As (boas) surpresas de 2021
Por José Nilton Dalcim
21 de março de 2021 às 21:41

Com o calendário econômico do Big 3, era de se esperar que a temporada 2021 abrisse as portas para a garotada que vem ali galgando lugares no top 20. É bem que verdade que um ou outro até vingou, mas as maiores surpresas da temporada 2021 são jogadores pouco conhecidos e fora dessa ‘nova geração’: Aslam Karatsev e Lloyd Harris.

Aos 27 anos, Karatsev surgiu praticamente do nada para aparecer nesta segunda-feira como o quinto tenista que mais pontuou na temporada. Até entrar na ATP Cup, ele só tinha três vitórias em torneios de primeira linha. Do quali do Australian Open até a semifinal foi um salto incrível, mas ele não parou aí. Depois de ganhar um título de ATP de duplas, quebrou a série invicta do parceiro Andrey Rublev em torneios de nível 500, derrotou quatro cabeças de chave e ganhou quatro partidas em três sets para erguer o troféu de Dubai.

Não são apenas os resultados em si que chamam a atenção, mas especialmente o estilo muito agressivo, com golpes ferozes da base, e um vigor físico invejável. A explicação para a mudança tão radical de eficiência vem do treinador Yahor Yatsyk, também muito pouco conhecido. “Ele se comportou durante muito tempo como uma criança”, definiu o técnico, comparando suas atitudes ao do bad-boy do futebol Mario Balotelli. “Era nada profissional, não aparecia na hora para os treinos. Um dia trouxe três de suas quatro raquetes com corda quebrada. Aí eu fui claro com Aslam: ou ele mudava radicalmente ou era melhor sair do tênis”.

Karatsev reconhece que sua vida foi outra desde que começou a ser orientado por Yatsyk, há coisa de um ano. “Eu vivia trocando de lugar, até que enfim o encontrei e ele ajudou demais na parte mental e, é claro, muito no lado técnico”. Para encurtar a história, Aslam se mudou com três anos para Israel e foi lá onde começou a jogar até virar número 1 do país. Aos 16, voltou para a Rússia e aí acabou convidado por Dmitry Tursunov para treinar na Alemanha. Veio então uma contusão séria que o tirou das quadras por duas temporadas. Decidiu morar em Barcelona. Conheceu então Yatsyk, que chegou a jogar o circuito e depois ajudou Nikoloz Basilashvilli. “Eu usei palavras duras com ele, mas Aslam acreditou em mim e me escutou. Agora está vendo os resultados”, completa o treinador.

Durante a parada do circuito pela pandemia, Karatsev se fixou nos EUA e jogou muitos amistosos, o que o ajudou a não perder o ritmo. Pouco depois, derrotou um top 50 pela primeira vez e ganhou dois challengers no saibro europeu. Será que sua reação foi tarde? Ele respondeu com um sorriso: “Tenho só 27 anos”. Nesta segunda-feira, aparecerá como 27º do mundo e esse foi o outro grande lucro. Ao arrancar tão no começo da temporada, se garantiu em todos os grandes eventos que quiser disputar e ainda poderá aparecer como cabeça em muitos deles. Com 1.265 somados somente em 2021, ele dificilmente terminará o calendário fora dos 50 primeiros. Que salto!

Três anos mais jovem e derrotado por Karatsev na final inesperada de Dubai, Lloyd Harris também surpreende, a ponto de aparecer agora como o 12º no ranking da temporada. Possui um estilo menos espetacular e apesar de ter 1,93m prefere ficar no fundo de quadra. Saiu do quali para a final em Dubai, o que vai levá-lo ao 52º do ranking normal e assim é outro que poderá já se programar para qualquer grande torneio a partir de maio.

A parte mais curiosa do histórico de Harris é o fato de que ele não seguiu os passos habituais dos sul-africanos, como os mais famosos Wayne Ferreira e Kevin Anderson, permanecendo na África. Seus três primeiros anos de carreira profissional foram tentativas em torneios no Egito, Nigéria, Zimbábue e Moçambique, além claro da África do Sul, só então se arriscando em alguns eventos europeus. Daí talvez seu processo mais lento de ascensão. Porém é claramente um tenista muito bem forjado para a quadra dura, onde já ganhou dois challengers nos EUA e outro na Austrália, além de ter sido vice do ATP de Adelaide no ano passado.

Claro que três garotos também chamaram a atenção nestes primeiros meses. Alexei Popyrin, de 21 anos, enfim mostrou que pode ser mesmo uma renovação do tênis australiano e ganhou seu primeiro ATP em Cingapura. Observem que é mais um de procedência russa – seus pais nasceram lá -, mas desde o fim da carreira juvenil ele se fixou na academia de Patrick Mouratoglou, na França. Fato curioso,  morou um bom tempo em Alicante, na Espanha, onde era vizinho de Alex de Minaur, outra promessa australiana.

O argentino Juan Manuel Cerundolo, de 19 anos, é mais um a ganhar seu primeiro ATP nesta temporada. Sua família carrega tênis na veia: o pai foi profissional e o irmão mais velho, Francisco, está na luta. Canhoto, fez uma campanha incrível em Córdoba abusando de topspin muito alto de forehand, lembrando muito o Rafa Nadal de começo de carreira. Mas justamente esse estilo, claramente defasado, será um problema a administrar se quiser ter um futuro melhor do que o atual top 180.

Por fim, enche os olhos o tênis elegante e ousado de Lorenzo Musetti, um italiano de 19 anos que tem um curioso laço com o tênis brasileiro. Foi dele que Thiago Wild ganhou na final juvenil do US Open e foi para ele quem Thiago Monteiro perdeu no primeiro título de challenger do garoto.

O mais interessante é que Musetti parecia até então um tenista talhado para o saibro, ainda que tenha vencido o Australian Open juvenil. Todo mundo se lembra das vitórias incríveis em Roma no ano passado em cima de Stan Wawrinka e Kei Nishikori e logo depois da semi na Sardenha. Em Acapulco, no entanto, ‘Muse’ fez exibições incríveis num piso veloz, com vitórias seguidas sobre Diego Schwartzman, Frances Tiafoe e Grigor Dimitrov, onde se destacaram sua habilidade em mudar a velocidade da bola – cada deixadinha espetacular! – e a coragem de usar paralelas dos dois lados, onde aparece um backhand de uma mão muito solto. Não por acaso, se inspirou em Roger Federer. E seu sonho? Wimbledon.


Comentários
  1. Marcilio Aguiar

    Ainda não tinha visto o Musetti jogar. Acabei de assistir o segundo set em Miami. Gostei muito do que vi. Ainda joga muito atrás da linha de base e tem muito a evoluir, mas vai pra cima sem medo, muita mão e um belo BH de uma mão. Desejo que tenha um grande futuro como herdeiro do tênis do maestro.

  2. Rubens Leme

    Dalcim, o Tiago tem essa mania irritante de ficar dando deixadinhas – e ruins – como o Bellucci. Parece que tenta a todo custo fechar os pontos, pois me parece fora de forma.

    O colombiano é limitadíssimo, com um segundo serviço que o Wild responde bem dentro da quadra, não tem nenhum golpe potente, mas vai vencendo o jogo. Muitos diziam que era a estreia dos sonhos para o brasileiro. Acho que o colombiano pensou mesmo quando viu o sorteio.

  3. Miguel BsB

    Voltando ao tênis. Fiquei sabendo hj que o Coria 2 é irmão do Coria original, vice de RG.
    O adversário dele, um tal de Marin Cilic, campeao do USOPEN, vice em Wimbledon e Ausopen, com 2 metros de altura, tá precisando treinar Smash. Errou 2 bisonhos na partida até o momento que escrevo…

  4. Luiz Fernando

    Se com essa chave divulgada Federer, estando bem fisicamente, não vencer esse torneio de Halle com um pé nas costas aí sim a situação estará bem ruim p ele…

  5. Renato

    Você acha que o Bublik não tem potencial pra entrar em breve nessa lista? Super habilidoso e vem jogando mais sério. Se ele focar mesmo, pode surpreender.

    1. José Nilton Dalcim

      Olha, eu era bem pouco otimista com ele, mas houve evolução no jogo de base. Mas existe também a postura um pouco descontraída demais e acho que essa combinação toda não me dá ainda confiança no jogo dele para um top 10, por exemplo.

  6. Rubens Leme

    ARMADILHA MORTAL (1982)

    Em 1972, Michael Caine fez um filme chamado Trama Diabólica onde é amante de uma esposa de um famoso escritor de livros de suspense (vivido por Laurence Olivier), que o planeja matá-lo.

    Dez anos depois, Caine volta a um filme parecido, mas ao invés de ser uma cópia atualizada da película dirigida por Joseph L. Mankiewicz, o grande Sidney Lumet resolveu criar algo muito mais original, inspirado em um escrito de Ira Levin, onde Caine vive um autor teatral decadente que tenta se apossar de uma peça de um ex-aluno e estrante, Christopher Reeve, ajudado por sua neurótica esposa Dyan Cannon.

    A partir daí nada mais é como deveria ser, incluindo um final absolutamente original e inespeerado. Aliás, o filme já toma um caminho inesperado na metade. Depois, é só lucro.

  7. periferia

    Olá Barocos.

    Espero que esteja bem.
    Como sempre li com muito cuidado e respeito o que vc escreveu (sempre com uma categoria diferenciada…vc escreve bem)
    Mas irei fazer uma provocação intelectual sobre alguns atores colocados por ti.

    Gilmar Mendes (falta de apreço)
    Moro (deficiências.. descuidos..justiceiro )
    Daltan (descuidado..justiceiro)
    Marques (intepretação lamentável)
    MPF (falta de profissinalismo)
    Lula (campactuou com a corrupção)
    Carmen (reversão da posição influenciada pelos vazamentos)
    Fachin (patacoada)
    Jurisprudência (antipatia)
    Constituição (confusa)
    Leis ordinarias (omissão)
    Justiça (ineficiente)
    Poder legislativo (ruim).

    O Estado Democrático de Direito é formado E sustentado por essas pessoas/instituição.
    Como alguém com uma opinião tão ruim sobre eles…pode defende-lo (Estado Democrático de Direito).
    Churchill está errado…existe a Sociedade Civil…ela está aí…esperando novos protagonista/transformadores.

    (Volto a dizer…respeito muito…é apenas uma provocação)

    Fique bem

    1. Barocos

      Periferia,

      Dentre todos os frequentadores do blog, você é um dos que tenho em mais alta conta. Jamais vou esquecer o favor que me fizeste, o qual me rendeu muitas lágrimas, daquelas que queremos ter, que nos coloca perto de alguém que amamos e que, tragicamente, não mais podemos tocar.

      Sobre as suas pontuações, note bem que fiz questão de apontar que somos todos falhos, aprendizes por toda a vida, universalmente. É neste âmbito que inseri a citação ao Churchill (e saiba, ele é execrado na Índia, onde suas exigências – da Inglaterra – para os esforços de guerra, causaram a morte de milhares de indianos por fome). Ele aponta, na minha opinião sabiamente, que dentre todas as formas de organização social, a democracia é péssima, mas é a que melhor já implementamos. Claro, se você for adepto da anarquia, no sentido de abolir um poder central, talvez sustente uma visão antagônica à dele. Sobre líderes, uma observação de Bertolt Brecht serve como advertência: “Miserável país aquele que não tem heróis. Miserável país aquele que precisa de heróis”.

      Por favor, não respeite minhas opiniões, opiniões são para ser debatidas, analisadas, esmiuçadas e, quando necessário, reformadas à luz dos argumentos utilizados pelas partes. Isto deveria ser encarado como normal, como uma etapa do aprendizado contínuo e não como um demérito pelos debatedores, mas, infelizmente, não é o que costuma acontecer. Como você deve ter notado, não basta elencar argumentos, não basta ser explícito, não basta ser atento à lógica, já que nós todos somos muito emocionais e é difícil se afastar de nossas primeiras impressões e reformular opiniões defendidas em público. Assim é o ser humano. Existem duas frases que resumem muito bem este fenômeno: o problema dos homens não é a falta de insistência, mas a insistência na falta; fatos deveriam mudar opiniões, opiniões não modificam os fatos. A última, em especial, é muito presente para quem teve o privilégio de estudar a história das ciências

      No que é mais importante, o vejo como um exemplo aqui neste espaço, e tenho certeza que assim também o é no convívio pessoal, você mantém o respeito no tratamento aos seus semelhantes, infelizmente, algo não tão comum quanto deveria ser.

      Por fim, admiro muito sua mente inquisitiva e imagino que seu filho muito se beneficia desta sua característica, do seu papel de um dos mestres dele em face os desafios da vida.

      Saúde e paz.

      1. Barocos

        Errata: em face os -> em face aos

        Errar é humano, perdoar é divino (Alexander Pope). 😉

        Reforço meus votos de saúde e paz.

    2. Rafael Azevedo

      Caraca…tirou onda, Periferia.
      Eu que não quero nunca entrar numa briga de argumentação com você, rsrs.

    3. Marcilio Aguiar

      Prezados Periferia e Barocos, não deveria me meter nessa conversa porque, além de voces não terem se dirigido a mim, não tenho o saber jurídico e nem a verve de ambos. Tenho o maior respeito por você devido ao conhecimento, educação e ponderação que demonstram em suas postagens.

      Nesse assunto específico, ou seja instituições de poder e pessoas envolvidas, a minha visão de uma forma geral é bem próxima a do Barocos, com pequenas variantes que não vem ao caso detalhar porque não mudam a essência do pensamento.

      Essas instituições de poder no Brasil sempre tiveram a “cara” ou desempenho parecidos ao longo de muitos anos, desde que eu me conheço como gente. No momento atual as mazelas estão muito mais expostas porque os meios de divulgação assim possibilitam e, talvez, a sociedade esteja mais atenta e exigente.

      Não sei se é essa a conclusão do Barocos, mas o que penso é que se escolheu alguém de peso como um símbolo para servir como exemplo e fazer parecer que “daqui para frente tudo será diferente”. Não que o personagem central do processo, o ex-presidente, seja um santo a ser canonizado e não tenha cometido seus pecados. Só que na avidez para demonstrar que o Brasil estava mudando, a coisa foi feita de modo atabalhoado, ao arrepio da lei, dando margem a que tudo fosse jogado fora e deixasse esse sentido de frustração para quem quer justiça a qualquer preço.

      Temos que o processo do mensalão, conduzido pela mão segura de Joaquim Barbosa, alcançou resultados de monta no combate à corrupção e puniu muita gente grande. Pode não ter abrangido a todos que deveriam, mas, pelo que sei até hoje, do ponto de vista juridico, foi conduzido dentro das regras legais e não deixou brechas para reversões das principais decisões tomadas. O próprio Joaquim Barbosa, que foi conduzido à condição de heroi pela midia e redes sociais no primeiro momento, passou a ser execrado por parte desses quando ousou discordar de algumas decisões da Lava Jato, em um segundo momento, quando não era mais ministro.

      O combate à corrupção não pode ser tarefa de meia dúzia de justiceiros, que resolvem o assunto numa tacada de mestre, custe o que custar. Isso tem que esta no cerne da sociedade como um todo, tem que ser cultivado desde o berço e na minha opinião ainda estamos longe de atingir um nível de consciência legítima para não dependermos de heróis que nos protejam dos “malignos”.

      Em resumo… as instituições não são perfeitas, porque integradas por seres falíveis, mas todos saem da “sociedade civil” como seus representantes e não vejo como ser diferente. No dia em que a sociedade civil como um todo for mais evoluída, os seus representantes também o serão.

      Desculpem, mais uma vez pela intromissão e fiquem bem. Abc.

      1. Marcilio Aguiar

        Um adendo: Uma sociedade civil que escolheu o presidente atual, com todas as informações que estavam amplamente disponível sobre ele, não pode ser considerada evoluída. O “combate à corrupção” que para alguns, reconheço, que seja um sentimento sincero, par outros é uma desculpa para justificar uma escolha indefensável. E isso eu constato no meio em que vivo, onde muitos defensores da lisura total e absoluta, não têm a conduta assim tão ilibada nos seus negócios e relacionamentos.

        1. Barocos

          Marcílio,

          Praticamente todas as suas observações encontram eco nas minhas ponderações e interpretações sobre os eventos que assistimos. Compartilho com você também a admiração pelo Ilmo. Joaquim Barbosa, um dos melhores magistrados que vi atuar. O maior problema deste nobre senhor foi que ele se mostrou demasiadamente sábio e isto, infelizmente, o impeliu a pedir seu boné com grande celeridade, algo bom para ele, mas trágico para o país.

          Nem preciso dizer, e por certo sabe disto, que você tem minha admiração.

          Saúde e paz.

        2. periferia

          A Sociedade Civil que me refiro é outra.
          Voltada para o cuidado do próxima…sem viés político (apesar de sermos animais politicos).
          A Sociedade Civil que me refiro é humana…jamais elegeria um genocida.

          Abs

      2. Luiz Fabriciano

        Será que chegarei algum dia a ter esse poder argumentativo, discernimento para discussões complexas como essas?
        Parabéns à vocês!

      3. periferia

        Olá Marcílio.

        A sua participação melhora muito o debate de ideias.
        Quando nos debruçamos sobre aquelas letras que regula a conduta de todos dentro de uma sociedade….elas são apenas letras….necessita da interpretação de alguém.
        Certa vez conversando com um bom Pastor evangélico sobre a bíblia…ele me ensinou…
        “Isso é apenas um livro velho e antigo…ele não tem importância nenhuma caso não te abrace e conforte”
        Assim são as leis (o Estado Democrático de Direito) se ela não te “abraça “…se ela não cuida de vc….ela é apenas um livro velho e antigo…ela não pode ser seletiva…ela nao pode ser usada com propósitos baixos.
        Nossa constituição defende alguns….não defende todos.
        Sei que é dificil as pessoas entenderem…tipo…o cara é um anarquista…não é isso…apenas não me sinto abraçado ou protegido por nossas leis.
        Considero a sociedade civil o caminho…são pequenas ações que acontecem nesse momento no país que irão transforma-lo…ninguém mais.

        Abs amigo Marcílio….o nosso Alfredo do blog.

        1. Marcilio Aguiar

          Prezado Periferia, nesse ponto eu concordo com você. A desigualdade que existe entre os grupos sociais em nosso pais é bem coerente em seus efeitos, ou seja, na mesma proporção que ela é no campo econômico é também no tratamento e proteção que o estado oferece aos cidadãos. Esse peso vem de longe e não sou sociólogo ou historiador para discorrer com profundidade sobre razões e soluções, mas o que sinto é que nossa evolução como nação deve vir dentro da lei e no fortalecimento das instituições, talvez com representação mais abrangente e equilibrada de todos os grupos sociais e com pessoas verdadeiramente comprometidos com a reparação das desigualdades.

          É um prazer interagir com voce nesse espaço, e o propósito não é ter a palavra final sobre assunto nenhum, mas sim tentar trazer uma informação ou um ponto de vista a mais que pode ser útil para o crescimento de todos.

          Como você me alcunhou de Alfredo, fico lisonjeado por ter vindo de alguém que é fera no conhecimento da sétima arte e uso essa imagem de um sonhador para pensar que ainda veremos um Brasil melhor para todos.

          Grande abraço.

    4. Miguel BsB

      Caro Periferia, permita-me corrigí-lo…(só posso me atrever a fazê-lo em se tratando de assuntos políticos e históricos. Em questões cinematográficas, só posso ler e aprender rs).
      Não existe sociedade, somente indivíduos, é uma frase da intragável Dama de Ferro inglesa Margareth Tatcher. Expressa claramente sua ideologia egoística oriunda do pensamento liberal econômico, remontando o liberal clássico Adam Smith…o mesmo que cunhou a “mão invísivel do mercado” e a busca egoística dos indivíduos leva ao bem comum da sociedade. Sempre bom interagir com você.
      Abs

      1. periferia

        Olá Miguel

        Divergimos (ou divertimos…rs) novamente.
        A Sociedade Civil que apelo é outra ….é aquela derivada e cunhada por Adam Ferguson…que é influência para Adam Smith e até mesmo Hulme (os moralistas).
        A Sociedade Civil é o contrário do indivíduo.
        Ela busca a colocação do homem como grupo…como conjunto…algo muito distante da individualização
        Fui pesquisar porque nem lembrava mais o nome do livro do Ferguson….chama-se “Ensaio Sobre a História da Sociedade Civil”.
        Estou citando algo que foi referência a moralistas…citados por vc.
        A Sociedade Civil é…foi…e será o “conjunto” de pessoas que articulam…mudam….transformam uma sociedade.
        E a simples referência da primeira dama inglesa me causa calafrios…uma conservadora legítima que não pode ser medida para muita coisa (nem para o bem nem para o mal)…ainda mais dois homens com uma visão social como eu e vc.
        Poderia citar de Marx a Gramsci ….de Maquiavel a Hegel sobre minha visão da coletividade como grupo transformador…em todos a Sociedade Cívil se descola do indivíduo.
        Ela existe ….não apenas filosoficamente….mas concretamente…todos os dias quando acordo…me deparo com ela…alguns dias mais organizada que em outros…mas faz parte da luta.

        Deixo aqui meu agradecimento ao paciente (quase um indiano) Dalcim.

        Abs Miguel

  8. Rodrigo S. Cruz

    [Aquino]

    “Sérgio, você deveria dizer isso ao Paulo.
    Eu não acredito em entressafra, mas concordo com Pete Sampras, Federer quando dominou não teve rivais à altura.
    Entressafra já dá a entender que todos eram ruins etc. Não concordo com isso”.

    Esse é o ponto.

    É plenamente defensável você eleger a geração atual ou a anterior como mais forte.

    O que não dá pra fazer é desqualificar a que você quer, apenas pra tentar diminuir ou superestimar alguém…

    Acho de um profundo mau gosto dizer que o Philipoussis era uma droga, ou o Hewitt, ou o Roddick, e por aí vai.

    Abs.

    1. Renato Aquino

      Olha Rodrigo, o Federer ganhou muitos de seus grandes títulos em cima desses caras que você citou.

      Considero esses tenistas muito bons, tanto que chegaram em final de Slam. Mas não sou doido de comparar os citados com Djokovic, Murray, Wawrinka, Del Potro etc. É outro nível de competição.

      O Federer é contestado por muitos, porque quando teve que enfrentar seus rivais diretos (Nadal, Djokovic) ele sucumbiu várias vezes. Sim, ele aprendeu a jogar contra o Nadal depois de anos e hoje domina, mas contra Djokovic o buraco é muito mais embaixo para o suíço.

      É lógico que uma “droga” de tenista não chega em final de Grand Slam, isso é só uma provocação infantil. Eu havia respondido ao Paulo, já que ele citou a palavra entressafra. Um abraço.

    2. Luiz Fernando

      O Sampras não disse q eram drogas, disse apenas q não estavam, e de fato nunca estiveram, no mesmo nível do Federer. E isso facilitou a vida do cara, ou será q não facilitou? Infelizmente vcs torcedores do suíço teimam em não reconhecer isso…

      1. Rodrigo S. Cruz

        O que eu destaquei é que muitos nolistas desqualificam esses tenistas citados como se fossem meros fracotes.

        Lembrando que um deles, o Roddick, por exemplo, tem retrospecto positivo sobre o Novak…

        Abs.

        1. Luiz Fabriciano

          Sim, tem.
          Infelizmente parou, por motivos óbvios, antes da reversão desse fato.
          Sugiro assistir no Youtube, um breve comentário do americano sobre o sérvio, depois de um embate entre eles nas olimpíadas de Londres.
          Ele falou mais ou menos isso: “Novak me fez sentir como uma criança dentro de quadra.”
          Saudações.

  9. Lola

    A pior corte que já tivemos nos país, disparado.
    GM dá chilique, não respeita os pares, na imprensa ele chama os promotores de quadrilha, é impressionante. A outra mudou voto sem nenhum fato novo, passível até de impechtman segundo a Dra Janaína Paschoal.

    Não vemos as cortes dos outros países, fora a Venezuela, fazer o que essa faz.
    Livraram o lula, não podiam provar a inocência, anularam o julgamento que passou por outras instâncias, é um escândalo. Estamos à deriva.

    1. Alessandro Siqueira

      Você parte de uma premissa que não existe no Estado de Direito, ao menos desde a Magna (e não Magda, Nunes Marques!!!) Carta. Ninguém tem o dever de provar inocência. É dever do Estado provar culpa. Inocência presume-se.

  10. Helena

    Dalcim,

    Você poderia me explicar sobre o somatório de pontos em relação a torneios x semanas.?

    Eu pensava que os pontos eram descartados em relação às semanas (nestes últimos anos com a exceção para os torneios qud mudaram de data), mas vi algumas pessoas apontando que alguns jogadores que mudaram de torneios somaram pontos na semana passadas. Então a minha dúvida é, no caso de torneios como Acapulco x Dubai ou Marselha x Doha, que são jogados na mesma semana, se um jogador disputou esse ano um torneio diferente do ano passado (ex: Marselha 2020 e Doha 2021), ele vai poder acrescentar os pontos do novo torneio sem descartar o do ano anterior?

    1. José Nilton Dalcim

      A comparação do ranking não é feita com o torneio, mas com a semana. O tenista pode ter jogado um future no ano passado e um Masters neste ano na semana correspondente, então será descartado o future e trocado pelo Masters. Isso obviamente em situação de ranking normal, que não é o caso do momento.

  11. Maurício Luís *

    Com tanta má notícia na pandemia, ao menos alguma coisa parece ter melhorado. Por ser um esporte individual, o tênis tem experimentado uma maior procura por parte de iniciantes em alguns países. No Brasil talvez não, por ser um esporte de elite.
    O “X” da questão de estarmos com tantos óbitos é a DESOBEDIÊNCIA do povo. Brasileiro é amável e hospitaleiro, mas tem o lado B: não tem senso comunitário. Pouco importa se não há mais vagas nas UTIs, pouco importa se profissionais da Saúde estão extenuados, exauridos.
    E sempre alguém tem que ser o culpado, menos nós mesmos. Governador manda fechar, é culpado de falir empresas. Presidente quer abrir, é negacionista. Ministro da Saúde atrasou a compra das vacinas, é lerdo.
    Sim, eles tem culpa, não nego. Mas os maiores culpados somos nós mesmos.
    Basta 1 simples volta de quarteirão pra se ver as “absurdidades”. Além do tradicional MSM – Mov. dos Sem Máscara – o que se vê?
    – máscara no pescoço;
    – máscara com nariz de fora;
    – máscara torta, frouxa e muito mal ajustada na cara, tipo “pra inglês ver”;
    – máscara pendurada na orelha;
    – mete a mão suja na máscara; põe no bolso; tira do bolso; assoa o nariz na máscara…
    Depois ainda sai falando “Usei máscara e tomei todos os cuidados”. Todos os cuidados o ecambau!
    Tem também o MFJ – Movimento das Festas Já:
    – NATAL : ” Vou reunir minha família. Só nós 10… e os cunhados… e as crianças… e as sogras… nada de mais…”
    – ANO NOVO – ” Vou chamar só os meus amigos. Acha? Logo acaba a pandemia…”
    – NIVER DO FILHO – ” Tadinho, vai ficar sem festa? Vou chamar só os amiguinhos…”
    – CARNAVAL – ” Vou alugar uma chácara na zona rural, ninguém vai ficar sabendo. É só 1 vez por ano, eu tenho o direito de me divertir!”
    E quanto a este último item, um recado pra você jovem: tem jeito de se divertir sem se aglomerar. Você NÃO TEM o direito de se divertir levando o vírus pra casa e pisando na goela dos mais velhos. Idosos e doentes também tem o direito de viver tanto quanto você.

    1. José Nilton Dalcim

      Fiz uma reportagem no mês passado que mostra que o tênis no Brasil cresceu muito devido à pandemia, Maurício.

    2. Luiz Fabriciano

      Irretocável Maurício.
      Minha cidade conseguiu um decreto contra o o governo estadual, ou seja, aqui, o Estado não interferiu.

  12. Oswaldo E. Aranha

    Periferia, um escritor argentino escreveu uma obra, em versos, chamada “Martin Fierro”, contando a história de um caudilho. Transcrevo uma estrofe que gostarás: La ley es como la lluvia – No suele caer pareja – Quien la aguenta se queja – Pero la cosa es sensillo – La ley es como el cutillo – No ofiende a quien lo maneja!

    1. periferia

      Olá Aranha.

      O poema é de José Hernández…nunca li.
      Conheço Martin Fierro na obra de Borges…no livro El Fin….conta a morte do herói “gaucho”.

      Noto que as pessoas estigmatiza a opinião.
      Ela necessáriamente tem que ser de esquerda ou de direita (opinião) …e tudo depende como se interpreta (além de uma opinião não muito comum…ainda precisamos ser interpretados).
      Aproveitando o assunto literarario…sigo um escritor russo…
      “Fale de sua aldeia e estará falando do mundo” – Leon Tolstói.
      E aproveito e deixo outro escrito do russo (é o que penso do nossa gloriosa justiça)…
      “Quando as pessoas falam de forma muito elaborada e sofisticada, ou querem contar uma mentira ou querem admirar a si mesmas. Ninguém deve acreditar em tais pessoas. A fala boa é sempre clara, inteligente e compreendida por todos.”

      Abs

  13. Geailton

    Meu Deus. É de assustar sob qualquer circunstância preferir Lula do que o atual presidente. E não é questão política, é questão moral. Me assusto porque subentende-se que pessoas neste blog tem ao mínimo consciência moral para saber interpretar os fatos, e sobre eles, não houve prova de inocência. Aqueles que muito repetem o “estado democrático” são o que mais o estupram, e não passa de um jogo de palavras. Prova ilegal usada é estupro de estado democrático, dentre tantos outros feitos pelo STF. PONTO.
    Como disse um sábio: se depois de tantas provas, roubos e cooptação de poderes eu tiver que discutir com defensor do Lula, o burro sou eu.

    1. Alessandro Siqueira

      Se houvesse as tais provas, a condenação não teria se dado por ATOS DE OFÍCIOS INDETERMINADOS. Não sei se você sabe, mas em matéria penal vige a chamada IMPUTAÇÃO OBJETIVA. Algo mais ou menos assim: no dia XX/XX/XXXX o acusado, de forma livre e consciente, praticou os atos YYYY. Tais condutas se amoldam à a descrição contida no diploma ZZZZ. Qualquer pessoa, inclusive você, tem direito a saber os atos típicos que teriam sido praticados e provados.

      1. Rodrigo S. Cruz

        Se houvesse não. Houve.

        E no processo do triplex havia provas a sair pelo ladrão.

        Mas o pior cego é aquele que não quer ver…

        Abs.

        1. Alessandro Siqueira

          Já sinalizei outras vezes, mas não custa reiterar: NÃO SOU OBRIGADO A REZAR PELA SUA CARTILHA. “Atos de ofícios indeterminados” não existem em lugar algum do mundo e você sabe, ou deveria saber, disso. O policial é corrupto quando deixa de fazer a apreensão devida, mediante recompensa ou promessa de recompensa. O professor será corrupto quando atribuir nota diferente da extraída da prova, mediante recompensa ou promessa de recompensa. O juiz será corrupto quando decidir de forma diferente da habitual para favorecer ou prejudicar alguém, mediante recompensa ou promessa de recompensa. E o presidente? Será corrupto quando APROVAR MEDIDA PROVISÓRIA DE OCASIÃO, DIRIGIR LICITAÇÃO, DIVULGAR INFORMAÇÃO PRIVILEGIADA etc e tal. Ou seja, quando FIZER ou DEIXAR DE FAZER ALGO fora do padrão republicano. Já que você tem certeza da corrupção de Lula no caso OAS, aponte o ATO DE OFÍCIO PRATICADO. Sim, porque SEM ATO DE OFÍCIO não há como se falar em corrupção.

          1. Rodrigo S. Cruz

            Você reza pela cartilha petista, ponto. Já eu não rezo pela cartilha de ninguém.
            Eu me guio pelos fatos.

            As provas do caso triplex são robustas. Vou citar apenas algumas:

            a) documentos apreendidos na casa de Lula sobre o triplex, na sede da cooperativa Bancoop e na OAS;

            b) notas fiscais da OAS e outras empresas contendo itens da reforma do imóvel;

            c) mensagens de celular de Leo Pinheiro, ex-presidente da OAS, se referindo ao projeto do “chefe” e para marcar com a “madame”;

            d) testemunhos de Paulo Gordilho declarando que tinha conhecimento de que o triplex estava reservado para Lula desde 2011;

            e) testemunho de engenheira da OAS, que disse que acompanhou visita de Marisa e Fábio ao apartamento em agosto de 2014;

            f) testemunho de funcionário da empresa KITCHENS, que confirmou a contratação para duas cozinhas, no triplex e de um sítio em Atibaia;

            g) depoimento de Leo Pinheiro confirmando o esquema criminoso da Petrobras e que se reuniu com Lula para tratar do triplex em 2014;

            h) contradições de Lula em interrogatório.

            Bom aí está. Eu ficarei com isso daí. Fique você então com os teus supostos “ATOS DE OFÍCIO” (rs)

          2. Alessandro Siqueira

            Engano seu. Rezo pela CONSTITUIÇÃO e pelo CÓDIGO DE PROCESSO PENAL. Se te interessar, posso encaminhar minha dissertação sobre o tema. Mas não iria adiantar. Quando a pessoa está disposta a não ver, não há luz que possa clarear.

          3. Alessandro Siqueira

            Ser julgado por um JUIZ NATURAL é o mínimo no Estado de Direito. Leia o artigo 76 do Código de Processo Penal. Se você conseguir ver alguma conexão que justifique a ida do processo para Curitiba, habilite-se como “Amicus Curiae” no julgamento pelo pleno. Já tem até data. Barroso pautou para o dia 14/04/2021, a despeito de a decisão liminar do Fachin não ter sido submetida à segunda turma. Incrível, né? Tem regra de processo para todo mundo e, até onde o regimento interno do STF preconiza, o pleno é para UNIFICAR ENTENDIMENTOS DAS TURMAS. Não é, nem nunca foi, instância recursal.

    2. Rodrigo S. Cruz

      Que isso, cara!

      O presidente não só imitou, como aperfeiçoou diversas das práticas do lulo-petismo.

      Só que para além disso, ele massacrou milhares de brasileiros com a política sanitária que adotou na pandemia.

      Eu não consigo imaginar nem mesmo o Lula fazendo coisas desse tipo:

      atacando o distanciamento, desqualificando vacinas, demonizando o lockdown, distribuindo cloroquina, etc.

      Ou seja, o Bozo é pior não só do que ele, mas pior do que qualquer político que eu já tenha visto.

      Se colocassem um CHIMPANZÉ para sentar naquela cadeira, eu me sentiria mais seguro!

      Rasgo o meu título de eleitor, eu voto nulo, ou voto em branco.

      Mas desses dois populistas cretinos eu quero distância…

      O Brasil precisa urgentemente construir uma candidatura alternativa!

      1. Geailton

        Que isso pergunto eu. Qual a dificuldade em interpretar a responsabilidade que o STF outorgou aos estados e municipios? Se eles definem o caminho a seguir, a responsabilidade é deles

        1. Rodrigo S. Cruz

          O STF só declarou a letra fria da lei, cara:

          ” A União, os estados e os municípios tem competência CONCORRENTE para proteção e defesa da saúde”. (art. 23. inciso XII, da CF)

          Ou seja, a fake news bolsonarista de dizer que o Supremo impediu o presidente de atuar é uma piada!

          Só serve para tentar terceirizar as culpas que são do elemento Jair.

    3. Bruno Gama

      Vou ter que concordar com as últimas palavras que você escreveu na última linha, um presidente que apoia tortura, que não quer vacinar a população, que empurra um remédio que já foi provado que não cura a doença, que troca comando da polícia federal pra não investigar os esquemas dos filhos corruptos, que demite o ministro da justiça por se recusar a acobertar os crimes dos filhos, que coloca um acéfalo pra controlar o Ministério da Saúde na pior crise sanitária do país. Alguém que apoia um sujeito desse é aquilo que você falou no final mesmo.

      1. Geailton

        Eu poderia responder ponto a ponto cada absurdo que você escreveu, mas aí eu justificaria meu ultimo parágrafo do comentário. Abraço

        1. Barocos

          Geaílton,

          Nos faça um favor, tenho certeza que todos os participantes do blog, que todos os cidadãos brasileiros, estão interessados em saber em quais pontos o Bruno Gama tergiversou, omitiu ou mentiu. Saiba de antemão que pretendo rebater cada ponto que você apresentar com links para falas e vídeos do atual mandatário despejando para todos verem, sem o menor pudor, a sua ignomínia e, ainda, com tudo o mais que possa indicar postura e/ou atos indignos de um ser humano, tanto mais grave para alguém que quer apresentar-se como um líder para qualquer coisa.

          Não tenho vergonha de errar, aliás, só seria vergonha se me recusasse a admitir minha ignorância ao ser confrontado com argumentos que desabonassem minhas convicções e opiniões. Com a devida autorização do Dalcim, sim, convém consultá-lo antes, vá em frente e traga luz a este canto da Internet.

          Saúde e paz.

    4. Groff

      Eu não queria entrar nessa discussão, porque acho que aqui não é o espaço, mas vamos lá: eu NUNCA defendi e não defendo o Lula, nem votaria nele em circunstâncias normais. Mas o que você está dizendo é que, por causa de um processo de uma suposta aquisição ilícita de um apartamento (no qual não teria sido provada a inocência), isso faz você votar em alguém que: 1. defende ABERTAMENTE a ditadura (só isso já deveria ser razão suficiente pra qualquer um com MEIO neurônio ter asco dessa figura); 2. já disse várias vezes que pra tudo “melhorar” tinha que ter matado “uns 30 mil” (já conseguiu multiplicar por 10); 3. tem CLARA ligação com milicianos, cuja simples existência é muito mais grave do que 400 milhões de sítios e apartamentos; 4. já fez apologia do estupro e já chamou parte da comunidade negra de vagabundo (não serve nem pra reprodutor; acho que foi isso que ele disse). Isso só da parte que já era clara ANTES de ele assumir. Com esse “governo” que acaba de destruir o que restava da economia eu imaginava que ninguém mais (fora aqueles fiéis de carteirinha) tivesse coragem de defender o cara como opção. E olha que nem me esforcei pra escrever nada disso. Por favor, me ajude a entender (de verdade, não estou sendo sarcástico).

  14. Luiz Fernando

    Quem tiver o cuidado q ver a programação da ESPN para os próximos dias verá q a saída do tênis do Sportv foi um verdadeiro desastre p os aficcionados. Ao menos ate sexta, as transmissões serão em horários limitados, ao contrario da programação integral das sessões diurna e noturna de antigamente. Eu não curto a Globolixo, mas acho q teremos saudades dela no tênis…

    1. Luiz Fabriciano

      Vai ver a parte do lixo era um pequeno exagero.
      Dizem que a Globo manipula a cabeça das pessoas, mas duvido que gente como você seja manipulável por uma emissora de TV.
      Saudações.

      1. Luiz Fernando

        O termo referente a tradicional emissora carioca de jornalismo infelizmente é adequado, ela fez jus a ele por condutas praticadas ha muito tempo, e olha q o termo q segue o da empresa é bem educado, poderia perfeitamente por outros bem mais contundentes…

  15. Oswaldo E. Aranha

    Quero me solidarizar com os que se manifestaram no blog sobre a decisão do STF; não posso entender como por um firula jurídica anula-se uma decisão que já tinha sido homologada em diversas instâncias, favorecendo assim alguém que demonstrou cabalmente sua ambição e desrespeito aos princípios éticos.

    1. Luiz Fernando

      A operação lava jato foi o primeiro momento desde Pedro Alvares Cabral em que os poderosos, milionários, influentes etc responderam verdadeiramente a justiça por crimes. Até ela surgir, só o pobre era alcançado pelos braços e mãos da lei. Em pouco tempo os q dispõe de recursos infindáveis detonaram a operação e o Brasil voltou a ser um dos países em q o crime compensa…

  16. periferia

    Nasci na periferia….cresci na periferia…casei na periferia…mudei da periferia e nesse crepúsculo da vida…voltei para periferia (uma opção pessoal).

    Na periferia convivemos com muitos governos (independente da textura ideológica). Convivemos…não participamos.
    Aqui…a mão do Estado não chega.
    Inclusive muitos não sabem o que é o Estado (não por ignorância…mas por nunca terem sentido sua presença).
    O estado de direito é um conceito abstrato.. não tem relevância nenhuma.
    Discordo do amigo Siqueira…o Estado de Direito não serve a todos…para nós é apenas uma palavra inventada para nos enganar.
    Centenas de pessoas são presas…agredidas…mortas…sem nenhuma defesa por parte do Estado…muitos aguardam julgamentos presos por tempo indeterminado…sem que a justica se faça presente.
    Enquanto isso…quando por caminhos tortuosos se prende corruptos…pessoas que formenta a desigualdade e a injustiça…aparece o Estado Democrático de Direito.
    Pessoas como eu…gostaria do mesmo tratamento (o que a justiça oferece para uma elite privilegiada…deveria oferecer para uma população subterrânea…quase invisível…mas que está aí…).
    A sangria acabou…os privilegiados estão salvos novamente…inclusive devem pedir os 5 bilhões de volta.
    Alguém poderia dizer:
    – Mas aí é barbaria Periferia…
    Sempre foi.

    1. Miguel BsB

      Meu caro Periferia.
      Há mais de 500 anos os poderosos estão salvos no Brasil.
      Posso elencar uma lista bem extensa de corruptos que jamais foram tocados pela justiça, e muito menos pela lava à jato.
      Surpreende me você defender a prisão comprovadamente arbitrária do único presidente que tivemos oriundo da…Periferia…
      Todos, repito, todos, os demais, jamais tiveram o aparato judicial no seu encalço como vimos nesses últimos anos. Por que será?
      Desde a redemocratizacao: Sarney, Collor, FHC, Serra, Aécio, Temer, só para listar caciques presidentes ou ex presidênciáveis. Todos livres, a maioria em cargos políticos, intocáveis. Não passaram nem de perto pela caçada empreendida por Moro e seus procuradores…
      Acho isso o óbvio, de fácil observação pra quem é desprovido de paixões políticas e entende um pouco da história, sociedade, e direito do nosso país.

      1. Miguel BsB

        Esqueci de adicionar nesta lista o senhor da nova política, caçador de marajás 2.0, e sua grande família, em que pasme, praticamente todos estão em cargos políticos…
        Se auto nomeiam pelas alcunha de 01, 02, 03, 04, e devem ter mais por aí.

        1. Rubens Leme

          Acho que nós dois somos os únicos de esquerda aqui, MIguel, e ainda por cima, palmeirenses. Não podia estar em melhor companhia. Como prometi a mim mesmo não entrar mais nestas discussões aqui (vim pra me divertir e falar de tênis e outros assuntos “alienantes” e nem respondo mais provocações), passo o bastão para vc.

          Um abraço.

          1. Sérgio Ribeiro

            “ Acho que nós dois somos os únicos de esquerda por aqui “ . Sinceramente e’ sem medo de errar a coisa mais absurda que li neste Blog desde os primórdios do mesmo …

          2. Miguel BsB

            Leme, temos muito em comum. É uma grande honra para mim, porque você é um dos integrantes mais cultos e que mais admiro por aqui.
            Somos muito parecidos sim. Palmeirenses, fãs de esportes em geral (você um jornalista com diversos trabalhos no ramo e muita bagagem), gostos musicais muito parecidos também (apesar de nem de longe eu ter o seu conhecimento no assunto, e seus textos são sempre enriquecedores).
            Politicamente, me considero de centro esquerda, ou um Social Democrata, na acepção teórica da Social Democracia. Não confundirem com o PSDB, que há décadas não é mais um partido social democrata, se chegou a ser algum dia. A Social Democracia deles ficou só no nome…
            De vez em quando faço uns comentários políticos por aqui, mas tenho evitado, para não sair da temática do blog e transformar o Blog do Mestre Dalcim em blog político.
            PS: Acho que temos mais esquerdistas por aqui no blog…rs

        2. Gildokson

          Concordo plenamente com tudo que você disse Miguel
          Moro e sua turma nunca estiveram preocupados com o roubo, e sim com quem era o “ladrão”. Totalmente ao inverso do que seria o papel de um juiz.

          1. Rodrigo S. Cruz

            Aham.

            O Aécio, o Ciro Nogueira, o Arthur Lira, o Rodrigo Maia (“botafogo”), o Serra, o Beto Richa, dentre outros te mandam abraços!

            Pois todos eles foram atingidos pela “seletiva” Lava-jato e as suas ramificações.

        3. Rubens Leme

          Miguel, também como você, preferi me afastar de polêmicas no blog e por uma razão bem egoísta: estou velho demais pra me incomodar com opiniões de pessoas que não conheço, nunca conhecerei e jamais fizeram e farão parte da minha vida.

          Como sabiamente disse José Yoh neste espaço, semanas atrás, antes gastávamos poucas linhas para pessoas que realmente gostávamos, hoje gastamos tempo e linhas demais com quem detestamos”. Na verdade, a escrita dele era mais elegante e sucinta, mas a ideia geral era essa.

          O importante é que vem de encontro desde quando voltei e prometi a mim mesmo, de não entrar em polêmicas, por isso falo de tênis, futebol, música, cinema, xadrez, enfim qualquer assunto sem responder às provocações o que não significa que elogie alguém quando gosto do que leio, seja um texto seu, do próprio Yoh citado, do perfeirria Marcílio, Marcão, etc.

          Assistimos hoje muitos “arrependidos em terem votado no Bolsonaro, mas era ele ou roubalheira do PT de novo”, posando agora de defensores da democracia e tentando se isentar do caos atual. Essas pessoas têm sua parcela, sim, de culpa, diferente de nós dois, que votamos no Haddad.

          Por isso, não acredito em nada do que escrevem ou falam agora,, pois aposto que votarão novamente nele se for contra o Lula (e tenho uma impressão que ainda o proibirão de concorrer até lá), mas enfim, deste blog, como em qualquer outra coisa da minha vida, tento extrair só o que me interessa, deixando o resto na lata de lixo.

          Assim, procuro sempre me divertir com o que leio e se as pessoas quiserem me xingar, que o façam.

          um abraço a você e a todos que ainda me fazem querer voltar até aqui pra conversar. E desconfie sempre dos “arrependidos”.

      2. periferia

        Olá Miguel

        Seu texto coloca bem sua posição…a qual respeito muito.
        O único problema é quando vc fulaniza (esse foi o problema da sentença da segunda turma…se fulanizou o julgamento…tanto…que alguns juízes…avisaram que aquela sentença era válida apenas para aquele caso…quando sabemos que não será assim).
        Eu não defendo a prisão de uma pessoa que cometeu crimes…eu defendo a prisão de todos que cometeram crimes (principalmente da periferia…tem que oferecer exemplo).

        Alguém citou Maquiavel…cito também:
        “Na política a ética é utilitária e a moralidade deveria ser medida com base em atos que sejam úteis à coletividade…mesmo que com isso acabe ferindo valores individuais”.

        Eu considero as prisões…”úteis à coletividade”

        Abs Miguel

        1. Miguel BsB

          Ah, o sempre polêmico Maquiavel…não por acaso seus escritos e pensamentos permanecem atuais após 500 anos. Todo governante deveria lê-lo, relê-lo e entendê-lo…
          Maquiavel é um realista político, descreve e atua na política real, a política como ela é, e não como deveria ser. O deveria ser permanece no campo da utopia, do idealismo. É muito bonito, cativa o pensamento coletivo, mas não se verifica no mundo real.
          Ele estabelece que a ética e moral cristã não podem ser sempre aplicadas por um governante nas relações de política e de poder, mesmo pelos governantes corretos e justos. Por que? Porque seus rivais não atuam nesse sentido para obter o poder e derrubar O Príncipe. Simples assim. Ele está correto. “Pois um homem que queira fazer em todas as coisas profissão de bondade deve arruinar-se entre tantos que não são bons.”
          Não é a tôa que o adjetivo Maquiavélico significa perfídia, falsidade. Ele foi e é execrado pela Igreja. Mas é um conceito errôneo, na minha visão. Mesmo o Princípe justo, correto, que trabalha pelo bem da população, do seus súditos, não pode ser ingênuo e agir na confiança, na ética e na moral quando lida com rivais e adversários políticos, nacionais e estrangeiros. Seguindo sempre estes princípios utópicos, ele seria facilmente deposto, e colocaria em risco os seus súditos de serem governados por príncipes injustos, tirânicos e perversos.
          Resumindo, vou transpor o pensamento maquiavélico para nossa política contemporânea: Dilma Rousseff se negou a fazer acordo e se envolver na eleição da Câmara dos Deputados, e deixou eleger-se um inimigo político e um crápula, Eduardo Cunha. Ela e seu Partido se negaram a fazer acordos com ele, se negou a protege-lo. Resultado, agiu conforme a ética. E foi deposta…
          Seu partido, por um falso republicanismo, não se envolveu e permitiu livremente a PGR eleger seus Procuradores Gerais, através de uma lista tríplice. Permitiu que a PF agisse livremente. Permitiu que uma operação judicial/policial, que logo se demonstrou uma operação também com fins políticos, agisse intocada…o resultado final todos sabemos. Ela foi deposta e o principal líder do partido, um ex presidente, foi preso, algo que permanece inédito na história do país.
          Ao contrário, os seus sucessores no principado de Banânia, escolheram a dedo seus PGR, descartaram de imediato a tal da Lista Tríplice. Envolveram-se fortemente nas eleições da Presidência do Congresso, com compras descaradas de apoio político. Colocaram aliados no comando da PF. Lutaram sem grandes pudores para abafar escândalos de corrupção.
          Quem agiu de acordo com a moral e a ética, por um sentido de republicanismo, foi apeado do poder. Os interesses que representava, foram prejudicados.
          Quem agiu sem preocupações éticas e morais, obteve, permaneceu e permanece no poder. Os interesses que representam, continuam a salvo.
          Aí está o pensamento de Maquiavel descrito na prática.
          Quem está correto? Quem está errado? Quem permaneceu no poder, quem foi apeado?
          Desculpe o longo texto Dalcim, a parte da finalidade do blog. Fico por aqui.

          1. Barocos

            Miguel,

            Belo texto e um excelente sumário das teses do Maquiavel e do seu contundente realismo político. Fosse o Brasil mais avançado social e politicamente, eu diria que as suas teses já teriam se tornado defasadas, mas são muito poucas as nações que podem reivindicar tal feito, talvez se conte nos dedos de uma mão, e nós não estamos entre elas.

            É inegável que o Brasil, nos dois ciclos de presidência do ex-presidente, apresentou muito bons índices de desenvolvimento econômico e social, muito em função do momento mundial, infelizmente, também foi um período onde a corrupção se acirrou e onde se tornaram claras as relações promíscuas entre agentes de Estado e a elite econômica brasileira. No poder, o ex-presidente se comportou como se estas relações fizessem parte do jogo democrático, não fazem, ou não deveriam fazer. Para piorar, nunca ouvi uma auto-crítica dos líderes do partido e muitos dos integrantes que possuíam o meu respeito optaram por deixar o partido, o quê não é um bom indicativo. A favor do ex-presidente, sua disposição de procurar o diálogo com todos os representantes da sociedade e com todas as nações do nosso belo planeta azul.

            Sobre a Dilma, é lendária a falta de habilidade política e de articulação da mesma. Os danos que ela acabou causando aos movimentos que defendem teses humanistas, e o consequente “show de horrores” que se instalou no Brasil, esta coisa grotesca a que somos obrigados a assistir estarrecidos, não devem ser subestimados jamais. Sobre o ex-presidente da câmara, não é de bom tom pronunciar o nome daquele crápula, famoso pelos “esquemas” na extinta Telerj e pela farra de gastos pagas pelo erário, inclusive com injustificáveis excursões pelo exterior, e com direito a acompanhantes.

            Mais do que a corrupção, algo já muito grave, o que mais me incomodou em todos os anos do PT, todos eles, no poder, foi a farra dos juros, algo que quase todos que possuem um pouco mais de dinheiro prefere omitir, beneficiados que foram, como se tivesse sido algo normal ou justificável. Não era e foi um dos principais responsáveis pela derrocada econômica brasileira assim que a bonança no cenário mundial se extinguiu.

            Saúde e paz.

      3. Rodrigo S. Cruz

        Miguel,

        sei que divergimos bastante nesse tema, e não quero aqui te aborrecer em nada.

        Mas me permita te dizer somente isso:

        se a Lava-jato fosse tão seletiva como apregoam, ela não teria chegado em políticos de diversas matizes.

        Não só o Lula. Mas Aécio, Serra, Arthur Lira, Ciro Nogueira, chegou em TODOS ELES.

        E foram todos absolvidos por quem?

        STF.

        Nenhum brasileiro que sinta aversão à impunidade aguenta mais um tribunal como esse…

        Abs.

        1. Miguel BsB

          Meu caro Rodrigo, respeito sua opinião. Sempre irei respeitar opiniões bem colocadas de maneira civilizada e respeitosa. Não me aborrece em nada…
          Abraço!

    2. Jose Yoh

      Continuo sendo a favor do Lula preso. Deve pagar por tudo que roubou. Assim como muitos outros no passado e no presente.
      Também sou a favor de um STF menos político, igual para todos. De preferência eleito por nós!

      Agora sobre direita, esquerda…

      Temos um presidente de extrema direita que mete o dedo demais nas estatais. E não as vende… Arranca um dinheiro de onde não pode para manter benefícios sociais (não estou aqui discutindo a necessidade desses benefícios).

      Tivemos um presidente de esquerda chegado a fazer conglomerados evoluírem – de forma pouco lícita digamos. E injetando dinheiro via BNDES em mais um punhado de empresas.

      Tudo com objetivos políticos e individuai$$. Direita e esquerda vão para diversos lados de acordo com interesses, não mais pela ideologia. Esse conceito já morreu pessoal.

      1. Rafael Azevedo

        Hoje, o conceito de Direita e Esquerda está ficando mais relacionado à guerra da revolução cultural do que às políticas econômicas.
        Basicamente assim:
        Direita = Conservadores;
        Esquerda = Progressistas.
        Não dá para generalizar. Tenho um colega de trabalho que se diz “comunista-conservador”. Ele defende o “estado ao máximo”, inclusive para retirar dinheiro dos mais ricos para dar aos mais pobres, ao mesmo tempo que é contra o aborto e contra a legalização das drogas…
        Mas, no geral, esse sistema de equações acima é válido!

        1. Jose Yoh

          É bem por aí mesmo. Um pouco assustador a polarização fazer voltar um conservadorismo tão extremo, lembrando regimes que fizeram sucesso em períodos de crise e que foram os fatores geradores de guerras no passado. Puro desespero.
          Mas independente de qual o conceito real de direita ou esquerda, no Brasil o que direciona as ações de cada regime é o interesse político e o próprio bolso mesmo.

  17. Rubens Leme

    Dalcim, Lendl reclamava que o Zverev precisava ganhar massa muscular e mais condicionamento físico e pelas fotos atuais ele atingiu o objetivo porque ele está enorme. Ou é impressão minha?

  18. Evaldo Moreira

    Bom dia,

    Bom, não gosto muito de discutir política, religião, e polêmicas que não levam a lugar nenhum, ainda mais com pessoas sem o menor entendimento, fato.

    Vendo o que STF fez ontem, declarando o Moro como parcial na conduta dos processos, obviamente, claro, a se basear no crivo técnico, e no ritual de processos técnicos, aonde deveriam tramitar, fato, isso é algo que demorou alguns anos para entenderem, reitero que, não sou lulista,petista e muito menos bozomista.

    Além disso, ficou claro, que as mensagens dos hackers teve influência sim, para alguns aqui o contrário, mas Deltan e companhia, também usaram da lava jato para fazer palestras e ganhar dimdim, fato comprovado ou não , pelas matérias da UOL, ai ficam a critérios de vocês, se é verdade ou não, o que me estranha é, que quando perguntado sobre as mensagens: Tanto o Sérgio Moro e Deltan Dalangnoll se esquivaram, quem não deve, não teme, velha e clássica frase das antigas.

    Por último, concordo com alguns aqui, o Brasil deu um passo enorme para trás, e o estrago foi norme, e 03 esferas do poder , estão com a imagem arranhada, e enquanto tiverem esses juízes ai, tenho vergonha de pronunciar o nome deles, infelizmente quem paga somos nós, entre as opções apresentadas pelo senhor Rodrigo, que fez um post bem abalizado, eu não tenho como seguir a opção 03 – Aeroporto, então é esperar e ver o que acontecerá em 2022, que vai ser dificil, anotem caros blogueiros.

  19. Alessandro Siqueira

    Já que o STF virou pauta nessas paragens, ANTES TARDE QUE NUNCA. Os métodos de Moro sempre foram completamente estranhos à ordem vivida e só não via isso quem era adepto da tese: INIMIGO DO MEU INIMIGO É MEU AMIGO. Aos que ainda não têm ideia do que seja democracia, fica o lembrete: O ESTADO DE DIREITO SERVE A TODOS, INCLUSIVE ÀS PESSOAS DE QUE NÃO GOSTO.

      1. Rodrigo S. Cruz

        Uma pena.

        Temos visões totalmente distintas.

        De todo modo, assista o link que deixei pra você abaixo da tua resposta…

        1. Barocos

          Dalcim,

          Me permita, lastimavelmente, quebrar minha promessa acerca do deprimente desenlace do julgamento do ex-presidente. Não o farei novamente.

          Rodrigo,

          Lamento, mas, uma vez mais, vou discordar de você e, consequentemente, do jornalista da Band.

          Como já disse, e vou reforçar aqui, não foram os vazamentos ilegais que culminaram por fornecer ao Gilmar Mendes as ferramentas que tanto queria para invalidar o julgamento do ex-presidente, foram, em vez disto, os erros na condução do processo, foram as conversas fora dos autos, foram as quebras de sigilo ao arrepio da lei, inclusive com escutas telefônicas autorizadas para o telefone da banca advocatícia da defesa, uma abominação do ponto de vista jurídico e ético, foram as espetaculosas conduções coercitivas antes de solicitações/convites formais para que o réu prestasse esclarecimentos, foram muitos erros em um processo tão importante. Tudo devidamente documentado, alguns deles nos próprios autos.

          Sobre o que parece ser seu ponto, o jornalista da Band usou uma declaração de um juiz sobre as mensagens hackeadas para reforçar os seus argumentos, só que a ilegalidade da utilização das mesmas como provas processuais nunca esteve em questão, sempre foi ponto pacífico que não poderiam ser utilizadas. Toda a análise que o citado jornalista então desenvolve não passa de um exercício fútil e inconsistente, já que foi baseado em um ponto que não estava em discussão.

          Talvez você não tenha notado, mas deixei clara minha falta de apreço pelo Gilmar Mendes (Gilmar, se estiver lendo estas linhas, o que eu duvido, não fique triste não, viu?). Vejamos alguns motivos: o Exmo. Ministro jamais se declara impedido de julgar HC nos casos onde possui amizade pessoal com o julgado (como no famoso caso do Sr. Barata, do RJ), não considero esta uma atitude ética, mas não existe impeditivo legal; o Exmo. Juiz não se faz de rogado em diminuir, e mesmo humilhar, os seus desafetos ou contendores quando a oportunidade lhe aparece, como todos puderam observar no julgamento sob análise, em suas declarações sobre as deficiências do vernáculo do Moro, sobre as manobras do Dallagnol e em seu ataque às posições que o Exmo. Juiz Nunes Marques manifestou para embasar seu voto, algo totalmente desnecessário, chocante e embaraçoso. Minha opinião sobre a argumentação do Exmo. Juiz Nunes Marques, como já disse, foi a de que o mesmo cometeu um erro crasso e não se ateve ao objeto em discussão, seu questionamento sobre a utilização do HC em favor do ex-presidente foi lamentável, tão equivocada que foi.

          Peço que releia o link que forneci.

          Sei bem que o tema suscita paixões, mas defendo, que, tal como ocorre em engenharia, seja utilizada uma abordagem analítica, com atenção máxima aos detalhes, com foco no que é importante, naquilo que compõe o cerno do objeto estudado e no respeito aos ritos estabelecidos, infelizmente o Sr. Sérgio Moro e a MPF de Curitiba foram descuidados, como quando tentaram justificar como falha humana o “grampo” do telefone da banca de advogados, isto não é admissível num processo de tamanha importância. De novo, reforço o meu ponto, a fatalidade associada à declaração de suspeição e a anulação do processo, com o agravante que todas as informações colhidas foram invalidadas, sendo necessário, neste caso, recomeçar do zero, são de responsabilidade do ex-juiz e da MPF, frutos que foram da falta de profissionalismo dos mesmos.

          Discordo, ainda, de muitos pontos-de-vista manifestados aqui. O respeito ao Estado de Direito e ao acordado nas leis é justamento o que separa os estados democráticos dos totalitários, é o que nos protege de arbitrariedades dos detentores do poder. Não é perfeito, mas não há como sê-lo, sendo frutos de seres em constante aprendizado, que é o que todos somos. Como bem resumiu Winston Churchill: “Democracy is the worst form of government except for all those other forms that have been tried” (tradução livre: “Democracia é a pior forma de governo, exceto por todas as outras formas que foram tentadas”), por ele atribuída a outrem.

          De minha parte, considero o tema esgotado para este espaço, estamos nos desviando sobremaneira da linha editorial do blog. Além disto, não sou especialista no tema e minhas opiniões são construídas a partir de uma coletânea de conversas, argumentações e leitura da opinião de estudiosos do assunto, alguns dos quais muito próximos a mim, o que, por si só, não me habilita a postular notório saber.

          Saúde e paz.

          1. Rodrigo S. Cruz

            Bom,

            eu discordo totalmente da sua análise, que considero muito equivocada, em praticamente tudo.

            E discordo sobre a inconsistência na fala do jornalista.

            Aliás, o voto do Min. Fachin que eu assisti na íntegra, foi brilhante, irretocável e absolutamente técnico.

            Bem ao contrário do voto inconsistente, infamante, cínico ao extremo, e arrogante do Gilmar Mendes.

            Abs.

    1. Marcelo Costa

      Excelente comentário, sugiro aos críticos ouvir podcast café da manhã de hoje, ele trata de forma jurídica o tema.
      Muito bom sua explanação

        1. Alessandro Siqueira

          Poder de síntese advém de muita leitura. Sim, quando a fala tem base sólida, não precisa dar voltas.

        2. Marcelo Costa

          Ele a mim foi claro, sucinto e assertivo, a você não foi? Ok podemos ir pra próxima, essa fila andou.

  20. Maurício Luís *

    O Nadal, por ser figura pública e famosa, foi chamado pra uma audiência com o prefeito da sua cidade.
    ” – Sr. Nadal, aqui vamos ter lockdown inclusive com barreiras sanitárias. Vamos lhe dar duas opções.
    Letra A – ficar em casa na companhia da sogra;
    Letra B…”
    E o baloeiro interrompe:
    ” Letra B!! Tamo junto. Bêêêê!”

  21. Rubens Leme

    MUDDY WATERS – ELECTRIC MUD (1968)

    Muitos estranham Electric Mud, afinal é um disco de blues psicodélico e com uma cover dos Rolling Stones, quando normalmente eram os ingleses que regravavam Muddy Waters.

    Os tempos, no entanto, eram outros, de baixas vendagens, de ostracismo e Marshall Chess percebendo isto chamou a banda Rotary Connection e tentou revitalizar o som de um dos pais do blues elétrico. Segundo Muddy, a guitarria miava feito um gato e a bateria foi gravada muita alta.

    Marshall queria chamar o disco de Electric Niggers, para horror do pai, o legendário produtor e fundados da Chess, Leonard, que vetou imediatamente a ideia.

    O disco não foi muito bem recebido na época, mas os anos o transformaram em um clássico, sendo um dos favoritos de Peter Cosey (guitarrista de Miles Davis, na década de 1970) e que descobriu que Jimi Hendrix o ouvia antes de tocar ao vivo.

    https://music.youtube.com/watch?v=nsDDwJjIA58&list=OLAK5uy_kflNl4y9x53D4e-T15fSQvORaeTuUnnic

  22. Rodrigo S. Cruz

    Com a decisão de hoje do STF, o Brasil foi empurrado para três opções. Duas das quais, FUNESTAS:

    1. Bolsonaro

    2. Lula

    3. o Aeroporto

    1. Marcilio Aguiar

      Espero que não tenha que escolher entre a 1 e a 2, porque a 3 não esta ao meu alcance e, se estivesse, não a utilizaria por uma questão de princípios. Entretanto, se tiver que ser eu não tenho a mínima dúvida em votar no 2.

      1. Jose Yoh

        Acho que temos uma outra opção, não votar em nenhum dos dois. Voto útil sempre foi a escolha do menos pior, e não reflete a vontade da população.
        Depois precisamos escutar coisas do tipo “Queira ou não, foi eleito com a XX% dos votos”, o que é uma falácia.

        Precisava ficar claro que uns 40% não compactuam com o pensamento (se é que pensam) de um Lula ou um Bolsonaro. Isso enfraqueceria os dois lados e apareceriam soluções bem melhores – o que é bem fácil diga-se de passagem. Pior que está não fica.

        1. Marcilio Aguiar

          Prezado Yoh. Esse pensamento é tentador e em 2018 cheguei a flertar com ele, quando o meu voto do primeiro turno não foi em nenhum dos finalistas, mas ao ver o que estava em jogo, eu não tive a menor dúvida (e o tempo me deu a certeza de que fiz a escolha correta com a minha consciência) em votar no Haddad. Abc.

          1. Jose Yoh

            Faz sentido, principalmente depois de tudo o que aconteceu e as barbáries do governo atual. Fora a ameaça constante de uma volta da ditadura.
            Eu continuo preferindo uma terceira via, mas é bem claro para mim que você também está correto. O mundo não é preto ou branco.
            Abs.

    2. Alessandro Siqueira

      Olha que o Aeroporto estará lotado, como nos áureos tempos de Lula, onde o dólar caiu de quase 4 reais no final de 2002 para menos de 2 reais em 2010. Onde o salário mínimo contou com GANHO REAL, calculado na base do CRESCIMENTO DO PIB. “Onde até as domésticas iam à Disney”, consoante Paulo Guedes. Houve corrupção sim, vide o MENSALÃO, consistente na COMPRA DE APOIO POLÍTICO. Uma compra que, à toda evidência, era também uma VENDA DE APOIO POLÍTICO. Ou alguém compra sem que outrem venda? Então vamos ser honestos para manter uma INDIGNAÇÃO INTEGRAL, e não seletiva. Tudo o que passa disso é ira contra os avanços sociais, porque em termos de corrupção ela está presente em TODOS OS PARTIDOS, vide os mais de 30 implicados do PP na lava jato. Alguém aí já viu uma placa “FORA, PP”?

      1. Luiz Fabriciano

        Caro Alessandro, esse avanço do salário mínimo, listado em seu comentário, é uma das coisas menos percebidas pela maioria das pessoas.
        Onde vivo, cheguei a pagar 4 salários de aluguel em uma casa comum – e pagava bem.
        Hoje não pago mais aluguel, mas a mesma casa, deve cobrar atualmente do inquilino, cerca de 1.300 reais no máximo. Imagina ela valendo ainda os mesmos quatro salários. Estaria às traças.

        1. Alessandro Siqueira

          O aumento do poder de compra do salário mínimo é um fato e está associado aos governos petistas. Vale lembrar que em 2002 o dólar chegou perto de 4 reais com um mínimo de 200 reais. Ou seja, o salário nacional mal passava de 50 dólares, sendo certo que FHC dizia ser meta um mínimo de 100 dólares, o que não ocorreu. No final do governo Lula em 2010 a moeda americana não chegava a 1,70 e o mínimo era de 510 reais. Portanto, 300 dólares. Tais dados são realidades históricas, quer se goste, quer não se goste.

      1. Jose Yoh

        Realmente triste caro LF. Esse tipo de coisa acontece em tempos onde qualquer coisa é melhor que a situação atual. Aceitamos “pequenos furtos” (desvios bilionários como nunca se viu no país) em troca de alguns avanços sociais.
        Lembra-me a frase dos malufistas na década de 80, “rouba mas faz”.

        É exatamente por isso que estamos nesse precipício aqui.

    3. Sandro

      Tem a opção 4. FERNANDINHO BEIRA-MAR, já que o STF rasgou a Constituição de 1988 e o STF também rasgou a LEI DA FICHA LIMPA, então porque FERNANDINHO BEIRA-MAR também não pode concorrer à Presidência da República???
      Nojo ? desses VAMPIROS ?‍♂️ DO STF!!!

  23. Rodrigo S. Cruz

    23 de março de 2021.

    Guardem bem essa data que será lembrada, com infâmia, nos livros de história, como o “Dia Nacional da Impunidade”.

    O STF declarou a suspeição de Sérgio Moro.

    E com todas as vênias àqueles que nunca viram com simpatia o ex-magistrado, o julgamento de hoje no STF foi um circo!

    E circo esse em que os verdadeiros palhaços somos nós…

    Gilmar Mendes no alto de um autoritarismo canhestro e hipócrita, e ecoando uma retórica imunda, ESGANOU e triturou a verdade para se criar uma realidade fictícia.

    Assim, é sepultado um trabalho honroso, cheio de esmero, e com amplo apoio popular, para fazer o Brasil regredir décadas na luta contra a corrupção…

    Todas as evidências coligidas, incluindo audiências, diligências, testemunhos e provas documentais, TUDO INCINERADO e atirado na lata do lixo, por apenas 3 juízes desqualificados e sem caráter!

    E que basearam seus votos em provas de todo imprestáveis, não periciadas ou sequer autenticadas, encontradas na posse de hackers vagabundos, e ao arrepio de tudo que prevê no ordenamento:

    legalidade, devido processo legal, contraditório, e ampla defesa.

    E ironicamente com imparcialidade ainda maior do que aquela a que atribuíram ao ex-magistrado.

    Gilmar Mendes, por exemplo, foi incansável na sanha de demonizar o ex-juiz para a mídia.

    Inclusive comparando a mais bem-sucedida operação de combate ao crime, da história do país, de (acreditem) “esquadrão da morte”.

    Que hoje anulou, fazendo uso de Habeas Corpus, remédio também INADEQUADO para discussão de tema atinente à suspeição.

    Sem oitiva nenhuma dos ex-procuradores, ou do ex-juiz natural da Lava-jato de Curitiba.

    Num faroeste às avessas, no qual o vilão condenado em 3 instâncias da Justiça, em assunto discutido e rediscutido no PRÓPRIO no STF, ganha contornos de inocência, e que os mocinhos que o julgaram, são sumariamente execrados.

    E isso sem a MÍNIMA chance de serem ouvidos ou apresentarem defesa.

    O resultado imediato é que todas as provas do caso do Tripléx se perdem, e a apuração volta ao zero.

    Ou melhor dizendo, não haverá apuração nenhuma dos notórios crimes praticados pelo ex-presidente da República.

    Já o resultado mediato será uma ENXURRADA de pedidos ao STF de anulações de condenações assinadas pelo ex-julgador…

    Também de forma irresponsável, a horrenda Corte empurra o país para uma maldita polarização.

    De um lado, um lavador de dinheiro que fez da corrupção um projeto de poder. De outro, um também ladrão, e para piorar assassino, responsável pelo sacrifício de centenas de milhares!

    Não é de se espantar, senhores, e por favor, não me interpretem mal com essa analogia:

    que há 2000 anos a turba tenha gritado, a um tempo, pela soltura de um Barrabás e a crucificação de um Cristo.

    Mas parafraseando Pilatos, naquela ocasião, eu igualmente digo:

    LAVO AS MÃOS!

    1. Sérgio Ribeiro

      Assino embaixo exceto você garantir que a terceira via seria apenas o Aeroporto. Esses dois facinoras não terão mais de 30% cada ao final de 2022. Logo poderemos sim ter uma terceira via no segundo TURNO. E se acontecer, quem passar leva . Lembremos que nenhum dos delinquentes levou nada no primeiro TURNO. A conferir mesmo com as famosas abstenções… Abs!

    2. Barocos

      Rodrigo,

      Embora eu ache lamentável que um ex-presidente que compactuou com os esquemas de corrupção tenha seu julgamento levado à estaca zero, vou reforçar o que disse em outra postagem: não podemos culpar ninguém por isto que não o ex-juiz Sérgio Moro e os membros do MPF em Curitiba. Não se conduz um processo legal de tamanha relevância sem estrita observância aos ritos legais, faltou profissionalismo. Ao cruzar a barreira entre justiça e justiçamento, plantaram a semente da ruína em tão importante e necessária atividade de combate à corrupção em nosso país. Note que os mesmos já haviam sofrido reprimenda do falecido Teori Zavascki. Infelizmente, a sucessão de deslizes culminou com o desditoso resultado de ontem.

      Sobre sua interpretação sobre os argumentos levados a cabo, discordo deles, não foram os vazamentos que levaram à declaração de suspeição do Moro, embora possam ter influenciado a reversão do voto da Cármen Lúcia. Inclusive, o mais novo empossado juiz, Nunes Marques, cometeu flagrante incúria ou mesmo erro técnico, na minha opinião algo grave para quem está na posição na qual está, em seus apontamentos, e por isto foi rebatido pelo Gilmar Mendes, pelo qual não tenho qualquer apreço, Lewandowski e pelos argumentos que a Cármen Lúcia utilizou, que foi extremamente cuidadosa na articulação do seu voto. Há que se notar, ainda, a patacoada protagonizada pelo Fachin, que ao perceber a iminente derrota, monocraticamente determinou a anulação das sentenças e transferência dos processos para uma instância em Brasília, o que tumultuou ainda mais o processo e causou espanto no mundo jurídico.

      Você não precisa concordar com o que eu disse, ainda mais que não sou especialista no assunto, mas lhe convido a ler, e estendo o convite aos outros participantes do blog, os argumentos muito bem expostos e elencados em:
      https://www1.folha.uol.com.br/poder/2021/03/supremo-da-recado-ao-judiciario-apos-endossar-por-anos-os-atos-de-moro.shtml

      Há a nossa aspiração por justiça e há a lei, infelizmente, nem sempre uma é espelho da outra.

      Saúde e paz.

      1. Barocos

        Apenas para complementar.

        Em relação à minha última afirmação na postagem anterior, devo ressaltar que ela se aplica às pessoas com elevado apreço à ética, algo com o qual não podemos, e não devemos, contar. Este, aliás foi um ponto de discordância entre mim e o Rafael (hey, Rafael, mande notícias quando possível). Tenho sérias reservas sobre os limites facultados aos julgadores e prefiro sistemas que deixam estes limites muito bem explicitados, daí uma certa antipatia que tenho pelo sistema vinculante de jurisprudência (para quem se interessar, procure por súmula vinculante) utilizado no sistema americano (e agora, em menor grau, no brasileiro), com seus numerosos casos de vai-e-vem. Ainda, reina uma certa confusão sobre nossa constituição acerca do que constitui as chamadas cláusulas pétreas e seu domínio, e sobre as leis ordinárias e complementares. São as últimas as fontes das muitas brechas e omissões que tornam nossa justiça tão ineficiente, e há forte suspeição que, em muitos casos, isto é proposital.

        Por fim, na mesma linha da citada afirmação, convém lembrar que, infelizmente, nem tudo que é legal também o é ético, daí a necessidade de se escolher muito bem os membros do poder legislativo.

        Dalcim, perdão por minha participação em tema tão estranho à vertente editorial, não pretendo me manifestar mais sobre o assunto.

        Saúde, paz e justiça para todos os homens justos e honrados, a dura lei para todos os outros.

      2. Rodrigo S. Cruz

        Barocos,

        considero simplesmente absurda, e equivocada a milésima potência essa leitura que você faz em relação ao voto do Kássio Marques, e principalmente ao do Gilmar.

        (apesar de achar a indicação do Kássio horrorosa)

        Vamos fazer uma coisa? Hoje eu estou totalmente sem tempo pra escrever.

        Mas vou deixar pra você a opinião de um jornalista, no trecho em que ele comenta tudo.

        Se você quiser saber boa parte do que eu penso sobre esse assunto clique nesse link e ouça até o final:

        https://www.youtube.com/watch?v=udl2unAcWb4

    3. Alessandro Siqueira

      Juiz não é, ou não deveria ser, parte. Isso é elementar até em Maquiavel: “aos amigos tudo, aos outros a lei”. A lei, regra do jogo, não pode(ria) ser negada a ninguém.

  24. Rubens Leme

    3158 mortes em 24 horas no país que é modelo de combate à pandemia segundo o Bozo enquanto o mi(ni)stério da Saúde diminui a projeção em 10 milhões o número de vacinas no Brasil.

    Uma ironia: hoje Sorocaba resolveu fechar as entradas da cidade com barreiras, mas não via problemas algum em mandar o time do São Bento até o Rio de Janeiro para jogar com o Palmeiras, ontem, que não se realizou porque o maior do Brasil achou um absurdo. (https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/agencia-estado/2021/03/23/sorocaba-decide-fechar-entradas-com-barreiras.htm)

    E o prefeito de Volta Redonda topa sediar jogos do Paulistáo, pois recebeu 10 respiradores da Federação Paulista. O brasileiro é um povo cínico e canalha e indiferente com a dor e o desespero do próximo – https://globoesporte.globo.com/rj/futebol/noticia/prefeitura-de-volta-redonda-decide-liberar-apenas-jogo-desta-terca-na-cidade.ghtml

  25. Paulo Almeida

    No Australian Open, Djokovic venceu mais sets do que o Zverev (sendo um 6-2, um 6-4 e um tie-break pra cada lado), além de ter feito mais winners e mais ACES do que o grande sacador alemão. Como assim o GOAT dono da principal década do tênis jogou pior? Kkkkkkk

    É cada sandice sem noção que a gente vê por aqui…

    1. Renato Aquino

      Para mim este foi o melhor jogo do torneio. Zverev jogou muito bem e perdeu. Mas, de fato, o fanatismo cega alguns…

      1. Paulo Almeida

        Acho que Nadal X Tsitsipas foi o melhor, ainda mais com a virada espetacular do grego. Porém, esse grande embate vem logo em seguida e, se alguém conseguiu momentos para respirar com alguma superioridade, esse alguém foi o Djokovic, especialmente no segundo set.

  26. Joaquim Saraiva

    O Karatsev é, portanto, um exemplo vivo de que p jogar tênis profissionalmente e ser competitivo, apenas talento não basta: tem que transpirar muuuuuuito! Viu, Kyrgios? Hehehe…

  27. Rubens Leme

    Dalcim, você ouvia metal brasileiro nos anos 1980, tipo Platina, que lançaram um disco pela Baratos Afins? Era um quarteto paulistano que tinha os irmãos Busic, Adrian e Ivan, que depois formaram o Dr. Sin, com o Sergio Semam nos vocais.

    O som é um tanto tosco, mas cheguei a pegar o LP junto com o do Inox e uns do Golpe do Estado naquele boom do Plano Cruzado, quando todo mundo consumiu tanto que as coisas sumiam das prateleiras por causa do ágio e depois viramos todos “fiscal do Sarney” (foi um também)?

    Ouve aí, Nicky Borham tupiniquim.

    https://www.youtube.com/watch?v=VVxVywrYIqY

  28. Jonas

    O pai do Djokovic fala muita merda, quase toda semana ele solta uma rs. O Djokovic já deve ter dado um toque nele sobre isso, mas é claro que não surtiu efeito algum.

    Não acho que o sérvio tenha que vir a público falar sobre este assunto, já que não vai adiantar nada. Djokovic é responsável por suas ações. Agora, como é o número 1 do mundo, acaba sofrendo hate pelas merdas que o pai fala, nada de novo.

    1. Sérgio Ribeiro

      Incrível vocês não lembrarem ( já que foi pós 2008 rs ) , Novak pedindo desculpas a Federer e Nadal pelas m**das do Papai , e que foi bastante noticiado. A partir dali não vejo necessidade alguma dele precisar ficar defendendo a criança. Nem Titio Toni nunca deu a mínima para o cara. O problema entre eles a meu ver , se restringe a política da ATP de uns anos pra cá. Abs!

      1. Renato Aquino

        É a primeira vez que vejo um fã do Roger Federer admitir isso. É fato que Djokovic já falou com o pai dele sobre esses posicionamentos. Não adianta vir à imprensa e dar um “esporro” público em alguém que ele não tem como controlar.

    1. Sandra

      Aliás , por mais que goste de Djokovic, ele vai dar outro show, vai ter público no atp de Belgrado !Nao posso dizer que a culpa é só dele , vc por acaso viu a multidão de europeus sem mascara protestando contras as medidas de isolamento

  29. Daniel C

    E o pai do Djokovic mais uma vez deu declarações ridículas. E o tenista sérvio mais uma vez não se pronunciou, ficou em silêncio. Ele deve pensar como o pai dele, mas como não pode dar esse tipo de declaração com o risco de se tornar ainda mais impopular do que já é (exceto para algumas pessoas, que o chamariam de “autêntico” rs), deixa o pai dele falar essas coisas para alimentar o ego dele.

    Mas isso só reitera o que eu costumo dizer: essa galera (Djokovic, seu staff e seu pai) é frustrada com o fato do Federer ser o mais popular disparado, e ser considerado pela maioria o melhor tenista que já empunhou uma raquete, mesmo perdendo os recordes. Afinal, aliar resultados a um estilo de jogo bonito e agressivo, isso só o suíço consegue. E isso irrita muita gente. Aos outros, só resta a frieza dos títulos e números mesmo e a sonolência de um estilo pra lá de burocratico (mas eficiente)

    1. Jairo Silva

      Federer é bem popular, mas é muito freguês de Novak. Não tem como ser melhor. Já foi maior por um tempo, por ter muitos recordes na era fraca, mas isso foi há muito tempo. Vai ser superado pela dupla Rafa e Nole….

      1. Sérgio Ribeiro

        E o caro Jairo já era nascido na era fraca ? . No dia que h2h prevalecer sobre N coisas neste Esporte Maravilhoso, , terás razão nas suas análises pra lá de simplistas … Podes crer que na hora que o Craque se retirar , entenderás no ato há tudo que me refiro. Abs!

        1. Renato Aquino

          Você tem um pouco de razão. H2H jamais definirá a grandeza de um tenista sobre o outro. Mas sim títulos, recordes, dominância…

          Federer se tornou o maior tenista da história assim que venceu Wimbledon em 2009. Naquele momento o posto de maior da história era do suíço, de forma quase incontestável.

          Até que surgiu Djokovic, que vem aos poucos tomando esse posto de Roger. Não dá para cravar nada, o sérvio caminha para ser o maior e, na minha opinião, já é o melhor. Djokovic precisa seguir dominando e vencendo para que possa ser mesmo considerado o GOAT.

          1. Luiz Fabriciano

            Renato, o H2H define sim a grandeza de um tenista sobre outro. Exemplos como Federer x Berdych, ou Federer x Cilic não definem a grandeza do primeiro?
            Não define é quem sairá vencedor do próximo embate, mas nas casas de apostas…
            Teve até um fato engraçado de dois tenistas do passado, que um disse ao derrotar o outro, depois de 13 derrotas seguidas: Ninguém ganha de “fulano de tal” por 14 vezes seguidas. Virou uma frase engraçada, usada até os dias atuais.
            Quanto aos títulos, records, definem a grandeza de um tenista sobre todos os outros.
            Grande abraço.

        1. Renato Aquino

          Paulo, concordo plenamente. Novak Djokovic vence seus Grand Slams em cima de tenistas fracos como Blake, Baghdatis, Gonzales…sua colocação foi perfeita. Abraço.

          1. Sérgio Ribeiro

            Essa mania de vocês demonstra total desconhecimento dos fatos. Ninguém vence um SLAM somente no jogo final . Procure saber quem caiu antes da mesma antes de desdenhar de Tenistas que tiveram seus méritos . Deixando a preguiça de lado , pesquise TODOS os oponentes de Björn Borg nas FINAIS de RG . Verás que grandes feras ficaram pelo caminho , o que nada desmerece o Pop STAR . Rafa Nadal venceu SEIS dos TREZE RG , contra oponentes que não eram do Big Four e daí ??? . Só fanáticos podem desmerecer algumas de suas vitórias… Abs!

        2. Renato Aquino

          Sérgio, você deveria dizer isso ao Paulo.

          Eu não acredito em entressafra, mas concordo com Pete Sampras, Federer quando dominou não teve rivais à altura.

          Entressafra já dá a entender que todos eram ruins etc. Não concordo com isso.

          1. Sérgio Ribeiro

            Sampras esqueceu que quem batia nele ( Safin , Hewitt, Roddick , Agassi ) , viraram os oponentes do Suíço. Sem contar um certo Espanhol que virou N 2 já em 2005 vencendo 11 Torneios na Temporada. Ele tratou de pular fora rapidinho ao perder sua longa invencibilidade em WIMBLEDON 2001 para um certo moleque Suíço de 19 aninhos . Abs!

  30. Luiz Fernando

    O calvário do Delpo continua, creio q todos nós simpatizamos c ele. Carreira em vias de encerramento, uma pena..,

  31. Miguel BsB

    Na boa, Novak deveria proibir o seu pai de dar entrevistas…
    Ô cara arrogante e desrespeitoso! Na minha opinião, toda vez que Djokovic pai abre a boca ultimamente, queima o filho, indiretamente.

    1. Rodrigo S. Cruz

      Foi como eu disse pro Rafael da última vez, mas ele achou exagero.

      Mas não acho que foi.

      Reitero: esse pai do Djokovic é asqueroso…

  32. Rafael Azevedo

    Djokovic já é o maior tenista da história e, agora, concorre pelo título de maior esportista da história contra Tiger Woods e Michael Jordan (como se estes fossem os maiores esportistas da história), segundo a seríssima e imparcialíssima visão do….SEU PAI!

        1. Marcelo Costa

          No longínquo anos 70 , justamente Pelé foi eleito o atleta do século, mas estamos em 2021 aquele século acabou, hoje há duas unanimidades, Pelé é disparado o maior jogador de futebol de todos os tempos, e Jordan é a síntese do esporte sendo disparado o maior atleta de todos. Por favor não concorde, eu adoro a discordância, só não use ironias vãs, argumente claro se puder ou quiser.

          1. Sérgio Ribeiro

            Caistes aqui de pára-quedas é já queres sentar na janela. Por existir LeBron James jamais será disparado. E o imaturo rapaz aprenda a distinguir ironia de bom humor… Abs!

          2. Sérgio Ribeiro

            E outra sabichão. Pelé foi eleito ATLETA. Bem acima de melhor jogador de futebol. Até porque tinha arranque pra correr 100 metros rasos em Olimpíadas caso desejasse. Abs!

          3. HENRIQUE LEAL VIANNA

            Michael Phelps também é indiscutivelmente o maior do seu esporte.

            23 medalhas de ouro em Olimpíadas ratificam a afirmação.

        2. Marcelo Costa

          Puxa adoro a janela, irei esperar alguém se levantar ou ceder o lugar pra mim, antes claro pedirei sua permissão neste espaço onde se discute música, filmes e até política.
          Sobre lebron o homem que perdeu 60% das finais que disputou, mesmo estando em times fortes como 2011, ou então em todas as pesquisas onde colocam o ala do Chicago em primeiro, tenha preguiça não pesquisa lá. Sobre o rei do futebol ele é mágico, o maior de todos, mas seguindo seu próprio raciocínio quem ousa colocar Messi ou Maradona é válido, pois, ao ousar comparar Jordan e lebron , abre esse precedente, mas não sou leviano conheço a história.
          Mas conteste, eu adoro um debate, mas fiquemos não só na distante década de 70 onde elegeram o atleta do século, o mundo tem Jordan, phelps, bolt, Hamilton, woods como postulantes a esse posto igual o rei do futebol, não coloquei um tenista pra ver você ficar ácido, ou azedo.
          Janela???

          1. Sérgio Ribeiro

            Dede quando LeBron James e os outros citados são da década de 70 , caríssimo sabichão ? Vamos esperar o término da carreira do ATUAL Rei da NBA , para vermos a distância do fenômeno para o outro que sem sombra de dúvidas é Jordan. E quem acompanha futebol pelo menos desde 2005 de maneira ininterrupta ( 16 anos em altíssimo nível ) , Messi e CR 7 já merecem sim estarem entre os TRÊS maiores da história. Obviamente atrás do Rei , ao menos na minha opinião. Abs!

          2. Sandro

            concordo plenamente contigo Marcelo Costa! Chega a ser uma heresia querer comparar o tal do LEBRÃO com o fantástico Michael Jordan!!!
            Quem é Lebrão na fila do pão comparado ao FENÔMENO Michael Jordan???

      1. Sandro

        Vi vários vídeos dos “highlights” do Michael Jordan! Com certeza Michael Jordan é o maior jogador de basquete que eu já vi indiscutivelmente!!! Mas tem o mala do Sérgio que quer comparar Lebron com Michael Jordan!!! Nenhum jogador da atualidade, muito menos Lebron, chega sequer aos pés de Michael Jordan! O que Michael Jordan fazia em quadra com a bola laranja ?, Lebron nunca fez e nunca fará!

        1. Sérgio Ribeiro

          Pra que o Dalcim não picote novamente quando me dirijo a sua pessoa , peço que leia com atenção. Em momento algum coloquei ninguém no mesmo patamar de Jordan. Afirmei que LeBron pode vir a se aproximar muito do lendário jogador . A sua infantilidade já está dando no saco , guri. Abs!

          1. Marcelo Costa

            O debate ainda é ótimo, mas quando vira embate perde o sentido, mas fique tranquilo, teremos outras oportunidades, mesmo eu caindo de paraquedas sentando no corredor, irei tentar debater contigo, aprendi com meu pai, não existe ofendido, mas sim ofensor.
            Vida longa e próspera, e até o próximo tema.

  33. Luiz Fernando

    Agora estou mais aliviado, como o Miguel postou abaixo uma nebulização contínua de cloroquina certamente salvará muitas vidas…

  34. Ronildo

    Eu fiquei surpreso foi com a atitude do Diego Schwartzman no jogo contra o Musetti. Pareceu possuído de ódio por estar perdendo para o garoto e tentou acertar bolada nele nas deixadinhas que o Musetti fazia!

    1. Sérgio Ribeiro

      O Dalcim pode confirmar ou não Rodrigo, mas alguns dos seus treinadores afirmaram que treinamento nunca foi o forte do Hermano. Dizem que comprometeu seu físico desde cedo. Teve vários problemas de relacionamento com os companheiros de Copa Davis . Isso vem de longe e não me surpreende se a conta chegou muito antes do previsto com juros e correção… Abs!

    2. Evaldo Moreira

      Olá Rodrigo,
      Concordo plenamente, pois ele se consultou com o médico de Rafa Nadal, e o médico suiço que cuidou de Federer e Stan, a meu ver, só pode ser falta de confiança e também planejamento mal feito, e já é a quarta cirurgia no mesmo joelho, uma pena, além do carisma, joga muito esse del Potro.

  35. Rubens Leme

    Outra cirurgia para o Del Potro. Acho que ele deveria se preocupar em ficar apenas saudável e se aposentar porque voltar ao circuito é impossível. Joelho é muito complicado, ele já tem 32 anos, é lento, pesado e no seu estilo de jogo de fundo de quadra não seria mais páreo. Outro gigante que depois de cirurgia jamais voltou a ser metade do que foi é o sul-africano Kevin Anderson, contra quem o Monteiro estreia.

    É realmente o fim de uma era, ainda que o Murray sonhe com outro caneco em Wimbledon.

  36. Paulo Almeida

    O tênis baseliner consistente continuará sufocando o tênis circense, como já faz desde 2008. MedveDEVIL é o favoritaço para Miami, mas, para o rei do tênis 313 weeks, o melhor é que o campeão não seja ele.

    1. Marcelo Costa

      Na década de 90, onde imperava o saque e voleio, devido as quadras mega rápidas, quadras de carpete, grama baixa, bola de quice baixo, era muito mais imprevisível vencer um título, vide wb de 1996. então veio a padronização dos pisos, extinção das quadras de carpete, grama mais lenta e em consequencia uma forma de jogar no fundo, cada vez mais atrás tendo que ser extremamente regular e mental em dia para suportar imensas trocas de bola. Esse formato atual, trouxe três gênios que dominam desde 2004, vencendo e convencendo tudo e todos, então há pouquissimas surpresas como um delpo 2009, um cilic 2015, mas só. O jogo de fundo requer muito, mas muito regularidade, e sua consequencia são medvedev, zverev, entre outros, sólidos no fundo, jogam pesado mas parece um jogo padrão.
      Não gosto, pois, o circense não vence a solidez, o circense fica no caminho contra os muros sólidos que nos oferecem, polêmico sim, mas eu queria ver mudança nas finais dos torneios, 13 titulos de um cara só é genial, mas e´chato.

      1. Sérgio Ribeiro

        Permita – me discordar , Marcelo. No caso do Espanhol o Saibro é o mesmo de sempre . Todos adoravam Björn Borg deitando e rolando em RG . O que Rafa Nadal faz é genial , surreal , espetacular e por aí vai. Bastou começarem a botar o piso mais rápido que TODOS inclusive os garotos , andam se aventurando mais na rede . E seus treinadores exigindo. E’ somente não retrocederem novamente nas superfícies, que teremos vários vencedores a partir deste ano ou no máximo no próximo. A conferir. Abs!

        1. Marcelo Costa

          Vamos fazer um exercício, que beira uma provocação, se nosso gênio Guga fosse contemporâneo de Nadal neste saibro padrão ele ainda seria gênio? Ou nos estaríamos aqui lamentando três vices do manezinho?
          Eu adoro a imprevisibilidade e acho o ufanismo dedicado aos três algo efêmero, o tênis, ah esse é eterno em 30 anos será uma página linda no Wikipedia , um vídeo lindo no YouTube mas o esporte da bola amarela esse segue. Sejamos amantes do esporte, não ufanistas.

      2. Paulo Almeida

        Pois eu já acho chato e modorrento o tenebroso saque-voleio, sem as trocas de tirar o fôlego.

        E mesmo com a tal da padronização, ainda vemos quadras que vão do super lento ao super rápido. Trata-se de mais uma desculpa esfarrapada e saudosista.

        1. Marcelo Costa

          Aí que saudade da grama de wb toda desgastada no trajeto até a rede, onde um bom saque, um rápido aprouch e um ou dois voleios resolviam tudo.
          Que esfarrapado é desde 2004 três gênios vencerem tudo e todos, mas sim é só saudade de um tempo que ficou na base que deixa a grama de wb toda esfarrapada de tanto ficarem correndo ali.

          1. Sérgio Ribeiro

            O comentário acima é que mostra ufanismo e despreparo no que se refere ao Esporte antes da padronização. Aliás pra ele somente vale a partir de 2008. GUGA implantou uma nova maneira de se jogar no Saibro. Um Backhand devastador na paralela pegando na subida , que poderia sim talvez levar um RG de Nadal . Se tivesses prestado atenção no outro comentário verias que de ufanista não tinha nada. Chamei atenção pra não retrocederem na velocidade da superfície pra termos mais variação nos vencedores. Pelo jeito não entendestes coisa alguma rs … Abs!

  37. Rubens Leme

    Dalcim, vou te dar uma dica. Em 1994, Woody Allen fez um filme para a televisão chamada Don’t Drink the Water, que foi malhado, estrelado por Michael J. Fox. Bom, esse filme saiu no Brasil em DVD com o nome de Espiões por Acaso e é hilário. Passei mal de rir.

    Então, se te interessar, eis o link dele. Também há um outro filme no disco, mas neste apenas atua, não o dirige – https://produto.mercadolivre.com.br/MLB-1470842662-woddy-allen-espioes-por-acaso-juntando-os-pedacos-lacr-_JM#position=1&type=item&tracking_id=9902bdda-0e0a-4e8d-a8a9-2f9e27421537

      1. Rubens Leme

        Pra mim o ponto alto é a dupla do Woody com a Julie Kavner, que considero a atriz com quem melhor trabalha, basta ver no curta Édipo em Ruína ou como assistente dele em Hannah. Sem falar no quanto ela brilha em A Era do Rádio.

  38. Oswaldo E. Aranha

    O depoimento da modelo sérvia acredito que possa ser verdade, pois há muitos torcedores de outros tenistas que odeiam Djokovic; mas é preciso dizer em alto e bom som que os companheiros de blog que também odeiam o sérvio seriam incapazes de participar de um esquema como esse.

    1. José Nilton Dalcim

      Não vejo motivo para que não evolua, Rafael. Até mesmo no saibro ele tem alguns bons resultados – dois títulos de challengers bem recentes.

  39. Daniel C

    É inegável que o Zverev tem muito potencial e deve vencer muitos títulos ainda. Mas a minha crítica é que falhou no momento mais importante do ano até agora: no AO contra o Djokovic. Todos já sabemos que essa garotada já consegue vencer torneios em melhor de 3 sets, até eliminando os Big3 no caminho. O que ainda precisam provar é que podem fazer isso nos grandes palcos (GS) que atualmente são o foco de Nadal e Djokovic. O alemão teve mais uma chance esse ano, e mesmo jogando melhor que o sérvio em boa parte do jogo, perdeu para o nervosismo(de novo) e permitiu a virada

    1. Paulo F.

      Engraçado que não vejo essa solicitação aos novos jogadores quando eles enfrentam Roger Federer ou Rafael Nadal nos torneios.
      Mas quando é o Djokovic, aí sim eles deveriam já ter o dever de derrotá-lo nos GS.

      1. Sérgio Ribeiro

        Errado : Assim como o dono do Bingo ! , tens a mania de somente ler o que te interessas . A maior cobrança há no mínimo TRÊS anos sobre a Nova Geração é o fato de não baterem os membros do Big 3 nos SLAM . Essa mania de perseguição ao Sérvio beira ao ridículo pra poder passar na moderação rs . Já deu há muito cara . Teve um mane’ no Post anterior que jura que MEDVEDEV não bateu Nadal saindo de 0 x 2 agora no AOPEN 2021 . A turminha da Kombi fora exceções é um pé no saco rsrsrs. Abs!

          1. Sérgio Ribeiro

            Medvedev bateu de virada no FINALS e Tsitsipas no AOPEN . Ou seja , finalmente acertastes uma . Parabéns kkkkkkkk . Então pode parar de chorar pois ambas pra cima do Espanhol . Quem mesmo bateu Novak no FINALS ???? Abs!

  40. Rubens Leme

    Os tempos são outros, eu sei e já estou velho, mas essa modelo que revelou um plano para extorquir o Djokovic parece montagem de computador, destas que os sites russos usam para arranjar noivos via internet e extorquir os coitados.

    Além de ser toda artificial – nariz, boca, seios, bronzeamento – nas suas fotos de instagram dá uma impressão ainda maior. Algumas parecem ser desenhos, talvez seja, eu não sou muito bom com essas coisas.

    Imagino que ela tenha milhões de fãs e homens que sonham com uma modelo assim, mas podem me incluir fora desta.

    1. Marcelo Costa

      Então não devemos dar palanque a essas pessoas, ao comentar, visitar o Instagram da moça, estamos fomentando seu desejo de chamar a atenção. Dito isso, eu dou a moça todo benefício da dúvida, ao acusador cabe o ônus da prova, mas não dar lona ao circo virtual.

  41. Miguel BsB

    Dalcim, é possível classificar a “escola russa” com tendo como principais características um tênis agressivo, de força,e mais reto, a exemplo de Rublev, esse Karatsev e até, de certa maneira, Medvedev 2?
    Dos russos mais famosos de gerações anteriores, Safin jogava mais assim, Kafelnikov nem tanto…

    1. José Nilton Dalcim

      Acho que não há um padrão tão claro assim na parte técnica, Miguel, embora de fato bater mais reto na bola é uma tendência, talvez porque eles pratiquem muito tempo por temporada nas quadras cobertas. O que vejo é um padrão na parte de comportamento e principalmente de cabeça. São muito fortes na parte mental, muito determinados.

      1. Miguel BsB

        Obrigado Dalcim!
        Força mental e resistência são características culturais do povo russo. O povo casca grossa, difícil de derrotar…

  42. Miguel BsB

    O tal de Sandro é o mais novo bolsominion do blog.
    Agride todo mundo, de participantes ao Roger Federer, emite opiniões esdrúxulas, chama países altamente democráticos de “ditaduras”, só porque estão exemplarmente combatendo a pandemia…daqui a pouco tá receitando nebulização de cloroquina.
    Como eu já disse anteriormente, parabéns, está a cada dia subindo no ranking de “ignóbil do blog”!

    1. Gildokson

      Miguel, acredito que você esteja se referindo principalmente ao último comentário dele. Eu fiquei com preguiça de ler inteiro a medida que o texto foi ganhando um tom padrão bolsonarista kkkkkk e como ja estou habituado com o “cavalheirismo” e “gentileza” do cidadão quando trata-se de um tema mais leve como tênis, imagino o nipe do que veio naquele “livro” kkkkkķ

    2. Barocos

      Miguel,

      Não perca seu tempo tentando argumentar com o sujeito, coisa que, infelizmente tive que fazer, já que julguei ser de interesse dos outros frequentadores do blog.

      Das duas uma (ou ambas): ou é alguém que acha graça em provocar os outros usando falácias ou ad hominem de baixíssimo nível argumentativo, algo por si só já lamentável, ou é alguém que não se importa em proferir algumas palavras e anular quaisquer dúvidas que possam existir sobre a sua ignorância (atribuída à Abraham Lincoln “Better to remain silent and be thought a fool than to speak and to remove all doubt” – em tradução, aproximadamente, literal: “É melhor ficar em silêncio e ser imaginado tolo do quê falar e remover toda dúvida”).

      De qualquer maneira, devemos congratular o Dalcim por publicar o texto. Uma das grandes virtudes de veículos de comunicação democráticos é fornecer espaço às vozes dissonantes, por mais que estas divirjam da linha do editor. Existe uma frase que representa muito bem a situação: “I disapprove of what you say, but I will defend to the death your right to say it“, atribuída à Evelyn Beatrice Hall (em tradução livre: “Eu discordo do que você diz, mas defenderei até a morte o seu direito de falar”).

      Note que, ao agir assim, o Dalcim nos faz um favor, já que revela o que a pessoa é ou como ela quer apresentar-se. Se censurasse todos os comentários, jamais teríamos um retrato verossímil dos interlocutores neste ou em qualquer outro espaço.

      Saúde e paz.

      1. José Nilton Dalcim

        Exatamente, André, essa sempre foi minha filosofia, desde que não haja ofensas diretas a outros participantes. Abs!

    1. periferia

      Olá Bruno

      Sim…esta no catálogo da Amazon Prime…o filme é muito “louco”.
      Não se consegue pegar tudo que ele oferece em uma primeira olhada.
      O diretor fez Corra (está no catálogo da Netflix…ou estava) que era um filme cheio de metáforas…muito bom (um terror racial).
      US é mais elaborado…como um quebra cabeça inacabado…o diretor propõe para vc montar usando a sua visão de mundo…com isso o filme oferece dezenas de interpretação (até o título original pode ser uma referência a United States).
      A questão racial pesa…mas não é fundamental…assim como Parasita ( película coreano)…o filme tem algumas camadas (como um espelho da sociedade atual…onde nada é igual ).
      Interessante o filme…não é algo facil.
      Vou reve-lo….acho que cairá melhor na segunda olhada.

    1. José Nilton Dalcim

      Acho que tudo demanda um pouco de tempo nestes ares daqui, Luiz. O Wild já ganhou até um ATP, se perdeu depois da pandemia, mas o potencial dele é indiscutível. O Felipe patinou também no começo de 2021, vai subindo devagar, passo a passo. Claro que é pouco para nossas expectativas de um jovem top 50 ou para um grande resultado em Masters ou Slam, porém ainda há chance de termos um nome na elite. Monteiro, claro, não é mais garoto porém veja como ele progrediu tecnicamente. Abs!

      1. Luiz Fabriciano

        Não sei se concordarás comigo, mas lendo o relato acerca do Aslam, foi de encontro ao que imaginava, pois tive uma modesta experiência com meu filho.
        Acho que o que falta para a garotada daqui ter esse “up” é puramente psicológico, mental de querer e coragem para enfrentar barreiras. Foi o que o treinador do russo disse. E para isso é necessário algo que lhe dê essa direção.
        Como falei antes, meu filho chegou a ser o segundo melhor infantil da Bahia. Em nossa região, jogava de igual para igual em todos os torneios e tem uma série de troféus em casa. Disputou três torneios de nível brasileiro. Resultado: não viu a cor da bola.
        Se me perguntares, tecnicamente qual foi a diferença, direi que foi ínfima, mas os garotos dos grandes centros, são como os europeus em relação ao brasileiros, entram em quadra, com narizes empinados, como dizendo: já ganhei.
        Acho o trabalho da base bem amador ainda, tornando esse amadurecimento bem tardio. Mas também, a nossa realidade é essa. Nós temos deficiência em quase tudo que é mais prioritário. Seria utópico se fosse diferente nesse esporte.
        Grande abraço.

        1. José Nilton Dalcim

          Concordo com muito do que você colocou, Luiz. Acho que no Brasil deixamos o preparo psicológico um tanto de lado e só vamos pensar nisso lá na frente, quando aí já temos uma série de problemas a resolver. Olha o potencial que o Wild tem. Mas seu time se preocupou tardiamente com o lado emocional, a meu ver. Abs!

        2. Jose Yoh

          Parabéns para você e seu filho Fabriciano! Realmente a jornada não é fácil mas fica um aprendizado grande.
          Moro em um grande centro e vejo muitos jovens tentando a carreira. Passando pelo que você passou.

          É muito triste dizer isso, mas tênis não é esporte para “bonzinhos”. Necessita de um ego gigante para achar que pode derrotar qualquer um. E os garotos dos grandes centros – e é por isso que eu fico triste – são direcionados a terem esse ego. Muitas vezes atropelando qualquer ética esportiva.

          É por isso que não confio na imagem dos nossos ídolos – tudo é um grande teatro muito bem ensaiado. Se no nível amador já é desse jeito, imagine com o big 3. Uns posts atrás fiz um comentário parecido em um post do Rafael, justamente sobre uma entrevista bastante infeliz do Federer.

          1. Luiz Fabriciano

            Obrigado pelo menção.
            Passamos por ótimas experiências, mas ele, ao contrário de muitos outros garotos, preferiu deixar o tênis e ir à universidade.
            Hoje é um profissional, bem colocado, aos 26 anos.

          1. Paulo F.

            Parabéns mesmo, Fabriciano.
            Lendo teu relato, já me espelho um pouco em ti para que eu também possa ser um pai como tu foi/és.
            Um abraço.

        3. Barocos

          Luiz,

          Parabéns pelo sucesso do seu filho. Ainda que ter pais educados não seja determinante único para formar bons cidadãos, é certo que ajuda bastante.

          Saúde e paz.

          1. Luiz Fabriciano

            Obrigado Barocos.
            E ao Paulo F. também.

            Nosso filosofia aqui em casa sempre foi de respeito, acima de tudo.
            Como tenistas, encaramos como respeito, dar o nosso melhor, fazendo o máximo para conquistar, dentro do regulamento, tudo o que almejamos.
            E a experiência como aspirantes à tenistas, nos deu lições para os outros seguimentos da vida.

  43. Rubens Leme

    Com tantos russos e tenistas de origem russa estourando o título da coluna deveria ser “Os Russos estão chegando!”

    1. Luiz Fernando

      E para os cinéfilos no auge da guerra fria teve uma comédia com este título, filme bem água com açúcar…

  44. Luiz Fernando

    A despeito da idade, Karatsev parece ser um jogador bem mais completo e perigoso do q Harris, embora justamente pela faixa etária este possa ter melhor perspectivava a médio prazo. Outro detalhe q parece claro no momento: o grupinho do Dimitrov, Goffin, Fognini, japa e cia limitada só vence algo significativo se houver uma conjunção de fatores q ajude, na quadra essa turma tende a continuar como meros coadjuvantes. E também parece q aos poucos o Zé Verev vai se firmando, potencial p vencer ele sempre teve, ninguém q vença um Finals tirando Federer do sábado e vencendo Djoko no domingo pode ser desprezado, mas sempre faltou aquele algo mais além de um serviço e um BH espetaculares q ele apresenta, vamos aguardar o q Miami nos reserva…

  45. Pieter

    Eu considero o Musetti o mais sensacional e o mais interessante de ver os seus jogos, dentre todos os garotos atuais do circuito. O seu backhand de uma mão só é quase espetacular!
    Adicionalmente, ele tem atitude, garra mas é educado é centrado em quadra. Nada de gritos histéricos nem palavrões em quadra.
    Não se pode garantir a sua ascensão rumo ao topo do ranking mas a evolução dele é evidente, como brilhantemente nos apontou o Dalcim no post de hoje, além de ser candidato certo a um futuro ídolo mundial do tênis,não só dos italianos .
    A minha torcida e admiração ele, merecidamente, já ganhou!

  46. Carlos Fernando de Melo e Silva

    Dalcim, falando em promessas, o que tem achado do Sinner neste início de temporada? Na derrota para o Karatsev ficou claro que ele não tem plano B quando o adversário iguala na pancadaria. Quais as principais deficiências no jogo dele? Acho que seus golpes não são tão justos, dando a impressão de que saem “mascados”. O que pensa?

    1. José Nilton Dalcim

      Gosto muito do Sinner, Carlos Fernando. Mas você tem razão quanto aos ajustes finos. Ele tem competência para um pouco de tudo, já que sabe fazer boas transições à rede e seu voleio não é dos piores. No entanto, essa variação às vezes fica prejudicada quando ele perde a confiança num momento mais delicado do jogo e então fica só atrás, tentando resolver nos seus bons golpes de base. Dou um desconto porque ele está agora jogando num nível muito alto e existe a cobrança, a expectativa. É uma experiência bem diferente que o tenista terá de se acostumar e resolver. Vamos ver se ele consegue. Torço muito.

  47. periferia

    “Eu usei palavras duras com ele, mas Aslam acreditou em mim e me escutou. Agora está vendo os resultados”.

    A relação de um treinador e sempre paterna…já falei algo semelhante para meu filho.

  48. Ricardo - DF

    Parabéns pelo post, Dalcim. Creio que todos se perguntavam de onde veio Karatsev, e vc esclareceu muita coisa. Tá certo que muitos tenistas atingem o pico nessa idade, mas o salto de Karatsev foi algo fora da curva. Que tenis espetacular joga esse russo !!! Tomara que só melhore de agora em diante.
    Musetti é outro que nos enche de esperança, como seu compatriota Sinner.
    Vc acha que, se Karatsev continuar nessa toada, ele conseguiria fazer frente ao big 3 ? Ele perdeu para o Djoko no AUSOpen, mas o sérvio estava jogando um tênis sobrenatural este ano.

    1. José Nilton Dalcim

      Acho que é uma questão de confiança e de ambição, Ricardo. É muito difícil fazer frente ao Big 3 em seus domínios, mas você tem que acreditar que pode.

  49. Sérgio Ribeiro

    E mesmo com a ausência da dupla Fedal e Novak nos ATP 500 , a presença da Nova Geração mostrou mais uma vez a dificuldade que a turma de Goffin , Dimitrov e CIA passou a ter pra levar um Título deste porte. E quem assistiu a FINAL de Acapulco ( Top 5 x Top 7 ) , não deve ter se arrependido. Para variar o tal h2h não serviu pra coisa alguma . O “cabeça fraca “ Zé Verev entrou com 1 x 5 contra o Grego. E aos 23 atingiu seu Título 14 com muita coragem e recursos nos momentos decisivos. Já possui também 1 FINALS , 3 MASTERS 1000 , uma FINAL de SLAM já tendo atingido o N 3 aos 20 , enquanto Del Potro somente aos 30. Os altos e baixos o levaram a virar motivo de chacota para os resultadistas de plantão. Mas qualquer um do Big 3 que estivesse nestas FINAIS em 3 Sets , passaria sufoco pra levar o Caneco. A situação de Roger e Rafa este ano no Ranking promete ser de fortes emoções…Abs!

    1. Helena

      Você gostou do nível da final? Achei muito nervosa e com muitos erros, me lembrou um pouco a final do US OPEN.
      Mas gostei da atitude do Sascha, desde o ponto 1 foi quem mais buscou o jogo e tentou vencer sem esperar pelo erro do adversário. Vitória merecida!

      1. Sérgio Ribeiro

        Então, Helena . O Marcão respondeu mais abaixo em relação ao nível técnico da FINAL. O que eu estou mais gostando e’ que mesmo com alguns ENFS , os garotos estão indo pra definir nas quadras mais rápidas sem medo de ser feliz. Inclusive com Backhands na paralela , e tentativas de jogo de rede . O Circuito tende a ficar bem mais interessante do que aquelas irritantes trocas de bolinhas esperando o erro. Vamos ver se Miami vai dar m parâmetro pois está muito lenta há anos … Abs!

        1. Helena

          Olá, Sérgio!

          É porque pelo visto na final, acho que essa descrição só vale para o Sascha. Achei o jogo do grego bem medroso, os segundos serviços foram verdadeiros bombons. Me deu a impressão de que por conta do h2h favorável, ao abrir 3-0 e ter chances de chegar a 5-1, ele considerou que já tinha vencido jogo. De uma forma geral, achei ele com o braço bem curtinho nos pontos decisivos, e só jogou com coragem quando já não tinha mais nada a perder (5-4 do 2 set).

          Por essas e outras digo que o Sascha é injustiçado. Surgiu muito novo e teve que aguentar praticamente só as cobranças por resultados em GS. No começo ele realmente deixava a desejar, mas vem evoluindo e ainda assim é menos reconhecido do que jogadores com menos currículo. Não é perfeito, não é o nome que considero favorito para Miami, mas acho que pegam mais no pé dele do que deveriam.

    2. Marcão

      Concordo, Sérgio, a final de Acapulco foi de altíssimo nível. Zverev mostrou uma vontade de vencer que há muito eu não via. Deu a titubeada de sempre no 5×4 do segundo set, mas conseguiu se recompor e venceu o tie-break com autoridade. Tanto o alemão quanto o grego podem roubar o osso dos cachorrões, mas acho que ainda não será em 2021. Abs!

  50. Marcilio Aguiar

    Que sejam bem-vindas as novidades. O Kartasev já me impressionou muito no AO e parece estar consistente para ir adiante. Parece que o domino do tênis vai passar de um eslavo do sul (Djokivic) para os eslavos do leste, russos e descendentes.

  51. Rubens Leme

    TRAMA MACABRA (1976)

    O adeus de Alfred Hitchcock, um dos mais importantes cineastas da história. Cinco indicações ao Oscar, 2 ao Globo de Ouro, levando um pelo seu programa de televisão Alfred Hitchcock Presents.

    O filme foi concebido com um roteiro denso, macabro, mas Alfred recusou e o fez leve, cheio de humor com duas histórias que correm paralelamente e que acabam se cruzando. Hitch sonhava com um elenco de estrelas – Burt Reynolds, Roy Scheider, Al Pacino, Faye Dunaway, Goldie Hawn e até Elizabeth Taylor foi especulada. Ao final, por problemas de orçamento, optou pelos ótimos Bruce Dern, Karen Black, o vilão dentuço William Devane e a divertidíssima e charmosa Barbara Harris, que Hitch sempre quis para o papel da vidente Blanche Tyler.

    Trama Macabra não seria seu último filme, mas os problemas de saúde, assistente, confidente e companheira Alma, com quem foi casado durante 54 anos, além da seus próprios males, fizeram abortar tudo até falecer em 29 de abril de 1980, aos 80 anos.

    Dono de ótimas histórias, tinha duas regras básicas:

    1 – nunca colocava suas protagonistas em afazeres domésticos, porque as mulheres que iam ao cinema queriam esquecer a rotina de suas tarefas diárias e queriam glamour e elegância.

    2 – quando o filme estiver muito tenso, é necessário colocar uma cena para os espectadores darem uma risada e respirarem (embora não me lembre de momentos assim em Psicose ou Os Pássaros).

    Na década de 1920, Hitchcock passou cerca de três anos na Alemanha, onde aprendeu tudo que podia sobre cinema e foi tremendamente influenciado pelo diretor F. W. Murnau, o mesmo de Nosferatu, de quem assimilou muita coisa.

    Também possuía um apurado senso visual e quando filmava, já pensava exatamente como cada cena seria montada e cortada na sala de edição. Isso fazia com que as filmagens fossem enxutas, sem usar muitos takes.

    Ao contrário de muitos diretores que filmavam centenas de horas extras, gastando dezenas e dezenas de quilômetros de película, os pedaços que sobravam de seus filmes cabiam em uma caixa de sapato.

    Outra marca pessoal eram suas aparições relâmpagos no meio dos filmes, para delícia dos espectadores que esperavam esses momentos. Anos depois, Stan Lee fez o mesmo nos filmes da Marvel.

    Sem dúvida alguma, um dos maiores e mais originais diretores que o cinema já conheceu.

    1. Marcilio Aguiar

      Leme, uma curiosidade. Parece que a Eva Vilma chegou a fazer teste para Topázio, dirigido pelo mestre. Um filme, que se passava em Cuba, na época da guerra fria, mas está longe de figurar entre os melhores que ele fez.

      Como estamos em um blog sobre tênis, não podemos esquecer de “Pacto sinistro” que tem um tenista como um dos protagonistas.

      No post anterior você comentou sobre Dalton Trumbo. Em 1971 ele Filmou “Johnny got his gun” (Johnny vai à guerra), adaptado de um romance dele mesmo.

      É um libelo conta a estupidez das guerras. Quando assisti a esse filme, no início dos anos 1980, sai do cinema atordoado. É um soco no fígado. Mais um que pretendo rever.

      1. periferia

        Olá Marcílio.

        Verdade…Eva Wilma fez o teste pessoalmente com Hitchcock (ele brigou com ela no teste).
        Era para o papel de Juanita de Cordoba…personagem inspirado na irmã de Fidel…Juanita Castro…que fugiu de Cuba após a revolução cubana.
        Eva Wilma contava sempre sobre o teste…a figura mítica do Hitchcock…vaidoso…intimidador.
        O papel acabou ficando com a alemã Karin Dor (uma cubana alemã???…aconteceu…rs)…que foi bond Girl em 007 Só Se Vive Duas Vezes.

        Abs

        1. Luiz Fernando

          A Juanita do filme foi uma morena simplesmente espetacular, sinceramente não sabia q era alemã. Infelizmente, como ocorre de forma quase invariável, o livro do Leon Uris dá de 50 a zero no filme. Do mesmo autor, livros maravilhosos como o Dia do Chacal e QB VII foram temas de filmes, igualmente bem inferiores. Claro, nestes filmes faltaram atores tipo Marlon Brando e Al Pacino, que fizeram do “Poderoso chefão” filmes inesquecíveis…

          1. Rubens Leme

            O Dia do Chacal é do Frederick Forsyth. E como bem lembrou o periferia, a atriz foi uma Bond Girl, no filme Com 007 Só Se Vive Duas Vezes (1967).

    2. periferia

      No famoso livro Truffault/Hitchcock (Um livro magnífico onde François Truffaut entrevista Alfred Hitchcock) o mestre do suspense ensina:

      “A diferença entre suspense e surpresa é muito simples, e costumo falar muito sobre isso. Mesmo assim, é frequente que haja nos filmes uma confusão entre essas duas noções. Estamos conversando, talvez exista uma bomba debaixo desta mesa e nossa conversa é muito banal, não acontece nada de especial, e de repente: bum, explosão. O público fica surpreso mas, antes que tenha se surpreendido, mostram-lhe uma cena absolutamente banal, destituída de interesse. Agora, examinemos o suspense. A bomba está debaixo da mesa e a plateia sabe disso, provavelmente porque viu o anarquista colocá-la. A plateia sabe que a bomba explodirá à uma hora e sabe que faltam quinze para a uma – há um relógio no cenário. De súbito, a mesma conversa banal fica interessantíssima porque o público participa da cena. Tem vontade de dizer aos personagens que estão na tela: ‘Vocês não deveriam contar coisas tão banais, há uma bomba debaixo da mesa, e ela vai explodir’.
      No primeiro caso, oferecemos ao público quinze segundos de surpresa no momento da explosão. No segundo caso, oferecemos quinze minutos de suspense.”

      1. Helena

        Esse trecho da bomba é muito icônico, deveria ser leitura obrigatória para quem deseja trabalhar com suspense.

      2. Rubens Leme

        Marcílio, revi 9 filmes do Hitch neste final de semana, incluindo Topázio. Tanto ele como Cortina Rasgada (com Paul Newman) sofrem de dois males: roteiros confusos e alergia de Hitchcock em filmar externas. Muitas cenas dos dois ele fez questão de filmar em estúdio, o que deixaram os filmes estranhos.

        Um outro exemplo disso acontence em Marnie, Confissões de uma Ladra, quando mostra o porto onde a mãe da personagem mora e o que se via ao fundo era um tela pintada, ao invés de um porto verdadeiro.

        Pior: quando filmo Topázio, a ideia da cena final era um duelo em um estádio entre os dois antagonistas, logo rechaçada. Consideraram a cena do suicídio, mas nada havia sido filmado nisso. A saída foi editar a cena em que Jarré visita o chefe e bate a porta ao entrar. Pois usaram a mesma cena, acrescentando o som de um tiro.

        Paul Newman teve brigas incessantes por causa do roteiro. Sendo aluno do Actor’s Studios adorava discutir cada cena, para desespero do diretor ancião que vivia pedindo desculpas a ele e a Julie Andrews, que detestou o trabalho e queria que encurtassem as filmagens.

        Junto com O Terceiro Tiro (um dos meus favoritos) são os pontos baixos da carreira dele. Aliás, este último e Topázio tiveram um problema sério: a escolha de atores quase desconhecidos. Se no primeiro, John Forsythe contracenava com uma jovem e ainda desconhecida Shirley MacLaine, em Topázio era composto por um tcheco (Frederick Stafford), que fazia André Devereaux e a alemã Karin Dor vivendo Juanita de Cordoba. O vilão Rico Parra era o americano John Vorne e muitos atores franceses desconhecidos. Não tinha mesmo como ser um sucesso.

        Além disso, Hitchcock era um tanto ingênuo ou pouco interessado em questões políticas – acho que tinha medo em ser chamado de comunista – e fez filmes bastante ingênuos, mesmo para aquela época.

        Sim, Johnny vai à Guerra é um belo filme. Trumbo era um dos escritores mais engajados de Hollywood e no filme sobre sua vida, é antológica a cena em que é confrontado por John Wayne que insinua em que não é patriota, por ser comunista. Ele apenas replica que era correspondente de guerra no front durante a Guerra, enquanto ele, o grande herói americano das telas, ficava retocando o rosto no set de filmagem.

      3. Rubens Leme

        Periferia nunca li o livro todo, só trechos,, mas é fantástico o que li. Ele tinha uma compreensão enorme do cinema e adorava falar sobre os aspectos técnicos.

        1. periferia

          Olá Leme

          Existe o documentário da entrevista…feito por Kent Jones…muito bom também.
          O livro é especial porque traz fotografias…o livro tem uma cumplicidade entre os dois que o documentário não consegue captar…. de certa forma mostra o processo utilizado por Hitchcock para alguém que conhecia profundamente a forma de filmar do inglês…Truffaut o admitava muito.
          Notamos que Hitchcock falava com orgulho de seus métodos…quase como se ele dissesse no fim de cada explicação :
          “Não é genial???”
          Sim era genial.

    3. Marcão

      Prezados Leme, Peri e Marcílio, esse singelo cantinho que vcs cultivam me faz lembrar das saudosas serestas do blog do Paulo Cleto, onde se discutia absolutamente tudo. De poesia a futebol, de vinho a cinema, de música a gastronomia. Eram tempos em que a palavra brincava linda, livre e solta, sem preocupação. Hoje, bem sei, o tempo parece não ter tempo para tudo, por isso aplaudo a tolerância do nosso querido Dalcin em permitir que esse espaço prospere. Curto demais vcs!

      1. Rubens Leme

        Periferia, Marcílio e, por que não, Marcão… Recebi hoje um dos boxes que mais aguardava, o de A Marca da Maldade. Abaixo a descrição e o link dele. Já editaram o de Ladrões de Bicicletas, no mesmo molde, 1 blu-ray e dois dvds. Serei obrigado a comprar também.

        (https://www.versatilhv.com.br/produto/465587/blu-ray-a-marca-da-maldade-edicao-definitiva-co)
        A Versátil apresenta A Marca da Maldade, o magnífico filme noir do mestre Orson Welles em uma Edição Definitiva Limitada, que traz esse clássico em três inéditas versões restauradas: versão reconstruída em 1998 segundo o desejo de Welles (Blu-ray), versão da estreia no cinema de 1958 e versão de pré-estreia (DVD) e um DVD só de extras, que inclui Uma História Imortal (1968), raro filme do genial diretor, além de três horas de vídeos extras. Edição Limitada com pôster, 2 cards e 1 livreto para colecionadores.

        Box de Ladrões – https://www.versatilhv.com.br/produto/484390/blu-ray-ladroes-de-bicicleta-edicao-limitada-com-1-poster-mais-1-livreto-mais-3-cards-1-blu-ray-mais-1-dvd

        1. periferia

          Olá Leme.

          Esse Blu-Ray de Ladrões de Bicicleta vem também o filme Humberto D…o filme favorito de Vittorio de Dica.

        2. periferia

          Olá Leme.

          Esse Blu-Ray de Ladrões de Bicicleta vem também o filme Humberto D…o filme favorito de Vittorio de Dica.

      2. Rubens Leme

        Dalcim é um humanista, Marcão. Além disso, fazemos ele voltar ao passado, quando, escondido no quarto, sacudia suas madeixas loiras, com o camisão aberto no peito e o medalhão a pular e cantando como Robert Plant em “Whole Lotta Love”.

        Claro, ele negará este fato.

        1. José Nilton Dalcim

          Claro que vou negar, porque nunca me atrevi a cantar como Plant, mas confesso que tentei muito me aproximar da bateria do Bonham, esse sim meu ídolo absoluto.

    1. Paulo F.

      Seria um Finals com 4 e 1/2 russos.
      Zverev é russo sim, alemão apenas porque nasceu por lá.
      E a mãe do Tsitsipas é russa.

      1. Sérgio Ribeiro

        Sasha nasceu CINCO anos depois dos Papais optarem em morar na Alemanha. Procure saber quantos anos o rapaz “ Russo” mora no Principado de MÔNACO. E seus ídolos na Esporte são todos da NBA . Insistência pouca e’ bobagem rs… Abs!

Comentários fechados.