Cartas na mesa
Por José Nilton Dalcim
25 de março de 2021 às 22:57

É hora de os principais favoritos começarem a mostrar serviço no Masters 1000 de Miami. Sem a concorrência do Big 3 ou de Dominic Thiem, a oportunidade de dar um novo salto na temporada e na carreira está aberta para Daniil Medvedev, Stefanos Tsitsipas, Alexander Zverev e Andrey Rublev, os quatro nomes da nova geração que subiram à condição de estrelas máximas.

Medvedev não é apenas o principal favorito desse grupo, ainda que o piso sintético de Miami seja bem mais lento devido à enorme umidade, mas também vê uma chance notável de ganhar um terceiro título de peso quase consecutivo e sonhar com uma aproximação definitiva ao número 1. O russo pode somar todos os 1.000 pontos em caso de título e isso o deixaria 1.113 atrás de Novak Djokovic.

Sua caminhada tem alguns obstáculos maiores, mas basicamente não é ruim. Estreia contra o veteraníssimo Yen-Hsun Lu, deve encarar o sacador Reilly Opelka e então cruzar com Daniel Evans ou Dusan Lajovic. Por fim, a mais provável semi seria contra Roberto Bautista, mas pode dar John Isner ou uma surpresa como Lloyd Harris e até Felix Aliassime.

Campeão em Acapulco e fatal número 6 do ranking ao final de Miami, Zverev é o destaque do segundo quadrante, mas me parece menos distante dos concorrentes diretos. No seu caminho, aparece o renovado Nikoloz Basilashvili na terceira rodada e o alemão precisará de firmeza contra Jannik Sinner ou Karen Khachanov. A semi também aponta várias alternativas e eu não descartaria um Taylor Fritz, caso o piso continue lento.

O lado inferior é liderado por Tsitsipas, que tem feito algumas boas campanhas mas não vê título há 13 meses, e me parece interessante o eventual duelo de terceira rodada contra Kei Nishikori. Acho difícil que algum deles perca para Alex de Minaur e portanto o grego poderá cruzar lá na frente com um canadense: Denis Shapovalov ou Milos Raonic.

A quarta vaga para a semifinal tem enorme chance de rever o duelo russo entre Andrey Rublev e Aslan Karatsev. O campeão de Dubai entrou como cabeça 17 e obviamente a pressão será diferente. Sua estreia é contra Mikhail Kukushkin e a sequência promete Sebastian Korda ou Fabio Fognini e depois Diego Schwartzman. Mais uma vez, observem que as condições de Miami são bem diferentes de Melbourne ou Dubai e portanto vai exigir mais paciência na construção dos pontos.

Ver a chave amplia a decepção pelo jogo tão instável que Thiago Wild fez nesta quinta-feira. Depois de duas boas rodadas no quali, em que parecia ter recuperado a confiança e se dizia solto na quadra dura, ele encarou um adversário que claramente é inferior na parte técnica, porém de forma incompreensível só atacou o backhand do colombiano Daniel Galan. Para completar, o índice de primeiro saque e os pontos vencidos com ele foram muito baixos para um piso sintético. Se avançasse, pegaria Alex de Minaur e, quem sabe, Lorenzo Sonego. O sorteio era muito promissor.

Não menos frustrante e amargo foi o abandono de última hora de Thiago Monteiro, que jurou estar recuperado do problema muscular na panturrilha, mas que percebeu – um tanto repentinamente – que era melhor treinar mais, se poupar para o saibro e nem entrar em quadra para encarar Kevin Anderson. Mais duro ainda: o sul-africano, em momento de baixa, caiu para o lucky-loser Damir Dzumhur em dois sets. A quinta-feira, que prometia festa, terminou sem graça.


Comentários
  1. Manu

    Alguém avisa o Tsitsipas que shorts branco ensopado de suor não fica bem para a silhueta pubiana numa quadra de tênis? Kkkkk

  2. Luiz Fernando

    Que belo jg vão fazendo o japa e o grego. Quem esperava amplo domínio do segundo, como eu, vai tendo uma agradável surpresa. Vê-se claramente q não fossem os sucessivos problemas físicos o japa teria muito mais vitórias relevantes na carreira…

  3. Luiz Fernando

    Neste FDS tive o prazer de rever a trilogia do “Poderoso Chefão”, com filmes maravilhosos, com atuações espetaculares de 3 dos maiores atores de todos os tempos: Marlon Brando, Al Pacino e Robert De Niro. Trata-se de um exemplo relativamente raro, no qual as sequencias ficaram pouco a dever ao filme original. Depois tive a curiosidade de pesquisar quais as principais trilogias do cinema e me deparei com essa desse link: https://www.goliath.com/movies/the-10-best-trilogies-in-movie-history/. Tive a oportunidade de ver todos, e creio q os amigos cinéfilos do blog igualmente são familiarizados com todos os filmes. Na minha classificação pessoal, absolutamente leiga e passional, e por isso mesmo postei esse link kkk, vejo 3 como as principais: Star Wars (a primeira trilogia, claro), O Poderoso Chefão e Lord of The Rings. Qual a melhor? Claro q cada um tem um gosto e aprecia ou valoriza mais isso ou aquilo mas ao menos p mim a emoção ou a capacidade de despertar emoção vale mais do q tudo no cinema e nesse contexto é difícil não se lembrar da conversão emblemática de Darth Vader no episódio 6, só comparável a do Capitão Renault em Casablanca. A isto soma-se a procura de Luke pelo assassino do pai, q em realidade é o próprio. Star Wars é simplesmente sublime…

    1. JAN DIAS

      Não curto muito sci-fi, mas a cena em que o Darth decepa a mão do Luke é magistral, antológica.. ?
      Minhas trilogias favoritas são: INDIANA JONES ? e ROCKY ?.. (considerando só os 3 primeiros filmes de cada franquia, embora eu goste muito do ROCKY 4 c/ o Dolph Lundgren – Ivan Drago).
      Abç,

    2. Miguel BsB

      O Poderoso Chefao é excelente! Principalmente os 2 primeiros!
      E concordo contigo, Star Wars, Godfather e Senhor dos Anéis são as 3 melhores trilogias na minha opinião, não necessariamente nessa ordem…

    3. Marcilio Aguiar

      Luiz Fernando, acho que “O poderoso chefão” é a primeira porque, além de ser algo do mundo real, é uma reunião de talentos extraordinários como poucas vezes se viu. Eu poria “O Senhor dos Anéis” em segundo porque sou aficionado pelas lendas de cavaleiros medievais e suas batalhas. Em terceiro eu voto em ” Indiana Jones”. A seguir seriam “Star Wars” e “De volta para o futuro” no top 5. Abc.

  4. periferia

    Olá Leme

    What is your favorite word? (esperança)
    What is your least favorite word? (miséria)
    What turns you on? ( um beijo)
    What turns you off? (mentira)
    What sound or noise do you love? (chuva)
    What sound or noise do you hate? ( ronco)
    What is your favorite curse word? ( PQP)
    What profession other than your own would you like to attempt? (Jornalista)
    What profession would you not like to do? (médico no Brasil)
    If heaven exists, what would you like to hear God say when you arrive at the pearly gates? ( “vou avisar a Halle Berry que vc chegou” )

    1. Rubens Leme

      Vou postar a resposta que dei em 2003 quando fiz esse mesmo questionário com amigos, afinal, não mudei tanto quanto pensei em quase 20 anos…

      Rubens, sua a palavra favorita: Sim
      Rubens, a palavra que mais odeia: Cretino
      Rubens, o que te excita: Fazer o que gosto
      Rubens, o que te irrita: Ouvir (e ler) palpite de idiotas
      Rubens, o som que mais gosta: Música
      Rubens, o som que mais te irrita: Britadeira
      Rubens, seu palavrão favorito: Cretino, imbecil e fdp
      Rubens, qual profissão, além da sua gostaria de ter: gostaria de ter uma
      Rubens, qual profissão que não gostaria de ter: advogado, administrador, fiscal e qualquer coisa que me fizesse ficar preso de oito às seis
      Rubens, o que gostaria de ouvir de Deus quando chegasse no Céu: Andar errado, desce!

  5. Luiz Fernando

    “Rodrigo S. Cruz: Não.

    Eu vou continuar vendo do mesmo jeito.

    Mas que vai perder parte da graça, certamente que sim.

    Isso é indiscutível…”

    Perfeito, nada acrescentar…

    1. Marcelo Costa

      Pergunta que trará uma triste lembrança: o que houve com o esporte após 01/05/1994? Ele parou? Ou tivemos a chance de ver um alemão super campeão? Ou então um inglês que manda bem na pista e fora dela?
      Sabe uma coisa tenho certeza, iremos enfim ter bons debates sobre o jogo, sobre tipos de jogador ao o invés de discutir preferências sobre quem é o maior, o mais bacana, quem chamou quem para o casamento, sei que não vamos comentar o que o pai de um disse, o que achamos ser métrica pra determinar quem tem a maior raquete.
      Tristes? Claro mas o esporte chorou e chora por aquela curva, mas haverá outras largadas.

    1. Sérgio Ribeiro

      E o MAGISTRAL comentarista , muito espirituoso , deve saber que na sequência pegam Rublev e Hurkacz . Como não estamos num ATP 250 , poderias dar um palpite ? rs . Abs!

      1. Luiz Fernando

        Meu palpite é o seu, afinal não é sempre q se convive c alguém com sua humildade e despretensão, uma pessoa q expõe conhecimento do esporte sem qualquer pretensão de menosprezo c o interlocutor. Putz, acordei kkkk. Aqui é diversão garantida kkkk. Abs.

  6. Luiz Fernando

    Nadal disse q “amizade existe mas não é das mais próximas” ou algo parecido, ou seja, não há uma amizade real entre ele e Federer, são conhecidos, são grandes campeões q se respeitam, nada mais, o q explica o suíço não ter sido convidado p o casório. Não sei pq usar eufemismos, ambos não são amigos reais e ponto final, o q por sinal não muda nada na vida ou na carreira de ambos…

    1. Sérgio Ribeiro

      Um mora em Dubai e o outro em Mallorca . Realmente não muito próximos . Tão bem informado saberias dizer se Mirka e Xisca se dão tão bem assim a ponto de convite para casamento ? .O que postastes não bate com que diz Roger. Aliás o Suíço foi o escolhido para a inauguração da Super Academia de Nadal. O mesmo aconteceu para o encontro que bateu todos os recortes de público na África do Sul. O mais certo de tudo isso é que STAMIMAL parece ser o mais próximo de Federer rs. Abs!

    2. Rodrigo S. Cruz

      Na verdade, o Federer tem muito mais consideração pelo Nadal do que este pelo Federer.

      Duvido que o suíço não tivesse convidado o espanhol para seu casamento.

      Foi uma tremenda falta de educação do espanhol…

      1. Paulo F.

        É óbvio que Federer tem mais consideração pelo Nadal do que o contrário.
        O cachorro abana o rabo quando enxerga o dono.

      2. Sérgio Ribeiro

        Até tu , Rodrigo. Mirka nunca foi com a cara do Titio Toni e suas ” instruções ” . Eu mesmo tive vários ” amigos ” cortados pela Noiva rs .Tenho certeza que pra casamento somente quando o Casal se dá com ambos. Sinceramente esse assunto já deu há muito , ao menos na minha opinião rs. Abs!

      3. Miguel BsB

        Pessoal, para quem já leu a biografia do espanhol, percebeu que ele vive no mundo hermético dele. É só família, família, família, uns amigos de infância e os companheiros espanhóis de seleção espanhola. Tudo é em torno disso e sua Maiorca, mas especificamente, Manacor.
        Não me surpreende que ele não tenha convidado Roger pro seu casamento. Eles se dão bem, mas não chega a tanto.
        Roger é muito mais “jet setter”. Nadal é Familia, Maiorca, poucos verdadeiros amigos e sua equipe que praticamente permaneceu a mesma durante toda a carreira.

    3. Ricardo

      O engraçado é que quem acha que há algo mais entre eles são em grande parte federistas.
      Essa torcidinha “Fedal” (cof cof Federista) pós-2017 é ridícula.
      O chororô que ocorreu aqui com relação ao Federer não ser convidado pro casamento do touro tá aí pra provar.

      Mas voltemos a 2017.

      Naquele ano ocorreu algo interessante.
      Os fãs do suíço, empolgados com as conquistas do seu deus, criaram/imaginaram um mundo encantado em que ele ganhava 2 ou 3 slams por ano e deixava RG pra Nadal, ou até o USOpen. E, claro, como o espanhol não consegue mais nada fora do saibro, Federer poderia ganhar todos os possíveis confrontos entre eles. Et voilà. A era de ouro do tênis finalmente voltara. A maior rivalidade do tênis tinha voltado e com grandes chances do h2h finalmente mudar.
      O jogo do Nadal surpreendentemente passou de feio, baloeiro, para um jogo refinado, com certeza bem mais bonito do que o do sérvio.
      Mas, claro, e parafraseando uma das minhas séries prediletas, “assim como ocorre em muitos sonhos, há um monstro no final”.
      Djokovic voltou e obliterou, com requintes de crueldade, esse devaneio.
      Não me espanta o sérvio sofrer tanto nas mãos da horda. É o que resta pra torcida do suíço.
      E também nem dá muito pra levar a sério as atrocidades ditas aqui direcionadas ao Djoko, pois tudo que acontece hoje (e muita gente convenientemente resolveu esquecer), aconteceu no passado com o Nadal.

      Só mais uma e última paráfrase: “time is a flat circle”.

  7. Paulo F.

    Luiz Fernando:

    Bem por aí mesmo.
    E ainda por cima, possuem a empáfia de se acharem pessoas melhores do que a outras.

    1. Sérgio Ribeiro

      Procure saber o significado da palavra EMPÁFIA, antes de postar diariamente tanta bobagem . A dupla L. F e P. F . , e’ sem dúvida insuperável. E somente se entendem tão bem , por postarem sempre o mesmo conteúdo rsrsrs. Abs!

      1. Luiz Fernando

        Superar vc e alguns amiguinhos em matéria de prepotência, menosprezo pelo próximo e falta de humildade é algo inalcançável. Vc especificamente em matéria de textos confusos também, desse pecado seus companheiros não padecem. Abs.

        1. Sérgio Ribeiro

          Esse teu papinho de ” confuso ” já deu , MAGISTRAL autor de ” Odeio Roger Federer ” em 2017. Além de escrever sobre o que não assististes , essa sua mania de babar ovo de algumas figuras da Turminha da Kombi e do próprio Servio é ótimo pra se tirar um sarro rs. Agora resolveu fingir que admira a Nova Geração. Tai , já é uma melhora caríssimo ” diversão garantida ” rs. Abs!

  8. Luiz Fernando

    Esse torneio masculino está razoavelmente interessante, mas não há como negar q um evento deste porte sem ao menos um dos componentes do Big3 equivale a ir a um restaurante sofisticado e pedir coca-cola com sanduíche (algo q eu adoro, por sinal)…

    1. Paulo Almeida

      É verdade. Até secar o Medvedev está sem graça.

      Já pensou em ir ao Fasano e pedir pão com ovo e suco? Kkkkkkkk

  9. Ronildo

    “Começo a te entender Ronildo.
    Público, patrocinadores, TV etc. Tudo em cima do suíço.
    É pressão demais. Por isso, na hora de fechar, treme.”

    Fabriciano, a questão é que a carreira de Djokovic não chegou ao patamar da de Federer.

    Isso significa o seguinte: Djokovic nunca jogou um ponto com o grau de relevância tão alto como foi para Federer o ponto final de Wimbledom 2019. COMO EU COSTUMO DIZER: É MAIS FÁCIL ANDAR NA RABEIRA!

    1. Jonas

      Conversa. Federer tinha 15 Grand Slams de vantagem sobre Djokovic, em janeiro de 2011. Até então Federer vencia Grand Slams com frequência. Ele foi superado em quadra e ainda jogou/joga em altíssimo nível por tempo demais para ser só “pressão”. Aliás, se ele quer ser o melhor mesmo precisa ter o mental forte e superar esses momentos difíceis.

      Djokovic e Federer já até choraram em final de Slam. A pressão em excesso faz parte do esporte em alto nível. É o preço que se paga por estar no topo.

    2. Sérgio Ribeiro

      Esse rapaz viu o Suíço vencer CENTO e DOIS Torneios e posta uma pérola desta . Tudo por não ter conseguido um autógrafo do Craque …. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk . Diz que Roger e’ um poço de arrogância kkkkkkkkkkkkkkkkkkk. Abs!

      1. Sérgio Ribeiro

        Correção: o Craque Suíço levou Cento e Três Torneios. Para esses sabichões bastava o cara jogar SEIS ATP 250 que chegava em Connors com 109 . Bastava combinar com a Nova Geração… rs . Abs!

        1. Luiz Fernando

          Vc acha q alguém vai perder tempo de contar se o número é 102 ou 103???? Aqui é diversão garantida kkkk!!! Abs.

          1. Sérgio Ribeiro

            Aprenda a ler TODOS os comentários , que tu verás que esse assunto já foi discutido aqui no Blog N vezes. Como somente lês as asneiras que postas , fica difícil caríssimo ” diversão garantida ” kkkkkkkkkkkkk Abs!

        2. Ronildo

          Pois é Sérgio

          Estou bastante curioso pra ver a performance de Djokovic neste atp 250 de Belgrado. Se bem que é dele o torneio, ou da família, sei lá. Então talvez haja bastante motivação para ser campeão.

          1. Sérgio Ribeiro

            O diretor é o irmão , caro Ronildo . O Torneio já aconteceu entre 2009 e 2012 . Neste último ano até Novak faltou pois estava brigando pelo N 1 com Federer e a data é indigesta . Mas já venceu dois . Ele podia era convencer Federer já que em sendo ATP 250 … rs Abs!

          2. Luiz Fabriciano

            Djokovic já venceu lá duas vezes.
            “se bem que é dele o torneio…” Realmente, a menor coleção dele está nos 250, mas não poderia, de forma alguma, desprestigiar seu próprio evento.
            País, cidade, complexo tenístico, irmão.
            Mas para erguer o troféu, terá que suar como qualquer um.

    3. Luiz Fabriciano

      Talvez porque enquanto crianças, um comia chocolate suíço e o outro se abrigava de bombas, tenha surgido daí sua força.
      O que é um mísero dedinho em riste sinalizando que faltava apenas um quando se ouvia sirenes e nem um dedinho para dizer: só mais uma?
      Prometo, meu prezado Ronildo, que não te encherei mais o saco com esse tema, porque trocaria, sem pestanejar, a pressão que sinto agora por um estádio lotado gritando meu nome, me incentivando para levar um GS. Quiçá o mundo inteiro.
      Saudações tenísticas!

    1. Sérgio Ribeiro

      Vexame em dois Tiebreaks de 7 x 5 ??? Na boa , conterrâneo, tu estás parecendo esses caras da Turminha da Kombi. Repetir uma mentira exaustivamente quem sabe não cola ? rs . Aliassime de longe ainda aos 20 , já e’ bem superior ha vários trintões que em breve se despendem do TOP 20. E John Isner , que é um dos 4 grandes sacadores Norte-americanos a vencer nesse Saibro Azul de Miami ( Mayotte , Sampras e Roddick são os outros ) , suou como nunca pra vencer. Quiseram chamar este MASTERS de Quinto SLAM . Já mudaram de 4 Sedes ( esta é de 2019 ) e não mexem no piso com um clima deste. Para mim independente da lesão MEDVEDEV não leva nesta lentidão. Agassi e Novak são os recordistas com 6 Títulos. Abs!

    2. Luiz Fabriciano

      Tenho que admitir que te admiro Pessanha.
      Passaste de maior admirador à maior crítico do jovem canadense. Outros que vieram depois já levaram seus primeiros ATP’s.
      Mas também acredito que o dele logo chegará.

  10. Marcilio Aguiar

    O Medvedev, bobeou em não fechar no segundo Set e quase dançou no final do terceiro. Parece que sentiu cãimbras. Dalcim, nesse caso não deve tirá-lo do próximo jogo, mas não é estranhos sentir cãimbras em um jogo que não teve longa duração e em início de torneio?

  11. Rodrigues

    Dalcim

    Sinto informar que morreu hoje, ANTENOR ZUCHETO, um dos maiores tenistas amadores do Brasil.
    PS, Não foi de COVID.

    1. José Nilton Dalcim

      Puxa, um marco no tênis brasileiro. Obrigado pela dica, vou pedir à redação para levantar informações.

  12. Paulo Almeida

    O rei da era bagreolítica (kkkkkkkk) perdeu cada jogo pior do que o outro no vídeo “A Loss to Remember” e olha que faltaram vários!

    Como era bom ter o American Clown como maior rival fora do saibro até 2007…

      1. Paulo Almeida

        Rapaz, modéstia à parte, acho que nesse mês e pouco fiz trocadilhos e neologismos pelo menos legaizinhos, kkkkkkk.

        Abs.

    1. Gildokson

      Roddick ja foi campeão de Slam, 3 finais em WB e número 1 do mundo, é chamado de American Clown, Medevedv ganhou alguns M1000 e tu ja chama ele do que mesmo? Sei la, algum apelido que o supervalorize para que assim também valorize um título do Djokovic.
      Eu dou risada kkkkkkkkk tem horas assim que fica até escancarado o quão injusto é o julgamento de vocês, a ala anti-Federer acima de tudo.

      1. Sérgio Ribeiro

        E olha qual baba ovo chama esta babaquice de “ Genial “ , logo acima caro Gildokson … veja a cara de pau desse sujeito. E ainda vem com papinho de arrogância para terceiros . Esse será o eterno bobo da corte kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk . E’ mesmo diversão garantida kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk . Abs!

  13. Luiz Fernando

    Dalcim creio q um ponto de evolução no jg do Medvedev foi a defesa. Ele me pareceu com slice defensivo bem melhor do q antes, vc também notou isso?

    1. José Nilton Dalcim

      Ele se defende bem, Luiz, mas realmente usou mais o slice hoje. Mas olha acho que muitas vezes ele optou por estar um pouco atrasado no lance. De qualquer forma, ótimo ver que ele consegue explorar essa alternativa.

  14. Luiz Fernando

    Medevedev, q com esse bigode está idêntico ao advogado do Desmond Doss no filme Até o último homem, está tendo uma dura partida contra o Popyrin, inclusive com algumas trocas de bola muito disputadas…

  15. DANILO AFONSO

    Olha esse duelo de duplas entre NADAL/MOYA x FEDERER/WAWRINKA no Master 1000 de Roma em 2007.

    Esse duelo representa (atualmente):

    – 4 jogadores que já foramcampeões de Slam;
    – 4 jogadores que já foram campeões da Davis;
    – 3 jogadores que já foram número 1 do ranking.

    https://www.youtube.com/watch?v=vb9cCPOarGg

    1. DANILO AFONSO

      Dalcim, você lembra de algum jogo oficial de duplas em que todos jogadores já tinham ganho Slam na época do jogo ou posteriormente durante a carreira ?

      1. José Nilton Dalcim

        Acho que você está se referindo a jogadores de simples atuando nas duplas… Acho que é algo bem raro mesmo.

        1. Rubens Leme

          Dalcim, não encontrei nem na Davis ou Olimpíadas. Na Davis olhei todos os confrontos do Grupo Mundial de 1972 até hoje. Nas Olimpíadas o mais curioso é o ouro olímpico da Suíça, de 2008, com Federer e Wawrinka, que segue sendo, neste século, o único país com dois campeões de Slams.

          1. Rubens Leme

            Achei uma Dalcim! Final da Davis, 1967, Austrália 4×1 Espanha.

            John Newcombe / Tony Roche 3×0 Manuel Orantes / Manuel Santana – 6/4, 6/4, 6/4

            Manuel Orantes venceu o US Open de 1975. Manuel Santana tem 4 Slams: Roland Garros (1961, 1964), US Open (1965) e Wimbledon (1966). Tony Roche venceu Roland Garros em 1966.

            E o Newcombe… Bom, ele somou 24 Slams, 7 de Simples e 17 de duplas. Vou digitar tudo isso, não.

            E aposto que nessa era amadora encontro mais.

        2. Rubens Leme

          Sim, teve uns confrontos pesados também entre EUA x Suécia, com Sampras/McEnroe x Jarryd/Edberg, nas semi de 1992. Achei uns 30 jog os sensacionais e alguns até coloquei no youtube pra ver.

          Jaryd foi um dos grandes duplistas daquela era, dono de 8 Slams, 2 com o Edberg. Era fantástico essa época em duplas.

          1. periferia

            Olá Leme
            Em finais de Slam…
            Rod Laver (11)/Roy Emerson (12) versus Ken Rosewall (08)/Fred Stolle (02).
            Fizeram as finais de Roland Garros (1968)…e do Austrália Open (1969).
            São 33 títulos de simples na quadra.

  16. Ronildo

    “Eita, Federer é uma divindade ou um tenista?”

    Foi a pergunta que fizeram lá atrás.

    É o tenista com a maior popularidade em todos os tempos do tênis.

    1. Renato Aquino

      Sim, ele é bem popular. Afinal, se tornou GOAT em 2009, posto que tende a perder. Sei que você gosta bastante do Federer meu caro, mas o tênis é muito maior do que ele. É claro que ele ficará em nossa memória depois que parar, disso não há dúvida, abraço.

  17. Miguel BsB

    Barocos, Maverick é muito bom, excelente filme, muito divertido.
    Mas as cenas do torneio de poker nele não são fidedignas, são claramente ficcionais.
    Cartas na mesa é um filme sobre poker, e mais realístico, digamos assim..

  18. Marcilio Aguiar

    Nem só de obras de arte viveu o cinema do passado, mas também daquilo que foi pura diversão a seu momento. Hoje, em uma situação familiar, a minha esposa se lembrou de uma cena grotesca do filme a “História do Mundo” dos anos 1980. Achava que era do Monty Python e fui me certificar no Google, que apontou para Mel Brooks.

    A partir desse momento não precisei mais do “cérebro eletrônico” para ativar reminiscências das impagáveis cenas de filmes que o diretor, ator e roteirista, com a sua trupe, criou para diversão nas “minhas décadas de ouro”.

    Era o rei das paródias: Jovem Frankstein (para mim a melhor), Alta ansiedade (impagável ele cantando High Anxiety no estilo Sinatra), Banze no oeste, A ultima loucura de Mel Brooks, Primavera para Hitler, A história do mundo, etc. Na maioria, em cena com Maty Feldman, Dom De Luise, Madeleine Kahn, Gene Wilder. Foi casado com a extraordinária Anne Bancroft (Mrs. Robinson de “a primeira noite..”, “O homem elefante”, “84 Charing Cross Road”, “ Agnes de Deus”, etc) e também um dos criadores da série “Agente 86” do impagável Maxwell Smart.

    Fiquei surpreso ao saber que ele vive ate hoje aos 94 anos. Provavelmente não foi tão genial quanto Jerry Lewis ou Peter Sellers, mas dei ótimas gargalhadas com seus filmes.

    Saudações!

    1. periferia

      Olá Marcilio

      Assisti Banze no Oeste.
      Passei muito tempo tentando entender o “Banzé” do título em português.
      Muitos anos após a…descobri que banzé é uma palavra do português brasileiro…de origem africana…significa bagunça…confusão…tumulto.
      Combina (sem querer) com a proposta diretor…rs

      Abs

      1. Marcilio Aguiar

        Periferia, quando tiver um tempo tenta assistir “High Anxiety” (Alta ansiedade no Brasil). É uma paródia/homenagem a Hitchcock. Abs.

  19. Sandra

    Dalcim, quem vc acha que vai ser campeão em Miami ? Rublev, Sinner, Felix ou esse alemão que está indo de vendo em popa? E no feminino ? Chuta aí , para termos um pouco de diversão!!! rsss

    1. José Nilton Dalcim

      Olha, se eu fosse apostar iria de Medvedev no masculino e Osaka, no feminino. Mas se fosse para pedir um resultado inesperado, que tal um Fritz e uma Anisimova?

  20. Sérgio Ribeiro

    Gostaria de ver Marat Safin repetir novamente a famosa ” A Next Gen é uma farsa ” , logo acompanhado por Fábio Fognini e por vários MAGISTRAIS comentaristas aqui deste Fórum de debates, há cerca de dois anos. O Italiano e os outros membros da geração perdida ficaram completamente sem saída . Apanham sem do’ dos garotos tanto num ATP 250 , como num MASTERS 1000, as vezes de maneira vexatória. Será que Safin imaginaria que os caras tomariam conta de quase todo o TOP 10 num espaço tão curto ? E que exatamente um Russo quebraria um jejum de 15 anos atingindo o TOP 2 ? Korda com os mesmos 20 de SINNER , é mais um que chega pra acabar de vez com a verdadeira ” FARSA ” .. Abs!

    1. periferia

      Olá Sérgio

      Estão…mais por causa biológica que propriamente por capacidade.
      A pandemia influi no ranking….mesmo assim nesse momento….temos:
      Djokovic …33 anos
      Nadal…….34 anos
      Federer…..40 anos
      Bautista…32 anos
      Goffin……30 anos
      Busta……30 anos
      Monfils….34 anos
      Dimitrov …30 anos
      Fognini…..33 anos
      Raonic……30 anos
      Wawrinka…36 anos
      Schwarztman..28 anos

      Entre os 20 melhores do mundo (21 porque Wawrinka perdeu a 20 para o Garin) muita “velharia”.
      Quero ver a next “tomar”…”pegar”….”subjulgar” os “tiozinhos” principalmente em Slam.
      É vamos ser sinceros…sem os “donos do pedaço”….fica mais fácil levantar a taça ( Thien no USopen ).
      Enquanto não acontece ( alguém dominar) o raciocínio fica comprometido)

      Abs Sergião (Ferrari melhorou…vamos de Band nesse domingo)

    2. Rodrigo S. Cruz

      O Fognini é um tremendo jogador, Sérgio.

      Mas infelizmente está bastante claro que ele voltou MUITO MAL, depois da cirurgia nos pés.

      Dá pra ver que ele tem jogado muito abaixo do que é capaz.

      Pelo menos, por enquanto…

    3. Barocos

      Sérgio,

      Nada como um dia após o outro! A nextgen já é uma realidade, e a novíssima geração têm tudo para ser tão boa ou melhor.

      Apenas um contraponto: talvez seja um tanto cruel e injusto chamar a geração que teve que enfrentar Federer, Nadal, Djokovic e Murray em boas condições físicas e técnicas como “perdida”. Eles, juntamente com Wawrinka e Del Potro, constituíam uma barreira muito difícil de transpor. Isto ficou muito evidente na declaração do Tsonga, faz pouco tempo.

      Saúde e paz.

  21. Ronildo

    Sinceramente, às vezes dá a impressão que tem gente que pensa que um número 1 do mundo da ATP entraria em qualquer torneio 250 e ganharia o torneio com um pé nas costas!

    Acho incrível não perceberem o quanto é difícil vencer um top 50!

    Acho que o Guga já tinha ganhado uns dois RG quando participou de um torneio pequeno em SP onde foi derrotado pelo Saretta.

    1. Luiz Fabriciano

      Guga foi derrotado por Saretta em 2001, no primeiro Brasil Open, na Bahia.
      Tinha acabado de voltar do US Open. Mas aí, me desculpe, não tem nada a ver com um 250.
      Perdeu por uma combinação de fatores a favor do Saretta, que se fosse em qualquer outro torneio, perderia do mesmo jeito.

      1. Ronildo

        Sei que não tem nada haver com um 250 Fabriciano. A questão é que os grandes campeões não tem motivação nos 250 para baixo. A premiação de um 250 é muito baixa comparada com um master mil. Porém ganhar um 250 é um esforço muito grande, até para um número 1, porque os participantes são de altíssimo nível.

  22. Barocos

    Para todos os frequentadores do blog, um belo vídeo sobre o Federer (e algumas derrotas dolorosas que ele sofreu).

    https://youtu.be/U3MBjj5Q_fI

    Muitos por aqui consideram, ou fingem considerar, a rivalidade entre Roger e Nadal como a mais importante, não é o que o número de embates diz, não é o que a tensão durante o jogo diz e, mais importante, não é o que os resultados completamente imprevisíveis dizem.

    Quando o último destes três gigantes parar, o tênis continuará a ser belo, os jogadores serão excelentes, mas nada será como foi um dia.

    Saúde e paz.

    1. Rodrigo S. Cruz

      “Muitos por aqui consideram, ou fingem considerar, a rivalidade entre Roger e Nadal como a mais importante, não é o que o número de embates diz, não é o que a tensão durante o jogo diz e, mais importante, não é o que os resultados completamente imprevisíveis dizem”.

      O fato é que o Nadal perdeu 8 dos 9 últimos encontros com o suíço.

      E é sim uma rivalidade muito mais empolgante do que Djoko x Nadal.

      Porque o Fedal é um confronto de estilos…

      Ao passo que o Nadal joga igualzinho ao Djokovic.

      E, ultimamente, o resultado é aquele sempre super previsível:

      ou o o sérvio atropela o espanhol nas hards, ou o Nadal atropela o sérvio no saibro…

      1. Renato Aquino

        “Nadal joga igualzinho ao Djokovic.”

        Rapaz… discordo. Os dois jogam de fundo mas os estilos são diferentes. Nadal devolve bem atrás e não costuma jogar sobre a linha, pegando na subida o tempo inteiro como faz Novak.

        Como bem definiu o Dalcim “Novak é uma mistura de solidez e agressividade, representante mais que perfeito do tênis moderno”.

        O Nadal já deixou de ser um “baloeiro” há muito tempo, mas ainda assim não consegue ter o equilíbrio do Djokovic em todos os pisos, o que acaba refletindo no ranking. Aliás, na minha opinião o Nadal jamais será o GOAT, porque faltou a ele o que Djokovic e Federer tiveram de sobra: domínio do ranking mundial por um tempo absurdo.

      2. Barocos

        Rodrigo,

        E desde quando os resultados dos jogos entre o Nadal e o sérvio têm “resultados completamente imprevisíveis”?

        O que eu estava comparando era a rivalidade “Roger x Nadal” contra “Roger x Djokovic”. Mas, claro, se utilizarmos números absolutos, “Nadal x Djokovic” passa a ser a mais importante. Não tenho ainda um posicionamento definitivo sobre isto, se é que um dia terei, e prefiro esperar o final da carreira deles para poder ter um panorama melhor sobre o qual ponderar.

        Saúde e paz.

        1. Rodrigo S. Cruz

          Mas foi o que eu afirmei mesmo.

          O número dos confrontos pouco importam nesse caso.

          A maior parte do público vai ficar muito mais ansioso por um Fedal do que por um Djokal.

          E você pode incluir até alguns detratores do Federer nessa conta.

          Já que o suíço é a perfeita antítese que inconscientemente elegeram para o sérvio derrotar…

          Abs.

    2. Marcelo Costa

      Federer, Nadal e Nole são gênios mas efêmeros, nada será maior que o tênis, o esporte, pois, superando Borg, Sampras, Esther, Martina, Agassi, Jordan, Pelé, Maradona, Piquet, Senna, bolt etc.
      Então tenho certeza que no dia seguinte a aposentadoria do último dos gênios, iremos jogar, os profissionais irão competir em seus torneios e eterno tênis ficará triste, mas vencerá contra efêmeros tenistas.
      Inevitável aposentar um tenista, impossível impedir o esporte e sua renovação

  23. Lola

    Tava com uma saudade de assistir um maratênis, embora o jogo do Medvedev tenha sido até rapidinho. O cara é favoritaço pra levar o torneio.

    Torneio sem o big one fica sem graça.

        1. Marcelo Costa

          Duas opções, vê tênis no YouTube, ou vê jogos ao vivo, vive no presente olhando o futuro , ou vive no passado.

          1. Marcelo Costa

            Este nobre esporte da peteca, deixo para você, eu vou continuar jogando, vendo os novos jogadores. Cada um opta pelo que lhe satisfaz, uns raquete, outros peteca.

      1. Marcelo Costa

        Quando o big 3 parar, você irá parar de ver tênis? Viverá de vídeos dos três no YouTube? Lhe desejo sorte, eu irei ver jogos na tv, continuar a jogar, tentar ir a torneios.

        1. Rodrigo S. Cruz

          Não.

          Eu vou continuar vendo do mesmo jeito.

          Mas que vai perder parte da graça, certamente que sim.

          Isso é indiscutível…

  24. lEvI sIlvA

    Dalcim, fiquei bastante impressionado com Lorenzo Musetti. Backhand de uma mão sólido e muitíssimo efetivo nas paralelas, aliado a um excepcional jogo de rede. O pouco que vi, nos highlights, me deu idéia de que, sendo ainda tão jovem, pode incomodar e muito os aspirantes a suceder o Big 3, não acha?

  25. periferia

    Desafio a Corrupção….1951…Robert Rossen.

    Um dos grandes filmes dos anos 60.
    Com um preto e branco inesquecível (film noir)…filmado fora de estúdio…o filme conta a história de Eddie Felson (Paul Newman)…um jogador de sinuca com muitos problemas.
    A maioria dos filmes é sobre vencedores…aqui é sobre perdedores.
    O filme tem algumas curiosidades….o lutador de boxe Jack LaMota fazendo o papel de um bartender ( Touro Indomável…de Scorsese foi baseado nele ).
    O mesmo Scorsese que 25 anos depois dirigiu uma continuação com Paul Newman e Tom Cruise (A Cor do Dinheiro)…onde Newman recebeu seu tão espero Oscar…interpretando o mesmo personagem (Eddie Felson).
    O campeão mundial de bilhar da época (Willis Mosconi) foi consultor do filme.
    Paul Newman não sabia jogar…mas como um ator formado no Actors Studio (onde o ator mergulha totalmente no personagem)…em pouco tempo aprendeu e se tornou um grande jogador de bilhar.
    Robert Rossen tem em sua filmografia outro grande filme (A Grande Ilusão) filme de 1949…estrelado por Broderick Crawford…uma das grandes interpretações do cinema (teve uma refilmagem em 2006 com Sean Penn).

    1. Rubens Leme

      Essa obessão em aprender dos grande atores. Para fazer o violonista Em Poucas e Boas, Sean Penn teve aula de violão por 9 meses, pagas pela produção do filme, porque quando Woody o filmasse não queria ter que cortar e mostrar as mãos de um violonista profissional e sim manter a cena em cima de Sean.

      Penn, aliás, disse que nunca soube o que Woody achou de sua atuação. Apenas conversaram no primeiro dia, o diretor disse que sabia que iria se sair bem e foi só. “Até hoje não sei se gostou do que fiz”.

      A Academia adorou, pois foi indicado ao Oscar. Um dos pequenos e “insuportáveis” filmes de Allen que amo.

      1. periferia

        Olá Leme

        A forma de atuar foi muito influenciada pelo Actors Studio (escola fundada no final dos anos 40…entre os fundadores o genial Elia Kazan)…sendo que a forma de interpretação era basedo no Sistema… uma técnica desenvolvida pelo russo Stanislavski.
        Toda uma geração de grandes atores foram influenciados…principalmente no período em que Lee Strasberg (O mafioso judeu Hyman Roth de O Poderoso Chefão 2) foi diretor artístico da escola.
        Atores do calibre de Al Pacino…Paul Newman..Nicholson…Hoffman…De Niro e principalmente Marlon Brando…que fez sua estreia no filme Espíritos Indomitos de 1950 (com Zinnemann na direção) no papel de um paraplégico…ali O Método se consolidou como uma nova forma de interpretação.
        Até hoje os atores americanos sofrem uma quase ditadura no uso da técnica.
        Com isso o conflito ator/diretor ficou maior.
        No filme Maratona da Morte…Laurence Olivier…um ator de formação Shakespeariana…não compreendia a necessidade de Dustin Hoffman ficar dias sem dormir…para parecer abatido em cena.

        1. Rubens Leme

          Sim, Olivier disse pra ele, “você sabia que existe uma coisa chamada atuação”?

          Tinha um programa (ou tem ainda) chamado Inside the Actors Studios, que era no Canal People and Arts. Não perdia um e sempre adorava o questionário final com cada convidado. Tem um documentário muito legal sobre o Constantin Stanislavskie sua história na Rússia, seu método e as dificuldades quando Stalin subiu aoo poder e como o ditador usou um dos melhores amigos do teatrólogo, o Gorki como fantoche.

          Isso passou uma vez na tv e eu gravei toda a série.

          1. periferia

            Olá Leme

            James Lipton…que era o reitor do Actors Studio recebia para uma entrevista/aula grandes nomes do cinema…diretores e atores…os aspirantes a atores participavam com perguntas…tenho vários episódios.
            Era muito parecido com o programa Ensaio da Tv Cultura…comandado pelo Faro (pelo lado musical)….servem como um registro do legado de grandes artistas…o método…a trajetória…as conquistas….os fracassos…são aulas.

        2. Marcilio Aguiar

          Periferia, em geral todos os atores tentam dar o maior realismo possível aos personagens. Os dois exemplos seguintes seriam nessa linha de atuação? O De Niro engordou uma barbaridade para fazer Jake la Motta e Mathew Mcconaughey emagreceu muito para “Clube de Compra Dallas”. Abs.

          1. Rubens Leme

            Não só eles. Dustin passou um tempo com autistas para fazer Rain Man, Al Pacino estudou os cegos pra Perfume de Mulher e por aí vai…. é uma infinidade de atores que pesquisaram “ao vivo”, digamos.

          2. periferia

            Olá Marcílio

            Gosto muito de Clube de Compra Dallas….é um filme de atores…Jared Leto esta ótimo no filme…como a indomavel Ryan.

            Abs

        3. Rubens Leme

          O questionário era um montado pelo Bernard Pivot, se não me engano e a última pergunta do Liptn era o que gostaria de ouvir de Deus quando chegasse ao céu.

          Meu sonho era ser entrevistado apenas para dar a minha resposta essa pergunta: “Andar errado, desce!”

          Se não me engano, Al Pacino e Ellen Burstyn pariticipam do conselho do Actors Studios e Al deu uma entrevista lendária explicando porque convidou o Lee Strasberg para fazer o vilão Hyman Roth em O Poderoso Chefão II. Pacino era aluno devotado de Lee, diferente de Brando que o detestava e dizia que ele era um sanguessuga e que tinha feito fama roubando as ideias de Stella Adler.

          Nessa briga de pai e filho do clã Corleone nunca soube quem tinha a razão.

          1. Rubens Leme

            Eis o questionário. Vamos brincar de respondê-lo. Como vc é mais “experiente” du a honra de vc começar. E o Dalcim, claro.

            What is your favorite word?
            What is your least favorite word?
            What turns you on?
            What turns you off?
            What sound or noise do you love?
            What sound or noise do you hate?
            What is your favorite curse word?
            What profession other than your own would you like to attempt?
            What profession would you not like to do?
            If heaven exists, what would you like to hear God say when you arrive at the pearly gates?

  26. periferia

    O Assassinato no Expresso do Oriente

    O Expresso do Oriente estava lotado…aquilo surpreendia…o inverno era rigoroso..muita neve caia.
    Hercule Poirot (um detetive belga) notou aquele homem de baixa estatura..com um rosto cansado e um a barba branca.
    No vagão onde Poirot e o homem da barba branca ficaram…outras 12 pessoas dividiam a viagem.
    Na primeira noite…muita movimentação dentro do trem…portas que abrem e fecham…murmúrios…foi uma noite longa.
    Pela manhã…um funcionário do trem acordou o belga…o trem havia parado por causa da nevasca…e outro fato mais chocante necessitava sua presença.
    Havia ocorrido um assassinato…a cena do crime mostrava o homem da barba branca caído…morto…com 12 facadas nas costas.
    Poirot teria que solucionar aquele assassinato.
    Logo…descartou os funcionários do trem…se concentrando nos 12 passageiros.
    Fez uma descoberta…todos os passageiros eram juízes (dez homens e duas mulheres).
    Um deles era um juiz de primeira estância…os outros eram juízes da Suprema Corte.
    Todos de alguma forma teriam motivos para o assassinato.
    E assim o fizeram…
    Eles não eram “acovardados”.

  27. Marcelo Calmon

    Não entendi muito a chave promissora para o Wild ! Nada para ele é promissor. Tem feito péssimos torneios. Realmente avançou no quali, mas parou por aí mesmo. Não vejo como ele podia ameaçar o Minaur na 2ª rodada. Só num dia inspiradíssimo dele e um péssimo dia para o Minaur. E nem gosto tanto do Minaur. Tudo bem que poderia ter pego um cara muito mais difícil na 1ª rodada.
    Também não entendi a desistência do Monteiro ! Perdeu grande chance, apesar que era quase impossível avançar para 3ª rodada.
    Zverev levou uma enfiada.
    Fiquei um pouco impressionado com o físico do Dimitrov, parecia fraco sem foças, pelo menos no final do jogo.
    Outro que vai ladeira abaixo é o Goffin ! Desaprendeu a jogar tênis.

    Realmente o Big 3 faz muita falta. Muito jogo sem graça.
    No feminino parece que a coisa está melhor. Algumas favoritas tiveram trabalho, mas continuam na briga.
    abs

  28. Paulo Almeida

    Pelas minhas contas, a pandemia impediu o maioral do Ibope de ganhar duas dobradinhas Indian Wells/Miami, Xangai e Paris (creio que não teria disputado Toronto em 2020 novamente). Por outro lado, talvez não tivesse levado Roma se o Nadal estivesse no ritmo adequado no certame, mas o prejuízo continua enorme de qualquer maneira.

    Bom, enquanto Djoko não retorna para abrilhantar o circuito com seu tênis espetacular (especialmente quando joga no GOD MODE), o jeito é assistir ao M1000 de Miami ou rever a conquista do ENEA várias e várias vezes.

  29. Paulo F.

    É, pelo que demonstrou Zverev hoje, ainda vai durar mais uns dois anos a dominância dos DOIS maiores e melhores tenistas de todos os tempos: Rafael Nadal e Novak Djokovic.

    1. Rodrigo S. Cruz

      Nossa, e eu que pensava que 20 fosse igual a 20 e MAIOR do que 18.

      Palmas pro Paulinho da Força Sindical. O militante que sabe tudo, até matemática criativa… rs

      1. Paulo F.

        Ué, mas não são vocês, da seita alpina, que não se prendem a números, pessoa melhor do que eu, Rodrigo Sofredor Cruz-Credo?

          1. Luiz Fernando

            Perfeito Paulo, resposta simplesmente perfeita. Esses caras sempre utilizam o subterfúgio de tentar intimidar ou menosprezar o interlocutor q discorda deles…

    2. Sérgio Ribeiro

      Engano seu . Zverev foi surpreendido por outro da Nova Geração. Segundo ele estava apressado pra ver a filhinha que nasceu semana passada . Mesmo assim passou Federer no Ranking assim como MEDVEDEV passou Nadal. Se o Russo vencer MIAMI vai ficar apenas 1000 e poucos pontos atrás de Novak . Quanto aos dois maiores isso fica por conta do MAGISTRAL comentarista . Mas não manda essa besteira pro seu filho que ele mesmo vai chamar de mico kkkkkkkkkkkkkkkk. Abs!

  30. JAN DIAS

    MAIS 1 NA ENFERMARIA:

    STAN ?? publicou no Instagram uma foto sua em um Hospital ou Clínica c/ uma bota ortopédica, dizendo que, após alguns problemas no pé esquerdo ?, resolveu passar por 1 procedimento p/ alivia-los (não especifica qual procedimento). Ele diz que ficará algumas semanas parado, e depois disso espera voltar a treinar.
    Com 35 anos e um físico propenso a engordar, STAN tem uma jornada de bastante esforço pela frente.. já que, nas suas últimas apresentações, era perceptível sua falta de movimentação, fôlego e ritmo..
    Espero que ele se recupere e ainda possa disputar títulos ?..

  31. Oswaldo E. Aranha

    Um médico britânico disse: nossa medicina é tão avançada que tiramos o fígado de um homem, colocamos em outro e, em 6 semanas, ele estava procurando por enprego!
    O médico alemão respondeu: isso não é nada! Nós tiramos o celebro de um homem, colocamos em outro e ele em 4 semanas estava procurando emprego!
    O médico russo disse: isso não é nada! Nós tiramos o coração de um homem, colocamos em outro e em 2 semanas ele estava procurando emprego!
    Em tão o médico brasileiro riu; vocês estão muito ultrapassados! Nós pegamos um homem sem fígado, sem cérebro e sem coração e fizemos dele presidente. Agora o país inteiro estã procurando emprego!
    Para completar eu acrescentaria que entre Lula e o atual estamos: no mato sem cachorro – entre a cruz e a caldeira – se correr o bicho pega, se ficar o bicho come!

    1. Barocos

      Oswaldo,

      Caramba!! A piada é ótima!!!

      Vou mandar para todos os meus conhecidos bolsonaristas!!

      Saúde e paz!!! KKKKKK

    2. Barocos

      Oswaldo, fiz umas adaptações e mandei para os meus conhecidos.

      Em uma convenção médica, em um dos coffee-breaks, um grupo multinacional destes valorosos profissionais resolve conversar.
      O médico britânico declara em tom solene, com a soberba que lhes é típica: nossa medicina é tão avançada que tiramos os colhões de um homem, colocamos em outro e, em 6 semanas, ele estava procurando por emprego!
      O médico alemão, com a seriedade característica, respondeu: isso não é nada! Nós tiramos o cérebro de um homem, colocamos em outro e ele, em 4 semanas, estava procurando emprego!
      O médico russo, desconfiado como só eles conseguem ser, replicou: isso não é nada! Nós tiramos o coração de um homem, colocamos em outro e, em 2 semanas, ele estava procurando emprego!
      Então o médico brasileiro, com um sorriso triunfante nos lábios, declarou: vocês estão muito ultrapassados! Nós pegamos um homem sem colhões, sem cérebro e sem coração e fizemos dele presidente, agora o país inteiro está procurando emprego!

      Valeu!

      Saúde, paz e gargalhadas.

    3. RobertoiCerqueira

      E já que a política voltou ao blog, aproveito para também me manifestar.
      Muitas pessoas antipatizam com o Bolsonaro porque se julgam refinadas, intelectualmente superiores e são adeptas do politicamente correto. Não é bom mas é compreensível.
      Mas quem se der ao trabalho de pesquisar os fatos (e não fakes) sobre o governo atual, em vez de se alimentar de críticas à personalidade e às falas do presidente, verá que este é um dos melhores governos que o Brasil já teve há muitas décadas. Isto em circunstâncias extremamente desfavoráveis.
      É bom também ver quem são seus maiores críticos e inimigos: Lula, Dilma, Dirceu, Maia, Sarney, Renan, o PT da Gleisy, o PSol do Boulos, o STF libertador de bandidos e corruptos, os congressistas que perderam propinas e desvios de verbas, além dos militantes com saudades das “boquinhas”. De que lado devemos ficar?

      1. Barocos

        Roberto,

        E por quê eu tenho escolher um destes lados?

        Por falar nisso, e a assessora que deveria dar plantão na câmara mas limpava a casa em Angra? E todos os indícios da prática de “rachadinha”? E a inexplicável conta de gasolina? E a declaração do Cyro Gomes no qual o tachou de “ladrão”? E a multiplicação geométrica injustificável do patrimônio pessoal (dele e dos filhos)? E a escolha de um chanceler que deveria ser especialista em “criar pontes” ao invés de “dinamitá-las”? E a escolha de alguém para a pasta do meio-ambiente já condenado por crimes contra o mesmo e que acabou por fazer com que nosso país perdesse verbas internacionais? E os 4 ministros da saúde em momento de pandemia? E a ministra da goiabeira? E o Weintraub? E os apelos para um golpe de estado estando no mais alto posto? E as mais de 300 mil mortes de brasileiros e todo o sofrimento que isto traz? E a insistência em duvidar da ciência, mesmo não tendo nenhuma formação sólida sobre assuntos de incomensurável importância?

        Síndrome de Estocolmo é muito difícil de curar mesmo, daí que utilizei duas frases em outra postagem, numa tentativa (vã?) de alertar alguns frequentadores deste espaço, vou repeti-las mais uma vez: o problema dos homens não é a falta de insistência, mas a insistência na falta; fatos deveriam mudar opiniões, opiniões não modificam os fatos.

        Saúde e paz.

        1. Roberto Cerqueira

          Barocos
          Dize-me com quem andas e te direi quem és. Não tenho a menor dúvida de que devo escolher um lado e qual deles.
          A rachadinha é prática estabelecida por quase todos os parlamentares, com valores muito superiores aos atribuídos ao filho do Presidente. Mas só falam dele. Se fosse para ser criminalizada, teríamos uma enxurrada de condenações e a cassação do registro do PT, pois a rachadinha está colocada como obrigação no programa oficial do partido.
          A “inexplicável conta da gasolina” deve ser igual à do leite condensado. Por isto não investigam. Desde quando as diatribes do Cyro Gomes são fonte confiável de alguma coisa? Aonde está este tal patrimônio, que já pararam até de publicar fakes, pois ninguém acha nada, parece que só vc ainda acredita que ele existe. Há pouco tempo acusaram o senador de ter adquirido um imóvel caríssimo. Mas a acusação era tão furada que largaram o assunto. Quanto ao chanceler, talvez vc ache que ele devia ter concedido “empréstimos” vultosos às ditaduras comunistas do Terceiro Mundo. O país pode ter perdido verbas internacionais porque o sucesso do agronegócio brasileiro, que usa apenas 8% do nosso território, incomoda muito os países protecionistas como a França, que quer tomar a Amazônia do Brasil. O primeiro ministro da saúde era traidor e corrupto. O segundo, um zero à esquerda. O terceiro fez um trabalho excelente, mas cansou. A ministra da goiabeira também está fazendo um trabalho excelente e por isto não encontram mais nada para falar dela. O crime do Weintraub foi dizer, numa reunião que jamais deveria ter sido publicada, aquilo que a esmagadora maioria dos brasileiros pensa sobre ministros libertadores de bandidos e corruptos. Não me consta que o presidente tenha feito apelos para um golpe de estado. Apelar a quem? A ele mesmo? Se quisesse, ele já o teria dado. O Brasil tem poucas mortes por milhão de habitantes, está muito melhor do que muitos países considerados desenvolvidos. Isto apesar de terem tirado toda a autoridade do presidente, deixando governadores e prefeitos desviar ou malbaratar quase todo o auxílio federal. A ciência já está aceitando o tratamento precoce, a ivermectima e a cloroquina, que estão salvando vidas, ao invés do lock down, que destrói a economia e mata de fome os trabalhadores. O Presidente estava certo desde o início!
          Acho que vc não sabe direito o que é a Síndrome de Estocolmo, pois ela não tem nada a ver com os assuntos que estamos tratando. Quanto a fatos contra opiniões, não vou enumerar aqui as realizações concretas do governo, pois são tantas e tão positivas que iria tomar espaço excessivo no blog do nosso guru, a quem agradeço a paciência. Mas procure se informar.
          Saúde e paz para vc também.

          1. Barocos

            Roberto,

            Me passa a fonte, o link, que diz que a ivermectina faz efeito. Só para você saber, me enviaram links com mentiras sobre isto umas três vezes e nas três vezes eu reduzi os pseudo-estudos ao que eles eram: enganações. E foi fácil fazê-lo, assim como se faz quando se quer revisar um trabalho científico, fui atrás das referências e elas ou não mais existiam, ou tinham sido retratadas, ou possuíam dados incongruentes, ou utilizavam métodos estatísticos de amostragem deficientes, ou eram publicados em veículos (journals) que não primam pelo alto padrão, ou, ainda, eram uma combinação destas coisas. Fazer apologia a alguma coisa é muito fácil quando não se utiliza dados. Um deles, inclusive tinha um site, procurando pelo nome de quem (indivíduo ou empresa) registrou o mesmo .. surpresa, estava, convenientemente, ofuscado.

            Sobre sua defesa, tá certo, só é crime se foi praticado pelo PT, mas, já que os indícios contra todos os membros da família são expressivos, deve ser coisa normal da política. Não, que eu saiba peculato ainda é considerado crime. Antes que eu me esqueça, não voto em ninguém do PT desde o escândalo do mensalão.

            Sobre síndrome de Estocolmo, fique sabendo que ela se aplica a situações onde as pessoas são agredidas e ainda assim manifestam simpatia pelos agressores, é a exata impressão que eu tenho desta péssima presidência e muitos dos membros do governo e sobre a relação com seus seguidores.

            O resto dos seus argumentos segue a mesma vertente, negativas sem fornecer nenhuma informação ou mentiras, como a defesa que fizeste da administração da pandemia pela equipe do Pazzuelo e sobre o papel do governo federal do mesmo. Sempre pôde agir, não o fez porquê não quis e porquê apostou em mentiras.

            Para não dizer que tudo neste governo é péssimo, salvam-se os ministérios da agricultura e o da infraestrutura, que vivem tentando desfazer as patacoadas dos outros perante nossos parceiros comerciais externos.

            Publique aqui o link sobre a ivermectina, é um desafio.

            Saúde e paz.

          2. Barocos

            Roberto,

            Leia:
            https://pebmed.com.br/agencia-europeia-de-medicamentos-e-amb-alertam-contra-o-uso-de-ivermectina-na-covid-19/

            Me assombra que pessoas acreditem em tratamentos sem comprovação científica alguma, que duvidem da seriedade de governos e organizações voltadas à saúde do resto do mundo. Qual é a lógica que existe por trás dos argumentos dos que defendem que países soberanos e desenvolvidos, como os EUA e os países europeus, deixam seus cidadãos morrerem, se existe um tratamento eficiente e barato? Óbvio, a pergunta é retórica, ou o que existe é ignorância ou é subserviência ou são ambas as coisas.

            Há pouco usavam a Índia como exemplo, pois bem:
            https://www.sciencemag.org/news/2021/03/covid-19-soaring-again-india-can-vaccines-stop-it

            Vou deixar claro para você minha opinião sobre estas mentiras que espelham nas redes sociais: a ignorância nos expõe a riscos, ela mata e quem propaga mentiras também é responsável pelas mortes e pelo sofrimento. Ao que parece, você escolheu um lado.

            Saúde e paz, paz porquê jamais acreditei que guerras resolvam qualquer coisa.

        2. Roberto Cerqueira

          Barocos
          Não entendo (ou entendo até bem demais) a sanha contra o tratamento precoce. Ele não mata ninguém. Como o próprio nome esclarece, se ele não der certo, a pessoa tem todo o tempo para procurar “tratamento” convencional num hospital, não esquecendo que também não tem nada de cientificamente comprovado, apenas se procura dar suporte para que o organismo combata a doença. “Até o momento, não existem evidências robustas de alta qualidade que possibilitem a indicação de uma terapia farmacológica específica para a COVID-19.” Na falta destas evidências, porque não tentar o tratamento precoce?
          No primeiro site que vc citou, o título é maliciosamente forçado, não corresponde ao que está escrito no texto, que apenas diz que o uso da ivermectina não é aprovado nem recomendado na UE. Só na EU. Diz que ela teria que ser usada em altas doses, mas ninguém defende isto, apenas o uso preventivo e no tratamento precoce. Porque o restante do texto está apagado!?
          Aonde vc viu que o tratamento precoce, com uso da ivermectina, cloroquina e azitromicina mata? Tratamento precoce não mata ninguém, pelo contrário, devendo sempre ser acompanhado por médico. Vc tem alguma estatística de mortes por tratamento precoce? O que mata é ficar esperando os sintomas se agravarem muito e só então levar o infectado ao hospital, piorando a falta de leitos e a necessidade de respiradores e oxigênio. Cloroquina é um remédio usado há mais de um século. Tornou-se mortal de repente? A não ser que se cometa o crime de alguns médicos de Manaus, que no afã de condená-la, fizeram testes com dose quatro vezes maior do que a máxima recomendada. Ivermectina não mata ninguém, a não ser em doses cavalares. Seu risco é muito menor do que o do Tylenol que damos para nossos filhos e netos.
          Tratamento comprovado só poderá existir daqui a alguns anos, mesmo assim não há certeza. Mas porque não tentar aquilo que muitos médicos não comprometidos recomendam e deu certo para muitas pessoas? Será melhor proibir o tratamento precoce, como foi tentado por políticos de oposição? Qual o motivo por trás disto?
          O que tem sido feito é colocar o doente no respirador, comprado sem licitação, a preços astronômicos. Quanto ao fato de alguns governos não usarem certos tratamentos, pergunto se o Biden iria recomendar remédios ou tratamentos defendidos pelo Trump. E os grandes laboratórios, que aparelham as organizações “científicas” de saúde, iriam defender e aprovar tratamentos baratos? Melhor deixar morrer!
          Não sei o que nos interessa no segundo site, a não ser que devemos nos cuidar. Claro que devemos usar máscaras, álcool, lavar as mãos e manter distanciamento, quando possível. Mas estrangular a economia e matar pessoas de fome, a médio prazo, só para prejudicar o presidente, não!
          O que vemos é que governadores e prefeitos preferem aumentar as estatísticas de mortes e clamar por mais verbas federais, para compras superfaturadas, e deixar o equipamento parado nos depósitos.
          O lado que escolhi é o da vida e da honestidade.
          Quanto à paz, estamos em princípio de acordo. Mas com cuidado para não cometer o erro da França. As perdas humanas na Primeira Grande Guerra traumatizaram tanto o país que ocorreu uma histeria pacifista. Os militares passaram a ser hostilizados, os heróis de guerra ridicularizados, os sindicatos boicotaram o serviço militar e chegou a ser proibido cantar o hino nacional nas escolas. Resultado: durante quatro anos, de 1940 a 1944, os franceses foram derrotados, escravizados, vilipendiados e roubados pelos alemães.

          1. Barocos

            Roberto,

            Em primeiro lugar, não existe medicamento que não possua efeito colateral, então, só se deve fazer uso algum quando houver a necessidade e quando este for minimamente efetivo. Sobre minha afirmação que “ignorância mata”, me refiro ao problema de induzir as pessoas a acreditar que existe algum tratamento que funcione, o que as leva a ser menos cuidadosas e a se exporem mais, o que, por fim, resulta em mais infecções e, lamentavelmente no caso da covid, a mais mortes.

            Sou agnóstico e defendo a tese que não há ideologia que valha uma vida. O mandatário, desde o início desta crise sanitária tem incentivado as pessoas a se portarem de maneira pouco cuidadosa, inclusive com exemplos. E não, ele nunca foi impedido de implementar um plano de contingência com ações e detalhamento de provisões e determinação de quais profissionais deveriam ser protegidos e/ou mobilizados para permitir um melhor enfrentamento desta doença terrível.

            Entendo as necessidades econômicas, mas sou humanista e é para este lado que, acredito, a balança deve pesar. Faltou uma postura séria e profissional deste governo, faltou sair do discurso radical e apresentar um plano de ação e não foi só na crise da saúde que tal coisa aconteceu. Só tenho um voto, nunca irei desperdiçá-lo com o atual mandatário e espero, sinceramente, que algum indivíduo preparado e correto se apresente como candidato.

            Saúde e paz.

        3. Roberto Cerqueira

          Barocos
          Acho que chegamos ao final. Ficou claro que nossos valores são muito diferentes e isto não tem solução.
          Para terminar, gostaria de lembrar outro caso de pacifismo. Bertrand Russel, que vc sabe quem foi, passou os anos entre as duas guerras mundiais lutando para convencer os britânicos a fazer um desarmamento unilateral frente à Alemanha. Embora tivesse seguidores fanáticos, sua ideia não foi aceita. Felizmente. Um gênio da matemática, mas um completo idiota em política.
          Saudações para vc e meu agradecimento ao mestre Dalcim, que nos permitiu esta troca de ideias.

    1. José Nilton Dalcim

      Porque eles têm vários outros eventos e jogaram o tênis mais para o aplicativo. Decisão deles.

  32. Ronildo

    Mas que virada foi essa que Zverev sofreu? O cara acabou de ser campeão de um grande torneio de forma heróica e contra seu principal rival nas pretensões futuras!!!! Teve 5 dias para descansar. Esse dinamarquês deve ser uma fera então!

    1. Luiz Fabriciano

      Esse por acaso é o mesmo que perdeu para o Djokovic na Austrália porque não conseguiu controlar seu nervosismo?
      kkk
      Nada pessoal meu caro Ronildo.
      Saudações.

      1. Ronildo

        Isso mesmo Fabriciano.

        Depois teve o Medvedev ainda. Sem falar a semi contra o cansado Karatsev.

        Esse AO foi parecido com a conquista de Jericó.

        Alguns adversários caíram sozinhos, outros já estavam no chão quando Djokovic entrou em quadra.

  33. Luiz Fernando

    E o magistral georgiano NB, que perdeu do Monteiro em 2020, cantado em prosa e verso aqui pela campanha de Doha, torneio no qual encerrou uma série de campanhas medíocres, já está fora de Miami. Perdeu do não menos magistral Ymer. Aqui é diversão garantida kkk…

    1. Chetnik

      Ué, mas eu aprendi aqui com o maior poeta do tênis brasileiro que torneio 250 tem a mesma dificuldade, peso e importância que um MS? Quando eu acho que tô começando a entender as coisas…

      1. Ronildo

        Chetnik, leia novamente e talvez consiga entender que este poeta não estava falando sobre peso e importância, mas sobre dificuldade, um dos itens que você citou.

        Talvez você precise ler mais poesia para interpretar melhor.

        Porém vou ressaltar: o poeta também não afirmou que a dificuldade era exatamente a mesma, ele apenas disse que havia base para comparação e que a dificuldade em vencer os torneios menores não estava tão distante assim da dificuldade em vencer os torneios maiores.

      2. Thiago Silva

        Calma lá, não é bem assim, o que nosso amigo SR quis dizer é que um 250 ou 500 vale a mesma coisa ou até mais que um M1000 desde que o campeão tenha as iniciais R.F. Caso contrário os torneios valem o que valem mesmo.

        1. Ronildo

          Cara, tudo depende de que lado você está. O público prefere acompanhar antes um atp 250 onde Roger Federer jogue do que um master 1000 que ele não esteja entre os participantes. Assim também os canais de comunicação, os patrocinadores e os dirigentes, todos estes prefiririam atuar num atp 250 com RF ao ao invés de num master 1000 sem RF.

          Olha, acredito que a algum RF está com este poder de fazer um 250 valer mais do que um 1000 mesmo!

          1. Luiz Fabriciano

            Começo a te entender Ronildo.
            Público, patrocinadores, TV etc. Tudo em cima do suíço.
            É pressão demais. Por isso, na hora de fechar, treme.

        2. Sérgio Ribeiro

          Deixa de bobagem , caríssimo guri. Ninguém se cria mais facilmente em qualquer ATP devido a presença da Nova Geração nos 250 até os 1000 . Tudo depende da chave . Difícilmente teremos o Big 3 presente simultaneamente num MASTERS 1000 novamente. Daí que levar o de MIAMI pode ser menos complicado que um ATP. Pra você é difícil entender pois pelo que parece não assistes coisissima alguma. Dormes e acordas pensando no Suíço rsrsrs. Abs!

      3. Luiz Fernando

        E eu aprendi o seguinte: como o Federer perdeu do NB e este venceu o torneio, o cara perdeu para o campeão, que jogou demais, não fosse isso seria campeão do torneio. So q por este raciocínio enviezado, o suíço perderia para Monteiro e Ymer também kkkk…

    2. Sérgio Ribeiro

      E o Magitral comentarista deve ter acompanhado a trajetória do Georgiano até o TOP 16 em 2019 . E com certeza sabe que problemas extra-quadra ( Ex-Mulher ) o fizeram despencar no Ranking . Depois de assistir suas ótimas exibições em Doha ( não tenho duvidas rs ) , também deve ter acompanho os acontecimentos com o Tenista semana passada. Aqui realmente é diversão garantida kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk . Abs!

      1. Luiz Fernando

        Ja falei p vc ao menos tentar ser original, repetir as brincadeiras dos outros blogueiros nao condiz com o papel superior q vc se auto-atribui, e por sinal ate hj nao entendi o pq essa sua pretensao kkk..

        1. Sérgio Ribeiro

          Eu não estou repetindo brincadeirinhas nenhuma , cumpadre . Tô apenas comprovando que com esses teus comentários, o ” diversão garantida ” por aqui é tu mesmo kkkkkkkkkkkkk. Abs!

    1. José Nilton Dalcim

      Nossa, que atuação horrível. Deu uma deixadinha que eu não via mais bizarra desde o último Torneio Imprensa. Mas acho que houve um pouco de falta de ritmo e muito daquela tensão de primeira partida, ainda mais tanto tempo sem sair de casa. Ela contou na segunda-feira que viajou 50 horas até Miami, não é nada fácil. Abs!

  34. Samuel

    Boa tarde Dalcim

    Recentemente a CBT convocou as jogadoras para participar da etapa da BJK Cup (antiga Fed Cup) e a Bia Haddad Maia, tranquilamente a melhor jogadora do país nos últimos anos, solicitou a não inclusão de seu nome na lista, exercendo plenamente o legítimo direito de escolha.
    Ao que parece, a diretoria da CBT não gostou do posicionamento da atleta, tanto que divulgou na imprensa a ajuda dada a ela (R$ 370.000,00 de despesas e outras coisas mais).
    Será que a Bia, precisando de ajuda por parte da atual diretoria da CBT, terá as portas fechadas no futuro?

    Samuel

    1. Barocos

      Luiz,

      Muito bom o documentário, resume muito bem as várias fases que tivemos a honra e o privilégio de testemunhar, e o melhor de tudo, ainda não acabou! Muito ansioso para ver o que os próximos embates nos reservam.

      Saúde e paz.

    2. Sérgio Ribeiro

      Excelente , caro Luiz Henrique . Este deixa os fanáticos e seus ” goat ” , falando sozinhos rs. Abs!

  35. Sandro

    Bom Dia Dalcim! Algo me diz que o título do “CHILE OPEN 2020” pelo Thiago Seyboth Wild foi um ponto totalmente fora da curva, uma exceção, que criou algumas expectativas nos torcedores brasileiros que acabaram não se concretizando após esse único título do Thiago…

    1. José Nilton Dalcim

      Olha, Sandro, sem dúvida foi surpreendente, mas eu acho que a longa parada do circuito e o fato de ter contraído a covid podem ter brecado esse momento tão positivo que ele tinha. Então, depois de um hiato tão grande, fica difícil apontarmos um real motivo. Eu acredito no potencial dele e acho que, assim que encaixar uma boa semana, ele vai recuperar a confiança.

    1. José Nilton Dalcim

      Não lembro de qualquer caso, Lucas. Na verdade, até mesmo uma carreira razoável é algo bem pouco comum.

  36. Miguel BsB

    Cartas na mesa é o melhor filme que já assisti sobre Poker. (Jogava de vez em quando com os amigos. Agora, só online msm rs).
    Outro que me lembro é o Cassino Royale, gostei muito mas as cenas do poker são estilo James Bond mesmo…rs
    Com 2 grandes atores, na verdade 3.
    Edward Norton (sou um grande fã), Matt Damon e John Malkovich.

    1. Barocos

      Miguel,

      Se você gosta de poker e humor, talvez goste também do filme “Maverick”, com o Mel Gibson e um elenco muito bom (a Jodie Foster está linda em roupas de época). O filme é recheado de cenas e situações hilárias.

      Saúde e paz.

      1. Rodrigo S. Cruz

        Assisti todos esses.

        E todos eles são bons filmes. Mas o “Maverick” é praticamente uma comédia.

        E eu nunca fui fã da mistura de aventura com comédia.

        Pra mim são duas coisas que não combinam.

        Acho que definitivamente o melhor é o “Cartas na mesa” mesmo, seguido de “Cassino Royale”.

      2. lEvI sIlvA

        Boa noite, Barocos! ( Ou seria André, acho…)
        Tudo bem por aí?
        Que grata coincidência, meu caro. Acabei de conseguir o blu-ray desse filme aí pra coleção…
        Cuide-se por aí, sempre e sempre!
        Abraço!

  37. Miguel BsB

    Calor e umidade atrapalharam o Wild? Peraí, ele é dinamarquês, russo, alemão (apesar do nome) ou brasileiro?
    Ano passado o cara jogou o Rio Open e não sentiu nada disso. (desconheço algum lugar mais quente e úmido que o Rio nessa época, talvez realmente só Miami e a Florida, mas bem parecidos…)
    É falta de ritmo e preparo físico mesmo…

    1. José Nilton Dalcim

      Não, em nenhum momento alguém ou ele próprio colocou qualquer culpa na umidade de ontem, Miguel.

  38. Jose Nilton Dalcim

    Pessoal, recebi notícias do Rafael e são positivas. Ele diz: “Depois de extremos percalços com conseguir vaga de internação em quarto, vaga em UTI e viagens perdidas, fiz uma angiografia anteontem e o procedimento hj. Por praxe, tenho que passar umas horas na uti, de onde mando esta imagem, apenas para observação. Terei de fazer , ao que parece, mais dois procedimentos de embolização em um intervalo de 60 dias. Correu tudo dentro do esperado (até agora). Passei pras quartas do meu slam”. Fiquemos todos na torcida! Abs

    1. Luiz Fernando

      Ótimas notícias, que os demais procedimentos transcorram da mesma forma e o quanto antes ele esteja de volta.

    2. Miguel BsB

      Opa, que bom Dalcim!
      O Rafael não só passará para as quartas de final como será campeão desse Slam! E sem perder sets…

    3. DANILO AFONSO

      Torcendo muito para que o RAFA vença este “SLAM” sem perder sets e aplicando alguns pneus durante esta batalha particular.

      Go Rafa !!!

    4. Barocos

      Grande notícia !

      Estamos todos ansiosos para ouvir do comentarista (um dos médicos) “match point” e, em seguida, o discurso da vitória, que não precisa ser dado em quadra (sala de cirurgia).

      Vai que é tua, Rafael !

      Vida longa e próspera! ?

    5. Filipe Fernandes

      Ótimas notícias do nosso caro Rafael!

      Ponto a ponto, esse Slam será heroicamente vencido, Rafael. Concentração, determinação e ilimitada confiança Novakianas em sua trajetória.

      Se estiver lendo isto, meu caro, queria lhe sugerir uma leitura (estou certo de que poderá lhe fazer uma adorável e marcante companhia): a pequena joia “O Escafandro e a Borboleta”, de Jean-Dominique Bauby. Foi uma das obras mais ternas e inspiradoras que já tive a alegria de ler, ‘escrita’ literalmente com piscares de olhos.

      Atravessamos um portal mágico e somos levados a uma perspectiva incrível, erigida sob a ótica interna de um homem que se encontra numa situação extremamente delicada, mas traduzida de forma que nos deixa ainda mais maravilhados com o dom infinito da mente humana.

      Caro Rafael, fica a recomendação e, principalmente, a torcida para que a taça do Slam da sua vida esteja, muito em breve, em suas mãos.

      Um grande abraço.

    6. lEvI sIlvA

      Boa noite, Dalcim!
      Tudo bem por aí?
      Muito bom saber de boas novas sobre nosso caro colega… Por favor, transmita a ele, estamos muito contentes por aqui, por conta dessa excelente notícia!!!
      Rafael, estou aqui, na torcida por em breve estar de volta… Faz muita falta, escrever aqui!!!

    7. Rogério R Silva

      Orando e torcendo muito por ele.
      Já passei por problemas de saúde e calculo o sofrimento e apreensão dele.
      Força e Deus na missão.

    8. Jose Yoh

      Tem um xará do Rafael que tem um slam garantido por ano… O nosso Rafael tem esse slam garantido também.
      Aguardamos sua volta!

  39. carlos

    Dalcin Não é hora do Wild investir em um tecnico de renome internacional? O Itau ou a confederação poderiam ajudar como é feito em muitos países. Antes de iniciar a transmissão o Alemão comentou “o forehand é bem mais fraco que o backhand e o segundo serviço é instavel”. O Alemão e nós também ficamos espantados porque o Wild só fazia exatamente o contrário!!! Só respondia o saque no backhand e atacava apenas a backhand pra dizer o mínimo. E sem paciência. Inacreditável!!! As poucas vezes que seguiu a receita do Alemão ganhou os pontos. Do inicio ao fim. É triste. Será que ele tem técnico?

  40. Chico Bioca

    Acho que uma coisa que esse blog podia fazer é parar de marcar como obrigatório o envio de um e-mail, apenas o nome já basta.

  41. Alex

    2 Tiagos, 2 possibilidades, 2 apostas, 2 atitudes diferentes, 2 motivos distintos, 2 realidades, 2 decepções, 1 certeza: torcer pra brasileiros na ATP não está fácil.
    Bom mesmo, na atualidade, só no surf. Que suspendeu a temporada….

  42. Rubens Leme

    Acho que a maior diferença entre Guga e seus “herdeiros tupiniquins” nem é a parte técnica, mas a mental. Ontem foi outra derrota igual às centenas do Bellucci: perdeu na cabeça.

    O adversário era tão ruim que sequer ditou o ritmo da partida, apenas ficou no fundo esperando os erros de Wild. E quando o brasileiro deu uma leve subida de produção no segundo set, quebrou o saque do colombiano – apesar das deixadinhas horríveis -, até sucumbir e ter seu serviço quebrado, novamente.

    A reportagem disse que ele reclamou da umidade e suou demais, o que não é de esperar, pois estava visivelmente fora de forma. Como consertar a cabeça, ah, eis o mistério.

    1. Miguel BsB

      Concordo! A cabeça do Guga é vários níveis acima dos seus sucessores. Mas não é só isso. Tecnicamente, ele era muito melhor que todos eles. Vendo os jogos dos Thiagos é fácil perceber. Talvez somente o Bellucci chegou próximo em termos técnicos.
      Ontem, não vi a direita poderosa do Wild em ação. Esse é o golpe dele, o seu ganha pão, e ela não apareceu…
      Sem falar, como escreveu o Dalcim, que ele ficou atacando o melhor golpe do adversário o tempo todo. Também faz muitas escolhas erradas. Golpes defensivos, desequilibrado, em que ele deveria cruzar a bola e ir pra segurança, ele quer estourar na paralela. Erro atrás de erro. Vi vários desses ao longo da partida.

  43. Rubens Leme

    Cartas na Mesa é nome de um dos melhores livros de Hercule Poirot, quando é convidado pelo excêntrico milionário Shaitana a um jantar e após um jogo de bridge em que os convidados são divididos em duas mesas – Poirot e mais três jogadores ficam em um outro salão -, encontram o anfitrião morto, ao se despedirem e os outros quatro convidados – que estavam na mesma sala de Shaitana – são tratados como os suspeitos.

    A partir daí, utilizando a marcação de pontos do jogo de bridge e com a ajuda da atrapalhada Ariadne Oliver – alter ego de Agatha – o pequeno belga usa suas poderosas células cinzentas para descobrir o criminoso.

    Engenhoso e divertido.

        1. Rubens Leme

          Não sei se já viu todas as adaptações de Poirot estrelada pelo David Suchet (deixarei os links para os episódios dele e da Miss Marple, ao final). Se há o mérito de adaptar todas as aventuras com o belga e suas “pequenas células cinzentas” tanto dos romances como os contos, há dois pontos negativos: a má qualidade de alguns episódios, especialmente os das seis primeiras temporadas, com a musica título sendo um meloso solo de sax tirada de alguma trilha sonora de um motel de estrada e as alterações das histórias originais.

          Alguns dos meus romances favoritos – O Mistério do Trem Azul, Morte na Praia, A Terceira Garota, Os Crimes ABC e Os Elefantes Não Esquecem – me deixaram particularmente ofendidos.

          Outro aspecto é fazer um “quarteto do crime”, com Poirot, Hastings, Japp e Miss Lemon, o que nunca ocorreu, asim como dar à robótica secretária um ar maternal com o detetive.

          Porém, mesmo com esses problemas, oferece momentos de diversão e, ao menos, a história final, Cai O Pano, é bem fiel ao romance, no adeus ao único personagem que recebeu um óbito – verdadeiro – no New York Times, quando anunciaram sua morte.

          As três primeiras temporada são dedicadas aos contos – com exceção do Mistério da Casa do Penhasco, na segunda temporada e o Misterioso Caso de Styles, que abre a terceira e marca a estreia do detetive belga. Além dessas, também a quinta é dedicada apenas às histórias curtas, de 50 minutos.

          As demais – da quarta à décima terceira – são apenas aos romances. Divirta-se.

          PS: vale muito a pena ver vários atores das franquias Marvel e Harry Potter em papeis pequenos no começo de carreira, tanto em Poirot como em Miss Marple, casos de Benedict Cumberbatch e Michael Fassbender. Encontre-os, assim como outros atores britãnicos que depois ficaram famosos.

          Caso queira ver todos os epísódios de Poirot e de Miss Marple, eis os dois link:
          Poirot – https://ukseriesdownload.blogspot.com/2010/08/agatha-christies-poirot.html

          Miss Marple – https://ukseriesdownload.blogspot.com/2017/06/agatha-christie-miss-marple.html

          1. Rubens Leme

            Ah, sim, outro problema – e desta vez, os produtores são inocentes – são as legendas com o portuguêss lusitano e expressões horrorosas. Se puder suportar isso, suportará as mudanças nas histórias. E Suchet faz um ótimo Poirot.

          2. Helena

            Eu adoro a música de abertura! Hahahahahaha

            No documentário “Being Poirot” (pode ser facilmente encontrado no YouTube), o David Suchet mostra a construção para o personagem, a ideia interessante de não filmar por último “Cai o pano”, como foi criada a música, mas o mais especial foi conhecer a filha da Agatha. Nunca vou me esquecer o que ela disse para ele ao interpretar o Poirot, que o público deveria rir com ele, mas nunca dele. E assim foi feito.

            Dentre os nomes conhecidos, são vários ao longos dos filmes/episódios, mas a melhor adaptação ainda foi a de Assassinato no Expresso do Oriente. Vários atores conhecidos, como a Jessica Chastin e o David Morrissey, e um final para se emocionar.

            Infelizmente, os seriados da Miss Marple não foram da mesma qualidade, inclusive com a troca de atrizes no papel principal. Algumas mudanças no roteiro teriam enraivecido a dama do crime, o que acho um desrespeito ao autor da obra. Assim, as adaptações com a Joan Hickson continuam sendo as melhores.

          3. Marcilio Aguiar

            Leme, não assisti essa série e quem sabe um dia arrume tempo para assistir. Lembro-me vagamente de alguns episódios com Poirot há anos no GNT ou Multishow, mas não sei se pertencem as essa produção.

            Já no cinema, o melhor e o primeiro que vi foi “Assassinato no Expresso Oriente”, versão dos anos 1970 de Sidney Lumet (detestei a recente com Kenneth Branagh). Albert Finney foi um excelente Poirot com elenco estelar (Sean Connery, Vanessa Redgrave, Lauren Bacall, Tony Perkins entre outros). Assisti também “Morte sobre o Nilo” e “Assassinato em um dia de sol”, com um Poirot histriônico feito por Peter Ustinov. Assisti também a uma versão de “O caso dos dez negrinhos” , com o título de “os dez indiozinhos”, mas não me lembro muito. Este foi o primeiro livro de Agatha que eu li.

        1. Marcílio Aguiar

          Na postagem abaixo sobre os filmes que assisti cometi um pecado. Como pude esquecer “Testemunha de acusação “?! Extraordinário.

          1. José Nilton Dalcim

            AH, muito bem! Seria imperdoável. O filme é uma delícia, bem humorado e roteiro perfeito. Atuação maravilhosa da Marlene Dietrich.

          2. Rubens Leme

            É um dos meus fimes favoritos, sempre o revejo e o único que supera o conto original.

            Como postei aqui, há duas caixas de Agatha Christie com Peter Ustinov vivendo Poirot em Morte no Nilo, Morte na Praia e Treze à Mesa. as duas estão à venda na Amazon. Tinham falado numa terceira que espero ansiosamente. Ao todo, Ustinov foi Poirot em seis filmes.

            Neste link dá pra comprar as duas – https://www.amazon.com.br/Agatha-Christie-Digipak-com-DVDs/dp/B07TMQ5LRD/ref=sr_1_1?__mk_pt_BR=%C3%85M%C3%85%C5%BD%C3%95%C3%91&dchild=1&keywords=agatha+christie+dvd&qid=1616792823&s=music&sr=1-1-catcorr

    1. Helena

      Não só isso! Em outro livro – Os Crimes ABC – Poirot conta a Hastings como seria o caso ideal. A descrição? Quatro pessoas sentadas em uma cadeira, ninguém se levanta, uma morre.

      Dame Agatha Christie criou o desafio e lá foi ela mesma resolver anos depois.

      1. Rubens Leme

        Em sua autobiografia, Agatha considera o Mistério do Trem Azul seu pior romance e eu acho a adaptação particularmente ruim. Mesmo histórias difíceis de serem adaptadas como Os Quatro Grandes – no livro, Hastings anda até de submarino – e Os 13 Problemas de Hércules, tentaram soluções simples, mas que acabaram muito mal resolvidas.

        Eu vi este documentário, inclusive quando a HBO ou Max passaram. Suchet, aliás, conheceu o mundo da Agatha Christie fazendo O Inspetor Japp na adaptação para a televisão de Treze à Mesa, que ele, particularmente, considera o pior papel de sua carreira. E foi Peter Ustinov, o Poirot desta adaptação e outras clássicas, como Morte no Nilo, quem o sugeriu para ser o Poirot das séries.

        No início, detestou a ideia, sendo um ator sério e shakesperiano, mas ao final, abraçou o personagem. Essa versão (dele como Japp) aparece no disco 2 da segunda caixa lançada sobre os filmes dos anos 70 e 80, da escritora – https://www.amazon.com.br/Agatha-Christie-Digipak-com-DVDs/dp/B07TMQ5LRD/ref=sr_1_1?__mk_pt_BR=%C3%85M%C3%85%C5%BD%C3%95%C3%91&crid=2SDW6CRV5Z1NW&dchild=1&keywords=agatha+christie+dvd&qid=1616766243&sprefix=agatha+chti%2Caps%2C334&sr=8-1.

        Há ainda a caixa 1 e espero ansiosamente a caixa 3 para este ano.

        Sobre Poirot, David Suchet disse: (fonte wikipedia – https://en.wikipedia.org/wiki/David_Suchet):

        In his book, Poirot and Me, Suchet mentions that Ustinov one day approached him and told him that Suchet could play Poirot and would be good at it. Suchet then spoke to Brian Eastman from ITV:[18]

        As we left the restaurant, Brian said, ‘I’ll send you some of the books. Have a look at them and see what you think.’ Then he disappeared into the night, and I walked home to Sheila in a daze. Two days later, a couple of the full-length Poirot novels arrived, and shortly afterwards, a copy of Poirot’s Casebook, containing some of the short stories that Brian thought should make up the first series of ten television programmes. I was intrigued, but I also thought: I’d better know what I might be getting myself into. So I started to read them. And as I did so, it slowly dawned on me that I’d never actually seen the character I was reading about on the screen. He wasn’t like Albert Finney, or Peter Ustinov, or Ian Holm in the 1986 BBC drama Murder by the Book. He was quite, quite different: more elusive, more pedantic and, most of all, more human than the person I’d seen on the screen.But I still wasn’t sure whether I should play him. So I decided to ask my elder brother John, who was then a newscaster at Independent Television News in London. He is two years older than I am, and I’ve always looked up to him, so I rang him. […]

        ‘I wouldn’t touch it with a barge pole,’ John said firmly.

        ‘Seriously?’ I blurted out.

        ‘Yes. I mean, Poirot’s a bit of a joke, a buffoon. It’s not you at all.’

        I gulped.

        ‘Well, what I’m reading isn’t a buffoon,’ I told him. ‘It’s a character that I’ve never seen portrayed.’

        There was another silence.

        ‘It would be a wonderful challenge to see if I could bring that character to the screen,’ I said, stumbling on. There was a slight sigh. John is an enormously kind and gentle man, and would never want to upset me.

        ‘Of course, you must do it if you want to,’ he said quietly. ‘Good luck. Only one word of warning: it may be difficult to get people to take him seriously.’

        It turned out he was quite right. But the more I thought about the man in Dame Agatha’s books, the more convinced I became that I could bring the true Poirot to life on the screen, a man no audience had seen before.

        1. Rubens Leme

          Apenas para encerrar: gosto tanto do universo da Agatha que um dos meus cães se chama Hercule Poirot e uma de minhas cadelas, Ariadne Oliver, embora odeie maçãs.

          1. Helena

            Legal! Não cheguei a tanto, mas quando tive a oportunidade de conhecer a Bélgica, trouxe minha lembrancinha do Hercule Poirot. Foi curioso ver o quanto ele é lembrado nas lojinhas de souvenir.

        2. Helena

          David Suchet é um preciosista. O Japp dele não me incomodou de forma alguma, não creio que teria mais o que tirar do personagem. Aliás, embora um tanto bonachão, Ustinov fez um bom Poirot, para mim, só perde do Suchet. Sinceramente, não gostei do Albert Finney, enquanto existe uma versão medonha do Alfred Molina, que consegue ser ainda pior que a do Kenneth Branagh (de quem eu geralmente gosto dos trabalhos, embora ele já tenha errado a mão com Frankenstein).

          Sobre a participação anterior no universo, isso também aconteceu com a Joan Hickson, que interpreta uma personagem na versão de “a testemunha ocular do crime” com Margaret Rutheford.

          Uma coisa que eu achava bem engenhosa dela e que infelizmente se perdeu nas traduções, são as referências nos títulos. Temos:
          – Passagens bíblicas : Pale Horse (O Cavalo Amarelo);
          – Cantigas infantis: Hickory dickory dock (Morte na Rua Hickory) e One, two, buckle my shoe (Uma dose mortal);
          – Menções a escritores clássicos: By the pricking of my thumbs (Um pressentimento funesto), retirado de Macbeth de Shakespeare (“By the pricking of my thumbs… Something wicked this way comes”). Na série de Tv o personagem Tommy até fala a citação completa. Tem também “The mirror crack’d from side to side” ,do poema “The Lady of Shalott” de Lord Tennyson, de quem ela era grande fã. Tem uma versão estrelada desse livro, com a Angela Lansbury fazendo uma simpática Miss Marple. No filme ainda estão Elizabeth Taylor, Kim Novak, Geraldine Chaplin, Rock Hudson e Tony Curtis.

          Sobre as adaptações, não sei nem por onde começar. Morte no Nilo é um dos meus filmes favoritos, e até gosto das duas versões que assisti, mas é um livro com muitas tramas e personagens, então precisaria de ao menos umas 3 horas de tempo de tela para não ficar confuso. Como não é viável esse formato (a não ser que façam como uma minissérie), terminam encurtando a história e fundindo personagens.

          Existem umas versões americanas recentes, mas são de um mau gosto tremendo. Acho até um desrespeito mudar a obra nesse ponto. Não só pela narrativa, mas pela própria essência. Neste sentido, fico feliz que ela tenha assistido a versão clássica de a de Testemunha de Acusação, que é mesmo uma maravilha.

          Por fim, deixo o link de uma página na internet, tanto para os fãs da rainha do crime, quanto para dos filmes mais antigos:

          https://raridades0800.blogspot.com.br/2014/01/agatha-christie.html

      2. Rubens Leme

        As recentes adaptações da Miss Marple são fracas, especialmente a de Convite para Um Homicídio, meu romance de estreia no universo da autora. As da Joan Hickson são,de fato, as melhores. Agatha ficava doente com quase todas e desistiu de vê-las. Há duas versões bem antigas de, 1963 e 1964 respectivamente, para Depois do Funeral e A Morte da Sra. McGinty, em que colocam Miss Marple em lugar de Poirot, para horror da autora.

        No entanto, abriu uma exceção para assistir a obra-prima dirigida por Sidney Lumet, em Assassinato no Orient Express (1974), com Albert Finney fazendo Poirot e um elenco estelar (Lauren Bacall, Martin Balsam, Ingrid Bergman, Jacqueline Bisset, Jean-Pierre Cassel, Sean Connery, Sir John Gielgud, Wendy Hiller, Anthony Perkins, Vanessa Redgrave, Rachel Roberts, Richard Widmark e Michael York). Seria uma de suas últimas aparições públicas.

        Há uma outra série – também a venda na Amazon – com a atriz Margaret Rutherford, que distorce muito as histórias – https://www.amazon.com.br/Cole%C3%A7%C3%A3o-Agatha-Christie-Detetive-Marple/dp/B07QV264ZB/ref=sr_1_3?__mk_pt_BR=%C3%85M%C3%85%C5%BD%C3%95%C3%91&dchild=1&keywords=agatha+christie+dvd&qid=1616770625&sr=8-3.

        Curioso é que ela vendeu muito mais após sua morte. Estima-se que seja a autora mais vendida da história – 2 bilhões de livros – mas, em vida, girava em torno de 300-400 milhões. E para quem fazia cerca de 100 mil libras por ano, de 1950 até 1976 (ano de sua morte), em direitos autorais, morreu relativamente pobre, com pouco mais de 106 mil no banco, uma ninharia perto dos quase 20 milhões de libras que arrecadou escrevendo durante 50 anos e com adaptações para cinema e teatro (como no caso da peça A Ratoeira, que ficou 65 anos em cartaz (1952 a 2018) e teve mais de 27.500 performances.

        1. Helena

          Algumas das adaptações da Miss Marple chegam a um ponto que é até difícil enxergar algo da Agatha nas obras. Acho que foi depois de assistir “Por que não pediram a Evans?” que desisti de continuar a acompanhar. Existe limite para tudo nessa vida.

          Acredito que essas versões de 1963 e 1964 que você falou estão entre as histórias com a Margaret Rutheford. Me lembro porque assisti uma atrás da outra e, se não me engano, são quatro ao total.No final das contas, elas me incomodaram muito menos do que outras versões, especialmente porque se assume como uma caricatura.

          Vou ser um pouco polêmica e dizer que prefiro a versão de 2010/2011 de Assassinato no Expresso do Oriente. A versão de 1974 é extremamente fiel à obra e tem um elenco e produção de primeira linha, mas a versão do David Suchet foi um dos raros momentos em que eu gostei da adaptação ter ido um pouco além da obra. Achei o final emocionante e me fez refletir mais do que quando terminei o livro.

          1. Rubens Leme

            Essa versão com a Angela Lanbsbury e Rock Hudson aparece em uma destas caixas pra vender na Amazon. Concordo com o baixo nível das adaptações da Miss Marple há uma que a coloca lado lado com Tommy e Tuppence.

            Aliás, em 2015 o casal teve duas histórias virando minissérie. Seria uma série regular, mas foi tão ruim que cancelaram. Uma delas era M ouN. Abaixei mas detestei, assim Crimes ABC com o John Malkovich, simplesmente pavorosa.

          2. Rubens Leme

            Dizem que Agatha Christie é a escritora mais vendida de todos os tempos, ao lado de Shakespeare e da Bíblia e ela sempre citou os seus “concorrentes”, digamos. Aliás, tanto Poirot, mas principalmente, Miss Marple, são vingativos, sentem-se satisfeitos quando os vilões são punidos.

            Poirot chega ao ponto de se dizer burguês e cristão ao afirmar que o assassino sempre merece punição. E Agatha deveria pensar assim: já reparou, por exemplo, que ela sempre mata os chantagistas, mesmo que sejam crianças? Ela tem uns traços bem definidos em sua obra, como por exemplo a ausência de cenas de sexo e bem poucas de beijo. Prefere deixar tudo na sugestão.

            Hastings, por exemplo, casa-se, mas tirando o romance em que conhece a Bella (Assassinato em um Campo de Golfe), ela nunca mais aparece, é citada apenas aqui ou acolá. A melhor personagem dela acaba sendo Ariadne Oliver, porque dá uma certa cor, especialmente A Terceira Moça, um dos meus primeiros e favoritos romances, até porque é focalizado na Inglaterra da década de 1960, embora a Agatha descreva a época com uma visão típica de uma setentona vitoriana.

            Posso ficar semanas falando deste universo, um dos melhores já inventados, mas vou parar por aqui ou este blog acabará mudando de nome e se transformará em Blog da Agatha de José Nilton Poirot….rs

          3. Rubens Leme

            Uma última observação, Dalcim: é uma ironia que um personagem tão adorado como Hercule Poirot fosse tao odiado pela sua criatura. Agatha o detestava com paixão e considerava uma tortura ter que escrevê-lo por 50 anos. Na autobiografia dela, disse que ele arruinou alguma de suas melhores histórias, mas que era obrigada a colocá-lo por pressão dos fãs e dos editores.

            By 1930, Agatha Christie found Poirot “insufferable”, and by 1960 she felt that he was a “detestable, bombastic, tiresome, ego-centric little creep”. Yet the public loved him and Christie refused to kill him off, claiming that it was her duty to produce what the public liked.
            (https://en.wikipedia.org/wiki/Hercule_Poirot)

    2. JAN DIAS

      Eu adoro esse livro! ??? (acho que já li quase todos da Agatha).. Só acho a contagem do bridge muito complicada..kk
      Abç,

  44. Rafael Azevedo

    A respeito da discussão jurídica que se instaurou no blog, mais especificamente sobre o STF, a minha questão é:
    Quem julgará a suspeição dos ministros do STF, que foram indicados pelo ex-presidente Lula, no julgamento da suspeição de Moro quanto ao julgamento do ex-presidente…Lula?

    1. Rafael Azevedo

      Legenda:
      – Lewandowski e Carmen Lúcia foram nomeados aos STF por Lula;
      – Lula é condenado por Moro, na Lava Jato;
      – Moro é julgado pela segunda turma (5 ministros do supremo) quanto à suspeição no julgamento de Lula;
      – Moro é considerado suspeito por 3 votos a 2;
      – Desses 3 votos, 2 foram dois ministros…Lewandowski e Carmen Lúcia, nomeados pelo réu do julgamento ao qual o juiz está sendo julgado…kkk;
      – O terceiro voto foi de Gilmar Mendes…Aquele mesmo que solta um monte de condenado da Lava-jato e que sempre criticou duramente a operação… Será que ele também é suspeito para julgar a suspeição de Moro???

      1. Jose Yoh

        Essa é uma das melhores piadas prontas do país. E olha que temos muitas.
        Você escolhe aquele que pode te julgar no futuro.

        1. Miguel BsB

          Não é do Brasil somente não. Ocorre o mesmo nos EUA também, nos mesmos moldes. Indicados pelo presidente (lá, democrata ou republicano necessariamente), aprovados pelo Senado. Cargos vitalícios. Importamos o modelo de democracia e república deles. República Federativa, apesar de lá ser realmente uma Federação de estados.
          Os Justices (Ministros da Suprema Corte) são indicados, além da competência e saber jurídico, muito por sua ideologia. Normalmente, Republicanos indicam conservadores, e Democratas juízes mais liberais. Nunca houve na história deles um caso de Presidente ou ex Presidente julgado pala Suprema Corte. Normalmente, eles resolvem essas questões politicamente, pelo instituto do Impeachment.

      2. Marcilio Aguiar

        Prezado Rafael, aberração maior ainda me parece o caso da PGR. Pelo que sei, entre uma de suas atribuições, cabe a ele abrir processos contra o Presidente da Republica, tanto por inciativa própria ou quando provocado. Nesse a maior parte ou quase todo o seu mandato é justamente no período do presidente que lhe indicou. Existe até no anedotário a denominação para ex-procuradores como “Engavetador Geral da República” .

        No caso dos ministros do supremo é raro chegar questões que envolvem o presidente que os escolheu, na vigência do mandato deste.

        Pode até ser uma exceção à regra, mas o Ministro Joaquim Barbosa foi indicado por Lula. Não me parece que o José Dirceu, braço direito de Lula e apontado por muitos que seria o escolhido para sua sucessão, tenha sido tratado com parcialidade pelo ex-presidente do STF.

        O STF foi duramente criticado pelos adeptos do PT por ocasião do mensalão e aplaudido pelos demais. Agora a situação se inverte.
        Será que eles estavma agindo contra a Lei em ambos episódios ou a decisão da Justiça só é boa e válida quando atende à nossas aspirações?

        Abc.

    2. Sandra

      Não tenho político de estimação , detesto fanatismo , mas concordo com você , você have convir que Moro foi concursado e a maioria ali indicada pelo Pt

      1. Groff

        Sandra, até acho que a questão de ter muitas indicações do partido citado ali poderiam ser um problema, mas, se você for olhar, fora o Dias Toffoli, os outros ministros trazidos àquela época tinham e têm perfis e carreiras absolutamente técnicas. Não era o caso do Mendes (foi o AGU do FH) e muito menos do Moraes. Até o Nunes Marques tem mais currículo. Tem que ver a trajetória mais do que a questão de quem indicou e, nesse quesito, os governos Lula e Dilma (fora, de novo, o Toffoli, cujo maior feito até então tinha sido ser advogado do partido) mereciam loas pelas indicações. Caramba, o último jurista de renome que tivemos lá, Eros Grau, foi indicação deles também. Abraço

    3. Sandro

      Perfeito Rafael Azevedo! Na verdade, todos os indicados pelo PT ao STF deveriam ser considerados sob suspeição para julgar qualquer matéria envolvendo o petista Lula… Porém, o STF perdeu a sua essência, pois a função principal do STF é ser um Tribunal Constitucional, que defende a Constituição promulgada em 1988, ao contrário, o STF tem repetidamente rasgado a desrespeitado a Constituição de 1988. Quando um tribunal constitucional como o STF passa a rasgar a Constituição, ele perde a razão de ser.
      Os Ministros do STF deveriam ser eleitos ou concursados e seus mandatos não poderiam ser vitalícios, pois isso dá uma sensação de poder sobrenatural e eterno. Os mandatos dos Ministros do STF deveriam ser temporários, girando entre 4 e 8 anos, como são as durações dos mandatos dos deputados ou dos senadores.

  45. Barocos

    Dalcim,

    É, parece que nossa busca por um jogador de ponta nascido em terras tupiniquins continua.

    Neste torneio, Sinner e Tsitsipas têm minha torcida, mas a vitória de qualquer um dos membros da nova geração, ou da novíssima, e considero ambas muito boas, vai me deixar feliz.

    Saúde paz.

    1. Miguel BsB

      Barocos, como outros colegas aqui do blog, tenho gostado muito do jogo do ragazzo Mussetti. É um dos que quero que tenham uma jornada longa no torneio…
      A Itália tá colhendo uma safra de tenistas que tem tudo para ser histórica…Barolos de alta qualidade, Riserva Speciales rs.
      Sou capaz de apostar que nos próximos anos essa geração italiana vai ser campeã da Copa Davies.

  46. Jose Yoh

    No post anterior, queria deixar uma resposta para o batido tema da “entressafra” de Roger Federer, mas percebi que havia um novo. Então escrevo aqui. Acho que já escrevi isso antes.

    Os slams reúnem, em qualquer época, a nata do tênis mundial. São milhões de praticantes no mundo. Desses centenas de milhares tentam o profissionalismo.

    Imagine um vestibular com milhões de pessoas. Ou mesmo centenas de milhares. Os cem melhores vão ser medíocres??? E os dez??? Ou três??? Dá para chamar o número 2 de BAGRE?

    Então é impossível metade de uma década só ter produzido bagres e o Federer só ter conseguido seus títulos porque os outros eram muito ruins.
    Os outros pareciam ruins porque ele estava muito à frente do seu tempo. Assim como é com o Djokovic hoje.

    1. Luiz Fabriciano

      Prezao Yoh, não vou entrar nessa disputa de entre-safra e auge-safra, mas em outro ponto.
      Os Slans, por serem os maiores eventos, reúnem não só a nata do tênis, mas todo tipo de tenista. Veja, na chave principal, entram 128 jogadores, desses, alguns que jamais chegaram longe até em torneios menores. Pode acontecer sim de um azarão pegar um bem qualificado em um dia menos inspirado e deixa-lo no caminho. Veja o Karatsev, por exemplo, foi dado como azarão na Austrália, mas até agora tem se mostrado que veio para ficar – vamos ver até quando.
      O ex-tenista brasileiro “feijão” chegou a jogar uma rodada contra Djokovic no US Open. Imagine uma catástrofe se ele tivesse vencido.
      Resumindo, há muito tenista de baixo ranking nesses torneios. haja vista que sempre se comenta que os principais cabeças “passeiam” até as terceiras rodadas.
      Saudações.

      1. Jose Yoh

        Há uma diferença grande de nível de jogo entre os cem melhores sim, concordo.
        Mas quando falamos do top 10, é quase certo que quem está ali é um grande jogador, em qualquer época. Um Baghdatis de 2007, chegou a um quinto set em WB contra o super Nole, já número 3 do mundo. Um Roddick obteve várias vitórias sobre o mesmo muito perto do auge do sérvio em 2010, em quadras duras.

        Não acredito em entressafras. O nível do ranking sempre foi algo bastante estável, de acordo com sua época.

        1. Luiz Fabriciano

          Sim, quando falamos de top 10, com certeza, são 10 tenistas de grandes jogos, ao menos os que se mantêm consistentemente nesse status.
          Mas a questão foi justamente contrária, por isso comentei daquela forma.

    2. Sérgio Ribeiro

      Exato , caro José . E imagina o que doeu para Sampras perder duas FINAIS consecutivas do USOPEN em Sets diretos para os ” bagres ” em 2000 e 2001 , Matar Safin e Lleyton Hewit ( até hoje o mais jovem N 1 da Era Profissional ) . E Pete não estava acabado tanto que em 2002 venceu seu último SLAM lá mesmo. Esses caras juntando David Nalbandian e Agassi eram os tais ” bagres ” com o reforço de um tal Espanhol em 2005 , que tornavam muito ” fácil ” a vida do Suíço. Foi tranquilo ter Nadal no retrovisor até 2007 com Novak e Murray já como N 2 e N3 rs . ABS !

      1. Jose Yoh

        Sim. É bem estranho que no período de um ano, em 2007 Nadal, Djokovic e Murray tenham deixado de serem bagres para serem os super-heróis que são hoje.

  47. Rodrigo S. Cruz

    [Alessandro Siqueira/

    “Ser julgado por um JUIZ NATURAL é o mínimo no Estado de Direito. Leia o artigo 76 do Código de Processo Penal. Se você conseguir ver alguma conexão que justifique a ida do processo para Curitiba, habilite-se como “Amicus Curiae” no julgamento pelo pleno. Já tem até data. Barroso pautou para o dia 14/04/2021, a despeito de a decisão liminar do Fachin não ter sido submetida à segunda turma. Incrível, né? Tem regra de processo para todo mundo e, até onde o regimento interno do STF preconiza, o pleno é para UNIFICAR ENTENDIMENTOS DAS TURMAS. Não é, nem nunca foi, instância recursal”.

    Cara, não seja ingênuo, vai…

    O STF que temos já é um dos maiores criadores de insegurança jurídica do planeta.

    Você realmente acredita que alguém ali liga de verdade para o regimento? pffff Ai, ai.

    Poucos lá são os que sequer zelam pelo papel de guardiões da Carta!

    Estão se lixando… E 90% das decisões deles são políticas, e não técnicas.

    Quem não se lembra do escândalo que aprontou o Lewandowiski quando presidiu o impechment da Dilma no Senado?

    O cara simplesmente EMENDOU um artigo da Constituição, e sem quórum qualificado. Uma desgraça!

    Até o Fachin que é dos poucos juízes técnicos que ainda restam ali, não votou por convicção sobre a incompetência de Curitiba…

    Votou a contra-gosto. E para quê?

    Foi uma manobra desesperada dele, para tentar driblar o jogo imundo de cartas marcadas da segunda turma.

    A turma que solta mais bandidos do que goleiro “mão de alface” solta as bolas…

    Já sabedor do ÓDIO figadal do Mendes pelo Moro, e de que ele pautaria o HC, o Fachin então se adiantou.

    Torcendo para que a suspeição perdesse o objeto, mas as provas do processo fossem preservadas.

    Coisa, que aliás, ocorreria em qualquer corte séria do MUNDO.

    Menos aqui, claro…

    O Gilmar não quis nem saber, e pautou a suspeição do mesmo jeito.

    Quanto a tua sugestão de eu atuar como “amicus curiae”, não acho que seja uma boa ideia.

    De tão revoltado que estou, era capaz de eu levar um LANÇA-CHAMAS para aquele lugar!

    rs rs

  48. Luis

    Dalcim não li nenhuma notícia no tênis Brasil sobre recuperação Federer parece ter sentido alguma coisa e longa parada pulou quadra dura que normalmente vai bem e e’ um dos melhores do piso sintético,e’ uma precaução ou Federer pode ter algo mais? Sempre bom velo bem principalmente em Winbledon com chances

    1. José Nilton Dalcim

      Puxa, como não, Luís? Temos vários textos sobre o Federer desde a derrota em Dubai. Ele não falou em contusão, alegou não se sentir ainda na melhor forma física e aí preferiu treinar mais, incluindo a parte física, e que jogaria alguns torneios no saibro.

Comentários fechados.