Federer surpreende outra vez
Por José Nilton Dalcim
10 de março de 2021 às 18:51

Não foi uma exibição perfeita, aliás passou um tanto longe disso. Mas o retorno de Roger Federer às quadras, quase 14 meses depois de sua última aparição oficial, me causou agradável surpresa. Sem traços de nervosismo ou ansiedade, encarou o top 30 Daniel Evans com diferentes propostas e usou todo o arsenal que lhe cabe. A vitória saiu dura, apertada. Animador.

A qualidade técnica de Federer não se discute e ele disparou toda a sorte de jogadas espetaculares, do voleio à deixadinha, do ataque inesperado ao backhand milimétrico – um cruzado fechou o primeiro set e um na paralela encerrou o placar -, além de tentar usar ao máximo o primeiro serviço e a segunda bola com seu forehand magnífico, o conhecido ‘plano A’ de seu estilo. Claro que também cometeu erros feios de execução e fez escolhas inapropriadas, totalmente desculpáveis diante da absurda falta de ritmo.

Ajudou muito enfrentar Evans. Se por um lado o britânico é um jogador perigoso por sua velocidade e versatilidade, de outro erra bastante, falha na aplicação tática e pode facilmente perder a cabeça, o que não aconteceu hoje para o bem da divertida partida. Sem falar que foi justamente contra Evans que Federer treinou as duas últimas semanas. O tênis tem coincidências incríveis.

Apesar da admirável exibição desta quarta-feira, é cedo para empolgação. Porque agora precisaremos ver como reagirá seu físico de 39 anos e recente dupla cirurgia no joelho. Menos de 24 horas depois, Federer voltará à quadra para enfrentar Nikoloz Basilashvili, um adversário bem rodado e de forte jogo de base, ex-16º do ranking e dono de três ATPs, que já teve vitórias sobre Del Potro e Zverev.

Contra Evans, Federer se mexeu muito bem, buscou bolas longas, abaixou-se sem dificuldade e não parecia exausto ao final de um equilibrado terceiro set, que eram aspectos a que me ative a observar com maior atenção. O dia seguinte no entanto é sempre a pior parte para qualquer tenista veterano.

E mais
– Federer continua o ‘rei dos tiebreaks’. Mesmo sem ter um saque bombástico, é quem mais venceu (461) e quem tem melhor índice de eficiência (65,4%) em toda Era Profissional.
– Com a volta à quadra, Federer recomeça a contagem interrompida há 405 dias: se entrar em quadra nesta quinta-feira, fará o 1.515º jogo da carreira e ficará a 42 do recorde de Connors.
– Esta foi também sua 1.243ª vitória, encurtando para 31 a distância para ‘Jimbo’.
– A queda para o sexto lugar – que não poderá ser revertida nesta semana nem mesmo com o eventual título em Doha – estacionou Federer com 859 semanas no top 5 do ranking. Mas isso é muito acima de Nadal, que tem 754.
– A marca RF enfim reapareceu no circuito, figurando no calçado que Roger usou hoje. Ele retirou de vez o Nike e exibiu a marca suíça Ons, da qual se tornou acionista.


Comentários
  1. Luiz Fernando

    Excelente partida entre o RBA e o Thiem, com vitória do espanhol. Thiem c paralelas maravilhosas com o BH e o espanhol firme e regular no fundo da quadra, embora com bolas menos potentes. No fim venceu a regularidade…

  2. Luiz Fernando

    Dalcim não sei se vc pensa da mesma forma mas vejo um certo paralelo entre o Thiem e a Muguruza. Ambos tem grande potencial mas depois de vencerem o primeiro GS ao invés de partirem p novas conquistas ao q parece viveram uma certa acomodação, uma certa sensação do “dever cumprido”, uma falta de ambição. Concorda???

    1. José Nilton Dalcim

      Olha, isso já aconteceu com alguns jogadores. Claro que é cedo para cravar falta de ambição. Talvez seja pressão que o tenista coloca sobre si mesmo. De qualquer forma, a Muguruza venceu Wimbledon um ano depois. Tomara que o Thiem ao menos repita isso… rsrs…

  3. Sérgio Ribeiro

    O maior problema não foi o Ex-TOP 16 que tenta seu 4* ATP , jogar o seu melhor depois do seu grave episódio extra-quadra em 2020 ( acusação e processo por violência doméstica) . Foi como suas bolas pesadas dos dois lados incomodaram tanto o Suíço. Com esse jogo a lá Rublev, não dá pra chegar atrasado. Perto dos 40 vai dar pra melhorar tanto assim seu jogo de pernas até Wimbledon ? . Tentou de tudo chegando até mesmo a obter um Matchpoint e salvar dois . Resta a nós apreciadores de seu estilo único , fazer figa e torcer muito. Mas principalmente aproveitar cada momento do excepcional jogador enquanto der . Abs!

    1. Rodrigo S. Cruz

      Exatamente este é o ponto, Sérgio!

      Vimos claramente o tanto que o Federer apanhou hoje, do fundo da quadra!

      E mesmo que ele tivesse ganhado o jogo, sua vitória não mudaria este fato.

      Eu vi que ele pouco suportou a pancadaria do Basilashvilli, e muito mais se defendia do que atacava.

      Chegando atrasado num MONTE de bolas!

      E tendo que se salvar, em boa parte, com o seu saque.

      Mas quando eu digo aqui que o Novak apanhou em Wimbledon-19, por motivo parecido, os caras não aceitam o óbvio…

  4. Vitor Hugo

    Derrota normal do suíço. Aos 39 anos e mais 14 meses sem jogar…. longe do ideal, até mesmo para a idade que tem.
    Pelo menos jogou 6 sets e vai jogar na semana que vem, onde deve melhorar um pouco, mas não creio em título no momento, mesmo em atp 500.

    Vcs viram os jogadores assistindo o suíço jogar em uma sala no torneiro de Santiago??? Algum outro tenista causa isso? Se fosse o n 1 fake, todos prefeririam assistir chaves ou tirar um cochilo!

    Por essas e outras que ROGER É O GOAT UNÂNIME DO PLANETA!
    Parabéns campeão! O tênis em pessoa, como diz Fognini.

    1. Rodrigo S. Cruz

      HAHAHAHAHAHAHAHAHA

      ” (…) se o fosse o número 1 fake, todos prefeririam assistir Chavez, ou então tirar um cochilo (…)”

      kkkkkkkkkkkkkkkk

      Essa foi ótima, Vitão!

      Rachei.

      1. Luiz Fabriciano

        Agora entendi – Chavez.
        Porque pensei que o Vitão tinha dito que preferiam assistir chaves. Seriam de cadeados, de cadeia etc.
        Rsss.

  5. Luiz Fernando

    Se fosse o caso de Rafa ou Djoko perderem os bobos de sempre estariam aqui com as piadinhas usuais, as postagens depreciativas, mas não creio q devemos nos nivelar com estes tipos. Federer perdeu de forma inesperada, mas não vi grande drama, pois ficou 1 ano parado e vindo de duas cirurgias no joelho vejo essa derrota como natural. Apesar de achar q o suíço venceria sem grande trabalho não dá p esquecer q o magistral NB apertou Rafa no USO 2018, vendendo caro a derrota, quando está bem é um adversário chato. Alguém pode dizer “perdeu mpoint”, mas levou 61 no segundo set e o cara teve um caminhão de breaks a mais. Segue a vida.

    1. Rodrigo S. Cruz

      Pois é. Eu assisti a partida toda e posso dizer o que seguinte:

      de qualquer modo, eu achei que o Federer não merecia ganhar!

      Nem mesmo com aquele matchpoint.

      Porque o georgiano foi muito mais sólido na base do que o suíço.

      E como você disse, construiu bem mais chances de quebras.

      Vitória mais do que merecida…

      Agora, o Federer deve provavelmente confirmar participação em Dubai.

      E se tiver outro resultado ruim, acho que só iremos vê-lo de novo nas gramas de Halle!

  6. Paulo F.

    Não serei um abutre para zoar da derrota de hoje.
    Todos sabemos que recém estava voltando depois de um longo período afastado e é quase lógica esta eliminação.
    O foco de Federer, que deverá ser seu momento derradeiro da carreira, é a edição de Wimbledon deste ano.
    E prefiro vê-lo inteiro lá, para ser derrotado mais uma vez pelo fenomenal Novak Djokovic.

  7. José Eustáquio Masculino Cruz

    Surprende como o cara não é mais aquele campeão que fechava as portas.quer saber tá bom demais ele já jogou tudo que podia a falta de ritmo não teve nada a ver hoje e sim bola mesmo tá no fim e quem não ver quem não quer.Temos que agradecer mas passou pronto.

    1. Rodrigo S. Cruz

      Pois é.

      Mas eu não cravei que seria assim. E disse que eu poderia queimar a língua.

      Desempenho pífio do suíço…

      1. Luiz Fernando

        Talvez eu tenha entendido mal sua segunda frase:

        “Não gosto de fazer previsões, pois sempre existe a chance de queimar a língua.

        Mas também acredito que o Federer fará gato e sapato desse Basilashvili…”

  8. Nattan Lobatto

    Bom dia, srs!

    É um privilégio acompanhar e assistir o jogo de retorno de uma Lenda. Foi assim com as grandes estrelas dos outros esporte como Shumi, Jordan, May, R9 fenômeno, Anderson Silva, Brady etc. (…). O percurso em direção a glória é espinhoso e vez ou outra aparece uma lesão, um problema extra quadra, problemas internos que tiram o foco e acabam afastando por meses e até anos esses fenomenais esportistas. Graças a Deus que no caso de Nole, Nadal e Federer, sempre retornaram com sangue nos olhos e com muita vontade de vencer e fazer história.

    Meus parabéns a torcida do FeDex por esse dia tão especial! Que o Leão da Montanha venha se manter saudável e, assim, tenhamos jogos memoráveis como WB2019 (com o mesmo resultado kkk “brincadeira”) que nos deixam em êxtase após o último ponto.

    Ah, 311 e contando (…), torcendo muito para que o sérvio venha ultrapassar as 400 semanas na ponta. Danillo, vc poderia fazer essa contagem agora: faltam 90 semanas para o Djoko ultrapassar as 400 semanas hahaha.

    Abs

    1. Paulo F.

      É outro nível ser torcedor de um ótimo tenista como o Novak Djokovic ao invés de ser um fanático seguidor de uma seita como alguns fizeram com o excepcional Roger Federer.

    2. DANILO AFONSO

      O GILDOKSON não deixaria eu abrir essa contagem novamente.
      Ele iria chegar na voadora aqui e no facebook quando ele me acha lá…kkkkk

      1. Alessandro Siqueira

        Danilo, mas o paralelo com a WTA está liberado. Serena e Martina estão na mira e Steffi pode ser avistada em 2022.

    3. Luiz Fabriciano

      Concordo em tudo Nattan.
      Na sugestão para o Danilo e no retorno do suíço.
      Imagine a graça (a falta dela) que teria para o sérvio continuar angariando records sem a presença do Fedal e demais caras duros, como os russos, alemães, canadenses etc.

  9. Jonas

    Essa questão do número de comentários, para mim não é tão relevante, mesmo.

    Mas vou dar uma breve opinião: o post atual do Dalcim é sobre Federer “Federer surpreende outra vez”, já o post anterior nem era sobre Djokovic. Fora que esse recorde enorme do sérvio já era certeza há alguns meses, enquanto que a recuperação de Federer ainda era uma incógnita, depois de suas cirurgias no joelho.

  10. Renato

    Muita gente ressaltando o adversário ser fraco. O Evans, se é conhecido por errar muito, não mostrou isso ontem. A bola dele estava entrando sempre funda, se defendeu bem quando Federer acelerou. Foi no mínimo um ótimo jogo pra retornar, pegar ritmo. Óbvio que o Federer com 32 anos teria ganho de duplo 6-2, mas ele tem 39 anos, está parado há 14 meses.

    De verdade, não sei o que o povo espera! Nem o Federer deve estar pensando no Djokovic ou Nadal. ou até Medvedev. Se os especialistas do sofá sabem que não dá pra ele ganhar dos top 5, talvez nem dos top 10 hoje, o que sabe ele, o cara que esteve lá, que subiu o nível de cada jogador que veio depois dele? Esses comentários ficam confortavelmente entre a inocência e a bobeira simples.

      1. Rodrigo S. Cruz

        Pera aí, Luiz fernando.

        Esse daí não é Victor Hugo, não…

        Pode ver que até as ideias que ele escreveu são bem diferentes do Victor.

  11. Rubens Leme

    Sting – The Dream Of The Blue Turtles (1985)

    https://music.youtube.com/playlist?list=OLAK5uy_mb5yEsZSvUQnk20s0RTsm5UffTDkrO4BA

    Quando comecei minha coleção de discos e LPs, em 1985, esse foi o meu oitavo LP, comprado em janeiro de 1986, numa extinta rede de lojas, no Shopping Ribeirão, ao lado do Carrefour. Eu não conhecia Sting, sabia apenas que tinha sido do Police, banda dona de alguns hits que gostava. O disco tinha sido elogiado, mas não fazia a menor ideia do que esperar. Mas estamos falando dos mágicos anos 1980 e o LP parecia uma cadeia de músicas maravilhosas. Algumas estranhas e soturnas, mas no geral, um disco para se ouvir de cabo a rabo.

    Era o começo da minha “educação musical”, digamos, estava trocando meus discos de trilhas de novela, de rádios e algumas coletâneas bobas e entrando em um mundo cheio de nomes estranhos – U2, The Cure, The Smiths, Talking Heads, R.E.M., Echo and the Bunnymen, The Cult, Dire Straits, Stevie Wonder, Rolling Stones.

    Tinha acabado de ligar o interruptor de luz de uma sala imensa, do tamanho de um estádio e dava meus primeiros passos incertos, sem saber para que lado ir.

    Um mundo excitante, mágico, inesgotável. Passados 35 anos a magia do disco ainda permanece, como aquele velho amigo que não vê há décadas, se encontram, se abraçam, riem das barrigas, dos cabelos ralos, pedem uma cerveja e ficam horas relembrando o passado e derramam algumas lágrimas ao se despedirem, com trocas de telefone e promessa de nova reunião que nunca mais ocorrerá.

    Sim, aqueles eram os bons tempos. E Sting nunca mais foi tão bom como seu primeiro disco.

  12. Filipe Fernandes

    Bom dia, pessoal.

    Enquanto o mais brilhante tenista de sempre volta – para nossa imensa exultação – às quadras depois de um longo interregno, o mais brilhante jogador de futebol do século XXI (quiçá desde Pelé) pode ter feito a sua última partida na Champions pela camisa do Barcelona.

    Os caminhos dos dois podem, em breve, quem sabe, se cruzar nos gramados da Inglaterra: um refazendo suas magníficas e surpreendentes jogadas no Olimpo das raquetes chamado Wimbledon; o outro esbanjando seu dom sui generis numa peculiar e azulada Manchester – e sob a batuta de um estimado e extraordinário mentor.

    Espero que nem o ano de 2021, nem o provável próximo clube sejam a página derradeira de duas das mais espetaculares histórias do mundo dos esportes; mas, se a escrita do tempo assim assinar o término de ambas as epopeias, já valeu/terá valido a pena presenciar a Arte do Movimento e do Encanto Inesperado na trajetória dessas duas lendas.

    Certa vez um escritor americano afirmou que “o lance do Federer é que ele é Mozart e Metallica ao mesmo tempo, e a harmonia fica, sabe-se lá como, refinada”. Eu acredito que as mesmas palavras recaiam perfeitamente sobre o Glenn Gould dos campos de futebol.

    Um grande abraço.

    1. Barocos

      Filipe,

      Belo texto e excelente paralelo com o excelente pianista. Uma pena que tenha partido tão cedo de nossas vistas, embora permaneça em emocionantes lembranças. Sempre me pareceu mágico, fantástico como ele parecia dispensar qualquer partitura nas apresentações, mesmo para as composições mais complexas. Se eu fosse religioso, diria que alguns indivíduos ganham o toque da vida com o propósito de encantar, Glenn seria, certamente um deles.

      Saúde e paz.

      1. Filipe Fernandes

        Caro Barocos,

        Bem bacanas as suas palavras sobre a genialidade do Glenn Gould, a sua ternura é a respeito dele é clara. E pensar que aos 31 anos, em 1964, ele decide não se apresentar mais em público, passando a ter, a partir de então, uma vida reclusa e reservada.

        Por causa do seu marcante comentário, Barocos, reouvi agora essa pequena joia de três minutos (https://youtu.be/qB76jxBq_gQ). É impressionante o instante em que ele de repente para de tocar, vai até a janela, fica lá alguns segundos ‘mantendo’ o ritmo melódico “nos lábios” e volta ao piano exatamente na mesma sintonia. Uma preciosidade. Que grande artista.

        Um grande abraço, meu caro. Espero que esteja bem (e seus queridos também).

      2. Luiz Fabriciano

        Prezado Barocos, quando li seu comentário acima e rememorando todos os outros seus, outrora lidos, minha admiração como sempre, aumenta.
        Lendo a frase “… se eu fosse religioso…” me remete ao dom natural que temos e por vezes, à necessidade, em acreditar em algo muito maior que nós.
        Senti, podendo errar, que tens essa vontade, mas alguma coisa ainda lhe segura. Saber de Deus e sua obra, não nos obriga a ser necessariamente religioso, pois nem Ele, tampouco Jesus, fundou qualquer religião existente no planeta Terra. Em outros não me lembro.
        O que Jesus ensinou, ao menos exaustivamente tentou, de uma maneira peculiar, foi que devemos amar. Simplesmente amar. Cabe a nós, entender o conceito de amar. E nos assegurou de forma veemente, que somos deuses, pois possuímos sua essência. Talvez daí venha toda a magia que o famoso pianista citado possui. Podemos fazer tudo que Ele fez… e mais.
        E antes de mais nada, não há nenhuma intensão de conversão em minhas palavras.
        Grande abraço.

        1. periferia

          Olá Gildokson.

          Senti grande orgulho….mas o Filipe é ABLdoB (Academia Brasileira de Letras do Blog).

          Abs

        2. Filipe Fernandes

          Caro Peri,

          Puxa, eu iria neste exato momento responder ao caro Gildokson dizendo que é uma honra ser confundido com você, e, quando vou digitar, me deparo com o seu gentil comentário. Agradecido pelas palavras.

          Caro Gildokson, espero que ele não saia do Barcelona, mas, se for de fato inevitável, seria maravilhoso vê-lo novamente com o grande Guardiola. Vamos ver.

          Um grande abraço a ambos, meus caros. Espero que estejam bem e protegidos, além dos seus queridos.

  13. Jairo Silva

    Acho q Federer ganha esse torneio minúsculo, mas se perder tb é normal, como dizia o mito Abel Braga.

    Roger voltou enferrujado e venceu um cara bem ruim. Precisa melhorar mto pra achar um game contra NovaKing.

  14. JAN DIAS

    RUBLEV tá com sorte ?: 2 desistências e vai estrear fresquinho em Doha..
    E além disso tá jogando muito…

  15. Chadwick Boseman

    Pessoalmente, fiquei feliz em ver a volta de Federer. Tenhamos paciência se houver algum deslize no caminho. É sempre bom ver alguém voltar saudável, disposto e feliz depois de uma parada tão longa. Por tudo que fez dentro das quadras, pelas multidões que movimentou e emocionou por 20 anos ou mais, Federer merece essa volta, pelo tempo que ele decidir jogar.

    Fico feliz também por seus fãs. Assim como com Djokovic na época das lesões e de abraçar árvores, posso imaginar (comparativamente) a desolação que foi para os fãs de Fed acompanhar tênis sem poder ver seu maior ídolo competindo e bem fisicamente. Como qualquer ídolo do esporte, Fed traz felicidade a seus admiradores.

    Como a LENDA que é jogando tênis, traz êxtase.

    Federer é tão grande como tenista que depôs um dos mais tradicionais ditos populares, aquele do “tudo que é bom dura pouco”.

    Talvez porque ele não seja simplesmente bom, mas ESPETACULAR. Que bom que voltou e que o show vai continuar. Pelo menos é o que espero.

  16. Oswaldo E. Aranha

    Pirandello escreveu uma célebre peça de teatro “Assim É Se Lhe Parece”. Na avaliação de um tenista por critérios subjetivos, como: elegância, voleios, subidas à rede, etc…e não por critério inquestionável, os números, é com o disse Pirandello: assim é se lhe parece!

  17. fabriciogoiano

    Olá mestre Dalcin!

    Não tenho certeza,mas foi o Nikoloz Basilashvili, o próximo adversário de Federer, quem perdeu pro Thiago Monteiro, não foi? Foi no Australian Open???

    Obrigado!

    1. José Nilton Dalcim

      Não, ele perdeu do Tommy Paul. Perdeu na estreia de seus quatro torneios nesta temporada, e Doha foi a primeira que avançou.

  18. JAN DIAS

    O adversário era fraco, mas retornar ao tênis vencendo, aos 39 anos, depois de 1 ano parado e 2 cirurgias no joelho NÃO É PRA QUALQUER UM… SÓ PRA ROGER MESMO… ?

  19. Vitor Hugo

    O cara acabou de quebrar um recorde fake e só se fala na volta do GOAT SUÍÇO!
    Federer é realmente o maior e melhor da história!

  20. Ricardo

    Eu acho que o Djokovic não tem absolutamente nada contra Federer e Nadal. E por nada, quero dizer uma simples indiferença. Nem gosta, nem odeia.
    O pai dele já é outra história.
    Acredito que ele deva ter uma relação pessoal melhor com Rafa simplesmente por causa da idade, e, se não me engano, ele até já deu uma entrevista falando sobre isso.
    Mas dentro de quadra, ouso até dizer que o sérvio respeita mais o suíço do que o espanhol. O que pega na rivalidade Djoko x Fed é, sem dúvidas, a torcida, que, com certeza, liga o modo assassino de Nole.
    Já com o Rafa, tenho a impressão de que o sérvio sente um prazer especial em estraçalha-lo, quando pode (e também acho que tal sentimento é recíproco).

    1. Jonas

      Federer x Nadal é uma rivalidade que vem desde 2004. A impressão que tenho é que existe um respeito real ali, não são amigos mas se admiram.

      Já Djoko x Federer é situação bem diferente. A diferença entre os dois era muito grande até 2010, quando o suíço já era dono de 16 Slams enquanto o sérvio apenas 1. Djokovic até então nunca tinha nem chegado ao topo do ranking.

      De uma maneira muito rápida e inesperada, Djokovic passou de mero coadjuvante para o melhor tenista, com certa folga, o que no início não deve ter incomodado tanto. O problema é que com o passar dos anos o sérvio foi vencendo, vencendo e ficando cada vez mais próximo de alguns recordes. Ele começou a dar declarações de que queria ser o melhor, bem diferente do Nadal que costuma ser mais protocolar.

      Acredito que Federer x Djokovic não se gostam mesmo, é isso, mas a relação já foi melhor.

      1. Sérgio Ribeiro

        Na boa , nada a ver com o fato do Servio passar a ser o melhor com folgas rs (somente reduziu de 1 x 4 para 18 x 20 desde que era N 3 em 2007 ) . É público o desentendimento ocorrido com os Pais e que continua com declarações ridículas do Coroa. Novak chegou a se desculpar com Roger e Rafa em 2012 . E na ATP só piorou inclusive com Rafa . Depois da tentativa de Novak com a associação paralela , o Suíço e o Espanhol voltaram ao Conselho . Rafa deu duras declarações sobre as tentativas de Novak de falar em ajudas aos Tenistas de ranking menor pela imprensa. Hoje é nítida a relação somente protocolar mesmo com o Sérvio já tendo participado da Laver Cup . Abs!

      2. Ricardo

        Mas, então, Jonas, acredito que se realmente há alguma faísca na relação entre os dois, deve-se muito mais ao Federer do que o contrário.
        Como você bem citou, também acho que a ascensão meteórica do sérvio, a partir de 2011, deve ter mexido com o ego do suíço. Mas penso que ele nunca o viu como um “inimigo a ser batido”, diferente do que aconteceu com o Nadal, dadas as dolorosas derrotas para o espanhol que o sérvio vinha acumulando até então.
        Por parte do Nole, acredito (e repito) que a torcida do Federer, e não o próprio, é o que tira ele do sério.

      3. Barocos

        Jonas,

        Esta desavença entre os pais do Djokovic e o Federer é antiga, começou, se não me engano em 2008 após o Djokovic sagrar-se campeão no AUSOpen (após eliminar o Federer no caminho ao título). Na ocasião, parece que a mãe do Djoko usou a velha expressão: “O rei está morto, vida longa ao (novo) rei.” Federer não gostou e, alguns meses depois, declarou que os pais do Djokovic deveriam “ficar calados.”.

        Com a rivalidade e competitividade em quadra crescendo desde a ascensão do sérvio às posições mais altas do ranking, os ânimos e a antipatia se acirraram ainda mais.

        Acho que faltou sensibilidade dos dois lados.

        Saúde e paz.

  21. Rodrigo S. Cruz

    Novak Djokovic com um recorde importantíssimo que se leva mais de uma DÉCADA para superar, e com propaganda da REDE GLOBO e tudo, conseguiu ser congratulado por apenas 14 participantes neste blog, em um espaço de 3 dias!

    Federer, sem ajuda de Jornal Nacional (se bem que ele e Nadal são citados como lendas), e em apenas 1 DIA, já tem 27 parabenizações e contando, pelo simples retorno em um ATPzinho 250…

    EITA, homem diferenciado, viu!

    Parece aquelas candidaturas de presidenciáveis que mesmo com um espaço IMENSO de TV e fundo eleitoral gordo, ainda perdem a eleição para um candidato de partido nanico e poucos segundos de TV!

    Caramba, mano!

    Esse Federer TIRA LEITE DE PEDRA mesmo, hein?

    Acho que os nolistas terão de criar alguns fakes para equilibrar o jogo… rs rs

  22. Rodrigo S. Cruz

    De 08 de março à 10 de março, as menções positivas sobre a conquista do sérvio:

    Luiz Fernando
    Paulo Almeida
    Jonas
    Luiz Fabriciano
    Gildokson
    Marcelo Jacacity
    Thiago Silva
    Denis
    Chadwick Boseman
    Danilo Afonso
    Periferia
    Miguel
    Nathan Labatto
    Marcílio Aguiar
    ————————————————————-

    Menções de apenas em 10/03, sobre o retorno do Maestro:

    José Eduardo Pessanha
    Luis
    Sérgio Ribeiro
    Rodrigo S. Cruz
    Ruy Machado
    Evaldo Aparecido Moreira
    Juninho Fonseca
    Rodrigo
    Marcel Azevedo
    Rodrigues
    Daniel
    Léo Gávio
    Miguel BsB
    Rodrigo azevedo
    André Barcelos
    Victor
    Fedex
    Marcelo Aguiar
    André Barcellos
    Artur Santos
    Barocos
    Ronildo
    Maurício Luís
    Daniel C
    Davi Poiani
    Vitor Hugo
    Samuka

    Kkkkkkkkkkkkkk

    Com 3 dias corridos Novak Medíocre-vit contou com apenas 14 participantes parabenizando a sua conquista!

    Porém, em apenas 1 mísero dia, Roger “The GOAT” Federer somou 27 participantes que comemoram a sua volta!

    Preciso dizer mais o que?

    1. Barocos

      Rodrigo,

      Faltou dizer como é que um jogador “medíocre” ganhou 18 Slams com o Federer, Nadal, Murray, Wawrinka, Del Potro, Thiem, Zverev, Tsisipas e Medvedev em atividade.

      Me surpreende que este jogador “medíocre” tenha sido o único na era aberta a deter os 4 títulos de Grand Slams ao mesmo tempo, algo que não acontecia desde Laver.

      Ainda, faltou dizer como é que este jogador “medíocre” conquistou o recorde de títulos de Master 1000 e, ainda por cima, foi o único a ser campeão em todos eles, e fez isto duas vezes.

      Também acho incrível que este jogador “medíocre” seja o recordista de semanas como número 1 nesta época tão competitiva.

      Não podemos esquecer também que este jogador “medíocre” detém, juntamente com o Pete Pistols, o recorde de encerramentos do calendário como número 1.

      Finalmente, mas não por último, já que o sérvio é detentor de várias outras estatísticas respeitáveis, também causa espanto que este jogador “medíocre” possua H2H favorável contra todos os jogadores elencados (na verdade, contra todos os que ele enfrentou mais de 10 vezes).

      Deve ter sido sorte. :p

      Saúde e paz.

      1. Rodrigo S. Cruz

        Barocos,

        Em primeiro lugar, qualquer um vê que tudo não passa da boa e velha TROLAGEM… rs

        Em segundo lugar, a mediocridade a que eu me referia é dessa falta de carisma do sérvio.

        E não ao jogo dele que é indiscutivelmente um dos mais fortes e eficientes da história do tênis.

        Abs.

    2. Davi Silva

      Agora os especialistas vão adicionar essa métrica para estabelecer o Goat do tênis, porque ela é muito, mas muito relevante mesmo, que Grand Slans que nada

    3. Luiz Fernando

      Será q é pq a torcida do Federer é majoritária??? Putz Rodrigo, até vc q tinha bom senso na maior parte dos comentários está descambando p comentários infantis…

  23. Paulo Almeida

    Senhores, o recorde de semanas do REI de todos os REIS Djokovic recebeu uma reportagem de 3 minutos no JORNAL NACIONAL na noite dessa quarta-feira!!!

    Ela poderia ter sido exibida na segunda, mas hoje foi melhor ainda para ofuscar qualquer faísca da volta do terceiro melhor da época áurea do tênis lá em Doha, a qual não recebeu sequer um milissegundo de atenção no principal telejornal do Brasil.

    Como é bom torcer pro MAIORAL do IBOPE, hahaha!

    1. Babidi

      Ofuscar qualquer faísca, kkkkkkk.. qualquer pessoa que gosta de verdade de tênis acompanhou o retorno do Federer, inclusive você que é um hater ferrenho. Por mais que eu ache que Djokovic já possa ser considerado o maior da história, prefiro muito mais ver os jogos do suíço.

      O JN já passou várias matérias sobre os feitos de Federer, inclusive na última vez que ele assumiu o posto de n°1. Agora é o momento de Djokovic, simplesmente isso. É apenas um reconhecimento. Ou você quer dizer que o Djokovic vai ser mais popular que o Federer por causa disso? Kkkkkkk.. já não foi tempo suficiente pra aceitar que isso dificilmente vai acontecer?

      1. Luiz Fernando

        Quando o São Paulo ganhou tudo na era Telê ele superou o Flamengo em torcida? Claro q não, pq quem torce mesmo dificilmente muda. Djoko e Federer tem seus méritos incontestáveis, mas querer balizar isso pela medida da torcida de cada um ou pelas expressões delas é algo q só pode ser interpretado como piada…

  24. Kauê

    Achei que foi um ótimo retorno. Longe da perfeição, é claro, mas ele fez um bom jogo contra um ótimo adversário.
    Vale ressaltar que uma partida intensa (relativamente longa logo na primeira partida e depois de tanto tempo parado) deve fazer mais bem do que mal. Afinal, se amanhã ele estiver descansado e puder jogar novamente bem, provavelmente significará que as cirurgias tiveram o efeito desejado e que o corpo dele ainda aguenta o circuito. Se vai continuar avançando e vencendo torneios, isso é outra história e teremos que aguardar. Mas foi, definitivamente, um ótimo teste.

    Dalcim, gostaria de parabenizar a sua paciência. Manter um espaço de comentários amplamente democrático significa aguentar tanto gente educada e coerente quanto gente que muitos achamos que sequer deveriam conviver em sociedade (tô exagerando de propósito haha). Como eu costumo dizer, a inclusão digital deu, democraticamente, voz a todos, inclusive aos idiotas. E é surpreendente saber que você lê e aprova sem problemas alguns comentários que me deixariam com vontade de esganar o autor. Hahaha! Enfim, parabéns por ter tanta paciência com esse pessoal que vem falar mal de um ótimo jogador (no caso, o Evans) só porque perdeu um jogo disputado para o Federer.

  25. Gildokson

    Aquela passada dentro do quadradinho escondendo até o último momento e virando só na munheca… ele até riu depois rsrs
    Entre voleios perfeitos e algumas bolas perto do aro o saldo é positivo. Muito bom o retorno do GÊNIO.

    1. JAN DIAS

      Essa “munhecada” que ele dá é coisa de outro mundo! ? Não jogo tênis, mas acho que esse golpe deve ser muito difícil e, fora que, só de olhar já me dá dor no pulso..kk ?

  26. Luis

    Dalcim acho voce pode jogar profissional se Federer parado pode kkk impressionante big 3 parece que nem precisam treinar,bate uma bolinha e ganha jogors,Legal Federer de volta faz muita falta no tênis,seria ótimo mais 1 Slam mas suíço em quadra bem já e’ um presente com essa pandemia

    1. José Nilton Dalcim

      Nem precisam treinar? Federer por exemplo se preparou incansavelmente para esta volta, Luís. Nadal e Djokovic treinam muito também!

  27. Vitor Hugo

    Federer é um jogador inigualável! Seu arsenal, sua variação e técnica é muito superior a qualquer top-10! É o melhor jogo de rede disparado entre os tops!
    Achei ele um tanto lento, chegando atrasado, mas normal pra quem ficou tanto tempo sem jogar.
    Chegou para por fim a mediocridade tenistica pela qual o esporte vem passando, dominado por robôs, dopados(tecnológico) e etc.
    Quem vê ele jogar e entende um pouco do esporte não tem dúvidas que se trata do MELHOR TENISTA DA HISTÓRIA!
    Seja bem vindo de volta, DEUS DO TÊNIS!

    1. JAN DIAS

      Amém! ?? Faço minhas todas as suas palavras… E acrescento algumas do meu pai (quando ele se referia ao futebol):

      “QUANDO O CRAQUE BATE NA BOLA ⚽️⚾️ATÉ O SOM QUE ELA FAZ É DIFERENTE”…

  28. Rodrigo S. Cruz

    Como o sapientíssimo Léo Gávio postou abaixo:

    uma simples PELADA de Federer num ATP 250 vale mais do que 311 semanas de liderança do Djoko!

    Obrigado pela tua sinceridade, Léo.

    Acho que eu gosto mais de você agora ???

  29. Davi Poiani

    Olá Dalcim, tenho uma observação/curiosidade com relação a alguns termos usados. No texto você diz: “usar ao máximo o primeiro serviço e a segunda bola com seu forehand magnífico”. Mas hoje mesmo durante o jogo do Federer, e em algumas transmissões, eu ouço o locutor ou comentarista dizer sobre a mesma jogada: “saque e primeira bola”. Penso que dizer “segunda bola”, tal como você usou, faz mais sentido. Entre os profissionais, qual é o termos mais comum usado para esta sequencia: saque, devolução e winner com forehand (ou backhand)? Ou é algo que tanto faz?

    1. José Nilton Dalcim

      Até onde sei, Davi, o habitual é chamar de segunda bola, já que o primeiro golpe é o saque. Mas o Nardini deixou claro que se referia à primeira bola depois do saque, portanto ficou bem claro.

  30. Ronildo

    Chadwick Boseman, Rafael; perfeitas suas colocações sobre as declarações do pai de Djokovic.

    Você fala como quem realmente tem conhecimento sobre este assunto, inclusive citando o caso da casa de Djokovic. Djokovic, apesar de certamente lamentar as declarações do pai, não tem com desautorizar publicamente o pai como você disse. Ainda mais como a família é encarada naquela parte do mundo. Apesar de Djokovic ser uma pessoa internacionalizada e culta, infelizmente seu pai parece ser alguém muito ignorante e pobre de espírito, suas palavras mostram isso.
    Sobre o complexo de inferioridade, é apenas pegação de pé contra a ala extremista da torcida de Djokovic. Infelizmente pessoas como você lêem isso e me vejo obrigado a me retratar. Na verdade não acredito que Djokovic tenha complexo de inferioridade perante Federer. Se tivesse, isso refletiria nos confrontos diretos. O que Djokovic sabe é que Federer é uma pessoa mais querida pelo grande público. Mas isso todo mundo sabe. Sobre o Big 3, o que acredito piamente é que Federer ao longo da carreira sempre levou uma carga emocional maior para dentro da quadra. Federer se viu como representante dos anseios das multidões que queriam ver seu jogo bonito, mas também vitorioso. Isso certamente desequilibrou a balança para o lado de Djokovic e Nadal. Porém isso aconteceu apenas por causa da natureza do caráter de Federer, que influenciado pelos anseios da multidão, incorporou este personagem utópico: MESTRE DO JOGO BONITO E VENCEDOR. Mas o que fazer quando se encontra rivais extremamente competitivos numa modalidade como o tênis? Como foi o caso do aparecimento de Nadal e Djokovic no circuito mundial de tênis. Bem, se o cara se considerar o representante dos anseios do povo, certamente levará uma carga emocional mais forte, sentirá um peso maior de responsabilidade e certamente seu mental não acompanhará o mental de outros oponentes igualmente competitivos. Esse foi o grande calcanhar de Aquiles de Federer: esta responsabilidade pela vitória para fazer jus à sua popularidade perante as multidões. Repito: esta cobrança aconteceu apenas por causa da personalidade do Federer. Talvez outro tenista grandemente amado que tenha sentido a mesma responsabilidade quando apareceram rivais altamente competitivos foi Biorg Borg. Neste caso, sendo isto verdadeiro no caso dele, qual foi a solução que ele encontrou? Abandonou o circuitocom 26 anos!. Não conheço outros tenistas que foram populares no nível de Borg e Federer.
    Quanto à humildade, dos 3, acredito que Nadal é o mais humilde e Federer o menos humilde. Justamente pela paparicação que Federer teve durante toda a carreira.
    Sobre o antagonismo entre Federer e Djokovic, acredito que os dois já se esforçaram em diminuir, tanto é que Djokovic já jogou a Laver Culp, evento pertencente à Federer. Será que a Serena jogaria num evento da Sharapova?
    Apesar se ser fã do jogo e de algumas coisas da pessoa do Federer, como ser humano, sou muito mais o Murray.

      1. Ronildo

        rubens gavetti, não adianta você simplesmente dizer nervosinho que achou algo feio quando outros acharam bonito. Seja sociável e tente raciocinar com as pessoas. Escrevi seu nome com letras minúsculas porque você se comportou de maneira bem pequenininha. Talvez você tenha viajado pela Sérvia e o pai de Djokovic tenha sido seu professor de suas funestas ignorâncias. Se este for o caso entendo sua dificuldade em manter um diálogo respeitável.

  31. Rubens Leme

    Ministério da Saúde previu 3 mil morte diárias em março e está firme no propósito de atingir a marca, já que vacina ninguém sabe, ninguém viu ou comprou. Mais de 2300 hoje e contando. Já viramos um ATP 270, Dalcim. Estamos longe do ATP 520 dos EUA, mas Pazuello está no “caminho certo” e se “continuar o “bom trabalho” chegaremos a Masters 1000 no Natal.

    E CBF e FPF garantem que pode ter futebol, afinal tudo está controlado e os mais de 20 infectados no Corinthians foram “um acidente”.

    Beleza, então. Continuo trancado em casa e nem sei se algum dia poderei sair dela, novamente.

    1. Sandra

      Nem me fale , hoje já faltou vacina para a segunda dose para os idosos , amanhã cedo já estarei na fila com ela para tomar a segunda dose, que Deus no ajude

  32. Maurício Fonseca

    Basilashvili???? Pelamordeudeus!! Basilahsvili perigoso? Em 2020 ficou com 4/13 em vitórias/derrotas, esse ano está 2/5. Na pior fase desde que venceu os ATP 500.

    1. Rodrigo S. Cruz

      Não gosto de fazer previsões, pois sempre existe a chance de queimar a língua.

      Mas também acredito que o Federer fará gato e sapato desse Basilashvili…

  33. Daniel C

    Finalmente o rei do tênis voltou às quadras! A espera foi longa, mas felizmente chegou ao fim. Agora resta curtir o máximo de jogos do maior gênio que já pisou numa quadra de tênis. Títulos? Se vierem, maravilha, se não vierem, tudo bem também. Ele não precisa provar mais nada, e continuará sendo o melhor da história independente dos recordes para muita gente. Em tempos de tênis unidimensional e uma geração que nunca engrena nos grandes palcos (GS), pelo menos agora teremos um tênis mais interessante de assistir e muito menos enfadonho e burocratico que o do atual N1.

    Mudando de assunto, dei uma rápida olhada nos comentários do tópico anterior e achei incrível que alguns fãs do Djokovic tenham “cobrado” do Federer uma parabenizando pública pelo recorde kkkk. What???? Rs. Meus comentários sobre isso: 1) Isso é uma tremenda carência mesmo. Lembrar o Federer nessas horas mostra o quanto o suíço é maior que simples números ou recordes. 2) É muita imaturidade, pois não sabemos se o suíço parabenizou o sérvio no privado. Pq precisa ser público, ainda mais para aqueles que acusam o suíço de ser uma “imagem construída” e consideram o sérvio de mais autêntico? Tem uma contradição aí… 3) Muita hipocrisia julgar o silêncio do Federer sem lembrar que o pai do Djokovic já menosprezou e desrespeitou o suíço diversas vezes e o filhinho nunca se manifestou também. Querem que o suíço tenha sangue de barata e se rebaixe enaltecendo o filho daquele que te ofende?

    1. André Barcellos

      Parabéns por recorde é pra quem se aposentou. Sampras pro Federer, pelo 15o GS, por exemplo (embora provavelmente falso). Enfim. É isso mesmo.

    2. Vitor Hugo

      Concordo. É o melhor da história!
      Concordo. Não tem que parabenizar p nenhuma um sujeito falso, filho de idiotas e que põe em risco a vida das pessoas. Federer é maior que td isso!

  34. Maurício Luís *

    Acredito que o Federer não terá grandes problemas com o seu próximo adversário, o Nikoloz Basilashvili. O georgiano não atravessa boa fase. Só que depois vem o Shapovalov ou o Taylor Fritz. Aí que eu quero ver a onça beber água.
    Mas não há que se negar que ele estreou muito bem. É uma lenda viva.

  35. Barocos

    É muito bom ver o Federer de volta ao circuito por muitos motivos:
    – porquê possui um arsenal de jogadas incríveis;
    – porquê não dá para não admirar alguém que gosta e se dedica intensamente àquilo que ama e que é uma coisa boa;
    – porquê nos lembra que nossos limites, ainda que sejam reais, podem ser superados;
    – porquê movimenta como ninguém a atenção dos admiradores deste magnífico esporte;
    – porquê significa que a maior e melhor fase do tênis ainda vai perdurar por mais algum tempo;
    – porquê mantém viva as maiores rivalidades entre os três maiores tenistas que já empunharam uma raquete.

    Seja bem-vindo de volta Federer, mas não se engane, vou continuar torcendo para que o Djokovic vença os jogos entre vocês, de preferência em batalhas épicas decididas em reviravoltas de 15×40!

    Saúde e paz para todos os amantes do esporte.

    1. Sérgio Ribeiro

      Impecável , meu caro Barocos, parabéns !!! . E pode ficar tranquilo que o N 1 não vai ser mais incomodado pelo Craque . No máximo tira um Set do seu preferido em Wimbledon 2021 rsrsrs. Abs!

      1. Ronildo

        Será Sérgio!?

        Olha, se Federer tiver saque para o jogo contra Djokovic em Wimbledon, acredito que desta vez ele vai ficar possuído do mesmo sentimento da final do AO 2017: “Ahh não! De novo não!!!”

        E vai cacifar!!!

  36. Artur Santos

    Olá Mestre Dalcim!!

    Sou mais fan do Nadal, até por tudo que ele passou, foi o único a fazer frente para o Federer durante uns 05 anos seguidos de domínio do Suíço e depois teve que encarar a escalada de Djoko….enfim, o cara é um guerreiro, se não fosse ele o Federer teria uns 06 Roland Garros facilmente e com certeza ninguém o alcançaria nos GS. Você concorda com esses números mestre?

    Só que ver o Federer jogar é do jeito que ele joga, me faz ter certeza que não teremos ninguém no circuito que jogue com tal maestria por pelo menos os próximos 10 anos….sentiremos muita falta quando ele sair, vai ser uma perda gigantesca para o esporte.

    Eu acho que o Djoko vai bater todos os principais recordes, mas acredito que nunca será tão gigante como foi o Federer. Acredito que o Nadal ficará ali meio que em segundo em números gerais, mas tb será lembrado com extrema grandeza até maior que o próprio Djoko.

    O que vc acha Mestre, qual a sua opinião? Tirando o crachá….fala aí.

    Abraço e parabéns pelo Blog

    1. José Nilton Dalcim

      Sim, na teoria você está certo, Artur. Essa questão de grandeza é muito discutível e nunca chegaremos a um denominador comum. E falar nisso enquanto a carreira de todos eles está em andamento é realmente um chute. Abraço e obrigado!

  37. André Barcellos

    Tem tênis pra todos os estilos, mas aliar um jogo espetacular a resultados incontestáveis sonora esse gênio. E aquele backhand cruzado só na munheca pra fazer a passada no Evans? Jogo de quadradinho…
    Muito bom ver o suíço voltar a jogar, mesmo que perca amanhã.

  38. Marcilio Aguiar

    Contente com a volta do Maestro, mas ainda prefiro a cautela. Um passo por vez. Se entrar em ritmo de jogo e não tiver muito desgaste físico, pode fazer bons jogos nesse ATP, mas acho que ainda não esta em condições de vencer um Rublev ou Thiem nesta semana.
    Vou curtir apenas, sem criar grandes expectativas.

  39. Fedex

    Grande Dalcim!!! O homem é monstro!!!! Depois de 2 cirurgias e com 39 anos, além é claro dos 13 meses sem entrar em quadra, ainda consegue jogar com qualidade e vencer um top 30.

    Qual seu palpite para amanhã?

  40. Victor

    Retorno muito acima das expectativas. O approach de felicidade e prazer em jogar foi o que mais me chamou a atenção. Lógico, além da velha classe, inigualável na plasticidade.

  41. Leo Gavio

    Muito prazeroso ver o Federer jogando uma pelada. Alguém discorda ai?

    O adversário foi um pangaré, bem como os da entressafra, talvez por isso o suiço tenha jogado tão descontraído. Memória é memória.

    No mais, o Federer se resume a isto: um jogador muito artístico, golpes fluidos, belas jogadas, muita iniciativa. O Djoko também joga muito bonito quando joga solto, assim como jogou nas finais dos Aopens 2019 e 2021.

    O sérvio é menosprezado nesse critério, talvez por ser camaleônico e sempre jogar de acordo com o adversário, ao contrario do Federer, mas quando joga solto e agressivo, é um espetáculo também. Vamos ver se o vovô artista vai ter consistência pra ganhar da lenda servia no templo sagrado do tênis.

    Essa partida ai me deu até uma esperança de mais uma final, o problema é que mesmo eu sendo Djokovista ficarei desconcertado se o suiço receber uma quarta reprimenda. É estranho, confesso. Sentirei pelo suiço, coisa que os federistas são incapazes de sentir pelo sérvio, a única coisa que a ele cultivam é um ódio irracional (pleonasmo) e totalmente antitenístico.

    1. Miguel BsB

      “No mais, o Federer se resume a isto: um jogador muito artístico, golpes fluidos, belas jogadas, muita iniciativa.”
      Com 20 grand slams no currículo e mais um monte de coisas…
      Acho que ele se resume a um pouco mais que isto…rs

    2. Paulo Almeida

      Wise Hawk, todos nós sabemos que o Djokovic é um gênio que cansou de fazer jogadas espetaculares de deixar qualquer um embasbacado, mas seus detratores nunca irão admitir o óbvio. Já cansei de dizer que ele joga o tênis mais bonito e interessante quando está à vontade, como nessas partidas que você mencionou ou contra o Federer em WB 2015 ou AO 2016, por exemplo.

    3. Rodrigo S. Cruz

      Eu não avisei que até um modesto retorno do Federer num ATP 250 causa mais “hype” do que uma conquista grande do sérvio?

      Se até o Léo Gávio diz que é prazeroso ver o suíço numa pelada, quem somos nós MEROS MORTAIS para discordar?

      Léo Gávio falou, KBÔ !!!

      kkkkk

    4. André Barcellos

      Federer “se resume”….
      Kkkkkkk
      Muita forçação de barra querer “resumir” o cara.
      É uma palavrinha que não é diretamente pejorativa, mas soa pejorativa e despeitosa.

      Novak se resume a um jogo eficiente com muita garra e preparo físico. Um verdadeiro Cristiano Ronaldo.

      Nadal se resume a um forehand não ortodoxo que gera muito spin com open stance em ambos os lados e preparo descomunal.

      Só que nas entrelinhas de cada “resumo” desenfestada um universo…

      1. Luiz Fabriciano

        Aí não né.
        Sugiro rever a final do mesmo Doha, em 2015. Tem uma entrevista de Nadal, pós-jogo, tonto ainda.

  42. Rodrigo S. Cruz

    A minha opinião foi próxima a do Dalcim.

    O Federer cometeu erros bobos em alguns momentos, o que é normal pelo tempo de inatividade.

    Mas foi um bom retorno, um bom começo diante do Evans.

    Só o tempo dirá se ele tem condições de atingir o seu nível de tênis mais alto…

  43. Rodrigues

    Dalcim

    Federer sempre faz pré temporada com algum jogador do circuito convidado por ele. Já fez isso inclusive com o Belluci que, certamente o ajudou a entender melhor o jogo de um canhoto.
    Pergunto, como funciona isso?
    Tem algum acerto financeiro?
    Ou é só companheirismo?

    1. José Nilton Dalcim

      Acredito que quem convida pague todas as despesas, mas não acredito em pagamento efetivo, Rodrigues.

      1. Helena

        Ele tem o costume de treinar com os novos talentos também, não? Acho que me recordo dele treinando com o Felix quando o canadense era um novato, e vi algumas pessoas comentando que ele tinha esse hábito.

  44. Marcel Azevedo

    Dalcim, como pode Federer ter suportado tão bem em alto nível 2 horas e 24min de jogo, sua memória do condicionamento físico e muscular de anos de carreira que tem ou foi dedo ai do seu preparador físico?

    Boa noite e parabéns pelo blog.

    1. José Nilton Dalcim

      O próprio Evans havia dito que ele estava em boa forma, Marcel, de acordo com o que treinaram nesses dias. Mas um jogo é uma coisa, uma sequência é outra. Vamos ver como ele estará na quinta-feira. Abs!

      1. Luiz Fabriciano

        Podemos afirmar que um jogo desgasta mentalmente, o que reflete em menor instância no físico, mas o treino desgasta apenas fisicamente, não alterando a parte mental?
        Essa é a grande diferença entre ambos.

  45. Sérgio Ribeiro

    E realmente Roger Federer não decepcionou . Com mais de 400 dias parado, e contra um oponente com quem vinha treinando nas últimas semanas , pode apresentar variados golpes , que se não neutralizaram totalmente as armas do TOP 28 , muito se deve a uma média expressiva de erros de devolução e mas escolhas como muito bem citado no Post . A meu ver, se o corpo permitir , pode chegar competitivo próximo a temporada de grama. Mas sem condições no momento de brigar por resultados expressivos contra os TOPs da Nova Geração. Contra Novak e Rafa , me arrisco a afirmar que não dá nem pra saída. Como era previsto bem distante do nível apresentado no seu retorno em 2017 . A conferir . Abs!

    1. Ronildo

      É Sérgio:

      Para o Federer é terrível jogar contra o Thiem e contra o Tsitsipas. O próprio Zverev dá muito trabalho!
      O Thiem e o Tsitsipas tem muito jogo, fica tudo parelho. Então no final a juventude vence a velhice esportiva.

  46. Paulo Almeida

    E como previsto, na semana em que o GOAT Djokovic atingiu o segundo mais importante recorde do tênis (o primeiro, para alguns como o Sampras), a volta do GUAT passou razoavelmente despercebida.

    Eu mesmo só fiquei sabendo do resultado agora há pouco e parece que por um triz não foi derrubado pelo poderoso Evans, hahaha!

    Sei não se ganha esse 250tinha, mas, de qualquer forma, não perderei tempo secando o freguês, como a seita fanática faz com o rei Serbinator até em jogo beneficente.

    1. Rodrigo

      Tenho a impressão que nem você acredita no que escreve, mas o faz para tentar se enganar. Fique a vontades. Se isso te faz menos infeliz, ok!

  47. Evaldo Aparecido Moreira

    Boa noite,
    Me surpreendi também Dalcim, pela postura , pelas variações ao longo do jogo, vi os melhores momentos , erros cabíveis , devido a parada longa….

    Se ele jogou sem ansiedade e nervosismo , interessante isso , pois como ele mesmo disse, jogar porque ama o tênis , mas também ele vai ser competitivo com certeza.

    Ah, como é bom ver Federer em ação , muito bom para o tênis ter ele de volta , e que esteja saudável sempre .

  48. Luiz Fernando

    Evans jogou como nunca e perdeu como sempre. Tendencia de ocorrer a mesma coisa amanha, esses jogadores “comuns” (tradução: que não são gigantes ou candidatos a se tornarem grandes campeões) não conseguem se impor, na maioria das situações, quando encaram o Big3…

Comentários fechados.