Incredible Lorenzo
Por José Nilton Dalcim
30 de outubro de 2020 às 18:37

Tenista que habitualmente passa despercebido em qualquer sorteio de chave, o italiano Lorenzo Sonego se tornou a maior ‘zebra’ da temporada, ao impor um placar humilhante em cima do todo poderoso número 1 do mundo. Ao ganhar apenas três games do número 42 do ranking, Novak Djokovic sofreu sua pior derrota em nível ATP em 15 anos.

Os números da partida não são menos chocantes. Corajoso e determinado, usando sua combinação predileta de saque e forehand, Sonego disparou 26 winners contra apenas sete do sérvio. E ainda errou muito menos, com 12 diante de 25. Salvou todos os seis break-points que encarou e ganhou 80% dos pontos em que acertou seu forte primeiro serviço.

Alguns aspectos merecem destaque. Conseguiu ser muito consistente até mesmo com o backhand, seu ponto fraco, e utilizou recursos interessantes e inteligentes, como deixadinhas de forehand – um golpe que costuma disparar com força – e o saque sobre o corpo, que tirou muito o ângulo do adversário. O forehand esteve notável, principalmente no chamado ‘inside-in’, aquele golpe difícil em que se foge do backhand e se arrisca na paralela. Djokovic jogou melhor como devolvedor do que com o saque, pareceu acreditar que bastaria ter paciência para tirar a confiança do italiano e no final me pareceu quase desinteressado.

Em boletim, a ATP observou que Djokovic não perdia por placar tão elástico desde que foi superado por Marat Safin no Australian Open de 2005, por 6/0, 6/2 e 6/1. Mas então o sérvio era um adolescente saído do quali e encarou justamente aquele que seria o campeão, então me parece justo dizer que foi a mais dura derrota desde que entrou na elite do tênis. E não vamos esquecer que, há três semanas, Nole também acabou atropelado por Rafael Nadal em Paris.

Mas quem é esse Sonego, com cara de garoto? Ele na verdade tem 25 anos e se diz um especialista em saibro, ainda que seu único título de ATP tenha acontecido na grama de Antalya. Três semanas atrás, fez oitavas em Roland Garros. Jamais havia vencido um top 10 – seu maior resultado foi diante de Karen Khachanov, então 12º, na lentidão de Monte Carlo – e entrou na chave de Viena de última hora. Ele perdeu no quali para Aljaz Bedene e a desistência de Diego Schwartzman lhe deu nova chance. Djokovic aliás tinha 12-0 contra lucky-losers na carreira.

Enquanto Nole vê adiado o inevitável anúncio de que terminará a temporada como número 1, Sonego enfrentará o britânico Daniel Evans neste sábado. E convenhamos que qualquer coisa pode acontecer neste fim de semana, depois que Andrey Rublev atropelou Dominic Thiem no segundo set, logo após Kevin Anderson fazer uma bela exibição e barrar o nervosinho Daniil Medvedev.

E mais
– Rublev ganhou 17 de seus últimos 18 jogos em quatro torneios. Sacou muito contra Thiem: 11 aces e só perdeu quatro pontos quando usou o primeiro serviço.
– Antes de atingir quartas no Rio Open deste ano, Sonego vinha de 10 derrotas consecutivas. Já se garantiu como 35º.
– Aos 34 e apenas 111º do mundo, Anderson fez segunda cirurgia no joelho direito em fevereiro e joga com ranking protegido. Ele foi campeão de Viena, há dois anos.
– Roberto Bautista não se recuperou e desistiu de Paris, deixando a briga pelo Finals. Matteo Berrettini confirmou que joga, mas terá de ir ao menos à semi para ter chance.
– Zverev também jogará Paris. A saber como estará sua cabeça com a chegada do filho e com acusações de agressão de duas ex-namoradas.


Comentários
  1. Luiz Fernando

    Dalcim, Nadal expos q está mais bem preparado este ano do q nos anteriores p Paris e p o Finals. Creio q ele está falando do ponto de vista fisico apenas, pois após RG não jogou. Como vc ve suas chances nos 2 torneios? Vejo-o sempre capaz de vencer, ele é um vencedor por excelência, mas essas quadras duras indoor nunca foram sua praia…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sem dúvida, ele vem mais descansado e provavelmente sem os problemas físicos habituais que sofria na quadra dura do segundo semestre. Vejo boa chance em Paris e acho que pode ir pelo menos à semi do Finals, mas é impossível tirar o favoritismo de Djokovic em Londres.

      Responder
  2. Oswaldo E. Aranha

    Traumatizado estava com o desempenho pífio do Djokovic em Roland Garros e Viena, por isso estive ausente do blog; espero que pelo menos a Gabi tenha sentido falta. Entretanto continuei a acompanhar o tênis, quando a Band News permitiu, além de ter de aguentar a conversa de comadres do Chiquinho Leite e Saretta.

    Responder
    1. Carlos Reis

      kkkk isso que dá, gostar mais de um atleta específico do que do esporte em questão… Eu que sempre torci pelo Federer e fui anti Nadal convicto, hoje torço MUITO pelo Touro Miúra, primeiramente por finalmente conseguir enxergar o quão grande é R.Nadal, pela sua garra, força mental e postura em quadra, MAS muito mais por causa da arrogância do Nole e das Noletes.

      Responder
  3. Luiz Fernando

    A quadra de Paris aparenta ser bem mais lenta do q a de Viena, Rafa vai enfrentar Lopez, jogador cujo BH básico é com slice, tudo se encaminha para a vitoria numero 999 na estreia…

    Responder
  4. periferia

    A Boneca
    Um tenista andando em uma praça…observa uma garotinha chorando…tinha perdido sua boneca…estava inconsolável.
    O tenista se aproximou.
    Combinou com a garotinha que iria procurar a boneca… no dia seguinte…entregaria.
    O tenista não encontrou a boneca…teve a ideia de escrever uma carta como se fosse a boneca…começava assim…
    “Não se lamente…parti para conhecer o mundo…escreverei sempre para vc contando minhas aventuras…”
    Esse foi o começo de muitas cartas…sempre que o tenista viajava …escrevia uma carta como se fosse a boneca visitando vários lugares do mundo…Londres…Nova York…Paris…Melbourne…muitos outros lugares.
    A garotinha ficava feliz….sabendo que sua boneca estava conhecendo o mundo.
    Um dia…na mesma praça…o tenista encontrou novamente a garotinha…dessa vez tinha uma boneca em mãos..com um bilhete.
    Presenteou a menina…obviamente a boneca era diferente da original.
    O bilhete da boneca explicava…
    “Minhas viagens me transformaram…hoje sou outra boneca”.
    Nunca mais o tenista e a garotinha se encontraram.
    Muitos anos depois…a garota… crescida…encontrou no interior da boneca um bilhete …em resumo dizia…
    “Tudo que vc ama…eventualmente perderá…mas…no fim…o amor voltará em uma forma diferente “.

    Poderia ser em uma praça :
    na Servia…
    na Espanha …
    ou na Suíça .

    Responder
    1. Rubens Leme

      Isso lembra o filme O Fabuloso Destino de Amélie Poulain quando ela rouba o boneco do jardim do pai e entrega para sua amiga aeromoça que fica mandando postais do mundo todo.

      Responder
      1. periferia

        Ola Leme
        Perfeito…..o filme francês pegou a ideia.
        O fato aconteceu com Franz Kafka em seu último ano de vida em Berlin…quem contava a história era sua última esposa….Dora Dymand…nunca se conseguiu provar (tentaram localizar a garota).
        O escritor Jordi Sierra escreveu a história …ela tem uma coisa infantil (o livro tem ilustrações de um artista espanhol )…é singelo…as crianças gostam muito …
        Engraçado que Kafka foi um escritor de temas pesados…uma vida atribulada (principalmente com mulheres).
        A história mostra um homem gentil e preocupado.

        Responder
  5. Antônio gabriel

    Dalcim, o que você achou das declarações do Djokovic após o jogo?, vi que algumas pessoas no “tribunal da internet” acharam que ele foi anti ético e desrespeitoso com o torneio por ter dito que foi ao torneio em busca do número 1, eu particularmente não achei nada demais, mas….

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Achei um tanto ‘desculpa de perdedor’, Antônio, porque ele fez o que deu contra Sonego e só desistiu mesmo após sofrer a segunda quebra. Não acredito que ele tenha ido a Viena só para somar 90 pontos. Ele foi para ganhar.

      Responder
  6. Paolo

    Coisa ruim mesmo Serjão, acusar os outros de fake sem ter provas.

    O homem que inspirou meu pai a me dar o nome, foi ele mesmo: Paolo Rossi, e está registrado no cartório. Além do mais, meus pais têm descendência italiana, assim como o Senhor Presidente Bolsonaro. Uma vez que muitos imigrantes italianos fizeram do Brasil sua nova morada.

    Muito obrigado por me ter me dado a oportunidade de dizer isso a todos do Blog. Abs!

    Responder
  7. Maurício Luís *

    Considerando que o Rublev está virtualmente classificado pro Finals, este Master 1000 de Paris será uma disputa particular entre ‘El Peque’ e Matteo Berretini pela última moicana das vagas. Olhando a chave, acredito que a do argentino está um pouquinho + fácil.
    —————————————————————————————————————————————————————————————————————————-
    Nada a ver com tênis, mas acho importante pontuar sobre algo que tem afetado profundamente e alterado a rotina do mundo inteiro.
    Cientistas e médicos se debruçam em pesquisas pra saber como se comporta o coronavírus. Definem quais medidas a serem tomadas pra evitar. Autoridades fazem as Leis baseadas nas pesquisas.
    O POVO – não aceita seguir as recomendações. Uns por falta de tempo, outros por preguiça, e outros por ignorice (mistura de ignorância com burrice). Não lavam as compras, entram em casa com o mesmo sapato e roupa da rua, máscara no pescoço, com o nariz de fora, pendurada na orelha, mete a mão suja na máscara, põe no bolso, tira do bolso, assoa o nariz na máscara… Esses os “melhorzinhos”. Fora os que não querem usá-las.
    Diante dessa BALBÚRDIA, o jeito então é inventar vacina.
    “Ah, mas vacina eu não vou tomar… porque dá reação, porque vem de não sei da onde…”
    CONCLUSÃO-=-=-=-=-= O jeito é todo mundo ir TOMAR um cafezinho.

    Responder
    1. Rubens Leme

      Não se engane. Os negacionistas não apenas serão os primeiros a serem vacinados (afinal, não querem morrer), como ainda darão um jeito de sumir com o estoque delas para vender no mercado negro.

      Esse papo de que não tomarão vacina é só da boca para fora. A vacinação no Brasil vai acabar sendo paga por cada um de nós e será muito cara. O governo virá com esse papo de que não é obrigatória e que só importará a quantidade solicitada. Daqui a pouco verá os mais ricos pegando seus jatos particulares para viajarem até os países vizinhos para serem imunizados. Acreditar em um governo em que Bolsonaro, Pazuelo, Guedes e Salles pinta e borda é como dizer que contratou raposas veganas para tomar conta do galinheiro.

      Essa desgraça não podia ter ocorrido em pior hora.

      Responder
      1. Maurício Luís *

        Tamos bem arranjados, Rubens. Negacionistas, Terraplanistas, gente que nega que pisaram na Lua… O pior de tudo não é ser ignorante. É produzir vídeos e textos fake que se espalham pelo Face, Whats, etc. Não basta ser ignorante. Tem que espalhar a burrice, e ainda por cima no ventilador.
        É DOSE.

        Responder
      2. Carlos Reis

        kkkkkkkkk Sabe o que pode VENCER qualquer doença? Um sistema imunológico FORTE e SAUDÁVEL. E quem pesquisa seriamente a respeito sabe que as va$$inas bagunçam completamente o nosso sistema imunológico. As crianças são obrigadas a tomar va$$inas e nunca tomaram tantas… Nunca se viu tantos casos de autismo, doenças auto imunes e câncer infantil como hoje… Coincidência!? Leiam o livro “Critical Vaccine Studies: 400 Important Scientific Papers Summarized for Parents and Researchers”, assistam o filme “VAXXED”, pesquisem, descubram A VERDADE! Man did not go to the moon. The Earth is Flat!

        Responder
        1. Maurício Luís *

          Este livro que você cita é do jornalista Neil Z. Miller. Não é nem médico nem cientista. O filme citado (Vaxxed) é um documentário norte-americano de **PSEUDOCIÊNCIA** de 2016, alegando um encobrimento dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças de um suposto vínculo entre a vacina MMR e o autismo.
          Em resumo: eu me baseio na Ciência, na Medicina e nas orientações da OMS. O senhor se baseia em um jornalista e em um filme de pseudociência.
          E é sempre a mesma coisa: há um “concluio” pra acabar com a humanidade. Igualzinho os que acreditam em discos voadores: dizem que há um concluio, que estão escondendo informação de nós, que tem ETs mortos congelados escondidos, etc.
          Isto de dizer que vacina causa autismo é uma DESINFORMAÇÃO perigosa, que pode levar pessoas ao erro.

          Responder
          1. Maurício Luís *

            Ex: a pessoa que acredita neste jornalista e neste filme aí pode resolver não vacinar o filho contra a poliomielite. Se a criança adoecer, ficará paraplégica para o resto da vida. Então cuidado com o que escreve, por gentileza.

        2. Maurício Luís *

          Mas o jornalista não é contra as vacinas. Ele diz que cabe aos pais pesarem os prós e os contras. Tá na biografia dele. Quanto a afirmar “Man did not go to the moon. The Earth is Flat!”, são afirmações tão fora da órbita que nem sequer merecem resposta.

          Responder
  8. Ronildo

    A surra que Djokovic levou do Sonego é sintomática do que falamos a muito tempo aqui no blog: que a idade pesará muito para ele, por todos os motivos repetidos milhares de vezes.

    Responder
    1. Luiz Fabriciano

      Da última vez que falaste isso para cá, o #1 do mundo faturou 1 GS, 1 500, 2 M1000, simples e duplas na ATP Cup e fez outra final de GS, perdendo para aquele que é o maior de todos no piso.
      Aguardamos novas previsões mais adiante.

      Responder
  9. Evaldo Medeiros

    Dalcim, a bola da vez é o Rublev, concorda? Debutando no Top 10, e o segundo que mais venceu no ano e agora o título em Viena. Me fale um pouco da sua visão a respeito do tênis desse rapaz, por favor. Hoje, o russo tem tênis, mental e físico para bater Nole e Nadal? Pode enfrentar Nadal já em Paris e enfrentará os dois melhores ranqueados no Finals.

    Responder
  10. Rafael Azevedo

    Que fase do Rublev!
    Esse vai ao Finais com méritos totais, ao contrário do seu colega russo (Medvedev) que se beneficiou do congelamento dos pontos.

    Frutraçao total com a Bandsport. Não passar, ao vivo, a final de um torneio em que ela é a única que tem o direito de transmissão no país? Pra quê adquiriu o direito, emtao?

    Felicidade total com Melo. Além de vingar Bruno das derrotas recentes para a dupla alemã, vence J.Murray na final. E de quebra adquire confiança para os 2 torneios finais da temporada.

    Responder
  11. Samuel

    Amigos,

    Tênis perder para o futebol no país do futebol é aceitável.
    Mas perder para moutain bike, já é demais.
    Veja a programação do Bandsports. Disputa das bike ao vivo e final do ATP de Viena, somente no replay.

    Samuel

    Responder
  12. Rodrigo S. Cruz

    Não tem aquele famoso filme do Bruce Willys, o “Duro de matar” ?

    Pois é.

    O tênis do Djokovic é o “Duro de assistir”.

    Hahahahaha

    Responder
  13. Paulo Almeida

    Incrível o choro até hoje com o trivice de Wimbledon 2019. Eu dou muita risada, kkkkkkkk.

    Djokovic foi o melhor na partida e ponto final. Venceu três sets e vacilou em não ter fechado o quinto set em 6-3. Simples assim.

    Ontem foi só um dia ruim na vida do rei do tênis, que claramente entregou no final, assim como contra o entressafreiro ano passado no Finals. O importante é que varreu fácil na Austrália depois.

    Responder
    1. Luiz Henrique

      Honestamente, concordo com vc.
      Eu achei surpreendente inclusive que Federer tenha chegado a sacar pro jogo. Achei que Djoko comandou todo o jogo, e os 2 sets que ele perdeu ele saiu totalmente do jogo, só pra depois voltar a se concentrar e ser o melhor na partida de novo.

      Responder
      1. Paulo Almeida

        Exatamente, Luiz.

        Esteve sempre à frente no marcador e o fato de ter saído de jogo em dois sets só adiou o inevitável. Claro que o eterno 40-15 foi delicioso, mas a partida já poderia ter sido resolvida bem antes.

        Responder
      2. Rodrigo S. Cruz

        Puxa.

        Mas que viagem, Luis Henrique! (rs)

        Como é que o Djokovic comando todo jogo, se ele tomou PAU em todas as estatísticas?

        É quase consenso que o Federer jogou melhor aquela partida.

        Tanto que o sérvio só ganhou em tie-breaks.

        Porque nem fechar set com quebra ele conseguia…

        Jogou melhor alguns pontos vermelhos, justamente os mais importantes e que definiram esses tie-breaks…

        Responder
      1. Paulo Almeida

        Não, continua o GOAT independentemente da partida lastimável contra o Sonego, que não apaga em NADA a carreira maravilhosa do sérvio e seu jogo belíssimo.

        Ora, os fanáticos pelo suíço continuam com seus devaneios de achar que quem ganhou apenas quatro Slams na era forte do tênis é o melhor…

        Prefiro a minha forma de pensar mesmo, rs!

        Responder
    2. Carlos Reis

      Simplesmente o título MAIS INJUSTO da história, mas enfim, quem mandou o Federer amarelar!? Hoje o rkg dos GS estaria 21-20-16, DjokoVICE estaria LONGE…

      Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Será que o rapaz achou o texto de Giles Simon “ confuso “ ? rs . O cara disse que seria ótimo para o Tênis se quebrassem os recordes de Federer. “ a França perdeu 20 anos em termos de evolução, devido a absurda adoração pelo Suíço. Não conseguimos ter um igual e daí que nada aconteceu “. Esqueceram de avisar ao cara , que desde 2005 quem domina em solo Francês é um Espanhol . E o seu grande rival na infância ( Gasquet ) , o único da “ Armada Francesa “ que se utilizou do Back Simples , virou um grande freguês de Nadal. Daí que quem deveria ter obtido todo esse fascínio não seria o Suíço. Mas é algo que acontece no Mundo inteiro. “ Federer pode não ser o Tenista mais eficaz e acho injustos os rumores de doping de Nadal “ . A meu ver a única coisa lúcida do seu discurso e’ este Final. O resto é uma demonstração de incompetência total dos Tenistas franceses que não vencem em RG desde 1983 . Roger Federer nasceu em 1981 . Abs!

      Responder
      1. Paolo

        kkkkkk, sabe muito mesmo hein, Serjão?

        Os australianos não vencem o AO desde 1976…

        – Quanto tempo durou o jejum britânico em Wimbledon?

        – US Open, desde 2003 e contando…

        Seria legal você apurar a verdade dos fatos, para postar o comentário.

        Simon é um verdadeiro profeta… São verdades inconvenientes, escabrosas e ocultas que ele revela e explana. O francês tem uma visão privilegiada. Vou escutar esse cara. Abs!

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Não atos és o Paolo Rossi de vários Nicks kkkkkkkk. Leia o texto do cara com atenção . O que tem Federer a ver com o fraquíssimo mental seu e dos franceses ???? Kkkkkkkkkkkkkkk Abs!

          Responder
    2. Gildokson

      Luiz, outro dia um comentarista se não me engano da BBC, disse que hoje em dia qualquer um pode vencer WB devido a lentidão do piso, meio que insinuando que nos tempos dourados onde a grama era rapidíssima nem Nadal e nem Djokovic teriam tantos títulos por la.
      Todos no mundo do tênis tem opinião formada sobre tudo, e cada um concorda com oq lhe convém.

      Responder
    3. Rodrigo S. Cruz

      O Simon disse condenar a idolatria por QUALQUER tenista, e não só pelo Federer.

      Ele afirmou que pessoas que dizem só assistir tênis por causa de determinado tenista, não aprecia tênis.

      E eu concordo plenamente com ele.

      Mas tem gente aqui nesse blog que só assiste por causa do Encosto mesmo. Fato!

      Responder
  14. DANILO AFONSO

    Vi muita gene destacando que o SONEGO sacou muito bem e teve competência para sustentar as trocas, mas teve outro detalhe importante no jogo: o italiano fez ótimas devoluções em vários games, forçando muitos erros do Djokovic ou possibilitando que o italiano dominasse o ponto. Djokovic provou do seu próprio veneno.

    Responder
  15. Rafael

    É impressionante como Rublev gera potência nos golpes.
    ______________________________________________________________

    PS: Na minha opinião, Djoko deu uma entregada feia ontem. Quando viu que Sonego estava inspirado, desistiu. Iria perder de qualquer forma, mas deveria ter lutado até o fim, por respeito ao esporte,ao adversário, ao público, aos torcedores… fiquei decepcionado. Enfim, é a vida.

    Responder
    1. Rafael

      Apesar que dizem que muito do abatimento do Djoko se deveu a morte do líder religioso deles, inclusive ele havia postado uma imagem a respeito no Instagram horas antes do jogo, vai saber o nível de devoção e o quanto isso influenciou na cabeça dele. Não dá para julgar. Aparentemente a nação inteira estava chocada.

      Responder
  16. Paolo

    Com a palavra , o melhor tenista de todos os tempos:

    “Farei uma boa preparação para Londres para ter um bom final de temporada”.

    Estou muito orgulhoso, Djokovic é o número 1 ao final da temporada pela sexta vez(!) e recordista de semanas na liderança do ranking.

    Não sei porque esse alarde todo da torcida Federista.

    Sentem vergonha do próprio Federer e torcem pra outros jogadores para tapar o buraco no orgulho. Abs!

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Na verdade sentimos orgulho, né?

      Orgulho de torcer pelo melhor tenista que já se exibiu numa quadra de tênis.

      E que, graças a Deus, em nada lembra o tênis TARJA PRETA do Djokovic!

      kkkkkkkkk

      Responder
      1. FELIPE EDUARDO DE SOUZA ROSA

        Sou RAFA desde 2005, mas tb sinto orgulho de torcer e assistir ao maior gênio (provavelmente não termine como o maior vencedor) que já pisou numa quadra de tenis. Pude ver bem de perto o REI em Miami, Paris e NY, é IMPRESSIONANTE, tudo que envolve esse cara!

        Em Paris-12 estava assistindo Djoko e Tsonga na P. Chatrier (um JOGAÇO, que DJOKO, pra variar, fez milagres pra vencer) e na Suzanne Lenglen jogavam ROGER x DELPO. Estava 2 a 0 pro argentino e o barulho começou a ficar ensurdecedor na quadra central, acreditem, vinha da outra quadra, e era a torcida gritando “ROGER, ROGER, ROGER”. Acho q chegava a atrapalhar Nole e JO. RF virou e ganhou, 3 a 2, incrível como as pessoas vibravam no complexo de RG depois do jogo, parecia final de copa do mundo, e o francês havia acabado de perder pro sérvio, mesmo tendo alguns match points (novidade) e tendo feito, talvez a melhor partida da sua vida. Isso me fez ver algo inamiginável (estávamos na França, o ídolo local tinha chances de título, já estava nas QF e jogando como nunca), Roger era e ainda é a personificação do TENIS.

        Não existe ng parecido! Poucos falam, mas a movimentação do pai é algo de outro planeta, assusta presencialmente, ele corre na ponta dos pés, parece levitar! As pessoas (torcedores) se “matam por ele”. Vi filas gigantescas em NY, para entrar na loja de acessórios de… RF, isso mesmo, só dele, DENTRO do complexo de Flushing Meadows em pelno US Open. Nada parecido nas outras lojas do cpmplexo, embora RAFA tb tivesse a sua.

        Sempre ansioso pra vê-lo novamente nos courts. Que bem vc faz ao tenis, ROGER!

        Responder
        1. André Barcellos

          Vi Federer duas vezes ao vivo e percebi a mesma coisa. O jogo de pés fascina, mas a movimentação em geral é realmente “principesca”, como disse o Agassi em seu livro.
          O cara conseguiu aliar um tênis criativo, fora da caixa e genial a grandes resultados.
          Vi nas QF do UsOpen de 2014 contra o Monfils…naquela virada espetacular.
          E vi no finals de 2015 contra Djokovic, na fase de grupos.
          Em ambos os jogos o Federer venceu e a torcida foi ensurdecedora a favor do suíço.
          É difícil pra qualquer um que queira ser grande ou “amado” ver essa veneração ano a ano sem sentir despeito.
          Esse fenômeno ainda será “estudado” depois que Federer parar de jogar.

          Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Tarja preta mesmo, Danilão…

          O Djoko é pior do que aquelas reprises da TV, como aquele filme estrelado pelo Bruce Willys – “Duro de matar”.

          Mas que de tão sem-graça e repitido acabou recebendo o apelido de ” Duro de assistir”.

          kkkkk

          Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          “ França perdeu 20 anos de formação tenística por culpa de Roger Federer “ . Seu questionamento completo em seu novo livro , é citado pelo Le Parisien e reproduzido no Bola Amarela e parte no TênisBrasil . Abs!

          Responder
    2. Daniel C

      Hã? Eu li direito? Rsrs.

      O que a torcida mais sente em relação ao Federer é orgulho. Do tênis praticado pelo suíço, que enche arquibancadas e dá muito ibope e também do carisma dentro e fora das quadras (que é natural, então ele nunca precisou fazer palhaçadas como fazer imitações ou jogar corações pra arquibancada para parecer carismático)

      Por outro lado, vejo uma certa torcida recalcada, pelo fato do ídolo ter muito menos popularidade que Federer e Nadal, jogar sempre com torcida contra, e ter um jogo considerado sem graça e sem sal por muita gente. Para essa turma, o único apego são os números, as estatísticas, os recordes. O cara ganha títulos a rodo, é no1 e tal, mas o mundo está é ansioso pela volta de um Federer com 39 anos…Deve ser irritante.

      Mas uma coisa não podemos negar. É frustrante alguém com o estilo e o talento do Federer ser superado por um jogador que é apenas muito eficiente na sua proposta de jogo e nada mais. E saber que isso só aconteceu pelos seguintes motivos: quadras padronizadas e mais lentas, diferença de idade, vacilos do próprio Federer e ausência de gerações mais novas de qualidade.

      Responder
    3. Gildokson

      Pq alguém sentiria vergonha de um tenista que tem mais de 300 semanas na liderança do ranking, 28 Masters 1000, 6 Filnals, 20 Grand Slans, Copa Davis, Ouro Olímpico em duplas, 103 títulos na carreira e diversos recordes?
      Explica aí pra nós?
      hahahahahahahahahahahaha

      Responder
  17. periferia

    Olá

    Encontrando Forrester…2000…Gus Van Sant.

    A relação de um escritor recluso com um jovem de muito talento literário.
    O personagem do escritor é inspirado em J.D. Salinger…autor de um grande livro (O Apanhador no Campo de Centeio).
    O filme aborda com muita sensibilidade a relação de duas pessoas tão diferentes.
    Crítica fortemente o sistema educacional atual (mesmo após 20 anos)…onde o professor ainda ocupa o lugar central..enquanto o aluno tem uma posição passiva…se transformando em um recipiente onde é colocado os devaneios intelectuais do mestre (lembra Paulo Freire ).
    Considero o melhor trabalho de Sean Connery (É olha que o escocês fez O Homem que Queria Ser Rei…e Em Nome da Rosa).

    Hoje morreu Sean Connery…

    Responder
      1. periferia

        Ola Luiz

        E se transformou em cereja dos filmes.
        Bastava sua presença em um papel de coadjuvante para fazer o filme atingir um outro patamar de qualidade.
        Como em A Caçada ao Outubro Vermelho…mesmo em um submarino….no fundo do mar….vivendo um capitão russo…..ele domina o filme.

        Responder
        1. lEvI sIlvA

          Caros Peri, Leme, Luiz Fernando e demais. Foi com muito pesar que li essa triste notícia. Sempre fui admirador do ator Sean Connery, apesar de não gostar muito de 007 até hoje. Creio que tenha sido o melhor, no papel!
          Peri, meu caro, até filmes menores como “A Rocha” e “Liga Extraordinária” (que tenho em blu-ray) ficam muito melhores, graças a magnética presença de Connery.
          De repente, bateu uma imensa vontade de ter toda a filmografia dele…
          😢😢😢

          Responder
          1. periferia

            Olá IEvI

            Liga Extraordinária foi o último filme dele….brigou tanto com o diretor que resolveu se aposentar.

            Abs

    1. Rubens Leme

      Concordo contigo, é o melhor filme de Sean Connery. Já leu os demais livros de Salinger, como Franny e Zooey ou Carpinteiros, Levante Bem Alto a Cumeeira e Seymour, Uma Introdução? São incrivelmente desinteressantes.

      Woody Allen brincou com o mito do Salinger na série da Amazon, Crise em Seis Cenas.

      Voltando ao Sean Connery, ele esteve brilhante em Até os Deuses Erram (de Sidney Lumet) e é seu carisma que segura outro flme que fez com Lumet, Negócios de Família, uma história capenga, onde interpreta o pai de Dustin Hoffman e o avô de Matthew Broderick. Este filme pode ser visto na Amazon Prime.

      Responder
      1. periferia

        Ola
        Escritores como o Salinger acabam ficando refém de uma única obra…..não conseguem se libertar ….o acerto é tão direto que fica difícil fazer algo melhor.
        Ele no começo (antes da guerra) escrevia muitos contos para publicações americanas…alguns muito bons (não sei se por causa da época…a guerra…eram melancólicos…).
        Após o sucesso de “Centeio”…sua obra (sequência) praticamente virou um novelão sobre a familia Glass…sempre presente em seus livros.
        Ele é um autor de uma única obra…..genial….incrivelmente universal….faz sucesso no mundo inteiro….até hoje faz….algum crítico um pouco mais ácido diria:
        -Foi sorte..
        Rs

        Responder
        1. Rubens Leme

          Fosse na música, Salainger seria o “one hit wonder”. Sim, a saga da Família Glass aparece em Franny e Zooey, mas é muito chata. Confesso que não sou grande fã do livro e o reli em vários momentos da minha vida, mas náo dá para negar que é uma obra impactante e ganhou uma fama de livro “assassino” após Mark David Chapman ser preso, com a obra, depois de assassinar John Lennon ou quando John Hinckley Jr foi preso por tentar matar Ronald Reagan.

          Responder
          1. periferia

            Olá Leme.

            Tem obras assim …estou tentando ler Ulisses do Joyce faz 15 anos.
            Sempre começo a ler….nunca passo do segundo capítulo…acho chato.
            Livros estão ligados ao tempo…muitos funcionam melhor na juventude….outros quando estamos mais maduros.
            Estou esperando o tempo certo para entender Leopold Bloom (mas não pode demorar muito…daqui a pouco morro…rs).
            Ano que vem vou tentar de novo.

          2. Rubens Leme

            Depende de qual tradução do Joyce está lendo. Se for a do Houaiss pode queimar, é mais fácil ler em inglês, mas existem duas muito boas em português, sendo a mais recente, do Galindo, pela Pinguim a melhor de todas.

            Gozado, eu li numa boa, não sofri com Ulisses. O segredo é ler todos os dias e com bastante tempo porque se começar a ler 5 páginas hoje, mas 10 amanhã e depois ficar dois dias sem ler, esquece, não dá certo.

            Mas livro é assim mesmo, alguns não descem.

  18. Luiz Fernando

    Rublev esta jogando em alto nível, não ha como dizer o contrario. Ótima movimentação e ótima potencia nos golpes, esta ha léguas do cara q assisti ao vivo nas quartas contra Rafa no USO 2017. Venceu o primeiro set muito disputado contra Anderson e vai dominando o segundo após a contusão do sul-africano, que talvez abandone a partida. Franco favorito p vencer amanha contra qualquer adversário…

    Responder
  19. Renan Vinicius

    Rapaz, agora a maionese desandou de vez para o lado do sérvio. O cara levou 2 pneus do Nadal 2019/2020 e ainda tomando surras de amadores como esse Sonego. É o preço a se pagar pelo tamanho da arrogância dele, de sua família e sua equipe.
    Quem nasceu pra ser Djokovice, nunca será Federer ou Nadal.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Assino embaixo.

      O patinho feio do tênis nasceu para viver na PENUMBRA dos 2 arquirrivais, mais populares do que ele.

      Também, né?

      Quem manda querer ser bullier de boleiros? (rs)

      Responder
  20. Rodrigo S. Cruz

    Parte ainda não abandonou o fomento à velha falácia que cerca o Finals 2014.

    Torneio em que acusam o Federer de “fugir” do encosto, na decisão…

    Acusação esta fundada sobre um castelo de areia.

    Já que o suíço nunca foi “réu” recorrente de suposto embuste.

    E antes que me acusem de parcialidade, o Djokovic também não.

    Olha que eu até gostaria que algumas vezes o Federer tivesse feito… (rs)

    Todos sabem que ele não ganha nem por decreto do Nadal, em Roland Garros.

    Mas em 2019 ele estava lá dando a cara para espancar, mais uma vez…

    Também falam de um jeito, como se a vitória do sérvio em 2014 fosse líquida.

    Outro delírio, né?

    Esquecem completamente de surra bem mais recente que o Novak tomou no último Finals…

    kkkkk

    Responder
  21. Rodrigo S. Cruz

    Olha…

    Considero GRAVÍSSIMAS as acusações da modelo e ex-namorada do Zverev, Olya Sharypova.

    O relato que a moça dá é até certo ponto chocante, na minha opinião:

    “(…) Chegamos um pouco atrasados e Sasha ficou com raiva por causa disso. Quando cheguei em casa, brigamos. Nossas brigas sempre aconteceram do zero. Escrevi no Instagram que ele tentou me estrangular com um travesseiro, e torceu meus braços.
    Tentei várias vezes sair correndo da sala, mas ele não me deixou. Tive medo de que alguém pudesse nos ver e ouvir. Mas no final consegui me libertar e corri descalça. Fiquei escondida em um canto do hotel, mas Sasha desceu e me encontrou. Ficamos perto da entrada lateral. Chorei e tentei sair, mas ele queria que eu voltasse para a sala e conversássemos. Ele também disse que ninguém se importava comigo e nem com o que ele faria comigo. Felizmente, pessoas apareceram e escapei para a rua com elas. Estava sozinha e descalça no meio da rua. Que bom que eu tinha um telefone e pude contatar um amigo que veio me buscar”.

    Se isso tudo que veio à tona for verdade, estamos diante de um CANALHA!

    É por gente dessa LAIA que o Big 3 será sucedido? Que triste.

    Depois ainda tentam demonizar o Nick Kyrgios…

    Responder
    1. Luiz Fernando

      Estou de acordo c vc Rodrigo, desde q o SE seja CONFIRMADO. O estranho é q uma situação grave como esta, inclusive com uma suposta tentativa de assassinato segundo a moça, tenha demorado tanto para ser exposta pela vitima. Creio q 99% das pessoas q passassem por isso fariam a denuncia de imediato. Vc não estranha isso?

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Pode ser, Luiz.

        Ou então ela pode ter sentido medo, sofrido uma ameaça, entrado num acordo com ele e mudado de ideia.

        Realmente só podemos especular.

        Tudo é possível…

        Responder
      2. Rafael Azevedo

        Luiz, eu acredito que 99% das vítimas não denunciam de imediato por medo, vergonha ou peso na consciência (querendo ou não, o agressor é alguém que a vítima tem uma relação íntima).

        Responder
      3. Luiz Fabriciano

        O maior inimigo das vitímas de feminicídio, ao menos no Brasil, é o medo de denunciar. As estatísticas da polícia sempre apontam isso.
        Na Índia é um pouco pior. A mulher passa de vítima à responsável por seu próprio estupro, quando é o caso desse.

        Responder
  22. Wladner

    Dalcim,

    Pra mim era plenamente possível a ATP ter feito regras mais robustas quanto ao ranking, porque um jogador que não está sendo afetado pela pandemia como o Djokovic escolher não jogar um master 1000 por já ter os pontos assegurados e ainda jogar um torneio a mais para acumular mais pontos eh injusto e diminui o esporte como um todo. Penso que uma solução seria algo como ranking protegido, ou seja, só se manteria os pontos aos jogadores que realmente estivessem sendo afetados pela pandemia como dificuldades de locomoção e treinamento. Esses records que o Djokovic está a bater na minha opinião estarão meio abalados pois os 1000 pontos de Paris não fazem sentido algum. O que vc pensa sobre isso? Abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que a decisão da ATP foi correta, Wladner, e vale lembrar que os próprios tenistas concordaram com o critério adotado. Não vi mesmo muita saída para o problema. Claro que não é legal se ignorar a defesa dos pontos, o que teria transformado os torneios em duelos mais interessantes, mas a rigor acho que não teria grande influência no atual domínio do Djokovic, já que o Nadal defendia 4 mil pontos nos dois Slam realizados.

      Responder
  23. Lucas Leite

    Dalcim, para mim ficou claro hoje o foco do Djokovic em bater recordes, foi ao torneio com o objetivo de garantir o topo do ranking até o fim da temporada e tendo isso alcançado (visto que Nadal não jogará em Sófia), o sérvio parece ter perdido totalmente a motivação. Lógico que o italiano tem seus méritos, mas o Novak Djokovic que estava invicto no ano até Roland Garros não está nem perto de ser o que vimos em quadra hoje.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não vi desmotivação do Djokovic até ser quebrado pela segunda vez no segundo set, Lucas. Até então ele estava sim muito empenhado, chegando em bolas muito exigentes. O fato é que não estava funcionando.

      Responder
  24. Eduardo Moura Lima

    Fala Dalcim!

    Observando essas duas últimas derrotas do Djokovic e relembrando algumas também do Nadal e Federer, ao mesmo tempo que me recordava que vários especialistas de tênis (não me lembro se você incluso ou não) dizendo que o nível técnico dos tenistas top 50 é muito próximo, diferenciando-os apenas o aspecto mental, concluí: a forma mais fácil (ou até a única) de se derrotar esses monstros do Big 3, é através de uma tática bem aplicada. Concorda?

    Porque veja, a vitória do próprio Nadal em cima de um Djokovic até então imbatível no ano, foi utilizando uma tática bem estruturada de se preparar para as deixadas do sérvio e variar o tempo todo peso, altura e direções de bola. Essa vitória do Sonego segundo você (não assisti o jogo) também se deveu a uma tática bem feita de deixada de direita e forehand agressivo aliado ao saque. O Djoko também se complica quando o adversário usa a paralela no seu forehand com frequência.
    O Nadal pré 2017 sempre foi suscetível a tenistas que espancavam a bola de forma reta e na subida, sufocando o tempo todo. O Federer era mais vulnerável quando massacravam a sua esquerda ou cortavam radicalmente os ENF.

    Enfim, me parece que na técnica, físico ou mental sempre foi e continua sendo muito difícil ganhar desses três. Porém uma tática bem elaborada, e claro, bem executada, o caminho é bem mais fácil. Óbvio que isso não elimina a necessidade do tenista ter que estar em um dia bom, exercendo bem os outros 3 aspectos. Mas me parece que os adversários tem esquecido um pouco a construção mais minuciosa do aspecto tático ao defrontarem esses 3.

    O que acha?

    Abraço

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      É bem por aí, mas importante lembrar que para uma tática dar certo é preciso ter as armas corretas. Daí vermos que muitos tentam mas não conseguem, e acho que é exatamente aí que o Big 4 se destaca tanto. Eles possuem as mais variadas armas, o que permite alterar a tática até mesmo dentro de um mesmo set.

      Responder
  25. Sérgio Ribeiro

    Bem , quem assistiu o atropelo em RG e esses três jogos em Viena , percebe que físico de longe e’ problema pro Sérvio. Agora , no momento quando pressionado, suas escolhas tem sido surpreendentemente ruins . O Italiano de 25 , não se sentiu intimidado em momento algum . Coisa que o Sérvio odeia , daí outro atropelo. Aqueles que diariamente enchem o saco com previsões de N SLAM para Novak , e desdenham a Next Gen , lembrem que quatro dos oito presentes no FINALS irão pra cima do Sérvio , sem contar o Espanhol. .Tisitsipas perdeu pra Dimitrov , mas Rublev desconheceu o dono da casa em Viena. Num ATP 500 considerado fortíssimo , o fiasco total foi do N 1. A Next Gen novamente na Semi e com chances reais de Final. Abs!

    Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Dominic Thiem , Next Gen ??? Já foi parceiro . Assim como o seu papinho , já deu . Se usa o termo Nova Geração, pra distinguir Medvedev , Rublev , Zverev , Tisitsipas, Shapovalov e CIA … de Dimitrov , Dieguito , e outros da faixa de Thiem pra mais. Já sei . Está muito “ confuso para o L . Fa e o L.F. entenderem… Abs!

        Responder
        1. Luiz Fabriciano

          Quem chamou Dominic Thiem de NextGen por causa do US Open foi você “parceiro” .
          Não entende nem seus próprios comentários. Nem uma surpresa.

          Responder
          1. Sérgio Ribeiro

            Cara , você pirou ? Next Gen eu chamei Zverev o oponente de Dominic na FINAL. Somente um cara totalmente alienado pode dizer que alguém aos 27 anos e’ um deles se o ATP NEXT GEN FINALS abrange competidores até 21 anos . Se liga, mane’ . Abs!

  26. Rodrigo S. Cruz

    Hoje foi um dia feliz para o tênis.

    Não só pela “sapatada” que o lucky loser deu no número 1 do mundo.

    Mas por colocar uma verdade às escâncaras!

    Contida a breve euforia, lembremos que o sérvio só reclamou o direito dele de viver um dia de PEREBA!

    kkkkk

    Nenhum dos grandes escapa de um mau dia.

    E perder de 6/2 e 6/1, apesar das zoações, não chega a ser coisa de outro mundo…

    Quem não lembra daquele “PNEU MORAL” que o Fognini aplicou no Nadal, em pleno Monte Carlo?

    No entanto, muito pior é isso:

    um tenista colecionador de glórias como o Djokovic provar-se tão deficitário de ter um jogo espetacular.

    Como pode ele perder um primeiro set, sem encaixar um único forehand ou backhand vencedor?

    O Luiz Fernando comentou na pasta anterior que ele lembrou o Kyrgios, pelo desinteresse na partida.

    Mas acho que não… Foi muito pior.

    O Kyrgios desinteressado do jeito que for, dá o seu show.

    Uma bolinha desconcertante entre as pernas aqui, um saque por baixo ali, uma martelada seca de forehand, enfim…

    Já o Djokovic ganha 17 Slams, persegue recordes, lidera o h2h do Big 3, e dá um vexame desses?

    Não encaixa 1 só miserável winner, em 8 games disputados?

    Na boa, que ARREMEDO de campeão esse sujeito, não?

    Acaba sendo pouco para um cara que postule o glorioso título de GOAT do tênis.

    O maior de todos os tempos tem de obrigatoriamente ser someone who DAZZLES !!!

    É muito difícil a maioria do público engolir esse incômodo e constante “winning ugly” do sérvio… (rs)

    Wimbledon 2019 é curiosamente o exemplo que eu gosto mais.

    O Djokovic conseguiu LEVAR FUMO em todos os itens expostos no quadro de estatísticas, exceto erros não-forçados.

    E mesmo na comparação dos erros, a diferença em favor do sérvio foi bem modesta:

    52 erros diretos diante de 62 do suíço que lhe aplicou expressivos 94 winners a 54!!!

    Por essas e muitas outras é que eu acho inevitável que conquistas importantes do sérvio percam parte do brilho.

    Não dá para ser GOAT assim… (rs)

    Responder
  27. periferia

    Imagem e Som

    Jazz…..Whiplash…Damien Chazelle…2015
    A relação complicada entre o mentor e o pupilo na busca pela perfeição.

    Punk…..Sid & Nancy…Alex Cox…1986.
    Sid Vicious mostrando a vida como ela é….realmente o amor mata.

    Rock….The Doors..Oliver Stone 1991.
    Val Kilmer “incorporou” Jim Morrison…um filme de fã para fãs.

    Clássica…Amadeus…Milos Forman (um mestre)…1984
    Salieri surpreso pelo “doidinho” Mozart ser um gênio.

    Responder
    1. Rubens Leme

      Vamos lá, que o tema é bom.

      JAZZ – Por Volta da Meia-Noite (1986), com Dexter Gordon vivendo um personagem inspirado nas vidas erráticas de Charlie Parker e Bud Powell. Filmado quase todo em Paris e um desfile de músicos impressionantes tocando ao vivo: além do próprio Dexter, Herbie Hancock, Tony Williams, Wayne Shorter, John McLaughlin, Bobby Hutcherson, Ron Carter, e uma pontinha de Martin Scorsese. Outro não menos brilhante é BIRD (1988), com Forest Whitaker arrasando como Charlie Parker, em uma direção notável, segura e sensível do valentão Clint Eastwood, que ganhou seu primeiro Globo de Ouro na carreira, justamente como diretor.

      PUNK – Recomendo do mesmo diretor de Sid e Nancy (Alex Cox), o spaghetti western cômico Straight to Hell, com Joe Strummer ou o documentário Rude Boy (1980), sobre o movimento punk tendo o Clash como expoente.

      ROCK – Quase Famosos (1999) A história de William Miller, alter-ego do diretor e roteirista Cameron Crowe que aos 15 anos já escrevia para a Rolling Stone. Único filme decente na carreira de Kate Hudson.

      CLÁSSICO – concordo contigo, é AMADEUS mesmo.

      E ACRESCENTO HUMOR E ROMANCE – ALTA FIDELIDADE (2000) – John Cusack e o diretor inglês Stephen Frears transportaram o romance de Nick Hornby de Londres para Chicago e fizeram um dos melhores filmes do gênero, que casou muito com minha vida, uma época em que eu fazia bico numa loja de cds de 9 às 18 hs e trabalhava como jornalista em um site, das 19h às 3 da manhã, de segunda à sexta-feira. Junto com Quase Famosos foi, provavelmente, o filme que mais assisti na vida.

      Responder
      1. periferia

        Olá Leme

        Quando vc mencionou Alta Fidelidade….lembrei do documentário Woodstock-Mais que uma loja.
        O documentário tem histórias incríveis.
        Lembro quando garoto ficar na porta da loja …vendo aquela turma de roupas estranhas entrando.
        O Anhangabaú tinha charme naquele tempo.

        Responder
        1. Rubens Leme

          Uma pena que essa cultura de comprar discos em lojas esteja praticamente morta, ainda que algumas lojas sobrevivam. Mas o preço do vinil hj é simplesmente ridículo, muito mais caro do que na minha época.

          Sábado era dia de peregrinação e, às vezes, até ficava no balcão, mesmo estudante, muito antes de me “profissionalizar”, entre 1998 e 2000. Até as locadoras de vídeo dão saudades.

          Responder
  28. Samuel

    Dalcim,

    Para apimentar o debate relativo as conquistas de Grand Slam versus primeira colocação no ranking ATP, eis alguns dados:

    Na era aberta:

    Tenistas # 1 do ranking – 26:
    Agassi, Becker, Borg, Connors, Courier, Djokovic, Edberg, Federer, Ferrero, Hewitt, Kafelnikov, Kuerten, Lendl, McEnroe, Moyá, Murray, Muster, Nadal, Nastase, Newcombe, Rafter, Rios, Roddick, Safin, Sampras e Wilander.

    Tenistas # 1 do ranking antes de conquistar Grand Slam – 2:
    Lendl (# 1 em 1983, primeiro GS em 1984), Rios (# 1 em 1998)

    Tenistas # 1 do ranking sem conquista de Grand Slam – 1:
    Rios (# 1 em 1998)

    Tenistas # 1 do ranking no final da temporada – 17:
    Agassi, Borg, Connors, Courier, Djokovic, Edberg, Federer, Hewitt, Kuerten, Lendl, McEnroe, Murray, Nadal, Nastase, Roddick, Sampras e Wilander.

    Tenistas # 1 do ranking no final da temporada, sem conquista de GS na mesma – 2 em 3 temporadas):
    Connors (1975 e 1977) e McEnroe (1982).

    Tenistas vencedores de Grand Slam – 55:
    Agassi, Ashe, Becker, Borg, Bruguera, Cash, Chang, Cilic, Connors, Costa, Courier, del Potro, Djokovic, Edberg, Edmondson, Federer, Ferrero, Gaudio, Gerulaitis, Gimeno, Gomes, Hewitt, Ivanisevic, Johansson, Kafelnikov, Kodes, Korda, Krajicek, Kried, Kuerten, Laver, Lendl, McEnroe, Moyá, Murray, Muster, Nadal, Nastase, Newcombe, Noah, Orantes, Panatta, Rafter, Roddick, Rosewall, Safin, Sampras, Smith, Stich, Tanner, Teacher, Thiem, Vilas, Wawrinka e Wilander.

    Tenistas vencedores do Australian Open – 26:
    Agassi, Ashe, Becker, Connors, Courier, Djokovic, Edberg, Edmondson, Federer, Gerulaitis, Johansson, Kafelnikov, Korda, Kried, Laver, Lendl, Nadal, Newcombe, Rosewall, Safin, Sampras, Tanner, Teacher, Vilas, Wawrinka e Wilander.

    Tenistas vencedores de Roland Garros – 27:
    Agassi, Borg, Bruguera, Chang, Costa, Courier, Djokovic, Federer, Ferrero, Gaudio, Gimeno, Gomes, Kafelnikov, Kodes, Kuerten, Laver, Lendl, Moyá, Muster, Nadal, Nastase, Noah, Panatta, Rosewall, Vilas, Wawrinka e Wilander.

    Tenistas vencedores de Wimbledon – 21:
    Agassi, Ashe, Becker, Borg, Cash, Connors, Djokovic, Edberg, Federer, Hewitt, Ivanisevic, Kodes, Krajicek, Laver, McEnroe, Murray, Nadal, Newcombe, Sampras, Smith e Stich.

    Tenistas vencedores do US Open – 28:
    Agassi, Ashe, Becker, Cilic, Connors, del Potro, Djokovic, Edberg, Federer, Hewitt, Laver, Lendl, McEnroe, Murray, Nadal, Nastase, Newcombe, Orantes, Rafter, Roddick, Rosewall, Safin, Sampras, Smith, Thiem, Vilas, Wawrinka e Wilander.

    Tenistas que conquistaram Grand Slam e que não foram # 1 do ranking – 30:
    Ashe, Bruguera, Cash, Chang, Costa, del Potro, Edmondson, Gaudio, Gerulaitis, Gimeno, Gomes, Ivanisevic, Johansson, Kodes, Korda, Krajicek, Kried, Laver, Noah, Orantes, Panatta, Rosewall, Smith, Stich, Tanner, Teacher, Thiem, Vilas e Wawrinka.

    Tenistas que conquistaram Grand Slam e que não foram # 1 do ranking no final da temporada – 38:
    Ashe, Becker, Bruguera, Cash, Chang, Cilic, Costa, del Potro, Edmondson, Ferrero, Gaudio, Gerulaitis, Gimeno, Gomes, Ivanisevic, Johansson, Kafelnikov, Kodes, Korda, Krajicek, Kried, Laver, Moyá, Muster, Newcombe, Noah, Orantes, Panatta, Rafter, Rosewall, Safin, Smith, Stich, Tanner, Teacher, Thiem, Vilas e Wawrinka.

    Então, seria possível ter uma noção do que é mais difícil e do que é menos difícil de conquistar.

    Samuel

    Responder
    1. Samuel

      Amigos,

      Até o momento, somente um tenista # 1 do ranking da ATP não conquistou Grand Slam (Marcelo Rios) e trinta vencedores de Grand Slam na Era Aberta não chegaram ao # 1 do ranking.
      Com certeza absoluta, a carreira do Marcelo Rios foi superior à carreira da imensa maioria destes 30 tenistas.

      Samuel

      Responder
      1. Luiz Henrique

        Discordo totalmente.
        Rios ter carreira melhor do que campeões de grand slam só pq foi alguma vez nº 1 do mundo?
        Não faz o menor sentido.
        N dá pra comparar nem de longe com o Wawrinka que ganhou 3 GS.~
        Pra um jogador que não ganhou GS ter uma carreira melhor do que um que ganhou, só se a carreira do que ganhou “se resumir” aquele título, e o que não ganhou GS tiver ganhado muitos outros torneios grandes e ter tido maior premiação em dinheiro.

        Responder
        1. Samuel

          Amigo,

          Não afirmei “todos os trinta”, escrevi “imensa maioria ” e Wawrinka certamente não faz parte da imensa maioria citada por mim.
          Talvez você não analisou a carreira destes trinta jogadores, levando-o a ter uma opinião diferente da minha.
          De-se um tempo,, faça a análise e verá que tenho razão!!!

          Samuel

          Responder
          1. Luiz Henrique

            Tudo bem, mas não da pra dizer a priori que ser nº 1 vale mais do que GS.
            No fim das contas para comparar carreiras tem que se analisar tudo…
            O Nadal por ex, antes mesmo de ser nº 1 pela 1º vez, já tinha uma carreira bem superior a vários nº 1.
            Tem q ver caso a caso

      2. periferia

        Olá Samuel…..

        Sei não…..apenas olhando no cenário sul-americano…temos o Vilas com quase mil vitórias na carreira….e o equatoriano Andrés Gomez com quase 600 vitórias….Del Potro com quase 500 vitorias…..Rios não tem 400 vitórias na carreira.
        Naquela relação….temos Laver…Wawrinka…Bruguera…Rosewall….Smith….Ashe…..apenas para ficar em alguns.
        O Rios tem o mérito de ter sido o primeiro sul-americano líder do ranking (mesmo assim com controvérsia….Vilas reivindica o lugar)…foi um ótimo jogador….mas a concorrência é grande (qualidade).
        Muito boa a pesquisa.

        Abs

        Responder
  29. Paulo Almeida

    Como o tênis acabou até o Finals, acho que aproveitarei o fim de semana para ver os melhores momentos dos três atropelamentos que o rei da grama DjokoGOAT deu no Geleinha em Wimbledon. Já no próximo, devo assistir às 4 no Australian Open. E olha que o freguês jogou o melhor que podia em todas essas campanhas, mas foi pouco para parar o Serbinator.

    Responder
    1. Gildokson

      Essa pancada na final de Roland Garros te deixou mais avariado das idéias que ja era hein Paulo?!
      Dizer que ganhou 3 WB do Federer ok, mas atropelo? kkkkkkķ
      Não é possível que depois de ver o que o Nadal fez com o Djokovic na “final do século” kkkkkkkkkk vc ainda não saiba diferenciar o que é um atropelo. kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Responder
  30. André Barcellos

    Djoko não vem bem. Apesar do grande número de vitórias no ano, lembremos como ele se enrolou consigo mesmo e com alguns adversários pouco gabaritados ao longo do ano.
    Os últimos dois slams que venceu foram em 5 sets. Alguém acredita mesmo que ele vai nadar de braçada daqui pra o fim da carreira?
    Aos 33/34 prevejo grande dificuldade para ele encaçapar mais 3 slams.
    E, ao tempo em que prejudicou Nole na contagem de semanas, a pandemia também o “favoreceu” com o congelamento, mascarando como seu corpo, sua mente e seu tênis resistiria a um ano longo e típico, torneio após torneio.

    Responder
    1. Gildokson

      Venho pensando exatamente assim como vc em relação ao Djoko. Apesar da temporada ótima, das 3 últimas finais de Slam que fez ele poderia (e devia) ter perdido as 3 se o seu Federer e seu Thiem fossem tão sangue nos olhos quanto o Nadal. Ou seja, o sérvio não ta com essa bola toda como os números vem mostrando não.

      Responder
    2. Paulo Almeida

      Não vem bem com 5 títulos no ano e apenas duas derrotas?

      Desculpe, Barcellos, mas ainda estamos longe de usar desculpa de idade, como você faz desde 2009, kkkkk.

      Responder
  31. Vitor Hugo

    Depois de sofrer a maior humilhada da história da final de RG para o baloeiro, Novak parece ter gostado da coisa e entregado pro medíocre italiano!!! Kkkkk
    É esse o BAGRE que uma meia dúzia diz ser o GOAT!? kklkkkkkkkk

    Podem anotar, Djokobagre não ganha mais nada de relevante na carreira! Masters 1000 no máximo!

    The end pro limitado sérvio!

    Responder
    1. Sandro

      Limitado Sérvio? Aquele que ganhou “TODAS” as finais de Wimbledon contra o Federer? E que acabou de ser Campeão em Roma? E que venceu 13 dos 14 tiebreaks disputados em 2020? Isso é ser limitado? Meu Deus!

      Responder
    2. Luiz Fernando

      Suas previsões estão parecidas com as do Marquinhos em 2013, quando ele empenhou a palavra q sairia do blog se Nadal vencesse algum grande titulo fora do saibro kkkk. Aqui é diversão garantida ou não kkkk?????

      Responder
    3. DANILO AFONSO

      Nobre Vitor, se tem uma coisa que você que nunca foi bom neste blog ao longo dos anos foi em acertar as previsões, qualquer que fosse os seus nicks.

      Se você quiser eu posso fazer a gentileza de postar as suas previsões para galera ver como você passaria fome como vidente…kkkk

      Responder
  32. Paolo

    No Masters 1000 de Paris de 2017, Nadal entrou no torneio com o joelho bichado – sofreu pra ganhar 2 partidas -, única e exclusivamente para garantir o número 1 no final na temporada.

    https://www.opopular.com.br/noticias/esporte/com-les%C3%A3o-no-joelho-nadal-abandona-masters-de-paris-e-%C3%A9-d%C3%BAvida-para-o-atp-finals-1.1384910

    Entrou no Finals, perdeu na estreia e caiu fora.

    https://www.gazetaesportiva.com/mais-esportes/tenis/apos-perder-na-estreia-nadal-abandona-finals-por-dores-no-joelho/

    Abs !

    Responder
      1. Paolo

        Independente da questão física, na época ele foi pra Paris apenas para segurar a liderança do ranking, que era o seu objetivo – o mesmo do sérvio – Com relação ao Masters 1000 de Paris, o espanhol já disputou o torneio 7 vezes, em todas elas chegou pelo menos nas quartas, sendo seu melhor resultado em 2007, quando foi estreante e finalista do torneio.

        Portanto ele já teve, e continua tendo chances pra dar o máximo nos jogos e fazer o melhor possível no Masters 1000 de Paris.

        Abs!

        Responder
        1. Thiago Silva

          Verdade, mas as circunstâncias eram diferentes, naquele ano tinha chance real de perder a liderança pro Federer, esse ano só por um milagre o Nadal venceria Paris, Finals e ainda Sofia.
          E era Paris, não um quinhentinho meia boca que ele nunca joga.

          Responder
  33. Fernando Lima

    Boa noite Dalcim. Li no site que a única chance de Nadal ser número 1 é jogando o ATP de Sofia. Mas fiz as contas e acho que não precisaria.

    Hoje Djoko tem 11740 e Nadal 9850. Com os descontos do Finals do ano passado Djoko fica com 11540 e Nadal 9450. Ou seja 2090 pts de diferença.
    Se Nadal ganhar Paris ganha 1000. Então chegariam no Finals como uma diferença de 1090 pts.
    Como o Finals vale 1500, é perfeitamente possível Nadal tirar essa diferença ganhando o torneio, não?

    Obrigado

    Responder
  34. Efraim Oliveira

    Acho que o esporte está cheios de confrontos pra cumprir tabela, esse jogo foi mais um desses casos. Novak jogou com o regulamento debaixo do braço. Provavelmente Sonego será lembrado por ter vencido esse “amistoso” e mais nada além disso.

    Responder
    1. Sandro

      Não foi bem assim… Sonego jogou muito bem hoje, principalmente com o primeiro serviço. Se Sonego não tivesse tão bem nos pontos ganhos com o primeiro serviço, Djokovic não desperdiçaria a chance de vitória.

      Responder
  35. Antônio Luiz Júnior

    Essa declaração de que conseguiu o que queria, ou seja, entrou para fazer 90 pontos, é ridícula. Não admitir ter fracassado, é no mínimo uma petulância. Há dias ruins e dias bons. O tenista italiano jogou bem melhor, simples assim. Um ano atípico, onde o regulamento da ATP de não haver defesa de pontos beneficiou enormemente o tenista sérvio. O que não tira o seu valor, e nem desmerece sua conquista. Acho apenas, bem mais honesto falar a verdade.

    Responder
    1. Sandro

      Não foi o Djokovic o maior beneficiado com a preservação dos pontos do ranking, os maiores beneficiados foram aqueles jogadores que resolveram não jogar como o Federer e o Kyrgios que não tiveram que defender seus pontos…

      Responder
    1. Sandro

      Achei que a derrota do Dominic Thiem para o Rublev foi aa maior de todas as zebras 🦓 do dia de hoje, afinal de contas Thiem defendia o título jogando em casa, em plena Áustria 🇦🇹…
      Em segundo lugar, achei inesperada vitória do Sonego, mas vendo o quanto esse italiano jogou hoje e se superou, achei até aceitável a derrota de Djokovic, mas claro que quebrou qualquer banca de apostas.
      Já as vitórias de Anderson sobre Medvedev e de Evans sobre Dimitrov achei super normais…
      Creio que esse torneio é a cara do Kevin Anderson que está jogando demais e nas condições favoritas dele.

      Responder
  36. Marcelinho

    Dalcim, estava fazendo uma análise aqui, sobre a relativização do n1.
    Sampras foi n1 por 6 temporadas seguidas, e em 99 perdeu pra Agassi (tô contando só o fim do ano), digamos que essa foi a aceitável, pois o ano de Sampras não foi nem um pouco decadente, pois ganhou o Finals, assim como em 2000, porém já vale uma ressalva, o n1 foi um cara que não foi dominante, ou seja, um número 1 de transição, mas claro Guga é um monstro do tênis, mas não entra num top 20.
    Dito isso, agora vamos pra o que eu quero dizer. Djokovic e Nadal estão cada vez mais alongando a carreira, um com 33 e outro com 34, ou seja, o método de preparação deles é muito mais avançado do que o que Sampras pegou, dito isso, seria justo dizer que se Sampras tivesse a preparação que o Big 3 tem hj ele conseguiria terminar 2000, 01, 02 e 03 como n1, ou no mínimo 2 destes?
    Digamos que com isso Agassi de 99 seria o “Murray do Big 3” ou seja, aquele cara que tinha nível pra terminar como n1, mas só não terminou porque os outros eram melhores.
    Não estou aqui querendo desmerecer Guga, Roddick e Hewitt, que claramente são grandes jogadores, mas claro que Sampras é melhor que os 3 juntos, e dito isto, Sampras em 2003 teria 32 anos, menos do que Djokovic e Nadal tem hoje, ou seja, ainda poderia estar em plena forma com a preparação de hoje, e como Roddick, Hewitt e Guga são “jogadores de transição” (caras que terminam como n1 pq ainda não chegou um cara pra mandar no circuito), seria justo dizer que Sampras iria ter 8, 9 ou 10 temporadas terminadas como n1.
    Evidentemente que em 2004 com Federer ganhando 3 dos 4 GS a coisa já complicaria pra o lado de Sampras.

    Responder
  37. Leo Gavio

    TACADA DE MESTRE DO DJOKOVIC

    Ao entregar o jogo contra o italiano, Djokovic conseguiu poupar o fisico, garantir o numero 1 da temporada e focar em Londres.

    Na disputa pelo GOAT Djokovic deve ter calculado que, este ano Nadal tem uma grande chance de ganhar seu primeiro Finals, então resolveu poupar fisico, tirar a pressão das costas, e jogar o ultimo grande torneio sem pressão nenhuma.

    Caso ganhe, ele dará uma surra definitiva no Federer, deixa o GOAT da entressafra em segundo com 6 miseros titulos, isola-se com 7 trofeus e de quebra deixa o carimbo na cara do espanhol de VIRGEM de Finals.

    GOAT sem NUNCA ter ganho Finals? impossivel.

    Pra quem tá criticando Djokovic, lembrem-se das vezes que Nadal simulou contusão na Australia, contra Murray, Ferrer e Wawrinka, perceu que não teria forças, e deu o famoso migué, pra justificar o couro. Só não repetiu o feito contra o Djoko em 2019 porque ficaria muito evidente a atitude covarde.

    E pra quem acha que somente DJoko e Nadal agem de forma leviana, lembrem-se daquele em que o Federer CORREU da disputa na Final do Finals de 2014, sabia que seria jantado e alegou dorzinha nas costas. Tava claro aquilo. Depois o que o Suiço fez?

    JOGOU A COPA DAVIS. todos os tenistas agem de forma sem vergonha, hoje foi o DJoko, Nadal abusou na Australia e Federer fez esse papelão no Finals de 2014 pra jogar copa Davis.

    Responder
    1. Luiz Henrique

      Leo Gavio, essa da estratégia de tirar a pressão…será? Acho q ele será favorito de um jeito ou de outro.
      Essas de simulação de Nadal, é pra rir né?
      Ele já tomou muitos coros na carreira e n precisou desse expediente pra justificar.
      Inclusive perdeu 7 seguidas pra Djoko em diferentes momento da carreira e em nenhuma dessas derrotas teve contusão.
      Cá pra nós, Djoko é quem tem fama de fazer cara de que morreu nas partidas…
      Mas deixando isso de lado, acho que Djoko termina a carreira como Goat
      Prevejo que ele termina com 10 títulos do AO e 10 no Finals
      E vai ficar mais uma 200 semanas como número 1. Abs

      Responder
    2. Antônio Luiz Júnior

      Tacada de Mestre amigo!!! Perdeu de propósito para não gastar energia??? Sua teoria da conspiração é no mínimo ridícula. Melhor aceitar a derrota, oi você vai querer nos convencer que duas partidas mais iriam prejudicar a preparação para o Finals, já que o sérvio já anunciou que não vai jogar em Paris. Faça-me o favor. Da próxima vez escreva algo que mereça ser ao menos considerado. Chore no travesseiro que é mais quente…

      Responder
    3. Luiz Henrique

      O comentarista Leo Gavio, quando Djokovic está ganhando, faz comentários bem pertinentes…admito que entende de tênis.
      Mas tem momentos em que a paixão fala mais alto e aí surta de vez….kkkk
      A próxima tacada de mestre vai ser cair cedo no Finals pra tirar a pressão pro AO…
      Como se ele precisasse disso…é quase certo que ganhará o AO

      Responder
  38. DANILO AFONSO

    A vitória do italiano foi mais incrível quando analisamos o aproveitamento dele na quadra dura antes de VIENA, apenas 27,3%. Mesmo no seu piso favorito, o saibro, o italiano tem apenas 47,7% de aproveitamento.

    Djokovic jogou muito passivamente e errático, achando que o italiano diminuiria a intensidade e precisão a qualquer momento, o que não ocorreu. Teve a chance de voltar para o jogo quando teve 3 breaks point 0-40), mas vez algumas escolhas equivocadas e perdeu as chances.

    No último game de saque, o sérvio partiu para a tática kamikaze, saquei volei mesmo no 2° serviço, totalmente displicente e desrespeitoso com o público que queria mais jogo.

    A única coisa boa do ocorrido foi ver a alegria contagiante do italiano. Pode até nao vencer o torneio e não emplacar feitos interessantes futuramente, mas já pode contar para os seus filhos e netos que venceu um dos maiores, senão o maior, tenista de todos os tempos na quadra dura.

    Saudações Nolistas !!!

    Responder
    1. Sandro

      Concordo plenamente contigo Paulo! Fiquei de cara com a derrota do Dominic Thiem jogando em casa! Ao meu ver, Dominic Thiem era o favorito por ser o atual Campeão de Viena e por estar jogando dentro da Áustria 🇦🇹!
      Já no jogo de Djokovic, vi um Lorenzo Sonego inspiradíssimo, com um primeiro serviço incrível que propiciou uma marca excepcional de mais de 80% de aproveitamento nos pontos disputados com o primeiro serviço, logo, Sonego estava acima da média e mereceu a vitória.
      Mas fiquei de cara com a derrota do Thiem!

      Responder
    2. Sérgio Ribeiro

      Surpreendente somente pra aqueles que não assistente os jogos . Thiem não jogou nada em nenhuma das três partidas em Viena . Chances quase nulas no MASTER 1000 de Paris . A conferir . Abs!

      Responder
  39. periferia

    Olá Dalcim.

    O Sonego jogou no Rio esse ano…..vi o jogo hoje…ele não parecia um jogador 40 do mundo.
    Jogou com muito talento…o Djokovic foi atropelado.
    Foi um dia de glória do italiano ou ele tem predicados que não refletem o histórico dele no circuito (já está com 26 anos)?

    Abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ele é um tenista com algumas limitações. Lembra um pouco o Berrettini, ou seja, um jogo muito baseado no primeiro saque e no forehand, tentando ao máximo fugir do backhand. Claro que ninguém é top 50 por acaso, então ele tem seus predicados. Hoje no entanto jogou realmente acima de sua média e taticamente foi muito feliz.

      Responder
  40. Luiz Henrique

    Podem me chamar de exagerado, ou falso moralista, sei lá, mas achei essa declaração de Djoko que só foi para Viena pra conseguir pontos necessários…um desrespeito ao público e até os demais jogadores.
    Sei lá, posso estar sendo exagerado, mas foi o que me pareceu

    Responder
    1. Willian Rodrigues

      Prezado, em minha opinião Djokovic acabou de colocar mais uma “declaração infeliz” em sua prateleira no decorrer desse ano… Puxa vida!
      Sim, eu aprecio a pessoa que diz exatamente o que pensa. Mas, isso é válido me termos de posicionamento político, seus objetivos no esporte ou na vida, no que diz respeito à ética no trabalho, etc. Agora, em circunstâncias onde essa sinceridade possa gerar desconforto ou diminuir alguém…
      Soou um bocado arrogante e desmereceu a MAGNÍFICA vitória do Sonego.

      Responder
    2. Sérgio Ribeiro

      Onde assino ,caro Luiz. E o pior é que o cara parece não se importar em se contradizer o tempo todo. De nada valeu o ocorrido no USOPEN . Abs!

      Responder
  41. Enoque

    Agora, com a confirmação oficial da realização do ATP 1000 de Paris, eu até entendo que alguns, como o Thiem, estão mais interessados em se poupar e chegar um pouco antes para se ambientar, como já estão fazendo Nadal e Wawrinca, por exemplo, mas no caso do Djoko, não dá pra entender, já que não deve participar de Paris.

    Responder
  42. Samuel

    Dalcim,

    Esclarecendo ao leitor Rafael Azevedo, que me indagou no post anterior:
    Os números após “semanas consecutivas” são os outros períodos em que os tenistas ficaram na liderança do ranking.
    Federer – 6 períodos na liderança (237 + 48 +17 + 6 + 1 + 1 = 310);
    Nadal – 8 períodos na liderança (56 + 46 + 39 + 26 + 19 + 13 + 6 + 4 = 209); e,
    Djokovic – 5 períodos na liderança (122 + 53 + 52 + 48 + 17 = 292).

    Samuel

    Responder
    1. Enoque

      Notamos que os períodos na liderança descresse, sistematicamente, ao longo do tempo. Todos conseguiram permanecer longo tempo logo na primeira vez, quando tinham 22 ou 23 anos. Historicamente todos os grandes, jogaram seu melhor tênis com idade entre 20 e 24 anos, alguns até antes disso, como Borg, Nadal, Hewitt, etc.. Só que, atualmente (10 anos), não aparece nenhum jovem grande, capaz de assumir a liderança, então o Big 3, permanece se revezando na liderança, mesmo com idade avançada. Se tivesse aparecido uns 2 ou 3 jovens dominadores, os 3 já teriam parado de jogar.

      Responder
      1. Sandro

        Concordo plenamente contigo Dalcim, achei sim que foi o Sonego que estava jogando acima do seu normal , principalmente com o primeiro serviço, foi um dia de superação do Sonego.

        Responder
      2. Willian Rodrigues

        Dalcim, eu confesso que isso tem me preocupado… Estaria Djokovic manifestando a “Síndrome de Kyrgios”?
        Basta sentir-se acuado, sem recursos para neutralizar as armas e a consistência do adversário, que começa a se “desinteressar” pela partida? Rrrsss…
        Pra mim, ele entrou meio desconcentrado e se surpreendeu com o nível implementado pelo Sonego. No início do 2º set, ele elevou o nível e o adversário continuou impondo resistência. A partir do 4º game, achei que ele abriu mão do jogo mesmo.

        Responder
  43. Samuel

    Dalcim,

    Fiz esta indagação no post anterior, então, permita-me repeti-la no post atual.
    Nas quartas de finais disputadas hoje no ATP 500, em Viena, todos os jogadores com ranking inferior venceram as partidas.
    Isso acontece com frequência???

    Samuel

    Responder
  44. Daniel C

    Bem, eu já fiz meu comentário no último post do Dalcim e não vou me repetir muito. Foi uma surpresa (boa) essa derrota do Djokovic, pois garante que teremos jogos mais interessante até o final do torneio. O jogo do sérvio dá um sono…e não, não errei, não estou falando do Sonego rsrs.

    E o cara é tão obcecado por recordes que até admite publicamente que foi pra Viena para conseguir os pontos necessários para terminar como no1… Há quem goste da “sinceridade”, mas aí eu só vejo uma pessoa com frustração de “pouca popularidade” querendo a todo custo ser um detentor de algumas marcas importantes para preencher esse vazio no ego mesmo rs. E o cara acha que esse recorde vai durar pra sempre? Rs. Pode aparecer outro tenista daqui uns anos que supere as marcas de no1 e GS de todos esses aí… Mas o legado do Federer (estilo de jogo), aí será mais difícil aparecer outro tão genial nas jogadas…

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Exatamente!

      O público não está nem aí para a planilha EXCELL desse derrubador de audiência…

      Deixe-o perseguir os recordes que ele quiser.

      Porque o que vai ficar marcado vai ser a genialidade de quem conseguiu aliar estética com resultados.

      Responder
      1. Luiz Fabriciano

        Derrubador?
        Já notaste o quanto dá ibope uma simples partida bizarra que ele faz?
        Tentam menosprezar e atiram no pé. No próprio pé. Kkk.

        Responder
  45. periferia

    Apenas 39,6% das crianças do estado de São Paulo foram vacinadas na campanha contra a poliomielite este ano..a vacina foi uma conquista histórica…antes da vacina mais de 25mil crianças tiveram paralisia infantil (1968 a 1989)….desde 1989 (Com a chegada da vacina ) a doença foi eliminada…não tivemos nenhum outro caso.
    Com o negacionismo (campanhas contra as vacinas)…corre-se o risco da volta da doença.
    Lembrando que na mesma campanha… serão oferecidas 14 tipos de vacina (desde a pentavalente até meningo ACWY)

    Sigamos

    Responder
    1. Maurício Luís *

      A varíola foi erradicada do mundo também graças à vacina. Muito triste isto que está acontecendo com a vacina da Polio. Pais arriscando a vida dos próprios filhos.
      Já a vacina contra a covid-19, acredito que não haverá doses suficientes pra todo mundo… então, esses negacionistas não tomando, sobra mais pra quem quer. Seja a vacina de onde for, eu ao menos vou tomar. E os negacionistas que enfrentem o vírus, e boa sorte. Vão precisar da ajuda divina, creio eu.

      Responder
      1. Willian Rodrigues

        Prezado Maurício, o grande problema dessa postura é que os indivíduos não vacinados são possíveis carreadores do vírus…
        Isso pode fazer com que o vírus atinja mais rapidamente alguma área ainda não contemplada pela campanha de vacinação, ocasionando a morte de um ou vários inocentes.
        Nem preciso dizer que são justamente as pessoas socioeconomicamente mais vulneráveis e, por isso mesmo, mais incautas, que pagarão o preço por essas atitudes intelectualoides daqueles que leem um “almanaque” e saem por aí dizendo “verdades absolutas” sobre vacinas provocando autismo e outros efeitos adversos. Esses possíveis efeitos colaterais não têm qualquer fundamentação científica e, ainda que ocorressem, seria em situações tão raras, que os benefícios para a humanidade seriam astronomicamente maiores!! Existe vasta literatura comprobatória do quanto as vacinas ampliaram nossa expectativa de vida… Combater a vacinação em massa é algo tão inteligente quanto a tentativa de se privatizar o SUS!!!

        Responder
        1. Willian Rodrigues

          Daqui a pouco chega alguém aqui redigindo algo sobre um possível lobby da indústria farmacêutica, ou um compilado de mais de 400 artigos “científicos” onde inúmeros “pesquisadores” provaram por A + B que as vacinas são um engodo, uma forma de manipular as massas, de controlar o “gado”…
          Sinceramente, eu adoraria que Darwin atuasse espontaneamente e levasse esses “figuras” mais rapidinho daqui do “planetinha”…

          Responder
  46. Lott

    Não demonstrou, interesse ,em alguns momentos, da partida,o Djokovic, acho que de respeitou um pouco o publico presente no estadio em algumas jogadas durante a partida,coisas do Djokovic,nunca vi Nadal ou Frederer com essas atitudes, e ainda declarou que tinha conseguido o que ele foi fazer em Viena (90) noventa pontos

    Responder
      1. Luiz Fabriciano

        Isso porque ele o “derrubador de ibope”.
        Basta uma partida bizarra para surgirem dos mais recônditos lugares membros para “levantarem” o ibope.

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Que o mal informado ( como sempre ) aqui de baixo fale muitíssimo melhor , tudo bem . Mas você, Rodrigo ? Os 135 gols em 16 edições consecutivas da Champions League , com 4 Títulos . O maior artilheiro de La Liga , da Seleção Argentina com 71 gols a 32 de Maradona . Campeão Oimpico e Finalista de Copa do Mundo . O marqueteiro Dom Diego com Zero Libertadores , Zero Champions League , Zero Mundial interclubes ( Messi Três) , venceu a sua FINAL de Copa contra a mesma Alemanha . Jogou 20 anos com apenas 6 em alto nível . A meu ver , não limpa a chuteira de Lionel Messi nem com a ajuda da mão de Dios rs. 36 Títulos para o maior camisa 10 depois de Pele’ , contra 12 de Diego , sendo a Copa e 2 Italianos como os únicos expressivos. Abs!

          Responder
          1. Rubens Leme

            Toda vez que um flamenguista fala que Maradona tem zero Libertadores (tá louco para dizer que Zico jogou mais do que ele, mas não tem peito, porque seria como dizer que Thomaz Koch foi maior do que Bjorn Borg), morro de rir.

            Maradona tem títulos escassos sim, mas por outros motivos. Quando chegou ao Barcelona, pegou uma das piores fases do time, tanto que os dois times bascos – Real Sociedad e Athletic Bilbao – eram os times que mandavam na Espanha. A Real foi bicampeã em 1980-81 e 1981-82 e o Bilbao, em 1982-83 e 1983-84.

            Além disso, Maradona virou objeto de caça dos rivais – aliás, foi um dos jogadores que mais apanhou na história, basta ver o tape de Argentina x Coréia, na Copa de 1986.

            Na final da Copa do Rei de 1984, além de ser agredido foi xingado e ouviu insultos xenófobos contra seu pai, de raízes indígenas do pai, do rival Goikoetxea, até se irritar e começar uma verdadeira briga campal, naquela que foi sua última partida no clube. Ainda assim, ganhou três títulos na Espanha em 1983 e marcou 38 gols em 58 jogos.

            Depois, em um gesto de ousadia se mandou para o modesto Napoli, o maior time do sul da Itália, mas muito menos endinheirado e forte politicamente do que os times do norte – Juventus, Milan e Inter. Sua primeira partida contra a Juventus em Turim, viu novos cartazes racistas – desta vez contra o time do Napoli: “bem vindos à civilização”.

            Mesmo assim, levou o modesto time a dois títulos italianos e uma Copa da Uefa (a tal Liga Europa), feitos extraordinários para uma equipe que antes dele, só tinha duas Copa Itália no currículo.

            Além de escrever mal e entender muito pouco de futebol e tênis, o palpiteiro de plantao tem o hábito de achar que apenas títulos e conquistas contam. No caso do Maradona, um esporte coletivo, poderia ter vencido muito mais se tivesse escolhido uma equipe mais poderosa ou não tivesse tantos problemas emocionais e pessoais. Diego nunca foi santo e cometeu muitos erros por absoluta inexperiência, arrogância ou ingenuidade e até hoje paga por eles.

            Leo Messsi é um jogador extraordinário, com um poder inacreditável de conclusão e digno sucessor de Diego. Mas, Maradona não é simplesmente um ídolo, é um deus em Nápoles, para a torcida do Boca, para a Argentina e reverenciado por todos os jogadores que jogaram junto ou contra ele.

            O próprio Messi, num gesto de tremenda humildade e reconhecimento disse: “Even if I played for a million years, I’d never come close to Maradona. Not that I’d want to anyway. He’s the greatest there’s ever been.” (https://en.wikipedia.org/wiki/Diego_Maradona)

            Ou como mesmo disse Michel Platini – outro que não jogou nada -: “O que eu fazia com uma bola, Maradona fazia com uma laranja”.

            E só para terminar: Maradona só não foi para a Copa de 1978, porque Menotti se recusou, pois já era unanimidade na Argentina e o pediriam como titular, ao lado de Kempes, tanto que, em 1979, liderou a Argentina ao título mundial júnior, marcando 6 gols, atrás apenas do compatriota Ramón Díaz, com 8.

            Ou seja, poderia ter terminado a carreira com três mundiais pela seleção.

            Mas que “enganador” esse Maradona, viu…

          2. Sérgio Ribeiro

            Me cite a Escalação do Barcelona de Dom Diego 82 e dirigido por César Luiz Mennotti ? Após perder La Liga para o Bilbao em 83 , foi disputar contra o mesmo a Copa do Rei . Perde outra vez e junto com Simeone lidera uma batalha campal e foi expulso do Barça. Antes na Copa de 82 foi bisonhamente expulso ao tentar atingir Falcão e acertar Batista no Chocolate que estava tomando do Brasil . . Vendido a preço de banana para o Napoli ganhou dois Italianos junto com Careca e Alemão. Foi de longe o melhor jogador da Copa de 86 . Em sua Biografia afirma que começou a se drogar aos 24 anos . Daí uma carreira curta em alto nível. A sua arrogância parceiro, o faz desviar pra papo de Flamenguista . Léo Messi é de longe o segundo maior camisa 10 depois de Pele’ , bem a frente de Zico e Maradona. Voltemos pras músicas rs Abs!

          3. Rubens Leme

            Simeone? Simeone é muito mais novo do que ele e nunca jogou no Barcelona. E não tinha nenhum na final da briga campal (https://en.wikipedia.org/wiki/1984_Copa_del_Rey_Final). Se for tentar me corrigir, aprenda a pesquisar e escrever (sofre de dislexia? Deve ser falta de cultura e educação mesmo).

            Sua vontade de determinar os maiores da história à força podem funcionar pros seus herdeiros ou quem acha que entende algo, não comigo. Eu volto à música, sim, que conheço bem, enquanto você finge que conhece de futebol e tênis.

          4. Rubens Leme

            PS: cômico ver o bolsonarista criticar o “drogado” Maradona. Bom, ao menos o argentino tem uma desculpa pelas merdas que fez. E você, qual a sua por ter votado 17??

            Não entende nada de futebol, tênis, música e política . Tô goleando fácil de 4×0 e nem incluí outros assuntos.

            Que comédia.

      1. Sérgio Ribeiro

        Esse cara afirma que foi Ademir da Guia esquecendo que era um fedelho quando o mesmo jogava na Academia. Um mané velho e metido a sabichão. É óbvio que Léo Messi e’ o segundo bem a frente do mais que drogado Maradona. Abs!

        Responder
      2. Sérgio Ribeiro

        Correção : Simeone estava fora dessa. O que prevalece é a suspensão de TRÊS meses imposta a Maradona , o que fez o Barcelona desistir do hermano de uma vez por todas.

        Responder
  47. Rubens Leme

    2020 fechará com um lider do ranking condizente com este ano lazarento. Pete Sampras merecia melhor companhia, mas em um mundo de Trumps e Bozos não se pode pedir muito, atualmente…

    Responder
    1. Sandro

      Mas quem espalhou o Corona vírus 🦠 pelo mundo foi a China 🇨🇳 sabotadora, trapaceira e sem nenhum “fairplay” e não o Pato 🦆 Donald Trump…

      Responder
    2. Sérgio Ribeiro

      Em homenagem ao Dalcim não vou longe na resposta . Nunca mamei nas Tetas do Lula e da minha querida , sendo o primeiro um Presidiário. Quanto ao psicopata do Bolsonaro , sua índole lembra a sua . Arrogante ao extremo se agarrando em coisas desconexas. Não vou perder mais meu tempo com um sujeito que não saca nada de esporte algum . O fato de endeusar Maradona e falar em Rei dos Reis , demonstra claramente que não conheces nada. Léo Messi e Roger Federer respectivamente , são de longe os melhores nos seus respectivos esportes. Voltemos pras músicas . Abs!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *