A moleza vai acabar
Por José Nilton Dalcim
3 de outubro de 2020 às 19:27

Novak Djokovic perdeu apenas 15 games em três jogos, com direito já a dois ‘pneus’, e com essa facilidade toda chegou neste sábado à 11ª participação consecutiva nas oitavas de final de Roland Garros. Mas a moleza deve acabar. Ainda que seja o favorito natural, na segunda-feira terá pela frente Karen Khachanov, o 16º do ranking que já o derrotou com seu estilo mão de pedra.

O saibro de Paris tem propiciado a Khachanov suas campanhas mais expressivas em Grand Slam. Nunca deixou de estar na quarta rodada em quatro participações e no ano passado fez quartas. Não recua da ideia de sempre forçar o jogo. Diante de Cristian Garin, foram 34 winners e 51 erros, números ainda inferiores à rodada anterior frente a Jiri Vesely, em que fez 65 bolas vencedoras e 42 falhas.

E querem saber? Se sonha barrar o número 1, o caminho é esse mesmo. Claro que não pode dar tanto ponto de graça a um adversário mais consistente e no auge de sua confiança, porém terá de correr riscos, evitar os grandes ralis e tomar cuidado com os ângulos porque joga muito perto da linha e não tem toda essa mobilidade lateral.


Ver essa foto no Instagram

New job, @djokernole? 😂🧹 #RolandGarros #djokovic #tennis #grandslam #Paris #funny

Uma publicação compartilhada por Roland-Garros (@rolandgarros) em

É bem provável que Djoko tenha outro adversário gabaritado nas quartas, caso Pablo Carreño consiga acabar com o sonho dourado do quali alemão Daniel Altmaier, que não perdeu set na semana nem mesmo diante do top 10 Matteo Berrettini. No duelo entre espanhóis que gostam bem mais da quadra dura, Carreño superou Roberto Bautista. E todo mundo deve se lembrar que Carreño iria sacar para o primeiro set no US Open quando houve o lance infeliz de Djokovic.

Segundo conta o site da ATP, Altmaier há um ano nem sabia se iria prosseguir na carreira, sofrendo de problemas crônicos no abdome e lesão no ombro. Dono de backhand de uma mão, foi para os challengers assim que a pandemia permitiu e já soma seis vitórias em Roland Garros, perdendo um único set na fase classificatória. O alemão despontou em 2017, ao chegar em quartas de ATP ainda aos 18, mas a temporada seguinte foi limitada pelos problemas físicos.

Outros dois jogos bem interessantes acontecerão no outro quadrante. Mais dois backhands simples se cruzam com Stefanos Tsitsipas e Grigor Dimitrov, dois que não completaram seus jogos deste sábado por desistência dos adversários. Um duelo de tops 20 que nunca aconteceu e isso reforça a imprevisibilidade. Já Andrey Rublev me parece favorito diante de Marton Fucsovics, ainda que o húngaro tenha vencido os dois confrontos no saibro que já fizeram, porém isso antes de 2018.

Fucsovics colocou fim à campanha de Thiago Monteiro, num jogo que teve um primeiro set muito nervoso e também decisivo. Mesmo tendo quebrado o húngaro por duas vezes seguidas no começo do jogo, o brasileiro também não sustentou seu próprio saque, que vinha tão bem nas partidas anteriores.

No fundo, ele não achou respostas adequadas às variações mais frequentes de Fucsovics, que usou até slice de forehand. Também fez boas transições à rede e dominou os dois sets seguintes com maior autoridade. Monteiro deu mais um passo à frente na sua boa temporada e tentará o último suspiro sobre o saibro europeu no ATP italiano da Sardenha no outro fim de semana.

Uma nova finalista em Roland Garros
A queda das campeãs de 2016 e 2017 neste sábado garante uma finalista inédita na parte inferior da chave feminina de Roland Garros. As únicas entre as oito principais cabeças sobreviventes são Sofia Kenin e Petra Kvitova. Mas as ‘zebras’ andam soltas e melhor não apostar.

Talvez inspirada no namorado Stan Wawrinka, a espanhola Garbiñe Muguruza fez um grande esforço para ser eliminada, e conseguiu o objetivo. Depois de perder o primeiro set para Danielle Collins, vinha com amplo domínio até 4/2 e break-point no terceiro set, sempre agressiva. Aí passou a cometer erros inacreditáveis, perdeu a confiança num passe de mágica e não ganhou mais game.

Collins, que é treinada por Nicolás Almagro e tenta reencontrar aquele tênis que a levou à semi da Austrália no ano passado, enfrenta a tunisiana Ons Jabeur. que tirou Aryna Sabalenka em jogo cheio de alternâncias. Quem passar enfrentará Kenin ou a local Fiona Ferro, que tem predicados. Kenin repete as oitavas do ano passado e Ferro, 49ª do mundo, só tinha uma vitória nas cinco presenças anteriores em Roland Garros.

Kvitova por sua vez conseguiu uma virada espetacular diante da juvenil Leylah Fernandez, que teve 5/1 e set-point. Sem abrir mão da bola forçada, a tcheca reagiu e venceu nove games seguidos. Vem agora o jogo defensivo da chinesa Shuai Zhang e, se passar, terá uma novidade pela frente: a espanhola Paula Badosa ou a alemã Laura Siegemund, que tiveram vitórias sobre favoritas. Badosa apostou na regularidade, fez 10 erros e viu Jelena Ostapenko falhar 43 vezes. Já Siegemund tem 32 anos e chega à maior campanha em Slam depois de virar em cima da croata Petra Martic.

E mais
– O garoto Hugo Gaston tenta se tornar o tenista de mais baixo ranking a cbegar nas quartas de Roland Garros. Mas o 239º colocado terá diante de si Dominic Thiem. que tenta a quinta presença seguida nas quartas.
– Façanha semelhante aguarda Sebastian Korda, 213º colocado, que não esconde ser fã do seu adversário, Rafa Nadal. O último norte-americano nas oitavas de Paris foi Agassi, em 2003.
– A tarefa também é dura para os italianos Jannik Sinner e Lorenzo Sonego. O primeiro enfrenta Alexander Zverev, o outro cruzará Diego Schwartzman, ambos duelos inéditos.
– Gaston, Korda, Sinner e Altman jogam seu primeiro Roland Garros, igualando 1994, última vez que quatro debutantes foram tão longe no torneio. O último a fazer quartas foi Nadal, em 2005.
– Nadal aliás joga sua 98ª partida em Roland Garros (96-2) e busca a 996ª vitória da carreira, das quais 441 foram no saibro e 278 em Grand Slam.
– Simona Halep é favorita para repetir vitória sobre Iga Switek do ano passado, mas Elina Svitolina perdeu três dos quatro duelos diante de Caroline Garcia. Vem muita tensão por aí. Jogos acontecem protegidos pelo teto retrátil.
– Bruno Soares e Luísa Stefani voltam à quadra para buscar quartas de final nas chaves de duplas.


Comentários
  1. Marcelo

    A minha torcida e apostas no “Nadal x Sinner” vao para o Nadal. Mas faria MUITO BEM ao tênis se o Sinner fizesse um sonoro 3×0 neste nomento, ou mesmo se ganhasse o torneio.

    Estou sentindo falta de surpresas boas. Ja tem anos que elas sao raras, por total mèrito do Big 4.

  2. Barocos

    Dalcim,

    Com a sua licença, gostaria de comentar sobre os textos que o Marcílio gentilmente disponibilizou para os frequentadores deste espaço. Sei bem que o lugar adequado para isto é na sequência da publicação original, mas, em função da demora em compartilhar minha impressão sobre os mesmos, me vi incomodado com a possibilidade de que tal iniciativa fosse passar despercebida, o que seria extremamente descortês da minha parte.

    Marcílio, “Luz, câmera, ação (mil e uma cenas)” é um texto divertidíssimo e a sucessão de eventos é vertiginosa. Acredito que você tenha publicado esta bela prosa em algum veículo que verse sobre cinema, não? Caso não tenha feito, dê um passo a frente e submeta a sua criação, não tenho dúvidas que as situações inusitadas descritas vão arrancar muitas expressões de surpresa e contentamento. Faça antes uma pequena revisão do conteúdo (“Bem-Hur, Balde Run, Sacarface, Sem enxergamos, shagrilá”) para dar um polimento. Acredito que você já tenha ouvido a frase “the first 90% takes 10% of time, the remaining 10% takes 90% of time” (esta frase é muito utilizada em engenharia).

    Seu segundo texto, “O Milionário”, é muito belo, muito singelo. Me lembra outros relatos sobre a vida em cidadezinhas do interior do Brasil que sempre me encantaram. Aliás, acho inclusive que assisti a algum filme sobre cinema itinerante e também a um episódio do Globo Repórter sobre o tema. Como você, sinto muita saudade de um Brasil mais cordial, mais preocupado com a coletividade, que os brucutus individualistas e truculentos tentam sepultar.

    Novamente, obrigado pela gentileza.

    Saúde e paz.

    1. Marcilio Aguiar

      Prezado Barocos. Você, como sempre, gentil e generoso.
      Sobre o “Luz, camera…” eu apenas o mostrei para algumas pessoas de minha convivência e somente agora fiz uma divulgação aberta neste espaço. Quanto ao “Milionário” está em um pequeno livro de crônicas e poesias que publiquei às minhas expensas em 2017.

      Muito obrigado pelos comentários e pela percepção dos erros de grafia (“balde” runner é de doer rsrsrs). Leio e releio meus textos várias vezes, sempre encontro algo a corrigir, mas parece que os tropeços são intermináveis. Só mesmo a argúcia de um ótimo revisor, como você demonstrou ser, para dar cabo a essa empreitada.
      Grande abraço e saude!

  3. Maurício Luís *

    O Korda não estava com corda nenhuma. Parece que nem tinha acordado.
    Bom, já que o Nadal tá passando o rodo em todo mundo, sugiro que ao invés de lançar um concurso pra adivinhar qual vai ser o placar, o blog podia perguntar: ” Quantos BALÕES o pouca telha vai dar até chegar à final?”
    O vencedor ganha uma fotografia da sogra dele, tirada bem cedinho, na hora que ela acorda, de bobs e touca na cabeça.
    Essa jovem polonesa com certeza se inspira na sua compatriota Radwanska.

    1. Marcilio Aguiar

      Maurício, gostei dessa proposta, bem criativa rsrsrs. Eu sou péssimo em palpites. Quando é para ganha livros ou raquetes eu passo longe do resultado, mas se esse concurso for instituído é bem capaz de eu ganhar o retrato da simpática sogra rsrssrs.

      1. Maurício Luís *

        Marcílio, eu também sou ruim de palpite. Mas chuta aí um número beeeem alto, que com certeza essa você ganha.

  4. Sérgio Ribeiro

    Não foi por falta de aviso pra que Thiem abrisse bem os olhos com o “ CONVIDADO NADA TRAPALHÃO “ . Levou STANIMAL ao desespero no Quinto Set e quase faz o mesmo com alguém OITO anos mais jovem . Será que o babaca do Wilander se o AUSTRÍACO perde , diria pra que desse vez a outro ? Coisa repetida por aqui por manés e o sabichão “ diversão garantida “ ? Thiem ao final afirmou: “ com seu excelente toque me levou à rede 400 vezes “ . E que não espere nada diferente daqui pra frente . E realmente era pra botar olho no garoto Sinner . Veio mostrar a outro sabichão que no masculino os caras não vem só pra tirar fotografia . Aos 19 em duas semanas não tomou conhecimento de três TOPs 10 . Zverev não viu a cor da bola ( disse que estava febril …) , mas falta ainda mais jogo de rede pra pegar o Touro a unha rsrsrs . Abs!

  5. Marcilio Aguiar

    O Thiem errou muito depois do 2X0, parecia um pouco esgotado., mesmo assim gostei demais do jogo desse francês, habilidoso, que enlouqueceu o austríaco com “drop shots” e lobs. Espero que não seja apenas um momento e ele siga em progresso. O Thiem vai ter que suar sangue para ganhar do argentino, apesar do saque sem potencia deste. Dalcim, os drop shots bem aplicados funcionam bem contra que joga muito atrás como o Thiem e o Nadal, mas não seriam tão eficazes contra o Federer e o Djoko que joga sobre a linha de base. Estou correto ou também é uma boa estratégia contra esses dois?

    1. José Nilton Dalcim

      Serão eficientes se o adversário deslocar lateralmente antes e usar o drop shot no espaço aberto. Claro que quem joga perto da linha tem menor distância a percorrer, daí é precisar estudar o uso com tática adequada.

  6. Paulo F.

    Por ser o segundo melhor saibrista dos últimos três anos, não deveria estar levando muitos drop shots do Anão Risadinha Francês.
    Kkkkkk

  7. Felipe

    Mestre,

    Como funciona as escolhas dos jogos que terão o placar comentado ao vivo??

    Uma pena esse do Thiem não estar tendo!!!

    Abs

    1. José Nilton Dalcim

      O Placar é um produto do UOL Esporte, não do TenisBrasil. Portanto cabe a eles decidir qual jogo vai entrar. Abs!

  8. Luiz Fernando

    O menino Gaston saca a 150 p hora o primeiro serviço mas tem extrema habilidade nos drops, todos rentes a rede, enlouquecendo Thiem. Um atrás do outro. Quinto set vai começar…

  9. Luiz Fernando

    Partida incrível vai fazendo o menino Gaston, mostrando p os bobos de sempre aqui do blog o q eu tenho postado há tempo: esses perdedores de sempre devem dar lugar aos caras q tem vontade de vencer, q lutam p vencer. Vamos p o quarto set…

  10. Sandra

    Dalcim , o quer vc acha mais difícil Djokovic ganhar do Nadal em Roland Garros , caso ele chegue lá , ou ele chegar aos 20 slams ? O que vc acharia mais sobrenatural ? Digo uma maior façanha ?

    1. José Nilton Dalcim

      Como existem mais três Slam para ele somar os 20, acho que ganhar do Nadal em Roland Garros hoje é a maior dificuldade.

  11. Paulo F.

    Nadal está na final.
    Até pensei que Thiem pudesse fazer alguma frente.
    Mas se Thiem está passando trabalho contra uma pulguinha francesa, como?

  12. Evaldo Aparecido Moreira

    E Dalcim ,
    E o Sinner hein, kkkkkkkk, vi no ano passado uma final na Itália , e não o adversário , ali vi que o moleque e fera.
    Evoluiu demais, bom saque , bom FH e BH, e segundo saque também , dá pra ver que ele batia mais com força , já Zverev, esse precisa de mudança urgente , não adianta ser sólido na base, tem que ter mais recursos, concorda mestre !?
    Dalcim , na minha opinião , o Sinner vai dar mais um pouco de trabalho ao Nadal , do que o Korda, e você mestre o que achas!?

    1. José Nilton Dalcim

      Com certeza o Sinner tem mais armas que o Korda, no saibro e fora dele. Acredito que ele possa competir com Nadal, embora vencer seja aí bem mais difícil.

  13. Barocos

    Olhando o jogo entre o Zverev e o garoto italiano, Jannik Sinner, me parece que as preces dos torcedores do Federer foram atendidas, o garoto bate muito bem, e forte, de forehand e de backhand, tanto bolas altas quanto baixas, também troca com facilidade a direção da redonda, tem um belo smash, voleia com precisão, o slice tem qualidade, se desloca muito bem também e, ainda por cima, mantém as emoções sob controle.

    Este foi o primeiro jogo que vi dele, fiquei impressionado, acho que, finalmente, surgiu um jogador com predicados para atrapalhar os planos do Nadal e do Djokovic. É esperar para saber se ele é realmente tudo o que aparenta ser.

    Ajde, Djokovic!

    1. Mário Cesar Rodrigues

      Prece dos torcedores do Federer ou sua.o Italiano vai levar tanta bordada que irá perd r o rumo de casa e como vc disse do Alliassyme que ia longe aprenda e apaga que dá tempo.RG é outra coisa e tem um tal De Rafa Nadal que manda no pedaço.

  14. Heitor de Castro

    Sou fã e torcedor do Djoko mas tenho certeza que ele não ganha esse RG. Tenho dúvidas inclusive se chega na final. As vitórias maiúsculas até agora são frutos dos erros dos seus frágeis adversários, agora a briga começa com Caixa9, depois com Busta que é especialista no saibro… sei, não. Apesar de ter ganho Roma, não me convenceu, e em RG a mesma coisa.

    Espero está errado e que Djoko seja o primeiro a fazer 2x o grand slam de carreira.

  15. Adriano Souza

    É impressionante como esse Nadal só pega moleza
    O jogador que enfrentou ele nas oitavas , parece amador

  16. Sandra

    Dalcim , e a moleza do outro lado não vai acabar não ? Justiça seja feita desse lado o Thiem foi competente e agora está colhendo os frutos até chegar no Nadal

    1. José Nilton Dalcim

      Pois é, tomara que acabe. Acho que Sinner pode dar trabalho. Falta experiência, mas está muito centrado.

  17. periferia

    Olá Dalcim

    Ocordei cedo hoje para ver o jogo do Nadal (Não tinha visto nenhum jogo dele até agora).
    Chamou atenção a quantidade de erros no jogo…o jogo estava feio.
    Fiquei curioso e fui ver a quantidade.
    Korda teve 48 ENF…….contra 21 win.
    Nadal teve 20 ENF ……contra 15 win.
    No jogo da Wawrinka foram quase 120.
    No do Busta foram quase 110.
    A qualidade dos jogos estão abaixo da crítica? Ou o saibro é assim mesmo?
    Os jogos que tenho visto…os caras erram mais que acertam.
    A cobertura do torneio está show de bola.

    Abs

    1. José Nilton Dalcim

      Vamos considerar as condições bem difíceis de se jogar hoje, José Cláudio. Rajadas de vento de 24 km/h. Até Nadal com seu topspin mais cauteloso estava tendo dificuldade de manter a bola em quadra. Eu, que detesto vento, fico até admirado como eles ainda conseguem ser tão eficientes nessas condições.

      1. periferia

        Dalcim

        Lembro do vento estragar uma semifinal entre Federer e Nadal.
        Não se poderia fechar o teto? Ou tem algum impedimento?

        Grato

  18. Marcão

    Sou velho, acordo cedo, então pude ver a polonesa Iga Swiatek, de apenas 19 anos, jogar um tênis magnífico e derrotar a principal favorita ao torneio, Simona Halep, por incontestáveis 6×1 6×2. Enquanto no masculino os meninos entram em quadra para tirar foto com os gigantes, no feminino as meninas entram para derrotá-los.

    1. periferia

      Olá Marcão.

      O menino Korda perdeu o jogo ….mas ganhou o dia…..
      Uma camiseta de seu ídolo autografada.
      Nadal escreveu na camiseta:
      ” obrigado pela devoção….do eterno Rafa Nadal”
      Korda está radiante…..

      Abs

    2. Marcelo

      Fair play antes. Fair play durante. Fair play depois. Entrou no jogo, a coisa muda de figura.basta virar a chave e a competitividade pode ir ao limite sem perder o fair play, pois nao se trata e um esporte com contato físico.

      A quadra de tenis nao è um campo de futebol, onde a intimidaçao fisica toma conta, e vc nao tem opçao, a nao ser se impor também.

      Além do mais, é mais bonito ganhar “a la Federer”: jantando o adversario com um belo sorriso no rosto, do que provocando o adversário.

      : – )

  19. Kiril Araujo

    Parece até que estamos secando. Mais uma favorita que se vai. Verdade que a Iga Swiatek atropelou, mandou na bola sem medo de ser feliz. Mas, como observou o Saretta, Halep não soube mudar seu jogo, continuou jogando como a polonesa gosta.

  20. Luiz Fernando

    Incrível atuação dessa menina polonesa, que disparou winners pra tudo quanto é lado da quadra. Nesse momento Halep deve estar perguntando pro treinador: anotou a placa????

  21. Rodrigo S. Cruz

    Ontem tanto o Sportv como o Bandsports nos poupou de duas DROGAS de “tarja preta”.

    Uma delas, o “crack” Bautista-agut acabou caindo diante do Pablo Carreno…

    (rs)

  22. waldir santos

    amigo voce só fala da chave do djoko e a do nadal ,ate as oitavas foi moleza para os dois…..o campeão vai ser o thiem….fala dele

  23. Marcelo Calmon

    Dalcim,

    Não foi surpresa o Monteiro se enrolar contra o Fucsovics. Ele não conseguiu, segundo ele mesmo, encontrar soluções para combater a variação de jogo do húngaro. Mas fica difícil mesmo para ele achar alguma solução, já que não possui repertório muito variado. Na pancadaria ele até enfrenta jogadores melhores, mas se o adversário sai da pancadaria , ele se dá mal.
    Não consegue um ponto quando o adversário dá um drop shot. Nenhuma habilidade correndo pra frente. O 2º set então foi uma lástima, errando tudo. Errou de novo um smash ridículo, como no lance que daria 1 set pra ele contra o Aliessime no USOpen. A bola quica alta na direita da quadra, ele fica com toda a quadra livre à esquerda, mas dá o smash na direita, e pra fora.
    Ele deveria treinar pelo 1 mês inteiro só jogadas na rede. Brincar de quadradinho.
    No 1º set jogou até bem, poderia ter ganhado. Mas se abateu demais com a perda do set. Saiu totalmente do jogo. O Fucsovics nem precisou se esforçar muito, só passava a bola.
    Engraçado que o cara tinha melhor aproveitamento com o 2º saque. Tava até torcendo pra ele acertar o primeiro. E o saque do Monteiro também não ajudou.
    Lógico que a campanha em si foi boa, mas poderia ter jogado bem melhor hoje. Baixou a cabeça muito rápido.

    A Muguruza realmente é inexplicável. Mas não foi a primeira vez que acontece isso. Quando ela começa a errar é difícil parar.
    Gostei do colombiano, levou uma surra, mas não se abalou. Outro jogo chato.
    Acho que a Martic se machucou, vi no site que uma hora houve atendimento médico, nem sei se foi pra ela, mas depois disso o jogo ficou muito fácil pra alemã.
    Agora o torneio vai esquentar.
    E mais um brasileiro sem sorte no sorteio. No juvenil vamos ter um brasileiro contra o cabeça nr 1.
    abs
    Soares e Stefani amanhã !!!

  24. Paulo Almeida

    A moleza vai acabar mesmo. Apesar do Thiem ter ficado do outro lado da chave, vejo só adversários gabaritados pelo caminho.

    E o Busta sobrou no clássico espanhol. De fato é mais jogador no saibro do que o craque Agut, especialista nas duras.

    1. Sérgio Ribeiro

      Na boa , caro Piloto . Cadê a sua tão decantada criatividade ? Craque somente existe um . Este está longe de RG . Fica gastando a alcunha até com bautista Agut ? Cadê o tal papo de Goat ? Se borrou .., ? kkkkkkkkkkkk Abs!

      1. Paulo Almeida

        Ribeiro, de fato craques só existem dois: Djokovic e Nadal.

        Craque Agut foi só pra fisgar um ou outro.

        Não preciso gastar minha criatividade toda hora, né?

        Abs.

    2. Rodrigo S. Cruz

      Meu Deus.

      Como pode alguém tem coragem de chamar o Agut de “craque”?

      Só se for CRACK, aquele tipo de droga!

      kkkkkk

      1. Paulo Almeida

        Ué, tem gente que tem coragem de chamar Fognini, Kyrgios e até o marreteiro do Wawrinka de craques e negar que o Djokovic seja um.

        A diferença é que eu falo na zoeira.

        1. Rodrigo S. Cruz

          Ótimo, se foi apenas zoação…

          E desenhando pela ducentésima vez: craque pra mim é quem tem o jogo mais vistoso.

          O sérvio é um campeão bem maior, só que dono de um tênis maçante, chato.

          Já os três citados são campeões bem menores, só que donos de um tênis empolgante, vibrante.

          E disso você tem todo direito de discordar, embora seja voto vencido.

          O que você não pode é viver inconformado e querer mudar o MUNDO na base do grito.

          (rs)

          1. Paulo Almeida

            O tênis do Djokovic é mais vistoso do que de qualquer um desses três e por léguas de distância.

            A questão é que o sérvio lhe fez muito mal durante todos esses anos e por isso tem tanto recalque. Os torcedores inconformados do Federer agem dessa forma.

            Eu que digo que não adianta querer ganhar no grito falando que o jogo do sérvio é feio, robótico etc. Você é voto vencido pra qualquer especialista no assunto.

          2. Rodrigo S. Cruz

            Pense como quiser, então.

            Porque continuarei achando lindo o jogo dos citados, e o jogo do teu sérvio amado uma bela de uma porcaria…

            kkkkk

          3. Paulo Almeida

            E eu continuarei com certeza absoluta de que é apenas despeito e que seus queridos jogadores possuem repertório ínfimo perto do do sérvio, kkkkkk.

  25. periferia

    Olá

    Se tivermos….(pode acontecer):

    Djokovic(33 ) x Carreño(29)
    Fucsovis(28) x Dimitrov(29)
    Schwartzman(28) x Thiem(27)
    Zverev(23) x Nadal(34)

    Seria uma média de quase 29 anos….muito alta…esperamos que o “sangue novo” não toque a campanhia…. chute a porta.

  26. Rafael

    Altmaier, Sonego, Korda, Gaston, Badosa, Collins, Podoroska, Trevisan…

    Todos eles nas oitavas. Diria que não é comum aparecerem tantas surpresas assim em fases avançadas de Grand Slam.
    Na sua opinião, apesar de haver casos particulares, qual motivos das surpresas aparecerem em maior número nesse RG?
    Tem relação apenas com as condições climáticas por jogar no outono europeu ou existe mais fatores que afetaram alguns deles em comum?

    Abraço!

    1. José Nilton Dalcim

      Olha, Rafael, acho que existe um conjunto de coisas e certamente a paralisação prolongada do circuito, as condições diferenciadas deste Roland Garros contribuem bastante. Collins não é exatamente uma desconhecida, Badosa e Podoroska sempre viveram mais do saibro. O masculino realmente surpreende mais, porque não estamos acostumados a ver tantos nomes importantes caindo.

  27. Lucas Leite

    Dalcim, achei esse confronto Dimitrov x Tsitsipas realmente muito interessante. Tem muitas coisas parecidas no jogo dos dois. O que você acha que diferencia mais esse dois jogadores?

    1. José Nilton Dalcim

      Sem dúvida, muito semelhantes. Acho que o Dimitrov usa mais slice e se defende um pouco melhor. E essas duas coisas podem ajudá-lo a equilibrar o jogo.

  28. Ronildo

    Poxa, seria incrível se Petra Kvitova fosse campeã. Mas como parar Halep? Talvez pelos nervos, já que numa final entre as duas a romena seria franca favorita.

    1. Fernando Brack

      Como parar Halep? Simples: basta colocar uma polonesa inexpressiva em seu caminho. É incrível como Simona lida mal com o favoritismo. Dureza torcer pra ela.

  29. Anderson

    Acredito que o Djokovic não terá dificuldades contra Khachanov, apesar de ficar registrado que o russo melhorou demais o backhand, jogando com bastante regularidade quando ali atacado.
    Creio que o grande desafio do Djoko será contra Carreño Busta. O espanhol deu uma declaração nada humilde dizendo que somente Nadal estaria à sua frente em Roland Garros, mas depois disso atropelou Pella e Bautista Agut. Tá voando o rapaz.
    Será um confronto bem interessante, ainda mais depois do episódio no Us Open.

  30. André Rodrigues

    Boa noite Dalcim, dada a declaração recente do Carreno Busta(só se sente inferior ao Nadal no saibro), e a campanha até aqui, ele pode sonhar alto em Roland Garros?

    1. José Nilton Dalcim

      Sonhar ele pode, mas não é tão simples assim. No momento, ele ainda teria de ganhar de Djokovic para chegar à final e isso não será nada fácil, caso aconteça o jogo.

  31. Ulisses

    Dalcim,

    Pelo que acompanhei até o momento acredito que a final seja Djokovic x Nadal ou Djokovic X Thiem, sendo que vejo o Djoko com vantagem seja contra Nadal ou Thiem principalmente se a semifinal for longa e desgastante com diversos ralis entre esses dois últimos. Nunca e demais esquecer que o Nadal já conta com 34 anos e uma partida excessivamente longa pode comprometer muito sua partida física que tanto necessita para o saibro. Pelo lado do Thiem mesmo sendo bem mais jovem um duelo fisico na semi somado ao desgate do US OPEN de duas semanas atrás pode ter seu preço também. O que pensa mestre? Concorda com a previsão da final?

    1. José Nilton Dalcim

      Sim, é o mais lógico no momento. Mas como sempre digo, cada dia é um dia no tênis e até mesmo os grandes podem ter um dia menos inspirado. Acho que existe uma certa pressão sobre o Nadal por conta de sua espetacular histórico.

      1. DANILO AFONSO

        E acredito que o espanhol se sentirá mais pressionado porque pulou os torneios americanos para garantir RG.

        1. Sérgio Ribeiro

          Permita-me discordar , caro Danilo. Aos 34 , o Espanhol queria estar inteiro para RG . Com o COVID , o Touro nem pensou em se arriscar nas duras Norte-americanas . Ainda mais com Federer fora de combate. A pressão se e’ que existe , somente pelo SLAM 20. Ele tem declarado que está gostando da melhora de performance jogo a jogo. Já Novak está mais solto pois já se livrou de Thiem rs . Embora hoje disse que está mais do que na hora de tirar seus alvos da quadra ( os juízes de linha ) rsrsrs Abs!

  32. Kiril Araujo

    Dalcim, boa noite. Antes de tudo, parabéns pelo excelente trabalho, você e sua equipe são o que há de melhor no nosso jornalismo tenístico, nã dá pra não elogiar.
    Realmente, está dificil fazer prognóstico, no feminino caiu mais uma favorita, e a pergunta não quer calar: Muguruza perdeu pra ela mesma? Caroline Garcia sentir pressão para fechar o jogo até se entende, jogando em casa, mas resolveu o problema, passou a pressão pra adversária. A experiência de Garbine faltou nesse jogo, que acha?
    Assim mesmo, vou apostar: do que vi até agora, Simona Halep me parece a mais consistente. Tem adversária a altura?

    Abraços

    Kiril – São Paulo

    1. José Nilton Dalcim

      Muguruza era minha candidata principal para fazer a final com a Halep, realmente me surpreendeu como ela se abateu emocionalmente no final do jogo. Não descartaria a Kvitova, aliás seria sensacional uma nova canhota ganhando o torneio. Mas concordo com você que a Halep é a favorita.

        1. José Nilton Dalcim

          Eu raramente chuto, Sandra. Eu tento avaliar, mas felizmente o tênis não segue tanto a lógica e nos diverte.

  33. Fabio Riella Fernandes

    Dalcim, a confiança do Monteiro sumiu quando ele sacava no primeiro set em 5-6 para o Fucsovics. Nao entendo disso mas é impressionante o lado psicológico. Se o Monteiro levasse para o tie break e vencesse o primeiro set talvez o resultado fosse outro…

    1. José Nilton Dalcim

      Essa parte mental é o grande segredo do tênis, Fábio. Se você pensar bem, há diferença técnica pequena entre a maioria dos jogadores, o que diferencia muito mesmo é o mental. Mas somente passando por momentos assim é que o Thiago vai evoluir, não tem muita saída.

  34. ALEXANDRE ADORNO DA CUNHA

    Dalcim, achei muito bonita o backhand do Atmaier, mas aonde surgiu esse cara! “Haha.. Acho o Berretini um falso top 10 com certeza quando cair no ranking será difícil recuperar não acha?
    Pra mim quem pode surpreender amanhã é o Sinner não acha? O resto seria zebraça, jogo do Nadal seria mais fácil o presidente chamar o lula pra ser seu vice do que ele perder este jogo”

    1. José Nilton Dalcim

      Nadal e Thiem perderem seriam zebras incalculáveis, Alexandre… rsrs… O Altmaier realmente tem um backhand muito bonito, sabe variar com slice, mas gostaria de vê-lo jogando mais na rede. Realmente não o havia visto jogando antes deste Roland Garros. Ótima surpresa, novo e promissor.

  35. Bruno

    Até agora está sonolento mesmo,jogos muito fracos.
    A única coisa boa foi o Grand Wily e as duas passadas que o chiliquento tomou.

    1. Marcelo

      Decididmente, preciso subir o nível do que me anima a assistir tênis: E eu que continuo me animando até com as partidas de colegas de trabalho… mas estou decidido e vou dizer a eles que não dá mais

Comentários fechados.