Como um dos grandes, Tsitsipas insiste, luta e vira
Por José Nilton Dalcim
17 de fevereiro de 2021 às 12:27

Assim como os grandes tenistas, aqueles que geralmente merecem títulos, Stefanos Tsitsipas viu uma chance, agarrou com unhas e dentes e não desperdiçou. Numa batalha de 4h05 que exigiu o máximo de sua frieza e capacidade técnica, o grego de 22 anos se tornou apenas o terceiro a virar em cima de Rafael Nadal depois que o espanhol fez 2 sets a 0. E com um desempenho desse quilate, tentará pela terceira vez decidir um Grand Slam.

Foi um jogo épico de vários capítulos, bem definidos. No primeiro deles, Nadal jogou num nível assombroso, tomando a iniciativa nos dois primeiros sets e sufocando Tsitsipas o tempo inteiro. A segunda parte da história veio num terceiro set totalmente equilibrado e com mínimas falhas dos sacadores. Nadal continuava a trabalhar muito bem com o saque, mas o grego conseguiu enfim calibrar o forehand, elemento crucial na evolução que viria a seguir.

O tiebreak mudou tudo. Stef errou uma bola boba logo de cara e Nadal teve um smash absurdamente fácil para 2-0. E errou. E errou de novo, este outro um pouco mais difícil lá do fundo de quadra. Agressivo e concentrado, Tsitsipas agradeceu e iniciou a reação. De forma espantosa, sem gritarias ou comemoração exagerada. Era um bom sinal.

A terceira parte do jogo viu Nadal cada vez mais lento, o que o fazia errar bolas tolas, mas salvando-se com o saque e sua inigualável capacidade de lutar e encontrar soluções, como subidas inesperadas à rede. Porém do outro lado da quadra estava agora um adversário que se mexia esplendidamente, sólido nos golpes, sóbrio na atitude, ciente de que havia surgido uma oportunidade de ouro.

O espanhol merece todos os créditos pelo esforço enorme que fez para se manter vivo no quinto set, mas era evidente que faltavam pernas, algo muito semelhante ao que aconteceu no terceiro set diante de Daniil Medvedev no Finals de pouco meses atrás.

Quem diria, Nadal perdeu no físico. Não tinha mais forças para manter a maior parte das trocas, errava bolas no meio da rede e muitas vezes nem tentou a defesa. Mas lutou como pôde e ainda quase arrancou uma quebra para levar ao match-tiebreak diante da natural tensão que o oponente sentiu frente à façanha gigantesca que tinha diante de si.

O desafio agora é Medvedev
Stef está assim pela terceira vez numa semi de Slam e tenta evitar a frustração de Melbourne-2019 e de Roland Garros do ano passado. A missão é outra vez muito difícil, já que o russo Daniil Medvedev está bem mais descansado e ganhou quatro dos cinco confrontos já feitos entre eles.

‘Urso’ também está em sua terceira semi de Slam – mas tem o vice do US Open de 2019 – e aumentou sua incrível série invicta para 19 jogos ao superar com certa folga o amigo e compatriota Andrey Rublev. Ele aliás busca o quarto título seguido, que se somaria ao Masters de Paris, ao Finals de Londres e à ATP Cup. Com toda justiça, assumirá o terceiro posto do ranking na segunda-feira no lugar de Dominic Thiem e pode até superar Nadal, caso conquiste o título no domingo.

Medvedev bateu Rublev sem perder set pela quinta vez. Sua solidez diante do jogo de risco do conterrâneo faz toda a diferença, ainda que Rublev tenha sentido cãibras para complicar ainda mais. Fato curioso, esta foi apenas a segunda vez que Medvedev derrotou um top 10 em Slam, repetindo a vitória sobre Stan Wawrinka em Wimbledon de 2017.

O estranho adeus de Barty
A segunda vaga na final feminina do Australian Open ficará com uma tenista que está hoje fora do top 20. A líder do ranking Ashleigh Barty sofreu uma atípica virada diante da tcheca Karolina Muchova, 27ª colocada, e Jennifer Brady ganhou o duro duelo norte-americano com Jessica Pegula.

Muchova, que também reagiu de um péssimo início contra Karolina Pliskova, esteve perto de levar um ‘pneu’ de Barty no set inicial. Pediu atendimento para um mal estar e daí em diante apostou num tênis sólido. A australiana saiu completamente do eixo, passou a errar tudo e perdeu o ímpeto agressivo. A Austrália continuará sem uma campeã. A última foi em 1978.

De qualidade muito superior, o duelo americano foi de reviravoltas. Cada uma dominou um set e no terceiro Pegula saiu com quebra, mas Brady foi muito mais eficiente daí em diante e disparou no placar.

O jogo desta madrugada promete ser equilibrado. Se Brady já esteve na semi do US Open do ano passado e está no 21º posto do ranking, Muchova levou a melhor no único duelo entre elas, em Praga-2017.

Público volta para alegrar semifinais
Com o retorno autorizado de público às arquibancadas, a arena Rod Laver terá quase 8 mil espectadores nesta quinta-feira para ver jogos bem interessantes.

Com ares de final antecipada, Naomi Osaka reencontra Serena Williams com a vantagem de ser 16 anos mais jovem e ter vencido dois dos três duelos entre elas. Osaka nunca perdeu uma semi de Grand Slam nas três vezes que chegou lá e Serena busca igualar o recorde de 34 finais desse nível de Chris Evert. Em seguida, acontece a inesperada semi entre Brady e Muchova.

Às 5h30, o líder do ranking Novak Djokovic entra com favoritismo absoluto diante do russo Aslan Karatsev, que está 113 posições atrás do ranking e nunca havia disputado um Slam na carreira, ainda que tenha 27 anos. O sérvio jamais perdeu uma semi no Melbourne Park. Nenhum quali ou debutante em Slam decidiu um título na Era Aberta.

Recorde garantido para Djokovic
A ATP confirmou: com a queda de Nadal, é certo que Djokovic permanecerá na liderança do ranking até o dia 8 de março e portanto atingirá as 311 semanas como número 1, superando a incrível marca de Roger Federer. Que feito!

E mais
– As outras duas viradas que Nadal sofreu após abrir 2 sets a 0 foram em Miami-2005 para Federer e no US Open-2015 frente a Fognini. Sua marca de qualquer forma é assombrosa: 243-3.
– Tsitsipas já tinha obtido uma reação desse naipe, mas foi frente ao também espanhol Jaume Munar em Roland Garros do ano passado.
– O tiebreak perdido no terceiro set, que abriria caminho para a reação do grego, impediu Nadal de igualar a marca de 36 sets seguidos vencidos em Slam, que assim permanece com Federer.
– Medvedev se torna o quinto russo a alcançar as semifinais em Melbourne, se juntando a Aslan Karatsev. Apenas Kafelnikov (1999) e Safin (2005) foram campeões.
– Soares e Murray confirmaram sobre Arevalo/Middlekoop e têm grande desafio na semi diante dos atuais campeões, Ram e Salisbury. Se chegar ao bi em Melbourne, o mineiro grudará nos colombianos e ficará a 180 pontos da liderança do ranking.
– Sabalenka e Mertens estão na final de duplas contra Krejcikova e Sianiakova. Se forem campeãs, assumirão o número 1 do ranking de duplas por apenas 5 pontos sobre Hsieh.


Comentários
  1. Sandro

    Não consigo visualizar a Serena ganhando um novo Grand Slam, muito menos em se tratando de Roland Garros que é um torneio muito duro e desgastante para a idade dela, ainda mais levando-se em consideração que no circuito feminino as “NEXT GEN” já vem conquistando seus títulos de Grand Slam.

    Responder
  2. Teka Moraes

    Todos vibrando com a vitória de Osaka pelas redes sociais que nem fez um jogo tão excepcional assim. E AO nem acabou ainda. Parece mais disputa pra derrubar a Serena, pois ao indagar leigos a responder quais foram as adversárias da japonesa, mal sabiam dizer. Os comentários são horríveis e quando não, são velados. Triste torcida…

    Responder
    1. Sandro

      Sim, Osaka não jogou o seu melhor e mesmo assim venceu fácil a Serena. Osaka jogou apenas a 70% do que eu já a vi jogar e esses 70% da Osaka já foram mais que suficientes pra detonar a Serena… Imagina só se a Osaka tivesse entrado em quadra “ON FIRE” jogando a 100% do seu melhor tênis 🎾 ligada nos 220 volts? Talvez desse até um pneu na Serena, quem sabe?

      Responder
    2. Maurício Luís *

      A Serena tem uma personalidade forte e é dada a atitudes polêmicas. Por isso ela tem muitos ‘haters’. Eu vejo nela + qualidades do que defeitos, então continuo torcendo por ela. Mas não acredito em milagres. Talvez ela tenha alguma chance em Wimbledon, mas terá que sacar muito e pegar uma chave favorável… de preferência com a japonesa do lado oposto.

      Responder
  3. Sandro

    Osaka não tomou conhecimento de Serena assim como Djokovic passou relativamente fácil sobre o Karatsev. A partida mais dura de Osaka neste torneio foi justamente contra Muguruza, quando Osaka realmente correu o risco de ser desclassficada do Australian Open. O saque de Osaka estava machucando bem mais a Serena do que o contrário, Osaka marcou o dobro de aces de Serena e teve um aproveitmanto de 85% de pontos vencidos no primeiro serviço enquanto Serena teve apenas 65%. Já Djokovic teve muito mais trabalho com Taylor Fritz e Alexander Zverev do que com Aslan Karatsev.

    Responder
  4. Renato Veneziano Toniol

    Dalcim, muito se comenta sobre o piso ficar mais lento no período da noite.
    Você saberia informar o quão mais lento fica?
    Abraços, e parabéns pelos ótimos textos de sempre!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não sei se existe uma relação fixa. Depende principalmente da umidade do local onde acontece o torneio. Melbourne é bem úmido, então acredito que caia de 15 a 25%. Mas é apenas um palpite.

      Responder
  5. Rodrigo S. Cruz

    Como previsto, o Karatsev não foi páreo para o Djokovic.

    Mas é bom ficar de olho nele, o russo fez um grande torneio.

    O que me chamou atenção foi o barulho que a torcida começou a fazer por ele no oitavo game do segundo set.

    Nesse momento, Novak vencia por 5 a 2, e perdeu o saque. E a torcida vibrou…

    E isso se repetiu mais algumas vezes.

    Será que a torcida apenas queria mais jogo, ou o sérvio que não é tão benquisto nem no torneio que mais vence?

    Perguntar não ofende…

    Responder
  6. Paulo F.

    Assim como existiu para Djokovic o perigo que ser franco-atirador representava na figura do Karatsev, pelo visto foi bastante ruim para o russo ter enfrentado pela primeira vez em sua carreira alguém com a avassaladora devolução de saque do sérvio.

    Responder
  7. Sandra

    Dalcim , vc viu que interessante , uma dupla brasileira chegou a final do challenger do Chile só com walkover , será que na final também vai ter walkover !!! rsss

    Responder
  8. Luiz Fernando

    Assisti o primeiro set do Djoko e o russo foi uma agradável surpresa. Deve perder a partida por 30 mas jogou com vontade e determinação, é indiscutível o sérvio é bem mais jogador do q ele…

    Responder
  9. Sérgio Ribeiro

    E não deu outra . Osaka não deu chances novamente a Serena . E pra piorar joga muito também na grama . Margareth Court deve ter aberto um largo sorriso que parece definitivo. Abs!

    Responder
    1. Barocos

      Sérgio,

      Pois é, se a Serena quiser o tão sonhado recorde de títulos, vai ter que entrar em forma. As preciosas frações de segundo para se posicionar em condição suficiente de realizar uma boa devolução ou winner contra, especialmente, a Osaka exige isto. A caçula das Williams tem todos os predicados ainda lá, haja vista como consegue dominar 99% das outras jogadoras, mas contra a Osaka a exigência é maior. Na torcida para que ela entenda e faça o quer for preciso. Seria ótimo se o recorde de vitórias em Slams trocasse de dona.

      Saúde e paz.

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Então, Barocos . Inacreditável Mouratoglou fingir que não vê. Desde 2017 ela não vence ( perdeu três Finais ) , exatamente pelos motivos colocados pelo amigo. E Osaka sabe explorar como ninguém sua incapacidade de se deslocar. Aos 39 , ainda vai ver Federer com a mesma idade se despedir fazendo exatamente o oposto. Vida que segue … Abs!

        Responder
  10. Marcelo F

    Puxa vida, como esse Cledi Oliveira é ruim. Pelamor…Não entende nada, pronuncia os nomes das tenistas tudo errado…. dá até saudade do robô Eusébio Resende. Ele consegue ser igual ou até pior que o Oliveira Andrade. Tomara que a ESPN reveja seu quadro de narradores de tênis, já que vai transmitir muito em 2021. Pra falar a verdade, nenhum narrador, de qualquer canal, é bom. Mas tem uns que são horríveis.

    Responder
  11. Arthur

    Admirável a resiliência do Tsitsipas, Dalcim.

    Sair de 2×0 contra pra virar contra o Nadal em um Slam, tendo ficado atrás simplesmente o quinto set inteiro, e ainda encarar break point no final, é realmente pra poucos.

    Tomara que essa vitória seja um turning point na carreira do grego, que promete muito, mas, assim como tantos outros que vieram antes, ainda não conquistou nada de muito relevante.

    Um abraço.

    Responder
  12. Denis

    Dalcim, esse ano anteciparam o primeiro jogo da semi masculina? normalmente as duas semis nao aconteceriam no mesmo dia? até para evitar um certo favoritisimo para o jogador que vai ter um dia a mais de descanso.

    Responder
  13. Rodrigo S. Cruz

    Dalcim,

    não que eu esteja reclamando nem nada.

    Mas por que você editou o meu post que só dizia que um anônimo postou com o meu nome?

    Nem isso eu posso falar?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Porque eu deletei o post fake, Rodrigo. Foi falha minha não ter observado os detalhes de identificação. Peço desculpas, é a falta de algumas dezenas de horas de sono.

      Responder
    2. Bruno

      Rodrigo,
      Aquele,nós sabemos o nome e sobrenome
      Está na tocaia ,se o milongueiro ganhar ,vai vir aqui fazer uma gracinha e se perder vai continuar com seus fakes .

      Responder
  14. Barocos

    Vou concordar com o Danilo, Djokovic tem a torcida que mais cresce no universo do tênis. Tanto a favor, quanto contra.

    Ajde, Djokovic!

    Saúde e paz para todos (excluindo-se este sujeito truculento e ignorante que foi preso hoje).

    Responder
    1. Luiz Fabriciano

      Prezado, no jogo de hoje, ouvia: “Noleeee, Noleeee”.
      Acho que era só minha TV porque sempre leio aqui que a torcida sempre é contra o sérvio.

      Responder
    2. DANILO AFONSO

      Vdd Barocos !!

      A quantidade de torcedores anti-Djokovic também cresce, não apenas por causa das polêmicas, mas principalmente por causa dos recordes que ele vem batendo e outros que almeja.

      Mas convenhamos Barocos, tem uma ala da torcida nolista que extrapola o juízo dos demais…kkkk

      Responder
    1. Marcelo Araújo

      Pai do acalentado suíço?? Que viagem! Nadal nem coragem tem de ter filhos para não atrapalhar a carreira! Você quis dizer vitória sobre o mais ambicioso tenista de todos os tempos que enrolou a noiva durante anos para casar e agora para ter filhos só para poder se dedicar de forma sobre-humana a superar os recordes do suíço! Ele vai ter mais slams que Federer mas com 4 filhos a menos que um ano de convivência são mais valiosos que 20 Slams

      Responder
      1. Chetnik

        Kkkk. Os caras já estão partindo para ter ou não “filhos”. O desespero é palpável kkkk. Nunca vi troço igual aos torcedores do Fraud. É algo bizarro demais kkkk. Um verdadeiro culto de personalidade.

        Responder
        1. Marcelo Araújo

          Prezado, eu torço para o Djokovic e para o Federer. Djokovic também já teve 2 filhos, é um ser humano normal, que se sacrifica pela sua profissão mas não tem a obsessão que Nadal tem para bater o recorde de Slams a ponto de sacrificar tanto a vida pessoal quanto o espanhol. E isso acaba ajudando pois do contrário ele não teria H2H tão equilibrado quanto um tenista superior a ele quanto Nole

          Responder
  15. Jose Yoh

    Registro aqui um enorme parabéns ao tenista mais consistente que já vi jogar. E olhe que seu concorrente neste quesito é um espanhol espetacularmente batalhador. Explicando: ele é consistente não apenas no jogo mas nos resultados dos torneios também.

    Por isso atingiu um recorde que nunca imaginava que ele fosse atingir, o de semanas como número um. Pertencente ao mais completo e adorado tenista que já vi jogar.

    Sempre imaginei que com mais de 32 anos ele jamais seria o primeiro do ranking (até pelo seu estilo de jogo) mas o tempo e os avanços tecnológicos, médicos, um físico privilegiado e sua persistência inabalável calaram minha boca. Ainda bem.

    Avante Nole, queremos ver ainda muitas batalhas épicas nessa longa e brilhante carreira. Palavras de um federista de carteirinha que ama esse esporte.

    Responder
    1. Miguel BsB

      José, só discordo de vc em um ponto: o Federer é o jogador mais ESPETACULAR que eu já vi jogar.
      O mais COMPLETO, acho que esse título pertence ao Djokovic. Tirando o Smash e um Slice regular, de resto o cara não tem nenhum buraco ou falhas, não somente tecnicamente, como mentalmente e fisicamente…
      Não a toa vai se tornar o recordista na posição n 1 do ranking.
      Aproveito tb para dar meus parabéns aos Nolistas do blog! É um dos maiores feitos do tênis, sem dúvidas!

      Responder
      1. Jose Yoh

        Adjetivos não faltam para nenhum dos três, inclusive no quesito ESPETACULAR eu diria que os três são iguais.
        Eu falei sobre o Federer ser completo porque acho que ele tem todos os golpes muito acima da média. Mas do ponto de vista de buracos ou falhas, não há dúvida que o sérvio seria mais completo. Abraços.

        Responder
      2. Sérgio Ribeiro

        Puxa, Miguel . Tá na hora de rever Sampras x Federer em Wimbledon 2001 , para ver que ambos tem um jogo de rede infinitamente superior ao Sérvio. E de quebra bate-prontos geniais de qualquer lugar da quadra . Idem para o Serviço de ambos . De resto com seu espetacular Backhand de duas mãos e sua incrível devolução, aliados ao seu físico extraordinário, o Sérvio leva vantagem pra se tornar o mais eficiente a partir da padronização. Abs!

        Responder
        1. Miguel BsB

          Sérgio, não tenho dúvidas que Federer e Sampras são sacadores melhores que o Sérvio (que evoluiu muito no saque tb), e voleiam bem mais e fazem bate pronto, drops, drop voleys etc…aí que entra o adjetivo espetacular deles, é um show, um prazer assistí-los jogando.
          Mas completo eu diria pq o djoko praticamente não tem buracos no seu jogo, não tem onde o adversário se fiar pra tentar vencê-lo…não vai agredir a esquerda dele, muito menos a direita, ele é muito seguro e se garante no saque, na devolução é um monstro, o adversário jamais vai conseguir se sobrepor fisicamente (nem o Nadal consegue isso), e dificilmente vai tira lo mentalmente do jogo ou aproveitar momentos de situações importantes. É incrível como ele eleva o nível nos momentos mais importantes e tensos das partidas! Os exemplos são vários…
          O Federer já teve sua esquerda (linda, por sinal) explorada diversas vezes pelos adversários, às vezes dá umas viajadas durante o jogo…
          Nesse sentido eu considero o Djoko mais completo. Mas prefiro muito mais assistir um jogo do Federer.

          Responder
  16. Gildokson

    Maravilhosa vitória do grego, mas como eu disse ontem, o que esses caras (Tsitsipas, Medevedv, Zverev, Thiem) tem que fazer é ganhar um Slam do trio de ferro. Eliminar um deles em torneio desse porte o próprio grego ja havia feito.
    De qualquer maneira é de se comemorar o fato dele ter cabeça forte para acreditar que dava pra virar em cima do grande Rafael Nadal, coisa que ele quase fez contra o sérvio também.

    Responder
  17. Maurício Luís *

    Hoje o mental do grego estava + que perfeito.
    A SITUAÇÃO: adversário com 2 sets acime e histórico de raríssimas viradas, retrospecto bem desfavorável no confronto direto… E sendo destro com backhand simples x canhoto melhor ranqueado com backhand de 2 mãos e pior, forehand único com pós-graduação e mestrado em baloagem.
    Eu não dava nem uma moita de capim pegando fogo pelo Tsitsipas diante desta situação + preta do que ébano à meia-noite.
    Não acho que tenha valido a pena a tal infiltração arriscada. Tira a dor, mas não resolve o problema. Sabe-se lá quais as consequências futuras. Poderá inclusive prejudicar a temporada de saibro, ganha-pão do ibérico.
    ****** MÃÃÃSS… tudo tem seu lado bom. O baloeiro “Minhas costas doem” vai poder voltar pros braços da sogrinha querida, ainda sob sua custódia desde que o Catavelho espanhol a pegou no flagra fazendo rolê no mercado. Ordens do delegado Dr. Pablo Calderòn. Ela o aguarda de braços abertos e com uma bolsa Louis Vuitton lindamente ornamentada com um TIJOLO dentro. Nada a ver que ele mandou pra mãe da esposa mensagem no ZAP avisando que já estão dando vacina contra covid-19 pra maiores de 95 anos…
    Seria + útil se tivesse feito uma infiltração CAPILAR, que a coisa tá ficando que nem telhado de casa mal-assombrada depois de vendaval.

    Responder
    1. Maurício Luís *

      Ah, e o Nadal cansou de ganhar jogos de 5 sets porque no final o seu preparo físico prevalecia, e não por ser tecnicamente melhor que o oponente.
      Pois então. Agora o feitiço virou contra o feiticeiro.

      Responder
  18. Rodrigo S. Cruz

    O Nadal vai ganhar títulos importantes esse ano sim.

    Acho que um ou dois títulos da série 1000, no saibro, no mínimo.

    E vai ganhar o mais importante título de todos: Rolando Garros. Superando assim, o recorde que divide hoje com o Federer.

    E não. Nunca admirei o jogo do Djokovic em tempo nenhum…

    (rs)

    Responder
  19. Robson Couto

    O mais interessante é que se no tie-break Nadal não tivesse errado bolas que não costuma perder, provavelmente teria vencido em sets diretos e a sensação seria que Tsitsipas ainda estaria muito longe de competir com o Big3. Curioso como a história pode sofrer reviravoltas em alguns detalhes. E a Barty hein Dalcim? Que declaração consciente sobre o jogo, realmente tem maturidade de campeã.

    Responder
  20. Alberto

    Caríssimo, Dalcim, primeiramente receba meus parabéns pelo excelente espaço que você administra com maestria e também pelo profundo conhecimento demonstrado aqji nas sjas publicações, sempre com análises técnicas muito bem fundamentadas e com um Português de ótima qualidade.

    Com relação, agora, ao Gugagrego, se não for esmagado pela vodka, sê-lo-á pelo monstro sérvio na decisão, domingo.

    O russo está dominando, mas, se passar pelo socrático tenista da terra da filosofia, cairá frente a Djocovid.

    Se as dores do monstro não o limitarem, domingo teremos o nono título dele no slam dos cangurus e coalas.

    Responder
  21. Daniel

    Fala galera, só para lembra-los que o Nadal com 19 anos ja tinha conquistado o segundo lugar no ranking mundial masculino da Associação de Tênis Profissional (ATP), e com 22 anos se tornou o nº 1 do mundo!! Estamos falando de um cara de 34 anos que esta jogando ainda um nível incrível por mais de uma década!!!

    Responder
  22. Miguel BsB

    Dalcim, ainda não tinha assistido, mas gostei do jogo da Brady!
    Tem uma direita pesada, empunhadura bem virada, acelera com vontade o forehand e saca muito bem. Primeiro saque forte, alguns perto dos 190km, e um segundo saque quique que complicou as devoluções da compatriota, principalmente na vantagem…
    O que acha dela? Inclusive creio que o estilo de jogo da americana encaixaria bem no saibro.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ela já tinha ido muito muito bem no US Open, Miguel. Acho que ainda precisa ficar mais consistente, porém é um bom nome do novo tênis feminino norte-americano.

      Responder
  23. Mágno Lucas Sampaio

    Olá Dalcim!
    Antes de mais nada quero dizer que acompanho sempre os seus posts e os comentários dos participantes do blog, que na maior parte do tempo são sempre muito instrutivos. Quanto as semifinais penso que Djokovic e Tsitsipas vão fazer a final no domingo e o número 1 leva, mas com suor e sangue, aguardemos. Quero também parabenizar o site e vc por esta cobertura maravilhosa, nos mostrando cada detalhe do que está acontecendo na Austrália. Também quero dizer que não vi aqui alguém comentar sobre o seu palpite certeiro indicando que a Rússia era favorita para levar a ATP CUP, mais uma vez então parabéns!!!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Obrigado, Magno, de toda a equipe. O pessoal se empenha muito para trazer o melhor noticiário possível. É um bom palpite, eu particularmente gostaria muito de ver o Tsitsipas dar mais um passo à frente, embora ganhar do Djoko numa eventual final seja realmente uma tarefa duríssima. Medvedev por outro lado está voando e o vejo muito perigoso. Abração!

      Responder
  24. TENNIS FAN

    NADAL, NESSA FASE DA CARREIRA, TÁ FICANDO MAIS EVIDENTE QUE A FORÇA PRA LUTAR FORA DO SAIBRO ESTÁ DIMINUINDO. E É BOM QUE NOLE DESPACHE KARATSEV RÁPIDO. PORQUE QUEM VIER DO OUTRO LADO PRA FINAL E CHEGAR INTEIRO, É PEDREIRA TOTAL,

    Responder
  25. Marco Moraes

    Grande Dalcim. Sempre lúcido e coerente nos comentários. Parabéns pelo blog. Eu acredito que Federer e Nadal vão terminar a carreira com o mesmo número de Grand Slams, 20 cada. Djokovic não acho que supera esse numero. No mais, aposto em Tsisipas para vencer Wimbledon 2021. Bons palpites, Mestre? O que diz….???

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Bons palpites, Marco. Eu acredito que Djokovic vai empatar tudo com 20, mas é mero palpite. E seria demais que Tsitsipas ganhasse Wimbledon!

      Responder
    1. Gildokson

      O importante é que ele tava bem à uns meses atrás quando violento o sérvio na tão aguardada final de RG kkkkkkkkkkkkkkkkkk
      Aquilo engraçado demais, principalmente o set do pneu kkkkkkkkkkkkk

      Responder
  26. JAN DIAS

    TSIPAS VIRA A CHAVINHA: 🔑

    TSIPAS finalmente dominou o aspecto do tênis em que falhava antes: o Mental.
    Segurou o nervosismo, a ansiedade e a frustração, mostrou um excelente tênis e conseguiu vencer. Dos 4 aspectos desse esporte, conseguiu manejar o + traiçoeiro deles, mantendo o foco e a esperança durante os 5 sets…
    Eu não acreditei que seria agora, mas ele virou a chave…

    Responder
  27. JAN DIAS

    CICLO NATURAL DA VIDA :

    O impacto do BIG 3 sobre o tênis foi tão grande que as pessoas perderam o parâmetro da Normalidade: um jovem talentoso de 22 anos ganhar de um veterano de quase 35 é que seria o normal no tênis e não o contrário… NADAL e DJOKO tem um físico excepcional, mas estão ficando + velhos (e c/ lesões) enquanto os adversários estão ficando + jovens. Sustentar um jogo disputadíssimo de 5 sets depois dos 30 anos não é bolinho…

    Responder
  28. Cláudio Bernardo

    AUSOPEN 2021
    Quantidade de Aces
    Jogadores que chegaram até as Quartas de final
    5 jogos completos

    Posição / Jogador / Aces
    1 – Alexander Zverev 86
    2 – Novak Djokovic 83
    3 – Daniil Medvedev 57
    4 – Andrey Rublev 57
    5 – Grigor Dimitrov 51
    6 – Aslan Karatsev 48
    7 – Stefanos Tsitsipas 43
    8 – Rafael Nadal 40

    Not too bad, Novak, not too bad.

    Responder
  29. Luis

    Inacreditável o Nadal hoje. Essas duas últimas partidas (contra o italiano e o grego) acho que foram os que vi o espanhol em maior nível, batia paralelas de forehand na corrida, jogava o adversário de um lado para o outro, não errava nada, super agressivo, o backhand estava impecável, cheio de ângulo, até o saque estava melhor e mais forte. Até o 3º set. Não sei o que aconteceu que ele deu 10 passos para trás e voltou a tática velha, apostando na inconsistência do adversário que nunca veio. Para piorar ficou sem pernas. Não entendi nada. Gostei muito da entrevista onde não botou a culpa em nada nem ninguém, mas algo realmente mudou. Claro que tem que se dar os méritos para o Tsitsipas que foi espetacular, mas ainda gostaria de entender o que deu errado para o Rafa e porque mudou totalmente a tática vencedora. Se estava cansando, porque não ficou plantado na linha para economizar energia e tentar pontos mais curtos em vez de ficar na correria lá atrás?
    Dalcim, será que você poderia explicar?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      É uma tendência natural o tenista voltar a sua zona de maior conforto quando as coisas começam a dar errado, Luís. E afinal, os dois sets que ele perdeu ainda foram apertados, com quebras lá no finalzinho.

      Responder
  30. Sérgio Ribeiro

    Mesmo o Big 3 não vencendo o ATP FINALS desde 2015 , sendo que Zverev , TSITSIPAS e Medvedev venceram os últimos três, parece que somente a partir de hoje e’ que muitos estão sendo apresentados aos garotos. E eles venceram alguns batendo Federer e Nadal ou Nadal e Novak em sequência pra levar o Caneco. O ano começa com os “ Velhinhos “ reclamando de “ lesões “ . Um próximo aos 34 e o outro aos 35 . Rafa Nadal encurtou ao máximo os pontos . Jogou como manda o figurino numa quadra rápida e mesmo assim sentiu cansaço. E por acaso o Craque não sentia ? Sendo 5 anos mais velho ? . Se o Grego e o Russo não se matarem , ambos já estão maduros na turma pra aprontar pra cima do Sérvio na Final. Mesmo este passando fácil pelo penetra rsrsrs. Abs!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Só 19. Não dá nem para começar a falar em recorde ainda, Sandra. Oficialmente, o recorde é de Vilas, com 46, mas muitos dão Borg, com 48, numa controvérsia com a ATP que nunca terminou.

      Responder
  31. Juarez

    Dalcim me parece que Nadal não ta ttendo mais pernas prá jogo longo. Também não agredito que ele venha ganhar torneios de grande porte, a naõ ser na terra batida onde não tem, muitos jogadorres especializados neste piso.Dos três só vejao djokovic com chances pois é um baita de jogador é inteligente, agil e perssistente. Roger Feder já fez o que deveria ter feito agora vai jogar prá dá espetéculo, pois, alem de ser o melhor de todos, joga com maestria. Suas jogo é perfeito e bonito dá gosto de se ver.

    Responder
  32. rafael

    Bela vitória do grego, mas o espanhol depois de perder o tie-brake passou a errar mais e perdeu forças. Mestre, o Djoko deve confirmar hoje e ir para a final. Contra qualquer um dos outros dois (Medvedev ou Tsitsipas), a chance de título é tipo 55% – 45%?

    Responder
  33. Juarez

    Dalcilm Nadal me parece cançado so consegue chegar ao final do torneio quando pega jogadores bem mais fraco, bastou enfrentar o garoto se perdeu não teve mais firmeza nos golpes, sendo assim vai ficar dificil para ele ganhar torneio de grando porte a não ser Roland Garros, porque não tem muitos jogadores bons na terra batida. Ele dá muita sorte nos sorteios das chaves vamos ver quando ele deixar o posto agora e ser o terceiro ou o quato do rankink

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Bom,

      eu li o que o André postou, mas esperava algo com as tuas próprias palavras.

      Sem qualquer tipo de piada ou zoação, para mim é forte o “feeling” de que o Djokovic simulou contusão.

      E os indícios são esses:

      1° o histórico ruim, de já ter sido acusado disso em outras oportunidades. E o próprio Dalcim corrobora.

      2° a declaração do Taylor Fritz de ter estranhado e ficado confuso com o alto nível que o sérvio jogou no 5° set.

      3° Pra mim, o mais forte indicio: as idas e vindas do que foi noticiado. Primeiro, suspeita de ruptura, depois suspeita de estiramento, depois desconforto, e na quadra onde interessa nada…

      4° E por f fim, essa atuação quase sobrenatural dele diante do Zverev, num jogo em que o físico dos dois foi exigido ao extremo.

      Como pode alguém lesionado, por menor que a lesão seja, correr, sacar e bater firme daquele jeito?

      É a minha opinião, e pretendo não voltar mais a esse tema.

      Abs.

      Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Até a derrota para Anderson, em Wimbledon de 2018, ele tinha 314 vitórias e então cinco derrotas após ganhar os dois primeiros sets. Aí ele ganhou mais 17. Então acredito que a marca dele hoje será 331-5.

      Responder
  34. Miguel BsB

    Stefanos afirmou que limpou a sua mente de qualquer pensamento, atingiu o “nirvana”, apenas jogou concentrado e batalhou…como o Dalcim notou, não gritou, não comemorou demais, não brigou com o pai…apenas jogou…
    Esse é o caminho para atingir a plenitude do jogo. O inner game of tennis. Se o grego mantiver esse caminho, sua evolução e grandes resultados serão o futuro.
    Vai precisar atingir esse nível de novo pra bater o seu desafeto Medvedev.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Ainda não percebestes Patrick Mouratoglou ( técnico de Serena ) , nos boxes do Grego , caro Miguel . A postura de TSITSIPAS é outra. Medvedev que não abra bem os olhos …rs . Abs!

      Responder
      1. Miguel BsB

        Bom, creio que a Serena, (apesar do nome), não é nenhum exemplo de serenidade em quadra…rs
        Mas o Moratoglou é um grande técnico e desde o ano passado defendo que ele deveria assumir mais as rédeas e papai Tsisipas deveria ficar mais nos bastidores…

        Responder
  35. Groff

    Sensacional o resultado. Quase desisti de ver ao final do segundo set mas acabei mantendo o aparelho ligado enquanto trabalhava. A postura do grego foi monstruosa e fechar daquela maneira depois de o Nadal quase conseguir o BP foi épico. Mas não sei o quanto isso vai ser inspirador ou desesperador para ele, pois a confiança deve ir lá em cima, mas o desgaste, tanto físico quanto emocional, é um fator enorme. Vamos ver o que é que prevalece, mas de qualquer maneira tudo leva a crer em mais um título do sérvio, que deve passar com tranquilidade por um cara que está ultra rodado e pegar o remanescente de um duelo que deve estafar o vencedor. Sem falar que ele, Novak, terá dois dias de descanso contra apenas um do vencedor do outro lado da chave. A ver.

    Responder
  36. Miguel BsB

    Eu nunca tinha visto o Nadal errar 2 smashes “fáceis” desses…
    Bom ver um dos maiores de todos os tempos errando uns smashes tipo os que eu erro nos domingos de manhã…rs

    Responder
  37. Julio Marinho

    Apenas o que o último game ensinou para o Tsitsipas, já valeu muito mais do que muitas horas de treino. Eu acho que Thiem, Zverev, Medvedev, Tsitsipas, Shapovalov entre outros, todos têm jogo para ganhar dos tops. A questão é que eles fraquejam no teste mental. Tsitsipas saiu de 0-30, buscou com ace, enfrentou break, salvou com ótimo primeiro saque, algo simples no meio do primeiro set, mas de extrema dificuldade na hora de fechar. E, isso agora, ele leva como uma inestimável bagagem do nível da força mental que é necessária para vencer os tops.

    Responder
  38. Cassio Carvalho

    Que seria de um grande jogo de tenis se não fosse as palavras que depois o Dalcim nos oferece? Confesso que logo que terminou o jogo já queria ler o post do Blog. Quem não, galera!? É a coroação da nossa experiencia tenistica como espectador e torcedor. Viva o Dalcim e o TenisBrasil!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Procurei alguma informação se ele teria treinando normalmente na quarta-feira, Ricardo, mas não encontrei nada. De qualquer forma, ele me pareceu bem recuperado no último jogo. E obrigado!

      Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Pra variar nada que preste , não é mesmo P. F. ? . Vamos combinar que bater Nadal com Back Simples no AOPEN e de virada não é primazia somente de Tisitsipas kkkkkkk . E outra , o Cara que mais venceu partidas saindo de 0 x 2 na história do Tênis, foi o primeiro a bater o “ feto “ Nadal no MASTERS 1000 de Miami 2005 nestas mesmas condições… Lembra ? kkkkkkkkkkkkkkkkk . Abs!

      Responder
        1. Paulo F.

          Quem tu pensas que és para me acusar levianamente disso?
          Chamando de preguiçoso logo alguém que tem preguiça na interpretação?
          Só por quê passei batido no texto?

          Responder
  39. LION

    Não foi uma boa para o Djokovic. O melhor para ele na Final seria Nadal, não restam dúvidas. Djokovic tem o número, o CEP, o CPF e a Certidão de Nascimento do Nadal nessas quadras duras. Final duríssima para o sérvios, qualquer que seja o adversário.

    Responder
  40. periferia

    O ministro do supremo Alexandre de Moraes…prendeu um deputado bolsonarista…por ter postado um vídeo com ameaças e ofensas aos juízes do supremo.
    Até aí tudo bem…o meliante merece.
    O problema é que Moraes usou o “flagrante permanente”.
    Ou seja…um episódio do Casseta e Planeta Urgente na década de 90…uma crítica as instituições. ..abre margem para seus integrantes serem presos em “flagrante” hoje (te cuida Claudio Manuel) …já que os episódios estão salvos em videos.
    O entendimento de sua excelência :
    “Os vídeos permanecem disponível nas redes sociais…encontra-se em infração permanente e consequentemente em flagrante delito…o que permite a prisão em flagrante”.
    Em tempos de redes sociais….não vai sobrar ninguém solto no Brasil.
    Remédio tem que ser na medida certa…

    Sigamos

    Responder
    1. Marcilio Aguiar

      Prezado periferia eu não tenho formação jurídica mínima para debater o mérito das leis e das decisões do judiciário. Também me preocupa a aplicação arbitraria delas, ainda que seja contra pessoas que não gozam da minha simpatia. Entendo a sua menção ao Casseta e Planeta como uma brincadeira, para demonstrar que a arbitrariedade pode chegar ao limite do absurdo de não se admitir qualquer critica a uma autoridade no pais. Por outro lado, entendo que as autoridades constituídas nos três poderes da república, deveriam receber um tratamento muito mais rigoroso das leis que o cidadão comum. A atitude de um anônimo não teria a repercussão e o poder de botar fogo no circo que tem a de um deputado ou de um general que soltam o verbo como tresloucados, inconsequentes. Eles sabem da sua responsabilidade e do impacto que suas atitudes podem causar. Torço para que ao final se conclua que a lei tem instrumentos para tratar os intolerantes com a tolerância zero que eles merecem. Saudações.

      Responder
      1. periferia

        Olá Marcilio.
        Concordo muito com o que escreveu.
        Considero o judiciário a “última muralha”….(o país está sem câmera e senado).
        Fico preocupado…quando um juiz do Supremo usa a Lei de Segurança Nacional…uma lei criada no tempo da ditadura….anterior até mesmo de nossa Constituição de 1988…com um fundamento tão amplo (a LSN já deveria ter sido extinta)…pode acarretar grandes problemas para a sociedade.
        Temos aqui jornalistas (Dalcim…Leme)…com o “alargamento” do entendimento do Ministro…eles podem ser “caçados” em nome da “segurança nacional”.
        Não devemos nunca escolher o mal menor…devemos (e merecemos) sempre ter a opção do melhor.

        Fique bem amigo Marcílio.

        Responder
        1. Rubens Leme

          Periferia e Marcílio,

          um dos motivos que me faz postar filmes antigos ou discos é justamente uma tentativa (mal sucedida, confesso) em fugir da realidade do Brasil de hoje. Porque este país virou algo muito difícil de aceitar e muito pior de viver.

          Eu não vou tomar parte nesta discussão porque seria defender dois lados podres de um país que me desespera, já que temos um fascista eleito com o voto popular de um lado e dois juízes do supremo que não serviriam nem para serem faxineiros do prédio onde trabalham, em condições normais. É como escolher entre Doria e Bolsonaro.

          Ando muito deprimido com tudo isto e minha tristeza aumentou recentemente após saber que um colega de longa data, de quem tinha me distanciado, morreu de covid, por ser negacionista.

          Desde que casou com uma típica garota filha de um milionário do interior extremamente religioso e evangélico, ele se converteu por pressão dela, do sogro e dos colegas de trabalho. Abandonou toda a militância social que tinha aprendido com os pais e o facebook dele estava lotado de postagens a favor do governo e chamando a covid de “gripezinha”, “vírus comunista” etc e tal.

          Resultado: morreu antes dos 50 anos e o pior é que fiquei sabendo (se é piada, não sei) é que a família pretender processar o Bill Gates por ter “disseminado este vírus chinês no Ocidente”. Será que ele fez isso via Windows? A gente sabe que o windows é uma bomba, mas assim?

          Enfim, nós, os pobres e normais estamos sujeitos a todas leis existentes ou não; infelizmente, não tenho sobrenome Queiroz para receber um habeas corpus de um juiz amigo.

          Então, só nos resta mesmo a revolta, mesmo sabendo que, infelizmente, isso pouco importa.

          Responder
  41. Ruy Machado

    Boa tarde, Dalcim! Por um momento, achei que o Espanhol fosse atropelar o Grego tamanho era o seu volume de jogo. Mas Nadal tem se tornado errático nos momentos decisivos e perdido jogos praticamente ganhos. Não me recordo qual foi a última vez que ele venceu um tiebreak! Mas me recordo dele ter perdido para Djokovic, Thiem, Medvedev… e Tsitipas! Logo ele, o monstro da força mental…
    Sem querer tirar o mérito da vitória do grego, mas é notório que o espanhol tem falhado em momentos cruciais (com exceção de RG). E como você mesmo disse, faltaram pernas ao chegar no decisivo 5º Set, quando ele deveria ter ganho o jogo por 3×0. Se Nadal quiser prolongar sua carreira mais alguns anos, terá que economizar energia e finalizar as partidas o mais rápido possível! Pois, infelizmente, outro adversário (inevitável) está chegando para o grande campeão… a idade! É visível que em jogos mais duros ele tem saído cansado. E deverá ser uma tendência no decorrer das temporadas. Vai precisar enxugar seu calendário e jogar aquilo que realmente for importante! Será que vale a pena arriscar Roterdã? Para mim, descabida essa opção… Que ele e sua equipe tomem decisões sábias para uma temporada com o mínimo de lesões.
    Ainda acredito no seu recorde de GS ao fim do Big3. Mas o Touro precisa voltar a ser decisivo e jogar apenas torneios relevantes… Assim esperamos! Abc

    Responder
  42. Barocos

    Mestre Dalcim,

    Tive a mesma impressão que você sobre a falta de pernas do Nadal no final da partida, acho que nunca tinha visto isto antes.

    Ainda, me pareceu que o Nadal estava mais “fortinho” do que de costume, talvez por ter tido que abrir mão de jogos e treinos em função do problema lombar. Com a palavra, a balança.

    Gosto muito do estilo de jogo do grego, no quarto e no quinto sets então, estava excepcional. Em alguns momentos, me lembrou o Wawrinka naquela fatídica final em Roland Garros, no qual seu backhand fez estragos na defesa sérvia. Hoje ocorreu o mesmo, só que os atores eram outros, fiquei pensando comigo: Nadal, centralize a bola para não dar chance do grego disparar uma cruzada ou uma paralela! Também ele não me ouviu.

    Queria muito assistir a mais uma final entre Djokovic e Nadal. Melhor sorte da próxima vez. Quem sabe nas Olimpíadas não tenhamos um encontro entre estes titãs em um dos derradeiros combates que ainda lhes restam?

    Foi um jogo muito bom.

    Saúde e paz.

    Responder
  43. Vitor Hugo

    Medvedev, o jogador mais sólido do circuito e jogando o tênis mais eficiente na atualidade, será o campeão do Austrália Open, fazendo a final contra bagrevice, freguês da nextgen!

    Responder
  44. Luiz Fernando

    Não vi a partida do Rafa em razão do horário mas pelo comentário do Dalcim faltou gás, exatamente a impressão q postei quando ele venceu o britanico na terceira rodada. Essa história da pandemia / suposta lombalgia com certeza atrapalhou a preparação do cara, mas bola pra frente, pelo q li a vitória esteve perto, o ano é longo. Além disso, antes perder agora do q amargar outra derrota pro sérvio, q é o q certamente ocorreria…

    Responder
  45. Ulisses

    Boa tarde,

    Primeiramente te parabenizar pelo excelente texto, claro e objetivo.
    De fato notei isso (queda física do Nadal) a partir do quarto set principalmente.
    Pior que já e a segunda vez que se repete, tendo ocorrido a dois meses no finals.
    Dalcim essa queda física se dá por qual motivo principal? Seria normal, pois Nadal está brigando com jogadores 10, 12 até 13 anos mais jovens? Seria algo mental, pois nos dois casos estava com o jogo encaminhado e a frustração de ter de jogar mais tempo afeta o mental do Nadal e por consequência o físico? Ou seria por ser inicio de temporada ainda e no finals já seria final de temporada e o Nadal somente chega no auge físico na temporada europeia?
    Independentemente do que vc responda mestre, quem diria que esse mesmo Nadal cansou de deixar adversários sem pernas naqueles longos jogos de anos atrás. Quem não se lembra daquela final em Roma contra o Federer, onde depois de 5 horas de muita luta e correria o Nadal ganhou e ainda tinha força para dar uma cambalhota, esbanjando vigor físico até parecendo que poderia jogar mais outras cinco horas de boa.
    Então qual motivo determinante para essa queda física do espanhol?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Obrigado antes de tudo, Ulisses. É uma pergunta difícil de responder sem ter todos os elementos, mas eu diria que é acima de tudo o peso dos anos de circuito. Todos sabemos que a parte física é essencial para ele e muito exigida, mesmo em pisos mais velozes. Não acho que falte trabalho apurado, algo que ele se dedica demais. Observemos que contra o Medvedev, embora jogo duro e longo, era apenas o terceiro set. Então acho que ele precisará encontrar meios de economizar o esforço. Abs!

      Responder
  46. Sandra

    Dalcim, como sei que você gosta muito do Federer, vai uma pergunta , você acha que Federer sendo extremamente vaidoso , ele consegue se concentrar e jogar sem público ?

    Responder
  47. Marcilio Aguiar

    Parabéns ao grego. Espero que essa vitória venha a ser um divisor de águas em sua carreira, ou seja, que adquira um evolução no aspecto mental compatível com as sua altíssima capacidade técnica, que nada deve aos monstros do tênis. Se não me engano é o segundo big3 que ele derrota em slam e também na Austrália (O Federer foi em 2019?). Falta o Djoko e talvez não seja ainda neste ano, porque tem pela frente o russo e o próprio sérvio em ponto de bala.

    Sou péssimo em previsões e adivinhações, então prefiro ser cauteloso e esperar o desempenho de um dos dois na final contra o Djoko para saber se os “meninos” estão virando adultos ou ainda terão que esperar os coroas andarem de bengala para tomarem conta da casa.

    Responder
  48. Rubens Leme

    Torci pro filho do Borg e deu certo. Agora que pegou o touro à unha, vamos ver como se vira com o Urso, Dalcim e para relaxar um pouco verei que Moscou contra 007, com a lindíssima Daniela Bianchi, minha bond girl favorita. Não é a mais bonita de corpo, mas é deslumbrante.

    Aliás, podíamos começar uma eleição da top 5 das bondgirls aqui, para variar um pouco.

    Eis o filme – https://megafilmeshd50.com/filme/assistir-moscou-contra-007-online-dublado-e-legendado-gratis-em-full-hd/

    Responder
    1. periferia

      Ahhhh… se elas me dessem bola (diria o Tutuca)

      Eva Green…em Casino Royale (fabulosa na série Penny Dreadful)

      Halle Berry…em Um Novo Dia Para Morrer (linda no pesadíssimo A Última Ceia)

      Monica Bellucci…em 007 Contra Spectre (entrega total no polêmico filme Irreversível)

      Responder
      1. Marcilio Aguiar

        Periferia, ótima lembrança da Eva Green, ela é maravilhosa. Assisti a série Penny Dreadfull por influencia da minha mulher. A se notar que a série também foi protagonizada por um ex James Bond. O ótimo Timothy Dalton, que foi 007 somente por duas vezes, logo após Roger Moore.

        Responder
          1. Rubens Leme

            Nunca existe lista definitiva quando são de gostos especiais, aliás, listas servem apenas para render “brigas de bar”. Partcularmente gosto das atrizes antigas, porque as de hoje são muito parecidas, tenho dificuldade em reconhecer as várias Kates que existem hoje, mas nunca confundi a Claudia Cardinale com a Sofia Loren, por exemplo.

            Existem muitas mulheres deslumbrantes nos filmes do Bond que nem eram as bondgirls, também havia as mulheres fatais ou aquelas que eram mortas ou faziam apenas uma ponta.

            Agora, dos 007 o mais fraco e canastrão era o Roger Moore e o mais curioso que ele entrou no papel porque Sean Connery se achava velho demais quando fez o último, em 1971 (antes daquele comeback de 1983): tinha 41 anos. Só que Moore era quatro anos mais velho do que ele e nunca teve o porte físico. Roger acrescentou mais classe e charme ao personagem, mas Sean ainda é o melhor de todos.

      2. Miguel BsB

        Irreversível é um dos filmes mais pesados que já assisti. Terminei o filme com dor de cabeça. Reconheço a qualidade e o objetivo do filme, mas confesso que não foi uma experiência agradável.
        Mônica Bellucci é uma deusa!
        Mas anda sumida a tia do Tomaz…rsrs

        Responder
    2. Marcilio Aguiar

      Leme, topei a brincadeira. É uma escolha difícil, como escolher entre os maiores craques do Brasil de todos os tempos, mas vou fazer as 5 que logo vieram à minha cabeça, para não mudar de ideia:
      Maryam d’Abo – The Living Daylights (ela tocando aquele violoncelo… irresistível)
      Carole Bouquet – For Your Eyes Only
      Maud Adams – duas vezes – The Man with the Golden Gun e Octopussy
      Sophie Marceau – The World Is Not Enough
      Halle Berry – Die Another Day

      Deixei de fora outras, que me lembro também como Ursula Andress, Britt Ekland, Barbara Bach e Monica Belucci mas fico com as 5 que me lembrei primeiro.

      Canções: Gold Finger, Nobody does it better, For your eyes only, Skyfall e Live and Let die.

      Responder
      1. Rubens Leme

        Eu coloquei aqui dois links sobre o tema, mas deve ter parado na caixa de spam do blog (Dalcim, por favor, verifique pra mim, obrigado).

        Halle Berry e Monica Bellucci são óbvias em qualquer lista. Das antigas, eu ainda gosto da Jill St. John (Diamonds Are Forever) e a recentemente falecida Tanya Roberts (A View to a Kill).

        Responder
      2. Luiz Fabriciano

        Sobre as Bond Girl’s, Carole Bouquet de “Somente Para Seus Olhos” – impecável.
        E sobre as músicas, Adele compôs Skyfall em apenas 10 minutos – isso sim é um fenômeno!

        Responder
      3. Sérgio Ribeiro

        Então, Marcílio. Esquecer de Bárbara Bach a famosa espiã “ Russa “ de 007 “ O Espião que me amava “ é impossível. Por mim e por vários diretores a intérprete de “ Anya Amasova “ e’ provavelmente a mais linda mulher já vista no universo de James Bond . A interpretação de Carly Simon para The Spy Who Loved Me na espetacular abertura e’ mais que inspiradíssima. Apenas 4 anos depois casou-se com Ringo Star e permanece até hoje . Mas nesse caso também cabe discussão rs . ABS !

        Responder
        1. Marcilio Aguiar

          Caro Sérgio. A proposta do Leme foi instigante e permitiu várias abordagens. A minha foi mais pelo impacto que o visual das atrizes me provocou, quando assisti aos filmes do Bond, ou seja a beleza das moças, “somente para os meus olhos”. Já o periferia foi mais pelo lado da qualidade da atriz, categoriza em que a Eva Green se coloca realmente como uma das melhores, se não a melhor, além da evidente beleza. Eu acho a ex-Ringo Star lindíssima e citei mais abaixo. Como eu escrevi acima na postagem, é como escolher quais foram os maiores futebolistas brasileiros de todos os tempos. Tarefa que permite fazer 10 seleções. Abc.

          Responder
  49. Rodrigo S. Cruz

    Bom jogo, e importante vitória do Tsitsipas.

    Isso irá turbinar a sua confiança – derrotar o Nadal em Grand Slam, e para quem perdia por 1 x 6 no confronto direto.

    E é aquilo que eu sempre falo :

    fica cada vez mais claro que o Nadal não tem jogo para vencer outro Grand Slam, fora do saibro.

    Pode ser que ele vença? Claro que pode.

    Contudo, apenas se pegar uma chave bastante favorável, e o seu oponente da final não for o Djokovic e nem o Federer.

    Mas dessa vez nem foi preciso eles, bastou uma das promessas da nextgen.

    E olha que o grego perdia por 2 sets a 0, hein?

    Raríssimas vezes na carreira alguém teve êxito em fazer isso com o Nadal.

    Enfim… O que importa é que Nadal está fora. Isso pra mim é meio caminho andado!

    Resta agora é o Medvedev derrubar o Encosto, para a minha alegria ser completa.

    Quanto ao duelo com o Karatsev, acho que o russo será atropelado!

    Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        (rs)

        Pois é, Barocos.

        Torcida nossa é uma coisa, mas realidade é outra.

        Depois que eu vi o Zverev dar até o sangue na quadra, e ainda assim perder do sérvio, eu acho difícil o título não ser dele.

        O único que vejo capaz de derrotar o Djokovic agora é o Medvedev…

        Responder
  50. VINÍCIUS BONA

    QUE JOGO FEZ O GREGO!!
    SEMPRE ACREDITEI QUE ELE É O MAIS COMPLETO DA NEXTGEN E AGORA ESPERO QUE DÊ UM PASSO ADIANTE PARA DISPUTAR SUA PRIMEIRA FINAL DE SLAM.
    SERIA UMA FINAL INTERESSANTE CONTRA DJOKO.

    Responder
  51. efraim santana silva

    Nole tem o Mental muito forte , deve ganhar o torneio.Nadal é apenas físico e o físico acabou complicou a sorte do NADAL é que existe uma terra na vida dele.

    Responder
  52. periferia

    Um dos “velhinhos” não aguentou.
    Nadal fez os 3 primeiros sets muito bem.
    Sacou bem o primeiro serviço (mais de 90% no segundo e terceiro sets)..não permitiu breaks para o grego.
    O grego sacando muito mal nos dois primeiros sets….principalmente o primeiro serviço (67% no primeiro e 55% no segundo).
    Tsitsipas conseguiu igualar o jogo no terceiro set…venceu apertado…a partir daí dominou.
    Nos últimos três sets o grego diminui muito seus erros (18 erros nos três últimos sets).
    Nadal em compensação…começou a errar muito (32 erros nos três últimos sets)…fugindo de suas características…buscava winners (Nadal teve 58 winners contra 48 do grego no jogo).
    Nadal poderia ter ganho esse jogo facilmente por 3×0….jogou para isso.
    Como diria o filósofo…”tênis é tênis “….uma vacilada… “se fue por un tubo”

    Responder
  53. Lucas Leite

    Dalcim, que evolução do grego, não é mesmo? Nem parece que tem apenas 22 anos. Com essa vitória espetacular, se não apenas mantém sua invencibilidade em quartas de final de Slams, 3 QF, 3 vitórias, mas também alcança uma outra estatística muito significativa, sendo 2021 o terceiro ano consecutivo em que alcançou ao menos uma semi de Slam. Algo que é para muito poucos! Impressionante, principalmente considerando que sua primeira semi foi com apenas 20 anos. Com certeza, o grego ainda tem muito a brilhar nos grandes palcos do tênis!

    Responder
  54. Helena

    Dalcim, acredito que a vantagem do Medvedev seja de 5×1.

    Achei que Nadal teria vantagem no possível embate contra o russo pois viria de um 3×0 contra 3×2 do adversário, mas eis que é o Medvedev que vai chegar mais descansado e contra um jogador contra quem tem ampla vantagem.

    Considerando tudo que foi visto no torneio, uma final Djoko x Medvdev traria os melhores jogadores do torneio. Espero que aconteça.

    Ps: Acredito que com essa derrota do Rafa, Nole tenha garantido o recorde de semanas como número 1.

    Responder
  55. Márcio Limma

    Dalcim se me permite minha opinião, pra mim está cada vez mais claro q nos Slan AO Wimbledon e USOPEN os mlks já chegaram no Nível do Big 3 e estão realmente prontos pra tirar eles do trono…agora na França ainda acho q Demora mais um pouco…q acha?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sem dúvida, a falta de reais especialistas sobre o saibro dificulta essa troca de trono, Márcio. Talvez só mesmoo Thiem seja um real especiaista no piso fora do Big 2. Já a quadra dura é a preferida da maciça maioria, daí vermos mais gente boa surgindo.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *