Mais renovação na ATP, briga boa no feminino
Por José Nilton Dalcim
6 de maio de 2021 às 18:28

Depois da final inesperada entre Hubert Hurkacz e Jannik Sinner em Miami e da decisão inédita entre Stefanos Tsitsipas e Andrey Rublev em Monte Carlo, haverá mais novidade em Madri, aumentando ainda mais a nova face dos eventos Masters 1000.

Com as quedas de Tsitsipas e Daniil Medevedev nas quartas, a Caixa Mágica garantiu um finalista debutante em eventos deste nível, que sairá dos duelos Cristian Garin-Matteo Berrettini e  Casper Ruud-Alexander Bublik. O mais velho deles é o italiano, de 25 anos, um a mais que o chileno. Bublik ainda vai fazer 24 e Ruud tem apenas 22. Berrettini aparece entre os top 10. Garin já foi um dos 20 melhores, faixa que poderá ser atingida agora pelo garoto norueguês.

A surpresa desse grupo é obviamente Bublik. Não apenas porque seu ranking nunca foi além do 42º, mas também porque é quem possui o jogo menos talhado para o saibro. A qualidade e o arrojo de seu saque no entanto combinaram até aqui com as condições mais velozes e secas da Caixa Mágica e ele assim embalou vitórias muito boas sobre Fucsovics, Shapovalov e agora Aslan Karatsev.

A sensação desse grupo, no entanto, é Ruud. Atuação incrível, tanto no aspecto técnico como tático diante de Tsitsipas, que esteve longe de jogar mal. O norueguês no entanto primou pelo serviço, abusou de seu forehand sólido e ofensivo, com o qual empurrou o grego para trás. Fechou o duelo apertado de 22 games com apenas 12 erros. Impressionante. Ele no entanto adverte: “Contra Bublik, você pode esperar qualquer coisa, é muito talentoso”.

A solidez de Garin poderia até ter feito placar mais rápido contra Daniil Medvedev. Gostei principalmente da opção do chileno em ir à rede sempre que percebia o russo atrasado na defesa do backhand, o que proporciona slices muito fáceis de se volear. Terá pela frente um Berrettini sempre muito perigoso num saibro veloz, onde consegue compensar melhor a deficiência do seu backhand.

Experiência no outro lado
O lado de cima da chave é o extremo oposto, já que reúne ‘trintões’ e gente experiente em torneios grandes, todos com títulos de Masters. Rafa Nadal, como era previsível, passou pelo australiano Alexei Popyrin com direito a pequeno susto até a metade do primeiro set. Demorou para ganhar ponto e quase levou quebra. Depois abriu 4/1 e de repente se viu com 0-30 no 4/3. Mas o adversário foi muito impreciso na hora do vamos-ver.

O reencontro com Alexander Zverev promete. O alemão ganhou os dois últimos duelos e deu trabalho na final de Roma de 2018, o jogo mais importante que fizeram no saibro. A superfície de Madri permite que Sascha arrisque o saque, como tem feito desde o começo da temporada e foi peça-chave na vitória em cima de Daniel Evans. Ganhou 80% dos pontos em que acertou o primeiro serviço e assim deveremos ver Nadal dividir espaço com os juízes de linha.

A outra vaga na semi me parece completamente aberta. Dominic Thiem conseguiu a segunda boa vitória, num jogo em que jamais pareceu totalmente à vontade diante de Alex de Minaur. O australiano desperdiçou muitas chances, teve set-point que Thiem salvou com backhand magnífico. John Isner jogou mais dois tiebreaks, chegou a 29 aces com apenas 15 pontos perdidos com o bombástico primeiro saque, e venceu Andrey Rublev sem ter um único break-point. “Não fui o melhor em quadra, mas o saque me ajudou muito. Estou surpreso”, afirmou o gigantão. Para aumentar o quadro de imprevisibilidade, Thiem e Isner não se cruzam desde a Laver Cup de 2017 e os únicos confrontos oficiais foram em 2015.

Outra vez Barty e Sabalenka
Na contramão das novidades masculinas, Madri verá a repetição da final entre Ashleigh Barty e Aryna Sabalenka de 14 dias atrás, em Stuttgart. Não por acaso, são dois torneios com condições mais velozes, já que o torneio alemão acontece sobre teto fechado e o espanhol, na altitude. São situações certamente diferentes de Roland Garros, mas neste momento é justo dizer que as duas são as candidatas mais indicadas a dominar esta fase do saibro.

A número 1 encarou variados desafios na Caixa Mágica, tendo feito duas exibições de enorme qualidade diante de Iga Swiatek e Petra Kvitova, adversárias de estilos e táticas bem distintos. Isso exigiu adaptações inteligentes de Barty, mesclando muito bem ataque e poder defensivo. Nas quartas contra a surpresa Paula Badosa, foi a hora da consistência e paciência. A australiana entrou mesmo decidida a brilhar em 2021.

Sabalenka no entanto merece todo o respeito. A bielorrussa está num momento excepcional, tirando o máximo de seus golpes poderosos. Também controla melhor a ansiedade, que era um fator essencial para esse padrão que adota. Em Madri, encarou adversárias de menor potencial sobre o saibro e ainda viu Elise Mertens se contundir no jogo mais perigoso da semana.

Este será o terceiro duelo entre Barty e Sabalenka nesta temporada. A australiana levou a melhor em ambos, mas nenhum foi fácil. Em Stuttgart, a bielorrussa venceu o primeiro set, sentiu dor na coxa e ainda assim lutou muito na série decisiva. A final acontece no sábado.


Comentários
  1. Paulo MCO

    O comentarista Sylvio Bastos parece estar cobrindo um disputa de matemática, e não um evento esportivo. Para QUASE TODO PONTO há uma explicação muito precisa do que ocorreu, porque ocorreu, como devia ter ocorrido, porque o ponto foi vencido pelo/a jogador/a “A”, e porque o ponto foi perdido pelo/a jogador/a “B”. MUITO CHATO! É MELHOR ASSISTIR O JOGO SEM SOM! PARA TUDO TEM UMA EXPLICAÇÃO! O COMENTARISTA ESQUECE QUE NO ESPORTE SEMPRE EXISTE O IMPONDERÁVEL. Às vezes, o comentarista continua falando durante a disputa do ponto seguinte. É uma pena que a tecla SAP não pode ser ativada… Nos EUA, Canadá, Austrália e países europeus, os comentaristas falam bem menos e não tentam explicar em detalhe tudo o que ocorre em cada ponto disputado. Meligeni e Saretta não cometem esse erro!

  2. Luiz Fernando

    Boa partida entre o italiano e chileno, marcada pelo equilíbrio até a metade do segundo set. No primeiro o chileno conseguiu a vitória explorando o BH menos eficaz do italiano. A partir da metade do segundo vimos uma grande queda do nível de jg do Garin e a partir daí o italiano dominou, culminando c pneu no set 3. Berrettini vai c moral p a semi amanhã…

  3. Luiz Fernando

    Li a entrevista do Rafa e não achei difícil entender a derrota de hj: ele não vem jogando bem, nem mais nem menos. E acho difícil reverter isso em Roma, que começa segunda. RG é outro papo, basta lembrar de 2014, teve uma fase ruim como essa antes e levou o torneio…

  4. Paulo F.

    Lembrando também que Alexander Zverev conquistou o título de Madri em 2018.
    Em cima DELE, do “grande” segundo melhor saibrista de 2017-2019.

  5. Oswaldo E. Aranha

    Invencibilidade no esporte não existe, assim no tênis podemos ver Nadal perder no saibro, Djokovic no hard e Federer na grama.

  6. Luiz Fernando

    Não vejo esse momento tão ruim quanto o de 2015, mas não está tão longe. Essas bolas curtas na devolução tem sido uma constante q acaba c qualquer chance p qualquer um. Roma tem um piso menos rápido, mas no atual momento não dá p considerar Rafa favorito…

  7. Paulo F.

    Até Stefanos Tsitsipas e Fabio Fognini já possuem mais títulos importantes no saibro do que o “grande” saibrista de 2017-2019.

  8. Sandra

    Dalcim , acabei de ler e não entendi , Djoko e Nadal vão defender 1000 pontos do master de Roma ?

        1. lEvI sIlvA

          ???
          Um deles, com certeza, Sandra!!!
          Já que, apenas um dos 2 pode realmente defender os 1.000pts. Ambos podem, com certeza ir a SF, já que estão em lados opostos. Mas…

  9. Rodrigo S. Cruz

    Dois raciocínios “jeniais” de Paulo F :

    1) “ah mas o Thiem é um nada no saibro, pois se até o Isner dá trabalho para ele”.

    Vencedor do jogo: Thiem.

    2) ” Ah, mas o meu amorzão Novak é o segundo melhor do saibro, mesmo que o Evans ganhe dele”.

    Vencedor: Evans.

    kkkkk

  10. Paulo F.

    Nunca deixa de surpreender a eliminação num torneio de saibro do mestre de Roger Federer.
    Mas será que Sascha será vitimado pela maldição de que quem elimina Rafa num torneio de saibro antes da final não se sagra o campeão?

  11. Maurício Luís *

    A culpa do Nadal ter perdido pro Zverev é dos organizadores. O certo era terem posto uns redutores de velocidade na quadra…ou então uns radares com multas pra bolas rápidas.
    Assim não tem balão que aguente.
    De qualquer forma, seja o espanhol 2 ou 3 da ATP, pouca diferença fará em Roland Garros, onde é campeão emérito e passa o rodo em todo mundo.
    Não sei como que ainda não quebrou a dentadura de tanta taça que mordeu.
    E mudando de assunto, acredito que o Dieguito argentino não vai se sustentar no top 10 por muito tempo, a não ser que surpreenda em Roland Garros.

  12. Rafael Azevedo

    Zverev aprendeu mesmo a como vencer o Nadal (mas, só venceu o espanhol quando este não estava mais no seu auge, kkkk).
    Muita gente critica o alemão pela falta de consistência, mas eu gosto muito do seu jogo. Ele é um dos únicos que consegue ser defensivo e ofensivo ao mesmo tempo. Ainda é um dos meus preferidos dessa “velha next gen”.

    1. Sérgio Ribeiro

      Velha Next Gen , mas nova geração. Lembra de quantos embarcaram no papo de “ Zé Verev “ kkkkkkkkkkkkk . Valeu Rafael. Abs!

  13. Marcilio Aguiar

    Mais um que consegue derrotar o Nadal no saibro e com méritos. O Tsitsipas esteve por uma bola em MC. Este parece ser o ano em que o Nadal entrará mais vulnerável em RG, entretanto ainda continuam como maior favorito, menos pelas suas condições atuais e mais pela incerteza que pairam sobre os “novos” mais proeminentes conseguirem manter o foco e o alto nível em um jogo longo melhor de 5 contra o touro na sua casa. Acho ainda que o sérvio é o maior perigo para o espanhol, caso este não leve muito o seu nível atual.

        1. Sérgio Ribeiro

          Olha , Marcílio . Não foi nem o fato de Thiem ter levado o USOPEN. A virada de TSITSIPAS saindo de 0 x 2 pra cima do Touro no AOPEN 2021 , deu um Up nesta nova geração. A tremedeira de MEDVEDEV na final do mesmo Torneio , não tira o fato deles agora entrarem acreditando muito mais . A meu ver . Abs!

    1. Vitor Hugo

      Eu ainda acredito que Nadal vai ganhar RG com um pé nas costas, principalmente se o adversário na final for Novak.

  14. Enoque

    A idade está pesando, cada vez mais, para o Nadal. Quando ele perdeu o primeiro set, perdeu, também, a disposição de vencer 2 sets duros contra Zverev. Acho difícil ele ganhar 7 jogos seguidos em Roland Garros, desta vez, jogos em 5 sets, vai se tornar uma desvantagem para ele.
    Nadal já tinha 180 pontos garantidos em Madri, agora só faz 180 e descarta 360, vai perder o segundo lugar para Medevdev, que não defende nada em Madri, Roma e RG. Agora, a ameaça à liderança do Djoko fica para depois de Wimbledon, não mais do Nadal e sim do Medvedev.

    1. Alessandro Siqueira

      O segundo semestre do Medvedev foi espetacular. Se ele não somar muita coisa no barro e na grama, dificilmente vai tomar o #1, porque depois tem MUITO a defender.

  15. Vitor Hugo

    Terceira derrota seguida do baloeiro para Zéverev! Está se desenhando uma freguesia, né? Hahahahahaha

    Depois de uma surra para Rublev, um atropelamento para Zéverev! Kkkkkkk

    Será que Nadal quer tirar a condição de Bagrevice como lanchinho favorito da nextgen?!
    ???????

    1. Rodrigo S. Cruz

      Calma, Vitor… rs

      Não se esqueça que esse saibro é o mais veloz de todos.

      Isso favoreceu o poder de fogo do Zverev, principalmente com o saque.

      Mas parar o Rafael Nadal em Roland Garros é outra estória…

    2. Paulo Almeida

      Bom, o GOAT Djokovic é o pai da garotada com folga, enquanto Frauddy segue como a marmitona-mor de todos eles e principalmente dos arquirrivais, levando um total de 51 surras no lombo. Hahahaha!

  16. Roberto Rocha

    Como alguém que vence 20 Majors pode jogar com a bola caindo o tempo todo no quadradinho de saque?

  17. Paulo Almeida

    Rapaz, já são três derrotas seguidas pro Zverev e sem vencer sets em nenhuma delas. Virou pedra no sapato mesmo!

    1. Sérgio Ribeiro

      Isso pra quem vive de h2h de clube da esquina . Em RG o Touro pode vencê-lo de novo . Abs!

      1. Paulo Almeida

        Você vive dos h2h de Davydenko contra Nadal e de Roddick contra Djokovic, pois são os únicos em que não leva fumo, haha!

  18. Luiz Fernando

    Vi q Rafa perdeu o set1, o q pra mim não foi surpresa, depois de ver o set1 da partida de ontem, na qual ele atuou de forma medíocre, vencendo mais pelo nome do q pelo desempenho na quadra. Ontem postei q ele teria q elevar o nível p vencer hj, o q aparentemente não ocorreu nesta parcial. Chance de derrota a vista…

  19. Rafael Azevedo

    Que bela vitória do Thiem. Foi uma partida estranha de assistir. O Isner não deixava o jogo ter mais do que 5 trocas de bolas.
    Por causa disso, o Thiem não conseguiu se soltar em nenhum momento, mas se esforçou bastante para conseguir vencer da forma que dava.
    O austríaco parecia incomodado e desconfortável com a estratégia do Isner, mas conseguiu ter paciência nas horas certas e vencer.
    Uma prova dificílima.
    Grande, Thiem!

  20. Paulo F.

    Dominic Thiem com dificuldades contra John Isner.
    “Grande” segundo melhor saibrista hein….

    1. Bruno

      Qual é pior ?
      Vencer o Isner com dificuldades ou perder para um tenistas que alguns aqui consideram um Zé ?
      E aí Paulo Google?

    2. Miguel BsB

      Qualquer um vai ter dificuldades com o Isner sacando muito numa quadra mais rápida.
      Thiem é sim um senhor saibrista e está mostrando que ainda o é, mesmo voltando de lesão e pausa nas competições…

    3. Rodrigo S. Cruz

      Ué, e o seu amorzinho Novak não perdeu há pouco do Evans que também é fraco no saibro?

      Se a resposta for sim, podemos pegar a relação que você acaba de fazer e jogar onde ela merece:

      a lata do lixo…

    4. Marcilio Aguiar

      Não me lembro quantas vezes o Nadal foi ao quinto set em RG. Acho que não passa de 3 vezes e uma delas foi contra o Isner em 2011, logo o americano não é essa moleza no saibro que queres afirmar.

  21. NELSON LUIS DE CARVALHO FREIRE

    Dalcim
    Jogo das mulheres melhorando muito, não acha?
    Menos quebras (mesmo no saibro), mais variações e saques cada vez melhores. Gosto bastante de assistir o tênis feminino, que reconheço, não é tão poplular

    1. José Nilton Dalcim

      Com certeza, Nelson. Estamos com uma geração de jogadoras bem habilidosas e com isso o favoritismo mudar conforme o torneio e o momento, o que é excelente. Vemos também variedade maior de opções táticas, o que está diretamente relacionado com a técnica mais apurada. O duelo Barty-Sabalenka já foi muito bom em Miami e Stuttgart. Gosto muito quando as meninas usam mais os ãngulos, o que não é ainda tão comum, aliadas com curtinhas e voleios.

  22. Sérgio Ribeiro

    O piso mais rápido de Madri trás o imponderável. Se o grande Sacador ( Isner ) não estiver com o primeiro Serviço a 100 % , pode dar Thiem. Embora o Gigante tenha ido à rede várias vezes atrás do saque pra azar de Rublev. Como o Austríaco está exageradamente muito lá trás , vou com a ZEBRA. Casper Ruud costuma ser próprio Robin Hood rs , mas vou também com ele , jogou uma barbaridade contra Stef . Berrettini está distribuindo mísseis com o Serviço e com o forehand , ligeiro favoritismo. Sasha vai testar e muito Rafa . Quem leva ? . O “ Rei do Saibro “ . A não ser que erre uma penca de devoluções. Não acredito. Abs!

  23. Vitor Hugo

    Annacone está corretíssimo sobre Federer! Kkkkkk

    Zverev, Thiem, Tsipas, Medvedev = Geração fraca!

      1. Vitor Hugo

        Foi o segundo melhor saibrista entre 2017 e 2019, nas hards é um ótimo jogador e na grama insignificante.

    1. Luiz Fernando

      Não distorça as coisas Renato, quem falou da geração fraca, vide entressafra, foi o Sampras quando expôs q o Federer não tinha adversários a altura na primeira metade da década retrasada. O Annacone disse q NO MOMENTO ainda via o Federer como o quarto melhor no saibro e creio q NO MOMENTO no mínimo o grego é superior a ele. Agora se observarmos o Federer em boa forma e com ritmo de jogo no saibro, se juntarmos os 4 q vc citou concordo q não chegam aos pés dele…

  24. Luiz Fernando

    Olha acabo de assistir o primeiro set do jg do Rafa e o q vi não me agradou. P vencer amanhã precisa subir muito o nível, pois o Zverev jogou bem a tarde, num nível superior e contra um adversário mais gabaritado…

  25. José Alves Aragão

    Dalcim é o melhor analista de tênis em atividade no Brasil, a intimidade com a qual ele fala da estratégia de jogo é algo de quem viveu o tênis ? ,não só de quem estuda tênis. Espero que não se aposente tão cedo

  26. Miguel BsB

    Os Masters 1000 tem, há alguns anos, sido palco de vitórias de tenistas fora do big 4. A grande questão permanece nos Slams, é ali que os caras não dão espaço.
    Na chave dos “inéditos”, vou torcer pelo Garin, hermano chileno!

  27. Paulo Almeida

    “Sérgio Ribeiro
    5 de maio de 2021 às 23:33

    Pesquise antes de postar bobagem . Caiu pra Soderling nas quartas de RG 2009 por 2 x 6 , 7 x 6 , 4 x 6 , 6 x 7 num jogaço. Jogou apenas DOIS Torneios a menos que em 2008 ( 19 ) 17 . Exatamente Queen’s e Wimbledon. Chegou a Semi no USOPEN caindo para Del Potro que bateu Federer na FINAL. Na carreira pulou CINCO ATP FINALS : 2005 , 2008 , 2012 , 2014 e 2016 ( Todos alegando lesão ) . Chegou em 2009 apenas 945 pontos atrás de Federer no ATP FINALS. Caiu novamente pra Soderling , Djokovic e Davydenko . Este último bateu Federer na Semi e Del Potro na FINAL ( pangaré segundo a Kombi ) . Com isso Federer terminou como N 1 apenas 1345 pontos a frente de Nadal pois cravou 400 pontos contra ZERO de Nadal no último Torneio. Sabes nada rs . Abs!”

    Nadal caiu pro Soderling nas oitavas e não nas quartas, pois estava lesionado e nem foi defender Wimbledon, perdendo quase 4000 pontos. Aí ficou fácil pro Fregueser retomar o número 1.

    Nunca ninguém do TGV disse que o Delpo era bagre, que na verdade existiam aos montes na entressafra 2003-2007.

    Passando muito recibo como sempre, abs!

    1. Sérgio Ribeiro

      Leia direito , Piloto. Este último que bateu Del Potro na FINAL , mais um bagre para desinformados da Kombi , é Davydenko. Ele mesmo , aposentado com h2h positivo contra Nadal , assim como Roddick contra Djokovic rs . Soderling jogou uma barbaridade contra Nadal, corrigindo nas OITAVAS , e quem conhece o Espanhol sabe que ele largaria o jogaço sensacional se estivesse lesionado . No FINALS o Sueco confirmou a vitória de RG 2009 . És médico pra saber se ele pela enésima vez não se lesionou nos preparativos para a Grama ? Onde é obrigado a se agachar com um joelho problemático ? . Tem manias de se utilizar de adivinhações e lesões pra desconstruir os méritos do Suíço. Este em momento algum se justificou com a MONONUCLEOSE, a perda do N 1 pra Rafa em 2008 . Abs!

      1. Sérgio Ribeiro

        Ps. A vítima do Sueco Soderling no ano seguinte, nas QUARTAS , foi Roger Federer… Abs!

      2. Paulo Almeida

        Vou pegar só um pequeno trecho do texto do Alexandre Cossenza de 8 de março, ok?

        “A grande diferença entre os reinados de Federer e Djokovic? De novo: o grau de dificuldade. Embora Federer tenha sido número 1 também em 2009 (auxiliado por uma lesão de Nadal, que jogou machucado em Roland Garros e não defendeu seu título em Wimbledon), 2012 e 2018, é inegável que o sérvio teve rivais mais fortes – e o próprio suíço é parte desse grupo.”

        Quem tem mais credibilidade, ele ou você com essa fake news de lesão na preparação na grama? Rs.

        E o bom é que ele não cansa de corroborar a entressafra. Sugiro que leia o texto todo.

        Abs!

        1. Sérgio Ribeiro

          Você acha o Blogueiro citado uma sumidade . Estás no Blog errado , Piloto. Jamais vi o Dalcim se utilizar de um expediente tão baixo como esse Senhor. Repito , a possibilidade de Rafa Nadal ter se lesionado na preparação para a gira de grama , é real . Nada de fake News pois não sou médico muito menos tu . Que a cada dia percebo que não conheces nada do Esporte. Está cansado de saber o que levou Pete Sampras a uma aposentadoria precoce . Safin , Hewitt , Roddick e o surgimento de um jovem Suíço que o destronou na Grama Sagrada . Os outros dois o fizeram dentro do próprio USOPEN. Esta foi a entressafra citada por fanáticos da pior espécie. Até Paulo Cleto teve que rever seus conceitos sobre o Craque Suíço. Abs!

          1. Paulo Almeida

            Como previsto, ficou sem argumentos pela enésima vez e foi falar mal do colunista do UOL.

            Discussão mais do que encerrada.

            Abs!

Comentários fechados.