nada depois do AO 2005. Os outros dois foram completamente engolidos.

        Aliás, o mais justo seria comparar os três daquela época com os três da atualidade e aposto minhas fichas que pelo menos o empurrador de bolas Hewitt e o servebot Roddick seriam varridos quase sempre de quadra. Talvez o Marat fizesse uma graça se não estivesse vindo de alguma balada e com a mente no lugar, mas tenho minhas dúvidas.

        1. Jonas

          Roddick é um ótimo exemplo de alguém que venceu quando dava.

          Uma vez perguntaram ao Roddick sobre o H2H 5-4 sobre Djoko, e ele simplesmente admitiu o óbvio “Sure. Retire before you have to play him again.”

          Federer até 2002, pelo menos, também era inconstante. Tem 0-3 contra Rafter justamente por isso.

          1. Luiz Fabriciano

            E sobre o comentário que ele fez depois de um jogo em Wimbledon:
            “Me senti uma criança em quadra”.

    2. Paulo Almeida

      Miguel,

      Não são só esses três e você viu vários outros nomes abaixo que já são menores em títulos e campanhas do que Zverev, Medvedev e Tsitsipas, com o Big 3 ainda na ativa.

      E outro detalhe: Federer era jovem na seu período de domínio 2003-2007, enquanto o Djokovic tem que segurar caras 10 anos mais novos em média no que os caras querem chamar de entressafra do sérvio. Isso só mostra como ele é muito diferenciado e não que os outros são ruins.

    3. Vitor Hugo

      A diferença, Miguel, é que Safin, Roddick e Hewitt tiveram que encarar Federer e Nadal, mas Tsipas, Zverev e Medvedev não terão que encarar os três(Nadal e Federer não mais) logo logo…. Vao ficar livres do big 3 justo na idade em que a maturidade chega(25 anos)

    4. Sérgio Ribeiro

      Até tu , caro Miguel . Federer foi N 2 em 2003 . Nadal já aprontou em 2004 pra cima do Suíço no MASTERS 1000 de Miami , ano em que este assumiu o N 1. Em 2005 o Touro passou a N 2 vencendo um SLAM + 4 MASTERS 1000 + 5 ATPs = 10 Títulos . Sendo dois MASTERS nas duras batendo Agassi e Ljubicic . Novak e Murray se tornaram Top 16 e 17 respectivamente em 2006 . Os citados por você já não tinham chances no Saibro e nas demais superfícies desde 2005 pois Federer e Nadal já dominavam o Circuito. Depois que se formou o Big Four então… rs . Abs!

  33. Paulo F.

    Que alguém me prove com fatos que Baltazar Baghdatis, Gaspar González e a Melquior Philippoussis são superiores a Zverev, Medvedev e Tsitsipas.

    1. Sérgio Ribeiro

      Como tu fazes este tipo de comparação, P. F. ? Já sei … Queres sempre ser engraçadinho rs . O mais jovem N 1 do Mundo , foi Lleyton Hewitt ( 20 ) . Ele e o outro N 1 Marat Safin ( 20 ) , bateram em sequência Sampras em FINAL de USOPEN 2000 e 2001. Hewitt somente largou o N 1 em 2003 para o jovem Andy Roddick ( 21 ) , com o Craque Suíço ( 22 ) já como N 2 vencendo Wimbledon e ATP FINALS dando Pneu em Agassi. Assumiu o N 1 em 2004 e Rafa Nadal o N 2 em 2005 . Essa foi a “ entressafra “ da Kombi. Compare agora com os garotos … Abs!

    2. Miguel BsB

      Associação errônea…
      Esses aí vc pode comparar com Nishikori, Dmitrov, Anderson…Sacos de pancadas de todo o Big 4.
      Hewitt, Safin e Roddick foram mais tenistas que eles, tanto é que ganharam mais e ganhavam deles, pois eram mais ou menos da mesma geração…

    3. Carlos Reis

      Por favor, digam que o Djoko é O CARA, quem sabe assim, essa gente esquisita desiste de só falar nisso.

      Djoko é o cara, é o bonzão, é o melhor de todos, todos os outros são perebas, são pangarés, tá ok Noletes?

  34. Rubens Leme

    Dalcim, há 30 anos, em 1991, Connors encantou pela última vez em Slam, chegando às semifinais, em que teve aquele famoso jogo contra o Aaron Krickstein, justamente n dia em que completava 39 anos. Só parou para o vice-campeão Jim Courier, nas semifinais.

    E, ironia das ironias, estreou na competição McEnroe, no caso, o menor deles, o Patrick. Até hoje me lembro desta temporada.

    O jogo entre ele e Aaron rendeu uma boa matéria em 2018 – https://www.tennisworldusa.org/tennis/news/Blast_From_the_Past/59838/september-2-1991-jimmy-connors-downs-aaron-krickstein-in-us-open-epic/

  35. Helena

    -> Grande campeonato do Sascha. Ganhou quase todos os jogos com facilidade, e mostrou muita luta para virar na semifinal, mesmo com os problemas físicos no 3 set. Acredito que a rivalidade e a desconfiança de que o adversário trapaceou tenham servido de combustível.

    Atualizando os dados da rivalidade nextgen:

    Zverev: 1 ouro olimpico, 1 Atp finals, 5 M1000, 3 Atp 500 e 7 Atp 250.
    H2h vs Big3: 10-15 (66,66%)

    Medvedev: 1 Atp finals, 4 M1000, 1 Atp 500 e 6 atp 250
    H2h vs Big 3: 4-11 (36,36%)

    Tsitsipas: 1 Atp finals, 1 M1000 e 5 Atp 250
    H2h Big3: 6-15 (40%)

    Ainda aposto que Medvedev é quem vai levar mais GS desse trio, mas os números do Sascha são bem interessantes. Achei o retrospecto do Big3 muito bom pra quem pegou os três jogando em alto nível. Também chama atenção os 7 grandes títulos contra 5 do Medvedev e 2 do Stephones. Não tenho os dados deles em jogos contra top 10, mas acredito que nesse ponto o russo leve vantagem.

    -> Queria agradecer a todos pelas participações criativas na brincadeira do post passado. Uma ótima semana a todos!

    1. Sérgio Ribeiro

      Excelente, cara Helena. Esses números somente comprovam que de Danoninho e geração Nutella , eles não tem nada . Já são números bem superiores a geração anterior . O aproveitamento de Zé Verev nos confrontos contra o Big 3 já pode ser considerado pra lá de muito bom. Abs !

      1. Helena

        Olá, Sérgio!

        Os colegas fizeram o ajuste dos percentuais:

        Medvedev: 4 – 11 = 26,6%
        Zverev: 10 – 15 = 40%
        Tsitsipas: 6 – 15 = 28,5%

        Ainda acho os números do Sascha respeitáveis. Se não me falha a memória, também foi o único dos três que já ganhou final do Big3.

    2. Bruno Gama

      Tá errada essa porcentagem x Big3:

      Medvedev: 4 – 11 = 26,6%
      Zverev: 10 – 15 = 40%
      Tsitsipas: 6 – 15 = 28,5%

      1. R.P.

        Menor diferença de idade para o Big 3 é 9 anos, e a maior quase 18. Vencer os “velhinhos” já é obrigação, pois os 3 jovens devem estar no auge físico e muito próximo do auge técnico, ou seja, o ápice da carreira é agora.

      2. Helena

        Sim, fiz a divisão das derrotas pelas vitórias, e não pelo número de confrontos. Obrigada pela correção!

        Agora com os ajustes, só o Sascha mantém números decentes.

    3. Rafael Azevedo

      Acho que um dado interessante nessa comparação é o número de finais de Slam (já que nenhum tem AINDA um título de Slam).

      – Medvedev: 2 finais (perdeu uma para Nadal e outra para Djokovic)
      – Tsitsipas: 1 Final (perdeu para Djokovic)
      – Zverev: 1 Final (perdeu para Thiem)

      Zverev foi o único que chegou a uma final de Slam se ter que encarar um dos Big. Por isso, talvez, seja o que mais tinha chances de ter seu primeiro Slam.
      Se bem que o Thiem estava voando baixo no USOpen 2020 (com exceção da final, em que ambos estavam muito nervosos).

    4. Enoque

      Muito legal as estatísticas que vc apresentou, mas 10V e 15D, representa 40%, pois 66,66% fica parecendo que ganhou mais da metade dos jogos o que não é o caso. 4V e 11D (26%). 6V e 15D (28%).
      Zverev tem contra Djoko e também Nadal, o mesmo retrospecto 3V e 6D (33%). Contra Federer 4V e 3D, 4/7 (57%) e não 4/3 que daria 133%.

  36. Periferia

    Scaramouche…1952…George Sidney

    Filme narra a história de um jovem (Stewart Granger) que…ao ver seu melhor amigo ser morto pelo maior esgrimista da França (Mel Ferrer) decide aprender a arte da esgrima…buscando vingança.
    No elenco ainda temos Eleonor Parker e Janet Legh.
    Capa espada que foi muito popular no Brasil (era reprisado constantemente na TV Globo…e marcou uma geração…principalmente adolescentes).
    Cheio de reviravoltas…tem um enredo muito bem construído.
    Tem o duelo de espadas mais longo e famoso do cinema.
    Refilmagem do filme homônimo (mudo) de 1923.
    George Sidney era um daqueles cineastas que faziam filmes para esquecer os maus momentos…Scaramouche é bem isso.

    1. Rubens Leme

      Quem não se lembra da série Zorro com o Gordo Sargento Garcia? Eu ganhei uma vez chapeu, máscara e arco e flecha de presente, aos 6, 7 anos. Ficava na rua atrás dos montes de areias e cascalhos de construção, atirando com revólver de espoleta e jogando flecha nos meus viiznhos, que se vestiam de outros superheróis, de índio e até de policiais.

      Bons tempos.

      1. Periferia

        Gostava do Bernardo…um coadjuvante de poucas palavras….rs.

        Assisti muito…se não me engano o protagonista era o mesmo da série Perdidos no Espaço (Sr Robinson).

      2. Sérgio Ribeiro

        Peraí , Leme . Esse Zorro tinha cavalo branco e andava sempre com o Índio Tonto . Aí tínhamos flechas no filme . Don Diego de La Vega e seu Corcel Negro Tornado usava Chicotes e até hoje não foi pego pelo Sargento Garcia . . O famoso Z marcado na pança do cara toda hora com a espada kkkkkk. Abs!

        1. Sérgio Ribeiro

          Exato . Guy Willians fez um Zorro que marcou época. Depois Bonanza e finalmente o Prof. John Robson no grande sucesso Lost in Space . Abs!

          1. Sérgio Ribeiro

            Substituiu o galã Pernell Robert ( Adan Cartwright ) em 1964 , , mas por pouco tempo . A super Série já estava em declínio. Aí encarou a não menos famosa Perdidos no Espaço a partir de 65 . Abs!

  37. Rubens Leme

    Dalcim, não há risco desta prótese envenenar o Murray a longo prazo? Li aguma coisa na época que poderia ser perigosa. Essa vontade deler em continuar lembra um pouco o Connors.

  38. Paulo Almeida

    Não poderia deixar passar a oportunidade de postar a letra de uma faixa altamente adequada para esses tempos obscuros e retrógrados de Talibã e Milton Ribeiro em evidência:

    Dream Theater – In The Name of God

    How can this be?
    Why is he the chosen one?
    Saint gone astray
    With a scepter and a gun

    Learn to believe
    In the mighty and the strong
    Come bleed the beast
    Follow me it won’t be long

    Listen when the prophet speaks to you
    Killing in the name of God
    Passion, twisting faith into violence
    In the name of God

    Straight is the path leading to your salvation
    Slaying the weak, ethnic elimination
    Any day we’ll all be swept away
    You’ll be saved as long as you obey

    Lies
    Tools of the devil inside
    Written in Holy disguise
    Meant to deceive and divide us all

    Listen when the prophet speaks to you
    Killing in the name of God
    Passion, twisting faith into violence
    In the name of God

    Blurring the lines
    Between virtue and sin
    They can’t tell
    Where God ends and mankind begins

    They know no other life but this
    From the cradle they are claimed

    Listen when the prophet speaks to you
    Killing in the name of God
    Passion, twisting faith into violence
    In the name of God

    Hundreds of believers
    Lured into a doomsday cult
    All would perish in the name of God

    Self-proclaimed messiah
    Led his servants to their death
    Eighty murdered in the name of God

    Forty sons and daughters
    Unconsenting plural wives
    Perversions in the name of God

    Underground religion
    Turning toward the mainstream light
    Blind devotion in the name of God

    Justifying violence
    Citing from the Holy Book
    Teaching hatred in the name of God

    Listen when the prophet speaks to you
    Killing in the name of God
    Passion, twisting faith into violence
    In the name of God
    In the name of God

    Religious beliefs, fanatic obsession
    Does following faith lead us to violence?
    Unyielding crusade, divine revelation
    Does following faith lead us to violence?

    Ela foi lançada no álbum Train of Thought (2003), quando os estadunidenses ainda se encontravam muito abalados com os atentados ao World Trade Center, apesar de não fazer alusão direta a eles (a crítica à religião foi de forma mais genérica).

    Segue o link da versão ao vivo na arena Budokan: https://www.youtube.com/watch?v=34HK44CeSMg

    Periferia, que já começou a gostar de Rush, talvez aprecie o som (ou pelo menos a letra).

    1. Periferia

      Olá Paulinho…

      Que letra impressionante…

      “Matando em nome de Deus…
      Paixão…transformando a fé em violência…
      Em nome de Deus”

      “Citando o livro sagrado…
      Ensinando o ódio em nome de Deus”

      “Crenças religiosas…obsessão fanática.
      Seguir a fé nos leva a violência???”
      (Aqui sim).

      “Messias autoproclamado…
      Conduziu seus servos à morte”
      (O Messias brasileiro conduziu)…

      Misturo o metal progressivo do ótimo (não conhecia…grato) Dream Theater com um livro famoso…

      “Cuidado com os falsos profetas…que vêm até vós vestidos como ovelhas…mas… interiormente…são lobos devoradores”
      (Mateus 7:15).

      1. Paulo Almeida

        Bom, se um crítico de literatura como você achou a letra impressionante, não tenho mais a acrescentar, rs.

        Você citou o Neil Peart há poucos dias, que considero ainda mais baterista do que o Mike Portnoy, mas o drum kit deste no vídeo do link que passei é um dos mais belos que já vi.

        Abs!

        1. Periferia

          Olá Paulinho

          Estou ouvindo um álbum sem Portnoy…
          Parece que o baterista é um rapaz de nome Mike Mangini.
          Noto que a bateria é quase um batimento cardíaco das músicas…
          Algumas como Barstoot Warriors e Paralyzed gostei.

          Semana que vem vou arriscar o album Metropolis Pt. 2: Scenes from a Memory…
          Para conhecer bem o Portnoy…

          Existe uma coisa cênica nas letras deles…quase visual.

          1. lEvI sIlvA

            Caro Peri, tudo bem por aí?
            Tenho alguns álbuns do D(ream) T(heater) aqui…
            Creio que uns 8, ainda com o Portnoy nas baquetas. São muito técnicos, todos eles…
            (Os músicos e os discos, quero dizer!)
            Contudo, o que mais gosto e me parece mais relevante musicalmente, me faz dar um sorriso ao escutar, é o Images and Words de 1992. Sei lá, o Paulo vai discordar, estou certo, mas sempre me soou que o Images tivesse “mais alma”, se é que me entende…
            Abraço!

          2. Paulo Almeida

            Pois é, Peri.

            O Mangini entrou no grupo em 2011 e é excelente também. Foi selecionado a dedo, o que pode ser conferido no DVD bônus do álbum Black Clouds & Silver Lines, também daquele ano. Na verdade, a banda respira bateria, guitarra, teclado e baixo, já que todos os instrumentistas são monstruosos, rs.

            Você ouviu o Distance Over Time (último lançamento) e também gosto das faixas citadas, especialmente Paralyzed.

            O Scenes é uma obra-prima conceitual (no passado citei muitos álbuns do gênero) e com certeza não irá se arrepender. Talvez se assuste um pouco com o comecinho mais pesado de Beyond This Life, mas no geral é um álbum bem gostoso de se ouvir, ainda mais quando você embarca profundamente na história (não vou contar para não perder a graça).

            Abs.

          3. Paulo Almeida

            ERRATA: Mangini entrou em A Dramatic Turn of Events e não no Black Clouds & Silver LININGS, último álbum com o Portnoy.

            Levi, muito pelo contrário: Images And Words está entre meus preferidos, assim como o Awake! Acho que eles exageram na virtuose em alguns momentos, mas para mim a discografia é praticamente impecável.

  39. Bel Grado Fa

    Acredito que o favoritismo na chave de simples maculina do USOpen vai estar diretamente relacionado a situação física do ombro do Djoko.

    Se ele jogar plenamente recuperado, será novamente o primeiro favorito, a frente de 2) Medvedev 3) Zverev e 4) Tsitipas, nesta ordem, com Berretinni e Rublev correndo por fora.

    Qualquer outro resultado que não o acima, eu encaria como zebra.

    Com relação ao Djoko, a idade dele é limítrofe para reduçao de calendário e o atleta passa por uma mudança na curva de resposta ao tratamento de lesões, apesar do extremo.cuidado que o Sérvio tem com a parte física. Em resumo, se bem aconselhado, nâo deveria haver mais espaço para jogar contundido. E a se confirmar, eu apostaria numa desistência após o início da competição.

    No caso de uma desistência, acredito ainda haveria eapaço para ele voltar a ganhar mais alguns GS no futuro (principalmente Wim e AUSOpen, onde a chance é maior) ultrapassando de vez Nadal e Federer.

    Em caso de desistência, ainda abriria espaço para o “Little 4” começar a se consolidar. Já está claro o quão voa esta geração é. Mas tb eatá claro que ela é ligeiramente inferior ao Big 4.

    A ser visto!

    Com relaçao a alguns comentários, fico sem entender como conseguem encaixar as palavras “bagre”, “amarelâo” e afins, na mesma frase que Nadal, Federer e Djoko.

    1. Helena

      Li uma entrevista da Maria Sakkari muito interessante sobre a crítica a certos tenistas. Ela disse que às vezes via as pessoas falando sobre alguém que era número 80 do ranking como se esse atleta fosse uma porcaria, mas que na verdade ser 80 do ranking significa que você é a octogésima melhor pessoa em todo o mundo naquilo que faz, e que isso é muita coisa.

      Imagina então ser o número 1? E ser o número 1 por tanto tempo? E estar entre os maiores da história? Ninguém é obrigado a gostar de jogador nenhum, mas tentar diminuir o que esses caras construíram é surreal.

      1. Bel Grado Fa

        Acredito haver uma explicação do ponto de vista clínico para isso (claro que também há alguns que não se importam, e estes devem se divertir – ou se irritar – a beça com os comentários bossais dos mais fanáticos).

        Eu sou da turma que ri sozinho e se diverte com o tamanho da bestialidade, mas as vezes entro na onda para discutir sobre “O malvado FAvorito” da criançada.

        Mas já percebi que para alguns, parece que a discussão toma ares de defesa de cinturão, e os tais vão até as últimas consequências.

        Mas por sorte, estamos todos por trás dos teclados, Helena.

  40. Marcelo G Monteiro

    Dalcim,
    Estava acompanhando Cincinnati neste final de semana e notei(atrasado , eu sei) que os juízes de linha “desaparaceram”.
    A ATP despediu todos eles ? O que houve ?

  41. Daniel Rohr

    Fala, Dalcim. Parabéns pela análise, mas me permita discordar. Vejo Tsitsipas superior a Zverev na parte técnica e em competitividade. O H2H é amplamente favorável, e Roland Garros está fresco na memória. Também por ser um pouco mais jovem, o grego parece mais promissor.

    Queria aproveitar para divulgar um artigo que escrevi relacionando o tênis aos investimentos no mercado financeiro. Eu sou jornalista e trabalho em uma corretora como produtor de conteúdo. Comecei a jogar tênis há alguns meses e consegui reunir várias comparações no artigo. Ficaria honrado com a tua leitura! https://warren.com.br/blog/licoes-tenis-investimentos/

    Grande abraço

  42. Robson

    É impressionante o limite técnico do Rublev,o cara definitivamente não tem recursos,tem apenas os fundamentos.
    Precisa urgentemente contratar um técnico com repertório vasto,pra ver se consegue ser mais inteligente em quadra,mais versátil.
    Ou então será coadjuvante a carreira toda.
    .
    Semana que vem já teremos US Open,com a volta do maior tenista de todos os tempos/atual número 1 do mundo.
    Acho que fisicamente e mentalmente já deu pra ele descansar,afinal 3 semanas sem pegar em uma raquete, só curtindo a família deve ter sido suficiente.

  43. Miguel BsB

    Plano A do Rublev – Marretar a bolinha
    Plano B(A) do Rublev – Marretar ainda mais a bolinha
    Plano C(A) do Rublev- Marretar a bolinha no meio

    Favoritos USopen:
    1 Djokovic

    2 Medvedev
    3 Zverev

    4 Tsisipas

  44. Ernani Chaves

    Prezado Dalcim,

    Hoje assisti ao jogo do Puccineli. Dá uma esperança, né? Ou você acha que vai ser mais uma “promessa”, que nem entra no top 100, como Wild, Menezes, Meligeni….???

  45. Rubens Leme

    Enquanto bozo tumultua o país, o trabalho escravo será votado pelo congresso…

    A elite agradece.

    – Cria-se uma modalidade de trabalho sem direito a férias, 13º salário e FGTS;
    – Cria-se uma modalidade de trabalho, sem carteira assinada (Requip), direitos trabalhistas e previdenciários; trabalhador recebe uma bolsa e vale-transporte
    – Reduz o pagamento de horas extras para algumas categorias profissionais, como bancários, jornalistas e operadores de telemarketing
    – Aumenta o limite da jornada de trabalho de mineiros
    – Restringe o acesso à Justiça gratuita em geral, não apenas na esfera trabalhista
    – Proíbe juízes de anular pontos de acordos extrajudiciais firmados entre empresas e empregados
    – Dificulta a fiscalização trabalhista, inclusive para casos de trabalho análogo ao escravo

    https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2021/08/22/nova-reforma-trabalhista-fgts-13-ferias.htm

    1. José Nilton Dalcim

      Não. Acho que o tenista profissional é crescido (ou deveria ser) o suficiente para tomar suas próprias decisões. Isso aliás é o que faz o tênis um esporte tão diferenciado.

      1. juninho Fonseca

        Permita-me dar a minha opinião Dalcim…eu sou totalmente a favor…..iria aumentar a qualidade do jogo e quem sairia ganhando seria os expectadores e o jogo, que iria aumentar de qualidade!

      2. Luiz Fabriciano

        Mas Dalcim, concordo com a diferenciação do esporte Tênis, mas todos os outros, além de terem homens crescidos, têm treinadores que os instruem.
        O que mais lhe faz ser contra?

        1. José Nilton Dalcim

          Se o tênis fosse igual aos outros, não seria diferenciado. Desde cedo, o tenista aprende a tomar decisões sozinho. É um jogo em que o tempo não é um problema ou um condicionante, você pode achar alternativas. Além disso, fico imaginando o que seria um jogo de tênis com técnicos gritando da arquibancada, como fazem no boxe, natação ou judô. Talvez pudessem adotar uma regra mais parecida com o tênis de mesa, em que o jogador tem um intervalo regulamentar e pode conversar com o treinador por um minuto. Isso talvez fosse interessante.

          1. Rubens Leme

            Ou poderiam fazer como é na Davis ou na Laver, em que o técnico senta e conversa a cada game ímpar. Eu não vejo problemas em adotar isso ao menos em Slams, onde uma dica deles pode fazer toda a diferença em 5 sets.

            Chato é ver o cara se retorcendo no box, frustrado, muitas vezes e não poder falar com o tenista. Por que não liberam, ao menos, em Slams?

          2. Luiz Fabriciano

            Mas é esse o ponto. Nada de gritarias (técnico de futebol), mas sim, conversas ao ouvido, em intervalos definidos, como já tentaram na WTA.
            E foi exatamente o que citei no começo sobre diferenciação entre o tênis e os outros.

      3. Helena

        Dalcim,

        Qual seria a repercussão se um jogador fosse pego recebendo mensagem via celular ou bilhete do seu treinador?

          1. Rafael

            E se pegassem o bilhete e vissem que estava escrito: fica tranquilo que ainda hoje eu te faço aquele PIX?

            😂😂😂

      4. João ando

        Nao concordo se o tenista tem um técnico ele tem que ficar no Banco .Por esse raciocínio na taça Davis e federation cup não deveriam ter tecnicos

  46. Rubens Leme

    Down by Law

    Um filme pequeno e modesto do então novato Jim Jarmusch (fisicamente idêntico a Nick Cave) e que virou objeto de culto em SP, junto com seu outro filme, Estranhos no Paraíso. O filme conta o dia-a-dia de três presidiários – Roberto Benigni, Tom Waits e John Lurie -, que ficam trancados em uma cela, sendo atormentados pelo italiano, com seu inglês de dicionário e histórias absurdas, até que escapam da cadeia.

    Um filme divertido, em preto e branco e que apresentam o vencedor do Oscar por A Vida é Bela, ao público norte-americano.

    Antes de Daubailó (como ficou conhecido aqui), o Jarmusch havia feito um filme homenageando Chet Baker (Férias Permanentes) e também Estranhos no Paraíso. Sua inusitada carreira traz ainda filmes diferentes e ótimos, como Ghost Dog (grande atuação de Forest Whitaker), Cafés e Cigarros, o curioso Flores Partidas, com Bill Murray e Amantes Eternos.

    Melhor momento: Roberto Benigni puxando um coro na prisão toda, pedindo sorvete: “I scream-a. You scream-a. We all scream-a. For ice cream-a”.

    Eis a cena: https://www.youtube.com/watch?v=7rK3s_BP9kE

    1. Periferia

      Olá Leme

      Jamush que esta com um filme novo ….Os Mortos Não Morrem (2019).
      Tem um elenco acima da média….um filme de zumbi…
      Iggy Pop faz um papel no filme…de zumbi.
      Tom Waits também está no filme (ele é um ótimo ator).

      1. Rubens Leme

        Sim, o Tom é ótimo ator, ás vezes acho que gosto mais dele atuando do que cantando e vc está falando com um cara que tem todos os discos dele, além de coletâneas e tal. Ele está muito bem em Ironweed ou Short Cuts, do Altman.

    2. Marcilio Aguiar

      Leme, eu assisti a Down by low na mostra internacional de cinema de São Paulo. Não me lembro o ano, mas o local foi no MASP. Você provocou a lembrança de algo que ja tinha esquecido.

  47. Wilson Rocha

    Dalcim,
    Nadal com essa queda no ranking e próximo ano completando 36 anos, a possibilidade de grandes títulos fica cada vez mais remota, principalmente fora do saibro.

  48. Miguel BsB

    Leme, acabei de ver seu comentário sobre músicas da pasta anterior. Vou postar aqui artistas que levantei agora, de cabeça. Com ctz estão faltando vários, mas tem muita coisa boa aí tb. Difícil pra mim, pois sou bem eclético, vai achar quase de tudo nesta lista. Listei os artistas e algumas músicas só pra exemplificar, mas é claro que curto grande parte da obra da maioria deles. Peço desculpas em antecipado ao Dalcim, pelo tamanho do tijolo rs.
    Ouço esses artistas sempre em diversos momentos do dia e da vida…
    Sobre profissão e tal, sou formado em Relacões Internacionais, Pós em Comércio Exterior, e trabalho na área de Negócios Internacionais de um grande banco brasileiro.
    AC/DC – You Shook Me All Night Long/Thunderstruck/Back in Black
    Alceu Valença – Anunciação/La Belle de Jour – Girassol/Pelas Ruas Que Andei
    Alice in Chains – Man in the Box/Nutshell/I Stay Away/Down in a Hole
    Astor Piazzolla – Adios Nonino/Libertango/Vuelvo Al Sur
    Beatles – Dont Let Me Down/Hey Jude/Octopus Garden
    Bob Dylan – Like a Rolling Stone/Hurricane/Jokerman/Tamborine Man
    Bob Marley – Trenchtown Rock/Crazy Baldheads/Iron Lion Zion/War
    Buena Vista Social Club – Chan Chan/El Quarto de Tula/El Carretero
    Caetano Veloso – Alegria Alegria /London London/Sampa
    Cássia Eller – Segundo Sol/Relicário/Malandragem
    Carlos Gardel – Por Una Cabeza/Mi Querido Buenos Aires
    Cazuza Barão Vermelho – Ideologia/Codinome Beija Flor/O Poeta está Vivo/Mais uma Dose
    Chico Buarque – Apesar de Você/Geni e o Zeppelin/Samba de Orly/Samba do Grande Amor
    Chico Science/Nação Zumbi – A Praieira/Da Lama ao Caos/Banditismo Por Uma Questão de Classe
    Gilberto Gil – Palco/Toda Menina Baiana/Tempo Rei/Tropicália
    Iron Maiden – Aces High/The Evil That Man Do/The Clairvoyant/2 Minutes to Midnight
    Jimi Hendrix – All Along the Wachtower/Purple Haze/Hey Joe
    Led Zeppelin – Over the Hills and Far Away/Thank You/Ramble On/Moby Dick
    Legião Urbana – Faroeste Caboclo/Eduardo e Mônica/Teatro dos Vampiros/Perfeição
    Megadeath – Hangar 18/Holy Wars/Symphony of Destruction
    Mettalica – Master of Puppets/Nothing Else Matters/One
    Miles Davis – Autumm Leaves/So What/Freedie Freeloader
    Nirvana – Come as you are/Lithium/Smell Likes Teen Spirit/Where Did You Sleep Last Night?
    Oasis – Live Forever/Don´t Look Back in Anger/Supersonic/Wonderwall
    Pantera – Cowboys From Hell/Mouth for War/Walk
    Pink Floyd – Brain Damage – Eclipse/Comfortably Numb/Time/Wish You Were Here
    Racionais Mcs – Capítulo 4, Versículo 3/Negro Drama/Vida Loka partes I e II
    Raul Seixas –Cowboy Fora da Lei/ Gita/Metamorfose Ambulante/O Trem das 7
    Rolling Stones – You Cant Always Get What You Want/Ruby Tuesday/Simpathy For The Devil
    Rush – Tom Sawyer/YYZ/Time Stand Still
    Sepultura – Arise/Chaos AD/Territory
    Thelonious Monk – Round About Midnight/Ruby, my Dear/Monk´s Dream
    The Police – Message in a Bottle/ Roxanne/Walking on the Moon/Wrapped Around Your Finger
    The Smiths – The Queen is Dead/Cemetery Gates/How Soon is Now?/There is a light that never goes out
    The Who – Baba O´Riley/Behind Blue Eyes/We Won´t Get Folled Again
    Tupac Shakur – All Eyes on Me/Dear Mama/Changes/I Aint Mad At You
    U2 – Beautiful Day/Vertigo/Where the Streets Have no Name/One

    Abs
    Mande o link do seu blog quando puder.

      1. Miguel BsB

        Manda ver Peri! Você vai gostar de muita coisa aí, tenho certeza…e é uma lista bem eclética, vai do tango ao Heavy Metal, passando pela “nossa” voz da Periferia, Racionais Mcs, fio da navalha !

    1. Paulo Almeida

      Chaos A.D. é o álbum, Miguel.

      Acho que quis se referir a Refuse/Resist, não?

      O Sepa mudou radicalmente o som do Arise pro Chaos, migrando do thrash para o groove (com batucada), como disse naquela pasta durante Wimbledon.

      1. Miguel BsB

        Sabe tudo de Metal Paulo!
        Exatamente…se escrevi Chaos AD, me confundi. Refuse/Resist. Adoro ouvir essa música antes de qualquer competição, pra me pilhar…hehe
        Chão AD é um discaço! Os brasileiros pouco valorizam o Sepultura, que na verdade, é provávelmente a banda brasileira que mais vendeu discos e mais conhecida ao redor do mundo…lotavam estádios em diversos países.
        Fizeram muito sucesso num segmento muito “anglo/saxão, nórdico”, e conseguiram incluir elementos da música e cultura brasileira em suas composições, caso do ótimo Roots tb…

        1. Paulo Almeida

          Sim, eles foram muito grandes lá fora, assim como o Angra, mas confesso que gosto mais do que produziram até o Arise. Chaos e Roots não fazem muito a minha cabeça não, mas respeito.

  49. Daniel C

    A WTA vive uma ótima fase, com uma imprevisibilidade a cada torneio, boas jogadoras no top 10 (exceto a Pliskova, acho ela bem limitada, lembra um Berdych de saias) e uma no1 digna da posição. É a líder que se espera: carisma (natural, não forçado), ótimo comportamento dentro de quadra e um jogo variado de encher os olhos: as pessoas comentam mais do jogo dela em si do que o resultado / título alcançado. Enfim, ela é o oposto do atual líder do ranking masculino. Tomara que em 2022 o circuito masculino tenha um representante máximo melhor.

    1. Miguel BsB

      A Pliskova dá sono só de olhar a cara dela, apática. Não vibra, não esbraveja, parece sempre conformada. Movimenta-se muito mal e dá a impressão que tá com preguiça rsrs
      Para ela, parece que tanto faz perder ou ganhar…

  50. Maurício Luís *

    Acredito que os fãs da Serena – eu entre eles- estamos muito + interessados no Slam 24 do que ela mesma. Porque ela tem reduzido seu calendário de tal modo que a turnê dela pelo Circuito acabou virando um “curto-circuito”.
    Antes, as derrotas dela eram surpresa, tipo choque de 220v. Agora, se chegarem a um choquinho que faz cócegas a 10 volts, é muito.

    1. Sérgio Ribeiro

      O físico não ajuda mais mesmo. Antes de BARTY , SWIATEK, Osaka … dava pra ela vencer de qualquer jeito. Agora acho que ela está só observando o que vai acontecer com Federer apenas um mês mais velho … Abs!

  51. EDUARDO FRANZONI GUILHERME

    Eu continuo achando que o Tsitsipas é o cara com mais bola neste nextgen. Tem ótimo daqui saque e físico, golpes pesados e regulares do fundo, usa slice pra variar e tem bom jogo de rede.
    Teve o jogo na mão contra o Zverev e inexplicavelmente deixou passarem as duas quebras que teve na frente.
    Se botar a cabeça no lugar acho que será o próximo a dominar o circuito.

    1. Miguel BsB

      Tsisipas tem um slice muito mediano, a meu ver. Flutua demais, não é algo natural do seu jogo.
      Ele também precisa ser mais regular, melhorar a cabeça.

      1. Helena

        Ia fazer o mesmo comentário. Acho um dos piores golpes dele, e curiosamente, foi um slice seu pra fora que culminou na derrota para o Zverev. Por momentos o slice aprofunda bem, mas em outros sai por muito, o que me dá a impressão de que ele ainda não sabe controlar bem o golpe.

        Uma curiosidade inútil é que ele usou esse golpe no primeiro matchpoint que teve contra o Coric no US Open do ano passado. Foi uma jogada bem desnecessária e que deu a impressão de que queria finalizar o jogo com estilo.

        Shapo era outro jogador com o backhand de uma mão que não tinha um bom slice, mas achei que o canadense melhorou nesse fundamento.

  52. Rubens Leme

    A questãoé: será que desta vez eles irão meter o pé na porta e derrubá-la ou contnuarão a bater na porta bem de leve, pedir licença para ver se já têm idade suficiente para entrar na boate?

    1. Sérgio Ribeiro

      Engraçado é esquecerem que Lendl nas 7 primeiras FINAIS de SLAM , venceu somente a Quarta e no Saibro contra o Big Mac . E Murray com o Big 3 a postos , somente também na Quarta tentativa aos 25 anos . Essa cobrança em cima dos garotos e’ um tanto forcada a meu ver . Abs!

      1. Rubens Leme

        Aos 25 anos – idade de Zverev e Medvedev hoje – Lendl já tinha 11 finais de Slams e 3 títulos. Os 8 vices foram para Borg, Connors, McEnroe, Wilander e Becker. Então, sua comparação não é feliz.

        Ele não apenas já tinha títulos nessa época, como sua primeira final, em 1981, em Roland Garros, ele tinha 20 anos. E fez final em todos os anos seguntes, até 1991.

        Então, se há algo forçado aqui é a sua comparação, porque nenhum deles chegou sequer a ter 7 finais até agora, como citou.

        1. Sérgio Ribeiro

          Não vou perder meu tempo quando no início já botas Zverev com a mesma idade de MEDVEDEV. Infeliz é a comparação sem levar o Big 3 em consideração. Queria ver quantas FINAIS Lendl faria se os enfrentasse como os garotos foram obrigados . Mas pra quem cisma que Maradona foi melhor que Messi tudo é possível . Abs!

          1. Sérgio Ribeiro

            Ps . Quando postes o Big Mac na frente de Lendl sabes que o Theco em 19 FINAIS de SLAM , com Borg já aposentado , perdeu ONZE . Abs!

          2. Rubens Leme

            Mesma idade sim, afinal um tem 24 o outro é 25, ou isso é uma diferença enorme? E se a sua tese se baseia em misturar eras, acaba-se o raciocínio lógico, porque argumenta-se também quantos Slams o baixinho Laver teria hoje contra o Big 3 ou quantos títulos Djokovic e Federer teriam na grama super rapida de Wimbledon dos anos 70 e 80 e 90 contra Becker, Edberg, Sampras e os próprios McEnroe e Borg?

            Ou vc delimita as comparações ou vira chute.

          3. Rubens Leme

            Nao sei o que é mais difícil de você, Sérgio, se é entender o que você escreve ou tentar raciocinar à sua maneira torta.

            1) primeiro você me diz que parou de ler quando disse que eles possuem a mesma idade: oras, tem um tem 24 e outro 25, eles estão na mesma faixa etária então sim, eles tem a praticamente mesma idade. Djokovic e Nadal, por exemplo, são iguais nesta questão: um tem 34 e outro 35, embora cada um tenha problemas físicos diferentes.

            2) na expectativa de desmerecer meu argumento quando citei o Lendl, tentou desqualificar um dos maiores nomes da história, querendo colocá-lo H2H contra o Big 3 de hoje, como se fosse possível fazer isso com um tenista que iniciou a carreira em 1978.

            3) Por fim, se eu fosse seguir esse raciocínio torto, cairia naquela coisa de “ah, quantos títulos Laver, Borg, McEnroe teriam hoje ou quantos o Big 3 teriam 30, 40 anos, atrás, com as quadras diferentes, pisos super velozes, raquetes de cabeça menor, etc e tal. É como querer comparar, em números frios, Senna e Hamilton, como muitos fizeram aqui.

            4) Por fim, sim, coloquei Lendl atrás de McEnroe naquela minha lista, mas de maneira alguma desmereço o que o fez na carreira.

            Então, ao invés de partir para ataques bobos e acabar rapidamente com um Abs!, desenvolva seu raciocínio e argumente dentro do que foi proposto.

            E tanto Sacha como o Urso deverão erguer as mãos os céus e se ajoelharem se conseguirem, juntos, metade do sucesso de Lendl ou a importâcia histórica dele. Mas essa discussão é para daqui uns 10 anos, pelo menos.

          4. Sérgio Ribeiro

            Não é tão difícil entender que até agora o caminho destes garotos até a Final de um SLAM , devido a presença do Big 3 , foi muito mais difícil que o dos jogadores do passado principalmente com a aposentadoria de Borg . Ter que bater sempre dois no caminho, os Três maiores jogadores de TODOS OS TEMPOS, explica a não precocidade . E UM ano nesta idade faz diferença sim senhor . Quantas FINAIS de SLAM o Campeão Olímpico poderá ter ao FINAL de 2022 ??? . Quem gosta de viver do passado repete sempre o tal “ Rei dos Reis “ e muda de assunto. Abs!

  53. Alexandre G.

    Com todo o respeito que tenho por você, Dalcim, mas seu post deixou a desejar no quesito de avaliação técnica do jogo Rublev vs Zverev. Você não comentou a atuação fraquíssima do russo, irreconhecível.

    1. José Nilton Dalcim

      Foi tão irrelevante que não mereceu comentário, Alexandre. E aliás isso não é exatamente uma surpresa, não? Já vimos o Rublev se perder rapidamente em partidas em que o plano A não funciona.

  54. Antônio Luiz Júnior

    Finalmente consegui ler uma série de comentários (13) mais relevantes e que em sua maioria enfatiza o teor da excelente análise no texto redigido por Dalcim. Cada um democraticamente fazendo suas apostas para on USO e justificando os motivos sem fanatismo. Zverev, Medvedev e Tisitsipas chegam finalmente em condições de igualdade, para fazer uma final cobtra Djokovic ou quem sabe até entre eles. Não vejo entre os três um grande favorito. Todos possuem muitas armas e algumas poucas brechas no seu jogo ou na sua capacidade mental. Neste quesito vejo o talentosíssimo Tisitsipas um pouquinho abaixo. Vide a final de RG que entregou o jogo na final de forma acintosa e a semifinal de Cincinnati contra Zverev, depois de abrir 4 x 1 no terceiro set, com duas quebras acima, levou a virada e deixou escapar um título de Master 1000 ganho. Está muito preparado fisicamente, embora eu condene vementemente o famoso Migué do vestiário. onde 10 minutos de paralisação fazen toda a diferença. Recurso almplamente utilizado pelo sérvio em vários jogos, sempre quando está perdendo, e sem nunca ter recebido qualquer punição. Obviamente, jogar em 05 sets faz toda a diferença. Hora de separar os homens dos meninos. Lamentável as ausências confirmadas de Federer, Nadal e Thiem…

    1. Helena

      “Recurso almplamente utilizado pelo sérvio em vários jogos, sempre quando está perdendo, e sem nunca ter recebido qualquer punição. Obviamente, jogar em 05 sets faz toda a diferença. Hora de separar os homens dos meninos.”

      Isso não é verdade. Sem ir muito longe podemos recordar das semis e da final em RG.

      – Na semifinal: foi ao vestiário após vencer o 3 set.
      – Na final: Demorou aproximadamente três minutos.

      Em ambos os casos já tinha passado mais de uma hora e meia de jogo e ele voltou com o uniforme todo trocado.

  55. Marcelo Eiras

    Gnt, Djokovic é o recordista de GS na Era Aberta, pois ele tem 20(1), e esse (1) é o suficiente pra deixar ele a frente do espanhol e do suíço.
    Aquele WImbledon 2020, o chamado Wimbledon da Vergonha e da Ganancia, ele era o favorito, e oq vimos nos últimos 3 Wmbledon foram títulos do sérvio, o que nos mostra que muito provável ele teria ganho o Wimbledon da Vergonha e da Ganancia.
    Já em relação a Masters 1000 já não podemos dizer nada, ele poderia ter ganho aqueles dois somente, ou os 8, isso é incerto.

  56. Vitor Hugo

    O momento do tênis é sinistro….. Temos 3 dos 4 primeiros jogadores do raking com várias limitações técnicas, falta de variação e jogo de rede medíocre. Claro, Mdvedev e Zverev podem melhor muito, pois são jovens…

    O que manda hj em dia é sacar bem, ter golpes potentes da base, mental forte e excelente preparo físico… O número 1 fake mostrou pra todo mundo que é possível ser campeão mesmo sendo medíocres em alguns golpes…
    Não deixa de ser um incentivo para o medíocre e sem habilidade iniciar no esporte.

    Mas falando do alemão, e independente dele não ter habilidade, tem um grande saque, excelente backhand e ótima direita… É o suficiente por enquanto, mas está na hora de deixar de ser jogador de masters 1.000.

    1. Flavio

      Se um cara com 20 gs e mais de 330 semanas com número e medíocre o resto da atp não deve nem jogar aqui no clube, talvez joguem na chave c ou b.rss
      Como o Roger Federer me perde TRÊS finais em Wimbledon pra um jogador desse? Ele não deveria vencer esse jogador sem técnica jogando apenas com a mão esquerda?rs
      Tênis não é futebol, então não precisa desmerecer jogador X porque seu favorito é Y.

        1. Flavio

          Mas ele precisa estar no auge para vencer um jogador “limitado”?
          Aí vc está se contradizendo, pois se o Roger precisa estar no seu auge para vencer um jogador é porque a mesmo não é qualquer um.
          Devemos desconsiderar as grandes vitórias do Federer sobre o Nadal nos últimos anos? Afinal ele já estava veterano então não vale.rss
          Quando ganha a idade não é problema é quando perde é problema?
          Pra mim vc chamando o sérvio de limitado é um desrespeito com o Federer e ele não merece isso depois de tudo que fez pelo esporte.

      1. Sérgio Ribeiro

        Errado : Se tu não tivesses chegado aqui de pára-quedas e se achando , saberias que desde sempre não compactuo com os comentários do Vitor . Já parte da Turminha da Kombi não dá pra deixar passar batido. Me divirto muito kkkkkk. Abs !

    2. Marcelo Morais

      Então se Djoko, na sua observação é medíocre, mas hoje, é o melhor de todos os tempos…
      Não consigo entender como jogares espetaculares, na minha observação (Fedal) não conseguiram suplantá-lo.

    3. Paulo Sérgio

      A incrível história do tenista suíço que tem um tênis completo, mas que perde do “limitado” sérvio (o GOAT) em todas as estatísticas relevantes do tênis.

      1. Sérgio Ribeiro

        As mais relevantes pra ti , parceiro . As duas mais complicadas ele não tem . Consulte o livro de Recordes da ATP e encontrarás uma penca que ainda não são do Sérvio . Semanas CONSECUTIVAS como N 1 e SEIS Temporadas CONSECUTIVAS como N 1 , pertecem a Federer e Sampras , parceiro. Na WTA Serena conseguiu igualar as 186 de Steffi. Abs!

        1. Paulo Sérgio

          36 Masters 1000, número total de grand slams; total de semanas como número 1 (335 e contando); anos terminados como número 1 (6 e contando…); maior número de títulos nas hard courts; ganhou três finais em winbledon para o “rei da grama”; recorde de títulos no Australian Open; único a vencer Nadal duas vezes em Roland Garros. Vou parar por aqui.
          Se vier com desculpas de idade, tem que subtrair o título de Federer contra tenistas mais velhos, inclusive, contra Agassi. E não me venha com contagem de ATP 250 rs.

          1. Sérgio Ribeiro

            O parceiro do face TênisBrasil sabe qual é o Torneio mais importante depois dos SLAM ? . E’ óbvio que não é um MASTERS 1000 . Novak não vence um ATP FINALS desde 2015 . O Recordista é o Suíço com SEIS Conquistas. E paro por aqui que a lista e’ grande … São 103 ATPs , cumpadre kkkkkk Abs!

        2. Paulo Almeida

          Pare de passar vergonha, Ribeiro.

          É UNÂNIME no mundo do tênis que os dois recordes mais importantes são o de Grand Slams e o de semanas como número 1, seguido pelo número de temporadas como número 1 (year-end) e o de Masters 1000. Federer hoje só tem 1 deles e ainda empatado com outros dois, mas perdendo para o GOAT por causa do Double Career Slam e do Nole Slam. Quem é que liga pra semanas consecutivas num período sem rivais à altura, segundo Sampras inclusive?

          Sem choro!

          1. Sérgio Ribeiro

            Unanimidade pra Turma da Kombi . Sem essa de que Sampras compactua com uma asneira desta . Pela última vez , os caras que estavam batendo em Pete quando ele pendurou as raquetes , são os que defrontaram Federer a partir de 2001 quando o próprio derrubou o Norte-americano em WIMBLEDON. O resto é papo furado de P. Almeida e seus blue Caps kkkkkkk. Abs!

          2. Paulo Almeida

            Era unanimidade para a turminha sofredora freguesete até pouco tempo atrás, mas “mudaram” de ideia com o comercial pífio da Rolex, rs.

            Claro que Sampras compactua com a verdade, assim como Big Mac e Wilander. Eles são os três senhores máximos da razão, aceite!

    4. Paulo Almeida

      A esquerda do suíço foi atrofiada em boa parte da carreira e a devolução sempre medíocre. Ainda assim conseguiu ganhar muitos títulos, principalmente quando o circuito era recheado de bagres. Depois essas limitações começaram a atrapalhar bastante contra rivais à altura, além da fraqueza mental, claro.

      Bom, quem viu as campanhas do sérvio nos três Slams, sabe que ele abusou do drop, voleio, saque-voleio e slice (principalmente em Wimbledon, pois o piso pede e ainda fechou o campeonato assim) e foi bem sucedido em 90% das tentativas. É o mais completo da história nos quesitos técnico, mental, tático e físico sem a menor sombra de dúvida.

      A direita do Zverev é mediana e desequilibrada em relação à esquerda, enquanto ambos os golpes do GOAT Djokovic são excelentes.

      1. Luiz Fabriciano

        Eu ia comentar também, mas depois de todas essas respostas, ele ainda deve estar tonto, então, já está de bom tamanho.

      2. Sérgio Ribeiro

        Todo santo dia tu não deixas dúvidas de quem é o grande BAGRE dos comentários. Na boa , fale de música kkkkkk. Abs!

  57. Adriano Souza

    Bom ! Vai comecar a verdadeira competição de alto nível , onde só os cachorros grandes sobrevivem . Onde gatinhos de madame não tem vez ! Djoking rumo ao vigésimo primeiro GS 🎾🏆👑

  58. Flavio

    Mestre Dalcim tu lembra quando eu fiz uma crítica ácida sobre o aproveitamento do nível tênis da Barty? Pois é, acho que ela me deu uma boa resposta e mostrou que eu estava enganado porque eu não acreditava que ela era tão boa jogador assim, e você discordou democraticamente da minha análise e você mostrou que com o tempo eu estava certo, embora o tênis feminino seja inferior e limitado comparado ao masculino ela me surpreendeu no ano e agora reconheço que ela é boa jogadora. Agora falando do tênis masculino que jogão foi TsitsipasxZverev ,hein e o Zverev ganhou a semi na alma, mas o Tsitsipas como sempre deu mole porque tinha duas quebras de vantagem com 4×1 no terceiro set e não suportou a vantagem, mas acho que o seu mental vem te atrapalhando desde aquela pipocada na final de Rolland Garros para o Djokovic e acho que esta afetando ele ainda, o Tsitsipas tem um tênis vistoso e muito bom só que se ele não controlar os nervos dificilmente ganha Slam e hoje o Zverev passou bem pelo Rublev e mereceu ganhar o master, então Mestre mesmo com a subida de nível do Zverev e Medvedv você acredita que um desses dois pode derrubar o Djokovic no Usopen? ABRAÇOS!

    1. José Nilton Dalcim

      Olha, Flávio, tênis para isso eles têm e já provaram isso algumas vezes. Mas se saberão economizar energia e ter a postura emocional necessária, aí é outra questão. A cada Slam, vejo os dois mais experientes. Zverev deixou de ser aquele que sofria nas primeiras rodadas e decepcionava, tendo sido bem mais consistente nos Slam. O russo ainda se limita mais à quadra dura, mas é dono de uma força mental admirável. O sorteio da chave será importante para ver quem se colocará no caminho dos quatro cabeças, que para mim são mesmo os favoritos.

  59. Carolina

    Apesar do placar de 6/3 6/1, achei divertido o jogo entre Barty e Teichmann. Acho que isso se deve ao nível mostrado pela Barty. Com certeza ela entra como favorita no US Open, mas a WTA é deliciosamente imprevisível.

    Algumas ‘zebras’ que me deixariam feliz:
    – Caroline Garcia
    – Leylah Fernandez
    – Katerina Siniakova
    – Veronika Kudermetova
    – Clara Burel

    Não acredito em ‘zebras’ no masculino. No entanto, admito que adoraria ver um campeão aleatório tipo Ugo Umbert, Filip Krajinovic, Lloyd Harris, Taylor Fritz ou Jeremy Chardy. Um primeiro título para o Aliassime também seria bem-vindo.

    1. Miguel BsB

      Carolina, só espero que você não aposte dinheiro no título desta turma, porque será prejuízo certo…rs

    2. Luiz Fabriciano

      Chardy minha cara?
      Esse não seria uma zebra, seria um bicho bem maior.
      E me desculpe se não gostares da brincadeira.

  60. Daniel C

    Bem, no US Open do ano passado foi a mesma história, todo mundo achou que a nova geração finalmente havia chegado para empilhar títulos de GS, mas 2021 veio para mostrar que não estavam prontos mentalmente, e entregaram os títulos de bandeja para o sérvio chiliquento. Eu só vou acreditar mesmo quando um deles derrotar o Djokovic (isso se o próprio não for desclassificado antes por outro comportamento ruim.

    Enfim, com o encerramento antecipado das temporadas de Federer e Nadal, parece que finalmente entramos em uma nova era, e acho que ano que vem teremos campeões mais jovens nos GS. Assim espero, pois já passou da hora. Se continuar a concorrência fraca dos últimos 2-3 anos, o Djokovic vence mais uns títulos GS, iludindo ainda mais os seus torcedores, fazendo eles acreditarem que ele é o tal “Goat” rsrs. Aliás, fiquei com a sensação de que ninguém sentiu falta do sérvio e de seu joguinho sonolento. Só vi as pessoas lamentando os problemas físicos de Federer e Nadal… 🧐

    1. Marcelo Eiras

      Imagine acontece o mesmo que o AO 2017, ia ser épico kkkk Federer e Nadal desacreditados e quando vê os dois não só fazem uma final como fazem um jogaço, e Nadal ainda termina o ano como n1

    2. Paulo Almeida

      A concorrência foi fraca mesmo nesse período, especialmente em Wimbledon 2019, quando Fregueser jogou 100% de sua capacidade no melhor jogo de sua vida e ainda perdeu para um Djoko 20%. Tem toda razão.

      O jogo do Zverev é de balançar o adversário, assim como o do Craque, com mais potência no saque e na esquerda, mas bem pior na rede, drop e slice. Estranho não ser “sonolento” nesse caso, rs.

      Obviamente você sentiu muita falta de secar o sérvio e acho que deve ter preferido ver os vídeos da entressafra em 240p, como eu havia alertado. Acertei?

    3. rodrigo

      Deve ser doloroso e sofrido torcer contra o Djokovic, mas confesso que não tenho qualquer empatia por aqueles que sofrem por isso. Os detratores do sérvio comemoram efusivamente qualquer momento de instabilidade e se apegam com sofreguidão a qualquer vitória aleatória dos mais jovens, ingenuamente confiantes na derrocada do atual n. 1. Como Federer e Nadal dão sinais claros de esmorecimento físico e provavelmente não deverão recuperar o nível competitivo de sempre, essas pessoas torcem enlouquecidamente para o trio de postulantes ao número 1 nos próximos anos, mas sempre se frustram quando o atual n. 1 mostra sua superioridade técnica e tática nos slams, já que masters não são mais prioridade, e já são tantos também que nem vale mais a pena. Mesmo no auge técnico e físico, não conseguem barrar Djokovic e Nadal nas finais de slam e dificilmente vão fazê-lo antes da aposentadoria dos dois. Argumentos como comportamento, personalidade, simpatia/antipatia, raquetes quebradas, gritos são absolutamente irrelevantes quando se avalia a competência técnica e soam apenas como pretexto e blá blá blá para tentar desmerecer o mérito esportivo e poder mental. Todos querem vencer e acumular recordes, ele apenas não cria uma narrativa de pseudo-humildade e assume seu desejo de marcar seu nome na história, não sei qual o pecado nisso. Honestamente, para os que teimam em subestimar a trajetória vitoriosa dele, minhas condolências. Djokovic só vai passar o bastão quando realmente não aguentar mais. Mas mantenham a esperança viva, esse momento ainda vai ocorrer. Até lá, resignem-se e reconheçam o brilhantismo do sérvio. Dalcim, parabéns pelas ótimas análises de sempre e desculpe-me pela extensão do texto.

      1. Paulo Almeida

        E alguém que destila tanto veneno merece empatia, Rodrigo?

        Merecem bastante esse sofrimento, que completa agora 11 anos com a vitória do Djoko no USO 2010: ali foi o início de tudo.

  61. Sérgio Ribeiro

    Os atuais Tops 2 , 3 , 4 já possuem MASTERS 1000 e ATP FINALS no currículo. E somente MEDVEDEV recentemente atingiu 25 anos . Lendl perdeu as 4 primeiras Finais de SLAM , venceu McEnroe em RG ( aos 24 ) e perdeu mais duas em sequência. Murray também perdeu as 4 primeiras Finais de SLAM ( 3 pra Federer, uma pra Novak ) e somente na quinta aos 25 , bateu Djokovic no USOPEN 2012 . Fico impressionado com a enorme cobrança pra cima da Nova geração, que precisou enfrentar o Big 3 completo até então. Vejo todos os 3 em condições de tentar seu primeiro SLAM no USOPEN 2021 , sendo que o Grego ainda está com 23 . Alexander Zverev de tão sacaneado , está rigorosamente empatado com GUGA em MASTERS 1000 e ATP FINALS. O Campeão Olímpico tem totais condições , assim como MEDVEDEV, de ultrapassar até mesmo Andy Murray no número de SLAM até o final de suas carreiras. Mesmo com a companhia de Novak por alguns anos ainda . A conferir. Abs!

    1. Sérgio Ribeiro

      Ps. STANIMAL venceu seu primeiro SLAM próximo aos 29 , no AOPEN 2014 ( pra cima de Nadal ) ano que atingiu também seu melhor ranking por pouco tempo ( N 3 ) . Apenas 1 MASTERS 1000 e também Zerado no ATP FINALS. Abs!

    2. Enoque

      “Zverev tem totais condições , assim como MEDVEDEV, de ultrapassar até mesmo Andy Murray no número de SLAM até o final de suas carreiras”.
      Esta afirmativa mostra uma falta de raciocínio lógico matemático evidente (como se isso fosse uma novidade). Se não vejamos;
      Com o fim da era do big3, os GS ficarão, obrigatoriamente, para os 4 ou 5 melhores jovens do momento (além de algumas zebras esporádicas). Então nos próximos 10 anos, teremos 40 GS a ser distribuídos entre eles e para alguns super jovens ainda desconhecidos. E a probabilidade matemática é que alguns vão ganhar mais outros menos, então podemos considerar que alguém vai ganhar 8 ou 9, outro 6 ou 7, até preencher os 40 GS. isso é praticamente inevitável.

      1. Sérgio Ribeiro

        Falta de raciocínio lógico mas não vi postares nada parecido. O que vi foi tu não saberes interpretar que Federer , assim como Novak , também foi um N 1 de TODAS as superfícies. Não aquelas bobagens postadas pelos mesmos da Kombi dizendo que o CINCO vezes FINALISTA de Roland Garros, é fraco no Saibro pois não venceu Nadal em final de RG . Coisa de fanáticos que tu aprovas rs . Abs!

        1. Sérgio Ribeiro

          Ps . Nas suas provavelmente furadas previsões matemáticas , saberias dizer quanto Tempo o N 1 estará ativo no Circuito ? . Uma coisa é o Big 3 parar junto , algo aparentemente improvável. Abs!

        2. Paulo F.

          Se Federer é tão bom assim no saibro, por quê nunca ganhou em Roma e Monte Carlo o “genial” “craque” suíço?

        3. Paulo Almeida

          Você desconversou na cara dura sobre as minhas solicitações e foi falar do torneio de Hamburgo. E ainda falou que 5 finais de RG não são mais importantes do que um bicampeonato do Major francês e sobre Masters em cima do Nadal, hahaha!

          Só passa vergonha, Ribeiro! Abs!

          1. Sérgio Ribeiro

            Como lê irritadinho devido às bobagens que Posta não percebes que o Sérvio também não venceu NENHUMA Final de RG contra Nadal . E tanto ele quanto o Sérvio são considerados grandes Saibristas apesar da extensa freguesia que ambos tem com o Espanhol na superfície. Ou achas que 8 x 18 é pouco kkkkkkkk. Abs!

          2. Paulo Almeida

            Não leio nada irritadinho, ainda mais seus comentários hilários e fugindo do proposto, rs.

            Não venceu por uma questão de chaveamento, mas foi campeão passando por ele, que é o que interessa no final.

  62. Luiz Fabriciano

    Houve algo estranho essa semana.
    Zverev ontem estava 1×4 atrás no set3 e de repente, toma um remedinho milagroso e é campeão do torneio.
    Ninguém diz nada, mas se fosse um certo sérvio, sem técnica e assassino de juízes, estaríamos agora em meio a uma CPI.
    Falando um pouco mais sério, torci muito para o alemão buscar aquele jogo. Não sei porque, de uns dias para cá, o grego tem me feito não gostar dele.
    Mas para o US Open, o alemão estará sem meu apoio novamente.
    Boa noite à todos.

    1. Jose Yoh

      Fabriciano, acho que é visível que todo tenista faz uso da medicina (legal ou nao) para recuperar o físico ou ao menos aguentar o tranco.
      Por isso tanto insisto que quem tem mais dinheiro acaba tendo mais condiçoes de conseguir ir mais longe nos torneios e na carreira.

      O problema é que quase todos torcedores confiam cegamente que isso nao acontece, por associar o uso da medicina ao dopping.
      O que de certa forma é verdade (mesmo sendo legal) pois permite mudar o corpo obtendo vantagens que um jogador da década de 70 nao teria acesso.

      Grande abraço

      1. Luiz Fabriciano

        Grande abraço para você também Yoh.
        Minha escrita foi irônica em função da pegação de pé em tudo que envolve o #1 e não duvidei de nada da recuperação do Zverev.
        Até comentei também que torci muito para ele buscar aquele jogo.
        E concordo também com o que escreveste.

  63. Periferia

    O problema é o tal dos 3 sets….
    Mesmo Zverev mostrou contra Medevdev que não aguentaria um jogo de 3 sets …Medevdev também não (o que fazer???).
    Tsitsipas também tem a dificuldades com os 3 sets…
    O que separa os homens dos meninos não é uma direita…uma paralela…uma deixadinha…uma esquerda na linha…
    O que separa é o tal dos 3 sets.

    1. Marcilio Aguiar

      Peri, o Zverev já demonstrou que aguanta 5 sets, tem várias vitórias de 3 x 2. O problema é aguentar 5 sets contra o Djoko em forma. Se não me engano o Federer nunca ganhou um quito set do sérvio. Para derrotar o Novak tem que tentar fazer em 3×0 ou 3×1. Acho que o Tsitsipas em RG fez 2×0 e achou que tinha tempo para descansar.

      1. Periferia

        Olá Marcílio

        Esse era o diferencial dos caras….
        Não sei até quando o Djokovic vai aguentar.
        Vc pega o Federer (o Federer não aguenta nem um set e meio) e o Nadal (esse aguenta 2 sets inteiro)..o prolongamento do os jogos pesam para eles.
        O Djoko não…ultimamente não é nem a condição física…ele tem ganhado mais no “embromecion”….
        Consegue entrar nas cabeça da molecada…aquela imagem dos 2 match point que o Federer teve contra ele…criou uma coisa descomunal…tem garoto da nova geração levando estacas e alhos para ver se “mata” o sérvio…e geralmente não consegue…começa a tremedeira.
        Mas assim como o Nadal…como o a Federer…quando o Djoko cair…não vai conseguir levantar mais….a idade pesa….em algum momento ele vai pedir uma Brahma…

      2. Sérgio Ribeiro

        Até tu , caro Marcílio ? rs . Murray somente foi vencer o primeiro SLAM na Quarta tentativa . E aos 25 anos pra cima de Djokovic no AUGE no USOPEN 2012 . As duas de WAWRINKA sobre o Sérvio foram depois dos 29 e ambas no Quarto Set . Incrível essa repetição em relação a Nova geração. TSITSIPAS está com 23 e Sasha com 24 . Vão jogar de igual com Novak sem medo de errar. ABS !

        1. Marcilio Aguiar

          Sergio, eu disse que o Zverev é bom em 5 setes, ele até tem muitas vitórias por 3×2. O que penso é que seria mais provável ele ganhar do Djoko de 3×0 ou 3×1 do que no quintos set. De uns tempos para cá o Sérvio consegue, como ninguém, cada vez mais tirar proveito da tensão que vai aumentando à medida que o jogo fica mais longo.

    2. Gildokson

      Concordo plenamente Peri, inclusive eu ja ia escrever que discordo do que diz o Dalcim no texto sobre o alemão dar um passo a frente. Só saberemos isso quando ele se mostrar mentalmente capaz de fechar um título de Grand Slam naquelas situações complicadas que ja vimos diversas vezes aparecerem em jogos de 5 sets, a tal da “hora da onça beber água”.
      Os 3 fracassaram quando estiveram nessa situação, e no caso dele pior por ter sido contra um jogador que não era Djokovic, Nadal ou Federer.

      1. Sérgio Ribeiro

        Na boa , uma piada o que vocês postam sobre os garotos . Murray conseguiu perder TODAS as CINCO FINAIS de AOPEN que fez . E quando venceu sua primeira era mais Velho que TODOS eles . Pior STANIMAL. A sensação é que vocês passaram a acompanhar o Esporte junto com a Turminha da Kombi , ou seja , desde 2008 caro Gildokson rs . Abs!

        1. Gildokson

          Você tem uma certa razão Sérgio, mas você também à de concordar que naquele monte de finais perdidas na Austrália pelo Murray ele não chegou a abrir um 2×0 e parou de jogar deixando o sérvio virar como aconteceu com o grego, ele não foi pra final contra alguém que não é do Big 3 e ficou brincando de vamo ver quem mais quer perder, como foi o alemão contra Thiem, o Murray pegou o auge dos caras e pagou caro por isso, a ponto de o que antes era chamado Big 4 passar a ser chamado de Big 3 sem quase ninguém contestar. Wawrinka é outro que pegou os caras no auge durante 15 anos, sem chance para ele e sua “preguiça” até o momento que acredito que dava.
          Eu sou do time que pega no pé dessa molecada e assumo, se eles realmente tem potencial eles tem que derrubar os gigantes, do contrário eles vão ser campeões de Slam sim, mas quando a era virar, e daí nunca vamos poder fazer as tais comparações quando alguns deles atingirem feitos próximos aos dos caras , pois nós vimos que a oportunidade veio, e até agora não conseguiram derrubar um gigante no chão.

  64. Paulo Almeida

    Foi muito fácil hoje, mas contra o Meddy provavelmente teria sido diferente. Aliás, Zverev estava engasgado com o GOAT e ainda está com o russo, afinal o alemão ainda está com quatro derrotas seguidas diante deste.

  65. Jonas

    E ainda dizem que essa geração é fraca.

    Zverev já é dono de 5 masters 1000, 1 ATP Finals, 1 Ouro Olímpico e final de USO. Isso aos 24 anos.

    1. Vitor Hugo

      Com 24 anos, Hewitt, Safin, Roddick, Federer, Novak, Murray, Boris Becker, Nadal, Delpo já tinham título de slam… Alguns dos citados por mim chamados de ‘geração fraca’ pelos seus colegas..

      Pode ganhar quantas masters 1000 que for, mas se não ganhar slam…

      1. Jonas

        Cara, daqui a 10 anos você vai ver o currículo de Zverev, Medvedev e Tsitsipas. Não torço pra nenhum destes, mas é fato que são ótimos tenistas.

        Djokovic venceu o primeiro Slam com 20, mas só foi dominar o circuito mesmo com 23-24 anos.

        Federer venceu o primeiro Slam com 21, mas foi dominar com 23 anos, na temporada 2004.

        Sabe qual é o problema do Zverev, Thiem, Medvedev etc? A concorrência: Nadal, Djokovic e Federer.

        1. Paulo Almeida

          O mais importante é a linha de chegada e não a partida, Jonas.

          É muito provável que os três superem Safin, Roddick e Hewitt em Big Titles.

        2. Vitor Hugo

          Há sim. O problema de Medvedev, Zverev e etc são Federer, Nadal e Djokovic…
          E o problema de Safin, Hewwit e Roddick, não seriam os três também?
          Quantos títulos os três citados por mim teriam se não existisse Roger e Rafa? O estadunidense teria pelo menos uns 4, 5 slam… o australiano também!

          1. Jonas

            Safin, Hewitt e Roddick são da geração do Federer. E pouco fizeram contra o suíço, que reinou com sobras.

            Safin chegou a eliminar o suíço no Australian Open 2005, blz, mas o que mais ele fez? Foi um tenista muito bom, claro, tinha muito talento, mas certamente vai ser ultrapassado pela “nova geração”. Ou você acha mesmo que Zverev nunca vai ganhar Grand Slam ou ser número 1 do mundo. Questão de tempo.

            Eu chuto que Medvedev, Zverev e Tsitsipas vencem mais do que 5 Slams, o que já é suficiente para encerrar essa discussão.

            Depois que o Djoko parar, me vejo torcendo pro Sinner, que a meu ver pode até desbancar o trio dentro de 5, 6 anos.

        3. Gildokson

          Mas aí vc à de concordar que seus companheiros de torcida cometem injustiças com Roddick, Hewitt e cia neh Jonas? Pois esses caras foram impedidos por monstros de conseguir mais. Daqui 10 anos os next gen vão ter um currículo lindo cheio de Slans, e pq será?

          1. Jonas

            Ah, sempre tem um exagero, mas boa parte é zoeira. Assim como não dá pra levar muito a sério algumas coisas que escrevem sobre Djokovic aqui.

            Eu penso que tenista nenhum chega a top 10 por acaso, mas há gerações e gerações. Acho sim que o Djokovic enfrentou adversários mais difíceis que Federer ao longo da carreira, mas não quer dizer que Hewitt seja uma baba, não penso assim.

        1. Jonas

          Sem dúvidas.

          Olha, não me vejo torcendo pro Zverev, mas reconheço que ele já tem um currículo invejável.

          O Ouro Olímpico, passando pelo Djoko, fala por si, mas aquele ATP Finals em 2018 também foi marcante. Ele derrotou Federer e Djokovic naquela campanha. Também já bateu o sérvio em final de Roma.

          É óbvio que Zverev não é um tenista comum.

          O problema é exigir desses caras que façam com Djokovic o que o sérvio fez com Federer e Nadal em 2011. Mas aquilo é MUITO fora da curva, foi um domínio totalmente inesperado sobre duas lendas do esporte ainda em altíssimo nível.

      2. Gustavo

        Vitor, é incrível o esforço que os caras fazem pra parecer que DJoko tem concorrência
        Tem que ficar arrumando motivos pra elogiar os vassalos…

        1. Jonas

          Não estou me esforçando para provar nada, não preciso.

          A concorrência mais dura que o Djokovic já enfrentou foi na temporada 2011. Ainda assim foi o melhor tenista com sobras, tendo que bater Federer, Nadal, Murray, etc. O que tinha que provar já provou inúmeras vezes.

          Não tenho simpatia alguma pelo Zverev, mas não posso ir contra fatos: o cara tem apenas 24 anos, com ATP Finals, Ouro Olímpico e alguns masters 1000 na bagagem. Deve ter aí pelo menos mais uma década em bom nível e aí você vai ver com quantos Grand Slams ele vai encerrar a carreira.

          Quem sabe ele não chega no patamar de Blake, Gonzalez, Cilic, Ljubicic etc, kkkk…

          1. Jonas

            Sim, e é um título que faz falta pro Djoko.

            Ouro Olímpico vale pouco mais que o ATP Finals, a meu ver. Peso bem parecido.

      3. Groff

        Concordo, Vitor. “Ah, mas tiveram que enfrentar o Big3, por isso que não ganharam Slam”. Azar! Já faz anos que nenhum dos Big3 está tecnicamente jogando o que já conseguiu em outros momentos da vida, com o devido respeito. O diferencial tem sido o mental e a postura, que eles têm para dar, vender, emprestar, consignar e outras formas legalmente válidas de transferir, o que os jovens simplesmente ou não querem incorporar (Tsitsipas em RG) ou não têm capacidade para tanto (o italiano em WB). Claro, o que estou dizendo tem um quê de exagero, mas é para ilustrar a situção atual do tênis masculino. Imagino que vai ser muito difícil quando os grandes se aposentarem. Espero que não, mas está complicado.

        1. Jonas

          O diferencial é que esses caras são excelentes tenistas, mas Djokovic é o melhor tenista do planeta, dono de 20 Grand Slams, recordista de semanas como n1, etc.

          Se Federer que é Federer cansou de perder pro Djokovic em Grand Slam, por que tamanha surpresa com o desempenho desses jovens tenistas?

          Pode printar se quiser: os citados logo logo terão currículo muito superior ao de Safin, Roddick, Gonzalez, Baghdatis e companhia.

          Quando era o Federer derrotando esses caras em Slam vocês logicamente não falavam nada.

          1. Paulo Almeida

            O currículo deles já é tranquilamente superior ao de González, Baghdatis, Philippoussis, Davydenko, Nalbandian, Blake, Ljubicic e outros daquela época. O próximo a cair será Roddick e depois Safin e Hewitt.

          2. Jonas

            Exato, sendo que estão ainda na faixa dos 25 anos. Salvo engano, o grego fez 23 anos esses dias.

            Se o Djokovic não fosse o monstro que é, especialmente nos Grand Slams, esses tenistas teriam o currículo ainda melhor.

            Agora, esperar o que de quem acha Cilic um baita adversário em Grand Slam, Baghdatis, Gonzales etc. É pra rir muito.

        2. Jonas

          Ah, e discordo sobre a parte técnica.

          O Federer de 2017-2019 é superior tecnicamente ao de 2005-2007. Problema do Nadal é físico, não técnico. E também não vejo Djoko abaixo tecnicamente.O sérvio melhorou consideravelmente o serviço, forehand, drop, voleio etc.

          1. Gildokson

            Esse papo de Federer melhor em 2017 que naquela época de 06/07 ja deu também, ser melhor tecnicamente não é garantia de quase nada nesse tênis moderno onde vale muito mais ter pernas pra chegar em todas. E sinceramente, menosprezar o Cilic que ganhou o Us Open no auge do Big 4 e tem mais 2 finais de Slam… só pode ter um motivo, e nós sabemos o qual.

      1. JEFFERSON

        Bebeu o que??Hewitt foi numero 1 aos 20 anos em 2001,e não dominou nada já que ganhou apenas 1 grand slam no período que foi numero 1 ,o outro grand slam foi antes de ser numero 1,Hewiit,Roddick e Safin começaram com tudo nos slams mas depois só fracassaram,creio que terminaram atrás de Zverev,Tsitsipas e Medvedev na história.

  66. Rafael Azevedo

    Grande Zverev. Sempre foi o meu preferido do “Next Gen Big 3”.
    Esse vai ser o jogo mais esperado do USOpen: Djokovic x Zverev.
    Essa partida tem que acontecer.
    E, se for numa final, melhor ainda.

  67. Luiz Fernando

    Não assisti a partida mas me surpreendi com a facilidade da vitoria. Vi em um momento q estava 4×0 no set1. Rublev parece ser realmente um leão de atp 500. Zverev, se o fisico não atrapalhar, é o mais credenciado dos nextgen para o USO…

    1. Sérgio Ribeiro

      Não viu o jogo e diz que o FINALISTA Rublev é jogador de ATP 500 … E volta a falar do físico de Alexander Zverev … brilhante comentário como sempre kkkkkkk . Abs!

      1. Sérgio Ribeiro

        Ps . O Post do Dalcim está muito claro em relação as melhorias na movimentação de Zverev . Eu assino embaixo. Abs!

Comentários fechados.