Juventude italiana desafia o Big 3
Por José Nilton Dalcim
5 de junho de 2021 às 20:05

A nova e tão promissora geração do tênis italiano terá um desafio espetacular em plenas oitavas de final de Roland Garros. O emergente Lorenzo Musetti, 19 anos, testará seu jogo versátil diante do número 1 do mundo com cinco finais e um título no torneio, enquanto o já consagrado top 10 Matteo Berrettini usará seu tênis-força contra um dos recordistas de Grand Slam que também soma quatro vices e um troféu em Paris. E se não fosse o bastante, a admirável solidez física e mental da sensação Jannik Sinner tentará impor a terceira derrota sobre quem já ganhou 103 vezes e faturou 13 troféus. Convenhamos: isso não é rodada para acontecer numa segunda-feira.

Djokovic brilha de novo – É bem verdade que faltam força e jeito a Ricardas Berankis, mas a atuação de Novak Djokovic neste sábado foi assustadoramente consistente. O sérvio experimentou todas suas diversas armas, como a avaliar como anda seu arsenal, e deu quase tudo certo. Passou duas horas com saque afiado, sem ceder break-point, e alternando devoluções tanto em velocidade como em direção. Claro que Musetti e seu time devem saber o que o espera. O garoto joga seu primeiro Slam e tirou David Goffin e Marco Cecchinato com empenho e competência. É leve para flutuar no saibro, disfarça bem o backhand e mescla o saque, ora a 201 km/h, ora de venenoso slice. Não se espera surpresa, mas sim um jogo bem divertido.

Nadal oscila sem sustos – Não foi aquela exibição de Rafa Nadal, principalmente quando se sabe que Cameron Norrie é pouco expressivo sobre o saibro. Mas talvez o fato de encarar um canhoto tenha trazido algumas dúvidas ao espanhol, que fez um segundo set bem aquém do seu padrão. Perdeu dois serviços, ficou 1/3 atrás e na hora de fechar o set quase se enrolou de novo. Experiente e muito superior, teve tempo de sobra para se recuperar, mas terminou um jogo que deveria ter sido mais fácil com 29 erros. Deve ter ido treinar depois. Sinner já cruzou duas vezes com o megacampeão e perdeu os cinco sets, incluindo as quartas de final de Paris no ano passado. Acredita-se mostrar agora menos buracos no seu jogo e certamente Rafa não poderá dar tantas brechas. E ele, que cansou de treinar com o italiano em Melbourne em fevereiro, estará atento a isso.

Federer ganha na marra – Apesar de não ter sido nem de longe o melhor de Roger Federer sequer sobre o saibro, a suadíssima vitória sobre o canhoto Dominik Koepfer serviu para mostrar que o suíço está resistente, ainda que mais lento, e acima de tudo o espírito de luta permanece lá. Seu desconforto com o piso muito mais lento do que experimentara nas rodadas diurnas ficou evidente e a princípio não abandonou a ideia de bater na bola. Mas o adversário foi consistente, com um backhand sólido e muita perna, e a escolha de golpes de Federer pareceu muitas vezes imprópria, sem falar na execução falha de voleios, slices e deixadinhas. Não desistiu e continuou tentando, até mesmo quando se viu uma quebra atrás no terceiro set que parecia ter gerado algum desânimo. A vitória então veio na marra. Se Federer queria jogar no saibro para ganhar horas de quadra, hoje foi perfeito. Berrettini entra com favoritismo natural. Está em ótima forma e é muito perigoso quando consegue jogar com o saque-forehand. Se estiver ainda com forças, Federer terá de estar muito firme nas devoluções e explorar ao máximo o backhand instável do número 9.

Schwartzman reage – Excelente jogador de saibro, Diego Schwartzman andou meio apagado depois do título em Buenos Aires e sumiu na terra europeia. Porém jamais pode ser menosprezado. Venceu seus três jogos por sets diretos, algo interessante já que vive certa pressão para repetir a semi de 2020, e tem uma chance real de retornar às quartas, ainda que Jan-Lennard Struff seja um jogador perigoso, ainda mais se o piso estiver um pouco mais veloz, como tem acontecido nos jogos diurnos. Fizeram apenas dois jogos: argentino venceu em Monte Carlo-2017 e alemão ganhou na final da Davis-2019.

Switek e Kenin: reencontro se aproxima
O primeiro grande duelo da chave feminina está bem perto de acontecer. Iga Swiatek e Sofia Kenin irão repetir a final do ano passado caso vençam seus jogos de oitavas de final na segunda-feira. E o reencontro ficou mais interessante depois do que cada uma fez.

Swiatek passou a maior parte do primeiro set atrás de Anett Kontaveit, num jogo de qualidade entre duas tenistas que buscavam definir os pontos. Só conseguiu abrir distância no tiebreak e aí disparou no placar, ainda que o segundo set tenha tido vários games bem disputados. Faz 10 jogos que a polonesa não perde set no torneio e assim é super favorita contra a também adolescente Marta Kostyk, que nunca foi tão longe num Slam.

Kenin chegou a perder o primeiro set para Jessica Pegula, mas jamais abandonou a disposição de comandar os pontos, finalizando com números expressivos tanto em winners (48-18) como em erros (41-26). Terá de ser mais consistente diante da versatilidade de Maria Sakkari, que sobrou no físico e na técnica no set decisivo diante de Elise Mertens.

Outras duas norte-americanas concorrem para ir às quartas. A experiente Sloane Stephens, vice de 2018, é sem dúvida a mais gabaritada porém todo cuidado é pouco com a tcheca Barbora Krejcikova, que fez uma grande exibição e atropelou uma tenebrosa Elina Svitolina. Já a garota Coco Gauff se valeu do abandono de Jennifer Brady após sete games e tem chance contra Ons Jabeur, tunisiana de golpes bem versáteis.

Começam as oitavas
– Garin promete dor de cabeça a Medvedev. Chileno venceu duelo dias atrás no saibro veloz de Madri e nunca fez oitavas num Slam.
– Tsitsipas ganhou duas vezes de Carreño, uma no saibro. Espanhol é muito experiente, tem duas quartas em Paris e duas semis no US Open. Talvez o melhor jogo do dia.
– Nishikori só ganhou 1 de 5 jogos contra Zverev e acabou de perder em Madri e Roma, o que reforça favoritismo alemão. Japonês já fez três quartas em Paris, mas ainda tenta reagir após cirurgia.
– Fokina, 46º, e Delbonis, 51º, são os ‘azarões’ e fazem confronto inédito. Canhoto argentino vive grande momento no saibro europeu e, em seu 27º Slam, tenta enfim quartas.
– Serena tem compromisso inédito contra Rybakina, 22º do ranking e que nunca foi à 4ª rodada nos 7 Slam disputados. Serena está a 11 jogos da 1.000ª partida da carreira.
– Azarenka ganhou 5 dos 7 duelos e os 2 no saibro contra Pavlyuchenkova, contra quem jogou a primeira vez há 11 anos. Vika chegou nas oitavas de Paris pela última vez em 2013 e a russa, em 2011.
– Vondrousova e Badosa são autênticas saibristas e nunca se cruzaram antes, o que promete equilíbrio e jogo bem longo.
– Cirstea parece ter reencontrado seu tênis no saibro e encara Zidansek pela primeira vez. A eslovena tirou Andreescu logo na estreia.


Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Majô

    Boa noite a todos .
    Fiquei extremamente chateada e preocupada com o Federer, jogou bem aguentou uma maratona.Como Federista,observo outros detalhes nele, e vi que ao caminhar ele faz esforço enorme para que não se perceba que ele está com certa dificuldade em andar. Até mesmo,para guardar suas raquetes ele levantou o pé direito.Gostaria imenso que ele vencesse Wimbledon e encerrasse sua linda carreira.Só pergunto:porquê Federer não treina na grama em casa ?Não acredito que não tenha umas quadras em casa.Arriscar o saibro que exige demais do corpo não foi uma boa.Louvável o que ele fez, mas arriscado para seu momento infelizmente. Vamos esperar Wimbledon .

    Responder
  2. Luiz Fernando

    Quando do sorteio, muitos, inclusive eu, imaginaram q uma eventual semi entre Rafa e Djoko seria uma final antecipada. Essa semana de observação dos fatos nos mostrou algo diferente, pois o grego e o alemão estão jogando muito, não estão se desgastando nas partidas e vejo ambos bem competitivos numa eventual final. Não tenho a mesma visão do russo, mas é outro q está bem sólido…

    Responder
  3. Maurício Luís *

    Parece que alguns colegas internautas não pensam muito antes de escrever “groselha”. O Federer não desistiu porque sabia que iria perder pro Berretini. Desistiu por questão física.
    Se fosse seguir esse raciocínio escalafabético, o Richard Gasquet nem se daria ao trabalho de entrar em quadra pra enfrentar o Nadal.
    Dizer que o suíço desistiu porque sabia que iria perder é falta de maturidade.
    Nem sou torcedor do Federer… mas não posso me omitir diante de certas “absurdidades”.

    Responder
    1. Barocos

      Maurício,

      Você me fez lembrar uma tia muito querida, era professora, e adorava utilizar palavras pouco usuais. Escalafobético, estrambótico, aboletar, ósculo, amplexo, eram palavras que costuma usar quando contava estórias muito divertidas e ria, riamos todos. Boas lembranças.

      Saúde e paz.

      Responder
      1. Maurício Luís *

        Saúde e paz pra você também, Barocos. Apraz-me saber que ao menos 1 leu os meus escritos… que por vezes parecem fora da órbita… porque vez por outra eu esqueço de tomar o Rivotril.

        Responder
  4. Gildokson

    Lendo os comentários da pra perceber o quanto alguns torcedores do Djokovic são oportunistas. Tem cara achando que a desistência do Federer vai ser uma vantagem a ponto de aumentar a possibilidade de vitória do Berretini.
    Pelo amor de Deus!! É o Berretini, não o Murray, Wawrinka, Nadal ou sei la mais quem… o cara dificilmente num dia normal vai ter jogo para eliminar o Djokovic, e outra, se for pra ter medo vamo ter medo do Mussetti primeiro neh, o sérvio nem chegou nas quartas ainda.
    Na verdade vocês queriam mesmo era esse Federer 30% para atropelar e depois vim aqui tirar um sarro kkkk

    Responder
    1. Barocos

      Gildokson,

      Nesta eu vou ter que concordar contigo, não que fosse o meu desejo, mas sei que alguns aqui estão mais interessados em achincalhar os torcedores dos oponentes do que apreciar um belo jogo.

      Saúde e paz.

      Responder
  5. Luiz Fernando

    O Pessanha comentou abaixo sobre o magistral Garin (kkkk), será q aquele rapaz implicante e humilde vai lá e vai… implicar c ele também? Duvido! Pra ajudar na implicância digo: ele e o não menos magistral Delbonis fizeram hoje o q fazem de melhor: PERDERAM, juntando-se ao igualmente magistral Andujar no grupo q ficou na primeira semana. Azar do torneio, q ainda ainda tem Rafa, Djoko, o grego etc mas perdeu estes “especialistas” que atraem multidões kkk;

    Achar q Federer abandonou p prejudicar o sérvio é digno de um roteiro de filme do 007, é um dos maiores absurdos já postados aqui. O jogo de ontem demonstrou, ou melhor, escancarou q o cara só não encerrou a carreira em razão dessa contusão pela ambição de tentar segurar alguns recordes, q vão sendo pulverizados um a um pela dupla Nadal/ Djoko. Talvez alguns compromissos com patrocinadores também tenham seu papel nesse retorno, mas ontem o suíço, mais de um ano após a contusão, mostrou q está muito longe física e tecnicamente da competitividade. Se não elevar, e muito, seu nível na curta temporada de grama não descarto q encerre a carreira, pois a exemplo do já expus em relação a Rafa, não consigo vê-lo, como grande campeão q é, se arrastando na quadra sem chance de jogar os maiores eventos em um nível elevado…

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Tu nao tomas jeito mesmo guri. Fui eu que respondendo ao Sandro disse que MEDVEDEV jamais seria Zebra contra o especialista Garin . Compra um óculos vai L.F. . Juro que não custa tanto assim … rs . Abs!

      Responder
  6. Luiz Henrique

    Discordo de todas as críticas ao Federer
    O adversário dele, se queria jogar com o Berretini, que ganhasse o jogo oras
    O que está em jogo é sempre a classificação pra próxima rodada, não interessa se depois vai ter chances ou não
    Isner e Mahut jogaram por 11 horas em 2010, sabendo que quem ganhasse não aguentaria na rodada seguinte
    Faz parte do jogo
    É de um fanatismo bizonho dizer que prejudicou o torneio
    Na verdade ele beneficiou o torneio mostrando seu tênis brilhante com quase 40 anos e 2 cirurgias
    E olha que não sou torcedor do Federer
    Mas a presença dele engrandece qualquer torneio

    Responder
    1. Willian Rodrigues

      Nada de “fanatismo bisonho” de minha parte, ao menos.
      FATOS:
      – uma das partidas de oitavas-de-final deixará de existir;
      – publico que pagou pelos ingressos ficará a ver navios;
      – Redes de T.V. que pagaram pelos direitos de transmissão terão um jogo a menos para mostrar;
      – Patrocinadores perderão tempo de exposição;
      – Berretini chegará mais descansado à partida de quartas;
      – chances do italiano aumentam contra Djokovic (não sei em que percentual…)

      Onde está o devaneio que caracterize fanatismo aqui, prezado??

      Responder
      1. Willian Rodrigues

        Ainda em tempo, pode buscar todos os meus comentários antigos aqui no blog e perceberá que elogio com frequência as qualidades tenísticas e a longevidade do suíço. Não curto a arrogância dele e de alguns de seus torcedores (não posso generalizar, claro).
        É evidente que ele abrilhanta qualquer torneio com sua participação!
        Só não é a última/única bolacha do pacote. Rrrrss…
        Abs

        Responder
      2. Miguel BsB

        Vou lhe responder sucintamente: desistiu porque é um ser humano, não uma máquina, e pode se lesionar…
        Redes de TV, público, patrocinadores, torneio, adversários, todos tem no cálculo que trata se de um esporte físico, e que lesões e desistencias fazem parte do pacote.

        Responder
        1. Willian Rodrigues

          Bons argumentos esses relacionados ao dimensionamento da parte financeira que os organizadores fazem antes do início do torneio.
          Deve haver uma margem de segurança para isso.
          Não tenho como refutar…
          Porém, ainda acho que não é muito bacana com o público, porque se cria expectativas…
          Eu fui uma das vítimas daquela fatídica final de 2014 em Londres. Eu estava lá, paguei caro pela viagem e pelo ingresso. Federer desistiu no último minuto…
          Foi muito desapontador ser obrigado a assistir um jogo amistoso entre Djokovic e Murray em substituição ao que seria a magnífica final entre os dois titãs se digladiando.

          Responder
    2. Marcelo Costa

      Criticaram a Osaka, por ter desistido do torneio. O caso dela não é bisonho, é desonesto, então devemos rechaçar toda forma de injustiça.

      Responder
  7. Enoque

    Federer analisou o custo benefício. Para ganhar do Berretini teria que se desgastar e depois perderia, fácil nas quartas. Se perde o Berretini é quem iria desgastado e com menos chances nas quartas. Berretini agradece e promete representa-lo, dando tudo nas quartas. Isso se chama acordo tácito.
    Em 2022, não existe a menor possibilidade do Federer comparecer a RG, só pra não ser questionado sobre a possibilidade de repetir este comportamento, pela imprensa e pelos organizadores.

    Responder
  8. Daniel C

    Tem alguns fanáticos sem noção dizendo que o Federer abandonou o torneio para prejudicar o Djokovic kkkkkk. Lógico, ele pensou nisso tudo. Sobre essa doideira, digo duas coisas:

    1) Acreditem mais no “Goat”, mesmo contra um Berettini descansado. Esse sim tem menos recurso que o sérvio (quase não tem esquerda)

    2) Mesmo passando pelo Berettini, o torneio do Djokovic deve acabar na semi contra o Nadal kkkkk

    Responder
  9. Periferia

    Fui almoçar e quando retornei fiquei sabendo que Santiago desistiu de Paris.
    Uma pena…acho mesmo que ele sentiu algo (torneio de Halle dirá).
    Mesmo abaixo de seu nível…ele continua sendo um tenista extra classe.
    Ontem assisti o jogo inteiro contra o fogoso alemão.
    Com muitos erros…ainda não apresentando o que sabemos que pode.
    Ganhou o jogo pelo prazer da competitividade (apenas mais um de uma carreira recheada de vitorias).
    É bom poder assistir Santiago jogar…no crepúsculo (cada vez mais perto) da carreira.
    E saber que o cara…enquanto na quadra…vai entregar tudo que pode…

    Responder
  10. Nando

    Mestre, qual a sua opinião sobre a desistência do Federer?
    Achei uma tremenda sacanagem, não se usa um Slam como laboratório…jogar esse tipo de torneio é o sonho de tenista. Se foi pra RG pensando em qnd iria embora, em somente treinar pra grama, era melhor nem ter ido.
    Ele disse q “escutou o corpo”…e se fizer 3 jogos exigentes em WB, o corpo vai pedir pra ele desistir do torneio tbm ou só vale pra RG????

    Responder
    1. SANDRO

      Não vejo problema na desistência do Federer, ainda mais porque ele está voltando de cirurgia… Já vi vários tenistas abandonarem tonraios por não estarem fisicamente confortáveis para jogar a próxima partida.
      Berrettini é um jogador muito bom no saibro que está em uma fase ótima da carreira, provavelmente, o Federer perderia essa partida por 3 x 0, logo, não tinha muito sentido o Federer se desgastar mais ainda no saibro que é um piso muito exigente e difícil principalmente para quem tem problemas nos joelhos e ainda arriscar a ficar de fora dos torneios de grama por lesão.

      Responder
  11. Paulo Almeida

    É, o Tsitsipas que se cuide contra seu pai russo 6×1 no h2h…

    Não gostei da desistência do terceiro do Big 3, já que assim o Berra ganha mais tempo de descanso e o cracaço sérvio fica sem a chance de ampliar a freguesia.

    Responder
      1. Bel Grado

        Sei lá meu caro amigo “Bufão”, mas basta ver o que cada um defende até Wimbledon e terá uma resposta. Nao vou fazer contas pra vc, mas vá ao site da atp em ranking breakdown e faça você mesmo, caso conheça as operaçoes básicas. E só depois me dirija a palavra para dizer algo.

        Responder
  12. Adriano Souza

    Ou entra pra competir, ou nem joga!!
    Palavras do proprio Federer quando o Djokovic desistiu do AO de 2009 com insolação!!

    Como o mundo da voltas né

    Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Outra bobagem. Entrou em quadra na semana seguinte na FINAL da COPA DAVIS com a lesão nas Costas e foi varrido da quadra por Monfils. Compromisso muito mais importante que o FINALS . Sabes nada rs . Abs!

          Responder
    1. Gildokson

      Queria molezinha pra aumentar a vantagem no h2h neh? kkkkk Federer fez certinho, o Djokovic por acaso botou a cara com o cotovelinho avariado em 2017? Federer não devia nem ter jogado na semi do AO 2020, imagine agora kkkkk

      Responder
  13. Gabriel

    Você vê alguma chance de Sinner ganhar de Nadal, Dalcim? Vejo o espanhol oscilando nessas primeiras partidas e isso pode ser perigoso contra um adversário bom como o italiano, apesar de Nadal sempre achar uma forma de ganhar as partidas, especialmente em RG rsrs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      O risco sempre existe caso Nadal jogue muito abaixo do seu padrão, Gabriel. Em condições normais, não creio que ele perca um set, então já será um bom resultado de o italiano se mantiver competitivo e conseguir beliscar um set.

      Responder
  14. Maurício Luís *

    O que aconteceu com o Federer foi a chamada “Vitória de Pirro”. O corpo parece que já não corresponde mais como antes. Acho que nem os torcedores dele acreditam que ele vá fazer “milagre” na grama. Porém o que ele já fez na carreira, não precisa provar + nada a ninguém.
    Achei que o Nadal talvez pudesse encontrar certa dificuldade com o Cameron Norrie por ser também canhoto… nada. Continua passando o rodo rumo ao 14. Misericórdia…

    Responder
    1. José Eduardo Pessanha

      Maurício,
      O sumido Geraldo de Carvalho disse isso aqui no Blog há uns 10 anos atrás. Que Federer então havia tido uma Vitória de Pirro. Nunca duvide do Craque rsrs
      Abs

      Responder
  15. Marcilio Aguiar

    Esse russo é cada dia mais surpreendente. Está jogando muito bem, porta-se com bom humor na quadra e além de tudo fala francês, o que pode cativar o público. Pena que enfrente o grego em uma QF. Bem que poderia ser uma semi ou final.

    Responder
    1. Ronildo

      Verdade, olhando por este lado, quem se deu bem no sorteio foi o Zverev. Ninguém imaginava que o Medvedev ia começar a jogar em tão alto nível no saibro.

      Responder
  16. Marcelo Costa

    Estou vendo o russo, ele é o presente e o futuro. Contra ataca como poucos.
    A história sendo reescrita diante de nossos olhos.

    Responder
  17. Adriano Souza

    O Federer é pilantra
    Como sabe que não ganharia do Berretini , desistiu para tentar prejudicar o Djokovic . Com o Berretini descanso , o jogo pode ser mais duro doq se imagina.

    Primeiro tem que ver se o Djokovic vai eliminar o Musetti
    Não se pode subestimar nenhum tenista .

    Responder
    1. SANDRO

      O que não podemos é culpar o Federer e sua desistência, caso o Djokovic venha a perder para o Berrettini, isso eu já acho demais.
      Mesmo que enfrentasse o Federer em suas atuais condições, Berrettini provavelmente fecharia o jogo contra o Federer em 3 sets sem muitas dificuldades visto que Berrettini é um excelente jogador de saibro e ainda está em uma fase muito boa da carreira.
      Em 2021, Berrettini já fez 2 finais no saibro: em Belgrado e no Masters 1000 de Madrid, então, acho que Berrettini venceria o Federer em Roland Garros em 3 sets a zero, logo, não se cansaria tanto para pegar o Djokovic.
      O Federer e sua equipe prevendo que seria um desgaste muito grande e desnecessário para seu joelho jogar contra Berrettini resolveram poupá-lo, o que eu acho muito normal.

      Responder
  18. Willian Rodrigues

    Mestre Dalcim, como sei de sua absoluta isenção em todas as circunstâncias, gostaria de sua opinião em relação à desistência do Federer.

    OK! Entendo que o suíço tenha entrado no torneio principalmente para ganhar ritmo de jogo e testar as condições de estabilidade da articulação do joelho operado. PORÉM, fico me perguntando se essa desistência apenas após o jogo (e não durante) foi justa com o oponente Koepfer que lutou tanto e poderia cumprir um papel bacana contra o italiano. Mais ainda, foi justo com o PÚBLICO que pagou pelos ingressos da partida de oitavas que não mais ocorrerá (algum ressarcimento?) e até mesmo com o adversário de Berretini da fase de quartas-de-final que será obrigado a jogar contra um adversário mais descansado!! Caso o italiano passe, o mesmo valerá para o adversário da semifinal, não acha?

    Responder
    1. Willian Rodrigues

      Melhor ainda seria se as regras permitissem que, em casos assim, o oponente derrotado avançasse como uma espécie de lucky-loser…
      Pra mim, seria o mais coerente.

      Responder
    2. José Nilton Dalcim

      Não vejo qualquer problema nisso, William. Já aconteceu milhares de vezes no circuito. O tenista às vezes está contundido, mas luta para terminar o jogo e vencer, mesmo que saiba que terá de desistir depois. Joga-se partida por partida, nunca pensando um ou dois jogos à frente. Federer fez seu papel e lutou ao máximo para ganhar, como se espera de um profissional. Seria um absurdo se ele entregasse o resultado imaginando que estaria muito cansado no dia seguinte. Quanto a prejudicar ou não, já tivemos casos de tenistas avançando até por dois w.o., como foi do próprio Djokovic no US Open. Então está tudo mundo também muito acostumado com isso e não imagino que Berrettini ganhará 1% a mais de favoritismo porque não jogará na segunda-feira.

      Responder
      1. Willian Rodrigues

        Prezado Dalcim, obrigado pela resposta.
        Mas, como todo respeito, o fato disso ter ocorrido outras milhares de vezes, não significa que essa regra não mereça ser revista…
        O que propus foi uma discussão acerca da POSSIBILIDADE de o perdedor tornar-se uma espécie de lucky-loser e avançar na chave. Desse modo, o torneio, espectadores e patrocinadores perderiam menos. É uma perspectiva a ser considerada…

        Também não julgaria ético que Federer (ou qualquer outro) desistisse da partida “entregando o jogo” propositadamente, claro!
        Porém, se sentiu alguma lesão ou limitação física devido ao joelho, poderia ter descontinuado o jogo, para valorizar o esforço do alemão que prometeu e cumpriu obrigando o suíço a uma verdadeira batalha. Foi um adversário digno, apesar de usas limitações.
        Por último, peço perdão, mas discordo quanto à ausência de benefício para Berrettini, ainda mais no saibro, e em partida melhor de 5 sets, que exige demais do aspecto físico. E mesmo que Djokovic vencesse essa partida, haveria efeito cumulativo do cansaço que, seguramente afetaria o resultado da próxima. Lembrando que na semifinal seria nada mais, nada menos que Nadal. Rrrss…
        Quantas vezes não se debateu aqui no blog o fato do desgaste físico ser determinante em algumas derrotas? Tsitsipas contra Djokovic no ano anterior, por exemplo. Muitos concordaram que o grego não suportou o ritmo alucinante que o sérvio manteve no último set, perdendo, em grande parte, pelo aspecto físico.
        Bom, fica aí a reflexão.
        Abraços a todos

        Responder
          1. Willian Rodrigues

            Não seria premiar a “derrota”, mas, a CAMPANHA PREGRESSA até aquela fase do torneio!!!
            Se o rapaz atingiu um terceira rodada em Roland Garros, torneio que tem se mostrado há décadas um dos mais difíceis do circuito (muito devido à existência de Nadal), ele poderia sim, merecer o avanço à fase de oitavas. Não é nenhum absurdo absurdo assim.

            Ademais, considero uma verdadeira hipocrisia desconsiderar completamente as questões comerciais, financeiras!
            Durante o ano de 2020, esse foi um dos assuntos mais debatidos no mundo do tênis: Inúmeros atletas pensando em desistir da profissão devido á escassez de recursos financeiros devido à pandemia!!
            Em que “mundo” vocês vivem people??!!

      2. Enoque

        Se o Federer fosse pro jogo não iria dar vida fácil pro Berretini, que poderia ganhar em 4 ou 5 sets em 4 horas, o que fatalmente geraria algum desgaste. Acho que a chances do Berretini, agora, de vencer nas quartas aumenta um pouco, 1% é muito pouco.

        Responder
  19. Mauricio

    Roger Federer abandona Roland Garros: “Escutei meu corpo”

    Era uma subida morro acima contra o vento, Djokovic e se passasse provavelmente depois Nadal.

    Inspirado no Periferia “o velho lutador, avaliando seu corpo, o campo de terra batida e o tamanho do gigante, decide por um recuo estratégico para uma possível vitória futura, mirando os verdes campos de Wimbledon.”

    Responder
  20. Marcilio Aguiar

    O Federer desistiu. Fala-se em lesão. Ele tem o direito de se poupar e evitar um grande desgaste, mas eu só vou acreditar em lesão se, infelizmente, ele não puder jogar WB. O jogo de ontem já demonstrou que dificilmente passaria por Berrettini, entretanto fiquei frustrado.

    Responder
    1. Adriano Souza

      Ele jogou 4 sets , terminou o jogo inteiro
      Ele fez isso pra tentar prejudicar o Djokovic
      Com o Berretini descansado, o jogo pode ser mais duro doq se imagina

      Responder
      1. SANDRO

        Considero que Djokovic não precisa desse tipo de chororô para enfrentar o Berrettini…
        Mesmo que enfrentasse o Federer em suas atuais condições, Berrettini provavelmente fecharia o jogo contra o Federer em 3 sets sem muitas dificuldades visto que Berrettini é um excelente jogador de saibro e ainda está em uma fase muito boa da carreira.
        Em 2021, Berrettini já fez 2 finais no saibro: em Belgrado e no Masters 1000 de Madrid, então, acho que Berrettini venceria o Federer em Roland Garros em 3 sets a zero, logo, não se cansaria tanto para pegar o Djokovic.
        O Federer e sua equipe prevendo que seria um desgaste muito grande e desnecessário para seu joelho jogar contra Berrettini resolveram poupá-lo, o que eu acho muito normal.
        O que não podemos é culpar o Federer e sua desistência, caso o Djokovic venha a perder para o Berrettini, isso eu já acho demais.

        Responder
    2. Barocos

      Marcílio,

      Pela declaração que deu ontem já ao final da partida, ele deve ter sentido algum desconforto, esperou para avaliar a evolução por algumas horas e optou por se precaver. Acho que deveríamos já esperar por isto.

      A esta altura do campeonato, o ideal para o Federer seria se existissem torneios de 3 sets com 1 dia de descanso, infelizmente, eles não existem (ao menos eu não lembro de nenhum).

      De qualquer maneira, em quadras rápidas ele ainda tem muita chance. É esperar e torcer para o melhor.

      Saúde e paz.

      Responder
    3. SANDRO

      Independentemente de ser lesão ou não, o saibro é o piso mais desgastante e difícil de jogar para quem vem de 2 cirurgias no joelho. Por precaução é prudente que Federer evite torneios no saibro. Ele mesmo disse que tem descansar para o torneio de Halle e para Wimbledon. Logo, Federer parou com o saibro justamente para evitar lesões que o impedissem de disputar Halle e Wimbledon.

      Responder
  21. Emerson Nogueira

    Federer desistiu um cara como Federer faz falta e muito mas fraco mentalmente medroso iria enfrentar o Berretine iria perder.Assim diz ele que esta poupando para a Grama é um dos favoritis.Mas se caur logo vai cair em descrédito. Ele não oscila sonente o Rafa piada viu.

    Responder
    1. SANDRO

      Mas é muito mais prudente desistir agora do que sair derrotado pelo Berrettini e ainda podendo sofrer uma lesão que o tirasse de Halle e Wimbledon. Acho que Federer foi coerente.

      Responder
    2. Daniel Guarena

      Está bêbado ou é fluente no linguajar “mussunês”? “Favoritis” e outras construções que dificultam entender o que você quis dizer. Da uma revisada antes de publicar baboseiras.

      Responder
  22. Marcilio Aguiar

    Dalcim, ainda estamos longe da final, mas considerando que um entre Nadal e Djoko estará lá, qual possível adversário entre Zverev, Tsitsipas ou Medvedev (se ele confirmar a vitória sobre Garin eu ja não o descarto) dará mais trabalho?

    Acho que o alemão pode ser mais difícil para o Nadal se estiver firme no saque, porque tem um BH muito bom e pode aguentar o gancho do Touro. Já o grego tem um bom slice que pode incomodar o Djoko. A favor do Zverev tem a experiência de uma final e a favor do grego tem um aparente amadurecimento e capacidade de sair de situações difíceis até aqui. Seria isso ou nas condições normais de jogo nenhum deles tem armas para vencer?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho Tsitsipas o mais difícil, seja para Nadal ou para Djokovic. O grego esteve a um passo de derrotar a ambos nas últimas semanas e está com preparo físico espetacular.

      Responder
    2. Rafael Azevedo

      A pergunta foi para o Dalcim, mas como está em um fórum aberto vou dar a minha opinião, rsrs…
      Eu considero o Zverev mais perigoso tanto para o Nadal quanto para o Federer, numa final. O alemão oscila mais que o grego, atualmente, mas se ele chegar à final significa que estará com a confiança lá em cima. Nessa situação, o alemão já venceu os dois algumas vezes. E mais recentemente o Nadal, em Madri.
      Acho que o Tsitsipas têm uma barreira ainda para concretizar a vitória contra o Nadal e o Djokovic. O Zverev já superou essa barreira.

      Responder
  23. Sandro

    Sorte de alguns amigos e conhecidos meus que trabalham em restaurantes, feiras livres e salões de beleza aos DOMINGOS e folgam às SEGUNDAS-FEIRAS…
    Essa galera que folga às Segundas-feiras terão 3 jogaços espetaculares para assistir:
    NADAL X SINNER, DJOKOVIC X MUSETTI, BERRETINNI X FEDERER…

    Responder
  24. Willian Rodrigues

    Impressionante a profundidade dos golpes do Medvedev e a adaptação que conseguiu ao saibro, pelo menos nessa condições de Roland Garros!
    Chave do Djokovic a partir das oitavas é quase uma “Missão Impossível”!!
    Provavelmente: Musseti < Federer < Nadal < Medvedev.
    Se vencer o torneio, pode ser o considerado o GOAT (Contraponto ao comentário do nobre Rafael – Chadwick Boseman).
    Saudações

    Responder
    1. SANDRO

      Pessanha, eu não só dizia, como digo que a vitória de Daniil Medvedev sobre Cristian Garín foi, sim, uma ZEBRAÇA GALOPANTE…
      Explico o porquê:
      1. Desde que se tornou profissional em 2014, Daniil Medvedev não venceu sequer um torneio nível ATP (seja ATP 250, 500 ou 1000) no saibro, ao passo que Cristian Garín tem 5 títulos de ATP no saibro.
      2. Em Roland Garros 2021, até enfrentar Cristian Garín, Daniil Medvedev não havia enfrentado nenhum especialista no saibro como o Garín.
      3. Desde que se tornou profissional, Medvedv não havia vencido sequer uma partida em Roland Garros até 2021.
      Por todos esses motivos expostos, considero que a vitória de Medevedev sobre Garín foi sim uma ZEBRA.
      Não falei que Medvedev não poderia ganhar, porém, se ganhasse, seria uma zebra. só isso.

      Responder
      1. Willian Rodrigues

        Prezado Sandro, TODOS os seus argumentos são muito consistentes.
        Contudo, há apenas dois fatores que você se esqueceu de considerar: (1) o melhor momento vivido pelo atleta em detrimento ao restante da carreira (Medvedev está em seu auge); (2) o fato desse russo ser um jogador acima da média e, ao concentrar esforços para tal, ele conseguiu se superar e desenvolver muito seu jogo no saibro.
        Em minha modesta opinião, esses dois aspectos fazem com que o resultado deixe de ser uma “zebra”…
        Abraços

        Responder
  25. Sandra

    Dalcim , vc sempre comenta que o Tsitsipas não é jogador de saibro , mas pelo visto grande parte dos troféus dele e no saibro , ele está jogando melhor que Nadal ou e impressão minha ? E uma última pergunta por que ele e o único jogador que jogou todos os jogos na quadra principal? Será que tem a ver com o técnico da Serena que é francês ?e ele treina na academia dele ?

    Responder
  26. Matheus Franko

    Fazer um comentário aleatório aqui, se me permite (rs).
    Tava vendo ontem o jogo do tal Berrettini, e tava lembrando o que um brother do clube falava (não é original dele, sei que muita gente pensa assim), como o tênis é “um jogo de direita”. O cara até tem um saque razoável, nada demais, só não o complica e tal, mas a esquerda do cara é inexistente, faz no máximo ali umas bolas de manutenção. Ou seja, ele se mantém no (bom) ranking dele única e exclusivamente pela direita dele. Um Gonzalez da vida (em que pese o fato do Berrettini nem em sonho fazer direitas como do Gonzalez).
    E, já que tô falando disso”, será que alguém pode dar um toque pros (fracos, diga-se) narradores e comentaristas pararem com aquela palhaçada de ficar falando “forehand” e “backhand”? Qq um, que conhece ou se envolveu, mas assim, minimamente com tênis na vida, sabe que direita é direita e esquerda é esquerda e acabou, pô, não importa se o cara é destro ou canhoto. Suspeito que quem começou com essa coisa patética foi aquele ultrapassado e, graças a Deus, afastado, Dácio Campos, se rendendo a bobos do twitter, que aprenderam (o pouco que sabem) sobre tênis pela TV.
    Abs,

    Responder
    1. Barocos

      Matheus,

      O problema com usar esquerda e direita é que são péssimas traduções do que se faz no golpe, basta notar que usar esquerda para o Nadal fica totalmente sem nexo, já que ele joga com a mão esquerda e, neste golpe, ele usa o forehand. Então, de verdade, teríamos que usar termos melhores, não importa se têm sido usados por anos. Se bem me lembro, aqui mesmo andaram publicando algumas sugestões bem mais apropriadas, pela falta de padronização, muitos têm preferido usar os termos em inglês, aliás, como já fazemos com muitos outros golpes.

      Saúde e paz.

      Responder
    2. Rafael Azevedo

      Mas, Matheus, exatamente porque “direita é direita” e “esquerda é esquerda” é que se utiliza os termos Forhand e Backhand.
      As técnicas de Forhand e Backhand são completamente distintas.
      Como vc falou, o Berretini só tem a direita. Isso ocorre porque com a direita ele bate de Forhand. Se ele fosse canhoto, sua direita provavelmente seria horrível, já que ele bateria na bola com Backhand.
      Então, o que importa não é se o tenista bate com a direita ou a esquerda, mas se ele bate com Forhand ou Backhand.
      Se usarmos os termos “direita” e “esquerda”, teremos que dizer também se o tenista é destro ou canhoto, para saber qual é a jogada forte dele. Mas, se falarmos simplesmente “Forhand”, tá tudo resolvido.

      Responder
  27. Sandra

    Dalcim , uma dúvida , se Federer quer abandonar o torneio em razão da longa partida ontem , o que podemos pensar em Wimbledon? Na grama ele também tem a chance de jogar várias partidas com vários sets ! Fiquei sem entender! E louvável como o Federer joga apesar da idade , mas a idade chega para todos apesar de ser um super atleta!!!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      O saibro machuca muito o joelho dele, Sandra. O fisio dele já explicou o que acontece quando ele escorrega no saibro. E certamente essa é a maior precaução.

      Responder
  28. Paulo F.

    Gênova e Veneza por muito tempo foram alguns dos mais importantes portos do mundo.
    (Tô escrevendo de cabeça e não estou consultando o Google, Bruno).
    Eis que o Big-3 enfrentará uma renascida esquadra italiana.
    Será interessantíssimo.

    Responder
    1. SANDRO

      Sim Paulo F., você está corretíssimo, Gênova e Veneza por vários séculos, durante a Idade Média, foram os mais importantes e mais movimentados portos do mundo, nos quais chegavam a maioria das mercadorias do Oriente para o mercado Europeu. Porém, com a queda Constantinopla em em 1453, que passou ao domínio muçulmano, o comércio entre Europa e Ásia declinou subitamente. Nem por terra nem por mar os mercadores cristãos conseguiriam passagem para as rotas que levavam à Índia e à China, de onde provinham as especiarias usadas para conservar alimentos, além de artigos de luxo, e para onde se destinavam suas mercadorias mais valiosas. Desta forma, os Portos de Gênova e Veneza que monopolizavam o comércio pela rota Mediterrânea entraram em decadência e as nações europeias iniciaram projetos para o estabelecimento de rotas comerciais alternativas contornando o litoral africano pelo Oceano Atlântico para chegar ao Mercado Asiático.

      Responder
  29. Periferia

    Sei que não tem muito a ver com o tênis…mas como gosto de conversar sobre formula1 e política….
    Outro dia vi o Nelson Piquet apoiando o governo vigente…me chamou a atenção…sempre gostei da personalidade do ex piloto da F1.
    Olhando o portal de transparência….descobri que a empresa Autotrac (de propriedade do piloto) recebeu cerca de 26 milhões de verbas públicas.
    Realmente não existe apoio sem contrcontra partida…

    Sigamos

    Responder
  30. PIETER

    Dalcim, você não achou injusto programarem o jogo do Federer para a sessão noturna, em um piso mais lento e sem público, justo com a estrela que, talvez, esteja jogando lá em RG pela última vez?
    Federer é adorado pelos franceses, atrai sempre grande audiência e saiu da quadra quase 1h da manhã, muito provavelmente sepultando de vez suas poucas chances diante do Berrettini.
    Achei lastimável e um tiro no pé da organização de RG. Até porque as partidas de Rafa e Djoko eram previsivelmente muito mais fáceis e sem probabilidade de zebras…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que era o revezamento lógico a se fazer, Pieter. Não se pode pensar apenas num jogador, tem que se pensar no torneio como um todo.

      Responder
    2. SANDRO

      Considero que, não importasse o horário que fosse o jogo, depois do desgaste que teve contra o tenista alemão, o Federer abriria mão de continuar jogando no saibro para se preservar para Halle e Wimbledon.

      Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não tenho assistido aos jogos dele, Fábio, apenas resultados, então é praticamente impossível analisar. Mas ele é um tenista bem talentoso, que está fazendo o certo e se testando ao máximo lá fora.

      Responder
  31. Luis

    Dalcim Federer tem jogar Até os 50 vai jogar tênis puro lá em Saturno kkk o que foi foi aquela plástica pra pegar bola lá perto dos boleiro rs,Dalcim uma pergunta vc tá meio sumido do Uol,Vc Copiou a Osaka? Rs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Se você se refere ao Placar UOL, o projeto foi descontinuado. E você tem razão. Também já decidi que não darei mais entrevistas depois dos meus jogos.

      Responder
  32. Efraim Oliveira

    Acho que só eu que está achando que Roger vai varrer Berretini.

    Muito se fala do forehand de Nadal e muito pouco do seu backhand, falo da plasticidade do golpe. Acho muito bonito o backhand quando ela pega a bola na descida e manda na cruzada, muitas vezes no pé da adversário. Hoje ele fechou o segundo set com um golpe nesse estilo.

    Outra coisa que acho notável em Nadal, além da sua capacidade de dar passadas, é como ele consegue abaixar a bola quando o adversário está próximo a rede.

    Responder
    1. SANDRO

      Sim, só você Efraim acha que Federer varreria o Berrettini, pois nem o próprio Federer e a equipe dele achava isso, tanto que preferiram se preservar para grama e abandonar o saibro.

      Responder
  33. Fedex

    Dalcim, acho que a campanha do suíço já foi satisfatório. Acredito que ele deva abandonar o torneio para se preparar para grama.
    Apesar de não jogar tão bem, esse torneio mostra a genialidade do Federer, após 1 ano e meio com apenas 6 jogos disputados, o cara chega nas oitavas de um torneio de saibro beirando os 40 anos. Parece de outro mundo.
    É claro que ele está mais lento, mas ainda ganha de muitos da garotada.
    O que vc tem a dizer sobre esse torneio para prepará-lo para grama? Ainda tem que melhorar em alguma coisa, mais já pegou um pouco de ritmo.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que foi importante para entrar mais em ritmo de competição, mas precisa melhorar um pouco de tudo. Contra o alemão, errou slices e voleios, mas sacou bem e mostrou-se bem na parte mental. A grama é mais natural para seu jogo, apesar de eu ainda achar que ele precisa devolver melhor.

      Responder
    2. SANDRO

      Fedex, parabéns pela profecia, afinal você é o oráculo que deu certo, ao contrário da Mãe Dinah do blog (Ronil…) que sempre erra feio suas previsões…

      Responder
  34. Helena

    A postura de Nole e Rafa nesse RG tem me lembrado dos dois no Austtalian Open de 2019, em que pareciam concorrer um contra o outro a cada rodada, com os adversários sendo quase figurantes. Uma pena que estão no mesmo lado da chave. Ao menos Daniil vem jogando com confiança e ainda deve contar com o apoio da torcida nas próximas rodadas.

    Sobre Federer, acho que a próxima rodada vai depender muito mais do quanto ele quer vencer o jogo. Claro que em teoria todos sempre querem vencer, mas é claro que considerando o panorama ele está focado totalmente em Wimbledon, o que faz muito bem, considerando a aptidão dele nesse tipo de quadra e que praticamente ninguém treinou na grama no ano passado, o que deve reforçar ele e Nole como os grandes favoritos.

    Dalcim, uma dúvida. Sempre que se refere à grega Sakkari você a chama de versátil. Essa versatilidade é em relação ao arsenal de golpes ou ao fato de se adaptar bem a todos os pisos? Sei não se ela não vai ser a azarada que vai enfrentar a Swiatek nas quartas. Incrível como a polonesa vem se sentindo a dona da casa em RG.

    Responder
  35. Eduardo

    Oi Dalcim, imagino que ainda seja um pouco cedo, mas pelo que vimos nessa rodada, Djokovic se mostra disparado mais preparado para vencer seu lado da chave. Hoje teve uma atuação soberba, enquanto Nadal se mostrou um pouco frágil para encarar o sérvio. Gostaria de ver Djokovic x Federer nas quartas, mas acho bem difícil Federer ter pernas para enfrentar Berretini. Suíço me pareceu bem fora de forma, tanto fisica (bem lento, claramente se poupando muito mais que o normal) quanto tecnicamente (mais preocupante pra mim foram os slices … sem eles não teria a menor chance contra Djokovic )

    Responder
    1. Paulo Almeida

      Eduardo,

      Nadal sempre será favorito contra o Djoko no saibro e vice-versa no hard.

      Não é uma vitória sobre o Berankis que vai me iludir, rs.

      Responder
  36. Daniel C

    Confesso que fiquei pessimista em relação à vitória do Federer no 3 set, mas o cara foi buscar o jogo! Incrível essa campanha aos quase 40 anos. O objetivo foi cumprido, ele terá garantido pelo menos 4 jogos para ganhar um bom ritmo antes da temporada de grama. Não acredito muito na vitória frente ao Berretini, mas como ele é um gênio, pode conseguir qualquer coisa. Falando em genialidade, mais uma vez ele abriu a caixa de ferramentas e apenas hoje fez mais lances bonitos do que o atual no1 fez em toda a temporada. Não tem jeito, o suíço continua sendo o Rei, mesmo que ranking ou números digam outra coisa.

    E claro, eu não poderia deixar passar o incrível feito do Djokovic que o Federer igualou: de jogar sem torcida 🤣…

    Responder
    1. Geailton

      Sim. Garrincha jogava bonito, mas no degrau dos maiores, onde está? Por favor solicite pra trocar o objetivo do jogo: ganha quem joga mais “bonito” kkkkkkkk o desespero é grande pra essa seita.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Goste você ou não, cara.

        Todos os tenistas valorizam isso, e valorizam muito.

        Antes de ontem o Matts Willander, o mesmo que já disse que Djoko é o melhor, declarou que se sente um NADA perto do Federer.

        Justamente por causa da forma que o suíço joga, mesmo com a idade que tem…

        Vai lá reclamar com ele, ou então peça pra ele sair da nossa “seita”:

        https://bandsports.band.uol.com.br/tenis/noticias/federer-faz-eu-me-sentir-um-pessimo-jogador-diz-wilander-ex-numero-1-do-mundo-16352186

        Responder
      2. Daniel C

        É sério que vc vai comparar Federer a Garrincha? Kkkkkk.

        Aqui não tem nada de desespero não. Acredito que o recalque seja mais do lado da turma que sabe que não importa o quanto o ídolo ganhe, continuará menos popular e atraindo menos público que o Rei rsrs. Abs!

        Responder
        1. Luis

          Mais Antigos acham Garrincha só fica atrás do Pele’ e a frente do Maradona acho rs,pena teve problemas Vício que não merecia era pelas imagens gente consegue ver quem e’ mais jovem que Garrrincha tinha Talento raríssimo

          Responder
  37. Emerson Nogueira

    Caro Dalcim a matéria em notícias está em que Rafa oscila onde voce viu oscilação tu acha que mesmo sendo Rafa tem consistencia para jogar 3 sets na mesma proporção.?se Rafa oscilou inagibe o Federer deu pena de ver Federer se perde o p sr no tb já era eu iria ficar chateado. Pois quero ver jogar cobtra Djokovic e o suíço vai ganhar.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não sou eu quem escreve notícias do TenisBrasil, caro Mário. Apenas supervisiono e concordo plenamente que ele oscilou no segundo set, tendo perdido dois games de serviço consecutivos e ficado atrás por 3/1 contra um tenista típico de quadra dura. Torça menos e enxergue mais!

      Responder
      1. José Alves Aragão

        Eu sou Nadalista aqui no Blog Emerson e concordo com o Dalcim. Nadal é assim msm
        : Oscila no início e cresce ao longo do torneio.Infelizmente hoje ele permitiu 2 quebras no segundo set ,porém a partir das quartas o espanhol fica muito mais consistente ,vide a evolução que já apresentou de Monte Carlo até hoje . Logo vamos comemorar mais um 🏆

        Responder
  38. Marcilio Aguiar

    Apesar do grande futuro que se descortina para os dois italianos mais jovens, não acredito que conseguirão ganhar um set sequer contra Nadal e Djoko. Já o Berrettini, mais rodado e em bom nível, será surpresa se não derrotar um Federer longe do seu melhor.

    Responder
  39. Marcel Azevedo

    Notei que o Físico do Federer está em dia, me lembro da derrota dele para o Tsisipas no Australian Open se não me engano em 2019 Dalcim. A diferença na minha opnião foi o equilíbrio mental do Federer nos momentos chaves principalmente no tie break e mesmo assim ele se apressou em pelo menos 3x ao ir a rede do mesmo jeito e lavar passada, você concorda Dalcim?

    E mais, Federer joga agora na segunda ou na terça??

    Forte abraço.

    Responder
  40. Efraim Oliveira

    Roger falou agora a pouco que está considerando desistir de Roland Garros. Sinceramente eu não acho que ele tenha chances de ser campeão, ainda mais tendo Novak e Nadal pelo caminho. Talvez o foco dele seja apenas pegar ritmo pra Wimbledon, que é onde tem chance bem alta de título.

    Responder
  41. Rafael Azevedo

    Chegamos a tão esperada e já prevista oitavas de final com embates entre o Big 3 e o jovem promissor trio de ferro italiano. Segunda-feira será interessantíssimo!
    A chave do Federer, a partir de agora, está pesadíssima. Uma sequência com Berretini, Djokovic e Nadal…em RG.
    Se chegar às quartas, será surpreendente.
    Se chegar à semi, será inacreditável.
    Se chegar à final, será o GOAT!

    Responder
  42. Rodrigo S. Cruz

    Dalcim, se você puder abrir uma exceção e publicar esse “quote” fora do espaço, eu agradeço.

    “Eu entendi que tu falou APENAS que a Carla é feia e JAMAIS debochou da saúde dela.
    E tu tens razão, a Carla é feia mesmo”.

    Exato.

    Que bom que você me interpretou corretamente, e assim calou a galerinha da patrulha.

    Obrigado, Paulo F.

    Responder
    1. Efraim Oliveira

      Eu pensei que estavam falando de outro comentário seu -fiquei sem entender ô porquê de estarem te crucificando, mas esse daí entendi apenas como referência a aparência, em nenhum momento pareceu ser sobre a doença dela. Essa foi meu entendimento.

      Responder
  43. André Barcellos

    No momento, e em tese, Nole é quem está jogando melhor e terá o jogo mais fácil das oitavas na parte de cima.
    Mas tênis é jogado na quadra.
    Federer pavoroso em alguns golpes, mas encantando em outros, do mesmo jeito que achei na rodada anterior. Dalcim, vc acha que um megacampeão como Federer pode estar treinando (?!) em plena partida, porque nitidamente nos momentos chave ele cortou (um pouco) os erros não forcados.
    Desde 2017 que Federer só engata lá pela “centésima” partida no torneio. Não acho que vai dar tempo de jogar bem mesmo neste RG.
    Ganhar do Berretini será milagre. Mas se o suíço estiver bem fisicamente, é possível.
    PS: parece que tem alguém que tem que pagar uma prenda por Roger ter chegado na segunda semana…

    Responder
  44. Efraim Oliveira

    Koepfer é tão ruim no lobby quanto Novak no smash. Demorou pra acertar um. Roger soube sofrer e acabou ganhando o jogo, isso mostra que ele está no páreo contra o restante fora do big3, só não apostaria nele frente a Novak. É bonito ver o talento dele se sobressair, apesar da idade que tem.

    Sinto que no geral há uma empolgação com o Berretini, porém acho que ele não tirará mais do que um set de Roger… Ele vive de comparar as derrotas que sofre pro big3.

    Faltou salientar que a Gauf tava dominando o jogo dela, não aposto nesse Roland Garros, e nem pro próximo, mas arriscaria um palpite mais ousado pra Wimbledon do próximo ano que vem.

    Responder
  45. Rodrigo S. Cruz

    O Federer ter vencido foi importante.

    Mas se estivesse em plena forma teria ganhado do Koepfer sem sustos.

    Ele não está pronto para enfrentar o Djokovic, disso eu tenho quase certeza.

    Vamos ver…

    Responder
  46. Luiz Fernando

    As vezes não entendo algumas manchetes do site, oscilar mais do q Federer hj é impossível, mas na manchete quem oscilou foi o Nadal…

    Responder
    1. Marcilio Aguiar

      O Federer não oscilou… ele jogou abaixo do normal o tempo todo. Lento, mais de 60 ENF, bolas curtas, idas precipitadas a rede, etc. ganhou sabe Deus como.

      Responder
  47. JAN DIAS

    RESUMO DO DIA DE HOJE: 🌞

    – FEDERER x KOEPFER: BATALHA CAMPAL!🗡
    – NADAL x NORRIE: TREINO DE LUXO . 🎳
    – DJOKO x BERANKIS: BATER EM BÊBADO..🍾

    Responder
  48. Periferia

    Dom Nadal de La Mancha

    Em um lugar de La Mancha…de cujo o nome não quero lembrar-me…não há muito vivia um tenista….desses com raquete usadas…tênis antigos…quase totalmente calvo.
    Nos intervalos de ócio…que eram poucos…sonhava voltar as glórias do piso de terra.
    Quando alguem perguntava…ele dizia cheio de orgulho…
    – Busco o sonho impossível…sofrer a angustia implacável…pisar onde os bravos não ousam…reparar o mal irreparável…amar um amor casto à distância…enfrentar o inimigo invencível…tentar quando as forças se esvaem….alcançar a estrela inatingível…
    Essa é minha busca.
    Sancho sussurrou…quase como um lamento…
    – O Senhor não tem medo???
    – Quem perde seus bens…perde muito…quem perde um amigo…perde mais…mas quem perde a coragem…perde tudo.
    O Velho cavaleiro seguiu com sua raquete em direção ao moinho Sérvio.

    Responder
  49. Vitor Hugo

    Creio que Federer já jogou o suficiente pra ganhar ritmo pra temporada de grama. O que vier daqui pra frente em RG é lucro.

    Por favor, não ofendam a inteligência de quem gosta de tênis. Alguém realmente quer comparar os drops de Novak com Federer!? Para, né? Não tem comparação. É uma piada!

    Federer é DISPARADO o melhor drop do circuito. Novak não está nem entre os 10.
    O suíço está fora de ritmo, erra também, mas a diferença de categoria é ABISSAL!

    Responder
  50. rafael

    O Big3 segue firme! O Federer não tão firme, como muito bem colocado mestre e Berretini deve levar. Sinner deve ganhar um set somente e Djoko irá “passear” mais uma vez. Para mim o sérvio é o que está jogando melhor, concorda?

    Responder