Semi merecida para Nadal
Por José Nilton Dalcim
19 de novembro de 2020 às 20:53

Com três atuações de muito bom nível, seria um tanto injusto que Rafael Nadal ficasse de fora das semis do ATP Finals. Seus desafios no entanto estão longe de terminar. Agora terá pela frente o perigoso Daniil Medvedev, contra quem ganhou num tremendo sufoco há exatos 12 meses na quadra dura coberta da O2.

O saque foi o ponto alto do espanhol no primeiro set, encaixando 76% do primeiro serviço e perdendo apenas dois desses pontos. O índice caiu no outro set, Nadal precisou trabalhar mais cada ponto e, a exemplo do grego, cometeu dupla falta na hora do set-point.

A eficiência com o saque desabou para 54% num terceiro set marcado logo de cara por três quebras consecutivas. Mas aí o espanhol já era bem mais consistente que o adversário. Mexia-se com leveza, o que permitia usar o forehand e evitar bolas curtas. A estatística simplifica a análise: Nadal, tido como mais defensivo, marcou 32 a 24 nos winners. Tsitsipas, que precisava encurtar os pontos, errou 21 vezes contra meros 13.

O Finals está assim com 75% de chance de ter um novo campeão, como vem acontecendo continuamente desde 2016, já que o vencedor do grupo 2 em Londres foi Dominic Thiem. O austríaco sofreu a primeira derrota da semana contra um Andrey Rublev calibrado – foram apenas nove erros, algo notável para seu estilo socador -, mas me pareceu que Thiem não se empenhou tanto.

Os únicos que podem repetir o título são os que lutarão pela vaga derradeira, em duelo marcado para as 11h de sexta-feira: Novak Djokovic leva natural favoritismo sobre Alexander Zverev, o que se reforça pelo fato de os dois terem mostrado grande instabilidade nas rodadas anteriores. O alemão não possui a paciência de Medvedev para aguentar a pancadaria da base, então espera-se que vá para o risco. Se estiver num bom dia, o jogo ficará interessante.

Bruno perto da semi
A chance de Bruno Soares e o croata Mate Pavic passarem à semi é grande. Segundo os cálculos da ATP, uma vitória em sets diretos sobre Peers/Venus é o que basta. Se perderem um set, terão de torcer para Granollers/Zeballos tirar um set de Melzer/Vasselin. E mesmo perdendo Soares/Pavic ainda não estarão diretamente eliminados, desde que ganhem ao menos um set e Granollers/Zeballos terminem invictos.

A quinta-feira também reservou novidade para os dois maiores duplistas brasileiros. Bruno anunciou que irá retomar a parceria com Jamie Murray em 2021 porque Pavic o surpreendeu após Paris, rompeu a dupla com o intuito de treinar para os Jogos Olímpicos com Mektic. Já Marcelo Melo ganhou enfim em Londres e isso marcou a despedida emocionada do vitorioso dueto de quatro anos que fez com o polonês Lukasz Kubot. Não houve uma justificativa oficial, mas a temporada fraca pode explicar. Acredita-se que Melo jogará agora ao lado de Jean-Julien Rojer.

Koolhof/Ketic terminaram em primeiro no grupo 2, seguidos por Ram/Salisbury. De todos os postulantes ao título, o único que já foi campeão de um Finals é Granollers, enquanto Ram e Venus fizeram finais.

50 anos de Finals
Encerrado o contrato com os promotores alemães, o ATP Finals foi negociado com empresa portuguesa, que queria aproveitar o momento de Guga Kuerten e por pouco o torneio de 2000 não aconteceu em São Paulo. Esbarrou no velho problema da falta de um local decente. Ainda se tentou convencer o governo paulista a bancar uma arena na USP, mas não vingou. A solução foi aproveitar a estrutura do recém-inaugurado Parque das Nações de Lisboa, que usou um piso sintético lento e assistiu à histórica conquista de Guga, que se tornava assim o segundo sul-americano a vencer o Finals. As edições seguintes aconteceram em Sydney e Xangai, ambas vencidas pelo jovem Lleyton Hewitt.


Comentários
  1. Evaldo Aparecido Moreira

    Dalcim,
    Vendo os jogos do Nadal, percebi que ele , ao lançar a bola para sacar , e ela não vai tão alta , pouco acima da cabeça dele, além do movimento do saque também , ou seja , eficiência e potência ao mesmo tempo, não se vc percebeu isso, antes não era assim , agora o segundo saque , pífio algumas vezes , sem dúvidas Dalcim , se for ajustes de saque, mais uma do Nadal , o que achas mestre !?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Vários tenistas usam essa técnica de lançamento mais curto. Isso exige maior velocidade de braço, mas ao mesmo tempo dificulta a leitura do devolvedor. Foi um pequeno ajuste que ele fez.

      Responder
  2. Maurício Luís *

    Já que coincidiu de tanto o Bruno Soares quanto o Marcelo Melo encerrarem as parcerias, bem que podiam jogar juntos, uma parceria 100% nacional. Inclusive seria bom para treinar pras Olimpíadas.
    Mas acho que pelo jeito o jogo deles não combina… ou então não se “bicam” como pessoas… não sei. Porque não me lembro de terem conseguido nada de extraordinário das poucas vezes que se juntaram. Uma pena.
    Sharapova se aposentou. Serena se contundiu e encerrou a temporada. “El Peque” saiu do Finals com uma mão na frente e outra atrás. Zverev suspeito de violência doméstica. Federer operado. Pandemia cancela Wimbledon, o templo do tênis. Isto é um ano… ou é um filme de terror?
    E como “Nada é tão ruim que não possa ficar pior”, Nadal na semi do “Fim da Picada” Finals.
    Mas, a esperança é a última que morre. Vou escrever pro Mick Jagger convidando-o pra assistir ao jogo do Nadal. Eu pago o ingresso… nem que seja pra comprar no câmbio negro. Com aquele pé-frio lá, garanto que o baloeiro volta pra casa pra ver a sogra + cedo.

    Responder
    1. Maurício Luís *

      Vixe, agora que vi que dei um “fora”. O Finals deste ano tenebroso é sem público. Só se o Mick Jagger assistir pela Web.
      Parece que tô encerrando o ano no fim da picada em matéria de comentários. Fechei com chave de lata de sardinha. Que ó…

      Responder
  3. EDVAL CARDOSO

    Dalcin, analisando a fluidez do saque do Medvedev, ele quase não tem preparação entre o primeiro e o segundo saque, três quiques da bolinha e já está pronto pra sacar de novo, é rápido mesmo, comparando com as firulas do Nadal, vai a pergunta,
    O recebedor também pode usufruir dos 25 segundos? , se não, existe alguma tolerância?
    O sacador pode servir sem o recebedor estar pronto, se achar que o mesmo está usando desse artifício em benefício próprio?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      A regra é clara, como diria o Arnaldo: o ritmo do saque é do sacador. O recebedor tem que estar pronto. E sim, teoricamente a regra dos 25 segundos também vale para o recebedor, que não pode ficar amarrando tênis ou enxugando o rosto e estourar o tempo permitido. Mas o sacador não pode executar o serviço se o adversário não demonstrar estar pronto. Por isso sempre se olha para o adversário antes de lançar a bola. Caberá ao árbitro adverti-lo.

      Responder
  4. sander

    Dalcim, boa tarde. Parabéns novamente pelos comentários do blog. Dalcim, na sua opinião, até que ponto os assuntos extraquadra atrapalham os resultados de Djokovic: (modelo indiana em 2016, associação de jogadores, gurus, etc…). Vc acha que ele poderia ter mais títulos não fosse isso? Sou fã dele, mas o Nadal e Federer são exemplos nesse ponto…
    abraços tenísticos e, novamente, parabéns!!!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Eu acho que atrapalham, sim, Sander. Talvez alguns mais, outro menos. Djokovic parece ser uma pessoa sensível e talvez seja desses que influencia mais. Faz parte da personalidade de cada um.

      Responder
  5. Daniel C

    “Djokovic apoia criar regra contra violência na ATP”. Essa chamada é piada pronta rs. Aliás, os boleiros e juízes de linha serão incluídos nessa regra? Hehehe.

    Responder
  6. Rodrigo S. Cruz

    Putz!

    Publiquei o comentário no post anterior (rs)

    Mas vou resumir aqui.

    que mediocridade ATROZ do Djokovic de ganhar o segundo set do Zverev, permitindo uma SURRA de 28 winners a 7!!!

    No décimo game, o alemão chegou a liderar a contagem por 20 a 2!

    Olha cara, sem sacanagem nenhuma:

    esse sérvio não pratica tênis, ele pratica ANTI-TÊNIS.

    Responder
    1. Luiz Fabriciano

      Me diz aí Rodrigo, para que serviu esse caminhão de winners se o que importa mesmo é a cabeça fria na hora de definir?
      Talvez para atenuar uma provável derrota elástica.
      Tenho certeza que o Zverev não concorda nem um pouco com você. Leste a opinião dele sobre o jogo?

      Responder
  7. Bruno

    Estou positivamente impressionado com o Nadal nesta edição do Finals. Tem jogado em excelente nível, com bastante agressividade e saque bem afiado. Acho que o único momento mais abaixo dele no torneio até agora foram 3 ou 4 games entre o final do 2º e início do 3º sets do jogo de ontem. Contra o Thiem perdeu em sets diretos mas se apresentou muito bem. Tomara que este ano quebre o tabu!

    Dalcim, no primeiro set (salvo engano) do jogo de ontem vi um ponto no qual o Nadal chamou o grego à rede com uma bola curta e em seguida encaixou um belíssimo lob. Achei bem interessante já que o lob costuma ser um recurso usado quando o jogador já está em uma situação muito difícil no ponto e não tem mais o que fazer. Considerando que o Nadal parece ter uma boa facilidade pra encaixar esse tipo de golpe e que o Djokovic tem uma visível insegurança em seu smash, essa sequência (curtinha e lob) não poderia ser usada como opção tática em alguns momentos contra o Sérvio, e não apenas como último recurso defensivo quando não haja mais nenhuma outra opção? Nesse lance a que me referi no jogo ontem o Nadal estava bem equilibrado no ponto, embora em uma situação mais defensiva.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Existem dois tipos de lob, Bruno: o defensivo, em que se joga a bola para cima como último recurso, e o ofensivo, em que se imprime um efeito topspin para que a bola passe bem alta mas caia rapidamente e ainda dentro da quadra. Obviamente, é o mais difícil de dar. Observe que Nadal opta pelo lob na paralela 90% das vezes, principalmente no seu backhand, o que é ainda mais difícil.

      Responder
  8. Sérgio Ribeiro

    E o FINALS de número 50 , terminar com Semis em que todo o TOP 4 está presente , não poderia acontecimento maior para os organizadores e apaixonados pelo Esporte . Mesmo com altos e baixos , o N 1 fez também por merecer . Tivemos também belíssimos lances do Sérvio e Alemão. Acabei provando que o Velho Capitão se equivocou totalmente, e Rafa Nadal e Novak não largaram o osso de jeito algum. Thiem continua com a minha torcida , mas reconheço que tá feia a coisa rsrsrs Abs!

    Responder
  9. Luiz Fernando

    https://motorsport.uol.com.br/f1/news/hamilton-e-eleito-maior-piloto-da-historia-da-f1-em-estudo-britanico-senna-e-7%C2%BA/4913440/. Vejam que reportagem interessante, em especial pq nenhum de nós viu Fangio correr p poder opinar. Detalhe q consta q na época um dos mundiais vencidos pelo argentino ocorreu da seguinte forma: o carro do cara quebrou, o companheiro parou no boxe, o gringo tomou o volante e foi campeão, algo, se verídico, impensável nos dias de hoje. Claro q cada um de nós tem sua opinião e seus argumentos, e dos q eu vi correr sempre fui, sempre serei e sempre considerarei Schumi o maior e o melhor…

    Responder
  10. Enoque

    Me permita repetir o comentário que fiz antes do jogo do Djoko contra Medvedev: Por incrível que pareça, o jogo chave pro Djoko, não é contra Medvedev e sim contra Zverev. Se perder agora para o Medvedev, basta ganhar do Zverev para se classificar. Se ganhar do Medvedev por 2×1, ainda não está garantido pois uma derrota para o Zverev colocaria os 3 em igualdade (2 vitórias e 1 derrota), isto admitindo que o Medvedev vai ganhar o último jogo. Então, acho que se o jogo estiver encardido, o Djoko vai partir pro tudo ou nada, como costuma fazer o Federer e não se matar em quadra.

    Responder
  11. Luiz Fernando

    E deu a lógica, Djoko nas semis, e por sinal creio q entra como favorito p ser campeão, seja contra quem jogar. Claro q como torcedor do Nadal sou Thiem desde criancinha amanhã, pois numa hipotética final final contra o sérvio não vejo como Rafa possa vencer, contra o austríaco acho bem possível…

    Responder
  12. Rafael Azevedo

    Bruno Soares venceu, mas, pra mim, no pior cenário possível…
    Vou explicar.
    A vitória de 2×1 garantiu a dupla Granollers e Zeballos na semi-final. Mas, para que o Bruno garanta a sua vaga, Granollers e Zeballos precisam vencer um set na partida de mais tarde. Porém, como eles estão garantidos na semi, talvez não se esforcem tanto para isso. Ainda mais, porque sabem que Bruno e Pavic é a dupla mais forte do grupo. Talvez, façam corpo mole para eliminá-los

    Responder
  13. Rafael Azevedo

    O serviço do Nadal realmente está afiadíssimo, mas tem um pequeno porém…

    Primeiro, vou ressaltar os número positivos:
    – Não ofereceu nenhum break point para o Rublev;
    – Só ofereceu break points para o Thiem no segundo set, quando estava vencendo de 4×3 (com uma quebra acima);
    – Só ofereceu break points para o Tsitsipas no segundo set, quando estava perdendo por 4×5;
    – Ao todo só ofereceu break points em 4 games de serviço: 2 games para o Thiem e 2 games para o Tsitsipas.
    Esses números mostram o poder do serviço do espanhol nesse Finals

    Porém, vamos ao fato negativo:
    – Dos 4 games de serviço em que o Nadal permitiu break points, ele sofreu a quebra em 3. Um deles com uma dupla falta no set point do Tsitsipas. O único game em que ele conseguiu reverter a situação desfavorável (de forma brilhante, diga-se de passagem) foi aquele 0x40 contra Thiem no 4×5 do segundo set

    Ou seja, o serviço do Nadal está tão bom que os adversários estão tendo poucas chances de quebrá-lo, porém, quando o conseguem praticamente estão concretizando a quebra. Nos pontos chaves, Nadal está perdendo a confiança no seu serviço. Se somarmos isso ao fato de que ele tinha mini-breaks à frente do Thiem nos dois tie-breaks que disputaram (5×2, no primeiro set) e permitiu a virada, isso fica mais evidente.

    Em resumo, parece que o Nadal elevou o nível técnico do seu serviço, mais regrediu no nível mental.

    Responder
  14. Vitor Hugo

    Olha, se a final for Nadal x Novak, o que eu duvido muito, prefiro que o espanhol ganhe seu primeiro finals do que o sérvio o sexto. Porém pelo histórico dos últimos anos de confrontos entre ambos nas hards, nada indica que o espanhol vai vencer um set, quiçá 6 games. É jogo pra 6/3 e 6/2 para Novak. O sérvio vai entrar com sangue nos olhos querendo vingança.

    Responder
  15. Vitor Hugo

    Bom Nadal ganhou porque o grego não está 100%. Fato!
    Mas eu disse que o espanhol se classificaria.

    No mais, desafio qualquer pessoa a provar que eu comemorei apêndice do espanhol. Ou prefere passar como mentiroso?

    Vai lá, copia e cola aqui!

    Responder
    1. Luiz Fernando

      E por falar em mentiroso, talvez vc lembre de 2013, quando o Marquinhos disse q sairia do blog caso Nadal vencesse outro GS fora do saibro, acho q ele venceu alguns USO desde então, quem será o mentiroso?

      Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      Poucos falam dos linchadores virtuais “robôs”, daquele ser das trevas.

      E agora desativados, para ódio dele.

      (chupa, mau-caráter)

      Mas impressionante a rapidez de te acusarem até do você não fez…

      Óbvio que você não comemorou apendicite nenhuma.

      Responder
  16. Luiz Fernando

    Dalcim, vc viu q declaração interessante do Toni Nadal acerca do Sinner, do grego e do Medvedev? Ele excluiu ou não mencionou o Zverev, o Shapovalov e o Rublev da luta pela número 1. Claro q é uma opinião pessoal sujeita a todo tipo de crítica mas o cara tem “alguma” experiencia e “algum” olho clínico. Será q ele não põe fé no mental dos outros 3???????? Ou seria algo relacionado com a parte técnica????? Creio q o mental seria o senão mais relevante do trio. Vc pensa como ele?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Eu particularmente não acredito num período de dominância do Medvedev, que me parece uma pessoa sem tanto compromisso com o sacrifício do tênis. Para ser número 1, ou ao menos ficar lá por algum tempo, é preciso disso. Gosto muito do Sinner e acho que Tsitsipas tem chance desde que resolva sua vida com o pai. Não descartaria o Rublev, ele tem potencial para trabalhar em diversos aspectos.

      Responder
      1. Sandro

        Concordo plenamente contigo Dalcim! Acho que a presença do pai do TSITSIPAS na arquibancada muito mais atrapalha do que ajuda…
        O pai do Tsisipas é como um nuvem negra da família Adams em cima do jovem grego. As caras e bocas do pai, as expressões de decepção e desapropriação acabam sendo muito negativas no jogo do grego. Consigo visualizar jogadores como Tsitsipas, Sinner e Thiem brigando pelo número UM no futuro. Quanto ao Medvedev e ao Zverev não consigo enxergá-los no topo…
        O Rublev é um cara que veio pra ficar no TOP 10, mas é outro que não vejo como número um…
        Dessa galera que vem chegando vejo características de número UM no Sinner, Tsitsipas e Thiem.

        Responder
      2. Renato josef

        Dalcim me causa espanto o fato de vc não mencionar o nome do Thiem para ser número 1 , inclusive já vi declarações suas positivas referente ao Austríaco e também por performances incríveis dele de 2019 e 2020 , tendo também uma melhora substancial nas quadras duras !!! Porque vc não o considera um possível número 1 ???

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Eu jamais desconsidero o Thiem, um dos meus jogadores prediletos. Mas a pergunta do internauta – nem a análise do Toni – falavam do Thiem, então eu respondi em cima dos nomes citados.

          Responder
  17. periferia

    O Velho

    Em uma casa de repouso na Basiléia…um velho refletia.
    Embora tenha conseguido provar aos outros sua capacidade …o velho tem a visão nítida de como foi sua vida. Luta infindável que…apesar das vitórias… garantindo-lhe a sobrevivência…relega a ele a dor de não ter conseguido ser o Goat.
    Como tubarões eles devoraram cada recorde….cada conquista…cada pequena glória que ele pensou ser apenas dele.
    Tudo o que nele existia…agora era velho…com exceção dos olhos… castanhos… intimidantes e indomáveis (como um Santiago de Hemingway).
    Não sobrou muito para eles lembrarem dele…era apenas um velho.
    Quase não falava…o silêncio o acompanhava…apenas durante a noite sua voz era ouvida.
    Acordava no meio da noite…assustado…gritando…
    “40 a 15”.

    Responder
    1. Maurício Luís *

      Puxa… QUEM SERÁ, hein?
      Mas acho que 1 Slam a mais, um a menos, não vai fazer diferença. Porque o baloeiro ainda vai morder mais umas 10 taças de Roland Garros, até não sobrar mais nenhum fio de cabelo. Enquanto ele não “entupir” a sala de troféus com canecos de Rolanga, ele não sossega.

      Responder
  18. Paulo Tonhasolo

    Bom dia querido Dalcim, parabéns e obrigado pelos textos diários do finals. Eu vejo os jogos que consigo e já corro para ver suas análises que tanto nos enriquecem!
    Queria também fazer um convite à reflexão: àqueles que ainda chamam o Nadal de baloeiro assistam aos jogos dele neste finals, estou impressionado com a agressividade e com a precisão das bolas próximas à linha.
    Não considero Nadal o mais genial, mas com certeza é uma representação da lendária Fênix, sempre se reinventando e evoluindo!
    Estou gostando muito do jogo do Medvedev e do Thiem também, as semi serão ótimos jogos, pena Federer não estar presente para abrilhantar ainda mais esse evento tão especial do tênis!
    Abraços fraternos

    Responder
    1. José Alves Aragão

      Eu também sou assim rsrs amo os textos do Dalcim e fico bem ansioso na expectativa após as partidas ao fim do dia.Um grande jornalista

      Responder
    2. Roberto Cerqueira

      Impressionante como um jogador de saibro como o Nadal está jogando tão bem na rede! Contra o Tsitsipas, só houve um momento de baixa, fora disto foi uma aula. Mas aquela precisão que ele demonstrava, principalmente contra o Federer, colocando paralelas em cima da linha, uma após a outra, ele não tem mais conseguido.

      Responder
  19. José Eduardo Pessanha

    Dalcim, por que muitos tenistas jovens insistem em ter o pai como técnico? Acho um atraso, pois os jovens tenistas ficam presos à uma fórmula muitas vezes já esgotada.
    Abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      São casos em que o pai foi o primeiro treinador e o impulsionador da carreira, mas principalmente foram tenistas profissionais e portanto têm conhecimento de causa. Não gosto disso, acho que no masculino não funciona tão bem.

      Responder
      1. Rafael Azevedo

        Mas, Dalcim…como podemos julgar se funciona ou não?
        O Tsitsipas está entre os 8 melhores do mundo a quase 2 anos e parece que vai permanecer por muito tempo. Já ganhou até o Finais. Isso tudo com apenas 20 e poucos anos…
        Não é um caso de sucesso?

        Responder
    2. JAN DIAS

      Concordo com você e com o Dalcim, depois do impulso inicial os pais deveriam contratar técnicos profissionais pra seus filhos, pois a evolução técnica, tática e mental acaba estacionando (TSIPAS, SHAPOVALOV, etc).
      Penso tb que os pais relutam em contratar por não querer pagar o alto salário dos treinadores..

      Responder
    3. Sérgio Ribeiro

      Lembrando, caro Pessanha , que Massu está com Thiem e Ferrer com Zverev . Youzhny com Shapovalov e Piatti com Sinner. Tisitsipas é um dos poucos que manteve o papai… Abs!

      Responder
  20. Ronildo

    Tudo bem, vamos contextualizar. Atualmente Medvedev é um tenista que vence Djokovic se seu físico estiver bem. Evidentemente ele não é superior em tudo como falei antes. Porém se tudo funcionar para ele, ele sempre vencerá Djokovic na quadra dura. Evidentemente que Djokovic é superior no contexto geral pois se tornou um dos melhores de todos os tempos. Porém Djokovic está fragilizado mentalmente.

    Responder
    1. Luiz Fabriciano

      Mas Ronildo, se tudo funcionar para Djokovic, ele também vencerá.
      E contextualizando, eles estão em 1 a 1 no ano. Você inflaciona as conquistas do russo sempre, que atravessou pequena má fase antes dessa engrenada de agora.
      Esperemos continuidade e regularidade para que reconheçamos que ele será o cara a barrar os outros. Quaisquer outros.

      Responder
  21. Sandro

    Não vejo Nadal perdendo para o Medvedev. Pra será Nadal 6/4, 6/3 Medevedev.
    Ao meu ver são 3 os favoritos ao título: Thiem ou Nadal ou Djokovic, um desses 3 será o campeão do Finals 2020…

    Responder
  22. Miguel Ângelo Pereira Delfes

    Devo estar bem enganado então
    Apostaria em Medvedev 70/30 contra Nadal
    Se nem o melhor receptador de saque aguentou as longas trocas de bola ou mesmo os saques ,dirá Nadal
    Final Medvedev x Thiem ou Djoko
    Sou Thiem ,até pela dedicação ,gentileza ,idade..mereceria ganhar mas acho q o russo leva o troféu

    Responder
  23. Julio Cesar

    ATP Finals bem imprevisível… mas, caso eu gostasse de apostar, pelo momento no torneio (e não pelo histórico) eu colocaria em ordem de favoritismo: 1 Thiem; 2 Medvedev; 3 Nadal; 4 Djokovic. Mas não tem como saber, vai que a coisa muda de figura…

    Responder
  24. Maurício Luís *

    Vou torcer pro Medvedev estar nun dia bom na semi. Mas do jeito que sou pé-frio, bem capaz de perder em sets diretos e ainda levar um ‘pneu’. E dá-lhe balão…

    Responder
  25. Rodrigo S. Cruz

    Aplausos ao Nadal que vem sacando muito bem desde o começo do torneio.

    Mas o Tsitsipas não merecia avançar mesmo, e acho que o torneio ficou melhor sem ele…

    O grego tá muito molenga, e tem decepcionado nesse fim de temporada.

    Hoje ele fez uma partida tão abaixo do nível de 2019 que terminou com menos winners que o Nadal…

    Porém agora, eu acho que chegou o fim da linha para o espanhol.

    Se nem o Djokovic aguentou o saque e a consistência do Medvedev, tampouco o Nadal…

    Responder
    1. Mário Cesar Rodrigues

      Respeito sua colocacao.Mas o Russo vai levar uma tamancada e tanta de Rafa Rafa gosta de jogar com ele e para Rafa a tônica sacar bem sem muito peso balancar o Russo deixadinha forehand e saque aberto e defender e a unica cousa que Rafa não pide deixar de fazer e pararelas e bolas profundas as apostas estao a todo vapor e irá ser no meu palpite 6×3 6×2.para Rafa.

      Responder
    2. Luiz Fernando

      Posso estar errado Rodrigo, mas o Medvedev em geral tem perdido do Nadal. Tem armas e chance de vitória do russo? Claro q sim, se venceu o Djoko de forma categórica pode perfeitamente vencer qualquer outro. Mas eu aprendi a não apostar contra o Big3…

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Claro, Luiz.

        Jamais duvidem de Rafael Nadal…

        E pesa a favor dele também o retrospecto – 3 x 0.

        Mas como tênis é momento, e esse tipo de quadra favorece muito mais o russo, vai ser difícil..

        Responder
  26. Sérgio Ribeiro

    Acredito que não dá pra se ter dúvidas. Rafa Nadal está melhor fisicamente no ATP FINALS 2020 , do que nas últimas 6 ou 7 edições. Chegou a fazer jogadas como se estivesse no Saibro. A Arena 02 , não tão rápida, lhe dá condições de tempo de preparo para seu Arsenal. Daí que com um Serviço pra lá de melhorado ( oscilação somente em alguns momentos) , tirou o Campeão de 2019 com méritos. E pode vencer qualquer um, para irritação da Turma da Romiseta rs . Poucos sabem que Andy Murray somente fez uma FINAL e a venceu pra cima de Novak em 2016 . Será que o Espanhol não vai repetir pra cima do mesmo oponente ? Aí o namoro que vai mal das pernas acaba de vez rs . E STANIMAL não fez nenhuma. Daí acontecer uma certa união pra desmerecer os garotos … Abs!

    Responder
    1. Luiz Fernando

      Sabe Sérgio vcs tentam fomentar conflitos entre eu a torcida do Djoko há tempos, mas nunca vão conseguir, por uma razão simples: eu sempre torcerei pra Rafa e eles sempre pro sérvio, mas todos nós torceremos sempre contra Federer e adoramos incomodar vcs kkk. Se Nadal perder do Djoko eu aceitarei tranquilo, nesse piso do Finals o sérvio é favorito contra ele, negar isso seria infantil, creio q eles também aceitarão numa boa o contrário, mesmo sendo inesperado. Lembra q vc citou q haveria confusão entre nós em RG, quando o Rodrigo Cruz disse q sairia do blog e vc disse p ele ficar para assistir a “briga” entre nossas torcidas? Nadal venceu e não houve qualquer tipo de entrevero, e isso ocorreu por uma razão simples, bem explicitada pelo Paulo F há uns dias, quando se discutiu aqui a história dos GS em 3 ou 5 sets: somos torcedores e não membros de seitas xiitas, sabemos perder, algo q alguns outros (e não estou me referindo a vc) ainda não aprenderam. Abs

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Se você, meu caro L F , lê-se sempre TODOS os comentários não se superestimaria acreditando que eu estava me dirigindo a você. Tu sempre fostes um “ torcedor “ que jamais soube perder. Além dos termos jocosos ( 2013 …) , chegou a afirmar que ODIAVA ( 2017) um jogador que o MUNDO todo aprecia . Estava me referindo a “ torcedores “ que não temem Nadal , e tentam engrossar suas vozes de GOAT com reforço dos torcedores do Espanhol. Seita é como os Hermanos fizeram com Maradona . Tentar transformá-lo em Goat sabendo que o verdadeiro sempre foi Pelé. Todo santo dia , o terceiro colocado, é colocado como “ goat “ assim como Maradona. E e’ óbvio que quem dá uma chegada no Face TenisBrasil , e observando o sumiço de uma penca de Fakes pós RG aqui do Blog , percebe que o namoro foi pro espaço. Contavam com o USOPEN e RG como certos. E a diferença do Sérvio para os outros dois , aumentou. Falar que esses caras sabem perder e’ muito mais que uma piada . O fanatismo do líder e seus Blue Caps , ultrapassou tanto os limites , que já foi chamado atenção mais que uma vez pelo dono do Blog …É óbvio que não percebestes nada rs Abs!

        Responder
      2. Rodrigo S. Cruz

        Todos sabem que você não nega que é tendencioso quando o assunto é esse.

        Agora, negar que há extremistas e xiitas fãs do Djoko, é PIADA para rir até 2030!

        kkkkkk

        Aliás, este próprio Paulo F. que você citou acusar os federistas de sectários, ele mesmo integra a PIOR SEITA de todas… rs

        Responder
  27. Evaldo Medeiros

    Dalcim, quero bater na mesma tecla: o mental do Djokovic. Posso estar enganado, mas acho que Nole vem numa ladeira descendente, mentalmente falando, desde a desclassificação catastrófica de um Us Open praticamente ganho. Acho que ele ainda não se perdoou daquele erro tão grotesco e infantil que o fez jogar no lixo um caneco tão valioso de slam. O que acha???

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Depois do US Open, ele ganhou Roma e fez final em Roland Garros, Evaldo. Não são resultados nada ruins. Mas me parece claro, mesmo antes do US Open, que a parte emocional dele tem flutuado mais. Ou pelo menos ele tem se deixado influenciar por outros temas.

      Responder
    2. Luiz Fabriciano

      Prezado Evaldo, permita-me participar.
      Também achei a desclassificação catastrófica no US Open, por tudo como foi e pela oportunidade inaproveitada, mas, praticamente ganho, talvez seja um exagero. Lógico que se fosse ele naquela final que vimos, também acho que levaria o caneco.
      Mas não acredito que isso ainda cutuque sua mente em momentos dos jogos atuais, pois, como disse o Dalcim, ele fez duas campanhas vitoriosas depois, ultrapassando o espanhol em número de Masters 1000 e ampliando sua vantagem no ranking ao chegar à final de RG.
      Também acho que o que acontece no meio, onde nós não participamos, influencia mais que o fato ocorrido em Nova York.
      Saudações.

      Responder
  28. Daniel C

    Bem, acho que Tsitsipas e Rublev decepcionaram um pouco nesse Finals e espero que melhorem para o ano que vem.

    O Nadal tem boas chances de título, caso Medvedev e Thiem bobearem ou não jogarem o que realmente sabem. Ele entrou nesse torneio descansado e vive uma boa fase. Tá jogando bem.

    Meu palpite é que o título fique entre Thiem ou Medvedev, com Nadal, Zverev e Djokovic correndo por fora, nessa ordem. Mas é claro que tudo pode acontecer e aquele que grita com os boleiros e espalha COVID-19 levar o torneio. Mas tomara que não.

    Responder
    1. Luiz Fabriciano

      Gostei do teu palpite: Thiem ou Medvedev, com Nadal, Zverev e Djokovic por fora.
      Sobram Rublev, Schwartzmann e Tsitisipas já, sabidamente, eliminados.

      Responder
  29. Artur Santos

    Mestre Dalcim que jogão, como ano passado Nadal não largou o osso nem um minuto, ele é mestre nesse quesito.
    Pelo menos dessa vez o Grego não pode dizer que não se empenhou como fez ano passado usando de desculpa na derrota sofrida.
    Quem na sua opinião é favorito, Espanhol ou o Russo?
    Abraço

    Responder
        1. José Alves Aragão

          Dalcim não errou meu amigo,o cara entende de tênis mais do que os próprios jogadores.Tenho certeza que em um debate de tênis entre Guga e Dalcim ele saberia muito mais do esporte e vem vc dizer que ele vai errar novamente,nada a ver

          Responder
  30. Arnon Louzada

    Dalcim, vejo este Finals de uma forma muito singular e indicativa para os próximos anos.

    Considerando as condições físicas e mentais dos jogadores para este Finals, o que é algo muito específico na história, por causa da pandemia, pudemos perceber todos jogadores a um nível quase de 100% – como exemplo é fala do Nadal sobre sua condição física. Não há cansaço acumulado, recuperação de lesão ou coisas do tipo.

    Portanto, apesar da quadra não ser a melhor para tal análise e dando ênfase maior à atitude dos jogadores – “sangue nos olhos”, podemos dizer que Thiem e Medvedev estão “tecnicamente” prontos para criarem um BIG5?

    Pergunto isto, pois… quando foi a última vez que vimos Nadal e Nole perdendo juntos em condições tão específicas assim quanto a questões físicas e mentais?
    O que acha desta particularização deste Finals?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Bom, os dois sequer chegaram na semi no ano passado, então a campanha deste ano pode ser bem superior, Louzada. Você tem razão ao pontuar que este Finals é diferente pelo desgaste físico e mental muito menor dos participantes, já que quase todos puderam ou quiseram se poupar. Com exceção do Zverev.

      Responder
  31. Leo Gavio

    Djokovic BRILHANTE!!!!

    Se o encaixe de jogo tava ruim com Medvedev, agora ele deixou o serviço sujo com Nadal.

    Como Nadal é freguesasso em quadra dura e saca fraquinho, Djokovic vai garantir seu sexto titulo e manter Nadal virjão de Finals.

    Realmente espetacular o xadrez jogado por Djokovic, evita o desgaste e elimina o melhor oponente no momento, Medvedev.

    GOAT É GOAT. Lembrem do que ele fez com Federer naquele ano em que perdeu na fase de grupos e humilhou o suiço na final.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Voltou do Sítio com a corda toda Robson , digo, Léo Gavião rs . Que papinho furado esse de serviço sujo ? Moras em que Planeta ? Sempre desmerecendo todo mundo e não assistindo coisa alguma. Medvedev fez um partidaço e Rafa Nadal está SACANDO muito , neste que é seu melhor FINALS há tempos . Novak não está jogando nada desde RG . E ainda bota Federer neste fuinho de gato ? rsrsrs Depois da surra que o Sérvio levou do grande Sonego , a sensação que dá , é que a turminha do Sítio perdeu o rumo de vez . Se liga ! kkkkkkkkkkkk . Abs!

      Responder
    2. Flávio

      Comentário ridículo do leo Gavio kkk ninguém entra no Finals para perder não seu tolo, só se ambos ou um deles tiverem classificados ai é normal o relachamento igual aconteceu com o Thiem ,e não vou me surpreender se o Medvedev perder para o fracote Schwartzman porque ele tem uma batalha no sábado contra o Nadal.

      Responder
    3. Leonardo

      Leo Gavio. Seu comentario não tem muito sentido. Djokovic ia perder de proposito, arriscando sua propria classificação para fazer Nadal enfrentar Medvedev, considerando que Djokovic nem sabia se Nadal ia se classificar ou não. Djokovic perdeu porque perdeu. Medvedev jogou melhor, Djokovic estava mais irregular, parecia desconcentrado. Mas dai a dizer que foi uma derrota estrategica é forçar demais a barra. E veja bem, não estou diminuindo o Djokovic porque perdeu um jogo. Temos que dar mais credito a essa nova geração que está chegando forte, que tentar justificar uma derrota do Nadal ou Djokovic.

      Responder
    4. Rodrigo S. Cruz

      kkkkkkkkkkk

      O Tião Gavião é o rei das bravatas.

      Tenista perder de propósito, quando cada vitória é 215 mil dólares a mais no bolso.

      Vai ver é isso – gostam de queimar dinheiro, né…

      Responder
      1. Luiz Henrique

        Excelente argumento Rodrigo.
        Aliás, esse é o motivo pelo qual acho baboseira essas ladainhas de que A, B ou C teve pouca competividade em sei lá que ano ou piso
        Com essas cifras em jogo, sempre teve e terá competividade, óbvio

        Responder
  32. Paulo F.

    Sérgio Ribeiro, tenho que te dar um desconto ante à tua notória incapacidade interpretativa: o Paulo que vive chamando o Djokovic de GOAT é outro.
    Mas ao empatar com o Incriticável em número de Grand Slams e considerando sua abismal e humilhante superioridade em confrontos diretos, não há dúvidas que Rafael Nadal é o maior e melhor tenista de todos os tempos.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Pra mim P.F. que não entende coisa alguma do Esporte és tu rs . A superioridade do Rei do Saibro em seu habitat não é suficientemente pra colocá-lo acima de Roger Federer em coisa alguma. Algo que até seu Tio , seu Treinador, seu cachorro e CIA reconhecem . Não vou ficar repetindo que o Espanhol não vence o Suíço em hards desde 2015 . Acho que problemas com interpretação dos fatos não é bem comigo não cumpadre rsrsrs. Abs!

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Na verdade foi 2014, Sérgio.

        A última vez que o Nadal desbancou o Federer em quadra dura foi em janeiro daquele ano, no Australian Open.

        De lá para cá, e contando uma exibição, foram 8 porradas consecutivas.

        Vergonha…

        Responder
  33. Luiz Fernando

    A despeito do vacilo no set2, Rafa jogou muito bem hj, vencendo com amplos méritos. O grego por sinal também jogou bem, valorizando ainda mais a campanha do espanhol, q está fazendo um Finals em um nível q eu pessoalmente não esperava, em especial pelo serviço, eficaz como há muito eu não via. Também me parece estar mais agressivo nas devoluções, algo essencial neste tipo de piso; fisicamente está ótimo. Me parece q ainda está faltando potencia nos golpes, as bolas ainda muitas vezes ficam curtas, mas essa é a realidade e ele terá q conviver c ela neste e nos futuros torneios. Vejo-o com capacidade de vencer o russo, embora indiscutivelmente deva ser uma partida equilibrada…

    Responder
  34. Luiz Henrique

    Acho q mentalmente Nadal está um pouco instável.
    Se não me engano o único game que ele foi quebrado contra o Thiem, foi logo após quebrar. O mesmo hoje no comecinho do 3º set. E quando quebrou de novo em seguida, se enrolou pra confirmar. Acho q ele tá ficando meio tenso qdo adquire alguma vantagem.
    A única exceção foi sacar bem após quebrar pra fechar o 1º set hoje.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Bem caríssimo, L. H . Se Nadal está um pouco instável imagina como seria o seu adjetivo para o outro que tu torces. Novak está tanto quanto Zverev . O Espanhol está nas Semis com todos os méritos. Vem até fazendo mais WINNERS que os oponentes e com menos ENFS. Novak pode perder novamente para o Alemão na Arena O2 se repetir a atuação instável contra Medvedev. A conferir. Abs!

      Responder
      1. Luiz Henrique

        Caríssimo Sérgio Ribeiro, acho que fui mal interpretado sobre dizer que torcia para o Djokovic.
        O que eu quis dizer é que as discussões entre Djokovistas e Federistas são mais divertidas de ler.
        Quando o Nadal tá na discussão, a coisa toda fica muito irracional.
        Vem aquela baboseira de quadra lenta e ganhar no físico e etc.
        Foi só isso q eu quis dizer.

        Responder
  35. Edgard upinho

    O grego forçou pouco o jogo no backhand do espanhol ao sempre buscar a esquerda do touro, o que é uma tática suicida,sobretudo para quem bate o back com uma mão apenas . O espanhol quase sempre arruma alguma paralela de backhand pra forçar o oponente a cruzar o back e jogar em sua esquerda e aí ele segue naquele padrão até vir uma bola curta e finalizar na paralela com o poderoso forehand. Além disso , acho que faltou consistência no jogo de base do tsitsipas , talvez pelo cansaço e pelo fato de estar se recuperando de lesão . Nadal sacou muito durante quase 1 set e meio , depois perdeu intensidade e a partida ficou aberta . Acho tb que faltou pernas ao grego , daí a explicação para o desespero dele em partir prematuramente para bolas vencedoras . A direita cruzada que jogou longe ao perder o segundo saque no terceiro set resume bem isso. Medvedev vai precisar estar sólido no saque e controlar os nervos se quiser ter chances contra o espanhol. De qualquer forma , creio que a final será entre Nadal e thiem, e vejo Nadal com chances reais de levar seu primeiro finals. O senhor apostaria tb nesta final , dalcim? Obrigado.

    Responder
      1. Luiz Fabriciano

        Dalcim, entrando no comentário do colega acima, noto uma estratégia do Nadal há tempos.
        Não sei o que seus adversários percebem, mas do lado de cá da TV, vejo que toda vez que ele é atacado, seja no back ou no forehand, ele sempre devolve do mesmo lado, ou seja, evitando o conforto do adversário para “ajeitar” o golpe fatal. Salvo, se ele enxergar uma possibilidade maior em ampliar o espaço vazio ou se realmente não conseguir manter sua estratégia.
        Que achas?

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Não sei se entendi, Luiz. Uma característica do Nadal é contragolpear com o forehand na paralela, o que os voleadores deveriam ficar mais atentos. O backhand costuma realmente vir mais na cruzada, até porque ele tem um mecanismo mais complexo para chegar na bola e troca de direção.

          Responder
          1. Luiz Fabriciano

            O que quis dizer foi, se o adversário bate um backhand na paralela, a maioria dos outros, tenta um contragolpe ou se defende na cruzada, o Nadal devolve, a maioria das vezes na mesma paralela. Acho que tenta não permitir que o adversário vá á uma vencedora na próxima jogada.

          2. José Nilton Dalcim

            Entendi. Sem dúvida, a ideia é pegar o adversário no contrapé, já que o normal é você bater uma paralela e subir à rede cobrindo o centro da quadra ou se deslocar para a cruzada. É um recurso muito exigente, sem dúvida.

  36. ALEXANDRE ADORNO DA CUNHA

    Fala Dalcim, o Nadal esta bem agressivo ,com o saque afiado, e cometendo muito poucos erros não forçados, vc não acha que o mental dele (que sempre foi seu forte) esta deixando na mão?
    No segundo set ele não correu nenhum risco, e no 4 x 5 , se afobou foi a rede prematuramente e fez DF.Também como no jogo do Thiem, deixou quebrar depois de ter quebrado, se não fosse essas falhas no mental, acho que ele teria muita chance de ganhar este título.
    Ainda acredito em uma final Nadal e Thiem reeditando o jogaço de dois dias atrás e vc?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que é a final mais lógica, Alexandre, mas tanto Thiem como Medvedev merecem enorme cuidado. Acho que a confiança do Nadal cai um pouco em quadras duras cobertas, o que é natural, porque ele precisa de um esforço maior para se manter competitivo.

      Responder
  37. Marcelo Calmon

    Dalcim,

    Não seria o momento ideal para o Bruno e o Marcelo formarem uma dupla no circuito, isso visando também os jogos de Tóquio ? Sei que depois seria mais difícil para eles arrumarem parceiros pro resto da temporada.

    abs

    Responder
  38. Lucas Leite

    Gostei de ver o jogo do Nadal contra o Tsitsipas, Dalcim. O espanhol esteve mais consistente e focado durante todo o jogo e mereceu e vitória, mas também vi o grego muito bem em vários momentos nos dois primeiros sets. Achei que o Tsitsipas fez coisas impressionantes com seu backhand hoje, com alguns winners e trocas de esquerda como há um tempo não via. O que você achou da esquerda do grego hoje? Viu algo de especial ou são só meu olhos? Risos. Considerando a exibição de hoje, daria favoritismo ao Nadal contra o Medvedev?

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *