Dores? Djoko se supera, Thiem se entrega
Por José Nilton Dalcim
14 de fevereiro de 2021 às 11:39

Um bate-bola de 60 minutos algumas horas antes de entrar em quadra foi toda a preparação que Novak Djokovic se permitiu antes de encarar o ‘freguês’ Milos Raonic. Não fez uma exibição brilhante, deixou mais um set no caminho e fez caretas ao se esforçar em alguns lances antes de anotar a histórica 300ª vitória em Grand Slam e avançar pela 48ª vez na carreira às quartas de um Grand Slam.

Raonic amargou a 12ª derrota e provavelmente sua maior chance de acabar com o jejum, já que Djokovic abriu pequenas brechas e por vezes se irritou com falhas pouco costumeiras. A superioridade do sérvio no entanto é muito grande e pouco a pouco o canadense sucumbiu com seu backhand frágil, mobilidade ruim e táticas mal executadas. Como sempre, Nole apostou em sua absurda qualidade de devolver saques bombásticos e apostou na consistência, ainda que estivesse talvez a 70% de sua capacidade.

Serão agora mais 48 horas para tentar recuperação ainda mais completa porque o próximo desafio promete ser muito mais exigente. Afinal, Alexander Zverev só perdeu um set no torneio e economizou no físico, já ganhou duas vezes de Djokovic em sete duelos e semanas atrás deu muito trabalho na ATP Cup exatamente na mesma quadra. É bem verdade que o alemão ainda não pegou um adversário de grande currículo na quadra dura – Adrian Mannarino e Dusan Lajovic estavam no caminho – porém Sascha só mostrou qualidades e evolução neste começo de temporada, a começar por um novo ímpeto de arriscar muito o segundo saque.

Enquanto Nole superava suas dores, Dominic Thiem se entregou a elas. Sem revelar exatamente quais os problemas físicos, o vice do ano passado admitiu não ter conseguido se recuperar do desgaste após a batalha diante de Nick Kyrgios e não aproveitou sequer a vantagem de 3/1 que abriu nos dois primeiros sets, cedendo viradas a um esforçado Grigor Dimitrov antes de encerrar sua campanha com um vexatório ‘pneu’ no terceiro set. O búlgaro atinge assim as quartas da Austrália pela quarta vez na carreira e vê boa chance de repetir a semi de 2017.

Seu adversário é uma daquelas surpresas que o Australian Open habitualmente produz. Dono de estilo de alto risco com bolas bem retas, o russo Aslam Karatsev ‘furou’ o quali em Doha, ficou proibido de treinar na quarentena por estar num dos aviões contaminados, atropelou Diego Schwartzman e mostrou pernas e cabeça para virar em cima de Felix Aliassime após perder os dois primeiros sets.

Assim, coleciona feitos: sétimo na Era Aberta a ir às quartas no primeiro Slam que disputa, primeiro quali a ir tão longe num Slam desde 2011 e na Austrália desde 1984. Saltará de 114º para 63º. Tem chance contra Dimitrov? Com certeza, mas o búlgaro deve ser mais esperto que Aliassime e usar seu ótimo slice para baixar a bola e complicar Karatsev.

Espetáculo das meninas
Um jogo melhor que o outro na abertura das oitavas femininas, onde qualquer coisa poderia ter acontecido. Quanta pancadaria, precisão, espírito de luta e nervos à flor da pele nas vitórias de Simona Halep, Naomi Osaka e Serena Williams. Pena que não havia torcida para enlouquecer as arquibancadas.

Osaka começou tensa contra Garbiñe Muguruza e demorou para reagir. A espanhola jogava dentro da quadra, assumia riscos e sacou para o que seria uma justa vitória. Aí Osaka brilhou. Sobrou coragem para salvar dois match-points e ganhar os três games seguintes em que Muguruza enfim cedeu mentalmente.

Serena e Aryna Sabalenka fizeram um jogo tão apertado e com tamanha qualidade que foi uma pena ter uma única vencedora. A bielorrussa jamais economizou na força, no risco e na exposição de suas sentimentos e por isso foi uma agradável surpresa ver Serena se mover tão bem, manter a cabeça no lugar e achar soluções que pareciam difíceis diante do fogo cerrado que vinha do outro lado.

Halep conseguiu se vingar da derrota sofrida para Iga Swiatek cinco meses atrás no saibro de Paris, mas levou susto diante da consistência da jovem polonesa no primeiro set. Aí a cabeça 2 caprichou mais no saque e atropelou. Houve troca precoce de quebras no set final até que Iga fizesse um game de saque horrível e daí em diante Halep foi primorosa no trabalho dos pontos a partir de um serviço bem colocado.

A outra vaga ficou com a veterana Su-Wei Hsieh, que se valeu de uma Marketa Vondrousova limitada por contusão. Aos 35 anos, a incansável taiwanesa – que joga no estilo Santoro com duas mãos nos dois lados – é a mais velha a atingir quartas de Slam pela primeira vez. Só venceu 1 de 5 duelos contra Osaka, mas cinco desses jogos foram ao terceiro set. Não vai ser fácil.

Serena ganhou 9 dos 11 jogos diante de Halep, mas perdeu talvez o mais relevante de todos, a final de Wimbledon de 2019, quando todos esperavam o 24º troféu de Slam da norte-americana.

E mais
– O fã brasileiro terá de encarar a madrugada para ver Nadal-Fognini, programado para 1h. Espanhol tem 12-4 no confronto, mas 1-1 em Slam. Apesar de todo o talento, Fognini só fez uma quartas de Slam, em Paris-2011.
– Russos são amplos favoritos na Margaret Court para confirmar o confronto direto nas quartas. Medvedev enfim ganhou seu primeiro jogo de cinco sets na véspera (agora 1-6) e encara McDonald, que volta de contusão. Rublev pega Ruud em duelo de ex-números 1 juvenis.
– Tsitsipas-Berrettini é primeiro confronto de tops 10 desta edição. O italiano terminou jogo contra Khachanov com problema abdominal.
– Svitolina tenta segunda vitória da temporada contra Pegula e Vekic lidera por 1-0 contra Brady. Mas americanas são perigosas num piso tão veloz.
– Barty é super candidata para repetir quartas de 2019 e 2020 contra Rogers, a quem venceu há poucos dias no WTA de Melbourne. Mertens tem favoritismo contra Muchova.
– Soares e Melo também jogam por volta de 1h e buscam quartas de duplas. Stefani e Carter pararam nas oitavas num dia em que jogaram mal e Monteiro e Millman até endureceram contra Mektic/Pavic. Os líderes do ranking Cabal/Farah não passaram da estreia.


Comentários
  1. José Eustáquio Masculino Cruz

    Bom dia a todos e uma boa semana só uma coisita palhaçada de milonga o Espanhol não fez infiltração nenhuma isto ele melhorou na raça,não é um certo milongueiro .pois até o Blogueiro experiente disse que o jogo era perigoso passa ano entra ano e cada vez mais fico abismado com o desconhecimento de todos até a ESPN sobre o Espanhol,pergunta direto se tiver alguém com peito para responder Rafael Nadal, vcs acham que é um qualquer assistem dão uma de póliglota e do Espanhol não sabem com quem estão lidando pergunto ao Blogueiro que jogo perigoso mencionou em uma resposta contra o habilidoso Italiano por favor se explique?o Espanhol deu uma aula.

  2. Mauricio Bram

    Não que eu seja, assim, muito fão do Sportv (melhorou um pouco quando saiu o incrivelmente ultrapassado Dácio Campos), mas a ESPN ter pego a maioria dos torneios masculinos é péssima notícia para o telespectador. Além de que não será surpresa alguma você ligar a TV na hora de um jogo e estar passando reprise de NBA ou NFL, tem também a qualidade de quem vai estar lá. Uma emissora que põe CLEDI DE OLIVEIRA para narrar e FERNANDÃO de comentarista principal não pode estar levando a coisa a sério. O FERNANDÃO parece ser o cara mais gente fina do mundo, mas é fraquíssimo, só faz comentários genéricos, além de péssimo (péssimo!) hábito de falar pelos cotovelos, chega estar falando quando o (a) tenista já está quicando a bolinha para sacar. O GUEM, não, é muito bom. Muito bom. Mas precisava alguém de mais peso nos comentários ali, como o a ONCINS ou até o ACIOLY.
    Bom, meu sonho, desde de muito novo: ter a opção de assistir o jogo só com o som da quadra.

  3. Luiz Fernando

    Dalcim duas coisas: 1) essa moça, Pegula, filha de bilionários americanos, já tem 26 anos, idade bem avançada p despontar no tênis feminino. Me pareceu ter ótima movimentação e excelente BH. Vc acha q ela de fato pode ser competitiva ou está fazendo aquele torneio em q da tudo certo? 2) vi o segundo set do jg do Rafa e ele me pareceu a antítese do visto contra o inglês, rápido e cheio de energia. Será q apenas uma dose a mais de confiança a mais pela melhora das costas muda um jogador tanto assim? E jogando no calorão da tarde australiana…

    1. José Nilton Dalcim

      Pode sim, Luiz, a Pegula tem bons recursos para os pisos mais velozes, mas ainda não consigo vê-la erguendo um grande torneio ou incomodando seguidamente as tops.

  4. Luiz Fernando

    Opa, parece q de fato houve na madrugada um show de winners do fanfarrão italiano sobre Rafa, quarta deve haver outro show do grego kkk…

  5. Rodrigo S. Cruz

    Ô LOKO !!!

    Hoje o Fognini apanhou mais do que a MARIA DA PENHA.

    E dessa vez não tem desculpa que cole.

    O Nadal foi surpreendentemente melhor !!!

  6. DANILO AFONSO

    Esse KYRGIOS é realmente uma figura. Como ele não tira o Djokovic da cabeça.

    Ele teve a capacidade de imitar o Djokovic mandando coração para a arquibancada. Fez o ritual completo por duas vezes, uma quando entrou na quadra com o seu parceiro de duplaa e depois quando o árbitro o convocou para o sorteio (moeda).

    No vídeo abaixo tem somente uma das vezes que ele fez o ritual.
    https://youtu.be/CwK0RGxnKk8

    Na ESPN tem o vídeo completo.

  7. Julio Cesar

    Dalcim, é possível falar o que, na sua opinião, falta na Iga Swiatek? Ela parecia invencível em Roland Garros ano passado, e agora parece muito mais comum.

    1. Mauricio Bram

      O que acontece não é nada mais o que acontece na WTA como uma todo: o baixo nível das jogadoras atuais, que faz a aleatoriedade ser marca nos torneios, especialmente nos GSs. Uma mina 100 e poucos do mundo pode bater uma “top 10” normalmente pois a diferença é mínima, sem contar a contumaz instabilidade emocional das jogadoras. Veja que a SERENA, mesmo com a mobilidade e arranque de uma balsa, ainda ganha fácil seus jogos.

  8. RODOLFO SILVA MARQUES

    Prezado Dalcim,
    Parabéns pelo site, pelo blog e pelo conteúdo sempre lúcido e agradável de ser lido.
    O jogo do Nadal será exibido pela ESPN Internacional? A partida começa logo após o jogo do Medvedev, não é? Você acredita que Nadal confirma seu leve favoritismo contra o italiano na hard de Melbourne?

    Grato.

    1. José Nilton Dalcim

      Sim, mas depois dos jogos femininos, Medvedev joga no outro estádio. Rafa entra como favorito, a meu ver, mas é um jogo perigoso.

  9. Luiz Fernando

    Svitolina voltou a ganhar peso, e com isso voltou a ficar muito gata. Incrível como perdeu peso e ficou magérrima em um determinado momento, tomara q não tenha sido por problemas de saúde e sim p opção. Na quadra perdeu da Pegula, jogadora de 26 anos, mas q tem boa potência nos golpes e me pareceu mais agressiva!

    1. Barocos

      Luiz,

      Realmente, uma gata que de vez em quando chega nas finais dos torneios, ao contrário da bela Camila Giorgi, que não o faz.

      Saúde e paz.

      Ps.: torcendo por mais uma final entre o Djoko e o Nadal. Quem sabe a gente não assiste de camarote a mais um embate destes gigantes, para o desespero da torcida caprina fanática. 🙂

      1. Luiz Fernando

        Se eu pudesse escolher nem pensaria, Camila na cabeça. No momento ainda vejo um caminho longo p Rafa e Djoko, com o do espanhol com alguns obstáculos maiores…

  10. Efraim Oliveira está a

    Uma curiosidade… não sabia que existia a modalidade tênis estilo livre, vi isso hoje num programa televisivo, e advinhem a nacionalidade do número um, é sérvio. Que coincidência!

  11. Carlos

    Zverev baterá Djokovic ; Nadal perderá para Fábio Fognini; Dimitrov será surpeendido pelo russo Karatsev (sempre tem um outsider na semifinal, lembra do coreano? coreano desapareceu); Tsitsipas triunfará também em seu próximo desafio, mas sucumbirá posteriormente tendo em vista a sua parte mental fraca.

  12. Evaldo Medeiros

    Dalcim, o Fognini tem físico para uma batalha de 5 sets com o Nadal? Se não me engano ele vem de uma cirurgia no ano passado.

    1. José Nilton Dalcim

      Operou os dois calcanhares, Evaldo. E sentiu dores depois da vitória contra o Caruso. Teremos de esperar para ver.

  13. Barocos

    Mestre Dalcim,

    Primeiro, grato pelas análises, como de costume, muito lúcidas

    Parece que a contusão não foi mesmo tão séria quanto se imaginava. Djokovic tem mais quase 2 dias para se recuperar, se ele não tiver sentido nenhum desconforto mais forte, é possível que se recupere. Fosse comigo, realizaria um novo exame para ter certeza. Os medicamentos (analgésicos e anti-inflamatórios) costumam mascarar as lesões e, em caso de insistência na prática esportiva, corre-se o risco agravar o problema, algo que ele mesmo admitiu em uma nova entrevista e onde tergiversou sobre o problema enfrentado.

    O mesmo vale para o espanhol.

    Se ambos, Nadal e Djokovic, chegarem a mais uma final de Slam, um com quase 34 e o outro chegando perto dos 35, as pessoas de sempre que insistem em menosprezar estes grandes campeões terão seus argumentos contra os mesmos aviltados a tal ponto que nem todo o óleo de peroba do mundo será suficiente para lustrar a cara-de-pau dos cidadãos.

    Continuo com minha opinião de anos: sob a ótica do atleticismo, Djokovic é, provavelmente, o melhor desportista a empunhar uma raquete, Federer o rei da elegância, e da habilidade, e Nadal o mais combativo competidor a pisar uma quadra de tênis.

    Estou, novamente, na torcida por mais um embate da maior rivalidade do tênis de todos os tempos.

    Saúde e paz.

      1. Barocos

        Rodrigo,

        Vejamos o que a história do torneio diz:
        2009 – Australian Open – Nadal x Federer – 7–5, 3–6, 7–6(7–3), 3–6, 6–2 (caampeão)
        2012 – Australian Open – Nadal x Djokovic – 7–5, 4–6, 2–6, 7–6(7–5), 5–7 (vice)
        2014 – Australian Open – Nadal x Wawrinka – 3–6, 2–6, 6–3, 3–6 (vice)
        2017 – Australian Open – Nadal x Federer – 4–6, 6–3, 1–6, 6–3, 3–6 (vice)
        2019 – Australian Open – Nadal x Djokovic – 3–6, 2–6, 3–6 (vice)

        Não bastasse o espanhol se apresentar para disputar 5 vezes o título em um piso que não é o seu favorito, em três das ocasiões o jogo poderia ter ido para qualquer lado.

        E veja que este tenista “limitado” tem 2 títulos em Wimbledon (em 5 disputas) e 4 no US open (em 5), ou seja, em pisos que não são os que mais beneficiam o seu estilo de jogo. Nada mau para um “baloeiro”, um tenista “limitado”, você há de concordar.

        Nem vou comentar sobre a incrível campanha do “El Toro” em Masters 1000 e Olimpíadas, o número de vezes que ele se apresentou para a disputa final e os títulos já falam por si.

        Para aqueles que insistem em menosprezá-lo, resta agarrar-se ao baixo desempenho que este costuma ter no Finals (ainda que tenha chegado a 2 finais por lá), o motivo é conhecido por todos: Nadal tem, faz tempo, o hábito de disputar até o “torneio de purrinha do bairro” e costuma chegar alquebrado nos últimos do ano.

        Como já repetido ad infinitum pelo Mestre do Blog, não devemos duvidar do Nadal. Acho que você deveria fazer o mesmo.

        Saúde e paz.

        ps.: Claro, sei que a sua intenção, assim como a do Vitor, do Lógico, do Maurício e de todos os outros que incensam o gênio suiço, é participar no jogo de provocação das torcidas. Nada contra, mas na minha opinião seria mais apropriado que vocês superlativassem os feitos do Nadal, já que assim tornariam as conquistas do suíço ainda maiores. 😉

  14. Mário Cesar Rodrigues

    A cultura do tênis pasmem está pior di wue o tenis hoje tantos desatinos.e falo com todas as letras de respeito e credivilidade é o Federer bem verdade que tem suaz pisadas de bola ele e o Rafa até que se prove o contrário até hojeos dois melhores tenistas dentro e fora da quadra. São polidos.

  15. Rodrigo S. Cruz

    Será que o nome dele é Milos Raonic?

    Ou será QUILOS Raonic?

    kkkkkk

    O cara tá mais gordo do que leitão cevado!

    (rs)

  16. Rodrigo S. Cruz

    Chegou a hora de separar os meninos dos homens.

    Parece que o Nadal usou infiltração para recuperar a mecânica normal do saque.

    Mas mesmo que estivesse 100% fisicamente ele já teria muitos problemas contra o italiano.

    Espero que tome muitos winners e saia com cara de cachorro que cai da mudança!

    FORÇA FOGNINI !!!

  17. Paulo F.

    A lesão do Djokovic talvez nem tenha sido tão preocupante quanto parecia inicialmente.
    Mas já basta para crucificarem o sérvio como um dos.piires seres humanos da Terra.
    Bom, vindo da torcida que torceu pela apendicite do Nadal, nada surpreendente.

    1. Rodrigo S. Cruz

      Apendicite – 2000 e Flinstones

      Ameaça de morte de idosa – 2020

      Organizar torneio sem máscara – 2020

      Simular contusão – 2021.

      kkkkkkkkkkkk

  18. CUTRIM BOLIVIANO ENRUSTIDO

    Nole provavelmente é o melhor devolvedor da história do tenis. O que ele fez contra Roanic foi algo espetacular. Além de ter o melhor backhand de duas mãos de todos os tempos.

  19. Sandra

    Dalcim, você sabe o porque dessa raiva toda do Kyrgios em cima do Djokovic ? Quando não e ele e o Nadal, só que com o Nadal ele se ferra , sempre perde!!!!

  20. Rodrigo S. Cruz

    HAHAHAHAHA

    Eu avisei.

    Mas lamentavelmente tem uns ingênuos que ainda caem.

    Esse Djokovic é o sujeito mais FALSO que tem no circuito!

    Ruptura muscular que “evolui” para estiramento muscular que evolui para “miguér” !!!

    HAHAHAHAHA

  21. Luiz Fernando

    Se Rafa se submeteu a esse tratamento exposto site trata-se de uma insanidade. Minorar a dor sem eliminar a causa ê uma porta aberta p potencialmente agravar s contusão, e isso num torneio no qual suas chances são bem baixas. Vamos aguardar…

  22. Rafael

    Prezado Sérgio Ribeiro,

    Se puder e quiser, é claro, gostaria de ler uma análise completa sua sobre Novak Djokovic. O que vc acha dele como jogador, qual seu lugar na história (se tem algum), pelo que vc lembrará dele quando parar (se lembrará), o que ele faz de bom e de ruim, até que ponto ele é osso duro de roer (ou não), golpes de campeão (e/ou golpes deficientes), etc.

    Desde já agradeço, um abraço.

    1. Luiz Fabriciano

      A questão não foi para mim meu caro Rafael, mas minha inspiração para ela está em John Mc Enroe.
      Grande abraço nobre Nolista.

    2. Sérgio Ribeiro

      Então , caro Rafael . E’ impossível não reconhecer o Sérvio como um excepcional Atleta na acepção da palavra . De longe o melhor físico da história do Esporte. E de quebra possui a melhor devolução do mesmo. Puxado pela dupla Fedal foi se aprimorando em vários fundamentos e está aos poucos quebrando recordes que pertenciam aos outros dois. Se não possui o toque de Federer e Sampras , e o jogo de rede , compensa com um mental muito próximo do Espanhol. Por se adaptar a todos os pisos, caminha para entrar no patamar de maior vencedor deste maravilhoso Esporte . No quesito eficiência provavelmente ocupará o Topo . A meu ver jamais terá o jogo plástico do Suíço. Ou até mesmo de Sampras . Mas já se garantiu no Olimpo ao lado dos citados junto com Björn Borg e Rod Laver . ABS !

  23. Efraim Oliveira está a

    Acho que todo jogador esconde o jogo ou finge uma lesão, o blefe faz parte do jogo. O golpe taí, cai quem quer. A guerra de narrativas também faz parte, basta ver o que aconteceu em Roland Garros, onde Nadal constantemente ficou falando que as condições não favoreciam seu jogo ao passo que Novak se encheu de uma falsa esperança… vimos no que isso deu.

  24. Davi Poiani

    Concordo em gênero e grau Dalcim! Ainda não tinha assistido a nenhum jogo do feminino até então. Ontem tive sorte pois foram jogos muito bons! Foi uma pena a Muguruza ter encontrado com a Osaka logo nas oitavas e ter perdido. Foi um jogaço, vários pontos belíssimos. Também foi bacana assistir ao tênis peculiar da Hsieh com as duas mãos dos dois lados. Faz bem ao tênis ter alguém que joga diferente, à la Santoro. Bela conquista ter chegado pela primeira vez às quartas de um Grand Slam aos 35 anos. Embora não tenha muita potência em seus golpes, ela consegue ângulos incríveis com sua técnica! Deve ser difícil para as adversárias se antecipar à direção que a bola vai vir. Vou torcer pra ela fazer semi. Abs!

  25. André Barcellos

    Djoko tem fama de milongueiro desde 2009 ou antes, quando Roddick falou que ele usava todo tipo de desculpas, tipo “gripe aviária” para largar um jogo. Acontece que ele não estava perdendo contra o Fritz. Deve ter parado de sentir a bola ou sentiu algum desconforto. Mas muito, muito mais leve do que levou a crer. E aí teve que sustentar o teatro durante o tempo que podia. Não descarto ele ter largado o quarto set de propósito. E vai ter que enrolar com caras e bocas até quando for eliminado.

    1. Luiz Fabriciano

      Andy Roddick mudou esse discurso há muito tempo.
      Mas há uma produção de Hollywood em andamento, que mostrará a incrível carreira do tenista sérvio, então, tu tens razão sobre “largar o quarto set de propósito”. Fazia parte do roteiro, perder dois sets para o Leonardo diCaprio do tênis.
      Casper Ruud abandonou o jogo hoje. Terá sido migué?

  26. Mário Cesar Rodrigues

    Boa tarde a todos. Sobre Djoko não irei falar grande coisa (o pior pilantra dentro de uma quadra joga nuito mas com este jogo de hojeo mundo do Tênis estão preparando suas mensagens no Twitter. Kyrgios autoridade posso pedir um tempo técnico estou com uma contusão e por ai vai falsndo com o Juiz.Raonic fez um jogo bom mas não teve como balançar o Servio e olha que o canadense melhorou de uns 5 anos para hoje.Dalcim belo texto.

  27. Vitor Hugo

    Esse é Novak Djokovic. Simula contusões, organiza torneios pondo em risco a vida de todos, bebe água com b.. , sem carisma, sem torcida….. Não tem o respeito de boa parte dos torcedores e dos próprios tenistas, vide que tentou formar um conselho paralelo, não teve força pois não tem apoio e volta com o rabo entre as pernas pro conselho da atp.
    Não bastasse tudo isso ainda por cima tem um dos estilos e uma estética de jogo das mais feias. Derruba ibope.

    1. Rafael Azevedo

      Vitor, perdão aí amigo, eu curto muito suas provocações e comentários neste espaço, mas não curti esse seu comentário. Na verdade, até desaprovo.
      Acho que não devemos faltar com respeito e criar mentiras com um ser humano que contribui enormemente para o tênis e que tem ações altruístas muito mais dignas do que a maioria de nós.
      Eu também não sou torcedor do sérvio e não gostaria que ele fosse considerado o GOAT. Mas, jamais vou buscar justificativas para desmerecê-lo. Reconheço que seus méritos e virtudes são muito superiores às suas falhas.

  28. DANILO AFONSO

    Faltam 3 semanas para NOVAK tornar-se recordista de semanas na liderança do ranking.
    ______________

    O Goatcar pega o vácuo do suíço e prepara o aproach perfeito para a glória.

    1. Marcelinho

      Com a parada esses recordes tem que ser relativazados, por exemplo, Thiem poderia ter pego a ponta na temporada passada se ela fosse feita do jeito tradicional, o congelamento de pontos acabou relativizando muito as coisas.
      Porém, a favor de Djokovic pesa o fato de que caso ele chegue a 19 GS vai ter q ter um asterisco apontando que em 2020 Wimbledon pensou na grana do seguro e gananciosamente não realizou o GS, e se realizasse as chances de Nole ganhar seriam de razoáveis para grande.

      1. DANILO AFONSO

        Marcelo, DJOKOVIC foi o que mais pontou, com ou sem congelamento. O sérvio vinha embalado quando houve suspensão do circuito.

        Se não houvesse a pandemia era mais coerente apostarmos que o sérvio seria muito mais regular que o Austríaco, levando em consideração o que cada um deles apresentou nos últimos anos.

        O sérvio tem excelente performance em todos os pisos, já o Austríaco não. Este nunca chegou longe na grama e até hoje não levou nenhum títulos relevante no saibro, sequer um master 1000.
        THIEM é um excelente tenista, mas não tem a regularidade do BIG 3. Quando pensamos que ele vai engatar uma “sexta marcha”, ele tropeça, a exemplo de Cincinatti quando foi eliminado na primeira rodada, Roland Garros caindo nas quartas e hj perdendo para o búlgaro.

        Enfim, não haverá asterisco quando sabemos da realidade antes e depois da pandemia e o que cada tenista entregou nos últimos anos.

        Saudação Tenísticas !!!

        1. Marcelinho

          Então, eu até concordo com isso se a temporada não fosse desgastante.
          Vamo lá, Thiem tava com 26 pra 27 anos ano passado, e Djokovic com 32 pra 33, a a desvantagem da idade é você pode jogar um torneio bem, mas por conta dela você não consegue manter o mesmo nível, tanto que Djokovic nunca mais ganhou Finals.
          A parada foi boa pra Djokovic em termos de descanso, pq no fim das contas com pouco torneio ele chegou super saudável pra volta, quando muito provavelmente se tivesse brigando pelo n1 já poderia estar acabado.
          E me desculpem, mas dizer que Thiem não manteria o nível pra ser n1 é pura falta de conhecimento. O cara tem 4 finais de GS e 2 de Finals, ele hoje é tão preparado quanto Djokovic e Nadal (esse eu acho que não tem mais condições de ser n1).
          Ai vão dizer “ahh mas perdeu pra Dimitrov”, garanto que se fosse Dimitrov no lugar do fritado lá, Djoko já estaria voltando pra sérvia.

          Eu não achei legal a pandemia, muito pelo contrário, pq apesar de fã de Federer, acho que ele merece perder todos os recordes, que pra mim, a tempos não considero o único critério pra se analisar o GOAT.

          Repito, Wimbledon foi covarde pq o único critério que poderia se usar de forma justa, no caso, os GS, já que o n1 ficaria comprometido de qualquer jeito, eles não realizaram.
          Só pra vocês lembrarem, Federer em 2017 ganhou os 3 principais torneios no início da temporada, e não terminou como n1 pq não conseguiu (ou foi cauteloso demais) manter a mesma pegada de um cara 5 anos mais novo, que apanhou dele a temporada toda, porém tinha idade pra jogar muito mais jogos.

          1. DANILO AFONSO

            Marcelo, mesmo Djokovic com seus 32/33 anos em 2020, eu ainda acho que ele tem uma condição física superior ao austríaco para suportar torneios seguidos em uma temporada regular.

            Eu colocaria NADAL como uma ameaça maior ao sérvio no ano passado se a temporada fosse regular. Cito como exemplo a temporada 2019 em que o espanhol terminou o ano na dianteira do ranking.

          2. Emerson Torres

            A parada fez mal pro Djokovic. Ele vinha voando na temporada, ganhando tudo o que disputou, ATP Cup, Australian Open e Dubai. Certamente levaria Indian Wells e Miami ( se não os dois) e somaria mais uma carrada de pontos, já que tinha pouca a defender nesses. Ou seja, em um mundo normal, sem pandemia, a tendência era que o Djokovic assumisse as 311 semanas como n1 em meados de Outubro. Pensando em números, a Pandemia garantiu mais 6 meses do recorde ao Federer. No mesmo sentido, o congelamento dos pontos não deixou o Sérvio disparar em relação ao Nadal, já que no saibro ele só defendeu em Roland Garros. Enfim, é tudo relativo, pode beneficiar em partes mas prejudicar em outras.

      2. Alessandro Siqueira

        Dalcim, por mais que a liberdade de expressão seja uma garantia, a propagação de MENTIRA precisa ser coibida. Thiem fez muito menos pontos no decorrer de 2020 que Djokovic. Isso é matemática, e não “opinião”. Enfim, não fosse o congelamento ano passado, o sérvio teria 22 semanas a mais na conta da liderança.

      3. Marcelo F

        Como assim recordes relativizados, Marcelinho? Se não fosse a parada o recorde já tinha sido batido. Não tenho essa certeza se o Thiem teria conseguido ser número 1 se o ranking não tivesse sido paralisado. Você não é o primeiro a afirmar isso. Confesso que tenho preguiça de fazer essas contas, mas acho que o Djoko continuaria número 1. Em todo caso, se os números provarem isso…

      4. Geraldo Junior

        Contando só os pontos conquistados em 2020 pelos jogadores, ainda sim Djoko terminaria o ano como número 1 do mundo. Precisas te informar melhor!

      5. Efraim Oliveira está a

        Thiem atingido a liderança no ano passado? Que piada! Thiem só está aí em terceiro porque Roger se afastou, que dirá liderar o ranking. Novak já teria batido essa marca de 310 semanas caso não fosse essa pandemia.

  29. Gildokson

    Pode ser besteira oq vou dizer… mas o Thiem prova cada vez mais que se não é aquela palhaçada da bolada na juíza ele não ganhar Slam nem tão cedo viu…
    Pelo amor…

    E o Djokovic, parece que a contusão é bem menos grave do q parecia, ao menos para vencer o cone canadense foi suave.

    1. Luiz Fernando

      Sempre elogiei Thiem neste espaço, mas concordo c vc: ele só venceu um GS pq o Djoko fez aquela besteira e pq Zverev falhou lamentavelmente naquela final. Senão seria outro grande tenista sem vencer um GS…

      1. Sérgio Ribeiro

        Vou printar , este comentário caro , L F . rs . Thiem provavelmente será o primeiro a vencer RG depois do Rei do Saibro encerrar seu ciclo . Vocês continuam comentaristas de resultados . Além dele pode botar MEDVEDEV , ZVEREV , TSITSIPAS como vencedores nos próximos três anos . E sem necessariamente TODO o Big 3 aposentado. A conferir. Abs!

  30. rafael

    O sérvio pode até valorizar, mas claro que ele tem uma lesão. Em certos pontos ele nem seguia a jogada. O que o manteve no jogo foi sua resiliência, determinação e inteligência. Se a lesão evoluir o Zverev nao será páreo. E o Thiem mestre? Machucado, cansaço ou o Dimitrov jogou muito?

    1. José Nilton Dalcim

      Foi mais ou menos o que eu disse no texto, Rafael. Thiem alegou contusões, mas ainda assim teve 3/1 nos dois primeiros sets.

    2. Julio Cesar

      O backhand dele tá esquisito, parece que está ajustando pra usar muito mais o braço do que fazer a rotação do tronco. Ele tá fazendo muita força pra bater daquele lado. Valorizando, é claro. Disse no início que “com certeza” era uma ruptura muscular. Se fosse ruptura, acho difícil que pudesse estar jogando. Diminuíram pra estiramento. Parece que não anunciaram de fato o que houve ali, só disseram que a equipe médica do torneio estava ajudando a equipe do tenista. Acho que o Nadal também tá dando uma valorizada nas costas, já que o grau da lesão que ele disse ter não prejudicou, aparentemente em maior monta, o seu jogo.

  31. Wanderson lima de abreu

    G arra,talento e nao desistir nunca,predicados que nunca vao tirar de djokovic. Um verdadeiro campeao que encheram de orgulho a nos torcedores hoje de manha.o titulo deste ano no AO e muito dificil,mas indepentente do que acontecer daqui em diante,estamos orgulhosos dele.

  32. ALEXANDRE ADORNO DA CUNHA

    Dalcim achei o Raonic meio “gordinho”haha ou foi impressão? e esse russo novo, vc acha que veio pra ficar?

    1. José Nilton Dalcim

      Está mesmo… rsrs… Olha, o Karatsev tem qualidades num piso veloz. Tomara que se firme, mas teremos de esperar para ver.

  33. Marcilio Aguiar

    Dalcim, um conjectura que pode são se pertinente, mas penso que os jogadores muito altos, que tem dificuldade com a mobilidade no fundo de quadra e sacam muito bem, teriam se dado melhor se tivessem investido no estilo saque e voleio no início de carreira, mesmo considerando que as quadras hoje não favorecem esse estilo. Penso assim pela longevidade do Karlovic, também me lembro do Mirnyi terem obtido relativo sucesso nesse estilo. Eram muito lentos na base mas ótimos no saque e voleio. O Stich , pelo que me lembro, era um dos mais altos de sua geração e teve uma ótima carreira, embora as quadras favorecesse o estilo, na sua época. O Raonic consegui chegar a numero 3, mas acho que se fosse mais à rede em vez de tentar trocar bolas no fundo teria se dado melhor ainda. O Sacha tem ótimo saque, quando entra, e até que se move bem, mas será que não poderia tomar umas aulinhas com o irmão que é ótimo voleador? A proposito, quem é o técnico dele após siada do Ferrer? Outro dia vi o irmão no box.

    1. José Nilton Dalcim

      A melhor fase de Raonic foi justamente quando ele passou a ir à rede atrás do saque, Marcílio. Assim, concordo plenamente com você. O Zverev está sendo treinado pelo pai e o irmão. Aliás, por isso seu jogo de rede melhorou tanto.

      1. Luiz Fabriciano

        Dalcim, aproveitando o tema levantado pelo colega acima, o mais limita o saque-voleio na atualidade?
        A atleticidade dos jogadores e seus equipamentos, marcando saques médios de 210/220 km/h ou piso mais lento?

        1. José Nilton Dalcim

          Acho que as devoluções evoluíram muito com os novos equipamentos e treinamentos, Luiz. Hoje essa tática teria de contar com um primeiro voleio muito seguro. De qualquer forma, eu ainda considero um recurso importante, ainda mais num piso veloz como este, porque é extremamente desgastante para um tenista ficar tendo de aplicar passadas e devoluções seguidamente.

  34. Fernando

    Ué? Não estava lesionado?! Nunca vi um jogador mais mentiroso do que Djokovic. É uma doença, pois joga muito tênis e não precisa disso.

  35. Rubens Leme

    Não há como negar os méritos esportivos de Djokovic e Nadal, dois dos maiores vencedores do esporte, de forma merecida. Mas eu contesto sempre o tipo de tênis que temos hoje.

    Os dois, mais Federer, trouxeram uma popularidade inigualável, mas também fizeram do tênis um esporte que deixou de lado a plástica (neste ponto o suíço não tem culpa), a criatividade, a imprevisibilidade para batalhas longas e tediosas do fundo de quadra, o tal maratênis, onde Andy Murray também tem sua “parcela de culpa”.

    Eu coloquei um vídeo antigo do Pete Sampras no post anterior, para poder rever um pouco daquele tênis agressivo, de voleios venenosos, de toques lindos, de jogadores que queriam decidir a partida a qualquer custo, sem longas trocas. E hoje o que vemos são tops totalmente perdidos na rede, que conseguem sequer executar um smash de forma satisfatória, sem falar nos voleios constrangedores.

    Djokovic e Nadal tiveram muito a ajuda da ATP em sua uniformidade de pisos, pois eliminaram os carpetes velozes, diminuíram a velocidade das quadras de grama e duras. O resultado é vermos um monte de “saibristas”, como Schwartzman reclamando de quadras um pouco mais velozes, como aconteceu agora na Austrália, pois deve ser de uma geração que não viu John McEnroe, Bjorn Borg, Ivan Lendl, Pete Sampras e Boris Becker brilharem naqueles carpetes indoors onde a bola era quase invisível.

    Então, o que temos agora são atletas altos, muito fortes, velozes, capazes de cobrir a quadra toda, com forehands poderosos, saques idem, mas com “pouca mão”. É por isto que passo longe quando tem um jogo de Nadal ou Djokovic sendo exibido. Eu não quero ver uma disputa de 30 bolas a cada ponto, quero jogadores indo para dentro do rival e voleando em dois lances.

    E, decididamente, estou farto de verem os dois reclamarem nas coletivas de contusões, de que está difícil se mexer em quadra, mas correrem feito gazelas em todas as bolas.

    Deixo lances entre Pete Sampras e Stefan Edberg para os saudosistas – https://www.youtube.com/watch?v=gsP-Pnt2hpE.

    1. Rodrigo V. Silva

      Terminou o texto perfeitamente bem, caro amigo, com o termo “saudosista”. Pois a sua manifestação, com todo o respeito, pode ser resumida em “saudosismo”. Penso que o tênis, assim como qualquer outro esporte, continuará sempre evoluindo no sentido da eficiência… É o meu pontos de vista. Abraços!

      1. Rodrigo S. Cruz

        O que você chama de evolução, eu chamo de INVOLUÇÃO.

        (rs)

        Graças a Deus que ainda temos o Federer no Big 3.

        1. Sérgio Ribeiro

          Eficiência e ‘ o que não faltou aos dois rivais do link. Somente VINTE SLAM , CENTO E SEIS ATPS , SEIS FINALS , juntos ocuparam por OITO TEMPORADAS o Topo do Ranking , Sendo Pete SEIS Temporadas CONSECUTIVAS. Sem contar TODOS os golpes do Esporte…Abs!

  36. Daniel C

    O Djokovic deu muita sorte de pegar hoje o Raonic, um dos tenistas mais limitados tecnicamente do circuito. Incrível como ele é frágil da base, com uma movimentação lateral horrível, uma esquerda fraquíssima e uma direita comum (que inclusive eu acho que piorou). Somando tudo isso a uma postura patética de resignação, e o sérvio mesmo aparentemente estando abaixo fisicamente, não foi ameaçado em nenhum momento. O canadense estava com a frase “eu não acredito que posso vender” escrita no rosto dele desde o início de jogo, de forma que não vibrava ou se irritava. Lamentável, espero que esse tipo de jogador deixe de atingir fases mais avançadas de grandes torneios e deixe espaço para tenistas com mais técnica e personalidade. Felizmente, acredito que se processo já iniciou faz um tempo.

    Acredito que o Zverev tem boas chances, ainda mais se o sérvio realmente estiver com problemas físicos. Mas eu não acredito muito, afinal ele tem muita fama de milongueiro. O teatrozinho que ele fez hoje, com caretas e tudo mais, é típico de quem tem o ego inflado, de quem se acha o cara por vencer após um desconforto físico e gosta de dar aquela valorizada. Pra sorte dele, funcionou pq do outro lado da rede havia um tenista com postura de perdedor.

    Uma pena a derrota do Thiem, pra mim um dos favoritos ao título junto com Medvedev, Rublev e Zverev. Cada derrota de um tenista mais jovem que já amadureceu é motivo de comemoração para Nadal e Djokovic, que vem contando com a falta de concorrência (e um Federer fora do auge) para empilharem títulos. Até quando essa sorte irá durar? Essa é a grande questão.

    1. Luiz Fabriciano

      Interessante seu comentário.
      Como o canadense não ameaçou em muito algum, se chegou a empatar o jogo em um set a um?
      Outro ponto: o canadense não vibrava nem se irritava… ele nunca fez isso, mas quando é o sérvio que vibra e se irrita, é mal carácter.
      Bem imparcial!

    1. José Nilton Dalcim

      Vejo dois problemas. O primeiro é a parte emocional, que oscila muito e pesa nas horas importantes. A outra é a tática: ele aposta muito no seu físico privilegiado e não vai à rede como deveria, prefere ficar na correria, se defendendo. Lembra o Monfils nessa forma de jogar, que aliás me irrita um tanto… rsrs…

  37. Marcilio Aguiar

    Não vi o jogo da Serena, mas mesmo com toda a aparente falta de condicionamento físico ela vai em frente. Quem é rei nunca perde a majestade!
    Belo jogo entre Muguruza e Osaka. Uma final Osaka x Barty seria ótimo, mas o caminho da japonesa é espinhoso até a final. Promessa de ótimas quartas femininas.

  38. Marcilio Aguiar

    Dalcim, bom dia! Acho que o maior perigo para o Djoko seria o Thiem. Dos que restaram o Zverev é o mais qualificado no momento, mas as suas chances estão na dependência da estabilidade do serviço, o que não é nada certo diante da pressão que o Djoko oferece ao sacador. O Dimitrov, apesar da categoria e de se sentir a vontade em quadras rápidas, tem o peso do fator mental num hipotético confronto conta o sérvio. Já esse russo qualifier não tem nada a perder. Pelo que vi um pouco contra o Dieguito e no jogo todo contra o Félix, mete a mão na bola sem dó e tem uma boa mobilidade, ao contrário do lento Raonic. Vi que ele tem 27 anos e nunca tinha lido ou ouvido nada sobre ele (talvez eu esteja desinformado). Num confronto contra o Djoko, não digo que vá ganhar, mas pode complicar um ou outro set, levando a tiebreaks. A minha análise faz algum sentido ou está muito fora?

    1. José Nilton Dalcim

      Um tenista com qualidade e sem responsabilidade é perigoso, com verteza. Mas um set estaria de bom tamanho em condições normais.

  39. PI

    Sou nolete, mas que ele vive dando migué msm não há dúvidas hahaha. Tem nada de errado, fazer careta tá dentro das regras, e se o oponente se desconcentrar, azar dele. Competição eh competição, se tá dentro das regras e pode te ajudar, tem que usar msm. Lembro de um jogo há mtos anos, acho que era do Murray contra alguém que não lembro, e o Murray lesionou, mas quis seguir no jogo. O adversário passou a deixar deixadinha em 95% das bolas, e o Andy n conseguia chegar em quase nenhuma, aí o público começou a vaiar. Qnd acabou o jogo foram entrevistar o Murray e ele disse que o cara tava certo, que jogo eh jogo e o que está na linha eh a carreira deles. Qualquer brecha pra vitória tem que ser aproveitada.

  40. Sérgio Ribeiro

    E o cara que mais reclamou do físico pós COVID , esbanjou contra Thiem. Este demonstra que faz muito esforço pra jogar. Seus golpes mesmo plásticos necessitam de muito esforço . Quando não está 100 % não consegue enganar . Já Novak vence com 70 % vários oponentes . Mas o que está apresentando não me parece o bastante daqui pra frente . Óbvio que tudo isso a meu ver. Abs!

  41. Evaldo Moreira

    Olá , saudações….
    Novak Milongas pra variar, rsrsrsrs, muito mal explicado essa suposta ruptura, mas enfim venceu um Raonic fraco, medonho e sem ambição, fato.
    Que jogo esse da Serena, gostei da mobilidade e alternativas que ela procurou no jogo, achei a Sabalenka cheia de histeria, gritaria e se achando a bala dos doces, menos filha, quer ganhar, pés no chão primeiro e saber dosar a força e em conjunto a ansiedade, é jovem tem muito a aprender.
    Dalcim, fiquei curioso, quando você fez a menção de um Dimitrov esforçado, mestre com todo o respeito discordo de ti, o cara tem um jogo vistoso, muito técnico, e de ótimas variações, o grande problema, é a cabeça dele que não anda…, mas o esforçado que você quis dizer, é que o jogo dele não margem para mais, ou é ao contrário dalcim?

    1. José Nilton Dalcim

      Ele tem talento, mas se esconde atrás de um tênis muito defensivo, adora ficar na correria. Seria muito mais eficiente se fosse à frente, a meu ver. Mesmo diante das limitações do Thiem, ainda ficou atrás nos dois primeiros sets. Ele pode mais, mas não deslancha e o tempo está ficando curto para ele, que é muito talentoso e ótima mão.

  42. Rubens Leme

    Nós, brasileiros, adoramos chamar os argentinos de milongueiros. Mas, Djocovid está fazendo um enorme esforço para tirar da Argentina este “privilégio”.

    O bicho corre feito um condenado por toda a quadra, chega em bolas impossíveis e depois respira fundo, finge uma dorzinha, faz careta e começa tudo de novo. É da mesma cartilha do Andy Murray, outro que adora fazer cara de “não estou aguentando mais!” e maratona por seis horas seguidas.

    As lesões do sérvio são apenas isto, milongas. Andy Roddick que o diga.

    PS: parabéns ao Dimitrov, um dos caras mais talentosos do circuito. Muito irregular, mas tecnicamente um dos melhores de se assistir.

  43. Marcos

    Dalcim, eu achei que a parte debaixo da tabela feminina ficou bem mais complicada com Halep, Willians, Osaka e Muguruza. A organização pode ter favorecido Barty ou é apenas sorte mesmo?

  44. Cassio Carvalho

    Que pena que no caminho do quadrante ficaram Sinner, que perdeu do Shapo, Shapo que perdeu do Felix. E Felix que perdeu do russo. Queria algum dessa molecada genial chegando nas quartas. Azar de sorteo.

  45. Gilçon De Jesus

    Dalcim , parecia quem estava machucado era o Raonic , não o Djokovic . O homem não se movimentava parecia uma estátua.

  46. sandra

    Acho pouco provável o Djokovic ir para a final, acho muito mais fácil Nadal ir para final, mas ia ser engraçado os dois contundidos na final !!! rsss,o que você acha? eu como torcedora Djoko do Flamengo em tempos de pandemia sem sair muito de casa ia ser um presentão os dois serem campeões , melhor que isso só Bolsonaro ter uma dor de barriga daquelas rsss e cair duro

  47. Alessandro Siqueira

    E com a vitória de número 300 em Slam, Djokovic chega à semana 308 na liderança da ATP. Isso aí, o recorde de semanas é questão de tempo, pouco tempo.

    1. FLAVIO

      Alessandro mesmo imitado hoje o Djokovic ganhou do freguês, mas contra o Zverev eu acho que quem vencer desse duelo deve ir a final, mas vamos ver no que vai dá.

    2. Sérgio Ribeiro

      Somente agora descobriu isso , parceiro ?. Ele não precisa nem defender pontos para atingir o recorde de Semanas não CONSECUTIVAS . Este que faz parte dos Recordes da ATP o buraco é bem mais embaixo … rs . Abs!

Comentários fechados.