Traiçoeira grama
Por José Nilton Dalcim
28 de junho de 2021 às 18:01

Por mais que um tenista treine, jogar sobre a grama nas primeiras rodadas sempre é um desafio. O piso começa impecável, mas ao mesmo tempo liso, escorregadio, o que exige adaptações constantes. Até mesmo multicampeões como Novak Djokovic e Petra Kvitova demoram para achar o equilíbrio e por vezes isso custa caro.

Os menos rodados sofrem para entender que é preciso fechar ângulos, ficando perto da linha e correndo em diagonal, assim como tentar usar as bolas mais retas e recorrer a bate-prontos. O deslocamento também precisa ser leve e a antecipação é essencial. Na soma de tudo, fica mais fácil entender como Stefanos Tsitsipas não ganhou set de Frances Tiafoe e por que vários nomes fortes sofreram logo de cara.

Djoko iniciou a defesa do título com pequeno susto, mas era evidente que o garoto canhoto Jack Draper não manteria a consistência. O sérvio achou a devolução, explorou o forehand menos eficiente do adversário e acima de tudo passou a sacar com enorme qualidade. Anotou 25 aces, com um game perfeito de 46 segundos, e acertou 78% do primeiro saque (mais de 80% dos dois sets finais e apenas quatro pontos perdidos após o set inicial). Fez aliás voleios muito exigentes após o saque e terminou com 17 pontos em 22 subidas. Reencontrará Kevin Anderson na quarta-feira, um finalista de Wimbledon que merece respeito mas que não está em ritmo, a ponto de suar muito contra o saibrista Marcelo Barríos.

Tsitsipas foi uma tremenda decepção. Jogou de forma incrivelmente passiva, dando espaço para Tiafoe atacar. À medida que ganhou confiança, o norte-americano de golpes pesados passou a fazer devoluções e contragolpes espetaculares e abocanhou com justiça toda a simpatia do público. Ficou a nítida impressão que o grego não fez a transição correta do saibro para a grama, não apenas técnica como também mental. Em seu quarto Wimbledon, o dono de jogo versátil e completo caiu na primeira rodada pela terceira vez.

Stef pode aproveitar o tempo livre e se inspirar em Andy Murray. Mesmo longe de seus melhores dias, o escocês mostrou no retorno à Central como se joga na grama. Com exceção à reta final da partida, funcionou tudo. Saque, slices, curtas, passos curtos, o essencial bate-pronto e a transição à rede. Depois de fazer 5/0 no terceiro set e ficar tão perto da vitória, vieram os nervos e Murray também mostrou o pior dos erros: esperou Nikoloz Basilashvili errar e isso raramente dá certo nesse piso tão traiçoeiro.

A rodada masculina viu também as quedas dos jovens Jannik Sinner e Alejandro Fokina, o que nem é tão inesperado em termos de grama, mas também a derrota do super-sacador Reilly Opelka para aquele Dominik Koepfer que deu sufoco em Roger Federer no saibro de Paris. O norte-americano disparou 19 aces, mas não salvou um único dos três break-points e jamais ameaçou o serviço adversário. A grama por incrível que pareça não é a praia de Opelka, que só ganhou dois jogos na carreira sobre a superfície. Andrey Rublev e Roberto Bautista perderam sets.

O precoce adeus de Kvitova
Não era de se esperar jogo fácil, mas também não era para derrota. O fato é que Petra Kvitova não se achou em quadra e foi dominada por Sloane Stephens, que ganhou seu sétimo jogo no torneio desde que atingiu as quartas em 2013. A tcheca, que perdeu na sexta-feira para Angelique Kerber na grama alemã, cometeu 20 erros não-forçados, um número gigantesco para este tipo de quadra.

Aryna Sabalenka, Sofia Kenin e Iga Swiatek bateram muito na bola e confirmaram ser boas candidatas a ir longe neste Wimbledon. Sabalenka cravou 48 winners em 17 games. Outro destaque foram os 50 minutos que Garbiñe Muguruza gastou para atropelar Fiona Ferro, 51º do mundo. A francesa ganhou apenas 5 pontos no primeiro set.

Frase do dia
“Sejam gentis com a grama”
Da juíza Eva Asderaki


Comentários
  1. Paulo Almeida

    Rapaz, era pro sparring do GOAT ter caído logo na estreia diante do fraquíssimo Mannarino; foi salvo pela contusão do francês. Não duvido de outro sofrimento contra o Gasquet, que disparou groselhas recentemente na imprensa.

  2. Paolo

    A música do Sinatra, My Way, é maravilhosa. A letra é espetacular. Ela fala sobre a minha vida,e de muita gente. O refrão é muito profundo, gosto e admiro muito. Abs !

  3. Barocos

    Federer vai ter que achar energia extra em algum canto de seu corpo. Se continuar jogando do jeito que está, vai ser muito difícil virar o jogo.

    É incrível lembrar que seu primeiro jogo de ATP ocorreu em 1998 e, 23 anos depois, ele ainda está se pondo à prova.

    Até agora os espectadores já foram premiados com algumas jogadas muito bonitas, espero que esta partida não seja o canto do cisne do suíço.

    Saúde e paz.

  4. Rodrigo S. Cruz

    2 a 1 em sets pro Manarinno.

    O Federer está ACABADO!

    Finito, fim de carreira…

    Pode aposentar, pra não ficar aí passando mais vergonha.

    Mesmo que vire esse jogo.

    1. Barocos

      Rodrigo,

      Deixe de ser dramático. Se o Federer quiser se divertir no circuito por mais alguns anos, e eu espero que ele o faça, mesmo que perca mais do que ganhe, tenho certeza que não faltarão torcedores dispostos a pagar pelo privilégio de vê-lo em quadra.

      Quem decide a hora de parar, para a sorte dos apreciadores do esporte, é o Federer, e não algum dos seus torcedores mais fanáticos, mais preocupados com as estatísticas do que com o espetáculo.

      Saúde e paz.

      1. Bel Grado Fa

        O problema não é ele se divertir. O problema é ele virar o brinquedo para diversão dos outros tenistas.

      2. Rodrigo S. Cruz

        Primeiro,

        nunca te dei liberdade me chamar de fanático. Já começou mal aí. Tenha mais respeito…

        Segundo, a forma com que eu desabafo aqui no blog é minha.

        Terceiro – é óbvio que desejo que o Federer jogue até os 50, se possível.

        Você deveria me conhecer um pouco melhor do que isso.

    2. Sérgio Ribeiro

      O cara ficou um ano inteiro parado , fez DUAS cirurgias e aos 40 anos não pode se divertir ? . Sinto muito Rodrigo , Roger Federer não deve nada a fanáticos torcedores. O esforço quem fez foi ele . Que tal você não ir dar uma olhada em Kyrgios e Fognini que jamais passam vergonha … Abs!

  5. Bel Grado Fa

    Estamos no início do terceiro set. Mas tudo indica um adeus precoce do Federer de Wimbledon já na primeira rodada… Resta apenas saber se a condição que ele apresenta trata-se de uma situação transitória ou definitiva.

    Eu apostaria que a nova condição é definitiva…

    1. BEl Grado Fa

      Salvo por uma lesão do adversário. Alguma chance de manipulação de resultado para a “estrela emérita” seguir por mais algumas rodadas e salvar a publicidade do torneio?

      Há manipulação de resultado até em jogos de várzea que não valem quase nada…

      1. Luiz Fabriciano

        Sobre manipulação de resultados… não comento.
        Mas a publicidade do torneio, estaria salva com qualquer resultado, sem nenhum risco.

  6. Marcilio Aguiar

    O adversário não precisa fazer muito… é so passar a bola para o outro lado e esperar o suiço errar… está tétrico

  7. Marcilio Aguiar

    Que tiebreak horroroso de Federer. Esta sacando muito mal e não consegue devolver o saque mediano do francês. Corre sérios riscos ja hoje.

    Se passar tem que melhorar muito.

  8. Sandra

    Dalcim, como ficam os jogadores que não conseguiram estrear por causa da chuva ? Serão obrigados a jogar todos os dias ? Jogos que podem chegar as 5 sets ?

  9. Marcelo Costa

    Dalcim, poderia ao passar essa loucura de Gs, escrever um texto sobre a Vênus, ela venceu seu jogo hoje, com 41 anos, sorriso de menina e vitalidade infinita. Vale um blog pra ela né?
    Obrigado.

  10. Rubens Leme

    Paul & Linda McCartney – Ram (1971)

    Único disco do casal e segundo trabalho de Paul após a dissolução dos Beatles, Ram (Ovelha, em inglês) foi produzido durante a batalha legal entre Paul e John Lennon, pois McCartney queria acabar com a parceria obrigatória nas composições com Lennon, especialmente porque John havia sido extremamente ácido com ele no disco Imagine.

    O período da separação ficou marcado por uma grande depressão de McCartney, que tentava começar uma carreira-solo, primeiro solo e depois com os Wings, onde Linda fazia às vezes de backing vocals e tecladista.

    Criticado na época do lançamento, Ram é visto hoje com um disco onde Paul mostra todo seu talento como compositor e “Uncle Albert/Admiral Halsey” subiria ao topo do posto americano, local onde reinou absoluto com os Beatles.

    Em 2012, o álbum foi relançado em um edição luxuosa trazendo faixas inéditas. Em 1977, Paul lançou a versão instrumental do trabalho – Thrillington – sob o pseudônimo Percy “Thrills” Thrillington.

    https://www.youtube.com/watch?v=dQwdanGKILI

  11. Luiz Fernando

    Que privilégio teve o Monteiro hj, fazendo aquecimento c o Federer, será q pediu autógrafo? Sem dúvida um momento q ele guardará p sempre…

  12. Gustavo

    Por José Nilton Dalcim
    5 de junho de 2016 às 19:03
    Nole atinge o auge da carreira no momento exato. Vê a decadência natural de Roger Federer, as incertezas físicas de Rafa Nadal, a evolução muito mais lenta de Andy Murray, a instabilidade de Stan Wawrinka. E só. Não há mais ninguém no top 10 com gabarito para enfrentá-lo em condições normais, qualquer que seja o piso.
    Para garantir ainda mais sua soberania, a nova geração engatinha e permanece a dois ou três passos de ser uma ameaça. Essa conjuntura permite que Djokovic nem precise jogar sempre o seu melhor para vencer. Muitas vezes, bastam alguns games perfeitos, uma reação na hora certa, um adversário um pouco mais cansado ou menos confiante.

    1. Jonas

      Quem diria que meses depois o sérvio entraria em decadência, só voltando a vencer um Grand Slam em julho de 2018.

    2. Jonas

      Tb acredito que o auge de Djokovic foi entre 2015/primeira metade de 2016. Ele tinha atuações bem constantes.

      Hoje, não o vejo tão sólido, mas em compensação melhorou consideravelmente o serviço.

    3. WILLIAM ALMEIDA

      Daquele período já ocorria discussões que o Djokovic não tinha adversários para enfrentar, 5 anos depois o cenário continua o mesmo. Não surgiram novos jogadores para desafiar e naquele período poderíamos considerar o Zverev, Tsipas, Rublev como nova geração, hoje esses não considero esses jogadores como nova geração já era para estar em outro estágio em GS demonstrando firmeza mental para vencer e com o agravante do Djokovic estar mais velhos.

    4. Luiz Fabriciano

      O interessante é que nesse período aí, exceto seus torcedores, somente o Dalcim achava isso do sérvio. Não à toa, está aí o registro.
      Hoje, para diminuir a grandeza do sérvio, há um monte achando o mesmo, incluindo buscas aos registros históricos, usando-as como tentativas de provas.
      Da mesma forma, nessa época números eram também eram provas, hoje, são meros algarismos sem importância.

      1. Marcilio Aguiar

        Prezado Fabriciano, exceto pelo Dalcim, todos tentamos puxar a sardinha para o lado do tenista favorito, o que é perfeitamente normal para torcedores.

        Podemos usar todos os argumentos válidos como números, atributos técnicos, físicos e mentais. Só acho deploráveis esses comentários que visam única e exclusivamente desmerecer as conquistas dos que não são os preferidos. Esses argumentos de entre safra, Slam parrudo, e outras pérolas do genero só podem vir de alguém que não gosta do esporte tenis e não tem a mínima ideia da dificuldade que é ganhar um jogo, quanto mais um torneio. Se conhecessem a história do esporte saberiam que sempre houve competidores do mais alto nivel, que se prepararam e utilizaram todos os recursos disponíveis em cada época.

        Eu não compactuo com essa tentativa de diminuir o domínio que o Djoko vem exercendo a um bom tempo, entretanto, sem pesquisar os textos do blog e usando da minha memória um tanto quanto falha, parece-me que essa história de “entresafra” e “Slam parrudo” começaram justamente para desprestigiar e diminuir o domínio que RF teve na primeira década do século. O que se faz hoje, ao reverso, é o mesmo expediente como uma vingança pueril.
        Abc.

        1. Luiz Fabriciano

          Concordo plenamente.
          Jamais usei os termos “parrudos” e “entresafras” em momento algum.
          Para mim, pelo que o sérvio já conquistou, se parassem os três hoje, o consideraria o maior deles.
          Ele fez coisas que seus dois jamais fizeram e detem chances muito remotas de conseguirem.
          Saudações.

  13. Efraim Oliveira

    Como eu havia dito, os maiores da nova geração ainda não jogam bem na grama, portanto, não me surpreendeu certos resultados.

    Novak rumo ao vigésimo slam!

  14. Chetnik

    Sacando assim, já podem entregar o troféu para o GOAT. Deu um show na rede. “Não sabe volear” kkkk.

    Jogador mais completo da história. De muito longe.

    1. Sérgio Ribeiro

      Claro que de muito longe . Sabes onde fica Belgrado ? Onde temos dois importantíssimos ATP 250 ? kkkkkkkk. Abs!

      1. Chetnik

        Fica longe daqui mesmo. Mas fica perto de Paris. Conhece? Lá tem um tal de RG…que ele venceu recentemente. Pela 2a vez…derrotando o co-GOAT.

    2. Paulo Almeida

      A técnica do Djokovic é de outro planeta, nobre Chet, o que deixa indignado quem alimenta a bobajada de maratênis.

      É o mais completo da história com muita folga.

  15. Chetnik

    Ué, mas o Pushkin do blog garantiu que o Tsitsitetas seria o número 1 ao final do ano…mais uma para a coleção?

    Não entendo a supervalorização do jogo dele para a grama. Totalmente não adaptado. Movimentos dos golpes extremamente longos, devolução pífia, muito top spin…movimentação pesada.

    Pode evoluir e se adaptar, mas o Wawrinka, muito mais talentoso, nunca conseguiu nada na grama. Não apostaria minhas fichas.

    1. Sérgio Ribeiro

      E vais errar novamente . Ao contrário do que dissestes tem todos os golpes pra se adaptar. Somente não pode é sair de RG pulando os preparatórios para Wimbledon. Medvedev fez outro caminho e veremos em breve o resultado. Abs!

  16. Luis

    Dalcim perguntaram sobre Tiefoe tb acho cara legal notando ele lembra o LeBron do basquete fisicamente tem bons golpes e carisma,Acho poderia ser Top 20 Dalcim? Vi um pouco Murray parece vai encontrando bom tênis e vai bem na Grama,Tomara que Federer jogue bem nesse começo em Londres e se Solte,conseguindo confiança na grama acho que Suíço tem chance de ir longe no Slam Britânico rs abraço

    1. José Nilton Dalcim

      Como domina melhir a quadra dura, acho possível. Mas precisa levar a carreira com maior seriedade, Luís.

  17. Bel Grado Fa

    Eu me arrepiei ao ver ao gesto do Gabigol ao final. Nao gosto do Gabigol como jogafor e nao gosto da atitude do Gabigol após os gols. É uma lástima ver um centroavante com tão baixo nível técnico destes ser idolatrado após ver ter visto outros centroavantes como Ronaldo, Romario, Evair, Careca, Muller e Reinaldo, dentre tantos outros. E agora Tiafoe com os mesmos gestos.

  18. Marcilio Aguiar

    Vi boa parte das vitórias de Murray e Tiaofe. Gostei do americano que encurralou o grego, não se intimidou nunca e também da performance de Murray, apesar do apagão no terceiro set.

    Lamento a derrota de Kvitova. Agora a minha torcida é por Serena, apesar da baixa probabilidade.

    Federer é totalmente incerto. Prefiro ir com cautela, sem muitas expectativas, apenas curtir o jogo.

  19. Gustavo

    Não sei vocês, mas eu arrepiei ao ver uma cientista (chefe do desenvolvimento da AstraZeneca) aplaudida de pé em Wimbledon

    Se fosse a/o da pfizer muito mais ainda
    Kkkkk
    Brincadeirinha

    1. Bel Grado Fa

      Eu me *arrepiei* vendo a Pfizer fazer uma proposta ao governo brasileiro para fornecer a vacina primeiramente para o Brasil, com a clara intenção de tansformar o Brasil em uma grande vlceleiro de testes, e inserindo na proposta condicoes comerciais que nos obrigariam a apresentar bens públicos como forma de seguro para os processos decorrentes de uma eventual ineficacia ou efeitos colaterais que poderiam ter ocorrido e assim a vacina poderia chegar testada em outros países de primeiro mundo (pois lá eles sabem que não escapariam da cadeia numa eventual tragédia causada pela ineficácia ou por efeitos colaterais causados em americanos e europeus). Isso sim me deixou arrepiado.

    2. Marcelo Costa

      Me vacinei no último sábado, como pagador de impostos que sou, exigi a vacina que iria tomar, bati o pé e só sai de lá após der tomado akitinha, tive uma reação imediata de alegria, esperança e confiança em dias melhores, fim das mortes e volta ao normal. Só pra constar não tomei a vacina que foi dezenas de vezes mais negada, que apostolo Pedro, negou Cristo, pois, um negou três vezes, outro negou mais de cinquenta vezes.

  20. Dionathas Calvalc

    Olá Dalcin,
    E vamos a mais um slam! Que seja um bom torneio para você e equipe!

    Dalcin, a grama pune!
    Assisti o jogo do Stef e me chamou atenção a displicência em alguns momentos da partida por parte do grego. Frances foi muito bem nos pontos grandes e sempre agressivo em seus golpes. O grego já nos momentos antes de perder a partida ja estava cabisbaixo e com uma expressão melancólica. Após a grande final de RG, esperava que ele fosse mais longe.
    Dalcin, você acha que a decisão de não fazer uma torneio preparatório para ajustar a transição de piso vem da equipe ou do próprio tenista? RG é cansativo e ter chegado até a última rodada encurta o tempo de preparo para Wimbledon. Penso mais na questão do grego ter em seu staf o Patrick Mouratoglou, alguém bem experiente .

    Abraços!

    1. José Nilton Dalcim

      Acho que partiu do tenista mesmo, Dionathan. Ele disse no domingo que tirou quatro dias de descanso e aí começou a treinar. Ou seja, teria de jogar um torneio só com três dias e aí vem também a questão emocional, que deveria estar também abalada. Acho que faltou plano de jogo mais ousado para ele nesta estreia.

  21. Marcos

    Francamente Dalcim, não consigo ver esse bom jogo de grama no Tsitsipas que o próprio Tsitsipas acha ter

    Nunca vi ele fazer uma mísera partida boa na grama(tem 8 vitórias e 8 derrotas no piso)
    Não me parece sequer saber se mover bem na grama
    Acho que as vezes seu movimento é muito longo pra grama.. ele sabe variar, mas não o faz muito

    Enfim, hoje Tsitsipas é top 3 no saibro e top 5 na hard
    Mas na grama acho que não pega top 20

    1. WILLIAM ALMEIDA

      Concordo! o Tsispas não domina o Slice como o Federer e o Murray, não tem os reflexos rápidos para devolver saque e apesar da estatura da para ver que ele não se sente a vontade na rede.

      Se quiser ter futuro na grama precisa melhorar aspectos no seu jogo como Slice, devolução e a transição para subir a rede.

    2. WILLIAM ALMEIDA

      Ele não varia muito por que não tem segurança no slice. Em RG ele tentava dar slice e flutuava demais ficava alto sem da o efeito desejado.

  22. Carolina

    Hoje só pude ver o início do jogo do Djokovic, mas mesmo depois de perder o primeiro set era impossível acreditar que ele estava sob ameaça.

    Além dos jogos citados, resultados que chamaram a minha atenção foram a virada de Kudla sobre Davidovich Fokina, as vitórias de Vesely e Pospisil em sets diretos e o jogo (que de deve terminar amanhã no tiebreak do quinto set) entre os qualifiers Otte e Rinderknech. Também imagino um quinto set e uma certa dose de drama para a conclusão da partida entre O’Connell e Monfils.

    Em retrospecto, as vitórias de Koepfer e Fucsovics são surpresas não muito surpreendentes. Os dois estão em boa fase e, além disso, o Koepfer havia vencido o Opelka recentemente no saibro e o Fucsovics foi campeão júnior em Wimbledon. No entanto, Opelka e Sinner causam uma certa decepção. Quem confirmou o favoritismo que tinha no papel foi o Khachanov, o que não deixa de ser surpreendente.

    Admito que não esperava muito do Tsitsipas após todo o esforço na campanha de Roland Garros. Ele também não deu sorte com a chave considerando que o Tiafoe havia vencido em Nottingham I e feito quartas de final em Queen’s. Tiafoe x Pospisil pode ser um jogo interessante e imprevisível.

    No feminino, teve a vitória da Maria Camila Osório Serrano, jogadora que está tendo uma temporada espetacular.

  23. Sérgio Ribeiro

    Ps. Para os negacionistas o que aconteceu hoje na Quadra Central do All England Club , não foi apenas o tiro final . Há muito que não vejo algo tão emocionante. Viva o Esporte !!! ABS !

  24. Sérgio Ribeiro

    E bota Grama traiçoeira nisso. Até o dono da casa andou escorregando . Tinha 5 x 0 e amargou um 5 x 7 . Andy optando em usar o tempo todo Slice , em vez de bater o Back na paralela . E muitas vezes um segundo Serviço a lá WTA . Parecia estar se protegendo . Muito difícil que vá longe . E’ muito cedo mas as atuações dos garotos até agora foram pífias. Vamos aguardar. Abs!

  25. Denis

    Entrevista genial do Murray no final do jogo. Foi otimo ouvir dele que nao tem intenção de parar agora.
    Olhando a chave, acho que com um pouco de sorte na terceira rodada (um shapovalov num dia mais erratico, por exemplo) ele conseguiria beliscar até umas quartas de final.

    Quanto ao Djoko, tenho duvidas se ele fez mais aces ou levou mais tombos durante o jogo de hoje rsrs

  26. maurício

    Boa noite, Dalcim, queria compartilhar uma opinião minha com vc. Acho o Federer fantástico, sem dúvida o mais belo jogo de tênis que eu já vi na minha vida. Mas acho que ele que se conformou muito cedo com a soberania do Nadal em Roland Garros, a partir de 2011, ele já tinha desistido completamente, se havia um jogador que tinha plenas condições de evoluir e bater Nadal no saibro era o Federer, até mais que o Djoko. E aí é que tá o meu inconformismo, o sérvio mesmo levando surras homéricas do espanhol, durante anos, nunca se conformou, perdia e perdia, mas tava sempre tentado um jeito de evoluir e vencer, foi premiado este ano. Dalcim, o que explica este conformismo do Federer em relação ao Nadal? no saibro, um gênio como ele, se realmente tivesse se esforçado com certeza ele teria encontrado soluções, de quebra teria encerrado a discursão sobre o GOAT, pois fatalmente teria no mínimo mais dois Roland Garros. Dalcim, porque Federer não foi, como o sérvio, tão tenaz? As vezes acho que por ele ser um super astro do esporte, faltou alguém que trabalhou com ele para dizer: cara, acorda, toma vergonha e vai evoluir para derrubar Nadal no saibro, vc é capaz disso. Enfim, o que acha Dalcim? um abraço e fica em paz.

    1. José Nilton Dalcim

      Olha, Maurício, Federer precisou sempre fazer uma adaptação muito grande no seu estilo de jogo para se dar bem no saibro. Não é uma tarefa fácil para quem joga perto da linha, bate na subida e gosta de pontos curtos. Djokovic, completamente ao contrário, talhou seu jogo para as trocas de bola mais longas, usa muito mais o topspin e gosta de ser atacado para contragolpear. São estilo muito distintos. Da mesma forma, Nadal fez mágicas para ser bem sucedido na grama, numa fase da carreira em que não tinha um grande backhand e abusava do topspin. Na soma de todas as coisas, Djokovic tem a vantagem importante sobre os dois de precisar de ajustes muito menores para os diferentes pisos, já que ainda por cima o circuito ficou bem mais padronizado. Abs!

      1. Gildokson

        Parabéns Dalcim, como em poucas palavras você da a fórmula e a razão de quase tudo que aconteceu. Realmente o Djokovic é o jogador perfeito para o que é o circuito agora. Ponto final.

    1. José Nilton Dalcim

      A chave dele não é ruim e uma semifinal até seria possível caso o físico aguente, Juninho.

  27. Ronildo

    Pelo visto, a julgar pelas comemorações esfuziantes de seus fãs, foi a primeira vez que Djokovic venceu um game em menos de 1 minuto.

  28. Maurício Luís *

    O erro do Tsitsipas no match-point foi tosco. A bola nem chegou a alcançar a rede. Pior do que a sogra do Nadal aprendendo a jogar sem óculos.

  29. Ruy Machado

    Boa noite Dalcim! Realmente, precoce essa eliminação do Grego. Saber como ele vai lidar com o resto da temporada após a perda de RG… Por outro lado, Murray se superou para alegria do público! Peguei o fim do 3° Set quando deu mole de ir para o TB. Mas por fim, prevaleceu seu maior currículo e técnica. Espero que com o passar das rodadas, vá pegando ritmo e chegue, quem sabe, às QF… Abc

  30. Roberval Lofeu Junior

    Dalcim, sempre achei o Tiafoe um cara excelente, gosto do estilo dele, nem faz força, muito natural seus movimentos. Acha que pode surpreender na grama? Já fez um AO (não lembro o ano) vencendo bons jogos e tem o carisma que é um show a parte. Mas parece que sempre falta algo, talvez o mental e acreditar mais em si mesmo.
    Excelente seu blog, fico sempre na espera de suas análises, sempre pontual e sensata. Forte Abraço e Vamos Djoko!!!

    1. José Nilton Dalcim

      Tiafoe pintou como grande sensação, teve ótimos momentos mas acho que faltou levar um pouco mais a sério em determinado momento. Tem um forehand pesadíssimo, mas empunhadura radical demais e na grama isso pode ser um problema grande se o adversário souber explorar. Nos últimos jogos que vi dele, notei uma postura bem mais determinada de ir à rede, algo que fazia bem pouco. E mostrou habilidade.

  31. Cassio Carvalho

    Dalcim, que lindo ver o Murray ganhando de novo. O Georgiano joga muito tb. Gostaria de te fazer uma pergunta. Vendo o Murray jogar de novo, fiquei me perguntando, dentro do Big 4, qual é o diferencial do Andy. Os pontos fortes e algum ponto fraco dele. O slice dele me.pareceu tão inteligente como o do Roger. E o backhand muito bom quase como o do Djoko. Enfim. Gostaria de saber de vc alguma pista sobre o estilo dele nesse conparativo ja que me ajudaria a entender mais sobre o tenis moderno. Obrigado pelo texto e vamo que vamo nesse Wimbly. E agora, abriu de vez a chave do Nole? Se ele cair, vicaria esvaziada de nomes conhecidos este lado da chave não!?

    1. José Nilton Dalcim

      O estilo do Murray está bem mais próximo do Djokovic. Ousaria até dizer que ele tem o segundo melhor backhand de duas mãos, e ainda faz mais slices com ele. Acho o forehand dele no entanto menos eficiente, principalmente na defesa. Saca muito bem, incluindo efeitos bem acentuados, e sempre gostou de volear. Mas seu ponto alto é a defesa, o que aliás costuma me irritar, porque o vejo sempre muito mais interessante quando tenta o domínio dos pontos.

      1. WILLIAM ALMEIDA

        Dalcim, foi perfeito na analise! acho que o grande buraco do Murray foi não ter tido um forehand do nível do Federer, Djokovic e Nadal. De resto o jogo dele não deve em nada para o BIG 3.

  32. Lucas Leite

    Dalcim, acho que essa redução da temporada de grama complicou muito a vida dos tenistas que foram longe em Roland Garros. Para um jogador como o Djokovic, muito experiente, apesar de não ser ideal a falta de um torneio preparatório, ainda é menos desafiador fazer essa transição, mas para um jovem como Tsitsipas que está apenas na sua terceira temporada realmente completa no circuito, faltou preparo.

    Acredito que o grego precise de rodagem, para calibrar os golpes, que tem um tempo de preparação maior, além de encontrar a movimentação ideal. O grego é rápido e se mexe bem, mas essa sua qualidade não se apresentou hoje em um piso onde as coisas são diferentes. Acredito que a dura escolha entre jogar Halle, que começou um dia após a final de Roland Garros, ou jogar na semana anterior a Wimbledon atrapalhou o grego. O falecimento da avó só contribuiu para embaralhar ainda mais sua preparação.

    Senti que ele sabia que faltava ritmo, intensidade e familiaridade com o piso, por isso a passividade. Acho que percebeu que não estava se mostrando como ele mesmo em quadra, estava bem mais limitado do que o que seu excelente arsenal de golpes sugeriria. Arrisco a dizer que ele parou de acreditar que poderia vencer, o que não lhe é de costume.

    Mas não acho que caiba desânimo, querendo ou não o fator que comprometeu sua preparação foi justamente um dos pontos mais altos da sua carreira até aqui. Nesse ano atípico, acabou sendo necessário focar em um dos dois Slams e para ele o Slam francês realmente prometia dar mais frutos.

    Você acha que valeria jogar Hamburgo? Não comprometeria seu calendário e ele estará descansado. Além do que, uma boa campanha no saibro poderia ajudá-lo a esquecer a dura derrota na final de Roland Garros e esse Wimbledon decepcionante. O que acha, mestre?

    1. José Nilton Dalcim

      Olha, Lucas, apenas muito recentemente passamos a ter três semanas entre os dois Slam. Historicamente, sempre foram duas. Mas você tem razão, acho que a falta de experiência dele não absorveu bem a derrota na final. Acho difícil ele jogar Hamburgo porque está confirmado nas Olimpíadas.

  33. Luiz Fernando

    Dalcim assisti os dois últimos sets do jg do Murray e tanto ele quanto o georgiano foram muito pouco a rede, mesmo c várias trocas envolvendo slices com o devolvedor desequilibrado, estranhei isso, vc também notou? Talvez isso seja habitual p o NB, mas achei q o Murray poderia ter se aventurado mais…

    1. José Nilton Dalcim

      Sim, foi um jogo conservador demais. Murray pode ir muito mais à rede, mas preferiu ficar no contragolpe.

  34. Manu

    “Os menos rodados sofrem para entender que é preciso fechar ângulos, ficando perto da linha e correndo em diagonal, assim como tentar usar as bolas mais retas e recorrer a bate-prontos. O deslocamento também precisa ser leve e a antecipação é essencial”

    Muito legal isso, Dalcim. Obrigada

    1. José Nilton Dalcim

      Sim, é o mesmíssimo material, Gustavo, mas em toda quadra natural (grama, saibro, har-tru) nunca haverá dois exatamente iguais.

  35. Paulo Almeida

    Vi agora que o cracaço voleou DEMAIS na partida (nota 9,99), além do saque absurdo. A caixa de ferramentas do cidadão encanta o mundo do tênis.

    Será um jogo de paciência contra o sacador Anderson na quarta, mesmo com o sul-africano em má fase, até conseguir as quebras.

    Ontem fiz questão de rever alguns lances do “super” Hewitt e confirmei que ele batia mais fraco do que o Carreno Busta, mas, como já afirmou o sábio Gavião, pro gado esse pusher em específico não pode ser contestado e muito menos chamado de operário do tênis, afinal fazia parte do período de domínio do freguesão.

  36. Marcelo Costa

    Andy, sua mente, sua alma, a torcida suporta um 5×0 e levar a virada no set, mas seu quadril não. Podemos seguir sem exigir algo que não precisaria? Torci pra ti feito louco, não faz ideia do quanto é bonito te ver jogar

    1. Willian Rodrigues

      Perfeito Marcelo Costa!
      Torci demais pelo Murray ontem!
      Considero essa retomada dele o segundo mais belo exemplo desse torneio.
      Sem dúvidas, o evento campeão foi o aplauso efusivo à cientista que liderou as pesquisas da vacina contra COVID-19. Realmente de arrepiar!
      Não imaginei que um dia assistiria a algo assim…
      Saudações

  37. Paulo H.

    Dalcim, será difícil dizer qual a melhor imagem do dia, se foi a ovação para a cientista Sarah Gilbert, uma das líderes na pesquisa da vacina da Oxford-AstraZeneca ou o final do jogo de Andy Murray, em que ele desfere um soco no ar, visivelmente emocionado, enquanto toda a plateia o aplaude de pé, pela primeira vitória em Wimbledon desde 2017, depois de ter sido bicampeão em 2016. Ofuscaram até a ótima partida do provável hexacampeão Novak Djokovic. Fico com a imagem do Murray.

  38. Fabio

    Dalcim, até onde acha que o Murray pode chegar? No quarto set achei que ele finalmente começou a botar a bola pra andar. Ele começou sacando muito mas foi piorando ao longo da partida, acha que é mais nervosismo ou ainda algo físico? Abs!

    1. José Nilton Dalcim

      Exatamente. O saque dele perdeu precisão e potência, mas acho que ele ‘travou’ mesmo. Olha, a chave dele não é das piores e dá para sonhar com uma semi. A questão é se ele vai ter físico para tanto. Hoje perdeu uma ótima chance de economizar pernas e cabeça.

  39. Rodrigo S. Cruz

    Olha, está difícil de suportar tanta molecagem desse segmento anti-federer do blog.

    Teve um que veio dizer que o Sinner é o novo Federer.

    E ainda ficou tirando sarro de que o cara perdeu na primeira rodada.

    Como que dizendo:

    ” tá vendo, só perdeu na primeira rodada porque é o novo Federer”.

    Como se fosse recorrente na LINDA carreira do suíço perder nas rodadas iniciais, né?

    E outra: o que DIABOS o Sinner tem a ver com o Federer?

    O Federer bate o backhand com uma mão, o Sinner bate com as duas;
    O Federer é exímio voleador, o Sinner não.
    O Sinner é marreteiro do fundo de quadra, o Federer não.
    O Sinner pouco usa o slice, o Federer tem um slice inigualável.

    Muita falta do que fazer, viu…

    1. Marcilio Aguiar

      Rodrigo, eu admiro a paciência e persistência que você e o Sérgio Riberio têm para rebater alguns comentaristas que aparecem por aqui. Às vezes eu me sinto tentado a entrar na pilhas dos ditos, mas ai eu conto até 10 e prefiro não dar “ibope”. Acho melhor pensar que os sujeitos são tremendos gozadores ou não assistem aos jogos e comentam apenas pelo resultado.

    2. Chetnik

      Ué, logo você que gostava tanto de zoar…era tão brincalhão, tirava sarro de todo mundo, sempre com apelidos “criativos”. Agora tá todo amargo, desanimado, cobrando seriedade, reclamando de tudo…

      O que será que aconteceu recentemente? Fala para mim. Pode se abrir. Parece que você perdeu o gosto pela vida…melhor dar um tempo para a cabeça, pois os próximos meses prometem ser ainda “piores”.

      1. Paulo F.

        Pois é, meu parceiro de torcida, o quê houve né?
        O “humorado” Rodrigo S. Cruz, dos apelidinhos Paulinho da Força, Chatonik, agora está todo distímico.

        1. Rodrigo S. Cruz

          É que as tuas molecagens nem o Dalcim está aguentando mais.

          E eu não quero ficar parecido com você…

      2. Paulo Almeida

        Isso é temporário devido ao sucesso do GOAT Djokovic e aos vexames constantes do Fregueser. Na primeira derrota do sérvio volta ao seu estado padrão.

    3. Paulo F.

      A minha zoeira com o Sinner não é com a eliminação dele, e sim com o exagero do alento em cima dele, já tratam Sinner muitas vezes como o maior fenômeno que já surgiu no tênis.

        1. Gildokson

          Eu mesmo tenho muito senso de humor, é que as tuas piadas e as do profeta Chet não sei oq são ruins mesmo kkkkkkkkkkkkkkk
          Sem contar que falta a vocês a classe do bom vencedor.
          kkkkkkkkkk

    4. Jonas

      Eu concordo com você, o cara falou uma grande MERDA. Sinner não tem nada a ver com Federer, lógico.

      Agora, você vive chamando Djokovic, um cara que é top 3 na história, de maratenista, afirmando absurdos do tipo “só ganha pq tem físico” ou outras coisas bem piores tipo “vencedor moral”. Então menos né…

      Mas eu lhe dou os parabéns, porque soube reconhecer a grande vitória do Djoko sobre o Nadal em Roland Garros, enquanto colegas seus vieram com as desculpas de sempre. Abs.

      1. Rodrigo S. Cruz

        Don’t PATRONIZE me.

        Maratenista o Djokovic é mesmo. Disto eu não mudo uma vírgula.

        Se você tirar a explosão do Djokovic, é simplesmente IMPOSSÍVEL ele render o tanto que rende, pois não teria as “super defesas”.

        O tênis dele é principalmente físico, e quem cunhou esse termo “maratenista” foi o Pessanha, não eu.

        E você não pode falar NADA de mim.

        Já que sempre se juntou com uma patotinha patética para falar os maiores absurdos do Federer…

  40. Gume

    Boa noite mestre.

    Minha visão é que o Tsitsipas tem técnica adequada para a grama mas não tem espírito de grameiro. Durante toda a partida eu tinha a impressão de que ele estava jogando no saibro.
    Qual sua opinião sobre isso?

    Abraços.

    1. José Nilton Dalcim

      Como eu disse no texto, Gume, acho que ele não fez a transição técnica e mental para a grama. Como você bem observou, ele pareceu estar ainda em Roland Garros. A única desculpa é que ele teve duas semanas duras em Paris e a descarga emocional da final foi enorme. Mas também temos de elogiar a ótima postura do Tiafoe, que soube sufocá-lo.

  41. Barocos

    É muito legal ver o Murray vencendo e, para não deixar os saudosistas na mão, tinha que ser como era nos tempos de outrora, com grandes doses de sofrimento e drama.

    Comemore muito aí, Marcão, e aproveite para nos brindar com mais uma bela composição!

    Saúde e paz.

    1. José Nilton Dalcim

      Porque a temporada de grama é curta demais e está espremida entre dois Slam. Não, nunca houve.

  42. Luiz Henrique

    Cadê Ronildo com a previsão que Tripas ia ser nº 1 no fim do ano? kkkk
    Será q shapovalov vai encaixar seus recursos:

  43. Sandra

    Dalcim, o problema do grego não é também um pouco de desânimo depois da derrota para o Djokovic em Roland Garros ? E você saberia dizer quantos aces fez o sul africano hoje ?

    1. José Nilton Dalcim

      Difícil dizer. Talvez cansaço mental, mas eu ainda acho que ele jogou taticamente errado. Foram apenas 41 aces…

  44. WILLIAM ALMEIDA

    Saque, backhand, slice backhand do Murray continua da diretoria! Ele tem habilidade sabe quebrar o ritmo com slice da bons drop shot é um tenista que tem muita habilidade. O que deixa o jogo do escocês vulnerável é o forehand, ele não consegue comandar os pontos e quando é exigido na corrida confessa. Acredito que o Britânico possa fazer um bom papel em Wimbledon.

  45. Leo Gavio

    Será que esse game do DJokovic foi o mais rapido da historia?

    46 segundos, nunca vi isso.

    pesquisei em ingles e portugues e não achei nada. Será que alguem ai sabe?

    e como eu tinha dito, Djoko ta sacando de forma incrivel, desde o Aopen, e a partir RG estabilizou bem. Ivanisevic surtindo efeito.

    Bem dificil pra concorrencia tirar esse titulo sabendo que a grama fica melhor na segunda semana, com grip melhor na ali na linha de base, Djoko depende muito dos pés firmes no chão. Essa primeira semana é muito traiçoeira. Eu diria que o Federer teria mais chances se pegasse o Djoko na primeira semana. Na segunda, com essa performance, é impossivel pro rei da entressafra.

    1. David Lopes

      Se o Federer é o rei da entressafra, favor informar qual é a safra que o Djoko está enfrentando. Vocês, torcedores da Kombi, são uma grande piada.

      1. Paulo Almeida

        Safra do Medvedev invicto de Paris até a final do Australian Open, do Tsitsipas jogando muito bem NO SAIBRO e do seu maior rival Nadal ainda jogando o fino. Já foi melhor na era Big Four + Wawrinka + Del Potro, mas o sérvio ainda não está batendo só em cachorro morto (e nem vai).

      2. Paulo F.

        Quando Tsitsipas, Zverev e Medvedev estiverem aposentados e não tiverem conquistado ganharem nada igual aos Três Reis Magos Philipoussis, Baghdatis e Gonzáles, aceitarei de bom grado que Djokovic pode ter enfrentado uma entressafra em 2021.
        Aliás, Zverev já tem mais M1000 do que Philipoussis, sabia?
        Zverev, Medvedev e Tsitsipas já conquistaram Finals. Philipoussis, Baghdatis e González já conquistaram algum Finals?

Comentários fechados.