Análise: Como Tsitsipas derrubou Zverev no quinto set
Por José Nilton Dalcim
11 de junho de 2021 às 09:54

Novo número 4 do mundo, Tsitsipas precisou dominar os nervos no quinto set, porque ficou clara sua tensão a partir da reação de Zverev. A final em Roland Garros coroa sua excelente temporada e a campanha admirável que fez até agora no saibro europeu, desde o título inédito em Monte Carlo até as derrotas apertadíssimas para Rafael Nadal e Novak Djokovic. Um deles será seu adversário ás 10h de domingo.
Quinto set
6-3 –
Tsitsipas saiu atrás com 0-15, mas fez dois ótimos pontos e levou sorte num lob que saiu por pouco. E com ace está enfim em sua primeira final de Grand Slam, ganhando abraço de Zverev.
5-3 –
Pressionado pelo placar, Zverev ficou preso no fundo de quadra e aí é bem mais difícil encarar o grego. Salvou três match-points com saques bombásticos e outro com deixadinha, mostrando frieza. Game levou 9 minutos. Emocionante.
5-2 –
Grego volta a mostrar frieza num game de saque extremamente importante e joga de forma bem agressiva, indo à rede sem precisar fazer voleio.
4-1 –
E com ace mais do que bem vindo o grego mantém a quebra e abre vantagem muito importante, ainda que seja apenas uma quebra. Os dois mostram estar tensos e com certa dúvida do que fazer.
3-1 –
Depois de sair reclamando de um slice errado, grego forçou trocas a partir do 30-30 e viu Zverev falhar.
2-1 –
Manter serviço agora parece crucial principalmente na parte emocional. Dois games sem grandes sustos, mas com postura ofensiva dos dois lados, o que é bom.
1-0 –
Que sufoco para Tsitsipas. Começou mal o quinto set, permitiu 0-40 e aí voltou com uma passada difícil no segundo break-point. Mostra que a coisa vai ser tensa.
Quarto set
Zverev consegue grande reação e leva ao quinto set. E olhem que estatística: alemão jamais perdeu um jogo no quinto set em Roland Garros, tendo vencido seu sétimo na estreia deste ano. Aliás, já fez duas viradas de 0-2 seguidas em Slam (US Open e esse da primeira rodada). A marca de cinco sets de Tsitsipas é positiva, mas apertada: 5 em 9.
4-6 –
Game começou com dois pontos muito longos e viu dois lances magníficos do alemão, um de voleio e outro de lob. Após 2h50, vamos ao set final.
3-5 –
Zverev não perdeu um único ponto neste set quando acertou o primeiro saque. E foi exatamente assim que chega perto de fechar o quarto set.
2-4 –
Na gangorra emocional de um jogo de cinco sets, Tsitsipas teve chance de colocar pressão no 30-30, mas aí cometeu dois erros bobos da base.
2-3 –
Bons pontos de lado a lado e games rápidos de serviço.
1-2 –
Sem perder ponto, Zverev confirma quebra e abre 2/0. Depois Tsitsipas voltou a sacar bem. Daqui em diante, alemão precisa de máxima concentração com o serviço, principalmente para manter o adversário pressionado.
0-1 –
E Tsitsipas perdeu a tranquilidade. Perdeu o saque logo de cara e passou a falar muito, o que não é bom sinal.
Terceiro set
Zverev foi 15 vezes à rede e ganhou 10 pontos. Também conseguiu 13 winners e errou metade dos dois sets anteriores (6 contra 11 no primeiro e 12 no segundo). Também sacou firme nas horas mais importantes.
4-6 –
E o alemão foi bem. Sacou firme, deu até sorte num smash torto, mas continuou apostando na pressão sobre o adversário. Quarto set promete ser interessante.
4-5 –
Tsitsipas se mantém vivo no set depois de uma reclamação (justa mas na hora imprópria) de Zverev por um lance que juiz corrigiu chamada mas não voltou o ponto. Alemão precisa de cabeça no lugar porque agora tem de contar com o saque para fechar o set.
3-5 –
Depois do susto de permitir um 0-30, Zverev sacou muito para reagir no game e fez uma bela jogada para fechar, em que se deslocou muito bem pela quadra.
2-4 –
Zverev foi quatro vezes à rede num game tenso, em que Tsitsipas teve a chance do empate mas levou um saque no corpo a 221 km/h. Alemão está bem melhor com essa decisão de jogar de forma agressiva.
2-3 –
Tsitsipas fez pequena mudança no padrão de jogo e resolveu forçar mais. Soma já oito winners neste set, mais do que nos dois anteriores juntos, mas isso também o levou a escolha mais precipitadas.
1-2 –
Pior game do grego na partida, com três erros não forçados. Boa chance para Zverev se concentrar no primeiro saque e mantê-lo sob pressão.
1-1 –
Zverev conseguiu sustentar o saque e interromper a amarga sequência de sete games perdidos. Apostou bem nas subidas à rede, que é sua melhor opção de momento, embora é claro precise trabalhar bem o ponto para isso.
Segundo set
Alemão leva um ‘pneu moral’. Começou set com outra postura, apostando em bater mais na bola, e fez 3/0. Uma dupla falta no 30-0 do quinto game mexeu com sua confiança e ele passou a errar demais. Tsitsipas ficou firme na base, mexendo-se com maestria e apostando novamente na variação de efeitos e direções. Foi muito mais jogador nesses dois sets;
6-3 –
A confiança de Zverev foi embora de vez. O grego confirmou a quebra num game rápido de serviço e pagou para ver, focando em manter a bola em quadra com alguma profundidade e poucos riscos. O alemão começou bem, mas outra vez foi se perdendo e nem o backhand funcionou.
4-3 –
Grego concretiza a virada num game de altíssima qualidade, em que se mostrou veloz, versátil na rede, firme no contragolpe e exibiu inteligência tática, chegando a erguer bolas com topspin. A quebra veio com slice na paralela no sempre instável forehand do alemão.
2-3 –
Alemão vinha muito bem neste quinto game com 86% de primeiro saque e placar de 30-0. Aí fez dupla falta e tudo mudou. Grego conseguiu entrar nos pontos, trocou bolas e alemão somou erro atrás de erro.
0-3 –
Zverev muda um pouco a postura, aprofunda a bola com maior vigor e capitaliza dois erros não forçados do grego, além de sacar firme.
Primeiro set
Grego acertou um único winner no set inteiro – e ainda por cima de ace – e cometeu mesmo número de erros (11), o que reforça a importância dos erros forçados sobre o saibro. Trabalhou com a meta de deslocar Zverev e capitalizar com forehand mais frágil do alemão.
6-3 –
Tsitsipas mostrou-se um pouco tenso, não encaixou primeiro saque e permitiu 30-30 e 40-40 perigosos, até que enfim trabalhou os pontos com paciência.
5-3 –
Hora de Tsitsipas sacar para liquidar um set em que foi soberano até agora, muito mais firme na base e esperto nas deixadinhas.
4-2 –
Melhor game de Zverev na partida. Abusou da força do saque, um deles a 225 km. Aliás, sua média de primeiro serviço nestes primeiros games é de 213.
3-1 –
Taticamente, Tsitsipas está perfeito até aqui, ainda que tenha cometido erros bobos de execução de golpes. Posiciona-se até um pouco mais recuado da linha, mas procura mexer o adversário e variar o backhand com slice e topspin.
2-0
– Consciente que precisa forçar o saque, Zverev cometeu duas duplas faltas e fez um ace, mas falhou com o forehand e leva quebra precoce que pode mexer com a confiança.

O grego Stefanos Tsitsipas, 22 anos, e o alemão Alexander Zverev, de 24, decidem quem será o representante da nova geração na final de Roland Garros, fato inédito para ambos. Grego faz segunda semi seguida no torneio, batido no ano passado por Novak Djokovic, e Zverev busca segunda decisão de Grand Slam. No histórico entre eles, Tsitsipas tem 5 a 2, incluindo uma no saibro, mas Zverev ganhou o duelo mais recente, na final deste ano na veloz quadra de Acapulco.

Num piso mais lento como o saibro, o saque de Zverev tende a funcionar menos. De forma geral, o grego é mais sólido da base, tendo como arma o slice para forçar o alemão a golpear o backhand abaixado e ficar menos ofensivo. Também deve usar deixadinhas porque todo mundo sabe que correr para a frente é uma das deficiências do alemão. Já Zverev precisa do primeiro saque para comandar logo os pontos e diminuir os ralis. Pode tentar mais subidas à rede no backhand para colocar pressão.


Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Dário

    O Tsitsipas está jogando muito. Mas parece que nas trocas de bolas longas ele não prepara o winers tão bem, algo necessário para vencer Djoko e principalmente Nadal. O Zverev teve mais Winers.

    Fisicamente, ele e Szerev estão muito bem, mantiveram o estilo de atacar até o quinto set. Esta é uma das vantagens que Nadal e Djokovic sempre exploraram em GS e que parece que eles conseguiram anular.

    O Tsitsipas conseguiu 5 sets de muita agressividade. Com certeza tem chances de fazer bonito em uma final com qualquer um dos dois e responder à dúvida se Nadal e Djokovic podem ser batidos ainda em 2021.

    Responder
  2. Groff

    Não assisti aos primeiros sets, mas peguei a parte final do quinto. Gostei do que vi: o grego parecia estar muito bem fisicamente e metendo a mão na bola no game final. Não sei se é suficiente para barrar Rafa, mas esse ainda precisa passar pelo Djoko. Desse lado da chave, deu o mais justo. Eu cheguei a falar, para um pessoal que estava defendendo ser a semi da outra chave a final antecipada, que não acho que é bem assim, especialmente no caso (mui improvável) de o Rafa não passar. Acho aliás que teremos uma bela final domingo se o mental do grego não sucumbir.

    Responder
  3. Luiz Fernando

    “Primeiro” erro de previsão do nosso querido Pessanha, que previu a derrota de Rafa na final de RG 2021 p o alemão, mas claro, talvez essa previsão seja para 2022 ou 2023, o Pessanha tem uma mente futurística. Continue tentando meu caro, não desista, uma hora vc e o Ronildo acertam…

    Dalcim, aproveitando estes momentos antes do início da segunda semi, queria fazer um comentário e uma pergunta: vc tem comentado q na sua visão o grego seria o adversário mais complicado p Rafa ou Djoko. Pessoalmente acho q para Rafa o Zverev seria pior e te exponho pq: o pior fundamento q vejo em Nadal no momento é a devolução, e acho o alemão um sacador bem superior ao grego; além disso, o Zverev tem um BH de duas mãos mais agressivo do q o grego, q tem o back de uma mão só, característica q invariavelmente tem sucumbido frente Nadal em RG. O q vc acha?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Eu ainda acho que Tsitsipas é o adversário a ser temido, porque é muito mais completo e vimos isso na final de Barcelona, em que resistiu por muito tempo e esteve a um ponto da vitória. E acho que o grego tem mais chance se enfrentar o Djokovic. E não apenas pelo histórico de Rafa em Paris, mas pelo estilo mesmo.

      Responder
  4. Rafael Azevedo

    Merecida essa final para o grego. O ano dele está incrível.
    Baita jogador. Finalmente, ele está fazendo jus a toda a expectativa criada sobre ele. Até então, ele estava um nível atrás do Zverev e do Medvedev, mas esse ano (e hoje, especialmente) ele chegou (talvez tenha até ultrapassado).
    Vamos ver se chegou também junto do Big 2. Domingo será um dia interessantíssimo para o tênis.

    Responder
  5. Luis

    Dalcim Zverev vem recuperando seu tênis legal fosse final Paris ,Alemão teve problemas pessoais com Ex namorada parece,parece depois da Laver com Federer o Zverev tem personalidade parecido com Djokovic Dalcim? Tomara comece Grama com Semideus Suíço diria oLógico kkk

    Responder
  6. Luiz Fernando

    Dalcim, no momento o q se vê é uma subida clara de nível do Zverev na partida (técnica e mental) ou uma queda clara do grego? Ou ambas, claro…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      O tênis é uma gangorra, Luís. Claramente o Zverev subiu de nível, apostando num estilo mais agressivo, e o Tsitsipas se retraiu e passou a mostrar nervosismo.

      Responder
  7. Willian Rodrigues

    Em minha modesta opinião, ainda falta equilíbrio emocional a ambos os jogadores numa grande decisão.
    Ao assistir essa situação de jogo, caminhando para um antes improvável 5º set, a segunda semifinal fica cada vez mais com cara de final antecipada…

    Responder
  8. Willian Rodrigues

    Dalcim, você julga que a mudança tática de Tsitsipas no iníco do 3º set foi espontânea, ou mais forçada pela elevação do nível de jogo por parte do alemão?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      O alemão decidiu arriscar mais, principalmente na rede, e imagino que o grego tentou se antecipar a isso, saindo do plano A.

      Responder
  9. Efraim Oliveira

    Novak 90%, Nadal 10%

    Acho que Tsitsipas vence quarto set, ele só deu uma viajada no terceiro set mas vai recolocar a cabeça no lugar.

    Responder
  10. Marco

    Dalcin, impressão minha ou a quadra está mt lenta?

    Tinham falado que esse ano tava mais rápido que anos anteriores (nem contando o ano passado que realmente estava mt lenta), mas hoje me parece bem lenta, Tsitsipas, por exemplo, quase não fez winner e olha que o forehand dele anda bem.

    Responder
  11. sandra

    Desse jeito ninguém tira Roland Garros do Grego ? aquele técnico da Serena . aonde o grego treina, já tinha dito para quem quisesse ouvir que o título seria do grego ? em qual cartomante ele foi ?

    Responder
  12. José

    Dalcim,

    Acho que o Zverev precisa de mais variação no jogo dele, o que acha? Ele não vai na rede, quase não dá slice, não dá drop shot, etc. Se algum tenista pega o jeito de seus golpes firmes, o jogo fica previsível depois.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Exatamente, é um tanto previsível. Claro que, se sacar muito bem, é muito difícil de ser batido, mas quando encara tenistas mais pacientes e versáteis ele tende a se complicar.

      Responder
  13. walter alberto topfstedt

    Primeiro set
    Grego acertou um único winner no set inteiro – e ainda por cima de ace – e cometeu mesmo número de erros (11), o que reforça a importância dos erros forçados sobre o saibro.

    que o diga o Berretini…caramba…60 erros contra 17 do djoko…

    Responder