Susto na hora errada
Por José Nilton Dalcim
4 de outubro de 2020 às 18:27

Dominic Thiem foi o primeiro dos três grandes favoritos a fraquejar. E o susto foi grande. Depois de abrir 2 a 0, era de se esperar que o jovem e inexperiente Hugo Gaston sentisse a pressão natural e falhasse nos momentos mais tensos do terceiro set. Ao contrário, foi o todo-poderoso austríaco quem não achou soluções às deixadinhas insistentes, maliciosas do garoto e, cada vez menos à vontade, viu o jogo ir perigosamente a um quinto set.

Até o oitavo game, estava tudo indefinido. Thiem acabara de confirmar o serviço num game longo e precisou de outra batalha até conseguir a quebra. Quase permitiu o empate e só foi ganhar do 239º do ranking no segundo match-point. Sufoco e desgaste inesperados e indesejados, principalmente quando se sabe que somente nas quartas de final é quando deveriam começar seus reais problemas.

Agora vem Diego Schwartzman, que ganhou todos seus 12 sets nesta primeira fase de Roland Garros – são suas primeiras quartas de Slam sem perder set -, atropelou Lorenzo Sonego e vem cheio de confiança desde a campanha notável em Roma. É bem verdade que o histórico favorece Thiem por amplos 6 a 2, sendo 3 a 1 no saibro, porém eles nunca disputaram uma melhor de cinco sets. É o primeiro grande duelo da chave masculina.

Rafael Nadal por seu lado deve ter assistido ao aperto de Thiem no conforto do hotel, já que teve novamente muita facilidade para vingar no saibro de Paris, tendo como único senão uma quebra de saque no começo do terceiro set. O lance mais curioso veio depois do jogo, quando Sebastian Korda revelou em sua mídia social que havia obtido uma camisa autografada do ídolo (leia e veja aqui).

Embora uma surpresa seja pouco provável, já estou curioso para ver como Jannik Sinner vai encarar o desafio do primeiro duelo diante de Rafa. Seus golpes de base, e especialmente o backhand, são sólidos e pesados, o saque costuma beirar os 200 km/h e é admirável seu comportamento sóbrio em quadra quando mal completou 19 anos.

A atuação contra Alexander Zverev foi firme, ainda que o italiano pudesse ter variado um pouco mais, principalmente com curtas. Ao final do jogo, o vice do US Open revelou ter tido febre na véspera e que não tinha condições ideais de jogo, mas jurou ter testado negativo para a Covid-19. Com a palavra, os organizadores.

Nova campeã em Paris
Num torneio marcado por sucessivas surpresas desde a primeira rodada, parecia mais do que evidente que novas postulantes ao título acabariam surgido no saibro francês. Mas a expectativa foi além: se no sábado a parte inferior garantiu uma finalista inédita, a queda de Simona Halep no domingo determinou uma nova campeã em Roland Garros e, quem sabe, até mesmo de Grand Slam.

Halep foi massacrada pela jovem polonesa Iga Swiatek, com 30 a 12 nos winners e 76% dos pontos de saque vencidos. A romena, que havia vencido Swiatek com facilidade no torneio do ano passado, falhou ao não tentar uma tática alternativa.

E a adversária da 53 do mundo será… Martina Trevisan, classificada 106 postos atrás. A canhota italiana, vinda do quali, passou por Kiki Bertens. A tenista de 26 anos tem uma história de superação muito interessante, ficou quatro anos afastada do tênis por problemas psicológicos e desenvolveu quadro de anorexia. Vale ler o texto de Mário Sérgio Cruz: clique aqui.

Será a grande chance de Elina Svitolina enfim disputar uma final de Slam? Ela chega às quartas pela terceira vez em Paris, mas nunca passou disso. Hoje, atropelou Carolina Garcia e não deu bola para o histórico negativo. E terá pela frente a inexperiente Nadia Podoroska, que continua sua caminhada heroica e se tornou a primeira argentina nas quartas em 16 anos.

Bruno embalado
Depois de sete anos, Bruno Soares está de volta às quartas de final de Roland Garros, repetindo 2008 e 2013. Embalados pela conquista do US Open, ele e o canhoto Mate Pavic estão superando um piso lento e pesado, algo longe de ser o predileto deles.

A vitória contra os fortes Rojer/Tecau exigiu cabeça em dia de vento e garoa. Agora acontece duelo direto entre as duas parcerias que venceram os Slam da temporada. Mas é bom observar que Rajeev Ram e Joe Salisbury, atuais líderes do ranking, perderam na estreia de Roma e de Hamburgo.

Luísa Stefani, por sua vez, parou nas oitavas mas o saibro não é mesmo a praia da dupla. A paulista irá ultrapassar a parceira Carter no próximo ranking, com chance de aparecer como 31ª.


Comentários
  1. Alison Cordeiro

    Dalcim, parabéns por mais uma ótima cobertura de Grand Slam, a TênisBrasil mandando bem nas matérias, os jogos comentados uma “obrigação” a parte da TV ou a salvação quando não se pode acompanhar, e a cereja no bolo são seus artigos aqui no Blog, recheados de informação, com sua opinião abalizada e as polêmicas divertidas dos participantes do blog.

    Nadal e Djoko não suaram a camisa até aqui, tamanha a diferença para os outros tenistas. Na hipótetica (mas bem provável) semi-final entre Nadal e Thiem, que estratégia você acredita que o austríaco precisaria adotar para não ter o mesmo desfecho dos outros jogos que fizeram em RG? Abraço!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que Thiem poderia fzer uma pequena mudança e tentar ser mais agressivo no segundo saque do Nadal, ao invés de apenas entrar nos pontos e na correria. O resto, ao menos de momento, é seguir o plano tático mais óbvio: apostar nas paralelas de backhand para tentar definir com bolas bem angulados no lado esquerdo do espanhol.

      Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Rafa tem que tirar o tempo do backhand dele, por isso abrir o lado direito do Thiem para tentar pegar a bola seguinte na subida e apressar o ponto no outro lado. Mas também pode tentar deixadinhas (ele faz isso muito bem) e principalmente ir mais à rede quando angular a bola, dada a posição muito recuada do austríaco quando atacado.

          Responder
      1. Barocos

        Dalcim,

        Não seria para tentar o lado direito do espanhol, pela esquerda, o Nadal usa golpes de forehand. O curioso é que fora das quadras o Nadal é destro, como a imensa maioria da população mundial.

        Saúde e paz.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Canhoto ou não, o lado esquerdo Nadal fica do lado esquerdo… rsrs… É exatamente isso, André. Você ataca o backhand do Nadal para tirá-lo do centro e o ataca com um golpe angulado, geralmente um inside-out, no lado oposto (onde fica o forehand ele, mas é seu lado esquerdo).

          Responder
  2. Ronildo

    Tsitsipas é um cara atentado. Taí um cara que pode ser campeão de RG esse ano. Ele controlou direitinho Dimitrov. Se mantiver a cabeça no lugar. Vamos aguardar.

    Responder
  3. Luiz Fernando

    Ao não procurar o médico com uma suposta febre em época de pandemia, Zverev até q tentou se ombrear a Kyrgios no quesito “sem noção das coisas”, mas passou longe, o australiano é imbatível nesse particular kkk…

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Bahh!

      No geral, o Nick Kyrgios é muito divertido também, vai. Aceite…

      Ele é uma espécie de Nelson Piquet do tênis.

      E como diria esse último:

      “Eu falo o que penso, e me arrependo depois. Se fosse pensar muito, ia virar o Emerson, que só fala bem de todo mundo …”

      kkkkkk

      Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Top 50 e olhe lá, Vitor (rs)

      Acho que o Federer teria se dado bem nesse Roland Garros, viu.

      Ele sim é o rei dos drop-shots desconcertantes.

      Responder
    2. Paulo Almeida

      Acertou mais do que errou e aquela paralela rente à linha no segundo game da partida foi a mais bonita do torneio até agora. Cracaço de bola é outra história.

      Federer já conseguiu fazer uma daquela?

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Não acredito que li isso , caro Piloto. Federer já fez uma daquela ? Sem medo de errar . Das 1242 partidas do Craque Suíço você somente deve ter assistido as contra Novak e mesmo assim as que ele venceu kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Abs!

        Responder
  4. Heitor

    “Alemão confirma que não avisou a organização de Roland Garros de que estava doente porque… não é obrigado.”
    Isso é que é consciência individual e coletiva e cuidar dos outros.
    Por isso que a mao do Estado cresce…porque se nao for “obrigado”, se nao for punido, as pessoas nao fazem…

    Responder
  5. Luiz Fernando

    No início da transmissão da tv o Chiquinho dizia da expectativa de surpresa no jg do Busta e do alemão. Pensei a mesma coisa na hora. Só q no set1 o espanhol dominou completamente as ações, jogando muito bem…

    Responder
  6. periferia

    Observações:

    Djokovic (está morrendo de medo do Nadal)

    Nadal (está morrendo de medo do Djokovic)

    Schwartzman (vai crescer nas finais)

    Tsitsipas ( Zeus no Olimpo e Apostolos em Paris podem mudar tudo)

    Sinner (A dúvida é se ele pede a camisa autografada antes ou depois do jogo)

    Carreño ( a modéstia tem sido seu ponto forte)

    Rublev ( Medvedev que nada….o russo bom é o Rublev)

    Thiem (está no fundo da quadra….nao consigo ve-lo)

    Responder
    1. Willian Rodrigues

      Mais uma vez, parabéns pela sua criatividade!
      Ficou bom demais!
      Só não concordo muito com esse possível deslumbramento do Sinner …
      Não está pedindo a benção ou tratando ninguém por “senhor”.
      Tá metendo a mão na bola e muito focado em seu próprio jogo!
      Como disseram outros colegas aqui, Nadal que abra o olho!

      Responder
  7. Rafael Azevedo

    Dalcim, não sei se você viu, mas aquela mistura de Swing Volley com Drop shot (não sei como se cham esse golpe, hehe) que o Gaston fez, ontem, foi espetacular, não?
    Pra mim, foi a jogada mais bonita do torneio, até agora…

    Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Voleio é sempre o golpe que vc executa sem deixar a bola quicar no chão. O swing volley se diferencia por ser feito com uma preparação e terminação longas. Claro que o smash também geralmente não quica.

          Responder
  8. Rodrigo S. Cruz

    É raro o sérvio perder um ponto importante, e é dever do seu adversário saber aproveitar quando isso acontece…

    O Kachanov até que começou bem a partida.

    Mas as bobeadas dele nos pontos cruciais, em todos os três sets, selaram a vitória do Djokovic.

    Responder
  9. Paulo Almeida

    Grande vitória do Djoko. Teve altos e baixos, mas passou em sets diretos por um bom adversário.

    Resta saber se vai ter jogo do Busta hoje.

    Responder
  10. Willian Rodrigues

    Torcendo demais para que haja mais uma final épica entre Djokovic e Nadal em Rolland Garros. Dessa vez, diferentemente do que ocorreu na final de 2012, Nadal não poderá correr para os vestiários quando uma garoa se iniciar… Teto retrátil será uma benção. Sim, isso mesmo!! Naquela final Djokovic venceu 8 games consecutivos e Nadal já se encontrava extenuado, com suas bolas ficando cada vez mais curtas, e Nole dominando cada vez mais a partida. Com a interrupção, Nadal voltou descansado e não houve tempo para que Djokovic construísse a vitória. Desejo uma final de 4 ou 5 sets (esperado), sem nenhum asterisco, com ambos jogando bem!
    Por toda sua trajetória, Djokovic merece uma vitória dessas contra Nadal em forma, em pleno Rolland Garros, assim como obteve em Roma e Madri 2011!!

    Responder
    1. Paulo Almeida

      O jogo terminou na segunda-feira depois do Djoko ter ganhado o terceiro set por 6-2, mas é precipitado achar que ele teria conseguido a virada sem a chuva.

      De qualquer forma, foi uma das vezes em que ele foi prejudicado por fatores externos, assim como em 2015, 2016 e 2019.

      Responder
  11. Rafael Azevedo

    No início do torneio, a chave do Nadal foi considerada mais difícil do que a Djoko, pois era esperada uma sequência (a partir da terceira rodada) com:
    Nishikori – Isner/Fognini – Zverev – Thiem – Djokovic.
    Mas, até agora, foi:
    Travaglia – Korda – Sinner – …
    Se bem que estou achando que será pior enfrentar o Sinner.

    Responder
  12. Willian Rodrigues

    Dalcim, acompanho o blog há menos de dois anos. Portanto, não sei se já ocorreu essa discussão por aqui. Se for o caso, peço desculpas por invocar o tema.
    Tenho a sensação de que a fase dos torneios juvenis traz apenas alguns indícios dos que “poderão” ser grandes atletas. Realmente, a liderança no ranking juvenil parece não ser garantia de sucesso no profissional… Orlando Luz e tantos outros exemplos…
    Você dispõe de dados a esse respeito: quantos atletas que chegaram ao topo do juvenil e realmente “vingaram” no profissional?
    Imagino eu que essas incertezas se deem pelo fato da musculatura não ser ainda completamente desenvolvida, cérebro ainda assimilando a biomecânica ideal para os principais golpes, etc.
    Abraços a todos

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não há qualquer garantia de que uma boa carreira juvenil vá propiciar sucesso no profissional. Há centenas de exemplos de campeões e líderes do ranking juvenis não darem certo, ainda mais porque são dois universos um tanto distintos. Só para dar exemplos muito rápidos, Agassi, Sampras, Nadal praticamente não tiveram carreira como juvenil expressiva.

      Responder
      1. Barocos

        Mestre,

        Especificamente no caso do Nadal, debutou no circuito profissional aos 15 anos, não dá para ter uma carreira vitoriosa na categoria juvenil assim.

        Responder
  13. Heitor de Castro

    Esse foi um jogo em que o Thiem deveria ter ganho fácil.

    Mas consigo enxergar um ponto positivo, e único ponto positivo, que é exatamente frear a animação e o sentimento de imbatível. Vem de um título após uma enorme final nos EUA e derrotou com autoridade nomes experientes em RG.

    Essa vitória apertada serve pra Thiem manter os pés no chão e voltar a focar no seu jogo sem menosprezar/desprezar adversários inferiores.

    Responder
  14. Luiz Fernando

    Djoko confirmou minha expectativa sobre ele neste primeiro set contra o CX9: franco favorito p vencer este RG. E olha q o russo jogou bem, alias muito bem, mas mesmo c seus potentes golpes raras vezes conseguiu encurralar o servio. Enfim, Djoko sobrou em quadra. Pelo q eu vi do jogo de ontem do Rafa, numa hipotética final terá q subir muito, mas muito mesmo seu nível p encarar o cara de igual p igual. Ele fez uma opção de não participar do USO, algo pessoal e não sujeito a criticas, mas a conta está chegando…

    Responder
    1. José Eduardo Pessanha

      Partilho de sua opinião, LF. Djokovic é o favorito ao título, até mesmo pelos adversários que teve e terá até chegar à final. Mesmo Tsitsipas tem poucas armas para incomodá-lo. Nadal e Thiem, por outro lado, terão que maratonar para chegar à final, caso joguem entre si ou caso Nadal enfrente El Peque na semifinal.
      Abs

      Responder
    2. Marcelo

      Na minha opinião ainda nao seria sensato emitir qualquer opinião sobre o nosso GOAT do saibro. Afinal, ele só voltou em RG, e deixouu precocimente Roma. Mas acredito ele possa ser avaliado ja a partir do proximo confronto com o italiano e se passar, contra o Thiem.

      Já quanto ao oiteo jogador que dá bolada em juízes de linha, este tanto faz.

      Responder
  15. Júlio Marinho

    Fale, Dalcim.

    Só discordo hoje do título, acho que o Thiem fraquejou na hora certa e vejo, na verdade, uma evolução relevante demais em ganhar em dias difíceis. Se jogasse assim contra o argentino, estava eliminado. O Big3 não seria metade do que é, se não já tivesse ganhado tantos vezes longe do seu melhor. Poderia ter facilitado? Sim. Foi muito mal quando chegava nas deixadas? Muito mal. Mas, não esmoreceu mentalmente, esteve no jogo o tempo todo e, como você diz algumas vezes, ele nunca esteve realmente com o jogo perdido ou com risco real de perder (andou na frente no 5o set o tempo todo). Como vencer o Zverev de maneira tão caótica pode ter-lhe feito um bem danado. Além do título, é aprendizado e bagagem.

    Tênis é assim, um dia vence na marra, outro dia facilita. Acho o Schwartzman um belo jogador, mas nesse nível acho que a bola do Thiem engole a dele, no saque e na potência da base. Daria 70/30 nas chances. Ademais, você não acha que o passo de ganhar do Schwartzman para então enfrentar o Nadal não é um degrau muito apropriado para ganhar confiança e um ritmo de trocas de bolas que o Nadal certamente exigirá do austríaco?

    Abraço!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não foram apenas os cinco sets, mas o esforço físico e mental que esse jogo exigiu que podem preocupar o Thiem. Claro que vencer Diego ajudará muito, e por sorte existirão dois dias de folga até a semi de sexta-feira.

      Responder
  16. Luiz Fernando

    Expressiva vitoria do grego, muito valorizada pela excelente performance do Dimitrov. Tsitsipas me parece forte candidato a incomodar os favoritos, e não custa lembrar q em 2019ele venceu Rafa em Madri, o q não é p qualquer um.

    Alem disso, estou curioso pelo jogo do PCB e do Altmeier, será q o alemão apronta sobre o segundo melhor em RG depois de Rafa kkkkkk???

    Responder
  17. Rafael Azevedo

    Bela Vitória do Bruno nesta segunda. Rumo ao segundo Slam consecutivo. Quem sabe, uma final contra o J. Murray?

    Mas, preciso dar os méritos ao Pavic. Esse croata está jogando um absurdo. Deve ser o melhor duplista da atualidade. O Bruno tem alguns lampejos de genialidade, mas o Pavic joga em alto nível do início ao fim das partidas.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, Renan. Por conta da necessidade de diminuir a quantidade de pessoas no complexo e a premiação geral, as mistas e o torneio de celebridades foram cancelados, assim como aconteceu no US Open.

      Responder
  18. Maurício Luís *

    Mas o que é que tem o jovem Korda pedir um autógrafo pro Nadal? Esse Kyrgios tá falando demais. Quando o circuito voltar ao normal, não aposto 1 pataca furada nele.
    O Hugo Gaston pode ter mostrado aos adversários do Nadal um novo caminho pra incomodá-lo. Ele foi inteligente em aproveitar as condições da quadra e o tipo de bola. E pelo que andei lendo, parece que ele “consegue” sacar ainda + lento do que o Dieguito… e mesmo assim fez estrago.
    Serena e Federer confirmados pro Australian Open. A sorte deles é que a falta de ritmo não vai ser exclusiva da dupla multicampeã. Principalmente as mulheres, que nem Finals vão disputar este ano.

    Responder
  19. Eduardo

    Oi Dalcim, torcendo muito para uma final Djoko x Nadal ! Seria espetacular com tudo que estaria literalmente em jogo : chance de Djokovic ser o único a ganhar pelo menos 02 títulos de Slam (pra mim já poderíamos dizer após isso que ele é o GOAT), chance de Nadal igualar Federer e de quebra manter Djokovic ainda distante na quantidade de títulos de Slam … enfim, seria talvez “o jogo do século”. Aproveito para já deixar aqui meu palpite caso isso aconteça: Djokovic vai levar. Sérvio não perdeu ainda esse ano, está na ponta dos cascos, confiança nas alturas e mais motivado impossível tendo em vista sua sede por títulos, feitos e recordes. Na minha opinião Nadal não teria condições de vencê-lo, por estar fora da sua melhor forma, sem ritmo de competição em alto nível mas, principalmente, porque não temos visto um aspecto fundamental do seu jogo : a capacidade inigualável que ele tem (tinha) de “cobrir” a quadra. Pessoal que é mais da estatística talvez pudesse levantar alguns dados para corroborar isso, mas tenho a impressão de que Nadal vem levando mais winners do que de costume. Sem essa condição, e com Djokovic mostrando sua conhecida capacidade de atacar sem dó o temido forehand do espanhol, aliado a um forehand mais mortal que ele vem apresentando, eu palpitaria um 3×0, no máximo 3×1 pro sérvio.

    Responder
  20. Paulo F.

    Para quem acha que Sinner vai fazer alguma coisa contra o Nadal, podem tirar o cavalinho da chuva.
    Todos esses bebês quando enfrentam o Nadal o roteiro é sempre o mesmo: crianças assustadas encarando o bicho-papão.
    Eu aposto num 6-1; 6-1; 6-3 para o adestrador de bode.

    Responder
    1. Willian Rodrigues

      Prezado Paulo F., não estou tão certo a respeito disso…
      O garoto Sinner vem mostrando uma frieza e personalidade absurdas para a idade!
      Se perder, será mesmo pela técnica ainda menos apurada, pela necessidade de aprimoramento de alguns golpes.
      Se até mesmo os poderosos membros do Big 3 seguem evoluindo após os 30 anos de idade, imaginem o que esse garoto ainda não vai aprontar no circuito?

      Responder
  21. Rubens Leme

    O que é a concentração. O húngaro mandava no segundo set, sacava para fechar em 6/3 e no 30 iguais reclamou com alguém na arquibancada, perdeu os dois saques na sequência e viu o Rublev vencer quatro games consecutivos e levar a parcial.

    Responder
  22. Ronildo

    Tudo indica que as finais masculinas serão Djokovic x Tsitsipas e Nadal x Thiem. Se Tsitsipas tiver num dia bom, será uma verdadeira batalha. A outra semi nem se fala.

    Responder
  23. Marcelo

    Bom dia Dalcim,

    Mais um excelente texto. Uma pergunta: vc acha possivel jogadores msis experientes repetirem a tática que o francés aplicou contra o Thiem… contra Nadal e Thiem ainda neste torneio mas obterem sucesso?

    Eles terao pela frente jogadores bem mais gabaritados (invlusive o Djokovic) e podem vir a sofrer um pouco mais do que o Thiem sofreu ontem com as deixadinhas que recebeu, tendo que cobrir uma área muito maior que a usual durante o ponto.

    E… vc vê chance dos próprios Thiem e Nadal aplicarem esssa tática um contra o outro, ou nao por jogarem muito atrás da linha de base.

    Obrigado!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que Djokovic é o mais gabaritado para insistir nas curtinhas, alguém que vem fazendo desde o começo do ano e usou até mesmo na quadra dura. Neste Roland Garros, com bola pesada, o sérvio está muito afiado.

      Responder
    2. Rafael Azevedo

      Que ótima pergunta, Marcelo. Também fiquei me questionando sobre isso…
      Todo mundo falando da estratégia que fez com que o Gaston eliminasse o Wawrinka e quase eliminasse o Thiem. Mas, quem irá mudar o seu jogo para tentar repetir a tática do francês??
      O pensamento lógico de muitos é: “Se o Thiem quase perdeu para o 239° do ranking, então vai cair para o Schwartzman, que é o 14° do ranking e foi finalista de Roma.”
      Mas, o Schwartzman, provavelmente, vai manter sua tática usual, que é de pancadaria no fundo da quadra (como a maioria dos tenistas). Nessas condições, ele vai tentar uma quebra de braços com o Thiem, mas o austríaco é mais “forte” nesse quesito.

      Um ponto importante aqui é que o Gaston tem muita habilidade para executar as curtinhas. Isso faz a diferença. Muitos não vão tentar, simplesmente porque não sabem…

      Concordo com o Dalcim. Se tem alguém que vai usar dessa estratégia, esse cara é o Djokovic. Ele já está aprimorando esse golpe, desde a volta do circuito. E, nesse RG, ele está até exagerando. Mas, ele percebeu que essa seria a estratégia perfeita para vencer o Nadal ou o Thiem, em uma possível final. Uma alta precisão nos drops (como o Gaston), aliado ao seu excelente jogo habitual de fundo de quadra, parece ser um atleta perfeito para derrotar Rafa em Paris (ou pelo menos, ter todas as armas possíveis para ampliar as chances). Esse sérvio é o jogador mais inteligente do circuito.

      Responder
  24. Luiz Fernando

    Que cena maravilhosa foi captada pelas câmeras agora cedo: a emoção da Kvitova após a paralela do matchpoint foi algo especial. Minha torcida é toda dela para o titulo.

    E paralelamente o cara de lombriga esquentadinho está penando frente ao Fucsovics…

    Responder
  25. Rubens Leme

    Dalcim, me corrija se estiver errado, mas o Leo Borg não está jogando Roland Garros, está? Fico pensando se ele realmente irá seguir na carreira ou se está apenas experimentando um pouco. A chegada dele me lembrou daquela história que deve lembrar bem, do Edinho, filho do Pelé, que quando virou goleiro do Santos, diziam que iria tomar todos os gols que o (segundo) maior camisa 10 de todos havia feito com a camisa do time.

    Bem, no final, Edinho teve bons momentos e fez alguns campeonatos dignos e escapou da maldição.

    Mas, eu te pergunto: se você se chamasse José Nilton Dalcim Borg, filho do Rei ds Reis, o maior entre os maiores, o verdadeiro Deus nórdico, você iria ser jogador ou apenas seria um apaixonado e acabaria montando o site “Tênis Sueco”?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Leo está treinando na academia do Nadal, e dizem que ele tem jeito para o tênis, embora seja impossível afirmar o quanto poderá ser bom como profissional. O peso certamente é enorme com um sobrenome desses. O pai aliás diz que o Leo não gosta das instruções dele. Que bom! rsrs

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        O mais incrível é que o abalizado comentarista não viu nenhum dos dois DEZ jogarem . Já confessou que não viu o “ Divino “ . Portanto não viu Pele’ . Pra seu desespero somente ao vivo, o Camisa Dez da Gávea kkkkkkkkkkk Abs!

        Responder
  26. EDVAL CARDOSO

    Só fico imaginando o estrago que seria se fosse o rei das devoluções pegando um jogador com pífios 160 km de média no saque, não sei como o Thiem conseguiu se enrolar, até quase perder o jogo,tudo bem ,o francês tem suas qualidades,mas se não melhorar o serviço, não o vejo ir muito longe em termos de ranking.

    Responder
      1. Alessandro Siqueira

        Esse é o ponto, Dalcim. Liberdade para se gostar de quem se quer. Só que, junto da prerrogativa, vem o encargo: aceitar que o outro tem a mesma liberdade.

        Responder
  27. Efraim Oliveira

    O problema do Zverev não parece ser o tênis por ele praticado, mas o mental. Bola ele já mostrou que tem pra ganhar dos melhores. Não foi atoa que muitos acharam que ele lideraria o ranking já em 2019.

    Zverev vem trocando de treinadores e continuando na mesma. Será que o problema não é psicológico?

    Responder
  28. Sérgio Ribeiro

    Se Novak tiver visto Thiem falando que não viu técnica tão apurada como a do jovem Francês, nas deixadinhas que o fizeram ir 400 vezes à rede , tenho pena do grandão Khashanov . O Russo somente sabe marretar e o Sérvio vem treinando o torneio todo. Acho que vai dar pra dar ótimas risadas neste jogo rs . Tisitsipas leva um ligeiro favoritismo contra Dimi . Mas não seria nenhuma surpresa a vitoria do Búlgaro devido ao quesito defesa . O Húngaro que me desculpe , mas acredito que Rublev é o melhor azar da chave . A conferir . Abs!

    Responder
    1. Barocos

      Sérgio,

      Cravou os três.

      O torneio está começando a ficar animado. Estou ansiosíssimo para assistir o jogo Nadal x Sinner.

      Uma curiosidade, sinner, em inglês, é o mesmo que transgressor/pecador, e não é que seria um baita crime se o garoto aprontar para cima do Rafa? Nos privaria de mais uma sensacional final entre Djokovic x Nadal, literalmente, um pecado incomensurável ! (claro, supondo que as coisas corram bem para o Djoko e também para o Touro).

      Saúde e paz.

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        É aí que corre o perigo , Barocos . Até o nome é sugestivo rs . O garoto lembra o ICEBORG em início de carreira. Gelado , devolve muito , e dispara golpes da base com rara precisão. Ele é um dos motivos de ainda não dar pra cravar a Final do N 1 contra o N 2 . Ainda tem Thiem e a minha mandinga pra cima do Sérvio rsrsrs Abs!

        Responder
  29. JAN DIAS

    A verdade é que SÓ AGORA o torneio vai começar pro DJOKO e pro NADAL. Até o momento só fizeram treinos de luxo, devido à fraqueza dos adversários..

    Responder
  30. Rubens Leme

    Dalcim, acho que a tática do Riccardo Piatti vai se dividir em duas:

    1 – mandar o Sinner explorar o backhand do Nadal o máximo que puder, cobrir todos os cantos da quadra e correr mais do que o espanhol.

    “Tá, ok, professor, e se isso não der certo, o que mais sugere?

    2 – Aí Piatti, vai entregar um papel com o telefone do Soderling na Suécia:

    “Liga para ele e pergunta como ele conseguiu”.

    Responder
    1. Marcelo-Jacacity

      O Soderling vai responder:
      “Consegui vencer, mas Nadal estava sentindo dores no joelho, nem pra Wimbledon defender o título ele foi.”
      “No ano seguinte fui atropelado pelo verdadeiro Nadal”
      https://amp.theguardian.com/sport/2009/jun/19/rafael-nadal-wimbledon-tennis-injury

      https://www.telegraph.co.uk/sport/tennis/wimbledon/5580345/Wimbledon-2009-Defending-champion-Rafael-Nadal-pulls-out-because-of-injury.html

      He had complained of tendinitis in his knees since his fourth-round loss at the French Open-09

      Responder
      1. Barocos

        Marcelo,

        Usando o argumento do Periferia, a solução mais simples parece ser um tiro na testa e então vencer por W.O. 😉

        Por favor, que ninguém leve este comentário ao pé-da-letra, literalmente falando.

        Agora e sempre, saúde e paz.

        Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que agora a experiência pode favorecer a Kvitova. Seria aliás muito legal que ela conseguisse um novo Slam depois de tudo que passou.

      Responder
      1. Ronildo

        Que assim seja, já venceu hoje. A Kenin é osso duro de roer. Tem a Svitolina também. Essa menina que detonou a Halep é fantástica. Vamos aguardar.

        Responder
  31. Rubens Leme

    Ao menos, foi um bom jogo, Dalcim, porque o torneio está muito aquém em termos técnicos. Quem deve ter curtido a derrota do Gaston foi o Yannick Noah. Em uma entrevista, confessou que torce para que um francês nunca quebre a marca, de ser o último francês a vencer Roland Garros, em 1983.

    Estava comparando a carreira do Thiem com o a do Muster e, em termos de Slam, ele goleia: Muster teve o título em Paris (1995), duas semi na Austrália e só. Claro que na época os pisos eram nada uniformes como os de hoje, mas e o Thomas tem muitos mais titulo (44 x 17 ) e também por ter sido número 1.

    Dominic ainda tem tempo para superá-lo, mas vai ter que suar bastante.

    Responder
  32. antonio gabriel

    Não acompanho muito o tênis feminino, mas tirando os tempos áureos de Serena, é impressionante a imprevisibilidade das jogadoras, parece realmente que não há favoritas nunca. Vamos torcer pra o garoto italiano fazer ao menos Nadalito suar, pra não chegar na semi muito avontade.

    Responder
  33. Rodrigo S. Cruz

    Fazendo uma projeção:

    se o Thiem passar pelo indigesto Schwartzman, terá pela frente ninguém menos do que o Nadal.

    O Sinner é um ótimo tenista e de um futuro promissor, mas acho isso pouco diante do rei de RG.

    Já o Djokovic deve passar fácil pelo “Caixa 9”, pegar o Carreno nas quartas e o Tsitsipas na semi.

    Ok, há uma chance deles dois conseguirem dar trabalho ao sérvio.

    Mesmo assim é por isso que fica sempre tão FODA pro Thiem conquistar Roland Garros.

    Ele chega sempre mais desgastado na final…

    Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Tem razão, Dalcim.

        Não podemos nos esquecer dele.

        Mas acho que em Hamburgo o Tsistipas esteve com o jogo na mão e bobeou…

        Dessa vez, eu acho que vai ser diferente…

        Abs.

        Responder
    1. Álvaro Aguiar

      Ao contrário do que supus logo depois do sorteio das chaves, com o esgotamento dos finalistas do US Open, sobretudo do Thiem, o caminho do Nadal até a final, parece agora mais fácil do que o do Djoko. Não descarto uma final entre o maiorquino e uma surpresa (Rublev, Carreño, Kachanov, Tsitsipas).

      Responder
  34. Rubens Leme

    NEIL YOUNG – BLUENOTE CAFÉ (2015)

    Como muitos nomes de sua geração, Neil Young teve uma década de 1980 estranha, mas reabilitada no final dela. No entanto, até suas estranhezas eram boas. Esse disco duplo foi tirado do álbum This Note’s for You, lançado em 1988.

    Em 2015, a série Archive resolveu resgatar as 23 músicas do show e mostra um Neil Young muito diferente dos discos com a Crazy Horse, mas ainda em grande forma, com seus belos improvisos e solos de Neil e um encerramento antológico de quase 20 minutos de “Tonight’s the Night.

    https://www.youtube.com/playlist?list=PLBSeUSbbTlcctF-A8tmcfhJOOlNrQSBLD

    Responder
    1. Yan Savietto

      Prezado Sr. Rubens Leme, não o conheço pessoalmente, e nem tenho essa pretensão. Mas parece-me que o senhor é um profundo conhecedor da história mundial da música, o que admiro muito ( não tanto seu gosto musical, mas o conhecimento em si ). Tendo dito isto, gostaria de ler também algumas opiniões suas sobre tênis e sua visão sobre um dos quatro maiores torneios do mundo que está sendo realizado no presente momento. Se você tem tanto conhecimento musical, imagino eu que não seria diferente seus conhecimentos sobre esse esporte que fascina tanto todos nós que lemos o ótimo blog do Dalcim para termos uma opinião mais apurada e que já está no meio do tênis há tanto tempo. Caro Rubens, espero que você entenda meu comentário da maneira correta, e não me interprete de maneira equivocada. Abraços!

      Responder
      1. Heitor

        Eu penso como vc, Yan.
        E, la embaixo, nao entendi porquê o Rubens te chamou de “defunto ruim”. Vc expos a tua opiniao com educação, com respeito e ele vem com essa.

        Responder
    2. Willian Rodrigues

      Prezado Rubens Leme, pois eu ADORARIA que você continuasse postando seus textos a respeito dessa forma de expressão artística! O mesmo vale para alguns outros que também o fazem, eventualmente.
      Embora nossos “gostos” musicais não sejam sempre coincidentes, a maioria das vezes as dicas são ótimas. Essa do NEIL YOUNG, por exemplo, é uma lembrança fantástica! Em seus textos, muito bem redigidos por sinal, você demonstra profundo conhecimento sobre música.
      Ademais, o comandante do blog não apenas autoriza, como estimula e faz contribuições acerca de temas que envolvam cultura geral.
      Via-de-regra, há excelentes postagens de crônicas engraçadas, dicas literárias e sobre cinema, uma das minhas paixões. Aproveito inúmeras delas!
      Parafraseando o que um colega postou aqui recentemente, isso torna o espaço mais agradável e quase uma “confraria”.
      Abraços

      Responder
      1. Rubens Leme

        Para mim, é simples: enquanto o Dalcim não disser “estão proibidos os textos de música, cinema, literatura, artes, futebol, política, xadrez e sadomasoquismo”, eu continuo postando.

        Ate lá, leia quem quer e comente quem quiser. Os legais eu respondo, os demais nem perco tempo. Não alimento os trolls. Eis uma máxima que a internet me ensinou e que uso muito bem na vida real.

        Responder
        1. Rubens Leme

          Ah sim, deixe eu explicar antes de gerar polêmica: há três tipos de sadomasoquismos em voga, mas só o mais famoso é aceito socialmente pelos sensatos. Os outros dois consistem em fazer campanha para reeleger Bolsonaro e torcer para o SPFC.

          Responder
  35. VINICIUS BENEDITO CUSTODIO

    Dalcim, vc sabe me dizer se as semi finais Masculina na sexta feira , se serão no mesmo horário como foi nos anteriores ou agora por causa do teto retrátil e luz artificial, eles vão colocar os jogos para mais tardar?

    Responder
  36. Gabriel

    Dalcim, qual seu palpite para Thiem x Schwartzman?

    obs.: Que irresponsabilide a organização permitir que Zverev jogasse mesmo com 38 de febre em momento de pandemia. É conhecido o fato de que testes podem acusar falso negativo.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Eu daria favoritismo de 60% ao Thiem, Gabriel. Claro que vai depender demais de sua resistência física e emocional, mas é difícil você não estar motivado nas quartas de final de um Grand Slam.

      Responder
  37. Ulisses

    Dalcim,

    A partir das quartas de final todos os jogos de homens e mulheres em simples são realizados na Philippe-Chatrier? Pergunto pois caso chova não prejudique os mesmos realizando jogos em dias seguidos (principalmente os homens que é melhor de cinco sets). Há alguma previsão nesse sentido? Ou não e assim que funciona a programação?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, isso já estava determinado e até aparece como aviso no site oficial do torneio. É perfeita a atitude, não apenas por causa da possibilidade de chuva, mas principalmente para dar igualdade entre todos os classificados.

      Responder
  38. Marcelo Calmon

    Dalcim,

    Minha tenista favorita varreu a cabeça 1. Desde a 1ª rodada venho comentando aqui o desempenho da polonesa. Tudo para chegar na semi.
    Um absurdo, quando o jogo da Trevisan estava nos games decisivos, a TV parou de passar o jogo para mostrar o treino do Nadal, que mais uma vez pegou uma moleza sem fim. Sorte que no site pude ver a alegria da Trevisan quando quebrou a Kiki, sem câimbra, e fechou o jogo. Ela nem sabia que tinha se livrado da Halep, mas vai pegar uma pedreira.
    Arranjei um parceiro para brincar de quadradinho com o Monteiro, o Thiem. Vai ter pesadelos com as deixadinhas do Hugo. Tentou de tudo e errou de tudo. O Thiem comentou na entrevista que ficou impressionado com a qualidade dos toquinhos do Hugo. Realmente não é fácil acertar tanto.
    Zverev colocou a culpa na febre que teve, mas não vi tanta diferença no jogo dele. Ele faz parte dos que não possuem grande variação de jogo. O Sinner também custou a dar deixadinhas, só dava quando estava com o ponto dominado, ao contrário do Hugo que conseguia de tudo que é jeito.
    Na dupla a coisa parecia feia pro Pavic/Soares, mas devolveram a quebra do 3º set na hora exata e jogaram muito bem os games finais.
    No juvenil tivemos 2 vitórias e a derrota já prevista do azarado que pegou o nr 1 de cara.
    abs

    Responder
      1. Roberto Rocha

        O moleque maltratou o Thiem. Impressionante a capacidade de realizar deixadinhas… Zverev destruiria umas 5 raquetes com raiva! kkkkkkkkkkkkk

        Responder
  39. Rodrigo V. Silva

    Dalcim, acompanho o blog há alguns meses, mas é a primeira vez que comento. Não sou praticante de tênis, apenas apreciador do esporte, e leigo.
    Quanto a Roland Garros, pelo que tenho visto, apenas uma surpresa fará com que a final, no masculino, deixe de ser Novak x Rafa, ainda que Thiem seja um grande jogador no saibro e esteja em ótima fase. Digo isso porque não vislumbro, por exemplo, os dois favoritos passando tamanha dificuldade diante de um tenista de ranking tão baixo, como foi o caso do austríaco hoje – sobretudo após vencer os dois primeiros sets. Por isso, considero Nadal favorito natural num possível duelo contra Thiem, diferente de muitos, que já estão até dizendo que o austríaco é o principal favorito ao título. Claro que cada jogo é um jogo, mas deixar de considerar Nadal favorito nesse duelo em perspectiva não me soa muito sensato. O espanhol ainda não foi testado, é certo, mas já deve ter adquirido uma boa dose de confiança com as vitórias acachapantes na primeira semana.
    No mais, me parece que, no momento, Carreño, nas quartas, seja uma ameaça maior a Novak do que Tsitsipas ou Dimitrov, na semi. Jogo eles têm, mas me surpreenderia muito que qualquer um deles tivesse a força mental necessária para bater o sérvio em melhor de cinco sets, pelo menos nesse momento. Concorda com a perspectiva, mestre?
    Meus parabéns pelo excelente blog!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Em primeiro lugar, Rodrigo, experimente jogar. É muito divertido e um excelente higiene mental. Quanto a sua análise, me parece bem correta. Thiem é certamente o que tem maior chance de derrotar Nadal e Djokovic no saibro, mas será muito difícil fazer isso consecutivamente e tenho sentido um certo cansaço no austríaco.

      Responder
        1. Pedro

          Só nao pode descontar na direção dos juizes de linha hehehe. Mas como nao tem juiz de linha nos jogos de final de semana, ta tudo bem heheheh

          Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Na teoria foi melhor, mas acho que precisaremos esperar a terça-feira para ter certeza disso. Eu gosto do conjunto de golpes do Sinner – saque, base muito sólida e agressiva – e ele tem um Riccardo Piatti por trás, que é um grande estrategista.

      Responder
  40. Rafael Azevedo

    E o Gaston provou que o problema não era o Wawrinka.

    Ousadíssimo esse menino francês. Foram 5 sets disputadíssimo contra o Thiem. Nos últimos 2 games da partida, parece que o braço do jovem cansou e as curtinhas começaram a ficar na rede. Isso definiu o vencedor da partida.

    Aliás, falando em curtinhas, o Gastón levou 2 baseliners favoritos à loucura, dessa forma. Eu vi o Wawrinka sucumbir à essa estratégia, tentando desesperadamente dar pancadas na bolinha para fazer o winner antes da curtinha chegar, mas além de tudo, o garoto também se movimenta muito bem e todas as pancadas voltam. Quase que o Thiem cai na mesma armadilha…faltou pouco. Por que nenhum desses 2 nomes consagrados não tomaram a diantera e desferiram a curtinha antes do garoto. Ficaram insistindo na mesma estratégia e foram (quase) engolidos pelo 239° do ranking.

    Meus aplausos de pé para o francês. Mexeu com o torneio. Trouxe entretenimento em meio a tantos jogos protocolares e nos ampliou a visão de estratégias do jogo.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Então, Rafael . Nós vimos os mesmos jogos . Wawrinka se perdeu tentando a porrada , em vez de se antecipar como o parceiro bem colocou. E não é possível que Thiem não tentasse fazer diferente. Mas de um jeito ou de outro , os méritos do jovem Francês foi reconhecido pelo Austríaco ao Final do “ pesadelo “ . Incrível como caras que se acham na TV , não sabem reconhecer os méritos quando existe superioridade física e tática , mesmo que seja de um jovem Tenista . . Daí que realmente a culpa não foi mesmo do Suíço e sua “ pança “ rs . Abs!

      Responder
  41. Edgard Upinho

    Dalcim, é impressão minha ou os jogadores estão ficando muito atrás pra receber o saque? teria alguma explicação lógica pra essa postura? Gaston deitou e rolou com curtas em virtude do posicionamento sempre muito atrás do austríaco. Quem você acha que passa entre dimitrov e o grego? Obrigado.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, é uma postura tática definida, Edgard, e o Thiem faz isso desde sempre. Aliás, ele treinou muito com o Nadal e já disse que se inspirou no espanhol. A ideia é entrar em todos os pontos, girando ao máximo uma bola bem profunda. Os dois fazem isso justamente porque possuem essa qualidade de gerar um enrome RPM na bola. Claro que um bom voleador pode minimizar isso, mas também não é tão simples assim. Além de a bola vir girando muito, o devolvedor tem maior tempo de reação e poderá usar bola cruzada, no pé ou ousar uma paralela.

      Responder
  42. LION

    Toda vez que vejo Nadal jogando em RG sinto vergonha alheia pelos outros jogadores, tamanha é a disparidade. Sou Djokovic, mas ninguém tem a mínima chave de batê-lo nesse torneio. A mínima. Talvez Thiem e Djokovic façam uma cócegazinha um pouquinho maior nele. Será, no máximo, isso. Em tempo, daqui a 7 dias o recorde de Federer em GS será igualado. Contagem regressiva.

    Responder
  43. JAN DIAS

    Esses 5 sets podem custar caro pro THIEM…vai ter que se virar pra recuperar o físico e a confiança também, porque ele venceu o francês no sufoco…

    Responder
    1. Bruno

      Jan
      Físico eu acho que ele tem de sobra ,acho mais pelo mental que também pode servir de motivação e subir o nível,não concorda,Dalcim ?

      Responder
      1. JAN DIAS

        O THIEM tem físico sim, mas me parece um pouco cansado pelos jogos exigentes que tem feito desde o USopen, enquanto DJOKO e NADAL estão plenamente descansados… mas vamos ver o que dá..👍🏻

        Responder
    2. Sérgio Ribeiro

      A diferença JAN é que ele conhece bem Dieguito. Por mais que o Hermano esteja em grande fase , ainda está bem aquém do patamar de Rafa e Novak em 5 Sets em R.G . Ao menos , a meu ver . Abs!

      Responder
      1. JAN DIAS

        Sim, o austríaco tem muito mais armas pra enfrentar o DJOKO e o NADAL, mas como respondi ao Bruno acima, ele me parece cansado, enquanto o sérvio e o espanhol estão fresquinhos, fresquinhos..sem desgaste nenhum..
        Penso que isso que fazer a diferença numa possível final…

        Responder
  44. rafael

    O francês é craque com a mão, mas não tem jogo para criar dificuldades para os top 10. O Thiem conseguiu complicar o jogo e quase perdeu. O Nadal ainda não foi testado bem como o Djoko. Eu acho que agora eles terão oponenentes mais decentes, mas, mesmo assim, eu acho que vencerão. Bela vitória do Bruno/Pavic. Será que vem mais título?

    Responder
    1. Thiago Silva

      Está exagerando sim, Nadal já amassou tenistas muito melhores que o Sinner em RG, inclusive o Thiem que em 4 duelos só tirou um set.

      Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      Seria um surpresa e tanto.

      O Nadal até agora só jogou pro gasto.

      Acho que o Sinner será o primeiro teste de verdade que o espanhol vai ter…

      Responder
  45. Paulo F.

    Ué, o segundo melhor saibrista dos últimos três anos, MAS VIRGEM EM CONQUISTAS IMPORTANTES NO SAIBRO, passou trabalho para derrotar um petiço francês neófito?
    Enquanto isso, nestes três anos de “supremacia” de Thiem, Djokovic tem Madrid e Roma na conta.

    Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Os caras querem praticamente obrigar a gente a babar ovo do Djokovic!

        A síndrome de vira-lata deles precisa a todo custo do reconhecimento de um federista!

        E a “vítima” da vez é quem curte mais o Thiem…

        kkkkkkk

        Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Incrível como você se supera em cada comentário, caríssimo P. F . Em vez de tecer elogios a excelente técnica do jovem Francês como fez o Austríaco, me vem com uma bizarrice desta . Lamentável! Abs!

      Responder
  46. Luiz Henrique

    Dalcim, o que achou da atuação do gaston? Nunca vi um jogador dar tanta deixada num jogo, e fez muito bem. Achei até que o post merecia ter tido um parágrafo sobre ele. Tem futuro?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Mas ele jogou exatamente assim contra o Wawrinka, Luiz. O Stan estava sem pernas no final de tanto correr para a frente. Foi uma tática correta para o piso tão pesado, já que o Thiem é mais veloz porém joga muito recuado. O que me perturbou foram as más escolhas do Thiem na hora que chegou nas deixadas, mandando muitas bolas para fora ou tentando cruzadas, o que não é recomendável.

      Responder
  47. periferia

    O ídolo
    No começo década de 60….Zuza Homem de Melo trabalhava em um estúdio americano (Atlantic Records).
    Certo dia o estúdio recebeu Ray Charles….Zuza era um fã do músico americano.
    Anos antes havia visto uma apresentação dele no Carnegie Hall…ao lado de gente como Chet Baker é John Coltrane.
    Era uma oportunidade de falar com o prodígio musical.
    Mas não conseguiu.
    Teve outra oportunidade na década de 80….no Free Jazz Festival….onde Zuza foi curador.
    Mas também não conseguiu conversar com seu ídolo.
    Na década de 90….Ray Charles fez shows no Brasil….depois de um show em São Paulo ….Zuza que era diretor artístico do evento….encontrou Ray Charles na área de embarque do aeroporto.
    Estava lá seu ídolo….sentado…sozinho..com uma cadeira vazia ao lado….era sua chance de dizer para Ray Charles toda admiração e estima….como ele foi importante em sua vida.
    Zuza sentou-se ….enquanto Ray Charles folheava partituras em braile.
    Permaneceu sentado durante cerca de 20 minutos ao lado do músico sem conseguir dizer uma única palavra….ficou paralisado.
    Zuza nunca conseguiu conversar com seu maior ídolo.

    Zuza morreu hoje….

    Responder
    1. Rubens Leme

      Pelo menos, ele não deu vexame como um jorrnalista fã de Stevie Wonder que ficou tão nervoso, em uma entrevista perto do seu ídolo, que na primeira pergunta quis saber o que ele achava da então novata MTV e qual era seu videoclip favorito.

      Responder
    2. Marcilio Aguiar

      Prezado periferia, bela lembrança. O Zuza foi uma presença marcante e grande divulgador da música brasileira no radio, por décadas. Li um livro dele intitulado “Musica nas veias” que tem histórias deliciosas sobre a arte da música e sobre músicos do Brasil e de outros países.
      Grande abraço.

      Responder
      1. periferia

        Olá Marcilio

        Ele tem livros muito bons (ele dizia que o maior legado dele seria os livros)
        Tem um documentário também (Zuza Homem de Jazz)

        Abs

        Responder
  48. Yan Savietto

    O tal do Rubens Leme que faz comentários nesse blog deve estar fazendo alguma confusão, até onde estou sabendo, isso é um blog de tênis, não de música, cinema, ou cultura geral.

    Bom, sobre o post, acho que o Thiem pode estar sentindo o desgaste físico do USO e das milhares de partidas amistosas que fez anteriormente, não vejo a mínima chance do austríaco numa eventual semi contra o Nadal. Do outro lado da chave, acredito que o Djokovic chegará a final sem maiores dificuldades. Abraços!

    Responder
    1. Miguel BsB

      Rapaz, tu tá chegando no blog agora e quer deitar regra? Chega de mansinho e fica tranquilo…o Rubens, periferia, e diversos outros postam sobre música, filmes, outros esportes, política, além de tenis…é assim há muito tempo com a anuência do dono do blog.
      Fica na sua, chega de mansinho, e respeite os antigos participantes e a dinâmica do blog, ok?

      Responder
      1. Rubens Leme

        Agraadeço Miguel, mas não gaste vela boa com defunto ruim. Muito melhor é “ignorar olimpicamente”, como escrevia Armando Nogueira.

        Responder
    2. Jonas

      Duvido que em um eventual encontro o Nadal fique chamando o Thiem para a rede, variando o jogo. Será pancadaria do fundo.

      Nessas condições, não dá para descartar o Thiem, embora o Nadal seja favorito.

      Discordo de você quando cita cansaço. Thiem não jogou Roma e chegou fresco nesse Slam.

      Responder
  49. Luiz Fernando

    Dalcim não sei se sua visão é a mesma, mas este é o Rafa mais ganhável q vi em RG. As bolas me parecem mais curtas do q nunca, talvez hj c influência do vento, movimentação longe da ideal, serviço bem medíocre, enfim Rafa me parece enferrujado neste torneio. Vc vê chance real de levar o título?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Bom, já vimos um pior em 2015… rsrs… Mas concordo que ele ainda não jogou o seu melhor. Talvez esteja se preservando, teremos de ver quando vier um jogo realmente exigente, o que imagino possa acontecer contra o Sinner.

      Responder
    2. Roberto Rocha

      Concordo 100% com você. Esse me parece o último ano em que o espanhol terá alguma chance de vencer Roland Garros. Esse Nadal de hoje não vence Thiem nem Djokovic. A não ser que El Peque faça um jogo de 900 horas com o austríaco!

      Responder
  50. Paulo Almeida

    Não é de hoje que qualquer novata passa o trator em cabeças de chave no tênis feminino. Nenhuma delas consegue impor respeito no circuito e por isso mesmo são varridas sem pudor quando a oportunidade aparece.

    Ainda bem que no masculino a coisa é diferente.

    Responder
  51. Marcilio Aguiar

    Sobre a dupla Bruno e Pavic, assisti à segunda metade do terceiro set . Como jogou o Pavic. Ótimas devoluções e voleios excelentes. Como diz o ditado: “há males que vem para o bem”… O rompimento da dupla pelo J. Murray, até agora rendeu mais frutos para o brasileiro do que para o escocês.

    Responder
  52. Paulo Almeida

    Acho que El Peque vai surrar o Superesthiemado, assim como o Sinner fez pra cima do Zé Verev.

    E ficou provado que a final do US Open foi de fato uma aberração. Que título que o cracaço Djokovic jogou pelo ralo!

    Responder
    1. Renato schachter

      Vc provavelmente deve ter medo que ele supere o djoko até o final dessa temporada não é mesmo ??? Deve ser exatamente isso que vai acontecer !! Deixando claro que Thiem atropelou djoko no último finals e só não levou por detalhe na final contra o grego

      Responder
      1. Paulo Almeida

        Muito pelo contrário: você que está com medo do Federer perder o recorde de semanas.

        Thiem não atropelou o Djoko no Finals, ganhando no detalhe. Já se esqueceu quem foi vice do sérvio no Australian Open levando a virada? No final o austríaco que ficou sem título.

        Ele não está com essa bola toda pra ser número 1 do mundo tão cedo, então menos. Num confronto com o Nadal em RG, será derrotado de novo.

        Responder
  53. Fabio Riella Fernandes

    Dalcim, parece que o Thiem pegou a pior chave. Pode pagar em sequência depois do Schwartzman, o Nadal e Djokovick. Que batalhas hein, se quiser levar o título.

    Responder
  54. Marcilio Aguiar

    O Thiem se desgastando antes da hora, vai tomar sufoco do Dieguito… enquanto isso o Nadal só passeando… Não tinha visto o jogo do Gaston contra Wawrinka, mas hoje fiquei agradavelmente surpreendido como o tenis do francês. Habilidoso e jogou com inteligência. Espero que evolua para termos mais um nextgen competitivo.
    Se o Zverev estava doente não deveria ter entrado em quadra. Espero que o Sinner, pelo menos, consiga arrancar um set do Nadal, mas ainda é cedo para ele vencer o touro em RG.
    Muito emocionante a volta por cima da Martina Trevisan. Não a conhecia, mas ficarei muito feliz se ela for a campeã. Agora minha torcida é para ela também, além da Kvitova e da Svitolina.

    Responder
  55. waldir santos

    amigo voce esta certo , susto na hora certa……daqui em diante não terá mais sustos….estou com pena do dieguito/de quem eu gosto muito, principalmente na vitoria em cima do nadal por 2 x 0 em roma/ e do nadal. espera e vera….o thiem passa apenas um susto por grand slan ou atp 1000, quando o susto não faz ele cai antes da final, ai como o susto já passou ele chega na final…..gracias

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *