Djokovic garante o melhor na semi
Por José Nilton Dalcim
20 de novembro de 2020 às 19:53

Só faltava Novak Djokovic para que as semifinais do ATP Finals deste ano reunisse pela primeira vez, desde 2004, todos os quatro principais cabeças de chave nas rodadas decisivas. E o número 1 do mundo não decepcionou. Esqueceu da dura derrota de quarta-feira, recuperou o nível e a confiança diante de um Alexander Zverev sempre mais instável porém competitivo.

Pela nona vez em 13 participações, Djokovic avança ao mata-mata e tenta recuperar a hegemonia que teve pela última vez em 2015. Nesse período, perdeu duas finais, ficou de fora em 2017 e parou na primeira fase no ano passado. Num momento histórico de sua carreira, em que atinge recordes e mira façanhas especiais, o quinto título na O2 – o primeiro foi em Xangai – seria espetacular.

O desafio deste sábado é dos grandes. Embora lidere por 7 a 4 sobre Dominic Thiem, é inquestionável que o austríaco deu um salto técnico e físico, a ponto de ter vencido 4 dos 6 últimos duelos contra o sérvio. E não se pode dizer que isso só ocorreu no saibro, porque as duas últimas verdadeiras batalhas foram na quadra dura. Há um ano, Thiem ganhou no mesmo Finals no tiebreak do terceiro set e dois meses depois levou Nole a cinco disputadíssimos sets no piso ainda mais veloz de Melbourne, em que chegou a liderar o placar por 2 a 1.

É razoável conceder o favoritismo a Djokovic, que joga perto da linha, pega na subida e tira o tempo tão precioso para Thiem armar seus golpes, especialmente o backhand. Mesclar saques abertos seguido de voleios serão boa alternativa diante do recuo exagerado do austríaco nas devoluções. Ao mesmo tempo, será essencial não encurtar bolas porque os golpes pesados de Thiem são difíceis de segurar. E ficar esperto com a variação de slices e batidas na paralela que o backhand adversário consegue produzir com magistral eficiência.

Daniil Medvedev finalizou a fase classificatória como  grande sensação. Venceu todos os sets disputados, cinco deles por 6/3 e um outro por 6/4. Ele até poderia ter economizado energia, mas jogou sério e solto contra Diego Schwartzman, com direito até a voleios firmes. Chegará cheio de confiança para o quarto duelo diante de Rafael Nadal na quadra dura e o segundo na própria arena O2.

O histórico é muito favorável ao espanhol, que jamais perdeu, mas todo mundo se lembra da reação incrível do russo na final do US Open de 2019 e do jogo duríssimo que fizeram na fase classificatória do Finals, com placar de 6/7, 6/3 e 7/6. Portanto, é de se esperar intensas trocas de bola e se dar grande importância ao saque, o que permitirá a cada um dominar pontos e simplificar o esforço.

Bruno prejudicado
Depois de uma suada vitória, outra vez no match-tiebreak, Bruno Soares e o croata Mate Pavic ficaram na torcida para que Marcel Granollers e Horacio Zeballos tirassem ao menos um set de Jurgen Melzer e Edouard Roger-Vasselin. Parecia tudo tranquilo quando os dois sacaram com 5/3. Mas não fecharam. Permitiram ao contrário a reação e quando chegou o tiebreak, Granollers parou. Acusou dor no ombro e desistiu. Dessa forma, Melzer/Vasselin ganharam exatamente por  2 a 0, como determina a regra, único placar que os classificava.

Não ficou bonito. Que ao menos se disputasse o tiebreak. Granollers por enquanto não abandonou e tentará jogar a semi de sábado contra o croata Nikola Mektic e o holandês Wesley Koolhof, enquanto Melzer/Vasselin encaram o norte-americano Rajeev Ram e o britânico Joe Salisbury.

Soares e Pavic encerram a parceria dessa forma triste, mas ainda podem terminar como a dupla mais bem pontuada de 2020, desde que Ram/Salisbury não cheguem à final.

50 anos de Finals
O milionário texano Larry Ellison convenceu a ATP a realizar o Finals em quadra descoberta, algo que só havia acontecido em 1974, na grama de Kooyong. Foi no entanto o segundo menor estádio que sediou o torneio, com capacidade para 5.240 pessoas. Roger Federer ganhou ali os dois primeiros de seus seis troféus, em decisões fáceis. A de 2004 foi em apenas dois sets, repetindo a exceção de 1979. Esse regulamento só mudaria definitivamente em 2008.


Comentários
  1. O LÓGICO

    VADE RETRO ROBOZINHO PRIMOGÊNITO DO SATANÁS. VOCÊ NÃO ESTÁ À ALTURA DESSE TORNEIO “ONDE OS FRACOS NÃO TEM VEZ” KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    Responder
  2. Paulo Lourenço

    Como torcedor do sérvio, sem fanatismo, tenho algumas considerações:
    – Djokovic precisará “reinventar” o seu estilo de jogo urgentemente. Saque, voleio, drop shot, smash, mentalidade vencedora, etc.
    – Ele tornou-se um “passador de bolas” literalmente. Sem agressividade e “olho de tigre” para vencer.
    – Declínio técnico e físico evidente.
    – Se não mudar o estilo a carreira será abreviada. Basta observar a dificuldade nos jogos contra tenistas de alta qualidade…

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Não é declínio técnico, é FALTA de técnica mesmo!

      Mas falta de físico?

      Aí não, né…

      Ele ainda tem o melhor físico do circuito, porque se não tivesse, nem Top 50 ele seria!

      Responder
    2. sander

      Concordo. Falta agressividade. Esta excessivamente passivo. Sou fã dele, mas ta difícil ve-lo jogar de forma tão passiva, sempre esperando o erro do adversário e nunca tomando as redeas como no passado. Backhand de paralela já quase não existe. Essas interferências de problemas extra quadra atrapalham demais.
      Como vc disse, ele terá de se reinventar, como federer quando contratou o edberg. Trocou raquete, ficou mais (ainda) agressivo, etc…

      Responder
  3. Ronildo

    A fragilidade mental de Djokovic se deve a dois motivos:

    O primeiro e mais óbvio é a idade que não lhe garante mais intermináveis maratonas dentro da quadra mantendo a mesma qualidade do tênis jogado.

    O segundo motivo é a aproximação da quebra dos recordes de Federer. Como ele mesmo sabe que é um tenista inferior ao Federer, não consegue controlar os nervos como naqueles tempos que competia sempre na rabeira do Federer. Uma coisa é competir sempre como franco atirador, outra coisa é competir sempre como favorito, cuja possível derrota causa uma grande comoção! Djokovic além de ter saído da rabeira de Federer, está prestes a quebrar alguns recordes do mais importante tenista de todos os tempos, sabendo ser um tenista de qualidade inferior.

    Eis os motivos de sua visível fragilidade emocional.

    Responder
    1. Luiz Fabriciano

      Aí não rolou “lé com cré” Ronildo.
      Como que um tenista sabidamente inferior a outro está prestes a superar records desse outro? E ainda ser afetado mentalmente por isso?
      Agora concordo que hoje, especialmente hoje, sua mentalidade lhe deixou na mão, apesar dele dizer que não.
      Thiem perdeu o segundo set para ele mesmo e tomou o terceiro das mãos do sérvio.

      Responder
  4. Maurício Luís *

    Quando o Djoko perdeu pro Lorenzo Sonego em Viena, teve internauta aí afirmando que foi “jogada de mestre” pra se poupar pro Finals.
    E AGORA? Será que foi jogada de mestre pra se poupar pro Australian Open?

    Responder
  5. Oswaldo E. Aranha

    Quem estava com 4×0 no tie brake e deixou o adversário virar o jogo, não merecia mesmo ganhar.
    Estarei ausente por um período e voltarei quando a Gabi voltar.

    Responder
  6. Vitor Hugo

    Sabem qual é a maior lamentação das djokovetes nos comentários do tênisbrasil!? Acreditem se quiserem, a idade! Kkkkk A idade está chegando para o sérvio…
    Não acreditam? Vão dar uma olhada lá!
    Mas para Roger, magina! A diferença de idade de Thiem pra Nole é a mesma do sérvio pra Roger…
    Mas para o suíço é desculpinha pra boi dormir….
    O mundo dá voltas! Kkkkkkk

    Responder
    1. André Barcellos

      Exato! Um grande tenista 6 anos mais novo começa a levar frequentemente a melhor para cima de uma lenda. É a mesmíssima história. Com a diferença que Thiem é um grande tenista e Federer teve que lutar contra outro fora de série depois do declínio físico.

      Responder
  7. José Eduardo Pessanha

    10 motivos por que Roger Federer é, DISPARADO, o maior tenista de todos os tempos:
    OBS: Lista decrescente em nível de dificuldade, de acordo com minha modesta opinião.

    1 – É o tenista mais técnico, habilidoso e inventivo de todos os tempos;
    2 – É o tenista com mais finais (10), semifinais (23) e quartas-de-final de GS consecutivas (36);
    3 – Nunca abandonou nenhum jogo em quase 1600 jogos como profissional;
    4 – Foi líder do ranking por 237 semanas consecutivas, numa época em que as finais de Masters Series eram disputadas em melhor de 5 sets e os mesmos torneios possuíam uma rodada a mais em relação aos de hoje;
    5 – Fez a maior temporada da história do tênis, com 92 vitórias em 97 jogos disputados, perdendo jogos pra somente dois jogadores;
    6 – É o recordista de Grand Slam conquistados e de ATP Finals vencidos;
    7 – Foi pentacampeão consecutivo nos dois principais torneios do mundo do tênis (Wimbledon 2003-2007 e US Open 2004-2008;
    8 – Venceu 5 ou mais vezes os 3 principais torneios do mundo: 8 Wimbledons, 6 AUS Open e 5 US Open;
    9 – É e vai continuar sendo o recordista de liderança em número de semanas;
    10 – É o único tenista em atividade que disputou partidas de Grand Slam no século XX, perfazendo incríveis 22 temporadas consecutivas disputando partidas de Grand Slam;

    Existem inúmeros outros feitos, mas esses retratam de forma precisa a grandiosidade do super craque suíço. Convenhamos, Djokovic e Nadal não chegam nem perto se considerarmos esse Conjunto da Obra.
    Abs

    Responder
    1. José Eduardo Pessanha

      Roger sofreu somente 1 pneu nas últimas 21 temporadas, que foi aquele triste 6/0 da final de RG 2008. No total, foram 4 pneus sofridos em toda a carreira, sendo 3 em 1999.
      Os números do Big 3 são os seguintes:
      – Federer: 95 pneus aplicados e 4 sofridos;
      – Nadal: 112 pneus aplicados e 15 sofridos;
      – Djokovic: 95 pneus aplicados e 10 sofridos.

      Considerando que Nadal e Djokovic ainda não eram profissionais em 1999, ano em que Federer sofreu 3 pneus, tem-se a seguinte inferência:
      Desde o início da carreira do Nadal, o espanhol sofreu 15 pneus e o suíço apenas 1 e, desde o início da carreira do Djokovic, o sérvio sofreu 10 pneus e o suíço apenas 1.

      Fonte: https://firstsportz.com/the-big-3-bagels-served-and-received-by-each-of-the-3-greats-of-tennis/

      Abs

      Responder
      1. JAN DIAS

        Excelente Pessanha!! 👏🏻 👏🏻 meus parabéns!

        Sei que não conta pros números da carreira, mas acrescento os 17 Atps.tour.com Fans Favorite Award ( 17 Prêmios ATP de jogador + popular do ano eleito pelos fans).
        Vem ganhando direto desde 2003

        Responder
  8. Daniel C

    Que belo resultado! O Thiem garantiu que o título ficará entre 3 jogadores que praticam um tênis bem mais interessante (o Medvedev um pouco menos, mas gosto mais de assistir aos jogos dele do que aos jogos daquele que grita com boleiros).

    Tudo leva a crer que a final amanhã terá mais ibope agora rs

    Responder
  9. Rodrigo S. Cruz

    HAHAHAHAHAHA

    Que dia feliz e fantástico!

    Dia em que o Encosto sacramenta a merecida condição de FREGUÊS do Thiem, no ATP Finals!

    Chupa, Encosto chiliquento, assassino do tênis-arte!

    Chupa segmento XIITA da seita “Jim Djoko- Jones”

    Chupa bravateiro Léo Gávio!

    Hahahahaha

    4 x 0 no tie-break, por puro vacilo do Thiem, e o chiliquento ainda perde!

    Cadê a tal da força mental ???

    Aliás, cadê o xadrez 3D do sérvio, hein sr. LÉO GÁVIO?

    Nisso que dá NÃO TER TALENTO pra gerar força na bola, como faz o adversário, e só depender do vacilo alheio!

    Foi todo confiante na estratégia medíocre de forçar um tia-break, pra ganhar na instabilidade mental do outro, mas se ferrou…

    Funcionou com o Federer em Wimbledon, mas não com o Thiem, o ardil medíocre!

    Responder
  10. José Eduardo Pessanha

    300a vitória de Thiem – 27/11/2020, com 27 anos e 2 meses
    300a vitória de Federer – 13/09/2004, com 23 anos e 1 mês
    Rapaz, que diferença abissal. O Big Three é mesmo um fenômeno de resultados e de longevidade, principalmente o espetacular Craque Suíço.
    Abs

    Responder
  11. Luiz Henrique

    Thiem está impressionante nos momentos de pressão. Tudo bem q sentiu no final do 2º set, mas só no finalzinho. Antes de chegar lá enfrentou vários 30 iguais, um 15-40, e conseguiu se salvar jogando MUITO.
    Por incrível que pareça, eu tenho tido a sensação ultimamente, de que se o set chega no 5 a 5, ele é o favorito pra ganhar, e isso até mesmo contra o Big 3.
    Pode parecer insano, mas é o que tenho visto. Ele tem jogado com muita coragem nesses momentos.
    Talvez a exceção tenha sido a dupla falta no match point…mas será que foi mesmo? Pq passar por isso e ficar no jogo e ganhar no TB do 3º na verdade reforça mais ainda isso.
    Quem quiser ganhar dele na final, de preferência ganhe por 6/4 6/4.
    Impressionante.
    Thiemito!!!!

    Responder
  12. Vitor Hugo

    Lapada na next gen aqu!, surra da molecada alí, humilhação pro baloeiro acolá! Kkkkkkk

    Tá fácil pro bagre sérvio não!!!! Kkkkkkk

    Salvem Domimic Thiem, o melhor sobre as HARDS momento!!!

    Responder
  13. Luiz Fernando

    Depois de perder vários mpoints no set2, inclusive o primeiro com uma dupla falta bisonha no meio da rede, eu sinceramente achei q o Thiem já era, mas ele demonstrou hj q está pronto p outros voos, mais altos. A reação no tiebrek, saindo de 04 foi incrível, e tudo isso frente a um ícone do esporte, a um cara acostumado a vencer. Fortíssimo candidato ao titulo amanha, diria inclusive com algum favoritismo contra qualquer um dos outros dois adversários potenciais. Por outro lado, vejo Rafa, se passar pelo russo, com muito mais chances de vencer o austríaco do q teria se encarasse o servio. Daqui a pouco tem Rafa…

    Responder
  14. Paulo F.

    Parabéns Thiem pela vitória.
    Não sou membro de seita para ficar buscando desculpas contraditórias como a idade do líder.
    Mas como, para variar, se desgasta demais fisicamente , durante as campanhas dos torneios que participa, duvido que amanhã consiga fazer frente a Nadal ou a Medvedev.

    Responder
  15. Gildokson

    Que belíssima vitória do Thiem!
    Depois do 0x4 nesse último tie eu achei que a cabeça ia baixar, mas o cidadão foi firme.

    Paulo Almeida, responde pra mim por favor. Quem é o maior campeão do Finals??! kkkkkkkkkkkkkkkkkķkk

    Responder
  16. José Eduardo Pessanha

    É, Djokovic. Mais um recorde do Craque que você não vai alcançar. Já são dois: número de GS e número de Finals. E possivelmente perderá a ponta no Australian Open. Gostamos.
    Abs

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      “Superestimado” não serve mais para adjetivar o Dominic.

      O cara é um TREMENDO jogador, isso sim.

      Superestimado era o Aliassime!

      Aquele que você queria projetar até como número 1, no futuro.

      kkkkk

      Ainda bem que você acordou e mudou de ideia, né…

      Responder
  17. Luiz Fernando

    Set2 com Thiem com a faca e o queijo na mão, mas no final ficou sem nenhum dos dois. Tiebrek com muitos erros de parte a parte e vitoria do Djoko. O momento parece ser do servio, vamos ver como esta o mental do Thiem depois de desperdiçar alguns matchpoints…

    Responder
  18. Luiz Fernando

    Primeiro set p Thiem, q arriscou mais e por isso errou mais, mas no fim venceu. Djoko fez alguns voleios excelentes mas outros medíocres, não conseguindo superar o austríaco no fundo da quadra. Vamos p o set2.

    Responder
  19. Daniel sales

    Dalcim,em sua opiniao,todos esses recordes que Djokovic tem,e possivelmente tbm o de semanas como líder,já o colocam como o maior de todos tempos?mesmo sem ter o maior número de slams?ou a distância para federer e Nadal ainda são muito grandes?abçs

    Responder
      1. José Eduardo Pessanha

        Dalcim, Federer em 2006 só perdeu jogos pra Nadal e Murray. Deve ter sido a única vez em que um líder do ranking perdeu pra somente dois jogadores ao longo de um ano, não?
        Abs

        Responder
  20. Alison Cordeiro

    Vi todos os jogos de Djoko e me pareceu com o freio de mão puxado. Me parece que ter garantido o número 1 lhe bastou para saciar a “fome” nesta temporada. Já Nadal me pareceu sempre bastante “ligado”, o que é seu natural, sempre vai ao limite. Thiem me engana demais, tenho a impressão que ele está meio preguiçoso e “de repente” ele solta uns torpedos mortais indefensáveis. Posso estar redondamente enganado, mas o russo foi o mais sólido nesse “round Robin”. Se tivesse que arriscar um campeão, apontaria ele.

    Vi nas notícias da TenisBrasil que desde 2004 os 4 melhores do ranking não faziam as semi. Surpreendente. Mostra que o nível desse torneio é o maior que existe. Não é à toa que Nadal ainda não beliscou sua taça. Já Guga nos brindou com uma. O que eleva demais o feito do “manezinho”. Precisa estar “on fire” no final de temporada, superar o desgaste físico e mental.

    Responder
  21. Marcilio Aguiar

    Dalcim, comecei a ver esse video do Top 10 ATP finals, mas pela longa duração vou ver por partes. Até agora assisti aos dois primeiros hilights, e o que impressionou foi a diferença de velocidade entre o jogo 2003 Federer x Agassi para o de 2010 Ndal x Murray. Ambos tiveram jogadas brilhantes, espetaculares, entretanto o jogo de 2003 foi disputado num ritmo espantoso. Hoje não existe definitivamente jogos tão velozes devido as condições de quadra, bolas etc.

    Quanto ao acontecido com a dupla do Bruno, é o regulamento mas é uma aberração. Em qualquer outro torneio se uma jogador abandona uma partida esta eliminado. Porque não no finals, mesmo o jogador ou a dupla estando classificada antecipadamente? Acho que isso tem que mudar para as próximas edições pois da margem a comportamentos duvidosos. O que voce acha?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      O regulamento permite que uma contusão em quadra, durante o jogo, permita que o tenista tente se recuperar para a rodada seguinte. Concordo com você que não fica bem, ainda mais num caso em que a vaga estava em jogo. Ele poderia ao menos terminar o set sacando por baixo. Não podemos obviamente acusar o Granollers de se poupar pensando na semi, porém deveria haver mais rigor para evitar isso.

      Responder
  22. Alexandre

    Dalcim,
    Neste cenário que se formou para as semis vc acha que Nadal campeão poderemos chamar de “zebra” diante dos outros três jogadores que se destacam bem mais neste piso?
    Abraços…Bom dia!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      De forma alguma, Alexandre. O histórico do Nadal na quadra dura, mesmo na coberta, é infinitamente superior à de Thiem e Medvedev. O único teoricamente superior é mesmo o Djokovic.

      Responder
  23. Paulo F.

    Estupendas semifinais!
    Mas vejo melhores chances para Djokovic do que para Nadal.
    Obviamente torcerei para mais uma edição da maior rivalidade da história do tênis no domingo.

    Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Não tenta consertar que piora.

          Você afirmou que no tênis só pode vencer quem faz mais pontos.

          kkkkk

          Ué, se for assim, de que maneira o Encosto venceu o Federer em Wimbledon?

          Venceu porque fez MAIS SETS, e não porque fez mais pontos, gênio!

          Responder
  24. EDVAL CARDOSO

    Bom dia Dalcin
    Qual critério que usam pra ordem dos jogos?
    Num esporte onde o físico é um dos principais fatores, acho uma vantagem muito grande os classificados de um grupo terem um dia a mais de descanso em relação ao outro, sendo que o prejudicado é justamente o grupo que está o número 1.

    Responder
  25. Antônio gabriel

    Acho que o serviço do Djoko tem sido muito instável, não teve o serviço quebrado, mas foram várias chances que o Zverev teve hoje, se não ficar mais firme no saque, acho que nao terá muita chance contra o Thiem amanhã.

    Responder
  26. Gustavo M.

    Dalcim,

    com todo respeito à sua análise, sempre bastante fundamentada e vinda de alguém que assistiu e entende do esporte, mas sinceramente achei que o Nole ganhou mais uma vez pq sou jogar os pontos importantes. Zverev, a meu ver, foi superior no segundo set e poderia ter levado a parcial, colocando fogo no jogo. Do 3/0 em diante, o jogo ficou equilibrado e o alemão foi jogando cada vez melhor, indo pras bolas, o que resultou num alto número de winners. Em um dado momento do segundo set, chegou a estar 20 a 2 em bolas vencedoras. Um terceiro set, no mínimo, me pareceu mais justo, porém sabemos que o Nole cresce nos pontos importantes e dessa vez, novamente, foi o que decidiu. Não vejo o sérvio jogando em alto nível desde RG.

    Responder
  27. Rafael Azevedo

    Eu disse que o Granollers e o Zeballos iam fazer corpo mole…
    Uma pena!
    Bruno e Pavic não podiam ter perdido aquela partida para o espanhol e o argentino.
    E essa regra, Dalcim? O Granollers abandonou uma partida e vai disputar a próxima (no dia seguinte)? Isso também pode ocorrer nas simples?

    Responder
  28. Lucas Leite

    Dalcim, para mim o Djokovic jogou meio que no automático até agora, sem apresentar seu melhor nível. Se você tivesse que dizer a quantos porcento da sua capacidade o sérvio jogou até agora, o que diria?

    Responder
    1. José Eduardo Pessanha

      E quase todos esses locais foram bombardeados pelo “pacifista” Barack Obama, resultando em centenas de milhares de mortos e milhões de refugiados. Só estou citando o Obama por causa do frenesi que os internautas brasileiros tiveram quando souberam que o Obama seria entrevistado pelo Bial na Rede Globo. Não existem mocinhos na política, Periferia. Pelo contrário.
      Abs

      Responder
  29. Marlon

    Dalcim, boa noite! Dalcim, eu falei nos comentários da reportagem q vc fez sobre djoko, e tenho uma certa desconfiança que ele perdeu de “propósito”, e, ficou em 2 ,para, quem sabe, fazer uma eventual final com Nadal e da o troco por roland garros! Ganhar de Nadal seria fechar o ano com chave de ouro! O que vc acha?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não acredito que um tenista do calibre do Djokovic perca de propósito, Marlon. Seria um risco muito grande a correr só para evitar o Nadal na semi. Além do que, o retrospecto do sérvio contra Rafa em quadra dura tem sido excelente.

      Responder
    2. Efraim Oliveira está a

      Acho sem lógica isso daí, porque aí pegaria o Thiem numa semi que leva bastante perigo pra ele. Se fosse pra controlar, como acho que ele fez em 2014, ele iria pra um semi mais fraca e apostaria tudo numa final. Não faz sentido inverter isso.

      Responder
    1. Luiz Fernando

      Caras como vc q em um ambiente virtual vivem mudando de nick só merecem desprezo. Nos dois sabemos muito bem quem diz a verdade e quem mente. E igualmente sabemos quem assume e mantém o q diz e quem não o faz…

      Responder
      1. Vitor Hugo

        Te peguei, cara! Não tem argumentos, não tem como provar, ou seja, é um mentiroso!
        Se eu mereço desprezo, por que continua respondendo meus comentários então? Me esquece, cara! E o que me diz do fake de facebook que vc fez pra comentar na página do tênisbrasil, hein?

        Dalcim, ponto final na discussão! Só quis me defender da acusação de comemorar apendicite de jogador.

        Grato!

        Responder
  30. rafael

    O Djoko sacou muito bem, tanto que não teve o serviço quebrado nenhuma vez. Além de ter se movimentado e contra atacado com a eficiência de sempre.
    Se ele sacar dessa maneira, a dificuldade aumenta pro Thiem. Estou certo Mestre?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ele sacou bem, é verdade, mas teve sim seus problemas com o serviço, Evaldo. Safou-se de um perigoso 15-40 no primeiro set e evitou quebra de vantagem para Zverev no segundo. Fez ainda três duplas faltas. Mas com certeza sacar bem será importante contra o Thiem, embora o austríaco não tenha uma devolução tão agressiva.

      Responder
  31. Ruy Machado

    Boa noite, Dalcim! Casca grossa amanhã tanto para Nadal como para Djoko. Pela história de ambos, merecem o favoritismo. Mas Thiem e Medvedev estão voando baixo… Acredito que serão dois grandes jogos! Tenho minha torcida pelo Rafa e ele terá que jogar, no mínimo, como fez contra o grego no 1° e 3° Set do jogo de ontem. Abc

    Responder
  32. periferia

    Olá.

    Grande risco de acontecer uma final entre Nadal e Djokovic (seria uma grande final)….mas caso aconteça….e a “next” ???

    Um portal britânico elegeu Lewis Hamilton o melhor piloto de todos os tempos .
    Lewis Hamilton nunca venceu uma corrida com outro motor….todas as vitórias dele foi com motor Mercedes.
    Senna ganhou corridas com 3 motores…..Prost com 4….Fangio com 3…..Schumacher com 3 .

    Responder
    1. Luiz Fabriciano

      Concordo com você.
      Para mim Senna ainda é o melhor da história, apesar de ter números quase que incipientes em relação a Lewis.
      O que o brasileiro fazia em qualquer condição, fosse de carro, pista ou clima, nunca vi outro, exceto algumas exibições do também falecido Gilles Villeneuve.

      Responder
      1. periferia

        Ola Luiz.

        Eu prefiro o Jim Clark….não como o maior piloto da fórmula 1….mas como o maior piloto de carros que o mundo conheceu.
        Ele ganhou 25 corridas na formula 1…2 campeonatos mundiais..correu em Indianápolis e ganhou ( único a ganhar o campeonato de fórmula 1 e Indianapolis no mesmo ano).
        Foi 2 vezes segundo em Le Mans…venceu de Turismo (Nascar hoje)….formula 2 (Em uma época em que o fórmula 2 era uma categoria importante).
        O cara corria com qualquer coisa que tivesse rodas… corria e ganhava.
        Morreu em um acidente de fórmula 2 com 32 anos….foi piloto preferido de Chapman (Lotus).

        Abs

        Responder
        1. Luiz Fabriciano

          O Chapman era o “pai” da Lotus, lembro-me dele, inclusive de jogar o boné para o alto nas vitórias. O Jim Clarck não vi correr ao vivo, o que faz diferença, por isso ainda prefiro o Senna. O que ele fez na F3 foi demais. Outra coisa foi simplesmente quebrar o record da pista em sua primeira volta teste em um F1.

          Responder
  33. Luiz Fabriciano

    Mestre, hoje ao assistir Djokovic e Zverev, vi um lance que jamais tinha visto: Zverev pediu revisão por vídeo em um lance. Desde quando esse recurso está disponível aos jogadores?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sempre esteve, Luiz. Isso aconteceu também nos outros torneios com marcação eletrônica, como Viena e Colônia. É um direito quando o sistema acusa um ‘close call’.

      Responder
      1. Luiz Fabriciano

        Não tinha visto ainda.
        Mas o “close call” como o nome já diz é quando a bola é muito próxima da linha e acontece sempre.
        Me referi à chamada do Zverev quando o juiz marcou touch numa deixada do sérvio, ou seja, a reprise foi feita em vídeo real, na cadeira do juiz, como o VAR no futebol e não em formato de gráfico eletrônico. Nunca tinha visto.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Ah, verdade, Luiz. Também me surpreendeu, mas de forma totalmente positiva. Sempre achei um absurdo não se recorrer a isso em caso de dúvida, como seria de um ‘foot-fault’. Vale muito mesmo usar o recurso eletrônico para tirar dúvida em ponto importante. E você viu que em segundos o árbitro tomou decisão correta. O VAR precisa evoluir muito.

          Responder
          1. Luiz Fabriciano

            Exatamente.
            Na verdade ele já tinha decidido. O vídeo serviu apenas para provar ao Zverev que ele estava certo.
            No VAR ninguém sabe antes o que será e esperam decisão de uma equipe.

  34. José Eustáquio Masculino Cruz

    Caro Guru mestre.O Espanhol vai sem desmerecer o Russo mas atropelar ele vai ganhar este torneio.As pessoas que não entendem de tênis e que acompanha o Espanhol diz a si mesmo este cara é fácil ganhar dele mas só ratifica o que falei ele tem uma técnica alguma coisa pegou quando estava na frente talvez o nervosismo e apressou demais para matar os pontos.Agora tomara que se apresse menos e a intensidade continuará pois sabe se ficar passivo dificilmente ganhará.Até que enfim chegou a hora de ganhar este torneio.

    Responder
  35. Leo Gavio

    Tudo pronto para o sexto titulo de Novak DjkGOATvic.

    A estratagia foi meticulosamente montada na segunda rodada, apos vitoria do Thiem sobre Nadal, ficou claro que o servio precisaria empurrar Nadal pro colo do Mediva, que vem jogando um tenis muito solido, sacando com muita qualidade.

    Na mente do Djoko é mais facil bater o fregues saibrista Thiem do que o megacampeão Nadal. Seria muito mais dificil bater Cuecal na semi e depois bater Mediva na Final, Djokovic foi brilhante, entregou o jogo pro russo, colocou ele no colo do virjão de Finals, porem papai do poste careca.

    Na final, o multicampeão e GOAT com honra, pega os restos mortais do bagaço que sobreviver a esse jogo de empurradores enfadonhos e prolixos.

    Pra vencer é preciso ter humildade, Djokovic perdeu aquela, foi humilde, foi inteligente, foi velhaco, mas a dose JAMAIS será repetida enquanto for quadra dura indoor.

    6 Finals
    17 Slams
    H2H entubador em Nadal e Federer
    Recordista de Masters
    Recordista de semanas como N1
    Recordista de temporadas como N1

    Rei das quadras duras, Semi-Rei da grama, Principe do Saibro

    Chupa Haters!! E ainda toma coquetel de esgoto pra esbanjar 🙂

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      “Djokovic foi brilhante, entregou o jogo pro russo, colocou ele no colo do virjão de Finals, porem papai do poste careca”.

      Pera lá, né.

      Eu também acho que o Medvedv vai bater o Nadal, por causa da superfície.

      Mas você tem tanto tesão em dizer bravata que nem fazer o dever de casa você fez (rs)

      Como que o Medvedev é “papai” do Nadal, se é o russo quem amarga um 3 x 0 do espanhol ??

      Responda essa, por obséquio…

      Responder
  36. Sandra

    O que quis dizer Dalcim no post anterior e que Thiem e Nadal vão ter um dia de descanso e que Medvedev e Djoko vão ter que jogar dois dias seguidos, se um dos dois forem para final

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, mas isso sempre aconteceu, Sandra. Não é novidade para nenhum deles. Felizmente, foram jogos com pouco desgaste e aí ninguém reclama.

      Responder
  37. Luiz Fernando

    Vejo ambos os jogos equilibrados, mas com ligeiro favoritismo p Thiem e Medvedev, o primeiro pelo momento instável do sérvio e o segundo pelo tipo de piso mais favorável. Para ter chances Rafa vai ter q sair do seu habitual estilo de aguardar e contra-atacar, procurando ser mais incisivo nas devoluções, algo q eu acho q ele tem procurado fazer neste torneio, mas o simples fato de continuar recebendo muito atrás já compromete essa possibilidade. Não há como negar a vantagem teórica do russo nessa quadra, mas Rafa é uma lenda viva do esporte que sempre pode se superar e vencer…

    Responder
      1. Luiz Fernando

        Eles só jogaram no piso sintético, mas vc não vê o russo melhor adaptado a esse piso do q Rafa? Eu vejo. Além disso, os resultados demonstraram um crescendo do russo, q de depois de levar pneu no Canadá teve 51 p vencer no terceiro set no Finals 2019 e ainda perdeu…

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Eles enfrentaram adversários distintos, então comparações são perigosas, Luiz. Com certeza Medvedev está em ótimo momento, mas gostei das atuações do Nadal. Achei o espanhol confiante na proposta mais ofensiva e, com o histórico favorável, vejo sim um ligeiro favoritismo para ele.

          Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *