À espera de um tenso sorteio
Por José Nilton Dalcim
25 de maio de 2021 às 11:16

O deslocamento de Rafael Nadal para a cabeça 3 de Roland Garros, já que nem o título de Roma foi suficiente para fazer o espanhol superar Daniil Medvedev, gera uma clima de grande expectativa para o sorteio das chaves de simples, marcado para as 18 horas desta quinta-feira em Paris (13h de Brasília). Nessa condição, o 13 vezes campeão poderá ficar no mesmo lado de Novak Djokovic, antecipando o duelo mais indicado para decidir o título de 2021. Dias atrás, Thomaz Koch me definiu isso de forma curiosa: “Azar do sérvio”.

Antes de mais nada, um rápido esclarecimento de como é feito atualmente o sorteio das chaves de um Grand Slam, conforme o regulamento que consta no livro de regras específico desses eventos, disponível no site da Federação Internacional:

1. Os cabeças 1 e 2 são colocados nas extremidades das chaves (Djokovic e Medvedev).
2. Os cabeças 3 e 4 são sorteados para lados diferentes da chave em posições que só encontrem os 1 e 2 na semifinal (Nadal e Thiem)
3. Os cabeças de 5 a 8 são sorteados, sendo dois para cada lado da chave, em posições que só cruzem com os cabeças de 1 a 4 nas quartas de final (Tsitsipas, Zverev, Rublev e Federer)
4. Os cabeças de 9 a 12 são sorteados, sendo dois para cada lado da chave, em posições que só cruzem com os cabeças de 1 a 4 nas oitavas de final (Berrettini, Schwartzman, Bautista e Carreño).
5. Os cabeças de 13 a 16 são sorteados, sendo dois para cada lado da chave, em posições que só cruzem com os cabeças de 1 a 4 nas oitavas de final (Goffin, Monfils, Ruud e Dimitrov)
6. Os cabeças de 17 a 24 são sorteados depois, sendo quatro para cada lado da chave, e por fim os de 25 a 32 no mesmo sistema. Os primeiros enfrentarão os cabeças 9 a 16 na terceira rodada e os outros, os cabeças de 1 a 8.

Como vemos nesse resumo, existe uma chance de a parte superior da chave masculina ter não apenas Djokovic e Nadal, mas também Tsitsipas e Zverev (ou Federer, que obviamente é muito menos cotado como ameaça aos favoritos). Também podem ficar nesse setor Berrettini e Schwartzman, assim como Goffin e Ruud. Isso deixaria esse lado incrivelmente forte, ainda que o argentino e o belga não vivam grande momento.

Na mesma linha, Thiem concorre a um auxílio muito bem vindo da sorte, ainda mais neste momento em que não anda nada confiante. Além de ficar do lado do pouquíssimo abalizado Medvedev, poderia ter companhias de Federer, Bautista ou Carreño, Monfils ou Dimitrov, numa caminhada bem menos exigente. Nada ruim se deixar Rublev para o lado do amigo russo, projetando esse duelo mais difícil só lá para as semifinais.

Por fim, a regra do sorteio determina que os cabeças de 1 a 8 enfrentem os de 25 a 32 na terceira rodada, grupo formado neste momento por Evans, Sonego, Fognini, Basilashvili, Humbert, Fritz, Isner e Opelka. Já os cabeças de 9 a 16 pegam os de 17 a 24, onde figuram Raonic, Sinner, Hurkacz, Aliassime, De Minaur, Garin, Khachanov e Karatsev. Como vimos nas últimas semanas, há nomes bem perigosos, como os garotos Sinner, Aliassime e Garin, o surpreendente Karatsev, o ascendente Sonego ou o experientes Fognini e Isner.

Esse sorteio vai ser muito interessante.


Comentários
  1. Ronildo

    Bom, com o cenário já conhecido, aguardarei as ponderações do Dalcim e demais entendidos.

    No meu entender este sorteio jogou muita mais pressão sobre Nadal do que sobre Djokovic.

  2. Paulo Almeida

    Bom espetáculo do GOAT hoje, que joga o melhor tênis já visto na história. É sempre bom quando mete pneu.

    Meus pedidos foram atendidos, exceto pelo Nadal na chave. Tsitsipas e Zverev devem fazer a semifinal do outro lado, a não que o Thiem se reencontre rapidamente.

    Será que o sparrão chega para enfrentar seu patrão nas quartas? Duvido, há muitos nomes mais fortes como Fritz, Aliassime e Berrettini.

  3. Luiz Fernando

    Me lembro que em W 2013 após o sorteio o Dalcim fez um post denominado “Grupo da Morte”, pois Federer e Nadal caíram do mesmo lado da chave. Só q Rafa caiu na estréia e Federer na segundo rodada, ou seja, o grupo da morte ficou aberto. Assim, estes sorteios sempre devem ser encarados com ressalvas, pois o esporte nos prega peças. Mas claro q há uma lógica nas coisas e pelo nível que vem apresentando vejo o grego em teoria como o principal postulante a chegar a final de um lado, enquanto do outro tudo aponta para que Rafa e Djoko se enfrentem na daqui a três sextas feiras para definir seu adversário; entre estes dois últimos, teoricamente Nadal deve ter mais trabalho p chegar a semi.

  4. Ruy Machado

    Dalcim, boa tarde! Acabei de ver o chaveamento de RG e não teremos BIG 3 na final. Do outro lado da chave, favoritismo para Tsitsipas, Zverev e Thiem, nessa ordem. Falar de Nadal em RG é chover no molhado, apesar de eu achar que deve pegar alguns oponentes mais cascudos para chegar às SF. Espero que esteja confiante e bem. Mas o que me chamou a atenção é que o Federer tem chance sim (pequena devido à sua condição física) de chegar às Quartas. Se ocorrer tudo dentro da normalidade, pega o Djokovic. Seria, para mim, o jogo mais interessante de RG (desde que o suíço nos surpreenda a nível físico e técnico). O que acha? Abc

    1. José Nilton Dalcim

      Ah, acho que teremos muitos grandes momentos nesse Roland Garros, Ruy. Claro que um duelo entre os dois seriam incrível, mas imagine então o vencedor ter de encarar o Nadal na semi? Demais.

  5. Miguel BsB

    É, o Big 3 caiu no mesmo lado da chave….
    Chave pesadíssima!
    Rublev por lá tb.
    Que rufem os tambores!

  6. F.R.

    Osaka não vai às coletivas em RG. Diz que as perguntas são repetitivas, que muitos ali botam pra baixo quem acabou de perder, que já viu muita gente chorar e que a situação é mentalmente desgastante. Pagará as multas e espera que o $ vá p/ entidades que cuidam de saúde mental.

  7. Ronildo

    Achei muito oportuna a postura da Osaka com respeito às entrevistas. Realmente não tem sentido entrevistar o perdedor. Algumas derrotas são muito sofridas, porque obrigar o tenista a falar publicamente sobre algo que está lhe afetando emocionalmente? Muito apropriada ela denominar este acontecimento de tortura emocional.
    Poderiam entrevistar somente o vencedor.
    Taí uma causa muito válida.
    Parabéns Osaka?????????

    https://tenisbrasil.uol.com.br/noticias/86229/Osaka-anuncia-que-nao-dara-entrevistas-em-RG/

  8. Sandra

    Dalcim, nenhuma crítica ao Kyrgios , mas o que o leva a reclamar tanto do tênis ? Vi uma reportagem dizendo que ele fica triste ao jogar tênis em vez de basquete? Por que em vez de reclamar ele não trocou de esporte ? Difícil entender !,

    1. José Nilton Dalcim

      Não é um caso único, Sandra. Há muitos tenistas que não são apaixonados pela profissão. Agassi foi um deles.

  9. Pieter

    Olá Dalcim,
    Os jogos do qualifying de RG são disputados no mesmo complexo do torneio ou em um outro clube? E são cobrados ingressos para se assisti-los ou abertos ao público?
    Obrigado.

  10. Maurício Luís *

    “Roland Garros inaugura estátua de Nadal na quinta”
    Desnecessário se faz declinar ser homenagem merecida e oportuna. Apenas acrescento que acertaram também no sentido de que as homenagens devem ser feitas em vida, no meu entender. Até pensei que futuramente iriam mudar o nome de uma das quadras pra Rafael Nadal, mas resolveram fazer essa tal estátua.
    Só não aconselho fazerem o monumento com os troféus junto. Aumentam todo ano, então vai faltar bronze na França.

    Obs: os versos abaixo eu não faço a menor ideia a quem se referem. Qualquer semelhança é mera coincidência. Ou não?…
    ***** O penteado da sogra- parte 2 *****

    Sogríssima querida, dir-lhe-ei sinceramente
    Porém com muito carinho
    Seu penteado arrepiado traz-me à mente
    A imagem de um porco-espinho.
    ¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨
    Oh, genro baloeiro malhado
    Não desfaça assim, ouça meu apelo
    Custou caro o meu penteado
    E pelo menos tenho cabelo.

  11. Felipe Velasquez

    Boa noite Dalcim.

    Uma pergunta: como ficaria a briga pelo número 1 do ranking, na hipótese de uma eventual semifinal entre Djokovic e Nadal, com vitória do espanhol e consequente título de RG?

    Abraços

    1. José Nilton Dalcim

      Nadal não pode somar, Felipe, porque é o atual campeão e assim defende 2.000 pontos. Ele poderia no máximo contar com uma derrota do Djokovic antes da semifinal porque assim o sérvio perderia 600 pontos (ele foi vice e tem garantida essa pontuação pela regra atual de ranking). A única ameaça a Djoko é Medvedev, que caiu na estreia em 2020 e assim poderia somar 1990 pontos em caso de título (e aí assumiria a liderança independente do sérvio) ou 1.190 se for vice, o que então exigiria que Djoko não passasse da semi. Ou ainda o russo ser semi e o sérvio cair até as quartas.

      1. Alice

        Caramba, então o russo pode ser número #1 ao final de RG. Pode haver uma zebra e o sérvio cair na primeira semana, difícil mas não impossivel, já que não está jogando tão bem no saibro. Agora contar que Medvedev chegue a semi, é um tanto demais…teria que pegar uma chave fácil e ainda jogar o que nunca jogou sobre o saibro. Fora que o sérvio tem o melhor aproveitamento em ir pra segunda semana em RG, desde 2009 que não caí antes das quartas. Seria sorte ou azar do Djokovic?

        1. José Nilton Dalcim

          É realmente uma possibilidade mais matemática do que factível, embora o tênis por vezes nos surpreenda.

      2. Luiz Fernando

        Lembrando da história do meu amado São Paulo, para Medvedev vencer RG a moeda precisa cair em pé kkk…

    1. Miguel BsB

      Bom, se vc fez questão de vir aqui depois de dias solicitar desculpas, nao seja por isso, peço desculpas. Espero que que não seja à toa…
      À propósito, o blog tem um problema. Se acessado por celular, não da pra distinguir a quem são dirigidas as postagens que vão abaixo umas das outras…portanto, muitas vezes não dá pra saber a quem a pessoa está se dirigindo.

      1. F.R.

        “Esperei alguns dias” porque nem todo mundo acessa o blog todo dia ou mais de uma vez por dia.
        Teu pedido de desculpas não valeu porque vc continua achando que tudo bem simplesmente clicar em “responder” a um comentário de alguém no blog com raiva e sem respeito (justamente o que vc condena que façam aqui com os big 3, tenistas ou colegas de blog) e ser injusto comigo.
        Enfim, a hipocrisia.

        1. Miguel BsB

          Bom, se minhas desculpas não valem, ficamos assim…
          Aliás, era só o que faltava. Venho e peço desculpas demandadas por um indivíduo que não faço a mínima ideia de quem seja e que nem assinar com o próprio nome assina, e, mesmo assim, o indivíduo não as aceita…vc realmente frequenta muito pouco o blog, pois deveria saber que pedidos de desculpas por aqui são muito raros, e em discussões e desavenças muito maiores do que a que tivemos, que, inclusive, foi aprovada pela moderação, ou seja, não houve ofensas ou algo que tivesse que ser censurado…
          Enfim, passar bem e tenha um bom dia.

      2. Luiz Fabriciano

        Miguel, apenas uma dica:
        dá sim para saber se acessado por celular. Na posição paisagem, os comentários ficam organizados, mostrando claramente quem responde à quem.
        No alinhamento à esquerda, há um espaço mais para dentro para as respostas, começando o texto mais à direita.

      3. F.R.

        E se não fosse a tua raiva para me responder, vc, que é um cara observador e esclarecido, deveria ter visto que, pelo horário, o que escrevi não foi em resposta ao teu comentário.
        Então ter lido pelo celular só seria desculpa se vc tivesse dito: “po, F.R., vc tem razão, desculpe, escrevi pelo celular e não consegui diferenciar de quem era o comentário. E, de fato, fiquei tão brabo que nem me liguei no horário para ver que vc tinha escrito até antes de mim”.
        Enfim. Cada um cada um.

    1. José Nilton Dalcim

      Acho que são razoáveis, Wagner. Imagino que o Felipe terá mais dificuldade por pegar um canhoto que foi às oitavas em 2018 e já ganhou duas rodadas na Austrália daquele ano. Menezes encara um espanhol que já disputou o torneio em 2018, mas nunca sequer entrou no top 300.

  12. Luis

    Sobre a disputa sobre quem é o melhor e o maior jogador de tenis entre o Federer, Nadal e Djoko, acho que é bem divertida, mas me parece que o pessoal leva a sério de mais. Como você compara esses monstros? Por titulos? Estilo de jogo? Tempo como primeiro do mundo? E como comparar com os outros grandes nomes do esporte?
    Nesse último quesito, na minha modesta opinião os três tiveram uma grande vantagem, a de jogarem nesse período que se ganhou varios anos de vida competitiva. eles tiveram pelo menos 5 anos de vantagem com os jogadores do passado. Como tecnica, nesse tempo eles evoluíram muito sem perder tanto do físico, criando uma barreira gigante para os jogadores da nova geração.
    Voltando para os 3, acho que eles tem qualidades tão diferentes que seria mais fácil comparar os pontos fortes e fracos de cada um do que sobre quem é o melhor: Nadal é claro (brincadeira)

    1. Luiz Henrique

      Luis, esse seu comentário foi bem interessante.
      A grande verdade é que essa comparação, e não só essa, mas algumas outras em outros esportes, são muito sem noção
      Tem coisas que são tão diferentes que não dá para comparar
      No caso do Big3, a verdade é que cada um deles é o melhor naquilo que se propõe a fazer
      Imagine por exemplo que, na NBA, alguém queira analisar quem é melhor, Stephen Curry ou Lebron James. Puts, é uma comparação incrivelmente ridícula, quem faz uma pergunta dessas não entende nada de basquete, e eu posso falar pq fui quase profissional no basquete
      O Curry é uma lenda do arremesso de longa distância. Provavelmente nunca houve na história um arremessador de longa distância como ele. É um estilo completamente diferente do Lebron, que tem outro porte físico, outro estilo, o foco do jogo dele é “bater pra dentro”, usando a terminologia própria de quem joga basquete. Curry é muito melhor que Lebron no que se propõe, e vice versa. Mesma coisa se eu for comparar um pivô como Tim Duncam e um armador como Steve Nash. Ou comparar um goleiro com um atacante. Claro que algumas comparações podem ser feitas no esporte, quando os estilos se aproximam. Comparar Romário e Ronaldo, Marcos e Dida, Lebron James e Koke Bryant. Aí até da pra tentar comparar.
      É uma perda de tempo e uma inutilidade comparar Federer, Nadal e Djokovic, pq cada um deles é melhor que o outro naquilo que faz melhor.
      A comparação federer x nadal seria a mais idiota de todas, pq a disparidade de característica é enorme
      É do mesmo nível de querer comparar James e Curry
      Talvez comparando Federer com Sampras ou Nadal com Borg, por exemplo, aí sim estaria se comparando “coisa com coisa”
      Isner com Karlovic…
      James e Bryant…
      Ronaldo e Romário…
      etc

      1. Alessandro Siqueira

        Luiz, sua fala se revela muito interessante e, de fato, difícil comparar goleiro e atacante ou pivô e armador. Só que o tênis é um esporte individual. Por mais que a gente possa apreciar esse ou aquele estilo, o ponto advém de bola na quadra adversária. Então, nesse sentido, os números acabam dando o tom dessa corrida de “goat”.

      2. Rafael Azevedo

        Por isso que, normalmente, a comparação se faz com títulos e conquistas. Se LeBron e Curry são tão diferentes, então compara-se quem venceu mais e quem contribuiu mais para a vitória da equipe.
        Claro que em esportes coletivos isso é ainda mais complicado, porque há outros atletas em quadra. No tênis, isso é diretamente ligado aos atletas, por ser um esporte individual.
        Mas, ainda assim, há a complicação das distintas épocas, já que os atletas enfrentam diferentes oponentes e diferentes infraestruturas do esporte.
        Mas, como Federer, Nadal e Djoko jogaram mais ou menos na mesma época (principalmente os 2 últimos), acho que a comparação é válida.

  13. Pedro Batista Filho

    Com todo o respeito aos(quase todos) que entende mais de tênis, porém, nunca substimarei Federer em qualquer piso ou torneio. Fiz isso em 2017. Mesmo com a idade avançada, enquanto ele estiver em quadra, nunca mais o farei. Não estou dizendo q ele vai longe, muito menos campeão, porém, quem cruzar com ele nunca terá vida fácil, como parece presupor o post e alguns comentários.

    1. Jonas

      Isso aí depende..em RG 2015 ele foi dominado pelo Wawrinka: 6/4, 6/3 e 7/6.
      Claro, pode ir longe, vai depender da chave…

      1. Gildokson

        Não entendi esse exemplo Jonas, o Wawrinka é um grande tenista e foi monstruoso naquele torneio, e sem contar que foi eliminado por Federer em 2019.

        1. Jonas

          Sim, o Wawrinka jogou demais e mereceu levar aquele torneio. Venceu um Djoko no auge, méritos dele.
          Até concordo com quase tudo que o colega acima afirmou, tirando a parte do “quem cruzar com ele nunca terá vida fácil”.
          Na fase que o Federer está, fica difícil confiar nele no saibro. Voltou de meses parado, o físico pode pesar, além da falta de ritmo…

  14. Vitor Hugo

    Steve Darcis, aquele que meteu 3 x 0 no baloeiro em Wimbledon, disse exatamente o que grande parte dos admiradores do esporte pensam sobre o sérvio: ” Joga feio pra c…..!!! ??????

    Também com aquele slice de lagartixa com cãibra e aqueles drops horrorosos….
    Melhor ver macaco dançando valsa.

    1. Alessandro Siqueira

      E a carruagem segue passando. Ontem igualou Vilas e agora é TOP5 em quantidade de vitórias na ATP. Junto disso, lidera semanas como #1, na soma dos títulos grandes e no h2h com todos os jogadores históricos contra os quais contendeu. Tudo isso tendo um slice de lagartixa sem rabo e com cãibras. Imagina só se fosse um crocodilo ?, tal qual o réptil que simboliza o patrocinador de roupas.

  15. Alice

    Por incrível que pareça, hoje eu já não duvido que Nadal/Djoko cheguem aos 25 Grand Slam e superem a marca da Margaret Court entre homens e mulheres e que o sérvio bata a marca de Graff e quebre a barreiras das 400 semanas como número #1 do mundo. Estamos vivendo uma era atipica. Não há ninguém a concorrer com eles nos Grand Slam, Djoko e Nadal continuam a conquistar GS após os 30. Não duvidava que o espanhol pudesse jogar em alto nível devido ao seu compatriota Ferrer. Já o sérvio tem o melhor corpo do circuito, se tiver motivação, não duvido que ainda esteja jogando aos 40 anos como o Federer irá fazer, já Nadal acredito que aposenta antes. ?

    1. Luiz Fernando

      Bem vinda de volta Alice, permaneça sempre. Adoraria concordar com vc mas não creio q nenhum dos dois atinge 25 GS, mas acredito nuns 22 p Rafa e num número parecido p o Djoko (tomara q no máximo 21 kkk). Também vejo o sérvio melhor fisicamente do q Nadal, mas seis anos a mais é muita coisa, veja como Federer está, ele q depende menos do físico do q os dois. Mas claro, depois q disseram q o espanhol não ultrapassaria os 28 e ele está aí voando aos 35, franco favorito para mais um RG, não duvido de mais nada…

      1. Alice

        Obrigada, Luiz Fernando. Pois é, eu também não duvido de mais nada. Eu penso o seguinte, Federer pode até não ganhar mais GS e se aposentar, okay…não seria surpreendente visto que vai fazer 40 anos. Mas quanto ao Nadal e Djokovic creio que podem perfeitamente jogarem pelo menos mais 2/3 anos no circuito em alto nível. Cadê os concorrentes? Seguem dominando os Majors, principalmente RG/Wimbledon. Se pensarmos que daqui 3 anos..ou seja até o fim de 2024, serão disputados mais 15 Grand Slams…quem que ficará com eles todos? Até faço uma aposta que o suiço deve terminar no terceiro posto. É inimaginável que os jovens que até agora só conseguiram 1 dos últimos 16 Majors saiam ganhando tudo..e Djoko/Nadal ganhem só 1/2/3 GS…tá mais fácil o contrário acontecer. Até porque não estamos vendo declínio físico de nenhum dos dois. Djoko ganhou o Australian Open, Nadal acabou de ganhar Roma, o mais perto do piso de RG. Pode haver surpresas, mas elas estão bem mais abertas ao US Open…

      2. Alice

        Só pra ressaltar que Djoko e Rafa ganharam simplesmente 10 dos ultimos 11 GS..e isso é absurdo. Sem concorrência alguma. Enquanto Federer estacionou em 20. Nadal saiu de 16 pra 20 (+4) e Djokovic de 12 pra 18 (+6).

        Court que se cuide e não é com Serena Williams não….rs

      3. Luiz Henrique

        28 vc tá sendo bonzinho LF. Na escreveram nesse blog q n chegaria aos 25, lá em 2006, por aí

  16. Vitor Hugo

    Só espero que a final seja Rafa contra Zverev, Rublev, Thiem ou Tspas – que foram os únicos adversários à altura de Rafa nos últimos 5 anos – caso o espanhol realmente vá para a final, caso contrário, será mais um passeio do baloeiro.

  17. Alice

    Sinceramente, falam demais das novas gerações. Mas a verdade é que eles ainda estão longe. Já se vão quase 18 anos desde o primeiro título em Wimbledon de Federer…e de lá pra cá, somente Djokovic e Nadal, além do suiço é claro, conseguiram obter 5 ou mais Grand Slam. Os jovens nem sequer superaram a marca de 3 Majors de Murray e Wawrinka e desde que eles dois ganharam seu último, Thiem foi o único a ganhar um (1) único Grand Slam…enquanto o trio (Djoko / Rafa / Roger) desembolsaram 15. Enquanto não começarem enfileirar os grandes eventos, não derrubaram o sérvio e espanhol do topo…e ele já passaram dos 33..mas continuam a dominar.

    1. Luiz Fernando

      Os jovens não tem nenhum e esse ano os vejo mais fortes, candidatos pra valer, apenas p o USO, embora no esporte tudo possa acontecer…

      1. Alice

        Concordo contigo, Luiz Fernando. O US Open permanece o mais aberto e com maiores chances para os jovens. Mas quem sabe uns dos jovens (Zverev, Medvedev, Tsitsipas) não ganhe RG/Wimbledon e deslanche conquistando um atrás do outro e assim se sangrando um novo multi-campeão. Não acredito mais que Thiem esteja apto pra isso. Porém é difícil imaginar eles fazendo isso com o sérvio e o espanhol jogando ainda em alto nível como estão. Eles que lutem…hahaha

    2. Sérgio Ribeiro

      Então , cara Alice. STANIMAL somente venceu seu primeiro SLAM aos 29 . A Nova Geração não tem nada a ver com a de Dimitrov, Goffin e CIA. Essa sim pode esquecer. Com a saída do Craque Suíço , uma porta estará aberta com certeza. Principalmente fora do Saibro. A conferir .Abs!

      1. Alice

        Verdade, Sérgio. Concordo que com a saída de Federer, uma porta estará aberta pra concorrência direta com Djokovic, principalmente em Wimbledon e na Australia.

  18. Sérgio Ribeiro

    TODAS as vezes que Federer e Novak caíram na Semi com o Touro perderam. Esse papo de que é melhor enfrentá-lo antes não existe. Daí o grande Thomaz Koch não perder nem tempo “ azar do Sérvio “ . O Sorteio, a meu ver , somente vai servir pra definir se finalmente teremos alguém da Nova Geração na Final. Abs!

  19. Marcilio Aguiar

    Seria ótimo e torço para um sorteio equilibrado, distribuindo os principais favoritos em chaves diferentes. Assim poderemos ter melhores jogos, com mais disputas a partir da terceira rodada. Acho quase impossível que alguém derrube o Nadal, mas será bom se ele tiver jogos difíceis antes das quartas de final, para que o torneio não caia na monotonia e deixe alguma dúvida sobre o favoritismo absoluto dele.

    Espero que o Federer consiga fazer bons jogos e chegar pelo menos até as quartas ainda que os prognósticos não seja nada favoráveis a ele.

  20. Luis

    Dalcim, tenho uma pergunta boba: existe uma chance do Tsisipas e do Zverev ficarem do mesmo lado da chave?

    1. José Nilton Dalcim

      Sim, exatamente como está no texto, Luís. Eles podem ficar juntos tanto em cima como embaixo da chave, mas só se cruzariam na semi.

        1. Luiz Fernando

          Boa chance???? Pode até acontecer, esporte nss as o tem nada garantido, mas seria uma zebra imensa…

  21. Luis

    Na verdade ficar como numero 3 foi ótimo para o Nadal que não vai encontrar o Thiem antes da final quando ele (Thiem) normalmente da uma balançada. Encontrar com o Medvedev em Roland Garros na semi é um presente. Se for o Djoko já acho mais duro, mas mesmo assim funciona. Acho que ele esta mais preocupado com o Zverev ou Tsisipas nesse momento.
    Que bom que o tenis esta ficando cada vez mais interessante, o russo que ganhou do Djoko também nao pode ser descartado, especialmente pelo físico de aço que é muito importante em jogos de 5 sets. Esse campeonato que tem tudo para ser histórico e cheio de surpresas

  22. Maurício Luís *

    “Federer cre ter ultima chance de fazer algo grande” – Com o dinheiro que ele tem, se não for um titulo, pode tentar construir um predio de 80 andares, um estádio pra 200 mil pessoas, etc.

  23. Waldenyr Caldas

    Vou assistir o torneio Roland Garros, mas apenas as partidas em que participará Roger Federer. Isto porque, o tênis é um esporte que, diferentemente de outros, podemos perceber as qualidades técnicas dos respectivos jogadores. E nesses aspecto, Federer é absolutamente fantástico. Tecnicamente é o melhor jogador que já vi em quadra. Acompanho o tênis desde os tempos de Edison Mandarino e Thomaz Koch.
    Não bastasse sua refinadíssima técnica, seu jogo vistoso, belíssimo e consistente, que realmente encanta os amantes do tênis, Federer tem uma particularidade que me fascina. É a seguinte: ele não joga só tênis; ele faz verdadeiras obras de arte com a raquete. E a elegância com que faz essas obras de arte é que transformam o jogo de tênis em verdadeiro espetáculo lúdico-cultural.
    Portanto, ganhar ou perder para mim não é tão importante quanto ver o espetáculo deslumbrante das jogadas de arte deste suíço que revolucionou e humanizou o jogo de tênis.
    Infelizmente, como dizia o pensador Oséias Gulart, “o tempo é corrosivo”. Isto significa que, lamentavelmente, as obras de arte de Federer nas quadras do mundo estão com seus dias contados. Em compensação, as que ele fez ficarão para a história do tênis se regozijar, mas também para estímulo às gerações de atletas tenistas que virão.

    Obrigado,

    Waldenyr Caldas

    1. Sandro

      Se formos levar em consideração o que o Federer apresentou jogando dentro da Suíça, perdendo logo na estreia de um ATP 250 jogando em casa, você não vai ficar mutio tempo à frente da televisão…

    2. Paulo Almeida

      Resumo: não gosta de tênis, somente do seu ídolo, que não terá nenhum dos principais recordes do tênis ao final da carreira.

    3. Marcelo Costa

      A definição de gênio, pode e deve ser ampliada a um tenista que nasceu destro e seu treinador muda para a mão esquerda para ser mais efetivo, ou a genialidade de ter a maior leitura e disciplina para se manter, se reinventar e transcender um jogo. Podemos definir gênio um garoto que treinava em uma piscina vazia e é o mais resiliente, mais focado e mais obstinado de todos.
      Federer é um gênio? Sim mas não é o maior, não é o único e não é maior que o esporte que ele abrilhanta, então vou ver rg, quando claro não coincidir com meu jogos, verei todos os gênios , e todas as meninas gênio, pois, repito Federer é efêmero o tênis eterno.

      1. Sérgio Ribeiro

        O parceiro insiste em repetir a mesma prosa , a meu ver , sem a menor necessidade. De Laver , passando a BORG , chegando a Sampras e finalmente ao Big 3 , o Tênis se mostrou sempre acima de TODOS sem exceção. Pelo que percebo o conceito de Genialidade não é muito bem digerido pelo comentarista . Abs!

        1. Marcelo Costa

          Sempre que houver um comentário, colocando o tenista acima do tênis, irei repetir, afinal em breve iremos falar só de tênis, pois, os ditos supra sumos irão parar.
          Sobre o subjetivo termo gênio, não entro no mérito, prefiro minhas dúvidas as suas certezas.

        1. Marcelo Costa

          A você prezado eu dispenso, realmente a ti não vale a pena, essa será a única é última resposta.

    4. Rodrigo S. Cruz

      Eis aí alguém com bom gosto.

      Uma gota de refinamento em meio a um mar de mediocridade…

      Comparar a estética do jogo do Federer a do jogo do Djokavic é como comparar um poema de Camões a uma música do Wesley Safadão.

      kkkkkk

      Seja muito bem-vindo, Waldenyr.

      1. Luiz Fabriciano

        Mar de mediocridade…
        Qual sua posição com relação à esse mar? De binóculos, no topo de uma ilha deserta ou em um luxuoso iate, no meio dele?

        1. Rodrigo S. Cruz

          Minha posição?

          Bom, minha posição é encher esse mar cada vez mais de sal, até que ele vire o que ele já é:

          Um MAR MORTO. ???

          1. Luiz Fabriciano

            Até tive uma ponta de esperança em ler uma resposta diferente, mas em vão…
            A resposta ao Luiz Fernando foi a pá de cal.

      2. Luiz Fernando

        Cada um pensa de uma forma e isso sempre deve ser respeitado, mas: como os maiores expoentes do mar de mediocridade venceram o gênio com tanta frequência independentemente da faixa etária do mesmo? Um gênio não deveria vencer os medíocres na maioria das vezes num esporte individual? De duas uma, ou o cara não é tão gênio ou os medíocres não são tão medíocres. Infelizmente Rodrigo vc está sofrendo com a realidade, a dura realidade…

        1. Rodrigo S. Cruz

          Luiz,

          no meu comentário não há nada negando o fato de que o sérvio seja um campeão.

          Porque isso é um fato, e fato não se discute.

          Mas sim ao seu tênis enfadonho e de pouca variação que o torna medíocre. Nada além…

  24. SANDRO

    A verdade “NUA E CRUA” é a seguinte: “Quem cair na chave do Nadal, com certeza, estará na chave mais difícil”!!!
    Neste ponto concordo plenamente com o resumo da Ópera do excelentíssimo Thomaz Koch: “AZAR DE QUEM CAIR NA CHAVE DO NADAL”, POIS ESSA CHAVE SERÁ A MAIS DIFÍCIL…

      1. Luiz Fernando

        Fui informado q Rafa caiu em lágrimas de emoção ao saber q o Shapovalov estaria fora do torneio, imagino o alívio, principalmente depois q ele (Rafa, claro) ficou sabendo da previsão do Ronildo kkk…

    1. Sandro

      Nadal mostrou durante seus 13 títulos de Roland Garros que, pra ele, pouco importa o sorteio, pois nesses 13 títulos Nadal enfrentou os mais diversos tipos de adversário e isso não o impediu de conquistar esse feito fenomenal!!! Neste ponto eu concordo contigo José Eustáquio, para o Nadal, o sorteio não o impdeiu de lvantar 13 vezes a Taça em Roland Garros.

  25. silvio paccola

    Dalcim, uma dúvida não relacionada ao post: por qual motivo nunca há uma declaração, uma entrevista do Wild após uma derrota como essa para o Troick? Assessoria de imprensa ? Jogador de difícil trato ?

  26. Sandra

    Não me levem a mal, mas o sorteio Dalcim se correr dentro dos conformes , Nadal vai se dar bem , como sempre. Perdão em Roma ele não se deu tão bem , raridade !,,

    1. Sandro

      Nínguém ganha 13 títulos de Roland Garros, 12 títulos de Barcelona, 11 títulos de Monte-Carlo e 10 títulos de Roma porque se deu bem em algum sorteio.. Ter mais de DEZ títulos em cada um desses torneios é questão de muito talento e competência de alguém que um fenômeno do tênis mundial, nunca foi questão de sorte do Nadal…

  27. José Alves Aragão

    Bom demais! Obrigado por participar conosco desse momento de tensão lançando mais um excelente texto

    1. Sandro

      Como assim? Pra qualquer tenista do mundo, em Roland Garros, não é melhor pegar o Nadal em fase nenhuma…

    2. Rafael Azevedo

      Melhor pegar na final. Pois assim, ele consegue avançar mais uma fase. Se pegar na semi, perde os pontos da final do ano passado.

  28. Luiz Henrique

    Bom, vamos para a seção de pérolas.
    Como prometido, vai ser um comentário por post, para não poluir o blog
    Vamos para algumas pérolas de Leo Gavião, retirei do blog do paulo cleto

    Leo Gavio
    22/04/2012
    césar cambuí, desculpe, mas você falou um impropério.
    “Djokovic 2012 não é nem de sombra o 2011”, na verdade você quer contar pra você mesmo que Djokovic está menos forte, uma mentira que você quer, sozinho, acreditar.
    Na verdade o servio continua fortissimo e liderando com folga no favoritismo, nesse ano ele nao precisa jogar como em 2011, até porque, no ano passado ele precisava enfileirar uma serie de resultados positivos pra alcançar o posto de numero 1 do mundo, esse ano ele vem administrando e ganhando os principais torneios, vejamos:
    quais foram os torneios mais importantes até agora?
    Dubai?
    Indian Wells?
    Monte Carlo?
    ou Aopen e o master de Miami?
    Quem conhece o circuito sabe que o Aopen e Miami sao os torneios mais fortes, onde os tenistas chegam melhor preparados, e nesses dois o servio ganhou com autoridade, assim como ganhou Wimbledon e o USopen. Houve jogos dificeis, mas ele ganhou.
    O que aconteceu em Monte carlo foi bem traduzido pelo Paulo Cleto nesse post, as motivações do servio agora são ganhar RG, ele nao precisa fazer mais do que semis ou finais nos proximos torneios e trazer a sua caixinha de ferramentas completa para Paris, Nadal sim precisa fazer alguma coisa, até porque Federer esta chegando nele, e defende menos pontos até Paris.
    O DJokovic atual continua forte tecnicamente, mentalmente e fisicamente, assim como no ano anterior. A questão é que no atual momento ele precisa apenas administrar o ranking e guardar suas energias para os grandes eventos, ele não precisa ganhar dubai mais uma vez ou indian wells, ele precisa ganhar Roland Garros, o Ouro olimpico, WImbledon e etc.
    Talvez em MC tenha havido uma mistura de ingredientes que favoreceram Nadal:
    Nadal melhor preparado tecnicamente.
    Djokovic de luto.
    Pontos de sobra no ranking.
    Eu tenho pra mim que deixar Nadal ganhar essa faz parte do processo de tambem frear qualquer evolução do Nadal.
    Ora, estrategicamente pro Djokovic, seria muito ruim perder esse jogo numa batalha e dar mais moral pro Nadal, é melhor perder sem usar todas as ferramentas e usa-las no momento principal, que sera em Paris.
    Porem, acredito que em Roma havera uma forte disputa, nao me surpreenderia se Djokovic so fizesse semi em Madrid. Mas Roma é um master que lhe dá moral para Paris, porque as condições sao mais parecidas.

    Leo Gavio
    22/04/2012
    O que o Cesar cambui dirá depois que Djokovic levar RG?
    A meta dele até junho, estabelecida apos o AOpen foi vencer RG. Em entrevista ele declarou que o principal objetivo dele agora é ganhar em Paris.
    Se o Djokovic vencer em Paris ele realmente estara diferente de 2011, pois até junho de 2011 ele so tinha 1 GS.
    se vencer Paris terá 2 GS,
    Tentam a todo custo enterrar o Djokovic, mas isso nao passa de autoafirmações pra tentar fazer a a si proprio acreditar numa mentira.
    Djokovic não precisa fazer 43 vitorias seguidas para provar que continua com a estrutura de 2011, acho que atualmente ele pode se dar ao luxo de se poupar e guardar as energias para os Filés-mignons da temporada.
    Perder em um master 1000 ou num atp 500 nao significa nada se voce mantem a liderança do ranking, ganha dolares e os principais eventos.

    Gavioreplied:
    21/05/2012
    Discordo, acho que Nadal melhorou mais.
    Djokovic estraçalhou Federer, Tsonga (em Roma) e Murray (na final de miami) com tenis de alto nivel.
    Djokovic foi melhor do que Nadal no primeiro set e perdeu a sintonia mental no erro do juiz, e ali foi o maior erro dele na partida.
    Numa melhor de 5, Djokovic vai jogar com uma cancha maior de sets, e isso é essencial pra ele fazer o jogo agressivo, necessario pra machucar o Nadal, Djokovic errou muitas bolas ridiculas, a maioria dos games ele decidiu na raquete, tanto a favor dele como contra.

    Gavio
    21/05/2012
    A verdade é que Djokovic perdeu o jogo naquela bola cantada fora erroneamente no primeiro set, ali eu disse: Djokovic ficou bravo demais, e Nadal percebeu. Tecnicamente Djokovic ainda é superior, Nadal levou essa na parte mental, mas numa melhor de 5, Djokovic vai ter uma margem maior, como teve no Aopen, perdeu o primeiro set e virou.

    Por hoje é só amigos. No próx post do Dalcim trarei mais pérolas antigas do passado, tem várias bravatas de Leo Gavião ainda

    1. Maurício Luís *

      Eu lembro de uma das pérolas do Lógico. Quando o Nadal precisou se afastar por contusão, o fanfarrão vaticinou, como sempre em tom doutoral, que o espanhol não ganharia + nada, nem ATP 250.
      O pior é que eu, muito tonto, acreditei…

    2. Sérgio Ribeiro

      E o pior é que o Paulo Almeida tem a coragem de se referir a figura como “ sábio “ kkkkkkkkkkkkkkkkk. Abs!

  29. Cassio Carvalho

    Dalcim, o que vc descreve sendo possivel para o Thiem tb pode acontecer com o Nadal. Seria uma chave muito convidativa. Dito isso, uma pergunta: Não é importante tb um jogador ter vivido desafios de alto nível durante o torneio para entrar “sólido e experiente” numa final? Ou seja, dentro do historico das grande finais, será que realmente ganhou mais vezes aquele que enfrentou desafios menores nas rodadas anteriores?

    1. José Nilton Dalcim

      Com certeza, não existe uma regra para isso, Cássio. Por vezes, é muito bom poupar energia e ter jogos menos exigentes, por outros isso também tira um pouco do foco na hora mais importante. No caso de jogadores muito experientes, acho que eles preferem um caminho mais suave porque saberão acelerar a adrenalina na hora certa. Abs!

  30. Cassio Carvalho

    A experiencia deste ano mostra o quanto o ranking da grama é importante para evitar essas “fragilidades previsíveis” na chave. Existindo um “ranking do saibro” protegeríamos a chave de um “anti-saibro” como o Med. Todos os slams de hard, são o “meio termo” então não alteram tanto a.perspectiva. Fica a reflexão.

    1. Marcelo Costa

      O tênis é versatilidade ao definir um ranking específico, como erroneamente fazem os ingleses, você tira o tenista que consegue se adaptar a todos os pisos, pois, não existe um padrão nem nos pisos iguais, tendo velocidades diferentes, quem dirá em pisos distintos
      Os ingleses com essa “mania” pelo tradicional acaba cometendo injustiças.

    2. Rafael Azevedo

      Olha, o ranking atual impediu de ter um Djokovic e Medvedev do mesmo lado da chave. Mas, por outro lado deixou o Nadal e o Thiem necessariamente em lados opostos, o que equilibra um pouco as chaves.
      Temos a chance de o Nadal cair do lado do Medvedev juntos com o Tsitsipas e o Zverev, também. Ou seja, não teria diferença se o Medvedev é o cabeça 3 ou 2.
      Em outras palavras, estou dizendo que a possibilidade de o Medvedev ter uma caminho fácil até a semi é a mesma. A diferença é que ele pode enfrentar o Thiem na semi. Se ele fosse o cabeça 3, seria necessariamente o Nadal ou o Djokovic. Mas, acho que o Medevedev tem poucas chances contra qualquer um dos 3. De resto, as possibilidades são as mesmas. Então, ser cabeça 2 não mudou nada para o Russo.
      A grande questão é a possibilidade de ter um Nadal x Djokovic na semi. Mas, essas variações são interessantes.
      Sou totalmente contra rankings de pisos.
      É um esporte só. Um ranking só.

  31. Luiz Fernando

    Excelente matéria pré-sorteio Dalcim, vamos ver quem tem mais sorte, pois sem dúvida poupar físico e mental até as fases mais decisivas sempre foi relevante, em especial no atual momento, ou melhor, na atual idade dos dois principais favoritos, Nadal e Djoko. Vejo o grego como a terceira força e Thiem mais atrás dos 3…

      1. Luiz Fernando

        E será q o Zé Verev será campeão sem perder sets como vc dizia sobre o Federer em W? Essa é minha dúvida, pois também acho q Nadal não tem como vencer esse alemão kkk. Abs…

Comentários fechados.