Tudo pela grama
Por José Nilton Dalcim
11 de março de 2021 às 18:34

Atualizado às 20h29 com a desistência de Dubai

‘Minha temporada começa na grama’. Roger Federer resumiu bem sua meta clara e principal para a volta ao circuito e dessa forma tentou minimizar ao máximo a virada sofrida nesta quinta-feira diante de Nikoloz Basilashvili na segunda partida feita em Doha após mais de 400 dias de ausência. Horas depois, anunicou que não jogará em Dubai na próxima semana e reafirmou a ideia de fazer uma curta passagem pelo saibro, sem precisar quando ou onde.

Federer fez um bom primeiro set nas 24 horas posteriores à exigente estreia em Doha. Depois o georgiano achou seu forte jogo de base, disparou golpes incríveis no segundo set e escapou até mesmo de um 0-40 que levaria o suíço à reação. O terceiro set seguiu com poucos pontos longos e muita pancadaria. Federer foi levando no saque, mas Basilashvili havia ganhado a perigosa confiança que sempre o fez um adversário respeitável na quadra dura.

Ainda assim, o suíço ficou a um ponto da vitória, se bem que levou certa sorte para chegar ao match-point, que Basilashvili evitou sem susto. Embalado, continuou forçando devoluções, tirou outro serviço de Federer e concluiu a vitória com autoridade. Pelo conjunto da obra, Roger disse ter saído satisfeito. Aguentou seis sets em dois dias, o saque raramente o abandonou e o corpo reagiu bem ao ‘dia seguinte’.

Reclamou apenas de dores no ombro e por isso decidiu pular Dubai e ‘me dedicar os treinamentos’. Pena. Como cabeça 2, ele só estrearia na segunda rodada, já que a chave é de 48, e teria tempo de se recuperar. Pior ainda, irá encarar mais um longo hiato até seu próximo torneio, já no saibro, não antes de Madri. Segundo suas próprias palavras, Wimbledon é a prioridade e ele espera fazer o maior número de jogos possível até a temporada de grama, daí incluir obrigatoriamente um ou dois torneios na terra batida.

Doha não perdeu apenas Federer, mas ficou também sem Dominic Thiem, outra vez batido por um eficiente Roberto Bautista. Ainda que não tenha jogado mal, o austríaco continua apagado neste começo de temporada, com três derrotas em oito jogos. O espanhol fará um duelo bem interessante contra o sortudo Andrey Rublev, que está na semi sem pisar na quadra. Do outro lado, Basilashvili enfrenta Taylor Frtiz, o que abre chance de uma nova final entre a nova geração.

E mais
– Se o ranking não tivesse sido congelado, Federer apareceria segunda-feira no 610º posto.
– Outro retorno vitorioso que acabou passando em segundo plano foi o de Jo-Wilfried Tsonga, que venceu em Marselha seu primeiro jogo desde novembro de 2019.
– Berrettini, Monfils e Kyrgios desistiram de Dubai, dando lugar a Fucsovics, Bedene e Fokina. Os organizadores convidaram Nadal, que não topou.
– Curiosidade: dos atuais top 20 do ranking masculino, o único que jamais figurou entre os 10 é Felix Aliassime.
– Wild joga neste fim de semana o quali do 500 de Acapulco. Ainda machucado, Monteiro desistiu e só deve retornar em Miami.
– Meligeni, Sakamoto, Bellucci e Luz estão na chave do challenger de Santiago na próxima semana.
– Muito legal e oportuna a extensa reportagem do Jornal Nacional de ontem sobre a histórica façanha de Novak Djokovic, que nesta semana passou a ser o recordista de semanas no número 1. Para quem não viu, clique aqui.


Comentários
  1. Claudio Ribeiro Rosa

    Tem “comentaristas” comparando estrelas veteranos no esporte voando…fazendo muito mais que federer nos seus 38 anos…por favor … comparar esporte coletivo com tênis mano mano não dá né !!!!

  2. Luiz Fernando

    Nenhuma surpresa na desistência de Rafa do M1000 de Miami. O foco dele é a temporada de saibro, quando pode sair com o recorde de GS vencidos, pra que fazer uma viagem longa em meio a uma pandemia para jogar na quadra dura?

    1. Sérgio Ribeiro

      Exato. Tudo o que Novak queria . Veja que Thiem também caiu fora . Essa loucura e’ para aqueles que sabem que não vão arrumar nada em RG ou garotos tipo SINNER que estão loucos por pontos no Ranking. Abs!

      1. Sérgio Ribeiro

        Ps. Em contrapartida no Único MASTERS 1000 possível de descarte , exceto Federer , TODO o TOP 10 aparece inscrito na lista de hoje de Monte Carlo .Abs!

  3. Weslei

    Dalcim,

    Me tira uma duvida, hoje foi publicado no Tênis Brasil que Federer possui mais vitorias consecutivas no ATP 500, mas de acordo com minhas fontes o ranking esta assim:

    1 Boris Becker 45 (1988 Queen’s Club – 1990 Tokyo Indoor)
    2 John McEnroe 30 (1980 Wembley – 1981 Montreal / Toronto)
    3 John McEnroe 29 (1983 Wembley – 1985 Forest Hills)
    4 Roger Federer 28 (2014 Dubai – 2016 Halle)
    5 Ivan Lendl 26 (1984 Wembley – 1985 Stratton Mountain)
    5 Rafael Nadal 26 (2005 Acapulco – 2007 Dubai)
    7 Bjorn Borg 24 (1977 Pepsi Grand Slam – 1978 WCT Challenge Cup)
    8 Andre Agassi 23 (1988 Memphis – 1989 Memphis)
    9 Ivan Lendl 21 (1983 Milan – 1984 Monte Carlo)
    9 Stefan Edberg 21 (1987 Rotterdam – 1988 Memphis)
    9 Pete Sampras 21 (1996 Memphis – 1997 Indianapolis)
    9 Andy Murray 21 (2016 Queen’s Club – 2017 Barcelona)
    13 Ivan Lendl 20 (1981 Las Vegas – 1982 Monte Carlo)
    13 Andrey Rublev 20 (2020 Hamburg – 2021 Rotterdam)

    1. José Nilton Dalcim

      Não sei qual é sua fonte, Weslei. A gente sempre se baseia nos dados oficiais da ATP. Mas vejo logo de cara que você coloca Becker começando em Queens, só que Queens apenas se tornou um 500 há dois anos. Até então era um 250. O mesmo se pode dizer de Wembley.

      1. Luiz Fernando

        Dalcim uma dúvida, Halle também sempre foi um ATP250, parece q só recentemente passou p 500, vc sabe desde quando?

          1. Weslei

            Tive a resposta do site e parece que os dados então certos:

            1988 – Queen’s Club
            1988 – Indianapolis
            1989 – Milan
            1989 – Philadelphia
            1989 – Brussels
            1989 – Stuttgart Indoor
            1990 – Indianapolis
            1990 – Sydney Indoor
            e perdeu na final de Tokyo Indoor em 1990 na final.

            Esse torneio Queen’s Club já foi Master 1000, ATP 500 e ATP 250, em 1988 ele era ATP 500 mudou para ATP 250 em 1990 e voltou a ser ATP 500 em 2015.

            Então Dalcim de acordo com o site e o dono dele parece que ta certo, será que a ATP não esta considerando apenas os jogadores ativos?

  4. periferia

    Antares

    Mais um dia em Antares…não seria um dia como os outros…uma greve geral paralisou a cidade.
    No cemitério três corpos ficaram insepultos (os funcionários do cemitério aderiram a greve)
    Ninguém para consumar o enterro.
    Os mortos eram políticos proeminentes…todos haviam administrado a cidade.
    Inácio “Cachaça” ( gostava de parecer tonto…mas de tonto não tinha nada…sempre metido em falcatruas…bebia muito).
    Jair “Facada” (antes de ser prefeito…foi militar…diziam que era um torturador negacionista…tinha uma cicatriz na barriga).
    Agripino “Calça Justa” (gostava de receber propina de privatizações feitas na cidade…usava um figurino no mínimo estranho).
    Abandonados no cemitério…os mortos se levantaram dos caixões e foram para o centro da cidade.
    Eles não lembravam como haviam morrido.
    Na praça central…subiram no coreto.
    A população foi para praça (observava assustada).
    Um a um…os mortos…utilizaram o momento (palanque e multidão) com discursos populistas.
    Quando alguém na multidão interrompeu e gritou:
    – Eles não morreram vamos mata-los de novo.
    No fim daquele dia…os três políticos foram sepultados definitivamente.

    1. Rubens Leme

      Incidente em Antares é, pra mim, a obra-prima do Erico e li quase toda a obra dele, assim com o do filho. Realismo fantástico que Gabriel García Marquez aprovou.

      1. José Nilton Dalcim

        Eu li ‘Incidentes’ pela primeira vez por volta de 1975 e foi o livro que me fez pensar que poderia escrever algo razoavelmente bem. É uma obra prima. O poder de descrição e caracterização de personagens do Érico era assombroso.

        1. Rubens Leme

          Sim, e você percebe também o humor que virou a marca registrada do Luis Fernando Aliás,, os contos absurdos do Luís Fernndo Verissimo tem um paralelo muito interessante com os do Woody Allen, no sentindo de criar situações abusrdas e dar finais ainda mais inesperados sem perder o ritmo

          E Erico morria de preocupação com ele porque o filho não sabia o que o menino seria no futuro

  5. Miguel BsB

    Dalcim, não vai ter post sobre o feito do Medvedev não? Quinze anos para alguém fora do big4 chega à 2 do ranking…um feito memorável!
    Nem Wawrinka, nem Cilic, nem Delpo quebraram essa marca…

  6. Paulo Almeida

    E está acontecendo o que eu temia: as transmissões na ESPN estão ocupando um tempo muito menor na programação do que faziam no SporTV e no Band Sports, ou seja, o tênis está sendo cada vez mais relegado…

  7. Luiz Fernando

    Se tem um torneio q todos sabiam q Federer não iria era MC, pelo piso lento. Claro q pela razão inversa deverá ir a Madri.

  8. Oswaldo E. Aranha

    Rafael, endosso plenamente os votos pela tua recuperação, não podes desfalcar a família do blog.

  9. periferia

    Olá

    Grande feito de Medvedev….15 anos que não acontecia de alguem fora do big 4 assumir a vice liderança do ranking.
    Vamos aguardar alguém assumir a liderança do ranking…desde fevereiro de 2004 (Roddick) não apareceu ninguém…mais de 16 anos…de um período de “entressafra”.

  10. Chadwick Boseman

    Despeço-me hj do blog agradecendo novamente a todos aqueles q me enviaram votos de força e sorte. Há dois cenários possíveis: o pior, sobre o qual n vale a pena comentar e o melhor, onde após o procedimento estão previstos de 4 a 5 meses de fisio intensa para recuperar os movimentos das pernas, coordenação etc.

    Espero q os médicos façam tantos winners qto Fed na última final de WB e que eu saia vencedor da partida, como Djoko.

    Cuidem-se e fiquem bem. Obrigado por tudo.

    1. Rodrigo S. Cruz

      Que Deus segure na tua mão, Rafael.

      E assim que possível, retorne ao blog onde será sempre muito bem recebido por mim e por todos…

    2. Willian Rodrigues

      Todos os “winners” possíveis amigo!!
      Esteja em paz e mantenha pensamento positivo.
      Em breve, estará compartilhando suas excelentes opiniões que sempre agregam aqui no Blog.
      E, o mais importante, reforçando a esquadra nolista por aqui.. HeHeHe
      Abs

    3. Barocos

      Rafael,

      Que seus médicos demonstrem o conhecimento de um Poincaré, a sabedoria de um Sócrates e a paciência de um Mandela. Que você possua a mistura de sorte, dedicação e destreza com que são forjados os grandes campeões e que possa, findo seu périplo, mais uma vez apreciar a beleza da vida.

      Vida longa e próspera.
      ?

    4. Joaquim Saraiva

      Prezado Chadwick Boseman, apesar de não conhecê-lo, sensibilizo-me com sua situação e rogo votos de melhoras breve. Lendo você aqui no blog, é fácil perceber o quão boa gente és, de modo que não poderia desejar nada além de um franca recuperação. Lembre-se sempre de manter a cabeça erguida e o pensamento positivo, pois “quando se olha muito tempo para um abismo, o abismo olha para você”. Abraço.

    5. Filipe Fernandes

      Caro Rafael,

      Reforço novamente o meu desejo de que tenha uma boa recuperação, que este processo seja positivo e que nele você fique sempre em boas mãos, para o melhor da sua saúde.

      Um grande abraço, Rafael, que você possa ficar bem e voltar aqui.

  11. Ronildo

    HÁ GRANDE DIFICULDADE NA INTERPRETAÇÃO DE TEXTO por partes de algumas pessoas que usam a internet. Dizer que há base para comparação entre um atp 250, 500 ou 1000, não é o mesmo que dizer que eles tem o mesmo valor. Apenas há base para comparação. Estes 3 tipos são torneios de primeira linha da ATP. Tanto é que há inúmeros países que sequer conseguem manter um ATP 250. É pura ignorância taxar o 250 de duzentocinquentinha! Por acaso o ATP de Halle ficou duas vezes mais difícil de ganhar depois que virou 500? O nível dos 250 são tão altos que nem Denis Stomim nem Ernest Gulbis conseguem entrar mais neles! O segundo nível são challengers. Porém tênis é tão surpreendentemente imprevisível que não é garantido que qualquer jogador de primeiro nível da ATP ganhe facilmente um challenger só porque resolveu entrar!
    É um esporte fantástico e gera muita paixão. Infelizmente por diversos fatores, é pouco praticado de maneira amadora, como lazer. Assim surgem casos de muitos apreciadores nunca terem jogado uma partida ou sequer empunhado uma raquete. Com isso cria-se uma situação propícia para que muitos tenham opiniões sobre certas questões que destoam da opinião daqueles qe realmente vivem o circuito profissional.
    Vou colocar uma situação hipotética para exemplificar: surge uma enquete na internet, uma pesquisa para que o público escolha o maior tenista na opinião deles: um deles tem 20 slans e o outro tem 22. A maioria do público escolheria o que tem 22 slans. Porém o pessoal que vive e respira o circuito poderia ter outra opinião. Se por acaso o ganhador de 22 slans nunca tivesse chegado em outras finais e o ganhador dos 20 tivesse outros 20 vices, totalizando 40 finais de slans, eles certamente apontariam este tenista como o melhor e maior, mesmo com 50% de aproveitamento diante dos 100% de aproveitamento daquele que tem 22 slans!
    Muitos fãs encaram uma final como uma roleta russa, como se o vice-campeonato significasse a perda de tudo. Seria como se a cerimônia de premiação fosse a glorificação do vencedor o o opróbrio do perdedor da final! Neste caso o troféu de vice não teria sentido e os tenistas jogariam no lixo assim que acabasse a cerimônia! É completamente o contrário! Um vice campeonato é uma consecução onde numa competição de 128 competidores de alto nível, ficou-se à frente de 126! Com vitórias e prêmios acumulados que farão parte da história do tenista! Evidentemente que quaquer tenista que chega numa final quer ser campeão e fica chateado com o vice se perder. Porém chegar numa final é fazer história!
    Desde 1998 Roger Federer tem feito história no circuito e seus números estão aí para serem analizados e compreendidos.
    Onde chegará?
    Só o tempo dirá!
    Porém atualmente é o maior tenista que já apareceu no circuito profissional.

    1. Alessandro Siqueira

      Cuidado com o TACHAR. Grafado com X, assume conotação tributária. Produtos são taxados, por exemplo. No sentido de impor PECHA, a grafia correta é com CH.

      1. Willian Rodrigues

        Amigo, take it easy…
        Melhor nos preocuparmos com a discussão acerca do tênis mesmo.
        Muitos de nós acaba cometendo pequenos deslizes, ou até mesmo erros mais grosseiros devido à pressa da digitação.
        Assim, a gente acaba inibindo a manifestação de outros frequentadores.
        Particularmente, acho agressivo…
        Se o Dalcim fosse bloquear cada texto que o Blog recebesse com erros de português…

      2. Leo Gavio

        Ele não assume CONOTAÇÃO nenhuma, ele DENOTA o ato de aplicar algum tipo tributo.

        Não existe outra interpretação, logo DENOTA. A semântica dessa palavra, assim grafada, é integralmente objetiva. De onde você tirou que conota? Em que outro lugar do Brasil “taxar” é polissêmico?

    2. Chetnik

      Se você consegue poetar num texto de 3 linhas, eu imagino a quantidade de pérolas num textão desses. Passo.

    3. Luiz Fernando

      Ronildo vc é um cara tranquilo, sem arestas mas cuidado com o teor das suas postagens. Não há como comparar um ATPzinho 250 com os M1000, não se exponha…

    4. Luiz Fabriciano

      Que exercício hercúleo para colocar Federer em um lugar que ele não precisa. Ele já está há tempos.
      Então, números agora importam?
      E você continua com suas deduções, tais como, se um jogador com 20 GS em vinte finais, participar de uma enquete contra outro com 20 GS em 40 finais, o segundo será escolhido o melhor. Putz! Qual garantia?
      Uma coisa eu aposto sem medo de perder: se o de 20 vices for Federer e você estiver na enquete, seu voto irá para ele.
      Paixão é extremamente subjetiva. Não se pode avaliar o quanto que cada pessoa é apaixonada. Nenhuma enquete vai conseguir separar esse sentimento de análises técnicas e/ou números reais, então, um jogador de apenas 1 GS pode superar um de 2.
      E para finalizar, como dizia o Tião, montador do boi Bandido: “o segundo lugar é o primeiro dos últimos”. Mas, numa enquete, ele poderá ser o primeiro.
      Saudações.

    5. Jonas

      Meu caro, eu realmente não considero os ATP 250, 500 torneios para amadores, longe disso. Eu só disse que o Big3 costuma selecionar alguns torneios, que costumam ser os masters 1000, lógico. Quando foi a última vez que você acompanhou um ATP 250 com a presença de Federer, Nadal e Djokovic? Pois é, nem sempre eles jogam. Se jogam e perdem, também não é fim do mundo, já que eles costumam focar em torneios muito maiores, é simples assim. Estou me referindo ao big3, que é de outro planeta, mas é claro que há ótimos jogadores nesses torneios 250 e 500.

      Veja que Federer usou o ATP 250 de Doha para medir seu nível e depois optou por pular o ATP 500 de Dubai, o que não chega a surpreender. Talvez você se lembre de 2018, quando Djokovic chegou a jogar até o ATP 500 de Barcelona, já que a fase era péssima. Provavelmente usou esse torneio para se preparar ou ganhar confiança.

    1. Paulo Almeida

      Exato. A temporada de 2015 é a melhor de um tenista em termos de títulos/finais obtidos, mas a de 2011 teve um grau de dificuldade ainda maior, com Djoko batendo as melhores versões de Fregueser e Nadal. Eu pessoalmente fico com esta.

      E 2006 a gente já sabe: risada garantida sempre!

  12. Paulo Almeida

    O maioral do Ibope e do Jornal Nacional também foi o centro das atenções no Esporte Espetacular na manhã desse domingo. DjokoGOAT domina tudo, enquanto o pobre Frauderer só será lembrado novamente quando perder no 500tinho de Halle lá pra junho, kkkkkkkkk.

  13. Marcelo Costa

    Devemos celebrar o retorno do Federer, sua idade, sua cirurgia, mas por favor lebron James com 38, está voando todo jogo na nba, cr7 com 37 corre o campo 90 minutos, tom brady venceu o super bowl com 44 anos e renovou pra mais um ano. Ufanismo não combina com a realidade, o suíço é só um gênio não um Deus.

    1. Renato Aquino

      Na época do Sampras, Agassi, Guga era normal o tenista entrar em decadência após os 30 anos. Alguns nem chegavam nessa faixa em um nível aceitável de jogo.

      Hoje nós vemos os caras mantendo um nível de atuação muito alta, mesmo com a tal idade avançada.

      Messi, Cristiano Ronaldo, Tom Brady, Novak Djokovic, Roger Federer e Rafael Nadal são exemplos para os outros. Atletas longevos que se cuidam e tem uma excelente equipe ao redor.

      Se Roger Federer quiser e focar muito, ele vai passar dos 40 anos e pode até vencer mais 1 ou 2 Grand Slams. Da mesma forma Djokovic e Nadal seguirão muito bem por mais alguns anos. Me cobrem.

      O caso do Murray é diferente. Ele teve uma lesão muito séria e sempre correu além da conta. Deveria ter investido em um estilo de jogo mais próximo da linha de base, pegando a bola na subida.

    2. Ronildo

      Não sei outros casos, mas meu objetivo é deixar envergonhados aqueles que depreciam Federer. Somente isso.

      Mas concordo com você?

  14. Maurício Luís *

    Djoko dando um tempo por causa do abdômen. Nadal dando um tempo por causa das costas. Thiem com bolhas nos pés. Federer voltando devagar depois de cirurgia.
    Isso é um ranking ou é uma Santa Casa de Misericórdia?

    1. Luiz Fernando

      Gênios também envelhecem e se contundem, embora alguns aqui achem q um dos 3 gênios é o super homem, não devemos nos esquecer q nem esse está isento de problemas, vide a criptonita…

  15. Rubens Leme

    Mais 3 pontos graças aos meninos da base, Dalcim, além da liderança do grupo

    E tem gente que apostou no rebaixamento se o Palmeiras insistisse com os meninos.

    Tá certo, então.

  16. Rodrigo S. Cruz

    [Luiz Fabriciano]

    “Sem contar que afirmar que quer bater records é bem diferente de dizer: “podem me chamar de gênio””.

    Não. Não é.

    E qualquer que analisar a fala do suíço de modo imparcial e desapaixonado irá concluir que o suíço não foi arrogante.

    E que quando disse isso, mirou mais o Pete Sampras do que a si mesmo.

    O Pete foi um ídolo para ele, UM GÊNIO para ele, e que só ultrapassando a sua marca é que o próprio Federer se sentiu merecedor de mesma COMENDA!

    É esta a leitura que eu faço da fala do Federer, apesar dos que tentam procurar chifres em cabeças de cavalo.

    Muito diferente, por exemplo, de um típico megalomaníaco como o Romário.

    Um comportamento recorrente que denota um traço marcante da sua personalidade.

    Esse sim que a vida toda, e de forma patética, sempre se sentiu parte de um panteão que jamais integrou!

    Há poucos meses perguntaram para o Romário quem são os 3 melhores jogadores da história, e o falastrão se colocou em segundo, atrás apenas do Pelé.

    Piada, né? rs rs

    O Federer está há ANOS-LUZ de um comportamento deprimente desses…

    1. Sérgio Ribeiro

      E tem mais . “ EU e Bebeto não fizemos a melhor dupla da América do Sul . Fomos a melhor do Mundo. E jamais perdemos um jogo junto pela Seleção “ . Alguém tem que lembrar ao Falastrão que a Final Olímpica em Seul 88 ( perdida pra Rússia ) , já era com jogadores acima dos 23 . Disparado Pelé e Garrincha, Bi Mundiais e 44 partidas sem nenhuma derrota. E os baba ovos dos repórteres jamais corrigem o baixinho de 5 gols em Copa . Até Ronaldo Fenômeno e Rivaldo sobram em números pra cima deles rs. Abs!

      1. Sérgio Ribeiro

        Correção: Pelé marcou 44 Gols nas 40 partidas que jamais perderam juntos . A coincidência foi que a primeira e última partida o mesmo adversário, a Bulgária. Na eliminação na terceira Copa em 66 contra Portugal, Mane’ não jogou. Abs!

        1. Sérgio Ribeiro

          Não podia deixar de lembrar a um “ expert “ em futebol do Blog que afirmou que Garrincha jamais foi Ídolo. O segundo maior jogador que já vestiu a camisa da seleção, foi o maior Craque do Rio de Janeiro. O “ Alegria do Povo “ jamais foi vaiado no Maracanã. O Timaço do Botafogo da época do Santos de Pelé, arrasou o Flamengo durante década. A torcida do Rubro-negro ficava em silêncio quando Mane’ pegava na bola . “ Vai lá que o Cara acorda e dribla toda a defesa pela milésima vez “ . Abs!

    2. Ronildo

      Foi assim também que eu encarei a declaração de Roger Federer. Havia algum tempo que o pessoal idolatrava ele e tava difícil bater o recorde de slans de Pete Sampras. Teve aquela sofrida derrota para o Nadal no AO de 2009.

    3. Willian Rodrigues

      “E qualquer que analisar a fala do suíço de modo imparcial e desapaixonado irá concluir que o suíço não foi arrogante…”

      Rodrigo, com certeza, Federer não tem essa índole do Romário, Renato Gaúcho e outros fanfarrões por aí. Rrrsrs…

      MAS, por favor, utilize de honestidade intelectual agora e reconheça que aquela frase foi, no mínimo, muito infeliz!
      Concordo com o Chadwick quando ele afirma que a fala pode ter surgido “no calor da situação”, mas…
      O sujeito verdadeiramente humilde, via de regra não sabe que o é…
      Não ousa falar de si próprio. Deixa que os outros o façam.
      Esse é o principal motivo porque torço contra Federer! Além disso, curto mesmo quem fala exatamente o que pensa.
      Abs

      1. Rodrigo S. Cruz

        Pode apostar, Willian.

        Como você foi o ÚNICO nolista a usar de honestidade intelectual comigo, em relação a temporada de 2006 do suíço.

        E como você se mostrou o extremo oposto de personalidades sem honestidade intelectual alguma como o Paulo F, que mente sem o menor pudor ou peso de consciência, eu farei o mesmo agora:

        Sim. A frase do Federer não foi nem um pouco feliz.

        Apesar de eu achar que não seja da índole dele se exibir, até por nunca ter sido uma postura que ele tenha repetido em outras passagens…

        Abs.

        1. Willian Rodrigues

          Grande Rodrigo, foi mesmo uma declaração infeliz…
          Porém, eu também levo em consideração o fato de Federer ser talvez o tenista mais badalado da história, uma vez que foi em sua geração, e muito por seus próprios méritos, que o tênis alcançou o grau de popularidade que tem hoje.
          Não deve ser fácil lidar com toda a bajulação e fortuna advindos disso…
          Natural que o cara extrapole os limites de vez em quando e se assoberbe um pouco.
          A seguir, cenas do próximo capítulo: Wimbledon está logo ali.
          Vejamos quem poderá tirar sarro do outro… KKKKKK
          Abraço

    4. Chadwick Boseman

      Rodrigo,

      Tirando a parte onde vc muda para inserir Romário no assunto, pergunto-me se vc teria a mesma leitura em relação ao arrogante auto-proclamado gênio caso o autor da frase tivesse sido outro. Pergunto-me retoricamente, pq baseado nos últimos 90 de cada 100 posts seus, imagino a resposta. De qualquer forma, como estarei longe por um tempo a partir desta semana, gostaria de registrar minhas desculpas a vc por sentir-se cobrado por mim, como vc declarou em uma resposta ao Fabriciano – “Vc e o Rafael cobram minha mudança de postura” ou algo semelhante. É óbvio q n posso cobrar nada de vc, vc não me deve nada. Nem satisfação. O fato de eu achar o Rodrigo didático de antes, que, à sua maneira, discorria sobre os assuntos de uma forma interessante, q me chamava a atenção, que qdo falava de F1 era fonte de aprendizado pra mim, o fato de eu achar que antes vc contribuía muito com conteúdo e menos com esse jeito q vc adotou há uns tempos, isso n quer dizer nada. E eu não sou o único a perceber isso, o próprio L. Fernando observou o outro dia sobre uma postagem sua: “Poxa, Rodrigo, (…,) agora vem com infantilidades” – perdoem-me n reproduzir c precisão; o Fabriciano te alertou no mesmo sentido e vc disse algo como: Estou viciado.

      Ou seja, paciência. Continuo querendo o seu bem e que vc aja da forma que te fizer sentir melhor. Perdoe-me por essas últimas colocações sobre Fed. São opiniões que tenho já consolidadas e nada pode mudá-las, porém deveria guardá-las p mim. Talvez vc tenha percebido que fiz isso deliberadamente, para mostrar o desagradável q são os julgamentos de caráter, talvez não. Vc sabe quantas vezes elogiei o JOGADOR Fed por aqui. Vc viu. De qualquer forma, minha tentativa foi furada. N consegui fazer ninguém perceber nada espelhando esse modus operandi q não é o meu. Mas longe de mim tentar impor algum tipo de comportamento. Cada um que faça o q achar melhor.

      Grande abraço, Rodrigo.

      1. Rodrigo S. Cruz

        Rafael,

        Tanto eu não vi nada de errado no pedido teu e do Fabriciano que eu mesmo pedi algo pra ele, lembra?

        Logo, nem sentido faz você me pedir desculpas.

        Sobre o Federer e o Djokovic existe uma polarização muito clara aqui.

        E é sem número o volume de postagens depreciativas sobre ele. Não acabam nunca. E CLARO que não me refiro ao que você escreveu, e sim a coisas como:

        “desaposentado”, “filho do Nadal”, “Alpino”, e várias outras sátiras do tipo.

        Portanto, me sobraram dois caminhos: ou ignorar tudo, ou surfar na “onda” e tentar me divertir um pouco também.

        E confesso que estou me divertindo pegando no pé do sérvio.

        A única coisa que nunca me divertia eram as brigas com outros participantes. O que graças a Deus não tem ocorrido mais, e vou me esforçar para que não ocorram.

        Claro que algumas coisas que escrevo sobre o Djokovic nem sempre espelham fielmente o que eu penso dele.

        Assim como há coisas intoleráveis mesmo, como aquele caso do Adria Tour que você disse que é assunto requentado (mas acho que não deve cair no esquecimento pela gravidade) e o comportamento dele com os boleiros que é uma coisa que eu detesto mesmo…

        Sei lá, acho que alguns nolistas do segmento mais crítico acabaram criando um “monstro” como eu.

        Abs.

    5. Luiz Fabriciano

      Bom, continuo achando que é.
      Se pedir ao mundo que o chame de gênio, não é ser arrogante – ao menos nessa passagem – sou eu então o pai da humildade.

      1. Rodrigo S. Cruz

        Ele não pediu nada, Luiz

        Nunca precisou pedir isso

        Ele já vinha sendo chamado assim há muitos anos!

        A única coisa que ele fez foi dizer que APÓS superar a marca de Sampras, ele se sentia digno da alcunha de gênio.

        Abs

    6. Vítor Barsotti

      Penso muito parecido contigo nessa, Rodrigo.

      Mas, percebe que não adianta muito ficar batendo nessa e em outras teclas semelhantes? Afinal, temos simpatia pelo Federer e tendemos a elevar suas qualidades e minimizar suas falhas. Enquanto os nolistas fazem justamente o mesmo com Djokovic.

      Repare: Djokovic é autêntico, fala o que pensa. Para os federistas é um defeito, deveria ponderar mais antes de se expor. Já para os nolistas, é justamente o contrário, mostra que ele é um cara verdadeiro. Outra: Djokovic utiliza-se de todos os recursos (“legais”) possíveis durante uma partida, mas no final sempre cumprimenta o adversário com esportividade. Para os federistas ele é milongueiro (fico puto com isso, o cara usa de tudo que é tática pra se encontrar no jogo e tirar o momento do rival – apressar boleiro, destruir raquetes, encarar o adversário, urrar… – e depois vem todo “amigão” na rede. Se fosse eu, nem cumprimentava o cara no fim do jogo… kkk). Mas para os nolistas é qualidade, o cara faz o que pode pra revirar uma situação adversa.

      Então, no fim das contas, é tudo questão de afinidade mesmo. E tá tudo certo!

  17. Rodrigo S. Cruz

    [Ronildo]

    “Você não acha espantoso um tenista estar à beira de completar 40 anos e jogar na qualidade que Federer está jogando? Para o tênis atual, acho isso simplesmente espantoso Rodrigo”.

    Só estou dizendo que a atuação dele nesse torneio não foi espantosa.

    Foi dentro do script que era esperado.

    E que o suíço teve um retorno aceitável, todavia, modesto.

    Deu a lógica:

    eu não esperava nem que voltasse ganhando o torneio, e nem que voltasse jogando muito mal.

    Agora, é ficar na torcida para que ele evolua muito mais e chegue forte em Wimbledon.

    Abs.

  18. periferia

    O Retrato

    Dória(n) ganhou um quadro…era um auto retrato.
    Não era um quadro qualquer…era tão realista e belo que Dória(n) trocaria sua alma para se manter naquele estado de juventude…beleza e poder (a imagem era puro poder).
    Dória(n) é atendido…enquanto permanecia jovem…sua imagem no quadro sofria a deterioração do tempo.
    Cultuando sua própria imagem e cada vez mais interessado pela degradação da própria alma…buscava em todos os lugares de uma sociedade hipócrita…pautada pelo individualismo…aquilo que poderia corromper todos os valores de um homem (corrupção…vaidade e luxúria ).
    Enquanto isso…os efeitos do tempo no retrato eram inegáveis.
    Pele retorcida…olhar perdido…raiva nos lábios e sangue nas mãos.
    Mas o tempo…antes seu aliado torna-se seu inimigo.
    Dória(n) jamais iria esquecer das coisas que fez.
    Ele não poderia continuar vivendo assim…entre essência e aparência.
    Em um ataque de fúria…Dória(n) destrói o quadro.
    E a si mesmo…

    1. Jose Yoh

      Uma obra-prima, com um tema mais atual que nunca, no nosso mundo de aparências e vaidades. Todos em busca de suas fontes da juventude, mas o quadro pendurado lá no fundo da nossa consciência não nos deixa esquecer nossa essência.

  19. Maurício Luís *

    O Federer planeja, pelo que se sabe, poucos jogos antes da temporada da grama. Acredito que isto vai fazer com que ele não adquira o ritmo ideal.
    Portanto, não acredito que quando ele pisar na grama vai “passar o rodo” em todo mundo.
    Me dedculpem os fãs, mas não é nada difícil que com essa estratégia a meu ver equivocada, ele acabe é “pastando”.

    1. Jose Yoh

      Ele não tem opções. Se jogar pouco que seja, lesiona (na verdade já está). Então a única chance é tentar tomar ritmo em poucos jogos mesmo.

  20. Ronildo

    Semi de RG aos 38 ?????

    Semi de AO aos 39 ?????

    Muitos não conseguem entender o significado de tudo isso, só o tempo revelará.

    1. Rodrigo S. Cruz

      Olha,

      sinceramente, eu sempre fui um dos que não apostavam no Djokovic e tampouco no Nadal, jogando nessa idade.

      Mas agora vendo o quanto a medicina esportiva evoluiu, e o quanto o Encosto segue esbanjando um físico superior ao de QUALQUER OUTRO jogador muito mais novo do que ele, eu temo que precisarei rever o meu posicionamento.

      Estou começando a acreditar que o sérvio vai conseguir trilhar o mesmo caminho trilhado pelo suíço.

      E que ele vai conseguir chegar aos 38, 39, jogando também em alto nível.

      1. Jose Yoh

        Creio que não. Os dois devem parar antes e não por causa do físico (embora tenha certeza que eles sempre jogam esbagaçados).

        Acho que em dois anos vários recordes serão batidos, Federer deve parar e a next gen que já vem impondo bons resultados sobre o big 3 finalmente deve abocanhar alguns slams. Penso que Isso deve desestimular a continuidade da carreira deles, porque o circuito não é moleza não. Imagine quantas vezes eles já pensaram em parar. Praticamente a cada dois anos, que é quando eles se lesionam.

        Não sou nenhum profeta mas é o que eu penso.

  21. Rodrigo S. Cruz

    É, meu povo…

    Desta vez não deu para o nosso glorioso Roberto Pangaré-Agut.

    Mas tem um lado positivo pra tudo, né?

    O tenis-arte pode ter ficado órfão de mais um possível título do GOAT.

    Mas o tênis-espantalho praticado pelo Agut, também ficou sem o título rs

    Menos mal…

  22. Vitor Hugo

    Federer, REI DAS HARDS, MELHOR DA HISTÓRIA, perdeu pro campeão Nabashivili, que atropelou o medíocre Agut.
    Mesmo Roger jogando 50%, quase ganhou do campeão do torneio.

  23. EDVAL CARDOSO

    Vendo a Muguruza nessa faze esplêndida, chegando em finais dos torneios, e inclusive ganhando esse último de Dubai, fico imaginando como estaria a nossa Bia Haddad, se não tivesse os problemas com lesões e principalmente ter sido pega no exame antidoping.
    Se não me engando a espanhola foi a última tenista top que a Bia ganhou antes de ter sido pega no doping.

  24. Rodrigo S. Cruz

    [Willian Rodrigues]

    “Prezado Rodrigo, quanto à dominância ser mais ou menos intensa na temporada 2006 em detrimento àquela de 2015*, não julgo estapafúrdio de forma alguma! Há bons argumentos de ambas as partes”.

    Agora sim, Willian!

    Finalmente um nolista com boa vontade de entender as minha razões.

    Pois há argumentos sólidos para as duas torcidas!

    E de resto, eu concordo com vocês:

    é lógico que ganhar um Masters 1000 é mais valioso do que ganhar um ATP 500 ou 250.

    O problema todo era a narrativa IMPOSITIVA que alguns nolistas estavam construindo a partir deste fato.

    Porque temos sim, como você disse, todo direito de eleger 2006 como a melhor temporada.

    Abs.

  25. Rubens Leme

    Dalcim, será que consigo financiar a compra da mansão do Ivan Lendl, pela Caixa Econômica? Rapaz, que barraco bonito.

      1. Salvio Marin

        Se for filho ou amigo do ex-presidiário, nem precisa da Caixa, o desvio da Petrobras, como qq um minimamente informado sabe, foi na casa dos bilhões.

  26. Luiz Fernando

    Vitória indiscutível do NB, num jg essencialmente de golpes do fundo da quadra. O georgiano me pareceu mais regular e agressivo, além de sua bola andar mais; hj o BA jogou abaixo dos outros dias. Já em Marselha o Herbert mais uma vez tende a ficar pelo caminho…

  27. Ronildo

    Sinceramente, vejo muito erro de avaliação aqui. Como um atp 250 não pode ser comparado com um 500 ou um 1000 se são jogados basicamente pelos mesmos jogadores.

    Vejam como foi uma verdadeira epopéia esta campanha vitoriosa
    de Basilashvili!
    Os caras sacam, correm, gemem, gritam, tudo do mesmo jeito, independente do torneio!

    O esforço para ganhar um ou outro é idêntico, com a diferença que os tops evitam os torneios que pagam menos para preservar o físico. Porém se jogassem todos teriam derrotas em todos. Ou alguém acha que se Djokovic entrar num torneio 250 vai ganhar sem fazer esforço?

    1. Jonas

      Isso é uma mentira. Basta pegar os últimos torneios ATP para perceber.

      Esses caras (Big 3) cansam de pular esses torneios menores, o que torna mais fácil a vida de jogadores menos rankeados. E geralmente quando jogam, utilizam como preparatório, a fim de ajustar algumas coisas.

      Me lembro quando Djokovic perdeu para o Agut em Doha 2019 e semanas depois massacrou o Nadal na final do Australian Open. O próprio sérvio venceu Wimbledon 2018, semanas depois de perder a final do ATP de Queens.

      Se Nadal, Djokovic e Federer jogassem mesmo todos os torneios, de maneira 100% focada, é claro que não veríamos Basilashvili, Agut e outros jogadores medianos sendo campeões.

      1. Sérgio Ribeiro

        Errado : Os ATP 250 atuais são recheados de jogadores da Nova geração. São bem diferentes da época de Connors que muitas vezes somente tínhamos jogadores locais Norte-Americanos . O que vale é a chave do Torneio. Principalmente agora em que o Big 3 pula MASTERS 1000 a dar com o pau. Essa malandragem de diminuir os Torneios pela Turma da Kombi e’ antiga . Veremos agora com a volta do ATP 250 Sérvio … rsrsrs. Abs!

        1. Jonas

          Cara, não entendi seu comentário.

          Você diz “os ATP 250 atuais são recheados de jogadores da Nova geração”. Mas onde eu disse que não são??? Mds…

          1. Sérgio Ribeiro

            Na boa , Jonas . Você acha mesmo que eu tenho a pretensão de que a turma da Kombi entenda meus comentários ???. Ainda mais com reforços estilo L . F e P. F. . ? rs Abs!

    2. Chetnik

      Você sempre faz jus ao título de maior poeta do blog. Meu Deus do Céu! Agora você se superou. GS também dá no mesmo. São os “mesmos jogadores”. Diferença que é melhor de 5…

    3. Thiago Silva

      O parâmetro é o seguinte: se o Federer vencer um ATP 250, o torneio vale mais que um Masters 1000, se qualquer outro vencer, é só um ATPzinho.

      1. Sérgio Ribeiro

        E’ outro que assumiu que virou casaca ? Kkkkkkkkkkkkkkkkkk, Esquece o Velhinho tá bom ? Falas o tempo todo nele todo santo dia aqui e no face rs , Idoso merece respeito sim senhor rs. Abs!

        1. Thiago Silva

          E o que tem de desrespeito no meu comentário? Eu falo no Federer porque ele é importante, até pouco tempo era o melhor tenista da história, agora caiu pra segundo, mas continua relevante.
          As minhas críticas são aos malabarismos que vocês fazem pra supervalorizou os títulos do Federer e diminuir os dos outros.
          Você mesmo já enalteceu o Nadal apenas pra enaltecer o Federer por tabela no período 2004-2007.

          1. Sérgio Ribeiro

            Essa resposta é típica de malabarista , que é o seu caso. Vou repetir pela última vez . Em 2005 ao vencer RG e 4 MASTERS 1000 ( DOIS nas DURAS) , num total de 11 ATPS , somente não se tornou o mais jovem N 1 de toda a Era Profissional, batendo Lleyton Hewitt, por existir Roger Federer. Abs!

        1. Sérgio Ribeiro

          O alto número de Winners significa que o jogo foi apertado . “ Tive sorte de não errar nada nos pontos Importantes “ . Novak Djokovic na conferência pós jogo. Não acredito que seja tão difícil entender ainda mais com o Sérvio salvando MatchPoints … Abs!

  28. lEvI sIlvA

    Caríssimos Filipe Fernandes e Marcílio, a indicação vai pra ambos. Pois estou certo, o nobre colega Rubens Leme, deve estar “careca” de conhecer.
    Lendo muitos comentários que fazem, imagino quão saudosistas os dois são da boa música que se fazia até a década de 90.
    Destaques do álbum, apesar de fabuloso no todo, vão pra 3 faixas que desde a primeira audição me impressionaram…
    Continuum de 2013, álbum de John Mayer é um achado. Por vezes, acho que foi o melhor lançado no ano. Contando com 13 faixas e apesar de tão recente, soa parecido com a boa música da década de 80 em muitas passagens.

    1) Waiting On the World Change
    3) Belief
    6) Vultures

    Mas não se enganem…! Não há faixas ruins no disco, ou melhor, CD!!! (Rsrs) Algo surpreendente, eu diria.
    Compor, tocar e cantar tão bem, é pra poucos.
    John Mayer fecha a conta com chave de ouro, pois canta e encanta!!!

    PS. Grande abraço e cuidem-se todos por aí…!!!

    1. Filipe Fernandes

      Caro lEvI,

      Agradeço a você pela indicação. Gosto de diversas músicas do John Mayer, ele foi um daqueles músicos que me levaram a querer aprender violão, pois desejava muito tocar canções como ‘Daughters’ e ‘Your Body is a Wonderland’ nesse singelo instrumento.

      Eu sou um ouvinte do bom e velho rádio (na verdade um apaixonado), às vezes costumo deixar a Antena 1 sintonizada por perto, e de vez em sempre ela inclui a agradável ‘Waiting on the World to Change’ na sua programação. John Mayer é um excelente guitarrista.

      Sobre os anos 90, uma banda que considero fantástica e que fez uma grande carreira naquela década foi a R.E.M.; é muito difícil eu não gostar de uma música deles. Radiohead é outra ótima banda. Alanis Morissette é outra artista de que gosto muito.

      Caro lEvI, se me permite, também deixo aqui uma sugestão musical: o magnífico cantor irlandês Damien Rice. Ele é bastante conhecido pela canção ‘The Blower’s Daughter’, que se tornou trilha sonora do filme “Closer – Perto Demais” (2004), mas a sua obra é repleta de belíssimas canções, a começar pelas que estão no seu álbum de estreia, “O”.

      Sugiro que ouça ‘I Don’t Want to Change You’, ‘Delicate’, ‘The Greatest Bastard’, Volcano’, ‘Cannoball’ (minha favorita), ‘Amie’ e ‘Colour Me In’, pode ser que goste, ainda mais se as versões tiverem a linda Lisa Hannigan acompanhando Damien nos vocais.

      Um grande abraço, lEvI, desejo que se cuide e que fique bem, meu caro.

      1. lEvI sIlvA

        Filipe, vou atrás dos trabalhos de Damien Rice, obrigado pela sugestão. Está anotada aqui…
        Disse gostar de tudo do R.EM.?!? Saudoso, pois a banda infelizmente se desfez, faz uns 10 anos, pelo ao menos.
        Então, vou dar uma dica também, de uma faixa “perdida” deles. Busque por “Tumble Down The Tears”, creio que deverá gostar bastante…!!!

    2. Marcilio Aguiar

      Prezado IEvI, muito obrigado pela sugestão. Baixei no spotfy e já estou ouvindo. Além das que você mencionou, quando ouvi “Stop This Traian”, automaticamente me lembrei de uma que gosto muito: ” Harvest moon” – Neil Young.
      Saude!

      1. Rubens Leme

        Levi, ouvi muito pouco John Mayer, mas o que ouvi, gostei. Fico restrito só à minha coleção que faço crescer compulsivamente e sou mais ligado ao passado. São poucas coisas modernas que consumi, coisas tipo Tame Impala, que nem é tão genial assim como falam. O Flaming Lips fez tudo aquilo antes e melhor.

        Sobre o R.E.M., são poucos os que lembram da fase inicial deles, nos anos 80, quando gravaram pela independente IRS, do Miles Copeland, irmão do baterista Stewart Copeland, do Police. Era a fase que o Stipe escrevia letras que você sequer entendia o que ele dizia, naquele som inspirado nos Byrds e outras bandas sessentistas.

        Murmur (https://www.youtube.com/watch?v=Qz9nJFxk48g) é um dos mais belos discos de estreia já feitos. Sobre o Radiohead, saiu de um começo grunge – do LP Pablo Honey, ond está o clássico “Creep” -, até virarem uma banda “cerebral”, a partir de Ok Computer, seu auge, ao lado de Kid A.

        Acho até que vou tirar todos eles da estante para ouvir na semana.

        1. lEvI sIlvA

          Leme, sei bem como é isso aí…
          Eu não fico longe disso, e quase sempre escuto o que tenho aqui. São quase 1.000 CDs, afinal!!!
          Mas, se acho algo novo, com cara de coisa antiga, não perdôo, sabe?!?

        2. Filipe Fernandes

          Caro Leme,

          Duas grandes bandas, absolutamente. Você como sempre indo às raízes na história da música. Muito legais os seus apontamentos sobre ambas, tão diversas entre si e tão vivas musicalmente.

          Do Radiohead, em particular, sempre fico impressionado e maravilhado ao ouvir a amarga mas profundamente bela ‘Fake Plastic Trees’, com sua letra franca e além do tempo.

          Um grande abraço, caro Leme, se cuide e fique bem (na companhia das expressões artísticas e dos queridos cães).

        1. Rubens Leme

          O Marcílio citou o Harvest Moon, que faz parte de um momento maravilhoso da carreira do Neil, que “renasceu” após o Freedom, de 1989. Aliás, 1989 foi o ano em que os “dinossauros” renasceram porque Bob Dylan, David Bowie, Rolling Stones, Lou Reed, Paul McCartney lançaram discos que revitalizaram as respectivas carreiras.

          E Neil seguiu em frete com o belíssiimo Ragged Glory de 1990. e o duplo ao vivo Weld e o experimental Weld até cair no Harvest Moon, que rendeu uma excelente tour, documentada no live Dreamin’ Man, de 2009, onde Neil toca todas as músicas do LP, em um show acústico, sem o Crazy Horse, sozinho.

          https://music.youtube.com/browse/MPREb_HUy7sUn2Dhh

          1. Rubens Leme

            Os cachorros se divertem comigo, Filipe. Não sei se eles gostam de música ou filmes, mas eles dormem sempre ouvindo algo diferente. Hoje estamos aqui no escuro da sala ouvindo o disco Trust, de 1981, do Elvis Costello.

            Costello faz parte dessa geração oitentista inglesa de “cantores que não sabem cantar” e, ainda assim, produz músicas maravilhosas. Os 12 discos iniciais – de My Aim Is True (1977) até Spike (1989) são perfeições pops. Gostaria de não saber cantar assim, além de ter um décimo do talento pra compor.

  29. Ronildo

    Pronto Basilashvili foi campeão!!!

    Isso com certeza ajudará na confiança de Federer. Já pensou se Basilashvili tivesse derrotado Federer e depois perdesse pra outro cara na rodada seguinte??

    1. Rodrigo S. Cruz

      Verdade!

      Isso é impossível ignorar.

      Pois o cara foi campeão, e no caminho, teve de enfrentar um matchpoint contra o Maestro.

      Ou seja, pode ser uma indicação de que o Federer tem espaço para evoluir…

  30. José Eduardo Pessanha

    Mestre Dalcim, a maravilhosa Monica Seles recentemente completou 30 anos desde que assumiu a ponta do ranking, com tenros 17 anos. Sempre lamento o infortúnio que acometeu aquela que teria sido a melhor tenista de todos os tempos. Estava 11 a 9 pra Graf em Slams quando aconteceu aquela covardia, tendo Seles ganho 8 dos últimos 12 Slams. Depois disso, Graf ganhou mais 11 Slams, e Seles somente 1.
    Não seria nada impossível a Rainha Seles ter ganho 16 ou 17 Slams A MAIS se não fosse alvo daquele lunático.
    Abs

    1. José Eduardo Pessanha

      Lembrando sempre que Graf era quatro anos e meio mais velha do que Seles. A tendência seria Seles ganhar muito mais do que a alemã.
      Obs: As duas foram muito melhores do que Serena.
      Abs

      1. José Eduardo Pessanha

        Pra completar, Graf só ganhou 2 Slams durante o período de ascensão de Seles. Duas vezes em Wimbledon.
        Abs

        1. Sérgio Ribeiro

          Não consigo te entender , caro conterrâneo. Seles retornou ao Circuito ainda aos 23 anos vencendo o AOPEN 96 . Além do seu Serviço não incomodar as Irmãs Willians ( 1 x 5 , 1 x 9 ) , Steffi somente venceu mais 5 SLAM até sua aposentadoria precoce em 1999 alegando lesão. Com problemas de peso e nos pés, Mônica pouco pode fazer até 2003 com o surgimento também da futura N 1 Davenport. Há muito que o parceiro diminui Graf e Serena esquecendo que Vênus também não tomava conhecimento da mesma . Abs!

          1. José Eduardo Pessanha

            Sérgio, um dia entenderás que a Seles, depois do atentado, não jogou 10% do que jogava antes desse crime. Mesma coisa do Gerhard Berger, que, depois do seu grave acidente, não voltou a ser 1% do que foi antes dele.
            Abs

      2. Sérgio Ribeiro

        Monica Seles jamais venceu WIMBLEDON. Nem ANTES , nem DEPOIS do atentado . Sua única FINAL na Grama Sagrada foi ainda em 92 e levou 1 x 6 , 2 x 6 de Steffi Graf . Abs!

  31. Rubens Leme

    Alta Fidelidade (2000)

    Durante um período em que fiquei desempregado, entre o final de 1998 e 1999, fui ser balconista de uma loja de discos. Vivia um período terrível de depressão, era uma luta sair da cama, abrir os olhos e encarar o dia e, desesperado, pedi ao lojista onde era um dos melhores clientes, um emprego.

    Ele refugou, porque era cliente bom e porque só tinha um de meio período, por meio salário mínimo e com pagamento em dinheiro. Topei porque qualquer coisa era melhor do que encarar as paredes de casa.

    Na mesma época, saiu no Brasil o livro Alta Fidelidade, que ganhei de presente de um colega do jornal de onde havia sido demitido. Li o livro, porque basicamente era sobre um vendedor de discos com problemas emocionais e com mulheres, ou seja, Nick Hornby havia roubado minha história.

    O mais curioso é que depois comprei e li o primeiro livro dele, Febre de Bola, um apanhado de crônicas, onde descreve sua vida e as relaciona com os jogos do Arsenal. Lazarento ladrão de uma figa, conhecia as minhas histórias e paixão pelo Palmeiras e apenas as verteu para Londres! Fui roubado de novo!

    Em 2000, John Cusack deu vida a Robin Fleming, de Alta Fidelidade, adaptando-o a Chicago e o rebatizando de Rob Gordon. O filme não se tornou apenas um dos meus favoritos, tornou-se parte da história da minha vida para milhões assistirem e sem minha autorização!

    Ótimo: agora preciso processar Hornby, Cusack (que comprou os direitos do filme e também era o produtor) e o diretor Stephen Frears.

    Alta Fidelidade e Quase Famosos (outro filme sobre música do mesmo período) se tornaram partes inerentes da minha vida, tanto que tenho duas cópias de cada um e sei todas as falas e legendas, seja em inglês ou em português. Por muito tempo, me via como uma mistura de Rob Gordon (ou Fleming), William Miller, além da minha paixão pelo Palmeiras. Não era uma mistura muito sedutora, admito.

    Porém, ambos são grandes amigos (imaginários? talvez….) e os coloco quando quero deixar barulho em casa sem precisar olhar toda hora para a televisão. Quando chega ao fim, aperto rewind e revejo.

    Se os vi, cada um, umas 500 vezes, estou sendo modesto.

    Depois de passar horas vendo e revendo filmes de Hercule Poirot, pedi o almoço e, enquanto espero, Rob Gordon vai me fazer companhia. É o melhor papel de John Cusack e por gostar tanto dele no filme é que ainda não o processei.

    Ao menos, nesta vida.

    1. Marcão

      Prezado Leme, também vivi os dois lados desse balcão. No melhor ano da minha vida, do meio-dia às seis, bati ponto numa loja de discos. O que ganhava mal pagava ônibus e pastel, mas trocar o uniforme do colégio pelo jaleco da Brunetti me deu ares de Super Homem. Naquele balcão dividi o primeiro headphone com a primeira Lois Lane. E aprendi a voar.

      1. Rubens Leme

        Pois é, Marcão, vendo meus sobrinhos hoje com a vida deles ligados aos celulares e internet percebo que mesmo não tendo muita coisa, eu curti muito essa fase da adolescência, começo da vida adulta.

        Meu primeiro bico em lojas de discos foi com 19 anos e eu ajudei a colocar os discos por estilo, ordem alfabética e fazia as encomendas. Ganhava nada, mas ia só pela diversão. Quase montei uma loja aos 22 anos, mas meu pai me negou a grana. Sempre quis ter uma igual a do Rob Gordon e morar no fundo dela, com meus discos filmes, livros, um cachorro em uma época que acreditava morrer solteiro.

        Mas aí casei, as prioridades mudaram e o sonho se foi.

        PS: eu nao voei como o Super Homem ou conheci a minha Lois, mas me diverti horrores.

  32. José Eduardo Pessanha

    Dalcim, o Basilashvili venceu em sets diretos o Iogurte e foi campeão de Doha. Pelo visto, o Rogério não foi tão mal assim. Teve um retorno em bom nível.
    Abs

    1. Rodrigo S. Cruz

      E isso me trás um pouco mais de alento.

      Porque eu realmente fiquei preocupado pela maneira com que o Federer perdeu dele.

      Apanhou MUITO, do fundo da quadra…

  33. DANILO AFONSO

    Em 2009, horas depois do FEDERER conquistar o tão sonhado título de Roland Garros, o Dalcim publicou um belo texto sobre o feito histórico do suiço.
    Não sei se é oportuno republicar este texto agora, mas não gostaria de arriscar de perder esse arquivo e não vir a compartilhar com os membros do blog, principalmente torcedores do Federer. Talvez até o Dalcim não o tenha mais.

    “FEDERER AGORA É O MAIOR DE TODOS NÓS
    07/06/2009 às 14h12 – por José Nilton Dalcim

    Não importa minha opinião, nem a de Soderling, nem a de Nadal. Quem diz é Pete Sampras, é Rod Laver: ao conquistar Roland Garros e confirmar sua versatilidade, Roger Federer é o maior tenista da história. Já não se trata mais de uma questão de ponto de vista, mas também estatística.

    É sempre impossível comparar épocas, é bem verdade, mas vejamos a questão lógica. Sampras, apesar de toda sua genialidade, sentia sérias dificuldades para jogar no saibro. Sempre afirmou que escorregar no piso, imprimir tospin, jogar afastado da linha de base eram um problema insolúvel para ele.

    Isso explica o motivo de Pete ter um único título nesse piso – em Roma, sobre o também sacador-voleador Boris Becker -, e que a campanha mais expressiva em Roland Garros tenha sido uma semifinal. Não é demérito para Sampras. Outros norte-americanos de escola semelhante tiveram a mesma frustração, como Jimmy Connors e John McEnroe. Para quem se habituava ao tênis de 10 ou 20 anos atrás, onde o saque pesava mais que a devolução, a mudança para o saibro era uma barreira bem maior do que hoje.

    O estilo peculiar de Federer permite tal adaptação com facilidade infinitamente maior. Em primeiro lugar, porque o suíço foi criado no saibro. Depois, porque sua geração é aquela que privilegia o fundo de quadra, o jogo de base, onde o saque é um componente importante, mas não fundamental, e o voleio se tornou mais um complemento e uma opção tática do que uma forma de ganhar campeonato. Até mesmo na grama.

    Então, Federer é mesmo o maior tenista de todos os tempos. Lembro de uma definição incrivelmente perfeita de um analista norte-americano: “O tênis é um esporte que evolui em todos os campos a cada cinco anos. Portanto, o melhor tenista de 1980 terá sido melhor do que outro dos anos 70; e o de hoje é muito melhor que qualquer tenista de 10 anos atrás”. Indiscutível, quando imaginamos a evolução do preparo físico, dos equipamentos, da força que até um amador é capaz de imprimir atualmente à bola.

    Quando nossos filhos e netos olharem o quadro de campeões, lá estará que Federer ganhou os mesmos 14 Slam de Sampras, porém com um título fundamental em Paris, ou seja, em três pisos distintos, algo que só ele e Agassi possuem por enquanto. A frieza da história também está a partir de hoje a favor do suíço.

    Mas sabem de uma coisa? Espero agora mais de Federer. Porque acabou a pressão. Ele enfim ganhou Roland Garros, ao mesmo tempo em que igualou os Slam de Sampras. Como ranking e fortuna já não dizem muito a ele faz tempo, então quem sabe poderemos agora apreciar o verdadeiro tênis do suíço. Às vésperas de Wimbledon, isso soa como uma ameaça e tanto a seus adversários.”

    Saudações Tenísticas !!!

    1. Jonas

      Será que o Ronildo leu esse texto? Essa parte aqui é muito boa “Mas sabem de uma coisa? Espero agora mais de Federer. Porque acabou a pressão.”

      Ainda assim, eu penso que ele ainda acha que é mais fácil tirar uma diferença de 16 x 1 em Grand Slam, em uma década, do que ser Federer e jogar qualquer torneio.

      1. Ronildo

        Mas aí o Dalcim errou na previsão Jonas. Ele não previu a evolução de Djokovic que aconteceu à partir de 2011. O que se viu à partir disso tudo aí foi mais pressão em cima de Federer, exatamente ao contrário do que o Dalcim previu. O que aconteceu: evolução pra tudo que é lado: Federer trocou raquete, passou a usar curtinhas, recentemente começou a sacar em segundo quando ganhou o sorteio etc (apenas contra super sacadores). Djokovic melhorou em tudo, faz quase 10 anos que ele tem um saque infernal e dizem que melhorou ainda mais este ano. Apesar de todo este aprimoramento do Big 3 à partir daí, Federer continuou vencendo ocasionalmente Djokovic e Nadal, embora perdeu mais do que venceu. Reverteu o saldo negativo para Murray. O Nadal continuou igualmente competitivo até os dias de hoje. Duvido que se em 2009 alguém perguntasse para o Dalcim se o Nadal poderia chegar aos 14 RG, ele acreditaria! Nem o Nadal acreditaria nisso em 2009 kkkk!

        É muito difícil acertar uma previsão no tênis. Em 2019 o Thiem estava em franca evolução, chegando consistentemente ao nivel do Big 3. Poderia chegar a numero 1 em 2020. Ai veio a pandemia e mudou tudo.

        Em 2009 Federer venceu uma partida no AO contra Del Potro com um placar elástico, acho que foi 6/1,6/1,6/0; depois neste mesmo ano fez um semi duríssima contra Del Potro em RG com placar de 3/2; e na final do UO levou virada contra o mesmo, 3/2 para Del Potro. Acredito que nesta final do UO a maioria dos apostadores gabaritados perdereram suas apostas.

        1. Luiz Fabriciano

          Aqui você mudou bastante o tom Ronildo, sendo mais coerente com a realidade e falando de previsões, coisas que você mesmo as fez, não sei em que bases, mas não renderam frutos no tempo premeditado.

    2. Luiz Fabriciano

      Esse post, que li à época, mas não me lembrava mais, diz muito sobre o que discutimos na atualidade e que muitos insistem em ficar vivendo no passado. Fala de evolução em tudo. Tem gente que comenta o absurdo de dizer que mudaram pisos para beneficiar certos tenistas e que outros certos tenistas não teriam sucesso se os pisos de outrora permanecessem, esquecendo que atletas se moldam ao que lhe ofertam e não o contrário.
      Boa lembrança.

      1. Sérgio Ribeiro

        Os melhores Tenistas de Saque -Voleio não se moldaram a ridícula padronização. Novak certamente se moldaria com relativa tranquilidade. Mas mesmo assim reclamou dos Australianos terem deixado o AOPEN mais rápido inclusive com a bolinha . Ganhou do mesmo jeito. Já a Grama mais rápida há muito ele optou em abandoná-las de vez … Abs!

    3. Thiago Silva

      Só tem um erro aí, quando o Federer ganhou RG o Nadal já tinha ganhado slam em 3 pisos diferentes também.

    4. Jose Yoh

      Obrigado Danilo, por compartilhar essa preciosidade conosco e manter vivo este excelente texto. Tem um parágrafo que gostaria de destacar:

      ” “O tênis é um esporte que evolui em todos os campos a cada cinco anos. Portanto, o melhor tenista de 1980 terá sido melhor do que outro dos anos 70; e o de hoje é muito melhor que qualquer tenista de 10 anos atrás”. Indiscutível, quando imaginamos a evolução do preparo físico, dos equipamentos, da força que até um amador é capaz de imprimir atualmente à bola. ”

      Os recordes sempre serão batidos pelas próximas gerações. Sempre foram e sempre serão por esses motivos acima. E é por estes motivos também que cada geração fica mais longeva e com mais chances de baterem recordes também.

      Então é natural que Djokovic, deixando claro que é um tenista de outro planeta e muito diferenciado, também bata os recordes do Federer. Assim como foi com Sampras e assim por diante. E será natural que em alguns anos alguém bata seus recordes também.

      Quando Schumacher obteve seus recordes, não imaginava que em tão pouco tempo alguém que chegou a correr contra, pudesse bater seus números. Afinal eram números imbatíveis. Eis que Hamilton está aí para comprovar essa teoria.

      Outra ponto é a necessidade mercadológica de qualquer esporte de ter um ídolo e fomentar estas questões tipo o “GOAT”. Convergem os interesses dos organizadores para que os grandes tenistas sejam favorecidos com grandes premiações (mesmo não vencendo), acomodações especiais, horários de jogos diferenciados e até pisos diferentes para manter acesa a chance de um novo ídolo que substitua o anterior. E não acho que isso seja proposital: o tratamento é o de astros, como os da música por exemplo. Um recordista que não dê para contestar seus números seria um problema para o esporte.

      Penso que seria ingenuidade nossa achar que tudo isso não é business.

      1. Sérgio Ribeiro

        Onde , assino caríssimo Jose ? Desde 68 no início da Era Profissional, os recordes sempre foram quebrados pelos motivos citados , até os dias de hoje . Mas ninguém desmerece um gênio e POP STAR como Björn Borg pelo fato de vários de seus recordes tenham sido quebrados . E o Cara usava Raquete de Madeira . Até o Craque tardiamente acabou trocando as suas . Novak Djokovic provavelmente terminará a carreira como o mais eficiente. Daí a Goat como querem esses fanáticos o buraco é bem mais embaixo. Abs!

        1. Jose Yoh

          Eu tenho a preferência pelo estilo de jogo do suíço, e por isso considero-o melhor que o sérvio. Mera questão de gosto. E também porque tem uma diferença de idade absurda entre eles que não sei porquê todo Nolista nega. A diferença é tanta que desconfio que em seu início de carreira o GOAT do sérvio era Federer (mera suposição, ok? ).

          E Borg diria estar no mesmo patamar, talvez até superior em termos de fama, já que naqueles tempos não tínhamos uma cobertura tão ampla da mídia e redes sociais. Quem já pegou na mão uma raquete de madeira sabe bem a diferença do que é possível fazer com aquelas clavas (embora eu seja muito novo tenisticamente para isso, rs). Bem, é só jogar com uma raquete de 15 anos atrás para perceber a diferença.

          1. Luiz Fabriciano

            Prezado José, vou me intrometer, pois sou nolista, sócio-fundador do fã-clube desde 2007 e como tal vou responder, kkk.
            Vês que começaste dizendo que prefere Federer, por seus motivos. Concordo e acho bacana. Torço pelo sérvio, talvez, pelo mesmo motivo que torces por Federer. Aliás, nem escolhi. Simplesmente aconteceu.
            Mas indo ao ponto, ninguém nega diferença de idade. Ponto.
            O que eu refuto é a reversão dos confrontos em função dela. Pela milésima vez.
            Federer reverteu o retrospecto negativo diante de Andy Murray quando já era mais velho e diminuiu consideravelmente a diferença para Nadal, quando, também mais velho. Só diante do sérvio é que a “freguesia” aumentou. Mas também normal né, afinal de contas o sérvio é superior à Nadal e Murray.
            Veja esse dois casos: Murray e Djokovic – diferença de idade em dias. O h2h é astronômico. E Federer ainda dá de lavada em muitos na nova geração. Tem gente que tem idade para filho.
            Muitos aqui aposentaram Nadal e Djokovic aos 35, quiçá estariam no top 100. Nadal emplacará 35 esse ano e o sérvio 34.
            Nadal agora é 3, em função do novo ranking, mas tem lenha a queimar, com estoque reservado em local onde nem imaginamos. O outro acabou de superar a maior liderança da história do ranking da ATP.
            E reiterando uma resposta minha para uma questão sua: não torço pela derrota de Federer ( a não ser contra Djokovic, é claro), mas sim para que ele seja o suficientemente forte para no caso de derrotas para o sérvio, não ser considerada apenas o acaso da idade.
            O sabor seria insosso.
            Saudações.

  34. Rubens Leme

    Tenho um conhecido que é médico e implorava para ninguém sair de casa. Pois bem, ele tirou merecidas férias e, ao invés de passar os dias trancado em casa dormindo, resolveu que “não ia desperdiçá-las vivendo feito um monge, afinal sei muito bem me cuidar”.

    Resultado: comprou uma passagem, passou 15 dias na esbórnia, transou com desconhecidas, foi a festas e agora está internado entre a vida e a morte.

    Soube disso porque recebi pedidos de oração para ele, mas sinceramente, o que podemos dizer aos familiares e amigos de alguém que viveu essa guerra por meses e que fez exatamente o contrário do que pregava, na primeira oportunidade?

    E o pior é que não é um caso isolado, entre os médicos. Eu mesmo conheço vários casos de “faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço”.

  35. Weslei

    Pessoal vi q bastante gente aqui, gosta de números, então lá vai mais um:

    GS FINAL WIN % VS BIG 3

    ——NADAL——
    61,1% [11-7]

    ——DJOKOVIC——
    57,1% [8-6]

    ——FEDERER——
    28,6% [4-10]

    Federer de novo atrás dos três, já li muita gente chamando o DJOKO de Djokovice mas olhando para estes números acho que este rótulo vai para outro jogadora. Para um considerado GOAT por muitos os números não ajuda muito.

    Vou trazer mais números aqui caso queiram.

    1. Sandro

      Ótimos números Weslei! E o PATO FREGUÊS do Federer sempre fica atrás de Nadal e Djokovic… Mas os federalistas não entendem que quem nasceu para ser PATO, nunca será GOAT!!!

  36. Luiz Fernando

    Nesse momento vou alternando entre o tênis e o jogo do Real. O tênis muito mais interessante; quando vejo o Real c Vinicius Jr vejo q o São Paulo não está tão mal de jogadores quanto aparenta…

  37. Rubens Leme

    Como su o homem dos off topics, aqui vai mais um: é constrangedor ver os times de SP querendo burlar o lockdown imposto pelo governador (um tremendo pulha, mas neste ponto, está correto) e procurando outros estados para jogos e treinos.

    A desculpa chega ser mais cômica, porque argumentam que o lockdown também vale para os treinos e os times possuem compromissos pela Copa do Brasil e os torneios da CBF não irão parar.

    Ou seja, “por favor, qual estado aceita nossos jogadores tremendamente contaminados para acabar de piorar o que já está ruim?”.

    Não entendo nada de leis, mas é o caso do governo enfiar uma multa de 20, 30 milhões de reais em cada time que fizer isto, processar presidentes dos clubes, mas claro, nada acontecerá.

    Assim, o Corinthians com 12 jogadores contaminados – afastados, mas sabe-se lá quantos não estão falso positivos no elenco – irá jogar no final de semana, bem como o Palmeiras que os enfrentou semana passada, sem saber quantos atletas podem estar contaminados.

    E pra fechar: Abel Ferreira só conseguiu chegar em Portugal com o jatinho da Crefisa. O que não entendi ou vir alguém falar (na época) é que seria impossível ir e voltar em 10 dias, primeiro, por falta de vôo e, segundo e mais importante, porque Portugal obviamente exigirá um período de quarentena dele.

    Tiro e queda: terá que cobrir 14 dias de quarentena – imagino que sem a família – para só depois poder curtir seus parentes. Ou seja, os 10 dias podem virar 30, jogando no lixo a tal “programação”.

    Quando dizem que o Brasil não é um país para amadores, eu sempre corto “para amadores”. O Brasil não é um país. A continuação fica a carga do leitor, se é que alguém chegou até aqui.

    PS; para falar que sou amargo com o Brasil, 950 jogadores das principais ligas da Europa estão contaminados. E, lá como cá, os dirigentes só querem saber de bola e vender os direitos dos jogos. Grana, muita grana.

    1. Rubens Leme

      Correção: PS: para falar que não sou amargo apenas com o Brasil, 950 jogadores das principais ligas da Europa estão contaminados. E, lá como cá, os dirigentes só querem saber de bola e vender os direitos dos jogos. Grana, muita grana.

    2. Thiago Silva

      Eu não dou a mínima pros problemas do Brasil, as pessoas são adultas, cada um que cuide da própria saúde, até gente próxima que se pegar covid podendo ficar em casa e morrer nem vou lamentar.

  38. Evaldo Medeiros

    Bom dia, amigos. Dalcim, Na próxima segunda o Medvedev vai assumir o segundo posto que é do Nadal. Ao que tudo indica, o russo irá à final em Marselha, onde é favorito ao título. Após o torneio francês, ele irá ampliar ainda mais a distância para o Nadal?

    1. José Nilton Dalcim

      Se vencer Marselha, ele abrirá 200 pontos de Nadal. Depois, em Miami, Nadal não defende nada e Medvedev tem 45 pontos garantidos pelo novo regulamento (50% dos 90 de 2019). Portanto, o segundo lugar estará em disputa caso Rafa realmente vá a Miami.

  39. Ronildo

    Incrível!!!!

    39 anos, quase 40. 13 meses parado. Volta ao circuito e vence o 28 melhor ranqueado do mundo que está em plena atividade.

    Alguém já viu algo parecido?

    É coisa assombrosa, mas não sensibiliza os depreciadores. Por que será?

    Porque há algo muito errado! Um cara assim não deveria ter depreciador!

    1. Renato Aquino

      Ao ler esse comentário, imaginei Roger Federer de cadeira de rodas, mas creio que ele voltou jogando bem e está até andando.

      Há algumas semanas aconteceu um fato inédito: Novak Djokovic (33 anos) derrotou Daniil Medvedev (25 anos) em uma final de Grand Slam. É claro que existe aqui uma diferença enorme de idade e Medvedev está entre os cinco melhores tenistas do mundo, ou seja, uma das maiores pedreiras que qualquer tenista pode enfrentar. Para o espanto de muita gente, o excelente Russo foi dominado por Djokovic na grande final.

      Mas, ao ler o seu comentário, tenho quase certeza de que só o “incrível” feito do suíço é relevante para você. Estou errado?

      1. Ronildo

        Cara, me desculpe, mas considero normal este título do Djokovic aos 33 anos. Linford Christie foi campeão olímpico dos 100 metros rasos aos 32 anos em Barcelona 1992, depois foi campeão mundial em 1993 na mesma modalidade aos 33, num esporte bem mais físico do que o tênis. O próprio Federer, por ser excepcional, foi campeão de slan aos 37 anos. Sinceramente, vou considerar Djokovic excepcional neste nível se ele for campeão de slan ao menos depois dos 35 anos.

        Vamos ver se o coronavírus vai deixar a gente tirar esta prova, ok?

        1. Renato Aquino

          Ok, podemos concluir então que Novak Djokovic é muito mais tenista que Roger Federer.

          Ora, o suíço com 29-34 anos cansou da perder final de Grand Slam para o sérvio.

          33-34 anos é uma idade ok para você, certo?

          1. Rodrigo S. Cruz

            “Muito mais tenista” que não possui um smash ou um slice minimamente decente.

            E cujo jogo é mais duro de apreciar do que cerveja quente.

            Tem gosto para tudo mesmo…

          2. Renato Aquino

            Olha Rodrigo, Federer foi dominado por esse tenista, que você considera “duro”. Tênis é um esporte individual, envolve diversos fatores. Também considero o slice do suíço bem melhor, mas isso não adianta nada, já que do outro lado tem um sujeito que joga muito tênis e possui outros atributos que fazem a diferença, abraço.

        1. Ronildo

          Sem sentido este comentário. Federer perdeu partidas com 18,19,20,21,22,23,24,25,26,27,28,29,30…39.

          Está com mais de 1.300 vitórias no circuito.

          Certas piadinhas atentam muito contra o piadista.

    2. Sandro

      Tá desesperado é? Parece que você está matando cachorro a grito… Esse tenista (WHO???) é tão relevante que vc sequer citou o nome dele!!! Ou o nome dele é Senhor 28 do ranking???

    3. Rodrigo S. Cruz

      Não achei grande coisa, cara.

      Sinceramente… rs

      Todos já conhecem a qualidade do Federer e já sabem o quanto ele é longevo.

      Espantoso seria se tivesse voltado já ganhando o torneio, e batendo um Top 10 no caminho.

      Ainda é cedo para saber se ele vai ser capaz disso, à curto prazo.

      Mas nunca duvide de Roger Federer…

      1. Ronildo

        Você não acha espantoso um tenista estar à beira de completar 40 anos e jogar na qualidade que Federer está jogando? Para o tênis atual, acho isso simplesmente espantoso Rodrigo.

      2. Ronildo

        Pense bem Rodrigo, se levar em consideração que Federer esteve a 1 ponto de vencer o cara que foi campeão do torneio. Além do mais o proprio Federer vem dizendo a algum tempo que a diferença dentro do top 30 é muito pequena.

        Então é esse o ponto: 13 meses parado e aparece jogando de igual para igual com esses caras à beira dos 40, é espetacular.

    1. José Nilton Dalcim

      Não, nada ainda. Ele não aceitou sequer jogar em Dubai na próxima semana. Acho meio exagerado ele ir a Miami e depois voltar ao saibro, mas talvez ele sinta necessidade de pegar ritmo competitivo.

    1. José Nilton Dalcim

      Continua treinando e sonhando com a volta, mas nada confirmado. Voltou a dizer que espera jogar as Olimpíadas.

  40. Chadwick Boseman

    O “goat” da humildade:

    “Agora já podem me chamar de gênio”.

    Roger Federer, após ganhar seu 15o slam e destronar Pete Sampras. Foi nesse dia que soube que ele nunca seria meu jogador preferido, apesar de gostar muito de vê-lo jogar.

    Hoje, passados alguns anos, vejo gente bravíssima com Djoko por, entre outras coisas, sua extrema suposta “arrogância”, quando anuncia que quer quebrar tds os recordes possíveis, o ousado, que audácia falar isso em público!.

    Se eu comprasse essa analogia (de que ambição =arrogância), seria obrigado a concordar com quem diz que Djoko aprendeu muito com Federer.

    PS: para a ala xiita, duas explicações são necessárias: 1) este post é uma ironia, uma provocação, realmente não gostei da declaração de Fed, achei extremamente arrogante e pedante (mesmo sendo verdade, que deixasse os fãs e analistas concluírem isso, não ele próprio) mas entendo que, naquele momento, no calor da emoção, ele foi mais humano e menos escravo do PR. 2) sei bem q Djoko aprendeu com Federer, mas sobre planejar calendário, etc.

    Vcs repararam como o Adria Tour (assunto já bastante “requentado” pelos provocadores) virou “torneios” “ficou organizando torneios durante a pandemia”?

    Já aqui no Brasil, tirando a voz solitária no deserto do Rubens Leme, não vi mta gnt se indignando da mesma forma com o futebol correndo solto em um país colapsado, prestes a bater as 300.000 mortes, sem vacina para 2a dose para alguns e nem a 1a para muitos.

    Se vcs canalizassem metade da energia que usam para brigar por gente milionária que nem sabe q vcs existem para protestar contra o estado ridículo, lamentável e desesperador em que nos encontramos, já teriam conseguido o impeachment desse psicopata amaldiçoado que nos “preside/dizima”. Não aqui, claro, nas RUAS msm, onde já estive tantas vezes.

    Aliás, desculpem, sei q o assunto aqui é outro, divaguei agora. De qquer forma, seria curioso ver vcs direcionarem essa valentia (ao menos atrás do teclado) para fins mais produtivos. Novamente, estou generalizando, minhas desculpas a quem faz o q pode ou o q acha correto.

    Talvez esteja nervoso pelo fato de ter d tratar de um problema sério de saúde em um hospital infestado de covid-pacientes; assim como seria em hospitais mais modestos ou mais suntuosos, o sistema devsaúde entrou em pane.

    Covid: Ele está no meio de nós.

    1. Chadwick Boseman

      A propósito da “humildade”, “postura de gentleman”, “ausência de defeitos” e “incriticabilidade” (?) de Fed, que seus torcedores adoram ostentar:

      Torcedor xiita de Fed é igual a corno manso. Por mais que as coisas estejam na cara, insiste em fingir q não vê ou que não aconteceu.

    2. Luiz Fabriciano

      Sem contar que afirmar que quer bater records é bem diferente de dizer: “podem me chamar de gênio”.

    3. lEvI sIlvA

      Rafael, meu caro, só não me indignei com o futebol a todo vapor (como se fosse algo prioritário) pois nem de futebol eu gosto…
      Aliás, eu até assistia, mas quando jogar era algo alegre e divertido. Nem lembro mais, qual foi a última Copa que acompanhei…
      Cuide-se por aí, meu caro e fique bem!

    4. Jose Yoh

      Nunca fui torcedor fanático de ninguém justamente por causa desse tipo de declaração dos atletas (que tem em todos esportes). E pode estar certo que a assessoria de imprensa deles corta muitas declarações polêmicas, fora aqueles posts fofos nas redes sociais para agradar a maioria. Tudo muito bem controlado.
      Mas não ache que por causa disso, Djokovic ou Nadal sejam santos – nos seus 26 anos tenho certeza que a arrogância da juventude e a fama corroíam suas bases morais. Apenas não cometeram o lapso grave que Federer e tantos outros cometeram. Quem joga tênis sabe que para vencer, você precisa se achar superior ao adversário, uma leve fraqueza no pensamento e a partida vai pro brejo, então o ego desses caras é do tamanho do jogo deles.

    5. Jose Yoh

      Mudando o assunto, dá até medo de comentar qualquer coisa sobre o Covid em qualquer lugar. O mundo está tão polarizado que censuramos nossa própria opinião por medo de linchamento nas redes sociais.

      E boa sorte na sua jornada Rafael, muito cuidado nos hospitais. Mantenha-nos informados e um abraço.

  41. EDVAL CARDOSO

    Vendo alguns jogos em Wimbledon na década passada, cara, tudo bem, tem gosto pra tudo, mas que jogo horrível de se assistir o tal saque voleio.
    Pontos decididos única e exclusivamente num bom saque. Eu particularmente detesto esse tipo de jogo.
    Bendita hora que padronizaram os pisos, mas como eu falei, tem gosto pra tudo.

    1. Sandro

      Concordo plenamente contigo! Praticamente não existia jogo, não existia tênis, o jogo se resumia a um saque forçado e a um voleio no máximo, raramente havia outras jogadas.

      1. Sérgio Ribeiro

        Entre no YouTube e assista WIMBLEDON 2001, Federer 3 x 2 Sampras, e repita mais esta bobagem ser for capaz. E de quebra a homenagem BEST ATP SHOTS Pete Sampras . Verás TODOS os golpes do Tênis inclusive magia no Saibro. Tomás um susto moleque rs . Abs!

    2. Marcelo Costa

      Os dois movimentos mais difíceis do tênis, um bom saque, e3um bom voleio, aliado a isso subir a rede com condições de impor o voleio. Hoje é preciso muito mais golpes de fundo, e termina por trazer tanto desequilíbrio, onde três tenistas ganham 95% dos grandes torneios.
      Maldita padronização das quadras, deixou tudo mais previsível, eu ainda treino e muito meu approach, e meu voleio, no clube de fim de semana resolve muita coisa.

  42. Maurício Luís *

    O Nadal ainda não tem filhos porque não deu tempo de ler inteiro o manual de instrução da esposa. É mais ou menos o tamanho da Barsa, mas ele chega lá. E a julgar pelo tempo que levou pra casar…

  43. Rodrigo S. Cruz

    [Paulo F.]

    “Federer em Wimbledon não é Nadal em Roland Garros ou Djokovic no Aberto da Austrália.
    Muito boa!”

    Que isso, Paulo.

    Até o Dalcim chegou a comentar aqui a imensa honra que é para qualquer tenista vencer Wimbledon.

    Tem até tenistas que trocariam uns 2 ou 3 títulos de Slams, por apenas 1 em Wimbledon.

    Só que pro mal dos teus pecados, o Federer tem OITO!

    Três a mais do que o Djoko, e seis a mais que o Nadal.

    Mas se nem 8 troféus bastam pro Federer ganhar o teu respeito naquele palco, acho que nada mais o fará!

    1. Paulo F.

      Nada mal então, para um maratenista, ter 5 TÍTULOS no mais importante do torneios.
      Sendo destas 5 conquistas, 3 em cima do Federer e 1 em cima do pai do Federer.

      1. Paulo F.

        Ou 2 em com da pai.do Federer, a semifinal de 2018 foi um jogo absurdamente espetacular, a famosa final antecipada.

    2. Luiz Fernando

      Neste ano e no atual momento só com muito fanatismo p achar q Federer será o maior favorito em W. O grande favorito no momento chama-se Novak Djokovic, por mais q vcs não queiram aceitar isso. E esta constatação não tem nada a ver c as conquistas prévias do Federer lá, algo q ninguém desmerece.

      1. Rodrigo S. Cruz

        Não tem UMA SÓ palavra em que eu mencione favoritismo do Federer, no post acima, cara.

        Nem sequer uma.

        Se ele já não era favorito em 2019, muito menos agora que ele voltou de cirurgia.

        E vimos o “imenso” reconhecimento do Paulinho da Força acima…

      2. Ronildo

        Não tem como um cara com 40 anos ser favorito num torneio tão exigente fisicamente. Aliás, Federer não devia ser considerado favorito em nenhum torneio à partir de agora, nem em Halle.

        Embora acredite que ele ainda tenha capacidade de ganhar algum por se tratar do maior tenista de todos os tempos levando em consideração todos os números.

    3. Sandro

      Tem que largar de ser sonso e dissimulado sabia? Quando o Paulo disse que “Federer em Wimbledon não é Nadal em Roland Garros ou Djokovic no Aberto da Austrália.”
      Eu vou desenhar pra vc não se fazer de bobinho sonso: Federer é um pato freguezaço já que perdeu TODAS AS FINAIS DE WIMBLEDON contra DJokovic, e Federer também perdeu TODAS AS FINAIS DE ROLAND GARROS contra Nadal. Logo, Federer é um pato de Nadal e Djokovic. E um pato nunca será GOAT!!

      1. Gildokson

        Ow Sandro, deixa eu te fazer uma pergunta, e é sem querer ser irônico e debochar de você nem nada, é uma pergunta séria.
        Ja que Djokovic perdeu TODAS AS FINAIS PARA O NADAL EM RG, se só foi vencer o torneio em um ano no qual o espanhol teve de abandonar, você acha que ele poderia ser o GOAT?

        1. Sandro

          Acho que Djokovic para ser o GOAT teria que superar NADAL em quantidade de SLAMS, e se conseguisse vencer o NADAL em uma FINAL DE ROLAND GARROS e passasse no número total de SKAMS seria um argumento e tanto para o DJOKOVIC ser o GOAT, por enquanto considero o NADAL como o GOAT, porém a briga pelo GOAT está entre o BIG 2, NADAL e DJOKOVIC! Federer nunca será GOAT porque ele é FREGUÊS de NADAL e DJOKOVIC, respectivamente em Roland Garros e Wimbledon.

      2. Paulo F.

        Nadal nunca perdeu semi-final em diante em Roland Garros.
        Djokovic nunca perdeu semi-final em diante no Aberto da Austrália.
        Federer perdeu QUATRO finais em Wimbledon para os dois aí de cima.
        Eu não sei qual parte que não entenderam na oração: “Federer em Wimbledon não é Nadal em Roland Garros ou Djokovic no Aberto da Austrália”, Sandro…

        1. Rodrigo S. Cruz

          Tá errado de qualquer jeito.

          Porque o Nadal é muito mais temível em Roland Garros, do que o Encosto é na Austrália.

          O Nadal tem 13 títulos de RG.

      3. Sérgio Ribeiro

        Federer pra levar Wimbledon 2012 precisou bater Novak Djokovic e Andy Murray na sequência desinformado Pato Mane’ . E em seguida Murray bateu o Sérvio em Sets diretos pra fazer a FINAL Olímpica. Na sequência Novak também foi batido na disputa do Bronze por Del Potro também em Sets diretos . Este é o teu Rei da Grama rs . . E quantas FINAIS ele venceu Rafa Nadal em RG ? sabes nada … Abs!

  44. periferia

    Ali…. (2001)..Michael Mann (O Informante)

    Filme que retrata um período da vida de Muhammad Ali.
    Sua relação com Malcon X e a Nação Islã.
    A desobediência para não ser recrutado para Guerra do Vietnã…a retirada de sua licença de boxeador.
    Sua derrota na luta do século contra o amigo Frazier (que emprestava dinheiro para Ali em um período difícil).
    A volta triunfal contra Foreman na África (em um dos eventos mais espetaculares do esporte)
    Um pedaço da vida do maior esportista de todos os tempos.
    Um cara que foi maior que o esporte que praticava….acho mesmo maior que o esporte em geral.
    Não lembro de outro.

    1. Rubens Leme

      Segundo Arthur Ashe, Borg foi maior que o esporte. E quem falou isso foi outro importante ativista do Século XX. – Arthur Ashe told Sports Illustrated, “I think Bjorn could have won the US Open. I think he could have won the Grand Slam, but by the time he left, the historical challenge didn’t mean anything. He was bigger than the game. He was like Elvis or Liz Taylor or somebody.”

      Mas, Ali, foi daqueles que fez não apenas ao esporte, mas para a humaidade. E o filme sobre a luta com Foreman e o livro do Norman Mailler são fantásticos.

      1. periferia

        Olá Leme

        “E então um grande projétil, do tamanho exato de um punho dentro da luva, penetrou no meio da mente de Foreman, o melhor soco daquela noite espantada, o soco que Ali guardara por uma carreira. os braços de Foreman voaram para os lados como os de alguém que salta de para-quedas de um avião e, nessa posição dobrada, tentou vaguear até o centro do ringue. Todo o tempo seus olhos ficaram voltados para Ali, e fitou Ali sem raiva, como se Ali fosse a pessoa que ele melhor conhecesse no mundo, que estaria com ele em seu leito de morte”

        A Luta…de Norman Mailler.

        1. Rubens Leme

          Foreman passou anos deprimido por causa desta derrota, ele simplesmente não acreditava na derrota. Don King organizou o evento e até promoveu o festival de música Zaire 74, organizado por Hugh Masekela, juntando 17 músicos africanos e 14 afro-americanos, trazendo B.B King, James Brown, Celia Cruz, The Spinners, entre outros.

          Sou saudosista, yeah, mas diabos, onde já se viu um festival de música deste tipo num evento esportivo, que ainda leva o Oscar de melhor documentário e tem a história contada por Norman Mailer?

          Realmente, éramos reis e não sabíamos.

        2. Sérgio Ribeiro

          Só um adendo , meu caro Periferia. Arthur Ashe faleceu em 1993 . Não teve a chance de acompanhar a carreira do Embaixador do Esporte . Abs!

          1. periferia

            Olá Sérgio.

            Discordo um pouco do Leme…a fala deveria ser o contrário…Borg afirmando a importância de Ashe para o esporte.
            Ashe foi uma figura maior que o esporte que praticou…assim como Navratilova…eles mudaram conceitos existentes…transformaram uma sociedade que relutava em ser transformada (resiste até hoje).
            Borg ajudou a consolidar a figura do “astro”…inseriu seu nome na cultura pop…a coisa do “mito”…do desconhecido (o ar enigmatica do sueco ) mas não foi algo deliberado e desejado por ele (pelo contrário…para ele foi uma maldição)…era algo de fora para dentro (ele não transformou nada…Borg foi um alvo daquilo que nascia em sua volta).
            O ano da morte de Ashe (1993) coincide com o “politicamente correto” dos dias de hoje…tudo é estudado…tudo pensado…e quatificado (o que vou ganhar?).
            Ninguém quer transformar nada…eles querem apenas o conforto da palavra “concordo”…e dizem sem medo de ser feliz.

            Abs Sérgio…

  45. Oswaldo E. Aranha

    Dalcim, permita-me propor uma postagem no blog, que chamaria: O Cinema, o Tênis e o Blog.
    Vou dar a partida.
    – Duelo de Titãs: Djokoviv x Fedrerer
    – Face Oculta: tenista australiano
    – Gato em Teto de Zinco Quente: Medvedev numa final
    – Império do Ódio: certos torcedores que não se cansam em tentar deslustrar um oponente
    – Crepúsculo dos Deuses: alguns tenistas que não se decidem pela aposentadoria
    – Pagador de Promessa: um certo tenista escocês
    – E O Vento Levou: as pretensões do austríaco

  46. Rodrigo S. Cruz

    Alguns nolistas não desistiram ainda da velha medição peniana das tempoaradas de 2006 e 2016. rs rs

    É algo incrível.

    Querem estabelecer o monopólio, o CARTEL da opinião! rs

    e OBRIGAR os federistas a acharem a temporada do Estorvo-vit melhor.

    Só que como bem frisou o sábio Vitor Hugo, assistir o Djokovic pode ser menos atrativo do que ver o Chapolim no SBT, ou tirar uma soneca na rede… rs

    Ademais, o próprio Djoko levou um amasso fragoroso do Sonego justamente em ATP 250, esqueceram?

    E é dado recente isso, viu.

    Não desdenhem tanto assim dos ATP’s 250, senhores.

    Em um futuro não muito distante, vocês podem acabar precisando deles rs rs

    1. Renato Aquino

      Rapaz que comentário sem nexo!

      Primeiro: não há como comparar um Atp 250 e um Masters 1000, o que deveria ser bem óbvio. Acredito que seja.

      Segundo: Novak Djokovic e Roger Federer já foram eliminados em torneios “pequenos”, mas isso não significa absolutamente nada. Não diminui o tamanho de um ou de outro.

      Que diferença faria na carreira de Djokovic vencer ou perder aquele Atp 500? Tanto que ele jogou visivelmente desinteressado.

      Roger Federer foi eliminado em Doha, o que também não muda nada em sua brilhante carreira. Pelo contrário, mostrou que ele voltou jogando bem, mas precisa ajustar alguns pontos depois de tanto tempo afastado do circuito.

      Esses jogadores querem conquistar torneios muito maiores, evidentemente, eles até admitem isso. Mas comparar um 250 com um masters 1000…essa é bem nova pra mim. Abraço.

    2. Luiz Fabriciano

      Puxa Rodrigo, pare de brincar de montanha-russa cara.
      Sei que é divertido no começo (nunca para mim), mas enjoa, não?

    3. Rafael Azevedo

      Rodrigo, vc acha que o Djokovic perderia aquela partida do Sonego, se aquele fosse um torneio M1000?
      Pois bem, aí está a enorme diferença entre esses tipos de torneios para os tenistas top.

    4. Thiago Silva

      Não existe essa disputa, já foi provado que a do Djokovic foi melhor, só os torcedores do Federer que não aceitam e inventaram uma subjetividade.

  47. Ronildo

    Taí o Basilashvili!

    Querem ver como vai ser campeão!

    Isso seria uma comprovação que muita gente é torcedor de Djokovic e depreciador de Federer por uma questão de incapacidade em fazer julgamentos abalizados. Tal como aqueles fãs de vinho cheio de açúcar.

    Mas isto se aplica apenas aos depreciadores de Federer, não daqueles que por uma questão de gosto pessoal preferem os atributos de Nadal ou Djokovic. (Assim não preciso me desculpar?).

    1. Luiz Fabriciano

      O georgiano venceu por que não tinha pressão de vencer e Federer perdeu por que todos aqui queriam que ele ganhasse?

      1. Ronildo

        Não foi apenas o segundo jogo do Federer em mais de 1 ano Fabriciano?
        Isso não é suficiente para se perder para um jogador tão qualificado que xhegou na final do torneio sem que aloprados tirem sarro?

        1. Luiz Fabriciano

          Cara, o único aqui que deu justa qualificação ao georgiano (melhor que escrever o nome próprio) foi o Dalcim. Alguns especialistas disseram que seria um atropelo. Agora que o cara foi campeão, virou o tal.

      2. Jose Yoh

        Fabriciano, você faz parte do time que torce mais para a derrota do suíço do que para a vitória do sérvio? Diga lá do fundo do coração.

        1. Sérgio Ribeiro

          Não tenha dúvidas , caro Jose Yoh . O Coroa nem consegue disfarçar. E com um dos maiores recalques que já vi rs . ABS !

        2. Luiz Fabriciano

          Não, erraste feio.
          Torço para o Djokovic sim, na atualidade, sobre qualquer outro.
          O que me motiva, é fazer comentários fundamentados em análises e suas variáveis, não simplesmente pela paixão, como o visto logo atrás. O Dalcim é uma das minhas fontes de inspiração.

          1. Jose Yoh

            Muito bom saber que desconfiei errado Fabriciano. Era o que eu imaginava mesmo.
            Aproveite e celebre com os outros Nolistas do blog o bom momento do sérvio, colocando-o em seu merecido pedestal após tantos anos. Não perca tempo com as derrotas do suíço. E virão novos Borgs, Sampras, Federers e… Djokovics. Muito mais rápido que imaginamos. Digo por experiência própria.

    2. Chadwick Boseman

      ?????????kkkkkkkk “tal como aqueles vinhos cheios de açúcar”.

      Ótimo, Ronildo! O pessoal gasta parágrafos e mais parágrafos tentando fazer graça sem sucesso, vem vc com UMA tirada dessas e eu me pego rindo sozinho que nem um bobo!

      Fazer os outros rirem também é um dom. Muito bem!

  48. Paulo F.

    Pessoal adora tirar sarro do Roberto Agut, mas ele é aquele tipo de jogador que, numa fase boa, é o famoso adversário osso duro de roer.

  49. Renato Toniol

    Querem falar de uma derrota de Federer vindo de quase 14 meses de inatividade, tendo de usar muletas, e em um mero ATP 250, mas esquecem das derrotas do seu ídolo para Istomin e Chung no Grand Slam aonde ele tem o maior domínio, além se ter perdido para Chechinato em Roland Garros.

    1. Luiz Fabriciano

      Interessante colocação.
      As derrotas para Istomin e Chung renderam dois GS ao tenista suíço.
      Conspiração universal ou…

      1. Sérgio Ribeiro

        Aí o Coroa reclama do mané .. . Esse comentário é de que ? O Senhor pode defini- lo ? Em homenagem ao Dalcim , mesmo num Fórum de debates vai passar batido ….Abs!

      2. Rodrigo S. Cruz

        No problem.

        Vamos EXCLUIR então todos os troféus de Grand Slam do Djokovic em que o suíço caiu antes de enfrentá-lo…

        Simples.

        1. Luiz Fabriciano

          Mas não sugeri excluir os troféus de Federer, apenas apontei a interessante coincidência, querendo você concordar ou não, foi uma concorrência bem mais sutil.

        2. Sérgio Ribeiro

          Exato . Incrível o recalque destas figuras . Nem com o passar do tempo eles conseguem disfarçar rs . Abs!

    2. Paulo Almeida

      Ué, quando o Djoko perdeu para Taro Daniel, Benoit Paire e Martin Klizan após a cirurgia no cotovelo foi legal tirar sarro, né?

      Agora aguente um pouco, meu caro.

    3. Sandro

      Ah sim , então o problema foram as muletass? Então por quê o pato freguês do Federer não entrou em quadra de muletas? Quem sabe ele não jogaria melhor de multetas, não é mesmo?

  50. Luiz Fernando

    Incrível como uma derrota natural de Federer pelas circunstâncias deixou determinado segmento a beira de um ataque de nervos. Calma nessa hora, o torneio de Halle está próximo, ali ele é o claro e indiscutível favorito…

    1. Rodrigo S. Cruz

      Como já falado outras vezes, você inventa umas coisas que simplesmente não existem…

      Não vi nenhum ataque de nervos aqui.

      rs rs

        1. Paulo F.

          Maldito All England Lawn Tennis and Croquet Club!
          Onde já se viu um ser campeão de winners e darem a taça a outro?

  51. Paulo Almeida

    Rapaz, o Agutão da massa vai bem mesmo em Doha: eliminou o GOAT e foi campeão em 2019 e agora está na final novamente, após ter despachado Thiem e Rublev.

    A propósito, está rolando na internet uma montagem ótima do Djoko sentado no trono devidamente coroado e seus rivais ajoelhados perante ele. Acredito que muitos aqui já tenham visto e espero que os fanáticos não tenham tido um piripaque, hehehe.

    1. Gildokson

      Pra mim não apareceu ainda não, e olha que naveguei bastante essa semana hein… aliás eu sei que ja te disse ima vez, mas vou repetir. Tu ja reparou que você é o único ser na face da terra que se refere ao Djokovic como GOAT? kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      1. Paulo Almeida

        Você vai encontrá-la nos grupos de tênis do Facebook, nobre Gildokson. Certamente alguns membros do Blog já viram a “masterpiece”.

        Eu e mais algumas dezenas de milhões ao redor do planeta nos referimos a ele assim e o pior é que esse número não para de crescer!

  52. Barocos

    ATENÇÃO!! Notícia urgente! Mais um recorde do Federer vai ser igualado!

    Sim, desta vez por Sir Andy Murray, ele também se tornará pai de 4 crianças!

    Djokovic está atrás, com um deficit de dois, mas já declarou que quer este recorde também, com o qual assentiu sua bela esposa Jelena.

    Nadal também se manifestou e disse que tem tempo ainda de buscar este recorde, embora esteja neste quesito, na mesma situação que possui no Finals, está zerado.

    Fãs do suíço já se manifestaram, afirmando que o título do seu ídolo é mais expressivo, haja vista que foi conseguido em tempo recorde com pontos em dobro.

    Grandes campeões são mesmo muito competitivos!

    Saúde e paz!

    1. Willian Rodrigues

      HaHaHaHaHahahaah…
      Sensacional post!
      Creio que os torcedores mais “ferrenhos” do suíço virão à carga com a alegação de que ele possui filhos (as) mais bonitos (as) que os demais tenistas…
      Ou que os tenha “feito” por meio de jogadas de efeito, coisas que somente um craque sabe fazer…
      Negócio não é a eficácia, mas sim, o modus operandi…
      Devem ter sido “lindas munhecadas”, parafraseando alguns colegas federistas que colaboram por aqui!!
      Afinal, ele é o eterno GOAT!
      KKKKKKKKK

        1. Willian Rodrigues

          Prezado Periferia, um “modus operandi” fabuloso pode, no máximo, tornar sua adversária (sim, sempre nos casamos CONTRA alguém…) mais feliz! Rrrss…

          Conheço tantas histórias de “munhecadas” mal dadas, por assim dizer, que geraram meninos fortes, bonitos e inteligentes!! KKKKKK

          Ação do acaso é que seleciona o melhor conjunto de genes mesmo!

          Mesmo nesse “segmento”, a definição do GOAT se daria pela eficácia! HeHeHe

    2. Gildokson

      Kkkkkk boa Barocos!!!
      E como é bom ter dinheiro hein gente?! kkkkk
      O cara me emenda 4 filhos em sequência em tempo recorde sem se preocupar com o preço das fraldas, leite, babás, brinquedos, educação…. etc etc e etc kkkkkkkkkkk

    3. Marcão

      Então, prezado Barocos, noves fora o conceito de prazer, uma leitura possível é que Federer chegou ao mesmo resultado despendendo metade do esforço, o que, de certa forma, sintetiza a carreira tenística de ambos.

  53. Ronildo

    Achei normal esta derrota do Federer. Duvido que Nadal ou Djokovic venceriam esta partida se ficassem um ano fora do circuito. O maior problema para Federer é que seus adversários estão com aquela gana de vencer o maior de todos os tempos e entram todos com sangue nos olhos jogando suas melhores partidas na carreira. Tá feia a coisa. Quem não gostaria de ter ao menos uma vitória contra Federer! E cada partida à partir de agora é encarada como a última chance!
    Achei acertada esta opção de jogar só no saibro antes da grama. Lá o Federer joga sem responsabilidade e os resultados são surpreendentes por causa de sua habilidade. Em 2019 chegou na semi de RG. Incrível.

    1. Sérgio Ribeiro

      Exato , caro Ronildo. Como poucos gostavam de Connors , este apanhou nos últimos anos , igual mulher de malandro rs. Não se fez de rogado e com seus ATP 250 acabou recordista com 109 Títulos. O problema é que o Craque pensa ainda muito alto. O tempo vai dizer mas também acho que vem acertando nas decisões. Abs!

      1. Ronildo

        Numa transmissão de RG o Paulo Cleto falou divertidamente: “Quando Nadal estiver no fim da carreira o que vai ter de gente querendo bater nele!”
        Essa profecia o Cleto não acertou ainda. Por enquanto ninguém tem tirado casquinha do Nadal, não ser Djokovic nas duras. Mas no caso do Federer, aos 40 e que tem menos sangue nos olhos, tá perigo de acontecer.
        Porém Federer não está apanhando de ninguém. Suas derrotas tem sido verdadeiraz batalhas vencidas pelos oponentes. E não são tantas assim.

    2. Marcilio Aguiar

      Ronildo, também acho que essa derrota foi dentro do esperado. Quando li seu post na hora veio a imagem de alguns filmes de western, quando os jovens pistoleiros queriam tentar a fama em cima de um temível matador veterano. Espero que o Xerife suiço “saque” primeiro e melhore a pontaria para os próximos duelos.

      1. Sandro

        Não só essa derrota como as outras derrotas que virão por aí serão todas dentro do esperado, com certeza… O patofreguês já traçou seu planp de derrotas…

    3. Sandro

      KKKKK, primeiro eu tenho que rir pra depois comentar alguma coisa… Quando leio Ronildo, sei que algo patético me espera… Mais normal que a derrota de Federer para Nikoloz foram todas as derrotas do Federer nas finais de Wimbledon para Djokovic… Federer perder, como vc proprio diz, já se tornoou tão normal, não é mesmo?

      1. Ronildo

        Ai você está exagerando Sandro, mas vou ignorar esse ódio em suas palavras e usar uma linguagem educada, superior, como Federer costuma atuar nas quadras.
        Para induzir você à reflexão, vou lhe fazer uma pergunta:

        Porque você não demonstra respeito por um atleta como Federer, que aos 38 anos venceu Djokovic numa partida muito importante do ATP Finals? Partida que acarretou a eliminação do próprio Djokovic?

  54. Sandra

    Dalcim estava lendo agora sobre Wimbledon, será proibido alugar casa ?? Nadal e Djoko parecem que aceitam ficar e hotel ? Mas será que Federer vai aceitar ?

    1. Sandra

      Esqueci de fazer outra pergunta , os tenistas , e outro profissionais que trabalham no torneio não podem ser obrigados a tomar vacina ? A Simona Halep não sei sei se furou fila mas foi vacinada

  55. Sandra

    Dalcim , como Murray gosta de ter filhos , coitada da esposa dele !! Daqui s pouco tem uns 10 rssss, já está no 4 em tão pouco tempo , e um a cada 10 meses

    1. Barocos

      Sandra,

      Por que é que você pensa que a culpa é do Murray? É preciso um par para dançar uma valsa.

      Saúde e paz.

      1. Barocos

        Em tempo, sei bem que o ditado é “É preciso um par para se dançar um tango.”, mas que culpa tenho eu se prefiro valsas?

        Saúde e paz.

        1. Luiz Fabriciano

          Tem outro que diz: “Se o homem quiser filhos e a esposa não, talvez até ele tenha filhos, porém, se a esposa quiser filhos, e o homem não, certamente ela os terá.”

  56. Jairo Silva

    NOSSA, achei que Roger venceria pelo menos esse torneio minúsculo. Na boa, Roger tá aí pra tentar manter algum recorde, talvez o de SLAM…mas é complicado!! Ele até venceu alguns enquanto o NOLE não estava jogando nada em 2017, 2018…mas agora? Duvido que o NOLE vá baixar tanto o nível.

    Federer vai ter que torcer/rezar muito. Aqueles caras mais fracos já se aposentaram.

    1. Sandro

      Restou ao Federer agoora bater o RECORD DE DESCLASSIFICAÇÕES EM ATP 250… Esse record ele jura que consegue…

  57. Weslei

    Federer venceu 22 partidas salvado match point contra e perdeu 24 partidas quando estava com match point a favor.

    Nadal venceu 14 partidas salvado match point contra e perdeu 8 partidas quando estava com match point a favor.

    Djokovic venceu 15 partidas salvado match point contra e perdeu 3 partidas quando estava com match point a favor.

    –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––
    ***FEDERER***

    MP WASTED (24)

    2021 Doha QF Basilashvili 6–3, 1–6, 5–7 (1MP)
    2019 Wimbledon F Djokovic 6–7(5), 6–1, 6–7(4), 6–4, 12–13(3) (2MP)!
    2019 Madrid QF Thiem 6–3, 6–7(11), 4–6 (2MP)
    2018 Wimbledon QF Anderson 6–2, 7–6(5), 5–7, 4–6, 11–13 (1MP)
    2018 Indian Wells F del Potro 4–6, 7–6(8), 6–7(2) (3MP)
    2017 Stuttgart R16 Haas 6–2, 6–7(8), 4–6 (1MP)
    2017 Dubai R16 Donskoy 6–3, 6–7(7), 6–7(5) (3MP)
    2016 Stuttgart SF Thiem 6–3, 6–7(7), 4–6 (2MP)
    2015 Madrid R32 Kyrgios 7–6(2), 6–7(5), 6–7(12) (2MP)
    2014 Rome R32 Chardy 6–1, 3–6, 6–7(6) (1MP)
    2013 Dubai SF Berdych 6–3, 6–7(8), 4–6 (3MP)
    2011 US Open SF Djokovic 7–6(7), 6–4, 3–6, 2–6, 5–7 (2MP)
    2010 Paris SF Monfils 6–7(7), 7–6(1), 6–7(4) (5MP)!
    2010 US Open SF Djokovic 7–5, 1–6, 7–5, 2–6, 5–7 (2MP)
    2010 Miami R16 Berdych 4–6, 7–6(3), 6–7(6) (1MP)
    2010 Indian Wells R32 Baghdatis 7–5, 5–7, 6–7(4) (3MP)
    2006 Rome F Nadal 7–6(0), 6–7(5), 4–6, 6–2, 6–7(5) (2MP)
    2005 Monte Carlo QF Gasquet 7–6(1), 2–6, 6–7(8) (3MP)
    2005 Aus Open SF Safin 7–5, 4–6, 7–5, 6–7(6), 7–9 (1MP)
    2003 Miami QF Costa 6–7(4), 6–4, 6–7(7) (3MP)
    2002 Aus Open R16 Haas 6–7(3), 6–4, 6–3, 4–6, 6–8 (1MP)
    2001 Paris R32 Novak 4–6, 7–6(4), 6–7(2) (1MP)
    2001 Halle QF Rafter 6–4, 6–7(6), 6–7(4) (1MP)
    2000 Vienna SF Henman 6–2, 6–7(4), 3–6 (2MP)

    MP SAVED (22)

    2020 Aus Open QF Sandgren 6–3, 2–6, 2–6, 7–6(8), 6–3 (7MP)!!
    2019 Rome R16 Coric 2–6, 6–4, 7–6(7) (2MP)
    2019 Madrid R16 Monfils 6–0, 4–6, 7–6(3) (2MP)
    2018 Halle R16 Paire 6–3, 3–6, 7–6(7) (2MP)
    2017 Miami QF Berdych 6–2, 3–6, 7–6(6) (2MP)
    2016 Wimbledon QF Cilic 6–7(4), 4–6, 6–3, 7–6(9), 6–3 (3MP)
    2014 London WTF SF Wawrinka 4–6, 7–5, 7–6(6) (4MP)
    2014 Shanghai R32 Mayer 7–5, 3–6, 7–6(7) (5MP)
    2014 US Open QF Monfils 4–6, 3–6, 6–4, 7–5, 6–2 (2MP)
    2011 Madrid R32 López 7–6(13), 6–7(1), 7–6(7) (1MP)
    2006 Shanghai TMC RR Roddick 4–6, 7–6(8), 6–4 (3MP)
    2006 Halle QF Rochus 6–7(2), 7–6(9), 7–6(5) (4MP)
    2005 Dubai R16 Ferrero 4–6, 6–3, 7–6(6) (2MP)
    2003 Houston TMC RR Agassi 6–7(3), 6–3, 7–6(7) (2MP)
    2003 Paris R16 Verkerk 6–7(3), 7–6(12), 7–6(6) (4MP)
    2003 Cincinnati R64 Draper 4–6, 6–3, 7–6(10) (7MP)!!
    2001 Vienna R32 Massú 4–6, 7–6(8), 6–4 (3MP)
    2001 Miami R16 Johansson 7–6(3), 5–7, 7–6(7) (1MP)
    2000 Basel SF Hewitt 6–4, 5–7, 7–6(6) (1MP)
    2000 US Open R128 Wessels 4–6, 4–6, 6–3, 7–5, 3–4 RET (1MP)
    2000 Marseille QF Ljubicic 6–2, 3–6, 7–6(5) (2MP)
    1999 Rotterdam R32 Raoux 6–7(4), 7–5, 7–6(3) (2MP)

    –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––
    ***NADAL***

    MP WASTED (8)

    2019 Acapulco R16 Kyrgios 6–3, 6–7(2), 6–7(6) (3MP)
    2016 Buenos Aires SF Thiem 4–6, 6–4, 6–7(4) (1MP)
    2015 Indian Wells QF Raonic 6–4, 6–7(10), 5–7 (3MP)
    2010 Doha F Davydenko 6–0, 6–7(8), 4–6 (2MP)
    2005 Cincinnati R64 Berdych 7–6(4), 2–6, 6–7(3) (3MP)
    2004 Stuttgart QF Ferrer 3–6, 7–6(3), 5–7 (3MP)
    2004 Indian Wells R32 Calleri 4–6, 6–3, 6–7(10) (2MP)
    2003 Bastad QF Lapentti 6–3, 3–6, 6–7(6) (5MP)!!

    MP SAVED (14)

    2019 Tour Finals RR Medvedev 6–7(3), 6–3, 7–6(4) (1MP)
    2017 Beijing R32 Pouille 4–6, 7–6(6), 7–5 (2MP)
    2016 Indian Wells R16 Zverev 6–7(8), 6–0, 7–5 (1MP)
    2015 Paris R16 Anderson 4–6, 7–6(6), 6–2 (1MP)
    2014 Rio SF Andujar 2–6, 6–3, 7–6(10) (2MP)
    2010 Tokyo SF Troicki 7–6(4), 4–6, 7–6(7) (2MP)
    2010 Cincinnati R16 Benneteau 5–7, 7–6(6), 6–2 (1MP)
    2009 Paris R32 Almagro 3–6, 7–6(2), 7–5 (5MP)
    2009 Madrid SF Djokovic 3–6, 7–6(5), 7–6(9) (3MP)
    2009 Indian Wells R16 Nalbandian 3–6, 7–6(5), 6–0 (5MP)!
    2008 Chennai SF Moyá 6–7(3), 7–6(8), 7–6(1) (4MP)
    2006 Rome F Federer 6–7(0), 7–6(5), 6–4, 2–6, 7–6(5) (2MP)
    2006 Marseille R32 Rochus 4–6, 6–2, 7–5 (1MP)
    2005 Aus Open R64 Youzhny 6–1, 4–6, 4–6, 7–5, 6–3 (1MP)

    –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––
    ***DJOKOVIC***

    MP WASTED (3)

    2018 Queen’s F Cilic 7–5, 6–7(4), 3–6 (1MP)
    2009 Madrid SF Nadal 6–3, 6–7(5), 6–7(9) (3MP)
    2007 Rotterdam SF Youzhny 6–3, 6–7(7), 5–7 (3MP)

    MP SAVED (15)

    2020 Dubai SF Monfils 2–6, 7–6(8), 6–1 (3MP)
    2019 Wimbledon F Federer 7–6(5), 1–6, 7–6(4), 4–6, 13–12(3) (2MP)!
    2019 Rome QF del Potro 4–6, 7–6(6), 6–4 (2MP)
    2017 Doha SF Verdasco 4–6, 7–6(7), 6–3 (5MP)
    2015 Montreal QF Gulbis 5–7, 7–6(7), 6–1 (2MP)
    2012 Shanghai F Murray 5–7, 7–6(11), 6–3 (5MP)!
    2012 Roland Garros QF Tsonga 6–1, 5–7, 5–7, 7–6(6), 6–1 (4MP)
    2011 London WTF RR Berdych 3–6, 6–3, 7–6(3) (1MP)
    2011 US Open SF Federer 6–7(7), 4–6, 6–3, 6–2, 7–5 (2MP)
    2010 US Open SF Federer 5–7, 6–1, 5–7, 6–2, 7–5 (2MP)
    2010 Indian Wells R32 Kohlschreiber 6–3, 2–6, 7–6(3) (3MP)
    2009 Basel SF Stepanek 6–7(4), 7–5, 6–2 (3MP)
    2009 Halle R16 Serra 5–7, 7–5, 6–1 (5MP)
    2007 Vienna QF Chela 6–3, 5–7, 7–6(2) (2MP)
    2005 Wimbledon R64 G.Lopez 3–6, 3–6, 7–6(5), 7–6(3), 6–4 (6MP)!*

    1. Luis

      O engraçado é que até 2003, ou seja, quando Federer era somente mais um no circuito, ele já acumulava 5 derrotas tendo MP a favor (mais do que Djokovic tem em toda a sua carreira).
      Fica a dúvida: será que ele já sentia toda a pressão por ser tão amado por… sei lá, seus familiares, ou seu ego era tão grande que ele já se considerava o predestinado responsável por salvar o tênis bonito?
      Ah, só ressaltando que esses são os verdadeiros motivos por ele falhar tanto em momentos cruciais.
      O que acham, amigos?

      1. Jonas

        Outra coisa, pressão todos sentem meu caro. É impossível ser um top 5 do mundo, sem existir uma pressão grande por resultados.

        Não acho Federer fraco neste aspecto, mas é evidente que fica abaixo de seus rivais diretos.

      2. Ronildo

        Nada haver este seu humor descabido Luiz

        Comparado com Nadal e até mesmo Djokovic, Federer demorou para atingir o auge. Acho que seu primeiro slan foi com 23 anos.
        Você também não consegue reconhecer como atletas que incorporam uma responsabilidade vêem sua eficiência diminuída, infelizmente. Tempos atrás a Barty falou como foi difícil para ela vencer na Austrália. Há varios exemplos que eu poderia citar. O caso de Federer é único, mas com certeza foi uma barra maior pra ele enfrentar adversários do peso de Nadal e Djokovic inúmeras vezes tendo a platéia sempre esperando sua vitória. Várias vezes Federer deu entrevista mencionando sua relação com seus fãs, que devem ser o dobro dos de Nadal e o triplo dos de Djokovic. Certa vez ele disse que por um longo período, não queria apenas vencer, mas jogar bonito. Se tivermos um mínimo de raciocínio podemos chegar à conclusão que ele pensava assim porque sentia um compromisso com as arquibancadas lotadas cujos espectadores estavam ali na sua ampla maioria para vê-lo vencer.

        Só que este assunto é para pessoas que possuem uma sensibilidade um pouco mais apurada. Acredito que nem todos possuem a capacidade intelectual para entenderem este fenômeno psicológico nos atletas.

        Por pessoas como você, acredito que Federer deveria ter sacado por baixo já no primeiro macth-point em Wimbledon 2019. Seria um tremendo cala-boca merecido em pessoas assim.
        Mas veja, Federer vive na Suíça. Ele vive numa redoma social que certamente o impede de reconhecer o nível psicomotoral predominante de países como o Brasil. Federer nascendo e se criando brasileiro ou argentino, certamente seria um atleta mais poderoso mentalmente. Seria outro homem, um pouco mais parecido os pequenos que tiram sarro dele por causa da conjuntura do circuito atual.

          1. Ronildo

            O que você não aceita é que Nadal e Djokovic sempre estiveram na rabeira do Federer, com pressão bem menor. Então não estamos falando de fatores iguais.

          2. Luiz Fabriciano

            Você é que não aceita que no mano a mano, tanto Nadal quanto Djokovic são superiores a Federer, atribuindo as derrotas dele a pressão que torcedores colocam sobre seus ombros. Já pensou que tu és um dos responsáveis por isso?
            Isso, se isso fosse verdadeiro. Mas relaxe que não é.

    2. DANILO AFONSO

      Show de bola Weslei !!! Essa estatística é muito interessante.

      Então dos 946 jogos que o sérvio teve match point favorável, ele fechou o jogo a seu favor em 943 vezes. Aproveitamento de 99,68%. INCRÍVEL !!!

    3. Willian Rodrigues

      Excelente levantamento Weslei!
      Mais um sinal OBJETIVO de que no aspecto mental, Djokovic é mesmo um monstro!
      Como excluir, ou relegar essa faceta da inteligência a um plano inferior?
      Principalmente se tratando de um esporte tão exigente quanto o tênis!
      Sérvio é demais!

      P.S.: Apenas para corroborar a contabilização feita pelo Rodrigo noutro dia… Just in case…
      Segundo alguns, o número de manifestações conta para determinação de quem é o GOAT. Então…
      TREZENTAS E DOZE SALVAS PARA O ESTRONDOSO FEITO DE DJOKOVIC!!
      Rumo às 400 semanas!!

    4. Paulo Almeida

      Excelente levantamento, Weslei, que mais uma vez mostra o poder impressionante dos números para entendermos situações e conseguirmos elaborar fortes argumentos.

      Espero que o Danilão não fique com ciúmes, kkkkk.

    5. Leo Gavio

      Djokovic é o melhor em tudo.
      Lembrando que o DJokovic tem as partidas vencidas contra jogadores campeões, como Federer, Murray, Del Potro, Tsonga. todos eles ja foram TOP 5 e tem ao menos Master 1000.

      Já Federer tem as 22 vitorias contra PANGARÉS, jogadores desconhecidos do publico.

      5 vitorias em slam do Djoko em 15, federer 4 em 22, mas as de Federer todos os tenistas eram pangarés.

      A superioridade do Djokovic é imensa, jamais perdeu assim em Slam, e nem Nadal, já Federer PERDEU 6 PARTIDAS DE SLAM.

      Impossivel ser Goat com tanta amarelada em slam e master.

    6. Jose Yoh

      Djokovic e Nadal são indiscutivelmente fortes mentalmente, muito acima da média. O que não quer dizer que Federer esteja abaixo da média ou seja um amarelão. Analisando estes números, chego a algumas conclusões:

      – O estilo de jogo defensivo vai sempre salvar mais MPs e ter uma média melhor nesse quesito. Ao atacar nesse tipo de ponto, o risco de perder o ponto é grande. Poucos tem coragem pra isso.

      – O mesmo estilo defensivo reduz a chance de ter MPs contra. Brad Gilbert (Winning Ugly), dizia que se o adversário atingir 30, melhor levar o ponto com mais cuidado pois se chegar ao 40, a pressão aumenta muito. Creio que seja assim que eles pensam também.

      – Embora essa estatística seja bem discrepante entre os três, os resultados em termos de recordes, vitórias, etc não são tanto assim, o que indica que ser ousado nesses pontos, pelo menos para o estilo do suíço, não foi tão mal assim.

      – A quantidade de partidas disputadas é bem diferente, talvez fosse necessário fazer uma estatística baseada em percentual, não em números absolutos.

      Abs

  58. Chadwick Boseman

    Não havia visto a reportagem, Dalcim, obrigado pelo link. Muito, muito bacana a matéria, colocando o rapaz que passei a acompanhar lá no Orkut (Watch out, Federer, I”m coming to get you!) no lugar que ele merece: um dos reis do tênis.

    PS: Para tirar uma diferença de 1x 16 em Slans para 18 x 20 tem que ser diferenciado mesmo. Para acreditar que pode fazer isso, só um cara extraterrestre.

    Djoko é sensacional.

    1. Sérgio Ribeiro

      Na boa , Rafael . Ele tirou 1 x 4 em janeiro de 2008 quando venceu seu primeiro SLAM . E já TOP 3 do Mundo. Essa história de pular os anos em que não vencia , e somente começar a contar em 2011 , a meu ver não cola. Ninguém tem culpa se perdeu DEZ FiNAIS de SLAM rs. Abs!

      1. DANILO AFONSO

        Caro Sérgio, o Djokovic tirou uma diferença grande em qualquer um dos dois cenários. Mesmo em janeiro de 2008, após a conquista do AO, o sérvio teve que tirar uma diferença grande daquele que tinha mais Slams na época, no caso o Federer.

        Em janeiro/2008 essa era a configuração:
        Federer – 12 Slams
        Nadal – 3 Slams
        Djokovic – 1 Slam

        Enfim, tanto em 2008 quanto 2011 o sérvio teve que retirar uma grande diferença do tenista que liderava a quantidade de Slams.

  59. Arthur

    Estamos claramente assistindo aos últimos momentos do suíço em quadra, Dalcim.
    A idade e as condições físicas já se tornaram um claro limitador de sua capacidade em quadra. Não custa lembrar que ele completa quarenta – QUARENTA – anos neste ano.
    Parece evidente que Federer vai centrar todas as suas forças em tentar um último título em WB e, talvez (mas um “talvez” bem “talvez” mesmo), um ouro olímpico individual no Japão (menos por conta do “currículo” e mais por conta do prestígio no extremo-oriente, pra onde a grana do mundo está se movendo com grande rapidez).
    É triste porque não só uma era do tênis estará chegando ao fim, como também o jogador que mais elevou esse esporte em termos de plasticidade estará encerrando sua carreira, deixando como “sucessores” dois jogadores – Nadal e Djokovic – que primam muito mais pela eficiência e pela capacidade atlética do que pela beleza de seus golpes.
    Federer: quem viu, viu. Quem não viu, vai ter que ficar assistindo aos jogos antigos gravados no YouTube.

    Um abraço.

    1. Luiz Fabriciano

      Me desculpe, mas afirmar que Nadal e Djokovic primam mais pela eficiência e capacidade atlética que pela beleza, soa como ingenuidade.
      Nenhum atleta como os três prima mais pela beleza. Ele prima pela técnica, superação, garra, vontade de conquistar. Se a isso tudo está aliada a forma bonita de executar, tudo bem, mas se a beleza não render frutos, do que adianta?
      Federer tem um talento natural, algo que ninguém pode negar. Mas muitos apenas enxergam talento apenas como jogadas de efeito ou bonitas quando executadas. E insistem em não reconhecer algo mais profundo, como vencer até quando não está em seu melhor.
      No final das contas, todos PRIMAM por vencer.
      E é isso que faz do esporte algo apaixonante.
      Saudações.

  60. Rodrigo S. Cruz

    O Federer hoje reclamou de um incômodo no ombro, todavia não esfriou o jogo, e tampouco fez teatro.

    Realmente nesse quesito, o caráter e profissionalismo do Federer não tem paralelo com o do sérvio.

    MOMENTO POÉTICO:

    ” Oh Céus! Por que razão não me respondes?
    Em que mundo, em que estrela, Tu t’escondes?

    “Enquanto vence um por fim, doída contenda com o Sandgren
    em estiramento d’araque, o outro ludibria a sua claque”.

    kkkkkk

        1. Chadwick Boseman

          Se com quase 40 anos ele joga com dores, não dá migué e não reclama, ninguém pode dizer que virou um “velho” reclamão. Sorte da esposa pq qdo ele se aposentar não vai ficar perturbando e reclamando pela casa.

  61. Marcelo-Jacacity

    O importante é o suíço ficar saudável. Perder faz parte, mas desperdiçando novamente um um match point é complicado.
    Tomara que o Big-3 esteja 100% para a disputa dos próximos Majors.

    Bem que a minha esposa disse ontem: Que passou o Djoko no Jornal Nacional. Bela reportagem do José Renato Ambrosio que era da Espn.

    1. Rodrigo S. Cruz

      Marcelo,

      o único matchpoint que ele teve foi no saque no georgiano.

      E foi mais mérito do adversário ter salvo, do que desperdício do suíço.

      O Federer não merecia ter convertido o ponto, porque o Basilashvili foi superior na partida.

      1. Marcelo-Jacacity

        Rodrigo e Sérgio,

        Sim, o match point foi no saque do georgiano, mesmo assim, não deixa de ter desperdiçado a oportunidade. Claro que não é a mesma coisa que não aproveitar o mp sacando.
        Shapovalov salvou dois MPs no 4/5 ontem no saque do grande Fritz. E depois o canadense conseguiu a proeza de perder o saque quando servia em 5/5. Incrível como o Shapovalov não deslancha. O coronel russo vai dar raquetadas na cabeça, do Denis.

      2. Geailton

        Rodrigo, sua língua e seu cérebro não estão em sintonia. Quer dizer que salvar MP no saque é mérito do adversario mas numa final de slam com saque contra (o que é mais difícil) não? Por isso que seus comentários não podem ser levados a sério. Coerência zero.

    2. Sérgio Ribeiro

      Não entendi , Marcelo . O saque era do outro. Depois ela salvou dois . Já vi que não assististes o jogo. Foi mais que justa a derrota . Abs!

      1. Marcelo-Jacacity

        Mesmo o suíço tendo salvo dois match points, fato que tinha conhecimento, no final não teve valia, pois o Federer perdeu. Se tivesse vencido, aí sim, a manchete do Tenisbrasil seria:
        Federer salva dois match points e vence Basilashvili.

  62. Rodrigo

    Dalcim, além da grande qualidade do seu blog, quero destacar duas figuras super engraçadas: 1) Luiz Fernando — não é o Nadal, mas tem mania de perseguição. No mundo dele todo mundo persegue o espanhol; 2) Paulo — sofre pq o Federer é o mais querido, sabe disso, mas prefere mentir para si mesmo. Para diminuir a infelicidade afirma o tempo inteiro que o sérvio é o melhor. Kkk

    1. Luiz Fernando

      Engraçado, vc apenas cita os q não são federistas, isenção total kkk. Aqui é diversão garantida (e fakes múltiplos, claro) kkk…

      1. Paulo Almeida

        É a famosa indignação seletiva, mas nem foi um post daqueles bem agressivos…

        Até ri um pouquinho do novato (ou fake, sei lá).

    2. Sandro

      Nadal e Djokovic no topo e o Federer sendo desclassificado de ATP 250, quem é que está sofrendo mesmo, hein?

  63. Sérgio Ribeiro

    E realmente treino e’ treino , jogo e’ jogo. Estamos assistindo Andy Murray cravar que está apto para grandes eventos e na prática não é bem o que acontece . Evans confidenciou que chegaram a treinar três horas consecutivas simulando Sets nas últimas Semanas e o Suíço depois de 400 dias , acreditou sim que estava pronto mesmo com toda a sua grande experiência. Deve ter sentido barbaridade a pancadaria do Georgiano. Como é sortudo os Seis Sets devem ter lhe dado a noção exata do que precisa a mais física e técnicamente . Se não poderia ser presa fácil em Dubai além do físico. Os retornos de WAWRINKA e Novak também não foram nada fáceis. Como tem um Staff de primeiríssima linha , e não escondeu sua maior prioridade, da’ pra torcer. Abs!

      1. Sérgio Ribeiro

        Desespero ? Sabes nada Pato Mané. Na boa, devolve o Nick pro papai . Esse quando posta paga menos mico kkkkkkkk. Abs!

  64. Marcilio Aguiar

    Dalcim, só o Federer para saber o quanto seu físico sentiu nesses dois jogos. Tem essa informação que sentiu o ombro, mas será que o melhor para ele não seria fazer mais jogos em quadra dura para adquirir ritmo? Jogar dois torneios de saibro, onde ele pode ser eliminado logo e fazer poucos jogos, não é um risco de chegar na grama bem fora do ponto?
    A diferença para a volta de 2017 é brutal. Além do dobro do tempo parado, são mais 4 anos.
    Espero que ele consiga pelo menos uma campanha razoável nos torneios de grama, porque não acredito que esteja competitivo por mais tempo.

    1. Sandro

      Se nã está aguentando nem ATP 250, quem dirá um ATP 500, tá expelicado porque o PATO FREGUÊS abandonou DUBAI… DUBAI é muita AREIA pro caminhãozinho do Federer. E haja areia em Dubai, heim?

      1. Sérgio Ribeiro

        Tu vens lá do face Tênis Brasil pra postar isso , Pato Mané ???? . Canta a musiquinha vai kkkkkkkkkkkkk .abs!

      2. Marcilio Aguiar

        Sandro, obrigado por nos abrir os olhos sobre o RF ser um pereba, um tenista de quinta categoria. Agora vira o disco e traga outras novidades sobre o mundo do tênis, porque estamos ansiosos para ouvi-las.

  65. Chetnik

    Já que não teve post sobre o grande recorde do Djokovic, vai nesse mesmo sobre a irrelevante volta de um aposentado.

    Quem acompanha o blog faz tempo sabe que desde 2015, pelo menos, eu digo que o Djoko bateria aquele recorde fajuto construído amealhando semanas no topo do ranking daquela tenebrosa entressafra.

    O sofrimento nunca acaba para os zumbis. Mas fiquem tranquilos que vêm muito mais por aí. Vocês ainda vão pagar muito por todos os anos de arrogância, prepotência e desrespeito.

    1. Luiz Fernando

      Uma boa parte dessa fatura já foi paga pelas múltiplas derrotas e comentários sem nexo, sendo o mais estapafúrdio o q valorizou mais winners do q o título de W. Mas como vc disse, mais água passará por baixo da ponte…

      1. Sérgio Ribeiro

        As derrotas foram para o seu “ goat “ de 2013 , “ confuso “ comentarista ? Gostas mesmo de gozar com o P ** dos outros rs . Aqui realmente é “ diversão garantida “ Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk. Abs!

        1. Sérgio Ribeiro

          Quanto aos Winners ? , não verás de novo alguém repetir os 94 contra o Servio , inteligentíssimo guri kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk. Abs!

      2. Sérgio Ribeiro

        Es’ um baba ovo de primeiríssima L. F. Não postas mais nada do tal ” goat ‘ de 2013 ??? realmente és diversão garantida kkkkkkkkk. Abs!

        1. Luiz Fernando

          Diversão e ver desesperados como vcs valorizarem mais semanas seguidas do as totais, mais winners do q o título e outros comentários sem nexo, que pra variar partem de vc. Ou seja, vc é diversão garantida kkkkkk. Abs.

        2. Luiz Fernando

          Em primeiro lugar eu concordo e babo ovo pra quem eu quero, vc não tem nada a ver c isso. Em segundo lugar, nunca postei q Rafa era o GOAT, apenas disse q poderia ser, e isso em qualquer época, mas a sua cabecinha confusa vc deve ter muitas dificuldades p compreender certas coisas. Além disso, antes vc sempre escrevia de forma confusa e cheia de erros mas pelo menos era original, agora nem mais original vc é kkkk, fica copiando as brincadeiras alheias, mas eu sinceramente entendo, alguns não tem capacidade de serem originais ou de criarem brincadeiras q incomodem os desafetos. Por último, se vc discorda ou critica o q postei significa q eu devo estar certo kkk. Abs.

          1. Sérgio Ribeiro

            Copiando o que cara ? Cai na real . Todas as babaquices repetitivas da turminha da Kombi , por repetição você acaba “ entendendo. “ Você apostava sim senhor no Espanhol como o possível “ goat “ . Depois das surras pra ambos , passou a “ odiar o Craque “ , e babar ovo de quem realmente você quer rs . És um guri sem destino kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk. Daí que o Lógico sempre de sacaneou kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk. Abs!

      3. Willian Rodrigues

        Talvez o mais estapafúrdio tenha sido a tentativa de considerar títulos de ATP 250 obtidos por Roger Federer MAIORES que os de Masters 1000…
        Realmente, ali a galera federista se superou.
        Nem a métrica do jogo “mais bonito” se equipara.
        E depois, são os ocupantes da tal Kombi é que “esmurram” os números até que eles ofereçam o que desejamos… KKKK
        Parafraseando vocês, “aqui é diversão garantida!”

        1. Rodrigo S. Cruz

          Continuo não vendo nada de estapafúrdio em achar a temporada de 2006 mais dominante e espetacular do que a de 2016.

          Primeiro, que nada do que o sérvio faz pode ser propriamente chamado de “espetáculo” rs rs

          Segundo, que 2006 foi uma temporada em que Federer ganhou uns 10 jogos a mais, e perdeu menos jogos no total, do que o sérvio em 2016.

          Terceiro, que não é por ter sido Masters 1000 que necessariamente o campeão terá um caminho mais duro.

          Em geral, sabemos que isso acontece. Mas em certos casos não.

          O tenista pode perfeitamente pegar uma chave dura num ATP 250, e pegar uma chave baba num Masters 1000.

          O Djokoivc , recentemente, ganhou na Austrália, e um pouco antes foi humilhado pelo pangaré Sonego em ATP 250!

          O fato é que tudo somado, o Federer ganhou mais e perdeu menos partidas em 2006, em comparação com o sérvio em 2016.

          E isso tudo exibindo um tênis LINDO de assistir.

          Diferente do Djoko que como bem pontuou o Vitor Hugo – diverte menos do que assistir Chavez ou tirar uma SONECA…

          kkkkkk

          E foi um grande feito do Federer, concordem os nolistas ou não…

          Abs.

          1. Willian Rodrigues

            Prezado Rodrigo, quanto à dominância ser mais ou menos intensa na temporada 2006 em detrimento àquela de 2015*, não julgo estapafúrdio de forma alguma! Há bons argumentos de ambas as partes… Porém, eu ainda considero que Djokovic foi mais dominante no seu auge…
            O que afirmei ser um absurdo, e chega a ser risível, é o esforço para se considerar títulos de ATP 250 como maiores que Masters 1000.
            Dentre os 36 títulos do sérvio, quantos foram obtidos por meio de chaves tão fraquinhas assim que nos permitiriam categorizá-los no mesmo nível??
            Todos os membros do Big 3 já venceram torneios em que as chaves foram realmente mais fracas que o previsto…
            Convém lembrar que a manutenção da saúde, com poucas lesões também tem, em si, um grande mérito. Federer, por exemplo, talvez passe para a história como o tenista mais longevo, chegando aos 40 na condição de favorito em inúmeros torneios…
            Não dá pra desvalorizar nenhum big title obtido por ninguém! O sujeito atingiu a final, esteve lá aguardando. Se fulano ou ciclano não chegaram é porque não houve méritos…

  66. Paulo F.

    Dalcim, coluna preciosa como sempre e obrigado por disponibilizar a reportagem do JN.
    Bem bacana a reportagem.
    E Djokovic, pelo visto, deu uma pequena exclusiva para o repórter brasileiro.
    E ele podia ter sido bem estrelão e se negar ao falar com exclusividadepara o Brasil, afinal recebeu dos cariocas um vergonhoso calote.
    E ainda ousam questionar um cara gente fina igual ele.

    1. Miguel BsB

      O pessoal pega no pé, mas eu tb acho o Djokovic gente fina e, sim, carismático. Admiro os 3 grandes do tênis, os acho diferenciados da média dos atletas profissionais e superestrelas…
      Claro, sempre com a ressalva que só vemos o que eles e suas poderosas assessorias de marketing permitem.
      O Djoko sempre demonstrou ter um carinho especial pelo Brasil . Não sei a razão, talvez por sua amizade com o Guga. Ou por ter tido uma grande torcida a favor nas olimpíadas…

      1. Sérgio Ribeiro

        Acredito que o parceiro não assistiu a exibição Federer x GUGA . Aquilo sim foi apoteótico por aqui . Reveja no Youtube que vale a pena . Abs!

        1. Sérgio Ribeiro

          E nas Olimpíadas estava pau a pau a torcida com Del Potro . Essa eu estava presente . Mas foi comovente a saída do Servio de quadra . A galera o aplaudiu de boa . Abs!

        2. Sérgio Ribeiro

          Correção : Federer x Bellucci em 7 de Dezembro de 2012 . No Ibarapuera. Novak x GUGA foi no Maracananzinho. Ambas foram bem divertidas . E realmente o Sérvio mandou bem demais … Abs!

      2. Chadwick Boseman

        Como é bom (independente do conteúdo) ler um post bem escrito, não só na ortografia mas na organização e exposição lógica e concatenada das ideias, ainda que seja uma simples e rápida reflexão.

        Parabéns, Miguel.

    2. Jose Yoh

      Tenistas precisam ser grandes vendedores. Por que ele ignoraria 200 milhões de brasileiros?
      Ele seria capaz de achar que o calote foi do povo brasileiro?
      E o relacionamento que ele tem com Guga? Não traz uma imagem boa para ele do nosso povo?

  67. Vitor Hugo

    Federer, o MAIOR sobre as HARDS e GRAMA, vai priorizar o piso em que é REI, e tem um currículo muito maior que qualquer outro em atividade. Inclusive, um dos maiores feitos da história do esporte é vencer por 5 anos consecutivos Wimbledon, feito que dificilmente outro tenista vá conseguir.

    Vamos com tudo GOAT!

    1. Willian Rodrigues

      Vitor Hugo, você utiliza esse mesmo “mantra”, com eventuais pequenas modificações, a cada post do Dalcim há pelo menos uns dois anos (período em que venho acompanhando o Blog).
      Creio que um dia vários de nós nos renderemos aos seus argumentos e nos tornaremos torcedores do Federer…
      O problema é que a cada final em que o Djokovic derrota o Federer em Wimbledon, ou a cada recorde suíço que o sérvio aniquila,
      estranhamente, eu retrocedo um pouquinho …
      Saudações nolistas! HeHeHe
      P.S.: E acho que vou estender a campanha iniciada pelo Danilo em 2012, salvo engano. Claro, sempre oferecendo os devidos créditos.
      “Faltam apenas 623 dias para a 400ª semana na liderança!” KKKKK

  68. Chetnik

    Ué, não estava aposentado? Pensei que o Djoko tinha perdido sua rodada bônus em finais de WB. Bom saber que “voltou” kkkk.

    Aliás, perdeu tendo MP a favor novamente? O “GOAT” tá de volta mesmo kkkk.

    1. Sérgio Ribeiro

      Impressionante o Rei das bravatas repetitivas, o velho Chatonik rs . Rodada bônus ? . WIMBLEDON 2012 despacha o Sérvio , bate Murray e volta ao N 1 . O empate no All England Club 2019 em 2 x 2 ( duvido que não tenhas se borrado todo ) , não aconteceu por milagre depois de 94 WINNERS. Como só comentas na boa , aguarde este novo “ bônus “ em 2021 , coroa rsrsrs. Abs!

      1. Paulo F.

        Como já disse, espero que All England Lawn Tennis & Croquet Club tenha grifado na BANDEJA: “Roger Federer – champion of winners 2019, but RUNNER-UP of the tournament”.

        1. Sérgio Ribeiro

          Não pode grifar uma bobagem desta , coroa. Mas a história comprova que foi uma das maiores e melhores partidas no All England Club. E que o Senhor se borrou todo caso tenhas mesmo assistido na íntegra coisa que eu duvido muito. Pela sua idade o coração dificilmente permitiria rsrsrs. Abs!

          1. Paulo F.

            Tanto assisti que, quando Federer quebrou o Djokovic e serviria para o campeonato eu comentei com a minha nobre senhora que o título iria ficar em ótimas mãos.
            E comentei com a própria quando Federer permitiu o retorno do mesmo à partida: “parece que o Federer é inexperiente – levou fumou do Nadal a vida inteira e ainda não aprendeu que não se pode dar sobrevida à jogadores desse porte”.
            No fim a bandeja grifada: “Runner-up of 2019 Tournament. Champion of winners”.

        2. Luiz Fernando

          Genial kkkkk, mas cuidado q os bobos de sempre levam isso a sério kkkk. Aqui é diversão garantida kkkk!!!

      2. Rogério R Silva

        Caro Sérgio Ribeiro.
        Acompanho as bravatas dele desde o blog do Paulo Cleto.
        Sempre teve desprezo pelo Federer.
        Só que o muso dele era o Nadal.
        Ao menos é coerente na linha de raciocínio e gosto por maratenistas.

  69. Lulu Santos

    Uma pena que ele não ganha Wimbledon se Nole não for eliminando antes, torna todo o foco na grama quase que ineficaz

    1. Sérgio Ribeiro

      Já tinhas nascido em WIMBLEDON 2012 ou estavas cantando no chuveiro caríssimo Lulu kkkkkkkkkkkk. Abs!

      1. Lulu Santos

        tbm tinha nascido em 2014, 2015 e 2019.
        Não da, cara, aquela ali foi exceção, é muita superioridade, Federer na grama não é Nadal no saibro nem Djokovic no AO, esses dois pode botar quem for na frente deles em uma final que eles aniquilam, já Federer necessita de um Istomin pra conseguir slam.

        1. Sérgio Ribeiro

          Federer na GRAMA possui 19 Conquistas contra 6 de Novak. Vai pesquisar ou então cante ” é melhor não mentir pra si mesmo ” kkkkk Abs!

          1. Lulu Santos

            Sim, mas pra ganhar Wimbledon, só com Nole sendo eliminado antes, pois tá 3×0 pra o sérvio em finais de WIMBLEDON, e sem perspectiva de q isso mude

          2. Sandro

            Lá vem vc de novo com esses titulos conquistados na grama jogando no pasto do lado das vacas!!! O fato é que quando encontra Djokovic e Nadal pela frente, Federer não passa de um pato freguês.

  70. Oswaldo E. Aranha

    Só espero que os que dizem que os problemas de contusão do Djokovic são falsos não venham a dizer que os do Federer sejam também falsos. afinal há os que atiram para todos os lados e os que só atiram para um lado.

  71. Paulo Almeida

    Huhuhuhuhuhuhu!!

    E o rei da era mais fraca da história levou pau do poderoso Basilaxavila, quá quá quá quá!

    Tá difícil a vida desse povo amargando o GOAT sendo destaque no Jornal Nacional e uma eliminação precoce do Jagua um dia depois! Já para a nação eneástica, foi uma semana peRFeita!

    1. FLAVIO

      Paulo Almeida vc não sabe nada de tênis, o Djokovic vai fiar velho também, e quando chegar lá vai sentir o mesmos percalços, ou melhor pode nem chegar lá e encerrar a carreira antes dos 39. E acho que após esse ano o Djokovic vai ter uam queda física, pois em 2022 já vai estar com 35 anos.

      1. Paulo Almeida

        Mas de novo xolando no meu comentário?

        Continue apostando, vocês da seita fazem isso há 5 anos pelo menos.

        Abraço, eliminado 40-15 eterno.

      2. Willian Rodrigues

        Flávio , na boa vai…
        Vocês vem argumentando isso desde que Federer estava com 29 anos e Djokovic começou a melhorar o H2H contra o mesmo!
        Depois, estenderam para 34 anos e vejam o que deu!
        Djokovic já é o maior vencedor de Big Titles após os 30 anos de idade…
        Quando ele atingir a casa dos 39 – 40, e ainda beliscar um ATP 250, vocês farão de tudo para desqualificar o torneio, rebaixando-o a um nível inferior ao dos Challengers. Por favor…

      3. Sandro

        O fato é que Nadal e Djokovic com seus 34 anos foram muito maiores que o Federer com 34 anos… Não venham com essa desculpa de idade, valeu?

  72. Sandra

    Acabei de ver o vídeo do Djoko , muito bacana , li
    um comentário do pai dele em que o Brasil e o Japão e a China também eram os lugares que mais gostavam dele

  73. Thomaz Leite

    RF acabou de anunciar que não vai a Dubai,mestre Dalcim.
    Creio que seu calendário seja Madrid e Roma/RG…depois grama.
    Mas fica aquela dúvida né,sobre as reais condições do suíço…

  74. Barocos

    Desejo muita sorte ao Federer em seu retorno. É inegável que a sua presença em quadra engrandece muito para o tênis mundial e que ele foi ou ainda é o ídolo maior de muitos aficionados apaixonados por este esporte encantador e, ainda mais representativo da magnitude por ele alcançada, muitos dos melhores tenistas jovens de hoje declaram admiração pelo seu estilo e técnica, fonte de inspiração e modelo a ser alcançado.

    Estou na torcida para que ele, Nadal e Djokovic disputem mais algumas partidas épicas.

    Vida longa à “bailarina” do tênis.

    Saúde e paz.

    PS.: Alguém tem notícias da Gabi? Apareça para dar um alô, menina!

  75. Jorge Diehl

    Dalcin! Não vi postagem sua sobre o feito do djokovic bater o recorde de semanas na liderança! Fez alguma? Abraço

    1. José Nilton Dalcim

      Eu já havia comentado a façanha em dois posts anteriores, Jorge, porque a ATP confirmou muito antes. Abs!

  76. Alison Cordeiro

    Um retorno nunca é fácil, e nas condições de Federer é assombroso. Seu talento inato o habilita a seguir em grande nível, mas será que o físico vai aguentar jogos duros e exigentes? A resposta ninguém sabe, mas como Dalcim não cansa de repetir, nunca duvide de Roger Federer.

    Nessa altura da carreira tudo o que ele fizer é lucro para todos: chance de vê-lo jogar, chance dos adversários de o vencerem, improvável título que seria histórico, aumento da sua coleção de recordes. Federer no circuito é notícia em qualquer situação. Bom para todo mundo.

    1. Sandro

      E como eu digo: Federer… Vai se Qatar!!!
      E com eu também digo: ‘NUNCA DUVIDE DA CAPCIDADE DO FEDERER DE PERDER UMA FINAL DE WIMBLEDON PARA DJOKOVIC”.
      E como eu também digo: “NUNCA DUVIDE DA CAPCIDADE DO FEDERER DE PERDER UMMA FINA LROLAND GARROS PARA NADAL”
      FEDERER é pato freguês nato de Djokovic e Nadal, e quem é pPATO nunca será GOAT!!!
      .

  77. Rodrigo S. Cruz

    O Rublev deu uma sorte ridícula!

    Disputar um torneio que vale 250 pontos, jogando no máximo dois jogos.

    Assim até o meu avô…

    1. Sérgio Ribeiro

      Então, Rodrigo. Quando cravei aqui que Federer tinha dito que iria ao Saibro o amigo disse que não tinha ouvido em lugar algum . Foi logo depois de resolver pular Miami. Seria muito espaço até Halle chegando completamente sem ritmo. Agora vem o desafio rs . Madri e RG ( lá somente dando curtinhas ele chega às Quartas rs ) , ou apenas Madri e Roma ??? . Abs!

        1. Willian Rodrigues

          Suas previsões não andam lá essas coisas, hein doutor…
          Rublev ficou com Deus!
          Bautista Agut jogando um tênis muito consistente nesse momento…

      1. Sandro

        A única coisa que vc está cravando ultimamente é oseu desespero em querer dissimular e tampar o Sol com a peneira. Fatos são fatos e achismos são achismos.

        1. Sérgio Ribeiro

          Qual o teu achismo pra Doha , Guri ? Vê se diz algo que preste , ao menos uma vez rs . Sei que é difícil mas tenta vai … rs Abs!

  78. Rubens Leme

    Assunto totalmente off topic: números indicam a explosão de animais abandonados nesta época de pandemia. As pessoas estão simplesmente jogando gatos e cães na rua, como sacos de lixo. Um crime previsto em lei, mas que ninguém dá a mínima.

    Assim, peço a todos que puderem ou se interessarem para que ajudem os abrigos que recolhem essas pobres criaturas. Vivemos em um país sem uma política pública para esses simpáticos seres. Vacinação e, principalmente castração gratuitas, poderiam ser realizadas a um baixo custo, mas isso não dá voto e, portanto, não é de interesse dos políticos.

    Como é difícil pedir para que adotem nesta época, seria muito bom se puderem contribuir com qualquer quantia, basta que procurem uma das milhares de pessoas que realizam este trabalho invisível, caro e tão importante.

    Tenho sete cães, todos resgatados por mim, incluindo os três que nasceram em casa, de uma pequena cadela amorosa e linda que luta há anos contra um câncer. Eram nove, mas infelizmente duas já faleceram e mesmo na fase mais difícil da minha vida jamais pensei em jogá-los na rua. Seria como jogar um filho.

    O Brasil atravessa seu período mais difícil e é um crime que muitos descontem em criaturas tão doces e que dedicam 100% do tempo e do amor deles aos donos suas raivas e frustrações.

      1. Rubens Leme

        Salvei a mãe dos meus filhotes, debaixo de um temporal, há seis anos, grávida, em um domingo. No dia seguinte, nasceram os três e sempre que chove forte penso nas milhares de mamães e filhotes desabrigados e abraço um dos meus para amenizar a dor.

        É terrível ver isso acontecer, Dalcim.

    1. Paulo F.

      Sou da opinião de que, se não for para pegar o bichinho para ser seu companheiro de toda a vida dele, então nem o pegue.

      1. Filipe Fernandes

        Caro Paulo F.,

        Gostei muito do seu comentário (e, claro, da importante observação levantada pelo caro Leme).

        Quando ressalta a noção de sermos “companheiros de toda a vida deles”, dos nossos queridos companheiros, você destaca algo que muitas vezes nos passa despercebido: que, ao mesmo tempo em que a companhia deles pode ser especial e amorosa para nós, a nossa companhia pode ser igualmente especial e amorosa para eles, e acredito que de forma até mais relevante.

        Podemos fazer uma grande diferença na vida de um animal para além da garantia do lar e de suprimentos – pois, falando de um ponto de vista existencial, tocamos a vida de um outro ser vivo.

        Tenho meu amiguinho vira-lata caramelo aqui em casa, meu companheiro há quatro anos já, desde o final de 2016. Sei que um dia haverá o momento decisivo da despedida última, mas espero que a minha companhia possa vir a ter sido, de algum modo, significativa para a vida dele. As lembranças ficarão.

        Um grande abraço, meu caro, que você esteja bem.

        1. Paulo F.

          Nobre Felipe,
          Estou bem sim, ainda bem.
          Sempre um prazer trocar ideias com pessoas diferenciadas como tu e demais confrades deste blog.
          Fraterno abraço!

    2. Ruy Machado

      Rubens, boa noite. Legal essa sua admiração e cuidado pelos animais. Realmente, aumentou muito a quantidade de animais (gatos e cachorros) nas ruas. Eu sigo no Instagram algumas pessoas que se preocupam e salvam, todos os dias, dezenas deles. Sejam machucados, abandonados, famintos… Somente eu e minha esposa resgatamos 25 gatos e 6 cães nos últimos 10 anos. Fizemos propaganda nas redes sociais para amigos e conhecidos para adoção, iríamos entregar castrados, vacinados e vermifugados. Pergunte se alguém quis… Rsrsrs… Faleceram 4 cães conosco (idade avançada) nos últimos tempos e os gatos continuam. Ainda bem que moro numa casa com amplo espaço e quintal. E como vc mesmo disse, são iguais a filhos! Não importa o momento, eles são da família. Lamentavelmente, as pessoas pouco se importam. Se não querem adotar, beleza. Mas não os machuquem ou abandonem… Tipo de covardia que abomino! Siga na paz. Abc

      1. Rubens Leme

        Pois é, Ruy, quase tomei um tiro de um vizinho que maltratava a cadela dela, uma menina linda que arranhava minha porta pedindo comida. O ser humano é o grande erro deste planeta.

    3. Jose Yoh

      Uma vez que estão jogando na rua, eles procriam livremente também e a população vai aumentando. Não entendo como ainda cobram tão caro nas lojas, sinal de que a procura continua e adotar ninguém quer.

      1. Rubens Leme

        Todo mundo quer cão de raça, simples assim, para ostentar pedigree e essas coisas. Eu sempre peguei os de rua, são extremamente carinhosos, fortes, espertos e muito carentes.

        Recolhi uma idosa que já tinha sido devolvida duas vezes e tinha a perninha traseira com problema. Desde o primeiro dia, foi paixão. Ela sentava na minha coxa e dormia enquanto eu ficava no computador. Infelizmente, estava muito doente e morreu depois de 13 meses, mas o amor dela era algo incrível. Mas, as pessoas não pensam assim. É uma lástima.

        1. Rogério R Silva

          Aí vc conquistou ainda mais o meu respeito.
          Vejo pelas seus comentários que temos muito em comum,como o saudosismo que há pouco eu respondi de um comentário seu.
          A nossa cadela deixaram no meu portão com frio,fome e machucada.
          Hoje está lindíssima.
          Forte,vem nutrida e saudável.
          O gatinho que tanto nós alegra peguei de um amigo que a gata mãe deu cria.
          Todos bem tratados e saudáveis.
          Ainda contribuo para a ração dos gatos e cães da minha rua.
          Um forte abraço meu caro.

        2. Willian Rodrigues

          Belíssimo exemplo de sua parte Rubens…
          Em nossa casa, os últimos 3 cães que tivemos também foram adotados.

          1. Rubens Leme

            Desde o parto até hoje se passsaram 6 anos e os filhotes são divertídissimos, dois machos e uma fêmea. A menina subia nas minhas costas quando eu estava deitando para dormir e os meninos, ciumentos, deitavam cada um ao meu lado. Claro que bagunçam, comem coisas que não devem, roeram mesas, cadeiras inteiras, toalhas e até uma nota de 50 reais, mas no final, o que vale é a companhia deles, até porque perdi fé na espécie humana.

Comentários fechados.