Medalhas em jogo
Por José Nilton Dalcim
29 de julho de 2021 às 14:27

O torneio olímpico masculino e de duplas mistas já sabe quem terá direito a brigar pelo pódio, enquanto as duplas conheceram os candidatos finais à medalha de ouro numa intensa quinta-feira no Ariake Park. A partir desta sexta-feira, começam as decisões da 9ª edição em que o tênis profissional passou a competir nas Olimpíadas.

A torcida brasileira terá de aguardar até sábado para ver se Luisa Stefani e Laura Pigossi se tornarão as inéditas medalhistas do tênis nacional. A disputa do bronze será contra Veronika Kudermetova e Elena Vesnina. 16ª e 56ª do ranking de duplas respectivamente.

A semi diante de Belinda Bencic e Viktorija Golubic poderia ter sido diferente se as nossas meninas tivessem aproveitado o set-point, que escapou num smash falho de Stefani. E não apenas pela vantagem numérica em si, mas pelo fato de as suíças terem ficado muito confiantes a partir daí e ganharam 9 dos 12 games seguintes.

Ainda houve uma chance brasileira com dois break-points perdidos logo no terceiro game. Mas sejamos justos. Bencic jogou num nível muito alto, tanto técnico como tático, compensando deficiências evidentes na parceira. As paulistas tiveram ótimos momentos e alguns erros cruciais, o que não apaga a excepcional campanha feita até aqui. Bronze é ainda uma tremenda motivação.

Cada vez mais perto
Novak Djokovic continua favoritíssimo e desfilou em quadra diante de um Kei Nishikori incrivelmente frágil, sem energia para disputar um segundo set decente. A diferença física e de intensidade entre os dois parecia sugerir um duelo entre um adolescente e um ‘cinquentão’.

Agora, terá pela frente o único sobrevivente que, a meu ver, tem alguma chance de lhe dar trabalho. Alexander Zverev, afinal, já ganhou 2 dos 8 duelos diante do sérvio, ainda que tenha perdido todos os cinco desde a notável vitória na decisão do Finals de 2018.  O alemão continua sacando muito, e isso será essencial para ficar competitivo contra o número 1.

O segundo candidato ao ouro sairá do duelo entre Pablo Carreño e Karen Khachanov, um resultado um tanto inesperado para quem olhou a chave lá no começo. O espanhol foi muito sólido na base e explorou com inteligência as paralelas no forehand de Danill Medvedev, que reagiu no segundo set e teve 4/2 antes de jogar lances muito mal escolhidos. Destruiu raivosamente a raquete.

O outro russo fez campanha sem holofotes, mas tirou Diego Schwartzman e Ugo Humbert em três sets. Khachanov andou desanimado, caiu lá para o 29º mas em Wimbledon parece ter se reencontrado. Será o sexto duelo entre ele e Carreño no circuito, com vantagem apertada do espanhol por 3 a 2 no geral e de 2 a 1 do russo na quadra dura.

Bencic em dose dupla
Dona de saque pouco efetivo para o tamanho de seu jogo, Bencic é uma surpresa nesta final olímpica e vem mostrando cabeça e perna para suportar pressão. Tirou Barbora Krejicikova, Anastasia Pavlyuchenkova e agora Elena Rybakina, todas em três sets. Mostrou muita maturidade e confiança nas séries decisivas. Se tivesse trabalhado melhor o serviço nos últimos anos, a suíça seria certamente uma jogadora mais perigosa.

O ouro será decidido contra a canhota Marketa Vondrousova, que venceu o único duelo entre elas. A tcheca  só perdeu um set lá na estreia diante de Elise Mertens e depois teve atuações primorosas diante de Naomi Osaka e Elina Svitolina. Consegue equilibrar muito bem defesa e ataque. Fato curioso é que precisou usar ‘ranking protegido’ para ser a quarta do time de seu país.

Mais duplas
– A Croácia enfim terá sua medalha de ouro. E prata também. Nikola Mektic e Mate Pavic são favoritos diante de Marin Cilic e Ivan Dodig. O país somava três bronzes olímpicos, dois dele com Ivanisevic.
– Krejcikova e Katerina Siniakova serão as adversárias de Bencic e Golubic. Das quatro vitórias em Tóquio, três foram no match-tiebreak.
– Djokovic também está na luta pela medalha de mistas, ao lado de Stojanovic. Atropelaram Siegemund/Krawietz e enfrentam Vesnina/Karatsev. Os únicos cabeças de pé são Pavlyuchenkova/Rublev, adversários de Barty/Peers.
– EUA são o país que mais ganharam ouro (21) no tênis olímpico, seguido da Grã-Bretanha (17, mas recordista no geral, com 43). A Rússia tem 3 de ouro, Espanha e Suíça somam 2, tchecos e australianos apenas 1.
– Se o Brasil levar bronze, será o 34º diferente país a ir ao pódio olímpico desde 1896.


Comentários
  1. Ronildo

    Essa vitoria de Zverev foi muito mais mental. Jamais deixou de acreditar na vitória e foi premiado pela atitude vencedora. Djokovic por outro lado quando percebeu que o físico não ia aguentar desabou mentalmente.

  2. Rafael Azevedo

    “Isso é uma das coisas mais importantes e talvez a mais da minha carreira até agora. Não estou jogando apenas por mim mesmo ou por minha família e amigos, mas por todos os atletas que estão aqui e também os que estão em casa assistindo. Os Jogos Olímpicos são o maior evento que existe”

    A. Zverev (após vencer Djokovic na semi de Tóquio)

    É, caro Sandro…alguns tenistas não concordam com sua teoria

  3. Barocos

    Zeus, oh, Zeus! Que hora para impor uma lição de humildade! Os deuses do Olimpo são muito cruéis quando querem. Ainda bem que há ainda muitos torneios até o fim do ano.

    Saúde e paz.

    1. Sérgio Ribeiro

      Parabéns por seu comentário , mais uma vez , caro Barocos . Previu que Zé Verev ou Danoninho pros manés , seria o mais complicado oponente de Novak Djokovic na busca do OURO OLÍMPICO… ABS !

  4. Paulo Almeida

    O GOAT consolidado vai ficar sem o ouro olímpico na sua vasta galeria de 61 Big Titles (por enquanto) mesmo. Ele e toda a sua imensa torcida espalhada pelo planeta queriam muito o Golden Slam, mas o fato de ter ganhado os três primeiros Majors do ano e PRINCIPALMENTE Roland Garros batendo o Nadal já valeram a temporada.

    Zverev jogou demais a partir da metade do segundo set e o sérvio também começou a perder o primeiro serviço, virando presa fácil para um alemão que acertava tudo. Ainda bem que nunca menosprezo nenhum jogador dessa safra FORTÍSSIMA e sabia que a tarefa seria indigesta; as duas batalhas que travaram na Austrália comprovam isso. E mesmo se tivesse passado, seria duro vencer o Khachanov, que também voltou a exibir um grande tênis.

    Hoje é dia de muitos saírem das cavernas e se esquecerem por um tempinho do pneu que levaram na Quadra Central de Wimbledon há pouco mais de 20 dias. Porém, a moral continua muuuito baixa.

    1. Gildokson

      Paulinho meu camarada… o que a derrota do gênio em WB tem haver com o fato do Djokovic nunca sequer jogar uma final Olímpica mesmo enfrentando jogadores de mental nuteloso como o Zverev? kkkkkkkkkkkkkkkk
      Segura o b.o que é de vocês kkkkkk
      Faz parte. Abs!!!!

      1. Paulo Almeida

        Hoje ele demonstrou um mental de campeão, bem diferente de quem tem 40-15 pra fechar duas vezes e não consegue.

    2. Sérgio Ribeiro

      Não se preocupe , caríssimo Piloto . Sasha apenas repetiu o que um concorrente a goat fez na conquista de seu GOLDEN SLAM em 2008 . Bateu o “ goat “ Paraguaio na Semi depois de levar também um 6 x 1 . Tudo dentro da normalidade kkkkkkkkkkkkkkkkk. Abs!

      1. Paulo Almeida

        Golden Slam pra mim é quando tudo é conquistado no mesmo ano e GOAT paraguaio é aquele que ganhou míseros quatro Slams nos últimos 11 anos e meio.

        Abs!

        1. Sérgio Ribeiro

          Os 4 SLAM + OURO OLÍMPICO = GOLDEN SLAM. O Craque Suíço possui os mesmos 20 SLAM do Touro Miura e do “ goat “ Paraguaio kkkkkkkk. Abs!

    3. Gustavo

      Moral baixa?
      Federer se quisesse poderia estar aposentado há muitos anos.
      Em 2012 ele tinha a idade que Sampras tinha quando aposentou
      Vocês ficam felizes por ganhar de um ex jogador em atividade que não aguentava nem andar após 3 sets na semi de RG?
      Federer já ganhou de Nadal no saibro com direito a pneu, o Nadal de antigamente que tinha físico

      1. Paulo Almeida

        Moral baixíssima, já que sofreram humilhações para Hurkacz, Aliassime, Andújar e Basilashvili, fora a fuga de Roland Garros para não encarar o Djokovic.

        Chora mais. Federer nunca passou nem perto de tirar dois sets do Nadal em Roland Garros, quanto mais vencê-lo duas vezes e agora em plena forma. Também nunca o venceu em Monte Carlo e Roma. Perto do GOAT Djokovic, não é nada no saibro.

  5. Jonas

    Não me lembro da última vez que o GOAT perdeu um jogo dessa forma: atropelando no primeiro set e com quebra a frente no segundo.

    Zverev é um marreteiro. Confiante e sacando bem fica difícil segurar. Claro que teve seus méritos, assim como Evans e Karatsev, mas convenhamos que não é nada comum o número 1 do mundo baixar a intensidade assim. Eu espero que tenha sido só algo mental, não físico.

    Esse tipo de derrota mostra bem porque o Djoko prefere, por incrível que pareça, jogar melhor de 5 sets. Parece que ele sabe que pode baixar o nível e se recuperar. É muito mais duro arrancar 3 sets do sérvio. Recentemente, ele perdeu 2 sets para Musetti e para o Tsitsipas em Slam, mas foi lá e levantou o caneco. Djokovic é muito mais forte em Grand Slam do que em torneios melhor de 3, ainda que tenha no currículo 36 masters 1000.

    Bem, penso que para o Djoko é uma derrota dura. Esse torneio é importante pra ele por razões óbvias. Como torcedor lógico que torço por vitória sempre. Agora, sendo bem realista, o Djokovic tem torneios ainda maiores pra conquistar. O cara já tem o melhor currículo da história do tênis, e penso que pode e deve vencer mais alguns Grand Slams. Fisicamente, a princípio, o sérvio parece APTO para isso.

    Quando comecei a torcer pelo sérvio, ele tinha apenas 1 Grand Slam no currículo. Hoje já está em posição de encerrar a carreira com uns 24, 25 Slams, o que seria fora de série. Aguardemos.

    1. Sérgio Ribeiro

      Tem mesmo o melhor currículo com os mesmos 20 SLAM de um que possui o GOLDEN SLAM e de outro que possui SEIS FINALS ??? . Parece que a Turminha da Kombi precisa urgentemente rever seus conceitos kkkkkkkkkkkkkkkkkk. Abs!

      1. Jonas

        Sim, Sérgio, nem preciso desenhar que Djoko tem o MAIOR e MELHOR currículo do tênis masculino.

        Pode chorar a vontade, eu entendo, kkkk…

    2. Paulo Almeida

      Perdeu pro Agut em Miami 2019 atropelando no primeiro set e com quebra acima no segundo, mas sem contra-atropelo do espanhol.

      Acho que foi mais mental, embora ele esteja com um cansaço tanto físico quanto mental acumulado desde Roland Garros. Se bobear, talvez seja melhor até pular Cincinnati e ir direto pro US Open com um mês de descanso.

      Ah, discordo que o Zverev seja só um marreteiro unidimensional, como Rublev, Sinner e Sabalenka. Ele varia peso e altura e muda a direção bem demais. Não é tão completo quanto o GOAT, mas tem muito recurso.

  6. Rafael Azevedo

    Djokovic x Zverev:

    – Primeira metade: 9 games a 3 para Djokovic
    – Segunda metade: 10 games a 1 para Zverev
    😱

  7. Paulo F.

    Todos sabíamos do sonho que Djokovic tinha em ser medalhista de ouro olímpico.
    Mas não deu e perdeu para um dos que poderiam derrotá-lo.
    Vida que segue.

  8. Sérgio Ribeiro

    Torneio “ esvaziado “ ? Sei … Repetindo Rafa Nadal na sua conquista do OURO OLÍMPICO em 2008 , Alaxander Zverev também tomou um 6 x 1 do Sérvio na Semi , e saiu distribuindo TODO seu Arsenal numa quadra rápida , não dando a menor chance ao jogo defensivo de Novak a partir do Segundo Set . Zé Verev ou Danoninho pros manés , levou o “ goat “ ao desespero pouco se lixando pra outra demorada troca de Cuecas rs depois de perder o segundo Set , dando as costas na hora dos gritinhos viris … rs . Os WINNERS vieram de TODOS os lugares da quadra ( lembrando alguém) , com Novak Djokovic literalmente escapando de um Pneu no terceiro. O choro ao FINAL , lembrando um certo Suíço nas vitórias e derrotas, pra lá de emocionante. Uma FINAL Olímpica TODA da Nova Geração como vem se repetindo no ATP FINALS . ABS !

    1. Sérgio Ribeiro

      Ps. Somente errei quando previ um dos Russos dando trabalho ao tal “ goat “ pois Sasha é Alemão. Mas Khachanov substituiu Medvedev de boa rsrsrs. Abs!

  9. Luiz Fernando

    Acordei bem cedo e vi Djoko 61 no set 1 e com quebra na frente (32) no segundo set. Pensei na hora: ninguém tira o ouro do cara. Mas aí o Zé Verev se transformou em Zverev e venceu 10 dos 11 games seguintes, algo inimaginável para qualquer um q raciocine mais do q uma ameba, pois o sérvio vive grande fase e tem um mental milhões de anos luz a frente do alemão. E o Golden Slam vai continuar apenas com Rafa e Agassi por muito tempo. O cara se torna o principal favorito ao ouro, pois simplesmente detonou o principal favorito, e se vencer terá uma conquista q Rafa não tem (Finals) e uma q Federer e Djoko e não tem (ouro olímpico em simples), demonstrando q esse rapaz se tivesse mais foco já teria vencido bem mais, pois talento não lhe falta (que BH ele tem, espetacular)…

    1. Sérgio Ribeiro

      Lembrando apenas mais um brilhante comentário seu as 14 e 14 min fazendo chacota da geração DANONINHO. Não admitiu nem a hipótese de Khachanov bater Carreño Busta . Realmente os caras ficaram fora de mais uma FINAL . És mesmo o diversão garantida kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk. Abs!

  10. Paolo

    Djokovic fechou o primeiro set por 6/1, abriu 3/2 no segundo e saque, sentiu a pressão e desabou. Vai ficar sem a “simbólica” medalha de ouro nos jogos olímpicos, assim como o Federer.

    Valeu, até a próxima. Abs!

      1. Sérgio Ribeiro

        Ps . O Craque Suíço , ao contrário do “ goat “ Paraguaio, tem guardado o OURO OLÍMPICO de duplas com STANIMAL. Parece que DjokoBronze vai tentar mais dois pra seu País como disse “ orgulhoso” na conferência kkkkkkkkkkkkkkk. Abs!

    1. Sérgio Ribeiro

      No de Sasha eu não garanto . Mas no de Karatzev e Vesnina nas Duplas não tenha dúvidas, caro Bruno rsrs. Abs!

  11. Rubens Leme

    E parece o sonho de um certo alguém em se transformar na “nova Steffi Graf” foi pro espaço, culpa de um alemão de origem russa.

    Nova tentativa agora só daqui a quatro anos ou em uma mesa de cirurgia.

    1. Luiz Fernando

      Além de secador vc é fake, pq não posta com o nick usual, ninguém conhece ninguém aqui mesmo…

  12. Carolina

    – Adoro quando o tênis tem esses resultados meio inesperados. As brasileiras nas duplas foram a maior e a melhor surpresa. E ainda tem mais um jogo para tentar o bronze.

    – Vondrousova, Bencic, Carreno Busta e Kachanov não são exatamente uma surpresa. No entanto, eles passaram por adversários que estavam mais bem cotados. Gosto dos quatro jogadores, mas a preferência é pela canhota Vondrousova e por Carreno Busta.

    – Também fico feliz com medalha do Cilic. Agora é esperar para ver se será ouro ou prata. Provavelmente prata.

    – E será que veremos Djokovic vs. Barty? Uma final envolvendo os dois líderes do ranking seria incrível.

  13. Alexandre

    Puxa, Dalcim, acho que eu sou pe frio….melhor… pe frio pra caramba. Quando comecei a ver o placar do jogo da Luisa e da Laura, estava exatamente no set point a favor delas…..dai para frente foi praticamente tudo a favor das suicas. Pelo que eu li a respeito do convite para a Laura, tudo foi meio a brasileira, ou seja, feito de ultima hora. Como muitas vezes no acontece no Brasil, de algum jeito, parece que deu bastante certo. Gostaria de perguntar a voce qual foi a química que acabou fazendo a dupla brasileira ir tao longe, ja que e claro….vamos ganhar o bronze!!! Outra coisa….de maneira geral nossas duplas tem tido mais sucesso do que os tenistas de simples individualmente. Somos famosos por termos bons exemplos de esporte em times. A nossa cultura favorece integração. Voce acha que isso pode fazer diferença no tenis?
    Grande abracos australianos e bora torcer pra meninas….mas vou olhar o resultado so depois do jogo….Afinal, erva cidreira e cautela sao sempre bem-vindas….

    1. José Nilton Dalcim

      Na verdade, a Laura é a segunda duplista brasileira mais bem colocada, então foi a opção correta para fazer dupla com a Luísa. A vaga surgiu de última hora, felizmente. Elas já tinha integrado o time da Fed Cup, então se conheciam. Acho que houve um acerto tático interessante, com a Stefani jogando mais na rede e Pigossi ficando atrás. Quanto à aptidão ás duplas, existem algumas teorias, como o fato de se jogar muita dupla amistosamente no Brasil mas principalmente o fato de que, ao dividir responsabilidades, os brasileiros se soltam mais. Abs!

  14. Periferia

    Fahrenheit 451…1966…François Truffaut.

    Adaptação para o cinema do livro Ray Bradbury.
    Em um mundo distópico…um bombeiro…Guy Montag incendeia livros (no futuro imaginado por Bradbury…bombeiros não apagam…provocam incêndios).
    Os livros…segundo os detentores do poder…eram um material perigoso…e poderiam causar inquietações na sociedade…ter livros era um crime.
    Em uma das cenas emblemáticas do filme…uma senhora não aceita se desfazer de seus livros…prefere ser queimada com eles.
    Hoje em São Paulo…a Cinemateca queimou a 451 Fahrenheit.
    Enquanto Mario Frias… secretário (em minúsculo mesmo) “especial” da Cultura…tocava lira.

    Sigamos

    1. Rubens Leme

      Um dos meus livros favoritos. O filme do Truffault é muito bom mas menos complexo e com final diferente. Há tempos que falo que ele vem virando realidade. Quando fez o livro, Bradbury tinha a televisão como alvo e crítica.

    2. José Yoh

      Infelizmente não é só a cinemateca que pega fogo Periferia.
      As opiniões contrárias, a cultura digital, as verdades… até mesmo algum parecer sobre um tenista.

      Ou uma revelação de alguma celebridade sobre seu próprio sofrimento.

      Medimos bem o que vamos falar porque podemos ser incendiados também.

      O ser humano sempre gostou mais de destruir do que construir. Falo não só fisicamente.

      1. Periferia

        Olá Yoh.

        Isso mesmo….como vc pode ler no comentário abaixo do Paulo F.
        A Cinemateca durante sua história …pegou fogo outras 4 vezes…com perdas irrrecuperaveis para cultura brasileira…em diversos governos e ideologias.
        Nunca com mandatários tão medíocres.
        Quando vc aponta a negligência do poder público da vez…aparece alguem para justificar a negligência com parâmetros lamentáveis.
        Cultura….história…. preservação…identidade…
        Isso não é um “Fla x Flu”…não é a infantilidade de uma disputa esportiva… é algo maior.
        Uma pena.

    3. Paulo F.

      Mario Frias solicitou a harpa emprestada de quem estava no comando quando houve o incêndio no Museu Nacional em 2018.

    4. Marcílio Aguiar

      Grande Filme, triste realidade.

      Não pode ser coincidência… Museu da Lingua Portuguesa 2015, Museu Nacional 2018 e agora a Cinemateca. A cultura, no Brasil sempre maltratada pelas autoridades, independentemente de qual seja a inclinação ideológica do governante de plantão. Hoje, além do descaso, temos a perseguição.

    5. Filipe Fernandes

      Meu caro Peri,

      Uma lástima o que ocorreu ontem, uma tragédia anunciada publicamente por ex-funcionários demitidos da Cinemateca meses antes, enquanto o “responsável” pela cultura exibia seu coldre lá em Brasília. A cultura e a arte no Brasil são, como é recorrente na história sangrenta deste país, mais uma vez vilipendiadas (como o caro Marcílio bem lembrou), mas agora sob o comando de verdadeiros gangsters, falsários, vermes pútridos e broncos, cultivadores orgulhosos da eterna desídia e dispostos unicamente a perpetuar suas sinecuras.

      Quando fiquei sabendo dessa vergonhosa tragédia, pensei na hora em você e nos caros Leme e Marcílio, amantes profundos do cinema que são. Um grande abraço, meu caro.

  15. Rubens Leme

    U2 – OCTOBER (1981)

    Em 1981, o U2 fazia sua primeira tour americana promovendo o LP Boy, a Boy Tour, com 157 shows entre 1980 e 1981 (https://en.wikipedia.org/wiki/Boy_Tour).

    Durante a “terceira das quatro pernas” da turnê, Bono começou a escrever as letras do novo disco, mas para seu terrível azar, elas foram roubadas, junto com uma maleta após uma apresentação em Portland, Oregon, já na parte final (posteriormente todas elas e a maleta foram devolvidas, em 2004, o que Bono chamou de “um ato da graça de Deus”.

    Sem as letras e com orçamento limitado para as gravações, a banda entrou quase sem nada no estúdio Windmill Lane, em Dublin, já que apenas “Fire” havia sido escrita no famoso estúdio Compass Point, nas Bahamas. Bono se desesperava (e a banda) ao escrever, com o microfone na mão, tudo isto ao custo de 50 libras diárias (uma loucura para o grupo na época). E, sem perceber, começou a falar de Deus e de sua mãe, como em “Gloria”, ou em “Tomorrow”, quando descreveu com detalhes o dia do enterro dela, citando até o carro fúnebre na porta.

    Se as gravações foram caóticas e tensas, o som que sai parece calmo e centrado. E como muito surgiu no improviso, October ficou marcado como um disco único no fraseado do guitarrista The Edge, que começou a usar mais teclados e efeitos na sua Gibson Explorer.

    Bono admite que o disco saiu totalmente diferente do que planejavam e entendeu as dificuldades (especialmente do distribuidores americanos) em se vender um disco onde os temas eram religiosos ou a morte.

    Não havia um grande hit – “Gloria” ou “Fire” rendiam muito bem ao vivo, mas não como compactos e o produtor Steve Lillyhwite (o mesmo de Boy) confessa que errou no som da bateria de Larry Mullen, gravando-a dentro do estúdio, quando no disco de estreia havia sido gravado em frente à escadaria localizada da entrada do mesmo estúdio.

    Isso não impediu que Larry brilhasse em faixas estranhas como “I Threw a Brick Through a Window”, onde seu estilo marcial e reto tão incomum se destacam. Já The Edge – a quem Jimmy Page definiu como um “arquiteto do som” – solta os cachorros em canções como “Rejoice”, “With a Shout (Jerusalem)” e “Is That All?”, onde rouba o início de “Cry/The Electric Co.” e a amplifica várias vezes.

    Além disso, mostra sensibilidade e economia ao piano, como na linda faixa-título (que sempre precedia “Bad” nos shows dos anos 80) e na citada “Tomorrow”, onde Bono leva os ouvintes às lágrimas ao falar de sua mãe (Outside, somebody’s outside / Somebody’s knocking at the door / There’s a black car parked at the side of the road / Don’t go to the door / Don’t go to the door / I’m going out / I’m going outside mother / I’m going out there).

    Lançado no dia das crianças (12 de outubro de 1981), October é um disco pouco lembrado no catálogo do U2, embora o grupo estivesse pegando fogo ao vivo, na época.

    Em 2008 foi lançado uma edição especial de 2 cds, com o segundo tendo 17 músicas, a maioria gravada ao vivo, onde percebe-se que o palco era o local preferido e correto do U2, que fez canções pequenas e esquecidas, como “Party Girl”, “11 O’Clock Tick Tock” e a citada “Cry/The Electric Co.” momentos de grande comunhão de um Bono cada vez mais relaxado e carismático e o público.

    O estrelato ainda demoraria algum tempo para chegar, mas se mostraria inevitável e October tem sua parcela “de culpa” em tudo isso. Para quem quiser conhecer a edição dupla – rara de se conseguir – deixo abaixo o link com as 28 canções dos dois discos.

    https://www.youtube.com/watch?v=Bu-jwwgtBwE&list=PLh0uBk7V4ZimGGt4hz2Vc-35zS5L14GWH

  16. Carlos

    Djokovic agora é o único da história a alcançar 3 semis de Olimpíadas.
    Além disso, empatou com Federer, passando a ser agora os líderes em vitórias nas Olimpíadas: 13.

    1. Periferia

      Olá Leme

      Nossa identidade está virando cinzas.
      Certa vez…em uma visita no depósito….me deparei com uma Eyemo dos anos 30…uma câmera usada por Humberto Mauro em Cataguases em um dos seus filmes.
      Humberto Mauro foi um dos pioneiros do cinema nacional (o cinema novo dos anos 50/60 tem muito do cineasta).
      Memórias que deveriam ser celebradas por uma sociedade e preservadas por um poder público decente.
      Hoje comentei que foi um dia especial (por causa da medalha da jovem brasileira)….mas no Brasil vc não tem direito a um dia especial….antes de terminar o dia acontece algo assim.
      O responsável pela Cinemateca é o Governo Federal…a pessoa indicada pelo presidente para cuidar dela é um ex ator do seriado Malhação…que anda armado no gabinete e quando tem oportunidade faz comentários racistas…e não sabe absolutamente nada de cultura…um bajulador.
      Pior do que eles…. é quem apoia eles.
      Desculpe o desabafo.

      1. Rubens Leme

        Cataguases, terra do meu avô. Fui lá quando tinha uns 5 anoos.

        Estamos na era da trevas, meu caro, Periferia.

  17. Barocos

    Se tem um jogador da nova geração que num bom dia pode criar muitas dificuldades para o sérvio, este é o Zverev. Quando ele entra com um saque afiado, e permanece neste estado, é um inferno para qualquer outro jogador.

    O alemão deve entrar praticamente sem pressão pelo resultado do jogo, o que o torna ainda mais perigoso.

    Vou torcer muito para que sérvio esteja num dia normal ou, melhor ainda, em um bom dia.

    Ajde, Djokovic! Ideemooo!

    Saúde e paz.

  18. F.R.

    Simone Biles, multimedalhista olímpica, já venceu campeonatos com os dedos do pé quebrados e até com pedra nos rins.

    Hoje, é chamada de “fraca” por gente que dá piti por ter que usar máscara no shopping.

  19. Rodrigo S. Cruz

    [Paulo F.]

    “Eu vi a classe nas vezes em que Federer também quebrou raquetes.
    E também a postura na final do Aberto da Austrália em 2009, onde Rafa teve que consolar o chorão ao invés de comemorar sua única conquista por lá”.

    Como é que você vai comparar choro em final de Grand Slam com bolada de smash nas costas?

    O próprio Djokovic chorou feito criança quando eliminado por Del Potro nas olimpíadas.

    Seja parcial, mas não precisa ser bisonho!

    (rs)

    1. Paulo F.

      Ué mas o supra-sumo da classe, o genial, o com postura, o aristocrata suíço deveria ter mais compostura.

  20. Periferia

    O esporte está passando por uma transformação importante…
    A ginasta Simone Biles rompendo um tabu…decidiu mostrar que atletas de alto nível tem fragilidades.
    Um assunto que sempre foi incômodo para a indústria do esporte.
    Naomi Osaka fez o mesmo meses atrás (muito criticada por pessoas que ainda não compreenderam a extensão das transformações que o esporte está passando).
    Algumas pessoas ainda tratam o esporte que gostam como nichos.
    Onde apenas o ganhar ou perder é importante…onde as estatísticas servem para encobrir as limitações da condição humana…onde determinado esporte serve apenas para massagear o ego de um torcedor limitado (o fã se identifica com o vencedor…sempre).
    As transformações continuarão.
    O esporte será campo para discutir saúde… política…comportamento…praticamente tudo (e não adianta pedir para o Dalcim censurar comentários que nada tem a ver com o blog).
    O “torcedor” de nicho tende a a acabar.
    Com isso muitos esportes terão um crescimento exponencial.
    Para desespero dos donos do mundo.

    São duas atletas negras…mulheres..de países que são potências esportivas…de esportes praticados predominantemente por uma elite…o alarme disparou.

    1. Marcelo Costa

      O alarme havia disparado só pra ficar no tênis com o Sueco Borg na década de 70, quando ele sucumbia as dores mentais, que levaram a desistir da carreira, mas dito isso, ver o relato da Daiane dos Santos trouxe ainda mais luz ao tema, garanto que essa geração, tão criticada aqui inclusive e principalmente não se rende a pressão, opressão e imposição dos que querem manter o podre status quo, que tanto insistem em manter, os jovens vão a luta, mas pasme, não portam armas em guerras sem sentido, que eles não causaram, e que nem queriam estar, e hoje esses pracinhas são nomes de rua, praças e escolas, enquanto os soldados do bem, não querem nomear nada, só querem um mundo mais justo.
      Sobre esse espaço, inclusivo, democrático e amplo devemos sim agradecer nosso administrador por não pautar nossas demandas, quais quer que sejam, sobre o que quisermos falar, mesmo que exceda, e até transcenda o objetivo do blog.

      1. Periferia

        Olá Marcelo

        No Brasil….e no tênis temos o exemplo do Marcelo Saliola…que em determinado dia (anos 90) descobriu que não era feliz com o que fazia…algo muito parecido com o que está acontecendo hoje.

        Abs

    2. Rubens Leme

      O pior é ver “homens de bem”, machos brancos rirem e tentando desmoralizar as duas por se mostrarem frágeis, falando que são mimimi e uma vergonha pro esporte. Mas até aí, temos um presidente com o mesmo pensamento e que chegou lá com 57 milhões de votos, então não é surpresa que muitos (quando não a maioria dos comentários) comunguem do mesmo pensamento imbecil em todos os cantos da internet.

      Nesse sentido o filme Borg x McEnroe foi exemplar, porque mostrou a pressão desumana e as atenções em cima do sueco, já que ninguém admitia que ele poderia perder o pentacampeonato em Wimbledon. A cena inicial quando ele se inclina no batente da sua cobertura em Monaco e olha para baixo, pensando sabe-se lá o quê já dava ideia. Borg deve ter sido um dos primeiros astro do esporte a sofrer do que hoje é chamado de Síndrome de Burnout.

      Certa vez, Bob Dylan mandou que o lixo do seu quarto fosse jogado junto com os demais dos hoteis onde ficava porque tinha uma fã louco que os recolhia e queria mostrar que ele era um “traidor” já que consumia produtos caros e importados.

      Isso tem mais de 40 anos. Imagine como é hoje no mundo digital, onde tudo é amplificado um milhão de vezes e você já é julgado, condenado, massacrado e humilhado antes mesmo de poder se defender.

      Um verdadeiro linchamento.

  21. Jonas

    “Claro que não joguei meu melhor hoje, mas sua defesa estava incrível, profunda e penetrante. Ele sacou bem, foi agressivo e me colocou sob pressão o tempo todo. Foi uma partida praticamente perfeita, não me deu uma chance sequer”, observou o atleta da casa.

    Como assim?

    segundo alguns entendidos , o sérvio é um jogador super defensivo, igual ao Simon. Um mero passador de bolas que só sabe correr e não técnica.

    É…

  22. Jonas

    “Primeiramente, precisamos agradecer a Novak por ser o responsável por mudar o horário dos jogos. Eles queriam nos colocar para jogar às 11h de novo, mesmo com o que aconteceu com (Paula) Badosa ontem. Novak se esforçou para ajudar todos os jogadores. As condições estavam bem melhores hoje”, observou o russo.

    Olha que mau-caráter esse sérvio. Odiado por todos os jogadores do circuito, um sujeito agressivo, que maltrata os outros, kkkkkk, e quem soltou essa aí foi o “mau-caráter” do Medvedev rs…

    1. Paulo Almeida

      O cara tem uma preocupação com o próximo sempre digna de aplausos. Se fosse mau-caráter, daria risadas dos seus oponentes (principalmente do Medvedev naquele momento) passando mal em quadra.

  23. Marcelo Costa

    Uma provocação, com a desistência da Biles, o Djokovic, é a maior estrela da olimpíada, junto de Kevin Durant do basquete.

  24. George Beco

    Me impressiona como o Carreno evoluiu. Chegou aquela semi de 2017 por acaso, mas desde o ano passado que tem se mostra um tenista capaz de bater qualquer um.
    Porém, nessas olimpíadas acho que só o Zverev que é capaz de ganhar de Djokovic. Queria muito que fosse uma final, pois o histórico é de 2×0 pra o alemão

  25. Luiz Fernando

    Se Djoko vencer, e é o favorito claro na partida, mais uma vez a geração Danoninho ficará alijada de uma final…

    1. Sérgio Ribeiro

      Tu já eliminastes Khachanov que tem a mesma idade de MEDVEDEV ??? . TODAS as FINAIS desde o USOPEN 2020 foram com presença de Novak x Nova Geração , exceto no SLAM Americano e no FINALS em que o Sérvio não compareceu. Ainda podemos ter o N 1 x Caixa9 na luta pelo OURO OLÍMPICO. Exceto o Dalcim , poucos imaginavam Busta tirando MEDVEDEV… Abs!

Comentários fechados.