‘O segundo melhor’ desafia Djokovic
Por José Nilton Dalcim
5 de outubro de 2020 às 19:35

Pablo Carreño garantiu logo de cara: só Rafael Nadal joga melhor que ele nas novas condições de Roland Garros. Então ele terá uma oportunidade de ouro para comprovar isso dentro de 48 horas, quando reencontrará Novak Djokovic, o segundo maior postulante ao título.

O duelo também nos remete obrigatoriamente ao US Open de um mês atrás, onde duas coisas inesperadas aconteceram: Carreño iria sacar para vencer o primeiro set quando Djokovic foi desclassificado ao atingir uma juíza de linha com uma bola inapropriadamente arremessada ao fundo de quadra.

Claro que “sacar para ganhar o primeiro set” é pouca coisa numa melhor de cinco sets e quando se têm dois jogadores de currículos tão distintos. Mas não deixa de ser relevante que o espanhol dominava o sérvio num piso que tem sido o autêntico domínio do número 1.

Nos jogos desta segunda-feira, Nole encarou seu primeiro real teste e experimentou um pouco de tudo, incluindo alguns games tensos e serviço quebrado. Optou por um jogo morno no primeiro set, sem forçar as trocas, e encheu o pesado adversário de curtinhas. Até mesmo Djokovic reconheceu depois que exagerou na dose e talvez por isso seja mais econômico na próxima rodada. Khachanov, diga-se, não jogou mal e até me surpreendeu com sua capacidade defensiva.

O espanhol por sua vez fez um pouco de tudo diante da surpresa Daniel Altmaier, que teve o segundo set na mão e portanto a oportunidade de dar outro panorama à partida. Faltou aquele sangue frio e aí perdeu nove games consecutivos. Se Nole treinou drop shots, Carreño se exercitou na rede, com 38 subidas e 26 pontos. Será o padrão para quarta-feira?

Olha aí a nova geração
Outra boa notícia para este Roland Garros que anda pecando pela falta de emoções é o duelo de nova geração entre Stefanos Tsitsipas e Andrey Rublev, que repetem a recente final de Hamburgo, vencida pela russo. Ele também lidera por 3 a 2 no geral e eu o acho mais jogador no saibro do que o grego.

Rublev fez o grande jogo do dia contra Marton Fucsovics, repleto de alternâncias táticas e reviravoltas. O húngaro teve incríveis chances o tempo todo. Ganhou o primeiro set, liderou o segundo – quando sacou para 2 a 0 – e também o terceiro, e por fim teve três set-points para levar ao quinto.

Tsitsipas não foi mal, mas o duelo contra Grigor Dimitrov teve intensos altos e baixos. O búlgaro totalizou 53 erros em três sets, desperdiçou um tiebreak do segundo set com o saque na mão e sempre me parece carecer de postura ofensiva. Ganhou aquele que foi mais atrevido.

Kvitova e Kenin perto do duelo
Ainda sem perder set na campanha, Petra Kvitova não escondeu a emoção ao atingir as quartas de Roland Garros. Foi sempre superior à chinesa Shaui Zheng, sem jamais abrir mão de seu estilo – tomou a iniciativa, fez 23 winners e 29 erros -, algo louvável num piso sabidamente lento.

Agora, enfrenta a ‘trintona’ Laura Siegemund, 66ª do ranking, que nunca foi tão longe num Slam. A alemã gosta do saibro e tem no currículo um notável título em Stuttgart, há três anos, quando fez filinha de top 10, superando Kuznetsova, Pliskova e Halep.

Por fim, Sofia Kenin levou um susto mas calou a pequena torcida francesa, ao virar com sobras em cima de Fiona Ferro. Fato curioso, os técnicos das meninas assistiram à partida lado a lado em animado bate papo. A campeã do Australian Open aguarda Ons Jabeur ou Danielle Collins, que tiveram jogo adiado pela chuva.

500 vezes Soares
Dupla alegria para o mineiro Bruno Soares: ao atingir a vitória de número 500 na especialidade, ele avançou para sua terceira semifinal de Roland Garros, cada uma delas com um parceiro diferente. Desta vez, está com o canhoto Mate Pavic.

Se superarem os perigosíssimos colombianos Juan Sebastian Cabal e Robert Farah, o brasileiro se candidatará a um terceiro diferente troféu de Slam, já que tem conquistas na Austrália e nos EUA. Só Maria Esther Bueno tem um cardápio tão vasto , em simples ou em duplas.

Além de Bruno, o ex-parceiro Marcelo Melo também já atingiu tal expressiva marca de vitórias em torneios de primeira linha. ‘Girafa’ está um pouco à frente, com 532.


Comentários
  1. Romão Gomes

    Amigos, o tempo cobra seu preço. Nadal, Djokovic e Federer já não são tão jovens como há anos atrás.
    Esses “não jogou tão bem” ou “está longe do seu melhor” serão cada vez mais frequentes em falas sobre o big three porque
    quando o gás falta, a técnica não é a mesma. Ainda assim, os três continuam alguns degraus (ou muitos) acima dos demais.

  2. rafael

    Só um ET para não considerar o Djoko favorito. O sérvio está em um nível técnico, físico e mental absurso. Imaginar o Carreno Busta dando trabalho tem que fazer um esforço muito grande.
    Somente o Nadal naqueles dias para bater o servio. Fora isso, aguentem o 18 pro Servio.

  3. Luiz Fernando

    Rafa acaba de mostrar a diferença entre um grande jogador e um grande campeão. Este ultimo eleva o nível quando precisa, quando esta em grande dificuldade. Rafa estava claramente inferiorizado no inicio da partida e o italiano servindo p o primeiro set mas ai as paralelas de FH começaram e entrar uma atras da outra e ele virou o set. No segundo algo parecido. Mas como ocorreu na semi contra o Berrettini no USO, com a perda do primeiro set o rapaz estava meio derrotado, como o seu compatriota em NYC. Nadal hj jogou melhor, ainda longe do ideal, mas bem melhor do q nas 4 partidas anteriores. Sinner mostrou excelente nível de jogo, mas sucumbiu frente a uma verdadeira lenda viva do esporte. As recuperações do espanhol nos dois primeiros sets sem duvida melhoraram sua confiança, cujo termômetro sempre é a precisão da paralela do FH. Vai pra semi mais bem mais forte…

  4. Luiz Fabriciano

    É Mestre, parece que não há restrição de horários na capital francesa não.
    Agora é 1 da madrugada lá e estamos apenas começando o terceiro set.

  5. Fernando Brack

    Nossa! Tadinho do Sinner. Amarelou diante do Nadal igual ao short dele. Vá perder bola boba assim no raio que o parta.
    O garoto é bom de bola e bate pesado, mas jogou no lixo inúmeras bolas que teve na mão pra ganhar o ponto.

    1. Sérgio Ribeiro

      Até tu , caro Brack ? Aos 19 ele mostrou mais que Federer em Paris na mesma idade . Bateu Zverev com facilidade , mas sucumbiu diante de uma LENDA viva . O parceiro assistiu hoje um jogador que será sem medo de errar , Campeão de RG no máximo em 3 anos . Abs!

      1. Fernando Brack

        Kkkk!! Meu prezado Sérgio, eu gosto de esculachar quem perde do ogro quando poderia ganhar dele ou, pelo menos, dar mais trabalho. Mas sua nota é justa, pois o menino só tem 19 aninhos. Abs

  6. Willian Rodrigues

    E o poderoso Rafa Nadal tomando sufoco do garoto Sinner em pleno saibro de RG… Que personalidade tem esse garoto!
    No tie-break, valeu a maior experiência do espanhol, e TALVEZ, uma contusão na coxa direita possa ter atrapalhado um pouco o italiano, uma vez que solicitou atendimento ao final do 1º set.
    Já torço por esse garoto, mas quero demais que Nadal e Djokovic cheguem à final.
    Todos nós que apreciamos tênis merecemos uma final épica entre os dois, ainda em forma, numa final de RG, justamente nesse ano tenebroso que vivemos.
    Saudações tenísticas!

  7. Carlos

    Acho que o Nadal está um pouco longe de sua melhor forma. Acho o Sinner um jogador promissor, mas muito verde ainda para ganhar RG. Nadal terá muitos problemas com o argentino e, em uma eventual final, dificilmente ganha do Djoko, que está na ponta dos cascos.

  8. Paulo F.

    Impressionante como esses guris patéticos e ridículos se apertam na hora da onça beber água contra o Nadal.
    Cagões!

    1. Rodrigo S. Cruz

      Pois é, cara.

      Aquilo que eu já te falei:

      Estamos todos cansados desses ” guris patéticos e ridículos” que só sabem tremer pro Touro.

      Precisamos é de um cabra macho feito você para peitar o espanhol.

      Vai lá e mostra para eles como se faz!

      (rs)

  9. José Eduardo Pessanha

    Rapaz, que vergonhoso o Saretta torcendo descaradamente pro Nadal. Consegue ser pior do que o “Argh” Rodrigues.
    Abs

  10. Paulo F.

    Mal começou a partida com Nadal e Sinner já demonstra no olhar pavor e desespero.
    Ta na cara que será mais um mero treino para o espanhol.

  11. Fernando Brack

    Falar o quê, né? Dieguito é um gigante. Como se defende esse cara. Quanta disposição. E veio à rede muito mais que o Thiem. Este, por sua vez, pagou caro por deixar o jogo contra o Gaston se estender demais. Acabou o jogo sem pernas. Ainda durante a peleja, não tive dúvida em considerar que, dentre os dois, Diego seria um adversário mais perigoso pro Nadal, pois Thiem permanecia muito plantado atrás e abusando dos slices. Contra o ogro, tem que ser mais agressivo.

  12. Sandro

    Boa Tarde Dalcim!
    Que edição incrível para o tênis SUL-AMERICANO esse Roland Garros 2020, não é mesmo?
    Até agora temos nas semifinais:
    Bruno Soares do Brasil,
    Juan Sebastian Cabal da Colômbia,
    Robert Farah da Colômbia,
    Diego Schwartzman da Argentina,
    Nadia Podoroska da Argentina.
    E ainda podemos ter a chilena Alexa Guarachi que ainda vai jogar as quartas de final…

  13. Sandro

    Meu caro Dalcim, que texto excelente!
    Acho que Pablo Carreño Busta vai ter uma prova de fogo pra mostrar que é o “segundo melhor atrás do Nadal”… Será?
    Da mesma forma que Nadal terá que jogar muito pra manter seu favoritismo caso passe pelo Sinner e enfrente o Diego…
    Mas o que está jogando o nosso judeu Diego Schwartzman, hein? Osso duríssimo de roer… Nadal que o diga o quanto sofreu com Diego em Roma…
    Ao meu ver estaria pintando uma final Schwartzman x Djokovic em Paris, a mesma final de Roma, o que vc acha disso Dalcim?

      1. Marcelo

        Ahh Dalcim: eu acho que estas 5 que o argentino passou em quadra vao fazer toda a diferença a favor do Nadal.

        Uma pena! , pois não há tempo hábil para uma recuperaçao muscular e mais do que isso: nossa fisiologia não permite uma reposiçao de minerais essenciais adequada para as funçôes cerebeais num período tão curto de tempo, reduzindona a tal “força/resiliência mental”.

        Mas já tenho sito aqui: pessoalmente torço por surpresas boas no ténis.

  14. Barocos

    Diego x Dominic, jogo longo e já no final do 4º set deu para notar uma perda de energia no Thiem. Acho que o igualmente longo jogo contra o francês cobrou seu preço. Foi um jogaço, o de hoje.

    Existe um motivo, tudo bem que não é justificativa, para o Djokovic ficar tão irritado quando ele enfrenta adversários no começo dos torneios e os jogos se alongam mais do que o previsto, ele sabe que isto pode custar caro nos momentos decisivos, já esteve nesta situação muitas vezes, nas últimas rodadas, para saber que cada grama de energia sobrando no tanque conta.

    Na expectativa do jogo do Nadal. Se o Rafa conseguir despachar o italiano em sets diretos, o confronto seguinte será ainda mais desigual.

    Conforma já disse, vi apenas uma atuação do Jannik Sinner e, até onde vão meus parcos conhecimentos e intuição, suspeito que o Nadal não terá vida fácil. A conferir.

  15. Marcelo

    Boa tarde Dalcim.

    Vc ja viu um jogador desta altura do argentino(dos anos 80 para cá) apresentar este desempenho?

    A altura não o incomoda mesmo!

    1. Marcelo

      Dois excelentes tenistas. Ambos merecem… apesar de aturar uma torcida que mais parece uma caixa de cotonetes, tenrando forjar um ídolo que nao existe a ferro e fogo.

      Qto ao Djoko, estamos apenas esperando ele terminar a carreira para voltar ao ostracismo dele, lá na Servia… com ou sem recordes. Se bem que com recordes, a humilhacao do ostracismo sera maior.

      1. Rodrigo S. Cruz

        kkkkk

        Muito boa, Marcelo!

        E é isso daí mesmo que você falou…

        O Djokovic pode terminar a carreira dele com TRINTA Grand Slams!

        Ele nunca será tão bom e muito menos tão popular e querido como o Federer…

  16. diego adrian

    Emocionado e orgulhoso. Gigante “el Peque”, e espetacular “la rusa”.
    Schwartzmann e Podoroska, obrigado por tanto. Pela raça, pela entrega, pela qualidade do tenis que apresentaram, e por manter alta a bandeira do tenis argentino.

  17. Jhonny soares da silva

    Que bela partida entre thien e diego 4 sets equilibradissimos onde qualquer um poderia ter fechado (ate no tie do 3 set quando parecia que thiem venceria fácil) no inicio do 4 quanto thien ja iniciou quebrando, achei que era game over pro argentino mais a fama de resilente conseguiu voltar ao jogo.
    Pena que o ultimo set o austríaco nao conseguiu mais equilbrar, porem isto so mostra que a maratona das oitavas foi prejudicial,ele nao teria pernas para encarar nadal apos 2 maratonas.
    Diego tem chance contra nadal? Roma moatra que sim o historico do miura em roland garros prova que nao. Veremos outra batalha ? Qual teoria prevalecera? Historico de roland garros ou o jogo em roma?
    Uma observacao o 2 melhor saibrista dos ultimos 3 anos completara 3 anos sem ganhar um torneio grande.

  18. Jonas

    E Thiem continuará sem um Big Title no saibro, pelo menos por enquanto.

    Verdade seja dita: venceu um Djokovic praticamente “aposentado” em 2017, uma vergonha aquele ano para o sérvio. Ano passado jogou bem e mereceu vencer, mas há de se considerar o tanto que a partida foi influenciada pelo vento.

    Sem ir muito longe, nem vou comparar as carreiras, mas Djokovic venceu Madrid 2019 (passando pelo Thiem) e Roma 2020, ou seja, mesmo recentemente o sérvio fez mais que o austríaco.

    Hoje o Thiem perdeu para o Schwartzman, algo que não me surpreende nem um pouco. Inclusive postei esse palpite ontem. Bom lembrar que o Djoko venceu o argentino em sets diretos na final de Roma.

    Os fãs do Federer se apoiam demais no Thiem, que é um grande jogador, gosto bastante do jogo dele. Agora, ele precisa comer muito arroz e feijão para ser considerado o melhor tenista do mundo.

    Não é melhor que Djokovic e nunca foi. O sérvio tem uma “derrota” esse ano e todo mundo sabe o motivo. Enfim, ainda há muito torneio e o Djoko tem um jogo chato amanhã contra o Carreno.

    1. Sérgio Ribeiro

      Mais um comentário de padrão P Almeida de qualidade. Incrível que vocês não conseguem admirar o esporte sem essa babaquice de torcida . Dieguito mostrou um Tênis do mais alto nível , com subidas à rede que não faziam parte de seu Arsenal , contra um Thiem correndo pra não chegar , sem a potência habitual . E aí o mane’ me vem com torcida do Federer que se apoia no cara , babaquice sem tamanho. Novak Djokovic na última década é o maior Saibrista depois do Rei do Saibro. Abs!

  19. Paulo F.

    Vamos atualizar as conquistas importantes de Dominic Thiem, o segundo melhor saibrista dos últimos três anos, no saibro?
    Zero.
    ZERO!

    1. Rodrigo S. Cruz

      Verdade.

      Você é que deve ser muito melhor do que o Thiem!

      Por que não entra no circuito e conquista algo mais importante?

  20. Luiz Fernando

    DS correndo muito, Thiem exaurido, resultado mais q justo. Será um adversário duríssimo para qualquer um nas semis, pois me pareceu q ainda tinha bem mais gás do q o austríaco. Ha uns dias postei q algo q me dizia q Thiem não chegaria na semi, acho q acertei…

  21. Sandra

    Dalcim, acho pouco provável só Sinner ganhar algum ponto do Nadal , mas se ele começar a engrossar o caldo com Nadal, ele vai até o fim , mas vai alegar alguma contusão caso perca, e o Thiem está mais morto que vivo,

  22. Rodrigo S. Cruz

    Quinto set entre Thiem x Schwartzman.

    Desse jeito, mesmo que o Thiem vença vai ficar muito desgastado até à final…

  23. Ronildo

    Meu Deus!

    Quintos dos infernos!

    5°Set!

    Todos disputadíssimos! Eles vão ter que colocar o jogo das meninas em outra quadra, senão o jogo do Nadal poderá começar depois das 22 horas em Paris!

  24. Rafael

    Ainda na linha de falar o que pensa, li em algum lugar (mas não posso confirmar) que Mats Wilander foi afastado de seu cargo de comentarista depois de falar o que pensava a respeito dos convites para Murray.

    Já Ben Rothemberg, o jornalista caça-cliques do NYT e puxa-saco de Kyrgios, passou vergonha na coletiva da derrota de Zverev quando perguntou a este se podia dizer quando havia feito seu último teste de Covid e Zverev respondeu: Não respondo uma pergunta sua, Absolutamente não responderei uma pergunta sua depois do que você escreveu sobre mim nos últimos meses.”

    1. Sérgio Ribeiro

      Me desculpe , Rafael . Wilander já estava pela bola sete há muito. Essa do Murray criou um constrangimento pois o Sueco foi o Rei dos convites nos seus últimos TRÊS anos de carreira. Morria de inveja do comentarista John McEnroe , esse sim controvertido mas com categoria. Abs!

  25. Luiz Fernando

    Vamos p o set 5, com 4.5 hs de jogo ate agora. Apos os últimos pontos longos e pela forma como cometeu o erro no setpoint Thiem me pareceu mais desgastado. Mas claro, jogo aberto. Se vencer rápido sua partida de quartas Rafa começa a recuperar o favoritismo para a semi…

  26. Rafael Azevedo

    Estou com pena de Thiem e de Schwartzman…

    Se continuar desse jeito, o jogo vai terminar com um 15-13 no quinto set e 6 horas de partida…

  27. Rafael

    PS p/ o André: Há algumas semanas, comecei a prática da meditação mindfulness para ver se fico menos intempestivo, rs.

    Caro RUBENS LEME:

    Apesar de nossas diferenças terem ficado patentes ao longo do tempo, queria deixar registrado aqui que me solidarizei com o falecimento do sr. seu pai, à época em que você mencionou esse triste fato. Espero que você possa estar encontrando algum conforto desde o acontecido.
    _____________________________________
    Caro RAFAEL AZEVEDO (espero não estar errando a pessoa):

    Queria parabenizá-lo muito tardiamente pelo nascimento de sua princesa. Por um motivo ou por outro, não fiz isso à época que você anunciou tal acontecimento, mas espero que tenha sido uma nova luz de felicidade na sua vida e que ela (a princesa) seja repleta de saúde.

    O ciclo da vida é isso mesmo.

    1. Barocos

      Rafael,

      Escrevi sobre a importância de pensar antes de falar, e há um bom tempo atrás sobre a importância de se calar, não para você ou para o Chetnik, ambos não precisam destes lembretes, são, notoriamente, inteligentes e cultos, ainda que um tanto quanto passionais por vezes, o fiz na esperança de que outros frequentadores do blog examinem uma última vez seus argumentos antes de publicarem o que pensam, aproveitando um gancho de sua intervenção.

      Do ponto de vista formativo, me considero afortunado, tive vários mestres especialmente sábios e guardo uma parte, mesmo que mínima, das muitas lições com que eles brindaram a mim e aos meus colegas de turma. Em especial, um deles costumava nos alertar: “ao menos nas atividades profissionais, conectem o lobo frontal à língua”, acho a frase sensacional.

      Tem ocorrido uma certa perturbação da “força” neste canto da Internet atualmente, então, a oportunidade que você providenciou foi muito bem-vinda.

      Vida longa e próspera.

  28. Rafael

    Caro Sérgio Ribeiro

    Durante a pandemia mundial houve várias transformações. Em um período onde a renda caiu brutalmente para mim, tive que fazer investimentos inesperados em equipamentos e ferramentas CAT (as quais tive de aprender a usar) para seguir trabalhando e não ficar para trás. O mais interessante é que uma coisa puxou a outra, as tais ferramentas exigiam equipamentos que eu não tinha, e, quando me foi “proposto” (uma daquelas propostas tipo as do Marlon Brando em O Poderoso Chefão) usá-las, nada foi falado a respeito de ter que gastar, principalmente em um momento tão delicado. Sabe quem me ajudou ou pensou no “fator humano”? Sabe quem me ressarciu pelos investimentos, horas de estudo e esforço que empreendi para algo que mostrou ser muito vantajoso apenas para o lado de quem passa o serviço?

    Pois é. Adaptação à força pela sobrevivência – ou sobrevida. De forma que minhas declarações a respeito da personalidade de Djokovic NADA tem a ver com fanatismo. Aliás, falei de mim, mas presenciei inúmeros casos onde a turma teve de rebolar. E olha, não funcionou para todo mundo.

    _____

    André: É lógico que temos que pensar antes de falar, você está absolutamente certo. E lembro até hoje de você ter postado certa vez algo como “certas coisas é melhor nem dizer, só pensar” – só assim podemos ter alguma aspiração a uma vida social e profissional razoavelmente bem sucedidas. Na esfera de Djokovic, bem diferente da minha, porém, apesar de haver condenado várias coisas que ele andou falando nos últimos tempos, tenho apreço pela sua autenticidade, por não ser tão protocolar, político, doa a quem doer. Djokovic seguiu por uma cartilha diferente da que o establishment do tênis vem impondo aos mega vencedores há décadas. Tenho curiosidade de ver onde ele vai chegar, não mais como jogador, mas como figura de importância histórica.

  29. Luiz Fernando

    Thiem vai servir p o set3 num jogo duríssimo e longo. Se Rafa vencer sua partida de quartas ele deve estar pensando: o q seria melhor, a panela ou a frigideira? Ambos vem jogando muito bem e pra minha supresa quem esta perdendo mais oportunidades é justamente o argentino, q falhou em duas curtas mal dadas no set 2, quando estava 55 e agora sacou p fechar o set3 e foi quebrando. E pra variar Thiem agora serve em 15-40 p fechar set3, parece q ambos combinaram o seguinte: vamos desgastar fisico e mentalmente. E vc Dalcim, quem vc acha q seria mais perigoso p Nadal, hipoteticamente claro, Thiem ou o Dieguito? Sinceramente não sei responder nesse momento face ao q esta rolando na quadra…

  30. Rafael Azevedo

    Que jogo desgastante esse do Thiem contra o Schwartzman…
    É muita pancadaria e correria no fundo da quadra.
    Estou me cansando e sentindo dores no ombro e no joelho, só de olhar…

  31. Sandra

    Dalcim, todos nós sabíamos que a chave do Thiem era difícil , mas depois que ele passou as duas primeiras rodadas que aparentemente seriam mais difíceis Ele começou a se enrolar ,;primeiro com o alemão e agora com o Schwartzman; aliás adonde vem esse sobrenome , e judeu? Sei que a partida não terminou ainda

  32. Paulo F.

    Dominic Thiem, que é o todo-poderoso tenista do momento e o melhor saibrista dos últimos três anos, não está tendo dificuldades em excesso contra a turma da Branca de Neve?

      1. Paulo F.

        Ah mestre, essa é para quem tenta achar que o Thiem é melhor do que o Djokovic no saibro….
        Todos sabemos que o Schwartzman é dono de um tênis, coração, fibra e raça admiráveis!

        1. Rodrigo S. Cruz

          Ah, claro!

          O Djokovic é o grande “coitadinho”do blog que não tem reconhecimento, certo?

          “Todo mundo aqui plecisa endeusar o Nolezinho, xenão eu cholo”

          kkkkk

          “Por ixo que eu ataco e desmoralizo o Federer feio, é xó por pena do meu Nole.

          kkkk

    1. Miguel BsB

      Na boa, El Peque é um gigante! Fenômeno! Competir e vencer dos melhores mesmo com essa altura totalmente desfavorável…

  33. Rafael Azevedo

    Sobre a declaração do Djokovic, a respeito dos juízes de linha, eu a considero acertada, em termos da equidade do jogo.
    Ficar à mercê da falha humana e ter que administrar um número limitado de desafios gera tensões que podem influenciar uma partida inteira. Mas, isso era aceitável porque não havia outra forma. Mas, agora tem! Então, essa variabilidade passa a ser desnecessária.

    Pensemos em uma jogada em que um dos atletas acerta um saque fulminante, na linha, fazendo com que o adversário devolva uma bola alta e fácil no meio da quadra…então, o juiz de linha grita: “OUT!”. Ainda que o atleta solicite o desafio (isso se ele ainda tiver direito a um), ele foi completamente prejudicado, pois era um ponto ganho.

    Há ainda outros exemplos que eu poderia citar como “erros dos juízes de linha quando o jogador não tem mais desafios” ou “discussões com o juiz de cadeira sobre uma bola, no saibro, que faz com que o atleta perca o foco e o equilíbrio mental”. Todos nós cansamos de ver situações como esta.

    Agora, se alguém quiser argumentar sobre “o emprego dos juízes de linha” ou sobre “a perda de emoção das partidas”, tudo bem. A discussão é completamente válida. Porém, não tem como negar que a inclusão da tecnologia é o mais JUSTO, mas talvez valha a pena perder um pouco de “JUSTIÇA” para manter empregos e um nível a mais de emoção…

    Esse é um bom tema de discussão, mas não significa que há erro ou loucura na declaração do Djokovic. Foi hilário pelo momento (ele acertou recentemente um juiz de linha), mas eu não vi a entrevista e não sei se há trechos cortados na reportagem (talvez, ele só tenha falado porque foi perguntado e, talvez, ele tenha dito algo sobre o emprego dos juízes)

  34. Ivethe Albreymann

    Sim, um RG tão sem falta de emoções e insípido no WTA, sem querer desmerecer as meninas. Gosto mais das barulhentas como Azarenka, Serena, kerber, Halep, Muguruza, Bertens, a talentosa Barty – que não faz barulho, mas é um alento assistir com os seus golpes táticos e inteligentes. Mas claro que as novas são bem vindas, mas que falta carisma, falta. Por enquanto.

  35. Luiz Fernando

    Thiem e Dieguito vem fazendo uma partida excelente. equilibrada, com idas e vindas no marcador, ambos bem regulares. Deve ser daqueles jogos que duram mais de 4 horas pelo andar da carruagem. Sinceramente eu esperava uma certa folga do austríaco na partida, pela maior potencia nos golpes e pelo histórico no torneio, mas vendo esse jogo entendo perfeitamente a derrota de Rafa em Roma p o gringo, q vai vencendo 10 e 54…

  36. Rafael Azevedo

    E o Busta soltou mais frases de efeito em mais uma entrevista: “Espero que ele (Djokovic) esteja preparado para mais uma batalha” e “Por que eu não posso vencê-lo (Djokovic)?”

    Estou achando que ele está tentando fazer um jogo mental, assim como os lutadores de UFC fazem antes das lutas.
    Ao mesmo tempo que se enche de confiança, as declarações podem deixar os adversários com uma pulga atrás da orelha…
    Tipo: “se ele está falando isso, é porque deve estar sentido que os seus golpes estão muito bons. Deve estar se sentindo muito bem, fisicamente. etc.”

    Certo está ele, é a única chance dele conseguir vencer o sérvio. Mas, acho que não surtirá efeito. Se tem alguém que não se abala na confiança, é o Djokovic!

    1. José Nilton Dalcim

      Acho que neste caso ele está certo. Precisa mostrar auto confiança. Ele não está menosprezando ninguém, apenas se valorizando.

  37. Kiril Araujo

    Mais uma cabeça que diz au revoir. O safari continua, no feminino. Pintou a campeã, Dalcim? Nem vou falar o nome, que dá azar.

    1. Marcão

      O circuito feminino é muito competitivo. No exato momento em que escrevo, restam 7 candidatas e, embora acredite mais na Kvitova, qualquer uma pode vencer.

  38. Carolina

    Que resultado da Podoroska! É sempre bom ver jogadores da América do Sul tendo destaque.
    A passividade Svitolina decepcionou um pouco, mas acho que é esse o estilo dela.

    Com relação ao Djokovic: de acordo com a newsletter do ‘The Tennis Podcast’, a única que vez que ele perdeu para um jogador destro que bate o backhand com as duas mãos foi em 2005, jogando contra o Coria. As outras derrotas dele no French Open foram para o Nadal ou para jogadores com backhand de uma mão. Essa não é uma estatística animadora para Carreno Busta, Rublev e Schwartzman…

  39. Alex

    Dalcim, acompanho seu excelente blog há muitos anos, mas quase nunca me expresso.
    Penso que somos privilegiados em podermos estar acompanhando a história sendo escrita semanalmente.
    Independente das preferências, essas três lendas do esporte nos brindam com exibições épicas com frequência.
    Me lembro de 2017, quando Federer e Nadal fizeram a final do AO. Muitos já consideravam os dois quase aposentados, devido ás inúmeras contusões e seguidas partidas de exibição. Mas não só retornaram, como reassumiram o protagonismo.
    O próprio Djokovic, depois de “varrer” os adversários, experimentou um ano talvez meio desestimulado, mas igualmente voltou com tudo, tendo no momento um domínio absoluto, inclusive estando invicto em 2020, à exceção da desclassificação.
    Na minha modesta opinião, os três são o que são em boa parte devido a estarem jogando na mesma época. Mal comparando, CR7 e Messi, um desafiando o outro, continuamente, eleva o nível o tempo todo.
    Você considera que, após a inevitável retirada que em breve acontecerá (Federer talvez já esteja nela….) vai abrir um vácuo de qualidade que demorará para ser preenchido no mesmo nível dominante?
    Ou melhor, enxerga nesses “upcoming superstars” nomes que possam receber o bastão e mantê-lo de imediato com qualidade similar?
    Parabéns belo blog!!

    1. José Nilton Dalcim

      Obrigado, Alex! Eu acho que em termos de qualidade técnica, o tênis continuará muito bem servido, ainda é claro que não se possa comparar ao Big 3. A nova geração joga um tênis muito bonito, alguns mais agressivos, outros mais emocionais. Mas não vejo ninguém o carisma de Federer, Nadal ou Djokovic. E como não acredito que aparece um tenista realmente dominante nessa nova geração, capaz de marcar grandes recordes ou feitos numericamente espetaculares, esse fator ficará ainda menos relevante.

  40. Joao M P De Faria

    “Game tenso e jogo morno” não combinam. Esta análise está meio torta. Raras vezes vi Djoko tão relaxado. Jogo nos dois primeiros sets muito ruim. No terceiro Djoko abandonou a nova mania dele de focar em curtinhas e jogou melhor. Talvez se fossse Federer a análise seria outra.

  41. EDVAL CARDOSO

    Bom dia Dalcin,
    Uma pergunta, tem algum custo,e se tem, é muito alto,pra usar o teto retrátil na Philippe chatrier? Porquê,poxa, é uma amarração pra eles fecharem o teto,como aconteceu no jogo do Djokovic,e está acontecendo hj no jogo do Thiem e do Diego schwartzman.

    1. José Nilton Dalcim

      Já expliquei, Edval: o teto é um último recurso, porque é um torneio de quadras abertas. E é preciso tentar manter o máximo de equilíbrio entre todos os participantes. Abs!

  42. Rafael Azevedo

    Eu achei que a vitória do Djoko sobre o Kachanov foi uma bela vitoria. Apesar de ser esperada, o russo estava muito, mas muito bem, inclusive defensivamente, como Dalcim destacou. Não ter perdido um set se quer, diante do nível que o russo demonstrou, mostra que Nole continua gigante nos pontos importantes.
    Vai ser difícil para esse cara.
    Acho que só o Nadal, mesmo…

  43. Gabriel aguiar

    Dalcm, no começo do torneio vc deu um leve favoritismo ao Nadal…apos esses 4 jogos como vc ve isso em relaçao ao Djoko e Thiem?
    acha qu Djoko seria favorito contra ele ou somete que o Nadal nao seria tão favorito como as outras vezes?

    1. José Nilton Dalcim

      Para mim, não mudou muita coisa. Nadal ainda tem de ser considerado o favorito, a menos que nas próximas rodadas faça jogos muito abaixo do normal.

  44. Thiago Silva

    Acho mais fácil o Rublev derrubar o Djokovic que o Tripas.
    O grego tá com estigma de craque, joga sempre pressionado, como se tivesse a obrigação de virar número 1 ano que vem. O Rublev é inferior tecnicamente, mas joga mais solto e é mais corajoso.

  45. rafael

    Concordo demais com o xará acima. Djoko, também, é diferenciado nesse ponto e incomoda demais. Já quando o babava do Kyrgios abre a boca o consideram irreverente. Interessante isso.
    Djoko vai fazer 3 X 0 no espanhol e seguirá firme rumo ao bi!

  46. Álvaro Aguiar

    Ao contrário do que supus logo depois do sorteio das chaves, com o esgotamento físico/mental do Thiem, o caminho do Nadal até a final, parece agora mais fácil do que o do Djoko. Não descartaria uma final entre o maiorquino e uma surpresa (Tsitsipas? Rublev? Carreño?). Mas, por tudo que estará em jogo, torço para que o n°1 e o n°2 cheguem à decisão, e cheguem inteiros para travarem uma batalha épica pela conquista da Taça dos Mosqueteiros.

  47. Rubens Leme

    Comecei o dia arrasado. Morreu meu personagem favorito de The Blacklist, Glenn, aos 63 anos, causado por um infecção incurável do vírus do Nilo Ocidental (parece coisa de Agatha Christie). Glenn era um personagem fascinante, um despachante que achava uma barata específica no esgoto, se precisasse. Era o único que conseguia tirar Raymond Reddington do sério, enquanto você caía da cadeira de tanto rir. Sua fala de que tinha esquecido sua pílula para dislexia é clássica.

    A série ainda não está confirmada para o retorno em novembro, mas já teve duas baixas pesadas: o ator Brian Dennehy, que fazia Dom, o avô de Elizabeth Keen / Masha Rostova e agora Clark Tinsley Middleton.

    Os dois farão muita falta na trama, que dependerá cada vez mais do talento singular de James Spader.

    Descanse em paz, Clark.

    https://www.youtube.com/watch?v=AXCl_dzk42U

  48. Sandra

    Dalcim , não sei se é impressão minha , mas vc não está achando que Djokovic está ofegante ? Acho que hoje dia não aguentaria 5 sets , não sei e isso é por causando Covid ?

  49. Marcão

    Carreno Busta tem encontro marcado com a realidade. Amanhã descobrirá que é o terceiro. O que não será ruim.

  50. Luiz Fernando

    Algo me diz q Busta ao final da partida de amanha dirá q ele é, talvez, o… terceiro melhor jogador e não o segundo kkk…

  51. Marcelo

    Bom dia Dalcim

    Até onde o fator “sorte” pode influenciar na temporasa de um tenista: a partida está em andamento, mas ter que enfrentar o Kolscreiber numa estréia ninguém merece..

    Assim nao ha como pegar ritmo e sequência de.jogos!

    1. José Nilton Dalcim

      Sem dúvida, o fator sorte existe em várias situações no tênis, Marcelo. Mas esse Kohlschreiber de hoje não é o mesmo de seus melhores dias.

  52. Gildokson

    A verdade é que Djokovic não gosta de chamar atenção só pelo tênis que joga, ele gosta de aparecer mesmo. Não tem outra explicação para o cidadão dar uma declaração daquelas pouco tempo depois de acertar a bolinha naquela juíza, o homem gosta de ser polêmico kkkkkkkkkk

  53. vitor ferreira boico

    Bruno Soares é o segundo melhor tenista de todos os tempos do Brasil Dalcin?
    Pois para mim é, o que ele e o MArcelo fazem em quadra é coisa de louco!!! Muita habilidade e treinamento.
    PAra vc, qual é o top 3 considerando masculino, Feminino e duplas?
    att

        1. José Eduardo Pessanha

          Temos mais de 100 tenistas que foram melhores do que ele. Não dá pra comparar um duplista com um cara de simples.
          Abs

  54. André Rodrigues

    Boa noite Dalcim, as quartas de finais tem de a ser mais difícil que uma eventual semifinal para o Djoko?
    Qual o percentual de favoritismo pra cada um nesse jogo?

    1. José Nilton Dalcim

      Não, acho que as quartas tendem a ser menos difíceis, já que os outros dois jogadores na chave são bem respeitáveis. Eu daria 70% ao Djokovic e 50% entre Tsitsipas-Rublev.

  55. Maurício Luís *

    Veremos em quadra se o Pablo Carreño é mesmo o “segundo melhor”. E se levar uma surra do Djoko, o que eu acho provável, as más línguas vão apelidá-lo de SEGUNDINHO.
    Já o Thiem é realmente mais jogador do que o Dieguito, porém não tem a mesma consistência que o Big 3 vem apresentando há tantos anos. Se estiver num dia ruim, o argentino pode surpreender.

  56. JAN DIAS

    COINCIDÊNCIAS…

    2016 – FEDERER ? opera o joelho.
    Fica 6 meses fora do circuito.
    Estreia uma raquete nova.
    Volta e ganha o AO 2017 ?.

    2020 – FEDERER opera o joelho.
    Fica 10 meses fora do circuito.
    Estreia uma raquete nova, a Pro Staff RF 97
    Autograph v13 (há uma semana atrás).
    …..,……………………………………….

      1. FELIPE EDUARDO DE SOUZA ROSA

        Djoko lesionado? Ele jogou AO-17, não estava lesionando. Isso foi depois.

        O Federer do início 2017, provavelmente o melhor q já vi, acho que venceria qq Djoko e qq Nadal, na dura e na grama, poderia aprontar até mesmo no saibro nesse ano, mas não jogou e foi pra grama. E mesmo já meia boca, passou por cima de todos em WB-17, sem perder sets.

        E sim, agora pra 2021, provavelmente teremos o Djoko voando, um dos melhores Nole se seguir nesse ritmo atual. Até mesmo pra RG-20, o considero favorito.

        E pra mim, sim, o Djoko é o jogador mais temido, completo e consistente dos últimos 10 anos, é o maior candidato pra ser o melhor da história. Já está muito perto, talvez RG-20 CONFIRME ISSO.

        Por fim:
        1. Federer voando é a coisa mais bonita de se ver. Atinge um nível de agressividade, confiança e perfeccionismo que ng NUNCA fez igual no tênis. Pelé, Senna e Tyson fazem compania.
        2. Nadal “bem” no saibro, esqueça, não tem o q fazer. É o atleta top 3 mais dominante da história do esporte, compara-se a Phelps e Bolt. Em sua terra, consegue aniquilar o leão e o comedor de fígados, uma das coisas mais incríveis desse esporte.
        3. Djokokiller é o cara mais difícil e constante da história do tênis, mais completo, sem uma fraqueza relevante sequer. Uma verdadeira máquina, mesmo que não tão bela como as outras duas qdo polidas, mas impossível negar a maior eficiência. Chega a ser previsível que ele vai ganhar qq jogo qdo tá bem, mesmo qto tem 2 match points contra, sabemos q tem boa chance de algo acontecer, muitas vezes acontece. Não é humano. Só um nível poucas vezes alcançados por Federer e Nadal pra derrotar esse cara estando “bem”.

        VIVA OS 3!

        1. Paulo Almeida

          Não, ele já estava com a lesão desde o primeiro semestre de 2016 e ela só foi se agravando até ele se retirar do circuito em Wimbledon 2017, segundo suas próprias declarações.

          Mesmo assim, acho que teria vencido o Federer pelo menos no Australian Open. Em Wimbledon acho que não.

      2. JAN DIAS

        Não faz diferença. Em 2017, do jeito que o FEDERER jogou, ele atropelava seu querido sérvio, como, aliás, ele o fez no Finals ano passado… ?

        Vocês nolistas têm uma memória muito curta…kk

        1. Chetnik

          Engraçado que desde 2012 ele não vence uma única partida do Djoko em GS, mas vamos acreditar que em 2017 ele “atropelaria”, né? Kkkkk. Aliás, passou quase 10 anos com um mísero GS, aí o Djoko se lesiona e ele vencer logo 3 de uma vez. Mas é claro que é “coincidência”, kkkk. Ah, a horda…

          1. Chetnik

            Aliás, faltou falar…eu pensava que o Federer estava “decadente” desde 2008 ou 2009…pelo menos essa é a desculpa da hora. Aí você vem e me diz que quase 10 anos depois de ele estar decadente, ele jogou como nunca, kkkkk. Tem que se decidir kkkkk.

            Nunca decepcionam, kkkkk.

          2. Marcelo

            Meu Caro: vc consegue enxergar que desde o início da do Big 4, parte desta alternância se deveu a contusôes ou problemas de saúde de um dos jogadores, ou só perceb quando o “Nole” estava contundido..

            Já ouvimos coisas do tipo: ele só perdeu porque chveu demais , ou porque ventou demais, ou porque a bola mudou de trajetoria e bateu na juíza, e por aí vai.

            O hall de desculpas está cheio! Ele nao pode simplesmente ter perdido a partida pq o outro jogou melhor?

    1. Marcelo

      Olá,

      Sou fã do Federer e tambèm fico na torcida, mas acho com todo respeito que as coincidências param por aí

    2. Marvin Gaye

      Infelizmente hj tá claro que Federer só ganhou aquele AO pq Istomin fez oq ele não faz, e só ganhou Wimbledon pq Berdych tirou o sérvio, pq eu acho que mesmo machucado Djokovic ganha de Federer em GS, em qualquer piso.

  57. Renato schachter

    Acredito que Carreno vai ser sim um bom desafio para djoko , mas não como o próprio carreno está pintando !!! Ah , gostaria de responder a uma pessoa em outro post que o atropelo do Thiem sobre o djoko não foi em relação ao placar , mas sim sobre a superioridade das bolas que o Thiem fez no djoko !!!! Aliás dito pelo próprio djoko que nunca viu o Thiem jogar naquele nivel !!! Diga se de passagem .

    1. Paulo Almeida

      Meu caro, pare de forçar. Não houve superioridade nem no placar e nem em grandes jogadas. O jogo foi equilibradíssimo em todos os aspectos.

      Atropelo foi o que aconteceu em RG 2017 com aquele pneu no terceiro set ou, melhor ainda, na semifinal do M1000 de Roma do mesmo ano.

      1. Rodrigo S. Cruz

        Concordo com ele, e acho que o Thiem foi mais para bolinha e deixou o sérvio zonzo!

        Mostrou muita coragem e personalidade naquele dia, e por isso ganhou lindamente…

    2. Marcelo

      Eu me recordo de uma frase de alguem que tem 1,50 de altura:

      “Eu ja sou pequena. Se eu nao me impor, quem vai me respeitar?” (Sic)

      Acho que o Carreno Busta (que é grande no tênis e tem feitos admiráveis) precisa mesmo pensar desta forma para enfrentar os grandes. E nao ha outra alternativa (aliás, a outra alternativa seria se acomodar). Claro que ainda assim, achò o Djokovic muito mais favorito, mas nao posso deixar de admirá-lo pela declaração.

      Mas como tudo tem seu “lado B”:
      – peixe morre pela boca…

      Agora é aguardar.

      Também nao posso deixar de lembrar que Djoko caminha a passos largos para quebrar todos os recordes:
      – o de “bolada em juízes de linha” está muito próximo de ser quebrado pelo “nosso “COLT”, opsss… digo GOAT. Parece que acertou novamente na partida contra o Kachanov.

      Vou deixar para os fâs calcularem quantas semanas faltam para mais esta façanha : – D

  58. Marcelo-Jacacity

    E parabéns pelo título e só chamando a atenção para que o Edgard salientou: Busta disse: Talvez o Nadal jogue mais que ele nesse RG.
    De qualquer forma, creio que será uma partida bem difícil para o sérvio perante o espanhol.

    1. Paulo Almeida

      Marcelo, muito boa a sua fonte sobre o Soderling na pasta passada.

      Já disse aqui várias vezes que o Nadal estava machucado contra o sueco e por isso mesmo nem foi defender o título de Wimbledon. Aliás, duas semanas antes ele o havia destruído por 6-1 e 6-0 em Roma. Jamais teria perdido estando 100%.

      Federer que agradeça aos Céus por não ter enfrentado o espánhol nos dois Slams que venceu em sequência em 2009.

      1. Sérgio Ribeiro

        Agradecer porque , caríssimo Piloto ? Nadal perdeu pra Soderling em RG e depois no FINALS . E em WIMBLEDON jogaram 4 e o Suíço venceu TRES . Sempre se superando kkkkkkkkkk . Abs!

        1. Sérgio Ribeiro

          Ps . A partida em RG 2009 foi duríssima com o Touro vencendo o Tie- Break do segundo e perdendo o Tie-Break do Quarto Set . No FINALS o Sueco venceu por um duplo 6 x 4 . No ano seguinte Soderling bateu Federer também nas Quartas e em 4 Sets . Quem estava meia boca em Roma foi o Sueco rsrsrs . A tentativa de desmerecer o então N 8 do Mundo não cola rsrsrs Abs!

          1. Paulo Almeida

            O jogo de Roma e a final de Rolanga do ano seguinte mostraram a disparidade entre os dois. Não conteste o próprio Soderling.

            Abs!

        2. Paulo Almeida

          Agradecer porque o Nadal vinha de três vitórias seguidas em Slam sobre o suíço e teria ganhado a quarta e a quinta. Mais dois Slams teta pra ele.

      2. Gildokson

        Quem tem que agradecer alguma coisa é o Djokovic por ter ganho RG 2016 graças ao Nadal se retirar no meio do torneio kkkkkkkkkkkkkkkkkk
        Pelo menos em 2009 ele jogou e perdeu, tu ja pensou que se não fosse essa retirada o Djokovic tava sem RG até hoje? kkkkkkkkkkkk

        To brincando Paulo rsrs
        Abraços!

        1. Paulo Almeida

          Djoko já tinha batido o espanhol em Roma e estava em melhor fase. Fora que já tinha ganhado em 2015.

          Já falei: adversário duro pro Nadal no saibro só existe um!

      3. Marcelo-Jacacity

        Fala Paulo Almeida!
        Então, é notório que Nadal não estava fisicamente bem em RG-09, fato comprovado pelo noticiário à época.

  59. Marcelo-Jacacity

    Dalcim, uma pergunta fácil pra você:

    Onde foi parar o backhand fulminante na paralela do Djoko? Incrível o quanto ele está fugindo para bater forehands inside-out e inside-in. O que será que ele pretende com isso, será que é de ordem técnica (Vadja e Ivanisevic?) e/ou recomendação da equipe de fisiologista, fisioterapeuta para não estressar o braço, punho, ombro esquerdo?

    1. José Nilton Dalcim

      Eu até vi ele usando o golpe, mas pode ser o problema de seu backhand ser muito mais flat do que o forehand – aliás, quase todos que batem de duas mãos são – e assim nessa quadra o efeito pode não ser tão eficiente.

      1. Marcelo-Jacacity

        De fato, hoje ele bateu alguns backhands na paralela.
        Excelente resposta a sua! Realmente faz todo o sentido, a esquerda do Djoko é bem chapada.

  60. Chetnik

    Djoko afiadíssimo. 44 winners e 28 erros não forçados contra um bom adversário, que jogou bem. E tá bem focado.

    1. Marcelo

      Meu caro Chetnik,

      O problema é que agora o Nole vai enfrentar “o melhor” e teremos uma final anyecipada : – D

  61. Neto Gauss Gomes

    Boa noite Dalcim.

    Duas perguntas.
    A primeira, ainda sobre a diferença dos pisos, é que acredito que as quadras de RG, nesse período, estão parecidas(temperatura e umidade) com as de Monte Carlo, onde Nadal é rei também. Então o grande problema para espanhol é realmente a bola e não a quadra pesada.
    Ou estou equivocado?

    A segunda é qual sua opinião se Federer tivesse disputando um RG nessas condições?
    No jogo Zverev vs Herbert, o francês voleiou muito. E nesse último jogo do Thiem, o habilidoso francês Gaston deu muitas curtinhas. Fico imaginando como seria se Federer tivesse no torneio, já que aparentemente as quadras, neste ano, apresentam mais condições para volear e dar curtinhas. Na sua opinião quais as chances de Federer vencer Nadal ou Djokovic em RG nessas condições?

    1. José Nilton Dalcim

      Sim, acho que a bola incomoda mais do que o piso em si. Não vejo qualquer chance de o Federer ir longe, muito menos vencer um dos dois nessas condições, Neto.

  62. Rubens Leme

    Dalcim, respondendo a pergunta do William Rodrigues, no post anterior, sobre quem foi número 1 juvenil e depois vingou como adulto, temos Ivan Lendl, como exemplo perfeito. Em 1978, com 18 anos venceu Roland Garros e Wimbledon (quem disse que nunca venceu na grama sagrada?) como juvenil e foi numero 1 do mundo e, no mesmo ano, se profissionalizou.

    Já McEnroe também tem seu título, aliás, seu primeiro Slam, em 1977, aos 18 anos, em duplas mistas, em parceria com Mary Carillo. O incrível é que foi entre os profissionais, enquanto Big Mac ainda era amador, pois se tornou profissional também, em 1978.

    1. Sérgio Ribeiro

      E em 1998 alguém venceu Wimbledon , Orange Bowl e terminou a Temporada como N 1 juvenil do Mundo. Parece que esse também deu caldo rsrsrs …

      1. Sérgio Ribeiro

        Minha previsão de 4 Next Gen nas Quartas furou graças a Dieguito e Busta . Mas como este é o Segundo rs e Tisitsipas e Rublev decidiram Hamburgo , com o reforço de Sinner não fui tão mal rs . Aliás a festa realmente vai começar. Os três Favoritos confirmaram e não acho assim tão fácil como se imagina. Amanhã Rafa deve finalmente ceder Sets . Dominic não tenho dúvidas. Novak bate o falastrão em Sets diretos, mas terá uma Semi pra suar a camisa. Se eu fosse juiz de linha começava a rezar kkkkkkkk . Abs!

    2. Willian Rodrigues

      Grato pelas informações Rubens Leme!
      Dalcim mencionou que Agassi, Nadal e o monstro Sampras não apresentaram grande destaque em suas respectivas carreiras no juvenil.
      Essas informações que me trouxeram agora acerca de Lendl, McEnroe e do próprio Federer completam o quadro.
      Realmente o que se pode depreender é o seguinte: sucesso no universo juvenil é um indício muito FRÁGIL a respeito de uma carreira brilhante após a profissionalização! Não há previsibilidade científica a partir desse dado! HeHeHe
      Abraços

      1. Luiz Fabriciano

        Tivemos aqui o Tiago Fernandes, alagoano que venceu o Aberto da Austrália e chegou ao #1, mas sequer se tornou profissional de fato, abandonando a carreira precocemente.

    1. Antônio gabriel

      Minha cara, acho realmente que vc não entendeu a ironia utilizada pelo Dalcim. Ele foi até meio zueiro com o bustinha.

      1. Luiz Fabriciano

        Interpretação de textos sempre foi o calcanhar de Aquiles para muitos, durante o ensino fundamental.

  63. periferia

    Olá

    Três filmes…a relação mais conflituosa do cinema entre um diretor e um ator (Werner Herzog e Klaus Kinski)

    Aguirre, A Cólera dos Deuses (1972)….Dê poder ao homem e descobrirá quem ele realmente é…o espanhol Lope de Aguirre tinha um pouco de Maquiavel.

    Nosferatu, O Vampiro da Noite.(1978).
    Adaptação livre do livro de Bram Stoker (Dracula) homenageia o filme de Murnau da década de 20.

    Fitzcarraldo (1982)
    A loucura de um empreendedor admirador de Caruso (no gramofone em plena floresta amazônica ) enquanto os nativos carregam um navio a vapor montanha acima pela floresta.

    Existe um documentário chamado “O Meu Melhor Inimigo (1999) …retrata essa parceria caótica…que gerou alguns dos melhores filmes do cinema.

    Frase de Herzog:

    “Nós nos respeitavamos mutuamente…mesmo que tivéssemos cada um planejado assassinar o outro”

    1. Rubens Leme

      Klaus Kinski era tão feo (e como conseguiu ter uma filha tão linda é um mistério) que disseram que a maquiagem de Nosferatu melhorou a aparência dele. Essa versão é bem mais assustadora do que a do Murnau que é de arrepiar.

      1. Miguel BsB

        Vejam como são interessantes as postagens de vocês sobre cinema: não costumo adentrar muito nas conversas, porque, confesso, apesar de apreciar muito a sétima arte, estou longe de possuir o conhecimento de vcs…
        Me lembrava da Natasha Kisnky, belíssima mulher, e fui pesquisar sobre o pai. Daí me deparo com uma reportagem em que a Natasha e a outra irmã o acusam de molestá-las sexualmente na infância/adolescência. O cara era um monstro tanto na ficção quanto na realidade…

    2. Marcilio Aguiar

      Essa dupla foi notável! O Drácula de Kinski parecia uma figura indefesa, digna até de compaixão. Foi essa a minha sensação quando assisti aquele filme.
      Fitzcarraldo teve a participação de alguns brasileiros. Me lembrava de uma ponta de Milton Nascimento e, consultando a wkipedia, confirmei José Lewgoy e Grande Otelo.

      1. periferia

        Olá Marcilio.

        Diz a lenda que Kinski “incorporou” o personagem do vampiro….chegou a morder alguns pescoços no set de filmagem….saia durante a noite enlouquecido.
        Em Fitzcarraldo ….Herzog que tinha uma personalidade pacificadora….ao contrário do Kinski que explodia constantemente.
        Um chefe de tribo (muitos índios participaram do filme) se ofereceu para matar Kinski ….fariam com alegria.
        Herzog ficou tentado…mas não aceitou.

        Abs

  64. Paulo Almeida

    Outra coisa que está chamando a minha atenção positivamente é o smash do sérvio, muito firme e bonito, inclusive do fundo da quadra. Hoje ele até errou um, mas foi porque reagiu no susto a uma bola inesperada. Até o Nadal teria errado.

    O Sinner é um marreteiro unidimensional (só tem a direita) e o espanhol deve explorar bem sua esquerda mediana. O Wawrinka pelo menos distribui pancadas com as duas mãos, mas também passa longe de ter o vasto repertório do Djokovic. O sérvio inclusive fez muito mais winners do que o marreteiro russo hoje, pois angula, afunda e muda a direção da bolinha com extrema facilidade. Difícil mesmo achar alguém com tanta variação no jogo.

    1. Sérgio Ribeiro

      Vai passar vergonha pela milésima vez , divertidíssimo Piloto. Sinner tem um BACKHAND mediano ? Somente bate bem a direita ? Não tenha vergonha de assistir a partida . Amanhã estarei aqui te pentelhando . Tu não bate mesmo kkkkkkkkkkkkkkkkk Abs!

  65. Alessandro Siqueira

    Dalcim, seu blog segue sendo um oásis de informação sobre o tênis. Informação de qualidade e com uma perspectiva bastante isenta. Creio que você tenha seus tenistas prediletos, mas isso não o impede de fazer uma narrativa conectada aos fatos. Tudo isso em uma roupagem onde o português escorreito deve ser destacado. Infelizmente, essa não é a realidade jornalística no mundo do tênis. Há blogs e perfis que fazem Fernando Pessoa criar novos heterônimos lá do além, capotando feito Daiane dos Santos ao ouvir Brasileirinho. Aliás, blogs e perfis bastante autocráticos, já que bloqueiam sem qualquer contraditório, na base do “meu espaço, minhas regras”, até mesmo quando as regras elementares do idioma parecem um saque da Sara Errani em um dia conturbado.

  66. Chetnik

    “Dominava o sérvio” é um grande exagero, né, Dalcim? Djoko tava sacando igual ao Isner e o Busta não vislumbrava nada. Alguns erros pouco característicos, aí o Djoko perdeu os 3 BP e fez um game de saque terrível em seguida. Tenho certeza que devolveria a quebra em seguida rs.

    1. Paulo Almeida

      Djoko teria levado o primeiro set se o Busta não tivesse acertado na cagada aquela paralela que pegou 1% da linha no 0-40. Esse pequeno detalhe acabou levando a todo aquele desastre!

      1. Luiz Fabriciano

        Sim, aquele pedido de desafio o salvou. Imagine que de onde estava, com sua visão limitada tivesse aceitado a chamada de bola fora.

  67. Jonas

    Bom, eu acho que o Djoko vence por 3 x 1. Busta é bom jogador, vai dar algum trabalho mas o Djoko passa, caso não faça alguma merda como ser desclassificado.

    Acho, inclusive, que o Busta representa perigo maior ao sérvio nas hards.

    Espero um excelente jogo entre Rublev e o grego mimado. Aposto no Russo, mas vai ser um jogo duro.

    Amanhã o Nadal vence o Sinner com certa dificuldade e o Thiem perde para o Schwartzman.

    1. Sérgio Ribeiro

      E na hora de tirar um dez ? kkkkkkkkkkkkkkkkk Na boa , caro Jonas . O Sérvio se quiser levar RG 2020 , vai ter que bater Rafa ou Dominic . Não se desespere rsrsrs Abs!

      1. Jonas

        Analisando até palpites agora caro Sérgio?

        Bem, eu acho que a final será Nadal x Djokovic, com vitória do sérvio.

        Se a final fosse Thiem x Djoko, nessas condições, também daria o favoristismo ao Djoko. Mas vamos aguardar, são meros palpites…ainda estamos nas quartas, abs.

  68. Paulo F.

    Dominic Thiem: suados 5 sets contra um anão de jardim que come croissant. Virgem em conquistas importantes no saibro.
    Novak Djokovicl: 3 sets diretos contra o décimo-sexto do ranking e que possui exatamente o mesmo número de M1000 conquistados junto ao “melhor tenista da atualidade”: um. Retrospecto no saibro nas últimas três temporadas do saibro: Madri 2019 e Roma 2020.
    O nobre confrade Luiz Fernando tem absoluta razão: aqui é diversão garantida!

  69. Luiz Fernando

    Rafa e Djoko podem estar com estatísticas semelhantes, mas a qualidade e o ritmo estão bem distantes e favoráveis ao sérvio. No atual momento meu mantra preferido é o do Dalcim: nunca descarte Rafael Nadal…

  70. Lucas Duarte Parra

    Dalcim,Thiem x Schwatzman me parece um duelo entre dois tenistas que adoram saibro,bem consistentes e que correm muito…Fazendo uma análise técnica,o que você acha que o argentino e o austríaco podem explorar no jogo para levar vantagem?

    1. José Nilton Dalcim

      Acho que a questão básica, que aliás prevaleceu quase sempre nos duelos entre eles, é a agressividade muito maior do Thiem. A bola dele anda muito, com força e feito, a chamada ‘bola pesada’. E Diego não pode recuar muito da linha, porque aí perderia o fator essencial de pegar a bola na subida, o que compensa sua menor força. Então é uma situação complexa para ele, saques angulados podem ajudar o argentino a abrir a queda. E arriscar deixadas se tornou essencial nesse piso lento.

  71. Gustavo Gualberto da Silva Santos

    Só pra complementar meu comentário…

    Dalcim, pelo que você tem observado ( bolinha, Piso, Temperatura ), as chances de nole numa hipotética Final contra Nadal, traria mais chances ao sérvio, ou não, nas condições atuais Nadal tem as mesmas chances contra Nole como nas demais vezes?

    1. José Nilton Dalcim

      Acho que esse conjunto favorece o Djokovic, Gustavo, porque a bola está quicando mais baixo e o spin do Nadal causa menor dano com isso. O fato de jogar muito recuado também pode ser um problema para Rafa, já que tem de fazer muito mais força para essa bola pesada chegar com profundidade.

  72. Gustavo Gualberto da Silva Santos

    Boa noite Dalcim.

    Você disse que considera Rublev mais jogador que Tistispas no saibro, sendo assim, você o coloca como favorito para o embate, ainda mais após a final ocorrida na última semana?
    E por fim, num hipotética semi contra Nole… quem daria mais trabalho ao sérvio?

    Abraços.

    1. José Nilton Dalcim

      Pela qualidade do jogo de rede, o que considero uma variante essencial para tentar vencer Djokovic, acredito que Tsitsipas teria mais chances do que Rublev, que ainda fica muito preso no fundo de quadra. Mas o grego toda hora está com uma dor, e sentiu uma na coxa em Hamburgo. Com tantas curtinhas que Djokovic está dando, o grego pode ter problemas sérios.

  73. André Barcellos

    Ahahah
    Desta vez vc, Dalcim, foi na veia da questão sem rodeios! É o que todo mundo tá pensando depois da declaração do espanhol.

  74. Edgard Upinho

    Ele nem chegou a garantir que somente o touro é superior a ele, pois falou :”talvez o nadal” kkk. Achei uma frase brincalhona dele. Creio que será varrido na quarta.

  75. waldir santos

    amigo voce dando sua opinião, eu não tenho nada a falar….depois do jogo do espanhol contra o servio, espero sua opinião para então eu fazer minha analize do que voce disse….obrigado

    1. José Nilton Dalcim

      Sim, este Blog é feito para eu dar minha opinião e para abrir espaço a que os internautas também o façam, livremente e com respeito. Aproveite o espaço.

      1. lEvI sIlvA

        Aurélio, meu caro, não percebeu?!?
        Nosso colega de Blog fez uma tour no exterior. Tal qual a Luciana Gimenez, não tem culpa de “pensar em outro idioma”. Isso confunde mesmo…!!?

    2. Antônio Luiz Júnior

      Amigo em que tempo você vive? Se não fosse para o Dalcim emitir a opinião dele, sempre isenta e coerente, diga–se de passagem, não faz sentido ter um blog. Você tem todo o direito de discordar, e emitir o seu ponto de vista. Esperar o final de partida para esfregar na cara dele que ele estava errado, é no mínimo conveniente. Não se trata de futurologia, as palavras de Carreno Busta foram ditas, e Dalcim apenas as utilizou sabiamente neste post. Simples assim…

  76. Lucas Leite

    Dalcim, quais vc acha que são as vantagens do Tsitsipas e do Rublev que eles deveriam explorar no seu jogo de quartas? Vi que disse que acha que o russo joga mais no saibro, mas na final de Hamburgo achei que o melhor jogador tinha sido o grego, que só não conseguiu fechar. Para mim o Rublev está num momento de confiança muito elevada e por isso está protagonizando tantas viradas, venceu 7 games em Roland Garros até agora, nos quais o seu adversário sacava para o set. Impressionante. Eu acho que o russo vem muito confiante, mas que o grego tem mais recursos, não?

    1. José Nilton Dalcim

      Sim, tecnicamente falando o grego tem mais vantagens, mas existe a questão emocional e o lado físico. E nesses dois aspectos acredito que Rublev esteja hoje com alguma vantagem sobre ele. Obviamente não será qualquer surpresa se Tsitsipas vencer. Ele é bem versátil e por isso se dá bem em todos os pisos.

  77. Sandra

    Dalcim, até que ponto faz tanta diferença os pisos para certos jogadores e jogadoras ? Ouço sempre que Kvitova não sabe jogar no saibro mas está ganhando , Tsitsipas também, ouço que é fraco mas se duvidar e campeão e assim por diante

    1. José Nilton Dalcim

      Faz, claro, diferença. Hoje em dia os pisos estão bem mais padronizados, mas ainda assim existem particularidades e isso exige técnicas e táticas diferentes, Sandra.

      1. Adriano Lopes

        Dalcin, sempre quis perguntar sua opinião pessoal sobre este tema: você acredita que essa padronização entre os diferentes pisos fez bem ou mal ao nosso amado esporte?
        Continue o excelente trabalho!

        1. José Nilton Dalcim

          Obrigado, Adriano. Acho que fez bem num primeiro momento, tornando o jogo mais lento e aumentando os ralis. Mas depois tornou o esporte mais chato. Sempre gostei da dificuldade de adaptação para as diferentes situações que o tênis exige. Mais que isso, acabou lesionando muito os tenistas devido ao grande desgaste físico que acabou gerando, já que é preciso bater mais, e mais forte, na bola a cada dia. Dificilmente você vê jogadores chegarem numa final e conseguir um bom desempenho na semana seguinte.

          1. Adriano Lopes

            Obrigado pela resposta e análise!
            Eu também achava muito legal a necessidade de adaptação à diferentes pisos e situações. Os tenistas tinham que ser mais maleáveis e mudar um pouco (ou muito) seu estilo para serem bem sucedidos. Se alguém ganhasse, por exemplo, Roland Garros e Wimbledon na sequência, dizia-se com mais propriedade que essa pessoa era boa, independente das curcunstâncias de jogo. Me faz lembrar a situação das corridas de longa distância em que são valorizadas as vitórias não só em distâncias diferentes, mas, pisos (bem) diferentes como pista, terra (cross country) e asfalto (corrida de rua).
            Ademais sumiu muito a figura dos especialistas, que era tão legal de ver, e o choque de estilos diminuiu muito, uma vez que hoje quase todo mundo joga muito do mesmo jeito (o saque e voleio puro, por exemplo, quase foi extinto).
            Enfim, gosto de saber que houveram também implicações positivas, embora, eu acabe mais lembrando das negativas, rs (não tinha também essa percepção da questão física dos atletas que você mencionou).
            Para onde você acha que nosso esporte está indo Dalcim? Haverá ainda mais padronização, uma parcial volta ao que era antes ou, nenhuma mudança? E por falar em mudança, você acha que alguma regra importante do Tênis possa ser alterada, digamos, em um horizonte de 5 ou 10 anos (depois do Big3 se aposentar)?

          2. José Nilton Dalcim

            Acho que o tênis continuará sendo muito físico, mas vejo alguns torneios já alterando a velocidade dos pisos, o que torna o circuito mais interessante. Embora haja discussões sobre tirar a vantagem ou reduzir os sets, não acredito que isso acontece nem a médio prazo.

  78. Fernando

    A torcida do sérvio milongueiro tá na mesma vibe da torcida do Federer no USO 19, clima de já ganhou ” fulano vai destruir, fulano é uma máquina”… será Carreno o Dimitrov da vez ? A única coisa que sei é que se o espanhol estiver na frente teremos chilique, dores no ombro e atendimento médico.

    1. Babidi

      A única diferença é que o Federer não estava jogando nem 10% do que o Djokovic está jogando agora. A única partida decente que o suíço fez naquele US Open foi contra o Goffin. Se pegasse uns adversários mais rodados na chave, era capaz de ser eliminado já na estreia ou na segunda rodada

      Carreño Busta tem tudo pra passar vergonha com esse excesso de confiança. Tá parecendo o Léo, ex-lateral esquerdo do Santos, que disse logo após a conquista da Libertadores: “vamos ver se o Barcelona é tudo isso”. O final todos sabemos como foi

  79. efraim santana silva

    esse ano Nole tera totais condicoes de ser campeao sem vento e com teto retratil ..sera campeão no torneio de terrão..

    1. Fernando

      Então nos outros anos ele não teve totais condições ?? Essas tais condições valem para ambos, se antes não havia teto retrátil o jogo parava, ventos?? mãe natureza quiz assim! Essa papo não cola, em 2018 o fechamento do teto em WB beneficiou o jogo do djokivic, ele venceu e vida que segue, não vejo ninguém chorando por isso…

      1. Luiz Fabriciano

        O vento, o sol e a chuva são bençãos da natureza, portanto, para os dois.
        A questão que é colocada é simplesmente que, raramente os dois se adaptam, ou seja, um ou outro sofre mais em determinadas condições. Ninguém em sã consciência está dizendo que o sol esquentou a cabeça de apenas um. Agora a adaptação realmente é problema a ser administrado pelo indivíduo que tem maiores dificuldades.
        E em Wimblendon 2018 foi apenas um cumprimento de regra, não foi benefício à A ou B.

    2. Efraim Oliveira

      Dois Efraims no mesmo espaço. Raridade isso! Rsrs

      Acho que só fecha o teto se estiver chovendo. Alguém me corrija se eu estiver errado. Inclusive teve jogos com bastante vento e o teto não foi fechado.

      1. José Nilton Dalcim

        É um torneio de quadras abertas, portanto o uso do teto deve acontecer exclusivamente em caso de chuva.

  80. Miguel BsB

    Olha, piadas e declarações à parte, o Busta tá jogando muito bem, tá muito sólido, desde o USopen e nesse RG tb…vai ser um desafio maior ao Djokovic, ou pelo menos tudo leva a crer que sim.
    O Tsisipas tb tá muito bem, e tem tênis pra desafiar o n 1. Isso se seu pai não atrapalhar…

    1. Miguel BsB

      Claro que o Rublev tem plenas condições de ganhar do grego, mas acho, numa eventual semifinal contra o Djoko, que o Tsisipas tem mais tênis e variações pra tentar tirar o sérvio da zona de conforto…

  81. Vitor Hugo

    As deixadinhas do sérvio são realmente RIDÍCULAS!.

    Bom, aposto na segunda vitoria seguida de Busta sobre o bagre sérvio.

    E discordo do que está esctrito no post. Thiem é o segundo maior postulante ao título, pois é o segundo melhor saibrista dos últimos três anos.

    1. Heitor de Castro

      Amigo, o Dalcim não concorda com o que está escrito. Ele apenas menciona/escreve o que o próprio Busta falou.

    2. LION

      Marquinhos, volte pra escola e tente aprender o básico de aritmética. Aí depois vice vai saber contar quantos títulos importantes Djokovic tem no saibro e quantos títulos importantes o Dominic tem no saibro. Vou facilitar pra você.

      Títulos GRANDES do Dominic Thiem no saibro= ZERO

    3. Babidi

      Mas é óbvio que ele vai errar algumas, até porque é um golpe de difícil execução. O que importa é que a cada 6, ele acerta 4

      Não se engane, cara. O Djokovic dança conforme toca a música, por isso exagera nas variações em jogos que ele percebe que são pouco perigosos. As três primeiras rodadas só serviram para ele calibrar os golpes. Hoje foi um jogo mais difícil, mas ele controlou desde cedo

      1. Paulo Almeida

        Muito bem, Babidi, assim como o Federer erra várias jogadas de risco.

        Diferentemente de alguns, você não faz parte do gado bolsofederista que não admite de jeito nenhum que o sérvio é craque.

    4. Aurélio Passos

      “Bagre sérvio”? Você acha MESMO isso do Djokovic?
      Imagino que ZERO por cento dos jogadores do circuito pensam assim quando vão enfrentá-lo…. enfim…

  82. Rubens Leme

    Dalcim, hoje é aniversário de Sir Bob Geldof, o idealista do projeto Band Aid e do single “Do They Know It’s Christmas Time”, que tenho a honra de ter em compactos de sete e de doze polegadas. Ele completa 69 anos.

    Mas, Sir Bob já era famoso do fãs do Pink Floyd, por ser o ator principal do filme The Wall (era o Pink) e também porque sua banda, The Boomtown Rats fez um single delicioso chamado “I don’t like mondays”, que uma antiga casa noturna pauistana transformou em uma festa chamada “I like mondays”, que começava sempre às 11h30 da noite e ia até às 6 horas, da terça. A ironia é que a casa ficava a duas quadras de uma delegacia.

    Fui em umas 3 ou 4 festas e até dei sorte em um par delas. Bons tempos em que eu atacava meu rock suave…

    Assim, sendo eis o single de Natal. Vamos ver quem acerta o nome de pelo menos cinco cantores. O vencedor ganha uma curtinha do Gaston.

    https://www.youtube.com/watch?v=bjQzJAKxTrE

    e há também a versão ao vivo, no Band Aid, com David Bowie (que não participou do single), Freddie Mercury e Roger Daltrey (The Who), cantando. – https://www.youtube.com/watch?v=Gifrd7ljNL4

  83. Rubens Leme

    Dalcim, nao achou antipático e infeliz o pedido do sérvio de acabar com os juízes de linha justamente após o incidente? Depois ele tentar secar a quadra com rodo para mostrar carisma, mas já estragou tudo antes, na coletiva.

    E o jogo de amanhã tá com cara de cheirinho (de novo!, com diria o Babe da Silva Sauro)…

    1. José Nilton Dalcim

      Realmente, o Djoko não está feliz em suas declarações. Entendo até o ponto de vista dele na questão técnica, mas ao alegar ‘tradição’ para se manter os juízes de linha ele não pensou um segundo sequer no desemprego desses profissionais? Achei bem estranho.

      1. Sandra

        Eu continuo a torcer pelo Djokovic , mas as declarações dele estão mais para Bolsonaro que outra coisa rsss, mas pelo menos ele ainda ajudou muita gente !,,

      2. Rubens Leme

        Bom, 2020 é o “ano dele”, né? Tá num top 3 forte junto com dois certo presidentes negacionistas, em declarações infelizes. Só não ganha destes porque seu cargo é infinitamente menos importante, porque do contrário…

      3. R.P.

        Malditos inventores das câmeras digitais. Não pensaram um segundo sequer nos fabricantes e vendedores de filmes. Pra quê melhorar, né? Importante é falar bosta.
        ???

      4. Marcelo-Jacacity

        A questão é que o Djokovic fala o que muitos acham mas preferem não dizer por ser um tema espinhoso. Pelo lado técnico com certeza o sistema eletrônico de marcação é muito superior. Pelo lado do custo, provavelmente é vultoso para torneios menores, e por fim, pelo lado humano, não é bacana.
        Fazendo uma analogia seria o mesmo em relação a função de cobrador de ônibus.
        E concordo que não era o melhor momento para ele falar sobre isso.

          1. Miguel BsB

            Exato! No fim das contas o que vale é o ser humano! Há que ser balanceada a questão e avanços tecnológicos com a faceta humana…ou, daqui a pouco, estamos todos substituídos por robôs, clonados geneticamente, com implantes no cérebro etc…

      5. Aurélio Passos

        Nole tem im lado reacionário meio esquisito, parece ainda sobras da época do Slobodan Milocevic… triste…

      6. Chetnik

        Eu já acho que a evolução tecnológica é irrefreável. Gostei muito da experiência em Cincinnati e espero que vira a norma nos grandes torneios. Infelizmente, deve demorar alguns anos ainda.

          1. Rafael

            Ninguém da indústria dos computadores me ressarciu pelo custo que eu tive com o curso de datilografia. Mais além, não lembro de terem ajudado a Olivetti para não quebrar. Pra não falar da Kodak e as câmeras dos smartphones, sempre em evolução…

            Tudo que o Djokovic fala é motivo de mimimi, dá assunto. Mas ele não é de ficar na moita mesmo, como seus concorrentes diretos. Que bom. Sempre preferi quem fala o que pensa.

          2. Sérgio Ribeiro

            Todas essas transformações aconteceram em momento de Pandemia Mundial ??? O fanatismo cega mesmo meu caro … Abs!

          3. Barocos

            Rafael e Chetnik,

            Devo confessar que eu não sou fã de quem fala o que pensa, mas de quem pensa antes de falar, o que resulta em uma diferença estrondosa. Quando se realiza este tipo de citação (falar o que pensa), em geral, se faz como contraponto à declarações imersas em cinismo, hipocrisia ou outras formas de insinceridade.

            Claro que para ambos, pessoas inteligentes que são, eu nem precisaria ter escrito estas poucas linhas.

          4. Joao M P De Faria

            Ótimo seu comentário Rafael. Tem gente que gostaria de voltar atrás na história e impedir enormes avanços, que se por um lado geraram desempregos por outro lado criaram outros. O mundo gira mas, alguns que insistem que a terra é plana.

      7. Luiz Fabriciano

        Achei bem pertinente.
        A primeira experiência com juízes eletrônicos foi aprovada em um evento muito importante.
        Todos os esportes com fatores humanos decidindo pontos cruciais, podem causar ou sucesso ou fracasso de alguém.
        Vejam os exemplos recentes em Roma, onde o juizão errou três vezes seguidas e ainda quis colocar na conta do sérvio. David Goffin sabe bem o que é isso, em um Monte Carlo diante do todo poderoso Nadal.
        Uma coisa é certa: nunca vi um juiz voltar atrás numa marcação. Certa vez, Viktor Troicki foi à loucura em quadra por conta de uma marcação errada.

Comentários fechados.