Dor e redenção
Por José Nilton Dalcim
31 de maio de 2021 às 19:03

No dia em que Roger Federer voltou a mostrar seu estilo vistoso e no qual Daniil Medvedev encerrou o incômodo jejum de vitórias em Paris, a notícia mais relevante e dolorosa foi o abandono de Naomi Osaka. Não por questões técnicas ou físicas, mas por não aguentar a pressão do circuito, que tem levado sua personalidade introspectiva a crises de depressão. E estamos falando de uma atleta muito bem sucedida e a mais bem paga do mundo.

O comunicado que Osaka soltou nas suas mídias sociais para explicar sua decisão de sair do torneio e voltar para casa foi muito sensato e é especialmente importante para abafar esse incêndio tão desnecessário que ela mesma acabou criando.

Vejamos os pontos principais:
– “Aceito que minha mensagem poderia ter sido mais clara”.
– “Tenho sofrido com longas crises de depressão desde o US Open de 2018 e tive muita dificuldade para lidar com isso”.
– “Os jornalistas que cobrem tênis sempre foram educados comigo”.
– “Fico muito ansiosa quando tenho que falar com a imprensa”.
– “Peço desculpas à organização”.
– “Gostaria de conversar depois do torneio, discutir maneiras de tornar as coisas melhores para os jogadores, para a imprensa e para os fãs”

Ou seja, Osaka tinha um motivo concreto para evitar as entrevistas, mas admite que não trilhou o caminho mais indicado para tentar resolver o problema, passando a muita gente um ar de arrogância e não de sofrimento. Reconhece a importância da imprensa e não se vitimizou por supostas perseguições, deixando claro que é uma questão totalmente pessoal, de relacionamento com o mundo exterior. E o mais relevante: se abre ao diálogo para tentar achar soluções que atenda a todos os interesses do circuito.

Naomi é uma personalidade de peso no mundo do esporte e tem o respeito e a admiração de muitas jogadoras, principalmente as ícones da luta por direitos, sem falar numa grande legião de fãs que extrapola o universo do tênis. Por isso não se deve apenas lamentar o que esteja acontecendo com sua saúde mental, mas acima de tudo unir forças para se encontrar medidas que diminuam o estresse desse tenso e concorrido circuito.

Lá na quadra
Medvedev enfim espantou seus fantasmas e marcou uma vitória convincente sobre Alexander Bublik. Claro que isso ainda não o credencia a aventuras maiores porque será preciso testar sua resiliência diante das frustrações que o saibro causa. Quem sabe, atuações firmes contra Tommy Paul, Reilly Opelka ou Jaume Munar enfim o coloquem em condições de encarar um Cristian Garin antes do possível desafio contra Stefanos Tsitsipas. Foi bom vê-lo dar voleios, deixadinhas e risadas.

Denis Istomin demonstrou a fragilidade esperada no saibro, mas isso não tira o prazer de se assistir às acrobacias de Federer, que entrou com plano de jogo bem definido. Apostou em curtinhas, fez transições corretas à rede, acelerou sempre que pôde as trocas e principalmente sacou com firmeza: 71% de primeiros saques, 8 aces, apenas 12 pontos perdidos com o serviço e nenhum break-point permitido. Reencontra Marin Cilic, de quem se deve esperar maior dificuldade, e pode chegar à terceira rodada diante de Taylor Fritz.

Destaque para os garotos Lorenzo Musetti, Jannik Sinner e Casper Ruud. O primeiro dominou um David Goffin perdido, o segundo esteve a um ponto da derrota frente Pierre Herbert mas mostrou novamente frieza e o norueguês manteve um padrão alto diante de um animado Benoit Paire, que deixou a quadra aos prantos. Surpresa mesmo foram as quedas de Lorenzo Sonego e Sebastian Korda.

Monteiro começa bem
Embora não tenha feito uma estreia espetacular, o aniversariante Thiago Monteiro cravou o favoritismo diante do jovem argentino Francisco Cerundolo e tem toda a chance do mundo de repetir a terceira rodada do ano passado diante de Steve Johnson.

O brasileiro só perdeu um serviço, evitando seis break-points, e tomou atitude mais passiva. Fez 18 winners e 29 erros, muito inferior aos 29 e 48 do adversário, que arriscou mais. Me agradou a consistência do serviço, com 71% de acerto e 75% de pontos vencidos com o primeiro saque.

Surpresas no feminino
Seis cabeças de chave não passaram da estreia na chave das meninas até agora, com destaque necessário para o esforço de 3h23 de Bianca Andreescu e a má atuação de Garbiñe Muguruza. Também caiu a sensação de 2020 Nadia Podoroska, que tirou apenas três games de Belinda Bencic. Também houve a esperada emoção no duelo em que Sofia Kenin tirou Jelena Ostapenko, num tiroteio em que 80 dos 194 pontos foram erros não-forçados.

Apesar do susto de um segundo set irregular, muito por conta de rajadas de vento, Iga Swiatek iniciou a defesa do título e tirou a amiga Kaja Juvan. Já Serena Williams quase perdeu o primeiro set para Irina Begu, mas não foi uma decepção no saibro lento da noite parisiense.

O terceiro dia
Finalmente teremos as estreias de Rafael Nadal e Novak Djokovic em Roland Garros. O espanhol joga no meio da tarde local e o sérvio estará na esvaziada sessão noturna. A outra estrela do dia é a número 1 Ashleigh Barty.
– Popyrin foi campeão juvenil em Paris há quatro anos e deu certo trabalho a Nadal na terceira rodada de Madri semanas atrás.
– Sandgren perdeu os três duelos contra Djokovic, nenhum no saibro, mas vive temporada em que só ganhou três jogos de nível ATP.
– Albert Ramos, com 17 vitórias no saibro este ano, é candidato sério a tirar Monfils, que só ganhou um jogo em 2021.
– Lembram do garoto dos drop-shots, que enlouqueceu Wawrinka e levou Thiem a cinco sets no ano passado? Hugo Gaston está de volta contra Gasquet.
– Rublev reencontra Struff, que dias atrás lhe deu muita dor de cabeça em Roma.
– Barty retorna a Paris para defender o título de 2019, já que não competiu no ano passado.
– A jovem Babel nunca enfrentou uma tenista entre as top 350 e terá de jogar contra Svitolina na abertura da Chatrier.
– Campeã juvenil de Paris em 2018, vencedora de Parma no sábado e semi em Roma, Gauff é um dos nomes a se ficar de olho.


Comentários
  1. Paulo Almeida

    Estreia tranquila do rei do hard, da grama e do tênis em geral na sessão noturna, que é a que atrai mais holofotes.

    Comentarei mais na nova publicação.

    1. José Nilton Dalcim

      O Big 3 terá de jogar sempre no mesmo dia a partir de agora, Luiz, já que os três estão no mesmo lado da chave.

  2. Luis Nogueira

    menino Nole tá amassando o pai do Federer. Jogo bem tranquilo até aqui, dentro do esperado.

    O problema é o Nadal, que com os resultados de hoje tá garantido nas semis. Esse é pedreira.

    Nas quartas devemos ter um jogo treino para Nole, caso o freguês suíço chegue lá.

  3. Sandra

    Dalcim, me desculpe pela pergunta , sei que você e comentarista de tênis e não de vôlei, mas você saberia o motivo de uma só jogadora estar usando mascara? No masculino percebi a mesma coisa , um só usa , e na Liga das nações de vôlei, obrigada , mesmo que vc não responda

  4. Sérgio Ribeiro

    “ Em nome dos Grand Slam , desejamos oferecer a Naomi Osaka nosso apoio e assistência de todas as maneiras possíveis enquanto ela ficar fora das quadras. Ela é uma atleta excepcional e esperamos seu retorno assim que ela julgar conveniente “ , diz a nota assinada por Jayne Hrdlicka ( Tennis Austrália) , Gilles Moretton ( FFT ) , Ian Hewitt ( All England Club ) e Mike McNulty ( USTA ) . “ Elogiamos Naomi por compartilhar em suas próprias palavras as pressões e ansiedades que ela está sentindo e sentimos empatia com as pressões únicas que os jogadores de Tênis podem enfrentar “ . Abs!

    1. Willian Rodrigues

      Declaração protocolar. ITF tem mesmo que se posicionar demonstrando “sensibilidade” em relação aos distúrbios mentais.
      O debate está aberto e podem ocorrer mudanças…
      Porém, isso não indica de forma alguma que a postura da Osaka fora adequada!

  5. JAN DIAS

    FEDERER ? joga tão bonito que parece que você está assistindo outro esporte..
    O drop shot na baseline e o quase grand Willy foram sensacionais…

    1. José Eduardo Pessanha

      Karabtchevsky está jogando muito mais do que o Salsicha. Ele enfrentará Nadal nas quartas.

  6. Luiz Fernando

    Se o Rafa for vencendo, o que eu espero q ocorra, dois potenciais adversários tidos como perigosos já eram: Sonego e Rublev. Do primeiro eu não esperava grandes coisas, mas o segundo me decepcionou…

  7. Sandra

    Dalcim , fiquei sem uma opinião formada sobre a Osaka , vc acha que foi só a depressao ou também uma queda de braço com o torneio ?

  8. Mauricio

    Vitória do Monfils com grande apoio do público. Em entrevista anterior ele comentou que sente falta da energia do público, e hoje ele teve isso. Era nítido como ele estava se divertindo (mesmo com uma aparente dor de cabeça) e chamando a torcida a participar!

  9. Paulo

    Dalcim, você acha que o quadro atual da Naomi Osaka pode ser comparado com o abandono precoce das quadras do fenômeno Bjorn Borg e da Justine Henin, ambos aos 26 anos de idade, alegando vontade de viver a vida fora do tênis, lembrando que a Henin era a número 1 quando deixou o tênis pela primeira vez?

  10. Paulo F.

    Dizer que Thiem é mais tenista do que Djokovic é a mesma coisa que dizer que Kyrgios é mais tenista do que Federer.

  11. Vitor Hugo

    Federer GOAT x goat do Paraguai ou pqp:

    Forehand:
    Federer 10
    Bagre 8

    Backhand

    Federer 8
    Bagre 9.5

    Devolução:

    Federer 8.5
    Bagre 9.5

    Saque:

    Federer 10
    Bagre 8

    Voleio:

    Federer 10
    Bagre 6

    Slice:

    Federer 10
    Bagre 4

    Drop:

    Federer 10
    Bagre 5

    Smash:

    Federer 10
    Bagre 1

    1. Rodrigo S. Cruz

      Hoje eu fiquei sabendo que vai ter jogo de um certo jogador chamado Novak “não sei o que vit “.

      Será que a torcida francesa irá prestigiar o encontro?

      Ou será que vão preferir assistir ao filme do Pelé? rs

    2. Alessandro Siqueira

      Incrível como um bagre possa ter H2H positivo, né? Siga falando mal que uma hora vai acabar acreditando.

  12. Jeferson

    Na torcida pelo titulo do Djokovic,mas acho que seria até uma surpresa ser campeão em Roland Garros,mas quem é fã torce.Dalcim sou torcedor e fanático do Djoko espero que ele se torne o maior vencedor de Slam,mas como a um apreciador do tênis estou torcendo muito para o Federer quebrar dois recordes,o maior numero de títulos e maior numero de vitórias,sabemos que slam é o mais importante mas acho que slam ele não vence mais,acho que ele deveria focar em torneios menores para quebrar estes recordes mas claro participar dos slams,o que acha Dalcim? e na sua opinião Federer vai se tornam o tenistas com mais títulos e vitórias na historias do tênis em simples?Abraço e mais uma vez parabéns pelo blog!

    1. José Nilton Dalcim

      Olha, a situação do Federer não está tão simples. Ainda precisamos ver como irá se recuperar. Acho possível o recorde de jogos e vitórias e um pouco mais difícil o de títulos, ao menos neste momento. Abs!

  13. Mauricio

    Mestre, li no site da ATP uma reportagem da vida do Thiago Monteiro. Me emocionei, não conhecia a história dele. Que luta, que perseverança! Com todas as dificuldades chegou a ser 74 do mundo (até agora!!!) . Convido a todos os críticos dele que leiam a matéria e entendam que atrás de cada pessoa, existe histórias, dramas, incertezas e dificuldades. Sensacional o menino..
    https://www.atptour.com/en/news/thiago-monteiro-my-point-2021

    1. José Nilton Dalcim

      Importante mesmo dar uma checada nessa ótima matéria, Maurício. A gente muitas vezes cobra demais dos nossos jogadores sem saber o tamanho do sacrifício que fizeram e ainda fazem.

    2. Marcilio Aguiar

      Maurício, obrigado por divulgar. É emocionante. Uma história de amor, gratidão e humildade.

  14. Alice

    Acredito que Naomi tentou uma auto-defesa, ao esconder as suas maiores fragilidades quando quis defender a causa da saúde mental em prol dos jogadores. Porém, como a maioria disse o diálogo não foi bem realizado e ela teve que ceder e mostrou a sua verdadeira vulnerabilidade. Não acredito se tratar de “estrelismo” e coisa do tipo, com base em sua palavras e história de exemplo engajador fora das quadras. Estrelismo é Serena Williams depois de vencer 23 Majors não conseguir comprimentar decentemente ao final do jogo a jogadora que a derrotou. Péssimo exemplo de esportividade. Pela minha vivência creio que Osaka teve uma espécie de gota d’água e tentou se defender do que poderia vir a acontecer consigo mesma. Como ela disse, vem tendo crises desde o Us Open de 2018, aliado a sua personalidade, suas campanhas e derrotas no saibro isso foi o estopim para tentar não se abalar mais. Depressão é uma coisa muito séria, pessoas se suicidam, deixam de viver a vida e se fecham do mundo. Torço pra que ela tire um bom tempo fora das quadras, pra poder refletir e se curar de tudo isso. Saber o que quer e realmente deseja pro seu futuro. Ela é rica, influente, jovem…então ela pode escolher. Se quer viver sob pressão ou sde algum jeito consegue ou deseja abdicar disso. Como minha irmã um dia me disse: “não há dinheiro, emprego…que pague a sua saúde mental” …

    1. Marcilio Aguiar

      Alice, peço permissão para endossar o que voce escreveu.

      Que a Osaka encontre o melhor caminho para a sua vida. Se for voltar para o tênis, seremos premiados porque ela faz muita falta como jogadora e como pessoa.

    2. Sérgio Ribeiro

      Concordo com tudo em relação ao caso Naomi Osaka , cara Alice . Mas tenho uma curiosidade em relação a Rainha Serena Willians . Ao número de jogos que assististes nesses anos TODOS da Norte-americana. Os que eu assisto ela cumprimenta 90% de frente pra oponente… Abs!

      1. Teka Moraes

        Poxa, até que enfim alguém que não fica comparando as duas jogadoras e colocando a culpa na Serena por tudo que acontece. É triste ver as pessoas sustentando os problemas de uma como sendo culpa da Serena. Vamos amadurecer! E quem costuma ser mal educada e não cumprimentar as oponentes são outras. Só assistir tenis sempre.
        Go, Serena!

  15. Carlos Augusto

    O que sinceramente penso sobre o caso Osaka é o seguinte.
    Organizadores do tênis em geral devem propiciar para os atletas um ambiente físico e emocional saudável. Se jornalistas cometem abusos, isso deve ser coibido. Porém, é absolutamente inaceitável a posição inicial de Osaka ao não querer dar entrevistas, ainda que decorrente de depressão.
    No tênis PROFISSIONAL, lidar com entrevistas é parte do esporte assim como lidar com o vento, com o calor, com a umidade ou com a bola que derrapa na linha. É parte do ofício.
    E se um jogador tiver pânico de jogar com público? Vamos impedir espectadores? E se outro tiver pânico ao pensar que seu jogo está sendo transmitido para o mundo todo? Vamos impedir a transmissão?
    Depressão é sério e não tem nada de mimimi, mas para um tenista profissional uma lesão no ombro também é. E se um jogador tiver um problema que dificulte o saque? O adversário deverá devolver de forma que o sacador possa continuar a jogada?
    O problema é sério, relevante e requer tratamento, mas enquanto Osaka não puder dar entrevistas, também não pode jogar tênis profissional, assim como um jogador que tem um problema físico. É parte do ofício estar em boas condições físicas e emocionais.

    1. José Nilton Dalcim

      Apenas como complemento, Carlos Augusto, aqui no Brasil se faz preparação do tenista para a interação necessária e inevitável com a mídia e com o público. É um treinamento como qualquer outro porque faz parte da vida de um atleta profissional. Alguns terão maior facilidade que outros, mas quero apenas ressaltar que isso é algo que faz parte da rotina de preparação para quem pensa em encarar o duríssimo circuito.

    2. Ronildo

      Mas você está afirmando que dar entrevista tem o mesmo valor que a própria partida de tênis. É grande exagero isto. A partida, o jogo que as vezes dura mais de 3 horas é o objetivo. A entrevista, por mais que os organizadores encarem como parte do show, tem um valor minúsculo como tarefa a ser cumprida na cabeça da maioria dos tenistas.

  16. Willian Rodrigues

    Com relação ao imbróglio envolvendo Naomi Osaka:
    Quando uma pessoa séria, madura, quer se engajar em uma determinada causa, ela deve fazê-lo de forma absolutamente isenta, usar argumentos plausíveis e convidar os pares para o debate. Isso é ser “intelectual do meio”.
    Não vejo nenhum problema em se questionar a OBRIGATORIEDADE de oferecer entrevistas! Isso gera dificuldades para os atletas mais tímidos, de personalidade mais introvertida; em alguns casos, pode causar sofrimento… Uma solução razoável seria reduzir o nº de entrevistas obrigatórias? Realizá-las de forma mais descontraída, juntamente com outros atletas? Talvez… Deve haver ainda uma centena de outros argumentos plausíveis.
    Por outro lado, alguns defenderiam o seguinte: como promover eventos com níveis de segurança e organização vistos nos grand slams sem grandes patrocinadores? Quantos atletas admitiriam receber premiações 1.000 vezes menores para levar uma vida absurdamente cheia de restrições e treinando de 6 a 8 horas diárias?? Infelizmente, sem a atuação da mídia esportiva não haveria dinheiro suficiente para isso tudo…
    Não gosto desse processo de escravização que o dinheiro promove, porém, qual a solução mais imediata para isso?

    Creio que por meio de um debate criterioso, ouvindo todas as partes envolvidas e acatando decisões da maioria, possa se encontrar um meio termo. Alguns avanços podem ocorrer…

    MAS, o que eu gostaria de saber é o seguinte: POR QUE RAIOS OSAKA NÃO APROVEITOU O ENORME PERÍODO DE ÓCIO DA PARALISAÇÃO DO TORNEIOS PARA SE ENGAJAR NESSE DEBATE???!!! Foram 5 meses sem nenhum torneio! Houve tempo de sobra para reflexão meu Deus!!!

    Em parte ela demonstrou sim um certo estrelismo, apenas “avisando” que não daria entrevistas. POR QUE ELA NÃO “SOLICITOU” essa possibilidade…?? Poderia ter apresentado algum laudo médico confirmando diagnóstico de depressão. Para preservar a intimidade da atleta, a organização soltaria uma nota esclarecendo que “por razões pessoais a atleta não daria entrevistas…”
    CONVENHAMOS, ela foi arrogante e presunçosa ao decidir, por si mesma, declarar que não daria entrevistas!
    Ela pode ser mal assessorada, mas antes disso, creio que ela tenha se empolgado além da conta pela repercussão que gerou durante as manifestações antirracistas (mais que legítimas, por sinal) e agora tentou levantar uma nova bandeira. O problema é que a maioria dos atletas em atividade não abraçou a causa, por assim dizer.

    ESTOU CONSCIENTE que pode soar leviano de minha parte duvidar que ela tenha mesmo depressão. Não oferecer a ela o benefício da dúvida. Porém, realmente me pareceu muito oportuno sair com essa exatamente agora, quando percebeu que o “tiro saiu pela culatra”. E acho mesmo difícil alguém com quadro depressão verdadeira se manter em forma, voando em quadra como ela, de fato, está.

    Quanto à afirmação de que “todos os dias alguém é massacrado…”, eu concordo plenamente. MAS, isso corre nas periferias de todas as grandes cidades, acometendo pessoas em extrema vulnerabilidade social.
    NÃO TENTEM me convencer que uma milionária de 23 anos de idade, uma das atletas mais bem pagas do mundo, esteja sendo “massacrada” por repórteres e pela obrigação de oferecer entrevistas em um torneio que paga uma fortuna apenas para que ela mostre seu belo rosto no complexo.
    ESSA GAROTA DECLAROU, EM ALTO E BOM TOM, QUE SE SENTIU DESCONFORTÁVEL PELAS COBRANÇAS APÓS AS DERROTAS NO SAIBRO!
    Realmente é muuuuito “mi mi mi” para meu gosto!!
    Parem de superproteger essas pessoas!

      1. Willian Rodrigues

        Prezado, conjuntos de regras ou leis podem sim ser adaptadas a certas particularidades.
        Concordo que DEVE haver alguma subjetividade para se aplicar sanções, medidas punitivas. Sempre!
        O que não se pode é IMPOR uma condição que contraria as normas sem antes debater o assunto.
        Ela poderia ter SOLICITADO… Seria uma atitude mais humilde e, provavelmente seria atendida pela organização!! Com certeza, outros tenistas que também não curtem as entrevistas torceriam o nariz. Rrsrsr… Isso geraria o debate universal a respeito do tema de forma tão ou mais eficaz!
        Não creio que o caminho para mudanças seja sempre uma “revolução”, uma medida agressiva de “dizer não” para determinada norma.
        Reitero: por que Osaka não incitou essa discussão antes dos torneios serem retomados, uma vez que alega estar sofrendo desse mal desde o US Open 2018??

      1. Willian Rodrigues

        Periferia, tenho profundo respeito pelo seu intelecto e criatividade.
        Porém, preciso discordar. Não se trata disso!
        Não sou insensível a qualquer doença ou agravo à saúde. Sou atuante nessa área… Cuido diariamente de pessoas…
        Estou colocando em xeque a existência de um verdadeiro diagnóstico de depressão…
        A questão aqui foi a conveniência do momento para ela se manifestar, e a forma como ela o fez.
        Pensemos: se ela foi capaz de declarar que sofre desse mal, já teve sua vida pessoal exposta!!! Por que não apresentar algum laudo que oficialize isso e minimize a polêmica em torno de si mesma??! Algo que, aliás, reforçaria a bandeira que ela tentou levantar.
        Pra mim, parece simples e óbvio. Esse diagnóstico nunca existiu até ela perceber que errou…

  17. Efraim Oliveira

    Dificilmente dou opinião política por aqui, mas vamos lá…

    Eu não entendi bem o porquê da guerra de serem contra a realização da Copa América aqui, haja visto que torneios de futebol estão rolando do Oiapoque ao Chuí, e ainda podemos acrescentar o fato de estar rolando dois torneios continentais. Não sei onde que está o critério disso aí.

    O problema é que está difícil ter um raciocínio lógico porque tudo está envolvendo política ultimamente. A maioria dos discursos políticos são mentirosos e é cada um visando apenas seu lado, seja o da direita ou da esquerda.

    Olhando pro evento em si, faz sentido ser contra a realização do
    mesmo sendo que há campeonatos em curso no Brasil?

    1. F.R.

      Se está difícil de controlar a epidemia de Covid no Brasil agora, imagina na Copa kkkkk
      (Contém ironia)

  18. Luis

    Dalcim bom Federer de volta faz bem ao tênis,parece bem talvez ainda pegando ritmo parece próximo do que conhecemos do Suíço como disse texto tênis mais bonito da história rs,parece Federer vai conseguir chegar bem na Grama seu maior objetivo temporada,Dalcim suíço tá jogando 60% seu potencial? Rs parece pode se soltar mais Suíço,sobre Osaka quando surgiu US open era menina legal não sei se fama rápido parece prejudicou até sua saúde com depressão que atinge muitas pessoas,talvez dando tempo Japonesa pode voltar melhor e’ uma ótima tenista tomara não aconteça parecido com Sharapova não conseguiu volta jogar tênis alto nível russa era uma estrelas tênis mundial,abraço

  19. André Barcellos

    Quem escolheu esses highlights esqueceu de colocar o lance mais espetacular do jogo. Aquela munhecada de direita no último segundo pra dar uma passada cruzada no Istomin.

  20. Carlos Augusto

    Dalcim, acho que há algo na história de Osaka que não fecha. Ok, o que ela relatou é sério e não há por que se duvidar de suas palavras.
    Entretanto, o ponto que não fecha é o fato de ela não ter conversado previamente com os organizadores, e não ter aceitado dialogar logo depois que eles a procuraram para saber o que estava acontecendo. Isso é totalmente incompatível
    quando se considera que ela é a atleta mais bem paga do mundo e que possui uma estrutura forte de acessoramento e de comunicação, principalmente nas redes sociais, o que em decorrência lhe proporciona grande visibilidade (e dinheiro).
    Não duvido do problema de Osaka, mas sabemos que mesmo os gigantes do Big 3 e também Serena têm seus monstros internos que os atormentam em diversas situações. Independente do problema, que todos têm, acho que faltou humildade para ela na decisão inicial. E a nota de hoje, sim, pareceu coisa de profissionais da comunicação.

  21. Vitor Hugo

    E tinha gente dizendo que o Sonego, 26 anos, era um jovem promissor e cheio de talento… kkkkkkk
    Fraquíssimo!

  22. Miguel BsB

    Vamos lá:
    Primeiramente, como é bom assistir o Maestro jogar…vai ter habilidade, estética de jogo e, além de tudo, eficiência, lá na Suíça! O cara faz de tudo, drops, saque e voleio, quase acertou mais um lindo Grand Willy. Passeou nessa 1 rodada.
    Thiago passou bem tb e tem tudo pra passar pelo Johnson…seu forehand pesado de canhoto na esquerda que só fatia do americano, deve fazer estragos…

    Por último, passei o último post sem comentar a situação da Osaka, mas li os comentários. E vários, normalmente vindo dos mesmos de sempre, (claro que o camarada que classificou a Austrália de Ditadura e que medalha de ouro olímpica não vale nada estaria entre eles), com o velho, surrado e idiótico mi mi mi, estrelismo, jogadora milionária não tem que reclamar e essas sandices que nós já estamos cansados de ver saindo das bocas de uma parcela da sociedade que, infelizmente, conquistou a Presidência da República.
    A menina tem depressão. Uma doença grave, que acomete milionários, bilionários, pobres, famosos, anônimos, atletas, sedentários, etc…
    Posso falar com propriedade porque, em um período conturbado da minha vida, fui acometido dessa doença, e posso falar: o que eu senti em determinados dias na época, jamais senti com doença nenhuma que tive na minha vida…graças à Deus, ao médico, a medicação e a ciência consegui superar e nunca mais manifestei a doença.
    Depressão pode ser uma doença fatal.
    A Osaka me parece uma menina do bem, respeitosa com todos, correta. É introvertida, me parece ser bem sensível, e, por mais famosa e milionária que seja, pode ser acometida tb, como qualquer um de nós.
    Portanto, tenham cuidado e parem de apontar o dedo para os outros. Não sabemos o que se passa com as pessoas, por mais milionárias, famosas, saudáveis que elas pareçam ser…

    1. Willian Rodrigues

      Com relação ao Federer, realmente fez um belo jogo! Ainda mais se levarmos em conta o longo período sem jogar e o fator idade. Gostei muito de assistir à partida. Parabéns aos seus torcedores! Torci contra, como sempre, mas o adversário não ajudou. KKKKK

      Agora falando sobre o caso Naomi Osaka e a doença que você, infelizmente, manifestou:
      Você teve condições de se alimentar bem, dormir adequadamente, praticar esportes, manter atividades intelectuais em dia durante a vigência desse quadro de depressão?? A literatura científica diz que é algo incompatível…
      Então, como essa moça pôde se manter jogando tênis em alto nível desde o US Open 2018 um vez que passou a manifestar o quadro de depressão???!!
      Por isso, eu questiono o oportunismo da declaração que ela fez…

      1. Miguel BsB

        Praticar esportes e exercícios físicos são vitais pra sair do quadro. Endorfina.
        É difícil, pq, nos quadros mais graves, vc nao quer sair da cama. Mas aí que entra o tratamento medicamentoso. O remédio, artificialmente, te “levanta”, daí é força de vontade, e encarar os desafios, alimentar-se, exercitar-se, trabalhar, produzir. Ou seja, voltar à vida.
        A Osaka pode muito bem tomar algum desses remédios, não sabemos. Eu acho que ela não tá inventando não. Talvez, não soube como se dirigir à questão corretamente num primeiro momento, como ela mesma disse…

        1. Willian Rodrigues

          Prezado, segue abaixo apenas alguns dos efeitos colaterais mais importantes de alguns dos fármacos usados no tratamento para depressão:
          Náusea, cefaleia (dor de cabeça), obstrução nasal (dificulta o desempenho pela questão aeróbica), dores musculares, xerostomia (boca seca), sudorese (tenista desidrataria além do normal), insônia e sonolência.
          É ruim dela estar sob abordagem farmacológica, não?

    2. JAN DIAS

      Excelente! ??????
      Como é bom ver alguém c/humanidade e lucidez.. Quanto ao Roger, ver ele jogar é um colírio, ajuda até os olhos..kk

  23. Luis Nogueira

    NoleKing deve atropelar amanhã. O único jogador que pode derrotar o sérvio neste Slam chama-se NADAL.

    e que jogador easy pro freguês hoje hein?

    Mesmo nível do tal Stakovsky que deu aula pro Federer em Wimbledon há uns anos.

    Acho que o freguês vai sim chegar nas quartas de final, onde será entubado pelo mito sérvio. Aposto em um placar mais elástico do que aquele massacre de 2012. Nada perto de um 2008 contra NADAL…

  24. Paulo Almeida

    Thiem não tem um décimo da caixa de ferramentas de Djokovic ou Nadal (além de ser muito madeireiro) e por isso mesmo nunca chegará perto dos dois na história, mas querer dá-lo como acabado para o tênis com seus míseros 27 pra 28 anos é um absurdo, a não ser que a lesão seja muito grave.

    É sempre bom lembrar que o auge técnico/físico/tático/mental do sérvio foi nessa faixa de idade e que os dois melhores da história ganharam 6 Slams depois dos 30, com o espanhol sendo favoritaço a mais um próximo de completar 35. Tendo isso como referência, penso que o austríaco ainda tem muito a oferecer.

    1. Paulo Almeida

      Ah, também não posso levar a sério o comentário do Pessanha com seus devaneios ultrafanáticos de sempre, mas se a diferença de categoria é avassaladora, por que ele leva fumo dos arquirrivais no h2h e está tendo seus recordes pulverizados?

      A resposta é simples: Djoko e Nadal são mais geniais levando-se em conta todos os aspectos que constroem um campeão, ou seja, não se limitando apenas às jogadas acrobáticas.

      1. David Lopes

        Almeidao, mais parrudos do que os títulos do teu querido Nole ,com exceção do challenger de Belgrado, são as parrudas besteiras que você posta sobre o RF. É muito recalque.

      2. Sérgio Ribeiro

        Na boa , você pensa que engana a quem , caro P. A. ? .Você cita Nadal como gênio, pelo fato de em TRÊS SLAM por temporada , o cara não vencer Novak desde 2013 . Tu aceitas até perder pro Touro em RG . Ou seja , Rafa não é ameaça pra turminha da Kombi de maneira alguma inclusive com seu ZERO FINALS . Ensaiou o discurso direitinho na Whats pra sempre falar em tom elogioso aos dois. E vice-versa. Roger Federer foi e sempre será a maior ameaça pras duas tchurminhas . Seu estilo inigualável o faz há muito o melhor da história. Tu podes repetir a exaustão a ladainha de h2h , que definitivamente o que vai se sobrepor , é a importância de cada um do Big 3 para o Esporte . E até nisso o Sérvio ficará eternamente na lanterninha…rs . Abs!

        1. Sérgio Ribeiro

          Ps . O Touro Miura com sua mais que merecida Estátua em Paris , se consolidou definitivamente em segundo para o mundo . A conferir ! Abs !

        2. Paulo Almeida

          Ribeiro,

          Eu falo de h2h, Slams, Masters 1000, Big Titles no geral, semanas como número 1 é year-end. O rei da era fraca pode ficar com o jogo circense que os outros dois ficarão com os recordes.

          Incrível como uma vitória sobre o Istomin atiçou o ufanismo da seita xiita ultrafreguesiana, hahaha.

          Ah, não estou no grupo do Whats.

          1. Sérgio Ribeiro

            Jura ? Os outros dois não ficarão com todos os seus recordes não ,desavisado ” Rei das bravatas ” . O de número de semanas CONSECUTIVAS no TOPO do Ranking e o de SEIS Temporadas CONSECUTIVAS como N 1, os dois recordes inalcançáveis , ficarão com outros dois. Roger Federer e Pete Sampras rs. Abs!

    1. José Nilton Dalcim

      Acho que ele se movimentou bem, mas é difícil avaliar diante do Istomin porque o suíço assumiu primeiro o comando do ponto e o colocou na correria. Os golpes me parecem calibrados e o forehand já está quase no nível normal. Devolução ainda é um ponto em que Federer precisa trabalhar. Abs!

      1. Petros

        Mestre notei tb que a devolução está abaixo, assim como a movimentação lateral.
        Lógico que é perfeitamente natural pra quem ficou tanto tempo afastado. Por isso acredito ser tão importante atingir uma segunda semana em Paris. Com 4 jogos em Paris e um bom Atp 500 em Halle, o suíço deve chegar a Wimbledon bem próximo dos 100%, haja vista o primeiro saque e o jogo de rede estar bem afiado.
        E Roger acima de 80% em Wimbledon já é um grande perigo pra quase 100% do circuito.

        1. José Nilton Dalcim

          Realmente acredito que a meta do Federer é fazer 3 ou 4 jogos em Paris, o que significaria pelo menos 9 ou 12 sets. Isso ajudaria na confiança e no ritmo.

  25. Nattan Labatto

    É direito da talentosa japonesa esconder seus fantasmas emocionais, seu jeito introspectivo é notório assim como o seu engajamento em causas humanitárias. Contudo, o desenrolar dessa história nos causa perplexidade, pois desde 2018 ela vem enfrentando um problema tão grave e que atinge mais de 300 milhões de pessoas e vitimou fatalmente mais de 850 mil ter vindo a tona apenas em um momento de conveniência. A Osaka seria durante punida se persistisse nessa posição que parecia mais birra e marra do que uma briga por uma bandeira legítima, dando até um ar de soberba.

    Diante de todas as insinuações levantadas (mi-mi-mi, birra, estrelismo e egocentrismo), prefiro acreditar que ela realmente esteja falando a verdade e que logo logo volte a brilhar nos grandes palcos, pois essa Japa joga demais!

    Abs

  26. Ruy Machado

    Só consegui assistir os últimos 6 games do jogo do Federer e, assim mesmo, pelo celular entre um compromisso e outro de trabalho. Mesmo estando longe do ideal, a técnica e categoria estão lá… O Gran Willy que ele mandou deveria ter sido ponto dele… Mas quem se importou? Valeu pela plasticidade da jogada. E, ao final do jogo, aplausos para o gênio das quadras! Mesmo com o público reduzido, parecia até que havia ganho o torneio tamanha era a alegria do público. E ainda tirou onda quando entrevistador (acho que era o Fabrice Santoro) mandou uma pergunta e o Maestro quis saber se respondia em inglês ou francês… Boa, Roger!

  27. Maurício Luís *

    A depressão é um mal que atinge ricos e pobres. E confirma aquele ditado popular “Dinheiro não traz felicidade”. Osaka é milionária, jovem, famosa… talvez este último ítem seja o responsável. Não é a primeira nem vai ser a última celebridade a não lidar bem com a fama. Torço pra que supere isto, é uma menina formidável.
    E falando da Copa América, acredito que o presidente esteja se inspirando nos imperadores romanos. ” A política do Pão e circo (panem et circenses, no original em Latim) como ficou conhecida, era o modo com o qual os líderes romanos lidavam com a população em geral, para mantê-la fiel à ordem estabelecida e conquistar o seu apoio.”
    O único problema é que pra milhões de brasileiros, falta até o pão. Fora emprego, saúde…

  28. Uzaya

    Que ótima primeira rodada. O complemento da rodada não parece reservar grandes emoções. mas estou curioso pra ver se o Gaston passa e encara o Nadal.
    Por sinal, Dalcim, quais os motivos mais evidentes para esse garoto não “vingar” no ranking? O jogo dele me agrada bastante, acho bonito, até meio “confuso” pros adversários, mas ao mesmo tempo muito irregular (vide o pneu que levou em Oeiras na semifinal depois de partidas razoáveis até o jogo em questão).

    1. José Nilton Dalcim

      Não o acompanhei muito depois de Roland Garros, Leandro, mas é evidente que há limitação grande, principalmente fora do saibro. Mas ele joga bonito e é divertido, sem dúvida.

  29. JAN DIAS

    FALANDO EM RÚSSIA: ??

    ⚾️ Tomara que o MEDVEDEV avance + em RG porque apimenta a disputa e ele é diversão garantida..kk

    ⚾️ RUBLEV tem um azar danado nos sorteios: só pega pedreira. Tomara que ele passe pelo STRUFF..

    1. Luiz Fernando

      Jan, nessa temporada de saibro ele tem sido uma diversão garantida mesmo, p os adversários…

  30. Marcelo Gomes Monteiro

    Dalcim,
    Se não me engano, esses casos de depressão no esporte não são tão raros. Até mesmo o gênio Bjorn Borg passou maus bocados. Não podemos condenar Naomi Osaka, mas tentar entender e torcer pela melhora de sua saúde mental. Todos estamos sujeitos a isso

    1. José Nilton Dalcim

      Não são raros mesmo, Marcelo. Ainda mais um esporte individual onde a pressão é muito maior.

      1. Emerson Nogueira

        Dalcim foi por pouvo que o Rafa Nadal não encerre a carreira realmente ele estava mal de cabeça mrdo ai jogar é derrota na certa!Espero que a Nsomi se recupere e o Thiem está no mesmo balaio!

  31. JAN DIAS

    ATÉ QUE ENFIM O MATTS ENTREGOU A RAPADURA: ?

    Olha aí SÉRGIO!
    O MATTS WILANDER declarou isso sobre o jogo de hoje do FEDERER ??? em RG, ao vivo, no canal de TV do Eurosport UK:

    ” I felt like I was in heaven. Roger is just so graceful, ir looked like he was never away, first of all. (…)
    Every single shot he hits makes me feel awkward, like I am an awful tennis player. Its unbelievable how you can play like that”.

    Dorme agora c/ 1 barulho desses…kkk

    Fonte: http://www.eurosport.co.uk

    1. Sérgio Ribeiro

      Então, JAN . Em se tratando de Mats Wilander, eu boto minhas barbas de molho . Meu filho já veio me mostrando dando gargalhadas kkkkkk. ABS !

      1. JAN DIAS

        Eu também ponho..kk? mas eu vi o vídeo dele falando e ele realmente pareceu impressionado.. Até deram uma raquete ?pra ele mostrar quão difícil era o drop shot que o FEDERER deu na baseline e que desequilibrou o ISTOMIN..

  32. Daniel C

    Eu fiquei surpreso com essa partida do Federer, esperava um jogo mais duro ou até uma derrota, afinal esse Istomin já derrotou o Cotonete no AO! Rs. Mas enfim, bom pro suíço adquirir um pouco mais de ritmo e espero que ele passe pelo Cilic, para que eu possa vê-lo em ação no fds. Mas o croata não é bobo e sabendo da situação atual do Federer, vai entrar mais motivado para devolver as derrotas que sofreu nos últimos anos. Não me surpreenderia com uma eliminação.

    Sobre o caso da Osaka, eu penso que ela não soube lidar com toda essa pressão da situação que ela mesmo criou e saiu de fininho. O que é compreensível, na idade dela é difícil “segurar alguns rojões” e perceber que a opinião pública está contra vc. Acho que ela agiu sem pensar muito nas consequências, algo típico de uma pessoa jovem e infelizmente se colocou numa situação mentalmente difícil. Se já estava lidando com problemas emocionais, acho que essa situação toda só agravou esses problemas. Serve como aprendizado e vai precisar com certeza de um tempo para refletir sobre como propor mudanças de uma forma mais madura. Alguns jovens de hoje em dia querem “revolucionar” o mundo (o que é uma atitude nobre), mas muitas vezes se esquivam de buscar soluções ou de arrumar o próprio quarto rsrs.

  33. Jose Yoh

    Dalcim, a obrigatoriedade de entrevista é regra em muitos outros esportes? Sei de alguns, mas seria maioria?
    Abs

  34. Sandra

    Boa noire. Dalcim, uma vez eu perguntei sobre a pressão que o jogador passa, ainda mais em tempos de COVID, achei que você não tivesse dado muita importância, hoje vejo a Osaka , talvez no masculino seja mais fácil, você aguentaria essa pressão toda ?

    1. Sandra

      Mas achei graça mesmo de um comentário de um colega seu dizendo da felicidade do Medevedev ter ganho a primeira partida em Roland Garros , em um piso que ele detesta, mas concluiu o comentário dizendo que seu adversário tinha alergia a saibro!,,

    2. José Nilton Dalcim

      Acho que é uma questão de personalidade. Cada pessoa reage de um jeito, seja dentro ou fora do esporte.

    3. Julio Cesar

      Depressão nos tempos modernos ainda é um assunto sendo estudado. Ainda não sabem dizer exatamente se há gatilhos cerebrais, alterações genéticas, problemas causados pela alimentação e outros fatores que influenciam no grande aumento de incidência da depressão clínica nos centros urbanos.

  35. Vitor Hugo

    Pois é, caro Rodrigo, o uzbeque atropelado pelo GOAT hoje, passou o carro no gost da 25 de março no slam favorito da aberração ????

    1. Alessandro Siqueira

      Ganhou do Djokovic perdido e ganhável de 2017/2018. Até aí, nada, até o Taro Daniel ganhou. E foi nessa que Federer amealhou os últimos 3 slams. Foi só o sérvio fazer a cirurgia e deixar o guru de lado que o suíço não ganhou mais NADA de relevante, né?

      1. Rodrigo S. Cruz

        Bom,

        então você vai EXCLUIR todo Slam que o Federer também esteve “ganhável”, ou que pulou o torneio, ou problemas físicos?

        Logo, esse argumento é fulminado.

        Federer ganhou 3 Slams no período citado por você batendo vários tenistas Top, incluindo o Nadal em decisão

        E por fim, o Taro Daniel está para tenistas inexpressivos como:

        Sonego, Kolshreiber, Bautista-Agut, e outros para os quais o sérvio perdeu, mesmo em GRANDE FASE.

        Abs.

  36. Vitor Hugo

    Não creio que Cilic trará grandes problemas pro Federer. O croata é um grande jogador, mas está em péssima fase e nenhuma intimidade no saibro. Creio em 3 x 0 para Roger.
    E olha que Cilic x Federer já fizeram 2 finais de slam…. Pelo menos no currículo, jogo gigante pra uma segunda rodada.

    1. Rodrigo S. Cruz

      Também estou apostando numa vitória tranquila do suíço.

      O Cilic tem apresentado um tênis de quinta categoria.

      Só espero que o croata não resolva voltar jogar bem justamente agora rs rs

      1. Sérgio Ribeiro

        Cilc está com Federer engasgado e com grande ritmo no Saibro. O Craque ainda não está apurado nas devoluções e o Croata saca muito. Já SINNER deu uma bela demonstração de maturidade encarando aquele chato Francês que sabe lidar com a torcida como ninguém. Olho ! Abs!

  37. Marcel Azevedo

    Dalcim você acha que Federer procurou se preservar acalerando os pontos e fazendo curtinhas para o resto dos jogos? Boa noite

    1. José Nilton Dalcim

      Não necessariamente, Marcel. Acho que é o estilo que ele está buscando jogar, pensando na grama e não no saibro.

  38. Efraim Olivei

    Acho que a Ostapenko e a Andreescu serem eliminadas na estréia não surpreendeu. A Ostapenko não fez mais nada além da conquista de Roland Garros, a Andreescu tá num caminho semelhante.

    Goffin, o Baby Roger, virou uma decepção total, faz é tempo.

    Roger tem um tênis vistoso, mas o Ruinstomin deu aquela colaborada legal pra ele produzir mais ainda lances bonitos. Roger tivesse forçado mais um pouco o jogo teria dado um triciclo nele.

    Alguém falou no posto anterior que Thiem possui mais tênis que Novak. Sinceramente, não sei que esporte essa pessoa anda acompanhando.

    Quanto a Osaka… Certa ou não, ela abriu a janela pra um debate. O tempo dirá se isso terá apoio ou será um caso isolado.

    1. Thiago Silva

      A Andreescu não tá no mesmo caminho não, ela é muito mais regular que a Ostapenko Kamikaze, só tá sofrendo com muitas lesões.

  39. JAN DIAS

    Eu cantei essa bola ⚾️? no post anterior (THIEM e OSAKA c/Depressão) e repito que essa doença é grave e mata. Eles precisam procurar ajuda especializada porque isso não é algo que se cura da noite pro dia..
    Espero que eles se tratem e fiquem bem ?

  40. Rodrigo S. Cruz

    Eu também vi o CHORO do Benoit Paire.

    Fiquei com dó, pois a maré dele é ruim, e ele é um tenista que joga com classe.

    Peguei o jogo no finalzinho:

    o francês chegou a ter quebra para vencer o terceiro set, mas vacilou e permitiu a virada do Ruud.

    Ser eliminado tão cedo, diante da sua torcida, torna compreensível as lágrimas.

    1. JAN DIAS

      Eu só li que ele tinha chorado e tb fiquei c/pena… mas no nível dos top 30 ou 40 o cara tem que estar bem física, técnica e mentalmente senão não ganha nada.
      E o PAIRE já vem de uma progressiva decadência, acentuada por seu gosto por aventuras e noitadas…
      Pra competir nesse nível ou você está nos trinques ou já era..

  41. Leo Gavio

    Eu nunca pensei que a Osaka fosse tão canalha assim. Achava que era só militancia chata (pleonasmo).

    Quando você é um canalha, você apela para golpes baixos pra não perder uma disputa de poder. Usar uma possivel depressão como desculpa é mais do que canalhice, principalmente vindo de alguem que tem exposição publica, fãs e etc.

    O fato é: ela se sentiu ferida no ego por não ter o seu capricho atendido, e diante da pressão, resolveu ir All in. Ou seja, como principal tenista da atualidade, jogou sujo, jogou covarde, jogou de forma canalha. Criou problemas inexistentes.

    Talvez ela seja apenas esquizofrenica ou paranoica. Não acho que seja baixa auto-estima como alegam, ou depressão. Parece um comportamento psicotico. Ela realmente tem alucinações, desde o ano passado ela vem aprontando com atitudes irresponsaveis.

    Precisa ser tratada por um psiquiatra. Uma pessoa pode fazer reivindicações sem ter de agir de forma covarde.

      1. Sérgio Ribeiro

        Não leve a sério, Miguel . Esse Nick do Leo Gavião passa de mão em mão. O verdadeiro é aquele que o Piloto da Kombi crava que o cara é um “ sábio “ rs . Abs!

    1. Luiz Fabriciano

      Mas se tem que ser tratada por um psiquiatra, como pode se é uma canalha?
      Não entendi. Psiquiatras curam canalhices?

    2. Chetnik

      Eu também fiquei com a impressão de que o tiro saiu pela culatra e ela, para não sair muito por baixo, veio com essa história. Não digo nem que ela não tenha depressão, mas acho que ela usou o tema para sair da situação como uma injustiçada.

    3. Ronildo

      Ainda bem que a Naomi Osaka não é brasileira. Assim é praticamente impossível que ela fique sabendo que alguém falou isso dela!

      “Como maçãs de ouro num cesto de prata é a palavra bem escolhida falada no tempo certo para ela”.

    4. Marcelo Costa

      Ao ler sua sandice, agradeço pela democracia, que lhe dá direito de escrever algo tão desleal, desumano e descortez. Lute para que não percamos esse direito, pois, pelo que li você até agora foi o único a ter uma opinião desprovida de empatia, respeito e dignidade neste blog.

  42. Rodrigo S. Cruz

    Caraca mano!

    Mas que primeira rodada TRAIÇOIERA essa de Roland Garros, hein?

    Primeiro o Thiem foi eliminado.

    Depois o Goffin foi atropelado pelo jovem Musetti, e com direito a ” pneu”.

    E por fim, o Sinner teve de salvar matchpoint!

    Aliás, eu já havia previsto que o Sinner não daria grandes problemas ao Nadal.

    Claro que cada jogo é um jogo, mas hoje esse indício foi reforçado!

  43. Periferia

    Não é Não

    Em 1° de dezembro de 1955…o motorista de um onibus na cidade de Montgomery parou o veículo.
    Nessa cidade, existia uma lei que não permitia que os negros se sentassem nos mesmos lugares que os brancos dentro dos ônibus.
    O motorista do ônibus poderia ordenar que o negro se levantasse e desse o seu lugar para um passageiro branco.
    Mas naquele dia algo não seguiu a “normalidade”.
    A mulher negra que ocupava o lugar….olhou para o motorista e disse:
    – Não.
    Uma simples palavra…a mulher era Rosa Parks….e o “não” dela ecoa até os dias de hoje.

    Novamente ouvimos outro “não”.
    A tenista que mais fatura no esporte disse “não”
    Não foi um “não” como de Rosa Parks (um “não cheio de orgulho).
    Foi um pedido de socorro…de ajuda.
    Ninguém ouviu…como costuma ser nesses casos.
    Bem fez ela…
    Vem para periferia que iremos pescar…antes que algo ruim te aconteça.

    (Todos os dias se massacra alguém )

    1. Jose Yoh

      Grande texto Periferia. Talvez não concorde com a forma como o “não” foi dito, mas o direito é todo dela. E muito necessário às vezes para perceber problemas que não enxergamos.

      Uma das grandes diferenças da geração atual com a anterior é que a anterior tinha muito menos exposição e críticas negativas nas redes sociais. Imagine você ser tímido, ter problemas para se expressar e ter 3 segundos para dar uma boa resposta para uma pergunta difícil e desagradável. E depois, independente da resposta, ser massacrado com todo tipo de comentário sem noção como os que vemos por aqui.

      Isso vai afetando a auto-estima e criando algumas Osakas por aí. Não suportam mais a pressão do mundo.
      Somos nós mesmos que tornamos essa geração “mimizenta” como dizem alguns companheiros. Tanto pela educação que damos aos filhos (chamando-os de nutella), como pelas críticas sem perdão que fazemos diariamente achando que a personalidade nunca vai ler.

      Pelo que eu andei lendo, Djokovic, Barty, Kyrgios e talvez Thiem, para ficarmos em poucos exemplos já tiveram sintomas de depressão. Tenho certeza pelo que leio por aqui que muitos que escrevem aqui também tem. Estou certo que não são pessoas fracas; é uma tendência mundial da cobrança e críticas crescentes e sem tendência de melhora.

      1. Periferia

        Olá José

        Fico imaginando José….quantos garotos ficam pelo caminho por causa da tal pressão.
        Dessa necessidade de construção de uma imagem que não está relacionada ao que a pessoa deseja…nem de quem ela é.
        Quando alguém se rebela…
        -Para de mimimi…deixa de ser fresca…tira essa melancia daí.
        Vejo muito aqui as pessoas escreverem sobre a intimidades desses atletas (Federer…Djokovic…Nadal)…impossível saber quem são essas pessoas…elas existem apenas como imagem.
        Eles não permitem um aprofundamento de suas personalidades….além de gênios….são também produtos (que o fã idealiza como desejar…e literalmente os consomem).
        Osaka fez o caminho inverso…pressionada de todos os lados…sem apoio de ninguém…confessou.
        É infeliz.

        Abs

        1. Jose Yoh

          Sei que muitos do blog curtem música e são grandes conhecedores dos artistas. Então vou exemplificar dizendo que vários de seus ídolos suicidaram-se ou morreram por drogas, engolidos pelo sistema que era muito menos exigente na época. Não é uma coincidência.

          A vida de celebridade é solitária, porque não dá para confiar em ninguém. Todos à sua volta estão por interesse. Total falta de privacidade. Moram em uma mansão junto com o mundo inteiro. Entrevistas e críticas diárias por gente que não te conhece (um massacre diário). Isso tudo no período mais imaturo e inseguro da vida.

          E talvez tudo o que o artista quer é divulgar sua arte. Então qual o sentido de ter de alimentar tudo isso?

          Talvez a real genialidade desse pessoal seja conseguir lidar com todo o sistema sem destruir a si mesmo e ainda tirar proveito disso.

    2. Marcelo Costa

      Hoje faz exatos 100 anos do massacre em Tulsa, história qué é pouco contada mas que não cai no esquecimento de quem sentiu, sente e se não lutarmos pêlo não é não, sentirão na alma.

      1. Periferia

        Olá Marcelo

        Bem lembrado…
        Lembra a Noite dos Cristais na Alemanha nazista.
        (Algo tão diferente e ao mesmo tempo tão próximo)

        Abs

    3. Barocos

      Periferia,

      Este é um assunto muito complicado de analisar, não existe uma resposta simples sobre ele. De fato, algumas pessoas possuem uma enorme dificuldade de falar em público e odeiam se expor. Há ainda aquelas que apenas querem evitar situações que elas consideram constrangedoras.

      Não sei qual é a situação da Osaka, se ela sofre de depressão, o que desejo de todo o coração que não seja o caso, ou se ela apenas calculou mal a sua ação, visando evitar uma situação desagradável, mas não compactuo com decisões em situações profissionais, onde existem regras, tomadas unilateralmente. Se isto fosse facultado a todos os profissionais, dizer “não, não quero falar”, então não poderíamos exigir respostas de políticos, médicos, engenheiros, advogados e toda uma gama de profissionais que são pagos para exercer suas atividades e prestar esclarecimentos. Não me parece algo muito salutar para a sociedade.

      Quando ela se propôs a jogar tênis na elite do esporte, ela já sabia de suas obrigações e, se as entrevistas são torturantes para ela, deveria ter manifestado suas objeções com antecedência a fim de que uma solução de compromisso tivesse sido construída.

      Não sei até que ponto o seu exemplo de rebelião contra o abominável sistema de segregação que perdurou por muitas décadas nos USA (e o racismo lá permanece um problema enorme, e sendo sincero, bem maior do que no Brasil, pelo que conheço de lá) se aplica ao caso da Osaka. Talvez ela se sinta extremamente pressionada, haja vista que o nível de preconceito e racismo é altíssimo no Japão e ela é a principal figura esportiva feminina do esporte por lá, mas seja qual for o problema, apenas querer se calar não costuma resolver nada.

      Por fim, confesso que não sou fã do Twitter, muito pouca coisa pode ser devidamente discutida com as poucas palavras que se dispõe em cada postagem naquela plataforma. Para o bem ou para o mal, questões complexas exigem argumentos igualmente complexos. Acredito que você já tenha lido muito coisa dos maiores expoentes do movimento negro mundial (na minha opinião): Martin Luther King e Nelson Mandela. Se não o fez, separe um pouco do seu tempo para ler sobre os argumentos que embasavam as suas ações, que muitos dos seus apoiadores julgavam muito brandas e subservientes, mas que ajudaram a diminuir as injustiças, num ritmo agoniante e lento, é verdade, mas de uma maneira possível, com soluções de compromisso. Alguns homens mudam a si e as suas opiniões ao tornarem-se cientes dos problemas do outro, infelizmente, a velocidade da mudança na sociedade é muitas ordens de magnitude menor. Gritar ou se calar não move a agulha da bússola para onde queremos, é necessário o diálogo, por mais doloroso que este possa ser.

      Saúde e paz.

      1. Jose Yoh

        Barocos, não creio que isso tenha sido unilateral e sem conversa anterior, muito menos sem fortes motivos. Seria bom confirmarmos antes de escrever algo. Mas nem a imprensa ou a WTA são fontes confiáveis nesse caso por motivos óbvios. Ela também não é.
        Então nunca saberemos.

        Sobre o Japão, conheço bem o país, morei por lá. Posso dizer que no geral são muito respeitosos com estrangeiros, que são mais numerosos e problemáticos do que no Brasil. Existe sim um preconceito, mas não é explícito. Na maioria dos casos não é um preconceito, é uma defesa das regras e costumes locais frequentemente desrespeitados, embora haja casos isolados sim. Outra coisa é que os japoneses são extremamente introvertidos e avessos à exposição pública. E exatamente por isso tem problemas de comunicação para expor seus próprios problemas, como fez a Osaka.

        Penso que as mudanças devem ser sim lentas, graduais e com muito diálogo. Mas às vezes é necessário um fator de ruptura, algo que choque a opinião pública para o assunto ser discutido com mais seriedade. Se ela simplesmente respondesse às entrevistas como os outros e apenas informasse o que desejava, nunca estaríamos falando sobre isso.

        1. Barocos

          Jose,

          Ser respeitoso no trato social não significa não ser preconceituoso ou racista, nunca morei lá (o fiz, por um tempo, nos EUA), mas tenho muitos amigos que o fizeram e já li bastante sobre a sociedade japonesa e suas peculiaridades. Eu não seria leviano a tal ponto de fazer este tipo afirmação se o que ouvi e, mais importante, o que li, não apontassem para isto. Enquanto morei nos EUA, fiz amizade com pessoas de várias etnias e, ao menos na época, me surpreendi com o elevado nível de segregação social presente por lá e na desconfiança que existia entre os vários grupos. Não que não exista isto no Brasil, existe, mas não de forma tão acentuada e me causa muito desconforto que algumas pessoas aqui nas terras tupiniquins usem a sociedade americana como modelo. Até podem ser exemplos de progresso material, mas não acredito que isto seja o mais importante em nossa curta existência (claro, não ignoro as vantagens de ter mais do que o “mínimo”).

          Como no caso dos ingleses, também preconceituosos e racistas, existe um verniz que cobre o “exterior” das relações sociais no Japão. Como costumava dizer um amigo que fez doutorado numa das melhores instituições acadêmicas inglesas, sobre os ingleses, eles “te desprezam pelo simples fato de não ser um deles, ao mesmo tempo em que lhe dispensam um tratamento formal irrepreensível”, algo equivalente a “olhar de cima” (cuja expressão em inglês seria “look down on someone”). Esta é a impressão que tenho também sobre a sociedade japonesa e, verdadeiramente, adoraria estar errado.

          Saúde e paz.

          1. Jose Yoh

            Sobre o preconceito, acredito que você tenha razão, é só uma percepção minha e de algumas pessoas próximas. Abs

      2. Periferia

        Olá Barocos.

        Vejo as pessoas dizerem que existe um código de comportamento que tem que ser “aplicado”.
        Regras que precisam ser “aceitas”.
        Onde já se viu uma jogadora contestar as regras que são para todos.
        Osaka novamente…com seus problemas e demônios oferece uma reflexão sobre as relações…como nos relacionamos.
        Se vc olhar bem…é quase uma ditadura de como se comportar .
        A relação com Rosa Parks está nisso…naquele ônibus…naquele dia…o motorista estava aplicando a “lei” vigente…olhamos hoje estupefatos pelo ocorrido nos anos 50….hoje é um absurdo…naquele tempo era normal.
        Existe uma pressão para que o jogador(a) de elite seja uma celebridade…uma grande estrela.
        Com isso o jornalismo (desculpe Dalcim) é usado para “vender” o atleta.
        Tudo que se relaciona com o esporte hoje tem essa necessidade…vender.
        Rafael (espero que esteja bem) escrevia com propriedade sobre os bastidores do tênis…como era algo ruim…os interesses dentro da mídia era algo destruidor.
        Acredito que em algum momento o esporte vai ter que encarar o problema.
        O que é o esporte hoje?
        Um show de entretenimento ou uma competição de maravilhosos jogadores?
        Por que eles não podem apenas jogar?
        Por que eles necessitam ser celebridades?
        No fundo…o caso Osaka diz muito sobre isso….humanizar ou vender?

        Abs

        1. Barocos

          Periferia,

          Este é realmente um assunto bem complexo e não vejo como possa ser reduzido a, simplesmente, ter o direito de dizer “não”, assim como a eliminação do racismo em uma sociedade não é resolvido pela simples existência de leis, como você bem sabe. Tem que haver debates e esclarecimentos, é necessário que se aprofunde a discussão e quando digo isto, me vem a mente o exemplo dado pelo Colin Kaepernick, que escolheu dar a sua demonstração de insatisfação com uma situação insuportável e injustificável ficando calado e de joelhos, justo na hora que os americanos costumam colocar a mão no coração e soltar a voz quando da execução hino americano. Ele não se recusou a dar esclarecimentos sobre a sua atitude, na verdade, expôs seus motivos com grande lucidez, lucidez e maturidade que, me parece, faltaram à Osaka. Do meu ponto de vista, como já deixei claro, é necessário que se exponha e discuta argumentos para que a sociedade mude.

          Saúde e paz.

          1. Periferia

            Olá Barocos.

            Colin Kaepernick…nunca mais arrumou um time para jogar…depois do protesto…ficou estigmatizado como alguém “problemático”.

            Abs

        2. Jose Yoh

          Periferia, a respeito disso posso dizer que conheço vários casos de excelentes profissionais técnicos que não são bons de conversa. O que é natural na área de exatas. Diria que os melhores são deixados de lado apenas porque não são tão bons para falar.

          Acho que é uma ditadura obrigar pessoas que não são naturalmente comunicativas a passar por uma entrevista ou reuniões diárias sendo que o core dela é o lado técnico. Comunicação é muito importante mas cada um tem uma forma de fazê-la. Eu por exemplo seria péssimo em uma entrevista ou apresentação, então prefiro a escrita. Creio que alguns grandes escritores, artistas – e porque não atletas – também o são.

          O mundo só tem a perder com isso.

    4. Efraim Oliveira

      Bem lembrada essa história. A mídia é importante na divulgação do esporte, mas qual o limite dela? A Naomi teve coragem de abrir uma reflexão, o tempo dirá se ele teve razão ou não.

      Se a Naomi já causou esse rebuliço, fico imaginando o que o Lacoste causou com suas inovações para o tênis. Ele seria crucificado nos dias atuais.

      1. Periferia

        Olá Efraim.

        Fico pensando….e se Osaka fosse muda.
        Será que poderia jogar???
        Ou o código de conduta teria que ser adaptado?

        Abs

          1. Periferia

            Olá Teka

            Então precisamos adaptar o código de conduta para a regularizacao da libra nas coletivas.

            (Foi uma ironia)

            Abs

    5. Fernando Brack

      Menos, Periferia! Uma coisa nada tem a ver com a outra.
      Aquele ‘não’ de 1955 foi um não contra uma injustiça social que afetava milhões naquela época e afeta ainda hoje. Uma injustiça contra a qual pouco se podia fazer, já que a lei não favorecia os injustiçados e não havia clamor público suficiente para barrá-la. Não foi um não dito por um problema pessoal, como esse da Osaka. Embora também seja algo que afete milhões de pessoas, a ninguém é negado hoje o direito de tratá-lo como quiser.
      Com todo o respeito que a Osaka merece como indivíduo que sofre de um problema emocional, ela errou no timing e na forma como tratou o assunto. Em bom português: ela meteu os pés pelas mãos.

      1. Periferia

        Olá Fernando.

        Discordo um pouco.
        Conto una historinha para ilustrar.
        Estava em uma igreja…com um amigo…prestigiando um casamento.
        No meio da cerimônia o pai da noiva infartou.
        O amigo do meu lado sussurrou.
        -Que falta de “timing”…infartar logo agora…não poderia segurar?

        Não existe “timing” para essas coisas…Osaka não estava confortável…não conheço um tenista que não seja mimado…o caso dela é diferente.
        O que faz dela um ser único…que todas as empresas querem sua imagem…será também sua ruína.
        Ela é mulher…negra….japonesa/haitiana.
        Ela representa o Ocidente e o Oriente.
        Muitos vão destruir ela por isso.
        Ela não está tão distante de Rosa Parks.

        Abs

      2. Jose Yoh

        Caro Brack, para mim a forma não foi a mais correta, mas no final estamos aqui discutindo isso – o assunto da semana. Então acho que funcionou.

        Provavelmente irão fazer alguma mudança por causa dos jogadores. Muitos sofrem de depressão e a causa somos nós que diariamente escrevemos bobagens na Internet. Vamos assumir a posição dela: não aguentamos sequer uma resposta mal dada, imagine milhões de negativações diárias.

        Nem sempre a forma de protesto é a mais correta, mas por vezes é o jeito para abrir o debate, que de outra forma seria inexistente e unilateral por parte da WTA. Eles jamais iriam abrir mão disso.

    6. Fernando Brack

      O que se pode dizer para atenuar a besteira feita pela Osaka é que ela é muito jovem, portanto imatura.
      Ainda assim, eu pergunto: onde estavam seus pais e seu staff nessa hora?

Comentários fechados.