Big 2 ensina a arte da consistência aos garotos
Por José Nilton Dalcim
7 de junho de 2021 às 19:03

Novak Djokovic levou um susto ao perder os dois primeiros sets para um atrevido e aplicado Lorenzo Musetti, Rafael Nadal esteve ameaçado de ceder o primeiro set no torneio desde a final de 2019 para o já top 20 Jannik Sinner, mas os ‘velhinhos’ mostraram que lhes sobram consistência técnica, tática e física e que ainda é preciso fazer muito mais sobre o saibro de Roland Garros para tirá-los da luta pelo título.

Musetti deve ter surpreendido todo mundo. Nem tanto pela reconhecida qualidade de seus golpes, mas pela fidelidade ao plano de jogo e cabeça fria que o levou a ganhar dois tiebreaks do número 1 do mundo, o que não é para qualquer um. Aliás, o garoto nunca perdeu um tiebreak em torneios de primeira linha e ganhou todos os oito que fez nesta temporada, o que reafirma sua capacidade de ser ousado e frio.

Bem orientado, Musetti usou dois recursos que sempre incomodam Djokovic: o slice no backhand e a bola sem peso no centro da quadra. Soube esperar a hora certa de mudar o ritmo e atacar, aplicando-se ao máximo no serviço. O cabeça 1 então cometeu mais erros do que o habitual, porque muitas vezes precisou dar o peso na bola com o forehand acima da cintura, o que nem sempre é tão confortável como parece.

Mas num Slam não basta ser brilhante por dois sets. É preciso dosar o físico para uma eventual batalha e isso talvez tenha sido a experiência que faltou ao italiano. Djoko vendeu muito caro esses dois sets perdidos, fez o adversário se mexer muito, atrás de ângulos e deixadas, e o preço foi pago já no terceiro set.

Enquanto o adversário 15 anos mais jovem desabava, Nole continuou no seu ritmo firme e sufocante, resultando num massacre. Completamente esgotado, com dor lombar e cãibra conforme revelou depois, Musetti nem conseguiu terminar a partida. De qualquer forma, foi o grande nome do dia e provou, logo no seu primeiro Slam, que tem mesmo muita chance de brilhar no circuito.

O entusiasmo de Sinner durou bem menos. Depois de falhar nos dois games iniciais, ganhou consistência e virou o placar anotando quatro seguidos, vantagem que permitiria a ele sacar para o set com 5/4. Não colocou um único primeiro saque na quadra, foi quebrado de zero e aí Nadal se agigantou, ganhando oito games seguidos.

O espanhol no entanto voltou a oscilar, jogou mal em mais dois serviços no segundo set e deu a chance do empate, que Sinner desperdiçou. Seria querer demais que Rafa lhe desse mais alguma cancha. Nadal foi absoluto daí em diante, arrancou para mais uma série de oito games consecutivos e permitiu apenas 10 pontos ao italiano no terceiro set, dos quais apenas dois foram erros não forçados do megacampeão.

Nadal e Djokovic ficam assim a apenas uma vitória do aguardadíssimo reencontro na semifinal de sexta-feira. O espanhol terá antes de aumentar a ‘freguesia’ sobre Diego Schwartzman, que já está em 10 a 1. O argentino fez um péssimo começo contra Jan-Lennard Struff e chegou a estar 5/1, tendo de salvar sete set-points. Achou a forma de segurar o alemão no fundo de quadra e estava pertinho de fechar o terceiro set com rapidez quando outra vez veio a instabilidade e Struff quase empatou no 10º game. Ou seja, o valente Peque não está nem perto do nível que mostrou em Roma do ano passado na sua única vitória sobre Nadal. Está muito mais para o fácil placar da semi de Paris em 2020.

Djokovic por seu lado terá outro italiano pela frente, mas curiosamente só cruzou com Matteo Berrettini uma vez, na fase classificatória do Finals de 2019, quando perdeu meros três games. Se obtiver alto índice de primeiro saque, que permita principalmente disparar seu excelente forehand, Berrettini tem condições de ser competitivo e quem sabe empurrar os sets para tiebreaks. Ainda que seu backhand tenha evoluído a olhos vistos, não me parece ter consistência e muito menos confiança para aguentar a artilharia pesada do número 1 se ficar no fundo de quadra. Vão faltar pernas se fugir o tempo todo para o lado esquerdo, como costuma fazer.

Swiatek amplia favoritismo
Se Iga Swiatek chegou a Paris cheia de moral após seu título em Roma, o andamento da edição 2021, com a sucessão de queda das favoritas em Roland Garros, deixa a polonesa de 19 anos cada vez mais candidata a conquistar o bicampeonato. Curiosamente, ela foi quem teve mais trabalho nesta segunda-feira para avançar às quartas de final, já que ucraniana Marta Kostyuk, um ano mais jovem, mostrou qualidades e resistência. Foi quem mais tirou games de Swiatek até aqui.

Assim como seu ídolo Nadal, a polonesa também está sem perder set desde o início da campanha do ano passado. Sofreu um pouco porque encarou a sempre diferente sessão noturna, que deixa tudo mais lento. Kostyuk foi esperta, abusou das deixadinhas e até quebrou antes. Continuou ameaçando, games longos, mas por fim prevaleceu a consistência de Swiatek. O próximo desafio também é inédito: a divertida Maria Sakkari, que atropelou a finalista de 2020 Sofia Kenin e aumentou a festa grega no saibro parisiense. Nunca o país teve dois nomes nas quartas de um mesmo Slam.

Os outros dois jogos foram logo cedo num piso mais veloz e surpreenderam pela rapidez: Coco Gauff nos seus tenros 17 anos não deu muita chance à tunisiana Ons Jabeur, usando o saibro quase como se fosse um piso duro. E enfrentará agora uma sensação, a tcheca Barbora Krejcikova, outra tenista de jogo solto que só permitiu dois games a Sloane Stephens, vice de 2018. Krejcikova também está viva nas quartas de duplas e caiu nesta segunda nas quartas de mistas, prova de que o físico e a disposição estão em dia.

A rodada de terça
– Medvedev e Tsitsipas tentam a quarta semi de Slam, e até hoje nenhum deles perdeu quando chegou nas quartas. Se o russo tem 5-1 nos duelos e única vitória no saibro, Tsitsipas é o líder de vitórias na temporada (37) e na terra (20).
– Grego só ganhou 1 dos últimos 8 jogos contra adversário top 5 e no saibro soma 2 em 8. Mas tem marca muito superior em jogos de 5 sets na carreira: 5-4 diante de 1-7 do russo.
– Zverev ganhou os cinco sets que jogou em duas partidas diante de Davidovich, mas sempre na quadra dura. Espanhol venceu mais jogos no saibro este ano (14 a 13).
– Zverev ganhou todos seus jogos que foram ao quinto set em Paris (7) e tenta semi no terceiro diferente Slam. Davidovich venceu 9 dos 11 tiebreaks que fez nesta temporada.
– Separadas por 10 posições no ranking (22 a 32) e oito anos na idade, Rybakina e Pavlynchenkova fazem duelo inédito e buscam primeira semi de Slam. As duas jogam lado a lado e estão nas quartas de duplas.
– Também não há histórico entre Badosa (35 do ranking) e Zidansek (85). A Eslovênia nunca havia tido uma jogadora sequer nas oitavas de um Slam.


Comentários
  1. Bruno Gama

    Acho que daqui alguns anos quando Sinner, Musetti, Alcaraz amadurecerem nem vamos sentir tanta falta do Big 3, talvez até roubem o protagonismo de Tsitsipas, Thiem, Medvedev e Zverev que amadureceram tarde, ainda tem alguns talentos perdidos como Aliassime e Shapovalov que podem em algum momento engrenar se acharem o ponto de equilíbrio no jogo deles.

  2. Enoque

    Vamos aos números: Medvedev chega a 10.143, o Djoko, na pior das hipóteses fica com 10.713. A disputa pela liderança fica aberta em Wimbledon, já que lá o Medvedev não defende quase nada.

  3. Franco Tassi

    Estou torcendo para a polonesa, Swiatek se tornar a número 1 do tênis feminino porque a maior, Serena, já não é mais a rainha. O tênis feminino é muito irregular, quando penso que vão substitui a Serena, perdem na primeira rodada de qualquer uma vindo do qualifac.

  4. Marcelo

    Dalcim,

    Acabado esse RG você vai precisar desvendar um mistério que ainda não entendi. Por que os EUA não conseguem embalar mais um jogador de ponta? Apareceram franceses, russos, italianos e nada de um americano com chance em um M1000 faz anos! É muito estranho para um país com a tradição no tenis que eles têm.

    Abraços.

    1. José Nilton Dalcim

      Tenho certeza de que já respondi isso, Marcelo. A meu ver, eles ficaram para trás ao insistir em manter o padrão americano de jogar, baseado em saque e forehand. Hoje em dia é preciso ter ao menos os dois lados muito firmes ou compensar isso com um excelente slice ou jogo de rede. Depois de muito tempo, finalmente a USTA introduziu o saibro para fazer a base dos juvenis e com isso temos visto aparecer mais jogadores com essa característica que se tornou essencial no circuito. Abs!

  5. sander

    Dalcim, hoje vc diria que o forehand do Djokovic está mais calibrado que seu back (que sempre foi um dos seus pontos fortes)? Ou o back aparece quando ele precisa? Eu lembro das paralelas milimétricas de Bh que ele dava !!!! show!!abraços

  6. Efraim Oliveira

    O Thiem estragou a chave, a culpa dessa pelada aí é dele. W.O daria mais emoção que o Fokina.

  7. Luiz Fernando

    Dalcim me mate uma curiosidade: semana q vem já estaremos na temporada de grama. Quem vc considera, na atualidade, um especialista nesse piso? Pelo estilo considero Federer um “gramista”, mas a despeito do sucesso em W não considero Djoko como tal. Além do suíço quem vc consideraria? Haveria claramente algum outro?

    1. José Nilton Dalcim

      Acho que existem tenistas com estilo bem indicado, mas é mesmo muito difícil falar em especialista para um piso tão pouco praticado hoje em dia. Assim, tenistas como Tsitsipas, Shapovalov, Dimitrov, Gasquet, Isner têm recursos muito perigosos, ainda que dificilmente serão favoritos diante de qualquer dos Big 3, Luiz.

  8. AKC

    Eu não fiquei lá muito convencido dessa suposta lesão do italiano, fui dar uma olhada rápida na mídia internacional e muitos não compraram essa ideia também… Becker disse que se o problema foi cãibra, tenha dignidade e termine o jogo, mesmo perdendo de 6×0. Pra mim. o italiano criou um factoide para ter uma desculpa e fugir da bicicleta… OBS: Não sou torcedor do Djokovic!

  9. Luiz Fernando

    Zverev vai seguindo bem rumo a semi, abrindo 2×0 no espanhol. Parece q aqueles jogos intermináveis em 5 sets de campanhas passadas, que o desgastavam sobremaneira, são coisas do passado. Quem tem o serviço e o BH q ele tem e se apresenta bem fisicamente não pode ser desconsiderado…

  10. Vitor Hugo

    Dalcim, o Wild venceu o Fokina naquele título que conquistou no Chile, né? Se não me engano na semi-final.

    1. José Nilton Dalcim

      Não, Vitor, foi na primeira rodada do Rio Open, um jogo duríssimo em que os dois quase se pegam para valer.

          1. Luiz Fabriciano

            Mas já disputa quartas de GS e rodadas avançadas de M1000.
            Ou seja, a regularidade está chegando.

  11. Enoque

    O ténis feminino é meio maluco, em RG 2022, poderemos ter na final Semynova x Pavlova, ou Daskalakis x Turgueniev.

    1. Thiago Silva

      Acho que no feminino influencia muito a questão hormonal, a que tiver na TPM no dia erra tudo e perde o jogo.

      1. Sérgio Ribeiro

        Esse eu printei , NOBRE L. F . Você e seu baba ovo mor não entendem que pagar recibo durante anos não pega nada bem rs . Que Rafa Nadal foi precoce , todo mundo sabe . Agora o nível de Tênis que Novak e Murray jogavam aos 19 , em plena “ entressafra “ segundo os Magistrais comentaristas , não fica nem um pouco longe do que o jovem JANNIK SINNER apresenta. Aliás se não tiveram paciência com o Zé Verev, vão ter com quem não é mesmo ? rs . Abs!

        1. Luiz Fernando

          Meu caro, “tem chance” não significa q será kkk. Lembra do seu queridinho Dimitrov q vc vivia alardeando, não vingou, o mesmo pode acontecer com Sinner. Se ao invés de implicância vc tivesse bom senso não postaria estas besteiras…

          1. Sérgio Ribeiro

            Errado : “ Baby Federer “ jamais foi invenção minha , guri. E sim de especialistas do Tênis . Grigor Dimitrov e’ muito habilidoso, mas sem os golpes contundentes do Sênior. Como somente postas besteiras , ainda não teve a capacidade de observar que golpes contundentes não faltam a JANNIK SINNER. E as melhorias em seu jogo , possui somente 19 , na mão de um treinador como Piatti é questão de tempo. Mas e’ pedir demais para um comentarista de resultados como tu e seu baba ovo rs . Abs!

  12. Dionathan

    Dalcim, desculpe o incômodo..
    Sabe me informar se a partida de Djokovic x Berettini amanhã terá público, por ser as 20h horário de Paris???

    1. José Nilton Dalcim

      Vai sim, Dionathan, porque a partir justamente do dia 9 haverá uma flexibilização das medidas preventivas em Paris. Até por isso anteciparam a rodada noturna para as 20h de lá.

  13. Pé frio

    Dalcim, vc acha possível novak ganhar o torneio ficando mais tempo em quadra num jogo de 5 sets? Ou ele tem físico para ganhar de nadal, caso passe para as semis? Na minha opinião já era.

    1. José Nilton Dalcim

      Acho que Djokovic já provou inúmeras vezes ter físico para aguentar grandes maratonas, portanto não vejo motivo para duvidar disso agora.

  14. Paulo F.

    Se o Djokovic fez mais winners do que Musetti, então acabou o papinho de que Musetti foi melhor na partida!
    Hahahahaha

    1. Rodrigo S. Cruz

      O Musetti simplesmente sumiu do jogo depois do segundo set.

      Se não conseguia fazer pontos nem com erros do sérvio, que dirá com winners.

      Um tiquinho de zelo pela verdade por parte de vocês nolistas não custaria nada…

  15. Bel Grado Fa

    Do que adianta falar de “medinho”, “faixa amarela”, “hombridade” escondidinho com sua barriga atrás do teclado e um pacote de “funnyquitos” no prato em cima da mesa….

    Musetti jogou muito bem e tem apenas 19 anos. Ainda é muito cedo, mas o que vimos este ano nos deixa bem feliz, pois os jovens estão fazendo uma transição muito interessante, disputando muito de perto com a geração de Nadal e Djoko (tivemos várias gerações perdidas no meio do caminho que não conseguiram chegar nem perto daquilo que esta vêm mostrando e conquistando).

  16. André Ruiz

    Nadal não para de melhorar não? Assustador o nível que ele ta jogando… Não canso de me impressionar!

  17. FERNANDO/MG

    Prezado Dalcim, Vou ficar junto às opiniões nos comentários que o Sérvio não jogou nada bem contra o promissor italiano, e se safou de uma derrota, muito mais por causa dos problemas físicos do Italiano, do que por seus próprios méritos…Na minha opinião o sérvio estava muito errático, e a partir do terceiro set ele jogou praticamente sozinho…Ao contrário, vejo o Nadal, muito seguro de si, ele sabe do seu tamanho no Slam francês, mas o pior é que os adversários também sabem e já entram praticamente derrotados. Dalcim, você sempre diz com relação à corrida pelo número de Slams, que o sérvio tem mais tempo pra correr atrás desse recorde, gostaria de saber, o porque dessa sua opinião? Uma vez que, o Nadal tem praticamente a mesma idade do sérvio, não dá mostras de cansaço mental ou mesmo físico com 35 anos, e ao meu ver, o espanhol sempre será favorito em RG e também no US Open, assim como o sérvio é o favorito natural em Wimbledon e Melbourne, ao que no meu ponto de vista equiparam as forças, e após os 30 anos os dois tem praticamente a mesma quantidade de slams.

  18. Periferia

    Ola Dalcim….
    Dos oito tenistas que disputarão as quartas….sete estão entre os dez do mundo (apenas Fokina não é).
    Em um piso tão particular como o saibro os “especialistas” deveriam ter chegado mais.
    A figura do “especialista” do saibro está acabando? Ou é apenas uma coincidência não termos grandes surpresas nas quartas (em relação ao ranking)???

    Abs

    1. José Nilton Dalcim

      Há algum tempo os especialistas no saibro minguaram, José Cláudio, por isso é até interessante vermos ressurgir essa boa geração italiana, que tem a terra ainda como principal piso. Os antigos nomes fortes estão em mau momento ou com grandes problemas físicos, como seriam os casos de Monfils, Wawrinka, Fognini. A surpresa negativa fica por conta do Thiem, mas ele seria mais um top 10. Então acho que a chave masculina caminhou quase na normalidade. Abs!

      1. Carlos Henrique

        Curiosa a inclusão do Monfa como especialista na terra Dalcim.
        Nunca o vi assim, apesar de ser no Slam francês que ele melhor se sai e alcançou o melhor resultado (semi finais), igual no US Open.

  19. Daniel C

    Uma pena o Musetti ter sentido a parte física. Os torcedores do Djokovic, mais uma vez, deram muita sorte. Deviam estar muito tensos quando o italiano confirmou o 2 set, já pensando que teriam que encarar o blog depois rsrs…

    Mas enfim, de qualquer forma o torneio do sérvio deve acabar na semi, chuto que o espanhol ganha por no max 3 a 1. E o Musetti tem muito futuro. Já nessa idade, mostra ter mais recursos que o Djokovic, só faltou um “super físico” pois na bola ele estava vencendo. Infelizmente, nos últimos 10 anos, regularidade acompanhada de correria e super físico são a receita para os grandes títulos. Mas vendo um cara como o italiano ontem, eu respiro aliviado de ver que o futuro do tênis não se limitará a maratenis.

    1. Carlos Henrique

      Estávamos muito tensos mesmos. Tanto é que as principais casas de apostas do mundo com o segundo set do italiano igualaram as porcentagem de ambos. kkkkkkkkkk

      A queda de intensidade do italiano era questão de tempo.

    2. Rafael Azevedo

      Nunca que apenas físico e correria fez alguém ser um vencedor como o Nadal e o Djokovic são. Eles chegam em todas as bolas, mas não é só isso. Eles chegam e conseguem contratacar de maneira surpreendente. É preciso ter muita técnica e “mão” para conseguir fazer o que eles fazem. Quem joga tênis, sabe disso.
      A maioria dos tenistas até consegue chegar em todas as bolas, mas diante de um ataque angulado e potente, geralmente, cometem o erro ou devolvem uma bola “fácil”. Nadal e Djokovic não. Então, não é apenas físico e correria, mas a combinação disso com muita habilidade técnica. Por isso, alcançaram o sucesso e conseguiram superar todos os oponentes possíveis

      1. Paulo Almeida

        Na cara não, Rafael.

        Para essas figuras, mais recursos se resume a ser melhor nas jogadas de circo.

  20. Luiz Fernando

    Ontem no Insta já circulava um rumor de que Rafa não jogaria amanhã a noite; dito e feito, será o terceiro jg da quadra Rafa Nadal, ou melhor, P Chatrier. Djoko joga as 15 hs p nós, 20 hs em Paris…

  21. Alexandre

    Dalcim,
    Bom dia!
    A cada rodada que passa eu tenho mais certeza que o “urso russo” está decidido em ir buscar o Number One e entrar para história por quebrar a sequência incrível que o Big 4 está conseguindo manter por tantos anos. Acho que já existe um consenso entre os jogadores de que as chances de vencer Nadal em RG são remotas, mas no caso do russo ele já percebeu que ficou com o caminho livre na chave pra buscar esse feito histórico.
    Acho que hoje será o grande teste do torneio para Medvedev ir em busca de cravar seu nome no topo do ranking. Vai ser UM JOGÃO!!!!!!!

    1. José Nilton Dalcim

      Acho que o Medvedev aposta na vitória do Nadal na semi, o que permitiria que ele assumisse o número 1 com a chegada à final, sem precisar do título. Mas vai ser muito duro ganhar do Tsitsipas e provavelmente do Zverev, Alexandre.

  22. Bruno

    Excelente texto, Dalcim!
    É impressionante, assustador e, ao mesmo tempo, maravilhoso de ver o que o BIG 3 tem feito e está fazendo. Veteranos com mais de 15 anos de carreira e ainda mostrando um preparo físico invejável e, mais até do que isso, uma vontade de vencer e competir raríssimas. Que a nova geração aprenda com esses exemplos!
    Ainda não tinha visto nenhum jogo do Musetti e gostei demais do seu estilo. Não sei se ontem ele estava excepcionalmente inspirado, mas deu uma verdadeira lição de como enfrentar o número 1 do mundo. Mas do outro lado estava o Sérvio, que é um verdadeiro monstro e que nuncase dá por vencido antes do fim. Soube se manter positivo mesmo com dois sets atrás (aliás, parece que até melhorou seu jogo depois disso – assustador!) e tirou proveito da queda de rendimento do italiano.
    Nadal não chegou a se complicar tanto, pois conseguiu, ainda no primeiro set, arranjar uma forma de parar o ímpeto do jovem fenômeno, que estava muito firme até então. Aliás, arranjar formas de sair de situações desfavoráveis é especialidade da casa, não conheço nenhum tenista que faça isso tão bem, e com tanta frequência, como o espanhol.
    Acho que, no final das contas, o saldo acabou sendo mais favorável ao supercampeão de RG. Além de ter feito uma partida mais curta, conseguiu contornar a situação de uma forma mais tranquila, pois acho que muita gente ter se perguntando como seria o desfecho do jogo do Djocko se o Musetti não tivesse tido a queda brusca de rendimento (eu particularmente acho que essa queda foi gerada pela própria postura do sérvio).
    E aí Dalcim, já dá pra arriscar um prognóstico para uma possível semi entre os dois remanescentes do BIG 3, com base no que mostraram até agora?

    1. José Nilton Dalcim

      Acho que o favoritismo sempre será de Nadal, a menos que surja um componente não previsto, como uma contusão ou um desgaste muito acima do normal, o que espero e não acredito que aconteçam na próxima rodada.

  23. Sandro

    Musetti deu a seguinte “desculpa” para sua atitude covarde: “Não, não, não foi uma lesão. Foram só umas cãibras e algumas dores no fundo das costas….”
    Que vexame esse italiano COVARDE não ter a hombridade de terminar um jogo de cabeça erguida como um homem de verdade! Ao contrário, fez aquela cara de choro e desespero e foi correndo chorar na barra da saia da mamãe com medo do bicho papão Djokovic!
    Quantas vezes já vi jogadores com cãibras ou dores nas costas pedirem atendimento médico e continuarem a partida decentemente? Se fosse lesão, tudo bem, não quero que um jogador piore uma lesão jogando, mas o próprio Musetti disse que não era lesão!
    Temos nesse mesmo torneio, o grande exemplo de superação do Federer, que mesmo voltando de 2 cirurgias, e jogando uma partida desgastante e duríssima contra o Koepfer, levou jogo até o fim e saiu de cabeça erguida, com o sentimento do dever cumprido, mesmo que fisicamente não tivesse mais condições de continuar no torneio, mas Federer saiu por cima, e enquanto esteve dentro de quadra, cumpriu seu papel.
    Nadal mesmo jogou o Australian Open 2021, com dores nas costas, com o saque prejudicado, mas foi guerreiro!
    Faltavam APENAS 2 GAMES pra terminar a partida, era mesmo necessária essa atitude covarde do Musetti?
    Essa dor nas costas é aquela tradicional “FAIXA AMARELA” do medo que bate nesses novatos ao enfrentarem Nadal e Djokovic!

    Depois Musetti disse:
    “Foi uma experiência fantástica. Estava a jogar o meu melhor ténis. Nunca tinha jogado como hoje. Os dois primeiros sets foram muito longos… Claro que me sinto um pouco desapontado, mas joguei contra o número um do mundo e tirei-lhe os dois primeiros sets….”
    Não avisaram a esse cara que para jogar contra Nadal e Djokovic em Roland Garros tem que estar preparado para uma partida de 5 sets?
    O que adianta de ter dado a vida pra ganhar os 2 primeiros sets de forma tão sofrida e somente no tie break, se depois o pânico e a covardia tomaram conta e ele leva uma surra de 6/1, outra surra de 6/0, e quando levaria mais outra surra de 6/0 , ele covardemente sai correndo pra chorar na barra da saia da mamãe com medinho do BICHO PAPÃO DJOKOVIC!!!
    Que juventude ridícula, medrosa e covarde, me deu vergonha alheia desse Musetti!
    É por essa FORÇA MENTAL, CORAGEM, RESILIÊNCIA, FOCO e DETERMINAÇÃO que admiro cada vez mais NADAL E DJOKOVIC!!!
    E o Federer, mesmo sem condições físicas ideais, fez muito mais bonito dentro de quadra que o Musetti!

    1. Efraim Oliveira

      Aí você descasca o Musetti, mas elogia o Roger que fugiu do torneio porque sabia que não tinha condições de derrotar Novak e muito menos Nadal. Onde que tá a coerência no seu comentário? Pau que dá em chico se dá em fransisco. Você não repudia o ato em si, apenas determinado tenista.

      1. André Barcellos

        Federer inúmeras vezes terminou jogos com lesão ou sem condições.
        O último foi contra o próprio Djokovic, no AO 2020.
        Nunca abandonou uma partida. Realmente em da consciência vc acha que ele nunca sentiu um problema durante uma partida?
        Sim, o suíço é admirável também por isso.
        Já abandonou torneios, o que mostra que só entra em quadra se se sentir competitivo.
        Não tinha condições de jogo depois da vitória contra o Sandgreen, mas mesmo assim entrou porque, embora não estivesse com gás ou preparo, não havia (ou não achava que havia) lesão.
        Aliás, depois desse torneio ele viu que o joelho estava novamente lesionado e se retirou de tudo para operar.
        E agora todo o cuidado é pouco. Ele não tem que encerrar a carrreira por lesão (o que, dadas as condições do joelho é possível) só porque querem que ele se mate pra enfrentar quem quer que seja.

    2. Sérgio Ribeiro

      Esse comentário é sério ? Jura ? . Aos 19 quantas partidas o Sérvio alfa largou , meu caro ? E aos 20, 21 e 22 ??? . Tu pulastes a relação do link do José Yoh ? . O que não nos surpreende é um covarde que viu o garoto jogar um Tênis do mais alto nível , com direito a vencer DOIS Tie -breaks do N 1 do Mundo , que foi obrigado a dar um migue’ e trocar as CUECAS , segundo o próprio, vir aqui neste Fórum despejar uma raiva sem sentido . Todos os admiradores do jogador que abandonou inclusive a defesa de Título no AOPEN 2009 pra Andy Roddick , alegando calor , apelar pra essas sandices . Não cola , e não vai diminuir em nada o jogo primoroso de Musetti. Estava estranhando tu comprares a briga defendendo Federer … Abs!

    3. Miguel BsB

      Rapaz, tenho certeza que vc nunca jogou tênis…seus comentários são ridículos. Chamando os outros de covarde em caixa alta.
      Vc nunca jogou tênis e não sabe o que é sentir a lombar durante um jogo. É quase impossível continuar, no nível deles então, o garoto não conseguia nem vencer alguns pontos…
      Estou exatamente tratando a lombar e outro dia tive que abandonar uma partida porque simplesmente não dava. Isso me torna um covarde?
      Você não passa de um sofasista que não entende do jogo e jamais pegou numa raquete.
      Você desembarcou por aqui há pouco tempo e já é disparado o pior comentarista, só escreve bobagens e agressividades.

      1. Sandro

        Já tive cãibras e dores não só nas costas, mas em outrosl ugaresd o corpo. E isso nuncame impediu de jogar mais DOIS GAMES!!!
        Eram APENAS MAIS DOIS GAMES!!! Não é possível que esse covardedo Musetti não poderia jogar apenas mais 2 games pra terminar o jogo!
        Náo eram mais doissets eram apenas 2 games!!!
        Ele mesmo falou que não era lesão!
        Pra mim é um fraco!

        1. Sérgio Ribeiro

          Realmente és um caso perdido, meu caro. Veja a relação de abandonos do Alfa “ goat “ pra então depois vir tirar onda denegrindo um jovem talentosíssimo. Tu quebras todos os recordes de um fanatismo desenfreado . Abs!

        2. Maurício Luís *

          Voce está se comparando com um profissional. Não dá pra jogar nem um ponto com cãibra forte, quanto mais dois games. Amador é uma coisa, profissional é outra. Sugiro que se coloque na pele dos outros.

    4. Jonas

      Me lembro de um jogo do Nadal, no Australian Open 2010 acho…

      ele teve algum problema físico, mas não quis sair de quadra e soltou essa: “não saio daqui nem f…” kkkkkkkkkkkk.

    5. Maurício Luís *

      Sandro, pelo visto, você é + um que faz análises sentado num sofá de vime bem confortável sem nunca ter pego numa raquete. Cãibra não é contusão, mas dói muito. Não tem como jogar nessa condição. Não sei da onde você tirou essa ideia de covardia. Menos, tá? Menos.

      1. José Nilton Dalcim

        Sem falar que cãibra é até perigoso, caso ela se expanda e atinja a parte respiratória ou coronária.

          1. José Nilton Dalcim

            Sim, pode ter um atendimento por set. O que ele não pode é interromper um game em andamento. Ele terá de se virar e ir até o fim do(s) game(s), rezando para chegar a virada.

    6. Rafael Azevedo

      Calma, aí, Sandro. Dá um desconto para o garoto.
      Ele tem 19 anos, apenas, e foi submetido a um nível de estresse absurdo.
      Exigir uma postura como vc sugeriu, aí, é exigir que o jovem seja um Vingador. Só o Nadal, como o treinamento duríssimo do seu tio ao longo dos anos, e olhe lá.

  24. Chetnik

    Esse Sinner é uma das porcarias mais superestimadas que eu já vi. É um Berdych sem vidro elétrico e sem saque. Mental de geleia. O game que ele fez para fechar o 1a set foi uma VERGONHA.

    Djoko não apareceu em quadra nos dois primeiros sets. Sem nenhuma potência. Mas a quadra parecia extremamente lenta e com um quique absurdo. Nessas condições, o Nadal é invencível. Djoko voltou outro a partir do 3a set e dominou completamente desde o primeiro ponto. Musetti parecia desesperado para correr dali, com uma cara de choro evidente.

    1. Sérgio Ribeiro

      A porcaria fez Quartas em RG 2020 e parou nas Oitavas em RG 2021 , perdendo pro mesmo cara que aplicou um Pneu no Alfa no mesmo Torneio ano passado. A porcaria deu muito mais trabalho . Procure saber que posição no Ranking estava Novak ao final de 2006 aos 19 . JANNIK SINNER que já atingiu o TOP 17 , e’ uma das maiores revelações deste Esporte em uma década . Pelo que eu saiba quem foi trocar as CUECAS não foi o talentosíssimo Musetti que joga mais que o Sérvio na mesma idade . E não se antecipe com desculpas de quadra lenta no Saibro, pois Novak tem chances contra Nadal independente de como a mesma esteja . Abs!

      1. Sérgio Ribeiro

        Correção : jogar mais que Novak ao final de 2006 e’ um certo exagero. Até porque o Sérvio se aproveitou da tal “ entressafra “ e já virou Top 3 em 2007 rs . Abs!

    2. Carlos Henrique

      Não só o game, mas o fim de set foi pavoroso. Entregou um 0-10 em pontos numa sequência de erros não forçados. Mas é novo, pode melhorar nesse importante aspecto do tênis.

  25. Carolina

    Dalcim,

    – O Berrettini também costuma (ou costumava) utilizar bastante o slice de backhand ou estou enganada?

    – Alguma semelhança entre o Musetti no jogo de hoje e o Thiem na semifinal de 2019? Em outras palavras, o Musetti tentou adotar uma tática parecida com a do Thiem em 2019?

    – Rodada noturna pode ser benéfica para o Schwartzman?

    1. José Nilton Dalcim

      Sim, Berrettini usa o slice mas não o considero um grande especialista no golpe. Certamente, será sua melhor opção contra o Djokovic. Mas falta ao Merrettini um topspin de backhand com efeito e profundidade, como justamente fez ontem o Musetti e é um recurso bem usado pelo Thiem também. Sem dúvida, Musetti usou muito da tática do Thiem, incluindo as paralelas de backhand quando viu a proteção do sérvio ao lado esquerdo. Talvez a rodada noturna até ajudasse o Diego, como aconteceu na lentidão de Roma em 2020, mas já vi aqui que a rodada noturna será do Djoko.

  26. Rafael Azevedo

    Djokovic Mostrou porquê é o número 1 do mundo. Não basta virar a partida tem que massacrar o adversário para provar que é superior…
    Acredito que o Musetti se lesionou, sim. Mas, não foi essa a razão da virada. Na verdadeiro, acho que foi o contrário. A virada estressou o garoto (por ter sido tão rápida e fácil) ao ponto de tensionar sua musculatura. O esforço, nessas condições, lesiona.
    Mas, uma coisa me incomodou no comportamento do italiano…ao final do terceiro set, ele estava cabisbaixo, completamente frustrado e irritado. Entendo que foi decepcionante tomar um 6×1, mas ele ainda estava vencendo a partida. Não era hora de se desesperar. Era para aceitar naturalmente a derrota no terceiro set e entrar no próximo pulando, vibrando, e, principalmente, acreditando na vitória. Parece que ele já sabia que iria perder a partir do 4×1 do terceiro set.
    Mas, é jovem ainda. Tem tempo para trabalhar a mente para suportar e entender esses momentos psicológicos do jogo.
    Grande tenista! Está na minha lista de possíveis substitutos do Nadal, quando este se aposentar, para ganhar minha torcida.

  27. Tulio

    Acho essa nova geração muito fraca! Federer fica 1 ano meio sem jogar e faria quartas tranquilo! Esses números do big 3 são superinflados pela molesa que eles pegam!

    1. André Barcellos

      Só com um detalhe: nenhum dos oponentes do Federer em Roland Garros pode ser considerado da nova geração.
      Acredito mais que os 3 são fora da curvatura nesse papo de entressafra.
      Claro que Istomin é cego no saibro, e Cilic não estava nos melhores dias. Mas o alemão joga direito e não é novo.

  28. EDVAL CARDOSO

    Dalcin, independente dos adversários, quem vc acha que está jogando melhor?
    Djoko, Medvedev, Nadal, Tsitsipas ou Sverev?

    1. José Nilton Dalcim

      Essas comparações são muito difíceis, Edval, porque eles jogaram contra adversários muito distintos, tanto no currículo como no estilo. Acho que quem jogou melhor de uma forma global foi o Djokovic, mas de longe a surpresa é o Medvedev.

  29. Barocos

    Dalcim,

    Como de costume, um ótimo artigo. Sigo, passo a passo, aprendendo um pouco mais sobre este esporte maravilhoso, obrigado.

    Mestre, noto uma séria inquietação na torcida federista, beirando o desespero. A situação atual é a seguinte: se ficar, o bicho pega (Nadal ultrapassando o recorde de Slams), se correr, o bicho come (Djokovic colando no n° de Slams e com bastante tempo para quebrar este recorde também). A esperança no surgimento de um salvador, um ou mais jogadores com as armas certas para desbancar a dupla, ao menos no curto prazo necessário, esvai-se a cada jogo.

    Rogo aos nobres colegas helvéticos de coração que não desanimem, enxuguem as lágrimas e não se deixem consumir pelo fatalismo, enquanto há vida (e pernas), há esperança. Este ano ainda tem Wimbledon e Indian Wells, ânimo!

    Brincadeiras à parte, lembro que há alguns anos postei, baseado em um artigo internacional, que os federistas mais apaixonados deveriam entoar loas de agradecimento aos deuses do tênis pela ascensão do sérvio, porquê naquela época o espanhol parecia destinado a superar as marcas mais importantes arduamente conquistadas pelo suíço. Não deveriam fazê-lo, entretanto, em altos brados, já que esta pretensa benção poderia conter, em seu âmago, uma maldição, pois que o sérvio poderia estar destinado a se tornar uma ameaça tão grande quanto ou mesmo superior. Analisando agora os fatos, o autor original do artigo foi profético.

    Nem preciso dizer, obviamente, que não o incluo na ala extremada da torcida do Federer, e que este, para mim e para muitos outros, continua sendo a “bailarina” do tênis, o jogador de maior elegância que já vi empunhar uma raquete.

    Ajde, Djokovic!

    Saúde e paz a todos os amantes dos esportes e das artes.

    1. Sérgio Ribeiro

      Não acredito , meu caro Barocos . Desespero por igualarem seus recordes com o Touro já com 20 SLAM e Novak com ainda no mínimo 3 anos pela frente ? . O legado é que será inigualável. Roger Federer provavelmente entrará para a história como o jogador mais importante deste maravilhoso Esporte . Isso é muito pois parecia que Borg ficaria pra sempre neste patamar . E’ claro que tudo isso a conferir rs . Abs!

      1. Barocos

        Grande Sérgio,

        No final das contas, cada um que quiser vai ter argumentos para aclamar como GOAT o seu favorito, todos estarão certos e todos estarão errados, inclusive assim é muito mais divertido.

        Saúde e paz.

    2. Thiago Silva

      Mas se o sérvio não existisse o Federer poderia ter mais uns 3 títulos de Wilmbledon 14, 15 e 19, mais uns 3 US Open 10, 11 e 15 e pelo menos mais dois Australian Open 8 e 16, já seriam 28 slams. Sem o Djokovic o Nadal teria mais dois Australian Open 12 e 19, talvez o US Open 11 que ele ia brigar muito com o Federer, Wilmbledon de 11 e 18 e possivelmente Roland Garros de 15. Seriam 26 slams. Se o Federer vencesse a final do US 10 e 11, seria 28 a 25 o placar final, se o Nadal vencesse as duas seria 27 a 26 pro Nadal, se cada um vencesse uma seria 27 a 26 pro Federer.
      No fim das contas o surgimento do Djokovic foi mais vantajoso pro Nadal, claro que isso se o sérvio não passar dos 20 slams o que eu acho que é só questão de tempo, rs.

    3. Jose Yoh

      Caro Barocos, os números doem e a situação é exatamente essa descrita, se correr o bicho pega…

      Mas creio que os Federistas estão na situação dos admiradores do Senna. Independente dos números, sempre terá um fã do esporte e também especialistas que irão considerá-lo o maior de todos os tempos, o jogo mais bonito, etc. Isso não é só uma conclusão lógica, tem fatores emocionais. Tem gente que acha isso de Laver ou Borg até hoje (eu mesmo sou propenso, considerando as diferenças tecnológicas).

      E, depois de algum tempo, quando os recordes do sérvio/espanhol forem aniquilados também (e serão), iremos lembrar como uma época saudosa e inesquecível, que jamais teremos de novo. Daremos risada da nossa perda de tempo com essa futilidade, já que tudo passa…

      1. Barocos

        Jose,

        Nada melhor que risadas por comportamentos infantis (se destituídos de gravidade, claro) e frivolidades. Ainda vamos nos divertir muito com este imbróglio sobre quem é o melhor e as novas gerações irão caçoar de gente, da mesma maneira que fizemos com a que nos precedeu, ainda que talvez sobre outros temas.

        Saúde e paz.

    4. Jonas

      Eu até entendo o torcedor. Os números de Federer eram tidos como inquebráveis.

      Mais de 300 semanas como n1, 20 Slams…quem poderia imaginar que Nadal chegaria tb a 20 Slams ou que jogaria tão bem com 35 anos?

      Djoko é outro que surpreendeu. Quando atingiu o Slam número 12 em Roland Garros, baixou demais o nível e muita gente, me incluo nessa, não acreditava em seu retorno. Aí o sérvio volta em 2018-2019 vencendo três Slams em sequência.

      Acho muito difícil o Federer segurar a dupla. Não sei se o Novak passa dos 20 Slams, mas o Nadal…

      1. Barocos

        Jonas,

        Realmente, o Nadal tem jogado muito e que velocidade para alcançar as bolas mais difíceis! Claro, não é mais tão rápido quando era, mas ainda é mais rápido do que 99,99% dos outros jogadores e bate em velocidade na bola como pouquíssimos conseguem fazê-lo.

        Tomara que o espanhol e o sérvio joguem a semi e que o sérvio desista de usar as curtinhas, o Nadal chega, e bem, em 99% delas. Qualquer dos dois que passar, claro, se confirmarem, não terá vida fácil na final, Zverev, Tsitsipas e Medvedev têm jogado um tênis de altíssimo nível. Claro, só vamos ter uma idéia melhor durante os jogos, já que a qualidade das devoluções, contra-ataques e ataques do Nadal e do Djoko são superiores à qualidade das bolas dos oponentes enfrentados até aqui pelo trio. Um bom indicativo será o jogo de hoje entre o russo e o grego, que pelas condições da quadra e das bolas, pelo horário, deve favorecer o grego.

        Saúde e paz.

  30. maurício

    Boa noite, Dalcim, suas análises são brilhantes, como sempre. Acompanho tênis há mais de 20 anos e vou dar minha humilde opinião sobre a nexgen, considerando como expoentes máximos dela Zverev; Tsitsipas e Medvedev, não os vejo melhores que Murray; Del Potro ou Wawrika, pelo contrário acho que estão num nível de comparação mais real com Tsonga; Ferrer e Berdych. Digo isso para afirmar que o que realmente vai vencer o Big 3 é o tempo, este inexorável fator que subjuga tudo e todos é que realmente vai parar Federe, Nadal e Djoko. Se houvesse uma fórmula mágica que conservasse os três nos respectivos auges duvido que aparecesse um jogador para bate-los. Estes caras surgirem na mesma época é uma probalidade matemática de 01 chance em 100 bilhões, tá mais para providência divina, se eu fosse religioso acreditaria nesta última hipótese, rsrsrs. Daqui a 100 anos, quando nenhum de nós estiver aqui, as pessoas vão falar sobre uma época de ouro do tênis onde três caras fizeram, ao mesmo tempo, façanhas inimagináveis neste esporte. Um abraço e fique em paz, Dalcim.

  31. Dionathan

    Dalcim..
    Você acha que o Berrettini pode oferecer sérios perigos a ponto de vencer Djokovic?
    Sinceramente não consigo imaginar isso.. mesmo ele tendo feito uma boa temporada no saibro.

    1. José Nilton Dalcim

      Acho que ele pode ser competitivo, mas só será uma ameaça se Djokovic jogar abaixo do seu padrão, principalmente se falhar nas devoluções e deixar as bolas mais curtas que favoreçam o ataque do italiano.

  32. DANILO AFONSO

    Dalcim, li na pasta anterior a confunsão acerca da liberação da postagem de um torcedor do Federer que empregou o termo “babaca” em resposta a um comentário de um nolista que provocou gratuitamente o suíço.

    O comentário do nolista realmente foi desnecessário, igualmente outros que já presenciamos aqui voltados a outros tenistas, mas nada comparado ao massacre que vimos aqui no blog no ano passado contra o sérvio.

    Vejamos os termos ofensivos do nolista Chetnik na pasta anterior:

    “desaposentado é o maior ARREGÃO”;
    “aposentado”;
    “essa fraude”;
    “cérebro de geleia”;
    “fujão”;
    “ególatra”;
    “Vai ter o que merece em WB. Isso se o Divino não interceder antes”;
    “São anos demais fazendo mal ao tênis.”

    Agora pergunto: Esse tipo de provocação é tão diferente de outras que presenciamos contra um tal sérvio ??
    Poderia reportar aqui algumas ofensas MUITO mais agressivas contra o sérvio nos últimos meses, mas não acho interessante replicar aqui, pois a maioria dos participantes lembram dos conteúdos e seus recorrentes autores.

    Dalcim, na ocasião você liberou a ofensa justificando:

    “…A postagem em questão foi ofensiva ao tenista e portanto considerei que uma resposta mais dura era cabível. Não houve uma provocação inicial, mas uma reação a uma abordagem agressiva, como já aconteceu outras vezes.”

    Não seria mais fácil ter “cortado o mal pela raiz”, isto é, não ter liberado a postagem do nolista Chetnik hostilizando o Federer, evitando assim que o torcedor deste ofendesse aquele ??? Era óbvio que os torcedores do suíço não deixariam barato. E outro detalhe: a provocação do nolista foi contra o suíço que nem sabe da nossa existência. Já a ofensa do Bruno foi direcionada e nominada, o que bem diferente. Não podia ter passado pela moderação.

    Lembrando Dalcim que há pouco dias você surpreendeu muita gente aqui ao defender de ofício (espontaneamente), por duas vezes, provocações de nolistas contra o Federer, algo que nunca tinha visto, não daquela forma…kkkk

    Não estou aqui em prol do Chetnik e do Luiz Fernando que questionou tal situação, eles sabem se defender, apenas acho interessante que seja despendido INTEGRALMENTE o mesmo tratamento independente das torcidas. Eu imagino que não é fácil.

    Talvez seja interessante que a moderação venha a ser mais rigorosa, podando postagens demasiadamente provocativas e/ou repetitivas. Flexibilizando este tipo de comportamento apenas na “arena” portal de notícias do Tênis Brasil. No primeiro momento o blog pode vir a perder “audiência”, pois muitos participantes realmente se alimentam deste tipo de conteúdo provocativo e ofensivo, mas acredito que posteriormente dará oportunidade e encorajará que outros membros venham a participar efetivamente do blog com conteúdos mais produtivos.

    Saudações Tenísticas !!

    1. Luiz Fernando

      Quem nunca errou q atire a primeira pedra meu caro. Pq vc também não listou as barbaridades postadas pelo outro segmento, inclusive com caras comemorando a cirurgia de apendicite do Nadal? Se quer bancar o moço perfeito, sua indignação não pode ser seletiva nem tentar justificar uma resposta injustificável!!!

      1. DANILO AFONSO

        Luiz Fernando, confesso que não entendi o seu comentário. Em nenhum momento te critiquei, apenas citei seu nome no final do texto porque li que você foi preciso e atento ao questionar o critério de intervenção do Dalcim nos dois casos. No meu texto eu nem adentrei acerca da retificação do seu texto quando você escreveu “bobo”, até porque entende que você não direcionou a palavra a pessoa certa e determinada do blog.
        Se houve alguma critica no meu texto, não foi voltado a sua pessoa Fernando, e sim ao mestre Dalcim que liberou primeiramente a postagem hostil do nolista e posteriormente a ofensa do torcedor do Federer. Não quero a sua inimizade aqui.

        Abs !!

      2. DANILO AFONSO

        Luiz, se possível leia novamente o que escrevi no primeiro texto. Em nenhum momento passou na minha cabeça que você poderia interpretar que meu texto teria alguma passagem te criticando. Escrevi que não estava em prol (defesa) de vocês, já que alguns poderiam pensar assim, e que queria tratamento igual a todas torcidas por parte da moderação.

        Abs !!

    2. Efraim Oliveira

      Tu expressou bem o que pensei da situação. Não vi sentido na moderação do comentário do Fernando, haja visto que por aqui coisas bem piores são publicadas; creio que o termo “bobo” não tem o peso depreciativo que o termo “babaca”. Têm uns comentários tão depreciativos -que em muitos casos nada tem a ver com o tênis- que às vezes me pergunto como pode tais coisas passarem na moderação.

      O esporte vive de rivalidades, de gozações, de provocações, etc. Mas se quando parte pro lado da agressividade aí fica complicado. Já vi casos aqui de ameaçarem ir parar na justiça… se levaram adiante eu não sei.

      Os membros do blog deveriam fazer comentários mais sensatos quando este pende pro lado pessoal.

    3. Jose Yoh

      Danilo, sabendo quem é fake e quem não é, sabendo todo o históricos destes fakes (coisa que não temos conhecimento) e lendo integralmente todas as postagens (que rima com bobagens) escritas aqui, entendo que o Dalcim faz um bom julgamento.
      Entendo também que é quase impossível ser justo em tudo e ele não tem tempo para essas infantilidades. Abs

    4. Gildokson

      Seria tudo mais fácil e tudo menos CHATO se vocês todos levassem as coisas pelo lado da brincadeira e do bom humor. Eu torço contra Nadal e Djokovic sempre por motivos óbvios, não concordo com várias atitudes do sérvio em quadra, mas em momento nenhum chego ao ponto de odiar os 2 e vim aqui escrever de coração como muitos fazem, até pq como você disse nós nem sabemos quem são esses caras no íntimo e eles também nem sabem que existimos (a não ser o Rafael que Nole visualiza alguns stories dele) então é muita besteira o que certos torcedores vem escrever aqui. Alguns chegam até ser ignorantes no q escrevem, como dizer que o backhand de um cara com 103 títulos profissionais é fraquíssimo kkkkkk
      Enfim… acho que está na hora da galera toda dar menos trabalho para o Dalcim e curtir mais, brincar mais, tudo sem ofender pow, o lance de um ser ou não freguês do outro, ter isso oi aquilo a mais que o outro… da pra terminar tdo num simples sarro.

      1. Luiz Fabriciano

        Esse é o espírito: divertir e aprender, mas, muitos não se contentam com isso e partem para a agressividade escrita, já que verbal não conseguem.

      2. Jonas

        O jeito é levar na zoeira mesmo, eu reconheço que já peguei pesado com o Federer aqui.

        Mas na vida real, se o visse pediria um autógrafo com certeza kkk, o mesmo vale pra Djoko e Nadal.

        Eu fico impressionado é quando a merda é escrita de forma séria. Cara, em que mundo o Cuevas tem mais recurso que um dos melhores, talvez o melhor, tenistas da história. Rapaz, é mta merda kkkkk.

  33. Maurício Luís *

    Não basta ao Nadal ganhar em sets diretos. Agora deu pra dar “pneu” de presente pros adversários. Assim fica difícil ‘zoar’ com ele. Tô achando que é por isso que o Lógico sumiu daqui. Fica esperando um tropeço do baloeiro, e o dito cujo não acontece.
    Eu já joguei a toalha. Deviam adiantar o expediente e já dar o caneco pra ele. Aproveita e já dá o do ano que vem também. Dá uns 3 ou 4 adiantado pra ver se ele sossega.
    A Serena definitivamente já não é a mesma. Porém ainda se mantém em alto nivel, ao contrário de tenistas que lhe tiraram a chance do Slam 24 e que agora estão caindo pelas tabelas. Angelique Kerber, Bianca Andreescu com problemas fisicos, Samantha Stosur… e parece que até a Naomi Osaka começa a ter problemas psicológicos. Enquanto a Serena estiver se divertindo, vai continuar. Assim espero.

  34. Efraim Oliveira

    Era pra Roger ter completado a doutrinação nós italianos hoje, mas ele resolveu fugir -talvez de um provável encontro com Novak.

    Iga e Nadal estão com toda pinta de que irão repetir o casal campeão de um slam, e mais que isso, sem perder sets. Eles continuam dando show.

    Sinceramente não acredito em Sinner como um dos grandes no futuro, a não ser que acrescente variação no jogo. É só pancadaria de bolas retas. O Musetti me pareceu ter um futuro mais brilhante, principalmente se melhorar a resistência física. Como joga esse Musetti, que talento, que inteligência!!!

    1. Thiago Silva

      Olha o salto que o Medvedev deu de 2018 pra 2019, isso que já era bem mais velho que o Sinner, o italiano ainda tem muita margem pra evolução.

    2. Sérgio Ribeiro

      Chegastes bem nestas bandas , caro Efraim. Mas já voltastes a realidade do face TênisBrasil rs . Se conhecesses um pouquinho do Esporte saberias qual a realidade atual de Roger Federer. A partir do momento que vem com o papinho de fuga de Novak e que JANNIK SINNER promete pouco , na boa , és mais do mesmo. Mas vai se soltando pra gente rir mais … rs . Abs!

      1. Efraim Oliveira

        Frequento o blog há uns doze anos, só não costumo comentar tanto. E sim, claramente Roger fugiu de um possível encontro com Novak. Nunca é de mais lembrar o que ocorreu no Finals. Enfim, eu não vou te convencer que sim, e nem você vai me convencer que não. Abraço.

  35. Júlio César

    Dalcim,
    Em uma hipotética (provável)semi entre Djokovic x Nadal está mais pra quem? Qual a porcentagem?Ah…Só tendo um pouco de audácia para discordar um pouco de vc,não acho que a palavra correta seja oscilação,no sentido de vacilo do Nadal, pois se não fosse a “oscilação ” seria 6×0,6×1,6×0.
    Forte abraço e obrigado pelo espaço.

    1. José Nilton Dalcim

      Oscilar me parece a palavra correta, Júlio, para tentar mostrar que um tenista vem num domínio grande, de repente cai e perde dois games de saque consecutivos e depois retoma uma sequência de oito games. Acho que Nadal tem o favoritismo natural e não acredito que ele se desgaste com o Diego a ponto de ter algum abalo na sua confiança. Abs!

  36. Davi Poiani

    Salve Dalcim! Estava hoje acompanhando o finalzinho da transmissão do dia pelo Sportv, quando ouvi o Eusebio Resende recomendar um documentário que passaria a seguir, que se chama Building the Legend: Roland Garros. E bem que o Eusebio disse, é um documentário belíssimo, muito bem produzido. Há trechos de entrevistas com várias lendas tais como Wilander, Noah, Kuerten, Nadal, Justin Henin, Mary Pierce, dentre outros, mesclando com cenas de partidas históricas e o pano de fundo da reforma do complexo de Roland Garros nos últimos anos, com a renovação da Philippe Chatrier, a colocação do teto retrátil, e mostram até alguns dos desafios da construção da nova quadra Simone Mathieu. Que torneio, história e depoimentos magníficos!! Vale muito a pena assistir.

  37. rafael

    Mais um belo texto! Como é bom aguardar esse blog pós rodada! Parabéns!
    Mestre, depois desse susto e luta contro o Musseti, eu acredito que contra o Berrettini o Djoko entrará mais focado e ganhará com mais facilidade do que esperam. Até porque o jogo do Berrettini é mais afeito aonDjojo. Concorda?

    1. José Nilton Dalcim

      São jogos bem diferentes, Rafael. Talvez o Djoko tenha ficado um pouco surpreso com o jogo e a tática bem cumprida pelo Musetti. Já do Berrettini ele sabe exatamente o que esperar e acredito que ficará bem atento desde o começo.

  38. Gildokson

    Musetti sentiu algo neh, estava de parabéns até então, mas infelizmente aconteceu uma coisa que não consigo compreender que é um garoto de 19 anos se acabar assim durante um jogo. Cadê o físico dessa rapaziada??
    Ja o Sinner… deu sinais de que será mais um mediano, e claro que quando digo mediano é em comparação com os grandes.

    1. Sandro

      Medo, pânico, Kganera, desespero, tremeu nasbases, amarelou, etc… Foi isso que aconteceu com o Musetti!
      Não adianta jogar MUITO BEM, não pode ser MEDROSO!!!
      Afinal quem está do outro lado é o fenômeno Djokovic…

    2. WILLIAM ALMEIDA

      Sinner é muita porrada e pouca variação, precisa melhorar a transição para rede e os drop shots . O Musetti no meu entendimento tem mais sutileza e recursos comparado ao Sinner, pena que não está pronto fisicamente para os duelos de 5 sets.

  39. Paulo F.

    Chetnik:
    A galhofa de Roger Federer sobre Novak Djokovic teve o seu “aqui se faz, aqui se paga” ao fim do próprio AO 2009. com o patético choro ao levar mais um pau na final do seu mestre espanhol.

    1. Chetnik

      Boa lembrança, Paulo. Mas eu sou Chetnik, quero mais. Esse cara ainda vai passar muita vergonha antes de se aposentar. E eu vou estar sempre aqui para pisar.

      1. David Lopes

        Pode pisar Chatonik, se isso alivia o teu ódio. O teu querido Novak também será pisado, ou você acha que ele não vai envelhecer?

    2. André Barcellos

      Em 2009 Federer perdeu em 5 duríssimos sets.
      Estava para completar o Carreer Slam e bater o recorde geral. Essa pressão mexia com seu emocional.
      Perdeu para o Nadal nessas condições é ainda ter de dar entrevista foi muito doloroso e ele não conseguiu se segurar.
      Mas completou o Career Slam, bateu o recorde e ganhou do Nadal numa final de 5 sets no mesmo torneio.
      Uma bela história de um cara que não foge, mas teve sucessivamente que provar inúmeras vezes que pode.

      Agora tem o declínio da carreira. Realmente Muita vergonha passar 1 ano e meio sem jogar e, longe de seu piso predileto, chegar a oitavas no primeiro Slam.
      Rsrsrs

      Ai me vejo passando recibo sobre essa afirmações apenas pra pontuar para quem não lembra direito das coisas, porque não vale a pena querer demonstrar nada para certos nichos do blog.

  40. Periferia

    Eu até tento…mas é difícil torcer contra os favoritos nos slam(s)
    Quando vc pensa que o Musetti vai…..não vai.
    Quando vc pensa que o Sinner vai……não vai.
    Quando vc pensa que Tsitsipas vai….ainda na foi.
    Quando vc pensa que o Zverev vai….ainda não foi
    Quando vc pensa que o Medvedev vai….ainda não foi

    Enquanto isso…

    Djokovic e Nadal caminham serelepes (ainda sem cadeira de rodas…apenas de bengala).

    1. Sérgio Ribeiro

      Eles caminham serelepes até a Semi , caro Periferia . Aí se separam e um dos esperados da Nova geração estará na grande FINAL de RG 2021 . Lembrando que no AOPEN 2021 quem apareceu na FINAL foi MEDVEDEV . O Touro Miura caiu nas Quartas para Stef TSITSIPAS. Abs!

    2. Thiago Silva

      Em vez de ficar torcendo contra devia se conformar que o tempo do seu favorito já passou e os outros dois tão mais aptos pra bater os recordes dele.

      1. Periferia

        Ola Thiago

        Aqui na periferia não temos favoritos.
        Temos “gosto”…gostamos mais “daquilo” do que “disso”.
        Quem tem favorito é fã.
        É apenas um texto.
        (Vc chorou na copa????)

    3. Danilo BR

      Simples entender o que acontece no circuito masculino: é o choque entre a velha e mais robusta “geração geléia de mocotó” (Rafa, Nole, Roger) contra as gerações “toddynho” (Zverev, Thiem, Medvedev, Kyrgios, Tsitsipas) e chegando tb a geração “nutella” (Musetti, Sinner, Wild, Alcaraz)… não adianta torcer contra a geração “geléia de mocotó ” contra essa meninada mal nutrida. Resumindo: Nadal e Djoko vão permanecer ganhando os Grand Slams até os 45 anos, se mantiverem saúde e motivação.

  41. Luiz Evandro

    Discordando um pouco do blog, hoje eu vi um Djokovic totalmente errático nos dois primeiros sets e só não foi pra casa TALVEZ por uma lesão do Mussetti. Afinal, quando realmente o Mussetti começou a sentir câimbras e dor na lombar? Ninguém sabe, pois isso não foi dito na coletiva. Se foi no terceiro set, o mérito da virada do Djokovic é muito menor. Já em relação ao Nadal, vi ele jogando muito bem no segundo e terceiro set. Só correu riscos no primeiro set.

    1. Sandro

      Os 2 primeiros sets em 7/6, 7/6 com o Musetti jogando o melhor tênis da sua vida e você vem dizer que Djokovic foi errático???
      Mas não foi errático mesmo!!!
      Errático foi o Musetti do terceiro set diante, quando entrou em PÂNICO TOTAL!!!

      1. Luiz Evandro

        Isso na sua opinião Sandro….. haja paciência na Internet hoje em dia.
        Sua opinião pra mim pouca importa (ou nada).

  42. Weslei

    Sets perdidos pelo Nadal em RG:

    Novak Djokovic 7
    Roger Federer 4
    Robin Soderling 3
    John Isner 2
    Sebastien Grosjean 1
    Mariano Puerta 1
    Paul Henri Mathieu 1
    Lleyton Hewitt 1
    Daniel Brands 1
    Martin Klizan 1
    David Ferrer 1
    Jack Sock 1
    Diego Sebastian Schwartzman 1
    David Goffin 1
    Dominic Thiem 1

    O Nadal só disputou 2 jogos que foram ao 5º set:

    John Isner 2011
    Novak Djokovic 2013

  43. Nattan Labatto

    Era pra ter a função curtir para que alguns comentários primorosos fossem curtidos. Um nobre colega foi cirúrgico na análise do jogo do Novak contra o Musseti e compartilho do mesmo ponto de vista/análise que o dele. Bem, Djoko entrou errante e mais nervoso que o habitual, e viu um adversário habilidoso e inspirado do outro lado e mesmo assim levou os dois sets para o tie break. Só que o Nole não é conhecido como regicida, toureiro, comedor de fígados, domador de leões e touros a toa, o cara conhece como poucos as nuances de uma partida de 5 sets e assim fez valer a experiência, o talento, o físico e o mental. Quando encaixou as peças massacrou e só não deu uma bicicleta pq o italiano fez o papelão de abandonar a partida.

    Enfim, faltam 3 e nesses três tem o Everest Rafael Nadal.

    Abs.

    1. Paulo F.

      Nadal está mais para K2 ou para a face sul do Aconcágua, Nathan.
      (De novo não consultei o Google, Bruno)

    2. Sérgio Ribeiro

      Papelão ??? . Na boa , caro Nattan. A turma do face TênisBrasil com certeza se sobrepõe a da Kombi . Postou sem ler o Post do Dalcim ?. O cara estava sem a menor condição. Na sua idade Novak largava jogos a dar com o pau … E vimos como o “ goat “ doma Touros em RG kkkkkkkkkkkkkk. Abs!

      1. Nattan Labatto

        Kkkkkkkk

        De fato, o Nole abandonou vários jogos no início de carreira, e eu acho isso um desrespeito com o adversário e com p público pagante. Por isso mantenho a posição de que foi um papelão por parte do italiano, pois um abandono só se justifica com lesão. O Mussetti alegou cãibra e dor na lombar, ora ora, onde já se viu isso. Terminava os dois games restante, tomava a bicicleta e vida que segue!

      1. Nattan Labatto

        Mas se perder para o Nadal, não será para qualquer um, Rodrigo. Será para o Rei do Saibro… Se cair, será de pé, contudo, me mantenho firme e forte em crê na resiliência do sérvio.

  44. Luiz Fernando

    Dalcim veja q curiosidade, se verídico, claro: os caras com mais pneus aplicados em um GS específico, com dois dos seis citados ainda em atividade:
    J. Connors 22 US Open
    R. Nadal 22 RG
    B. Borg 20 RG
    G. Vilas 20 RG
    I. Lendl 20 US Open
    R. Federer 17 Aussie Open
    Source: EssentiallySports by Anshul Singh

    Quando fui ler isso imaginei ver Federer em W e não no AO…

    1. Chetnik

      É que em WB o saque se impõe mais. Fica mais complicado. Não é coincidência que tenha muito em RG, onde o saque é “anulado”.

  45. Evaldo Aparecido Moreira

    Boa noite
    Olha se não fosse a questão física , lógico , faltou experiência ao Musetti , com certeza com esses dois ingredientes , ele já teria despachado o serviço , fato.
    E mesmo se não fosse a experiência , mas com plano o tático dele e plano de jogo bem feito, Lorenzo teria ganhado , mesmo na dureza , teria sim ganhado, não é ilusão , quem viu o jogo , sabe do que eu estou falando.
    Bom o Sinner, dispensa comentário, tem muita a melhorar , mas muito mesmo, fez escolha errada em alguns pontos, o saque não entrou , e ainda deixou o cara quebrar e virar?. Sinner nao é essa coisa toda que falam , bom tenista , com recursos bons, o Piatti vai ter trabalhar muito nesse jovem ainda.

    1. Sandro

      Musetti não teriaganhado nada!!!
      Você viu mesmo o jogo???
      Musetti ganhou os 2 primeiros sets num SUFOCO TREMENDO, jogando nos 220 volts, e mesmo assim só ganhou na CONTA DO CHÁ!!!
      No terceiro set Musetti apesar de MUITO mais jovem, estava ACABADO, EXAURIDO, com medo, em pânico!!!
      Esse Musetti nunca ganharia esse jogo!!!

    2. Luiz Fabriciano

      Interessante que o Sinner até ontem era a maior promessa da nova nova geração.
      Hoje, está cheio de “não é nada”.
      Continuo achando que é.

    1. José Nilton Dalcim

      Era muito importante para ele ganhar aquele primeiro set, mas sinceramente não acredito que ele conseguiria mais do que isso, Marco. Ainda falta consistência nos golpes, primeiro saque mais contundente e transição mais constante à rede. Ele fica muito pregado na base.

      1. Marco

        Perfeito, Mestre. Você já havia dito que ele não tiraria mais do que um set do Nadal. Falta ímpeto ao garoto, não acha?

        O Sinner lembra na aparência física o Guga. Mas a semelhança acaba aí. Falta-lhe o ímpeto que o Guga tinha de sobra. Eu que sou contemporâneo dele, me lembro como se fosse hoje do quanto ele era destemido. 3 sets a 2 contra Muster, Medvedev e Kafelnikov em sequência na campanha dele em RG em 97. Na final varreu o grande Bruguera em quadra. 3 sets a zero. Um vareio no espanhol. Assombrou o mundo.

        Que saudades desse tempo, não Dalça?!?

        1. José Nilton Dalcim

          Nem me fale, Marco! Foram tempos magníficos para o tênis brasileiro, já que podíamos sonhar com grandes títulos quase toda a semana. Realmente, não dá para comparar o Sinner com ele. Falta pegada ao italiano, ainda que seja um grande tenista e tenha muito a crescer ainda.

  46. Lucas Leite

    Parabéns pelo texto, mestre Dalcim!

    O que você acredita que seria a chave para o grego vencer o russo amanhã?

    E mais uma coisa, não é só a russa Pavlyuchenkova que está nas QF de duplas, na verdade ela está nas quartas jogando ao lado da própria Rybakina, sua próxima rival em simples. (Risos)

    Abraço!

    1. José Nilton Dalcim

      Vou completar no texto, obrigado, Lucas! Acho que a chave e ele conseguir variar bem o backhand e arriscar algumas paralelas na hora certa para tirar o balanço do russo. O piso deve estar lento, então será preciso paciência e tentar tirar Medvedev lá do fundão.

  47. Luiz Fernando

    Depois daquela derrota do Rafa pra aquele belga baixinho na primeira rodada de W2013 aprendi que mesmo nestes esportes individuais de alto desempenho nada é garantido, mas sinceramente não consigo ver o espanhol derrotado na quarta feira. Mas creio q o risco p ele é outro: um eventual desgaste exagerado. Esse argentino é sempre encardido contra ele e um jogo muito longo, de mais de 3.5 hs, seria nefasto p Nadal, pois vejo o sérvio hj melhor fisicamente do q ele. Para Rafa na quarta não basta vencer, precisa vencer bem e acima de tudo em 3 sets. Outro detalhe: qual dos dois (Rafa ou Djoko, óbvio) fará a sessão noturna? Um jogo longo a noite é tudo q ambos não querem, mesmo voltando a quadra apenas na sexta…

    1. José Alves Aragão

      Acho que vão deixar o Nadal na sessão noturna mesmo . Lembro bem da derrota do Steve Darcis em 2013 e até hoje não entendi essa derrota Luiz . O Nadal venceu 5 masters mil e 2 GS em 2013 jogando em altíssimo nível ao longo da temporada chegando até a final do próprio Finals perdendo pro Djokovic. A Derrota em Wimbledon pro Darcis foi um jogo fora da curva

  48. Rubens Leme

    Para quem gosta de documentários, este da BBC sobre John McEnroe, Still Rockin’ At 60 (https://www.youtube.com/watch?v=oivZ78bGai0) é excelente e traz dois momentos que nunca havia visto: quando uma banda de hip hop de nome The Brat participa do programa britânico Top of the Pops (o Globo de Ouro de lá, se alguém aí sabe do que estou falando), com o hit “Chalky Dust” (https://www.youtube.com/watch?v=dy8h0eyokAo), uma paródia das reclamações de Mac quando a bola tocava na linha (a marca de giz) e o juiz cantava fora.

    A outra é de cortar o coração, no enterro de Vitas Gerulaitis, quando ele, Borg (de rabo de cavalo) e Connors carregam o caixão e, por alguns segundos, se abraçam e se consolam mutuamente (a partir do minuto 24).

    Quem disse que eles se odiavam o tempo todo?

    John é uma grande alma, um ser humano espetacular e uma pessoa maravilhosa de se entrevistar.

  49. Roberto Wagner Marques

    Uma curiosidade é que Rybakina e Pavlynchenkova se enfrentam em simples e são companheiras de duplas em RG.

  50. Sandra

    Dalcim, desculpe minha ignorância, mas excesso de slice em uma partida pode desgastar o físico como o Mussetti se desgastou hoje ?

  51. ALEXANDRE ADORNO DA CUNHA

    Dalcim minhas %:
    russo e grego 50-50 (dá pra acontecer de td ai)
    Nadal 80-Pepe 20
    Djoko 75-Berretini 25
    acha boa estas %?

  52. Leonardo Fagundes

    Excelente material do Big 2 e a aula de consistencia. Hoja a Ana Silva fez um comentario muito divertido, abro aspas “Vc pensa um tem 20. O outro tem 35. O de 35 no final vai estar morrendo de cansado. Mas é o contrário….????” . É incrivel o que faz o Big 2 com essa idade, especialmente em Grand Slam. Deixa a garotada bater, vir com toda a intensidade, e no momento critico volta a dominar o jogo, em todos os aspectos, fisico, técnico e principalmente mental. Claro que os jovens vão aprender com a experiencia e em algum momento vão ser eles controlando o ritmo dos jogos de Grand Slam, cansando os adversarios, não só fisica, como mentalmente. Mas tenho para mim que a exemplo do que está passando com Federer, o Big 2 não será desbancado pela nova geração, será desbancado pelas proprias limitações fisicas decorrentes da idade, em algum momento dos proximos 2, maximo 3 anos.

    1. Efraim Oliveira

      Saretta brincou fazendo uma comparação com os ‘gatos’ que geralmente se vê no futebol, onde o atleta adúltera a idade pra se passar por mais novo; ele disseque no caso de Nadal é o contrário, ele põe uma idade mais velha mas tem o corpo mais jovem. Realmente, parece que ele tem mais fôlego que os mais novos.

  53. AKC

    Posso estar julgando errado, mas achei que o Musetti caiu na tentação de pensar que o jogo estava ganho. Não tive essa impressão que ele estava cansado não. O Djoko subiu de nível, passou a errar nada. O italiano perdeu um game de saque, outro, outro e aí se perdeu. Saiu do jogo. Pra mim foi puro mental. De repente, viu que não apenas não ia ganhar, mas que ia ser massacrado. Entrou em parafuso. Pode até ter tido algum problema físico no quinto set, mas no terceiro e quarto não deu um sinal sequer de desconforto físico, apenas mental. Gênio, Djoko entrou na mente do italiano. O italiano tem futuro, essa derrota pode ensinar muitas coisas.

    1. Paulo Almeida

      Não, sua análise foi perfeita.

      Djoko destruiu o Musetti muito mais mental do que fisicamente com sua subida enorme de nível a partir do terceiro set.

    1. José Nilton Dalcim

      Imagino que o Medvedev vai tentar metralhar o backhand dele e usar paralelas como variação. Tsitsipas sabe que o lado mais frágil do russo é o forehand em deslocamento, quando geralmente ele usa um gancho e deixa a bola mais lenta ou mais curta. É por ali também que o grego deve ir mais à rede. Vi o russo dando muita deixadinha de backhand e acredito que ele vá usar bastante isso porque é provável que o grego tenta fugir da esquerda para bater com o forehand e vai estar geralmente pronto para um backhand pesado e cumprido. Vai ser um duelo tático interessante.

  54. Paulo Almeida

    Os desculpistas esfarrapados PIRAM com o que o Djokovic faz na tal “idade da decomposição física”. Quando se viu em apuros, ligou o turbo e praticamente aplicou um triciclo no garotão, sendo aquele ponto deitado o mais emblemático!

    Vida longa ao Serbinator!

    1. Paulo Almeida

      Djoko também fez mais winners nos sets em que foi derrotado, logo foi o vencedor moral de ambos. ??????

      Dessa vez, o clã xiita só pode comemorar o slice mais plástico do Musetti mesmo, mas creio que o do Evans incomodou mais.

      1. Chetnik

        Venceu sob os 2 critérios do blog. Mas é claro que o número de winners é o critério mais importante.

  55. Cassio Carvalho

    Maravilho RG2021. A diversão vai aumentando. Valeu pelo texto, Dalcim. Sempre é aula! Gostaria de fazer uma pergunta sobre o seu texto. Perdão se é alguma coisa que já falou muitas vezes antes. A pergunta é: Você saberia explicar porque uma bola sem peso no meio é incomodo pro Novak. Prum tenista de domingo, justamente não é a bola mais convidativa? Muioto obrigado pelo seu trabalho de sempre!

    1. José Nilton Dalcim

      Djokovic gosta de usar o peso da bola adversária, já que se posiciona mais perto da linha. Quando obrigado a gerar a força para bater, qualquer tenista sente maior dificuldade, porque não é uma bola qualquer, mas uma bola funda e alta. É difícil usar o peso ou ser agressivo.

  56. sander

    Dalcim, parabéns pela ótima matéria, como sempre. Um pergunta pertinente ao big 02: como vc acha que fica a cabeça do Nadal e Nole a partir de agora quando se encontrarem em uma final ou semifinal de slam? Quem lidaria melhor com o pensamento: “se ele ganhar (nole pensando), vou ficar mais distante do recorde dele” e “se ele ganhar (agora, nadal pensando) , pode me passar em breve”. Falo pouco aqui, rsrs, mas agora tenho uma trilogia de questões rsrs:
    1) Nole provavelment sentirá mais peso que Nadal nessa situação?
    2) De 0 a 10, qual seria o nível de impacto na parte mental (falando-se em influenciar o resultado – pra negativo ou positivo) de um ou de outro caso ocorra esse evento?
    3) Nole sucumbirá ao “efeito serena” quando – e se – chegar a igualar Federer e Rafa, não conseguindo ganhar mais um slam para o desempate?

    Pergunto pq, me imaginando nessa situação, a aflição já bate e haja clonazepam… abraços tenísticos…

    1. José Nilton Dalcim

      Olha, Sander, não acho que eles estejam preocupados com o recorde, mas com o título em si. Djokovic principalmente sabe que tem mais tempo para chegar aos 20 ou aos 21, Nadal talvez fique mais pressionado por saber que suas chances são menores. Mas não acredito que isso vá passar pela cabeça dele, e sim a vitória em Roma dias trás ou a de 2020. Esse tipo de atleta pensa sempre na parte positiva, não tenta deixar pressões ou pensamentos duvidosos interferirem. Acho que Nole pensa algo como “vou ganhar dele de novo em Paris”, enquanto Nadal deve pensar “eu sou o rei aqui”… rsrs… Mas sim, o mental tem tudo a ver, porque tecnica e taticamente haverá pouca novidades. Por fim, quanto ao Djoko, não acredito que ele ainda esteja nessa situação de tamanha ansiedade, como é o caso da Serena, vendo tantas concorrentes acima dela na idade e na qualidade. ABração!

    2. Leonardo Fagundes

      Sander, considerando a grande probabilidade de ambos ganharem o proximo jogo, acho jogar a semi não é ruim para nenhum dos dois. Djokovic provavelmente jogará mais solto contra Nadal em uma semi que em uma final. Nadal, nas condições normais se favorece nas finais, mas nesse caso espedificamente o titulo vale o record de 21GS e ampliar essa marca que já é unica de 13 para 14. Mas no final acho que Dacim está certo, ambos são muito experientes e sabem gerenciar bem as pressões. Eu preferia verlos em uma final, mas uma semi entre esses monstros será igualmente incrivel. E do outro lado vamos poder ver um Tsisipas, um Medvedev, um Zverev em uma final, ou um improvavel Fokina em uma final.

  57. Sandra

    Dalcim, sei que você não vai gostar do que vou escrever, mas sou obrigada, a famosa teoria da conspiração, 1- o sorteio que beneficiou o grego, 2- no blog anterior vc comentou que se o grego jogasse de noite seria beneficiado por causa do piso, e dito e feito, 3- sei que você por ser um jornalista imparcial, graças a Deus, não confirmaria isso, mas o técnico da Serena tem alguma influência em Roland Garros? Você não vê esse tipo de coisa nos outros 3 slams! E por fim, me lembrei de um blog seu, em que você comentava que Djokovic era o Rei dos tie breaks, acho que depois de hoje deixou de ser ,rssss

    1. José Nilton Dalcim

      Verdade, Sandra, hoje o Musetti foi incrível nos dois tiebreaks. Acho que a questão básica no caso dessa programação é simples: melhor jogo do dia, portanto tinha que ir para a noite e passar na TV local em horário nobre.

  58. Julio Marinho

    Boa noite, Dalcim!
    Há muitos anos fomos consolidando algo no circuito de tênis, que virou um tabu, um mito, e por evidência, uma verdade praticamente incontestável.
    Enquanto Nadal puder correr, ele é imbatível em Roland Garros. Sei que perdeu para o Soderling e para a Djokovic, mas parece serem hipóteses tão excepcionais, que mais entram no acaso.
    Com o passar dos anos, ele sempre se fortaleceu em Roland Garros e nos últimos anos, mesmo quando a temporada europeia não era tão dominante como antigamente.
    Quando o vejo contra o Sinner, dá até certa pena. O Sinner, ótimo jogador, não tem a menor chance. Perdem na técnica, no físico, no mental. Me parece virtualmente impossível ganhar pontos pelo forehand do Nadal e qualquer bola mais curta o ponto termina com a confiança que adquire para definir bo forehand. Mesmo quando atacado fortemente, consegue o giro e a profundidade para manter-se no ponto até a definição. Pelo back o caminho é ingrato, porque mantém os slices fundos que o fazem retomar a quadra. E se tem tempo, acelera o back cruzado que já o faz tomar dianteira no ponto. Vir para a rede? Vai tomar muita passadas ou lobs defensivos. Chame para a rede, a velocidade dele é incrível para empurrar a bola e fechar a rede. Se o lobarem, ele tem energia o suficiente para voltar e arrumar alguma forma de voltar ao ponto e continuar seu incrível trabalho defensivo. Saque forte nem precisa falar que ele vai colar no juiz de linha e enroscar ainda mais a bola. E tudo isso, sem falar que se algo não estiver perfeitamente bem, ele não vai desistir por um segundo sequer tornando um inferno para o adversário pensar em dividir 5 sets na quadra com ele. Será que o ótimo momento de Tsitsipas, a máquina que é Djokovic ou a imprevisibilidade de Medvedev, mesmo em seus melhores dias possuem mesmo alguma chance contra a maior perfeição de um jogador em um torneio? Abraço!

    1. André Barcellos

      Excelente análise. Realmente o tenista tem que ser incrivelmente forte, preciso, tático e resistente durante um longo período de tempo.
      É como disse o Federer já em 2017. Ganhar do Nadal é como escalar uma montanha.
      No saibro então…

  59. Vitor Hugo

    Pena que o italiano sentiu problemas físicos, caso contrário venceria em 3 sets.
    Mas ficou evidente o abismo de variação e habilidade do garoto para o cotonete. Tem futuro sim!
    Aliás me atrevo a dizer que o slice do Musseti é tão bom quanto o do Federer. Acha exagero, Dalcim?

    1. José Nilton Dalcim

      Acho engraçado um tenista ganhar dois tiebreaks do outro e você achar que existe um ‘abismo’… rsrs… Quanto ao slice do Musetti, acho bom, sim. Mas gostei mesmo foi da firmeza do tospin, incluindo dois lances muito difíceis na paralela que ele fez. É um jogador que tem tudo para brilhar em pouco tempo.

      1. Julio Cesar

        É que há uma insistência de alguns frequentadores do blog de diminuir as capacidades ou habilidades técnicas do tenista Djokovic. Então sempre utilizam desse tipo de falácia, quando se torna apenas argumento ad hominem, sem nenhum tipo de comprovação.

  60. LION

    Esse GS é muito engraçado. Você chega a notar tanto nos jogadores quanto nos que torcem contra Nadal um clima de “A Espera de Um Milagre”. Kkkk. É o treco mais humilhante da história de todos os esportes. Ninguém consegue sequer vislumbrar a mínima chance de alguém batê-lo lá. Djokovic, por exemplo, se jogar do jeito que jogou hoje vai ser fumado mais uma vez. Esqueçam amigos nolistas, não há nenhuma possibilidade. A direita do Djokovic no saibro não tem a potência necessária para fazer sequer cócegas em Nadal. É um forehand excessivamente complacente e cadenciado. Nadal coloca a sela e monta sem dó. Sem contar essa esquisitice do Nole de ter o jogo muito abalado por condições climáticas desfavoráveis, como vento e calor. Ventou e teve calor, o jogo do homem desaparece. Nadal 21 é só uma questão de alguns dias…

  61. Dário

    Dalcim,

    Comentário que fiz no post de ontem, durante o jogo de Nadal hoje:
    O saque dele está muito lento no torneio. Pode ser um complicador para os jogos mais pesados com bons rebatedores como Schwartzmann e principalmente, nas semis com Djokovic ou em uma final contra Zverev ou Tsitsipas onde a quebra do adversário será mais complicada?

    1. José Nilton Dalcim

      Verdade, Dário, mas o mesmo aconteceu em Roma e na final contra o Djokovic ele sacou melhor e o sérvio não conseguiu se aproveitar dos momentos de queda do seu serviço.

  62. JAN DIAS

    O problema do SINNER é que ele é um italiano “falsificado”!! não tem sangue nos olhos… É um baita SANGUE GELADO!!☃️❄❄❄

    E UM MENTAL FRACO…

  63. Bruno Giordano

    Gosto do fato de você, Dalcim, deixar claro que, hoje, Djokovic e Nadal estão, ao menos, um patamar acima de Federer, sem desmerecer nem um pouco a história deste,mas, infelizmente, o tempo vai derrotando os grandes e o Federer está nesse ciclo. O Big 2 , como você citou, seguramente segue a passos firmes rumo a semi e não vejo Dieguito e Berrettini como tenistas consistentes o suficiente para parar os dois. Teremos, se nada sair do plano, uma semi final para la de histórica, que oporá aquele que busca o seu 21GS contra aquele que deixaria uma marca monstruosa em sua galeria se vencesse o maior de todos do saibro, na sua casa, impedindo ainda de atingir a supremacia de GS. Temos tudo para sermos premiados com um jogo único.

  64. Luiz Henrique

    Olha só que interessante, a título de curiosidade:

    1º série de Nadal em RG, 2005 a 2008: 7 sets perdidos

    2º série de Nadal em RG, 2010 a 2014: 10 sets perdidos

    3º série de Nadal em RG, 2017 A 2021: até o momento 3 sets perdidos

    O cara está mesmo mais vulnerável do que nunca!!!!!

    No saibro em geral tb não caiu tanto assim em relação ao período anterior
    De 2010 a 2014 foram 3 títulos de MC, 3 de BC, 3 de Roma, 2 em Madri. De 2017 a 2021 foram 2 MC, 3 BC, 3 Roma, 1 Madri. Foi menos nessa série, mas não tão menos assim

    Sobre o assunto do Berretini levar vantagem no WO, acho bem relativo
    Inclusive há 10 anos, Djoko teve WO nas quartas, Federer jogou, E na semi Federer venceu Djoko
    Não sei se é tão vantajoso assim

  65. JAN DIAS

    Minha aposta pra final de RG: ⚾️

    DJOKOVIC x MEDVEDEV

    PESSANHA, por favor faz uma aposta pra mim…?

Comentários fechados.