Todos os olhos em Nole
Por José Nilton Dalcim
27 de junho de 2021 às 20:07

Com a ausência de Rafael Nadal e o momento incerto de Roger Federer e Serena Williams, todas as atenções em Wimbledon se concentram sobre Novak Djokovic. E o atual campeão e número 1 do mundo inicia a campanha já às 9h30 desta segunda-feira, tendo pela quarta vez a honra de ser o primeiro a pisar na imaculada grama da Quadra Central, como reza a tradição centenária.

Há muita coisa em jogo para Djokovic. Claro que todo mundo pensa no 20º troféu de Slam, o que o igualaria a Nadal e Federer, mas há outras façanhas importantes aguardando o sérvio. Ele pode ser apenas o quinto homem na história a conquistar os três primeiros Slam da temporada, repetindo Jack Crawdford (1933), Don Budge (1938), Lew Hoad (1956) e Rod Laver (1962 e 1969). Desses, apenas Budge e Laver completaram o Slam nos EUA.

Vencer seguidamente no saibro de Paris e na grama londrina também era um feito raro até Bjorn Borg fazê-lo por três vezes seguidas, entre 1978 e 1980. Desde então, apenas Nadal (2008 e 2010) e Federer (2009) repetiram o sueco.

Penta ao lado de Borg, Djoko poderá ainda se isolar como terceiro maior vencedor de Wimbledon desde que foi abolido o ‘challenge round’ em 1921 (ou seja, quando o campeão do ano anterior apenas defendia o título na edição seguinte). Os outros dois são Federer (oito troféus) e Pete Sampras (sete).

Por fim, se for à semifinal, somará 100 vitórias na grama na carreira, clube exclusivo de Federer (188) e Andy Murray (108) na fase profissional.

Com apenas três jogos de duplas feitos em Mallorca – em quatro de seus cinco títulos não jogou preparatórios de qualquer espécie -, Djokovic testa sua adaptação á grama diante do garoto britânico Jack Draper, 253º do ranking nesta segunda-feira. Fico a imaginar o tamanho da ansiedade do canhoto de 19 anos: vai jogar seu primeiro Slam, diante do número 1 e em plena Central, um palco reservado a muitos poucos na história.

Saiba mais
– O torneio mais antigo do mundo atinge a 134ª edição desde 1877 e a 53ª desde que profissionais foram admitidos, em 1968.
– Nesse longo período, o torneio deixou de ser disputado apenas 11 vezes, sendo 4 na Primeira Guerra, 6 na Segunda e 1 nesta pandemia.
– Os campeões embolsam 1,7 milhão de libras (US$ 2,3 mi) e quem perder na estreia, 48 mil (US$ 67 mil)
– Se chegar ao nono troféu, Federer marcará também a maior distância entre o primeiro e o último Slam, com 18 anos. O recorde hoje é de Serena, com 17 anos e 5 meses, seguida por Nadal, com 15 anos e 4 meses.
– Aos 39 anos e 337 dias, suíço também pode ser o mais velho campeão de um Slam.
– Federer disputa o torneio pela 22ª vez, com total de 81 Slam, e Venus completa 23 participações e 90 Slam, recordes absolutos. Feli Lopez chega a 77 Slam seguidos.
– Só existem quatro vencedores de Slam na chave masculina, somando Murray e Cilic. Dos demais, apenas Anderson chegou numa final de Wimbledon. No feminino, são 15 e olhem que Osaka e Halep estão fora.
– Mais dois recordes para o tênis italiano: representantes na chave masculina (10) e cabeças (4).
– Dos oito principais cabeças, Medvedev, Tsitsipas, Zverev, Rublev e Berrettini nunca fizeram quartas em Wimbledon. Bautista foi semi em 2019.
– O cabeça 1 só perdeu uma vez na estreia na Era Aberta: Hewitt para Karlovic em 2003
– Há 18 canhotos na chave. O último a vencer foi Nadal, em 2010
– Borg, Cash, Edberg e Federer foram únicos campeões juvenis que ergueram troféu no profisisonal
– A última vez que um debutante ganhou Wimbledon foi em 1951, com Dick Savitt
– Um membro do time de Johanna Konta deu positivo para covid e a britânica foi obrigada a se retirar do torneio. Ela foi semi em 2018 e quartas em 2019.
– Sabalenka pode tirar Barty da ponta do ranking, mas terá de ser campeã e a australiana não passar das quartas.
– Em 19 participações, Serena nunca perdeu na estreia de Wimbledon. Precisa de duas vitórias para chegar à 100ª no torneio.
– Desde 2017, o circuito feminino vê sempre quatro diferentes campeãs de Slam (em 2020 foram três).
– O Brasil de Maria Esther faz parte da curta lista de 11 países a ganhar o título feminino na história do torneio


Comentários
  1. Bel Grado Fa

    Os doze trabalhos do “Rei das Estatísticas”

    Caso vença Wimbledom, o Rei das Estatísticas (ops… façanhas) dará mais um largo passo em busca das 12 estatísticas perdidas e continuará caminhando a passos largos não mais rumo ao Olímpo, mas para o “topo da parábola”. E então quando morrer, sua porção imaginária será separada de sua parte real, e ocupará seu lugar ali entre as retas x e y. Nada mais que isso. Zzzzzzz

  2. Luiz Fernando

    Murray vencia fácil o Basilalgumacoisa, com 20 e 50 e serviço no set3 e… perdeu a parcial. Esporte é algo simplesmente incrível…

    1. Sérgio Ribeiro

      Incrível como nunca postas algo que preste . Comentários bisonhos sempre após os resultados e sem assistir nada. Pro mane’ ficar informado, o oponente de Sinner foi o mesmo que o bateu no Australian Open de 2020. E o Grego pulou os preparatórios e pegou um cara a fim de jogo . Nada a ver com arrogância… rs . Abs!

  3. Paulo F.

    Postura adequada de jornalista esportivo, eu gosto justamente que nem a do Dalcim: diz claramente que torce e tem preferência pelo Federer, mas de modo algum isso atrapalha seu trabalho para analisar todos os outros com retidão, idoneidade e clareza, quando ele também pauta os arquirrivais de seu tenista predileto como o Nadal e o Djokovic.
    O brabo são outros casos de jornalistas que tem predileção quase sexual por determinado tenista, ódio mortal por outro, mas se consideram isentos e imparciais.

  4. Rubens Leme

    Scott Walker – Scott 3 (1969)

    Ele morreu recentemente e foi uma das vozes mais admiradas no mundo pop. David Bowie regravou “Nite Flights” em seu álbum de retorno, Black Tie White Noise, de 1993. Marc Almond (Soft Cell), Brian Eno, Thom Yorke (Radiohead) e uma dezena de músicos sempre foram fãs desse cantor norte-americano que começou nos Walker Brothers (embora não fossem parentes) e depois seguiu uma carreira muito acidentada.

    Seus quatro discos iniciais – Scott, Scott 2, Scott 3 e Scott 4 – são perfeições do baroque pop, com orquestrações belíssimas em cima da voz aveludada e quente de Scott. Foi um dos primeiros a introduzir as canções do bardo francês Jacques Brel em inglês. Bowie faria o mesmo depois.

    Os dois primeiros eram dedicados, quase na maioria, a composições alheias. Foi neste que Scott começou a soltar sua pena, embora as três canções finais sejam todas de Brel, incluinda a divertida “Funeral Tango”.

    O estilo refinado e pouco convencional fez de Scott um fracasso de vendas. Os anos 1970 foram marcados por constrangedores álbuns que misturavam um pop diluído com country, até a volta em grande estilo com o Walker Brothers no já citado “Nite Flights” (1978).

    Um grande hiato ocorre até o ousado Climate of Hunter, de 1984, um dos favoritos de Bono e, a partir daí, uma carreira de pouquíssimos e cada vez mais experimentais trabalhos até sua morte, em 2019, aos 76 anos: Tilt (1995), a trilha sonora de Pola X (1999), The Drift (2006), And Who Shall Go to the Ball? And What Shall Go to the Ball? (2007), Bish Bosch (2012), Soused (2014) e mais duas trilhas sonoras, The Childhood of a Leader (2016) e, finalmente, Vox Lux (2018).

    Para um simples garoto nascido em Hamilton, Ohio, Noel Scott Engel até pode ter tido uma carreira irregular, mas com inúmeros fãs e grandes momentos, além de muitos experimentais que lhe deram a fama de visionário e de estar “muto à frente do tempo”. Não é à toa que ao ser lançado um filme sobre sua vida o título foi tirado de uma das músicas de Scott 3: 30 Century Man.

    Preciso dizer algo mais?

    https://music.youtube.com/playlist?list=OLAK5uy_m-cGk5wewULGwUXgN6d3Gp5jgTGKAIttc

    1. Periferia

      Olá Leme

      Ele é conhecido no meio dos “cinéfilos” como o cara que musicou uma resenha do filme do Bergman…..The Seventh Seal (o Sétimo Selo)….não conhecia a importância musical dele….

      1. Rubens Leme

        Perifera, The Seventh Seal é a música que abre o disco Scott 4, meu favorito.

        Ele é muito respeitado no meio,, embora seja daqueles caras mais comentados do que ouvidos.

  5. Paulo F.

    25 aces e, dentro disso, um royal game não seria um exagero para um mero maratenista e rebatedor de bolinhas?

      1. Sérgio Ribeiro

        Apenas um Ace a mais que Félix Aliassime meteu pra cima de Federer em Halle . E com direito também a game REAL. Acho que o informadissimo comentarista não sabia kkkkkkkkkkkk. Abs!

    1. Bel Grado Fa

      Uau! Mas foi contra algum top 10 ou top 100? ou ele teria feito isso contra o 250 do mundo? Estou “inseguro” na resposta. Me explica direito!

  6. Oswaldo E. Aranha

    Dalcim, não liga para as críticas da escolha de títulos das matérias que colocas, sempre haverá frustrados e inconformados. Tuas posições sempre são isentas, sérias e consequentes. Abraços.

    1. José Nilton Dalcim

      Críticas não me incomodam, Aranha. Falta de respeito, sim. Então acho normal alguns gostarem, outros não. Obrigado! Abs

  7. Luiz Fabriciano

    Mestre Dalcim, me permita uma pergunta aos universitários (os únicos que entendem desse esporte no Blog).
    Como um maratenista consegue finalizar um game de saque em apenas 46″?
    Vou repetir: quarenta e seis segundos…
    The real game!

    E outra, o dito maratenista pode ser apenas o quinto homem da história a vencer os três primeiros GS da temporada. E o último dos outros quatro, conseguiu esse feito a meros 52 anos atrás.
    Caraca!

  8. WILLIAM ALMEIDA

    Aliás o Baghadatis em 2006 com idade entre 20 anos e 21 anos chegou a final do AO e a semi final de Wimbledon. Chegou em estágio de GS mais avançado que o Tsipas sendo dois anos mais jovem que o Grego.

  9. WILLIAM ALMEIDA

    Os anti Federer falavam nos supostos magos “Gonzalez, Philipoussis e Baghdatis. Os magos dessa safra são Tisipas, Meedeved e Rublev 0 GS.

    1. Jonas

      Rapaz…tênis virou uma espécie de futebol no Brasil mesmo.

      Tsitsipas tem 22 anos, cara. Ninguém sabe até onde ele vai chegar. Não gosto nenhum pouco dele, mas creio q vencerá alguns Slams sim, tem potencial.

      Como você quer comparar o grego com caras que já até se aposentaram? Isso não faz o menor sentido.

      1. Gildokson

        Jonas, você tem certa razão, mas você à de concordar também que NADA te garante que ele vai ser um vencedor de Slam neh? Talento, Finals e M1000 o Dimitrov também tem.
        Essa campanha de vocês pra valorizar os adversários de sérvio nas últimas decisões é desnecessária, de qlq maneira Djokovic é o melhor do momento.

    2. Luiz Fernando

      Quem será q entende mais de tenis, vc ou o Sampras? Com a palavra o segmento zumbi q antes era mono-recalcado e agora é bi kkk…

      1. Sérgio Ribeiro

        E continuas com essa babaquice de Zumbis , não é mesmo Guri ? . Vê se aprende de uma vez por todas que esses também eram oponentes de Sampras . Agora se ele cai pra Federer aos 19 , e deixa de igualar as CINCO consecutivas de Borg e Federer em Wimbledon , somente resta o recalque . Ficou ano e meio sem vencer um único ATP jogando contra os mesmos . Sem contar que caiu pra TOP 17 em 2002 . Abs!

        1. Luiz Fernando

          Claro q eram oponentes do Sampras, por isso mesmo ele os conhece muito bem p situa-los no devido lugar, ou se será q em sua imensa humildade vc se considera mais capaz disso do q o americano. Cai na real Sérgio…

  10. WILLIAM ALMEIDA

    Vejo o Kyrgios com maior potencial na grama! australiano tem todas as ferramentas saque, forehand, habilidade junto a rede e principalmente não respeita o BIG 3 em quadra. Infelizmente australiano já deve estar rico e fica nos jogos online na twich mostrando pouca motivação para jogar tênis.

    1. Luiz Fabriciano

      Por Big3, entende-se em ordem atual de ranking, Djokovic, Nadal e Federer.
      Os dois primeiros, o australiano não os respeita em quadra, tampouco fora dela. O terceiro, ele respeita fora e dentro.

  11. WILLIAM ALMEIDA

    Tsitsipas perdeu na estreia. Infelizmente reforça a tese que a nova geração (jogadores na faixa etária dos 23 anos até 25) não estão maturados para levar um slam. Quero quebrar minha cara, no entanto não vejo mental e gana necessária para a “nova geração” dos jogadores com idade de 23 anos para cima vencer um Slam enquanto Djokovic e até Nadal estiverem no circuito mesmo “velhinhos”

  12. Paulo Almeida

    O rei supremo, que manda e desmanda em Wimbledon, meteu 25 aces! É o maior e melhor da história com folga mesmo.

    Eu não esperava nada demais do Tripas em Wimbledon, mas ser eliminado na primeira rodada de novo foi pesado!

    1. Sérgio Ribeiro

      Numa cabeça oca meter 25 Aces transforma o cara em rei supremo ? Alguém meteu 50 Aces na Final de 2009 em que o tal rei foi eliminado cedo. E o dono dessa façanha possui OITO conquistas. Cresça e apareça cumpadre rs . Abs!

      1. Paulo Almeida

        Ora, em algumas cabeças ocas torneios na grama são Ferraris e o resto do circuito são fuscas, rsrsrs.

        Calma que o rei supremo mal começou sua campanha e o freguês 40-15 não vai fazer mais de 20 aces em jogo nenhum.

      2. Paulo Almeida

        Ah, Ribeiro, mande uma petição para os organizadores do Australian Open e do US Open retornarem o piso para grama. Do contrário, continuarão sendo latas-velhas.

        Abs!

      3. Araujo

        Então o rei é aquele que perdeu 4 finais de wimbledon pra “2 maratenistas” = Djokovic e Nadal? (vulgo pais do Federer, tem que fazer o DNA no ratinho pra saber quem é o pai biológico).

      4. Carlos Henrique

        O forista como sempre esbanjando conhecimento!!!
        kkkkkkkkk
        O helvético fez 50 aces sacando 37 games (nem coloco em jogo os DOIS tiebreaks) kkkkkk
        Já o sérvio fez a metade de aces sacando 17 vezes!!

        HAHAHAHA

        1. Sérgio Ribeiro

          Numa FINAL de SLAM , caríssimo forista . O fanatismo não deixa perceber que existe muita diferença … Abs!

      5. Thiago

        Poxa, Sérgio, leia de novo a frase.
        O Djoko, que é o rei supremo, fez 25 aces. Não é o rei porque fez 25 aces.

        1. Paulo Almeida

          Ele é o rei pelos mais variados atributos e não apenas pelo saque, senão qualquer servebot também seria.

  13. Gildokson

    Bem feito pra esse grego de mente fraca ter perdido.
    O cara e o pai não respeitam as regras do jogo.
    Aí Paulo F, Tsitsipas poderia muito bem formar um trio de reis magos junto com Tsonga e Anderson. Oq vc acha? kkkkkkkk

    1. Araujo

      Engraçado que Tsonga e Anderson já eliminaram Federer em plena forma no seu quintal (Wimbledon) e Tsitsipas eliminou do Australian Open quando Federer era o atual bicampeao kkkkkkk
      Esses reis magos modernos já foram travessos com Federer hein kkkkkkkkk Tem que respeitá-los….

    1. Araujo

      O grego em Wimbledon seria presa fácil pra Djoko. Anderson é muito mais perigoso, acredito que seja o jogo mais complicado pra Djoko essa segunda rodada.

  14. Paulo F.

    Barbaridade, que zebraça logo na estreia.
    Tiafoe sempre demonstrou ser bom jogador, mas ter eliminado Tsitsipas não deixa de ser completamente surpreendente.
    Mesmo com o Saretta cantando essa pedra no Especial de Wimbledon no Bandsports de ontem.
    Aposto que o marrento do grego subestimou o americano.

  15. José Eduardo Pessanha

    Os Danoninhos começaram bem o torneio (só que não). Fiuk está sendo detonado pelo LeBron James. Já esperando pelas amareladas de Zé Verev, Ali Acima, Sebastian Carretel, RUIMblev e do Pecador.
    Nutella’s Generation
    Abs

    1. MANFREDO ANDERS

      Olá, José.

      Sou novo aqui nesse site, mas já vi em alguns comentários seus o tal de “Ali Acima”, que não sei quem seria.

      Agora não me contenho e tenho que saber quem são essas personagens.

      Me explica quem são Ali Acima, Sebastian Carretel e Pecador.

      RUIMblev e Zé Verev não precisa explicar, pois está na cara.

      Abraço.

      1. José Eduardo Pessanha

        Manfredo, é uma brincadeira com o elevado número de duplas faltas do Aliassime. “Ali Acima” tem quase a mesma pronúncia de Aliassime. Aí eu o apelidei de Dupla Falta Ali Acima. Sinner em inglês quer dizer Pecador. E o Sebastian Carretel é uma brincadeira com o Sebastian Korda, filho do ex tenista Petr Korda.
        Abs

      2. lEvI sIlvA

        Ali Acima = Aliassime
        Pecador = Sinner (do inglês, “pecador” mesmo, tradução literal)
        Ou outro, Sebastian Carretel, não sei quem seria. Mas o Pessanha, tem essa mania de alcunhar jogadores mesmo, sempre foi assim…
        Costuma chamar Nadal de “Conan” e Roger de “Rogério”…!!
        Vai se acostumado, Anders!!!
        ???

    2. Sérgio Ribeiro

      Só vou lembrar ao engraçadíssimo conterrâneo, que os “ Nutelas “ são mais jovens que Novak ( 24 ) e Murray ( 26 ) quando estes finalmente pararam de cair em Wimbledon. Nem vou falar de STANIMAL que só levou seu primeiro SLAM aos 29 . Qual seria a geração destas figuras ? Abs!

  16. Barocos

    O grego fez uma grande besteira pulando os torneios da grama. Até aqui pagando caro por isto, 2×0 Tiafoe.

    Saúde e paz.

  17. Alex

    Jogo encerrado, 3×1, 4/6 6/1 6/2 6/2.
    No único game que sacou mal, foi quebrado e Draper foi muito bem, vencendo com justiça o set #1.
    Como bem destacou o Saretta, Djokovic sacou muito. 87% de eficiência com o primeiro saque, 25 aces, marcas expressivas.
    Piso escorregadio, sempre um risco para a integridade dos atletas.
    O próprio Tsisipas, provavelmente o maior adversário, jogo que passa a ser transmitido, também perdeu o primeiro set.
    Quzdra centdal lotaca, todo mumndo à vontade.
    Tem tudo para ser um torneio magnífico!!
    Com a melhor cobertura possível, deste espaço sensacional.

  18. Sandra

    Dalcim , vc deveria mudar o título do seu blog , em vez de todos os olhos para Djokovic , não sei se vc viu , deveria ser todos os olhos para virologista que descobriu a vacina da Oxford , cheguei a me arrepiar , pois ela foi ovacionada , tomara que dê certo , pois todo mundo sem máscara !??

  19. Luiz Fernando

    Meu Deus do céu, Djoko perdeu o set 1 p o magistral e conhecidíssimo Draper, para o mundo q eu quero descer…

    1. Luiz Fernando

      PS: antes q os sabichões de sempre venham aqui dizer q é”ele é “especialista” kkk leiam o q o Dalcim postou abaixo acerca do cara…

      1. Luiz Fabriciano

        Risos.
        Havia espaço para calibração de armas, não havia? Claro que sim.
        Wimbledon é o único torneio, por motivos óbvios, que não se permite treino de reconhecimento na Central.
        Então, dava para ter um set de estudos. Estudos bem feitos, passa-se na prova com louvor.
        Um game de 46 segundos e 25 aces na conta. “Not to bad!”

  20. Oswaldo E. Aranha

    Quando parar? Eis a questão! No mundo da música o século XX conheceu um dos maiores pianistas, Alfred Cortot, que não soube o momento de encerrar a carreira, mas seu talento era tal que um outro conhecido pianista, Alfred Brendel, disse: eu prefiro ouvir Cortot com seus possíveis erros, mas com alma, do que outro perfeccionistas mas sem alma. No tênis não é diferente e o tema foi muito bem abordado em um grande filme “Crepúsculo dos Deuses”.

  21. Edgard Upinho

    Dalcim, Nole parte com grande vantagem no aspecto mental e técnico, pois conhece muito bem Wimblendon e se mostra bastante motivado para superar os recordes dos seus principais rivais. Com as melhorias que ele conseguiu no saque, forehand e nos dropshots, jogando na grama de wimblendon e com a falta de consistência dos rivais mais jovens (Medvedev, Tsitsipas), não consigo enxergar outro vencedor que não o sérvio. Torço sim para que o site tenha bastante audiência, mestre Dalcim, pois aqui está a melhor cobertura e somos afortunados pela existência do site tênis brasil. Não gosto muito da análise de outros comentaristas de tênis, pois vejo-os com certa tendenciosismo ao fazer suas análises. As exceções são o senhor, o cossenza e o cleto, sendo este último bastante divertido. Gostava do Dácio Campos tb, que apesar de ser claramente um fã do grande Federer, conseguia manter o nível e comentar sem parcialidades nas partidas, além é claro de ser uma figuraça. Grande abraço, mestre Dalcim, e parabéns pelo blog.

  22. Rubens Leme

    Dalcim, tradicionalmente em Wimbledon, os anos terminados em 1 possuem um campeão inesperado ou, pelo menos que não era o número 1.

    Por exemplo, em 1981, todos esperavam o hexa de Borg e deu McEnroe.
    Em 1991, Becker era favorito ao tetra e deu seu compatriota Michael Stich.
    Em 2001, Goran Ivanisevic surpreendeu mais ainda ao ser campeão com um wild card.
    Em 2011, ninguém apostava em outro resultado que um Federer x Nadal na final e deu Djokovic.

    Por isso, espero novidades neste torneio.

    1. Barocos

      Vixe, sai pra lá Leme! Idemooooooooo Nole!!

      Pelo jeito, só compartilhamos a torcida pela queda do capetão (com “e” mesmo) insubordinado e mau-caráter. Bem, na verdade, compartilhamos o anseio por justiça social, paz e felicidade para todos os bons homens e mulheres deste mundo e no apreço pelas artes.

      Saúde e paz.

      1. Rubens Leme

        Em termos de tênis, eu sou McQuade, lendário personagem de Chuck Norris: um lobo solitário, porque torço para Bjorn Borg. Eu e o Dalcim, claro. Que negará, claro.

        Vou torcer pro Murray, puro underdog 2021.

  23. Rafael

    Que tenhamos um excelente Wimbledon e torço para Djoko x Berretini na final! Boas transmissões mestre! Idemo!!!

  24. Nattan Labatto

    As atenções estão em direção ao sérvio desde 2011, quando fez a segunda melhor temporada de um tenista, a primeira também é dele, a PARRUDA campanha de 2015. Tem que entrar com os pés no chão, cabeça focada e mente vencedora, pois o único cara que tem bola para derrota-lo, caso esteja jogando 70%, tá do outro lado da chave e retornando de cirurgia.

    Ah, Danilo, Djoko ultrapassou a marca de 10 milhões de seguidores no facebook, e 8,5 milhões no instagram. O derrubador de ibope tá caindo nas graças da galera, se ganhar esse Wimbledom, deve atingir números maiores, pois a repercussão vai ser enorme. A conferir ??‍♂️

    1. José Eduardo Pessanha

      Pena que essa representatividade nunca se transforme em torcida. kkk. Sempre em minoria absoultas nas arquibancadas pelo mundo.
      Abs

      1. Araujo

        Melhor ainda. Só valoriza suas conquistas enfrentar toda torcida contra. É uma delicia ver a torcida secando e se dando mal, vide a tia que fez o numero 1 quando federer teve os 2 MP na ultima final de wimbledon kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  25. Adriano Souza

    O Jack Draper é um bom jogador
    Eliminou o Sinner e o Bublik no atp de Queen s
    O Djokivic tera que jogar bem sem oscilar muito

  26. Ricardo

    Não sei não, mestre.
    Ainda tenho bem fresco em minha mente aquela maldita manhã de sábado em julho daquele maldito ano de 2016 (que, coincidentemente, foi um dos piores, senão o pior, anos da minha vida).
    Odeio o Querrey até hoje.
    Portanto, como um nolista mais conservador rs, só irei comemora quando/se o Djoko levantar a taça no dia 11. Até lá, cada jogo será visto como uma batalha.
    Abs

  27. Vitor Hugo

    Só discordo do título, pois, bem ou mal e independente da situação do sérvio, todos os olhos sempre estarão em Feferer, pois é o MAIOR, MELHOR e com o jogo mais bonito da história do torneio, além de estar jogando onde é REI!

    Alguém tem dúvidas quem os londrinos preferem? Alguém tem dúvidas de quem serão os jogos mais visados e com maior audiência? Qual será a maior torcida em quadra sempre?

    1. Araujo

      Nao interessa a preferencia da torcida, isso ai é eleicao ou Miss universo? kkkkkkkkkkkkk Eu quero é ver um guerreiro dentro de quadra massacrando os adversários. Ainda vai ter que aturar muito o comedor de figados….

  28. Paulo H.

    Dalcim, grandes expectativas para o número 1, Djokovic, e poucas para todos os outros tenistas, que buscam um título inédito ou uma consagração cada vez mais distante, caso de Federer, Serena e Murray. Talvez pela inexistência deste tipo de piso no Brasil, com a honrosa exceção de Maria Esther Bueno, nunca tivemos boas participações, mesmo na época áurea do nosso Guga. Devo admitir que o tipo de jogo de saque-voleio, consagrado por Sampras, Edberg e Federer tornava as partidas com pontos muito rápidos e sem grande emoção, para o meu gosto. Depois, e aqui você pode confirmar ou não, com piso ou bolas mais lentas, passamos a ver ótimas disputas de pontos, com Nadal, Murray e Djokovic. Essa é uma explicação para a recente vitória de Medvedev, sobre um piso que até pouco tempo atrás não o favorecia, sem desmerecer o seu esforço e do seu treinador em adaptar o seu tipo de jogo para este piso. Enfim, qual a sua expectativa para os demais tenistas, que se encontram em ascensão, como Tsitsipas, Medvedev, Rublev e outros?

    1. José Nilton Dalcim

      Tsitsipas me parece ter o estilo mais apropriado, Medvedev me surpreendeu positivamente em Mallorca mas tem chave dura, Rublev grz final mas não me convenceu. Berrettini tem ótimo potencial e pode ser uma boa surpresa. Os dois canadenses poderão jogar bem e Shapovalov deveria explorar bem a grama.

  29. Sérgio Ribeiro

    E os sabichões conseguem ler um Post destes e depois vir despejar groselhas sobre de longe o mais tradicional e cobiçado Torneio da série GRAND SLAM . E realmente temos poucos especialistas e jogadores com capacidade de improvisação durante horas numa superfície tão traiçoeira. Novak parece mesmo estar absoluto . Mas quando se fala mal da Nova Geração, vale lembrar que o Sérvio demorou. Já era N3 aos 20 em 2007 , e somente pegou as manhas pra levar seu primeiro em 2011 , aos 24. Daí o mesmo afirmar que este era seu maior sonho. Dalcim já cravou quais dos garotos podem dar um susto em Novak. Agora mais maduro na Turma ( demonstrou no Saibro em RG ) , MEDVEDEV chamou a atenção no preparatório na Espanha . Se Federer avançar mais do que a maioria previu , vai ter no RUSSO um oponente enjoado. Ao menos , a meu ver . Não acredito em nenhum dos grandes Sacadores batendo Novak Djokovic na Grama Sagrada ( embora mais lenta ) do All England Club em 5 Sets . Abs!

  30. Bruno Marcedo

    Torcida real: Djokovic
    Sonhar não custa nada: Murray e Kyrgios (eu não desisto do Kyrgios) :/
    Não sei se poderia enquadrar no real ou sonho: Federer

  31. Luis

    Dalcim no Uol um blogueiro escreveu que Federer tem chances conseguir ir bem em Londres,tomara seria bom pro torneio rs já que suíço ainda é maior nome da grama atualmente,Djokovic conseguiu se adaptar bem grama

  32. Sandra

    Nunca vi uma torcida tao grande contra o Djokovic , seja jornalistas ou jogadores, e justiça seja feita a você Dalcim, e o único que se torce contra não transparece , muito pelo contrário ,extremamente correto em seus comentários , se ele ganhar vai provar além do talento que tem que olho gordo não pega ele rsssss

    1. José Nilton Dalcim

      Jornalista não pode torcer, Sandra, mas na verdade eu torço para que cada rodada dê muita audiência ao site… rsrs… Então eu torço para o que for melhor para o tênis.

      1. Rubens Leme

        Jornalista pode torcer sim, desde que seja isento nos comentários e saiba separar as coisas. Tem gente que diz não torcer pra alguém, nunca admite, mas é parcial. Esses são os piores.

        O problema é ser torcedor nos comentários.

          1. Rubens Leme

            Os dois sáo um só. Vc apenas a torcida do segundo, no que é seu direito, o que não impede de torcer (como torcedor e jornalista).

    2. Rafael

      Sandra,

      O Dalcim já falou até na televisão que o jogador mais completo que já viu jogar é o Federer. Ele sabe tudo de tênis. Não tinha como falar outro nome. Kkkk. Abs, Dalcim

  33. Willian Rodrigues

    “O Brasil de Maria Esther…”
    Frase sensacional, Dalcim!
    Em minha opinião ela é maior que o próprio Guga!
    Seus feitos se agigantam se consideramos o contexto da época…
    Ela fez parte dessa ruptura promovida pelo movimento feminista ainda tão incipiente naquele período.
    É sempre um bom exercício lembrarmo-nos dos ídolos do passado.
    Quem dera tivéssemos hoje alguém com metade do talento dela na ativa, seja no masculino, seja no feminino.
    Saudações

    1. JHONNY

      na verdade ELA E MAIOR QUE O GUGA.
      a diferença foi as épocas, além do carisma que o guga transmite (o cara mais carismático que ja vi na vida)
      infelizmente as lesões dele abreviaram sua carreira

    2. Barocos

      Willian,

      Excelentes colocações. Não há melhor maneira de entender/apreciar o presente do que conhecendo o passado, isto é válido para ciências, economia, política e também para os esportes.

      Saúde e paz.

    3. SANDRO

      Homenegear e reconhecer os grandes feitos deMaria Esther Bueno é válido, porém, dizer que ela foi maior que GUGA é totalmente inoportuno e desnecessário!!!
      É , inclusive , um desrspeito ao GUGA, como se os títulos dele em Roland Garros não tivessem o devido valor…
      Menos, muito mesnos William…
      Guga, até o meio momento, é o GOAT do tênis Brasileiro e merece ser respeitado.

        1. Miguel BsB

          Mais uma bola fora desse Sandro…
          Inclusive Dalcim, esse rapaz só escreve em caixa alta, o que poluiu o blog tanto quanto a agressividade e as ideias ridículas dele. E ele tenta impor suas ideias tortas desmerecendo tenistas, interlocutores e abusando de Caps lock, algo que você já chamou a atenção de outros comentaristas anteriormente. Acho que tá na hora de você pedir pra ele segurar esse abuso na utilização de caixa alta…

      1. Sérgio Ribeiro

        Na boa , rapaz . De um exemplo ao monte de marmanjos que somente postam groselhas diariamente sem se dar ao trabalho de conhecer o Esporte . GUGA e’ de longe a maior estrela do nosso Tênis masculino. Maria Esther Bueno de longe nosso maior expoente . Apreciada por Reis e Rainhas em TODOS os SLAM . Mesmo com estilo Saque-Voleio , fez FINAL também em RG . O manezinho da Ilha , jamais passou das Quartas em nenhum SLAM fora do Saibro. Tu realmente não sabes o significado de “ goat “ . Estude rs. Abs!

      2. Carlos Bicalho

        Maria Esther Bueno ganhou 18 (dezoito), isso mesmo, dezoito slams! São 03 Wimbledons em Simples e 04 US Opens. Ganhou ainda 10 torneios de duplas e 1 de duplas mistas. Foi número 1 em três anos diferentes. Enfim, indiscutível, ainda que Guga mereça respeito e também foi gigante.

      3. Carlos Bicalho

        E mais, Maria Esther tem incríveis 65 títulos de simples e 90 títulos de duplas, além de 15 de duplas mistas. Disputou 257 finais (isso mesmo, 257!). Foram 170 títulos na carreira. Incrível Maria Esther!

      4. Gildokson

        A mulher ganhou 7 Grand Slans se não estou enganado, e fez final em todos e tu me escreve uma “pérola” dessas kkkkkkkk
        Ganhou do discurso anti-olimpíadas excessivamente repetido nas outras pastas kkkkkkkkkkkk

      5. Luiz Fabriciano

        Ninguém está desrespeitando Guga meu caro, mas os feitos da “Estherzinha” foram maiores mesmo.

        1. Willian Rodrigues

          Obrigado por reforçar isso Luiz!
          Sou um grande fã do Gustavo Kuerten!!
          Mas, é inegável que Maria Esther conquistou muito mais…

      6. Willian Rodrigues

        Prezado Sandro, de modo algum o fato de afirmar que Maria Esther foi maior significa “desrespeitar” nosso Guga…
        Ele próprio confirmaria isso agora, tenho certeza!
        É algo bem diferente de rotula-lo como um mediano…
        Relaxemos!
        Vamos torcer pelo Nole nesse Wimbledon que, no final, dá festa!
        Abs

    4. Paulo F.

      Maria Esther Bueno continua sendo a(o) maior tenista da história brasileira.
      Nem deveria ser discutido isso.

    5. SANDRO

      Não dá para comparar TÊNIS FEMININO com TÊNIS MASCULINO ainda mais se falando de Grand Slams onde Guga jogava melhor de 5 sets pra conquistar seus títulos de Roland Garros, além do que, os adversários queGuga enfrwtou pra conquistar seus títulos eram muito mais duros, forfes equalificados que as adversárias de Maria Esther…

      1. José Nilton Dalcim

        Meu deus, Sandro, estude um pouco antes de postar essas coisas. Adversárias de Maria Esther eram fracas? Darlene Hard, Margaret Court, Billie Jean…

        1. SANDRO

          Sei quais eram as adversárias de Maria Esther.
          Não escrevi que eram fracas, escrevi que os adversários do Guga eram mais duros que elas.
          E também escrevi que não se compara tênis feminino com tenis masculino, até porque nehuma delas teriam condições de vencer nenhum dos adversários do Guga…

        2. SANDRO

          Boa Noite Dalcim.
          Já que muitos estão com dificuldades de entender o que quero dizer, vou fazer uma analogia:
          Afirmar que Maria Esther Bueno é maior que Guga é a mesma coisa que afirmar que Margareth Court que conquistou 64 Grand Slams dos quais 24 em simples é maior que o Big 2 Nadal e Djokovic.

  34. Luiz Fernando

    A diferença no momento do Djoko pros demais é muito grande, nesse piso q a maioria é inexperiente tende a ser ainda maior…

Comentários fechados.